SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
ICS 13.260         JUL 2006           PROJETO DE REVISÃO
                                                                                  ABNT NBR 10622
                                     Equipamento de proteção individual –
                                     Luva isolante de borracha
ABNT – Associação
Brasileira de                        Origem: ABNT NBR 10622:1989
Normas Técnicas                      ABNT/CB-32- Comitê Brasileiro de Equipamentos de Proteção Individual
                                     CE-32:006.05 - Comissão de Estudo de Luvas e Vestimentas de Proteção –
Sede:                                Riscos Elétricos
Rio de Janeiro
Av. Treze de Maio, 13 28º andar      ABNT NBR 10622 – Personal protective equipment – Gloves of insulating
CEP 2003-901 - Rio de Janeiro – RJ
Tel.: PABX (021) 3974-2300           rubber
Fax: (021) 2220-1762
Endereço eletrônico:                 Descriptors: Personal protective equipment. Protection clothing. Work safety.
www.abnt.org.br                      Accident prevention.
                                     Esta Norma cancela e substitui a ABNT NBR 10622:1989.
                                     Esta Norma cancela e substitui a ABNT NBR 10624:1989.


                                     Palavras-chave:      Equipamento de proteção individual. Luva            22 páginas
Copyright © 2006,
ABNT - Associação Brasileira                              de proteção. Roupa de proteção.
de Normas Técnicas
Printed in Brazil/
                                                          Segurança no trabalho. Prevenção de
Impresso no Brasil                                        acidente.
Todos os direitos reservados




      Sumário

      Prefácio
      1 Objetivo
      2 Definições
      3 Requisitos
      4 Amostragem
      5 Verificação das dimensões
      6 Determinação das propriedades elétricas
      7 Determinação da resistência ao ozônio
      8 Determinação das propriedades mecânicas
      9 Marcação e embalagem

      Prefácio

      A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo
      conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial
      (ABNT/ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas
      fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).

      Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ABNT/ONS, circulam para Consulta Nacional
      entre os associados da ABNT e demais interessados.
      1 Objetivo

      Esta Norma especifica os requisitos para as luvas isolantes de borracha para proteção contra choques elétricos.


      2 Definições
      2.1 arco elétrico: Condução em gásautomantida para a qual a maioria dos portadores de carga são elétrons liberados por
      emissão eletrônica primaria.

      2.2 área de trabalho: Região entre os dedos, a palma, a área dos dedos e polegar virado para a palma da mão, sem se
      estender além da linha central de união (ver figura 1).
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                                2




                                                  Figura 1 – Área de trabalho



  2.3 borracha: Termo genérico que inclui elastômeros e seus compostos, independentemente da origem.

  2.4 cano: Área da luva situada entre o punho e a orla reforçada da abertura.

  2.5 corrente alternada: Corrente periodica cujo valor médio é igual a zero.

  2.6 corrente contínua: Corrente cujo valor é independente do tempo.

  2.7 corrente de fuga: Corrente de condução que, devido a isolamento imperfeito, percorre um caminho diferente do
  previsto.

  2.8 corte por ozônio: Rachaduras entrelaçadas na borracha pela ação do ozônio.

  2.9 descarga eletrica: Processo causado por um campo elétrico, que muda abruptamente todo ou parte de um meio
  isolante, para meio condutor.

  2.10 halogenação: Exposição da superfície da luva a um halogênio, para fins de redução do atrito superficial.

  2.11 luva de borracha: Equipamento destinado a proteger a mão, o punho e parte do antebraço do usuário, permitindo
  completa independência de movimentos dos dedos, podendo ser de borracha natural, sintética ou combinação de ambas.

  2.12 material condutor embebido: definir

  2.13 material isolante: Material, em geral um dielétrico, utilizado para impedir a passagem de correntes de condução.

  2.14 orla: Acabamento da extremidade do cano da luva.

  2.15 orla reforçada: Acabamento da extremidade do cano da luva obtida por enrolamento do cano da luva.

  2.16 ozônio: Forma muito ativa de oxigênio que pode ser produzida por descarga elétrica, efeito corona ou raios
  ultravioleta.

  2.17 palma: Área entre o punho e a base dos dedos.

  2.18 perfuração: Efeito da descarga ou arco elétrico que ocorre entre os eletrodos e através da luva a ser ensaiada.

  2.19 tensão elétrica : Grandeza escalar igual à integral de linha dp vetor campo elétrico, de um ponto a outro ao longo de
  um percurso dado.

  2.20 tensão máxima de uso: Valor eficaz máximo entre fases no qual a luva pode ser utilizada.

  2.21 usuário: Pessoa que utiliza a luva.

  3 Requisitos

  3.1 Classificação

  3.1.1 As luvas devem ser dos seguintes tipos:
    a)   tipo I – não resistente ao ozônio;

    b)   tipo II – resistente ao ozônio.

  3.1.2 São estabelecidas as seguintes classes de luva: 00, 0, 1, 2, 3 e 4.
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                                 3


  3.1.3 A classe das luvas deve ser identificada através de marcação legível e indelével no dorso do cano, dentro de uma
  faixa de 50 mm a contar da orla. A marcação deve ter uma cor especifica para cada classe da luva conforme segue:

      a)        classe 00 – bege;

      b)        classe 0 – vermelha;

      c)        classe 1 – branca;

      d)        classe 2 – amarela;

      e)        classe 3 – verde;

      f)        classe 4 – laranja.

  3.2 Acabamento

  3.2.1 Todas as luvas devem ser submetidas à inspeção visual interna e externa.

  3.2.2 As luvas devem ser livres nas superfícies interna e externa de irregularidades físicas prejudiciais que comprometam o
  contorno superficial uniforme e liso e representem riscos em potencial ao usuário, tais como furos minúsculos, trincas,
  bolhas, cortes, material condutor embebido, enrugamento, marcas de esmagamento, bolsas de ar retido, pregas salientes
  e marcas de moldagem proeminentes.

  3.2.3 A parte interna deve ter acabamento por halogenação ou outro processo similar que permita bom calçamento, sem
  comprometer os requisitos desta Norma.

  3.2.4 Algumas irregularidades físicas não prejudiciais podem estar presentes nas superfícies interna e externa da luva,
  devido às imperfeições nas formas ou moldes ou devido às dificuldades inerentes ao processo de fabricação. Essas
  irregularidades podem aparecer como marcas de modelagem que se assemelham a cortes, mossas, protuberâncias,
  material estranho embebido ou manchas de cor. São aceitáveis desde que:
     a) as mossas, protuberâncias ou marcas de modelagem tendam a se harmonizar em uma inclinação suave com o
     esticamento do material;

     b) a espessura da borracha em qualquer irregularidade atenda aos requisitos de espessura;

     c) o material estranho permaneça no lugar quando a luva for dobrada e esticada com o material que a envolva;

     d) os salpicos de cor tenham um tamanho máximo de 1 mm em qualquer direção na superfície interna da área de
     trabalho.

  3.2.5 Durante a inspeção visual, não se deve aplicar esforços mecânicos capazes de comprometer as características
  das luvas. A localização de defeitos pode ser feita insuflando ar nas luvas manualmente ou através de um insuflador de ar,
  observando-se os seguintes limites:

     a) luvas do tipo I: nenhuma parte da luva deve esticar mais do que 2 vezes o seu tamanho normal:

     b) luvas do tipo II: nenhuma parte da luva deve esticar mais que 1,25 vez o seu tamanho normal.

  O tamanho das luvas deve ser medido com uma escala graduada.

  3.2.6 Todas as luvas devem ter orça reforçada.

  3.3 Dimensões

  3.3.1 Espessura

  A espessura das luvas deve atender a tabela 1 e ser determinada conforme 5.1.
                                                     Tabela 1 – Espessura das luvas

                                                     Espessura mínima
                 Classe                                                                         Espessura máxima1)
                                                            Mm
                das luvas                                                                               mm
                                      Na união dos dedos             Nas outras partes
                   00                        0,20                          0,25                         0,75
                    0                        0,46                          0,51                         1,02
                    1                        0,63                          0,76                         1,52
                    2                        1,02                          1,27                         2,29
                    3                        1,52                          1,90                         2,92
                    4                        2,03                          2,54                         3,56
           1)
                A espessura máxima para luva tipo II pode ter acréscimo de até 0,6 mm.
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                      4


  3.3.2 Tamanho

  O tamanho das luvas deve atender a tabela 2 e ser determinado conforme 5.2.
                                                  Tabela 2 – Tamanho das luvas
                                                                         Tamanho1)
                                              Número
                                                                           Mm
                                                  8                        203
                                                8,5                        216
                                                  9                        229
                                                9,5                        241
                                                 10                        254
                                                10,5                       267
                                                 11                        279
                                                11,5                       292
                                                 12                        303
                                          A incerteza máxima no tamanho dever ser de ± 13 mm.
                                     1)




  3.3.3 Comprimento

  3.3.3.1 O comprimento das luvas deve atender a tabela 3 e ser determinado conforme 5.3.

                                               Tabela 3 – Comprimento das luvas1)
                                                       Pequena           Média              Grande
                                  Classe
                                                         mm               mm                 Mm
                                     00            280/360            -                 -
                                      0            280/360           410              460
                                      1              360             410              460
                                      2              360             410              460
                                      3              360             410              460
                                      4               -              410              460
                            1)
                                 A incerteza máxima no comprimento deve ser de ± 15 mm.
  3.3.3.2 Para as luvas cuja orla é inclinada, a diferença entre o comprimento máximo e o mínimo deve ser de
  51 mm ± 6 mm.

