SlideShare uma empresa Scribd logo
Eu hoje vou falar
sobre os
e na
Península Ibérica
CRISTÃOS & MOUROS
Aí reuniram à sua volta as
populações cristãs descontentes e
daí partiu o movimento de
Reconquista, marcado pela vitória
de Pelágio, na Batalha de
Covadonga em 722.
Com o tempo, depois de muitos
combates, recuperaram vários
territórios que transformaram em
novos Reinos Cristãos.
CRISTÃOS & MOUROS
À medida que a
ocupação
muçulmana da
Península se estendia
para norte, os nobres
Visigodos que
resistiram
refugiaram-se mais
as suas gentes, nas
Astúrias.
CRISTÃOS & MOUROS
Com avanços e recuos, foram
empurrando para sul os
muçulmanos, até à tomada
definitiva em 1492 do ultimo
bastião mouro na península:
O califado de Granada.
Por cá as coisas tinham-se
resolvido bem mais
cedo, em 1249 com a
conquista definitiva de Faro
e Silves, Portugal definiu
bem cedo as suas fronteiras.
Foi mesmo a primeira nação
europeia a fazê-lo.
CRISTÃOS & MOUROS
É, no entanto, errado reduzir a presença Árabe na
Península e o movimento da Reconquista Cristã, apenas a
um tempo de conflitos encarniçados e permanentes entre
os dois povos. Se assim fosse, nem a presença
muçulmana, nem sua influência seriam tão duradouras
num continente, que lhes era, todo ele hostil. Na verdade,
para além das ambições de conquista, por parte nos
nobres visigodos, e sobretudo, fora do espaço dogmático
da Igreja Cristã, que não tolerava a perda para os “infiéis”
de bens e influência, havia um mundo de pacífico
relacionamento entre os dois povos e religiões. Aliás as
diferenças religiosas desapareciam quase por magia
quando se tratava de combater o inimigo comum.
CRISTÃOS & MOUROS
Eram frequentes as
alianças que reis cristãos
faziam com os mouros
sempre que tinham
problemas com os seus
rivais.
De facto o alargamento
territorial dos diferentes
reinos penínsulares não
se fez sempre à custa de
terras mouras. Muitas
vezes eram os cristãos a
disputarem fronteiras
entre si
CRISTÃOS & MOUROS
Eram frequentes as alianças que reis cristãos faziam com os mouros
sempre que tinham problemas com os seus rivais.
De facto o alargamento territorial dos diferentes reinos penínsulares
não se fez sempre à custa de terras mouras. Muitas vezes eram os
cristãos a disputarem fronteiras entre si
Equando isso acontecia dava sempre jeito ter à mão aliados de ocasião,
como eram os mouros. Por sua vez os mouros faziam o mesmo...
Esqueçam as batalhas épicas, por que se as houve foram muito poucas.
Esqueçam uma guerra religiosa que por cá só os padres e a aristocracia
guerreira e as suas gentes alimentavam. Eram as escaramuças do
costume, combatia-se por terras e bens. Localmente, vila a vila,
território a território.
Entretanto, na maior parte do tempo, as gentes conviviam, misturavam-
se e iam esbatendo antagonismos. Na maior parte dos casos ,
respeitaram-se os acordos de paz , feitos desde o ínício entre mouros e
cristãos . Os períodos de convivência pacífica entre os dois povos foram
de facto bem mais frequentes e significativos, que os episódios de
violência que os opuseram.
CRISTÃOS & MOUROS
Os Moçárabes, cristãos convertidos aos modos e
costumes árabes mas que mantiveram a sua religião,
atestam bem este facto. . Portadores de uma cultura
híbrida, os Moçarabes misturavam na sua arte e
costumes, aspectos de ambas as civilizações. De resto, as
populações peninsulares não guardavam do feudalismo
dos tempos visigóticos boas memórias. O servilismo, a
insegurança e a pobreza não eram boas recordações. A
aceitação da nova realidade, passados os primeiros
tempos, não foi, por isso, particularmente dolorosa.
Apesar de tudo as conversões não foram muitas. Para os
dois povos, a religião permaneceu sempre como o último
reduto de uma identidade. Algo de que não se abdica ou
negoceia.
CRISTÃOS & MOUROS
Foram ainda as invasões árabes que arrancaram do
isolamento e das trevas, o mundo feudal peninsular. A
agricultura ,a metalurgia a arquitetura a astronomia a
