SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Climatologia do BrasilClimatologia do Brasil
Classificação Climática Lysia
Bernardes
CLIMA
EQUATORIAL
Ocorre em grande parte da
Amazônia, é um clima quente e
úmido. As temperaturas médias
variam entre 25°C e 28°C, com baixa
amplitude térmica. As chuvas são
abundantes (mais de 2.500 mm/ano)
e bem distribuídas.
CLIMA TROPICAL
TÍPICO OU
CONTINENTAL
caracteriza-se por temperaturas
elevadas (de 18°C a 28°C ),
com amplitude térmica variando
entre 5°C a 7°C, e duas
estações bem definidas - verão
chuvoso e inverno seco.
Apresenta alto índice
pluviométrico (1.500 mm).
CLIMA TROPICAL
OCEÂNICO OU ÚMIDO
presente nas regiões litorâneas do
Sudeste e Nordeste. As
temperaturas são elevadas
durante o verão (podendo atingir
até 40°C) e amenas no inverno,
principalmente no Sudeste. No
Nordeste, a amplitude térmica é
menor, visto à proximidade do
Equador. Em função da umidade
trazida pelo oceano, as chuvas
são abundantes 1500 a
2000mm/ano. No Nordeste, essas
chuvas se concentram durante o
inverno e no Sudeste durante o
verão.
CLIMA
TROPICAL DE
ALTITUDE
apresenta-se em regiões serranas e
de planaltos, especialmente na
região Sudeste. Nesses locais há
baixa amplitude térmica, a
temperatura média oscila entre 16°C
e 22°C, e a quantidade chuvas é de
1.500 mm ao ano.
CLIMA
SUBTROPICA
L
acontece nas latitudes abaixo do
trópico de Capricórnio abrange o sul do
estado de São Paulo, a maior parte da
Região Sul e o extremo sul de Mato
Grosso do Sul. É influenciado pela
massa polar atlântica, que determina
temperatura média de 18°C e
amplitude térmica elevada (10°C). As
chuvas são pouco intensas, 1000 a
1200mm/ano , mas bem distribuídas
durante o ano. Apresenta estações do
ano bem marcadas.
CLIMA
SEMIARIDO
caracteriza-se pela escassez e
pela irregularidade de chuvas.
O índice de chuvas é inferior a
800 mm/ano, as temperaturas
médias em torno de 27º C e a
amplitude térmica por volta de
5º C. Ocorre no Sertão
nordestino.
Os Tipos de Chuva
CHUVA
OROGRÁFICA OU
DE RELEVO
Ocorre quando a massa de ar úmida é
impulsionada para uma altitude mais
elevada, onde a temperatura do ar é
relativamente baixa, determinando que
ocorra condensação do vapor de água,
formação de nuvens e precipitações.
CHUVAS
CONVECTIVA
S
são causadas, principalmente, pela
ascensão do ar e, dessa forma, do
vapor de água que ele contém. Ao
atingir camadas mais frias da
troposfera, o ar condensa o vapor
de água, formando nuvens e
precipitações.
CHUVAS
FRONTAIS
resultam do deslocamento
horizontal e do eventual choque
entre massas de ar que têm
diferentes características de
temperatura e pressão. O contato
entre elas forma uma faixa de
instabilidade, onde ocorrem as
precipitações.
Atuação das Massas de Ar no
Brasil
ATUAÇÃO NO
VERÃO
Durante o verão, quatro massas
vão compor a totalidade da
influência climática. Apenas a mTc
é completamente seca, as outras
massas de ar vêm de ambientes
úmidos (a floresta amazônica e os
oceanos). Em razão dessa
configuração, o verão no Brasil
acaba herdando as características
dessas massas: elevada umidade
e altas temperaturas, tornando o
clima quente e chuvoso durante
esse período
ATUAÇÃO NO
VERÃO
Durante o inverno, a massa Polar
atlântica (mPa) passa a exercer
maior influência sobre o espaço
brasileiro, restringindo a mEc à
Amazônia, embora a mEa
continue atuando no litoral
nordestino e a mTa no litoral
sudeste. Tal dinâmica deixa o
inverno mais frio, de forma que as
menores temperaturas são
registradas na região Sul e as
maiores ao norte, principalmente
em razão da proximidade com a
Linha do Equador
• Massa quente e instável originada na Amazônia Ocidental, que
atua sobre todas as regiões do país.
• Apesar de continental é uma massa úmida, em razão da
presença intensa evapotranspiração da massa vegetal da
Amazônia, região em que provoca chuvas abundantes e quase
diárias, principalmente no verão e no outono.
• No verão, avança para o interior do país provocando chuvas
convectivas
• É uma das principais responsáveis pela expansão do cultivo da
soja para o Centro – Oeste e Oeste da Região Nordeste.
Massa Equatorial Continental
(mEc)
• É quente, úmida e originária do Atlântico Norte (próximo à Ilha
de Açores).
• Atua nas regiões litorâneas do Norte do Nordeste,
principalmente no verão e na primavera, sendo também
formadoras dos ventos alísios de nordeste.
Massa Equatorial Atlântica
(mEa)
• Origina-se no Oceano Atlântico e atua na faixa
litorânea do Nordeste ao Sul do país.
• Quente e úmida, provoca as chuvas frontais de
inverno na região Nordeste a partir do seu encontro
com a Massa Polar Atlântica.
• As chuvas de relevo nos litorais sul e sudeste, a partir
do choque com a Serra do Mar.
• Também é formadora dos ventos alísios de sudeste.
Massa Tropical Atlântica (mTa)
• Forma-se no Oceano Atlântico sul (próximo à Patagônia), sendo
fria e úmida.
• Atua sobretudo no inverno no litoral nordestino (causa chuvas
frontais), nos estados sulinos (causa queda de temperatura e
geadas) .
• na Amazônia Ocidental (causa fenômeno da friagem, queda
brusca na temperatura).
Massa Polar Atlântica (mPa)
• Originada na Depressão do Chaco, é quente e seca e atua basicamente em sua
área de origem, causando longos períodos quentes e secos no sul da região
Centro-oeste e no interior das regiões Sul e Sudeste.
Massa Tropical Continental
(mTc)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil AulaLuciano Pessanha
 
