SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTÓRIA DA ARTE
PROFº BIM
Do Moderno ao Conteporâneo
Linha do tempo da arte
ARTE CLÁSSICA
 CHAMA-SE DE ARTE “CLÁSSICA” ,O
CONJUNTO DE MANIFESTAÇÕES
ARTÍSTICAS DESENVOLVIDO NA
GRÉCIA ANTIGA.
 A ARTE CLÁSSICA É UM MODELO
PERMANENTE (REFERÊNCIA)
,REFLETIDO EM MOMENTOS DISTINTOS
DA HISTÓRIA.
 A ARTE GREGA TEM COMO PONTO-
CHAVE , A REPRESENTAÇÃO DO SER
HUMANO,SUA APARÊNCIA E
INTERIORIDADE, BASEADAS PELA
RACIONALIDADE.
 A ARTE ROMANA É A PRIMEIRA
MANIFESTAÇÃO DE ADMIRAÇÃO
INCONDICIONAL DAS REFERÊNCIAS
GREGAS,CONSIDERADAS DIGNAS DE
IMITAÇÃO.
IMPRESSIONSIMO
EXPRESSIONISM
O
CUBISM
O
SURREALIS
MO
DADAÍSM
O
Sentiment
o
interior
cor Ruptura
com a
forma
Psiquê da
mente,
onírico
Objeto,
cotidiano
 O artista pesquisa novas técnicas e está construindo
a sua identidade / ruptura com os clássicos
O Nascimento de Vênus, Sandro Botticelli.
O modelo de arte que vigorava era a arte renascentista
IMPRESSÃO, SOL NASCENTE 1872, CLAUDE MONET
Contexto histórico
Último movimento artístico do século XIX.
 As revoluções triunfaram e
impuseram sistemas de
governo mais democráticos.
 Revolução Industrial
transformou o modo de vida
afetando a economia.
 Ocorria um intenso
crescimento demográfico.
 A industrialização, a
multiplicação de notícias e
imagens surgiram com o
fortalecimento da imprensa.
 A invenção da fotografia.
 Com a fotografia, o
movimento Impressionista
teve que reinventar os
modelos de pintura da
época.
 Teve como grandes nomes:
Pós Impressionismo
 Van Gogh
 Gauguin
 Toulouse Lautrec
Fauvismo
O poder das cores
A dança
1909-1910 Assim como o Expressionismo, há
predomínio das cores intensas e
distorções ousadas.
 Fauves (selvagens) no sentido de
libertação e experimento.
 Equilíbrio novo e radical e Matisse
é seu principal líder.
 Tinha temática leve, baseada na
alegria de viver e nas emoções, e não
tinha fundamentação ou intenção
crítica nem política.
 As cores são reduzidas nestas obras,
mas o papel das cores é
extremamente importante.
 Além disso, as cores não tinham
relação direta com a realidade, não
correspondiam à cor real do objeto
representado.
Século XX
Século XX
 Vanguardas: movimento formado por grupos de
pessoas, que por seus conhecimentos ou por
uma tendência natural, são precursores,pioneiros
em determinado movimento artístico ou científico.
 Cubismo: geometria
 Futurismo: um novo olhar
 Expressionismo: impacto
 Fauvismo: o poder das cores
 Dadaísmo: destruidor
 Surrealismo: o irreal
INÍCIO DE SÉCULO NA EUROPA
As transformações tecnológicas que o
mundo passou na virada do século
modificaram as maneiras de o homem
perceber a realidade. O automóvel, o avião,
o cinema, deslocaram e aceleraram o olhar
do homem moderno.
 Em meio a essas transformações surgem
várias manifestações artísticas –
 Cubismo (1907), Futurismo (1909),
Expressionismo
(1 910), Dadaísmo (1916), Surrealismo
(1924)
Negação das obras artísticas do passado.
Ruptura formal com os princípios estéticos
do passado.
Invenção de novas técnicas, novos
objetos estéticos.
Experimentalismo.
Agressão ao público.
Simplificação na representação das
imagens.
CARACTERÍSTICAS GERAIS
Cubismo 1907
Homem no Café ,
Juan Gris 1914
Les Demoiselles d’Avignon,
Pablo Picasso 1907
CONSEQUÊNCIAS DO
CUBISMO
 A repercussão do Cubismo foi imediata. A moda de
“cubificar” a visão das coisas difundiu-se como um
gesto associado á ideia de parecer moderno e de
vanguarda.
 A verdadeira importância do cubismo, no entanto vai
além da dessa moda superficial: O movimento
demonstrou que a pintura não precisa ser algo que
existe apenas visualmente, mas que pode fazer parte
de uma reflexão intelectual.
 Vários outros movimentos aproveitaram as
GUERNICA
1937
ÓLEO SOBRE TELA
351 X 782,5 CM
MUSEU NACIONAL CENTRO DE ARTE REINA SOFIA,MADRI(ESPANHA)
“A PINTURA NÃO É FEITA PARA DECORAR AS MORADIAS. É UM
INSTRUMENTO DE GUERRA OFENSIVA E DEFENSIVA CONTRA O INIMIGO.”
PABLO PICASSO
Expressionismo 1910
Edward Munch / 1863-1944 / Noruega
O GRITO 1893 Deformação visual, até mesmo
CARICATURA;
 Reflexão individual e subjetiva;
 Tem uma visão anti-romântica
do mundo;
 Deformação visual, até mesmo
CARICATURA;
 Queriam mostrar uma obra com
reflexo da angústia e
ansiedade que dominavam os
círculos artísticos e intelectuais
da Alemanha durante os anos
anteriores à Primeira Guerra
Mundial (1914-1918)
Dadaísmo 1916
 Questionou o sentido da
arte frente á sociedade
em guerra.
 Negava todos os valores
culturais e surge com a
clara intenção de
destruir todos
os sistemas e códigos
estabelecidos no mundo
da arte.
 Surgiu em 1916 em
Zurique, na Suiça, em
um clube noturno
Cabaret Voltaire.
 O Dadaísmo Trata-se,
portanto, de um
movimento
antipoético,
antiartístico,
antiliterário, visto
que questiona até a
existência da arte, da
poesia e da literatura.
 É contra a beleza
eterna, contra as leis
da lógica, contra a
eternidade dos
princípios, contra a
imobilidade do
pensamento e contra
o universal.
Ready-made
 O termo é criado por Marcel
Duchamp (1887 - 1968) para
designar um tipo de objeto que
consiste em um ou mais artigos de
uso cotidiano, produzidos em
massa, selecionados sem critérios
estéticos e expostos como obras de
arte em espaços especializados
(museus e galerias).
 Ao transformar qualquer objeto em
obra de arte, o artista realiza uma
crítica radical ao sistema da arte.
Assim, objetos utilitários sem
nenhum valor estético em si são
retirados de seus contextos
originais e elevados à condição de
obra de arte simplesmente ao
ganhar uma assinatura e um
FUTURISMO
1909
 O futurismo é um movimento
artístico e literário surgido
oficialmente em 20 de
fevereiro de 1909, com a
publicação do Manifesto
Futurista, do poeta italiano
Filippo Marinetti, no jornal
francês Le Figaro.
 A obra rejeitava o moralismo
e o passado. Apresentava um
novo tipo de beleza, baseado
na velocidade e na elevação
"Cavalo e cavaleiro" Carlo Carra, 1913
Trecho do MANIFESTO FuturisTA
 "Queremos destruir os museus, as bibliotecas e as
academias de todas as espécies, e combater o
moralismo, o feminismo e todas as torpezas
oportunistas e utilitárias. Cantaremos as grandes
multidões excitadas pelo trabalho, o prazer ou os
motins, as marés multicoloridas e de milhares de vozes
da revolução em capitais modernas. Cantaremos a
incandescência noturna e vibrante de arsenais e
estaleiros, resplandecendo sob luares elétricos, as
vorazes estações devorando suas fumegantes
serpentes... Lançamos da Itália para o mundo este
nosso manifesto de violência irrefreável e incendiária,
com o qual fundamos hoje o Futurismo, porque
queremos libertar esta terra do fétido câncer de
Surrealismo 1924
O que é
Surrealismo
 Baseado nas teorias
psicanalíticas de Sigmund
Freud, o Surrealismo
defende o uso do
inconsciente para criação
artística.
 Foi fundado na França, pelo
poeta André Breton, na
década de 1920.
 Do onírico, que misturava
sonho com realidade e
inconsciente como um
universo único e pessoal.
RENÉ MAGRITTE
O “Abstracionismo” ou “Arte
Abstrata”
BAUHAUS
A mais importante
 é um estilo artístico moderno das
artes visuais que priorizam as
formas abstratas em detrimento dos
objetos e/ou figuras que
representam algo da nossa própria
realidade
 A Bauhaus foi uma escola alemã de
arte, design e arquitetura fundada
em 1919, na cidade de Weimar, na
Alemanha.
 A origem do abstracionismo está
relacionado com as vanguardas
artísticas europeias do século XX,
na medida que representam
• Foi um pintor abstrato soviético. Fez
parte da vanguarda russa e foi o mentor
do movimento conhecido como
Suprematismo.
• O Suprematismo foi um
movimento artístico russo, centrado em
formas geométricas básicas -
particularmente o quadrado e o círculo -
e tido como a primeira escola
sistemática de pintura abstrata do
movimento moderno.
• Suprematismo será definido como :
• "a supremacia do puro sentimento".
• Quadrado negro sobre fundo
branco 1915
Kasimir Malevich
(1878-1935) Ucrânia
 O artista reduz tudo ao
nada.
Provoca um debate nas
telas.
Pretendia purificar o
mundo e a arte, uma
pintura sem objetos,
sem molduras, sem limites.
Acredita-se que as
palavras escondidas
"batalha dos negros",
covardes demais para se
mostrarem
completamente, seriam
uma alusão a uma frase
racista - "negros lutando
à noite" -
Neoplasticismo
 É um estilo artístico (também
considerado uma teoria da arte)
criado pelo pintor holandês Piet
Mondrian em 1917.
 Mondrian defendia a ideia de que a
arte não deveria limitar-se a
reprodução de imagens de
objetos reais, mas expressar
unicamente o universal e o absoluto
oculto atrás da realidade.
 Junto com o arquiteto Theo Van
Doesburg criou a revista De Stijl
 CARACTERÍSTICAS
 - Arte Abstrata.
 - Valorização das formas
geométricas.
 - Uso de linhas horizontais e
verticais. As linhas oblíquas e
curvas não são utilizadas nas
obras do Neoplasticismo.
 - Ênfase no uso de cores puras:
vermelho, amarelo e azul.
 - Busca de senso de equilíbrio e
harmonia.
Piet Mondrian  MONDRIAN FOI UM
PINTOR MODERNISTA,
NEOPLASTICISTA E
CUBISTA
 A PARTIR DE 1917 ATÉ
1940 DESENVOLVE SUA
GRANDE OBRE
NEOPLÁSTICA.
Expressionismo Abstrato
Mark Rothko
(1903-1970) LETÔNIA/NY
 A noção de expressionismo
abstrato, utilizada pela
primeira vez em 1952 pelo
crítico H. Rosenberg,
refere-se a um movimento
artístico que tem lugar em
Nova York, no período
imediatamente após
a Segunda Guerra Mundial.
Trata-se do primeiro estilo
pictórico norte-americano a
obter reconhecimento
internacional.
POLLOCK (EUA) (1912-1956)
 A arte de Pollock combinava
a simplicidade com a pintura
pura e suas obras de maiores
dimensões possuem
características monumentais.
 Com Pollock, há o auge da
pintura de ação (action
painting).
Técnica de pintura, criada por
Max Ernst, o 'dripping'
(gotejamento), na qual o artista
respingava a tinta sobre suas
telas.
JOAN MIRÓ (1893-1983 -espanhol)
 Miró aproximou-se da
vertente mais
automática do
Surrealismo por meio
dessas formas orgânicas
com a vida própria que se
movem com total
liberdade pelo quadro ou
através de elaborações
abstratas.
 Mosaico na La
Rambla
(Barcelona)
ARTE E FILOSOFIA
 Na década de 20, os filósofos Horkheimer e Adorno
já falavam sobre a expressão indústria cultural, para
expressar a mercantilização de toda criação humana,
inclusive a de cunho cultural.
 Nos anos 60 tudo é produzido massivamente, e cria-
se uma aura especial em torno do que é considerado
popular.
 Assim cria-se uma simbologia e signos típicos da
massa, para que assim rompam-se todas as possíveis
barreiras entre a arte e o povo.
 Há um certo fascínio em torno do modo de vida da
população dos EUA.
ANDWHAROL
(1928 - 1987)
 Embora tenha surgido na Inglaterra em
meados da década de 50, ganhou
força e amadureceu seus propósitos
na Nova York dos anos 60.
 Seus dois polos de irradiação para o
mundo foram Londres e Nova York.
 Produzida para o consumo de
massa.
 É uma tendência que veio para
combater a arte convencional e trazia
na sua proposta o resgate das
imagens “reconhecíveis”, opondo-
se ao expressionismo abstrato,
liderado por Jackson Pollock, que
rejeitava os elementos figurativos.
***Tem como objetivo a crítica irônica do
bombardeamento da sociedade
capitalista pelos objetos de consumo, e
usa signos estéticos de cores
inusitadas massificados da publicidade
.
Consequências
 Soberania dos Estados Unidos
perante os outros países;
 Consumismo exagerado
incentivado pelo governo;
 PUBLICIDADE: Mulheres
ocupando postos antes
masculinos, durante a guerra;
 Retorno aos afazeres domésticos
pós guerra;
 Aparecimento de
eletrodomésticos e campanhas
publicitárias para o público
consumidor feminino;
 MÍDIAS SOCIAIS: Aumento do
potencial econômico da indústria
do entretenimento;
 Expansão e consolidação dos
meios Rádio Televisão Cinema.
andy warhol / Roy Lichtenstein
A Arte Contemporânea rompeu com
alguns aspectos da Arte Moderna e
trouxe valores para a constituição de
uma nova mentalidade.
A Arte Moderna, ligada ao consumo, da
lugar à arte contemporânea,
relacionada a comunicação.
Arte Contemporânea
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS
 Sociedade da informação,
tecnologia e novas mídias.
 Subjetividade e liberdade
artística.
 Efemeridade da arte.
 Abandono dos suportes
tradicionais.
 Mescla de estilos artísticos.
 Aproximação com a cultura
popular.
 Questionamento sobre a
definição de arte.
 Interação do espectador com a
obra.
 A arte contemporânea prioriza
principalmente, a ideia, o
conceito, a atitude, acima do
objeto artístico final.
O Concretismo no
Brasil
 Os seguidores propunham o
desprendimento da arte como
expressão dos sentimentos.
 Em oposição á pintura figurativa.
 Valorizava os elementos formais
da arte: Linha,ponto, a cor e o
plano.
 Chegou ao Brasil por meio do
Suiço Max Bill e Alexander
Calder.
 A produção no Brasil teve início
em 1956 , com a 1º Exposição
Nacional de Arte Concreta em
São Paulo.
 O Cubismo e o Futurismo foram
influências.
 Max Bill (1908-1994)
Unidade tripartida, 1948-49.Aço
inoxidável. Altura:114 cm x largura:88,3 cm
x profundidade:98,2 cm. Museu de Arte
Contenporânea, São Paulo (SP).