medicina a matemática nunca mais foram as mesmas
na península.
No seu percurso expansionista, os Árabes assimilaram,
sintetizaram e aperfeiçoaram as técnicas e os
conhecimentos mais avançados do seu tempo. Entre
estes, incluíam-se os provenientes da China, Índia e
Pérsia, prontamente espalhados por todo o império
islâmico. Da astronomia à medicina, passando pela
matemática, e pela geografia, a cultura árabe espelhava
o refinamento e a especialização que a ciência da época
tinha atingido.
CRISTÃOS & MOUROS
Com isso, muito
ganharam os povos
peninsulares e também
o mundo.
Da índia trouxeram e
fizeram circular por todo
o Islão, a noção do
nada, do zero. Coisas
que por cá , pela Europa
devedora da herança
romana ,eram
desconhecidas.
Verdadeiras novidades.
Daí, do vale do Indo,
vieram também os
algarismos , que os
Árabes nos deram a
conhecer.
CRISTÃOS & MOUROS
A nós e a todo o mundo. Com os
Persas, aprenderam a
conhecer melhor os céus e os
astros . Em contacto com os
chineses e japoneses
conheceram e mostraram ao
resto do” mundo conhecido”
novas medicinas”. E também a
pólvora e o papel. Em todo este
trajecto expansionista os
árabes, desenvolveram
extraordinariamente, ciências,
que da cartografia à navegação
nos foram de grande utilidade
na época dos descobrimentos:
os mapas e roteiros de que os
navegadores portugueses mais
tarde se serviram …
CRISTÃOS & MOUROS
O conhecimento dos astros, dos mares e muito
mais. E claro, o astrolábio e a bússola, tal
como a caravela que os portugueses, criaram,
adaptaram ou aperfeiçoaram. Quase tudo feito
de heranças, romanas e árabes, que
soubemos sintetizar e a que juntamos o nosso
próprio génio ou talento quando se tratou de
atingir um fim: Ir mais além porque o que cá
havia não chegava, E ainda hoje o fazemos.
Parece não haver remédio...
OS MUÇULMANOS NA PENÍNSULA
A RELIGIÃO ISLÂMICA………………..
 Islão, em árabe significa submissão à vontade de
Deus e os muçulmanos são os adeptos desta fé. É
uma religião iniciada na Arábia por Maomé.
Maomé nasceu em Meca (Arábia Saudita) entre
os anos 570 e 580 d.C. filho de pais pobres, ficou
órfão muito cedo tendo de trabalhar como pastor.
Entretanto entrou ao serviço de uma viúva rica,
como condutor de camelos. Impressionada pela
sua inteligência e beleza, casa com ele apesar de
muito mais novo.
 A sua vida de comerciante rico alterou-se
profundamente ao ser alvo de visões numa
caverna perto de Meca, numa noite de 611. O
próprio Anjo Gabriel, aparecendo-lhe numa
nuvem de luz, anuncia-lhe que ele é o profeta de
Alá (nome árabe de Deus).
 Iniciou então as suas pregações, as quais foram
alvo de tremendas contestações por parte dos
habitantes da sua terra natal. Prega contra o
politeísmo e a idolatria. Perseguido, Maomé fugiu
para Latrebe, actual Medina e cidade rival de
Meca. A esta fuga deu-se o nome de Hégira.
Estávamos então no ano 622 d.C. Esta data
constitui o início da contagem cronológica
islâmica.
LIVROSAGRADO-ALCORÃO
O alcorão é o livro sagrado
da religião islâmica.
O livro sagrado dos
muçulmanos é a própria
revelação, a manifestação de
Deus (Alá, em árabe), um
papel comparável ao de
Jesus no Cristianismo
Segundo a tradição, é o
registo das palavras certas
ditas por Deus, a quem eles
chamam Alá.
Dizem que foi o Anjo Gabriel
que revelou essas palavras
ao profeta Maomé, que
depois que as transmitiu ao
seu povo.
Esse texto pode soar
respectivo e cansativo em
portuguese árabe ganha
musicalidade.
EXPANSÃO MUÇULMANA.
 A Conquista Muçulmana da Península Ibérica selou o
último reinado de um visigodo na Hispânia. Após a
ocupação da península, os muçulmanos
permaneceram na região por muitos séculos e foram
influentes com sua cultura.
 No início do período que denominamos de Idade
Média, a Península Ibérica era dominada por reinos
visigodos. Estes representavam um dos povos que o
Império Romano considerava como bárbaro. Nesse
momento, ainda não haviam Estados Nacionais, ou
seja, Portugal, Espanha e França ainda não existiam
