SlideShare uma empresa Scribd logo
Ortografia
PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA
Ensino de ortografia:
concepções
 “Tradicional”
 repetição e a memorização
 “Progressista”
 ensino assistemático
 Uma outra proposta
 ensinar ortografia, tratando-a como um objeto de
reflexão.
O ensino tradicional de
ortografia
Joãozinho escreveu numa redação da escola:
O gato não "cabeu" no buraco.
A professora, para castigá-lo, mandou que
escrevesse 20 vezes,no quadro, a palavra "coube".
Quando ele terminou, a professora contou as palavras
e comentou:
— Mas você só escreveu "coube" 19 vezes, Joãozinho!
— É que a última já não "cabeu", professora!
Perguntaram aos professores
como eles estudaram
ortografia na escola:
 [...] a professora fazia muitos ditados e solicitava que cada palavra
errada fosse escrita dez vezes. Quem acertasse todas as palavras,
ganhava um ponto.
 [...] Recordo-me das tarefas de casa, muita caligrafia e estudo das
palavrinhas que iam cair no ditado do dia seguinte.
 [...] Uma das atividades da qual não consigo me esquecer eram os
ditados, que tanto eram feitos na escola quanto em casa com
minha tia. [...] Recordo-me também das cópias que fazíamos das
palavras que escrevíamos errado durante o ditado e que tínhamos
que repetir vinte vezes.
 [...] Só não gostava muito dos ditados, pois, quando errávamos
uma palavra, tínhamos que escrevê-la dez vezes.
Aprendizagem passiva
 Para aprender ortografia não é
necessário pensar. Basta repetir,
reproduzir, copiar, decorar.
 Os exercícios não são acompanhados,
na maioria das vezes, de uma reflexão
sobre os porquês dos erros cometidos
 Os erros são apenas corrigidos e não se
transformam em material de análise em
sala de aula.
O que podemos concluir com a
forma tradicional de ensino de
ortografia?
O ditado, a cópia, o treino e a
recitação/memorização de regras:
 Não auxiliam os alunos a refletir sobre a ortografia
 apenas constata se sabem ou não escrever
corretamente
 incentiva a adotar uma atitude mecânica e
passiva diante da norma ortográfica.
A outra tendência: o ensino
progressista
 ENSINAR SEM SISTEMATIZAR
 Uma ideia que surge de uma distorção da
concepção de letramento
 DEFESA DA IDEIA
 a ortografia deve ser aprendida através do
contato com os textos escritos.
 os alunos aprendem a escrever
corretamente “com o tempo”, pela
exposição repetida às palavras de sua
língua.
Contestação...
Embora os textos impressos constituam de
fato, importante fonte de informação
ortográfica – sobretudo nos casos que não
têm regras –, é necessário observarmos
que apenas a exposição à língua escrita
não garante o domínio da norma
ortográfica (MORAIS, 1998; REGO;
BUARQUE, 1999).
E agora? Como é que faz?
O ensino de ortografia: reflexão
sobre as regularidades e
irregularidades da língua
 A ortografia é um objeto de conhecimento
que pode e deve ser incorporado através da
reflexão (MORAIS, 1998, 1999; LEAL ; ROAZZI,
1999; REGO; BUARQUE, 1999).
 Não é demais destacar que a aprendizagem
da ortografia não é um processo passivo,
mas, ao contrário, uma construção em que
os aprendizes elaboram hipóteses sobre
como se escrevem corretamente as palavras
de sua língua (cf. REGO, capítulo 2).
O ensino de ortografia: reflexão
sobre as regularidades e
irregularidades da língua
 Nessa perspectiva, é necessário que a
escola ajude os alunos a compreender os
casos regulares da norma ortográfica
(aqueles que têm regras) e a tomar
consciência daqueles que não têm
regras (irregularidades) e que, portanto,
precisam ser memorizados.
Regularidades e irregularidades?
 Regularidades
 Muitas palavras são escritas de acordo com
certas regras, que podem ser discutidas e
aprendidas.
 Irregularidades
 É necessário que os professores auxiliem os
alunos a tomar consciência de que a escrita de
determinadas palavras não é orientada por
regras.
 Nesse caso, é consultar modelos externos,
como o dicionário, e memorizar.
Exemplo 01
 Observe o conjunto de palavras:
 Manga
 Bomba
 Entrega
 Campo
 Tempo
 Dentro
 Coentro
 Livramento
Exemplo 02
 Bruxa
 Cachorro
 Xale
 Chuva
 Macho
 Acho
 Feixe
 Caixa
 Eixo
 Chuchu
Defesa ...
 É necessário organizar o ensino de modo a
tratar separadamente os casos regulares e
irregulares da norma ortográfica.
 O ensino sistemático de dificuldades
ortográficas distintas deve também
acontecer em momentos distintos
(regularidades e irregularidades, pois exigem
estratégias diferentes).
 Durante as atividades escolares cotidianas, nos
momentos de produção e de revisão de textos, as
dúvidas vão acontecer.
Comover, então, a explicitação dos conhecimentos
ortográficos dos alunos? Segundo Morais (1998):
- Semear/Incitar a dúvida
- Dar oportunidade do aluno expressar sua dúvida
- Escrever errado de propósito
PRINCIPIOS RELATIVOS AO ENCAMINHAMENTO DAS
SITUAÇÕES DE ENSINO – APRENDIZAGEM
 I. A reflexão sobre a ortografia deve estar presente em todos
os momentos da escrita: ou seja, a reflexão sobre a ortografia
deve estar presente no dia-a-dia escolar e não deve ocorrer
somente nos momentos destinados para isto.
 II. É preciso não controlar a escrita espontânea dos alunos: ou
seja, um ensino que levará o aluno a uma reflexão da escrita
não pode censurar a produção espontânea de textos, que
venham produzir.
 III. É preciso não fazer da nomenclatura gramatical um
requisito para a aprendizagem de regras (contextuais e
morfológico-gramaticais): ou seja, não devemos exigir de
nossos alunos que eles saibam usar termos como “sílaba
tônica”, “encontro consonantal”, etc, afinal muitas crianças,
em seu linguajar, conseguem explicar perfeitamente as regras.
PRINCIPIOS RELATIVOS AO ENCAMINHAMENTO DAS
SITUAÇÕES DE ENSINO – APRENDIZAGEM
(Ortografia: Ensinar e Aprender, Artur Gomes de Morais, 128 págs., Ed. Ática,)
 IV. É preciso promover sempre a discussão coletiva dos conhecimentos que
as crianças expressam: ou seja, desta forma a criança vai desenvolvendo a
internalização dos conhecimentos ortográficos e, vão tomando consciência
do que estão pensando sobre as relações letra-som quando escrevem.
 V. É preciso fazer o registro escrito das descobertas das crianças – regras,
listas de palavras, etc: ou seja, esta é uma forma de materializar as
conclusões feitas, sendo assim um agente potencializador para a reflexão
ortográfica.
 VI. As atividades podem ser desenvolvidas coletivamente, em pequenos
grupos ou em duplas: ou seja, este tipo de trabalho de interação entre
grupos mostra-se positivo já que propulsiona o debate, o conflito cognitivo e
a cooperação.
 VII. Ao definir metas, não podemos deixar de levar em conta a
heterogneidade de rendimento dos alunos: ou seja, cada aluno aprende em
seu ritmo, então não podemos “cobrar e esperar” rendimentos exatamente
iguais; diante disto devemos propiciar novas situações de aprendizagem
para os alunos com maior dificuldade.
Em suma!
 A proposta é tratar a ortografia como
objeto de conhecimento sobre o qual se
pode pensar e não meramente repetir.
 Essa compreensão é de importância
fundamental na construção de um
ensino de ortografia que tenha como
meta a reflexão sobre as regras e
irregularidades da norma.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
PamelaAschoff
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Fernanda Tulio
 