Esses artistas defendiam a
renovação da produção
artística nacional por meio da
abstração geométrica e da
aproximação da arte e os
processos industriais.
Para isso desenvolveram
pesquisas científicas e
passaram a usar materiais
industriais, como
esmalte,aglomerado de
madeira,etc
 Waldemar Cordeiro(1925-1973).
Amilcar de Castro (1920-2002)
Lygia Clark
(1920-1988)
Concretismo
 Lygia Clark,
pseudônimo de
Lygia Pimentel Lins
foi uma pintora e
escultora brasileira
contemporânea que
se auto intitulava
"não artista".
Franz Weissmann (1911-2005)
Lygia Pape ( 1927-2004) Lygia Pape foi uma
gravadora, escultora,
pintora, cineasta,
professora e artista
multimídia brasileira,
identificada com o
movimento conhecido
por neoconcretismo.
 Foto, lingua e sangue
1968.
 Performance de Lygia
Pape é recriada pela
primeira vez na Ásia.
Helio Oiticica (1937-1980)
Artes plásticas
 A obra era constituída por um
labirinto de madeira forrado
com areia e pedras, que, ao ser
percorrido pelo espectador,
colocava-o em contato corporal
com diversos elementos
naturais e culturais do Brasil,
como plantas tropicais e araras
nativas, num percurso que
terminava em frente a um
aparelho de televisão ligado. A
obra acabaria dando nome a
todo um movimento cultural,
o TROPICALISMO que
abarcou diversas expressões
artísticas, e que teve na música
produzida naquela mesma
época por Gilberto Gil e
Caetano Veloso a sua
expressão mais conhecida.
 Ela (a obra) fez parte ainda do
manifesto encabeçado por
 Instalação
Metaesquema
 Parang
olé
 “Seja Marginal Seja Herói”,
serigrafia em tecido cetim
branco, criada em 1968 por
Helio Oiticica
A poesia Concreta
Décio Pignatari (1927-2012)
 A poesia Concreta foi
criada por alguns poetas
que se opunham ás
formas utilizadas nos
versos tradicionais, pois
as consideravam
desgastadas.
 Organização não linear
e espaços em branco .
 Criação de efeitos de
sentido e comunicar
ideias, combinam-se o
Performance nas ruas de São Paulo,
exibindo seu look de verão.
Experiência n. 3 ou New look / 1956
 No Brasil o pintor,
desenhista, arquiteto,
cenógrafo,escritor,
teatrólogo e engenheiro
FLÁVIO DE
CARVALHO
(1899/1973) foi um dos
precursores da
PERFORMANCE.
A aproximação entre Arte, vida e política marca a Arte
Brasileira
nos anos 1960.
HAPPENING
 O happening é uma forma de
expressão de arte. É como se fosse
uma apresentação, em que nunca
há repetição .
 Utiliza diferentes linguagens, como o
teatro e as artes visuais e
improvisações dos condutores.
O que difere o HAPPENING da
PERFORMANCE é a participação
do público.
Na PERFORMANCE ,o público pode
ou não participar .
No HAPPENING sua participação é
essencial.
A performance
 É uma das produções mais
características da arte
contemporânea:
 Podem causar
estranhamento, surpresa ou
gerar dúvidas, porque
muitas vezes , o significado
nem sempre é reconhecível
e as obras são passíveis de
várias interpretações.
 No século 20, fortemente
influenciados pelo filósofo alemão
Nietzsche, a obra de Marcel
Duchamp, a cultura ready-mades, e o
espírito de contracultura, os artistas
passam a rebelar-se contra os meios
de produção artísticas que eram
estritamente mercadológicas,
passando a praticar performance,
happening. A ideia era aproximar o
público da arte, e tirar dele o lugar de
espectador e passivo, fazendo com
que ele mesmo se tornasse parte da
obra.
 Apesar de sua característica
anárquica e de, na sua própria razão
de ser, procurar escapar de rótulos e
definições, a performance é antes de
tudo uma expressão cênica: um
quadro sendo exibido para uma
plateia não caracteriza uma
performance; alguém pintando esse
quadro, ao vivo, já poderia
caracterizá-la.
 Os artistas que criaram a
performance Cegos, que
foi apresentada em várias
cidades brasileiras,
queriam chamar a
atenção para questões
como o excesso de
trabalho, o consumismo
exagerado e a
automatização das ações
humanas.
 A inspiração foi a obra
Parábola dos cegos,
de Pieter Bruegel
(1525/1569)
Performance 'Cegos' interrompe o fluxo do cotidiano com homens cobertos de
argila
Performance Artista Presente
 Em suas obras Marina
Abramovic´ (1946),
procura desmistificar o
corpo humano, propondo
a desconstrução de toda
exaltação da beleza que
ele foi levado.
 O corpo deixa de ser
inspiração e passa a ser a
própria obra .
 Ficava em silêncio
trocando olhares com
estranhos.
 No MoMA , realizou a
performance 6 vezes por
semana e por 7 horas por
dia por três meses.
 Entre as mais importantes, está
Rhythm , onde Marina
permaneceu sentada numa
cadeira por 6 horas, enquanto
seu público dispunha de uma
mesa com 72 objetos como
facas, rosas, escovas, tesouras e
armas que podiam ser usadas
pelos espectadores como eles
bem quisessem.
 A medida que o tempo da
performance foi passando, a
audiência foi ficando cada vez
mais agressiva: rasgaram suas
roupas, picaram-na com as rosas
e apontaram com armas na
cabeça. Depois de 6 horas,
Marina levantou-se para dirigir-
se à porta de saída e causou
comoção no público do museu.
O GOLPE MILITAR
DE 1964
O movimento militar totalitário começou em
31 de março e 1º de abril de 1964, depôs
o presidente João Goulart e estabeleceu
um regime de exceção.
Esse regime só se encerrou em 1985, depois
de 21 anos.
AI-5: O Ato institucional nº5, que resultou na
perda de inúmeras liberdades no Brasil,
caracterizando uma suspensão do
processo democrático, fechando o
Congresso Nacional por quase um ano.
ARTE E RUPTURA: O tropicalismo
O festival de 1967
No Brasil, em meados da década de 1960, tornaram-se
comum os festivais de música popular.
Nesse festival Caetano Veloso (1942-) lançou a
música “Alegria, Alegria”e Gilberto Gil (1942-) a
música “ Domingo no Parque”, as músicas ficaram
em quarto e segundo lugar , e foram cantada
acompanhadas de guitarras que era um instrumento
da cultura americana.
Nesse festival lançaram as bases do Tropicalismo.
*vídeo 1
Música e censura
 Os festivais da canção
foram palco e espaço de
apresentação de obras de
resistência ao regime.
 Transmitidos por emissoras
de televisão e um júri
técnico analisava as
canções.
 No festival de 1968 a
canção “Sabiá” de Chico
Buarque de Holanda e Tom
Jobim conquistou o 1º lugar
e não agradou o público,
que preferia a canção “Pra
não dizer que não falei de
flores” de Geraldo Vandré.
Teatro Oficina fundado em
1958
 As propostas de ruptura na
forma e no conteúdo teatral
desenvolvidas na década de
1960 pelo teatro Oficina são
ecos tropicalistas.
 No início, era um projeto
estudantil e com o tempo
profissionalizou-se e tornou-
se um dos mais influentes e
importantes grupos de teatro
 Em 1967 realizou a 1º
montagem da peça “O
rei da vela”, de Oswald
de Andrade, e de forma
cômica abordou os
costumes e a
sociedade da época,
transportando o texto
para a realidade
brasileira da década
1960.
 Roda Viva (Chico
José Celso Martinez
(1937)
Teatro Experimental
Lina Bo Bardi
(1914-1992)
Arquitetura
 Arquiteta Modernista
ítalo-brasileira,
Formou-se em Roma
, e é conhecida por
ter projetado o
MASP-Museu de Arte
de São Paulo.
O Tropicalismo
 Pouca duração, o Tropicalismo terminaria em dezembro de
1968 com os dois compositores presos após a instituição
do AI-5 e depois exilados.
 O movimento defendia uma colagem dos gêneros
musicais: de Vanguarda ou de Massa, brasileiros ou
estrangeiros.
 Ritmos modernos com antigos, instrumentos tradicionais
de percussão eram misturados a guitarras elétricas ,
bolera dialogava com samba de roda.
 Havia referência as massas e a cultura erudita.
 Lançaram um disco em 1968 “Tropicália ou Panis et
circensis”.
 Bebeu na fonte do “Manifesto Antropófago” do
escritor modernista Oswald de Andrade, pois
Críticas recebidas
Conclusão:
 O tropicalismo foi muito
importante no sentido em
que serviu para
modernizar a música
brasileira, incorporando e
desenvolvendo novos
padrões estéticos. Neste
sentido, foi um movimento
cultural revolucionário,
embora muito criticado no
período. Influenciou as
gerações musicais
brasileiras nas décadas
seguintes.
 Movimento que se tornou
símbolo da modernização da
música popular no Brasil.
 Teve início com um programa
de auditório apresentado por
Roberto Carlos (1941-),
Wanderléa(1946-), Erasmo
Carlos (1941-).
 Muitas músicas eram versões
americanas, adaptadas para o
português.
 Influência americana sobre o
movimento.
 Foi muito criticada pelos
artistas que a consideravam
alienada e fútil em razão da
ingenuidade das canções que
não estavam relacionadas as
questões sociais do país.
A jovem Guarda
1965
As artes visuais e a crítica ao Regime
Militar
 Os artistas que
produziam artes visuais
também sofreram com
o controle do governo.
 Por essa razão durante
as décadas de 1960 e
1970, os aristas
passaram a atribuir um
sentido figurado para
suas representações.
Sozinho no verde(1973), óleo sobre tela,
151 cm x 150 cm.
Blanton Museu de Arte da Universidade do
Texas, Austin, EUA
 Fez da representação de
bananas um símbolo de sua
insatisfação política do Brasil.
 Antônio Henrique Amaral
(1935-)
Carlos Zilio (1942-)
 O artista criticou a violência do
Regime Militar.
 Suas obras tem caráter de
denúncia social relacionadas ao
contexto político e social do
Brasil, entre as décadas de 1960
e 1970.
 1- A proposta:
 A marmita de alumínio,
lembrando os ready-mades de
Marcel Duchamp.
 2-Ação política
 Ao imprimir a palavra “lute” sobre
 Lute (1967), serigrafia
sobre filme plástico e resina
plástica acondicionada em
marmita de alumínio
(apropriação), coleção do
artista
Henfil
 Durante o Regime Militar as
charges publicadas em jornais e
revistas representavam com humor
e de maneira muito crítica, a
situação do país.
 Artistas:
 Jaguar (1932-),
 Millôr Fernandes (1923-2012),
 Ziraldo (1932-)
 Henrique de Souza Filho
 (1944-1988), o Henfil.
Artes gráficas e resistência
Henfil
(1944-1988)
Millôr Fernandes
(1923-2012)
O Pasquim
 Em 1968 houve um
endurecimento do governo
militar / ano do AI-5, ano de
perseguição.
 Em 1969, foi lançado no Rio
de Janeiro o jornal O
Pasquim.
 Inovador, conquistou o
público, com humor e
denúncia.
 Reunia profissionais que se
opunham ao governo.
 Sobreviveu aos anos de
ditadura e encerrou suas
atividades em 1991.
 Um dos mais importantes
veículos de comunicação da
Ferreira Gullar
(1930-2016)
 Foram proibidas mais de 400
peças, como Roda Viva de
Chico Buarque e o Rei da
Selva de Oswald de Andrade.
 Os censores liam roteiros,
faziam cortes nos textos e
assistiam a uma apresentação
sem público.
 Em 1964 no rio de Janeiro
,nasce o grupo Opinião
ligados á União Nacional do
Estudantes (UNE), entidade na
ilegalidade pelo governo
Militar.
 Espetáculo lançado pelo
grupo: Se correr o bicho pega,
se ficar o bicho come,1966,
O Teatro e a dança
em tempos de
ditadura
O Teatro de Arena /
São Paulo
 Em São Paulo se destacou por sua
atuação política o Teatro de Arena, em
1953, o nome veio da proposta do
grupo em se apresentar em um palco
circular.
 Na década de 1960, muitas peças
foram proibidas.
 Peça de destaque: Arena conta Zumbi
(1965), texto de Gianfrancesco
Guarnieri (1934-2006) e Augusto Boal,
e as canções de Edu Lobo (1943-)
 A peça falava da luta do líder
quilombola Zumbi dos Palmares (1655-
1695), naquele momento encenar a
vida de Zumbi, significava enfatizar a
importância da resistência aos
desmandos dos militares, em prol de
uma sociedade mais justa e solidária.
 Augusto Boal
(1931-2009)
Criou a técnica chamada sistema coringa,
baseada nas técnicas de Bertold Brecht, em que
atores se revezavam em diferentes papéis.
Augusto Boal e o teatro do Oprimido
 Criado na década de 1960, é
um método teatral que reúne
diversos exercícios, jogos e
técnicas.
 Utilizando o teatro como
ferramenta de trabalho para a
ação política social e levar os
espectadores a repensar e
transformar a sua realidade.
 Para ele a sociedade está
dividida em oprimidos e
opressores.
 Uma das técnicas utilizadas é o
Teatro-jornal, que consiste na
interpretação de noticias de
jornal de diversas maneiras,
Cinema Novo
 Na década de 1950 um grupo
cineastas era contra o predomínio da
produção industrial de filmes inspirados
no cinema americano.
 Eles defendiam a produção de filmes a
baixo custo e que representassem, de
forma crítica as questões nacionais.
 Em 1955 Nelson Pereira do Santos
(1928-2018) dirigiu o filme” Rio 40
graus”.
 A consolidação do Cinema Novo veio
na década de 1960 com o filme “Vidas
Secas” (1963) de Nelson e “Terra em
Transe “ (1967)de Glauber.
 Eram ousados: a Famosa frase de
Glauber Rocha: afirmava que bastava
uma ideia na cabeça e uma câmera
na mão, para fazer um filme.
 Renovação estética
 Expoente Tropicalista.
 Foram inspirados no Neorrealismo
italiano, filmes de baixo custo pós
Glauber Rocha
(1939-1981)
O artista mais
representativo é Joseph
Ksuth (1945-)
 Agrupa várias posturas
artísticas que tem em
comum a vontade de
destacar a importância da
parte intelectual como a
essência do fato artístico.
 Desenvolve-se em torno da
linguagem, como simulacro
da representação.
 A obra Uma e Três
Cadeiras, do artista
americano Joseph
Kosuth. O artista criou,
no ano de 1970, no
MoMa, uma
"Informação",
exposição de arte