como países na península. Havia, na verdade, uma
variedade de reinos independentes.
 Boa parte da Península Ibérica era ocupada pelos
visigodos, que elegiam seus reis. No século VIII, o
processo de sucessão do reinado visigótico gerou
conflitos. Nessa ocasião, um grupo de descontentes
com a sucessão do reino pediu ajuda militar a um
governador muçulmano chamado Tárique. A partir de
711 iniciaram-se movimentações populacionais e
militares lideradas por líder muçulmano. Estes
vieram no norte da África e cruzaram o Mar
Mediterrâneo, alcançando, por fim, a Península
Ibérica.
OS MUÇULMANOS
Trabalho realizado por: CAROLINA ALMEIDA
Professor: Albano Santos
Ano: 5º Turma: A nº: 5
INVASÃO MUÇULMANA DA PENÍNSULA IBÉRICA
 Muçulmano é todo o indivíduo que adere ao Islão,
uma religião monoteísta centrada na vida e nos
ensinamentos de Maomé, e que recebeu
revelações do Arcanjo Gabriel. Além disso, os
muçulmanos também dão ênfase aos dogmas da
oração, jejum no mês de Ramadã, peregrinação
em Meca e o estudo do Alcorão.
 A Invasão Islâmica da Península Ibérica,
também referida como Invasão
Muçulmana, conquista Árabe ou expansão
Muçulmana, refere-se a uma série de deslocamentos
militares e populacionais ocorridos a partir de 711,
quando tropas islâmicas oriundas do Norte de África,
sob o comando do general Tarik , cruzaram o estreito
de Gibraltar, penetraram na península Ibérica, e
venceram Rodrigo, o último rei
dos Visigodos da Hispânia, na Batalha de Guadalete.
Após a vitória, termina o Reino Visigótico.
 Nos séculos seguintes, os muçulmanos foram
alargando as suas conquistas na península,
assenhoreando-se do território designado em língua
árabe como Al- Andalus , que governaram por quase
oitocentos anos.
 A Batalha de Covadonga foi a primeira grande
vitória das forças militares Cristãs na Hispânia a
seguir à invasão árabe em 711. Uma década depois,
provavelmente no verão de 722, a vitória de
Covadonga assegurou a sobrevivência da soberania
Cristã no Norte da Península Ibérica, e é considerada
por muitos autores como o início da Reconquista. Sete
anos depois da invasão árabe sobre Hispânia, Pelágio
das Astúrias, um nobre descendente dos
monarcas visigodos, conseguiu expulsar um
governador provincial, Munuza, do distrito das
Astúrias, no noroeste da Península. Conseguiu
segurar o território contra inúmeras investidas
dos árabes para o recuperar, e depressa estabeleceu
o Reino das Astúrias, que viria a transformar-se na
região cristã de soberania contra a expansão islâmica.
Pelágio, embora incapaz de conter os Muçulmanos em
muitas situações, sobrevivia e dinamizava o
movimento para a Reconquista.
 A partir do pequeno território, que Pelágio
designou como Reino das Astúrias, os cristãos
(hispano-godos e lusitano-suevos), acantonados
nas serranias do Norte e Noroeste da Península,
foram gradativamente formando novos reinos,
que se estenderam para o Sul. Surgiram os reinos
de Castela, Leão (de onde derivou mais tarde
o Condado Portucalense e , subsequentemente,
Portugal, Pamplona e Aragão).
 O reino das Astúrias durou de 718 a 925,
quando Fruela II ascendeu ao trono do Reino de
Leão.
 A Reconquista durou toda a Idade Média e só
terminou no início da Idade Moderna, em 1492,
quando os muçulmanos foram definitivamente
expulsos pelos Reis Católicos , Fernando e Isabel.
 A influência deixada pelos muçulmanos ainda
pode ser percebida nas inúmeras palavras
do Português e do Espanhol que vieram do Àrabe,
como "açúcar" (azúcar), "alcaide", "almirante".
Além disso segundo o dicionário Housaiss,
existem 700 palavras de origem árabe.
HERANÇA MUÇULMANA
Igreja Matriz de Mértola
FIM
elementos decorativos geométricos - comuns na arte islâmica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Muçulmanos
Muçulmanos Muçulmanos
Muçulmanos
armindabeatriz
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da  Península IbéricaRomanização da  Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
Carlos Pinheiro
 
A herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugalA herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugal
Luisa Jesus
 
Origem e difusão do cristianismo
Origem e difusão do cristianismoOrigem e difusão do cristianismo
Origem e difusão do cristianismo
Carlos Pinheiro
 
A conquista de ceuta
A conquista de ceuta A conquista de ceuta
A conquista de ceuta
Maria Gomes
 
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de EspanhaOs descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Rainha Maga
 
Descoberta e exploração da Costa Africana
Descoberta e exploração da Costa AfricanaDescoberta e exploração da Costa Africana
Descoberta e exploração da Costa Africana
Maria Gomes
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiii
Ana Barreiros
 
25 - Comércio à escala mundial
25 - Comércio à escala mundial25 - Comércio à escala mundial
25 - Comércio à escala mundial
Carla Freitas
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
Carla Teixeira
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
cattonia
 
EF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbarasEF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbaras
Guilherme Drumond
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
mari_punk
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
cattonia
 
A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
Mariana Neves
 
A civilização egípcia
A civilização egípciaA civilização egípcia
A civilização egípcia
Vítor Santos
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
Carlos Vieira
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
Susana Simões
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
cattonia
 

Mais procurados (20)

Muçulmanos
Muçulmanos Muçulmanos
Muçulmanos
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da  Península IbéricaRomanização da  Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
A herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugalA herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugal
 
Origem e difusão do cristianismo
Origem e difusão do cristianismoOrigem e difusão do cristianismo
Origem e difusão do cristianismo
 
A conquista de ceuta
A conquista de ceuta A conquista de ceuta
A conquista de ceuta
 
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de EspanhaOs descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
Os descobrimentos Portugueses e a concorrência de Espanha
 
Descoberta e exploração da Costa Africana
Descoberta e exploração da Costa AfricanaDescoberta e exploração da Costa Africana
Descoberta e exploração da Costa Africana
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiii
 
25 - Comércio à escala mundial
25 - Comércio à escala mundial25 - Comércio à escala mundial
25 - Comércio à escala mundial
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
 
EF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbarasEF - 7º ano - Invasões bárbaras
EF - 7º ano - Invasões bárbaras
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
 
A Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império RomanoA Integração Dos Povos No Império Romano
A Integração Dos Povos No Império Romano
 
A civilização egípcia
A civilização egípciaA civilização egípcia
A civilização egípcia
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 

Semelhante a Os Muçulmanos na Península Ibérica

A ocupação muçulmana
A ocupação muçulmanaA ocupação muçulmana
A ocupação muçulmana
Sofia Jesus
 
3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi
R C
 
Coisas que acontaceram no ano de 711
Coisas que acontaceram no ano de 711Coisas que acontaceram no ano de 711
Coisas que acontaceram no ano de 711
pipoquinhalove
 
Islamismo para uab texto 5 do modulo iii
Islamismo para uab texto 5 do modulo iiiIslamismo para uab texto 5 do modulo iii
Islamismo para uab texto 5 do modulo iii
marinathebaldi
 
hpg5.pptx
hpg5.pptxhpg5.pptx
hpg5.pptx
ngelaMendes10
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
JWM V.
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
EB Foros de Amora
 
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Hélder Raposo
 
História De Portugal
História De PortugalHistória De Portugal
História De Portugal
gigilu
 
Histriadeportugal
Histriadeportugal Histriadeportugal
Histriadeportugal
Mafalda Cardoso
 
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
Daniel Alves Bronstrup
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
Fernando Moreira
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
Privada
 
Hgp 5
Hgp 5Hgp 5
Hgp 5
Elisa Dias
 
O islã e sua história
O islã e sua históriaO islã e sua história
O islã e sua história
Gilberto Amorim
 
osmuulmanos-131204162749-phpapp01.pdf
osmuulmanos-131204162749-phpapp01.pdfosmuulmanos-131204162749-phpapp01.pdf
osmuulmanos-131204162749-phpapp01.pdf
Belmiramolar
 
IDADE MÉDIA OCIDENTAL
 IDADE MÉDIA OCIDENTAL IDADE MÉDIA OCIDENTAL
IDADE MÉDIA OCIDENTAL
Diego Bian Filo Moreira
 
Os Muçulmanos Na Península Ibérica
Os Muçulmanos Na Península IbéricaOs Muçulmanos Na Península Ibérica
Os Muçulmanos Na Península Ibérica
carloa1970
 
