SlideShare uma empresa Scribd logo
T É C N I C A S D E N E C R O P S I A E C O L E T A D E
M A T E R I A I S P A R A D I A G N Ó S T I C O
Prof. Marília Gomes
NECROPSIA
OBJETIVO:
chegar ao diagnóstico do real
problema sanitário do plantel
É I M P O R TA N T E C O N S I D E R A R
Q U AT R O P O N T O S
S E L E Ç Ã O D O S U Í N O PA R A
N E C R O P S I A
1 °
• O suíno deve apresentar:
 Sinais típicos de fase aguda da doença
(preferencialmente com febre)
 Não ter sido medicado
 Não ser refugo
P R E PA R A Ç Ã O D O M AT E R I A L
PA R A N E C R O P S I A
2 °
• Ter à mão todos os
materiais
necessários para a
realização da
necropsia
• Ter à mão todos os
materiais necessários
para a colheita e
envio das amostras
• Assegurar sua proteção
individual
e biosseguridade
R E A L I Z A Ç Ã O D E T É C N I C A
D E N E C R O P S I A S I S T E M Á T I C A
C O M C O L H E I TA A D E Q U A D A
D E A M O S T R A S
3 °
1 ° PA S S O • Anamnese da granja incluindo
sistema de produção, protocolo
de vacinação, etc. A associação
entre a queixa do produtor, a
idade, os sinais clínicos, a taxa
de morbidade/mortalidade e o
manejo sanitário da granja é
essencial para a elaboração da
suspeita clínica.
2 ° PA S S O
• Realizar o exame externo da
carcaça
3 ° PA S S O
• Realizar o exame interno da
carcaça
• Decúbito lateral esquerdo
• Rebater os membros
esquerdos, cortando
pele, músculos e ligamento
da articulação coxofemoral
• Incisionar linearmente a pele,
do queixo ao
abdômen ventral (tracejado)
• Rebater a pele do tórax e do
abdômen
• Localizar o arco da
última costela e cortar
os músculos abdominais
(tracejados)
• Cortar as inserções
do diafragma e os músculos
do dorso
• Com a ajuda
de um costótomo, remover as
costelas como um bloco
(tracejados)
• Separar uma costela do bloco
e tentar quebrá-la
para determinar a integridade
óssea
• Observar a cor dos músculos
e examinar todos os órgãos
quanto à cor, posição e
tamanho
Se houver fluido ou fibrina na pleura, saco
pericárdico ou abdômen, colher amostras
com seringa ou suabe estéril
A colheita para exame microbiológico
dessas amostras e de fragmentos de órgãos
que apresentam lesão deve ser feita antes
de manipulá-los para evitar contaminação
4 ° PA S S O
• Remover os órgãos em
monoblocos
• Colocar em uma superfície
limpa para exame
• Rebater a pele do pescoço
• Examinar os linfonodos
retrofaríngeos e
mandibulares e o timo
(animais jovens)
• Inserir a faca entre os ramos
da mandíbula e a língua e
cortar os músculos da sínfise
M O N O B L O C O T O R Á C I C O
• Puxar a ponta da língua para
trás
• Cortar articulações do hioide
• Examinar as tonsilas do palato
mole (asterisco)
• Puxar a língua para baixo e
para trás, liberando a traqueia
e esôfago ao dissecar os
músculos da região cervical
• Cortar o saco pericárdico e,
na altura do diafragma, cortar
as três estruturas (aorta,
esôfago e veia cava caudal)
para liberar o
monobloco torácico
• Remover o baço seccionando
o omento próximo ao
estômago
• Remover o estômago, o
pâncreas e os intestinos
delgado
• Remover o fígado
seccionando as inserções
com o diafragma
M O N O B L O C O A B D O M I N A L
• Remover as glândulas adrenais
e o trato urinário
• Em fêmeas, o útero e os
ovários são removidos com
a bexiga
• Em machos, as glândulas
sexuais acessórias
são removidas com a bexiga
• Abra o escroto e retire os
testículos
• Localizar a articulação atlanto-
occipital pelo aspecto ventral
• Seccionar os músculos do
pescoço, atrás dos arcos da
mandíbula
• Inserir a ponta da faca na
articulação e desfazê-la
(tracejado)