conceitual que tinha
como objetivo colocar a
arte como fonte de
informações, e não
como concepção
estética.
Anos 1970 : Arte Conceitual
Paulo Bruscky (1949)
Recife PE
 Com mídias, , intervenções, e
propostas no campo conceitual.
 Já nos anos 1970 desenvolveu-
se pesquisas com fotocópias,
inseridas num contexto artístico.
 Realizaram filmes e videos arte e
em 1983 começou a produzir
vídeos instalações.
 Paulo Bruscky constituiu uma
estratégia de liberdade diante do
contexto político opressor da
ditadura brasileira.
 Em 1978 o artista desfilou pelas
ruas do Recife portando um
cartaz: O que é arte? Para que
serve?
 Ele foi incompreendido e sua
ARTE CONCEITUAL NO BRASIL
 Cildo é um dos nomes mais
importantes da década de
1970.
 Participou da histórica
exposição do MoMA de
Nova York em 1970,
considerada um marco.
 O artista realizou o trabalho
Inserções em circuitos
ideológicos, em que
imprimia frases em cédulas
e garrafas de refrigerante e
as devolvia á circulação,
passando a diante as
mensagens como: “Quem
Cildo Meireles (1948-)
 Tomie Ohtake
(1913-2015) foi uma
pintora, gravadora e
escultora japonesa
naturalizada brasileira.
Foi uma das mais
importantes
representantes do
abstracionismo
informal.
*Abstracionismo
Informal: predominam
os sentimentos e
emoções. As cores e
as formas são criadas
livremente. Uma arte
abstrata, que coloca
na cor e forma a sua
expressividade maior.
Guto Lacaz
 (São Paulo, São Paulo, 1948). Artista multimídia,
ilustrador, designer, desenhista ,cenógrafo e destaca-se
em intervenções urbanas.
 Nascida em 1964, a
carioca Adriana Varejão ,começou
sua carreira nos anos 80, ainda muito
jovem. Entre 1981 e 1985 freqüentou
cursos livres na Escola de Artes
Visuais do Parque Lage, no Rio de
Janeiro e fez sua primeira exposição
individual em 1988, na galeria Thomas
Cohn.
 Beatriz Milhazes (1960) é
uma pintora, gravadora,
ilustradora e professora
brasileira, um dos mais
destacados nomes da arte
contemporânea no Brasil.
A arte popular no
Brasil
Mestre Vitalino
(1909-1963)
 A arte popular resulta de
um olhar simples sobre o
mundo e refletem as
manifestações populares,
a cultura e os costumes
regionais de um povo.
 O samba tornou-se o
gênero musical brasileiro
e identidade nacional.
 Nascido em
Caruaru,
Pernambuco, foi um
grande ceramista e
músico popular.
Arthur Bispo do Rosário (1911-1989)
 Nunca se formou em arte.
 Criou cerca de 1000 peças.
 Usava objetos do cotidiano,
como roupas e lençóis
bordados.
 Em 1980 uma TV fez uma
matéria com o artista
revelando ao público sua
produção.
 Atualmente suas obras estão
no Museu Bispo do Rosário,
denominado antes de Museu
Nise da Silveira, na antiga
colônia Juliano Moreira no Rio
De Janeiro.
**A arte é uma manifestação
humana e não precisa estar
LEONILSON (1957-1993)
Voilà mon coeur
piedras,
lapidadas
sobre las lonas,
luto
zurcir cada
hilo
mano trémula
bordadas
joyas
transparentes
eran
los dedos
textura, los paños
terciopelo
bajo la estopa
gastada
O minimalismo
 É um movimento artístico
que defende o uso de uma
quantidade mínima de
elementos para construir a
base da expressão.
 Surgiu no contexto de
efervescência cultural dos
EUA viviam nos anos 1950 e
1960 em decorrência dos
movimentos de contracultura
e que fez nascer novas
expressões artísticas
contrárias ás vanguardas
europeias, como o OP Art e
Pop Art
 A casa Klein Bottle, (Rob
McBride) na Austrália, é o
resultado de uma fabulosa
combinação de arquitetura e
matemática.
 É um exemplo representativo
de arquitetura minimalista,
tanto no design, nas formas
da fachada e no seu interior.
A op art e a arte cinética
OP Art
 OP Art: Abreviação de Optical
art, uma forma de arte não
objetiva que utiliza ilusões de
ótica.
 Explora por meio de figuras
geométricas coloridas ou não,
que a depender do ponto de vista
podem aparentar movimento.
 Explora a relação funcional entre
retina e o cérebro, certos padrões
de desenhos podem causar
confusão de interpretação com
efeitos ópticos ilusórios.
 É vista como extensão da arte
cinética.
Ou seja: Arte e movimento.
Arte Cinética
 A arte cinética, é uma
corrente das artes
plásticas que explora
efeitos visuais por
meio de
movimentos físicos
ou ilusão de óptica ou
truques de
posicionamento de
peças.
Victor Vasarely. Dança
das Zebras,1938
Op Art / Art cinética
 Objetos Cinéticos do
escultor grego
Panagiotis Vasilakis
"Takis", Paris
A origem do graffiti
 Assim como as produções dos muralistas
mexicanos, o grafite em geral tem forte relação com
questões políticas e sociais.
 Começa na década de 1960 em Nova York, onde
se organizaram diversos grupos e movimentos
culturais ligados a grupos marginalizados,
principalmente de jovens negros e bairros pobres
das grandes cidades.
Das ruas para as galerias A partir da década de 1980, alguns grafites começaram
a chamar á atenção, não só pelo seu caráter
transgressor, mas também pela qualidade artística.
 Artistas como Keith Haring e Jean-Michel Basquiat
,começaram a expor em sofisticadas galerias de arte.
 A partir da década de 1980, alguns
grafites começaram a chamar á
atenção, não só pelo seu caráter
transgressor, mas também pela
qualidade artística.
 Artistas como Keith Haring e Jean-
Michel Basquiat ,começaram a expor
em sofisticadas galerias de arte.
 Keith Haring (1958-1989) iniciou sua
produção em estações de trem e de
metrô em Nova York.
 Ele desenhava figuras humanas
estilizadas.
Jean-Michel
Basquiat (1960-1988),
• ARTISTA AMERICANO
DO BROOKLYN DE NOVA
IORQUE.
• GANHOU
POPULARIDADE COMO
GRAFITEIRO E COMO
PINTOR.
• SEUS TRABALHOS
COSTUMAM ATINGIR
PREÇOS ALTÍSSIMOS EM
LEILÕES DE ARTE.
• MORREU EM 1988
VÍTIMA DE UM
COQUETEL DE DROGAS
O grafite no Brasil
 Alex Vallauri (1949-1987): O
precursor, nascido na Etiópia,
chegou ao Brasil em 1965 e a
partir da década de 1970 ,
passou a produzir obras em
espaços públicos de São Paulo.
 Técnica do stencil.
 Por causa da importância de
Vallauri para o grafite brasileiro,
o dia da sua morte 27 de março
foi escolhido para comemorar o
Dia Nacional do Grafite.
OSGEME
OS
• OS GÊMEOS SÃO UMA DUPLA DE IRMÃOS
GRAFITEIROS DE SÃO PAULO.
• SEUS NOMES SÃO GUSTAVO E OTÁVIO
PANDOLFO.
• FORMADOS EM DESENHO, COMEÇARAM
NO BAIRRO DO CABUCI E TORNARAM –
SE UMA DAS MAIS IMPORTANTES
INFLUÊNCIAS NO GRAFITE NO MUNDO.
• JÁ FIZERAM TRABALHOS EM VÁRIOS
PAÍSES.
EDUARDO KOBRA
EDUARDO KOBRA
Banksy – É o cara!
 BANKSY- é o
pseudônimo de
um grafiteiro,
pintor, ativista
político e diretor
de cinema
inglês. Sua arte
de rua satírica e
subversiva
combina humor
negro e graffiti
feito com uma
distinta técnica
de ESTENCIL.
A cultura Hip-Hop
 Na década de 1970, o encontro de
integrantes das comunidades
negras e latino americanas dos
EUA, iniciaram um movimento
cultural que resultou no Hip-Hop.
 O Rap: abreviação de rhythm and
poetry (ritmo e poesia)
 Quatro pilares essenciais
na cultura hip hop:
o Rap (MC), o DJ,
Breakdance ( B-boy
e B-girl) e o Graffiti.
Intervenções artísticas
 As intervenções são manifestações organizadas por grupos de artistas
com o propósito de transmitir mensagens. Elas são um tipo de arte
que tem o objetivo de questionar e transformar a vida cotidiana.
 A Intervenção lança no espaço público questões que provocam
discussões em toda a população. De uma maneira ou de outra, ela faz
com que as pessoas parem sua rotina por alguns minutos, seja para
questionar, criticar ou simplesmente contemplar a arte.
 Sua finalidade é provocar o público para questões políticas, sociais,
ideológicas e estéticas.
“Cow Parade”
 é considerado o maior e
mais bem sucedido evento
de arte pública no mundo.
Já passou por mais de 50
cidades em todos o mundo
desde de 1999, inclusive
por várias cidades do
Brasil. As vacas são
pintadas por artistas locais,
sendo ele profissionais,
amadores ou
desconhecidos. A renda
arrecadada pelo evento é
revertida para instituições
de caridade em diversas
partes do mundo,
cumprindo o seu papel
social.
“Mind Fuck”
 É aquele desconforto
mental gerado por
elementos inéditos em
determinada área. É
como se nossa mente,
tão acostumada com
tal cenário,
demorasse segundos
a mais para processar
a informação.
 Biancoshock, artista de
Milão (Itália).
Invader, francês, é um dos nomes de
peso do street art no mundo.
Flash Mob
 Flash Mobs são
aglomerações
instantâneas de
pessoas em um local
público para realizar
determinada ação
inusitada previamente
combinada, estas se
dispersando tão
rapidamente quanto se
reuniram. A expressão
geralmente se aplica a
reuniões organizadas
através de e-mails ou
meios de comunicação
INSTALAÇÃO ARTÍSTICA
 Uma instalação é uma manifestação artística
contemporânea composta por elementos
organizados em um ambiente. Ela pode ter um
caráter efêmero ou pode ser desmontada e
recriada em outro local.
 Uma instalação pode ser multimídia e provocar
sensações: táteis, térmicas, odoríficas, auditivas,
visuais entre outras.
Cosmococa de Hélio Oiticica /
Inhotim
Qual a diferença entre Intervenção e
Instalação?
INSTALAÇÃO INTERVENÇÃO
 É uma forma de expressão
da arte contemporânea,
geralmente é produzida para
algum espaço próprio
(exposição em algum museu,
pinacoteca, bienal, etc.), com
diversos materiais
alternativos pensados e
impensados como
possibilidade de criação
artística.
*** Mas, quando é produzido
em algum outro espaço onde
as pessoas não esperam
encontrar um trabalho
artístico (praças, nas ruas,
em postes, em prédios,
agências bancárias, lojas,
 Conceito da arte que sai do seu
espaço próprio e vai de encontro ao
público, como pinturas em grafite nas
paredes de muros e prédios,
esculturas de gelo em escadarias de
prédios públicos, apresentação de
música em um outro tipo de ambiente
como uma loja de roupas, numa
praça pública, ou uma performance
de dança no farol, ou uma escultura
viva no calçadão, são modalidades
de intervenção.
Arte naïf
Henri Rousseau
(1844-1910)
 Arte naïf (do francês, arte
ingênua) é o estilo a que
pertence à pintura de artistas
sem formação acadêmica
sistemática. Trata-se de um tipo
de expressão que não se
enquadra nos moldes
acadêmicos, nem nas tendências
modernistas, nem tampouco no
conceito de arte popular.
 Contudo, apesar do
direcionamento estético definido,
esse desafio à norma acadêmica
não foi intencional, muito menos
comercial. Portanto, é impossível
enquadrar as criações naïf como
sendo de natureza
modernista ou popular.
 Francês, tornou-se um
artista em tempo integral
aos 49 anos, depois de se
aposentar.
 Era autodidata e tornou-
se um artista naïf. Sua
técnica amadora e
composições inusitadas
provocaram os críticos
contemporâneos, ao
ganhar o respeito e a
admiração de artistas
modernos como Pablo
Picasso e Kandinsky por
Artistas e meio ambiente
Eduardo Srur
 O. artista chama á atenção do público para temas
ambientais
Frans krajcberg (1921-2017)
 Utiliza suas obras para promover a
defesa da natureza, denunciar a
degradação ambiental e despertar a
consciência da sociedade.
 Nascido na Polônia e naturalizado
brasileiro, escultor,fotógrafo e pintor,
expressa em suas obras indignação
diante das queimadas e dos
desmatamentos.
 Viajou pelo país fotografando áreas
desmatadas, principalmente na
Amazônia, recolheu resíduos,
troncos,cipós,raízes,etc.
 Em 2003 foi inaugurado o Instituto
Frans Krajcberg de Arte e Meio
Ambiente.
“Minha obra é um manifesto,
Não escrevo, não sou político,
Devo encontrar a mensagem certa,
O fogo é a morte, o abismo,
O Fogo me acompanha desde
sempre.”
Frans krajcberg
Ha Schult (1939-), artista alemão o
problema do lixo eletrônico.
Vik Muniz (1961-)
O Híper-realismo
Duane Hanson
(1925-1996)
 O Híper´-realismo foi uma
tendência da pintura e da
escultura iniciada da
década de 1960, nos EUA.
 É a retomada do realismo
na arte contemporânea, em
opsição ao Minimalismo e
á arte abstrata.
 Esse realismo abordou a
vida das grandes cidades e
resgatou uma tradição
figurativa nos EUA
interrompida pelo
Expressionismo abstrato.
 As pinturas hiper-realista
abordaram cenas banais,
atitudes corriqueiras, ruas,
Senhora no
supermercado 1970
Ron Mueck Na escultura
contemporânea o
grande artista do
momento é Ron Mueck
e suas esculturas hiper-
realistas.
 Ele utiliza, fibra de vidro,
silicone e acrílico para
produzir cada detalhe.
 As cores e as
proporções são
perfeitas, mas as mais
surpreendentes são as
esculturas gigantes.
Guerrilla Girls
 É um grupo de artistas
feministas anônimas cujo o
objetivo é combater o sexismo e
o machismo no mundo da arte.
 O grupo foi formado em Nova
York em 1985, tendo a missão
de trazer a público a
desigualdade de gênero e raça
dentro da comunidade artística.
 O grupo emprega seu
ativismo na forma de pôsteres,
livros, outdoors e aparições
públicas para expor
discriminação e corrupção.
 Permanecem anônimas, os
membros do grupo vestem
máscaras e utilizam
pseudônimos que se referem a
mulheres artistas falecidas.
 As identidades são mantidas
em segredo porque os
problemas importam mais
que identidades:
"No geral, queríamos que o
foco estivesse nos
problemas, não nas nossas
personalidades ou nos
nossos próprios trabalhos."
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
annaartes
 
