SlideShare uma empresa Scribd logo
Plano de Ação
Pastoral
Plano de Ação da Igreja
≠
Plano de Ação Pastoral
Presbítero(a)
Pastor(a)
Missionário(a)
Evangelista
Qual a diferença?
Documental
Cânones, Regimento, Regulamento...
Qual a diferença?
Qual a diferença?
Prática
Cotidiano da igreja local
Sacramento
Sermão
Reuniões
Discutir este tema polêmico pode ser
muito demorado e até mesmo
infrutífero no contexto de nosso
encontro.
Qual a diferença?
Em nossa reflexão levaremos em conta
a ação daquele (a) que lidera a
comunidade de fé.
Mais que um título ou pronome de
reconhecimento, falaremos sobre a
ação pastoral do(a) vocacionado(a).
Qual a diferença?
Revmo.
Rev. Revda.
Revma.
Pra.Pr.
Missionário Missionário
Carisma Pastoral
O carisma pastoral é um mandato da
Igreja. É ela que capacita, avalia,
designa/consagra/ordena e dá o
mandato.
Alan Richardson afirma: "Ninguém
pode dizer que recebeu autorização
direta do próprio Cristo sem a
instrumentalidade própria de seu
corpo, a Igreja ...".
Carisma Pastoral
"O ministério pastoral tem sua
autenticidade reconhecida quando o
carisma da Igreja de Cristo determina
os carismas individuais".
A vocação, o chamado, o
despertamento para o ministério
pastoral pode ser individual, ou
pessoal, mas o mandato, a ordenação,
a autorização para exercício dos atos
pastorais e dos sacramentos é dada
exclusivamente pela Igreja.
Carisma Pastoral
O tema "Carisma Ministerial" está na
agenda da Igreja Metodista desde
1987 (Dons e Ministérios)...
atualmente tem destaque especial
através da 2ª ênfase do Plano
Nacional Missionário.
“Revitalizar o carisma dos
ministérios clérigo e leigo nos
vários aspectos da missão”
Ministério Pastoral
Há muita expectativa entorno do
ministério desenvolvido pelo pastor e
pela pastora.
da instituição
dos(as) companheiros(as)
da igreja local (comunidade)
da igreja local (indivíduos)
do(a) próprio(a) vocacionado(a)
da família do(a) vocacionado(a)
da comunidade externa
etc...
Ministério Pastoral
É importante que o(a) pastor(a)
dedique-se na tarefa de conhecer
estes vários aspectos e expectativas:
Destacaremos aqui a importância
de:
I)Conhecer a si mesmo
II)Conhecer a instituição que serve
III)Conhecer a comunidade local
IV)Conhecer a sociedade
I – Conhecer a si mesmo
O conhecimento de si mesmo é o primeiro
passo na direção de um relacionamento
adequado com a realidade.
Quanto maior conhecimento tem uma
pessoa de suas motivações, habilidades e
interesses, maiores são suas
possibilidades de ser um agente
consciente de seu estar no mundo.
Conhecer a si próprio não e tão fácil como
a princípio pode parecer. Sem perceber,
enganamos a nós mesmos com bastante
freqüência.
Por outro lado a expectativa que temos
sobre como os outros nos vêem e o que
esperam de nós, pode orientar nosso
comportamento tanto para corresponder
como para negar o que imaginamos que se
espera de nós.
Por ser doloroso tomar consciência destas
e outras coisas evitamos e resistimos
inconscientemente a um confronto com
nos mesmos.
Diante disto as reflexões que uma pessoa
pode fazer isoladamente sobre seu próprio
comportamento, apesar de necessárias,
não são suficientes para um conhecimento
integral dele mesmo.
No caso do(a) pastor(a)
deveríamos citar, a
título de exemplo, uma
ênfase doutrinária ou
uma forma de dirigir a
congregação como
satisfazendo muito mais
a necessidades
pessoais inconscientes,
que suprindo
necessidades reais da
congregação.
É recomendável para um conhecimento
adequado de si, que o individuo aprenda a
sair de si mesmo diante de outra(s)
pessoa(s).
É necessário a coragem de, sem defesas,
se expor em sentimentos, idéias e
problemas pelos quais se passa, diante de
outro que possa nos ajudar no confronto e
reflexão sobre nossa conduta e a historia
de nossa vida.
II – Conhecer sua denominação
Como Igreja Metodista respeitamos as
mais diversas eclesiologias, porém temos
nossa própria forma de ser.
Nossa história... Nossos documentos...
Nossa tradição... Nossa teologia...
Tem muito a contribuir com o Reino de
Deus.
II – Conhecer sua denominação
Não é necessário imitar outras formas
eclesiológicas.
Precisa-se fugir da síndrome da
IMITOSE MÚLTIPLA
...do mimetismo irracional.
II – Conhecer sua denominação
IMITOSE MULTIPLA
(Os barbixas – you tube)
III - Conhecer a congregação e a
sociedade
A congregação tem a sua
história, e, portanto
determinadas motivações,
tendências, condicionamentos
e possibilidades estão
presentes no modo como ela
se relaciona com suas
lideranças ou vive o
evangelho.
Os fatores específicos de cada igreja local
não podem ser ignorados:
Ao lado dessa realidade há a realidade da
sociedade como um todo.
realidade econômica
sociocultural
pastorados anteriores
lideranças leigas
origens da igreja no lugar
situação geográfica
Ao lado desta visão mais globalizante da
igreja é importante ressaltar que, em última
análise, ela é composta por indivíduos que
também tem suas próprias histórias.
Será, então, a mescla e interação destas
historias individuais, com a historia da
Congregação e da sociedade que comporão a
complexa realidade que esta presente em
todo grupo humano.
indivíduo Congregação Sociedade
Planejando
Estes conhecimentos são
fundamentais para se compor um
plano de ação ministerial,
condizente com a realidade de cada
Pastor(a).
Planejando
PROPONHO...
brainstorming
(tempestade de idéias)
(toró de parpite)
Oficina de Trabalho
Planejando
Ações Pastorais de Natureza Litúrgica:
Ações Pastorais de Natureza Administrativa:
Ações Pastorais de Natureza Docente:
Ações Pastorais de Natureza Missionária:
Ações Pastorais de Natureza Social:
Ações Pastorais e representatividade institucional:
Ações Pastorais no cuidado do rebanho:
Ações Pastorais e ministérios locais:
Queridos irmãos e irmãs, membros da Igreja Metodista Central de Campinas,
e “ovelhas” que o Senhor nos confiou, graça e Paz!
Reconhecendo:
•Que a Igreja Metodista no Brasil, desde de 1987, optou por ser uma
comunidade organizada segundo os “DONS” de seus membros e os
“MINISTÉRIOS” emergentes da sociedade;
•Que a visão da Igreja Metodista é a de uma “comunidade missionária a
serviço do povo”;
•Que o ministério pastoral, não é diferente em valor dos outros ministérios da
igreja local (ele é um entre os outros), porém tem sua especificidade conforme
os cânones 2012;
Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral
Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira
Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa
Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
• Que temos vocação pastoral reconhecida pela Igreja Metodista, e já temos
servido neste ministério por alguns anos;
• Que a IMCC é uma comunidade com 98 anos de existência, portanto um
ícone da história do protestantismo, não só na cidade de Campinas como
no Brasil;
• Que os crentes desta comunidade local (IMCC), bem como de todas as
igrejas cristãs, necessitam de cuidados pastorais;
Apresentamos à IMCC, as atividades que, segundo a graça de Deus,
realizaremos durante 2013:
Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral
Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira
Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa
Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
Ações Pastorais de Natureza Litúrgica:
•Desenvolver, juntamente com o ministério de Culto e Liturgia, as ações
litúrgicas da igreja, ultrapassando o ambiente dos cultos dominicais, e levando
em conta o calendário Litúrgico e o Lecionário Cristão;
•Utilizar o púlpito na dependência da graça divina, no desejo de alimentar o
rebanho, levando-o a uma experiência viva com a Palavra de Deus;
Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral
Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira
Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa
Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
Ações Pastorais de Natureza Administrativa:
•Evitar planejamentos precipitados, levando em consideração a HISTÓRIA e o
momento pelo qual a igreja está passando.
•Considerar o “Plano de Ação Nacional”, o “Plano de Ação Regional” e o
“Plano de Ação Distrital” ao elaborar o PLANO DE AÇÃO LOCAL;
•Participar das reuniões do Ministério de Ação Administrativa;
•Acompanhar a tesouraria e seus prepostos em suas ações;
Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral
Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira
Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa
Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
Ações Pastorais de Natureza Docente:
•Instruir a igreja local para o amadurecimento dos relacionamentos, intra-
familiar e intra-eclesiástico.
•Realizar, periodicamente cursos para catecúmenos, com o intuito de instruir
melhor os novos membros da IMCC;
•Ministrar estudos bíblicos nos grupos de comunhão, levando em
consideração um rodízio dos pastores pelos diversos grupos;
•Apoiar as iniciativas da Escola Dominical, reconhecendo sua importância
para a caminhada da igreja local;
Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral
Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira
Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa
Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
Ações Pastorais de Natureza Missionária:
Acompanhar o desenvolvimento missionário das congregações e pontos
missionários da IMCC;
Incentivar as congregações e pontos missionários da IMCC a caminharem
rumo a autonomia financeira e posterior credenciamento como Igreja Local
pelo Concílio Regional.
Revitalizar o programa de discipulado já implantado através dos grupos de
comunhão, levando em consideração a proposta do Plano Nacional
Missionário de que seja numa perspectiva de salvação, santificação e
serviço; ...
Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral
Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira
Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa
Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
Ações Pastorais de Natureza Missionária:
... Estimular o zelo evangelizador na vida de cada membro da IMCC,
conforme o proposta do Plano Nacional Missionário;
Desafiar a IMCC a um maior comprometimento missionário em resposta ao
clamor do desafio urbano, conforme Plano Nacional Missionário;
Motivar a IMCC a envolver-se em ações de cuidado e preservação do meio
ambiente;
Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral
Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira
Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa
Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
Ações Pastorais de Natureza Social:
•Participar das reuniões da Associação Beneficente Campineira (ABC);
•Acompanhar o curso de artesanato promovido pela ABC às quartas feiras no
salão social da IMCC;
•Participar dos eventos IMCC Solidária/ABC em Ação, promovidos no Jd São
Marcos;
Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral
Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira
Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa
Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
Ações Pastorais e representatividade institucional:
•Procurar, à medida do possível, apresentar-nos à sociedade (autoridades e
instituições), visando aproximar a igreja da sociedade e a sociedade da igreja;
•Participar do Conselho de Pastores de Campinas;
Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral
Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira
Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa
Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
Ações Pastorais no cuidado do rebanho:
•Desenvolver ações pastorais de aproximação e cuidado, procurando
envolver-nos com todos e todas.
•Fortalecer a Identidade, Conexidade e Unidade da Igreja, conforme o Plano
Nacional Missionário;
•Transformar o gabinete pastoral em um ambiente acolhedor, solidário e
terapêutico. Será o cartão de visita da igreja local. Todos que assim
desejarem encontrarão ali um espaço reservado para o aconselhamento
pastoral. Os pastores apresentarão os horários de atendimento, mas nada
impedirá que atendam a emergências.
Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral
Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira
Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa
Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
Ações Pastorais no cuidado do rebanho:
Desenvolver um ministério de visitação pastoral, na seguinte perspectiva:
• Visitas Regulares: Pastorear as pessoas que estão
impossibilitadas de virem temporária ou definitivamente ao templo,
através de visitas regulares com ministração da Ceia do Senhor.
Na sua maioria são pessoas enfermas ou idosas, ou mesmo
idosas enfermas. Este é o tempo da igreja ir até os seus e cuidar.
Zelar da parte do rebanho que se encontra fragilizado.
Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral
Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira
Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa
Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
Ações Pastorais no cuidado do rebanho:
• Visitas Pontuais: Visitas temáticas que visam corresponder a
uma expectativa específica.
• Crises: Seja pessoal, familiar, profissional... o objetivo é
acompanhar a pessoa ou grupo em seu momento:
enfermidade, luto, divórcio, drogas, desemprego, etc.
• Momentos Festivos: Casamento, aniversário, compra da
casa, novo emprego, etc. Será um momento de ação de
graças e partilha.
• Visitas Relacionais: Encontros que procuram fortalecer a relação
entre pastor e rebanho. Momento de interagir sem a formalidade
do templo.
Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral
Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira
Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa
Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
Ações Pastorais e ministérios locais:
•Valorizar o modo de ser da Igreja Metodista, organizando todas as suas
atividades a partir dos DONS existentes na comunidade de fé e dos
MINISTÉRIOS emergentes da sociedade. Sendo assim, será respeitado o
dom de cada membro, procurando integrá-lo no trabalho missionário da igreja.
•Cumprir todas as disposições canônicas relativas ao exercício do ministério
pastoral;
•Cumprir as tarefas ministeriais competentes a cada nomeação, seja local,
distrital, regional ou geral.
•Zelar pelo nome, doutrinas e práticas da Igreja Metodista, levando em conta
nossa pluralidade;
•Outros.
Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral
Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira
Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa
Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
Ações Pastorais de Natureza Litúrgica:
Desenvolver, juntamente com o ministério de Culto e Liturgia, as ações litúrgicas da igreja, ultrapassando o ambiente dos cultos dominicais, e levando em conta o calendário Litúrgico e o Lecionário Cristão;
Utilizar o púlpito na dependência da graça divina, no desejo de alimentar o rebanho, levando-o a uma experiência viva com a Palavra de Deus;
Ações Pastorais de Natureza Administrativa:
Evitar planejamentos precipitados, levando em consideração a HISTÓRIA e o momento pelo qual a igreja está passando.
Considerar o “Plano de Ação Nacional”, o “Plano de Ação Regional” e o “Plano de Ação Distrital” ao elaborar o PLANO DE AÇÃO LOCAL;
Participar das reuniões do Ministério de Ação Administrativa;
Acompanhar a tesouraria e seus prepostos em suas ações;
Ações Pastorais de Natureza Docente:
Instruir a igreja local para o amadurecimento dos relacionamentos, intra-familiar e intra-eclesiástico.
Realizar, periodicamente cursos para catecúmenos, com o intuito de instruir melhor os novos membros da IMCC;
Ministrar estudos bíblicos nos grupos de comunhão, levando em consideração um rodízio dos pastores pelos diversos grupos;
Apoiar as iniciativas da Escola Dominical, reconhecendo sua importância para a caminhada da igreja local;
Ações Pastorais de Natureza Missionária:
Acompanhar o desenvolvimento missionário das congregações e pontos missionários da IMCC;
Incentivar as congregações e pontos missionários da IMCC a caminharem rumo a autonomia financeira e posterior credenciamento como Igreja Local pelo Concílio Regional.
Revitalizar o programa de discipulado já implantado através dos grupos de comunhão, levando em consideração a proposta do Plano Nacional Missionário de que seja numa perspectiva de salvação,
santificação e serviço;
Estimular o zelo evangelizador na vida de cada membro da IMCC, conforme o proposta do Plano Nacional Missionário;
Desafiar a IMCC a um maior comprometimento missionário em resposta ao clamor do desafio urbano, conforme Plano Nacional Missionário;
Motivar a IMCC a envolver-se em ações de cuidado e preservação do meio ambiente;
Ações Pastorais de Natureza Social:
Participar das reuniões da Associação Beneficente Campineira (ABC);
Acompanhar o curso de artesanato promovido pela ABC às quartas feiras no salão social da IMCC;
Participar dos eventos IMCC Solidária/ABC em Ação, promovidos no Jd São Marcos;
Ações Pastorais e representatividade institucional:
Procurar, à medida do possível, apresentar-nos à sociedade (autoridades e instituições), visando aproximar a igreja da sociedade e a sociedade da igreja;
Participar do Conselho de Pastores de Campinas;
Ações Pastorais no cuidado do rebanho:
Desenvolver ações pastorais de aproximação e cuidado, procurando envolver-nos com todos e todas.
Fortalecer a Identidade, Conexidade e Unidade da Igreja, conforme o Plano Nacional Missionário;
Desenvolver um ministério de visitação pastoral, na seguinte perspectiva:
Visitas Regulares: Pastorear as pessoas que estão impossibilitadas de virem temporária ou definitivamente ao templo, através de visitas regulares com ministração da Ceia do Senhor.
Na sua maioria são pessoas enfermas ou idosas, ou mesmo idosas enfermas. Este é o tempo da igreja ir até os seus e cuidar. Zelar da parte do rebanho que se encontra fragilizado.
Visitas Pontuais: Visitas temáticas que visam corresponder a uma expectativa específica.
Crises: Seja pessoal, familiar, profissional... o objetivo é acompanhar a pessoa ou grupo em seu momento: enfermidade, luto, divórcio, drogas, desemprego, etc.
Momentos Festivos: Casamento, aniversário, compra da casa, novo emprego, etc. Será um momento de ação de graças e partilha.
Visitas Relacionais: Encontros que procuram fortalecer a relação entre pastor e rebanho. Momento de interagir sem a formalidade do templo.
Transformar o gabinete pastoral em um ambiente acolhedor, solidário e terapêutico. Será o cartão de visita da igreja local. Todos que assim desejarem encontrarão ali um espaço reservado para o
aconselhamento pastoral. Os pastores apresentarão os horários de atendimento, mas nada impedirá que atendam a emergências.
Ações Pastorais e ministérios locais:
Valorizar o modo de ser da Igreja Metodista, organizando todas as suas atividades a partir dos DONS existentes na comunidade de fé e dos MINISTÉRIOS emergentes da sociedade. Sendo assim, será
respeitado o dom de cada membro, procurando integrá-lo no trabalho missionário da igreja.
Cumprir todas as disposições canônicas relativas ao exercício do ministério pastoral;
Cumprir as tarefas ministeriais competentes a cada nomeação, seja local, distrital, regional ou geral.
Zelar pelo nome, doutrinas e práticas da Igreja Metodista, levando em conta nossa pluralidade;
Outros.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Rodrigo F Menegatti
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
Catequese Anjos dos Céus
 