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anoProjeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
jose ebner
 
O que ensinar sobre ortografia
O que ensinar sobre ortografiaO que ensinar sobre ortografia
O que ensinar sobre ortografia
orientacoesdidaticas
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Denise Oliveira
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
LianeMagnolia
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
Adriana Pereira
 
Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10
Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10
Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10
Ricardo Silva
 
Dígrafo e encontro consonantal
Dígrafo e encontro consonantalDígrafo e encontro consonantal
Dígrafo e encontro consonantal
Rosana Mayer
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
Marilene Rangel Rangel
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Glacemi Loch
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
henriqueocarvalho
 
Guia de aprendizagem de Português 1° ano do Ensino Médio do Tempo Integral
Guia de aprendizagem de Português 1° ano do Ensino Médio do Tempo Integral Guia de aprendizagem de Português 1° ano do Ensino Médio do Tempo Integral
Guia de aprendizagem de Português 1° ano do Ensino Médio do Tempo Integral
Val Valença
 
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagemPlano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
Néia Capitu
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesa
Gerdian Teixeira
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
Jose Arnaldo Silva
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 

Mais procurados (20)

Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)Alfabetização e letramento (slide)
Alfabetização e letramento (slide)
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
 
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º anoProjeto de leitura. 1º ao 9º ano
Projeto de leitura. 1º ao 9º ano
 
