SlideShare uma empresa Scribd logo
Maiores viés no registro fóssil
Dupla: Franciane-71724
Luiz Carlos-71705
 Paleontólogos Fenômenos biológicos;
Biomecânica de elementos esqueléticos
Momentos das extinções em massa.
Principais fontes de viés incluem:
1) As diferentes durações de material
biológico;
2) O ambiente de acumulação;
3) A história pós-deposição de sedimentos
sepultados, que determina o tecido final do
registro estratigráfico.
 Lembrete do artigo
Desafio:
Passar de uma valorização de dano
Uma avaliação quantitativa de viés
Vieses variam amplamente entre os principais
grupos taxonômicos, e, provavelmente, em
toda configurações climáticas/latitude e
tectônica.
Determinação de um registro fóssil
 Evolução biológica ao nível do mar;
 A evolução geológica da superfície da Terra;
 Os efeitos cumulativos de idade.
Qualidades do registro
 Fidelidade bioquímica;
 Integridade anatômica;
 Fidelidade espacial;
 A resolução temporal;
 Fidelidade ecológica;
 Abrangência de séries temporais;
 Viés estratigráfico.
 Lembrete do artigo
Registro fóssil
 100% das espécies de conchas calcárias
resistentes são de gêneros conhecidos por
terem um registro fóssil;
 73% das espécies com esqueletos frágeis ou
pequenas partes duras isoladas têm um
registro fóssil;
 Nenhuma das espécies que faltam partes
duras megascópicos tem um registro.
 Lembrete do artigo
Restos identificáveis de
organismos que faltam
peças rígidas.
A preservação de
tecidos moles.
Exigem condições ambientais
incomuns que são
geologicamente muito raros.
Diferença básica na composição corporal, tem
efeitos diretos e fundamentais sobre as
qualidades do registro fóssil.
Espécies que são raros em comunidades vivas
também têm baixas probabilidades de ser
conhecida a partir do registro fóssil.
 Lembrete do artigo
Os principais fatores de preservação
diferencial de taxa mineralizado
1. Conteúdo mineral;
2. Composição mineral;
3. Microestrutura;
4. Tamanho peças duras, forma e densidade;
5. Compressão de articulação esquelético;
6. O tamanho do corpo;
7. Hábito de vida.
Vieses ligado ao ambiente pós-
morte
 divisor ambiental na qualidade do
registro fóssil é a terra, que é dominado
por erosão e corrosão, e mares, que são
em geral válvulas para os sedimentos.
 A maioria dos paleontólogos concordam
que os fósseis terrestres são muito
menos abundante e mais desigual na
distribuição (de fósseis marinhos).
 Registro fóssil de artrópodes e moluscos
são um grande mosaico para determinar
condições físicas e químicas do
ambiente tafonomico.
 Uma ampla gama de agentes
ambientais e circunstâncias,atuando
isoladamente ou em combinação,
determinam preservação nas
primeiras fases de fossilização,.
 informações atuais sobre estes
fatores impulsionam as expectativas
de viés no registro fóssil.
 Os fatores biológicos que atuam na
preservação de tecidos:as atividades
de predadores e
 catadores (que podem destruir partes
duras mineralizados e /ou de servir
como transportadores), bioturbadores
 Fatores físicos: momento do
sepultamento, após a morte, luz,
intemperismo dos ossos, e a própria
característica do “ preservador “.
 Fatores químicos incluem os níveis de
oxigênio ( presença de
microorganismos que hidrolisam os
tecidos), composição ácida dos
sedimentos
 Áreas temperadas preservam com
maior grau de resolução do que as
tropicais, devido ao grau de
heterogeneidade.
Tendência nos tipos de danos para
partes duras de moluscos em
ambientes marinhos
Artigos
 THE QUALITY OF THE FOSSIL RECORD:
Populations, Species, and Communities1 Annual
Review of Earth and Planetary Sciences Vol. 24: 433-
464 (Volume publication date May
1996)DOI: 10.1146/annurev.earth.24.1.433
 Importância do ambiente pós morte:1-transporte do
ambiente da morte e 2-moluscos sao os mais duráveis
grupos de estudo, mostram maior fidelidade.
 ASPECTOS TAFONÔMICOS DA ANUROFAUNA DA
FORMAÇÃO CRATO, EOCRETÁCEO DA BACIA DO
ARARIPE, NORDESTE DO BRASIL Geraldo Jorge
Barbosa de Moura1 Alcina Magnólia Franca Barreto
 objetivo de investigar a relação entre a disposição
corporal dos anuros fossilizados e o ambiente de morte
Vieses ligado à história e ao
tipo de bacia sedimentar
 A diagnênese e a erosão (locais), é o
grande filtro final para a qualidade nos
registros fósseis.
 Essa destruição não é aleatória, mas
tende a ser focada no registros de
ambientes particulares como: fases do
nível do mar,e configurações /
condições das placas tectônicas
 A erosão e a dinagênese, limitará a
qualidade do registro fóssil tanto
paleogeográfico quanto informações
de séries temporais.
 Os paleontólogos tem começado a
analisar as conseqüências
tafonômicas destes contextos, num
padrão temporal nas bacias
estratigráficas e escalas globais.
Vieses das tendências seculares
na qualidade do registro fóssil
 Há razões para suspeitar que a
qualidade do registro fóssil pode
variar significativamente com a
altitude / latitude / clima ,e ao longo do
tempo evolutivo, devido às diferenças
em organismos e em condições
geológicas.
 há poucos dados empíricos relevantes
para estas questões
 Um viés: coleta por paleontólogos em
direção à América do Norte e Europa!,ambos
continentes derivaram extensivamente
através da Phanerozoic, de modo que seus
mares rasos eram em grande parte tropical
durante o Paleozóico, e não tropical mais
tarde.
 Subestimação da riqueza de espécies por
MYR do Permiano por mais de 100%,
tornando-se o período mais diversificada do
Paleozóico,e subestimou espécies riquezas
pós-Paleozóico por 50%, assumindo que a
diversidade latitudinal passado gradientes
eram tão íngreme como no recente
 Tendências da diversidade fanerozóicos
incluem a diminuição da área ou volume
de afloramento geológico de rochas com
o aumento da idade.
 Tendências: vieses parecem ser
conduzidos principalmente por
mudanças na química do oceano /
atmosférica(microestrutura:
calcite/aragonite) e por evolução em
processos biológicos, incluindo tanto o
produção e a destruição / reciclagem
dos compostos orgânicos e biominerais.
 Algumas das mais marcantes
mudanças nos estilos de preservação
dos tecidos moles ocorrem no
intervalo pré-cambriano.
 a intensificação de bioturbação,
alterações físico-química
oceanográfica ,alterações nos
minerais de argila tem a mais
confiável teoria para explicar a
interrupção abrupta do registro
faunístico
perguntas
 Qual a importância de se estudar
também as características climáticas,
físicas, geográficas de afloramentos
para se determinar a qualidade de
registros fósseis?
 Quais são, de acordo com esta
apresentação os vieses no estudo de
paleontologia? Qual a importância de
vencer estes vieses?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fosseis e Datação ras Rochas
Fosseis e Datação ras RochasFosseis e Datação ras Rochas
Fosseis e Datação ras Rochas
Sérgio Luiz
 