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino MédioClima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino MédioArtur Lara
 
Aula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevo
Aula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevoAula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevo
Aula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevogeopedrote
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticosCarolina Corrêa
 
Dominio Mares e Morros
Dominio Mares e Morros Dominio Mares e Morros
Dominio Mares e Morros Laguat
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileirosricardohenri
 
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do BrasilDomínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do BrasilRogério Bartilotti
 
As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)
As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)
As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)Nefer19
 
Regiões Fitoecológicas do Maranhão (IBGE, 2012)
Regiões Fitoecológicas do Maranhão (IBGE, 2012)Regiões Fitoecológicas do Maranhão (IBGE, 2012)
Regiões Fitoecológicas do Maranhão (IBGE, 2012)Pedro Wallace
 
Aula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica ClimáticaAula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica ClimáticaGerson Coppes
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileirokarolpoa
 
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)elves0927
 

Mais procurados (20)

Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
 
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino MédioClima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
Clima Geral e Brasileiro para Ensino Médio
 
Vegetação do brasil
Vegetação do brasilVegetação do brasil
Vegetação do brasil
 
Aula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevo
Aula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevoAula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevo
Aula 4 a geomorfologia e as diferentes feições do relevo
 
Bioma: Cerrado
Bioma: CerradoBioma: Cerrado
Bioma: Cerrado
 
Relevo Brasileiro
 Relevo Brasileiro Relevo Brasileiro
Relevo Brasileiro
 
Bacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do BrasilBacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do Brasil
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticos
 
Dominio Mares e Morros
Dominio Mares e Morros Dominio Mares e Morros
Dominio Mares e Morros
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do BrasilDomínios Morfoclimáticos do Brasil
Domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)
As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)
As Bacias Hidrográficas - 6º Ano (2017)
 
Regiões Fitoecológicas do Maranhão (IBGE, 2012)
Regiões Fitoecológicas do Maranhão (IBGE, 2012)Regiões Fitoecológicas do Maranhão (IBGE, 2012)
Regiões Fitoecológicas do Maranhão (IBGE, 2012)
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 
Aula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica ClimáticaAula 6 - Dinâmica Climática
Aula 6 - Dinâmica Climática
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 
Aspectos naturais da América
Aspectos naturais da AméricaAspectos naturais da América
Aspectos naturais da América
 
Formas do relevo
Formas do relevoFormas do relevo
Formas do relevo
 
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
Biomas do brasil (Prof° Elves Alves)
 

Destaque (19)

Climatologia básica
Climatologia básicaClimatologia básica
Climatologia básica
 
Marco Regulatorio Ppt.
Marco Regulatorio Ppt.Marco Regulatorio Ppt.
Marco Regulatorio Ppt.
 
