SlideShare uma empresa Scribd logo
Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa


                                          U.C. Psicologia da Arte
                                Ano lectivo 2011/2012 – 1º Semestre
                                Docente: Professor Doutor António
                                Duarte




                                       Psicologia da Literatura
            Discentes:

Anabela Silva , n.º 8712
Isabel Alexandra Almeida, n.º 8841
Lúcia Mendonça, n.º 10054
Teresa Gaspar, n.º 10052
                                                                               1
Sumário:

 Parte I – Anabela Silva – Texto literário especificidades:
 The word in itself – a força de um título
 Processos perceptivos
Processos Cognitivos



 Parte II – Isabel Almeida – O escritor e o processo criativo:
 Experiências Pessoais do autor;
 Pensamento (processo cognitivo);
 Processo afectivos – emoções

 Parte III –Lúcia Mendonça – O leitor e a recepcção da obra:
 Processos cognitivos - linguagem
Padrões de reacção a uma obra de arte
Consequências das reacções emocionais à obra de arte


 Parte IV – Teresa Gaspar – a obra de arte literária – abordagens teóricas
em termos psicológicos:
 Teoria Freudiana
Teoria de Gardner                                                            2
Texto Literário e especificidades

      Por: Anabela Silva




                                    3
Processos perceptivos
“The word-in-itself”
A força de um título




                        Anabela Silva


                                4
Processos Cognitivos
Protótipos
Expectativas / Simbolismos-míticos

  Era uma vez, há muitos anos, num distante reino, vivia um rei com a sua
  filhinha à qual pôs o nome de (.............) Era uma menina muito bonita.
  Passado algum tempo o rei enviuvou. Mais tarde voltou a casar com
  uma mulher belíssima, mas extremamente cruel e, além
  disso, feiticeira, que desde o primeiro dia tratou muito mal a menina...

              Branca de Neve e os Sete Anões




                                                                      Anabela Silva
                                                                                      5
Processos perceptivos
Sonoridades melódicas
Facilitadores mnésicos



    O poeta é um fingidor.
    Finge tão completamente
    Que chega a fingir que é dor
    A dor que deveras sente.

     E os que lêem o que escreve,
     Na dor lida sentem bem,
     Não as duas que ele teve,
     Mas só a que eles não têm.

     E assim nas calhas de roda
     Gira, a entreter a razão,
     Esse comboio de corda
     Que se chama coração.
                                            Anabela Silva
   Autopsicografia, Fernando Pessoa, 1930          6
Processos Cognitivos
Compreensão
Reconhecimento / Realismo

    Hercule Poirot
       Por que não seria belga meu detetive? Deixei que crescesse como
   personagem. Deveria ter sido inspetor, de modo a poder ter certos
   conhecimentos sobre crimes. Seria meticuloso, ordenado, pensei com meus
   botões, enquanto arrumava meu quarto. Um homenzinho bem ordeiro.
   Parecia-me até que o via, um homem muito alinhado, sempre cuidando de
   colocar tudo no devido lugar, amante dos objetos aos pares, das coisas
   quadradas, e não redondas. . E seria muito inteligente — teria muitas células
   cinzentas —, essa era uma boa frase, devia recordá-la: ele possuiria não
   poucas células de matéria cinzenta. Seu nome seria espetacular — um desses
   nomes como existiam na família de Sherlock Holmes. Como era mesmo o
   nome do irmão dele? Mycroft Holmes! E se chamasse ao meu homenzinho
   Hercules? Ele seria um homem baixo — Hercules seria mesmo um bom nome.
   Seu sobrenome era mais difícil. Não sei por que me decidi por Poirot. Se fui eu
   própria quem o inventou, ou se o vi em algum jornal, ou escrito em algum
   lugar, não sei — mas assentei que seria esse o nome. Combinava bem, não
   com Hercules, com s, mas sim com Hercule — Hercule Poirot. Estava
   certo, assente, graças a Deus!(...)                                               Anabela Silva
                                         Agatha Christie (1890 – 1976)
                                                                                               7
Processos de interpretação psicológica
Interpretação hipotética de traços psicológicos

