SlideShare uma empresa Scribd logo
Ano Vocacional 2023.pptx
Oração do 3º Ano Vocacional
Senhor Jesus, enviado do Pai e Ungido do Espírito Santo,
que fazeis os corações arderem e os pés se colocarem a caminho,
ajudai-nos a discernir a graça do vosso chamado
e a urgência da missão.
Continuai a encantar famílias, crianças adolescentes, jovens e adultos,
para que sejam capazes de sonhar e se entregar,
com generosidade e vigor, a serviço do Reino,
em vossa Igreja e no mundo.
Despertai as novas gerações
para a vocação aos Ministérios Leigos,
ao Matrimônio, à Vida Consagrada
e aos Ministérios Ordenados.
Maria, Mãe, Mestra e Discípula Missionária,
ensinai-nos a ouvir o Evangelho da Vocação
e a responder com alegria. Amém!
APRESENTAÇÃO
Dom João Francisco Salm
“Se queres andar rápido, caminha sozinho. Se queres ir
longe, caminha com os outros”
Papa Francisco ChV 167
“Vamos sentindo o chamado de Deus como graça que nos
impulsiona à missão, uma presença divina ao nosso lado
que faz o coração arder e os nossos pés se colocarem a
caminho, juntos, para ir longe”
Dom Salm
O 1º Ano Vocacional, em 1983, favoreceu e ampliou o
reconhecimento de que toda a comunidade cristã
é responsável pela animação, cultivo e formação das
vocações.
Gerou muitos frutos. Entre eles:
• maior dinamização do SAV/PV nos
regionais da CNBB,
• produção de subsídios vocacionais
(Mês Vocacional, Cartazes Vocacionais,
Boletim Convocação, Coleção Cadernos
Vocacionais, Revistas Vocacionais –
Rogate e Espírito),
• realização de Escolas Vocacionais.
O 2º Ano Vocacional, em 2003, promoveu um novo
despertar vocacional, levando todos os cristãos e cristãs a
assumir, gradativamente, na comunidade eclesial e na
sociedade, sua própria vocação e missão batismal.
Favoreceu, em síntese:
• consciência vocacional das
comunidades,
• redescoberta da universalidade da
vocação,
• valorização das equipes vocacionais
paroquiais e diocesanas,
• melhor compreensão do sentido e valor
da vocação batismal,
• maior compreensão da teologia da
vocação e das vocações.
O 4º Congresso Vocacional do Brasil (2019) orientou a
realização do 3º Ano Vocacional do Brasil em 2023
Ano Vocacional 2023.pptx
4º Congresso Vocacional do Brasil (2019): Vocação e Discernimento
SÍNODO:
Os jovens, a fé e o discernimento vocacional (2018)
SUBSÍDIOS
ANO VOCACIONAL 2022-2023
Ano Vocacional 2023.pptx
INTRODUÇÃO
Escolha do Tema e do Lema
Processo de escuta
Sugestão de vários seguimentos eclesiais que
abordaram alguns anseios:
1. Igreja mais unida (sinodal);
2. Igreja mais missionária;
3. Igreja mais diaconal (servidora);
4. Igreja mais próxima das pessoas.
Neste sentido depois de muita reflexão
ficou claro que o Ano Vocacional deve:
1. Tratar de vocação no seu sentido mais pro-fundo e
mais amplo (abrangente), pessoal e comunitário.
2. Promover com muita clareza a identidade das mais
diversas vocações específicas na Igreja.
INTRODUÇÃO
Escolha do Tema e do Lema
3. Superar uma visão reducionista de vocação
(excludente, de privilégio e clericalista), como uma
generalização que não impacta o indivíduo.
4. “Deus chama pelo nome”. Vocação pessoal e Igreja
(como comunidade de vocacionados) são
inseparáveis;
INTRODUÇÃO
Escolha do Tema e do Lema
“O 3º Ano Vocacional convida-nos a refletir e a
aprofundar o tema “Vocação: Graça e Missão”. O
lema “Corações ardentes, pés a caminho” faz recordar
os discípulos de Emaús. Enquanto a Graça faz o
coração arder, a Missão faz os pés estarem a caminho,
em movimento”
(n. 1)
INTRODUÇÃO
Escolha do Tema e do Lema
“Jesus chamou e enviou
os que Ele mesmo quis”
(Mc 3,13-19)
“Recorda que a origem, o centro e a meta de toda
vocação e missão é a pessoa de Jesus Cristo. Aquele
que chama, também envia. A iniciativa é do
próprio Deus... À luz do Mistério de Cristo, cada
pessoa compreende sua identidade e missão. É
também à luz de Cristo que a Igreja encontra sua
vocação e missão” n. 2
“Jesus chamou e enviou
os que Ele mesmo quis”
(Mc 3,13-19)
“Na origem de toda genuína vocação,
está um encontro decisivo com o
Senhor, pois não basta ser informado
do que os outros dizem”.
n. 22
ANO VOCACIONAL NO BRASIL
- Início e conclusão na Solenidade de N. Sr. Jesus
Cristo, Rei do Universo e Dia dos cristãos leigos e
leigas, tem um significado: afirmar que somos
todos vocacionados.
- 20 de Novembro 2022 a 26 de Novembro de
2023.
Objetivo Geral
“Promover a cultura vocacional
nas comunidades eclesiais, nas famílias
e na sociedade, para que sejam
ambientes favoráveis ao despertar de
todas as vocações, como graça e
missão, a serviço do Reino de Deus”.
Objetivos específicos
1. Cultivar uma sensibilidade vocacional;
2. Aprofundar a teologia da graça e missão;
3. Fortalecer a consciência do discipulado missionário de todos os
batizados;
4. Acompanhar cada jovem de modo personalizado, numa maior
proximidade;
5. Despertar vocações à Vida Consagrada e ao Ministério Ordenado;
6. Intensificar a prática da oração pelas vocações em todos os
âmbitos;
7. Fomentar nos regionais, dioceses e paróquias a consolidação das
EVP e EVD;
1ª Parte:
Vocação
1ª Parte: Vocação
“Jesus entrou para ficar com eles”
Lc 24,29b
1. Chamados a ser Povo de Deus: um olhar
vocacional no Concílio Vaticano II
2. Discípulos Missionários: a vocação em
Aparecida
3. Servir com alegria: a Vocação em Francisco
Não basta ouvir dizer dos
outros: precisa encontrá-lo
pessoalmente.
Vocação é con-vocação
1. Chamados a ser Povo de Deus:
um olhar vocacional no CVII
“A vocação no Concílio, é entendida como um chamado a
todos e está diretamente ligada à consciência missionária,
sendo ela uma resposta que conduz à santidade. A Igreja,
nesse sentido, é continuadora da missão de Cristo e
chamada à saída de si para o serviço do Reino”. n.24
- Vocação Universal à Santidade (LG)
- Modelo na vivência da vocação : Jesus Cristo
- Vocação entendida como um dom (sermos santos), mas
também como um compromisso de cooperar com a
vontade divina.
1. Chamados a ser Povo de Deus:
um olhar vocacional no CVII
- Tarefa da Igreja é ajudar a todos a discernir os sinais
vocacionais presentes na vida. Exige que a Igreja caminhe junto
com os que realizam este processo.
- Caráter comunitário da vocação.
- Evidencia o papel dos leigos para a vida e a missão da Igreja.
- Apesar das limitações, o ser humano é chamado a viver uma
vida superior. Toda vocação exige renúncia.
- A vocação é dom, é graça. Todos são presenteados por Deus
com sua vocação.
- Por apostolado o Concílio entende toda a atividade que
ordene o mundo para Cristo.
2. Discípulos missionários:
A vocação em Aparecida
Centro:
DEUS AMA E CHAMA A CADA UM DOS SEUS FILHOS
- O amor de Deus no Princípio e no Fim de todo o chamado;
- Os que foram alcançados não conseguem mais ficar
inertes;
- Servir na caridade. Deus não nos chama ao presunçoso
fechamento e autocentralidade;
- Com Cristo, uma vida que se torna Eucarística;
A vocação em Aparecida