Fosseis
FosseisFosseis
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseis
Mokida
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fósseis....
Fósseis....Fósseis....
Fósseis....
Gabriela Bruno
 
Introdução á paleontologia
Introdução á paleontologiaIntrodução á paleontologia
Introdução á paleontologia
João Monteiro
 
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseis
Catir
 
A terra conta a sua história os fósseis
A terra conta a sua história   os fósseisA terra conta a sua história   os fósseis
A terra conta a sua história os fósseis
Bárbara Pereira
 
Fosseis E DataçãO Das Rochas
Fosseis E DataçãO Das RochasFosseis E DataçãO Das Rochas
Fosseis E DataçãO Das Rochas
Sérgio Luiz
 
01 Fosseis Tc 0910
01 Fosseis Tc 091001 Fosseis Tc 0910
01 Fosseis Tc 0910
Teresa Monteiro
 
Trabalho sobre Fósseis
Trabalho sobre FósseisTrabalho sobre Fósseis
Trabalho sobre Fósseis
Maria Freitas
 
CN7 - Fósseis
CN7 - FósseisCN7 - Fósseis
CN7 - Fósseis
Rita Rainho
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
cpfss
 
Trabalho de fosseis
Trabalho de fosseisTrabalho de fosseis
Trabalho de fosseis
Luciano Ferraz
 