 "(…) era considerado em Celorico, mas também na Academia, que ele espantava
 pela audácia e pelos ditos, como o maior ateu, o maior demagogo, que jamais
 aparecera nas sociedades humanas. Isto lisonjeava-o: por sistema exagerou o seu
 ódio à Divindade e a toda a Ordem Social: queria o massacre das classes médias, o
 amor livre das ficções do matrimônio, a repartição das terras, o culto de Satanás.
 O esforço da inteligência neste sentido terminou por lhe influenciar as maneiras e
 a fisionomia; e, com a sua figura esgrouviada e seca, os pêlos do bigode
 arrebitados sob o nariz adunco, um quadrado de vidro entalado no olho direito -
 tinha realmente alguma coisa de rebelde e de satânico.”


 Queirós, Eça “Os Maias”




                                                                                Anabela8Silva
Processos Cognitivos
Arte conceptual
Efeito surpresa




    A Intervenção plástica evoca o trabalho de Almada Negreiros, e ficou a cargo
    do seu filho Arqt.º José Almada Negreiros, centrando-se na sua obra literária
    (manifestos, poemas, romances e teatro) e na sua obra plástica como
    desenhos e pinturas de grande dimensão.                                      Anabela Silva
                                                                                          9
O escritor e o Processo Criativo

Por: Isabel Alexandra Almeida (8841)




                                       10
O Escritor – processo Criativo
           O artista como construtor da obra de arte



        - Organiza emoções e sentimentos;



        - Objectiviza tensões, experiências e
        contradições resultantes da relação entre
        sujeito e meio que o rodeia (experiências
        podem ser próprias ou alheias)


Compreensão destas questões enquanto fenómenos
psicológicos subjacentes à criação da obra de arte –
                                                       Isabel Almeida
missão da Psicologia da Arte                                            11
Experiências Pessoais do autor:




 Processo criativo é moldado pela experiência pessoal do
escritor, que acaba por plasmar na sua obra situações que
vivenciou na primeira pessoa, ou das quais foi espectador.

       Baiocchi, A. & Niebielski, D. – Psicologia e Literatura: um diálogo possível. Revista Travessias.




                                                                     Isabel Almeida                        12
Experiências Pessoais do autor - exemplo




                         Camilo Castelo Branco
                          “Amor de Perdição”




                            Isabel Almeida       13
Pensamento (processo cognitivo):




 Há autores que expressam nas respectivas obras pensamento
elaborado de acordo com as regras da lógica, transmitindo
raciocínios (dedutivos ou indutivos),construindo aquela que é a
sua visão pessoal, por exemplo de fenómenos sociais.

 O pensamento como processo cognitivo envolvido na criação
da obra de arte literária.

                                        Duarte (2011), aula de 23-09-2011




                                            Isabel Almeida                  14
Pensamento (processo cognitivo) - exemplo:




                             Eça de Queirós
                              “ Os Maias”




                            Isabel Almeida    15
Processos afectivos - emoções:




 O escritor pode fazer transparecer na sua obra emoções que
o assaltam no decurso da sua vivência quotidiana, e a sua visão
da realidade circundante (estas emoções irão, a posteriori,
repercutir-se no leitor, enquanto receptor da obra de arte).

 O Processo de criação artística enquanto forma de expressão
de emoções do autor.

                                     Duarte (2011). Aula n.º 6 de 07-10-2011




                                              Isabel Almeida                   16
Processos afectivos – emoções - exemplo:




                            Rita Ferro e Marta
                                  Gautier
                           “Desculpe lá, mãe.”