História de portugal
História  de portugal   História  de portugal
História de portugal
Ministério da Educação
 
Ppt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastiasPpt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastias
Ministry of Education (Brazil)
 

Semelhante a Os Muçulmanos na Península Ibérica (20)

A ocupação muçulmana
A ocupação muçulmanaA ocupação muçulmana
A ocupação muçulmana
 
3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi3 osmuçulmanos na pi
3 osmuçulmanos na pi
 
Coisas que acontaceram no ano de 711
Coisas que acontaceram no ano de 711Coisas que acontaceram no ano de 711
Coisas que acontaceram no ano de 711
 
Islamismo para uab texto 5 do modulo iii
Islamismo para uab texto 5 do modulo iiiIslamismo para uab texto 5 do modulo iii
Islamismo para uab texto 5 do modulo iii
 
hpg5.pptx
hpg5.pptxhpg5.pptx
hpg5.pptx
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
Histriadeportugal 100521111158-phpapp01
 
História De Portugal
História De PortugalHistória De Portugal
História De Portugal
 
Histriadeportugal
Histriadeportugal Histriadeportugal
Histriadeportugal
 
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
Hgp 5
Hgp 5Hgp 5
Hgp 5
 
O islã e sua história
O islã e sua históriaO islã e sua história
O islã e sua história
 
osmuulmanos-131204162749-phpapp01.pdf
osmuulmanos-131204162749-phpapp01.pdfosmuulmanos-131204162749-phpapp01.pdf
osmuulmanos-131204162749-phpapp01.pdf
 
IDADE MÉDIA OCIDENTAL
 IDADE MÉDIA OCIDENTAL IDADE MÉDIA OCIDENTAL
IDADE MÉDIA OCIDENTAL
 
Os Muçulmanos Na Península Ibérica
Os Muçulmanos Na Península IbéricaOs Muçulmanos Na Península Ibérica
Os Muçulmanos Na Península Ibérica
 
História de portugal
História  de portugal   História  de portugal
História de portugal
 
Ppt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastiasPpt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastias
 

Mais de vanessasequeira

Pediculose
Pediculose  Pediculose
Pediculose
vanessasequeira
 
Fim da monarquia e implantação da república
Fim da monarquia e implantação da repúblicaFim da monarquia e implantação da república
Fim da monarquia e implantação da república
vanessasequeira
 
Dinis courela 5.º a
Dinis courela   5.º aDinis courela   5.º a
Dinis courela 5.º a
vanessasequeira
 
Gabriela paixão 5.º f
Gabriela paixão   5.º fGabriela paixão   5.º f
Gabriela paixão 5.º f
vanessasequeira
 
Carlos gonçalves 5.º a
Carlos gonçalves   5.º aCarlos gonçalves   5.º a
Carlos gonçalves 5.º a
vanessasequeira
 
Visita de estudo a coimbra
Visita de estudo a coimbraVisita de estudo a coimbra
Visita de estudo a coimbra
vanessasequeira
 
Novo estado rute-6 i-b
Novo estado rute-6 i-bNovo estado rute-6 i-b
Novo estado rute-6 i-b
vanessasequeira
 
Fundamentação teórica carla vanessa_sequeira
Fundamentação teórica carla vanessa_sequeiraFundamentação teórica carla vanessa_sequeira
Fundamentação teórica carla vanessa_sequeira
vanessasequeira
 
Um sonho feliz história
Um sonho feliz   históriaUm sonho feliz   história
Um sonho feliz história
vanessasequeira
 

Mais de vanessasequeira (9)

Pediculose
Pediculose  Pediculose
Pediculose
 
Fim da monarquia e implantação da república
Fim da monarquia e implantação da repúblicaFim da monarquia e implantação da república
Fim da monarquia e implantação da república
 
Dinis courela 5.º a
Dinis courela   5.º aDinis courela   5.º a
Dinis courela 5.º a
 
Gabriela paixão 5.º f
Gabriela paixão   5.º fGabriela paixão   5.º f
Gabriela paixão 5.º f
 
Carlos gonçalves 5.º a
Carlos gonçalves   5.º aCarlos gonçalves   5.º a
Carlos gonçalves 5.º a
 
Visita de estudo a coimbra
Visita de estudo a coimbraVisita de estudo a coimbra
Visita de estudo a coimbra
 
