SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
Cópia não autorizada




                                                               NBR 14627       DEZ 2000

                                      Equipamento de proteção individual -
                                      Trava-queda guiado em linha rígida -
                                      Especificação e métodos de ensaio
ABNT – Associação
Brasileira de
Normas Técnicas

Sede:
Rio de Janeiro
Av. Treze de Maio, 13 28º andar
CEP 20003-900 – Caixa Postal 1680
Rio de Janeiro – RJ
Tel.: PABX (021) 210-3122
Fax: (021) 220-1762/220-6436
Endereço eletrônico:                 Origem: Projeto 32:004.01-002:2000
www.abnt.org.br
                                     ABNT/CB-32 - Comitê Brasileiro de Equipamentos de Proteção Individual
                                     CE-32:004.01 - Comissão de Estudo de Trava-Queda
                                     NBR 14627 - Personal protective equipment - Against falls from a height -
                                     Specification and test methods
                                     Descriptors: EPI. Fall arrester
Copyright © 2000,                    Esta Norma foi baseada na EN 353-1:1992
ABNT–Associação Brasileira           Válida a partir de 29.01.2001
de Normas Técnicas
Printed in Brazil/
Impresso no Brasil                   Palavras-chave: EPI. Trava-queda                                 5 páginas
Todos os direitos reservados




     Sumário
     Prefácio
     0 Introdução
     1 Objetivo
     2 Referências normativas
     3 Definições
     4 Requisitos
     5 Métodos de ensaio
     6 Marcação
     7 Instrução de uso
     Prefácio
     A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo
     conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial
     (ABNT/ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas
     fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).
     Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ABNT/ONS, circulam para Consulta Pública entre
     os associados da ABNT e demais interessados.
     Esta Norma foi baseada na EN 353-1:1992.
     1 Objetivo
     Esta Norma especifica os requisitos, ensaios, marcação e instruções de uso dos trava-quedas guiados em linha de anco-
     ragem rígida
     2 Referências normativas
     As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta
     Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão,
     recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais
     recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento.
         NBR 5426:1985 - Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributo
         NBR 11370:1990 - Cinturão, talabarte e corda de segurança - Especificação
         NBR 11371:1990 - Cinturão, talabarte e corda de segurança - Ensaios
         NBR 14629:2000 - Equipamento de proteção individual - Absorvedor de energia - Especificação e métodos de ensaio
Cópia não autorizada
2                                                                                                         NBR 14627:2000


    3 Definições

    Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições:

    3.1 trava-queda guiado em linha rígida: Equipamento automático de travamento que se desloca numa linha de ancora-
    gem fixa e rígida, destinado a travar a movimentação do cinturão de segurança quando ocorrer uma queda.

    3.2 linha de ancoragem rígida: Cabo de aço ou perfil rígido preso numa estrutura, de modo que fica limitada sua movi-
    mentação lateral. Destina-se a servir para movimentação dos trava-quedas em linha rígida.

    3.3 ponto de ancoragem: Ponto com resistência mecânica superior a 15 kN, destinado a fixar cabos de segurança, linha
    de ancoragem ou trava-queda.

    3.4 força de frenagem: Máxima força (força de pico) medida no ponto ou linha de ancoragem durante o período de fre-
    nagem do ensaio de desempenho dinâmico.

    3.5 deslocamento de queda: Distância vertical percorrida pela massa de ensaio entre a posição inicial (início de queda
    livre) e a posição final (equilíbrio depois da queda).

    3.6 cinturão de segurança: Dispositivo posicionado, por meio de fivela, ao corpo do trabalhador, usado para sustentá-lo
    ou evitar sua queda, através de cordas ou talabartes presos com mosqueetões às argolas a ele fixadas (NBR 11370 e
    NBR 11371).

    3.7 talabarte ou corda: Dispositivo, regulável ou não, para sustentar o trabalhador e limitar a sua queda (NBR 11370 e
    NBR 11371).

    3.8 absorvedor de energia: Dispositivo destinado a limitar o valor da força de frenagem no caso de uma queda.

    3.9 massa de ensaio: Cilindro metálico com massa de (100 ± 1) kg, olhal central ou lateral, conforme a figura 1.

                                                                                                   Dimensões em milímetros




                                                  Figura 1 - Massa de ensaio


    4 Requisitos
    4.1 Projeto e ergonomia
    O trava-queda deve oferecer proteção adequada, a fim de impedir riscos e transtornos nas condições de uso.
    Ele deve oferecer facilidade de posicionamento e ser tão leve quanto possível, sem prejudicar a resistência e a eficiência
    do equipamento.
    4.2 Materiais e construção
    4.2.1 A linha de ancoragem rígida pode ser de perfil rígido ou cabo de aço galvanizado com diâmetro de no mínimo 8 mm,
    com carga de ruptura de pelo menos 15 kN.
    4.2.2 Para limitar os movimentos laterais, o perfil rígido deve ser preso à estrutura em intervalos recomendados pelo
    fabricante ou o cabo de aço deve ser esticado e suas extremidades presas à estrutura.
    4.2.3 O talabarte do trava-queda, guiado em linha rígida, pode ser de corrente, corda ou fita sintética. Seu comprimento
    pode ser no máximo igual ao usado no ensaio de desempenho dinâmico e não pode exceder 0,50 m, incluindo eventual
    absorvedor de energia (NBR 14629).
    4.2.4 Para conectar ou desconectar o trava-queda da linha rígida, deve haver pelo menos duas ações manuais deliberadas
    e consecutivas.
    4.3 Carga de ruptura

    No ensaio descrito em 5.2, a máxima força aplicada deve ser de 15 kN.
Cópia não autorizada

NBR 14627:2000                                                                                                                         3


  4.4 Resistência à corrosão

  As partes metálicas sujeitas à corrosão devem ser zincadas com espessura mínima da camada de 25 µm. O método para
  verificação do esquema de revestimento deve ser por meio magnético, medido por micrômetro.