Vanguardas(2) 9º ano
Vanguardas(2) 9º anoVanguardas(2) 9º ano
Vanguardas(2) 9º ano
Raphael Lanzillotte
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
Ana Barreiros
 
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações ArtísticasArte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Junior Onildo
 
A arte na Pré-História
A arte na Pré-HistóriaA arte na Pré-História
A arte na Pré-História
Edenilson Morais
 
História da arte arte moderna
História da arte   arte modernaHistória da arte   arte moderna
História da arte arte moderna
Lú Carvalho
 
Arte Afro-Brasileira
Arte Afro-BrasileiraArte Afro-Brasileira
Arte Afro-Brasileira
Rodrigo Retka
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
IF - Baiano
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
Fabio Vanussi
 
Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.
Renata_Vasconcelos
 
Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Michele Pó
 
Op art
Op artOp art
Op art
sheilabeca
 
Expressionismo abstrato (1)
Expressionismo abstrato (1)Expressionismo abstrato (1)
Expressionismo abstrato (1)
sheilabeca
 
Linha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da ArteLinha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da Arte
Jesrayne Nascimento
 
Arte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no BrasilArte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no Brasil
pagodes
 
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGNAvaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Casiris Crescencio
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
Ana Paula Silva
 
Arte - Romantismo
Arte - RomantismoArte - Romantismo
Arte - Romantismo
Maiara Giordani
 

Mais procurados (20)

Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Vanguardas(2) 9º ano
Vanguardas(2) 9º anoVanguardas(2) 9º ano
Vanguardas(2) 9º ano
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações ArtísticasArte e sociedade - Instalações Artísticas
Arte e sociedade - Instalações Artísticas
 
A arte na Pré-História
A arte na Pré-HistóriaA arte na Pré-História
A arte na Pré-História
 
História da arte arte moderna
História da arte   arte modernaHistória da arte   arte moderna
História da arte arte moderna
 
Arte Afro-Brasileira
Arte Afro-BrasileiraArte Afro-Brasileira
Arte Afro-Brasileira
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
 
Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.Elementos da linguagem visual.
Elementos da linguagem visual.
 
Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019Arte abstrata 2019
Arte abstrata 2019
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Op art
Op artOp art
Op art
 
Expressionismo abstrato (1)
Expressionismo abstrato (1)Expressionismo abstrato (1)
Expressionismo abstrato (1)
 
Linha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da ArteLinha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da Arte
 
Arte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no BrasilArte Contemporanea no Brasil
Arte Contemporanea no Brasil
 
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGNAvaliação 9º ano POP ART e DESIGN
Avaliação 9º ano POP ART e DESIGN
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Arte - Romantismo
Arte - RomantismoArte - Romantismo
Arte - Romantismo
 

Semelhante a Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018

Vanguardas2017 .
Vanguardas2017 .Vanguardas2017 .
Vanguardas2017 .
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Arte
ArteArte
Aula 9
Aula 9Aula 9
O Modernismo na Arte
O Modernismo na ArteO Modernismo na Arte
O Modernismo na Arte
Michele Wilbert
 
Objetivo 2018
Objetivo 2018Objetivo 2018
Objetivo 2018
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula dica enem 2019
Aula dica enem 2019Aula dica enem 2019
Aula dica enem 2019
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Mapa Mental de Arte - Vanguardas Europeias.docx
Mapa Mental de Arte - Vanguardas Europeias.docxMapa Mental de Arte - Vanguardas Europeias.docx
Mapa Mental de Arte - Vanguardas Europeias.docx
PolianaMendes21
 
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºCPORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
liceuterceiroc
 
As vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XXAs vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XX
Miguel Duarte
 
As experiências das vanguardas
As experiências das vanguardasAs experiências das vanguardas
As experiências das vanguardas
Professores História
 
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
Professores História
 
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
Professores História
 
Vanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismoVanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismo
teresakashino
 
Vanguardas Européias
Vanguardas EuropéiasVanguardas Européias
Vanguardas Européias
Arcelino Barbosa
 
As vanguardas europeias / Cursinho Ave Palavra
As vanguardas europeias / Cursinho Ave PalavraAs vanguardas europeias / Cursinho Ave Palavra
As vanguardas europeias / Cursinho Ave Palavra
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Vanguardas artísticas cubismo abst. futur., dadaismo e surre.
Vanguardas artísticas   cubismo   abst. futur., dadaismo e surre.Vanguardas artísticas   cubismo   abst. futur., dadaismo e surre.
Vanguardas artísticas cubismo abst. futur., dadaismo e surre.Elsa Minck
 
Power Point Pintura Modernista
Power Point Pintura ModernistaPower Point Pintura Modernista
Power Point Pintura Modernista
guestbdd8c1f
 
Apresentação CBD0282 - Moderno e pós moderno
Apresentação CBD0282 - Moderno e pós modernoApresentação CBD0282 - Moderno e pós moderno
Apresentação CBD0282 - Moderno e pós moderno
CBD0282 - Estados e Formas da Cultura na Atualidade
 
23 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 202023 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
As vanguardas do modernismo
As vanguardas do modernismoAs vanguardas do modernismo
As vanguardas do modernismo
Dedinha Ramos
 

Semelhante a Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018 (20)

Vanguardas2017 .
Vanguardas2017 .Vanguardas2017 .
Vanguardas2017 .
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 
O Modernismo na Arte
O Modernismo na ArteO Modernismo na Arte
O Modernismo na Arte
 
Objetivo 2018
Objetivo 2018Objetivo 2018
Objetivo 2018
 
Aula dica enem 2019
Aula dica enem 2019Aula dica enem 2019
Aula dica enem 2019
 
Mapa Mental de Arte - Vanguardas Europeias.docx
Mapa Mental de Arte - Vanguardas Europeias.docxMapa Mental de Arte - Vanguardas Europeias.docx
Mapa Mental de Arte - Vanguardas Europeias.docx
 
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºCPORTUGUES - Modernismo - 3ºC
PORTUGUES - Modernismo - 3ºC
 
As vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XXAs vanguardasno inicio do século XX
As vanguardasno inicio do século XX
 
As experiências das vanguardas
As experiências das vanguardasAs experiências das vanguardas
As experiências das vanguardas
 
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
 
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres12º   O Modernismo Na Pintura  Ana Paula Torres
12º O Modernismo Na Pintura Ana Paula Torres
 
Vanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismoVanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismo
 
Vanguardas Européias
Vanguardas EuropéiasVanguardas Européias
Vanguardas Européias
 
As vanguardas europeias / Cursinho Ave Palavra
As vanguardas europeias / Cursinho Ave PalavraAs vanguardas europeias / Cursinho Ave Palavra
As vanguardas europeias / Cursinho Ave Palavra
 
Vanguardas artísticas cubismo abst. futur., dadaismo e surre.
Vanguardas artísticas   cubismo   abst. futur., dadaismo e surre.Vanguardas artísticas   cubismo   abst. futur., dadaismo e surre.
Vanguardas artísticas cubismo abst. futur., dadaismo e surre.
 
Power Point Pintura Modernista
Power Point Pintura ModernistaPower Point Pintura Modernista
Power Point Pintura Modernista
 
Apresentação CBD0282 - Moderno e pós moderno
Apresentação CBD0282 - Moderno e pós modernoApresentação CBD0282 - Moderno e pós moderno
Apresentação CBD0282 - Moderno e pós moderno
 
23 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 202023 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 2020
 
As vanguardas do modernismo
As vanguardas do modernismoAs vanguardas do modernismo
As vanguardas do modernismo
 

Mais de CLEBER LUIS DAMACENO

5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Missao artística francesa
Missao artística  francesaMissao artística  francesa
Missao artística francesa
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Barroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 anoBarroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 ano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Tropicalia 8 ano
Tropicalia 8 anoTropicalia 8 ano
Tropicalia 8 ano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Vanguardas europeias 2020
Vanguardas  europeias 2020Vanguardas  europeias 2020
Vanguardas europeias 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Renascimento 2020
Renascimento 2020Renascimento 2020
Renascimento 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Patrimonio cultural
Patrimonio culturalPatrimonio cultural
Patrimonio cultural
CLEBER LUIS DAMACENO
 
26 arte contemporanea 2020
26 arte contemporanea 202026 arte contemporanea 2020
26 arte contemporanea 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
25 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 202025 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
24 pop art 2020
24 pop art 202024 pop art 2020
24 pop art 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 

Mais de CLEBER LUIS DAMACENO (20)

5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx
 
4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx
 
3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx
 
2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx
 
1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
 
Missao artística francesa
Missao artística  francesaMissao artística  francesa
Missao artística francesa
 
Barroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 anoBarroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 ano
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Tropicalia 8 ano
Tropicalia 8 anoTropicalia 8 ano
Tropicalia 8 ano
 
Vanguardas europeias 2020
Vanguardas  europeias 2020Vanguardas  europeias 2020
Vanguardas europeias 2020
 
Renascimento 2020
Renascimento 2020Renascimento 2020
Renascimento 2020
 
1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz
 
Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020
 
Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
 
Patrimonio cultural
Patrimonio culturalPatrimonio cultural
Patrimonio cultural
 
26 arte contemporanea 2020
26 arte contemporanea 202026 arte contemporanea 2020
26 arte contemporanea 2020
 
25 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 202025 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 2020
 
24 pop art 2020
24 pop art 202024 pop art 2020
24 pop art 2020
 

Último

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 

Último (20)