  3.3.4 Dimensões complementares

  3.3.4.1 As dimensões complementares (ver figura 2) devem atender a tabela 4 e ser determinadas conforme 5.4.
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                5




                             a)                         b)                            c)

     Legenda:

     A – perímetro da orla

     B – perímetro do punho

     C – perímetro do dedo polegar

     D, E, F, G – perímetro dos demais dedos

     H – distância entre o punho até a extremidade do dedo médio

     I, J, L, M, N – comprimento dos dedos

     O, P, Q, R – distância entre a união dos dedos até a extremidade do dedo médio

     T – tamanho da luva

                                         Figura 2 - Dimensões complementares
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                                                                        6


                                                          Tabela 4 – Dimensões complementares
                Dimensão            A    B       C        D        E      F       G     H          I       J       L       M       N     O         P       Q       R
                          mm
         Tamanho
                8,0                354   205     81       69      70     67       58   160        58       62     72       72      59    102       67     69     80
                8,5                368   220     87       71      73     71       62   170        59       65     75       72      59    106       70     72     82
                9,0                375   235     90       74      77     74       66   180        59       69     78       72      60    110       73     75     85
                9,5                390   238     97       75      78     76       70   190        60       72     79       73      60    112       75     77     87
                10,0               390   251     99       80      84     81       72   195        61       73     80       75      62    112       76     79     89
                10,5               398   261     99       81      84     82       74   200        62       75     84       76      63    113       79     81     91
                11,0               398   274     99       85      86     86       77   205        64       76     87       77      63    115       83     83     93
                11,5               405   285     100      91      87     87       79   208        65       77     89       77      64    116       85     86     95
                12,0               405   295     100      95      89     91       80   210        66       78     91       78      65    117       86     87     96
           Tolerância
                                   ± 13 ± 13     ±6       ±6      ±6     ±6     ±6     ± 13       ±6       ±6     ±6    ±6        ±6     ±6       ±6      ±6     ±6
              mm
  3.5 Propriedades elétricas

  3.5.1 As luvas devem suportar, a uma freqüência de 60 Hz, uma tensão alternada (valor eficaz) conforme a tabela 5, ou
  suportar uma tensão contínua conforme a tabela 6. O ensaio deve ser feito conforme 6.1 para corrente alternada e
  conforme 6.2 para corrente contínua.

                                             Tabela 5 – Propriedades elétricas para corrente alternada1 )

    Classe                 Tensão              Tensão de          Tensão mínima                                 Corrente máxima de fuga
         Das              Máxima de          ensaio-valor         de perfuração                                             MA
                            uso2)
        Luvas                                    eficaz            valor eficaz          Luva de                 Luva de            Luva de              Luva de
                       valor eficaz
                                                   V                     V             280 mm de                360 mm de         410 mm de             460 mm de
                               V
                                                                                       comprimento          comprimento           comprimento          comprimento
         00                 500                  2 500                 4 000                  8                    12             não aplicável        não aplicável
          0                 1 000                5 000                 6 000                  8                    12                   14                  16
          1                 7 500               10 000                 20 000                 -                    14                   16                  18
          2                17 000               20 000                 30 000                 -                    16                   18                  20
          3                26 500               30 000                 40 000                 -                    18                   20                  22
          4                36 000               40 000                 50 000                 -                     -                   22                  24

        A corrente de ensaio deve ser medida com uma incerteza máxima de ± 1mA.
   1)


   2)
        Para as classes 1, 2 ,3 e 4, a tensão máxima de uso é baseada na seguinte equação:

   Tensão máxima de uso = 0,95 da tensão de ensaio – 2 000 V

                                               Tabela 6 – Propriedades elétricas para corrente contínua

           Classe de luva                      Tensão máxima de uso                     Tensão de ensaio                        Tensão mínima de perfuração
                                                           V                                           V                                       V
                  00                                      750                                     10 000                                     13 000
                      0                                   1 500                                   20 000                                     35 000
                      1                                11 250                                     40 000                                     60 000
                      2                                25 500                                     50 000                                     70 000
                      3                                39 750                                     60 000                                     80 000
                      4                                54 000                                     70 000                                     90 000

  3.5.2 A tensão elétrica mínima de perfuração das luvas não deve ser inferior ao valor especificado nas tabelas 5 e 6 e o
  ensaio deve ser feito conforme 6.3.
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                                7


  3.5.3 A corrente de fuga através da luva não deve exceder os valores especificados na tabela 5, acrescidos de 2 mA, e o
  ensaio deve ser feito conforme 6.4.

  3.6 Resistência ao ozônio

  3.6.1 O material da luva tipo II não deve indicar efeitos visíveis ao ozônio, tais como fendas, furos, rachaduras
  entrelaçadas, fissuras, trincas, bolhas, cortes e enrugamento.A determinação da resistência ao ozônio deve ser feito
  conforme seção 7.

  3.6.2 Luvas do tipo II com pequenos cortes superficiais por corona ou fissuras por ozônio na área do cano podem ser
  aceitas.

  3.7 Propriedades mecânicas

  3.7.1 As propriedades mecânicas das luvas devem atender a tabela 7 e ser determinadas conforme seção 8.

                                           Tabela 7 – Propriedades mecânicas

     Propriedades físicas                                                         Luva tipo I               Luva tipo II
     Resistência à tração mínima, em Mpa                                             17,2                      10,3
     Resistência à tração a 200% máximo, em MPa                                       2,1                       2,1
     Alongamento na ruptura, mínimo em %                                              600                      600
     Deformação permanente máxima após alongamento de 400%, em %                      25                        25
     Resistência ao rasgamento, mínimo, em kN/m                                       21                        14
     Resistência à perfuração mecânica mínima, kN/m                                   18                        18
     Dureza, Shore A, máxima                                                          47                        47

  3.7.2 Após o envelhecimento acelerado dos corpos-de-prova, a resistência à tração e ao alongamento na ruptura não
  devem ser inferiores a 80% dos valores obtidos com os corpos-de-prova não envelhecidos.

  3.8 Inspeção periódica

  3.8.1 Deve ser feita uma inspeção periódica nas luvas após a realização dos ensaios de recebimento e após a colocação
  do material em uso no campo.

  3.8.2 Quando as luvas forem encaminhadas para um laboratório, este deve registrar as datas de inspeção de modo a
  manter um histórico.

  3.8.3 As luvas devem ser lavadas com um sabão suave ou detergente leve e água. Após a lavagem, as luvas devem ser
  enxaguadas com água para remover todo o sabão ou detergente e devm ser secadas. Alvejantes ou cloretos suaves do
  tipo doméstico podem ser usados para fins de desinfecção. Sabões, detergentes e alvejantes não devem ser usados com
  intensidade que possa atacar ou prejudicar a superfície da borracha.

  3.8.4 Antes dos ensaios elétricos, as luvas devem receber uma inspeção preliminar para ver se há furos, rasgos, cortes,
  escoriações, cortes por ozônio ou qualquer outra condição que possa afetar adversamente o seu desempenho. Se
  qualquer destas condições for encontrada, as luvas devem ser rejeitadas e cortadas de modo que não possam ser
  utilizadas para servições elétricos.

  3.8.5 As luvas devem ser ensaiadas de acordo com 6.1 e 6.2.

  3.8.6 Uma data especificada para a próxima inspeção deve ser registrada ou fornecida em uma etiqueta na luva. O método
  de marcação e o material da etiqueta não podem afetar adversamente as propriedades elétricas ou mecânicas da luva ou
  conflitar com a marcação original do fabricante.

  3.8.7 A superfície interna das luvas pode ser empoada usando-se um pó. As luvas devem ser arrumadas aos pares.

  3.8.8 O intervalo máximo entre inspeções das luvas não deve exceder o período de seis meses para luvas utilizadas em
  contato direto em circuitos energizados, e doze meses para luvas não distribuídas ou utilizadas em contatos indiretos.
  Dependendo das práticas de trabalho e intensidade de atividades a que estão sendo submetidas as luvas, os intervalos
  podem ser inferiores.

  3.9 Manual de instruções

  3.9.1 Todas as luvas devem ser entregues ao usuário final com um manual de instruções, contendo, no mínimo, as
  informações dadas em 3.9.2 a 3.9.13.

  3.9.2 As luvas defeituosas ou que deixam dúvidas quanto a sua integridade não devem ser usadas, devendo ser
  devolvidas a um laboratório para verificação.

  3.9.3 As luvas devem ser visualmente inspecionadas pelo usuário, à procura de defeitos. As luvas devem ser
  inspecionadas em toda a superfície e roladas suavemente entre as mãos para expor defeitos e materiais embebidos.
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                                  8


  3.9.4 As luvas devem ser submetidas, diariamente antes do uso, a um ensaio de ar enrolando a orla bem apertado, na
  direção da palma, de maneira tal que o ar fique retido dentro da luva, ou usando um insuflador de ar. Quando for utilizado o
  insuflador, não se deve aplicar pressões capazes de comprometer as características das luvas deve-se ter cuidado para
  evitar excesso de pressão. A luva deve ser examinada quanto a perfurações e outros defeitos. A detecção de perfurações
  pode ser ampliada, ouvindo-se se há escape de ar ou segurando as luvas próximas da face do usuário, para sentir se há ar
  vazando.

  3.9.5 As luvas devem ser limpas para remover todo o óleo, graxa e outras substâncias prejudiciais assim que possível. As
  luvas devem ser enxaguadas conforme necessário, para remover todo o suor. O excesso de água deve ser removido,
  sacudindo-se a luva e em seguida, secando-a.

  3.9.6 As luvas devem ser guardadas em local arejado, escuro e secol. O local deve ser tão livre quanto possível de ozônio,
  produtos químicos, óleos, solventes, vapores e emanações prejudiciais e afastado de descargas elétricas e luz do sol. As
  luvas devem ser armazenadas em seu formato natural. As luvas podem ser mantidas dentro de protetores ou em um saco,
  caixa ou recipiente que seja desenhado e usado exclusivamente para elas. As luvas não devem ser guardadas dobradas,
  com vincos, viradas ao avesso, comprimidas ou de qualquer modo que cause enrugamentos ou compressão.

  3.9.7 As luvas devem ser usadas com luvas protetoras para evitar avarias mecânicas.

  3.9.8 A luva protetora deve ser dimensionada e no formato tal que a luva isolante não seja deformada do seu formato
  natural.

  3.9.9 A distância mínima entre a orla da luva protetora e a orla da luva isolante não deve ser inferior ao especificado na
  tabela 11.

                                          Tabela 11 - Distâncias entre a orla e o punho

                                  Classe                            Distancia mínima
                                                           Polegadas                      mm
                                      0                        ½                          13
                                      1                         1                         25
                                      2                         2                         51
                                      3                         3                         76
                                      4                         4                         102

  3.9.10 Luvas protetoras que tenham sido usadas para qualquer outra finalidade não devem ser usadas para proteger luvas
  isolantes. As luvas protetoras não devem ser usadas se tiverem furos, rasgos ou outros defeitos que afetem a sua
  capacidade de proporcionar proteção mecânica às luvas isolantes. Deve-se ter o cuidado de manter as luvas protetoras tão
  livres quanto possível de óleo, graxa, produtos químicos e outros materiais que possam prejudicar as luvas isolantes. As
  luvas protetoras que ficarem contaminadas com materiais prejudiciais não devem ser usadas como luvas protetoras, salvo
  se tiverem sido totalmente limpas para a remoção da substância contaminante. A superfície interna das luvas protetoras
  deve ser inspecionada para ver se há objetos aguçados ou pontiagudos. Essa inspeção deve ser feita tão freqüentemente
  quanto as luvas isolantes forem inspecionadas.