  5 Métodos de ensaio

  5.1 Amostragem
  Nos ensaios de resistência estática, desempenho dinâmico e verificação da camada de zincagem são adotados o nível es-
  pecial de inspeção S1 e NQA de 0,65, conforme a NBR 5426.

  5.2 Carga de ruptura da linha rígida

  Para execucão deste ensaio, deve-se proceder da maneira descrita a seguir:

  5.2.1 Instalar a amostra na linha flexível a ser submetida ao ensaio, de acordo com o esquema da figura 2.




  1.   ponto de ancoragem
  2.   instrumento de medição de força (dinamômetro)
  3.   conexão entre o dinamômetro e a linha de ancoragem flexível
  4.   linha de ancoragem flexível

                                                                 Figura 2


  5.2.2 Prender o cabo de aço ou perfil rígido pelas extremidades.

  5.2.3 Aplicar a força P progressivamente até o valor máximo e manter este valor durante 3 min.

  5.2.4 A máxima força deve ser de 15 kN.

  5.2.5 Rejeitar o lote se a amostragem retirada deste lote não satisfizer os requisitos deste ensaio.

  5.3 Desempenho dinâmico

  5.3.1 Desempenho dinâmico - Método A

  Para execução deste ensaio, deve-se proceder da maneira descrita a seguir.

  5.3.1.1 Instalar o equipamento a ser submetido ao ensaio, de acordo com o esquema da figura 3.

  5.3.1.2 Prender o cabo de aço ou o perfil rígido pelas extremidades.
  NOTA - Permite-se colocar guias laterais na linha de ancoragem rígida por um critério em comum acordo entre o laboratório de ensaio e o
  fabricante.

  5.3.1.3 Posicionar o aparelho a 300 mm no máximo do conector.

  5.3.1.4 Prender a massa de ensaio de 100 kg ao talabarte do trava-queda, através de conectores.
  5.3.1.5 Levantar a massa de ensaio acima do trava-queda tanto quanto o talabarte e os conectores o permitirem e no má-
  ximo a 300 mm, horizontalmente, do topo da linha de ancoragem. Manter a massa de ensaio por meio de dispositivo de sol-
  tura rápida.

  5.3.1.6 Deixar a massa de ensaio cair e medir a força de frenagem. Depois da queda, estando a massa em repouso, medir
  o deslocamento de queda H.

  5.3.1.7 A força de frenagem não deve exceder 6 kN e o deslocamento de queda (H) não deve exceder 1 m.

  5.3.1.8 Rejeitar o lote se a amostragem retirada deste lote não satisfizer os requisitos deste ensaio.
Cópia não autorizada
4                                                                                                       NBR 14627:2000


    5.3.1.9 Após a realização dos ensaios (estático e dinâmico método A), os equipamentos utilizados devem ser destruídos.
    5.3.2 Desempenho dinâmico - Método B
    Para a execução deste ensaio, deve-se proceder da maneira descrita a seguir:
    5.3.2.1 Instalar o equipamento a ser submetido ao ensaio, de acordo com o esquema da figura 4.




    1. ponto de ancoragem
    2. instrumento de medição de força (dinamômetro)
    3. conexão entre o dinamômetro e a linha de ancoragem rígida
    4. trava-queda posicionado no máximo a 300 mm do conector
    5. linha de ancoragem rígida
    6. guia lateral
    7. massa de ensaio de 100 kg

                                                          Figura - 3 Método A




    1. ponto de ancoragem
    2. instrumento de medição de força (dinamômetro)
    3. trava-queda posicionado no meio das duas ancoragens consecutivas
    4. massa do ensaio de 100 kg
    5 linha de ancoragem rígida
                                                          Figura 4 - Método B
Cópia não autorizada
NBR 14627:2000                                                                                                                            5


  5.3.2.2 Prender o cabo de aço ou o perfil rígido pelas extremidades.
  NOTA - Permite-se colocar guias laterais na linha de ancoragem rígida por um critério em comum acordo entre o laboratório e o fabricante.

  5.3.2.3 Ligar o dinamômetro entre o talabarte do trava-queda a massa de ensaio de 100 kg.

  5.3.2.4 Posicionar o aparelho no meio de duas ancoragens consecutivas.

  5.3.2.5 Prender a massa de ensaio ao dinamômetro, através de conectores.
  5.3.2.6 Levantar a massa de ensaio acima do trava-queda tanto quanto o talabarte e os conectores o permitirem e no
  máximo a 300 mm, horizontalmente, do topo da linha de ancoragem. Manter a massa de ensaio por meio de dispositivo de
  soltura rápida.