Material de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristãMaterial de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristã
Catequese Anjos dos Céus
 
Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
mbsilva1971
 
Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas  Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Catequese iniciacao a vida cristã ii
Catequese   iniciacao a vida cristã iiCatequese   iniciacao a vida cristã ii
Catequese iniciacao a vida cristã ii
Henrique Fernandes de Souza
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
Wesley Mallbross
 
Curso de batismo
Curso de batismoCurso de batismo
Curso de batismo
Melonita
 
Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02
Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02
Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02
Michel de Assis e Silva
 
O diaconato
O diaconatoO diaconato
O diaconato
Adenísio dos Reis
 
Os sacramento do batismo
Os sacramento do batismoOs sacramento do batismo
Os sacramento do batismo
torrasko
 
Diáconos apostila
Diáconos   apostilaDiáconos   apostila
Diáconos apostila
Isaias Christal
 
DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023
DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023
DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023
Paulo David
 
Apresentação a iniciação da vida cristã
Apresentação a iniciação da vida cristãApresentação a iniciação da vida cristã
Apresentação a iniciação da vida cristã
eusouaimaculada
 
Introdução à doutrina social da igreja
Introdução à doutrina social da igrejaIntrodução à doutrina social da igreja
Introdução à doutrina social da igreja
Ricardo Castro
 
Treinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASDTreinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASD
Gilson Barbosa
 
PENTECOSTES
PENTECOSTESPENTECOSTES
PENTECOSTES
Isaura Miike
 
Os benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casaOs benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casa
Joary Jossué Carlesso
 
Lição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novoLição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novo
Éder Tomé
 
Apostila do curso de liturgia
Apostila do curso de liturgiaApostila do curso de liturgia
Apostila do curso de liturgia
Simone Oliveira
 

Mais procurados (20)

Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
 
Material de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristãMaterial de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristã
 
Semana santa formação
Semana santa formaçãoSemana santa formação
Semana santa formação
 
Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas  Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas
 
Catequese iniciacao a vida cristã ii
Catequese   iniciacao a vida cristã iiCatequese   iniciacao a vida cristã ii
Catequese iniciacao a vida cristã ii
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
 
Curso de batismo
Curso de batismoCurso de batismo
Curso de batismo
 
Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02
Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02
Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02
 
O diaconato
O diaconatoO diaconato
O diaconato
 
Os sacramento do batismo
Os sacramento do batismoOs sacramento do batismo
Os sacramento do batismo
 
Diáconos apostila
Diáconos   apostilaDiáconos   apostila
Diáconos apostila
 
DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023
DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023
DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023
 
Apresentação a iniciação da vida cristã
Apresentação a iniciação da vida cristãApresentação a iniciação da vida cristã
Apresentação a iniciação da vida cristã
 
Introdução à doutrina social da igreja
Introdução à doutrina social da igrejaIntrodução à doutrina social da igreja
Introdução à doutrina social da igreja
 
Treinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASDTreinamento Diáconos IASD
Treinamento Diáconos IASD
 