  3.9.11 Luvas de pano podem ser usadas dentro da luva isolante para aquecimento em climas frios e para absorver o suor
  em climas quentes.

  3.9.12As luvas não devem ser marcadas nem possuir qualquer fita ou etiqueta adesiva aplicado à elas, salvo se
  autorizado.

  3.9.13 As luvas com quaisquer dos seguintes defeitos não devem ser usadas e devem ser devolvidas ao laboratório para
  inspeção e ensaios elétricos:

     a) furos, rasgos, perfurações ou cortes;

     b) cortes causados por ozônio;

     c) corpos estranhos embebidos;

     d) alterações de textura, inchamento, amolecimento, endurecimento, material pegajoso ou inelástico;

     e) outros defeitos que danifiquem as propriedades isolantes das luvas.

  4 Amostragem

  4.1 Para verificação da espessura, tamanho e comprimento deve-se tomar uma amostra aleatoriamente de 10% do lote.
  Para determinação das dimensões complementares deve-se tomar uma amostra aleatoriamente de 5% do lote.

  4.2 Todas as luvas aprovadas na inspeção visual e na verificação das dimensões devem ser submetidas ao ensaio de
  tensão elétrica aplicada e verificação da corrente de fuga.

  4.3 Uma amostragem de 1% do lote, com um mínimo de um par de luva, deve ser escolhida ao acaso para a realização
  dos seguintes ensaios:
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                                9


         a)   tensão elétrica de perfuração;

         b)   resistência ao ozônio para luva tipo II;

         c)   resistência à tração;

         d)   deformação permanente;

         e)   resistência ao rasgamento;

         f)   resistência à perfuração mecânica;

         g)   envelhecimento acelerado;

         h)   dureza.

  4.4 Se ocorrerem falhas na primeira amostragem, uma segunda amostragem contendo a mesma quantidade de luvas
  deve ser selecionada e ensaiada.

  4.5 Quando um número não inteiro for obtido para amostragem, a quantidade de luvas a ser amostrada deve ser
  arredondada para um número inteiro imediatamente superior.

  4.6 Se uma ou mais luvas da amostragem não atender 3.3, o lote inteiro deve ser submetido a esta verificação e as que
  estiverem em desacordo devem ser rejeitadas. Caso a quantidade rejeitada ultrapasse 25% do lote, este deve ser
  rejeitado.

  4.7 A rejeição do lote deve ocorrer sob qualquer uma das seguintes condições:

     a) se 5% ou mais do lote de luvas ensaiadas não atenderem 3.5.1. Quando no cálculo desta porcentagem obtém-se
     número não inteiro, o número de falhas que causam rejeição do lote deve ser o inteiro imediatamente inferior;

     b) se ocorrer na amostragem inicial duas perfurações, que não atendam 3.5.2;

     c) se uma perfuração na amostragem inicial e uma perfuração na segunda amostragem não atender de 3.5.2;

     d) se a corrente de fuga em duas luvas da amostragem inicial não atender 3.5.3;

     e) se a corrente de fuga em uma luva da amostragem inicial e em uma luva da segunda amostragem não atender em
     3.5.3;

     f) se dois corpos-de-prova de luvas do tipo II não satisfizerem os requisitos estabelecidos em 3.6;

     g) se um corpo-de-prova da amostragem inicial e um corpo-de-prova da segunda amostragem, de luvas tipo II, não
     satisfizerem os requisitos estabelecidos em 3.6;

     h) se dois resultados dos ensaios da amostragem inicial não satisfizerem qualquer um dos requisitos estabelecidos em
     3.7;

     i) se um resultado dos ensaios na amostragem inicial e um resultado dos ensaios na segunda amostragem não
     satisfizerem qualquer um dos requisitos estabelecidos em 3.7.

  4.7 As luvas que tiverem sido rejeitadas nos ensaios elétricos devem ser cortadas, de modo que não possam ser usadas
  para serviços elétricos.

  5 Verificação das dimensões

  5.1 Verificação da espessura

  5.1.1 Aparelhagem

  Relógio comparador com resolução de 0,02 mm ou menos, preso a um braço que permita a verificação da espessura,
  tanto na posição vertical, quanto na horizontal da luva. A haste fixa de apoio da luva deve ser suficientemente longa para
  atingir as pontas dos dedos sem causar dobras prejudiciais à luva (ver figuras 3 e 4).
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                        10




                                    Figura 3 – Relógio comparador, posição horizontal




                                   Figura 4 – Relógio comparador, posição vertical

  5.1.2 Procedimento

  Com as luvas limpas e perfeitamente secas, realizar:

     a) no lado da palma: 4 ou mais medidas;

     b) na união do dorso: 4 ou mais medidas;

     c) na união dos dedos: 1 ou mais medidas;

     d) na ponta de cada um dos dedos: 3 ou mais medidas.

  5.2 Verificação do tamanho

  5.2.1 Aparelhagem

  Escala graduada em milímetros.

  5.2.2 Procedimento

  Com as luvas sobre uma superfície plana, o tamanho é a circunferência interna da luva (ver figura 2b) medida em uma
  linha paralela às uniões dos dedos e passando através da união do polegar. O tamanho é determinado pela seguinte
  expressão:

     T = 2 (L – 2e)

  onde:
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                              11


     T é o tamanho da luva, em milímetros;

     L é a largura externa da luva, em milímetros;

     e é a espessura média da palma e dorso da luva, em milímetros.

  5.3 Verificação do comprimento

  5.3.1 Aparelhagem

  Escala graduada em milímetros.

  5.3.2 Procedimento

  5.3.2.1 Colocar a luva em uma superfície plana, com a orla perpendicular à linha de medida. O comprimento é a distância
  entre a extremidade do dedo médio e a orla da luva, conforme figura 5.




                                              Figura 5 – Comprimento da luva


  5.3.2.2 Para as luvas cuja orla é inclinada, medir os comprimentos máximo e mínimo, conforme figura 6.




                                   Figura 6 – Comprimentos máximo e mínimo da luva




  5.4 Verificação das dimensões complementares

  5.4.1 Aparelhagem

  Escala e esquadros graduados em milímetros.

  5.4.2 Procedimento

  5.4.2.1 Colocar as luvas sobre uma superfície plana com a palma para cima (ver figura 2a)

  5.4.2.2 Medir o comprimento do polegar (ver letra “I” da figura 2a) e dos demais dedos (ver letra “L” da figura 2a) sobre
  uma linha reta a partir da união dos dedos até a projeção de suas extremidades.

  5.4.2.3 Para determinar o perímetro interno do polegar (ver letra “C” da figura 2b), deve-se medir o diâmetro do dedo
  polegar sobre uma linha reta, perpendicular à linha do comprimento do dedo, a meia distância entre a base do dedo e sua
  extremidade, subtrair 2 vezes a espessura da luva e multiplicar o resultado por 2.
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                                   12


  5.4.2.4 Para determinar o perímetro interno dos demais dedos (ver letras “D”, “E, “F” e “G” da figura 2b), deve-se medir o
  diâmetro dos dedos sobre uma linha reta, perpendicular à linha do comprimento dos dedos, a 1/3 de distância entre a base
  do dedo e sua extremidade a contar da base, subtrair 2 vezes a espessura da luva e multiplicar o resultado por 2.

  5.4.2.5 Para determinar o perímetro interno do punho na parte mais estreita da luva partindo da orla (letra “B” da figura 2c),
  medir o diâmetro do punho sobre uma linha reta, subtrair 2 vezes a espessura da luva e multiplicar o resultado por 2.

  5.4.2.6 Para determinar o perímetro da orla da luva (ver letra “A” da figura 2c), deve-se medir o diâmetro da orla sobre uma
  linha reta, subtrair 2 vezes a espessura da luva e multiplicar o resultado por 2.

  5.4.2.7 Determinar a distância da união dos dedos até a projeção da linha reta perpendicular à extremidade do dedo médio
  (ver letra “P” da figura 2c).

  5.4.2.8 Determinar a distância do punho até a projeção da linha reta perpendicular à extremidade do dedo médio (ver letra
  “H” da figura 2c).

  6 Determinação das propriedades elétricas

  Todos os ensaios elétricos devem ser executados à temperatura ambiente.

  6.1 Tensão elétrica de ensaio em corrente alternada

  6.1.1 Aparelhagem

  6.1.1.1 O equipamento usado nos ensaios de tensão elétrica, aceitação e ruptura do dielétrico deve ser capaz de fornecer
  uma tensão continuamente variável, essencialmente sem degraus, para o corpo-de-prova. Um equipamento de regulação
  motorizado é conveniente e tende a prover uma taxa de elevação uniforme para a tensão de ensaio. O aparato de ensaio
  deve ser protegido por um dispositivo automático de abertura de circuito destinado a prontamente abrir a corrente
  produzida pela ruptura de um corpo-de-prova sob ensaio. Este dispositivo de abertura de circuito deve ser projetado para
  proteger o equipamento de ensaio sob quaisquer condições de curto-circuito. O equipamento deve ser inspecionado e
  calibrado por entidades competentes, acreditadas pela Rede Brasileira de Calibração (RBC), pelo menos uma vez ao ano.

  6.1.1.2 O aparelho de ensaio deve ser projetado de modo a oferecer ao operador a plena proteção no desempenho de
  suas atividades. Meios confiáveis de desenergizar e aterrar o circuito de alta tensão devem ser providenciados. Deve haver
  um meio positivo de aterrar a seção de alta tensão do aparelho de ensaio em corrente contínua, na conclusão do ensaio.

  6.1.1.3 A tensão de ensaio pode ser obtida mais facilmente de um transformador elevador energizado a partir de uma fonte
  de baixa tensão variável. O transformador e o seu equipamento de controle devem ser de tamanho e projeto tais que, com
  o corpo-de-prova no circuito, o fator de crista (relação de máximo para médio, efetivo) da tensão de ensaio deve diferir em
  no máximo 5% em relação ao de uma onda senoidal sobre a metade superior da faixa de tensão de ensaio.