  5.3.2.7 Deixar a massa de ensaio cair e medir a força de frenagem. Depois da queda, estando a massa de ensaio em
  repouso, medir o deslocamento de queda H.

  5.3.2.8 A força de frenagem não deve exceder 6 kN e o deslocamento de queda não deve exceder 1 m.

  5.3.2.9 Rejeitar o lote se a amostragem retirada deste lote não satisfizer os requisitos deste ensaio.

  5.3.2.10 Após a realização deste ensaio (estático e dinâmico - método B), os equipamentos utilizados devem ser des-
  truídos.

  6 Marcação

  O trava-queda guiado em linha rígida deve ser marcado de forma indelével com o nome do fabricante nacional ou
  importador e número do Certificado de Aprovação (CA) do Ministério do Trabalho.

  7 Instrução de uso

  A instrução de uso do trava-queda guiado em linha rígida deve conter:

     a) nome do fabricante nacional ou importador e número do Certificado de Aprovação (CA) do Ministério do Trabalho;

     b) tipo e comprimento máximo do talabarte que pode ser usado;
     c) orientação sobre inspeção antes do uso, inspeção periódica, manutenção, limpeza, armazenagem e fatores de des-
     carte;

     d) advertência sobre os produtos químicos que possam danificar o equipamento.



                                                          _________________

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...Lucila Soares
 
Docslide.com.br memoria de-calculo-de-linha-de-vida
Docslide.com.br memoria de-calculo-de-linha-de-vidaDocslide.com.br memoria de-calculo-de-linha-de-vida
Docslide.com.br memoria de-calculo-de-linha-de-vidaKlezio Portes Reis Portes
 
Linha de vida memorai de calculo
Linha de vida memorai de calculoLinha de vida memorai de calculo
Linha de vida memorai de calculoreativo
 
Abnt nbr 15836 - 2010 corrigida 2011
Abnt   nbr 15836 - 2010 corrigida 2011Abnt   nbr 15836 - 2010 corrigida 2011
Abnt nbr 15836 - 2010 corrigida 2011André Fragoso
 
Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26
Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26
Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26claudinei Nascimento
 
Espec. copel 1.038 corda de fibra para linha de vida r4_2012 - espec. copel 1...
Espec. copel 1.038 corda de fibra para linha de vida r4_2012 - espec. copel 1...Espec. copel 1.038 corda de fibra para linha de vida r4_2012 - espec. copel 1...
Espec. copel 1.038 corda de fibra para linha de vida r4_2012 - espec. copel 1...Kn Expedições
 
Cálculos trabalho em altura
Cálculos trabalho em alturaCálculos trabalho em altura
Cálculos trabalho em alturaElkjaer Braz
 
Projeto de linha de vida segundo normas brasileiras consultoria & engen...
Projeto de linha de vida segundo normas brasileiras   consultoria & engen...Projeto de linha de vida segundo normas brasileiras   consultoria & engen...
Projeto de linha de vida segundo normas brasileiras consultoria & engen...Guilherme Henrique
 
48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabos
48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabos48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabos
48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabosMarcelo Moraes
 
Linha de vida cálculo e especificações
Linha de vida cálculo e especificaçõesLinha de vida cálculo e especificações
Linha de vida cálculo e especificaçõesreativo
 
Slide treinamento - Correntes, ganchos e cintas
Slide treinamento - Correntes, ganchos e cintasSlide treinamento - Correntes, ganchos e cintas
Slide treinamento - Correntes, ganchos e cintasMárcio Roberto de Mattos
 
Nbr 03108 1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
Nbr 03108   1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...Nbr 03108   1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
Nbr 03108 1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...Jean Silva
 
Certificação cabos de aço
Certificação cabos de açoCertificação cabos de aço
Certificação cabos de açoEymard Breda
 
Relês de proteção
Relês de proteçãoRelês de proteção
Relês de proteçãoFabio Souza
 
Elementos de subestação
Elementos de subestaçãoElementos de subestação
Elementos de subestaçãoRafael Silveira
 
Procedimento para utilização e inspeção de cintas e cabos
Procedimento para utilização e inspeção de cintas e cabosProcedimento para utilização e inspeção de cintas e cabos
Procedimento para utilização e inspeção de cintas e cabosUniversidade Federal Fluminense
 

Mais procurados (19)

Treinamento linha de vidas
Treinamento linha de vidasTreinamento linha de vidas
Treinamento linha de vidas
 
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
 
Docslide.com.br memoria de-calculo-de-linha-de-vida
Docslide.com.br memoria de-calculo-de-linha-de-vidaDocslide.com.br memoria de-calculo-de-linha-de-vida
Docslide.com.br memoria de-calculo-de-linha-de-vida
 
Linha de vida memorai de calculo
Linha de vida memorai de calculoLinha de vida memorai de calculo
Linha de vida memorai de calculo
 
Abnt nbr 15836 - 2010 corrigida 2011
Abnt   nbr 15836 - 2010 corrigida 2011Abnt   nbr 15836 - 2010 corrigida 2011
Abnt nbr 15836 - 2010 corrigida 2011
 
Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26
Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26
Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26
 
Espec. copel 1.038 corda de fibra para linha de vida r4_2012 - espec. copel 1...
Espec. copel 1.038 corda de fibra para linha de vida r4_2012 - espec. copel 1...Espec. copel 1.038 corda de fibra para linha de vida r4_2012 - espec. copel 1...
Espec. copel 1.038 corda de fibra para linha de vida r4_2012 - espec. copel 1...
 