O que ensinar sobre ortografia
O que ensinar sobre ortografiaO que ensinar sobre ortografia
O que ensinar sobre ortografia
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
 
Alfabetização e letramento
Alfabetização e letramentoAlfabetização e letramento
Alfabetização e letramento
 
Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento
Alfabetização e Letramento
 
Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10
Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10
Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10
 
Dígrafo e encontro consonantal
Dígrafo e encontro consonantalDígrafo e encontro consonantal
Dígrafo e encontro consonantal
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Produção e revisão de textos
Produção e revisão de textosProdução e revisão de textos
Produção e revisão de textos
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
 
AlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E LetramentoAlfabetizaçãO E Letramento
AlfabetizaçãO E Letramento
 
Guia de aprendizagem de Português 1° ano do Ensino Médio do Tempo Integral
Guia de aprendizagem de Português 1° ano do Ensino Médio do Tempo Integral Guia de aprendizagem de Português 1° ano do Ensino Médio do Tempo Integral
Guia de aprendizagem de Português 1° ano do Ensino Médio do Tempo Integral
 
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagemPlano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesa
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 

Semelhante a Ortografia

Candida certo vilma
Candida certo vilmaCandida certo vilma
Candida certo vilma
vilmadasilvasantos
 
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
Secretaria Municipal de Educação de Dona Inês/PB
 
Construindo planejamentos significativos
Construindo planejamentos significativosConstruindo planejamentos significativos
Construindo planejamentos significativos
Lukass da Silva
 
Co 163 contruindo planejamentos significativos
Co 163 contruindo planejamentos significativosCo 163 contruindo planejamentos significativos
Co 163 contruindo planejamentos significativos
Jeh Antunes
 
Ortografialivro 130820100646-phpapp01
Ortografialivro 130820100646-phpapp01Ortografialivro 130820100646-phpapp01
Ortografialivro 130820100646-phpapp01
Aretuza Ladeia Lima
 
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).pptun-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
Bonfim Queiroz Lima
 
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).pptun-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
Bonfim Queiroz Lima
 
ortografia ARTUR GOMES DE MORAIS
ortografia ARTUR GOMES DE MORAISortografia ARTUR GOMES DE MORAIS
ortografia ARTUR GOMES DE MORAIS
Secretaria Municipal de Educação de Dona Inês/PB
 
7º encontro
7º encontro7º encontro
7º encontro
SolVenezzani
 
Resumo de parte do livro ortografia artur gomes de morais
Resumo de parte do livro ortografia artur gomes de moraisResumo de parte do livro ortografia artur gomes de morais
Resumo de parte do livro ortografia artur gomes de morais
Carla Fernanda Matté Marengo
 
As concepções de ensino e de linguagem
As concepções de ensino e de linguagemAs concepções de ensino e de linguagem
As concepções de ensino e de linguagem
Lilian Buzato
 
2º encontro da unidade 1 avaliação
2º encontro da unidade 1   avaliação2º encontro da unidade 1   avaliação
2º encontro da unidade 1 avaliação
Bete Feliciano
 
Generosparte2 130818130725-phpapp02
Generosparte2 130818130725-phpapp02Generosparte2 130818130725-phpapp02
Generosparte2 130818130725-phpapp02
Jhosyrene Oliveira
 
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa  Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
helanysousa
 
Corrigir e preciso
Corrigir e precisoCorrigir e preciso
Corrigir e preciso
dialogoeducacao
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
Sérgio Araújo
 
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de BiguaçuEncontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Soleducador1
 
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptxAlfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
SarahTaynara
 
PCNs de Língua Portuguesa
PCNs de Língua PortuguesaPCNs de Língua Portuguesa
PCNs de Língua Portuguesa
Evaí Oliveira
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Rosemary Batista
 

Semelhante a Ortografia (20)

Candida certo vilma
Candida certo vilmaCandida certo vilma
Candida certo vilma
 
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
ORTOGRAFIA: ENSINAR E APRENDER (ARTUR GOMES DE MORAIS)
 
Construindo planejamentos significativos
Construindo planejamentos significativosConstruindo planejamentos significativos
Construindo planejamentos significativos
 
Co 163 contruindo planejamentos significativos
Co 163 contruindo planejamentos significativosCo 163 contruindo planejamentos significativos
Co 163 contruindo planejamentos significativos
 
Ortografialivro 130820100646-phpapp01
Ortografialivro 130820100646-phpapp01Ortografialivro 130820100646-phpapp01
Ortografialivro 130820100646-phpapp01
 
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).pptun-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
 
