SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Baixar para ler offline
Adversidades Climáticas
Geradoras de Eventos de
Inundação
Camila Cossetin Ferreira
camila.ferreira@crs.inpe.br
• Circulação Geral da Atmosfera
• Massas de Ar que Afetam a América do Sul
• Sistemas Meteorológicos que Causam Precipitação:
• Sistemas Frontais
• Sistemas Convectivos de Mesoescala
• Zona de Convergência do Atlântico Sul
• Zona de Convergência Intertropical
• Distribuição da Precipitação na AS
• Influência do ENOS na Precipitação
Introdução
Classificação da circulação atmosférica:
• Circulação primária: circulação global
• Circulação secundária: sistemas migratórios de alta e baixa pressão
• Circulação terciária: sistemas locais
Circulação Global Idealizada
Circulação Global Idealizada
• Movimento da atmosfera distribuição de pressão atmosférica
• Distribuição de pressão atmosférica balanço de energia
• A energia que entra na Terra é proveniente do
sol, na forma de radiação.
• A radiação recebida nas regiões tropicais é maior
que a recebida nas regiões polares.
• Este desequilíbrio de calor latitudinal causa
diferenças de pressão e é o que dirige a
circulação da atmosfera e dos oceanos.
• Se não existissem trocas de calor entre a região tropical e a polar,
os trópicos ficariam cada vez mais quentes e os pólos cada vez
mais frios.
• 60% do calor é redistribuído pela circulação atmosférica (calor
sensível e calor latente) e 40% pelas correntes oceânicas.
The Atmosphere, 8th edition, Lutgens and Tarbuck, 8th edition, 2001.
George Hadley, 1735: circulação gerada pelo aquecimento desigual da Terra
• sem rotação
• sem obliqüidade eclíptica
• com superfície uniforme
Circulação Global Idealizada
Circulação Global Idealizada
• efeito de rotação da terra força de Coriolis
• sem obliqüidade eclíptica
• com superfície uniforme
Note que neste modelo os ventos tem a
componente zonal maior que a
componente meridional
Existem três razões principais para isto:
• A superfície da Terra não é uniforme, há aquecimento desigual devido
aos contrastes terra/água.
• Os fluxos de vento podem tornar-se instáveis e gerar eddies.
• O sol não fica sobre o Equador, mas se move de 23,5°N para 23,5°S,
ao longo do ano.
Circulação Global Idealizada
(a) Ventos idealizados gerados pelo gradiente de pressão e força de Coriolis.
(b) Padrão de ventos atual considerando a distribuição continental.
Circulação Global Idealizada
• A distribuição global da precipitação está muito ligada à Circulação Geral da
Atmosfera e a distribuição das cadeias de montanhas e planaltos.
• A chuva na região equatorial está ligada à ZCIT.
• As regiões com pouca precipitação nas latitudes subtropicais
estão localizadas no ramo descendente da Célula de Hadley.
• Nas regiões de latitudes médias, a precipitação está associada às
frentes frias e aos ciclones extratropicais.
• A frente polar é uma faixa muito propícia ao desenvolvimento de vórtices
ciclônicos, particularmente em áreas oceânicas.
Circulação Global Idealizada
Circulação Global Idealizada
Células de circulação longitudinais:
• Na região tropical, além da circulação meridional decorrente
da atividade das células de Hadley, existe uma circulação zonal
em larga escala, devida às Células de Walker.
• Ocorre devido ao aquecimento diferencial entre o oceano e o
continente (calor específico).
Circulação Global Idealizada
Souza et al., 2006TSM MODIS - Média Semanal
Circulação Global Idealizada
Raio: 54Km
Profundidade: 150m
Anomalia de Sal: 1,37x1012Kg
Conteúdo de Calor: 1,78x1019cal
Souza et al., 2006
TSM MODIS - Média Semanal
Circulação Global Idealizada
Efeitos do oceano sobre a atmosfera:
• O aquecimento ou resfriamento direto das camadas mais baixas da
atmosfera.
• A adição de vapor d’água à atmosfera pela evaporação da superfície
oceânica.
Efeitos da atmosfera sobre o oceano:
• Transferir energia cinética através do vento.
• Altera o fluxo de radiação à superfície do mar, nebulosidade e
aerossóis.
• Alterando a taxa de evaporação.
Pezzi, et al., 2005
Massas de ar
DEFINIÇÃO: cobrem milhares de quilômetros da superfície;
apresentam uma distribuição horizontal de T e U
uniforme;
gradientes de T e U variam pouco com as coordenadas
horizontais.
REGIÕES FONTE: a condição ideal para a formação de uma massa de ar é a
estagnação do ar sobre uma superfície;
áreas de alta pressão são boas regiões fonte, pois
asseguram a divergência a superfície e ventos fracos;
quanto mais prolongado o contato com a superfície, mais
espessa a camada de ar atingida por sua influência.
O deslocamento das massas é provocado pela diferença de pressão e temperatura
entre as diversas áreas da superfície. Portanto, as massas de ar estão geralmente
associadas aos sistemas de baixa e alta pressão.
REGIÕES FONTE:
Massas de ar
TROPICAL zonas dos ventos alísios dos dois
hemisférios, região ocupada principalmente por
oceanos, T e U elevadas;
LATITUDES MÉDIAS região dos ventos de oeste, onde
as massas de ar são menos homogêneas do que as
demais;
POLARES região Ártica (HN) e Antártica (HS). Esta
massa é caracterizada por temperaturas muito baixas.
Massas de ar
CLASSIFICAÇÃO: características térmicas: tropical (T) ou polar (P)
características de umidade: continentais (C) e marítimas (M)
quentes ou frias
ContinuaSt, ScEstávelQuente
AguaceiroCu, CbInstávelFria
Caráter da
chuva
Gêneros de
nuvens
Condição de
equilíbrio
Massa de ar
Cu: Cúmulo, Cb: Cumulonimbus, St: Estrato, Sc: Estratocúmulo
Massas de ar atuantes na AS
i. Massa de ar Equatorial Continental (no noroeste da Amazônia);