  6.1.1.4 O valor eficaz da forma de onda de tensão senoidal aplicada à luva pode ser medido por um dos seguintes
  aparelhos:

     a) voltímetro usado em conjunto com um transformador de instrumento calibrado conectado diretamente fechando o
     circuito de alta tensão;

     b) voltímetro eletrostático conectado diretamente, fechando o circuito de alta tensão;

     c) voltímetro conectado a uma bobina terciária no transformador de ensaio, desde que fique demonstrado que a relação
     de transformação atribuída não se altera com a carga; ou

     d) medidor de corrente alternada conectado em série com resistores tipo alta tensão diretamente, fechando o circuito
     de alta tensão. A incerteza máxima do circuito de medição de tensão adotado deve ser ± 2% da escala total

  NOTA Um voltímetro conectado no lado de baixa tensão do transformador de ensaio pode ser usado somente se a relação de
  transformação tiver sido corretamente determinada e se souber que esta não muda apreciavelmente com a carga. Um centelhador de
  esfera calibrado pode ser usado para checar a incerteza máxima de tensão indicada pelo voltímetro.

  6.1.2 Procedimento

  6..1.2.1 O fator de crista pode ser checado através do uso de um voltímetro de leitura de crista conectado diretamente,
  fechando o circuito de alta tensão. Se um voltímetro eletrostático ou um voltímetro em conjunto com um transformador de
  potencial de instrumento for conectado fechando o circuito de alta tensão, um centelhador de esfera pode ser disparado e
  a tensão correspondente comparada com a leitura do voltímetro em valor eficas.

  6.1.2.2 A corrente de ensaio deve ser medida pela inserção de um miliamperímetro em série com cada mão da luva. A
  leitura deve ser feita próximo do final do tempo de ensaio.

  6.1.2.3 Os eletrodos devem ser colocados de modo a aplicar a tensão elétrica uniformemente sobre toda a luva ensaiada
  sem produzir efeito corona em qualquer ponto ou esforços mecânicos nas luvas.

  6.1.2.4 As luvas devem ser cheias de água de torneira e imersas em água até um comprimento de acordo com a tabela 8
  para a tensão de ensaio a ser usada. O nível de água durante o ensaio deve ser o mesmo dentro e fora da luva. A água
  dentro da luva que forma um eletrodo de ensaio deve ser conectada a um terminal da fonte de tensão por meio de uma
  corrente ou haste deslizante, que mergulhe na água. A água do recipiente do lado de fora da luva que forma o outro
  eletrodo deve ser conectada diretamente ao outro terminal da fonte de tensão. A água deve estar livre de bolhas e bolsas
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                                      13


  de ar dentro e fora da luva e a parte exposta da luva acima da linha de água deve estar seca. A água usada nos ensaios
  deve ser renovada para cada lote de no máximo 50 pares de luva.

  6.1.2.5 A tensão de ensaio deve ser aplicada inicialmente a um valor baixo e aumentada de acordo com uma taxa de
  elevação constante, de aproximadamente 1 000 v/s, até que o nível de tensão de ensaio especificado na tabela 5 seja
  atingido, ou até que ocorra a perfuração.

  6.1.2.6 Após o nível de tensão de ensaio ser atingido, deve-se manter o estabelecimento de uma tensão durante 3 min,
  marcados através de um cronômetro devidamente calibrado.

  6.1.2.7 A tensão de ensaio deve ser reduzida para pelo menos metade do valor, a não ser que tenha ocorrido falha
  elétrica, no final do período de ensaio, antes da abertura do circuito de ensaio.

                                             Tabela 8 – Distâncias – Punho à linha d’água1)
      Classe da luva                          Corrente alternada                                   Corrente contínua
                                  Tensão aplicada              Ruptura              Tensão aplicada                    Ruptura
                                       Mm                          mm                     mm                            mm

               00                       38                         38                         38                         51
                0                       38                         38                         38                         51
                1                       38                         64                         51                        102
                2                       64                         76                         76                        127
                3                       89                         102                    102                           152
                4                      127                         165                    153                           178
     1)
          Tolerancia de ± 8 mm.

  6.2 Tensão elétrica de ensaio em corrente contínua

  6.2.1 Aparelhagem

  Fonte de corrente contínua capaz de fornecer a tensão exigida. O componente de ondulação de corrente alternada entre
  cristas e uma tensão de ensaio de corrente alteranda não deve exceder 2% do valor da tensão média sob condições sem
  carga.

  6.2.2 Procedimento

  6.2.2.1 Medir a tensão de ensaio de corrente contínua através de um método que proporcione o valor médio da tensão de
  ensaio à luva. A tensão deve ser medida usando um medidor de corrente contínua conectado em série com resistores tipo
  alta tensão apropriados fechando o circuito de alta tensão. Um voltímetro eletrostático de faixa apropriada pode ser usado
  no lugar da continuação de medidor de corrente contínua e resistor. A incerteza máxima do circuito de medição de tensão
  deve ser de ± 2% da escala total.

  6.2.2.2 A tensão de corrente contínua deve ser aplicada da mesma maneira como no ensaio com tensão de corrente
  alternada, exceto que a taxa de elevação deve ser de aproximadamente 3 000 V/s.

  6.2.2.3 Assim que atingir a tensão especificada, esta deve ser mantida por um período de 3 min, após o que a operação
  inversa deve ser feita, obedecendo ao mesmo critério adotado para a elevação de tensão.

  6.3 Tensão elétrica de perfuração

  6.3.1 Cada amostra deve ser submetida a um ensaio de tensão elétrica de perfuração.

  6.3.2 Para corrente alternada, a tensão deve ser aplicada com um valor baixo e aumentada em uma taxa de elevação
  constante de aproximadamente 1 000 V/s, até que a tensão de ruptura seja atingida, ou até ocorrer a falha. A tensão
  máxima observada antes da falha deve ser considerada como tensão de perfuração.

  6.3.3 Para corrente contínua, a taxa de elevação é de aproximadamente 3 000 V/s.

  6.4 Ensaio de absorção de umidade (corrente de fuga)

  6.4.1 Aparelhagem

  O equipamento deve ser conforme 6.1.1

  6.4.2 Procedimento

  6.4.2.1 O ensaio deve ser feito conforme 6.1.2

  6.4.2.2 Deixar a luva no recipiente com água por 16 h.

  6.4.2.3 Aplicar, iniciando-se do zero, a tensão elétrica gradualmente na razão aproximada de 1 000 V/s, até que o valor de
  tensão elétrica de ensaio especificado na tabela 5 seja atingido.
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                                 14


  6.4.2.4 Medir e anotar a corrente de fuga.

  6.4.2.5 Reduzir a tensão elétrica de ensaio no mínimo à metade de seu valor, a menos que tenha ocorrido alguma falha,
  antes da abertura do circuito.

  7 Determinação da resistência ao ozônio

  7.1 Método A – para todas as classes de tensão

  7.1.1 Aparelhagem

  A aparelhagem utilizada na execução desse ensaio é a seguinte:

     a) câmara de ensaio de ozônio, com as seguintes características:
                                                                                             2        2
     - construída de um material com reação mínima ao ozônio e um volume de pelo menos 0,11 m a 0,14 m ;

     - entrada de ar com dispositivos de filtração e saída que permita uma renovação parcial de ar ozonizado em
     recirculação. Um dispositivo deve manter esta circulação forçada através da câmara de ensaio, com uma vazão mínima
     correspondente a 45 vezes o volume da câmara por h;

     - fonte de calor localizada fora da câmara de ensaio e automaticamente comandada por meio de dispositivo
     termostático regulável. A temperatura dentro da câmara deve ser uniforme no espaço e no tempo, com variação
     máxima de ± 1ºC relativamente à temperatura nominal de ensaio. Um termômetro calibrado, inserido na câmara, deve
     indicar a temperatura momentânea e um registrador de temperatura deve confirmar o seu funcionamento segundo as
     condições estabelecidas;

     - fonte de geração de ozônio localizada fora da câmara e comandada por dispositivo capaz de manter a concentração
     de ozônio na câmara de ensaio uniforme no espaço e no tempo, com variação máxima de ± 5% relativamente à
     concentração nominal de ensaio;

     NOTA     A lâmpada de vapor de mercúrio é a fonte mais comum para geração de ozônio.

     b) suporte dos corpos-de-prova constando de um bloco de ensaio de madeira com 140 mm de largura e
     aproximadamente 380 mm de comprimento e com espessura de não menos que 22 mm. Seu veio deve dirigir-se
     longitudinalmente e deve ser apropriadamente reforçado sobre a face posterior para evitar empenamento. O bloco deve
     ser plano, liso e pintado, com duas camadas de laca clara;

     c) prendedores que podem ser tachas de alumínio ou outros prendedores de matéria-prima inerte, devendo ser usados
     para fixar os corpos-de-provas às extremidades do bloco de madeira. Devem também ser usadas cantoneiras de
     alumínio de 13 mm x 22 mm.

  7.1.2 Procedimento

  7.1.2.1 Retirar da luva dois corpos-de-prova de 12 mm x 100 mm, com o eixo longitudinal paralelo à direção do veio do
  bloco.

  7.1.2.2 Fixar os corpos-de-prova tracionados sobre o bloco de ensaio de maneira a causar uma extensão de 20%,
  espaçando-os em 6 mm.

  7.1.2.3 Expor os corpos-de-prova montados sobre o bloco por 24 h em uma atmosfera isenta de ozônio, antes de iniciar o
  ensaio.

  7.1.2.4 Colocar o conjunto na câmara de ensaio, contendo uma concentração de ozônio de 0,5 ppm por volume, durante
  um período de ensaio de 3 h. A temperatura nominal do ensaio deve ser de (40 ± 2)°C.

  7.1.2.5 Verificar e registrar o aparecimento de fendas, furos, rachaduras entrelaçadas, fissuras, trincas, bolhas, cortes e
  enrugamento durante o período de ensaio.

  7.2 Método B – somente para as classes 2, 3 e 4

  7.2.1 Aparelhagem

  A aparelhagem utilizada na execução desse ensaio é a seguinte:

     a) transformador de potencial energizado pelo enrolamento de baixa tensão, através de um auto-transformador
     variável. Um dispositivo de proteção contra sobrecorrente deve ser incorporado ao circuito de controle de baixa tensão,
     para o caso de ruptura do dielétrico;

     b) dispositivo de ensaio constituído por um tubo metálico de 25 mm de diâmetro e de comprimento adequado para ser
     envolvido totalmente pelo corpo-de-prova;

     c) eletrodo ligado à terra, constituído pelo próprio tubo metálico mencionado em b) e o outro eletrodo, ligado à fonte de
     tensão, constituído por uma folha de alumínio de aproximadamente 50 mm x 100 mm.