• Seccionar a medula espinhal
cervical (asterisco)
• Separar a cabeça do pescoço
D E S A R T I C U L A Ç Ã O D A C A B E Ç A
5 ° PA S S O
• Examinar os órgãos
• Colher amostras
RESPEITAR UMA SEQUÊNCIA LÓGICA
* Primeiro os órgãos menos contaminados
e parenquimatosos
* Depois os mais contaminados (potencialmente patogênico)
OBS: se o suíno tiver diarreia, deve-se priorizar o exame dos
intestinos para evitar a autólise
• Órgãos parenquimatosos
Coração, pulmão, fígado, baço, rim, testículo...
Deve-se avaliar a superfície capsular e de corte
• Órgãos ocos
Traqueia, esôfago, intestino, útero...
Deve-se examinar serosa e mucosa em vários pontos
Examinar o conteúdo existente
C A B E Ç A
• Para remoção do encéfalo,
dissecar a pele e remover os
músculos da parte caudal da
cabeça
• Remover os ossos do crânio
com serra ou cutelo
(tracejados)
• Foçar a calota craniana para
trás e expor o encéfalo
envolto pela dura-máter
• Cortar a dura-máter
com tesoura e observar a
superfície do encéfalo
recoberta pelas
leptomeninges
• Se necessário, coletar amostra das
leptomeninges com suabe
• Seccionar os nervos cranianos na base
do encéfalo e removê-los da cabeça
• Dividir o encéfalo em duas metades
iguais
• Colocar uma sob refrigeração e a outra
em formol 10%
• Para examinar os cornetos
nasais, serrar o nariz na altura
da comissura labial e observar
a superfície de corte
E X A M E M I C R O B I O L Ó G I C O
• Selecionar uma porção grande do órgão (Ex.: um lobo
pulmonar, um terço do baço) ou o órgão inteiro (Ex.: rim,
linfonodo)
Colher porções de alças
intestinais com fezes e as
extremidades amarradas
• As amostras devem ser colhidas assepticamente e
refrigeradas imediatamente para evitar contaminação
• Os materiais devem ser identificados e acondicionados
separadamente
• Conserve as amostras sob refrigeração (2°C-8°C)
E X A M E H I S T O PAT O L Ó G I C O
• Selecionar uma porção representativa, com no máximo 1cm
de espessura Ex. fragmento de rim com camadas cortical,
medular e pelve
• Antes de colocar os fragmentos de intestino no formol é
necessário remover as fezes sem danificar a mucosa
• Os intestinos devem ser fixados até 20 minutos após a
eutanásia/morte do animal para evitar a autólise
• Todos os órgãos podem ser colocados juntos no mesmo
frasco com formol
• Conserve as amostras em formol tamponado a 10% na
proporção de uma parte de tecido para 10 ou mais partes de
formol (1:10).
• Manter em temperatura ambiente (21-23°C)
6 ° PA S S O
• Descrever as alterações
encontradas na necropsia
Anote as alterações macroscópicas e as
amostras colhidas em uma ficha de necropsia
para envio ao laboratório
Lembre-se de incluir na descrição das lesões
aspectos como localização, distribuição, cor,
tamanho, forma e consistência
E M PA C O TA M E N T O A D E Q U A D O E
E N V I O R Á P I D O A O L A B O R AT Ó R I O ,
S E G U I N D O S E I S PA S S O S :
4 °
Envie uma ficha de necropsia com as informações
sobre o animal, histórico clínico e achados de
necropsia em envelope impermeável
Utilize gelo gel para manter as amostras refrigeradas
por mais tempo
Antes de enviar as amostras entre em contato com o
laboratório e informe-se sobre os horários de
recebimento das amostras para evitar possíveis
deterioração das mesmas
RECORDANDO
Obtenha o
histórico
clínico
Realize o
exame externo
da carcaça
Realize o
exame interno
da carcaça
Remova os
órgãos em
monoblocos
Examine os
órgãos
Colha
amostras
Descreva as
alterações da
necropsia
Embale as
amostras
corretamente
Envie ao
laboratório
rapidamente
O B R I G A D A !