Paleontologia
PaleontologiaPaleontologia
Paleontologia
Hortencia Souza
 
7º ano 3º fósseis
7º ano 3º fósseis7º ano 3º fósseis
7º ano 3º fósseis
Isabel Guedes
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
Sabina Tique
 
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 091002 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
Teresa Monteiro
 
Fósseis
FósseisFósseis
Fósseis
Catir
 

Mais procurados (19)

Fosseis e Datação ras Rochas
Fosseis e Datação ras RochasFosseis e Datação ras Rochas
Fosseis e Datação ras Rochas
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
 
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseis
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
 
Fósseis....
Fósseis....Fósseis....
Fósseis....
 
Introdução á paleontologia
Introdução á paleontologiaIntrodução á paleontologia
Introdução á paleontologia
 
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseis
 
A terra conta a sua história os fósseis
A terra conta a sua história   os fósseisA terra conta a sua história   os fósseis
A terra conta a sua história os fósseis
 
Fosseis E DataçãO Das Rochas
Fosseis E DataçãO Das RochasFosseis E DataçãO Das Rochas
Fosseis E DataçãO Das Rochas
 
01 Fosseis Tc 0910
01 Fosseis Tc 091001 Fosseis Tc 0910
01 Fosseis Tc 0910
 
Trabalho sobre Fósseis
Trabalho sobre FósseisTrabalho sobre Fósseis
Trabalho sobre Fósseis
 
CN7 - Fósseis
CN7 - FósseisCN7 - Fósseis
CN7 - Fósseis
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
 
Trabalho de fosseis
Trabalho de fosseisTrabalho de fosseis
Trabalho de fosseis
 
Paleontologia
PaleontologiaPaleontologia
Paleontologia
 
7º ano 3º fósseis
7º ano 3º fósseis7º ano 3º fósseis
7º ano 3º fósseis
 
Fosseis
FosseisFosseis
Fosseis
 
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 091002 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
 
Fósseis
FósseisFósseis
Fósseis
 

Destaque

Atividades Paleontologia
Atividades PaleontologiaAtividades Paleontologia
Atividades Paleontologia
Doug Caesar
 
A terra conta a sua história
A terra conta a sua históriaA terra conta a sua história
A terra conta a sua história
inessalgado
 
Material 9a série complemento cap 6
Material 9a série complemento cap 6Material 9a série complemento cap 6
Material 9a série complemento cap 6
julianapbicalho
 
02 história rafael - pré-história
02 história   rafael - pré-história02 história   rafael - pré-história
02 história rafael - pré-história
Rafael Noronha
 
Meiose
MeioseMeiose
meiose
meiosemeiose
Apres.ppoint.meiose
Apres.ppoint.meioseApres.ppoint.meiose
Apres.ppoint.meiose
Albano Novaes
 
DivisãO Celular 03
DivisãO Celular  03DivisãO Celular  03
DivisãO Celular 03
profatatiana
 
Atividade mitose e meiose
Atividade mitose e meioseAtividade mitose e meiose
Atividade mitose e meiose
julianapbicalho
 
A vaca que botou um ovo
A vaca que botou um ovoA vaca que botou um ovo
A vaca que botou um ovo
escolaodeteribaroli
 
Tudo Sobre A Paleontologia
Tudo Sobre A PaleontologiaTudo Sobre A Paleontologia
Tudo Sobre A Paleontologia
paleontólogo canal
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Luciano Pires
 
Cap 10 a evolução humana
Cap 10 a evolução humanaCap 10 a evolução humana
Cap 10 a evolução humana
Joao Balbi
 
Paleontologia
Paleontologia Paleontologia
Paleontologia
Polyane Ribeiro Machado
 
Meiose 2015 capítulo 14
Meiose 2015 capítulo 14Meiose 2015 capítulo 14
Meiose 2015 capítulo 14
Professora Raquel
 
Período pré histórico
Período pré históricoPeríodo pré histórico
Período pré histórico
valdeck1
 
Paleoltico e Neoltico
Paleoltico e NeolticoPaleoltico e Neoltico
Paleoltico e Neoltico
Jorge Mota
 
A medida do tempo geológico e a idade da terra
A medida do tempo geológico e a idade da terraA medida do tempo geológico e a idade da terra
A medida do tempo geológico e a idade da terra
Isabel Lopes
 