                           Isabel Almeida        17
O Leitor - a recepção da obra

   Por: Lúcia Mendonça




                                18
O Leitor - Receptor




- Identificação dos signos que compõem a
linguagem escrita




- Compreensão da linguagem
                                              A “ leitora” Jean Fagonard (1770-1772)




                                           Lúcia Mendonça
                                                                                19
O Leitor – Receptor
    Processo cognitivo - Linguagem


 No     contacto com a obra de arte
literária, entre outras funções, o leitor utiliza
a capacidade de leitura que é um dos seis
componentes básicos do processo cognitivo
designado por linguagem.
                                   Almeida (2010), pág. 216




                            Lúcia Mendonça                    20
O Leitor – Receptor
 Processo cognitivo – Linguagem - Exemplo




                            Eça de Queirós
                             “ Os Maias”



                             Lúcia Mendonça
                                              21
O Leitor – Receptor
 Padrões de reacção a uma obra de arte - identificação



     Aquando da leitura de uma obra de arte
    literária, o leitor poderá manifestar um
    fenómeno de identificação com uma
    determinada personagem de um romance.

                                            Duarte (2011)
                                 Aula nº 6 de 07-10-2011




                                  Lúcia Mendonça            22
O Leitor – Receptor
 Padrões de reacção a uma obra de arte – identificação
                      Exemplo




                                    Helen Fielding
                                     “ O diário de
                                    Bridget Jones”
                                      Lúcia Mendonça
                                                          23
O Leitor – Receptor
 Consequências das reações emocionais à obra de arte

     Perante        uma       reacção      emocional
     exacerbadamente positiva a obra literária envolve
     o leitor, conduzindo-a a uma sensação de náusea
     positiva     quando     embrenhado     na     sua
     leitura, podendo mesmo causar-lhe a mesma, uma
     sensação como que de deslumbramento perante a
     sua perfeição
                                  (Sindrome de Sthendal).

                                                Duarte (2011)
                                      Aula nº7 de 07-10-2011


                                          Lúcia Mendonça        24
O Leitor – Receptor
 Consequências das reações emocionais à obra de arte
                      Exemplo




                                Antoine de Saint-Éxupery
                                   “ O Principezinho”



                                   Lúcia Mendonça          25
Aspectos teóricos do campo psicológico aplicáveis
                   à literatura

              Por: Teresa Gaspar




                                                    26
Motivação artística– Teoria Freudiana da Personalidade




        Que instintos motivam os artistas a criar obras
       literárias?

       Teoria Freudiana sobre o artista deve ser lida à luz
       da teoria da personalidade deste mesmo autor.

       Artista criador movido pela tentativa de vencer
       conflito entre os instintos humanos e as pressões
       civilizacionais.

       Teoria ainda hoje polémica (especulativa), mas
       relevante para reflexão.
                       Winner, E (1982). Invented Worlds: The Psychology of Arts. P. 16




                                                                                          27
                                                                   Teresa Gaspar
Motivação artística– Teoria Freudiana da Personalidade - exemplo




                                           Sófocles
                                          “Édipo Rei”

                                                                    28
                                              Teresa Gaspar
Teoria das inteligências Múltiplas – Howard Gardner – literatura




       Howard Gardner        - Teoria das   Inteligências
      Múltiplas – cada indivíduo desenvolve competências
      de forma mais avançada em determinados domínios
      (e.g. Body Smart; Picture Smart; Músic Smart, Word
      Smart).

       Na elaboração e recepção da obra literária
      encontram-se em mais evidência as aptidões para a
      “palavra” – Word Smart.

       Esta visão teórica pode ser aplicada tanto à
      criação quanto à interpretação de obras de arte
      literárias.

                                   Duarte (2011) aula n.º 6 de 07-10-2011



                                                                            29
                                                       Teresa Gaspar
Teoria das inteligências Múltiplas – Howard Gardner – literatura
                           Exemplo(s)




                                                                    30
Exercício – Obra escolhida – Amanhecer de Stephenie Meyer




                                                            31
Referências Bibliográficas
Bigotte de Almeida (2010). Introdução à Neurociência.
Arquitectura, função, interacções e doença do sistema nervoso.
Climepsi Editores, Lisboa.