  7.2.2 Procedimento
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                                       15


  7.2.2.1 Retirar dois corpos-de-prova de 100 mm x 150 mm de cada amostra de luva, adequadamente condicionada, de
  modo a permanecer em repouso na posição horizontal durante 24 h.

  7.2.2.2 Enrolar o corpo-de-prova sobre o tubo metálico de maneira a envolvê-lo totalmente, cuidando para que haja um
  comprimento adicional em ambas as extremidades do tubo suficiente para os suportes de montagem. As extremidades
  livres do corpo-de-prova devem ser fixadas por debaixo do tubo.

  7.2.2.3 Colocar a folha de alumínio sobre o corpo-de-prova, cuidando para que haja uma distância entre o fim da folha de
  aluminio e as extremidades do tubo metálico, de maneira a evitar descargas elétricas pelo ar.

  7.2.2.4 Ligar a folha de alumínio à fonte de tensão corrente alternada e aterrar o tubo metálico.

  7.2.2.5 Aplicar, iniciando-se do zero, uma tensão de 15 KV entre a folha de alumínio e o tubo, mantendo-a por um período
  de 1 h, após o que esta tensão deve ser levada a zero novamente.

  NOTA A taxa de degradação por ozônio, utilizando-se este método, é inversamente proporcional à umidade relativa do ar circundante.
  Entretanto, dados empíricos indicam que efeitos visíveis do ozônio se manifestam em uma ampla faixa de umidade ambiental.

  8 Determinação das propriedades mecânicas

  8.1 Resistência à tração e alongamento na ruptura

  8.1.1 Aparelhagem

  A aparelhagem utilizada na execução desse ensaio é a seguinte:

     a) máquina de ensaio com as seguintes características:

      - acionada a motor;

      - dotada de dinamômetro com dispositivo capaz de indicar ou registrar a força aplicada com precisão de ± 2%. A
     resposta deste dispositivo deve ser suficientemente rápida, a fim de que se faça a leitura de carga de ruptura dentro da
     precisão requerida;

      - duas garras, sendo uma das quais conectada ao dinamômetro. Estas garras devem exercer uma pressão uniforme
     sobre toda a superfície do corpo-de-prova, pressão esta proporcional à carga aplicada;

      - mecanismo que permita um afastamento entre as garras a uma razão constante de (500 ± 50) mm/min. O curso das
     garras deve permitir afastamento mínimo de 750 mm;

      - mecanismo que permita a leitura do alongamento com precisão de ± 5% do comprimento original, tomada entre os
     centros das marcas de referência;

     b) micrômetro tipo mostrador graduado em 0,025 mm ou menos. O encosto deve ter um diâmetro de pelo menos
     3,5 mm. A haste de pressão deve exceder uma força de 0,2 N sobre a superfície do corpo-de-prova onde se faz a
     medição, para um diâmetro de 3,2 mm, ou uma força de 0,85 N para um diâmetro de 6,35 mm;

     c) forma cortadora com formato conforme figura 7 e dimensões conforme tabela 9. Os gumes devem ser afiados e
     livres de dentes, a fim de se obter um corte perfeito dos corpos-de-prova.
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                              16




                                                 Figura 7 – Forma cortadora

                                                Indicar a dimensão B na figura

                                           Tabela 9 – Dimensões da forma cortadora
                 A          B          C          D         D-E       F          G            H       I         J
                mm         mm         Mm         Mm         mm       mm          mm           mm    Mm         mm
                25         40         155        32         13        19         14           25     33         6
                ±1        máx         min        ±6         ±1        ±2         ±1           ±2     ±2        ±0,4

  8.1.2 Procedimento

  8.1.2.1 Retirar cinco corpos-de-prova de cada luva que foi destinada ao ensaio de tensão elétrica de perfuração, obtidos
  com o uso da forma cortadora, e extraídos com uma única batida da ferramenta de corte.

  8.1.2.2 Estampar dois segmentos paralelos, como marcas de referência nos corpos-de-prova que não devem estar sob
  tensão. Os segmentos devem:

      - ser perpendicular ao eixo longitudinal do corpo-de-prova;

      - ser marcado na região mais estreita do corpo-de-prova, eqüidistantes do seu centro;

      - ser marcado com tinta que não produza efeitos deteriorativos no corpo-de-prova, que seja contrastante com a do
     corpo-de-prova;

      - ter uma distância entre si de (25,00 ± 0,25) mm. Esta distância é tomada entres os pontos centrais de cada segmento
     de referência.

  8.1.2.3 Efetuar três medidas de espessura com micrômetro, sendo que a média é usada para o cálculo da seção
  transversal, exceto quando a diferença entre o valor máximo e mínimo é maior que 0,08 mm. Quando isto ocorre, o corpo-
  de-prova é rejeitado, tomando-se outro para a realização do ensaio. As medidas são feitas em três pontos colineares, na
  direção perpendicular ao eixo longitudinal. Estes pontos se situam um ao centro e um em cada extremidade da linha
  central.

  8.1.2.4 Realizar o ensaio à temperatura de (23 ± 4)°C, sendo que os corpos-de-prova devem ser condicionados nesta
  temperatura durante 24 h antes da realização do ensaio.

  8.1.2.5 Colocar os corpos-de-prova nas garras da máquina, simetricamente, para que a tração se distribua de maneira
  uniforme em toda a seção transversal do corpo-de-prova.
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                              17


  8.1.2.6 Aplicar a força com uma velocidade de afastamento das garras de 500 mm/min. Verificar, durante o alongamento, a
  distância entre os segmentos paralelos, tomando cuidado para que não haja entre eles um deslocamento angular. O
  alongamento deve ser contínuo até a ruptura do corpo-de-prova, na região mais estreita, entre os segmentos paralelos.

  8.1.2.7 Desprezar os resultados obtidos com qualquer corpo-de-prova cuja ruptura tenha ocorrido fora dos limites
  estabelecidos na tabela 7.

  8.1.2.8 Anotar o valor da força requerida na ruptura e o alongamento na ruptura. Este pode ser medido numa escala, com
  um desvio máximo de 10% do valor real.

  8.1.2.9 Aplicar o ensaio inicialmente a três corpos-de-prova. Se apenas um dos três não satisfizer os requisitos desta
  Norma, repetir o ensaio para mais dois corpos-de-prova adicionais.

  8.1.3 Expressão dos resultados

  8.1.3.1 Calcular a tensão de ruptura através das seguintes equações:

           F
     T =
           S

      S = e×I


  onde:

     T é a tensão de ruptura do material ensaiado, em mega pascal;

     F é a força requerida para a ruptura, em newtons.

     S é a área da seção transversal na região mais estreita do corpo-de-prova não alongado, em milímetros quadrados;

     ē é a média das espessuras tomadas conforme 8.1.2.3, em milímetros;

     l é a largura do corpo-de-prova na região mais estreita, em milímetros.

  8.1.3.2 Comparar o alongamento na ruptura com o comprimento original, em termos de porcentagem, através da seguinte
  equação:

     % de alongamento = L − L0 × 100
                              L0



  onde:

     L é a distância final, no instante de ruptura, entre os segmentos de referência, em milímetros;

     L0 é a distância inicial entre os segmentos de referência, em milímetros;

  8.1.3.3 O resultado é a média aritmética dos resultados obtidos com os corpos-de-prova ensaiados.

  8.1.3.4 Se dois dos cinco corpos-de-prova não atenderem ao especificado na tabela 7 considera-se o lote rejeitado.

  8.2 Deformação permanente

  8.2.1 Aparelhagem

  A aparelhagem utilizada na execução desse ensaio é a seguinte:

     a) máquina de tração e forma cortadora conforme em 8.1.1a e 8.1.1c;

     b) cronômetro para marcar o período de duração de cada etapa do ensaio;

     c) escala graduada em milímetros para medir a deformação à tração.

  8.2.2 Procedimento

  8.2.2.1 Realizar o ensaio conforme 8.1.2.1 a 8.1.2.3, 8.1.2.5 e 8.1.2.6.

  8.2.2.2 Separar as garras da máquina a uma velocidade uniforme, tal que sejam necessários cerca de 15 s para o corpo-
  de-prova alcançar o alongamento de 400% do comprimento original. A fim de evitar que o corpo-de-prova ultrapasse o
  alongamento especificado, recomenda-se o uso de uma haste de comprimento igual ao do corpo-de-prova com
  alongamento de 400%. Neste caso coloca-se a haste atrás do corpo-de-prova, e no instante em que a distância entre os
  segmentos paralelos for igual ao comprimento da haste, deve-se parar a máquina.

  8.2.2.3 Atingido o alongamento deixar o corpo-de-prova na mesma posição por 10 min. Em seguida, fazer com que as
  garras retornem à posição original aliviando totalmente a tração e deixando o corpo-de-prova livre de qualquer tração por
  mais 10 min.
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                             18


  8.2.2.4 Medir a distância entre os segmentos paralelos, através de uma escala graduada, sendo permitido, na leitura, um
  desvio de ± 0,25 mm.

  8.2.3 Expressão dos resultados

  O resulstado final é a média aritmética dos resultados obtidos com os corpos-de-prova ensaiados. O valor encontrado deve
  atender ao especificado na tabela 7.

  8.3 Resistência ao rasgamento

  8.3.1 Aparelhagem

  A aparelhagem utilizada na execução desse ensaio é a seguinte:

     a) máquina de ensaio descrita em 8.1.1a;

     b) forma cortadora com formato conforme figura 8 e dimensões conforme tabela 10, devendo ter gumes afiados e livres
     de dentes para garantir um corte perfeito;

     c) micrômetro conforme 8.1.1b;




                                                 Figura 8 – Forma cortadora

                                        Tabela 10 – Dimensões da forma cortadora
                  A              B                C            D                E             F              G
                 mm             Mm               mm           mm               mm            mm             mm
                 102            19               19            13              25            25             51
                ± 0,50         ± 0,05           ± 0,05       ± 0,05           ± 0,05       ± 0,05          ± 0,25



  8.3.2 Procedimento

  8.3.2.1 Obter os corpos-de-prova conforme indicado em 8.1.2.1.

  8.3.2.2 Com o micrômetro tomar medidas de espessura em três pontos distribuídos na largura do corpo-de-prova, próximo
  do seu centro, sendo que uma delas deve ser feita no vértice do angulo de 90°. A média das três medidas deve ser usada
  posteriormente para o cálculo de resistência ao rasgamento.