ii. Massa de ar Tropical Continental (na região do Chaco);
iii. Massas de ar Tropical Marítima (associadas aos Anticiclones
Subtropicais do Atlântico Norte, do Atlântico Sul e do Pacífico Sul);
iv. Massa de ar Polar Continental (sobre o continente Antártico);
v. Massa de ar Polar Marítima (na Patagônia, no sul da Argentina).
Vianello e Alves, 1991
Massas de ar atuantes na AS
Sistemas meteorológicos que causam precipitação:
Sistemas meteorológicos atuantes na AS
Influências na circulação regional:
Oceanos Pacífico e Atlântico
Cordilheira dos Andes
Floresta Amazônica
Sistemas Frontais
Sistemas Convectivos de Mesoescala
Zona de Convergência do Atlântico Sul
Zona de Convergência Intertropical
Alta da Bolívia
Zona de Convergência do Pacífico Sul
Sistemas frontais
Um sistema frontal clássico é composto por uma frente fria, uma frente quente e
um centro de baixa pressão em superfície, denominado ciclone.
Evolução de um ciclone extratropical
1, 2 e 3 Estágio de onda, sistema nebuloso com forma arredondada.
4 Estagio de oclusão, sistema nebuloso com forma de vírgula invertida.
5 Estágio de maturação, eliminação do ar quente da superfície.
Hemisfério
Norte
Sistemas frontais
Na América do Sul: são responsáveis por grande parte da precipitação no norte
da Argentina, Uruguai, Paraguai, regiões sul, sudoeste e
oeste central do Brasil, Bolívia e sul do Peru
durante a primavera e verão organizam-se com a
convecção tropical causando intensa atividade convectiva
sobre a Argentina, Brasil, Bolívia e leste do Peru
sua atividade convectiva é muito baixa nos meses de
inverno, especialmente em junho e julho
são mais freqüentes na faixa latitudinal sul entre 35°e 40°S
(cerca de 9 por mês) e menos freqüente ao norte de 20°S
(cerca de 2 por mês)
Sistemas frontais
Sistemas convectivos de mesoescala
Se formam no Paraguai, norte da Argentina, Uruguai, e sul do Brasil especialmente no
período de novembro a abril.
Esses sistemas se movem na direção leste da sua região fonte.
O jato de baixos níveis provê o transporte de umidade necessária para a formação das
nuvens e precipitação.
Em geral, estes sistemas são continentais e noturnos.
Os SCM de latitudes médias começam a se formar no final do dia e atingem seu máximo
desenvolvimento durante a madrugada, se dissipando no final da manhã seguinte.
Nas latitudes mais baixas, os SCMs têm praticamente o mesmo comportamento, mas seu
ciclo de vida tem início mais tardio e a preferência para a sua formação é na região boliviana
e colombiana, praticamente durante o ano todo.
Maddox 1980; Nesbit et al., 2006
Velasco e Fritsch 1987; Satyamurty et al. 1998
Anabor, 2008
O momento em que estas primeiras tempestades
aparecem tem grande variação, mas ocorrem com
maior freqüência próximo das 00UTC.
Sistemas convectivos de mesoescala
A ZCAS é caracterizada por uma banda de nebulosidade convectiva, que nos
meses de primavera e verão, se estende da região Amazônica até o Atlântico
subtropical (NW/SE).
Tem duração que varia de 3 a 10 dias.
Esta nebulosidade é resultado da interação da convecção tropical com sistemas
extratropicais, como as zonas frontais.
Está associada à intensa atividade convectiva da região Amazônica, formando-se
ao longo de jatos subtropicais em altos níveis.
Os mecanismos que originam e mantém a ZCAS não estão ainda totalmente
definidos, porém, estudos observacionais e numéricos indicam que esse sistema
sofre influências tanto de fatores remotos quanto locais.
Zona de Convergência do Atlântico Sul
Kodama, 1992 e 1993 ; Rocha e Gandu, 1996
Quadro, 1994
Zona de Convergência Intertropical
É a zona de confluência dos alísios de nordeste com os de sudeste.
Atua durante todo o ano oscilando na faixa equatorial, sua posição média é
5°N (14°N em agosto e setembro e 2 °S em março e abril).
A ZCIT tem uma influência primordial no clima de várias regiões nos trópicos.
A variação na posição da ZCIT pode resultar em períodos de estiagem ou
de chuvas intensas sobre o sertão nordestino, durante a estação chuvosa.
Kousky, 1985
Zona de Convergência Intertropical
Distribuição da precipitação na AS
A AMÉRICA DO SUL se estende meridionalmente de 10°N a 60°S,
apresentando características de tempo e clima tropical, subtropical
e extratropical.
Precipitação anual:
Amazônia leste 1500 mm/ano
oeste e nordeste 3500 mm/ano
central 2800 mm/ano
Colômbia oeste 5000 mm/ano (pequena região)
Peru leste e regiões a leste das montanhas
andinas 3000 mm/ano
Figueroa e Nobre, 1990
Região Norte o maior total pluviométrico anual
noroeste da Amazônia, associada à ZCIT
parte central e parte leste da bacia Amazônica, devido as linhas
de instabilidade que se formam ao longo da costa
Quadro et al., 1996; Kousky 1979, 1980
Oliveira, 1986; Custódio e Herdies, 1994
Matsumoto et al., 1982
Região Nordeste apresenta regimes de precipitação muito variados e complexos
Região Sul possui distribuição anual de precipitação bastante uniforme
os SF são responsáveis por grande parte dos totais
pluviométricos
SCM e os vórtices ciclônicos de ar frio, que se formam na
retaguarda de algumas frentes frias, também são responsáveis
por precipitação intensa
Precipitação anual no Brasil:
Distribuição da precipitação na AS
Precipitação anual no Brasil:
transição entre os climas quentes de latitudes baixas e os climas
temperados de latitudes médias
ZCAS é um dos principais fenômenos que influenciam o regime
de precipitação
Região Sudeste
e Centro Oeste
Nimer, 1979
Quadro e Abreu, 1994
Distribuição da precipitação na AS
Influência do ENOS na precipitação