Downey, J. E. (2007). Creative imagination: studies in the
psychology of literature.

Winner, E. (1982). Literature (cap. 4 de ”Invented Worlds: The
Psychology of the Arts”)

 Apontamentos das aulas teórico-práticas – ano lectivo
2011/2012.




                                                                  32

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Síntese fp
Síntese fpSíntese fp
Síntese fp
lenaeira
 
Power point fernando_pessoa
Power point fernando_pessoaPower point fernando_pessoa
Power point fernando_pessoa
euricosouteiro57
 
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Doane Castro
 
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_201201 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
soniamarys
 

Mais procurados (20)

Fernando Pessoa Ortónimo
Fernando Pessoa OrtónimoFernando Pessoa Ortónimo
Fernando Pessoa Ortónimo
 
Síntese fp
Síntese fpSíntese fp
Síntese fp
 
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
Pessoa ortónimo proposta para análise de poemas 14_15
 
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa OrtónimoResumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
Resumos de Português: Fernando Pessoa Ortónimo
 
Portugues 12 provas_modelo
Portugues 12 provas_modeloPortugues 12 provas_modelo
Portugues 12 provas_modelo
 
Power point fernando_pessoa
Power point fernando_pessoaPower point fernando_pessoa
Power point fernando_pessoa
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
A estrutura do texto artístico Iuri Lótman
A estrutura do texto artístico Iuri LótmanA estrutura do texto artístico Iuri Lótman
A estrutura do texto artístico Iuri Lótman
 
10460 teoria literaria
10460 teoria literaria10460 teoria literaria
10460 teoria literaria
 
Fernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimoFernando pessoa ortónimo
Fernando pessoa ortónimo
 
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
Apostila arte 9 ano.pdf (1) (1)
 
Arte transversa, quando a memória deságua na cultura
Arte transversa, quando a memória deságua na culturaArte transversa, quando a memória deságua na cultura
Arte transversa, quando a memória deságua na cultura
 
Portfólio Carol Mendoza
Portfólio Carol MendozaPortfólio Carol Mendoza
Portfólio Carol Mendoza
 
Português literatura
Português   literaturaPortuguês   literatura
Português literatura
 
Cinema
Cinema  Cinema
Cinema
 
Introdução aos estudos literários
Introdução aos estudos literáriosIntrodução aos estudos literários
Introdução aos estudos literários
 
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_201201 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
 
introdução aos estudos da Literatura
introdução aos estudos da Literaturaintrodução aos estudos da Literatura
introdução aos estudos da Literatura
 
Plano de ensino
Plano de ensinoPlano de ensino
Plano de ensino
 
Siei - fernando pessoa
Siei - fernando pessoaSiei - fernando pessoa
Siei - fernando pessoa
 

Semelhante a P si arte ii ppt final

História, Arte e Criatividade
História, Arte e CriatividadeHistória, Arte e Criatividade
História, Arte e Criatividade
João Lima
 
Leitura de imagens
Leitura de imagensLeitura de imagens
Leitura de imagens
Over Lane
 
Boletim "Contacto" - novembro 2011
Boletim "Contacto" - novembro 2011Boletim "Contacto" - novembro 2011
Boletim "Contacto" - novembro 2011
Isabel Martins
 
1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura
Luan02
 
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
Paula Duarte
 
Antonio candido e outros a personagem de fic+º+úo (pdf)(rev)
Antonio candido e outros   a personagem de fic+º+úo (pdf)(rev)Antonio candido e outros   a personagem de fic+º+úo (pdf)(rev)
Antonio candido e outros a personagem de fic+º+úo (pdf)(rev)
Edilberto Cleutom Santos
 

Semelhante a P si arte ii ppt final (20)

05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
 
História, Arte e Criatividade
História, Arte e CriatividadeHistória, Arte e Criatividade
História, Arte e Criatividade
 