Novo estado rute-6 i-b
Novo estado rute-6 i-bNovo estado rute-6 i-b
Novo estado rute-6 i-b
 
Fundamentação teórica carla vanessa_sequeira
Fundamentação teórica carla vanessa_sequeiraFundamentação teórica carla vanessa_sequeira
Fundamentação teórica carla vanessa_sequeira
 
Um sonho feliz história
Um sonho feliz   históriaUm sonho feliz   história
Um sonho feliz história
 

Último

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 

Os Muçulmanos na Península Ibérica

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32. Eu hoje vou falar sobre os e na Península Ibérica
  • 33. CRISTÃOS & MOUROS Aí reuniram à sua volta as populações cristãs descontentes e daí partiu o movimento de Reconquista, marcado pela vitória de Pelágio, na Batalha de Covadonga em 722. Com o tempo, depois de muitos combates, recuperaram vários territórios que transformaram em novos Reinos Cristãos.
  • 34. CRISTÃOS & MOUROS À medida que a ocupação muçulmana da Península se estendia para norte, os nobres Visigodos que resistiram refugiaram-se mais as suas gentes, nas Astúrias.
  • 35. CRISTÃOS & MOUROS Com avanços e recuos, foram empurrando para sul os muçulmanos, até à tomada definitiva em 1492 do ultimo bastião mouro na península: O califado de Granada. Por cá as coisas tinham-se resolvido bem mais cedo, em 1249 com a conquista definitiva de Faro e Silves, Portugal definiu bem cedo as suas fronteiras. Foi mesmo a primeira nação europeia a fazê-lo.
  • 36. CRISTÃOS & MOUROS É, no entanto, errado reduzir a presença Árabe na Península e o movimento da Reconquista Cristã, apenas a um tempo de conflitos encarniçados e permanentes entre os dois povos. Se assim fosse, nem a presença muçulmana, nem sua influência seriam tão duradouras num continente, que lhes era, todo ele hostil. Na verdade, para além das ambições de conquista, por parte nos nobres visigodos, e sobretudo, fora do espaço dogmático da Igreja Cristã, que não tolerava a perda para os “infiéis” de bens e influência, havia um mundo de pacífico relacionamento entre os dois povos e religiões. Aliás as diferenças religiosas desapareciam quase por magia quando se tratava de combater o inimigo comum.
  • 37. CRISTÃOS & MOUROS Eram frequentes as alianças que reis cristãos faziam com os mouros sempre que tinham problemas com os seus rivais. De facto o alargamento territorial dos diferentes reinos penínsulares não se fez sempre à custa de terras mouras. Muitas vezes eram os cristãos a disputarem fronteiras entre si
  • 38. CRISTÃOS & MOUROS Eram frequentes as alianças que reis cristãos faziam com os mouros sempre que tinham problemas com os seus rivais. De facto o alargamento territorial dos diferentes reinos penínsulares não se fez sempre à custa de terras mouras. Muitas vezes eram os cristãos a disputarem fronteiras entre si Equando isso acontecia dava sempre jeito ter à mão aliados de ocasião, como eram os mouros. Por sua vez os mouros faziam o mesmo... Esqueçam as batalhas épicas, por que se as houve foram muito poucas. Esqueçam uma guerra religiosa que por cá só os padres e a aristocracia guerreira e as suas gentes alimentavam. Eram as escaramuças do costume, combatia-se por terras e bens. Localmente, vila a vila, território a território. Entretanto, na maior parte do tempo, as gentes conviviam, misturavam- se e iam esbatendo antagonismos. Na maior parte dos casos , respeitaram-se os acordos de paz , feitos desde o ínício entre mouros e cristãos . Os períodos de convivência pacífica entre os dois povos foram de facto bem mais frequentes e significativos, que os episódios de violência que os opuseram.
  • 39.
  • 40. CRISTÃOS & MOUROS Os Moçárabes, cristãos convertidos aos modos e costumes árabes mas que mantiveram a sua religião, atestam bem este facto. . Portadores de uma cultura híbrida, os Moçarabes misturavam na sua arte e costumes, aspectos de ambas as civilizações. De resto, as populações peninsulares não guardavam do feudalismo dos tempos visigóticos boas memórias. O servilismo, a insegurança e a pobreza não eram boas recordações. A aceitação da nova realidade, passados os primeiros tempos, não foi, por isso, particularmente dolorosa. Apesar de tudo as conversões não foram muitas. Para os dois povos, a religião permaneceu sempre como o último reduto de uma identidade. Algo de que não se abdica ou negoceia.