Ropelewski e Halpert (1987), em seu estudo para verificar a relação entre o ENOS e o
padrão de precipitação, notaram considerável relação entre os eventos ENOS e o padrão
de precipitação no Oceano Pacífico, Austrália, África do Sul, América Central e
América do Sul.
O continente sul-americano é o que possui uma melhor correlação entre esses
padrões, sendo que a correlação é mais forte nas regiões nordeste e sul do Brasil.
Durante os eventos ENOS tem sido identificadas chuvas deficientes em vastas áreas,
como o nordeste do Brasil e a Amazônia bem como excesso de chuva no sul do Brasil e
parte da costa do Peru e Equador.
Influência do ENOS na precipitação
No Chile central observa-se abundante precipitação no inverno durante a
ocorrência de episódios de El Niño, e seca, durante eventos de La Niña.
No Uruguai os anos de ocorrência de El Niño apresentam precipitação maior do
que o normal nos meses de novembro a janeiro. Anos de La Niña apresentam
precipitação abaixo do normal nos meses de outubro a dezembro.
O período de março a julho tem precipitação acima da normal em anos
subseqüentes aos de ocorrência de El Niño e precipitação abaixo da normal em
anos subseqüentes com alto IOS.
Kousky et al, 1984; Oort e Yienger, 1996; Obregon e Nobre,1990; Marengo, 1992;
Matsuyama et al, 2000; Obregón P., 2003; Satyamurty et al. 1998
Influência do ENOS na precipitação
Sistemas Frontais:
Durante o El Niño de 1990 a 1994 os sistemas frontais tiveram comportamento
anômalo, sendo que a maioria deles não se deslocou de sul para norte e foi
intensificado na região Sul, o que causou enchentes em algumas cidades.
A ocorrência de frentes frias na faixa latitudinal de 20ºS e 40ºS foi maior em anos
de El Niño (1997) do que no ano de La Niña (1996) quando estes fenômenos
estavam em suas fases mais ativas.
Para os dois anos analisados as frentes frias foram observadas mais ao sul da AS,
mas em anos de El Niño, as frentes tiveram maior freqüência sobre o Rio Grande do
Sul e Uruguai.
Em anos de El Niño, o jato subtropical se intensifica, devido ao aumento do
gradiente de temperatura norte-sul, bloqueando o avanço das frentes para as
latitudes mais baixas.
Cavalcanti 1996
Fedorova e Carvalho, 2000
Influência do ENOS na precipitação
Sistemas Convectivos de Mesoescala:
O número de SCM na região norte da Argentina e Paraguai em um ano de El
Niño é mais que o dobro do número observado em um ano normal, o que causa
o aumento da precipitação no Sul do Brasil.
Este fato está ligado a maior intensidade do jato subtropical em anos de El
Niño.
Satyamurty et al. 1998
Velasco e Fritsch (1987)
Influência do ENOS na precipitação
Zona de Convergência do Atlântico Sul:
Em anos de El Niño a ZCAS tende a se formar fora de sua região preferencial
ou a ter sua atividade convectiva inibida.
A evolução ou intensificação das tempestades convectivas é resultado da ação
dos processos de escala sinótica. Já o início do seu desenvolvimento parece estar
mais relacionado aos processos de mesoescala.
Em suma, a formação de um ambiente favorável ao desenvolvimento de um
sistema que gere chuvas intensas depende principalmente dos processos de escala
sinótica que contribuem para desestabilizar o ambiente local, e de processos de
menor escala, que fornecem as condições para o levantamento inicial.
Tempestades Intensas
Rockwood e Maddox, 1988
Um sistema de tempo que produz intensa precipitação, sempre esta relacionado a
atividade convectiva e é o resultado da interação de mecanismos físicos de
diferentes escalas.
Zipser et al. (2006) utilizando seis anos de dados do satélite TRMM, mapeou os
casos de convecção severa mais extremos no globo, enfatizando o sul da América
do Sul como a área com as tempestades mais intensas na Terra.
Se o sistema é de escala subsinótica e desloca-se rapidamente, a precipitação
associada geralmente ocorre em grande intensidade e pode ocasionar as chamadas
enchentes urbanas. Neste tipo de enchente, há um rápido crescimento do nível das
águas pouco tempo após a ocorrência de precipitação. A gravidade das
conseqüências depende principalmente da atuação do sistema de drenagem local.
Quando o sistema sinótico desloca-se mais lentamente, a precipitação associada
geralmente não é muito intensa, porém contínua durante um período de tempo
relativamente grande (até vários dias), embora possam ocorrer eventuais pancadas
de chuvas. Neste caso, quando as características físicas (topográficas) da região
permitirem, pode haver extravasamento da calha dos rios e, como conseqüência, a
inundação de grandes áreas. O retorno dos rios aos seus níveis normais ira
depender de vários fatores físicos da bacia hidrográfica, tais como o tempo e
velocidade do escoamento das águas.
De acordo com o sistema sinótico presente na área atingida, as enchentes podem ter
características diferentes.
Maddox e Chappel, 1978
Tempestades Intensas
O impacto de uma tempestade com chuvas intensas depende muito da densidade
da população e do desenvolvimento da região atingida.
As chuvas intensas interagem com as características hidrológicas e orográficas
locais, determinando a ordem de grandeza dos prejuízos.
Se a área afetada é isolada, os prejuízos podem ser pequenos. Entretanto, se a
área atingida é desenvolvida e densamente povoada, os efeitos podem ser
trágicos.
Tempestades Intensas
Muito Obrigada!
camila.ferreira@crs.inpe.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticos
Carolina Corrêa
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
Roberta Sumar
 