6° ano - Leitura de obra de arte
6° ano - Leitura de obra de arte6° ano - Leitura de obra de arte
6° ano - Leitura de obra de arte
 
Simulado Ciclo 1 2º ano
Simulado Ciclo 1   2º anoSimulado Ciclo 1   2º ano
Simulado Ciclo 1 2º ano
 
Ciclo 1 2º ano (1)
Ciclo 1   2º ano (1)Ciclo 1   2º ano (1)
Ciclo 1 2º ano (1)
 
A interdisciplinaridade da arte _1ano_cn_parte 1
A interdisciplinaridade da arte _1ano_cn_parte 1A interdisciplinaridade da arte _1ano_cn_parte 1
A interdisciplinaridade da arte _1ano_cn_parte 1
 
Lit. introd.pp prof mônic
Lit. introd.pp prof mônicLit. introd.pp prof mônic
Lit. introd.pp prof mônic
 
leitura de uma obra
leitura de uma obraleitura de uma obra
leitura de uma obra
 
Leitura de imagens
Leitura de imagensLeitura de imagens
Leitura de imagens
 
A Arte de Ler (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Futuro 2010
A Arte de Ler (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Futuro 2010A Arte de Ler (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Futuro 2010
A Arte de Ler (Vanderlei Miranda) - Cidadão do Futuro 2010
 
Boletim "Contacto" - novembro 2011
Boletim "Contacto" - novembro 2011Boletim "Contacto" - novembro 2011
Boletim "Contacto" - novembro 2011
 
Portugues3em
Portugues3emPortugues3em
Portugues3em
 
Série Artigos: Hélio Dantas
Série Artigos: Hélio Dantas Série Artigos: Hélio Dantas
Série Artigos: Hélio Dantas
 
1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura1 1 arte e literatura
1 1 arte e literatura
 
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
2782472-Sintese-da-materia-de-12º-ano-Portugues-preparacao-para-o-exame.doc
 
Antonio candido e outros a personagem de fic+º+úo (pdf)(rev)
Antonio candido e outros   a personagem de fic+º+úo (pdf)(rev)Antonio candido e outros   a personagem de fic+º+úo (pdf)(rev)
Antonio candido e outros a personagem de fic+º+úo (pdf)(rev)
 
Publicacion en brasil odgers
Publicacion en brasil odgersPublicacion en brasil odgers
Publicacion en brasil odgers
 
literatura
literaturaliteratura
literatura
 
Literatura é arte/O QUE É LITERATURA E ARTE
Literatura é arte/O QUE É LITERATURA E ARTELiteratura é arte/O QUE É LITERATURA E ARTE
Literatura é arte/O QUE É LITERATURA E ARTE
 
Campo Contracampo VersãO Pub
Campo Contracampo VersãO PubCampo Contracampo VersãO Pub
Campo Contracampo VersãO Pub
 

Mais de Isabel Alexandra

Mais de Isabel Alexandra (11)

rapaz-de-bronze-5593d78c9bb5b.pptx
rapaz-de-bronze-5593d78c9bb5b.pptxrapaz-de-bronze-5593d78c9bb5b.pptx
rapaz-de-bronze-5593d78c9bb5b.pptx
 
Estudo do Meio - 2º ano - ficha 2
Estudo do Meio - 2º ano -   ficha 2Estudo do Meio - 2º ano -   ficha 2
Estudo do Meio - 2º ano - ficha 2
 
Cestpas (2)
Cestpas (2)Cestpas (2)
Cestpas (2)
 
Distribuição da água e sua importância para os seres vivos
Distribuição da água e sua importância para os seres vivosDistribuição da água e sua importância para os seres vivos
Distribuição da água e sua importância para os seres vivos
 
Perguntas de avaliação para responder parte teórica
Perguntas de avaliação para responder   parte teóricaPerguntas de avaliação para responder   parte teórica
Perguntas de avaliação para responder parte teórica
 