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMESTICOS - KONIG 6ED.pdf
ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMESTICOS - KONIG 6ED.pdfANATOMIA DOS ANIMAIS DOMESTICOS - KONIG 6ED.pdf
ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMESTICOS - KONIG 6ED.pdf
paulo viana
 
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia animal
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia animalSistema cardiovascular e linfático - anatomia animal
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia animal
Marília Gomes
 
Respiratorio1 2010 1
Respiratorio1 2010 1Respiratorio1 2010 1
Respiratorio1 2010 1
UFPEL
 
Topografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeçaTopografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeça
Marília Gomes
 
Fisiologia do sistema nervoso - Anatomia e Funções
Fisiologia do sistema nervoso - Anatomia e FunçõesFisiologia do sistema nervoso - Anatomia e Funções
Fisiologia do sistema nervoso - Anatomia e Funções
Pedro Augusto
 
necropsia em bovinos_mariana araújo
necropsia em bovinos_mariana araújonecropsia em bovinos_mariana araújo
necropsia em bovinos_mariana araújo
Mariana Araújo
 
Exame clínico equinos
Exame clínico equinosExame clínico equinos
Exame clínico equinos
Marcos Stopa
 
Sistema cardiovascular e linfático veterinária
Sistema cardiovascular e linfático veterináriaSistema cardiovascular e linfático veterinária
Sistema cardiovascular e linfático veterinária
Marília Gomes
 
Epididimite em Animais Domésticos
Epididimite em Animais DomésticosEpididimite em Animais Domésticos
Epididimite em Animais Domésticos
Jean Carlos dos Santos da Luz
 
Semiologia Geral
Semiologia GeralSemiologia Geral
Semiologia Geral
Ricardo Duarte
 
Sistema digestório Cães
Sistema digestório CãesSistema digestório Cães
Sistema digestório Cães
Helena Amaral
 
Osteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal IOsteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal I
Marília Gomes
 
Anatomia do sistema nervoso do equino
Anatomia do sistema nervoso do  equinoAnatomia do sistema nervoso do  equino
Anatomia do sistema nervoso do equino
Marília Gomes
 
Topografia animal - órgãos do sentido
Topografia animal - órgãos do sentidoTopografia animal - órgãos do sentido
Topografia animal - órgãos do sentido
Marília Gomes
 
Apresentação ossos da cabeça
Apresentação ossos da cabeça Apresentação ossos da cabeça
Apresentação ossos da cabeça
Med. Veterinária 2011
 
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Raimundo Tostes
 
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações CadavéricasPatologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
UFPEL
 
Miologia - anatomia veterinária I
Miologia - anatomia veterinária IMiologia - anatomia veterinária I
Miologia - anatomia veterinária I
Marília Gomes
 
Aula Digestivo 3 2010 1
Aula Digestivo 3 2010 1Aula Digestivo 3 2010 1
Aula Digestivo 3 2010 1
UFPEL
 
Apresentação membro torácico
Apresentação membro torácicoApresentação membro torácico
Apresentação membro torácico
Med. Veterinária 2011
 

Mais procurados (20)

ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMESTICOS - KONIG 6ED.pdf
ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMESTICOS - KONIG 6ED.pdfANATOMIA DOS ANIMAIS DOMESTICOS - KONIG 6ED.pdf
ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMESTICOS - KONIG 6ED.pdf
 
