SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Fatores climáticos e características
do clima do Brasil
Função da atmosfera
O ar é o resultado de uma mistura complexa de
vários elementos que constituem a atmosfera da
Terra. Seus componentes variam de lugar para lugar
e de um dia para o outro, e sua importância está
relacionada com a proteção da Terra contra a ação
direta dos raios solares, com a manutenção da
temperatura, que permite a vida, e ainda com o
fornecimento do gás carbônico para a fotossíntese e
do oxigênio para a respiração.
Camadas da atmosfera
Elementos Climáticos/ Temperatura
Temperatura: É a intensidade de calor existente
na atmosfera. Os raios solares atravessam a camada
da atmosfera sem aquecê-la e atingem as terras e as
águas da superfície do planeta. Só depois de
aquecidas, as terras e as águas irradiam o calor para
atmosfera.
Zonas Climáticas do Mundo
Elementos Climáticos/ Umidade do Ar
Essa umidade presente no ar é decorrente de uma
das fases do ciclo hidrológico , o processo de
evaporação da água. O vapor de água sobe para a
atmosfera e se acumula em forma de nuvens, mas
uma parte passa a compor o ar que circula na
atmosfera.
Porém, o ar, assim como qualquer outra substância,
possui um limite até o qual ele absorve a água (ponto
de saturação). Abaixo do ponto de saturação, há o
ponto de orvalho (quando a umidade se acumula sob
a forma de pequenas gotas ou neblina) e, acima dele,
a água se precipita na forma de chuva.
Pressão Atmosférica
Pressão atmosférico: É a medida da força exercida
pelo peso do ar contra uma área. Quanto maior a
temperatura, maior a movimentação das moléculas e
mais elas se distanciam umas das outras; como resultado,
menor é o número de moléculas em cada metros cúbicos
de ar e menor se torna seu peso; portanto, menor a
pressão exercida sobre uma superfície. Inversamente,
quanto menor a temperatura, maior o número de
moléculas por metros cúbicos de ar; tem-se, então, maior
peso e maior pressão atmosférica.
Pressão Atmosférica
Fatores Climáticos
Latitude: de forma geral, quanto maior a latitude,
ou seja, quanto mais nos afastamos da Equador em
direção aos polos, menos são as temperaturas
médias anuais.
 Isso ocorre por que a terra é esférica, a superfície terrestre é
iluminada por raios solares que a atingem com diferentes
inclinações – nos locais próximo ao Equador, a inclinação é
menor e os raios incidem diretamente sobre uma faixa menor,
em contrapartida, conforme aumenta a latitude, maior se torna
a inclinação com que os raios solares incidem sobre o mesmo
local, atingindo uma área maior.
Fatores Climáticos
Altitude: Quanto maior a altitude, menor a temperatura
média do ar. No alto de uma montanha a temperatura é
menor e do que a verificada no nível do mar no mesmo
instante e na mesma latitude. Quanto maior a altitude,
mais rarefeito se torna o ar, ou seja, há menor
concentração de gases e de umidade, o que diminui a
retenção de calor nas camadas mais elevadas da
atmosfera e, em consequência, a temperatura. Além
disso, nas maiores altitudes, a área de superfície que
recebe e irradia calor é menor.
Fatores Climáticos
Continentalidade e Maritimidade: A maior ou
menor proximidade de grande massas de água que
exerce forte influência não só sobre a umidade
relativa do ar, mas também sobre a temperatura.
Continentalidade: Localizada no interior do
continente, distante do oceano, há uma maior
variação de temperatura. Durante o dia a
temperatura é elevada e a noite esfria rapidamente.
Fatores Climáticos
Maritimidade: Próximo ao oceano, temperatura
mais fria. Isso ocorre porque o calor específico ( a
medida da capacidade de retenção de calor) da água