Climatologia: fatores e elementos do clima
Climatologia: fatores e elementos do climaClimatologia: fatores e elementos do clima
Climatologia: fatores e elementos do clima
Ivanilson Lima
 
Dinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricaDinâmica atmosférica
Dinâmica atmosférica
dianalove15
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
elsaki72
 

Mais procurados (20)

Aula3
Aula3Aula3
Aula3
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticos
 
Prof Demétrio Melo - TD 2ª Série E.M. - Brasil: Climas
Prof Demétrio Melo - TD 2ª Série E.M. - Brasil: ClimasProf Demétrio Melo - TD 2ª Série E.M. - Brasil: Climas
Prof Demétrio Melo - TD 2ª Série E.M. - Brasil: Climas
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7Climatologia – aula 7
Climatologia – aula 7
 
Climatologia: fatores e elementos do clima
Climatologia: fatores e elementos do climaClimatologia: fatores e elementos do clima
Climatologia: fatores e elementos do clima
 
Dinâmica atmosférica
Dinâmica atmosféricaDinâmica atmosférica
Dinâmica atmosférica
 
1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima
 
Aula introdução a climatologia 2
Aula   introdução a climatologia 2Aula   introdução a climatologia 2
Aula introdução a climatologia 2
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
A atmosfera e sua dinamica o tempo nap
A atmosfera e sua dinamica o tempo napA atmosfera e sua dinamica o tempo nap
A atmosfera e sua dinamica o tempo nap
 
Clima e estados de tempo em Portugal.1
Clima e estados de tempo em Portugal.1Clima e estados de tempo em Portugal.1
Clima e estados de tempo em Portugal.1
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
Geografia a dinamica do clima
Geografia   a dinamica do climaGeografia   a dinamica do clima
Geografia a dinamica do clima
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 
Climatologia - Aula 2
Climatologia  - Aula 2Climatologia  - Aula 2
Climatologia - Aula 2
 
Dinâmica climática
Dinâmica climáticaDinâmica climática
Dinâmica climática
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
 

Destaque

Pengaruh partikel pencemar asap kebakaran hutan, lahan dan gambut dalam atmos...
Pengaruh partikel pencemar asap kebakaran hutan, lahan dan gambut dalam atmos...Pengaruh partikel pencemar asap kebakaran hutan, lahan dan gambut dalam atmos...
Pengaruh partikel pencemar asap kebakaran hutan, lahan dan gambut dalam atmos...
helmut simamora
 
Nan Wang's Job Description
Nan Wang's Job DescriptionNan Wang's Job Description
Nan Wang's Job Description
Lisa Wang
 
Belajar tentang hubungan tekanan udara, kelembaban udara, level ketinggian, k...
Belajar tentang hubungan tekanan udara, kelembaban udara, level ketinggian, k...Belajar tentang hubungan tekanan udara, kelembaban udara, level ketinggian, k...
Belajar tentang hubungan tekanan udara, kelembaban udara, level ketinggian, k...
helmut simamora
 

Destaque (17)

Video delivery in WebRTC – VP8, VP9 and beyond
Video delivery in WebRTC – VP8, VP9 and beyondVideo delivery in WebRTC – VP8, VP9 and beyond
Video delivery in WebRTC – VP8, VP9 and beyond
 
Abdullah _CV
Abdullah _CVAbdullah _CV
Abdullah _CV
 
09 ชนิดข้อมูล
09 ชนิดข้อมูล09 ชนิดข้อมูล
09 ชนิดข้อมูล
 
Mi a batut la usa primavara
Mi a batut la usa primavaraMi a batut la usa primavara
Mi a batut la usa primavara
 
SALEEMAH GTA RESUME 2015
SALEEMAH GTA RESUME 2015SALEEMAH GTA RESUME 2015
SALEEMAH GTA RESUME 2015
 
Unit 5 - Columbus ppt.
Unit 5 - Columbus ppt.Unit 5 - Columbus ppt.
Unit 5 - Columbus ppt.
 