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãOEad Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
R D
 

Destaque (20)

Atividades Paleontologia
Atividades PaleontologiaAtividades Paleontologia
Atividades Paleontologia
 
A terra conta a sua história
A terra conta a sua históriaA terra conta a sua história
A terra conta a sua história
 
Material 9a série complemento cap 6
Material 9a série complemento cap 6Material 9a série complemento cap 6
Material 9a série complemento cap 6
 
02 história rafael - pré-história
02 história   rafael - pré-história02 história   rafael - pré-história
02 história rafael - pré-história
 
Meiose
MeioseMeiose
Meiose
 
meiose
meiosemeiose
meiose
 
Apres.ppoint.meiose
Apres.ppoint.meioseApres.ppoint.meiose
Apres.ppoint.meiose
 
DivisãO Celular 03
DivisãO Celular  03DivisãO Celular  03
DivisãO Celular 03
 
Atividade mitose e meiose
Atividade mitose e meioseAtividade mitose e meiose
Atividade mitose e meiose
 
A vaca que botou um ovo
A vaca que botou um ovoA vaca que botou um ovo
A vaca que botou um ovo
 
Tudo Sobre A Paleontologia
Tudo Sobre A PaleontologiaTudo Sobre A Paleontologia
Tudo Sobre A Paleontologia
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
 
Cap 10 a evolução humana
Cap 10 a evolução humanaCap 10 a evolução humana
Cap 10 a evolução humana
 
Paleontologia
Paleontologia Paleontologia
Paleontologia
 
Meiose 2015 capítulo 14
Meiose 2015 capítulo 14Meiose 2015 capítulo 14
Meiose 2015 capítulo 14
 
Período pré histórico
Período pré históricoPeríodo pré histórico
Período pré histórico
 
Paleoltico e Neoltico
Paleoltico e NeolticoPaleoltico e Neoltico
Paleoltico e Neoltico
 
A medida do tempo geológico e a idade da terra
A medida do tempo geológico e a idade da terraA medida do tempo geológico e a idade da terra
A medida do tempo geológico e a idade da terra
 
Meiosi
MeiosiMeiosi
Meiosi
 
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãOEad Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
Ead Apostila 6 Hh Economia (IntroduçãO) Para AdministraçãO
 

Semelhante a Paleontologia e historia natural da terra- UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

Praia Carcavelos Alunos
Praia Carcavelos AlunosPraia Carcavelos Alunos
Praia Carcavelos Alunos
Ministério da Educação
 
BioGeo10-trilobites de canelas
BioGeo10-trilobites de canelasBioGeo10-trilobites de canelas
BioGeo10-trilobites de canelas
Rita Rainho
 
Datação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdf
Datação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdfDatação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdf
Datação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdf
CarinaAmorim10
 
at7_21_22_teste5.docx
at7_21_22_teste5.docxat7_21_22_teste5.docx
at7_21_22_teste5.docx
SusanaAlves460000
 
Geologia brasileira
Geologia brasileiraGeologia brasileira
Geologia brasileira
Mariane Gomes
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
A importância do solo para as comunidades aquáticas
A importância do solo para as comunidades aquáticasA importância do solo para as comunidades aquáticas
A importância do solo para as comunidades aquáticas
Viviane Bernardes dos Santos Miranda
 
História da Terra
História da TerraHistória da Terra
História da Terra
Zé Matos
 
Domínios da paisagem paleopaisagens
Domínios da paisagem   paleopaisagensDomínios da paisagem   paleopaisagens
Domínios da paisagem paleopaisagens
Rodrigo Sousa
 
O tempo geológico
O tempo geológicoO tempo geológico
O tempo geológico
Wendell Fabrício
 
A história da terra
A história da terraA história da terra
A história da terra
Laura Domingos
 
7a série da evolução à extinção parte 1 atualizada (até o período permiano)
7a série   da evolução à extinção parte 1 atualizada (até o período permiano)7a série   da evolução à extinção parte 1 atualizada (até o período permiano)
7a série da evolução à extinção parte 1 atualizada (até o período permiano)
SESI 422 - Americana
 
ciclodasrochas_2.doc
ciclodasrochas_2.docciclodasrochas_2.doc
ciclodasrochas_2.doc
carlotapontes2
 