Ficha de leitura 4º ano
Ficha de leitura   4º anoFicha de leitura   4º ano
Ficha de leitura 4º ano
 
Pathological Grief; luto complicado
Pathological Grief; luto complicadoPathological Grief; luto complicado
Pathological Grief; luto complicado
 
Passé composé 3
Passé composé 3Passé composé 3
Passé composé 3
 
Hist 9 ficha 1 colonialismo
Hist 9 ficha 1 colonialismoHist 9 ficha 1 colonialismo
Hist 9 ficha 1 colonialismo
 
Freud files
Freud filesFreud files
Freud files
 
Atençao-FPC
Atençao-FPCAtençao-FPC
Atençao-FPC
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
LuanaAlves940822
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 

Último (20)

prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 

P si arte ii ppt final

  • 1. Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa U.C. Psicologia da Arte Ano lectivo 2011/2012 – 1º Semestre Docente: Professor Doutor António Duarte Psicologia da Literatura Discentes: Anabela Silva , n.º 8712 Isabel Alexandra Almeida, n.º 8841 Lúcia Mendonça, n.º 10054 Teresa Gaspar, n.º 10052 1
  • 2. Sumário:  Parte I – Anabela Silva – Texto literário especificidades:  The word in itself – a força de um título  Processos perceptivos Processos Cognitivos  Parte II – Isabel Almeida – O escritor e o processo criativo:  Experiências Pessoais do autor;  Pensamento (processo cognitivo);  Processo afectivos – emoções  Parte III –Lúcia Mendonça – O leitor e a recepcção da obra:  Processos cognitivos - linguagem Padrões de reacção a uma obra de arte Consequências das reacções emocionais à obra de arte  Parte IV – Teresa Gaspar – a obra de arte literária – abordagens teóricas em termos psicológicos:  Teoria Freudiana Teoria de Gardner 2
  • 3. Texto Literário e especificidades Por: Anabela Silva 3
  • 4. Processos perceptivos “The word-in-itself” A força de um título Anabela Silva 4
  • 5. Processos Cognitivos Protótipos Expectativas / Simbolismos-míticos Era uma vez, há muitos anos, num distante reino, vivia um rei com a sua filhinha à qual pôs o nome de (.............) Era uma menina muito bonita. Passado algum tempo o rei enviuvou. Mais tarde voltou a casar com uma mulher belíssima, mas extremamente cruel e, além disso, feiticeira, que desde o primeiro dia tratou muito mal a menina... Branca de Neve e os Sete Anões Anabela Silva 5
  • 6. Processos perceptivos Sonoridades melódicas Facilitadores mnésicos O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente. E os que lêem o que escreve, Na dor lida sentem bem, Não as duas que ele teve, Mas só a que eles não têm. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razão, Esse comboio de corda Que se chama coração. Anabela Silva Autopsicografia, Fernando Pessoa, 1930 6
  • 7. Processos Cognitivos Compreensão Reconhecimento / Realismo Hercule Poirot Por que não seria belga meu detetive? Deixei que crescesse como personagem. Deveria ter sido inspetor, de modo a poder ter certos conhecimentos sobre crimes. Seria meticuloso, ordenado, pensei com meus botões, enquanto arrumava meu quarto. Um homenzinho bem ordeiro. Parecia-me até que o via, um homem muito alinhado, sempre cuidando de colocar tudo no devido lugar, amante dos objetos aos pares, das coisas quadradas, e não redondas. . E seria muito inteligente — teria muitas células cinzentas —, essa era uma boa frase, devia recordá-la: ele possuiria não poucas células de matéria cinzenta. Seu nome seria espetacular — um desses nomes como existiam na família de Sherlock Holmes. Como era mesmo o nome do irmão dele? Mycroft Holmes! E se chamasse ao meu homenzinho Hercules? Ele seria um homem baixo — Hercules seria mesmo um bom nome. Seu sobrenome era mais difícil. Não sei por que me decidi por Poirot. Se fui eu própria quem o inventou, ou se o vi em algum jornal, ou escrito em algum lugar, não sei — mas assentei que seria esse o nome. Combinava bem, não com Hercules, com s, mas sim com Hercule — Hercule Poirot. Estava certo, assente, graças a Deus!(...) Anabela Silva Agatha Christie (1890 – 1976) 7