Cálculos trabalho em altura
Cálculos trabalho em alturaCálculos trabalho em altura
Cálculos trabalho em altura
 
Projeto de linha de vida segundo normas brasileiras consultoria & engen...
Projeto de linha de vida segundo normas brasileiras   consultoria & engen...Projeto de linha de vida segundo normas brasileiras   consultoria & engen...
Projeto de linha de vida segundo normas brasileiras consultoria & engen...
 
48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabos
48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabos48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabos
48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabos
 
Linha de vida cálculo e especificações
Linha de vida cálculo e especificaçõesLinha de vida cálculo e especificações
Linha de vida cálculo e especificações
 
Slide treinamento - Correntes, ganchos e cintas
Slide treinamento - Correntes, ganchos e cintasSlide treinamento - Correntes, ganchos e cintas
Slide treinamento - Correntes, ganchos e cintas
 
Nbr 03108 1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
Nbr 03108   1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...Nbr 03108   1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
Nbr 03108 1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
 
Certificação cabos de aço
Certificação cabos de açoCertificação cabos de aço
Certificação cabos de aço
 
Nbr 16489
Nbr 16489Nbr 16489
Nbr 16489
 
Relês de proteção
Relês de proteçãoRelês de proteção
Relês de proteção
 
Elementos de subestação
Elementos de subestaçãoElementos de subestação
Elementos de subestação
 
Cabos de aço cimaf
Cabos de aço cimafCabos de aço cimaf
Cabos de aço cimaf
 
Procedimento para utilização e inspeção de cintas e cabos
Procedimento para utilização e inspeção de cintas e cabosProcedimento para utilização e inspeção de cintas e cabos
Procedimento para utilização e inspeção de cintas e cabos
 

Destaque

Partículas sedimentáveis e incômodo
Partículas sedimentáveis e incômodoPartículas sedimentáveis e incômodo
Partículas sedimentáveis e incômodoVereador Serjão
 
Nbr 5413 luminiscência de interiores
Nbr 5413   luminiscência de interioresNbr 5413   luminiscência de interiores
Nbr 5413 luminiscência de interioresmjmcreatore
 
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concretoNbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concretoFabiana Cunha Consultare
 
Nr 33 Trabalhos em Espaços Confinados
Nr 33   Trabalhos em Espaços ConfinadosNr 33   Trabalhos em Espaços Confinados
Nr 33 Trabalhos em Espaços Confinadosflorentinotm
 
Nbr5419 1 proteção contra descargas atmosféricas - parte 1- princípios gerais
Nbr5419 1  proteção contra descargas atmosféricas - parte 1- princípios geraisNbr5419 1  proteção contra descargas atmosféricas - parte 1- princípios gerais
Nbr5419 1 proteção contra descargas atmosféricas - parte 1- princípios geraisElkjaer Braz
 
Campanha adornos
Campanha adornosCampanha adornos
Campanha adornosAne Costa
 
Permissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quentePermissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quenteJose Fernandes
 
PT - Permissão de Trabalho - Trabalho em Altura
PT - Permissão de Trabalho - Trabalho em AlturaPT - Permissão de Trabalho - Trabalho em Altura
PT - Permissão de Trabalho - Trabalho em Alturaproftstsergioetm
 
Nbr 5382 verificação de iluminancia de interiores
Nbr 5382 verificação de iluminancia de interioresNbr 5382 verificação de iluminancia de interiores
Nbr 5382 verificação de iluminancia de interioresAne Costa
 

Destaque (20)

NBR 11370
NBR 11370NBR 11370
NBR 11370
 
Nbr 15475 cordas
Nbr 15475   cordasNbr 15475   cordas
Nbr 15475 cordas
 
NBR 5413
NBR 5413 NBR 5413
NBR 5413
 
NBR 6494
NBR 6494NBR 6494
NBR 6494
 
Partículas sedimentáveis e incômodo
Partículas sedimentáveis e incômodoPartículas sedimentáveis e incômodo
Partículas sedimentáveis e incômodo
 
Nbr 5413 luminiscência de interiores
Nbr 5413   luminiscência de interioresNbr 5413   luminiscência de interiores
Nbr 5413 luminiscência de interiores
 
NBR 13994
NBR 13994 NBR 13994
NBR 13994
 
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concretoNbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
 
NBR
NBR NBR
NBR
 
NBR 16325 - Linhas de vida
NBR 16325 - Linhas de vida NBR 16325 - Linhas de vida
NBR 16325 - Linhas de vida
 
Nr 33 Trabalhos em Espaços Confinados
Nr 33   Trabalhos em Espaços ConfinadosNr 33   Trabalhos em Espaços Confinados
Nr 33 Trabalhos em Espaços Confinados
 
Nbr5419 1 proteção contra descargas atmosféricas - parte 1- princípios gerais
Nbr5419 1  proteção contra descargas atmosféricas - parte 1- princípios geraisNbr5419 1  proteção contra descargas atmosféricas - parte 1- princípios gerais
Nbr5419 1 proteção contra descargas atmosféricas - parte 1- princípios gerais
 
PT ou ATR novo Modelo
PT ou ATR novo ModeloPT ou ATR novo Modelo
PT ou ATR novo Modelo
 