PENTECOSTES
PENTECOSTESPENTECOSTES
PENTECOSTES
 
Os benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casaOs benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casa
 
Lição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novoLição 5 - É necessário nascer de novo
Lição 5 - É necessário nascer de novo
 
Apostila do curso de liturgia
Apostila do curso de liturgiaApostila do curso de liturgia
Apostila do curso de liturgia
 

Semelhante a Plano de Ação Pastoral - aula e exemplo

PLANEJAMENTO PASTORAL PAROQUIAL.pdf
PLANEJAMENTO PASTORAL PAROQUIAL.pdfPLANEJAMENTO PASTORAL PAROQUIAL.pdf
PLANEJAMENTO PASTORAL PAROQUIAL.pdf
ZILMARMELOPEREIRA
 
Catequistas: missão na comunidade
Catequistas: missão na comunidadeCatequistas: missão na comunidade
Catequistas: missão na comunidade
Fábio Vasconcelos
 
Dicas Equipes de Liturgia e Canto
Dicas Equipes de Liturgia e CantoDicas Equipes de Liturgia e Canto
Dicas Equipes de Liturgia e Canto
GRUPO DE ORAÇÃO ANJO RAFAEL
 
Mobilização da Igreja (1)
Mobilização da Igreja (1)Mobilização da Igreja (1)
Mobilização da Igreja (1)
Francisco A Salerno Neto
 
Manual do lider
Manual do liderManual do lider
Manual do lider
pibfsa
 
Projeto Isaque - Conhecendo o Programa
Projeto Isaque - Conhecendo o ProgramaProjeto Isaque - Conhecendo o Programa
Projeto Isaque - Conhecendo o Programa
Ary Queiroz Jr
 
Sucessão Pastoral
Sucessão PastoralSucessão Pastoral
Sucessão Pastoral
Fabinho Lima
 
planejamentopastoralparoquial-230309004113-8d2d3b58.pptx
planejamentopastoralparoquial-230309004113-8d2d3b58.pptxplanejamentopastoralparoquial-230309004113-8d2d3b58.pptx
planejamentopastoralparoquial-230309004113-8d2d3b58.pptx
freivalentimpesente
 
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de FlorianópolisLivrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Bernadetecebs .
 
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdfDIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
MaricleusaSilva1
 
Comoreavivaraigreja pg
Comoreavivaraigreja pgComoreavivaraigreja pg
Comoreavivaraigreja pg
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 9: Desafios de uma igreja local (pt. 1)
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 9: Desafios de uma igreja local (pt. 1)EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 9: Desafios de uma igreja local (pt. 1)
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 9: Desafios de uma igreja local (pt. 1)
Andre Nascimento
 
formação para catequistas
formação para catequistasformação para catequistas
formação para catequistas
Alexandre Alves Rocha
 
Formação para catequistas
Formação para catequistasFormação para catequistas
Formação para catequistas
Alexandre Alves Rocha
 
Gestão para a renovação paroquial.pe.jose carlos
Gestão para a renovação paroquial.pe.jose carlosGestão para a renovação paroquial.pe.jose carlos
Gestão para a renovação paroquial.pe.jose carlos
conage2013
 
Palestra encontro de catequistas 2015
Palestra encontro de catequistas 2015Palestra encontro de catequistas 2015
Palestra encontro de catequistas 2015
Catequista Verinha
 
Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Minas Gerais)
Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Minas Gerais)Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Minas Gerais)
Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Minas Gerais)
Isaac Marcos
 
Carla geanfrancisco resenha do livro a igreja apaixonada por missoes
Carla geanfrancisco   resenha do livro a igreja apaixonada por missoesCarla geanfrancisco   resenha do livro a igreja apaixonada por missoes
Carla geanfrancisco resenha do livro a igreja apaixonada por missoes
Carla Geanfrancisco Falasca
 
2005 11 20 carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp
2005 11 20   carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp2005 11 20   carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp
2005 11 20 carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp
Paulo Dias Nogueira
 
Conselho missionario o que é e como organizar
Conselho missionario   o que é e como organizarConselho missionario   o que é e como organizar
Conselho missionario o que é e como organizar
Sammis Reachers
 

Semelhante a Plano de Ação Pastoral - aula e exemplo (20)

PLANEJAMENTO PASTORAL PAROQUIAL.pdf
PLANEJAMENTO PASTORAL PAROQUIAL.pdfPLANEJAMENTO PASTORAL PAROQUIAL.pdf
PLANEJAMENTO PASTORAL PAROQUIAL.pdf
 
Catequistas: missão na comunidade
Catequistas: missão na comunidadeCatequistas: missão na comunidade
Catequistas: missão na comunidade
 
Dicas Equipes de Liturgia e Canto
Dicas Equipes de Liturgia e CantoDicas Equipes de Liturgia e Canto
Dicas Equipes de Liturgia e Canto
 
Mobilização da Igreja (1)
Mobilização da Igreja (1)Mobilização da Igreja (1)
Mobilização da Igreja (1)
 
Manual do lider
Manual do liderManual do lider
Manual do lider
 
Projeto Isaque - Conhecendo o Programa
Projeto Isaque - Conhecendo o ProgramaProjeto Isaque - Conhecendo o Programa
Projeto Isaque - Conhecendo o Programa
 
Sucessão Pastoral
Sucessão PastoralSucessão Pastoral
Sucessão Pastoral
 
planejamentopastoralparoquial-230309004113-8d2d3b58.pptx
planejamentopastoralparoquial-230309004113-8d2d3b58.pptxplanejamentopastoralparoquial-230309004113-8d2d3b58.pptx
planejamentopastoralparoquial-230309004113-8d2d3b58.pptx
 
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de FlorianópolisLivrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
 
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdfDIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
 
Comoreavivaraigreja pg
Comoreavivaraigreja pgComoreavivaraigreja pg
Comoreavivaraigreja pg
 
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 9: Desafios de uma igreja local (pt. 1)
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 9: Desafios de uma igreja local (pt. 1)EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 9: Desafios de uma igreja local (pt. 1)
EBD Revista Palavra e Vida 4T2014: Aula 9: Desafios de uma igreja local (pt. 1)
 
formação para catequistas
formação para catequistasformação para catequistas
formação para catequistas
 
Formação para catequistas
Formação para catequistasFormação para catequistas
Formação para catequistas
 
Gestão para a renovação paroquial.pe.jose carlos
Gestão para a renovação paroquial.pe.jose carlosGestão para a renovação paroquial.pe.jose carlos
Gestão para a renovação paroquial.pe.jose carlos
 
Palestra encontro de catequistas 2015
Palestra encontro de catequistas 2015Palestra encontro de catequistas 2015
Palestra encontro de catequistas 2015
 
Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Minas Gerais)
Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Minas Gerais)Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Minas Gerais)
Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Minas Gerais)
 
Carla geanfrancisco resenha do livro a igreja apaixonada por missoes
Carla geanfrancisco   resenha do livro a igreja apaixonada por missoesCarla geanfrancisco   resenha do livro a igreja apaixonada por missoes
Carla geanfrancisco resenha do livro a igreja apaixonada por missoes
 