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 

Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018

  • 1. HISTÓRIA DA ARTE PROFº BIM Do Moderno ao Conteporâneo
  • 2. Linha do tempo da arte
  • 3. ARTE CLÁSSICA  CHAMA-SE DE ARTE “CLÁSSICA” ,O CONJUNTO DE MANIFESTAÇÕES ARTÍSTICAS DESENVOLVIDO NA GRÉCIA ANTIGA.  A ARTE CLÁSSICA É UM MODELO PERMANENTE (REFERÊNCIA) ,REFLETIDO EM MOMENTOS DISTINTOS DA HISTÓRIA.  A ARTE GREGA TEM COMO PONTO- CHAVE , A REPRESENTAÇÃO DO SER HUMANO,SUA APARÊNCIA E INTERIORIDADE, BASEADAS PELA RACIONALIDADE.  A ARTE ROMANA É A PRIMEIRA MANIFESTAÇÃO DE ADMIRAÇÃO INCONDICIONAL DAS REFERÊNCIAS GREGAS,CONSIDERADAS DIGNAS DE IMITAÇÃO.
  • 4. IMPRESSIONSIMO EXPRESSIONISM O CUBISM O SURREALIS MO DADAÍSM O Sentiment o interior cor Ruptura com a forma Psiquê da mente, onírico Objeto, cotidiano  O artista pesquisa novas técnicas e está construindo a sua identidade / ruptura com os clássicos
  • 5. O Nascimento de Vênus, Sandro Botticelli. O modelo de arte que vigorava era a arte renascentista
  • 6. IMPRESSÃO, SOL NASCENTE 1872, CLAUDE MONET
  • 7. Contexto histórico Último movimento artístico do século XIX.  As revoluções triunfaram e impuseram sistemas de governo mais democráticos.  Revolução Industrial transformou o modo de vida afetando a economia.  Ocorria um intenso crescimento demográfico.  A industrialização, a multiplicação de notícias e imagens surgiram com o fortalecimento da imprensa.  A invenção da fotografia.  Com a fotografia, o movimento Impressionista teve que reinventar os modelos de pintura da época.  Teve como grandes nomes:
  • 8. Pós Impressionismo  Van Gogh  Gauguin  Toulouse Lautrec
  • 9. Fauvismo O poder das cores A dança 1909-1910 Assim como o Expressionismo, há predomínio das cores intensas e distorções ousadas.  Fauves (selvagens) no sentido de libertação e experimento.  Equilíbrio novo e radical e Matisse é seu principal líder.  Tinha temática leve, baseada na alegria de viver e nas emoções, e não tinha fundamentação ou intenção crítica nem política.  As cores são reduzidas nestas obras, mas o papel das cores é extremamente importante.  Além disso, as cores não tinham relação direta com a realidade, não correspondiam à cor real do objeto representado.
  • 11. Século XX  Vanguardas: movimento formado por grupos de pessoas, que por seus conhecimentos ou por uma tendência natural, são precursores,pioneiros em determinado movimento artístico ou científico.  Cubismo: geometria  Futurismo: um novo olhar  Expressionismo: impacto  Fauvismo: o poder das cores  Dadaísmo: destruidor  Surrealismo: o irreal
  • 12. INÍCIO DE SÉCULO NA EUROPA As transformações tecnológicas que o mundo passou na virada do século modificaram as maneiras de o homem perceber a realidade. O automóvel, o avião, o cinema, deslocaram e aceleraram o olhar do homem moderno.  Em meio a essas transformações surgem várias manifestações artísticas –  Cubismo (1907), Futurismo (1909), Expressionismo (1 910), Dadaísmo (1916), Surrealismo (1924)
  • 13. Negação das obras artísticas do passado. Ruptura formal com os princípios estéticos do passado. Invenção de novas técnicas, novos objetos estéticos. Experimentalismo. Agressão ao público. Simplificação na representação das imagens. CARACTERÍSTICAS GERAIS
  • 14. Cubismo 1907 Homem no Café , Juan Gris 1914 Les Demoiselles d’Avignon, Pablo Picasso 1907
  • 15. CONSEQUÊNCIAS DO CUBISMO  A repercussão do Cubismo foi imediata. A moda de “cubificar” a visão das coisas difundiu-se como um gesto associado á ideia de parecer moderno e de vanguarda.  A verdadeira importância do cubismo, no entanto vai além da dessa moda superficial: O movimento demonstrou que a pintura não precisa ser algo que existe apenas visualmente, mas que pode fazer parte de uma reflexão intelectual.  Vários outros movimentos aproveitaram as
  • 16. GUERNICA 1937 ÓLEO SOBRE TELA 351 X 782,5 CM MUSEU NACIONAL CENTRO DE ARTE REINA SOFIA,MADRI(ESPANHA) “A PINTURA NÃO É FEITA PARA DECORAR AS MORADIAS. É UM INSTRUMENTO DE GUERRA OFENSIVA E DEFENSIVA CONTRA O INIMIGO.” PABLO PICASSO
  • 18. Edward Munch / 1863-1944 / Noruega O GRITO 1893 Deformação visual, até mesmo CARICATURA;  Reflexão individual e subjetiva;  Tem uma visão anti-romântica do mundo;  Deformação visual, até mesmo CARICATURA;  Queriam mostrar uma obra com reflexo da angústia e ansiedade que dominavam os círculos artísticos e intelectuais da Alemanha durante os anos anteriores à Primeira Guerra Mundial (1914-1918)
  • 20.  Questionou o sentido da arte frente á sociedade em guerra.  Negava todos os valores culturais e surge com a clara intenção de destruir todos os sistemas e códigos estabelecidos no mundo da arte.  Surgiu em 1916 em Zurique, na Suiça, em um clube noturno Cabaret Voltaire.  O Dadaísmo Trata-se, portanto, de um movimento antipoético, antiartístico, antiliterário, visto que questiona até a existência da arte, da poesia e da literatura.  É contra a beleza eterna, contra as leis da lógica, contra a eternidade dos princípios, contra a imobilidade do pensamento e contra o universal.
  • 21. Ready-made  O termo é criado por Marcel Duchamp (1887 - 1968) para designar um tipo de objeto que consiste em um ou mais artigos de uso cotidiano, produzidos em massa, selecionados sem critérios estéticos e expostos como obras de arte em espaços especializados (museus e galerias).  Ao transformar qualquer objeto em obra de arte, o artista realiza uma crítica radical ao sistema da arte. Assim, objetos utilitários sem nenhum valor estético em si são retirados de seus contextos originais e elevados à condição de obra de arte simplesmente ao ganhar uma assinatura e um
  • 22. FUTURISMO 1909  O futurismo é um movimento artístico e literário surgido oficialmente em 20 de fevereiro de 1909, com a publicação do Manifesto Futurista, do poeta italiano Filippo Marinetti, no jornal francês Le Figaro.  A obra rejeitava o moralismo e o passado. Apresentava um novo tipo de beleza, baseado na velocidade e na elevação
  • 23. "Cavalo e cavaleiro" Carlo Carra, 1913
  • 24. Trecho do MANIFESTO FuturisTA  "Queremos destruir os museus, as bibliotecas e as academias de todas as espécies, e combater o moralismo, o feminismo e todas as torpezas oportunistas e utilitárias. Cantaremos as grandes multidões excitadas pelo trabalho, o prazer ou os motins, as marés multicoloridas e de milhares de vozes da revolução em capitais modernas. Cantaremos a incandescência noturna e vibrante de arsenais e estaleiros, resplandecendo sob luares elétricos, as vorazes estações devorando suas fumegantes serpentes... Lançamos da Itália para o mundo este nosso manifesto de violência irrefreável e incendiária, com o qual fundamos hoje o Futurismo, porque queremos libertar esta terra do fétido câncer de
  • 26. O que é Surrealismo  Baseado nas teorias psicanalíticas de Sigmund Freud, o Surrealismo defende o uso do inconsciente para criação artística.  Foi fundado na França, pelo poeta André Breton, na década de 1920.  Do onírico, que misturava sonho com realidade e inconsciente como um universo único e pessoal.
  • 28. O “Abstracionismo” ou “Arte Abstrata”
  • 29. BAUHAUS A mais importante  é um estilo artístico moderno das artes visuais que priorizam as formas abstratas em detrimento dos objetos e/ou figuras que representam algo da nossa própria realidade  A Bauhaus foi uma escola alemã de arte, design e arquitetura fundada em 1919, na cidade de Weimar, na Alemanha.  A origem do abstracionismo está relacionado com as vanguardas artísticas europeias do século XX, na medida que representam
  • 30. • Foi um pintor abstrato soviético. Fez parte da vanguarda russa e foi o mentor do movimento conhecido como Suprematismo. • O Suprematismo foi um movimento artístico russo, centrado em formas geométricas básicas - particularmente o quadrado e o círculo - e tido como a primeira escola sistemática de pintura abstrata do movimento moderno. • Suprematismo será definido como : • "a supremacia do puro sentimento". • Quadrado negro sobre fundo branco 1915 Kasimir Malevich (1878-1935) Ucrânia
  • 31.  O artista reduz tudo ao nada. Provoca um debate nas telas. Pretendia purificar o mundo e a arte, uma pintura sem objetos, sem molduras, sem limites. Acredita-se que as palavras escondidas "batalha dos negros", covardes demais para se mostrarem completamente, seriam uma alusão a uma frase racista - "negros lutando à noite" -
  • 32. Neoplasticismo  É um estilo artístico (também considerado uma teoria da arte) criado pelo pintor holandês Piet Mondrian em 1917.  Mondrian defendia a ideia de que a arte não deveria limitar-se a reprodução de imagens de objetos reais, mas expressar unicamente o universal e o absoluto oculto atrás da realidade.  Junto com o arquiteto Theo Van Doesburg criou a revista De Stijl  CARACTERÍSTICAS  - Arte Abstrata.  - Valorização das formas geométricas.  - Uso de linhas horizontais e verticais. As linhas oblíquas e curvas não são utilizadas nas obras do Neoplasticismo.  - Ênfase no uso de cores puras: vermelho, amarelo e azul.  - Busca de senso de equilíbrio e harmonia.
  • 33. Piet Mondrian  MONDRIAN FOI UM PINTOR MODERNISTA, NEOPLASTICISTA E CUBISTA  A PARTIR DE 1917 ATÉ 1940 DESENVOLVE SUA GRANDE OBRE NEOPLÁSTICA.
  • 34. Expressionismo Abstrato Mark Rothko (1903-1970) LETÔNIA/NY  A noção de expressionismo abstrato, utilizada pela primeira vez em 1952 pelo crítico H. Rosenberg, refere-se a um movimento artístico que tem lugar em Nova York, no período imediatamente após a Segunda Guerra Mundial. Trata-se do primeiro estilo pictórico norte-americano a obter reconhecimento internacional.
  • 35.
  • 36. POLLOCK (EUA) (1912-1956)  A arte de Pollock combinava a simplicidade com a pintura pura e suas obras de maiores dimensões possuem características monumentais.  Com Pollock, há o auge da pintura de ação (action painting). Técnica de pintura, criada por Max Ernst, o 'dripping' (gotejamento), na qual o artista respingava a tinta sobre suas telas.
  • 37. JOAN MIRÓ (1893-1983 -espanhol)  Miró aproximou-se da vertente mais automática do Surrealismo por meio dessas formas orgânicas com a vida própria que se movem com total liberdade pelo quadro ou através de elaborações abstratas.  Mosaico na La Rambla (Barcelona)
  • 38.
  • 39.
  • 40. ARTE E FILOSOFIA  Na década de 20, os filósofos Horkheimer e Adorno já falavam sobre a expressão indústria cultural, para expressar a mercantilização de toda criação humana, inclusive a de cunho cultural.  Nos anos 60 tudo é produzido massivamente, e cria- se uma aura especial em torno do que é considerado popular.  Assim cria-se uma simbologia e signos típicos da massa, para que assim rompam-se todas as possíveis barreiras entre a arte e o povo.  Há um certo fascínio em torno do modo de vida da população dos EUA.
  • 41. ANDWHAROL (1928 - 1987)  Embora tenha surgido na Inglaterra em meados da década de 50, ganhou força e amadureceu seus propósitos na Nova York dos anos 60.  Seus dois polos de irradiação para o mundo foram Londres e Nova York.  Produzida para o consumo de massa.  É uma tendência que veio para combater a arte convencional e trazia na sua proposta o resgate das imagens “reconhecíveis”, opondo- se ao expressionismo abstrato, liderado por Jackson Pollock, que rejeitava os elementos figurativos. ***Tem como objetivo a crítica irônica do bombardeamento da sociedade capitalista pelos objetos de consumo, e usa signos estéticos de cores inusitadas massificados da publicidade .
  • 42. Consequências  Soberania dos Estados Unidos perante os outros países;  Consumismo exagerado incentivado pelo governo;  PUBLICIDADE: Mulheres ocupando postos antes masculinos, durante a guerra;  Retorno aos afazeres domésticos pós guerra;  Aparecimento de eletrodomésticos e campanhas publicitárias para o público consumidor feminino;  MÍDIAS SOCIAIS: Aumento do potencial econômico da indústria do entretenimento;  Expansão e consolidação dos meios Rádio Televisão Cinema.
  • 43. andy warhol / Roy Lichtenstein
  • 44.
  • 45.
  • 46. A Arte Contemporânea rompeu com alguns aspectos da Arte Moderna e trouxe valores para a constituição de uma nova mentalidade. A Arte Moderna, ligada ao consumo, da lugar à arte contemporânea, relacionada a comunicação. Arte Contemporânea
  • 47. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS  Sociedade da informação, tecnologia e novas mídias.  Subjetividade e liberdade artística.  Efemeridade da arte.  Abandono dos suportes tradicionais.  Mescla de estilos artísticos.  Aproximação com a cultura popular.  Questionamento sobre a definição de arte.  Interação do espectador com a obra.  A arte contemporânea prioriza principalmente, a ideia, o conceito, a atitude, acima do objeto artístico final.
  • 48. O Concretismo no Brasil  Os seguidores propunham o desprendimento da arte como expressão dos sentimentos.  Em oposição á pintura figurativa.  Valorizava os elementos formais da arte: Linha,ponto, a cor e o plano.  Chegou ao Brasil por meio do Suiço Max Bill e Alexander Calder.  A produção no Brasil teve início em 1956 , com a 1º Exposição Nacional de Arte Concreta em São Paulo.  O Cubismo e o Futurismo foram influências.  Max Bill (1908-1994) Unidade tripartida, 1948-49.Aço inoxidável. Altura:114 cm x largura:88,3 cm x profundidade:98,2 cm. Museu de Arte Contenporânea, São Paulo (SP).