Sol
SolSol
Sol
 
Slidetip
SlidetipSlidetip
Slidetip
 
Angry eye
Angry eyeAngry eye
Angry eye
 
Peliculas por putlocker aqui
Peliculas por putlocker aquiPeliculas por putlocker aqui
Peliculas por putlocker aqui
 
Las flores taller en clase
Las flores taller en claseLas flores taller en clase
Las flores taller en clase
 
Formato condicional
Formato condicionalFormato condicional
Formato condicional
 
функции тьютора
функции тьюторафункции тьютора
функции тьютора
 
Pengaruh partikel pencemar asap kebakaran hutan, lahan dan gambut dalam atmos...
Pengaruh partikel pencemar asap kebakaran hutan, lahan dan gambut dalam atmos...Pengaruh partikel pencemar asap kebakaran hutan, lahan dan gambut dalam atmos...
Pengaruh partikel pencemar asap kebakaran hutan, lahan dan gambut dalam atmos...
 
WebRTC A diamond in the rough
WebRTC A diamond in the roughWebRTC A diamond in the rough
WebRTC A diamond in the rough
 
Nan Wang's Job Description
Nan Wang's Job DescriptionNan Wang's Job Description
Nan Wang's Job Description
 
Belajar tentang hubungan tekanan udara, kelembaban udara, level ketinggian, k...
Belajar tentang hubungan tekanan udara, kelembaban udara, level ketinggian, k...Belajar tentang hubungan tekanan udara, kelembaban udara, level ketinggian, k...
Belajar tentang hubungan tekanan udara, kelembaban udara, level ketinggian, k...
 

Semelhante a Adversidades climáticas geradoras de eventos de inundação

Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
Luciano Pessanha
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Carson Souza
 
3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt
SarahAlves89
 
Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2
Google
 

Semelhante a Adversidades climáticas geradoras de eventos de inundação (20)

Climatologia (Parte 2)
Climatologia (Parte 2)Climatologia (Parte 2)
Climatologia (Parte 2)
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
A Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em PortugalA Especificidade do Clima em Portugal
A Especificidade do Clima em Portugal
 
O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.
 
Clima Brasileiro
Clima BrasileiroClima Brasileiro
Clima Brasileiro
 
Zona de Convergência do Atlântico Sul
Zona de Convergência do Atlântico SulZona de Convergência do Atlântico Sul
Zona de Convergência do Atlântico Sul
 
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.pptEM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
EM-1ª-SERIE-Aula-de-GEOGRAFIA-A-Atmosfera-e-sua-Dinamica-07-05-2020.ppt
 
Tempo e clima blog+
Tempo e clima blog+Tempo e clima blog+
Tempo e clima blog+
 
CLIMATOLOGIA.ppt
CLIMATOLOGIA.pptCLIMATOLOGIA.ppt
CLIMATOLOGIA.ppt
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - Clima
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 
3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt3-clima-blog.ppt
3-clima-blog.ppt
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
 
CLIMA E TEMPO 8 ANO ENSINO FUNDAMENTAL II
CLIMA E TEMPO 8 ANO ENSINO FUNDAMENTAL IICLIMA E TEMPO 8 ANO ENSINO FUNDAMENTAL II
CLIMA E TEMPO 8 ANO ENSINO FUNDAMENTAL II
 
Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2
 
1 ano clima
1 ano clima1 ano clima
1 ano clima
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
Cliima
CliimaCliima
Cliima
 

Último (7)

CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
 
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfNormas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
 
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolinapgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
 
aula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdf
aula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdfaula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdf
aula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdf
 
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VFST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
 
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfPlanejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
 
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiroapostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
 