28183-Texto do artigo-103758-1-10-20150123.pdf
28183-Texto do artigo-103758-1-10-20150123.pdf28183-Texto do artigo-103758-1-10-20150123.pdf
28183-Texto do artigo-103758-1-10-20150123.pdf
BrunoGonalves9235
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
Alberto Botelho
 
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
ProfMario De Mori
 
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e MineraisProf Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
Deto - Geografia
 
Limnologia oficial (3)
Limnologia  oficial (3)Limnologia  oficial (3)
Limnologia oficial (3)
Francisco Wanderson
 
Proposta desafio 8ºano
Proposta desafio 8ºanoProposta desafio 8ºano
Proposta desafio 8ºano
sofiapimentaesag
 
Proposta desafio 8ºano
Proposta desafio 8ºanoProposta desafio 8ºano
Proposta desafio 8ºano
sofiapimentaesag
 

Semelhante a Paleontologia e historia natural da terra- UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA (20)

Praia Carcavelos Alunos
Praia Carcavelos AlunosPraia Carcavelos Alunos
Praia Carcavelos Alunos
 
BioGeo10-trilobites de canelas
BioGeo10-trilobites de canelasBioGeo10-trilobites de canelas
BioGeo10-trilobites de canelas
 
Datação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdf
Datação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdfDatação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdf
Datação absoluta_Raciocínio geológico_Tempo e Mobilismo geológico V2.pdf
 
at7_21_22_teste5.docx
at7_21_22_teste5.docxat7_21_22_teste5.docx
at7_21_22_teste5.docx
 
Geologia brasileira
Geologia brasileiraGeologia brasileira
Geologia brasileira
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
A importância do solo para as comunidades aquáticas
A importância do solo para as comunidades aquáticasA importância do solo para as comunidades aquáticas
A importância do solo para as comunidades aquáticas
 
História da Terra
História da TerraHistória da Terra
História da Terra
 
Domínios da paisagem paleopaisagens
Domínios da paisagem   paleopaisagensDomínios da paisagem   paleopaisagens
Domínios da paisagem paleopaisagens
 
O tempo geológico
O tempo geológicoO tempo geológico
O tempo geológico
 
A história da terra
A história da terraA história da terra
A história da terra
 
7a série da evolução à extinção parte 1 atualizada (até o período permiano)
7a série   da evolução à extinção parte 1 atualizada (até o período permiano)7a série   da evolução à extinção parte 1 atualizada (até o período permiano)
7a série da evolução à extinção parte 1 atualizada (até o período permiano)
 
ciclodasrochas_2.doc
ciclodasrochas_2.docciclodasrochas_2.doc
ciclodasrochas_2.doc
 
28183-Texto do artigo-103758-1-10-20150123.pdf
28183-Texto do artigo-103758-1-10-20150123.pdf28183-Texto do artigo-103758-1-10-20150123.pdf
28183-Texto do artigo-103758-1-10-20150123.pdf
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
Geologia E A AçãO Humana 2º Mc 2010
 
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e MineraisProf Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
Prof Demétrio Melo - Geografia TD Brasil: Estrutura Geológica, Relevo e Minerais
 
Limnologia oficial (3)
Limnologia  oficial (3)Limnologia  oficial (3)
Limnologia oficial (3)
 
Proposta desafio 8ºano
Proposta desafio 8ºanoProposta desafio 8ºano
Proposta desafio 8ºano
 
Proposta desafio 8ºano
Proposta desafio 8ºanoProposta desafio 8ºano
Proposta desafio 8ºano
 

Mais de Luiz Carlos

Plano de intervenção pedagógica 8º abd
Plano de intervenção pedagógica  8º abdPlano de intervenção pedagógica  8º abd
Plano de intervenção pedagógica 8º abd
Luiz Carlos
 
Caça palavras solos e água 6ºab
Caça palavras solos e água 6ºabCaça palavras solos e água 6ºab
Caça palavras solos e água 6ºab
Luiz Carlos
 
Caça palavras reinos, virus e bacterias-7ºa
Caça palavras reinos, virus e bacterias-7ºaCaça palavras reinos, virus e bacterias-7ºa
Caça palavras reinos, virus e bacterias-7ºa
Luiz Carlos
 
Atividade sistemas reprodutor 8º ano
Atividade sistemas reprodutor 8º anoAtividade sistemas reprodutor 8º ano
Atividade sistemas reprodutor 8º ano
Luiz Carlos
 