2005 11 20 carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp
2005 11 20   carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp2005 11 20   carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp
2005 11 20 carta pastoral - xxxvii concílio regional - nº 99 - imcp
 
Conselho missionario o que é e como organizar
Conselho missionario   o que é e como organizarConselho missionario   o que é e como organizar
Conselho missionario o que é e como organizar
 

Mais de Paulo Dias Nogueira

Em Jesus os opostos se atraem
Em Jesus os opostos se atraemEm Jesus os opostos se atraem
Em Jesus os opostos se atraem
Paulo Dias Nogueira
 
O Senhor é meu Pastor e Hospedeiro -
O Senhor é meu Pastor e Hospedeiro - O Senhor é meu Pastor e Hospedeiro -
O Senhor é meu Pastor e Hospedeiro -
Paulo Dias Nogueira
 
Boletim Mensageiro - 05 06 2016
Boletim Mensageiro - 05 06 2016Boletim Mensageiro - 05 06 2016
Boletim Mensageiro - 05 06 2016
Paulo Dias Nogueira
 
Sermão - Não Temais... Sou Eu - Mt 14:22-33
Sermão - Não Temais... Sou Eu - Mt 14:22-33 Sermão - Não Temais... Sou Eu - Mt 14:22-33
Sermão - Não Temais... Sou Eu - Mt 14:22-33
Paulo Dias Nogueira
 
Sermão - O maior Mandamento - Mt 22 34-40
Sermão - O maior Mandamento - Mt 22 34-40Sermão - O maior Mandamento - Mt 22 34-40
Sermão - O maior Mandamento - Mt 22 34-40
Paulo Dias Nogueira
 
Liturgia - Da Páscoa Judaica à Páscoa Cristã
Liturgia - Da Páscoa Judaica à Páscoa CristãLiturgia - Da Páscoa Judaica à Páscoa Cristã
Liturgia - Da Páscoa Judaica à Páscoa Cristã
Paulo Dias Nogueira
 
SERMÃO: Natal - as mensagens dos anjos
SERMÃO: Natal  - as mensagens dos anjosSERMÃO: Natal  - as mensagens dos anjos
SERMÃO: Natal - as mensagens dos anjos
Paulo Dias Nogueira
 
SERMÃO - Natal: as mensagens dos anjos
SERMÃO - Natal: as mensagens dos anjosSERMÃO - Natal: as mensagens dos anjos
SERMÃO - Natal: as mensagens dos anjos
Paulo Dias Nogueira
 
POV 2016 - Carta de orientação e ficha da CLAM
POV 2016 - Carta de orientação e ficha da CLAMPOV 2016 - Carta de orientação e ficha da CLAM
POV 2016 - Carta de orientação e ficha da CLAM
Paulo Dias Nogueira
 
Gaivota 183 encarte
Gaivota 183 encarteGaivota 183 encarte
Gaivota 183 encarte
Paulo Dias Nogueira
 
Gaivota 183
Gaivota 183Gaivota 183
Gaivota 183
Paulo Dias Nogueira
 
Liturgia - da páscoa judaica à páscoa cristã - grupo de comunhão do campos el...
Liturgia - da páscoa judaica à páscoa cristã - grupo de comunhão do campos el...Liturgia - da páscoa judaica à páscoa cristã - grupo de comunhão do campos el...
Liturgia - da páscoa judaica à páscoa cristã - grupo de comunhão do campos el...
Paulo Dias Nogueira
 
Apresentação do pov 2015
Apresentação do pov 2015Apresentação do pov 2015
Apresentação do pov 2015
Paulo Dias Nogueira
 
Sermão pedro - um homem em busca de compromisso
Sermão   pedro - um homem em busca de compromissoSermão   pedro - um homem em busca de compromisso
Sermão pedro - um homem em busca de compromisso
Paulo Dias Nogueira
 
Sermão ouvir a deus ou aos homens - 2 cr 18 1-27 - sermão
Sermão   ouvir a deus ou aos homens - 2 cr 18 1-27 - sermãoSermão   ouvir a deus ou aos homens - 2 cr 18 1-27 - sermão
Sermão ouvir a deus ou aos homens - 2 cr 18 1-27 - sermão
Paulo Dias Nogueira
 
Sermão o senhor é meu pastor e hospedeiro - salmo 23 (2012)
Sermão   o senhor é meu pastor e hospedeiro - salmo 23 (2012)Sermão   o senhor é meu pastor e hospedeiro - salmo 23 (2012)
Sermão o senhor é meu pastor e hospedeiro - salmo 23 (2012)
Paulo Dias Nogueira
 
Sermão jesus o bom pastor - joão 10 11-18 (2012)
Sermão   jesus o bom pastor - joão 10 11-18 (2012)Sermão   jesus o bom pastor - joão 10 11-18 (2012)
Sermão jesus o bom pastor - joão 10 11-18 (2012)
Paulo Dias Nogueira
 
Sermão jesus nos chama ao compromisso - lucas 14 25-33 - reflexão
Sermão   jesus nos chama ao compromisso - lucas 14 25-33 - reflexãoSermão   jesus nos chama ao compromisso - lucas 14 25-33 - reflexão
Sermão jesus nos chama ao compromisso - lucas 14 25-33 - reflexão
Paulo Dias Nogueira
 
Sermão eliseu e a mulher sunamita - 2 reis 4 8-17
Sermão   eliseu e a mulher sunamita - 2 reis 4 8-17Sermão   eliseu e a mulher sunamita - 2 reis 4 8-17
Sermão eliseu e a mulher sunamita - 2 reis 4 8-17
Paulo Dias Nogueira
 
Sermão conversão dos olhos mãos e pés - atos 3 1-10 (sem texto)
Sermão   conversão dos olhos mãos e pés -  atos 3 1-10 (sem texto)Sermão   conversão dos olhos mãos e pés -  atos 3 1-10 (sem texto)
Sermão conversão dos olhos mãos e pés - atos 3 1-10 (sem texto)
Paulo Dias Nogueira
 

Mais de Paulo Dias Nogueira (20)

Em Jesus os opostos se atraem
Em Jesus os opostos se atraemEm Jesus os opostos se atraem
Em Jesus os opostos se atraem
 
O Senhor é meu Pastor e Hospedeiro -
O Senhor é meu Pastor e Hospedeiro - O Senhor é meu Pastor e Hospedeiro -
O Senhor é meu Pastor e Hospedeiro -
 
Boletim Mensageiro - 05 06 2016
Boletim Mensageiro - 05 06 2016Boletim Mensageiro - 05 06 2016
Boletim Mensageiro - 05 06 2016
 
Sermão - Não Temais... Sou Eu - Mt 14:22-33
Sermão - Não Temais... Sou Eu - Mt 14:22-33 Sermão - Não Temais... Sou Eu - Mt 14:22-33
Sermão - Não Temais... Sou Eu - Mt 14:22-33
 
Sermão - O maior Mandamento - Mt 22 34-40
Sermão - O maior Mandamento - Mt 22 34-40Sermão - O maior Mandamento - Mt 22 34-40
Sermão - O maior Mandamento - Mt 22 34-40
 