Adversidades climáticas geradoras de eventos de inundação

  • 1. Adversidades Climáticas Geradoras de Eventos de Inundação Camila Cossetin Ferreira camila.ferreira@crs.inpe.br
  • 2. • Circulação Geral da Atmosfera • Massas de Ar que Afetam a América do Sul • Sistemas Meteorológicos que Causam Precipitação: • Sistemas Frontais • Sistemas Convectivos de Mesoescala • Zona de Convergência do Atlântico Sul • Zona de Convergência Intertropical • Distribuição da Precipitação na AS • Influência do ENOS na Precipitação Introdução
  • 3. Classificação da circulação atmosférica: • Circulação primária: circulação global • Circulação secundária: sistemas migratórios de alta e baixa pressão • Circulação terciária: sistemas locais Circulação Global Idealizada
  • 4. Circulação Global Idealizada • Movimento da atmosfera distribuição de pressão atmosférica • Distribuição de pressão atmosférica balanço de energia • A energia que entra na Terra é proveniente do sol, na forma de radiação. • A radiação recebida nas regiões tropicais é maior que a recebida nas regiões polares. • Este desequilíbrio de calor latitudinal causa diferenças de pressão e é o que dirige a circulação da atmosfera e dos oceanos. • Se não existissem trocas de calor entre a região tropical e a polar, os trópicos ficariam cada vez mais quentes e os pólos cada vez mais frios. • 60% do calor é redistribuído pela circulação atmosférica (calor sensível e calor latente) e 40% pelas correntes oceânicas.
  • 5. The Atmosphere, 8th edition, Lutgens and Tarbuck, 8th edition, 2001. George Hadley, 1735: circulação gerada pelo aquecimento desigual da Terra • sem rotação • sem obliqüidade eclíptica • com superfície uniforme Circulação Global Idealizada
  • 6. Circulação Global Idealizada • efeito de rotação da terra força de Coriolis • sem obliqüidade eclíptica • com superfície uniforme Note que neste modelo os ventos tem a componente zonal maior que a componente meridional
  • 7. Existem três razões principais para isto: • A superfície da Terra não é uniforme, há aquecimento desigual devido aos contrastes terra/água. • Os fluxos de vento podem tornar-se instáveis e gerar eddies. • O sol não fica sobre o Equador, mas se move de 23,5°N para 23,5°S, ao longo do ano. Circulação Global Idealizada (a) Ventos idealizados gerados pelo gradiente de pressão e força de Coriolis. (b) Padrão de ventos atual considerando a distribuição continental.
  • 9. • A distribuição global da precipitação está muito ligada à Circulação Geral da Atmosfera e a distribuição das cadeias de montanhas e planaltos. • A chuva na região equatorial está ligada à ZCIT. • As regiões com pouca precipitação nas latitudes subtropicais estão localizadas no ramo descendente da Célula de Hadley. • Nas regiões de latitudes médias, a precipitação está associada às frentes frias e aos ciclones extratropicais. • A frente polar é uma faixa muito propícia ao desenvolvimento de vórtices ciclônicos, particularmente em áreas oceânicas. Circulação Global Idealizada
  • 10. Circulação Global Idealizada Células de circulação longitudinais: • Na região tropical, além da circulação meridional decorrente da atividade das células de Hadley, existe uma circulação zonal em larga escala, devida às Células de Walker. • Ocorre devido ao aquecimento diferencial entre o oceano e o continente (calor específico).
  • 11. Circulação Global Idealizada Souza et al., 2006TSM MODIS - Média Semanal
  • 12. Circulação Global Idealizada Raio: 54Km Profundidade: 150m Anomalia de Sal: 1,37x1012Kg Conteúdo de Calor: 1,78x1019cal Souza et al., 2006 TSM MODIS - Média Semanal
  • 13. Circulação Global Idealizada Efeitos do oceano sobre a atmosfera: • O aquecimento ou resfriamento direto das camadas mais baixas da atmosfera. • A adição de vapor d’água à atmosfera pela evaporação da superfície oceânica. Efeitos da atmosfera sobre o oceano: • Transferir energia cinética através do vento. • Altera o fluxo de radiação à superfície do mar, nebulosidade e aerossóis. • Alterando a taxa de evaporação. Pezzi, et al., 2005
  • 14. Massas de ar DEFINIÇÃO: cobrem milhares de quilômetros da superfície; apresentam uma distribuição horizontal de T e U uniforme; gradientes de T e U variam pouco com as coordenadas horizontais. REGIÕES FONTE: a condição ideal para a formação de uma massa de ar é a estagnação do ar sobre uma superfície; áreas de alta pressão são boas regiões fonte, pois asseguram a divergência a superfície e ventos fracos; quanto mais prolongado o contato com a superfície, mais espessa a camada de ar atingida por sua influência.
  • 15. O deslocamento das massas é provocado pela diferença de pressão e temperatura entre as diversas áreas da superfície. Portanto, as massas de ar estão geralmente associadas aos sistemas de baixa e alta pressão. REGIÕES FONTE: Massas de ar TROPICAL zonas dos ventos alísios dos dois hemisférios, região ocupada principalmente por oceanos, T e U elevadas; LATITUDES MÉDIAS região dos ventos de oeste, onde as massas de ar são menos homogêneas do que as demais; POLARES região Ártica (HN) e Antártica (HS). Esta massa é caracterizada por temperaturas muito baixas.
  • 16. Massas de ar CLASSIFICAÇÃO: características térmicas: tropical (T) ou polar (P) características de umidade: continentais (C) e marítimas (M) quentes ou frias ContinuaSt, ScEstávelQuente AguaceiroCu, CbInstávelFria Caráter da chuva Gêneros de nuvens Condição de equilíbrio Massa de ar Cu: Cúmulo, Cb: Cumulonimbus, St: Estrato, Sc: Estratocúmulo