  • 49. Esses artistas defendiam a renovação da produção artística nacional por meio da abstração geométrica e da aproximação da arte e os processos industriais. Para isso desenvolveram pesquisas científicas e passaram a usar materiais industriais, como esmalte,aglomerado de madeira,etc  Waldemar Cordeiro(1925-1973).
  • 50. Amilcar de Castro (1920-2002)
  • 51. Lygia Clark (1920-1988) Concretismo  Lygia Clark, pseudônimo de Lygia Pimentel Lins foi uma pintora e escultora brasileira contemporânea que se auto intitulava "não artista".
  • 53. Lygia Pape ( 1927-2004) Lygia Pape foi uma gravadora, escultora, pintora, cineasta, professora e artista multimídia brasileira, identificada com o movimento conhecido por neoconcretismo.  Foto, lingua e sangue 1968.  Performance de Lygia Pape é recriada pela primeira vez na Ásia.
  • 54. Helio Oiticica (1937-1980) Artes plásticas  A obra era constituída por um labirinto de madeira forrado com areia e pedras, que, ao ser percorrido pelo espectador, colocava-o em contato corporal com diversos elementos naturais e culturais do Brasil, como plantas tropicais e araras nativas, num percurso que terminava em frente a um aparelho de televisão ligado. A obra acabaria dando nome a todo um movimento cultural, o TROPICALISMO que abarcou diversas expressões artísticas, e que teve na música produzida naquela mesma época por Gilberto Gil e Caetano Veloso a sua expressão mais conhecida.  Ela (a obra) fez parte ainda do manifesto encabeçado por  Instalação
  • 55. Metaesquema  Parang olé  “Seja Marginal Seja Herói”, serigrafia em tecido cetim branco, criada em 1968 por Helio Oiticica
  • 56. A poesia Concreta Décio Pignatari (1927-2012)  A poesia Concreta foi criada por alguns poetas que se opunham ás formas utilizadas nos versos tradicionais, pois as consideravam desgastadas.  Organização não linear e espaços em branco .  Criação de efeitos de sentido e comunicar ideias, combinam-se o
  • 57. Performance nas ruas de São Paulo, exibindo seu look de verão. Experiência n. 3 ou New look / 1956  No Brasil o pintor, desenhista, arquiteto, cenógrafo,escritor, teatrólogo e engenheiro FLÁVIO DE CARVALHO (1899/1973) foi um dos precursores da PERFORMANCE. A aproximação entre Arte, vida e política marca a Arte Brasileira nos anos 1960.
  • 58. HAPPENING  O happening é uma forma de expressão de arte. É como se fosse uma apresentação, em que nunca há repetição .  Utiliza diferentes linguagens, como o teatro e as artes visuais e improvisações dos condutores. O que difere o HAPPENING da PERFORMANCE é a participação do público. Na PERFORMANCE ,o público pode ou não participar . No HAPPENING sua participação é essencial.
  • 59. A performance  É uma das produções mais características da arte contemporânea:  Podem causar estranhamento, surpresa ou gerar dúvidas, porque muitas vezes , o significado nem sempre é reconhecível e as obras são passíveis de várias interpretações.  No século 20, fortemente influenciados pelo filósofo alemão Nietzsche, a obra de Marcel Duchamp, a cultura ready-mades, e o espírito de contracultura, os artistas passam a rebelar-se contra os meios de produção artísticas que eram estritamente mercadológicas, passando a praticar performance, happening. A ideia era aproximar o público da arte, e tirar dele o lugar de espectador e passivo, fazendo com que ele mesmo se tornasse parte da obra.  Apesar de sua característica anárquica e de, na sua própria razão de ser, procurar escapar de rótulos e definições, a performance é antes de tudo uma expressão cênica: um quadro sendo exibido para uma plateia não caracteriza uma performance; alguém pintando esse quadro, ao vivo, já poderia caracterizá-la.
  • 60.  Os artistas que criaram a performance Cegos, que foi apresentada em várias cidades brasileiras, queriam chamar a atenção para questões como o excesso de trabalho, o consumismo exagerado e a automatização das ações humanas.  A inspiração foi a obra Parábola dos cegos, de Pieter Bruegel (1525/1569)
  • 61. Performance 'Cegos' interrompe o fluxo do cotidiano com homens cobertos de argila
  • 62. Performance Artista Presente  Em suas obras Marina Abramovic´ (1946), procura desmistificar o corpo humano, propondo a desconstrução de toda exaltação da beleza que ele foi levado.  O corpo deixa de ser inspiração e passa a ser a própria obra .  Ficava em silêncio trocando olhares com estranhos.  No MoMA , realizou a performance 6 vezes por semana e por 7 horas por dia por três meses.
  • 63.  Entre as mais importantes, está Rhythm , onde Marina permaneceu sentada numa cadeira por 6 horas, enquanto seu público dispunha de uma mesa com 72 objetos como facas, rosas, escovas, tesouras e armas que podiam ser usadas pelos espectadores como eles bem quisessem.  A medida que o tempo da performance foi passando, a audiência foi ficando cada vez mais agressiva: rasgaram suas roupas, picaram-na com as rosas e apontaram com armas na cabeça. Depois de 6 horas, Marina levantou-se para dirigir- se à porta de saída e causou comoção no público do museu.
  • 64. O GOLPE MILITAR DE 1964 O movimento militar totalitário começou em 31 de março e 1º de abril de 1964, depôs o presidente João Goulart e estabeleceu um regime de exceção. Esse regime só se encerrou em 1985, depois de 21 anos. AI-5: O Ato institucional nº5, que resultou na perda de inúmeras liberdades no Brasil, caracterizando uma suspensão do processo democrático, fechando o Congresso Nacional por quase um ano.
  • 65. ARTE E RUPTURA: O tropicalismo O festival de 1967 No Brasil, em meados da década de 1960, tornaram-se comum os festivais de música popular. Nesse festival Caetano Veloso (1942-) lançou a música “Alegria, Alegria”e Gilberto Gil (1942-) a música “ Domingo no Parque”, as músicas ficaram em quarto e segundo lugar , e foram cantada acompanhadas de guitarras que era um instrumento da cultura americana. Nesse festival lançaram as bases do Tropicalismo. *vídeo 1
  • 66. Música e censura  Os festivais da canção foram palco e espaço de apresentação de obras de resistência ao regime.  Transmitidos por emissoras de televisão e um júri técnico analisava as canções.  No festival de 1968 a canção “Sabiá” de Chico Buarque de Holanda e Tom Jobim conquistou o 1º lugar e não agradou o público, que preferia a canção “Pra não dizer que não falei de flores” de Geraldo Vandré.
  • 67. Teatro Oficina fundado em 1958  As propostas de ruptura na forma e no conteúdo teatral desenvolvidas na década de 1960 pelo teatro Oficina são ecos tropicalistas.  No início, era um projeto estudantil e com o tempo profissionalizou-se e tornou- se um dos mais influentes e importantes grupos de teatro  Em 1967 realizou a 1º montagem da peça “O rei da vela”, de Oswald de Andrade, e de forma cômica abordou os costumes e a sociedade da época, transportando o texto para a realidade brasileira da década 1960.  Roda Viva (Chico José Celso Martinez (1937) Teatro Experimental
  • 68.
  • 69. Lina Bo Bardi (1914-1992) Arquitetura  Arquiteta Modernista ítalo-brasileira, Formou-se em Roma , e é conhecida por ter projetado o MASP-Museu de Arte de São Paulo.
  • 70.
  • 71. O Tropicalismo  Pouca duração, o Tropicalismo terminaria em dezembro de 1968 com os dois compositores presos após a instituição do AI-5 e depois exilados.  O movimento defendia uma colagem dos gêneros musicais: de Vanguarda ou de Massa, brasileiros ou estrangeiros.  Ritmos modernos com antigos, instrumentos tradicionais de percussão eram misturados a guitarras elétricas , bolera dialogava com samba de roda.  Havia referência as massas e a cultura erudita.  Lançaram um disco em 1968 “Tropicália ou Panis et circensis”.  Bebeu na fonte do “Manifesto Antropófago” do escritor modernista Oswald de Andrade, pois
  • 72. Críticas recebidas Conclusão:  O tropicalismo foi muito importante no sentido em que serviu para modernizar a música brasileira, incorporando e desenvolvendo novos padrões estéticos. Neste sentido, foi um movimento cultural revolucionário, embora muito criticado no período. Influenciou as gerações musicais brasileiras nas décadas seguintes.
  • 73.  Movimento que se tornou símbolo da modernização da música popular no Brasil.  Teve início com um programa de auditório apresentado por Roberto Carlos (1941-), Wanderléa(1946-), Erasmo Carlos (1941-).  Muitas músicas eram versões americanas, adaptadas para o português.  Influência americana sobre o movimento.  Foi muito criticada pelos artistas que a consideravam alienada e fútil em razão da ingenuidade das canções que não estavam relacionadas as questões sociais do país. A jovem Guarda 1965
  • 74. As artes visuais e a crítica ao Regime Militar  Os artistas que produziam artes visuais também sofreram com o controle do governo.  Por essa razão durante as décadas de 1960 e 1970, os aristas passaram a atribuir um sentido figurado para suas representações. Sozinho no verde(1973), óleo sobre tela, 151 cm x 150 cm. Blanton Museu de Arte da Universidade do Texas, Austin, EUA  Fez da representação de bananas um símbolo de sua insatisfação política do Brasil.  Antônio Henrique Amaral (1935-)
  • 75. Carlos Zilio (1942-)  O artista criticou a violência do Regime Militar.  Suas obras tem caráter de denúncia social relacionadas ao contexto político e social do Brasil, entre as décadas de 1960 e 1970.  1- A proposta:  A marmita de alumínio, lembrando os ready-mades de Marcel Duchamp.  2-Ação política  Ao imprimir a palavra “lute” sobre  Lute (1967), serigrafia sobre filme plástico e resina plástica acondicionada em marmita de alumínio (apropriação), coleção do artista
  • 76. Henfil  Durante o Regime Militar as charges publicadas em jornais e revistas representavam com humor e de maneira muito crítica, a situação do país.  Artistas:  Jaguar (1932-),  Millôr Fernandes (1923-2012),  Ziraldo (1932-)  Henrique de Souza Filho  (1944-1988), o Henfil. Artes gráficas e resistência
  • 79. O Pasquim  Em 1968 houve um endurecimento do governo militar / ano do AI-5, ano de perseguição.  Em 1969, foi lançado no Rio de Janeiro o jornal O Pasquim.  Inovador, conquistou o público, com humor e denúncia.  Reunia profissionais que se opunham ao governo.  Sobreviveu aos anos de ditadura e encerrou suas atividades em 1991.  Um dos mais importantes veículos de comunicação da
  • 80. Ferreira Gullar (1930-2016)  Foram proibidas mais de 400 peças, como Roda Viva de Chico Buarque e o Rei da Selva de Oswald de Andrade.  Os censores liam roteiros, faziam cortes nos textos e assistiam a uma apresentação sem público.  Em 1964 no rio de Janeiro ,nasce o grupo Opinião ligados á União Nacional do Estudantes (UNE), entidade na ilegalidade pelo governo Militar.  Espetáculo lançado pelo grupo: Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come,1966, O Teatro e a dança em tempos de ditadura
  • 81. O Teatro de Arena / São Paulo  Em São Paulo se destacou por sua atuação política o Teatro de Arena, em 1953, o nome veio da proposta do grupo em se apresentar em um palco circular.  Na década de 1960, muitas peças foram proibidas.  Peça de destaque: Arena conta Zumbi (1965), texto de Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006) e Augusto Boal, e as canções de Edu Lobo (1943-)  A peça falava da luta do líder quilombola Zumbi dos Palmares (1655- 1695), naquele momento encenar a vida de Zumbi, significava enfatizar a importância da resistência aos desmandos dos militares, em prol de uma sociedade mais justa e solidária.  Augusto Boal (1931-2009) Criou a técnica chamada sistema coringa, baseada nas técnicas de Bertold Brecht, em que atores se revezavam em diferentes papéis.
  • 82. Augusto Boal e o teatro do Oprimido  Criado na década de 1960, é um método teatral que reúne diversos exercícios, jogos e técnicas.  Utilizando o teatro como ferramenta de trabalho para a ação política social e levar os espectadores a repensar e transformar a sua realidade.  Para ele a sociedade está dividida em oprimidos e opressores.  Uma das técnicas utilizadas é o Teatro-jornal, que consiste na interpretação de noticias de jornal de diversas maneiras,
  • 83. Cinema Novo  Na década de 1950 um grupo cineastas era contra o predomínio da produção industrial de filmes inspirados no cinema americano.  Eles defendiam a produção de filmes a baixo custo e que representassem, de forma crítica as questões nacionais.  Em 1955 Nelson Pereira do Santos (1928-2018) dirigiu o filme” Rio 40 graus”.  A consolidação do Cinema Novo veio na década de 1960 com o filme “Vidas Secas” (1963) de Nelson e “Terra em Transe “ (1967)de Glauber.  Eram ousados: a Famosa frase de Glauber Rocha: afirmava que bastava uma ideia na cabeça e uma câmera na mão, para fazer um filme.  Renovação estética  Expoente Tropicalista.  Foram inspirados no Neorrealismo italiano, filmes de baixo custo pós Glauber Rocha (1939-1981)
  • 84. O artista mais representativo é Joseph Ksuth (1945-)  Agrupa várias posturas artísticas que tem em comum a vontade de destacar a importância da parte intelectual como a essência do fato artístico.  Desenvolve-se em torno da linguagem, como simulacro da representação.  A obra Uma e Três Cadeiras, do artista americano Joseph Kosuth. O artista criou, no ano de 1970, no MoMa, uma "Informação", exposição de arte conceitual que tinha como objetivo colocar a arte como fonte de informações, e não como concepção estética. Anos 1970 : Arte Conceitual