  • 8. Processos de interpretação psicológica Interpretação hipotética de traços psicológicos "(…) era considerado em Celorico, mas também na Academia, que ele espantava pela audácia e pelos ditos, como o maior ateu, o maior demagogo, que jamais aparecera nas sociedades humanas. Isto lisonjeava-o: por sistema exagerou o seu ódio à Divindade e a toda a Ordem Social: queria o massacre das classes médias, o amor livre das ficções do matrimônio, a repartição das terras, o culto de Satanás. O esforço da inteligência neste sentido terminou por lhe influenciar as maneiras e a fisionomia; e, com a sua figura esgrouviada e seca, os pêlos do bigode arrebitados sob o nariz adunco, um quadrado de vidro entalado no olho direito - tinha realmente alguma coisa de rebelde e de satânico.” Queirós, Eça “Os Maias” Anabela8Silva
  • 9. Processos Cognitivos Arte conceptual Efeito surpresa A Intervenção plástica evoca o trabalho de Almada Negreiros, e ficou a cargo do seu filho Arqt.º José Almada Negreiros, centrando-se na sua obra literária (manifestos, poemas, romances e teatro) e na sua obra plástica como desenhos e pinturas de grande dimensão. Anabela Silva 9
  • 10. O escritor e o Processo Criativo Por: Isabel Alexandra Almeida (8841) 10
  • 11. O Escritor – processo Criativo  O artista como construtor da obra de arte - Organiza emoções e sentimentos; - Objectiviza tensões, experiências e contradições resultantes da relação entre sujeito e meio que o rodeia (experiências podem ser próprias ou alheias) Compreensão destas questões enquanto fenómenos psicológicos subjacentes à criação da obra de arte – Isabel Almeida missão da Psicologia da Arte 11
  • 12. Experiências Pessoais do autor:  Processo criativo é moldado pela experiência pessoal do escritor, que acaba por plasmar na sua obra situações que vivenciou na primeira pessoa, ou das quais foi espectador. Baiocchi, A. & Niebielski, D. – Psicologia e Literatura: um diálogo possível. Revista Travessias. Isabel Almeida 12
  • 13. Experiências Pessoais do autor - exemplo Camilo Castelo Branco “Amor de Perdição” Isabel Almeida 13
  • 14. Pensamento (processo cognitivo):  Há autores que expressam nas respectivas obras pensamento elaborado de acordo com as regras da lógica, transmitindo raciocínios (dedutivos ou indutivos),construindo aquela que é a sua visão pessoal, por exemplo de fenómenos sociais.  O pensamento como processo cognitivo envolvido na criação da obra de arte literária. Duarte (2011), aula de 23-09-2011 Isabel Almeida 14
  • 15. Pensamento (processo cognitivo) - exemplo: Eça de Queirós “ Os Maias” Isabel Almeida 15
  • 16. Processos afectivos - emoções:  O escritor pode fazer transparecer na sua obra emoções que o assaltam no decurso da sua vivência quotidiana, e a sua visão da realidade circundante (estas emoções irão, a posteriori, repercutir-se no leitor, enquanto receptor da obra de arte).  O Processo de criação artística enquanto forma de expressão de emoções do autor. Duarte (2011). Aula n.º 6 de 07-10-2011 Isabel Almeida 16
  • 17. Processos afectivos – emoções - exemplo: Rita Ferro e Marta Gautier “Desculpe lá, mãe.” Isabel Almeida 17