é maior que a da terra. A noite o mar esfria
lentamente.
Circulação Atmosférica
Tipos de Chuva
Tipos de Chuvas
Chuvas de convecção: São típicas do verão
brasileiro, geralmente são intensas, acompanhadas
de ventos e raios. Ocorre pela ascensão (convecção)
do ar aquecido pelo sol. Ao subir, o vapor d’água
origina nuvens em formato de cogumelos que podem
ter dezenas de diâmetro e de altura.
 Chuvas frontais: Típicas do inverno brasileiro são
menos intensas e de longa duração. Sua chegada é
anunciada por ventos fortes e ocorre quando o ar
frio, mais próximo do nível do solo se acomoda
abaixo da massa de ar quente provocando o choque
das massas de ar.
Tipos de Chuvas
Chuvas orográficas: São formadas quando uma
nuvem carregada sobe ao se deparar com o relevo
montanhoso, assim ela perde tanto calor quanto
umidade sob forma de chuvas.
Tipo de climas do globo
Tipos de Clima
Polar ( ou Glacial) = Altas latitudes
Temperado e frio = Médias latitudes
Mediterrâneo = Verões quentes e secos e invernos
amenos e chuvosos = Médias latitudes.
Tropical = Baixas latitudes
Equatorial = Zona climática mais quente = baixas
latitudes
Subtropical = Médias latitudes
Tipos de clima
Árido ( ou desértico) = Apresenta falta de umidade
e grandes diferenças nas amplitudes térmicas
diárias.
Semiárido = Ocorre em áreas de baixa e média
latitude. Sua principal características são as chuvas
escassas e mal distribuídas.
Característica dos climas do Brasil
A maior parte do território brasileiro encontra-se na
Zona Intertropical, delimitada pelos trópicos de
Capricórnio e de Câncer. Aproximadamente 93% está
localizado no Hemisfério Sul.
A conseqüência imediata dessa localização é a elevada
insolação em território brasileiro e o predomínio de
climas quentes e úmidos, com temperatura médias
anuais entre 24ºC e 26ºC. Existe no Brasil uma grande
diversidade de climas. Tal fato explica-se por uma grama
de fatores, tais como: extensão latitudinal, diferença de
altitude, atuação de diversas massas de ar.
Atuação das massas de ar no Brasil
Atuação das massas de ar no Brasil
Massa Equatorial atlântica (mEa) Origina-se
no Atlântico Equatorial Sul. Quente e úmida.
Atua, principalmente, no litoral da Região Nordeste,
com maior atividade no verão e na primavera.
Equatorial continental ( mEc) Origina-se na
Bacia Amazônica ocidental. Quente e úmida.
Expande-se no verão, quando chega a influenciar
todas as regiões do Brasil. Provoca instabilidade,
com tempo úmido e chuvoso na área que atua.
Atuação das massas de ar no Brasil
Tropical atlântica ( mTa): Origina-se no
Atlântico Sul, nas proximidades do Tropico de
Capricórnio. Quente e úmida. É mais atuante na
faixa litorânea que vai do sul ao Nordeste do Brasil.
Tropical continental (mTc): Forma-se na região
central da América do Sul, no final do inverno e
início da primavera, antes do início da estação
chuvosa. É uma região dominada pelo ar polar no
inverno e pelo ar quente e úmido equatorial, no
verão.
Atuação das massas de ar no Brasil
Polar atlântica (mPa) Origina-se na Zona
Subantártica, entre os paralelos de 55º e 60º sul.
Fria e úmida. Atua principalmente nas regiões Sul,
Sudeste, Centro-Oeste e litoral do Nordeste,
podendo, ocasionalmente, atingir a região sul -
amazônica.
Tipos de Clima do Brasil
Clima Equatorial: Abrange a Amazônia e se
caracteriza pela atuação da mEc. Embora as massas de ar
continental sejam em geral secas, a (mEc) é uma exceção,
e sua elevada umidade se explica pela localização uma
área que recebe ventos oceânicos. Além disso, a floresta
Amazônica ajuda a manter a umidade do ar elevada,
devido à evapotranspiração dos vegetais. Portanto é um
clima úmido e quente. As médias mensais de