  • 85. Paulo Bruscky (1949) Recife PE  Com mídias, , intervenções, e propostas no campo conceitual.  Já nos anos 1970 desenvolveu- se pesquisas com fotocópias, inseridas num contexto artístico.  Realizaram filmes e videos arte e em 1983 começou a produzir vídeos instalações.  Paulo Bruscky constituiu uma estratégia de liberdade diante do contexto político opressor da ditadura brasileira.  Em 1978 o artista desfilou pelas ruas do Recife portando um cartaz: O que é arte? Para que serve?  Ele foi incompreendido e sua ARTE CONCEITUAL NO BRASIL
  • 86.  Cildo é um dos nomes mais importantes da década de 1970.  Participou da histórica exposição do MoMA de Nova York em 1970, considerada um marco.  O artista realizou o trabalho Inserções em circuitos ideológicos, em que imprimia frases em cédulas e garrafas de refrigerante e as devolvia á circulação, passando a diante as mensagens como: “Quem Cildo Meireles (1948-)
  • 87.
  • 88.  Tomie Ohtake (1913-2015) foi uma pintora, gravadora e escultora japonesa naturalizada brasileira. Foi uma das mais importantes representantes do abstracionismo informal. *Abstracionismo Informal: predominam os sentimentos e emoções. As cores e as formas são criadas livremente. Uma arte abstrata, que coloca na cor e forma a sua expressividade maior.
  • 89. Guto Lacaz  (São Paulo, São Paulo, 1948). Artista multimídia, ilustrador, designer, desenhista ,cenógrafo e destaca-se em intervenções urbanas.
  • 90.  Nascida em 1964, a carioca Adriana Varejão ,começou sua carreira nos anos 80, ainda muito jovem. Entre 1981 e 1985 freqüentou cursos livres na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio de Janeiro e fez sua primeira exposição individual em 1988, na galeria Thomas Cohn.
  • 91.  Beatriz Milhazes (1960) é uma pintora, gravadora, ilustradora e professora brasileira, um dos mais destacados nomes da arte contemporânea no Brasil.
  • 92. A arte popular no Brasil Mestre Vitalino (1909-1963)  A arte popular resulta de um olhar simples sobre o mundo e refletem as manifestações populares, a cultura e os costumes regionais de um povo.  O samba tornou-se o gênero musical brasileiro e identidade nacional.  Nascido em Caruaru, Pernambuco, foi um grande ceramista e músico popular.
  • 93. Arthur Bispo do Rosário (1911-1989)  Nunca se formou em arte.  Criou cerca de 1000 peças.  Usava objetos do cotidiano, como roupas e lençóis bordados.  Em 1980 uma TV fez uma matéria com o artista revelando ao público sua produção.  Atualmente suas obras estão no Museu Bispo do Rosário, denominado antes de Museu Nise da Silveira, na antiga colônia Juliano Moreira no Rio De Janeiro. **A arte é uma manifestação humana e não precisa estar
  • 94.
  • 95. LEONILSON (1957-1993) Voilà mon coeur piedras, lapidadas sobre las lonas, luto zurcir cada hilo mano trémula bordadas joyas transparentes eran los dedos textura, los paños terciopelo bajo la estopa gastada
  • 96.
  • 98.  É um movimento artístico que defende o uso de uma quantidade mínima de elementos para construir a base da expressão.  Surgiu no contexto de efervescência cultural dos EUA viviam nos anos 1950 e 1960 em decorrência dos movimentos de contracultura e que fez nascer novas expressões artísticas contrárias ás vanguardas europeias, como o OP Art e Pop Art  A casa Klein Bottle, (Rob McBride) na Austrália, é o resultado de uma fabulosa combinação de arquitetura e matemática.  É um exemplo representativo de arquitetura minimalista, tanto no design, nas formas da fachada e no seu interior.
  • 99.
  • 100. A op art e a arte cinética
  • 101. OP Art  OP Art: Abreviação de Optical art, uma forma de arte não objetiva que utiliza ilusões de ótica.  Explora por meio de figuras geométricas coloridas ou não, que a depender do ponto de vista podem aparentar movimento.  Explora a relação funcional entre retina e o cérebro, certos padrões de desenhos podem causar confusão de interpretação com efeitos ópticos ilusórios.  É vista como extensão da arte cinética. Ou seja: Arte e movimento. Arte Cinética  A arte cinética, é uma corrente das artes plásticas que explora efeitos visuais por meio de movimentos físicos ou ilusão de óptica ou truques de posicionamento de peças.
  • 102. Victor Vasarely. Dança das Zebras,1938 Op Art / Art cinética  Objetos Cinéticos do escultor grego Panagiotis Vasilakis "Takis", Paris
  • 103. A origem do graffiti  Assim como as produções dos muralistas mexicanos, o grafite em geral tem forte relação com questões políticas e sociais.  Começa na década de 1960 em Nova York, onde se organizaram diversos grupos e movimentos culturais ligados a grupos marginalizados, principalmente de jovens negros e bairros pobres das grandes cidades.
  • 104. Das ruas para as galerias A partir da década de 1980, alguns grafites começaram a chamar á atenção, não só pelo seu caráter transgressor, mas também pela qualidade artística.  Artistas como Keith Haring e Jean-Michel Basquiat ,começaram a expor em sofisticadas galerias de arte.
  • 105.  A partir da década de 1980, alguns grafites começaram a chamar á atenção, não só pelo seu caráter transgressor, mas também pela qualidade artística.  Artistas como Keith Haring e Jean- Michel Basquiat ,começaram a expor em sofisticadas galerias de arte.  Keith Haring (1958-1989) iniciou sua produção em estações de trem e de metrô em Nova York.  Ele desenhava figuras humanas estilizadas.
  • 106. Jean-Michel Basquiat (1960-1988), • ARTISTA AMERICANO DO BROOKLYN DE NOVA IORQUE. • GANHOU POPULARIDADE COMO GRAFITEIRO E COMO PINTOR. • SEUS TRABALHOS COSTUMAM ATINGIR PREÇOS ALTÍSSIMOS EM LEILÕES DE ARTE. • MORREU EM 1988 VÍTIMA DE UM COQUETEL DE DROGAS
  • 107. O grafite no Brasil  Alex Vallauri (1949-1987): O precursor, nascido na Etiópia, chegou ao Brasil em 1965 e a partir da década de 1970 , passou a produzir obras em espaços públicos de São Paulo.  Técnica do stencil.  Por causa da importância de Vallauri para o grafite brasileiro, o dia da sua morte 27 de março foi escolhido para comemorar o Dia Nacional do Grafite.
  • 108. OSGEME OS • OS GÊMEOS SÃO UMA DUPLA DE IRMÃOS GRAFITEIROS DE SÃO PAULO. • SEUS NOMES SÃO GUSTAVO E OTÁVIO PANDOLFO. • FORMADOS EM DESENHO, COMEÇARAM NO BAIRRO DO CABUCI E TORNARAM – SE UMA DAS MAIS IMPORTANTES INFLUÊNCIAS NO GRAFITE NO MUNDO. • JÁ FIZERAM TRABALHOS EM VÁRIOS PAÍSES.
  • 111.
  • 112.
  • 113.
  • 114. Banksy – É o cara!  BANKSY- é o pseudônimo de um grafiteiro, pintor, ativista político e diretor de cinema inglês. Sua arte de rua satírica e subversiva combina humor negro e graffiti feito com uma distinta técnica de ESTENCIL.
  • 115. A cultura Hip-Hop  Na década de 1970, o encontro de integrantes das comunidades negras e latino americanas dos EUA, iniciaram um movimento cultural que resultou no Hip-Hop.  O Rap: abreviação de rhythm and poetry (ritmo e poesia)  Quatro pilares essenciais na cultura hip hop: o Rap (MC), o DJ, Breakdance ( B-boy e B-girl) e o Graffiti.
  • 116. Intervenções artísticas  As intervenções são manifestações organizadas por grupos de artistas com o propósito de transmitir mensagens. Elas são um tipo de arte que tem o objetivo de questionar e transformar a vida cotidiana.  A Intervenção lança no espaço público questões que provocam discussões em toda a população. De uma maneira ou de outra, ela faz com que as pessoas parem sua rotina por alguns minutos, seja para questionar, criticar ou simplesmente contemplar a arte.  Sua finalidade é provocar o público para questões políticas, sociais, ideológicas e estéticas.
  • 117.
  • 118.
  • 119. “Cow Parade”  é considerado o maior e mais bem sucedido evento de arte pública no mundo. Já passou por mais de 50 cidades em todos o mundo desde de 1999, inclusive por várias cidades do Brasil. As vacas são pintadas por artistas locais, sendo ele profissionais, amadores ou desconhecidos. A renda arrecadada pelo evento é revertida para instituições de caridade em diversas partes do mundo, cumprindo o seu papel social.
  • 120. “Mind Fuck”  É aquele desconforto mental gerado por elementos inéditos em determinada área. É como se nossa mente, tão acostumada com tal cenário, demorasse segundos a mais para processar a informação.  Biancoshock, artista de Milão (Itália).
  • 121. Invader, francês, é um dos nomes de peso do street art no mundo.
  • 122. Flash Mob  Flash Mobs são aglomerações instantâneas de pessoas em um local público para realizar determinada ação inusitada previamente combinada, estas se dispersando tão rapidamente quanto se reuniram. A expressão geralmente se aplica a reuniões organizadas através de e-mails ou meios de comunicação
  • 124.  Uma instalação é uma manifestação artística contemporânea composta por elementos organizados em um ambiente. Ela pode ter um caráter efêmero ou pode ser desmontada e recriada em outro local.  Uma instalação pode ser multimídia e provocar sensações: táteis, térmicas, odoríficas, auditivas, visuais entre outras.
  • 125. Cosmococa de Hélio Oiticica / Inhotim
  • 126. Qual a diferença entre Intervenção e Instalação? INSTALAÇÃO INTERVENÇÃO  É uma forma de expressão da arte contemporânea, geralmente é produzida para algum espaço próprio (exposição em algum museu, pinacoteca, bienal, etc.), com diversos materiais alternativos pensados e impensados como possibilidade de criação artística. *** Mas, quando é produzido em algum outro espaço onde as pessoas não esperam encontrar um trabalho artístico (praças, nas ruas, em postes, em prédios, agências bancárias, lojas,  Conceito da arte que sai do seu espaço próprio e vai de encontro ao público, como pinturas em grafite nas paredes de muros e prédios, esculturas de gelo em escadarias de prédios públicos, apresentação de música em um outro tipo de ambiente como uma loja de roupas, numa praça pública, ou uma performance de dança no farol, ou uma escultura viva no calçadão, são modalidades de intervenção.
  • 127.
  • 128. Arte naïf Henri Rousseau (1844-1910)  Arte naïf (do francês, arte ingênua) é o estilo a que pertence à pintura de artistas sem formação acadêmica sistemática. Trata-se de um tipo de expressão que não se enquadra nos moldes acadêmicos, nem nas tendências modernistas, nem tampouco no conceito de arte popular.  Contudo, apesar do direcionamento estético definido, esse desafio à norma acadêmica não foi intencional, muito menos comercial. Portanto, é impossível enquadrar as criações naïf como sendo de natureza modernista ou popular.  Francês, tornou-se um artista em tempo integral aos 49 anos, depois de se aposentar.  Era autodidata e tornou- se um artista naïf. Sua técnica amadora e composições inusitadas provocaram os críticos contemporâneos, ao ganhar o respeito e a admiração de artistas modernos como Pablo Picasso e Kandinsky por
  • 129.
  • 130.
  • 131. Artistas e meio ambiente
  • 132. Eduardo Srur  O. artista chama á atenção do público para temas ambientais
  • 133. Frans krajcberg (1921-2017)  Utiliza suas obras para promover a defesa da natureza, denunciar a degradação ambiental e despertar a consciência da sociedade.  Nascido na Polônia e naturalizado brasileiro, escultor,fotógrafo e pintor, expressa em suas obras indignação diante das queimadas e dos desmatamentos.  Viajou pelo país fotografando áreas desmatadas, principalmente na Amazônia, recolheu resíduos, troncos,cipós,raízes,etc.  Em 2003 foi inaugurado o Instituto Frans Krajcberg de Arte e Meio Ambiente.
  • 134. “Minha obra é um manifesto, Não escrevo, não sou político, Devo encontrar a mensagem certa, O fogo é a morte, o abismo, O Fogo me acompanha desde sempre.” Frans krajcberg
  • 135.
  • 136. Ha Schult (1939-), artista alemão o problema do lixo eletrônico.
  • 139. Duane Hanson (1925-1996)  O Híper´-realismo foi uma tendência da pintura e da escultura iniciada da década de 1960, nos EUA.  É a retomada do realismo na arte contemporânea, em opsição ao Minimalismo e á arte abstrata.  Esse realismo abordou a vida das grandes cidades e resgatou uma tradição figurativa nos EUA interrompida pelo Expressionismo abstrato.  As pinturas hiper-realista abordaram cenas banais, atitudes corriqueiras, ruas, Senhora no supermercado 1970
  • 140.
  • 141. Ron Mueck Na escultura contemporânea o grande artista do momento é Ron Mueck e suas esculturas hiper- realistas.  Ele utiliza, fibra de vidro, silicone e acrílico para produzir cada detalhe.  As cores e as proporções são perfeitas, mas as mais surpreendentes são as esculturas gigantes.
  • 142.
  • 143. Guerrilla Girls  É um grupo de artistas feministas anônimas cujo o objetivo é combater o sexismo e o machismo no mundo da arte.  O grupo foi formado em Nova York em 1985, tendo a missão de trazer a público a desigualdade de gênero e raça dentro da comunidade artística.  O grupo emprega seu ativismo na forma de pôsteres, livros, outdoors e aparições públicas para expor discriminação e corrupção.  Permanecem anônimas, os membros do grupo vestem máscaras e utilizam pseudônimos que se referem a mulheres artistas falecidas.  As identidades são mantidas em segredo porque os problemas importam mais que identidades: "No geral, queríamos que o foco estivesse nos problemas, não nas nossas personalidades ou nos nossos próprios trabalhos."