- Chamados não para anunciar a sí mesmos ou o que
escutam por ai. Porta voz d’Ele: profeta.
- Cumprir essa missão não é tarefa opcional.
- A nossa vocação é eclesial. Nunca deve ser
trampolim para satisfazer interesses pessoais.
- Vocação à unidade.
- Maria, Mãe e Discípula missionária, modelo dos
vocacionados (livre, forte, formadora)
3. Servir com alegria:
A vocação em Francisco
- Reforça e valoriza o papel da hierarquia no serviço de
proximidade aos cristãos leigos.
- Valorização dos ministérios leigos (catequistas,
acolitato...)
- Conversão no caminho pastoral, que deixa
individualismos e parte para a cultura do encontro.
- Igreja com portas abertas, em saída.
- Destaca a alegria (ligada aos serviço, brota da relação
de amor fraterno, da comunhão, do pão partilhado).
3. Servir com alegria:
A vocação em Francisco
- ChV, n.3: “recorda algumas convicções da nossa fé e ao
mesmo tempo nos encoraja a crescer em santidade e no
compromisso com a própria vocação”.
- O acompanhamento é alicerçado na atitude de
escutar (novo método: o caminho da escuta).
- Não só pelo ver a partir das nossas convicções, mas
pelo escutar o que o outro tem a dizer. (três
sensibilidades de escuta)
• Um diálogo a três: o diretor espiritual, o vocacionado
e o próprio Deus. A um dado momento aquele que faz
o acompanhamento da escuta deve desaparecer.
3. Servir com alegria:
A vocação em Francisco
- Não impõe. Coração do jovem é terra sagrada
- Não dar respostas pré-concebidas, receitas
preparadas: sempre tem a novidade.
- A empatia enriquece e permite ao jovem fazer
perguntas inéditas.
2ª Parte:
Vocação é graça
2ª Parte: Vocação é graça
“Jesus chamou e enviou os que Ele mesmo quis”
Mc 3,13-19
1. O Discipulado Missionário em Mc 3, 13-19
2. Jesus chama
3. Jesus chama para permanecer com Ele
4. Jesus chamou os que Ele mesmo quis... para enviá-los
3 aspectos da dinâmica vocacional:
chamado - permanecer com Jesus e os demais - envio
2ª Parte: Vocação é graça
- Quem é Jesus? Qual é a sua missão? Como
ser seu seguidor?
- Saber disso envolve nossas escolhas
pessoais.
- Todos são surpreendidos pelo chamado.
Não é seguir uma ideia, mas uma Pessoa.
2ª Parte: Vocação é graça
- Olha o grupo escolhido por Ele.
- Não nascemos cristãos, nos tornamos cristãos.
- Optou por formar um grupo de colaboradores. A
função em um primeiro momento é formar
comunidade.
- Não nasce de suas capacidades e estratégias, nem
do voluntarismo e esforço em praticar virtudes, nem
do currículo, mas de uma experiência profunda com
Jesus.
2ª Parte: Vocação é graça
- SER APÓSTOLO
- O Termo é raramente citado na Bíblia grega, e quando
usado é enviado com todos os poderes de quem o envia
- Ser apóstolo é ser profeta, anunciar o querigma e
expulsar demônios com a exousia de Cristo.
- Autoridade: nasce da coerência entre o ser e o fazer,
sem dicotomia.
- Seguir não é algo herdado por descendência.
- Ser chamado não é um ato mágico que nos
transforma em santos. Ex: Judas.
2ª Parte: Vocação é graça
- Ministério do chamado unido ao ministério da
acolhida humana.
- Chamado e resposta, dom e tarefa formam uma
unidade na ação de Deus.
- Sem resposta o milagre não acontece.
- No chamado Deus chama pelo nome. O chamado
não faz perder a identidade própria.
- Cada santo é uma missão bem sucedida.
2ª Parte: Vocação é graça
- Como ouvir a voz de Jesus se vivemos a
autoreferencialidade?
- O mal de uma consciência isolada. Vida
inteira fechada.
- Autoreferencialidade é diferente de
autotranscedência.
2ª Parte: Vocação é graça
- O sentido da vida é redescoberto. Emaús.
- Ouvir a juventude para que nossas instituições
não envelheçam.
- Todo o criado está interligado, pois nasce d’Ele.
- No Evangelho de Marcos, a imagem de Jesus é
semelhante aos rabinos judeus.
- Mas se distingue: não tem sinagoga ou casa fixa.
Itinerante. Igreja em saída.
2ª Parte: Vocação é graça
- E Jesus escolhia os seus discípulos e não ao
contrário.
- Convite para estar com Ele para ter os mesmos
sentimentos que Ele.
- MUDANÇAS SIGNIFICATIVAS QUE JESUS
PROVOCA:
2ª Parte: Vocação é graça
1 – Todos são irmãos e irmãs.
2 – O poder se faz serviço.
3 – A vivência da partilha solidária.
4 – Amizade e não escravidão.
5 – Igualdade entre homem e mulher.
6 – Todos ao redor da mesma mesa.
2ª Parte: Vocação é graça
- PERMANECER COM ELE É O SEGREDO DA VOCAÇÃO
- Permanecer com Ele na montanha e na planície.
- O envio não é posterior ao chamado, mas um estado
permanente. Correlacionados intrinsecamente.
- Não forma guetos, mas comunidade da Nova Aliança.
- Dois elementos que nos ajudam no comprometimento
vocacional: o horizonte e as atitudes.
3ª Parte:
Vocação é missão
3ª Parte: Vocação é missão
“Naquela mesma hora, levantaram-se
e se colocaram a caminho”. Lc 24,33
Desafio do ano vocacional: desenvolver a
cultura vocacional nas comunidades
eclesiais, nas famílias e na sociedade.
3ª Parte: Vocação é missão
- Objetivo geral: Promover cultura vocacional
- Atitudes vocacionais básicas que dão vida a uma
autêntica cultura vocacional:
• Formação das consciências
• A sensibilidade aos valores espirituais e morais
• A promoção e a defesa dos ideais:
da fraternidade humana
do caráter sagrado da vida
da solidariedade social
da ordem civil
3ª Parte: Vocação é missão
Empenhar mente e coração no discernimento do que é
bom para o ser humano.
“A escuta da Revelação Divina, a meditação silenciosa, a
oração de contemplação e sua tradução em experiência
de vida constituem o terreno no qual floresce e se
desenvolve uma
autêntica cultura vocacional”.
São João Paulo II (n. 152)
3ª Parte: Vocação é missão
- SJPII: Cada um tem o seu lugar no coração de Deus.
- Relações inspiradas no serviço recíproco cria uma
autêntica cultura vocacional.
- “O caminho para a paz não implica homogeneizar
a sociedade, mas permite-nos trabalhar juntos” FT
228
- O segredo da fecundidade pastoral é a união com
Ele.
3ª Parte: Vocação é missão
- Uma Igreja em saída, é antes, uma Igreja que sai da
comodidade dos seus templos para ir ao encontro do
outro, mas é também uma Igreja capaz de abrir suas
portas para acolher todos aqueles que queiram
entrar.
- “Realmar” a economia.
- Sinodal: modo de agir da Igreja: o que afeta a todos
deve ser tratado e aprovado por todos (Congar).
3ª Parte: Vocação é missão
- Exercer o seu ministério como dom aos demais.
- Convite a avaliar se o nosso estilo de vida e
comunicação, para saber se são fraternos.
- Não reduzir o diálogo a negociações
- Processo de Kénosis
- Não é homogeneizar a sociedade, mas trabalhar
juntos
- Imagem do poliedro.
3ª Parte: Vocação é missão
- Corresponsabilidade e atitude de pertença.
- Não fazer de conta que os problemas não existem
- Missão vincula-se à identidade da Igreja.
- A missão não é uma parte da minha vida, é para
isso que estou neste mundo. EG 273
- E se expressa por meio da diaconia.
- Pilares dos At: Ensinamento dos Apóstolos, Fração
do Pão, Oração e Partilha.