temperatura vão de 25ºC a 27ºC, o que significa uma
baixa amplitude térmica anual. As médias pluviométricas
anuais são altas, entre 2000 a 3500mm e , em geral , não
há uma estação seca bem definida.
 Clima litorâneo úmido: Estende-se pela área
litorânea que vai do norte do estado do Rio de
Janeiro até o Rio Grande do Norte. A massa de ar qe
exerce a maior influência nesse clima é a tropical, e
as médias térmicas anuais situam-se entre 24ºC e
27ºC. No clima tropical úmido, podemos distinguir
duas estações principais: verão ( chuvoso) e inverno (
menos chuvoso). Os índices pluviométricos são
elevados ( entre 1500 a 3000mm anuais)
Clima Tropical Semiárido: Ocupa extensas áreas
dos estados da Região Nordeste, com exceção do
Maranhão. Assim, coincide aproximadamente com a
região do sertão nordestino. A pluviosidade média é
mais baixa que em outros climas brasileiros,
variando entre 400 a 800mm. Esse clima sofre
pouca atuação da mEc, o que condiciona estiagens
mais prolongadas e chuvas muito escassas. As
chuvas concentram-se em três meses, geralmente
entre janeiro e março, e a estiagem pode durar de 6 a
11 meses.
Clima Subtropical: Abarca a maior parte da
Região Sul e o sul dos estados de Mato Grosso do Sul
e São Paulo. Praticamente coincide com as áreas
localizadas ao sul do Trópico de Capricórnio. O total
pluviométrico anual do clima subtropical é elevado
( 1400 a 2300mm) e não há estação seca, pois, as
chuvosas são em geral, bem distribuídas durante o
ano, salvo em anos de menor atuação da mPa. As
quatro estações do ano são bem definidas do que em
outros climas brasileiros
Clima tropical alternadamente seco e úmido:
Também chamado de tropical semiúmido, abrande
Minas Gerais, Goiás, e parte dos seguintes estados:
São Paulo, Mato Grosso do sul, Mato Grosso,
Tocantins, Bahia, maranhão, Piauí, Ceará, extremo
norte de Pará e extremo sul do Pará. É um clima
tropical típico, quente e semiúmido, com duas
estações bem marcadas, uma chuvosa ( Verão) e
outra seca ( Inverno). Os índices pluviométricos
variam de 1200 a 2000 mm anuais. As temperaturas
médias anuais ficam entre 22ºC e 27ºC.
Clima Tropical de altitude: Esse clima abrange as
áreas elevadas da Região Sudeste, em geral acima dos
800 metros. Assim, ocorre nos planaltos e nas serras de
Minas Gerais e do Oeste do Rio de Janeiro e leste de São
Paulo. A estação das chuvas coincide com o verão,
quando podem ocorrer chuvas torrenciais, que
favorecem, em conjunção com o relevo fortemente
ondulado e com alterações humana, a ocorrência de
deslizamento de terra, além de enchentes e alagamentos.
Os totais pluviométricos variam de 1500 a 2400 mm. Há
forte diminuição de precipitação nos meses mais frios,
assim como nos climas alternadamente quente e
chuvoso.
Climogramas do Brasil
Climogramas do Brasil
Inversão Térmica
Inversão Térmica
Inversão Térmica: Condição em que a camada de
ar frio se sobrepõe a uma camada de ar quente,
impedindo o movimento ascendente do ar
atmosférico. Em locais industrializados, a inversão
térmica leva a retenção dos poluentes nas camadas
mais baixas.
Ilhas de Calor
Ilhas de calor
A Ilha de calor: É uma das mais evidentes consequências de
ação humana como fator climática. Resulta da elevação das
temperaturas médias nas áreas urbanizadas das grandes
cidades, em comparação com as zonas rurais. As variações
térmica entre elas podem chegar até 7°C e ocorre
basicamente por causa das diferenças de irradiação de calor
entre as áreas impermeabilizadas e as áreas verdes e por causa
da concentração de poluentes.
Média Térmica: É a média de temperatura entre dias,
meses, ano.
Amplitude Térmica: É a diferença da temperatura máxima
e mínima.
Clima