Sistema reprodutor atividade 8º ano
Sistema reprodutor atividade 8º anoSistema reprodutor atividade 8º ano
Sistema reprodutor atividade 8º ano
Luiz Carlos
 
Cruzadinha sistema reprodutor
Cruzadinha sistema reprodutorCruzadinha sistema reprodutor
Cruzadinha sistema reprodutor
Luiz Carlos
 
Dica cruzadinha sistema reprodutor masculino e feminino
Dica cruzadinha sistema reprodutor masculino e femininoDica cruzadinha sistema reprodutor masculino e feminino
Dica cruzadinha sistema reprodutor masculino e feminino
Luiz Carlos
 
Cruzadinha e caça palavras atomosfera
Cruzadinha e caça palavras atomosferaCruzadinha e caça palavras atomosfera
Cruzadinha e caça palavras atomosfera
Luiz Carlos
 
HERANÇA RELACIONADA AO SEXO-GENÉTICA BÁSICA
HERANÇA RELACIONADA AO SEXO-GENÉTICA BÁSICAHERANÇA RELACIONADA AO SEXO-GENÉTICA BÁSICA
HERANÇA RELACIONADA AO SEXO-GENÉTICA BÁSICA
Luiz Carlos
 
Modelos em gesso embriologia basica
Modelos em gesso embriologia basicaModelos em gesso embriologia basica
Modelos em gesso embriologia basica
Luiz Carlos
 
Aula bimestral(novembro) 1º ano e.m-pibid biologia
Aula bimestral(novembro)  1º ano e.m-pibid biologiaAula bimestral(novembro)  1º ano e.m-pibid biologia
Aula bimestral(novembro) 1º ano e.m-pibid biologia
Luiz Carlos
 
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaEvoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Luiz Carlos
 
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaEvoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Luiz Carlos
 
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaEras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Luiz Carlos
 
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaEras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Luiz Carlos
 
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlosOrigem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Luiz Carlos
 
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlosOrigem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Luiz Carlos
 
Pibid biologia aula cnidarios 2013
Pibid biologia aula cnidarios 2013Pibid biologia aula cnidarios 2013
Pibid biologia aula cnidarios 2013
Luiz Carlos
 
Aula espécies ameaçadas pibid biologia
Aula espécies ameaçadas pibid biologiaAula espécies ameaçadas pibid biologia
Aula espécies ameaçadas pibid biologia
Luiz Carlos
 
Aula espécies invasoras pibid biologia
Aula espécies invasoras pibid biologiaAula espécies invasoras pibid biologia
Aula espécies invasoras pibid biologia
Luiz Carlos
 

Mais de Luiz Carlos (20)

Plano de intervenção pedagógica 8º abd
Plano de intervenção pedagógica  8º abdPlano de intervenção pedagógica  8º abd
Plano de intervenção pedagógica 8º abd
 
Caça palavras solos e água 6ºab
Caça palavras solos e água 6ºabCaça palavras solos e água 6ºab
Caça palavras solos e água 6ºab
 
Caça palavras reinos, virus e bacterias-7ºa
Caça palavras reinos, virus e bacterias-7ºaCaça palavras reinos, virus e bacterias-7ºa
Caça palavras reinos, virus e bacterias-7ºa
 
Atividade sistemas reprodutor 8º ano
Atividade sistemas reprodutor 8º anoAtividade sistemas reprodutor 8º ano
Atividade sistemas reprodutor 8º ano
 
Sistema reprodutor atividade 8º ano
Sistema reprodutor atividade 8º anoSistema reprodutor atividade 8º ano
Sistema reprodutor atividade 8º ano
 
Cruzadinha sistema reprodutor
Cruzadinha sistema reprodutorCruzadinha sistema reprodutor
Cruzadinha sistema reprodutor
 
Dica cruzadinha sistema reprodutor masculino e feminino
Dica cruzadinha sistema reprodutor masculino e femininoDica cruzadinha sistema reprodutor masculino e feminino
Dica cruzadinha sistema reprodutor masculino e feminino
 
Cruzadinha e caça palavras atomosfera
Cruzadinha e caça palavras atomosferaCruzadinha e caça palavras atomosfera
Cruzadinha e caça palavras atomosfera
 