  • 17. Massas de ar atuantes na AS i. Massa de ar Equatorial Continental (no noroeste da Amazônia); ii. Massa de ar Tropical Continental (na região do Chaco); iii. Massas de ar Tropical Marítima (associadas aos Anticiclones Subtropicais do Atlântico Norte, do Atlântico Sul e do Pacífico Sul); iv. Massa de ar Polar Continental (sobre o continente Antártico); v. Massa de ar Polar Marítima (na Patagônia, no sul da Argentina). Vianello e Alves, 1991
  • 18. Massas de ar atuantes na AS
  • 19. Sistemas meteorológicos que causam precipitação: Sistemas meteorológicos atuantes na AS Influências na circulação regional: Oceanos Pacífico e Atlântico Cordilheira dos Andes Floresta Amazônica Sistemas Frontais Sistemas Convectivos de Mesoescala Zona de Convergência do Atlântico Sul Zona de Convergência Intertropical Alta da Bolívia Zona de Convergência do Pacífico Sul
  • 20. Sistemas frontais Um sistema frontal clássico é composto por uma frente fria, uma frente quente e um centro de baixa pressão em superfície, denominado ciclone.
  • 21. Evolução de um ciclone extratropical 1, 2 e 3 Estágio de onda, sistema nebuloso com forma arredondada. 4 Estagio de oclusão, sistema nebuloso com forma de vírgula invertida. 5 Estágio de maturação, eliminação do ar quente da superfície. Hemisfério Norte Sistemas frontais
  • 22. Na América do Sul: são responsáveis por grande parte da precipitação no norte da Argentina, Uruguai, Paraguai, regiões sul, sudoeste e oeste central do Brasil, Bolívia e sul do Peru durante a primavera e verão organizam-se com a convecção tropical causando intensa atividade convectiva sobre a Argentina, Brasil, Bolívia e leste do Peru sua atividade convectiva é muito baixa nos meses de inverno, especialmente em junho e julho são mais freqüentes na faixa latitudinal sul entre 35°e 40°S (cerca de 9 por mês) e menos freqüente ao norte de 20°S (cerca de 2 por mês) Sistemas frontais
  • 23. Sistemas convectivos de mesoescala Se formam no Paraguai, norte da Argentina, Uruguai, e sul do Brasil especialmente no período de novembro a abril. Esses sistemas se movem na direção leste da sua região fonte. O jato de baixos níveis provê o transporte de umidade necessária para a formação das nuvens e precipitação. Em geral, estes sistemas são continentais e noturnos. Os SCM de latitudes médias começam a se formar no final do dia e atingem seu máximo desenvolvimento durante a madrugada, se dissipando no final da manhã seguinte. Nas latitudes mais baixas, os SCMs têm praticamente o mesmo comportamento, mas seu ciclo de vida tem início mais tardio e a preferência para a sua formação é na região boliviana e colombiana, praticamente durante o ano todo. Maddox 1980; Nesbit et al., 2006 Velasco e Fritsch 1987; Satyamurty et al. 1998
  • 24. Anabor, 2008 O momento em que estas primeiras tempestades aparecem tem grande variação, mas ocorrem com maior freqüência próximo das 00UTC. Sistemas convectivos de mesoescala
  • 25. A ZCAS é caracterizada por uma banda de nebulosidade convectiva, que nos meses de primavera e verão, se estende da região Amazônica até o Atlântico subtropical (NW/SE). Tem duração que varia de 3 a 10 dias. Esta nebulosidade é resultado da interação da convecção tropical com sistemas extratropicais, como as zonas frontais. Está associada à intensa atividade convectiva da região Amazônica, formando-se ao longo de jatos subtropicais em altos níveis. Os mecanismos que originam e mantém a ZCAS não estão ainda totalmente definidos, porém, estudos observacionais e numéricos indicam que esse sistema sofre influências tanto de fatores remotos quanto locais. Zona de Convergência do Atlântico Sul Kodama, 1992 e 1993 ; Rocha e Gandu, 1996 Quadro, 1994
  • 26. Zona de Convergência Intertropical É a zona de confluência dos alísios de nordeste com os de sudeste. Atua durante todo o ano oscilando na faixa equatorial, sua posição média é 5°N (14°N em agosto e setembro e 2 °S em março e abril). A ZCIT tem uma influência primordial no clima de várias regiões nos trópicos. A variação na posição da ZCIT pode resultar em períodos de estiagem ou de chuvas intensas sobre o sertão nordestino, durante a estação chuvosa. Kousky, 1985
  • 27. Zona de Convergência Intertropical
  • 28. Distribuição da precipitação na AS A AMÉRICA DO SUL se estende meridionalmente de 10°N a 60°S, apresentando características de tempo e clima tropical, subtropical e extratropical. Precipitação anual: Amazônia leste 1500 mm/ano oeste e nordeste 3500 mm/ano central 2800 mm/ano Colômbia oeste 5000 mm/ano (pequena região) Peru leste e regiões a leste das montanhas andinas 3000 mm/ano Figueroa e Nobre, 1990
  • 29. Região Norte o maior total pluviométrico anual noroeste da Amazônia, associada à ZCIT parte central e parte leste da bacia Amazônica, devido as linhas de instabilidade que se formam ao longo da costa Quadro et al., 1996; Kousky 1979, 1980 Oliveira, 1986; Custódio e Herdies, 1994 Matsumoto et al., 1982 Região Nordeste apresenta regimes de precipitação muito variados e complexos Região Sul possui distribuição anual de precipitação bastante uniforme os SF são responsáveis por grande parte dos totais pluviométricos SCM e os vórtices ciclônicos de ar frio, que se formam na retaguarda de algumas frentes frias, também são responsáveis por precipitação intensa Precipitação anual no Brasil: Distribuição da precipitação na AS
  • 30. Precipitação anual no Brasil: transição entre os climas quentes de latitudes baixas e os climas temperados de latitudes médias ZCAS é um dos principais fenômenos que influenciam o regime de precipitação Região Sudeste e Centro Oeste Nimer, 1979 Quadro e Abreu, 1994 Distribuição da precipitação na AS