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
 
Clima Brasileiro
Clima BrasileiroClima Brasileiro
Clima Brasileiro
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Clima E Climas Do Brasil Aula
Clima E Climas Do Brasil   AulaClima E Climas Do Brasil   Aula
Clima E Climas Do Brasil Aula
 
Clima da Região Norte
Clima da Região NorteClima da Região Norte
Clima da Região Norte
 
Climatologia da Região Norte
Climatologia da Região NorteClimatologia da Região Norte
Climatologia da Região Norte
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Tipos de clima
Tipos de climaTipos de clima
Tipos de clima
 
Climas da terra
Climas da terraClimas da terra
Climas da terra
 
Atmosfera
AtmosferaAtmosfera
Atmosfera
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Clima no-brasil 2º ano hoje
Clima no-brasil  2º  ano hojeClima no-brasil  2º  ano hoje
Clima no-brasil 2º ano hoje
 
Climatologia
ClimatologiaClimatologia
Climatologia
 
Climas do brasil
Climas do brasilClimas do brasil
Climas do brasil
 
Aula sobre climas do brasil
Aula sobre climas do brasilAula sobre climas do brasil
Aula sobre climas do brasil
 
6º ano unidade 6
6º ano unidade 6 6º ano unidade 6
6º ano unidade 6
 
Tempo e Clima
Tempo e ClimaTempo e Clima
Tempo e Clima
 
Climas e climogramas do brasil
Climas e climogramas do brasilClimas e climogramas do brasil
Climas e climogramas do brasil
 
Slide trabalho de geografia
Slide   trabalho de geografiaSlide   trabalho de geografia
Slide trabalho de geografia
 

Destaque

Destaque (20)

Vsat 2011 hispamar
Vsat 2011 hispamarVsat 2011 hispamar
Vsat 2011 hispamar
 
Portal CAPES- busca por periodico 2016 UFRJ SiBI
Portal CAPES- busca por periodico 2016 UFRJ SiBIPortal CAPES- busca por periodico 2016 UFRJ SiBI
Portal CAPES- busca por periodico 2016 UFRJ SiBI
 
Ejercicio 1
Ejercicio 1Ejercicio 1
Ejercicio 1
 
taller incontec
taller incontec taller incontec
taller incontec
 
Normas de control_interno
Normas de control_internoNormas de control_interno
Normas de control_interno
 
ACTIVIDAD DE APRENDIZAJE #1
ACTIVIDAD DE APRENDIZAJE #1ACTIVIDAD DE APRENDIZAJE #1
ACTIVIDAD DE APRENDIZAJE #1
 
Portafolio de avance en el Proyecto
Portafolio de avance en el ProyectoPortafolio de avance en el Proyecto
Portafolio de avance en el Proyecto
 
Ets's take on motivation
Ets's take on motivationEts's take on motivation
Ets's take on motivation
 
Informatica
InformaticaInformatica
Informatica
 
Informatica
InformaticaInformatica
Informatica
 
Máximas para mi hija
Máximas para mi hijaMáximas para mi hija
Máximas para mi hija
 
Maldicion de la mansion embrujada oficial original
Maldicion de la mansion embrujada oficial originalMaldicion de la mansion embrujada oficial original
Maldicion de la mansion embrujada oficial original
 
Heterocromia
HeterocromiaHeterocromia
Heterocromia
 
Portfolio_tomasLAI
Portfolio_tomasLAIPortfolio_tomasLAI
Portfolio_tomasLAI
 
MI COMPETENCIA 1
MI COMPETENCIA 1MI COMPETENCIA 1
MI COMPETENCIA 1
 
Max_Kowalski_-__Portugues_Juan
Max_Kowalski_-__Portugues_JuanMax_Kowalski_-__Portugues_Juan
Max_Kowalski_-__Portugues_Juan
 
Sspi day 13 maio-2014 - star one
Sspi day 13 maio-2014 - star oneSspi day 13 maio-2014 - star one
Sspi day 13 maio-2014 - star one
 
00 capa
00 capa00 capa
00 capa
 
Ejercicio 3
Ejercicio 3Ejercicio 3
Ejercicio 3
 
ADA 2
ADA 2ADA 2
ADA 2
 

Semelhante a Clima

O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.Dênis Almeida
 
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climaFatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climajulio2012souto
 
Fatores do clima e tipos de clima
Fatores do clima e tipos de climaFatores do clima e tipos de clima
Fatores do clima e tipos de climaKaroline Sena
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilCarson Souza
 
Clima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetaçãoClima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetaçãoDébora Sales
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasilJonatas Carlos
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Christie Freitas
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarcaduisolada
 
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoChristie Freitas
 
Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Google
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticoskarolpoa
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticoskarolpoa
 
Climatologia do brasil
Climatologia do brasilClimatologia do brasil
Climatologia do brasilgeochp
 

Semelhante a Clima (20)

O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.O espaço Natural Brasileiro Clima.
O espaço Natural Brasileiro Clima.
 