HERANÇA RELACIONADA AO SEXO-GENÉTICA BÁSICA
HERANÇA RELACIONADA AO SEXO-GENÉTICA BÁSICAHERANÇA RELACIONADA AO SEXO-GENÉTICA BÁSICA
HERANÇA RELACIONADA AO SEXO-GENÉTICA BÁSICA
 
Modelos em gesso embriologia basica
Modelos em gesso embriologia basicaModelos em gesso embriologia basica
Modelos em gesso embriologia basica
 
Aula bimestral(novembro) 1º ano e.m-pibid biologia
Aula bimestral(novembro)  1º ano e.m-pibid biologiaAula bimestral(novembro)  1º ano e.m-pibid biologia
Aula bimestral(novembro) 1º ano e.m-pibid biologia
 
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaEvoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
 
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaEvoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Evoluçao biologica pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
 
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaEras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
 
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costaEras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
Eras geologicas aula pibid biologia-1º ano-luiz carlos da costa
 
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlosOrigem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
 
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlosOrigem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
Origem da vida aula 1º ano do ensino médio-luiz carlos
 
Pibid biologia aula cnidarios 2013
Pibid biologia aula cnidarios 2013Pibid biologia aula cnidarios 2013
Pibid biologia aula cnidarios 2013
 
Aula espécies ameaçadas pibid biologia
Aula espécies ameaçadas pibid biologiaAula espécies ameaçadas pibid biologia
Aula espécies ameaçadas pibid biologia
 
Aula espécies invasoras pibid biologia
Aula espécies invasoras pibid biologiaAula espécies invasoras pibid biologia
Aula espécies invasoras pibid biologia
 

Último

Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 

Paleontologia e historia natural da terra- UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