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).pptun-3-e-4-ano-2 (1).ppt
un-3-e-4-ano-2 (1).ppt
 
ortografia ARTUR GOMES DE MORAIS
ortografia ARTUR GOMES DE MORAISortografia ARTUR GOMES DE MORAIS
ortografia ARTUR GOMES DE MORAIS
 
7º encontro
7º encontro7º encontro
7º encontro
 
Resumo de parte do livro ortografia artur gomes de morais
Resumo de parte do livro ortografia artur gomes de moraisResumo de parte do livro ortografia artur gomes de morais
Resumo de parte do livro ortografia artur gomes de morais
 
As concepções de ensino e de linguagem
As concepções de ensino e de linguagemAs concepções de ensino e de linguagem
As concepções de ensino e de linguagem
 
2º encontro da unidade 1 avaliação
2º encontro da unidade 1   avaliação2º encontro da unidade 1   avaliação
2º encontro da unidade 1 avaliação
 
Generosparte2 130818130725-phpapp02
Generosparte2 130818130725-phpapp02Generosparte2 130818130725-phpapp02
Generosparte2 130818130725-phpapp02
 
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa  Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
Habilidades comunicativas da Língua Inglesa
 
Corrigir e preciso
Corrigir e precisoCorrigir e preciso
Corrigir e preciso
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
 
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de BiguaçuEncontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
 
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptxAlfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
 
PCNs de Língua Portuguesa
PCNs de Língua PortuguesaPCNs de Língua Portuguesa
PCNs de Língua Portuguesa
 
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadoresIi reunião alfabetização_eixos_norteadores
Ii reunião alfabetização_eixos_norteadores
 

Último

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 

Último (20)