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climaFatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
 
Fatores do clima e tipos de clima
Fatores do clima e tipos de climaFatores do clima e tipos de clima
Fatores do clima e tipos de clima
 
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do BrasilGeografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
Geografia - Clima e domínios Morfoclimáticos do Brasil
 
Clima do brasil
Clima do brasilClima do brasil
Clima do brasil
 
Clima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetaçãoClima ,hidrografia e vegetação
Clima ,hidrografia e vegetação
 
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasilAula 07   clima e domínios morfoclimáticos do brasil
Aula 07 clima e domínios morfoclimáticos do brasil
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2
 
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviarAula 1 climatologia_parte_1_enviar
Aula 1 climatologia_parte_1_enviar
 
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e TempoUnidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
Unidade 6 (temas 1 e 2) Clima e Tempo
 
Clima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetaisClima e formaçoes vegetais
Clima e formaçoes vegetais
 
Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2Atmosfera, tempo e clima 2
Atmosfera, tempo e clima 2
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Fatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticosFatores e elementos climáticos
Fatores e elementos climáticos
 
Climatologia geográfica
Climatologia geográficaClimatologia geográfica
Climatologia geográfica
 
Climatologia do brasil
Climatologia do brasilClimatologia do brasil
Climatologia do brasil
 
Climatologia do brasil
Climatologia do brasilClimatologia do brasil
Climatologia do brasil
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Clima brasileiro
Clima brasileiroClima brasileiro
Clima brasileiro
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 

Último

Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 

Último (20)

Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 

Clima

  • 1. Fatores climáticos e características do clima do Brasil
  • 2. Função da atmosfera O ar é o resultado de uma mistura complexa de vários elementos que constituem a atmosfera da Terra. Seus componentes variam de lugar para lugar e de um dia para o outro, e sua importância está relacionada com a proteção da Terra contra a ação direta dos raios solares, com a manutenção da temperatura, que permite a vida, e ainda com o fornecimento do gás carbônico para a fotossíntese e do oxigênio para a respiração.
  • 4. Elementos Climáticos/ Temperatura Temperatura: É a intensidade de calor existente na atmosfera. Os raios solares atravessam a camada da atmosfera sem aquecê-la e atingem as terras e as águas da superfície do planeta. Só depois de aquecidas, as terras e as águas irradiam o calor para atmosfera.
  • 6. Elementos Climáticos/ Umidade do Ar Essa umidade presente no ar é decorrente de uma das fases do ciclo hidrológico , o processo de evaporação da água. O vapor de água sobe para a atmosfera e se acumula em forma de nuvens, mas uma parte passa a compor o ar que circula na atmosfera. Porém, o ar, assim como qualquer outra substância, possui um limite até o qual ele absorve a água (ponto de saturação). Abaixo do ponto de saturação, há o ponto de orvalho (quando a umidade se acumula sob a forma de pequenas gotas ou neblina) e, acima dele, a água se precipita na forma de chuva.
  • 7. Pressão Atmosférica Pressão atmosférico: É a medida da força exercida pelo peso do ar contra uma área. Quanto maior a temperatura, maior a movimentação das moléculas e mais elas se distanciam umas das outras; como resultado, menor é o número de moléculas em cada metros cúbicos de ar e menor se torna seu peso; portanto, menor a pressão exercida sobre uma superfície. Inversamente, quanto menor a temperatura, maior o número de moléculas por metros cúbicos de ar; tem-se, então, maior peso e maior pressão atmosférica.
  • 9. Fatores Climáticos Latitude: de forma geral, quanto maior a latitude, ou seja, quanto mais nos afastamos da Equador em direção aos polos, menos são as temperaturas médias anuais.  Isso ocorre por que a terra é esférica, a superfície terrestre é iluminada por raios solares que a atingem com diferentes inclinações – nos locais próximo ao Equador, a inclinação é menor e os raios incidem diretamente sobre uma faixa menor, em contrapartida, conforme aumenta a latitude, maior se torna a inclinação com que os raios solares incidem sobre o mesmo local, atingindo uma área maior.
  • 10. Fatores Climáticos Altitude: Quanto maior a altitude, menor a temperatura média do ar. No alto de uma montanha a temperatura é menor e do que a verificada no nível do mar no mesmo instante e na mesma latitude. Quanto maior a altitude, mais rarefeito se torna o ar, ou seja, há menor concentração de gases e de umidade, o que diminui a retenção de calor nas camadas mais elevadas da atmosfera e, em consequência, a temperatura. Além disso, nas maiores altitudes, a área de superfície que recebe e irradia calor é menor.
  • 11. Fatores Climáticos Continentalidade e Maritimidade: A maior ou menor proximidade de grande massas de água que exerce forte influência não só sobre a umidade relativa do ar, mas também sobre a temperatura. Continentalidade: Localizada no interior do continente, distante do oceano, há uma maior variação de temperatura. Durante o dia a temperatura é elevada e a noite esfria rapidamente.
  • 12. Fatores Climáticos Maritimidade: Próximo ao oceano, temperatura mais fria. Isso ocorre porque o calor específico ( a medida da capacidade de retenção de calor) da água é maior que a da terra. A noite o mar esfria lentamente.
  • 15. Tipos de Chuvas Chuvas de convecção: São típicas do verão brasileiro, geralmente são intensas, acompanhadas de ventos e raios. Ocorre pela ascensão (convecção) do ar aquecido pelo sol. Ao subir, o vapor d’água origina nuvens em formato de cogumelos que podem ter dezenas de diâmetro e de altura.  Chuvas frontais: Típicas do inverno brasileiro são menos intensas e de longa duração. Sua chegada é anunciada por ventos fortes e ocorre quando o ar frio, mais próximo do nível do solo se acomoda abaixo da massa de ar quente provocando o choque das massas de ar.
  • 16. Tipos de Chuvas Chuvas orográficas: São formadas quando uma nuvem carregada sobe ao se deparar com o relevo montanhoso, assim ela perde tanto calor quanto umidade sob forma de chuvas.
  • 17. Tipo de climas do globo
  • 18. Tipos de Clima Polar ( ou Glacial) = Altas latitudes Temperado e frio = Médias latitudes Mediterrâneo = Verões quentes e secos e invernos amenos e chuvosos = Médias latitudes. Tropical = Baixas latitudes Equatorial = Zona climática mais quente = baixas latitudes Subtropical = Médias latitudes
  • 19.
  • 20. Tipos de clima Árido ( ou desértico) = Apresenta falta de umidade e grandes diferenças nas amplitudes térmicas diárias. Semiárido = Ocorre em áreas de baixa e média latitude. Sua principal características são as chuvas escassas e mal distribuídas.
  • 21. Característica dos climas do Brasil A maior parte do território brasileiro encontra-se na Zona Intertropical, delimitada pelos trópicos de Capricórnio e de Câncer. Aproximadamente 93% está localizado no Hemisfério Sul. A conseqüência imediata dessa localização é a elevada insolação em território brasileiro e o predomínio de climas quentes e úmidos, com temperatura médias anuais entre 24ºC e 26ºC. Existe no Brasil uma grande diversidade de climas. Tal fato explica-se por uma grama de fatores, tais como: extensão latitudinal, diferença de altitude, atuação de diversas massas de ar.