  • 1. Maiores viés no registro fóssil Dupla: Franciane-71724 Luiz Carlos-71705
  • 2.  Paleontólogos Fenômenos biológicos; Biomecânica de elementos esqueléticos Momentos das extinções em massa.
  • 3. Principais fontes de viés incluem: 1) As diferentes durações de material biológico; 2) O ambiente de acumulação; 3) A história pós-deposição de sedimentos sepultados, que determina o tecido final do registro estratigráfico.
  • 4.
  • 6. Desafio: Passar de uma valorização de dano Uma avaliação quantitativa de viés Vieses variam amplamente entre os principais grupos taxonômicos, e, provavelmente, em toda configurações climáticas/latitude e tectônica.
  • 7. Determinação de um registro fóssil  Evolução biológica ao nível do mar;  A evolução geológica da superfície da Terra;  Os efeitos cumulativos de idade.
  • 8. Qualidades do registro  Fidelidade bioquímica;  Integridade anatômica;  Fidelidade espacial;  A resolução temporal;  Fidelidade ecológica;  Abrangência de séries temporais;  Viés estratigráfico.
  • 9.
  • 10.  Lembrete do artigo
  • 11. Registro fóssil  100% das espécies de conchas calcárias resistentes são de gêneros conhecidos por terem um registro fóssil;  73% das espécies com esqueletos frágeis ou pequenas partes duras isoladas têm um registro fóssil;  Nenhuma das espécies que faltam partes duras megascópicos tem um registro.
  • 12.
  • 13.  Lembrete do artigo
  • 14. Restos identificáveis de organismos que faltam peças rígidas. A preservação de tecidos moles. Exigem condições ambientais incomuns que são geologicamente muito raros.
  • 15. Diferença básica na composição corporal, tem efeitos diretos e fundamentais sobre as qualidades do registro fóssil. Espécies que são raros em comunidades vivas também têm baixas probabilidades de ser conhecida a partir do registro fóssil.
  • 16.
  • 17.  Lembrete do artigo
  • 18. Os principais fatores de preservação diferencial de taxa mineralizado 1. Conteúdo mineral; 2. Composição mineral; 3. Microestrutura; 4. Tamanho peças duras, forma e densidade; 5. Compressão de articulação esquelético; 6. O tamanho do corpo; 7. Hábito de vida.
  • 19. Vieses ligado ao ambiente pós- morte  divisor ambiental na qualidade do registro fóssil é a terra, que é dominado por erosão e corrosão, e mares, que são em geral válvulas para os sedimentos.  A maioria dos paleontólogos concordam que os fósseis terrestres são muito menos abundante e mais desigual na distribuição (de fósseis marinhos).  Registro fóssil de artrópodes e moluscos são um grande mosaico para determinar condições físicas e químicas do ambiente tafonomico.
  • 20.  Uma ampla gama de agentes ambientais e circunstâncias,atuando isoladamente ou em combinação, determinam preservação nas primeiras fases de fossilização,.  informações atuais sobre estes fatores impulsionam as expectativas de viés no registro fóssil.
  • 21.  Os fatores biológicos que atuam na preservação de tecidos:as atividades de predadores e  catadores (que podem destruir partes duras mineralizados e /ou de servir como transportadores), bioturbadores  Fatores físicos: momento do sepultamento, após a morte, luz, intemperismo dos ossos, e a própria característica do “ preservador “.
  • 22.  Fatores químicos incluem os níveis de oxigênio ( presença de microorganismos que hidrolisam os tecidos), composição ácida dos sedimentos  Áreas temperadas preservam com maior grau de resolução do que as tropicais, devido ao grau de heterogeneidade.
  • 23. Tendência nos tipos de danos para partes duras de moluscos em ambientes marinhos
  • 24. Artigos  THE QUALITY OF THE FOSSIL RECORD: Populations, Species, and Communities1 Annual Review of Earth and Planetary Sciences Vol. 24: 433- 464 (Volume publication date May 1996)DOI: 10.1146/annurev.earth.24.1.433  Importância do ambiente pós morte:1-transporte do ambiente da morte e 2-moluscos sao os mais duráveis grupos de estudo, mostram maior fidelidade.  ASPECTOS TAFONÔMICOS DA ANUROFAUNA DA FORMAÇÃO CRATO, EOCRETÁCEO DA BACIA DO ARARIPE, NORDESTE DO BRASIL Geraldo Jorge Barbosa de Moura1 Alcina Magnólia Franca Barreto  objetivo de investigar a relação entre a disposição corporal dos anuros fossilizados e o ambiente de morte
  • 25. Vieses ligado à história e ao tipo de bacia sedimentar  A diagnênese e a erosão (locais), é o grande filtro final para a qualidade nos registros fósseis.  Essa destruição não é aleatória, mas tende a ser focada no registros de ambientes particulares como: fases do nível do mar,e configurações / condições das placas tectônicas
  • 26.  A erosão e a dinagênese, limitará a qualidade do registro fóssil tanto paleogeográfico quanto informações de séries temporais.  Os paleontólogos tem começado a analisar as conseqüências tafonômicas destes contextos, num padrão temporal nas bacias estratigráficas e escalas globais.
  • 27. Vieses das tendências seculares na qualidade do registro fóssil  Há razões para suspeitar que a qualidade do registro fóssil pode variar significativamente com a altitude / latitude / clima ,e ao longo do tempo evolutivo, devido às diferenças em organismos e em condições geológicas.  há poucos dados empíricos relevantes para estas questões
  • 28.  Um viés: coleta por paleontólogos em direção à América do Norte e Europa!,ambos continentes derivaram extensivamente através da Phanerozoic, de modo que seus mares rasos eram em grande parte tropical durante o Paleozóico, e não tropical mais tarde.  Subestimação da riqueza de espécies por MYR do Permiano por mais de 100%, tornando-se o período mais diversificada do Paleozóico,e subestimou espécies riquezas pós-Paleozóico por 50%, assumindo que a diversidade latitudinal passado gradientes eram tão íngreme como no recente
  • 29.  Tendências da diversidade fanerozóicos incluem a diminuição da área ou volume de afloramento geológico de rochas com o aumento da idade.  Tendências: vieses parecem ser conduzidos principalmente por mudanças na química do oceano / atmosférica(microestrutura: calcite/aragonite) e por evolução em processos biológicos, incluindo tanto o produção e a destruição / reciclagem dos compostos orgânicos e biominerais.
  • 30.  Algumas das mais marcantes mudanças nos estilos de preservação dos tecidos moles ocorrem no intervalo pré-cambriano.  a intensificação de bioturbação, alterações físico-química oceanográfica ,alterações nos minerais de argila tem a mais confiável teoria para explicar a interrupção abrupta do registro faunístico
  • 31. perguntas  Qual a importância de se estudar também as características climáticas, físicas, geográficas de afloramentos para se determinar a qualidade de registros fósseis?  Quais são, de acordo com esta apresentação os vieses no estudo de paleontologia? Qual a importância de vencer estes vieses?