Campanha adornos
Campanha adornosCampanha adornos
Campanha adornos
 
Permissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quentePermissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quente
 
Permissão de Trabalho - PT 0001
Permissão de Trabalho - PT 0001Permissão de Trabalho - PT 0001
Permissão de Trabalho - PT 0001
 
Nr 13 laudos de vasos de pressao
Nr 13 laudos de vasos de pressaoNr 13 laudos de vasos de pressao
Nr 13 laudos de vasos de pressao
 
PT - Permissão de Trabalho - Trabalho em Altura
PT - Permissão de Trabalho - Trabalho em AlturaPT - Permissão de Trabalho - Trabalho em Altura
PT - Permissão de Trabalho - Trabalho em Altura
 
Nbr 5382 verificação de iluminancia de interiores
Nbr 5382 verificação de iluminancia de interioresNbr 5382 verificação de iluminancia de interiores
Nbr 5382 verificação de iluminancia de interiores
 
Apostila de espaços confinados
Apostila de espaços confinadosApostila de espaços confinados
Apostila de espaços confinados
 

Semelhante a NBR14627

Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...
Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...
Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...andresaints
 
Nbr 14751 equip protecao ind. cadeira sup.
Nbr 14751 equip protecao ind. cadeira sup.Nbr 14751 equip protecao ind. cadeira sup.
Nbr 14751 equip protecao ind. cadeira sup.Carlos Kaka
 
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensaNbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensaCarlos Kaka
 
Nbr 03108 1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
Nbr 03108   1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...Nbr 03108   1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
Nbr 03108 1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...230551
 
Nbr 03108 1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
Nbr 03108   1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...Nbr 03108   1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
Nbr 03108 1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...Alexandre Ferreira De Souza
 
Nbr 6979 conjunto de manobra e controle em involucro meta
Nbr 6979   conjunto de manobra e controle em involucro metaNbr 6979   conjunto de manobra e controle em involucro meta
Nbr 6979 conjunto de manobra e controle em involucro metaMaycon Fabio
 
ABNT CB32 - Trabalho em Altura.pdf
ABNT CB32 - Trabalho em Altura.pdfABNT CB32 - Trabalho em Altura.pdf
ABNT CB32 - Trabalho em Altura.pdfProtermicaTst
 
Nbr 15071 04 2004 - cones
Nbr 15071 04 2004 - conesNbr 15071 04 2004 - cones
Nbr 15071 04 2004 - conesAndré Fragoso
 
Especificação Técnica - Trava Quedas retrátil
Especificação Técnica - Trava Quedas retrátilEspecificação Técnica - Trava Quedas retrátil
Especificação Técnica - Trava Quedas retrátilRenato Vasconcelos
 
Nbr 05410 1997 - instalações elétricas de baixa tensão(outra)
Nbr 05410   1997 - instalações elétricas de baixa tensão(outra)Nbr 05410   1997 - instalações elétricas de baixa tensão(outra)
Nbr 05410 1997 - instalações elétricas de baixa tensão(outra)Sebastian Nunes
 
DME - MÉDIA TENSÃO.pdf
DME - MÉDIA TENSÃO.pdfDME - MÉDIA TENSÃO.pdf
DME - MÉDIA TENSÃO.pdfWendellCampos5
 
Disjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntDisjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntJAILTON1961
 
Disjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntDisjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntNORVALFERREIRA
 

Semelhante a NBR14627 (20)

Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...
Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...
Nbr 14628-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-retratil-especificac...
 
Nbr 14751 equip protecao ind. cadeira sup.
Nbr 14751 equip protecao ind. cadeira sup.Nbr 14751 equip protecao ind. cadeira sup.
Nbr 14751 equip protecao ind. cadeira sup.
 
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensaNbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
Nbr 14751 eq. protecao individual cadeira suspensa
 
Nbr 03108 1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
Nbr 03108   1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...Nbr 03108   1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
Nbr 03108 1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
 
Nbr 03108 1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
Nbr 03108   1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...Nbr 03108   1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
Nbr 03108 1998 - cabos de aco para uso geral - determinacao da carga de rup...
 
Nbr 03108
Nbr 03108Nbr 03108
Nbr 03108
 
Nbr 6979 conjunto de manobra e controle em involucro meta
Nbr 6979   conjunto de manobra e controle em involucro metaNbr 6979   conjunto de manobra e controle em involucro meta
Nbr 6979 conjunto de manobra e controle em involucro meta
 
Normas 171211
Normas 171211Normas 171211
Normas 171211
 
ABNT CB32 - Trabalho em Altura.pdf
ABNT CB32 - Trabalho em Altura.pdfABNT CB32 - Trabalho em Altura.pdf
ABNT CB32 - Trabalho em Altura.pdf
 
Andaimeparte1
Andaimeparte1Andaimeparte1
Andaimeparte1
 
Nbr 15071 04 2004 - cones
Nbr 15071 04 2004 - conesNbr 15071 04 2004 - cones
Nbr 15071 04 2004 - cones
 
Especificação Técnica - Trava Quedas retrátil
Especificação Técnica - Trava Quedas retrátilEspecificação Técnica - Trava Quedas retrátil
Especificação Técnica - Trava Quedas retrátil
 