  • 22. Atuação das massas de ar no Brasil
  • 23. Atuação das massas de ar no Brasil Massa Equatorial atlântica (mEa) Origina-se no Atlântico Equatorial Sul. Quente e úmida. Atua, principalmente, no litoral da Região Nordeste, com maior atividade no verão e na primavera. Equatorial continental ( mEc) Origina-se na Bacia Amazônica ocidental. Quente e úmida. Expande-se no verão, quando chega a influenciar todas as regiões do Brasil. Provoca instabilidade, com tempo úmido e chuvoso na área que atua.
  • 24. Atuação das massas de ar no Brasil Tropical atlântica ( mTa): Origina-se no Atlântico Sul, nas proximidades do Tropico de Capricórnio. Quente e úmida. É mais atuante na faixa litorânea que vai do sul ao Nordeste do Brasil. Tropical continental (mTc): Forma-se na região central da América do Sul, no final do inverno e início da primavera, antes do início da estação chuvosa. É uma região dominada pelo ar polar no inverno e pelo ar quente e úmido equatorial, no verão.
  • 25. Atuação das massas de ar no Brasil Polar atlântica (mPa) Origina-se na Zona Subantártica, entre os paralelos de 55º e 60º sul. Fria e úmida. Atua principalmente nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e litoral do Nordeste, podendo, ocasionalmente, atingir a região sul - amazônica.
  • 26. Tipos de Clima do Brasil
  • 27. Clima Equatorial: Abrange a Amazônia e se caracteriza pela atuação da mEc. Embora as massas de ar continental sejam em geral secas, a (mEc) é uma exceção, e sua elevada umidade se explica pela localização uma área que recebe ventos oceânicos. Além disso, a floresta Amazônica ajuda a manter a umidade do ar elevada, devido à evapotranspiração dos vegetais. Portanto é um clima úmido e quente. As médias mensais de temperatura vão de 25ºC a 27ºC, o que significa uma baixa amplitude térmica anual. As médias pluviométricas anuais são altas, entre 2000 a 3500mm e , em geral , não há uma estação seca bem definida.
  • 28.  Clima litorâneo úmido: Estende-se pela área litorânea que vai do norte do estado do Rio de Janeiro até o Rio Grande do Norte. A massa de ar qe exerce a maior influência nesse clima é a tropical, e as médias térmicas anuais situam-se entre 24ºC e 27ºC. No clima tropical úmido, podemos distinguir duas estações principais: verão ( chuvoso) e inverno ( menos chuvoso). Os índices pluviométricos são elevados ( entre 1500 a 3000mm anuais)
  • 29. Clima Tropical Semiárido: Ocupa extensas áreas dos estados da Região Nordeste, com exceção do Maranhão. Assim, coincide aproximadamente com a região do sertão nordestino. A pluviosidade média é mais baixa que em outros climas brasileiros, variando entre 400 a 800mm. Esse clima sofre pouca atuação da mEc, o que condiciona estiagens mais prolongadas e chuvas muito escassas. As chuvas concentram-se em três meses, geralmente entre janeiro e março, e a estiagem pode durar de 6 a 11 meses.
  • 30. Clima Subtropical: Abarca a maior parte da Região Sul e o sul dos estados de Mato Grosso do Sul e São Paulo. Praticamente coincide com as áreas localizadas ao sul do Trópico de Capricórnio. O total pluviométrico anual do clima subtropical é elevado ( 1400 a 2300mm) e não há estação seca, pois, as chuvosas são em geral, bem distribuídas durante o ano, salvo em anos de menor atuação da mPa. As quatro estações do ano são bem definidas do que em outros climas brasileiros
  • 31. Clima tropical alternadamente seco e úmido: Também chamado de tropical semiúmido, abrande Minas Gerais, Goiás, e parte dos seguintes estados: São Paulo, Mato Grosso do sul, Mato Grosso, Tocantins, Bahia, maranhão, Piauí, Ceará, extremo norte de Pará e extremo sul do Pará. É um clima tropical típico, quente e semiúmido, com duas estações bem marcadas, uma chuvosa ( Verão) e outra seca ( Inverno). Os índices pluviométricos variam de 1200 a 2000 mm anuais. As temperaturas médias anuais ficam entre 22ºC e 27ºC.
  • 32. Clima Tropical de altitude: Esse clima abrange as áreas elevadas da Região Sudeste, em geral acima dos 800 metros. Assim, ocorre nos planaltos e nas serras de Minas Gerais e do Oeste do Rio de Janeiro e leste de São Paulo. A estação das chuvas coincide com o verão, quando podem ocorrer chuvas torrenciais, que favorecem, em conjunção com o relevo fortemente ondulado e com alterações humana, a ocorrência de deslizamento de terra, além de enchentes e alagamentos. Os totais pluviométricos variam de 1500 a 2400 mm. Há forte diminuição de precipitação nos meses mais frios, assim como nos climas alternadamente quente e chuvoso.
  • 36. Inversão Térmica Inversão Térmica: Condição em que a camada de ar frio se sobrepõe a uma camada de ar quente, impedindo o movimento ascendente do ar atmosférico. Em locais industrializados, a inversão térmica leva a retenção dos poluentes nas camadas mais baixas.
  • 38. Ilhas de calor A Ilha de calor: É uma das mais evidentes consequências de ação humana como fator climática. Resulta da elevação das temperaturas médias nas áreas urbanizadas das grandes cidades, em comparação com as zonas rurais. As variações térmica entre elas podem chegar até 7°C e ocorre basicamente por causa das diferenças de irradiação de calor entre as áreas impermeabilizadas e as áreas verdes e por causa da concentração de poluentes. Média Térmica: É a média de temperatura entre dias, meses, ano. Amplitude Térmica: É a diferença da temperatura máxima e mínima.