  • 31. Influência do ENOS na precipitação
  • 32. Ropelewski e Halpert (1987), em seu estudo para verificar a relação entre o ENOS e o padrão de precipitação, notaram considerável relação entre os eventos ENOS e o padrão de precipitação no Oceano Pacífico, Austrália, África do Sul, América Central e América do Sul. O continente sul-americano é o que possui uma melhor correlação entre esses padrões, sendo que a correlação é mais forte nas regiões nordeste e sul do Brasil. Durante os eventos ENOS tem sido identificadas chuvas deficientes em vastas áreas, como o nordeste do Brasil e a Amazônia bem como excesso de chuva no sul do Brasil e parte da costa do Peru e Equador. Influência do ENOS na precipitação
  • 33. No Chile central observa-se abundante precipitação no inverno durante a ocorrência de episódios de El Niño, e seca, durante eventos de La Niña. No Uruguai os anos de ocorrência de El Niño apresentam precipitação maior do que o normal nos meses de novembro a janeiro. Anos de La Niña apresentam precipitação abaixo do normal nos meses de outubro a dezembro. O período de março a julho tem precipitação acima da normal em anos subseqüentes aos de ocorrência de El Niño e precipitação abaixo da normal em anos subseqüentes com alto IOS. Kousky et al, 1984; Oort e Yienger, 1996; Obregon e Nobre,1990; Marengo, 1992; Matsuyama et al, 2000; Obregón P., 2003; Satyamurty et al. 1998 Influência do ENOS na precipitação
  • 34. Sistemas Frontais: Durante o El Niño de 1990 a 1994 os sistemas frontais tiveram comportamento anômalo, sendo que a maioria deles não se deslocou de sul para norte e foi intensificado na região Sul, o que causou enchentes em algumas cidades. A ocorrência de frentes frias na faixa latitudinal de 20ºS e 40ºS foi maior em anos de El Niño (1997) do que no ano de La Niña (1996) quando estes fenômenos estavam em suas fases mais ativas. Para os dois anos analisados as frentes frias foram observadas mais ao sul da AS, mas em anos de El Niño, as frentes tiveram maior freqüência sobre o Rio Grande do Sul e Uruguai. Em anos de El Niño, o jato subtropical se intensifica, devido ao aumento do gradiente de temperatura norte-sul, bloqueando o avanço das frentes para as latitudes mais baixas. Cavalcanti 1996 Fedorova e Carvalho, 2000 Influência do ENOS na precipitação
  • 35. Sistemas Convectivos de Mesoescala: O número de SCM na região norte da Argentina e Paraguai em um ano de El Niño é mais que o dobro do número observado em um ano normal, o que causa o aumento da precipitação no Sul do Brasil. Este fato está ligado a maior intensidade do jato subtropical em anos de El Niño. Satyamurty et al. 1998 Velasco e Fritsch (1987) Influência do ENOS na precipitação Zona de Convergência do Atlântico Sul: Em anos de El Niño a ZCAS tende a se formar fora de sua região preferencial ou a ter sua atividade convectiva inibida.
  • 36. A evolução ou intensificação das tempestades convectivas é resultado da ação dos processos de escala sinótica. Já o início do seu desenvolvimento parece estar mais relacionado aos processos de mesoescala. Em suma, a formação de um ambiente favorável ao desenvolvimento de um sistema que gere chuvas intensas depende principalmente dos processos de escala sinótica que contribuem para desestabilizar o ambiente local, e de processos de menor escala, que fornecem as condições para o levantamento inicial. Tempestades Intensas Rockwood e Maddox, 1988 Um sistema de tempo que produz intensa precipitação, sempre esta relacionado a atividade convectiva e é o resultado da interação de mecanismos físicos de diferentes escalas. Zipser et al. (2006) utilizando seis anos de dados do satélite TRMM, mapeou os casos de convecção severa mais extremos no globo, enfatizando o sul da América do Sul como a área com as tempestades mais intensas na Terra.
  • 37. Se o sistema é de escala subsinótica e desloca-se rapidamente, a precipitação associada geralmente ocorre em grande intensidade e pode ocasionar as chamadas enchentes urbanas. Neste tipo de enchente, há um rápido crescimento do nível das águas pouco tempo após a ocorrência de precipitação. A gravidade das conseqüências depende principalmente da atuação do sistema de drenagem local. Quando o sistema sinótico desloca-se mais lentamente, a precipitação associada geralmente não é muito intensa, porém contínua durante um período de tempo relativamente grande (até vários dias), embora possam ocorrer eventuais pancadas de chuvas. Neste caso, quando as características físicas (topográficas) da região permitirem, pode haver extravasamento da calha dos rios e, como conseqüência, a inundação de grandes áreas. O retorno dos rios aos seus níveis normais ira depender de vários fatores físicos da bacia hidrográfica, tais como o tempo e velocidade do escoamento das águas. De acordo com o sistema sinótico presente na área atingida, as enchentes podem ter características diferentes. Maddox e Chappel, 1978 Tempestades Intensas
  • 38. O impacto de uma tempestade com chuvas intensas depende muito da densidade da população e do desenvolvimento da região atingida. As chuvas intensas interagem com as características hidrológicas e orográficas locais, determinando a ordem de grandeza dos prejuízos. Se a área afetada é isolada, os prejuízos podem ser pequenos. Entretanto, se a área atingida é desenvolvida e densamente povoada, os efeitos podem ser trágicos. Tempestades Intensas