3ª Parte: Vocação é missão
- Apesar de papéis ministeriais diferentes
temos a mesma finalidade.
- A vocação adquire a sua plenitude na
comunidade.
- Diante do altar entendemos a nossa vocação.
- Quem está dentro deve permanecer e quem
está fora deve ser atraído
- Viu, sentiu compaixão e cuidou dele.
3ª Parte: Vocação é missão
- A oração pelas vocações deve gerar uma
disponibilidade total e generosa a Deus.
- Vivência responsável da vocação
- Independente da vocação, dar testemunho de
comunhão.
- Ministros ordenados: capacidade de dialogar
com a realidade plural e valorizar os leigos. Não
está acima dos fiéis.
- Não introduzir os leigos no clericalismo.
Magnificat.
3ª Parte: Vocação é missão
- Vocação não é motivo de poder, mas serviço. Não
orgulho, mas humildade.
- Tentações clericais: poder, autoritarismo, privilégio,
egocentrismo
- Não ao secularismo, narcisismo, subjetividade dos
valores e os abusos na Liturgia, nem fundamentalismo,
rigidez que mascara aspectos profundos.
- Cria obstáculo uma volta demasiada ao passado.
Valorização da exterioridade.
- Torna-se uma vocação intimista.
3ª Parte: Vocação é missão
- O surgimento de grupos ultraconservadores,
nascidos desse individualismo, resulta no
fechamento, ocasionando o mundanismo
espiritual, que se esconde atrás de aparências de
religiosidade e de um falso amor à Igreja (EG 93),
alimentando-se de um gnosticismo, subjetivismo
e neopelagianismo.
- Não à laicização do clero e não ao clericalização
dos leigos.
3ª Parte: Vocação é missão
Eixo fundamental da Pastoral Vocacional:
- Teologia Vocacional: Conjunto de princípios que dão
sentido à realização da pessoa humana na relação com
Deus.
- Espiritualidade Vocacional: Predispõe a mente e o
coração, desperta a sensibilidade para ouvir e
responder ao chamado.
- Pedagogia Vocacional: Práxis ou o próprio serviço de
animação vocacional ou pastoral vocacional
Pistas para o caminho
Novos rumos!?
Pistas para o caminho
- Continuar o caminho de construção da cultura vocacional
(responsabilidade é de toda a Igreja, planejamento, organização,
serviço em rede).
- Aumentar a consciência vocacional nas paróquias e comunidades
(mentalidade vocacional em toda ação evangelizadora).
- Necessitamos avançar, fortalecer ou transformar as seguintes
dimensões:
• Espiritualidade
• Itinerário
• Missão
• Planejamento
ESPIRITUALIDADE
- Oração pelas vocações
- Testemunho de vida
- Orientação espiritual
- Leitura orante da Palavra
- Promover e organizar momentos orantes vocacionais
- Ações evangelizadoras que envolvam crianças, catequistas,
jovens, famílias (celebrações, tríduos, retiros)
- Maior conscientização sobre orientação vocacional (de
qualidade, desinteressada e capaz de apresentar ao jovem a
riqueza da Igreja em sua diversidade)
ITINERÁRIO
- Atenção à integridade da pessoa do acompanhado
- Compreensão da estrutura humana do jovem (suas
forças e fragilidades, envolvimento da família)
- Aproximar a PV das pastorais juvenis, catequese e
família
- Projeto Pessoal de Vida
- Possibilitar espaços de escuta e acompanhamento
personalizado que os ajudem a viver o itinerário
vocacional.
MISSÃO
Igreja em saída
- Fidelidade e paixão por Jesus Cristo, seu segmento e sua
missão.
- Encorajar e organizar missões populares com jovens, em
vista da renovação de experiências de fé e de projetos
vocacionais, abrindo espaços para que os jovens criem
novas formas de missão, por exemplo, nas redes sociais.
PLANEJAMENTO
- Articular a animação vocacional em uma gradualidade
progressiva (com metas, etapas, passos e itinerários que
devem ser sempre avaliados)
- Fortalecer ou criar Equipes Vocacionais Paroquiais e
Diocesanas, investindo na formação dos membros.
- Integrar SAV-PV com as demais pastorais no âmbito da
ação evangelizadora. (SAV como instrumento de
integração de ação pastoral).
- Unidade e comunhão. Trabalho em equipe.
- Prever recursos financeiros para criar e manter atividades
e formações.
Animação Vocacional
- Saber-se chamado e chamado para chamar;
- Testemunho pessoal e comunitário (por atração);
- Olhar amável (como o de Cristo);
- Palavra manifestada com autoridade;
- Acompanhamento pessoal (caminhar ao lado);
- Diálogo (conhecimento da história, do sentido da vida)
- Atitude de escuta (arte)
Sabedoria da escuta: escutar é a “capacidade do coração
que torna possível a proximidade, sem a qual não existe um
verdadeiro encontro espiritual”.
Escuta autêntica
- Favorecer a abertura ao outro
- Prestar atenção ao que a pessoa comunica e se empenhar
ativamente na compreensão do que se deseja comunicar
- Acompanhar com verdadeiro interesse a pessoa naquilo que
busca e espera de si (empatia).
- Pôr o próprio mundo de lado para aproximar o mais possível do
mundo do outro, acompanhando sem interferir.
- Escutar (lutas, fragilidades, alegrias, sofrimentos, expectativas,
tensões, conflitos, decisões).
- Transcende a dimensão psicológica (leva por caminhos à espera
de alguém)
- Requer silêncio interior
Escuta autêntica
- Com a escuta, vem o dom do discernimento.
- O Espírito Santo fala e age em cada pessoa por meio
de acontecimentos da existência sua e dos outros. Fala
por mediações. Devemos iluminá-los.
- EG: Papa Francisco dá 3 chaves para o discernimento:
• Reconhecer (lucidez – à luz do que é inspirado pelo ES)
• Interpretar (e interpretar-se - O Espírito Santo está
chamando – diálogo com o Senhor)
• Escolher (decisão com liberdade e responsabilidade)
Acompanhamento vocacional
Assim como Jesus no encontro com as pessoas, é preciso ter
em qualquer experiência de acompanhamento vocacional
1. Olhar amável
(Chamado dos 12)
2. Palavra manifestada com autoridade
(Cafarnaum)
3. Capacidade de fazer-se próximo
(Samaritana)
4. Opção de caminhar juntos
(Emaús)
Acompanhamento vocacional
Acompanhar comporta:
1. Conhecer o caminho já trilhado por eles, em que ponto
estão e para onde se dirigem, a fim de poder caminhar
juntos;
2. Garantir a promoção do encontro como oportunidade
de relação, humana e humani-zadora, e não
utilitarista;
3. Ter atitude de escuta.
Acompanhamento vocacional
4. Encontro de mediação
(Verdadeiro Acompanhamento é o Espírito Santo;
São João da Cruz: “Lembrem-se aqueles que orientam
almas, e considerem que o principal agente e guia e
movente das almas neste negócio não são eles, mas é o
Espírito Santo, que jamais perde de vista o cuidado delas”.
5. O acompanhante de estrada deve fazer-se testemunha
e anunciador da ação do ES no acompanhado, de modo
discreto.
Acompanhamento vocacional
6. Descobrir como Deus se manifesta na nossa vivência
até surpreender-nos ao sermos encontrados por Ele;
7. Ter consciência de que a iniciativa é sempre de Deus; e
serão nossas as responsabilidade e a liberdade da
resposta que damos ao chamado.
Enfim, atender à pessoas e não a demandas...
* Onde existe a Cultura Vocacional, que avance; onde não
existe, que se origine.
Ano Vocacional 2023.pptx