  • 41. CRISTÃOS & MOUROS Foram ainda as invasões árabes que arrancaram do isolamento e das trevas, o mundo feudal peninsular. A agricultura ,a metalurgia a arquitetura a astronomia a medicina a matemática nunca mais foram as mesmas na península. No seu percurso expansionista, os Árabes assimilaram, sintetizaram e aperfeiçoaram as técnicas e os conhecimentos mais avançados do seu tempo. Entre estes, incluíam-se os provenientes da China, Índia e Pérsia, prontamente espalhados por todo o império islâmico. Da astronomia à medicina, passando pela matemática, e pela geografia, a cultura árabe espelhava o refinamento e a especialização que a ciência da época tinha atingido.
  • 42.
  • 43. CRISTÃOS & MOUROS Com isso, muito ganharam os povos peninsulares e também o mundo. Da índia trouxeram e fizeram circular por todo o Islão, a noção do nada, do zero. Coisas que por cá , pela Europa devedora da herança romana ,eram desconhecidas. Verdadeiras novidades. Daí, do vale do Indo, vieram também os algarismos , que os Árabes nos deram a conhecer.
  • 44. CRISTÃOS & MOUROS A nós e a todo o mundo. Com os Persas, aprenderam a conhecer melhor os céus e os astros . Em contacto com os chineses e japoneses conheceram e mostraram ao resto do” mundo conhecido” novas medicinas”. E também a pólvora e o papel. Em todo este trajecto expansionista os árabes, desenvolveram extraordinariamente, ciências, que da cartografia à navegação nos foram de grande utilidade na época dos descobrimentos: os mapas e roteiros de que os navegadores portugueses mais tarde se serviram …
  • 45. CRISTÃOS & MOUROS O conhecimento dos astros, dos mares e muito mais. E claro, o astrolábio e a bússola, tal como a caravela que os portugueses, criaram, adaptaram ou aperfeiçoaram. Quase tudo feito de heranças, romanas e árabes, que soubemos sintetizar e a que juntamos o nosso próprio génio ou talento quando se tratou de atingir um fim: Ir mais além porque o que cá havia não chegava, E ainda hoje o fazemos. Parece não haver remédio...
  • 46.
  • 47. OS MUÇULMANOS NA PENÍNSULA
  • 48. A RELIGIÃO ISLÂMICA………………..  Islão, em árabe significa submissão à vontade de Deus e os muçulmanos são os adeptos desta fé. É uma religião iniciada na Arábia por Maomé. Maomé nasceu em Meca (Arábia Saudita) entre os anos 570 e 580 d.C. filho de pais pobres, ficou órfão muito cedo tendo de trabalhar como pastor. Entretanto entrou ao serviço de uma viúva rica, como condutor de camelos. Impressionada pela sua inteligência e beleza, casa com ele apesar de muito mais novo.  A sua vida de comerciante rico alterou-se profundamente ao ser alvo de visões numa caverna perto de Meca, numa noite de 611. O próprio Anjo Gabriel, aparecendo-lhe numa nuvem de luz, anuncia-lhe que ele é o profeta de Alá (nome árabe de Deus).  Iniciou então as suas pregações, as quais foram alvo de tremendas contestações por parte dos habitantes da sua terra natal. Prega contra o politeísmo e a idolatria. Perseguido, Maomé fugiu para Latrebe, actual Medina e cidade rival de Meca. A esta fuga deu-se o nome de Hégira. Estávamos então no ano 622 d.C. Esta data constitui o início da contagem cronológica islâmica.
  • 49. LIVROSAGRADO-ALCORÃO O alcorão é o livro sagrado da religião islâmica. O livro sagrado dos muçulmanos é a própria revelação, a manifestação de Deus (Alá, em árabe), um papel comparável ao de Jesus no Cristianismo Segundo a tradição, é o registo das palavras certas ditas por Deus, a quem eles chamam Alá. Dizem que foi o Anjo Gabriel que revelou essas palavras ao profeta Maomé, que depois que as transmitiu ao seu povo. Esse texto pode soar respectivo e cansativo em portuguese árabe ganha musicalidade.