Liturgia - Da Páscoa Judaica à Páscoa Cristã
Liturgia - Da Páscoa Judaica à Páscoa CristãLiturgia - Da Páscoa Judaica à Páscoa Cristã
Liturgia - Da Páscoa Judaica à Páscoa Cristã
 
SERMÃO: Natal - as mensagens dos anjos
SERMÃO: Natal  - as mensagens dos anjosSERMÃO: Natal  - as mensagens dos anjos
SERMÃO: Natal - as mensagens dos anjos
 
SERMÃO - Natal: as mensagens dos anjos
SERMÃO - Natal: as mensagens dos anjosSERMÃO - Natal: as mensagens dos anjos
SERMÃO - Natal: as mensagens dos anjos
 
POV 2016 - Carta de orientação e ficha da CLAM
POV 2016 - Carta de orientação e ficha da CLAMPOV 2016 - Carta de orientação e ficha da CLAM
POV 2016 - Carta de orientação e ficha da CLAM
 
Gaivota 183 encarte
Gaivota 183 encarteGaivota 183 encarte
Gaivota 183 encarte
 
Gaivota 183
Gaivota 183Gaivota 183
Gaivota 183
 
Liturgia - da páscoa judaica à páscoa cristã - grupo de comunhão do campos el...
Liturgia - da páscoa judaica à páscoa cristã - grupo de comunhão do campos el...Liturgia - da páscoa judaica à páscoa cristã - grupo de comunhão do campos el...
Liturgia - da páscoa judaica à páscoa cristã - grupo de comunhão do campos el...
 
Apresentação do pov 2015
Apresentação do pov 2015Apresentação do pov 2015
Apresentação do pov 2015
 
Sermão pedro - um homem em busca de compromisso
Sermão   pedro - um homem em busca de compromissoSermão   pedro - um homem em busca de compromisso
Sermão pedro - um homem em busca de compromisso
 
Sermão ouvir a deus ou aos homens - 2 cr 18 1-27 - sermão
Sermão   ouvir a deus ou aos homens - 2 cr 18 1-27 - sermãoSermão   ouvir a deus ou aos homens - 2 cr 18 1-27 - sermão
Sermão ouvir a deus ou aos homens - 2 cr 18 1-27 - sermão
 
Sermão o senhor é meu pastor e hospedeiro - salmo 23 (2012)
Sermão   o senhor é meu pastor e hospedeiro - salmo 23 (2012)Sermão   o senhor é meu pastor e hospedeiro - salmo 23 (2012)
Sermão o senhor é meu pastor e hospedeiro - salmo 23 (2012)
 
Sermão jesus o bom pastor - joão 10 11-18 (2012)
Sermão   jesus o bom pastor - joão 10 11-18 (2012)Sermão   jesus o bom pastor - joão 10 11-18 (2012)
Sermão jesus o bom pastor - joão 10 11-18 (2012)
 
Sermão jesus nos chama ao compromisso - lucas 14 25-33 - reflexão
Sermão   jesus nos chama ao compromisso - lucas 14 25-33 - reflexãoSermão   jesus nos chama ao compromisso - lucas 14 25-33 - reflexão
Sermão jesus nos chama ao compromisso - lucas 14 25-33 - reflexão
 
Sermão eliseu e a mulher sunamita - 2 reis 4 8-17
Sermão   eliseu e a mulher sunamita - 2 reis 4 8-17Sermão   eliseu e a mulher sunamita - 2 reis 4 8-17
Sermão eliseu e a mulher sunamita - 2 reis 4 8-17
 
Sermão conversão dos olhos mãos e pés - atos 3 1-10 (sem texto)
Sermão   conversão dos olhos mãos e pés -  atos 3 1-10 (sem texto)Sermão   conversão dos olhos mãos e pés -  atos 3 1-10 (sem texto)
Sermão conversão dos olhos mãos e pés - atos 3 1-10 (sem texto)
 

Último

Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 

Último (20)

Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 

Plano de Ação Pastoral - aula e exemplo

  • 2. Plano de Ação da Igreja ≠ Plano de Ação Pastoral
  • 5. Qual a diferença? Prática Cotidiano da igreja local Sacramento Sermão Reuniões
  • 6. Discutir este tema polêmico pode ser muito demorado e até mesmo infrutífero no contexto de nosso encontro. Qual a diferença? Em nossa reflexão levaremos em conta a ação daquele (a) que lidera a comunidade de fé.
  • 7. Mais que um título ou pronome de reconhecimento, falaremos sobre a ação pastoral do(a) vocacionado(a). Qual a diferença? Revmo. Rev. Revda. Revma. Pra.Pr. Missionário Missionário
  • 8. Carisma Pastoral O carisma pastoral é um mandato da Igreja. É ela que capacita, avalia, designa/consagra/ordena e dá o mandato. Alan Richardson afirma: "Ninguém pode dizer que recebeu autorização direta do próprio Cristo sem a instrumentalidade própria de seu corpo, a Igreja ...".
  • 9. Carisma Pastoral "O ministério pastoral tem sua autenticidade reconhecida quando o carisma da Igreja de Cristo determina os carismas individuais". A vocação, o chamado, o despertamento para o ministério pastoral pode ser individual, ou pessoal, mas o mandato, a ordenação, a autorização para exercício dos atos pastorais e dos sacramentos é dada exclusivamente pela Igreja.
  • 10. Carisma Pastoral O tema "Carisma Ministerial" está na agenda da Igreja Metodista desde 1987 (Dons e Ministérios)... atualmente tem destaque especial através da 2ª ênfase do Plano Nacional Missionário. “Revitalizar o carisma dos ministérios clérigo e leigo nos vários aspectos da missão”
  • 11. Ministério Pastoral Há muita expectativa entorno do ministério desenvolvido pelo pastor e pela pastora. da instituição dos(as) companheiros(as) da igreja local (comunidade) da igreja local (indivíduos) do(a) próprio(a) vocacionado(a) da família do(a) vocacionado(a) da comunidade externa etc...
  • 12. Ministério Pastoral É importante que o(a) pastor(a) dedique-se na tarefa de conhecer estes vários aspectos e expectativas: Destacaremos aqui a importância de: I)Conhecer a si mesmo II)Conhecer a instituição que serve III)Conhecer a comunidade local IV)Conhecer a sociedade
  • 13. I – Conhecer a si mesmo O conhecimento de si mesmo é o primeiro passo na direção de um relacionamento adequado com a realidade. Quanto maior conhecimento tem uma pessoa de suas motivações, habilidades e interesses, maiores são suas possibilidades de ser um agente consciente de seu estar no mundo.
  • 14. Conhecer a si próprio não e tão fácil como a princípio pode parecer. Sem perceber, enganamos a nós mesmos com bastante freqüência. Por outro lado a expectativa que temos sobre como os outros nos vêem e o que esperam de nós, pode orientar nosso comportamento tanto para corresponder como para negar o que imaginamos que se espera de nós.
  • 15. Por ser doloroso tomar consciência destas e outras coisas evitamos e resistimos inconscientemente a um confronto com nos mesmos. Diante disto as reflexões que uma pessoa pode fazer isoladamente sobre seu próprio comportamento, apesar de necessárias, não são suficientes para um conhecimento integral dele mesmo.
  • 16. No caso do(a) pastor(a) deveríamos citar, a título de exemplo, uma ênfase doutrinária ou uma forma de dirigir a congregação como satisfazendo muito mais a necessidades pessoais inconscientes, que suprindo necessidades reais da congregação.
  • 17. É recomendável para um conhecimento adequado de si, que o individuo aprenda a sair de si mesmo diante de outra(s) pessoa(s). É necessário a coragem de, sem defesas, se expor em sentimentos, idéias e problemas pelos quais se passa, diante de outro que possa nos ajudar no confronto e reflexão sobre nossa conduta e a historia de nossa vida.
  • 18. II – Conhecer sua denominação Como Igreja Metodista respeitamos as mais diversas eclesiologias, porém temos nossa própria forma de ser. Nossa história... Nossos documentos... Nossa tradição... Nossa teologia... Tem muito a contribuir com o Reino de Deus.
  • 19. II – Conhecer sua denominação Não é necessário imitar outras formas eclesiológicas. Precisa-se fugir da síndrome da IMITOSE MÚLTIPLA ...do mimetismo irracional.
  • 20. II – Conhecer sua denominação IMITOSE MULTIPLA (Os barbixas – you tube)
  • 21. III - Conhecer a congregação e a sociedade A congregação tem a sua história, e, portanto determinadas motivações, tendências, condicionamentos e possibilidades estão presentes no modo como ela se relaciona com suas lideranças ou vive o evangelho.
  • 22. Os fatores específicos de cada igreja local não podem ser ignorados: Ao lado dessa realidade há a realidade da sociedade como um todo. realidade econômica sociocultural pastorados anteriores lideranças leigas origens da igreja no lugar situação geográfica
  • 23. Ao lado desta visão mais globalizante da igreja é importante ressaltar que, em última análise, ela é composta por indivíduos que também tem suas próprias histórias. Será, então, a mescla e interação destas historias individuais, com a historia da Congregação e da sociedade que comporão a complexa realidade que esta presente em todo grupo humano. indivíduo Congregação Sociedade
  • 24. Planejando Estes conhecimentos são fundamentais para se compor um plano de ação ministerial, condizente com a realidade de cada Pastor(a).
  • 26. Planejando Ações Pastorais de Natureza Litúrgica: Ações Pastorais de Natureza Administrativa: Ações Pastorais de Natureza Docente: Ações Pastorais de Natureza Missionária: Ações Pastorais de Natureza Social: Ações Pastorais e representatividade institucional: Ações Pastorais no cuidado do rebanho: Ações Pastorais e ministérios locais:
  • 27. Queridos irmãos e irmãs, membros da Igreja Metodista Central de Campinas, e “ovelhas” que o Senhor nos confiou, graça e Paz! Reconhecendo: •Que a Igreja Metodista no Brasil, desde de 1987, optou por ser uma comunidade organizada segundo os “DONS” de seus membros e os “MINISTÉRIOS” emergentes da sociedade; •Que a visão da Igreja Metodista é a de uma “comunidade missionária a serviço do povo”; •Que o ministério pastoral, não é diferente em valor dos outros ministérios da igreja local (ele é um entre os outros), porém tem sua especificidade conforme os cânones 2012; Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
  • 28. • Que temos vocação pastoral reconhecida pela Igreja Metodista, e já temos servido neste ministério por alguns anos; • Que a IMCC é uma comunidade com 98 anos de existência, portanto um ícone da história do protestantismo, não só na cidade de Campinas como no Brasil; • Que os crentes desta comunidade local (IMCC), bem como de todas as igrejas cristãs, necessitam de cuidados pastorais; Apresentamos à IMCC, as atividades que, segundo a graça de Deus, realizaremos durante 2013: Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
  • 29. Ações Pastorais de Natureza Litúrgica: •Desenvolver, juntamente com o ministério de Culto e Liturgia, as ações litúrgicas da igreja, ultrapassando o ambiente dos cultos dominicais, e levando em conta o calendário Litúrgico e o Lecionário Cristão; •Utilizar o púlpito na dependência da graça divina, no desejo de alimentar o rebanho, levando-o a uma experiência viva com a Palavra de Deus; Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
  • 30. Ações Pastorais de Natureza Administrativa: •Evitar planejamentos precipitados, levando em consideração a HISTÓRIA e o momento pelo qual a igreja está passando. •Considerar o “Plano de Ação Nacional”, o “Plano de Ação Regional” e o “Plano de Ação Distrital” ao elaborar o PLANO DE AÇÃO LOCAL; •Participar das reuniões do Ministério de Ação Administrativa; •Acompanhar a tesouraria e seus prepostos em suas ações; Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
  • 31. Ações Pastorais de Natureza Docente: •Instruir a igreja local para o amadurecimento dos relacionamentos, intra- familiar e intra-eclesiástico. •Realizar, periodicamente cursos para catecúmenos, com o intuito de instruir melhor os novos membros da IMCC; •Ministrar estudos bíblicos nos grupos de comunhão, levando em consideração um rodízio dos pastores pelos diversos grupos; •Apoiar as iniciativas da Escola Dominical, reconhecendo sua importância para a caminhada da igreja local; Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
  • 32. Ações Pastorais de Natureza Missionária: Acompanhar o desenvolvimento missionário das congregações e pontos missionários da IMCC; Incentivar as congregações e pontos missionários da IMCC a caminharem rumo a autonomia financeira e posterior credenciamento como Igreja Local pelo Concílio Regional. Revitalizar o programa de discipulado já implantado através dos grupos de comunhão, levando em consideração a proposta do Plano Nacional Missionário de que seja numa perspectiva de salvação, santificação e serviço; ... Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