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação – leitores
Formação – leitoresFormação – leitores
Formação – leitores
Reinaldo Soares de Oliveira
 
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Rodrigo F Menegatti
 
O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
Si Leão
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
Catequese Anjos dos Céus
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Jean
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
mbsilva1971
 
Crisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativoCrisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativo
Rafael Maciel
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
Wesley Mallbross
 
Perfil do catequista
Perfil do catequistaPerfil do catequista
Perfil do catequista
Severino Júnior
 
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovensEvangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Ulisses
 
Formação sobre Dízimo
Formação sobre DízimoFormação sobre Dízimo
Formação sobre Dízimo
mbsilva1971
 
Os sacramentos - 1ª reunião de crismandos e padrinhos
Os sacramentos  -  1ª reunião de crismandos e padrinhosOs sacramentos  -  1ª reunião de crismandos e padrinhos
Os sacramentos - 1ª reunião de crismandos e padrinhos
Catequese Panatis
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
Francisco Rodrigues
 
Oração inicial e acolhida - Encontro de Formação Missionária
Oração inicial e acolhida - Encontro de Formação MissionáriaOração inicial e acolhida - Encontro de Formação Missionária
Oração inicial e acolhida - Encontro de Formação Missionária
Bernadetecebs .
 
Retiro com Crismandos
Retiro com CrismandosRetiro com Crismandos
Retiro com Crismandos
José Vieira Dos Santos
 
Material de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristãMaterial de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristã
Catequese Anjos dos Céus
 
A pessoa do catequista
A pessoa do catequistaA pessoa do catequista
A pessoa do catequista
Bruno Costa
 
Catequese "O Credo" parte por parte
Catequese "O Credo" parte por parteCatequese "O Credo" parte por parte
Catequese "O Credo" parte por parte
Jose Luis Beneli
 
formação para catequistas
formação para catequistasformação para catequistas
formação para catequistas
Alexandre Alves Rocha
 
A missa– parte por parte
A missa– parte por parteA missa– parte por parte
A missa– parte por parte
Jean
 

Mais procurados (20)

Formação – leitores
Formação – leitoresFormação – leitores
Formação – leitores
 
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos Formação batismo pais e padrinhos Católicos
Formação batismo pais e padrinhos Católicos
 
O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
 
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
21º Encontro - Sacramentos e Sacramentos da iniciação
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
 
Crisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativoCrisma - Slide formativo
Crisma - Slide formativo
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
 
Perfil do catequista
Perfil do catequistaPerfil do catequista
Perfil do catequista
 
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovensEvangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
Evangelismo - 7 Projetos Impactantes para jovens
 
Formação sobre Dízimo
Formação sobre DízimoFormação sobre Dízimo
Formação sobre Dízimo
 
Os sacramentos - 1ª reunião de crismandos e padrinhos
Os sacramentos  -  1ª reunião de crismandos e padrinhosOs sacramentos  -  1ª reunião de crismandos e padrinhos
Os sacramentos - 1ª reunião de crismandos e padrinhos
 
Querigma e catequese
Querigma e catequeseQuerigma e catequese
Querigma e catequese
 
Oração inicial e acolhida - Encontro de Formação Missionária
Oração inicial e acolhida - Encontro de Formação MissionáriaOração inicial e acolhida - Encontro de Formação Missionária
Oração inicial e acolhida - Encontro de Formação Missionária
 
Retiro com Crismandos
Retiro com CrismandosRetiro com Crismandos
Retiro com Crismandos
 
Material de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristãMaterial de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristã
 
A pessoa do catequista
A pessoa do catequistaA pessoa do catequista
A pessoa do catequista
 
Catequese "O Credo" parte por parte
Catequese "O Credo" parte por parteCatequese "O Credo" parte por parte
Catequese "O Credo" parte por parte
 
formação para catequistas
formação para catequistasformação para catequistas
formação para catequistas
 
A missa– parte por parte
A missa– parte por parteA missa– parte por parte
A missa– parte por parte
 

Semelhante a Ano Vocacional 2023.pptx

redentoristando-pedro.blogspot.com
redentoristando-pedro.blogspot.comredentoristando-pedro.blogspot.com
redentoristando-pedro.blogspot.com
pmgv5
 
blog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaesblog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaes
pmgv5
 
A importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hojeA importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hoje
fagundes_daniel
 
Missão continental
Missão continentalMissão continental
Missão continental
pmgv5
 
Missão Continental
Missão Continental Missão Continental
Missão Continental
Bernadetecebs .
 