  • 18. O Leitor - a recepção da obra Por: Lúcia Mendonça 18
  • 19. O Leitor - Receptor - Identificação dos signos que compõem a linguagem escrita - Compreensão da linguagem A “ leitora” Jean Fagonard (1770-1772) Lúcia Mendonça 19
  • 20. O Leitor – Receptor  Processo cognitivo - Linguagem  No contacto com a obra de arte literária, entre outras funções, o leitor utiliza a capacidade de leitura que é um dos seis componentes básicos do processo cognitivo designado por linguagem. Almeida (2010), pág. 216 Lúcia Mendonça 20
  • 21. O Leitor – Receptor  Processo cognitivo – Linguagem - Exemplo Eça de Queirós “ Os Maias” Lúcia Mendonça 21
  • 22. O Leitor – Receptor  Padrões de reacção a uma obra de arte - identificação  Aquando da leitura de uma obra de arte literária, o leitor poderá manifestar um fenómeno de identificação com uma determinada personagem de um romance. Duarte (2011) Aula nº 6 de 07-10-2011 Lúcia Mendonça 22
  • 23. O Leitor – Receptor  Padrões de reacção a uma obra de arte – identificação Exemplo Helen Fielding “ O diário de Bridget Jones” Lúcia Mendonça 23
  • 24. O Leitor – Receptor  Consequências das reações emocionais à obra de arte Perante uma reacção emocional exacerbadamente positiva a obra literária envolve o leitor, conduzindo-a a uma sensação de náusea positiva quando embrenhado na sua leitura, podendo mesmo causar-lhe a mesma, uma sensação como que de deslumbramento perante a sua perfeição (Sindrome de Sthendal). Duarte (2011) Aula nº7 de 07-10-2011 Lúcia Mendonça 24
  • 25. O Leitor – Receptor  Consequências das reações emocionais à obra de arte Exemplo Antoine de Saint-Éxupery “ O Principezinho” Lúcia Mendonça 25
  • 26. Aspectos teóricos do campo psicológico aplicáveis à literatura Por: Teresa Gaspar 26
  • 27. Motivação artística– Teoria Freudiana da Personalidade  Que instintos motivam os artistas a criar obras literárias? Teoria Freudiana sobre o artista deve ser lida à luz da teoria da personalidade deste mesmo autor. Artista criador movido pela tentativa de vencer conflito entre os instintos humanos e as pressões civilizacionais. Teoria ainda hoje polémica (especulativa), mas relevante para reflexão. Winner, E (1982). Invented Worlds: The Psychology of Arts. P. 16 27 Teresa Gaspar
  • 28. Motivação artística– Teoria Freudiana da Personalidade - exemplo Sófocles “Édipo Rei” 28 Teresa Gaspar
  • 29. Teoria das inteligências Múltiplas – Howard Gardner – literatura  Howard Gardner - Teoria das Inteligências Múltiplas – cada indivíduo desenvolve competências de forma mais avançada em determinados domínios (e.g. Body Smart; Picture Smart; Músic Smart, Word Smart).  Na elaboração e recepção da obra literária encontram-se em mais evidência as aptidões para a “palavra” – Word Smart.  Esta visão teórica pode ser aplicada tanto à criação quanto à interpretação de obras de arte literárias. Duarte (2011) aula n.º 6 de 07-10-2011 29 Teresa Gaspar
  • 30. Teoria das inteligências Múltiplas – Howard Gardner – literatura Exemplo(s) 30
  • 31. Exercício – Obra escolhida – Amanhecer de Stephenie Meyer 31
  • 32. Referências Bibliográficas Bigotte de Almeida (2010). Introdução à Neurociência. Arquitectura, função, interacções e doença do sistema nervoso. Climepsi Editores, Lisboa. Downey, J. E. (2007). Creative imagination: studies in the psychology of literature. Winner, E. (1982). Literature (cap. 4 de ”Invented Worlds: The Psychology of the Arts”)  Apontamentos das aulas teórico-práticas – ano lectivo 2011/2012. 32