  • 33. Ações Pastorais de Natureza Missionária: ... Estimular o zelo evangelizador na vida de cada membro da IMCC, conforme o proposta do Plano Nacional Missionário; Desafiar a IMCC a um maior comprometimento missionário em resposta ao clamor do desafio urbano, conforme Plano Nacional Missionário; Motivar a IMCC a envolver-se em ações de cuidado e preservação do meio ambiente; Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
  • 34. Ações Pastorais de Natureza Social: •Participar das reuniões da Associação Beneficente Campineira (ABC); •Acompanhar o curso de artesanato promovido pela ABC às quartas feiras no salão social da IMCC; •Participar dos eventos IMCC Solidária/ABC em Ação, promovidos no Jd São Marcos; Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
  • 35. Ações Pastorais e representatividade institucional: •Procurar, à medida do possível, apresentar-nos à sociedade (autoridades e instituições), visando aproximar a igreja da sociedade e a sociedade da igreja; •Participar do Conselho de Pastores de Campinas; Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
  • 36. Ações Pastorais no cuidado do rebanho: •Desenvolver ações pastorais de aproximação e cuidado, procurando envolver-nos com todos e todas. •Fortalecer a Identidade, Conexidade e Unidade da Igreja, conforme o Plano Nacional Missionário; •Transformar o gabinete pastoral em um ambiente acolhedor, solidário e terapêutico. Será o cartão de visita da igreja local. Todos que assim desejarem encontrarão ali um espaço reservado para o aconselhamento pastoral. Os pastores apresentarão os horários de atendimento, mas nada impedirá que atendam a emergências. Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
  • 37. Ações Pastorais no cuidado do rebanho: Desenvolver um ministério de visitação pastoral, na seguinte perspectiva: • Visitas Regulares: Pastorear as pessoas que estão impossibilitadas de virem temporária ou definitivamente ao templo, através de visitas regulares com ministração da Ceia do Senhor. Na sua maioria são pessoas enfermas ou idosas, ou mesmo idosas enfermas. Este é o tempo da igreja ir até os seus e cuidar. Zelar da parte do rebanho que se encontra fragilizado. Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
  • 38. Ações Pastorais no cuidado do rebanho: • Visitas Pontuais: Visitas temáticas que visam corresponder a uma expectativa específica. • Crises: Seja pessoal, familiar, profissional... o objetivo é acompanhar a pessoa ou grupo em seu momento: enfermidade, luto, divórcio, drogas, desemprego, etc. • Momentos Festivos: Casamento, aniversário, compra da casa, novo emprego, etc. Será um momento de ação de graças e partilha. • Visitas Relacionais: Encontros que procuram fortalecer a relação entre pastor e rebanho. Momento de interagir sem a formalidade do templo. Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
  • 39. Ações Pastorais e ministérios locais: •Valorizar o modo de ser da Igreja Metodista, organizando todas as suas atividades a partir dos DONS existentes na comunidade de fé e dos MINISTÉRIOS emergentes da sociedade. Sendo assim, será respeitado o dom de cada membro, procurando integrá-lo no trabalho missionário da igreja. •Cumprir todas as disposições canônicas relativas ao exercício do ministério pastoral; •Cumprir as tarefas ministeriais competentes a cada nomeação, seja local, distrital, regional ou geral. •Zelar pelo nome, doutrinas e práticas da Igreja Metodista, levando em conta nossa pluralidade; •Outros. Plano de Ação PastoralPlano de Ação Pastoral Rev. Paulo Dias NogueiraRev. Paulo Dias Nogueira Rev. Eber Borges da CostaRev. Eber Borges da Costa Pra. Rosana de Fátima PiresPra. Rosana de Fátima Pires
  • 40. Ações Pastorais de Natureza Litúrgica: Desenvolver, juntamente com o ministério de Culto e Liturgia, as ações litúrgicas da igreja, ultrapassando o ambiente dos cultos dominicais, e levando em conta o calendário Litúrgico e o Lecionário Cristão; Utilizar o púlpito na dependência da graça divina, no desejo de alimentar o rebanho, levando-o a uma experiência viva com a Palavra de Deus; Ações Pastorais de Natureza Administrativa: Evitar planejamentos precipitados, levando em consideração a HISTÓRIA e o momento pelo qual a igreja está passando. Considerar o “Plano de Ação Nacional”, o “Plano de Ação Regional” e o “Plano de Ação Distrital” ao elaborar o PLANO DE AÇÃO LOCAL; Participar das reuniões do Ministério de Ação Administrativa; Acompanhar a tesouraria e seus prepostos em suas ações; Ações Pastorais de Natureza Docente: Instruir a igreja local para o amadurecimento dos relacionamentos, intra-familiar e intra-eclesiástico. Realizar, periodicamente cursos para catecúmenos, com o intuito de instruir melhor os novos membros da IMCC; Ministrar estudos bíblicos nos grupos de comunhão, levando em consideração um rodízio dos pastores pelos diversos grupos; Apoiar as iniciativas da Escola Dominical, reconhecendo sua importância para a caminhada da igreja local; Ações Pastorais de Natureza Missionária: Acompanhar o desenvolvimento missionário das congregações e pontos missionários da IMCC; Incentivar as congregações e pontos missionários da IMCC a caminharem rumo a autonomia financeira e posterior credenciamento como Igreja Local pelo Concílio Regional. Revitalizar o programa de discipulado já implantado através dos grupos de comunhão, levando em consideração a proposta do Plano Nacional Missionário de que seja numa perspectiva de salvação, santificação e serviço; Estimular o zelo evangelizador na vida de cada membro da IMCC, conforme o proposta do Plano Nacional Missionário; Desafiar a IMCC a um maior comprometimento missionário em resposta ao clamor do desafio urbano, conforme Plano Nacional Missionário; Motivar a IMCC a envolver-se em ações de cuidado e preservação do meio ambiente; Ações Pastorais de Natureza Social: Participar das reuniões da Associação Beneficente Campineira (ABC); Acompanhar o curso de artesanato promovido pela ABC às quartas feiras no salão social da IMCC; Participar dos eventos IMCC Solidária/ABC em Ação, promovidos no Jd São Marcos; Ações Pastorais e representatividade institucional: Procurar, à medida do possível, apresentar-nos à sociedade (autoridades e instituições), visando aproximar a igreja da sociedade e a sociedade da igreja; Participar do Conselho de Pastores de Campinas; Ações Pastorais no cuidado do rebanho: Desenvolver ações pastorais de aproximação e cuidado, procurando envolver-nos com todos e todas. Fortalecer a Identidade, Conexidade e Unidade da Igreja, conforme o Plano Nacional Missionário; Desenvolver um ministério de visitação pastoral, na seguinte perspectiva: Visitas Regulares: Pastorear as pessoas que estão impossibilitadas de virem temporária ou definitivamente ao templo, através de visitas regulares com ministração da Ceia do Senhor. Na sua maioria são pessoas enfermas ou idosas, ou mesmo idosas enfermas. Este é o tempo da igreja ir até os seus e cuidar. Zelar da parte do rebanho que se encontra fragilizado. Visitas Pontuais: Visitas temáticas que visam corresponder a uma expectativa específica. Crises: Seja pessoal, familiar, profissional... o objetivo é acompanhar a pessoa ou grupo em seu momento: enfermidade, luto, divórcio, drogas, desemprego, etc. Momentos Festivos: Casamento, aniversário, compra da casa, novo emprego, etc. Será um momento de ação de graças e partilha. Visitas Relacionais: Encontros que procuram fortalecer a relação entre pastor e rebanho. Momento de interagir sem a formalidade do templo. Transformar o gabinete pastoral em um ambiente acolhedor, solidário e terapêutico. Será o cartão de visita da igreja local. Todos que assim desejarem encontrarão ali um espaço reservado para o aconselhamento pastoral. Os pastores apresentarão os horários de atendimento, mas nada impedirá que atendam a emergências. Ações Pastorais e ministérios locais: Valorizar o modo de ser da Igreja Metodista, organizando todas as suas atividades a partir dos DONS existentes na comunidade de fé e dos MINISTÉRIOS emergentes da sociedade. Sendo assim, será respeitado o dom de cada membro, procurando integrá-lo no trabalho missionário da igreja. Cumprir todas as disposições canônicas relativas ao exercício do ministério pastoral; Cumprir as tarefas ministeriais competentes a cada nomeação, seja local, distrital, regional ou geral. Zelar pelo nome, doutrinas e práticas da Igreja Metodista, levando em conta nossa pluralidade; Outros.