Uma nova paroquia
Uma nova paroquiaUma nova paroquia
Uma nova paroquia
Pe Gil Medeiros
 
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
LFKlein
 
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
Rodrigo Catini Flaibam
 
Encontro com Catequistas
Encontro com CatequistasEncontro com Catequistas
Encontro com Catequistas
José Vieira Dos Santos
 
DGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleberDGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleber
Kleber Silva
 
Dgae 2011 2015 visitapastoral
Dgae 2011 2015 visitapastoralDgae 2011 2015 visitapastoral
Dgae 2011 2015 visitapastoral
Kleber Silva
 
Missão é sair
Missão é sairMissão é sair
Missão é sair
Bernadetecebs .
 
Cat08
Cat08Cat08
As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja  As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja
Oswaldo Michaelano
 
Estudos da CNBB – 108 Missão e Cooperação Missionária
Estudos da CNBB – 108 Missão e Cooperação MissionáriaEstudos da CNBB – 108 Missão e Cooperação Missionária
Estudos da CNBB – 108 Missão e Cooperação Missionária
EmiliaCassia2
 
Santas Missões Populares
Santas Missões PopularesSantas Missões Populares
Santas Missões Populares
setorsantaluzia
 
6º Encontro ano da fé documento de aparecida
6º Encontro ano da fé   documento de aparecida6º Encontro ano da fé   documento de aparecida
6º Encontro ano da fé documento de aparecida
Comunidade Católica NS Candelária Indaiatuba
 
Definitivo missão
Definitivo   missãoDefinitivo   missão
Definitivo missão
pmgv5
 
blog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaesblog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaes
pmgv5
 
Eucaristia e Missão, Pedreira
Eucaristia e Missão, PedreiraEucaristia e Missão, Pedreira
Eucaristia e Missão, Pedreira
Andreia Mello
 

Semelhante a Ano Vocacional 2023.pptx (20)

redentoristando-pedro.blogspot.com
redentoristando-pedro.blogspot.comredentoristando-pedro.blogspot.com
redentoristando-pedro.blogspot.com
 
blog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaesblog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaes
 
A importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hojeA importancia do catequista hoje
A importancia do catequista hoje
 
Missão continental
Missão continentalMissão continental
Missão continental
 
Missão Continental
Missão Continental Missão Continental
Missão Continental
 
Uma nova paroquia
Uma nova paroquiaUma nova paroquia
Uma nova paroquia
 
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
K papel leigoigrejahojeigrejasinacio19out11
 
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
 
Encontro com Catequistas
Encontro com CatequistasEncontro com Catequistas
Encontro com Catequistas
 
DGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleberDGAE 2011 2015 padrekleber
DGAE 2011 2015 padrekleber
 
Dgae 2011 2015 visitapastoral
Dgae 2011 2015 visitapastoralDgae 2011 2015 visitapastoral
Dgae 2011 2015 visitapastoral
 
Missão é sair
Missão é sairMissão é sair
Missão é sair
 
Cat08
Cat08Cat08
Cat08
 
As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja  As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja
 
Estudos da CNBB – 108 Missão e Cooperação Missionária
Estudos da CNBB – 108 Missão e Cooperação MissionáriaEstudos da CNBB – 108 Missão e Cooperação Missionária
Estudos da CNBB – 108 Missão e Cooperação Missionária
 
Santas Missões Populares
Santas Missões PopularesSantas Missões Populares
Santas Missões Populares
 
6º Encontro ano da fé documento de aparecida
6º Encontro ano da fé   documento de aparecida6º Encontro ano da fé   documento de aparecida
6º Encontro ano da fé documento de aparecida
 
Definitivo missão
Definitivo   missãoDefinitivo   missão
Definitivo missão
 
blog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaesblog do irmão pedro magalhaes
blog do irmão pedro magalhaes
 
Eucaristia e Missão, Pedreira
Eucaristia e Missão, PedreiraEucaristia e Missão, Pedreira
Eucaristia e Missão, Pedreira
 

Último

A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 

Último (20)