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia animal
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia animalSistema cardiovascular e linfático - anatomia animal
Sistema cardiovascular e linfático - anatomia animal
 
Respiratorio1 2010 1
Respiratorio1 2010 1Respiratorio1 2010 1
Respiratorio1 2010 1
 
Topografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeçaTopografia veterinária - cabeça
Topografia veterinária - cabeça
 
Fisiologia do sistema nervoso - Anatomia e Funções
Fisiologia do sistema nervoso - Anatomia e FunçõesFisiologia do sistema nervoso - Anatomia e Funções
Fisiologia do sistema nervoso - Anatomia e Funções
 
necropsia em bovinos_mariana araújo
necropsia em bovinos_mariana araújonecropsia em bovinos_mariana araújo
necropsia em bovinos_mariana araújo
 
Exame clínico equinos
Exame clínico equinosExame clínico equinos
Exame clínico equinos
 
Sistema cardiovascular e linfático veterinária
Sistema cardiovascular e linfático veterináriaSistema cardiovascular e linfático veterinária
Sistema cardiovascular e linfático veterinária
 
Epididimite em Animais Domésticos
Epididimite em Animais DomésticosEpididimite em Animais Domésticos
Epididimite em Animais Domésticos
 
Semiologia Geral
Semiologia GeralSemiologia Geral
Semiologia Geral
 
Sistema digestório Cães
Sistema digestório CãesSistema digestório Cães
Sistema digestório Cães
 
Osteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal IOsteologia animal - anatomia animal I
Osteologia animal - anatomia animal I
 
Anatomia do sistema nervoso do equino
Anatomia do sistema nervoso do  equinoAnatomia do sistema nervoso do  equino
Anatomia do sistema nervoso do equino
 
Topografia animal - órgãos do sentido
Topografia animal - órgãos do sentidoTopografia animal - órgãos do sentido
Topografia animal - órgãos do sentido
 
Apresentação ossos da cabeça
Apresentação ossos da cabeça Apresentação ossos da cabeça
Apresentação ossos da cabeça
 
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
Aula de Patologia do Sist. Digestório - Parte 1
 
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações CadavéricasPatologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
Patologia Geral: Aula 04 2009 - Alterações Cadavéricas
 
Miologia - anatomia veterinária I
Miologia - anatomia veterinária IMiologia - anatomia veterinária I
Miologia - anatomia veterinária I
 
Aula Digestivo 3 2010 1
Aula Digestivo 3 2010 1Aula Digestivo 3 2010 1
Aula Digestivo 3 2010 1
 
Apresentação membro torácico
Apresentação membro torácicoApresentação membro torácico
Apresentação membro torácico
 

Semelhante a Necropsia e material diagnóstico - suínos

Original roteiro necropsia_colheita
Original roteiro necropsia_colheitaOriginal roteiro necropsia_colheita
Original roteiro necropsia_colheita
Leticia Buscioli Capistrano
 
Necropsia em aves
Necropsia em avesNecropsia em aves
Necropsia em aves
Marília Gomes
 
594776073-Anatomia-Dos-Animais-Domesticos.pdf
594776073-Anatomia-Dos-Animais-Domesticos.pdf594776073-Anatomia-Dos-Animais-Domesticos.pdf
594776073-Anatomia-Dos-Animais-Domesticos.pdf
juliagss16
 
Morfologia do tubo digestório da tartaruga verde
Morfologia do tubo digestório da tartaruga verdeMorfologia do tubo digestório da tartaruga verde
Morfologia do tubo digestório da tartaruga verde
Sandra Nascimento
 
2. Ossos o Crânio.pptx
2. Ossos o Crânio.pptx2. Ossos o Crânio.pptx
2. Ossos o Crânio.pptx
André Moreira Rocha
 
Regiões de interesse cirurgico em animais.pdf
Regiões de interesse cirurgico em animais.pdfRegiões de interesse cirurgico em animais.pdf
Regiões de interesse cirurgico em animais.pdf
ThompsonLeite1
 