76 84
76 8476 84
76 84
 
Abnt nbr - 5410
Abnt   nbr - 5410Abnt   nbr - 5410
Abnt nbr - 5410
 
Nbr 05410 1997 - instalações elétricas de baixa tensão(outra)
Nbr 05410   1997 - instalações elétricas de baixa tensão(outra)Nbr 05410   1997 - instalações elétricas de baixa tensão(outra)
Nbr 05410 1997 - instalações elétricas de baixa tensão(outra)
 
nbr-5410-abnt-
nbr-5410-abnt-nbr-5410-abnt-
nbr-5410-abnt-
 
Abnt nbr 5410
Abnt   nbr 5410Abnt   nbr 5410
Abnt nbr 5410
 
DME - MÉDIA TENSÃO.pdf
DME - MÉDIA TENSÃO.pdfDME - MÉDIA TENSÃO.pdf
DME - MÉDIA TENSÃO.pdf
 
Disjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntDisjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abnt
 
Disjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntDisjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abnt
 

Mais de Ane Costa

Treinamento sinalização de segurança
Treinamento sinalização de segurançaTreinamento sinalização de segurança
Treinamento sinalização de segurançaAne Costa
 
Treinamento trava quedas
Treinamento trava quedasTreinamento trava quedas
Treinamento trava quedasAne Costa
 
Treinamento transportador de correa
Treinamento transportador de correaTreinamento transportador de correa
Treinamento transportador de correaAne Costa
 
Treinamento geral radioproteção
Treinamento geral radioproteçãoTreinamento geral radioproteção
Treinamento geral radioproteçãoAne Costa
 
Treinamento coleta seletiva (muito bom)
Treinamento coleta seletiva (muito bom)Treinamento coleta seletiva (muito bom)
Treinamento coleta seletiva (muito bom)Ane Costa
 
Treinamento choque elétrico
Treinamento choque elétricoTreinamento choque elétrico
Treinamento choque elétricoAne Costa
 
Treinamento Toxcologia industrial
Treinamento Toxcologia industrialTreinamento Toxcologia industrial
Treinamento Toxcologia industrialAne Costa
 
Treinamento Segurança em prensas
Treinamento Segurança em prensas Treinamento Segurança em prensas
Treinamento Segurança em prensas Ane Costa
 
treinamento ruido
treinamento ruido treinamento ruido
treinamento ruido Ane Costa
 
Treinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratóriaTreinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratóriaAne Costa
 
Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros Ane Costa
 
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOSMODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOSAne Costa
 
FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO
FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO
FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO Ane Costa
 
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOSMODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOSAne Costa
 
Formulario inspeção E.P.I
Formulario inspeção E.P.IFormulario inspeção E.P.I
Formulario inspeção E.P.IAne Costa
 
Modelo de ficha de E.P.I
Modelo de ficha de E.P.I Modelo de ficha de E.P.I
Modelo de ficha de E.P.I Ane Costa
 
modelo de ficha de E.P.I
modelo de ficha de E.P.I modelo de ficha de E.P.I
modelo de ficha de E.P.I Ane Costa
 
MODELO DE A.P.T
MODELO DE A.P.TMODELO DE A.P.T
MODELO DE A.P.TAne Costa
 
Check list veículos
Check list veículosCheck list veículos
Check list veículosAne Costa
 

Mais de Ane Costa (20)

Treinamento sinalização de segurança
Treinamento sinalização de segurançaTreinamento sinalização de segurança
Treinamento sinalização de segurança
 
Treinamento trava quedas
Treinamento trava quedasTreinamento trava quedas
Treinamento trava quedas
 
Treinamento transportador de correa
Treinamento transportador de correaTreinamento transportador de correa
Treinamento transportador de correa
 
Treinamento geral radioproteção
Treinamento geral radioproteçãoTreinamento geral radioproteção
Treinamento geral radioproteção
 
Treinamento coleta seletiva (muito bom)
Treinamento coleta seletiva (muito bom)Treinamento coleta seletiva (muito bom)
Treinamento coleta seletiva (muito bom)
 
Treinamento choque elétrico
Treinamento choque elétricoTreinamento choque elétrico
Treinamento choque elétrico
 
Treinamento Toxcologia industrial
Treinamento Toxcologia industrialTreinamento Toxcologia industrial
Treinamento Toxcologia industrial
 
Treinamento Segurança em prensas
Treinamento Segurança em prensas Treinamento Segurança em prensas
Treinamento Segurança em prensas
 
treinamento ruido
treinamento ruido treinamento ruido
treinamento ruido
 
Treinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratóriaTreinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratória
 
Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros
 
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOSMODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
 
FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO
FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO
FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO
 
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOSMODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOS
 
Formulario inspeção E.P.I
Formulario inspeção E.P.IFormulario inspeção E.P.I
Formulario inspeção E.P.I
 
mOa
mOamOa
mOa
 
Modelo de ficha de E.P.I
Modelo de ficha de E.P.I Modelo de ficha de E.P.I
Modelo de ficha de E.P.I
 
modelo de ficha de E.P.I
modelo de ficha de E.P.I modelo de ficha de E.P.I
modelo de ficha de E.P.I
 
MODELO DE A.P.T
MODELO DE A.P.TMODELO DE A.P.T
MODELO DE A.P.T
 
Check list veículos
Check list veículosCheck list veículos
Check list veículos
 

Último

Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 

Último (9)

Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 

NBR14627

  • 1. Cópia não autorizada NBR 14627 DEZ 2000 Equipamento de proteção individual - Trava-queda guiado em linha rígida - Especificação e métodos de ensaio ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 – Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro – RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fax: (021) 220-1762/220-6436 Endereço eletrônico: Origem: Projeto 32:004.01-002:2000 www.abnt.org.br ABNT/CB-32 - Comitê Brasileiro de Equipamentos de Proteção Individual CE-32:004.01 - Comissão de Estudo de Trava-Queda NBR 14627 - Personal protective equipment - Against falls from a height - Specification and test methods Descriptors: EPI. Fall arrester Copyright © 2000, Esta Norma foi baseada na EN 353-1:1992 ABNT–Associação Brasileira Válida a partir de 29.01.2001 de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Palavras-chave: EPI. Trava-queda 5 páginas Todos os direitos reservados Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Requisitos 5 Métodos de ensaio 6 Marcação 7 Instrução de uso Prefácio A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros). Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ABNT/ONS, circulam para Consulta Pública entre os associados da ABNT e demais interessados. Esta Norma foi baseada na EN 353-1:1992. 1 Objetivo Esta Norma especifica os requisitos, ensaios, marcação e instruções de uso dos trava-quedas guiados em linha de anco- ragem rígida 2 Referências normativas As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento. NBR 5426:1985 - Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributo NBR 11370:1990 - Cinturão, talabarte e corda de segurança - Especificação NBR 11371:1990 - Cinturão, talabarte e corda de segurança - Ensaios NBR 14629:2000 - Equipamento de proteção individual - Absorvedor de energia - Especificação e métodos de ensaio
  • 2. Cópia não autorizada 2 NBR 14627:2000 3 Definições Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições: 3.1 trava-queda guiado em linha rígida: Equipamento automático de travamento que se desloca numa linha de ancora- gem fixa e rígida, destinado a travar a movimentação do cinturão de segurança quando ocorrer uma queda. 3.2 linha de ancoragem rígida: Cabo de aço ou perfil rígido preso numa estrutura, de modo que fica limitada sua movi- mentação lateral. Destina-se a servir para movimentação dos trava-quedas em linha rígida. 3.3 ponto de ancoragem: Ponto com resistência mecânica superior a 15 kN, destinado a fixar cabos de segurança, linha de ancoragem ou trava-queda. 3.4 força de frenagem: Máxima força (força de pico) medida no ponto ou linha de ancoragem durante o período de fre- nagem do ensaio de desempenho dinâmico. 3.5 deslocamento de queda: Distância vertical percorrida pela massa de ensaio entre a posição inicial (início de queda livre) e a posição final (equilíbrio depois da queda). 3.6 cinturão de segurança: Dispositivo posicionado, por meio de fivela, ao corpo do trabalhador, usado para sustentá-lo ou evitar sua queda, através de cordas ou talabartes presos com mosqueetões às argolas a ele fixadas (NBR 11370 e NBR 11371). 3.7 talabarte ou corda: Dispositivo, regulável ou não, para sustentar o trabalhador e limitar a sua queda (NBR 11370 e NBR 11371). 3.8 absorvedor de energia: Dispositivo destinado a limitar o valor da força de frenagem no caso de uma queda. 3.9 massa de ensaio: Cilindro metálico com massa de (100 ± 1) kg, olhal central ou lateral, conforme a figura 1. Dimensões em milímetros Figura 1 - Massa de ensaio 4 Requisitos 4.1 Projeto e ergonomia O trava-queda deve oferecer proteção adequada, a fim de impedir riscos e transtornos nas condições de uso. Ele deve oferecer facilidade de posicionamento e ser tão leve quanto possível, sem prejudicar a resistência e a eficiência do equipamento. 4.2 Materiais e construção 4.2.1 A linha de ancoragem rígida pode ser de perfil rígido ou cabo de aço galvanizado com diâmetro de no mínimo 8 mm, com carga de ruptura de pelo menos 15 kN. 4.2.2 Para limitar os movimentos laterais, o perfil rígido deve ser preso à estrutura em intervalos recomendados pelo fabricante ou o cabo de aço deve ser esticado e suas extremidades presas à estrutura. 4.2.3 O talabarte do trava-queda, guiado em linha rígida, pode ser de corrente, corda ou fita sintética. Seu comprimento pode ser no máximo igual ao usado no ensaio de desempenho dinâmico e não pode exceder 0,50 m, incluindo eventual absorvedor de energia (NBR 14629). 4.2.4 Para conectar ou desconectar o trava-queda da linha rígida, deve haver pelo menos duas ações manuais deliberadas e consecutivas. 4.3 Carga de ruptura No ensaio descrito em 5.2, a máxima força aplicada deve ser de 15 kN.