A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 

Ano Vocacional 2023.pptx

  • 2. Oração do 3º Ano Vocacional Senhor Jesus, enviado do Pai e Ungido do Espírito Santo, que fazeis os corações arderem e os pés se colocarem a caminho, ajudai-nos a discernir a graça do vosso chamado e a urgência da missão. Continuai a encantar famílias, crianças adolescentes, jovens e adultos, para que sejam capazes de sonhar e se entregar, com generosidade e vigor, a serviço do Reino, em vossa Igreja e no mundo. Despertai as novas gerações para a vocação aos Ministérios Leigos, ao Matrimônio, à Vida Consagrada e aos Ministérios Ordenados. Maria, Mãe, Mestra e Discípula Missionária, ensinai-nos a ouvir o Evangelho da Vocação e a responder com alegria. Amém!
  • 3. APRESENTAÇÃO Dom João Francisco Salm “Se queres andar rápido, caminha sozinho. Se queres ir longe, caminha com os outros” Papa Francisco ChV 167 “Vamos sentindo o chamado de Deus como graça que nos impulsiona à missão, uma presença divina ao nosso lado que faz o coração arder e os nossos pés se colocarem a caminho, juntos, para ir longe” Dom Salm
  • 4. O 1º Ano Vocacional, em 1983, favoreceu e ampliou o reconhecimento de que toda a comunidade cristã é responsável pela animação, cultivo e formação das vocações. Gerou muitos frutos. Entre eles: • maior dinamização do SAV/PV nos regionais da CNBB, • produção de subsídios vocacionais (Mês Vocacional, Cartazes Vocacionais, Boletim Convocação, Coleção Cadernos Vocacionais, Revistas Vocacionais – Rogate e Espírito), • realização de Escolas Vocacionais.
  • 5. O 2º Ano Vocacional, em 2003, promoveu um novo despertar vocacional, levando todos os cristãos e cristãs a assumir, gradativamente, na comunidade eclesial e na sociedade, sua própria vocação e missão batismal. Favoreceu, em síntese: • consciência vocacional das comunidades, • redescoberta da universalidade da vocação, • valorização das equipes vocacionais paroquiais e diocesanas, • melhor compreensão do sentido e valor da vocação batismal, • maior compreensão da teologia da vocação e das vocações.
  • 6. O 4º Congresso Vocacional do Brasil (2019) orientou a realização do 3º Ano Vocacional do Brasil em 2023
  • 8. 4º Congresso Vocacional do Brasil (2019): Vocação e Discernimento SÍNODO: Os jovens, a fé e o discernimento vocacional (2018)
  • 11. INTRODUÇÃO Escolha do Tema e do Lema Processo de escuta Sugestão de vários seguimentos eclesiais que abordaram alguns anseios: 1. Igreja mais unida (sinodal); 2. Igreja mais missionária; 3. Igreja mais diaconal (servidora); 4. Igreja mais próxima das pessoas.
  • 12. Neste sentido depois de muita reflexão ficou claro que o Ano Vocacional deve: 1. Tratar de vocação no seu sentido mais pro-fundo e mais amplo (abrangente), pessoal e comunitário. 2. Promover com muita clareza a identidade das mais diversas vocações específicas na Igreja. INTRODUÇÃO Escolha do Tema e do Lema
  • 13. 3. Superar uma visão reducionista de vocação (excludente, de privilégio e clericalista), como uma generalização que não impacta o indivíduo. 4. “Deus chama pelo nome”. Vocação pessoal e Igreja (como comunidade de vocacionados) são inseparáveis; INTRODUÇÃO Escolha do Tema e do Lema
  • 14. “O 3º Ano Vocacional convida-nos a refletir e a aprofundar o tema “Vocação: Graça e Missão”. O lema “Corações ardentes, pés a caminho” faz recordar os discípulos de Emaús. Enquanto a Graça faz o coração arder, a Missão faz os pés estarem a caminho, em movimento” (n. 1) INTRODUÇÃO Escolha do Tema e do Lema
  • 15. “Jesus chamou e enviou os que Ele mesmo quis” (Mc 3,13-19) “Recorda que a origem, o centro e a meta de toda vocação e missão é a pessoa de Jesus Cristo. Aquele que chama, também envia. A iniciativa é do próprio Deus... À luz do Mistério de Cristo, cada pessoa compreende sua identidade e missão. É também à luz de Cristo que a Igreja encontra sua vocação e missão” n. 2
  • 16. “Jesus chamou e enviou os que Ele mesmo quis” (Mc 3,13-19) “Na origem de toda genuína vocação, está um encontro decisivo com o Senhor, pois não basta ser informado do que os outros dizem”. n. 22
  • 17. ANO VOCACIONAL NO BRASIL - Início e conclusão na Solenidade de N. Sr. Jesus Cristo, Rei do Universo e Dia dos cristãos leigos e leigas, tem um significado: afirmar que somos todos vocacionados. - 20 de Novembro 2022 a 26 de Novembro de 2023.
  • 18. Objetivo Geral “Promover a cultura vocacional nas comunidades eclesiais, nas famílias e na sociedade, para que sejam ambientes favoráveis ao despertar de todas as vocações, como graça e missão, a serviço do Reino de Deus”.
  • 19. Objetivos específicos 1. Cultivar uma sensibilidade vocacional; 2. Aprofundar a teologia da graça e missão; 3. Fortalecer a consciência do discipulado missionário de todos os batizados; 4. Acompanhar cada jovem de modo personalizado, numa maior proximidade; 5. Despertar vocações à Vida Consagrada e ao Ministério Ordenado; 6. Intensificar a prática da oração pelas vocações em todos os âmbitos; 7. Fomentar nos regionais, dioceses e paróquias a consolidação das EVP e EVD;
  • 21. 1ª Parte: Vocação “Jesus entrou para ficar com eles” Lc 24,29b 1. Chamados a ser Povo de Deus: um olhar vocacional no Concílio Vaticano II 2. Discípulos Missionários: a vocação em Aparecida 3. Servir com alegria: a Vocação em Francisco
  • 22. Não basta ouvir dizer dos outros: precisa encontrá-lo pessoalmente. Vocação é con-vocação
  • 23. 1. Chamados a ser Povo de Deus: um olhar vocacional no CVII “A vocação no Concílio, é entendida como um chamado a todos e está diretamente ligada à consciência missionária, sendo ela uma resposta que conduz à santidade. A Igreja, nesse sentido, é continuadora da missão de Cristo e chamada à saída de si para o serviço do Reino”. n.24 - Vocação Universal à Santidade (LG) - Modelo na vivência da vocação : Jesus Cristo - Vocação entendida como um dom (sermos santos), mas também como um compromisso de cooperar com a vontade divina.
  • 24. 1. Chamados a ser Povo de Deus: um olhar vocacional no CVII - Tarefa da Igreja é ajudar a todos a discernir os sinais vocacionais presentes na vida. Exige que a Igreja caminhe junto com os que realizam este processo. - Caráter comunitário da vocação. - Evidencia o papel dos leigos para a vida e a missão da Igreja. - Apesar das limitações, o ser humano é chamado a viver uma vida superior. Toda vocação exige renúncia. - A vocação é dom, é graça. Todos são presenteados por Deus com sua vocação. - Por apostolado o Concílio entende toda a atividade que ordene o mundo para Cristo.
  • 25. 2. Discípulos missionários: A vocação em Aparecida Centro: DEUS AMA E CHAMA A CADA UM DOS SEUS FILHOS - O amor de Deus no Princípio e no Fim de todo o chamado; - Os que foram alcançados não conseguem mais ficar inertes; - Servir na caridade. Deus não nos chama ao presunçoso fechamento e autocentralidade; - Com Cristo, uma vida que se torna Eucarística;