S digestorio-2013
S digestorio-2013S digestorio-2013
S digestorio-2013
S digestorio-2013S digestorio-2013
S digestorio-2013
Nutritionist
 
Ufc esôfago + estômago + intestinos
Ufc   esôfago + estômago + intestinosUfc   esôfago + estômago + intestinos
Ufc esôfago + estômago + intestinos
Livia Sá
 
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo ChelicerataIntrodução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
artropodes 20 .fisiologia.pptx
artropodes 20 .fisiologia.pptxartropodes 20 .fisiologia.pptx
artropodes 20 .fisiologia.pptx
Roberto Machado
 
Necropsia 2009 2
Necropsia 2009 2Necropsia 2009 2
Necropsia 2009 2
UFPEL
 
Constituicao do corpo_humano_ppt
Constituicao do corpo_humano_pptConstituicao do corpo_humano_ppt
Constituicao do corpo_humano_ppt
João Braz
 
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e PeritônioUltrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
Fernanda Hiebra Gonçalves
 
8º ano ciências sistema urinário
8º ano ciências sistema urinário8º ano ciências sistema urinário
8º ano ciências sistema urinário
Carlos Magno Braga
 
Anatomia
AnatomiaAnatomia
Anatomia
AnatomiaAnatomia
Anatomia
eder portes
 
Anatomia
AnatomiaAnatomia
Arthropoda e echinodermata
Arthropoda e echinodermataArthropoda e echinodermata
Arthropoda e echinodermata
Artur Macedo
 
Filo annelida 1
Filo annelida 1Filo annelida 1
Filo annelida 1
Tatiana Santos
 

Semelhante a Necropsia e material diagnóstico - suínos (20)

Original roteiro necropsia_colheita
Original roteiro necropsia_colheitaOriginal roteiro necropsia_colheita
Original roteiro necropsia_colheita
 
Necropsia em aves
Necropsia em avesNecropsia em aves
Necropsia em aves
 
594776073-Anatomia-Dos-Animais-Domesticos.pdf
594776073-Anatomia-Dos-Animais-Domesticos.pdf594776073-Anatomia-Dos-Animais-Domesticos.pdf
594776073-Anatomia-Dos-Animais-Domesticos.pdf
 
Morfologia do tubo digestório da tartaruga verde
Morfologia do tubo digestório da tartaruga verdeMorfologia do tubo digestório da tartaruga verde
Morfologia do tubo digestório da tartaruga verde
 
2. Ossos o Crânio.pptx
2. Ossos o Crânio.pptx2. Ossos o Crânio.pptx
2. Ossos o Crânio.pptx
 
Regiões de interesse cirurgico em animais.pdf
Regiões de interesse cirurgico em animais.pdfRegiões de interesse cirurgico em animais.pdf
Regiões de interesse cirurgico em animais.pdf
 
S digestorio-2013
S digestorio-2013S digestorio-2013
S digestorio-2013
 
S digestorio-2013
S digestorio-2013S digestorio-2013
S digestorio-2013
 
Ufc esôfago + estômago + intestinos
Ufc   esôfago + estômago + intestinosUfc   esôfago + estômago + intestinos
Ufc esôfago + estômago + intestinos
 
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo ChelicerataIntrodução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
 
artropodes 20 .fisiologia.pptx
artropodes 20 .fisiologia.pptxartropodes 20 .fisiologia.pptx
artropodes 20 .fisiologia.pptx
 
Necropsia 2009 2
Necropsia 2009 2Necropsia 2009 2
Necropsia 2009 2
 
Constituicao do corpo_humano_ppt
Constituicao do corpo_humano_pptConstituicao do corpo_humano_ppt
Constituicao do corpo_humano_ppt
 
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e PeritônioUltrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
 