  • 3. Cópia não autorizada NBR 14627:2000 3 4.4 Resistência à corrosão As partes metálicas sujeitas à corrosão devem ser zincadas com espessura mínima da camada de 25 µm. O método para verificação do esquema de revestimento deve ser por meio magnético, medido por micrômetro. 5 Métodos de ensaio 5.1 Amostragem Nos ensaios de resistência estática, desempenho dinâmico e verificação da camada de zincagem são adotados o nível es- pecial de inspeção S1 e NQA de 0,65, conforme a NBR 5426. 5.2 Carga de ruptura da linha rígida Para execucão deste ensaio, deve-se proceder da maneira descrita a seguir: 5.2.1 Instalar a amostra na linha flexível a ser submetida ao ensaio, de acordo com o esquema da figura 2. 1. ponto de ancoragem 2. instrumento de medição de força (dinamômetro) 3. conexão entre o dinamômetro e a linha de ancoragem flexível 4. linha de ancoragem flexível Figura 2 5.2.2 Prender o cabo de aço ou perfil rígido pelas extremidades. 5.2.3 Aplicar a força P progressivamente até o valor máximo e manter este valor durante 3 min. 5.2.4 A máxima força deve ser de 15 kN. 5.2.5 Rejeitar o lote se a amostragem retirada deste lote não satisfizer os requisitos deste ensaio. 5.3 Desempenho dinâmico 5.3.1 Desempenho dinâmico - Método A Para execução deste ensaio, deve-se proceder da maneira descrita a seguir. 5.3.1.1 Instalar o equipamento a ser submetido ao ensaio, de acordo com o esquema da figura 3. 5.3.1.2 Prender o cabo de aço ou o perfil rígido pelas extremidades. NOTA - Permite-se colocar guias laterais na linha de ancoragem rígida por um critério em comum acordo entre o laboratório de ensaio e o fabricante. 5.3.1.3 Posicionar o aparelho a 300 mm no máximo do conector. 5.3.1.4 Prender a massa de ensaio de 100 kg ao talabarte do trava-queda, através de conectores. 5.3.1.5 Levantar a massa de ensaio acima do trava-queda tanto quanto o talabarte e os conectores o permitirem e no má- ximo a 300 mm, horizontalmente, do topo da linha de ancoragem. Manter a massa de ensaio por meio de dispositivo de sol- tura rápida. 5.3.1.6 Deixar a massa de ensaio cair e medir a força de frenagem. Depois da queda, estando a massa em repouso, medir o deslocamento de queda H. 5.3.1.7 A força de frenagem não deve exceder 6 kN e o deslocamento de queda (H) não deve exceder 1 m. 5.3.1.8 Rejeitar o lote se a amostragem retirada deste lote não satisfizer os requisitos deste ensaio.
  • 4. Cópia não autorizada 4 NBR 14627:2000 5.3.1.9 Após a realização dos ensaios (estático e dinâmico método A), os equipamentos utilizados devem ser destruídos. 5.3.2 Desempenho dinâmico - Método B Para a execução deste ensaio, deve-se proceder da maneira descrita a seguir: 5.3.2.1 Instalar o equipamento a ser submetido ao ensaio, de acordo com o esquema da figura 4. 1. ponto de ancoragem 2. instrumento de medição de força (dinamômetro) 3. conexão entre o dinamômetro e a linha de ancoragem rígida 4. trava-queda posicionado no máximo a 300 mm do conector 5. linha de ancoragem rígida 6. guia lateral 7. massa de ensaio de 100 kg Figura - 3 Método A 1. ponto de ancoragem 2. instrumento de medição de força (dinamômetro) 3. trava-queda posicionado no meio das duas ancoragens consecutivas 4. massa do ensaio de 100 kg 5 linha de ancoragem rígida Figura 4 - Método B
  • 5. Cópia não autorizada NBR 14627:2000 5 5.3.2.2 Prender o cabo de aço ou o perfil rígido pelas extremidades. NOTA - Permite-se colocar guias laterais na linha de ancoragem rígida por um critério em comum acordo entre o laboratório e o fabricante. 5.3.2.3 Ligar o dinamômetro entre o talabarte do trava-queda a massa de ensaio de 100 kg. 5.3.2.4 Posicionar o aparelho no meio de duas ancoragens consecutivas. 5.3.2.5 Prender a massa de ensaio ao dinamômetro, através de conectores. 5.3.2.6 Levantar a massa de ensaio acima do trava-queda tanto quanto o talabarte e os conectores o permitirem e no máximo a 300 mm, horizontalmente, do topo da linha de ancoragem. Manter a massa de ensaio por meio de dispositivo de soltura rápida. 5.3.2.7 Deixar a massa de ensaio cair e medir a força de frenagem. Depois da queda, estando a massa de ensaio em repouso, medir o deslocamento de queda H. 5.3.2.8 A força de frenagem não deve exceder 6 kN e o deslocamento de queda não deve exceder 1 m. 5.3.2.9 Rejeitar o lote se a amostragem retirada deste lote não satisfizer os requisitos deste ensaio. 5.3.2.10 Após a realização deste ensaio (estático e dinâmico - método B), os equipamentos utilizados devem ser des- truídos. 6 Marcação O trava-queda guiado em linha rígida deve ser marcado de forma indelével com o nome do fabricante nacional ou importador e número do Certificado de Aprovação (CA) do Ministério do Trabalho. 7 Instrução de uso A instrução de uso do trava-queda guiado em linha rígida deve conter: a) nome do fabricante nacional ou importador e número do Certificado de Aprovação (CA) do Ministério do Trabalho; b) tipo e comprimento máximo do talabarte que pode ser usado; c) orientação sobre inspeção antes do uso, inspeção periódica, manutenção, limpeza, armazenagem e fatores de des- carte; d) advertência sobre os produtos químicos que possam danificar o equipamento. _________________