  • 26. A vocação em Aparecida - Chamados não para anunciar a sí mesmos ou o que escutam por ai. Porta voz d’Ele: profeta. - Cumprir essa missão não é tarefa opcional. - A nossa vocação é eclesial. Nunca deve ser trampolim para satisfazer interesses pessoais. - Vocação à unidade. - Maria, Mãe e Discípula missionária, modelo dos vocacionados (livre, forte, formadora)
  • 27. 3. Servir com alegria: A vocação em Francisco - Reforça e valoriza o papel da hierarquia no serviço de proximidade aos cristãos leigos. - Valorização dos ministérios leigos (catequistas, acolitato...) - Conversão no caminho pastoral, que deixa individualismos e parte para a cultura do encontro. - Igreja com portas abertas, em saída. - Destaca a alegria (ligada aos serviço, brota da relação de amor fraterno, da comunhão, do pão partilhado).
  • 28. 3. Servir com alegria: A vocação em Francisco - ChV, n.3: “recorda algumas convicções da nossa fé e ao mesmo tempo nos encoraja a crescer em santidade e no compromisso com a própria vocação”. - O acompanhamento é alicerçado na atitude de escutar (novo método: o caminho da escuta). - Não só pelo ver a partir das nossas convicções, mas pelo escutar o que o outro tem a dizer. (três sensibilidades de escuta) • Um diálogo a três: o diretor espiritual, o vocacionado e o próprio Deus. A um dado momento aquele que faz o acompanhamento da escuta deve desaparecer.
  • 29. 3. Servir com alegria: A vocação em Francisco - Não impõe. Coração do jovem é terra sagrada - Não dar respostas pré-concebidas, receitas preparadas: sempre tem a novidade. - A empatia enriquece e permite ao jovem fazer perguntas inéditas.
  • 31. 2ª Parte: Vocação é graça “Jesus chamou e enviou os que Ele mesmo quis” Mc 3,13-19 1. O Discipulado Missionário em Mc 3, 13-19 2. Jesus chama 3. Jesus chama para permanecer com Ele 4. Jesus chamou os que Ele mesmo quis... para enviá-los 3 aspectos da dinâmica vocacional: chamado - permanecer com Jesus e os demais - envio
  • 32. 2ª Parte: Vocação é graça - Quem é Jesus? Qual é a sua missão? Como ser seu seguidor? - Saber disso envolve nossas escolhas pessoais. - Todos são surpreendidos pelo chamado. Não é seguir uma ideia, mas uma Pessoa.
  • 33. 2ª Parte: Vocação é graça - Olha o grupo escolhido por Ele. - Não nascemos cristãos, nos tornamos cristãos. - Optou por formar um grupo de colaboradores. A função em um primeiro momento é formar comunidade. - Não nasce de suas capacidades e estratégias, nem do voluntarismo e esforço em praticar virtudes, nem do currículo, mas de uma experiência profunda com Jesus.
  • 34. 2ª Parte: Vocação é graça - SER APÓSTOLO - O Termo é raramente citado na Bíblia grega, e quando usado é enviado com todos os poderes de quem o envia - Ser apóstolo é ser profeta, anunciar o querigma e expulsar demônios com a exousia de Cristo. - Autoridade: nasce da coerência entre o ser e o fazer, sem dicotomia. - Seguir não é algo herdado por descendência. - Ser chamado não é um ato mágico que nos transforma em santos. Ex: Judas.
  • 35. 2ª Parte: Vocação é graça - Ministério do chamado unido ao ministério da acolhida humana. - Chamado e resposta, dom e tarefa formam uma unidade na ação de Deus. - Sem resposta o milagre não acontece. - No chamado Deus chama pelo nome. O chamado não faz perder a identidade própria. - Cada santo é uma missão bem sucedida.
  • 36. 2ª Parte: Vocação é graça - Como ouvir a voz de Jesus se vivemos a autoreferencialidade? - O mal de uma consciência isolada. Vida inteira fechada. - Autoreferencialidade é diferente de autotranscedência.
  • 37. 2ª Parte: Vocação é graça - O sentido da vida é redescoberto. Emaús. - Ouvir a juventude para que nossas instituições não envelheçam. - Todo o criado está interligado, pois nasce d’Ele. - No Evangelho de Marcos, a imagem de Jesus é semelhante aos rabinos judeus. - Mas se distingue: não tem sinagoga ou casa fixa. Itinerante. Igreja em saída.
  • 38. 2ª Parte: Vocação é graça - E Jesus escolhia os seus discípulos e não ao contrário. - Convite para estar com Ele para ter os mesmos sentimentos que Ele. - MUDANÇAS SIGNIFICATIVAS QUE JESUS PROVOCA:
  • 39. 2ª Parte: Vocação é graça 1 – Todos são irmãos e irmãs. 2 – O poder se faz serviço. 3 – A vivência da partilha solidária. 4 – Amizade e não escravidão. 5 – Igualdade entre homem e mulher. 6 – Todos ao redor da mesma mesa.
  • 40. 2ª Parte: Vocação é graça - PERMANECER COM ELE É O SEGREDO DA VOCAÇÃO - Permanecer com Ele na montanha e na planície. - O envio não é posterior ao chamado, mas um estado permanente. Correlacionados intrinsecamente. - Não forma guetos, mas comunidade da Nova Aliança. - Dois elementos que nos ajudam no comprometimento vocacional: o horizonte e as atitudes.
  • 42. 3ª Parte: Vocação é missão “Naquela mesma hora, levantaram-se e se colocaram a caminho”. Lc 24,33 Desafio do ano vocacional: desenvolver a cultura vocacional nas comunidades eclesiais, nas famílias e na sociedade.
  • 43. 3ª Parte: Vocação é missão - Objetivo geral: Promover cultura vocacional - Atitudes vocacionais básicas que dão vida a uma autêntica cultura vocacional: • Formação das consciências • A sensibilidade aos valores espirituais e morais • A promoção e a defesa dos ideais: da fraternidade humana do caráter sagrado da vida da solidariedade social da ordem civil
  • 44. 3ª Parte: Vocação é missão Empenhar mente e coração no discernimento do que é bom para o ser humano. “A escuta da Revelação Divina, a meditação silenciosa, a oração de contemplação e sua tradução em experiência de vida constituem o terreno no qual floresce e se desenvolve uma autêntica cultura vocacional”. São João Paulo II (n. 152)
  • 45. 3ª Parte: Vocação é missão - SJPII: Cada um tem o seu lugar no coração de Deus. - Relações inspiradas no serviço recíproco cria uma autêntica cultura vocacional. - “O caminho para a paz não implica homogeneizar a sociedade, mas permite-nos trabalhar juntos” FT 228 - O segredo da fecundidade pastoral é a união com Ele.
  • 46. 3ª Parte: Vocação é missão - Uma Igreja em saída, é antes, uma Igreja que sai da comodidade dos seus templos para ir ao encontro do outro, mas é também uma Igreja capaz de abrir suas portas para acolher todos aqueles que queiram entrar. - “Realmar” a economia. - Sinodal: modo de agir da Igreja: o que afeta a todos deve ser tratado e aprovado por todos (Congar).
  • 47. 3ª Parte: Vocação é missão - Exercer o seu ministério como dom aos demais. - Convite a avaliar se o nosso estilo de vida e comunicação, para saber se são fraternos. - Não reduzir o diálogo a negociações - Processo de Kénosis - Não é homogeneizar a sociedade, mas trabalhar juntos - Imagem do poliedro.
  • 48. 3ª Parte: Vocação é missão - Corresponsabilidade e atitude de pertença. - Não fazer de conta que os problemas não existem - Missão vincula-se à identidade da Igreja. - A missão não é uma parte da minha vida, é para isso que estou neste mundo. EG 273 - E se expressa por meio da diaconia. - Pilares dos At: Ensinamento dos Apóstolos, Fração do Pão, Oração e Partilha.