  8.3.2.3 Condicionar os corpos-de-prova conforme indicado em 8.1.2.4.

  8.3.2.4 Colocar os corpos-de-prova nas garras da máquina, tomando-se o cuidado para que estas fiquem no centro das
  extremidades das abas e alinhadas com a direção da força aplicada.

  8.3.2.5 Aplicar a força com uma velocidade de afastamento das garras de 500 mm/min.

  8.3.2.6 Anotar, depois do rasgamento, a força aplicada na máquina e a espessura média dos corpos-de-prova.

  8.3.2.7 Aplicar o ensaio inicialmente a três corpos-de-prova. Se apenas um dos três não atender o especificado na tabela
  7, repetir o ensaio para mais dois corpos-de-prova.

  8.3.3 Expressão dos resultados

  8.3.3.1 Calcular a resistência ao rasgamento através da seguinte equação:
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                             19


            FR
     RR =
            e
  onde:

     RR é a resistência ao rasgamento, em quilometros por metro;

     FR é a força requerida para rasgamento, em newtons;

     ē é a espessura média do corpo-de-prova em milímetros.

  8.3.3.2 O resultado final é a média aritmética dos resultados obtidos com os corpos-de-prova ensaiados.

  8.4 Resistência à perfuração mecânica

  8.4.1 Aparelhagem

  A aparelhagem utilizada na execução desse ensaio é a seguinte:

     a) micrômetro conforme 8.1.1b;

     b) agulha com as seguintes características:

     - aço inoxidável tipo 304;

     - diâmetro na haste de 5 mm;

     - conicidade numa das extremidades com um ângulo de 12°;

     - ponta da agulha arredondada de raio 0,8 mm;

     c) duas placas de metal, com aberturas concêntricas. Uma deve ter abertura circular de 6 mm de diâmetro e a outra de
     25 mm.

  8.4.2 Procedimento

  8.4.2.1 Retirar cinco corpos-de-prova das luvas destinadas ao ensaio de resistência à perfuração mecânica. Os corpos-de-
  prova devem ter dimensões adequadas que permitam coloca-los entres as placas de metal.

  8.4.2.2 Colocar um corpo-de-prova entre as placas de metal de tal forma que a de abertura menor permita, através dela, a
  passagem da agulha e a abertura maior forneça uma área livre através da qual o corpo-de-prova pode se alongar
  enquanto estiver sujeito à pressão da ponta da agulha.

  8.4.2.3 Colocar a agulha perpendicularmente à superfície da amostra.

  8.4.2.4 Aplicar à agulha um movimento uniforme com velocidade de aproximadamente 500 mm/min, até a ponta da agulha
  atravessar a amostra.

  8.4.2.5 Anotar a máxima força requerida para a perfuração com uma aproximação de 2 N.

  8.4.2.6 Aplicar o ensaio inicialmente a três corpos-de-prova. Se apenas um dos três não atender o especificado na tabela
  7, repetir o ensaio para mais dois corpos-de-prova.

  8.4.3 Expressão dos resultados

  8.4.3.1 Calcular a resistência à perfuração através da seguinte equação:

            FP
     RP =
            e
  onde:

     RP é a resistência à perfuração, em quilonewtons por metro;

     FP é a força requerida para a perfuração, em newtons;

     ē é a espessura do corpo-de-prova, em milímetros.

  8.4.3.2 O resultado final é a média aritmética dos resultados obtidos com os corpos-de-prova ensaiados.

  8.5 Dureza

  8.5.1 Aparelhagem

  Durômetro Shore tipo A para medir a dureza do material. Este deve ser constituído dos seguintes componentes:

     a) calcador com um orifício entre 2,5 mm e 3,2 mm de diâmetro, centralizado pelo menos a 6 mm de qualquer
     extremidade da base;

     b) penetrador formado de uma haste de aço endurecido, com diâmetro entre 1,15 mm e 1,40 mm;
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                               20


     c) dispositivo indicador onde é efetuada a leitura da dureza da luva;

     d) mola calibrada para aplicação de força ao penetrador.

  8.5.2 Procedimento

  8.5.2.1 Retirar de cada luva cinco corpos-de-prova e sobrepô-los de forma a atingir a espessura mínima de 6 mm, pois a
  espessura da luva é inferior a 6 mm. O corpo-de-prova deve ter dimensões suficientes para permitir medições distanciadas
  em no mínimo 12 mm de qualquer extremidade.

  8.5.2.2 Realizar o ensaio à temperatura de (23 ± 4)ºC, sendo que o corpo-de-prova e o durômetro devem ser
  acondicionados nesta temperatura, no mínimo 1 h antes da realização do ensaio.

  8.5.2.3 Colocar o corpo-de-prova sobre uma superfície dura e horizontal. Fixar o durômetro na posição vertical, com a
  ponta do penetrador distanciada em no mínimo 12 mm de qualquer uma das extremidades do corpo-de-prova;

  8.5.2.4 Aplicar o calcador sobre o corpo-de-prova com pressão suficiente para se obter um contato firme entre o calcador e
  o corpo-de-prova e anotar a leitura do durômetro após 15 s.

  8.5.3 Expressão dos resultados

  O resultado final é a média aritmética dos resultados obtidos com os corpos-de-prova ensaiados. O valor encontrado deve
  satisfazer as condições estabelecidas na tabela 7.

  8.6 Envelhecimento acelerado

  8.6.1 Aparelhagem

  Estufa com circulação de ar com as seguintes caracteríticas:

     a) dimensões internas:

     - mínimas: (300 x 300 x 300) mm;

     - máximas: (900 x 900 x 1 200) mm;

     b) dispositivo capaz de manter no seu interior os corpos-de-prova suspensos verticalmente sem que haja contato
     mútuo ou com as paredes da própria estufa;

     c) ar circulante na estufa em pressão atmosférica normal;

     d) fonte de calor localizada fora da câmara de envelhecimento, no suprimento de ar;

     e) termômetro registrador que indique a temperatura efetiva de envelhecimento. O termômetro deve estar localizado na
     região central superior da câmara, entre os corpos-de-prova;

     f) controle de temperatura automático e por meio de dispositivo termostático regulável;

     g) capacidade de manter no seu interior uma temperatura uniforme em todos os pontos. Para isso devem ser tomados
     cuidados especiais, como:

     - o ar aquecido deve circular na estufa por meio de agitação mecânica. Quando é usado um ventilador, o ar não deve
     entrar em contato com as descargas na escova por causa do perigo da formação de ozônio;

     - o dispositivo termostático regulável deve ser preferivelmente colocado adjacente ao termômetro;

     - para verificar a uniformidade do aquecimento deve-se fazer a leitura de vários termômetros colocados em diversos
     locais da estufa.

  8.6.2 Procedimento

  8.6.2.1 Tomar as dimensões da seção transversal usadas para determinação da tensão de ruptura antes do processo de
  envelhecimento.

  8.6.2.2 Após o envelhecimento, estampar os segmentos de referência usados para medir o alongamento.

  8.6.2.3 Colocar os corpos-de-prova na estufa quanto esta já tiver atingido a temperatura de envelhecimento de (70 ± 2)°C.
  Evitar colocá-los quando outros materiais de características químicas muito diferentes do material das luvas estiverem
  sendo submetidos ao ensaio de envelhecimento acelerado.

  8.6.2.4 Submeter os corpos-de-prova à temperatura de (70 ± 2)°C durante 7 dias.

  8.6.2.5 Após o término do processo de envelhecimento, remover os corpos-de-prova da estufa e deixá-los esfriar em
  temperatura ambiente.

  8.6.2.6 Realizar os ensaios de tração nos corpos-de-prova envelhecidos entre 16 h e 96 h após o término do processo de
  envelhecimento acelerado, simultaneamente com os corpos-de-prova não envelhecidos. Os ensaios devem ser conforme
  8.1.2.5 a 8.1.2.8. Os cálculos devem ser feitos conforme 8.1.3.
Projeto ABNT NBR 10622:2006                                                                                                   21


  8.6.2.7 Aplicar o ensaio inicialmente a três corpos-de-prova. Se apenas um dos três não atender o especificado em 3.7.2
  repetir o ensaio para mais dois corpos-de-prova adicionais.

  8.6.3 Expressão dos resultados

  8.6.3.1 Expressar os resultados do ensaio de envelhecimento através da porcentagem de deterioração em cada uma das
  propriedades físicas (tensão e alongamento na ruptura), conforme relação abaixo:

                           O−E
     % de deterioração =       × 100
                            O
  onde:

     O é o valor original, em mm

     E é o valor envelhecido, em mm

  8.6.3.2 O resultado final é a média aritmética dos resultados obtidos com os corpos-de-provas ensaiados.

  9 Marcação e embalagem

  9.1 Marcação

  9.1.1 Todas as luvas devem ser marcadas de forma legível e indelével no dorso do cano, dentro da faixa de 50 mm a
  contar da orla. Tal marcação deve ser isolante e aplicada de maneira a não comprometer as determinações desta Norma.
  9.1.2 A marcação deve conter as seguintes informações:

      a) nome do fabricante;

      b) tipo;

      c) classe;

     d) tamanho.

  9.1.3 As luvas também devem conter no dorso do punho, dentro ou próximo da marcação mencionada em 6.1.1, as
  seguintes informações:

      a) número do certificado de aprovação (CA);

      b) número do lote;

      c) número desta Norma;

      d) tensão máxima de uso;

      e) outras informações que o fabricante considerar necessárias.

  9.2 Embalagem

  9.2.1 Cada par de luva deve ser embalado em invólucro apropriado que permita ventilação e em caixa individual de
  papelão ou similar, de resistencia suficiente para protegê-las apropriadamente, evitando danos no transporte. A
  extremidade da caixa deve ser identificada com etiqueta da cor especificada em 3.1.3.

  9.2.2 A etiqueta da emabalagem deve conter seguintes indicações

      a)   nome do fabricante;

      b)   tipo;

      c)   classe;

      d)   tamanho;

      e)   comprimento.

  9.2.3 As luvas devem ser acondicionadas da seguinte forma:

     a) não devem ser dobradas, enrugadas, comprimidas, ou submetidas à qualquer condição que possa causar
     alongamento ou compressão;

     c) em locais livres de ozônio, produtos químicos, óleos, solventes, vapores prejudiciais, fumos e descargas elétricas;

     d) fora da ação direta e afastadas de irradiação de qualquer fonte de calor;

     e) em locais de temperatura ambiente não superior a 35°C.