8º ano ciências sistema urinário
8º ano ciências sistema urinário8º ano ciências sistema urinário
8º ano ciências sistema urinário
 
Anatomia
AnatomiaAnatomia
Anatomia
 
Anatomia
AnatomiaAnatomia
Anatomia
 
Anatomia
AnatomiaAnatomia
Anatomia
 
Arthropoda e echinodermata
Arthropoda e echinodermataArthropoda e echinodermata
Arthropoda e echinodermata
 
Filo annelida 1
Filo annelida 1Filo annelida 1
Filo annelida 1
 

Mais de Marília Gomes

Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaPossibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Marília Gomes
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
Marília Gomes
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Marília Gomes
 
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciais
Marília Gomes
 
Tratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoTratamento via água e ração
Tratamento via água e ração
Marília Gomes
 
Medicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagensMedicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagens
Marília Gomes
 
Medicina de répteis
Medicina de répteisMedicina de répteis
Medicina de répteis
Marília Gomes
 
Medicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMedicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagens
Marília Gomes
 
Semiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensSemiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagens
Marília Gomes
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Marília Gomes
 
Anatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesAnatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das aves
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Marília Gomes
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascular
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômen
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tórax
Marília Gomes
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentações
Marília Gomes
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicas
Marília Gomes
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Marília Gomes
 
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebralTopografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
Marília Gomes
 
Processos inflamatórios - agudo e crônico
Processos inflamatórios - agudo e crônicoProcessos inflamatórios - agudo e crônico
Processos inflamatórios - agudo e crônico
Marília Gomes
 

Mais de Marília Gomes (20)

Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterináriaPossibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
Possibilidades de tratamentos integrativos na medicina veterinária
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
 
Bem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinoculturaBem-estar em avicultura e suinocultura
Bem-estar em avicultura e suinocultura
 
Principais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciaisPrincipais doenças que acometem aves comerciais
Principais doenças que acometem aves comerciais
 
Tratamento via água e ração
Tratamento via água e raçãoTratamento via água e ração
Tratamento via água e ração
 
Medicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagensMedicina de mamíferos selvagens
Medicina de mamíferos selvagens
 
Medicina de répteis
Medicina de répteisMedicina de répteis
Medicina de répteis
 
Medicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagensMedicina de aves selvagens
Medicina de aves selvagens
 
Semiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagensSemiologia de animais selvagens
Semiologia de animais selvagens
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
 
Anatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das avesAnatomia topográfica das aves
Anatomia topográfica das aves
 
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicosTopografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
Topografia veterinária - membros torácicos e pélvicos
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascular
 
Topografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômenTopografia veterinária - abdômen
Topografia veterinária - abdômen
 
Topografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tóraxTopografia veterinária - tórax
Topografia veterinária - tórax
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentações
 
Calcificações patológicas
Calcificações patológicasCalcificações patológicas
Calcificações patológicas
 
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
Lesões celulares reversíveis e irreversíveis 15.09.21
 
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebralTopografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
Topografia veterinária - pescoço e coluna vertebral
 
Processos inflamatórios - agudo e crônico
Processos inflamatórios - agudo e crônicoProcessos inflamatórios - agudo e crônico
Processos inflamatórios - agudo e crônico
 

Último

ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 

Último (20)

ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 

Necropsia e material diagnóstico - suínos

  • 1. T É C N I C A S D E N E C R O P S I A E C O L E T A D E M A T E R I A I S P A R A D I A G N Ó S T I C O Prof. Marília Gomes
  • 2. NECROPSIA OBJETIVO: chegar ao diagnóstico do real problema sanitário do plantel
  • 3. É I M P O R TA N T E C O N S I D E R A R Q U AT R O P O N T O S
  • 4. S E L E Ç Ã O D O S U Í N O PA R A N E C R O P S I A 1 °
  • 5. • O suíno deve apresentar:  Sinais típicos de fase aguda da doença (preferencialmente com febre)  Não ter sido medicado  Não ser refugo
  • 6. P R E PA R A Ç Ã O D O M AT E R I A L PA R A N E C R O P S I A 2 °
  • 7. • Ter à mão todos os materiais necessários para a realização da necropsia
  • 8. • Ter à mão todos os materiais necessários para a colheita e envio das amostras
  • 9. • Assegurar sua proteção individual e biosseguridade
  • 10. R E A L I Z A Ç Ã O D E T É C N I C A D E N E C R O P S I A S I S T E M Á T I C A C O M C O L H E I TA A D E Q U A D A D E A M O S T R A S 3 °
  • 11. 1 ° PA S S O • Anamnese da granja incluindo sistema de produção, protocolo de vacinação, etc. A associação entre a queixa do produtor, a idade, os sinais clínicos, a taxa de morbidade/mortalidade e o manejo sanitário da granja é essencial para a elaboração da suspeita clínica.
  • 12. 2 ° PA S S O • Realizar o exame externo da carcaça
  • 13.
  • 14. 3 ° PA S S O • Realizar o exame interno da carcaça • Decúbito lateral esquerdo
  • 15. • Rebater os membros esquerdos, cortando pele, músculos e ligamento da articulação coxofemoral • Incisionar linearmente a pele, do queixo ao abdômen ventral (tracejado)
  • 16. • Rebater a pele do tórax e do abdômen • Localizar o arco da última costela e cortar os músculos abdominais (tracejados)
  • 17. • Cortar as inserções do diafragma e os músculos do dorso • Com a ajuda de um costótomo, remover as costelas como um bloco (tracejados)
  • 18. • Separar uma costela do bloco e tentar quebrá-la para determinar a integridade óssea • Observar a cor dos músculos e examinar todos os órgãos quanto à cor, posição e tamanho
  • 19.
  • 20. Se houver fluido ou fibrina na pleura, saco pericárdico ou abdômen, colher amostras com seringa ou suabe estéril A colheita para exame microbiológico dessas amostras e de fragmentos de órgãos que apresentam lesão deve ser feita antes de manipulá-los para evitar contaminação
  • 21. 4 ° PA S S O • Remover os órgãos em monoblocos • Colocar em uma superfície limpa para exame
  • 22. • Rebater a pele do pescoço • Examinar os linfonodos retrofaríngeos e mandibulares e o timo (animais jovens) • Inserir a faca entre os ramos da mandíbula e a língua e cortar os músculos da sínfise M O N O B L O C O T O R Á C I C O
  • 23. • Puxar a ponta da língua para trás • Cortar articulações do hioide • Examinar as tonsilas do palato mole (asterisco) • Puxar a língua para baixo e para trás, liberando a traqueia e esôfago ao dissecar os músculos da região cervical
  • 24. • Cortar o saco pericárdico e, na altura do diafragma, cortar as três estruturas (aorta, esôfago e veia cava caudal) para liberar o monobloco torácico
  • 25. • Remover o baço seccionando o omento próximo ao estômago • Remover o estômago, o pâncreas e os intestinos delgado • Remover o fígado seccionando as inserções com o diafragma M O N O B L O C O A B D O M I N A L
  • 26. • Remover as glândulas adrenais e o trato urinário • Em fêmeas, o útero e os ovários são removidos com a bexiga • Em machos, as glândulas sexuais acessórias são removidas com a bexiga • Abra o escroto e retire os testículos