Clima urbano
Clima urbanoClima urbano
Clima urbano
 
Coordenadas
CoordenadasCoordenadas
Coordenadas
 
Cartografia
CartografiaCartografia
Cartografia
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biogeografia
 
Gráficos Enem
Gráficos EnemGráficos Enem
Gráficos Enem
 
Conferências internacionais sobre meio ambiente
Conferências internacionais sobre meio ambienteConferências internacionais sobre meio ambiente
Conferências internacionais sobre meio ambiente
 
Transposição do Rio São Francisco
Transposição do Rio São FranciscoTransposição do Rio São Francisco
Transposição do Rio São Francisco
 
Estrutura geológica e relevo brasileiro
Estrutura geológica e relevo brasileiroEstrutura geológica e relevo brasileiro
Estrutura geológica e relevo brasileiro
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
O solo: formação e tipos
O solo: formação e tiposO solo: formação e tipos
O solo: formação e tipos
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Tipos de Turismo
Tipos de TurismoTipos de Turismo
Tipos de Turismo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
 

Semelhante a Climatologia do Brasil: Principais tipos de clima e atuação das massas de ar

Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasilJonatas Carlos
 
dominios morfoclimaticos.ppt
dominios morfoclimaticos.pptdominios morfoclimaticos.ppt
dominios morfoclimaticos.pptssusercac3b51
 
O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.Dênis Almeida
 
Climatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do BrasilClimatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do BrasilProfMario De Mori
 
Fatores do clima e tipos de clima
Fatores do clima e tipos de climaFatores do clima e tipos de clima
Fatores do clima e tipos de climaKaroline Sena
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosferaaroudus
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilCarson Souza
 
Geografia Física Do Brasil E Mundial Parte 1
Geografia Física Do Brasil E Mundial   Parte 1Geografia Física Do Brasil E Mundial   Parte 1
Geografia Física Do Brasil E Mundial Parte 1ProfMario De Mori
 
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoChristie Freitas
 
Seminário clima
Seminário climaSeminário clima
Seminário climaLUIS ABREU
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Christie Freitas
 
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climaFatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climajulio2012souto
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarcaduisolada
 

Semelhante a Climatologia do Brasil: Principais tipos de clima e atuação das massas de ar (20)

Clima
ClimaClima
Clima
 
Clima Brasileiro
Clima BrasileiroClima Brasileiro
Clima Brasileiro
 
Tipos de clima
Tipos de clima  Tipos de clima
Tipos de clima
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
 
dominios morfoclimaticos.ppt
dominios morfoclimaticos.pptdominios morfoclimaticos.ppt
dominios morfoclimaticos.ppt
 
O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.
 
Climatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do BrasilClimatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
Climatologia E Biogeografia Geral E Do Brasil
 
Clima brasileiro
Clima brasileiroClima brasileiro
Clima brasileiro
 
Fatores do clima e tipos de clima
Fatores do clima e tipos de climaFatores do clima e tipos de clima
Fatores do clima e tipos de clima
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - Clima
 
Geografia Física Do Brasil E Mundial Parte 1
Geografia Física Do Brasil E Mundial   Parte 1Geografia Física Do Brasil E Mundial   Parte 1
Geografia Física Do Brasil E Mundial Parte 1
 
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
Seminário clima
Seminário climaSeminário clima
Seminário clima
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2
 
6º ano unidade 6
6º ano unidade 6 6º ano unidade 6
6º ano unidade 6
 
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climaFatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
 

Último

Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 

Último (20)

Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 

Climatologia do Brasil: Principais tipos de clima e atuação das massas de ar

  • 1. Climatologia do BrasilClimatologia do Brasil Classificação Climática Lysia Bernardes
  • 2. CLIMA EQUATORIAL Ocorre em grande parte da Amazônia, é um clima quente e úmido. As temperaturas médias variam entre 25°C e 28°C, com baixa amplitude térmica. As chuvas são abundantes (mais de 2.500 mm/ano) e bem distribuídas.
  • 3. CLIMA TROPICAL TÍPICO OU CONTINENTAL caracteriza-se por temperaturas elevadas (de 18°C a 28°C ), com amplitude térmica variando entre 5°C a 7°C, e duas estações bem definidas - verão chuvoso e inverno seco. Apresenta alto índice pluviométrico (1.500 mm).
  • 4. CLIMA TROPICAL OCEÂNICO OU ÚMIDO presente nas regiões litorâneas do Sudeste e Nordeste. As temperaturas são elevadas durante o verão (podendo atingir até 40°C) e amenas no inverno, principalmente no Sudeste. No Nordeste, a amplitude térmica é menor, visto à proximidade do Equador. Em função da umidade trazida pelo oceano, as chuvas são abundantes 1500 a 2000mm/ano. No Nordeste, essas chuvas se concentram durante o inverno e no Sudeste durante o verão.
  • 5. CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE apresenta-se em regiões serranas e de planaltos, especialmente na região Sudeste. Nesses locais há baixa amplitude térmica, a temperatura média oscila entre 16°C e 22°C, e a quantidade chuvas é de 1.500 mm ao ano.
  • 6. CLIMA SUBTROPICA L acontece nas latitudes abaixo do trópico de Capricórnio abrange o sul do estado de São Paulo, a maior parte da Região Sul e o extremo sul de Mato Grosso do Sul. É influenciado pela massa polar atlântica, que determina temperatura média de 18°C e amplitude térmica elevada (10°C). As chuvas são pouco intensas, 1000 a 1200mm/ano , mas bem distribuídas durante o ano. Apresenta estações do ano bem marcadas.
  • 7. CLIMA SEMIARIDO caracteriza-se pela escassez e pela irregularidade de chuvas. O índice de chuvas é inferior a 800 mm/ano, as temperaturas médias em torno de 27º C e a amplitude térmica por volta de 5º C. Ocorre no Sertão nordestino.
  • 8. Os Tipos de Chuva CHUVA OROGRÁFICA OU DE RELEVO Ocorre quando a massa de ar úmida é impulsionada para uma altitude mais elevada, onde a temperatura do ar é relativamente baixa, determinando que ocorra condensação do vapor de água, formação de nuvens e precipitações.
  • 9. CHUVAS CONVECTIVA S são causadas, principalmente, pela ascensão do ar e, dessa forma, do vapor de água que ele contém. Ao atingir camadas mais frias da troposfera, o ar condensa o vapor de água, formando nuvens e precipitações.
  • 10. CHUVAS FRONTAIS resultam do deslocamento horizontal e do eventual choque entre massas de ar que têm diferentes características de temperatura e pressão. O contato entre elas forma uma faixa de instabilidade, onde ocorrem as precipitações.
  • 11. Atuação das Massas de Ar no Brasil
  • 12. ATUAÇÃO NO VERÃO Durante o verão, quatro massas vão compor a totalidade da influência climática. Apenas a mTc é completamente seca, as outras massas de ar vêm de ambientes úmidos (a floresta amazônica e os oceanos). Em razão dessa configuração, o verão no Brasil acaba herdando as características dessas massas: elevada umidade e altas temperaturas, tornando o clima quente e chuvoso durante esse período
  • 13. ATUAÇÃO NO VERÃO Durante o inverno, a massa Polar atlântica (mPa) passa a exercer maior influência sobre o espaço brasileiro, restringindo a mEc à Amazônia, embora a mEa continue atuando no litoral nordestino e a mTa no litoral sudeste. Tal dinâmica deixa o inverno mais frio, de forma que as menores temperaturas são registradas na região Sul e as maiores ao norte, principalmente em razão da proximidade com a Linha do Equador
  • 14. • Massa quente e instável originada na Amazônia Ocidental, que atua sobre todas as regiões do país. • Apesar de continental é uma massa úmida, em razão da presença intensa evapotranspiração da massa vegetal da Amazônia, região em que provoca chuvas abundantes e quase diárias, principalmente no verão e no outono. • No verão, avança para o interior do país provocando chuvas convectivas • É uma das principais responsáveis pela expansão do cultivo da soja para o Centro – Oeste e Oeste da Região Nordeste. Massa Equatorial Continental (mEc)
  • 15.
  • 16. • É quente, úmida e originária do Atlântico Norte (próximo à Ilha de Açores). • Atua nas regiões litorâneas do Norte do Nordeste, principalmente no verão e na primavera, sendo também formadoras dos ventos alísios de nordeste. Massa Equatorial Atlântica (mEa)
  • 17. • Origina-se no Oceano Atlântico e atua na faixa litorânea do Nordeste ao Sul do país. • Quente e úmida, provoca as chuvas frontais de inverno na região Nordeste a partir do seu encontro com a Massa Polar Atlântica. • As chuvas de relevo nos litorais sul e sudeste, a partir do choque com a Serra do Mar. • Também é formadora dos ventos alísios de sudeste. Massa Tropical Atlântica (mTa)
  • 18. • Forma-se no Oceano Atlântico sul (próximo à Patagônia), sendo fria e úmida. • Atua sobretudo no inverno no litoral nordestino (causa chuvas frontais), nos estados sulinos (causa queda de temperatura e geadas) . • na Amazônia Ocidental (causa fenômeno da friagem, queda brusca na temperatura). Massa Polar Atlântica (mPa)
  • 19. • Originada na Depressão do Chaco, é quente e seca e atua basicamente em sua área de origem, causando longos períodos quentes e secos no sul da região Centro-oeste e no interior das regiões Sul e Sudeste. Massa Tropical Continental (mTc)