  • 50. EXPANSÃO MUÇULMANA.  A Conquista Muçulmana da Península Ibérica selou o último reinado de um visigodo na Hispânia. Após a ocupação da península, os muçulmanos permaneceram na região por muitos séculos e foram influentes com sua cultura.  No início do período que denominamos de Idade Média, a Península Ibérica era dominada por reinos visigodos. Estes representavam um dos povos que o Império Romano considerava como bárbaro. Nesse momento, ainda não haviam Estados Nacionais, ou seja, Portugal, Espanha e França ainda não existiam como países na península. Havia, na verdade, uma variedade de reinos independentes.  Boa parte da Península Ibérica era ocupada pelos visigodos, que elegiam seus reis. No século VIII, o processo de sucessão do reinado visigótico gerou conflitos. Nessa ocasião, um grupo de descontentes com a sucessão do reino pediu ajuda militar a um governador muçulmano chamado Tárique. A partir de 711 iniciaram-se movimentações populacionais e militares lideradas por líder muçulmano. Estes vieram no norte da África e cruzaram o Mar Mediterrâneo, alcançando, por fim, a Península Ibérica.
  • 51. OS MUÇULMANOS Trabalho realizado por: CAROLINA ALMEIDA Professor: Albano Santos Ano: 5º Turma: A nº: 5 INVASÃO MUÇULMANA DA PENÍNSULA IBÉRICA
  • 52.  Muçulmano é todo o indivíduo que adere ao Islão, uma religião monoteísta centrada na vida e nos ensinamentos de Maomé, e que recebeu revelações do Arcanjo Gabriel. Além disso, os muçulmanos também dão ênfase aos dogmas da oração, jejum no mês de Ramadã, peregrinação em Meca e o estudo do Alcorão.
  • 53.  A Invasão Islâmica da Península Ibérica, também referida como Invasão Muçulmana, conquista Árabe ou expansão Muçulmana, refere-se a uma série de deslocamentos militares e populacionais ocorridos a partir de 711, quando tropas islâmicas oriundas do Norte de África, sob o comando do general Tarik , cruzaram o estreito de Gibraltar, penetraram na península Ibérica, e venceram Rodrigo, o último rei dos Visigodos da Hispânia, na Batalha de Guadalete. Após a vitória, termina o Reino Visigótico.  Nos séculos seguintes, os muçulmanos foram alargando as suas conquistas na península, assenhoreando-se do território designado em língua árabe como Al- Andalus , que governaram por quase oitocentos anos.
  • 54.
  • 55.
  • 56.  A Batalha de Covadonga foi a primeira grande vitória das forças militares Cristãs na Hispânia a seguir à invasão árabe em 711. Uma década depois, provavelmente no verão de 722, a vitória de Covadonga assegurou a sobrevivência da soberania Cristã no Norte da Península Ibérica, e é considerada por muitos autores como o início da Reconquista. Sete anos depois da invasão árabe sobre Hispânia, Pelágio das Astúrias, um nobre descendente dos monarcas visigodos, conseguiu expulsar um governador provincial, Munuza, do distrito das Astúrias, no noroeste da Península. Conseguiu segurar o território contra inúmeras investidas dos árabes para o recuperar, e depressa estabeleceu o Reino das Astúrias, que viria a transformar-se na região cristã de soberania contra a expansão islâmica. Pelágio, embora incapaz de conter os Muçulmanos em muitas situações, sobrevivia e dinamizava o movimento para a Reconquista.
  • 57.
  • 58.  A partir do pequeno território, que Pelágio designou como Reino das Astúrias, os cristãos (hispano-godos e lusitano-suevos), acantonados nas serranias do Norte e Noroeste da Península, foram gradativamente formando novos reinos, que se estenderam para o Sul. Surgiram os reinos de Castela, Leão (de onde derivou mais tarde o Condado Portucalense e , subsequentemente, Portugal, Pamplona e Aragão).  O reino das Astúrias durou de 718 a 925, quando Fruela II ascendeu ao trono do Reino de Leão.
  • 59.
  • 60.
  • 61.  A Reconquista durou toda a Idade Média e só terminou no início da Idade Moderna, em 1492, quando os muçulmanos foram definitivamente expulsos pelos Reis Católicos , Fernando e Isabel.  A influência deixada pelos muçulmanos ainda pode ser percebida nas inúmeras palavras do Português e do Espanhol que vieram do Àrabe, como "açúcar" (azúcar), "alcaide", "almirante". Além disso segundo o dicionário Housaiss, existem 700 palavras de origem árabe.
  • 63.
  • 64. Igreja Matriz de Mértola
  • 65. FIM elementos decorativos geométricos - comuns na arte islâmica