  • 49. 3ª Parte: Vocação é missão - Apesar de papéis ministeriais diferentes temos a mesma finalidade. - A vocação adquire a sua plenitude na comunidade. - Diante do altar entendemos a nossa vocação. - Quem está dentro deve permanecer e quem está fora deve ser atraído - Viu, sentiu compaixão e cuidou dele.
  • 50. 3ª Parte: Vocação é missão - A oração pelas vocações deve gerar uma disponibilidade total e generosa a Deus. - Vivência responsável da vocação - Independente da vocação, dar testemunho de comunhão. - Ministros ordenados: capacidade de dialogar com a realidade plural e valorizar os leigos. Não está acima dos fiéis. - Não introduzir os leigos no clericalismo. Magnificat.
  • 51. 3ª Parte: Vocação é missão - Vocação não é motivo de poder, mas serviço. Não orgulho, mas humildade. - Tentações clericais: poder, autoritarismo, privilégio, egocentrismo - Não ao secularismo, narcisismo, subjetividade dos valores e os abusos na Liturgia, nem fundamentalismo, rigidez que mascara aspectos profundos. - Cria obstáculo uma volta demasiada ao passado. Valorização da exterioridade. - Torna-se uma vocação intimista.
  • 52. 3ª Parte: Vocação é missão - O surgimento de grupos ultraconservadores, nascidos desse individualismo, resulta no fechamento, ocasionando o mundanismo espiritual, que se esconde atrás de aparências de religiosidade e de um falso amor à Igreja (EG 93), alimentando-se de um gnosticismo, subjetivismo e neopelagianismo. - Não à laicização do clero e não ao clericalização dos leigos.
  • 53. 3ª Parte: Vocação é missão Eixo fundamental da Pastoral Vocacional: - Teologia Vocacional: Conjunto de princípios que dão sentido à realização da pessoa humana na relação com Deus. - Espiritualidade Vocacional: Predispõe a mente e o coração, desperta a sensibilidade para ouvir e responder ao chamado. - Pedagogia Vocacional: Práxis ou o próprio serviço de animação vocacional ou pastoral vocacional
  • 54. Pistas para o caminho
  • 55. Novos rumos!? Pistas para o caminho - Continuar o caminho de construção da cultura vocacional (responsabilidade é de toda a Igreja, planejamento, organização, serviço em rede). - Aumentar a consciência vocacional nas paróquias e comunidades (mentalidade vocacional em toda ação evangelizadora). - Necessitamos avançar, fortalecer ou transformar as seguintes dimensões: • Espiritualidade • Itinerário • Missão • Planejamento
  • 56. ESPIRITUALIDADE - Oração pelas vocações - Testemunho de vida - Orientação espiritual - Leitura orante da Palavra - Promover e organizar momentos orantes vocacionais - Ações evangelizadoras que envolvam crianças, catequistas, jovens, famílias (celebrações, tríduos, retiros) - Maior conscientização sobre orientação vocacional (de qualidade, desinteressada e capaz de apresentar ao jovem a riqueza da Igreja em sua diversidade)
  • 57. ITINERÁRIO - Atenção à integridade da pessoa do acompanhado - Compreensão da estrutura humana do jovem (suas forças e fragilidades, envolvimento da família) - Aproximar a PV das pastorais juvenis, catequese e família - Projeto Pessoal de Vida - Possibilitar espaços de escuta e acompanhamento personalizado que os ajudem a viver o itinerário vocacional.
  • 58. MISSÃO Igreja em saída - Fidelidade e paixão por Jesus Cristo, seu segmento e sua missão. - Encorajar e organizar missões populares com jovens, em vista da renovação de experiências de fé e de projetos vocacionais, abrindo espaços para que os jovens criem novas formas de missão, por exemplo, nas redes sociais.
  • 59. PLANEJAMENTO - Articular a animação vocacional em uma gradualidade progressiva (com metas, etapas, passos e itinerários que devem ser sempre avaliados) - Fortalecer ou criar Equipes Vocacionais Paroquiais e Diocesanas, investindo na formação dos membros. - Integrar SAV-PV com as demais pastorais no âmbito da ação evangelizadora. (SAV como instrumento de integração de ação pastoral). - Unidade e comunhão. Trabalho em equipe. - Prever recursos financeiros para criar e manter atividades e formações.
  • 60. Animação Vocacional - Saber-se chamado e chamado para chamar; - Testemunho pessoal e comunitário (por atração); - Olhar amável (como o de Cristo); - Palavra manifestada com autoridade; - Acompanhamento pessoal (caminhar ao lado); - Diálogo (conhecimento da história, do sentido da vida) - Atitude de escuta (arte) Sabedoria da escuta: escutar é a “capacidade do coração que torna possível a proximidade, sem a qual não existe um verdadeiro encontro espiritual”.
  • 61. Escuta autêntica - Favorecer a abertura ao outro - Prestar atenção ao que a pessoa comunica e se empenhar ativamente na compreensão do que se deseja comunicar - Acompanhar com verdadeiro interesse a pessoa naquilo que busca e espera de si (empatia). - Pôr o próprio mundo de lado para aproximar o mais possível do mundo do outro, acompanhando sem interferir. - Escutar (lutas, fragilidades, alegrias, sofrimentos, expectativas, tensões, conflitos, decisões). - Transcende a dimensão psicológica (leva por caminhos à espera de alguém) - Requer silêncio interior
  • 62. Escuta autêntica - Com a escuta, vem o dom do discernimento. - O Espírito Santo fala e age em cada pessoa por meio de acontecimentos da existência sua e dos outros. Fala por mediações. Devemos iluminá-los. - EG: Papa Francisco dá 3 chaves para o discernimento: • Reconhecer (lucidez – à luz do que é inspirado pelo ES) • Interpretar (e interpretar-se - O Espírito Santo está chamando – diálogo com o Senhor) • Escolher (decisão com liberdade e responsabilidade)
  • 63. Acompanhamento vocacional Assim como Jesus no encontro com as pessoas, é preciso ter em qualquer experiência de acompanhamento vocacional 1. Olhar amável (Chamado dos 12) 2. Palavra manifestada com autoridade (Cafarnaum) 3. Capacidade de fazer-se próximo (Samaritana) 4. Opção de caminhar juntos (Emaús)
  • 64. Acompanhamento vocacional Acompanhar comporta: 1. Conhecer o caminho já trilhado por eles, em que ponto estão e para onde se dirigem, a fim de poder caminhar juntos; 2. Garantir a promoção do encontro como oportunidade de relação, humana e humani-zadora, e não utilitarista; 3. Ter atitude de escuta.
  • 65. Acompanhamento vocacional 4. Encontro de mediação (Verdadeiro Acompanhamento é o Espírito Santo; São João da Cruz: “Lembrem-se aqueles que orientam almas, e considerem que o principal agente e guia e movente das almas neste negócio não são eles, mas é o Espírito Santo, que jamais perde de vista o cuidado delas”. 5. O acompanhante de estrada deve fazer-se testemunha e anunciador da ação do ES no acompanhado, de modo discreto.
  • 66. Acompanhamento vocacional 6. Descobrir como Deus se manifesta na nossa vivência até surpreender-nos ao sermos encontrados por Ele; 7. Ter consciência de que a iniciativa é sempre de Deus; e serão nossas as responsabilidade e a liberdade da resposta que damos ao chamado. Enfim, atender à pessoas e não a demandas... * Onde existe a Cultura Vocacional, que avance; onde não existe, que se origine.