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 

Ortografia

  • 1. Ortografia PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA
  • 2. Ensino de ortografia: concepções  “Tradicional”  repetição e a memorização  “Progressista”  ensino assistemático  Uma outra proposta  ensinar ortografia, tratando-a como um objeto de reflexão.
  • 3. O ensino tradicional de ortografia Joãozinho escreveu numa redação da escola: O gato não "cabeu" no buraco. A professora, para castigá-lo, mandou que escrevesse 20 vezes,no quadro, a palavra "coube". Quando ele terminou, a professora contou as palavras e comentou: — Mas você só escreveu "coube" 19 vezes, Joãozinho! — É que a última já não "cabeu", professora!
  • 4. Perguntaram aos professores como eles estudaram ortografia na escola:  [...] a professora fazia muitos ditados e solicitava que cada palavra errada fosse escrita dez vezes. Quem acertasse todas as palavras, ganhava um ponto.  [...] Recordo-me das tarefas de casa, muita caligrafia e estudo das palavrinhas que iam cair no ditado do dia seguinte.  [...] Uma das atividades da qual não consigo me esquecer eram os ditados, que tanto eram feitos na escola quanto em casa com minha tia. [...] Recordo-me também das cópias que fazíamos das palavras que escrevíamos errado durante o ditado e que tínhamos que repetir vinte vezes.  [...] Só não gostava muito dos ditados, pois, quando errávamos uma palavra, tínhamos que escrevê-la dez vezes.
  • 5. Aprendizagem passiva  Para aprender ortografia não é necessário pensar. Basta repetir, reproduzir, copiar, decorar.  Os exercícios não são acompanhados, na maioria das vezes, de uma reflexão sobre os porquês dos erros cometidos  Os erros são apenas corrigidos e não se transformam em material de análise em sala de aula.
  • 6. O que podemos concluir com a forma tradicional de ensino de ortografia?
  • 7. O ditado, a cópia, o treino e a recitação/memorização de regras:  Não auxiliam os alunos a refletir sobre a ortografia  apenas constata se sabem ou não escrever corretamente  incentiva a adotar uma atitude mecânica e passiva diante da norma ortográfica.
  • 8. A outra tendência: o ensino progressista  ENSINAR SEM SISTEMATIZAR  Uma ideia que surge de uma distorção da concepção de letramento  DEFESA DA IDEIA  a ortografia deve ser aprendida através do contato com os textos escritos.  os alunos aprendem a escrever corretamente “com o tempo”, pela exposição repetida às palavras de sua língua.
  • 9. Contestação... Embora os textos impressos constituam de fato, importante fonte de informação ortográfica – sobretudo nos casos que não têm regras –, é necessário observarmos que apenas a exposição à língua escrita não garante o domínio da norma ortográfica (MORAIS, 1998; REGO; BUARQUE, 1999).
  • 10. E agora? Como é que faz?
  • 11. O ensino de ortografia: reflexão sobre as regularidades e irregularidades da língua  A ortografia é um objeto de conhecimento que pode e deve ser incorporado através da reflexão (MORAIS, 1998, 1999; LEAL ; ROAZZI, 1999; REGO; BUARQUE, 1999).  Não é demais destacar que a aprendizagem da ortografia não é um processo passivo, mas, ao contrário, uma construção em que os aprendizes elaboram hipóteses sobre como se escrevem corretamente as palavras de sua língua (cf. REGO, capítulo 2).
  • 12. O ensino de ortografia: reflexão sobre as regularidades e irregularidades da língua  Nessa perspectiva, é necessário que a escola ajude os alunos a compreender os casos regulares da norma ortográfica (aqueles que têm regras) e a tomar consciência daqueles que não têm regras (irregularidades) e que, portanto, precisam ser memorizados.
  • 13. Regularidades e irregularidades?  Regularidades  Muitas palavras são escritas de acordo com certas regras, que podem ser discutidas e aprendidas.  Irregularidades  É necessário que os professores auxiliem os alunos a tomar consciência de que a escrita de determinadas palavras não é orientada por regras.  Nesse caso, é consultar modelos externos, como o dicionário, e memorizar.
  • 14. Exemplo 01  Observe o conjunto de palavras:  Manga  Bomba  Entrega  Campo  Tempo  Dentro  Coentro  Livramento
  • 15. Exemplo 02  Bruxa  Cachorro  Xale  Chuva  Macho  Acho  Feixe  Caixa  Eixo  Chuchu
  • 16. Defesa ...  É necessário organizar o ensino de modo a tratar separadamente os casos regulares e irregulares da norma ortográfica.  O ensino sistemático de dificuldades ortográficas distintas deve também acontecer em momentos distintos (regularidades e irregularidades, pois exigem estratégias diferentes).
  • 17.  Durante as atividades escolares cotidianas, nos momentos de produção e de revisão de textos, as dúvidas vão acontecer. Comover, então, a explicitação dos conhecimentos ortográficos dos alunos? Segundo Morais (1998): - Semear/Incitar a dúvida - Dar oportunidade do aluno expressar sua dúvida - Escrever errado de propósito
  • 18. PRINCIPIOS RELATIVOS AO ENCAMINHAMENTO DAS SITUAÇÕES DE ENSINO – APRENDIZAGEM  I. A reflexão sobre a ortografia deve estar presente em todos os momentos da escrita: ou seja, a reflexão sobre a ortografia deve estar presente no dia-a-dia escolar e não deve ocorrer somente nos momentos destinados para isto.  II. É preciso não controlar a escrita espontânea dos alunos: ou seja, um ensino que levará o aluno a uma reflexão da escrita não pode censurar a produção espontânea de textos, que venham produzir.  III. É preciso não fazer da nomenclatura gramatical um requisito para a aprendizagem de regras (contextuais e morfológico-gramaticais): ou seja, não devemos exigir de nossos alunos que eles saibam usar termos como “sílaba tônica”, “encontro consonantal”, etc, afinal muitas crianças, em seu linguajar, conseguem explicar perfeitamente as regras.
  • 19. PRINCIPIOS RELATIVOS AO ENCAMINHAMENTO DAS SITUAÇÕES DE ENSINO – APRENDIZAGEM (Ortografia: Ensinar e Aprender, Artur Gomes de Morais, 128 págs., Ed. Ática,)  IV. É preciso promover sempre a discussão coletiva dos conhecimentos que as crianças expressam: ou seja, desta forma a criança vai desenvolvendo a internalização dos conhecimentos ortográficos e, vão tomando consciência do que estão pensando sobre as relações letra-som quando escrevem.  V. É preciso fazer o registro escrito das descobertas das crianças – regras, listas de palavras, etc: ou seja, esta é uma forma de materializar as conclusões feitas, sendo assim um agente potencializador para a reflexão ortográfica.  VI. As atividades podem ser desenvolvidas coletivamente, em pequenos grupos ou em duplas: ou seja, este tipo de trabalho de interação entre grupos mostra-se positivo já que propulsiona o debate, o conflito cognitivo e a cooperação.  VII. Ao definir metas, não podemos deixar de levar em conta a heterogneidade de rendimento dos alunos: ou seja, cada aluno aprende em seu ritmo, então não podemos “cobrar e esperar” rendimentos exatamente iguais; diante disto devemos propiciar novas situações de aprendizagem para os alunos com maior dificuldade.
  • 20. Em suma!  A proposta é tratar a ortografia como objeto de conhecimento sobre o qual se pode pensar e não meramente repetir.  Essa compreensão é de importância fundamental na construção de um ensino de ortografia que tenha como meta a reflexão sobre as regras e irregularidades da norma.