  • 27. • Localizar a articulação atlanto- occipital pelo aspecto ventral • Seccionar os músculos do pescoço, atrás dos arcos da mandíbula • Inserir a ponta da faca na articulação e desfazê-la (tracejado) • Seccionar a medula espinhal cervical (asterisco) • Separar a cabeça do pescoço D E S A R T I C U L A Ç Ã O D A C A B E Ç A
  • 28. 5 ° PA S S O • Examinar os órgãos • Colher amostras
  • 29. RESPEITAR UMA SEQUÊNCIA LÓGICA * Primeiro os órgãos menos contaminados e parenquimatosos * Depois os mais contaminados (potencialmente patogênico) OBS: se o suíno tiver diarreia, deve-se priorizar o exame dos intestinos para evitar a autólise
  • 30.
  • 31. • Órgãos parenquimatosos Coração, pulmão, fígado, baço, rim, testículo... Deve-se avaliar a superfície capsular e de corte • Órgãos ocos Traqueia, esôfago, intestino, útero... Deve-se examinar serosa e mucosa em vários pontos Examinar o conteúdo existente
  • 32. C A B E Ç A • Para remoção do encéfalo, dissecar a pele e remover os músculos da parte caudal da cabeça • Remover os ossos do crânio com serra ou cutelo (tracejados)
  • 33. • Foçar a calota craniana para trás e expor o encéfalo envolto pela dura-máter • Cortar a dura-máter com tesoura e observar a superfície do encéfalo recoberta pelas leptomeninges
  • 34. • Se necessário, coletar amostra das leptomeninges com suabe • Seccionar os nervos cranianos na base do encéfalo e removê-los da cabeça • Dividir o encéfalo em duas metades iguais • Colocar uma sob refrigeração e a outra em formol 10%
  • 35. • Para examinar os cornetos nasais, serrar o nariz na altura da comissura labial e observar a superfície de corte
  • 36. E X A M E M I C R O B I O L Ó G I C O • Selecionar uma porção grande do órgão (Ex.: um lobo pulmonar, um terço do baço) ou o órgão inteiro (Ex.: rim, linfonodo)
  • 37. Colher porções de alças intestinais com fezes e as extremidades amarradas
  • 38. • As amostras devem ser colhidas assepticamente e refrigeradas imediatamente para evitar contaminação • Os materiais devem ser identificados e acondicionados separadamente • Conserve as amostras sob refrigeração (2°C-8°C)
  • 39. E X A M E H I S T O PAT O L Ó G I C O • Selecionar uma porção representativa, com no máximo 1cm de espessura Ex. fragmento de rim com camadas cortical, medular e pelve
  • 40. • Antes de colocar os fragmentos de intestino no formol é necessário remover as fezes sem danificar a mucosa • Os intestinos devem ser fixados até 20 minutos após a eutanásia/morte do animal para evitar a autólise • Todos os órgãos podem ser colocados juntos no mesmo frasco com formol • Conserve as amostras em formol tamponado a 10% na proporção de uma parte de tecido para 10 ou mais partes de formol (1:10). • Manter em temperatura ambiente (21-23°C)
  • 41. 6 ° PA S S O • Descrever as alterações encontradas na necropsia
  • 42. Anote as alterações macroscópicas e as amostras colhidas em uma ficha de necropsia para envio ao laboratório Lembre-se de incluir na descrição das lesões aspectos como localização, distribuição, cor, tamanho, forma e consistência
  • 43. E M PA C O TA M E N T O A D E Q U A D O E E N V I O R Á P I D O A O L A B O R AT Ó R I O , S E G U I N D O S E I S PA S S O S : 4 °
  • 44. Envie uma ficha de necropsia com as informações sobre o animal, histórico clínico e achados de necropsia em envelope impermeável
  • 45. Utilize gelo gel para manter as amostras refrigeradas por mais tempo
  • 46. Antes de enviar as amostras entre em contato com o laboratório e informe-se sobre os horários de recebimento das amostras para evitar possíveis deterioração das mesmas
  • 48. Obtenha o histórico clínico Realize o exame externo da carcaça Realize o exame interno da carcaça Remova os órgãos em monoblocos Examine os órgãos Colha amostras Descreva as alterações da necropsia Embale as amostras corretamente Envie ao laboratório rapidamente
  • 49. O B R I G A D A !