                                   _____________________________________________

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Acidente de trajeto
Acidente de trajetoAcidente de trajeto
Acidente de trajeto
 
Treinamento lixadeira
Treinamento lixadeiraTreinamento lixadeira
Treinamento lixadeira
 
Apresentaçao-NR-33.pdf
Apresentaçao-NR-33.pdfApresentaçao-NR-33.pdf
Apresentaçao-NR-33.pdf
 
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção Nr 18 Segurança na Industria da Construção
Nr 18 Segurança na Industria da Construção
 
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptxNR18-Treinamento-Integracao.pptx
NR18-Treinamento-Integracao.pptx
 
Aula - NR 06 - EPI.ppt
Aula - NR 06 - EPI.pptAula - NR 06 - EPI.ppt
Aula - NR 06 - EPI.ppt
 
Nr18
Nr18Nr18
Nr18
 
Treinamento NR 18 .pptx
Treinamento NR 18  .pptxTreinamento NR 18  .pptx
Treinamento NR 18 .pptx
 
Permissão para trabalho
Permissão para trabalhoPermissão para trabalho
Permissão para trabalho
 
Apresentação nr10 senac
Apresentação   nr10   senacApresentação   nr10   senac
Apresentação nr10 senac
 
Primeiros socorros e resgate espaço confinado
Primeiros socorros e resgate espaço confinadoPrimeiros socorros e resgate espaço confinado
Primeiros socorros e resgate espaço confinado
 
Nbr 16489
Nbr 16489Nbr 16489
Nbr 16489
 
Trabalhe com Segurança - Segurança e medicina do Trabalho
Trabalhe com Segurança - Segurança e medicina do TrabalhoTrabalhe com Segurança - Segurança e medicina do Trabalho
Trabalhe com Segurança - Segurança e medicina do Trabalho
 
Treinamento lixadeira
Treinamento lixadeiraTreinamento lixadeira
Treinamento lixadeira
 
Treinamento acidente de trabalho mecnil geral
Treinamento acidente de trabalho mecnil geralTreinamento acidente de trabalho mecnil geral
Treinamento acidente de trabalho mecnil geral
 
Arvore de causas
Arvore de causasArvore de causas
Arvore de causas
 
Slide 04
Slide 04Slide 04
Slide 04
 
NR - 18 Construção Civil (Oficial)
NR - 18 Construção Civil (Oficial)NR - 18 Construção Civil (Oficial)
NR - 18 Construção Civil (Oficial)
 
Vistoria moradias(versão 2003)
Vistoria moradias(versão 2003)Vistoria moradias(versão 2003)
Vistoria moradias(versão 2003)
 
Nr 18 comentada
Nr 18   comentada Nr 18   comentada
Nr 18 comentada
 

Destaque

Nbr 5419
Nbr 5419Nbr 5419
Nbr 5419matvsa
 
Otis elevadores gen2
Otis elevadores   gen2Otis elevadores   gen2
Otis elevadores gen2Allam Mcz
 
Nbr 5422 nb 182 projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
Nbr 5422 nb 182   projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletricaNbr 5422 nb 182   projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
Nbr 5422 nb 182 projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletricaFrederico_Koch
 
Campanha adornos
Campanha adornosCampanha adornos
Campanha adornosAne Costa
 
Cartilha de Proteção Respiratória
Cartilha de Proteção RespiratóriaCartilha de Proteção Respiratória
Cartilha de Proteção Respiratóriaprevencaonline
 
EPI - Equipamento de Proteção Coletiva
EPI - Equipamento de Proteção ColetivaEPI - Equipamento de Proteção Coletiva
EPI - Equipamento de Proteção ColetivaHugoDalevedove
 
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)mjmcreatore
 
Nbr 14626 2000 - equipamento de proteção individual - trav
Nbr 14626   2000 - equipamento de proteção individual - travNbr 14626   2000 - equipamento de proteção individual - trav
Nbr 14626 2000 - equipamento de proteção individual - travAne Costa
 
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTERedes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTEAdão manuel Gonga
 
Linha de vida cálculo e especificações
Linha de vida cálculo e especificaçõesLinha de vida cálculo e especificações
Linha de vida cálculo e especificaçõesreativo
 
Memória de cálculo de linha de vida
Memória de cálculo de linha de vida  Memória de cálculo de linha de vida
Memória de cálculo de linha de vida gbozz832
 
Aula EPI - Apresentação
Aula EPI - ApresentaçãoAula EPI - Apresentação
Aula EPI - ApresentaçãoRapha_Carvalho
 
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPITreinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPISergio Silva
 

Destaque (20)

NBR 13994
NBR 13994 NBR 13994
NBR 13994
 
Nbr 5419
Nbr 5419Nbr 5419
Nbr 5419
 
Otis elevadores gen2
Otis elevadores   gen2Otis elevadores   gen2
Otis elevadores gen2
 
Nbr 5422 nb 182 projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
Nbr 5422 nb 182   projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletricaNbr 5422 nb 182   projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
Nbr 5422 nb 182 projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
 
NBR 5413
NBR 5413 NBR 5413
NBR 5413
 
NBR14627
NBR14627   NBR14627
NBR14627
 
Campanha adornos
Campanha adornosCampanha adornos
Campanha adornos
 
Cartilha de Proteção Respiratória
Cartilha de Proteção RespiratóriaCartilha de Proteção Respiratória
Cartilha de Proteção Respiratória
 
EPI - Equipamento de Proteção Coletiva
EPI - Equipamento de Proteção ColetivaEPI - Equipamento de Proteção Coletiva
EPI - Equipamento de Proteção Coletiva
 
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
 
Treinamento epi epc
Treinamento epi epcTreinamento epi epc
Treinamento epi epc
 
NR 01 até NR 35 em pdf
NR 01 até NR 35 em pdfNR 01 até NR 35 em pdf
NR 01 até NR 35 em pdf
 
Nbr 14626 2000 - equipamento de proteção individual - trav
Nbr 14626   2000 - equipamento de proteção individual - travNbr 14626   2000 - equipamento de proteção individual - trav
Nbr 14626 2000 - equipamento de proteção individual - trav
 
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTERedes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
 
Linha de vida cálculo e especificações
Linha de vida cálculo e especificaçõesLinha de vida cálculo e especificações
Linha de vida cálculo e especificações
 
Memória de cálculo de linha de vida
Memória de cálculo de linha de vida  Memória de cálculo de linha de vida
Memória de cálculo de linha de vida
 
Aula EPI - Apresentação
Aula EPI - ApresentaçãoAula EPI - Apresentação
Aula EPI - Apresentação
 
Treinamento sobre epi
Treinamento sobre epiTreinamento sobre epi
Treinamento sobre epi
 
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPITreinamento de Segurança no Trabalho e EPI
Treinamento de Segurança no Trabalho e EPI
 
Protetor auricular
Protetor auricularProtetor auricular
Protetor auricular
 

Semelhante a Luva isolante de borracha para proteção contra choques elétricos

teste em luva isolante
teste em luva isolanteteste em luva isolante
teste em luva isolanteLucas Souza
 
Procedimento de us pr 011
Procedimento de us   pr 011Procedimento de us   pr 011
Procedimento de us pr 011mestreales
 
Espec. copel 1.012 luva de raspa r7
Espec. copel 1.012 luva de raspa r7Espec. copel 1.012 luva de raspa r7
Espec. copel 1.012 luva de raspa r7Renato Vasconcelos
 
04 ntd 3.06 2 ed (1)
04 ntd 3.06 2 ed (1)04 ntd 3.06 2 ed (1)
04 ntd 3.06 2 ed (1)Pessoalteste
 
Apostila parte ii_cap_2_blocos_padrao
Apostila parte ii_cap_2_blocos_padraoApostila parte ii_cap_2_blocos_padrao
Apostila parte ii_cap_2_blocos_padraoXXgreiceXX
 
Apostila designdoconfortototaldetecidosevesturio
Apostila designdoconfortototaldetecidosevesturioApostila designdoconfortototaldetecidosevesturio
Apostila designdoconfortototaldetecidosevesturioLeandro
 
Disjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntDisjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntJAILTON1961
 
Disjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntDisjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntNORVALFERREIRA
 
16673 nbr vidros para controle solar texto em votação
16673 nbr vidros para controle solar texto em votação16673 nbr vidros para controle solar texto em votação
16673 nbr vidros para controle solar texto em votaçãoELKA PORCIÚNCULA
 
6. pastilhas, placas de borracha e porcelanato pdf
6. pastilhas, placas de borracha e porcelanato pdf6. pastilhas, placas de borracha e porcelanato pdf
6. pastilhas, placas de borracha e porcelanato pdfKamillaarndt
 
Nbr 14787 espaços confinados
Nbr 14787   espaços confinadosNbr 14787   espaços confinados
Nbr 14787 espaços confinadosmelina040583
 
Apostila blocos padrao
Apostila blocos padraoApostila blocos padrao
Apostila blocos padraoLucas Santos
 

Semelhante a Luva isolante de borracha para proteção contra choques elétricos (16)

Anexo abv 2570
Anexo abv 2570Anexo abv 2570
Anexo abv 2570
 
teste em luva isolante
teste em luva isolanteteste em luva isolante
teste em luva isolante
 
Procedimento de us pr 011
Procedimento de us   pr 011Procedimento de us   pr 011
Procedimento de us pr 011
 
Espec. copel 1.012 luva de raspa r7
Espec. copel 1.012 luva de raspa r7Espec. copel 1.012 luva de raspa r7
Espec. copel 1.012 luva de raspa r7
 
3m cat
3m cat3m cat
3m cat
 
04 ntd 3.06 2 ed
04 ntd 3.06 2 ed04 ntd 3.06 2 ed
04 ntd 3.06 2 ed
 
04 ntd 3.06 2 ed (1)
04 ntd 3.06 2 ed (1)04 ntd 3.06 2 ed (1)
04 ntd 3.06 2 ed (1)
 
Apostila parte ii_cap_2_blocos_padrao
Apostila parte ii_cap_2_blocos_padraoApostila parte ii_cap_2_blocos_padrao
Apostila parte ii_cap_2_blocos_padrao
 
Apostila designdoconfortototaldetecidosevesturio
Apostila designdoconfortototaldetecidosevesturioApostila designdoconfortototaldetecidosevesturio
Apostila designdoconfortototaldetecidosevesturio
 
Disjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntDisjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abnt
 
Disjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abntDisjuntores x normas_abnt
Disjuntores x normas_abnt
 
16673 nbr vidros para controle solar texto em votação
16673 nbr vidros para controle solar texto em votação16673 nbr vidros para controle solar texto em votação
16673 nbr vidros para controle solar texto em votação
 
6. pastilhas, placas de borracha e porcelanato pdf
6. pastilhas, placas de borracha e porcelanato pdf6. pastilhas, placas de borracha e porcelanato pdf
6. pastilhas, placas de borracha e porcelanato pdf
 
Nbr 14787 espaços confinados
Nbr 14787   espaços confinadosNbr 14787   espaços confinados
Nbr 14787 espaços confinados
 
Apostila blocos padrao
Apostila blocos padraoApostila blocos padrao
Apostila blocos padrao
 
CA40370.pdf
CA40370.pdfCA40370.pdf
CA40370.pdf
 

Mais de Ane Costa

Treinamento sinalização de segurança
Treinamento sinalização de segurançaTreinamento sinalização de segurança
Treinamento sinalização de segurançaAne Costa
 
Treinamento trava quedas
Treinamento trava quedasTreinamento trava quedas
Treinamento trava quedasAne Costa
 
Treinamento transportador de correa
Treinamento transportador de correaTreinamento transportador de correa
Treinamento transportador de correaAne Costa
 
Treinamento geral radioproteção
Treinamento geral radioproteçãoTreinamento geral radioproteção
Treinamento geral radioproteçãoAne Costa
 
Treinamento coleta seletiva (muito bom)
Treinamento coleta seletiva (muito bom)Treinamento coleta seletiva (muito bom)
Treinamento coleta seletiva (muito bom)Ane Costa
 
Treinamento choque elétrico
Treinamento choque elétricoTreinamento choque elétrico
Treinamento choque elétricoAne Costa
 
Treinamento Toxcologia industrial
Treinamento Toxcologia industrialTreinamento Toxcologia industrial
Treinamento Toxcologia industrialAne Costa
 
Treinamento Segurança em prensas
Treinamento Segurança em prensas Treinamento Segurança em prensas
Treinamento Segurança em prensas Ane Costa
 
treinamento ruido
treinamento ruido treinamento ruido
treinamento ruido Ane Costa
 
Treinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratóriaTreinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratóriaAne Costa
 
Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros Ane Costa
 
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOSMODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOSAne Costa
 
FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO
FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO
FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO Ane Costa
 
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOSMODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOSAne Costa
 
Formulario inspeção E.P.I
Formulario inspeção E.P.IFormulario inspeção E.P.I
Formulario inspeção E.P.IAne Costa
 
Modelo de ficha de E.P.I
Modelo de ficha de E.P.I Modelo de ficha de E.P.I
Modelo de ficha de E.P.I Ane Costa
 
modelo de ficha de E.P.I
modelo de ficha de E.P.I modelo de ficha de E.P.I
modelo de ficha de E.P.I Ane Costa
 
MODELO DE A.P.T
MODELO DE A.P.TMODELO DE A.P.T
MODELO DE A.P.TAne Costa
 
Check list veículos
Check list veículosCheck list veículos
Check list veículosAne Costa
 

Mais de Ane Costa (20)

Treinamento sinalização de segurança
Treinamento sinalização de segurançaTreinamento sinalização de segurança
Treinamento sinalização de segurança
 
Treinamento trava quedas
Treinamento trava quedasTreinamento trava quedas
Treinamento trava quedas
 
Treinamento transportador de correa
Treinamento transportador de correaTreinamento transportador de correa
Treinamento transportador de correa
 
Treinamento geral radioproteção
Treinamento geral radioproteçãoTreinamento geral radioproteção
Treinamento geral radioproteção
 
Treinamento coleta seletiva (muito bom)
Treinamento coleta seletiva (muito bom)Treinamento coleta seletiva (muito bom)
Treinamento coleta seletiva (muito bom)
 
Treinamento choque elétrico
Treinamento choque elétricoTreinamento choque elétrico
Treinamento choque elétrico
 
Treinamento Toxcologia industrial
Treinamento Toxcologia industrialTreinamento Toxcologia industrial
Treinamento Toxcologia industrial
 
Treinamento Segurança em prensas
Treinamento Segurança em prensas Treinamento Segurança em prensas
Treinamento Segurança em prensas
 
treinamento ruido
treinamento ruido treinamento ruido
treinamento ruido
 
Treinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratóriaTreinamento de Proteção respiratória
Treinamento de Proteção respiratória
 
Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros Treinamento de Primeiros socorros
Treinamento de Primeiros socorros
 
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOSMODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA PARA TREINAMENTOS
 
FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO
FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO
FORMULARIO DEI NSOPEÇÃO
 
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOSMODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOS
MODELO DE LISTA DE PRESENÇA EM TREINAMENTOS
 
Formulario inspeção E.P.I
Formulario inspeção E.P.IFormulario inspeção E.P.I
Formulario inspeção E.P.I
 
mOa
mOamOa
mOa
 
Modelo de ficha de E.P.I
Modelo de ficha de E.P.I Modelo de ficha de E.P.I
Modelo de ficha de E.P.I
 
modelo de ficha de E.P.I
modelo de ficha de E.P.I modelo de ficha de E.P.I
modelo de ficha de E.P.I
 
MODELO DE A.P.T
MODELO DE A.P.TMODELO DE A.P.T
MODELO DE A.P.T
 
Check list veículos
Check list veículosCheck list veículos
Check list veículos
 

Luva isolante de borracha para proteção contra choques elétricos

  • 1. ICS 13.260 JUL 2006 PROJETO DE REVISÃO ABNT NBR 10622 Equipamento de proteção individual – Luva isolante de borracha ABNT – Associação Brasileira de Origem: ABNT NBR 10622:1989 Normas Técnicas ABNT/CB-32- Comitê Brasileiro de Equipamentos de Proteção Individual CE-32:006.05 - Comissão de Estudo de Luvas e Vestimentas de Proteção – Sede: Riscos Elétricos Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar ABNT NBR 10622 – Personal protective equipment – Gloves of insulating CEP 2003-901 - Rio de Janeiro – RJ Tel.: PABX (021) 3974-2300 rubber Fax: (021) 2220-1762 Endereço eletrônico: Descriptors: Personal protective equipment. Protection clothing. Work safety. www.abnt.org.br Accident prevention. Esta Norma cancela e substitui a ABNT NBR 10622:1989. Esta Norma cancela e substitui a ABNT NBR 10624:1989. Palavras-chave: Equipamento de proteção individual. Luva 22 páginas Copyright © 2006, ABNT - Associação Brasileira de proteção. Roupa de proteção. de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Segurança no trabalho. Prevenção de Impresso no Brasil acidente. Todos os direitos reservados Sumário Prefácio 1 Objetivo 2 Definições 3 Requisitos 4 Amostragem 5 Verificação das dimensões 6 Determinação das propriedades elétricas 7 Determinação da resistência ao ozônio 8 Determinação das propriedades mecânicas 9 Marcação e embalagem Prefácio A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB) e dos Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros). Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos ABNT/CB e ABNT/ONS, circulam para Consulta Nacional entre os associados da ABNT e demais interessados. 1 Objetivo Esta Norma especifica os requisitos para as luvas isolantes de borracha para proteção contra choques elétricos. 2 Definições 2.1 arco elétrico: Condução em gásautomantida para a qual a maioria dos portadores de carga são elétrons liberados por emissão eletrônica primaria. 2.2 área de trabalho: Região entre os dedos, a palma, a área dos dedos e polegar virado para a palma da mão, sem se estender além da linha central de união (ver figura 1).
  • 2. Projeto ABNT NBR 10622:2006 2 Figura 1 – Área de trabalho 2.3 borracha: Termo genérico que inclui elastômeros e seus compostos, independentemente da origem. 2.4 cano: Área da luva situada entre o punho e a orla reforçada da abertura. 2.5 corrente alternada: Corrente periodica cujo valor médio é igual a zero. 2.6 corrente contínua: Corrente cujo valor é independente do tempo. 2.7 corrente de fuga: Corrente de condução que, devido a isolamento imperfeito, percorre um caminho diferente do previsto. 2.8 corte por ozônio: Rachaduras entrelaçadas na borracha pela ação do ozônio. 2.9 descarga eletrica: Processo causado por um campo elétrico, que muda abruptamente todo ou parte de um meio isolante, para meio condutor. 2.10 halogenação: Exposição da superfície da luva a um halogênio, para fins de redução do atrito superficial. 2.11 luva de borracha: Equipamento destinado a proteger a mão, o punho e parte do antebraço do usuário, permitindo completa independência de movimentos dos dedos, podendo ser de borracha natural, sintética ou combinação de ambas. 2.12 material condutor embebido: definir 2.13 material isolante: Material, em geral um dielétrico, utilizado para impedir a passagem de correntes de condução. 2.14 orla: Acabamento da extremidade do cano da luva. 2.15 orla reforçada: Acabamento da extremidade do cano da luva obtida por enrolamento do cano da luva. 2.16 ozônio: Forma muito ativa de oxigênio que pode ser produzida por descarga elétrica, efeito corona ou raios ultravioleta. 2.17 palma: Área entre o punho e a base dos dedos. 2.18 perfuração: Efeito da descarga ou arco elétrico que ocorre entre os eletrodos e através da luva a ser ensaiada. 2.19 tensão elétrica : Grandeza escalar igual à integral de linha dp vetor campo elétrico, de um ponto a outro ao longo de um percurso dado. 2.20 tensão máxima de uso: Valor eficaz máximo entre fases no qual a luva pode ser utilizada. 2.21 usuário: Pessoa que utiliza a luva. 3 Requisitos 3.1 Classificação 3.1.1 As luvas devem ser dos seguintes tipos: a) tipo I – não resistente ao ozônio; b) tipo II – resistente ao ozônio. 3.1.2 São estabelecidas as seguintes classes de luva: 00, 0, 1, 2, 3 e 4.
  • 3. Projeto ABNT NBR 10622:2006 3 3.1.3 A classe das luvas deve ser identificada através de marcação legível e indelével no dorso do cano, dentro de uma faixa de 50 mm a contar da orla. A marcação deve ter uma cor especifica para cada classe da luva conforme segue: a) classe 00 – bege; b) classe 0 – vermelha; c) classe 1 – branca; d) classe 2 – amarela; e) classe 3 – verde; f) classe 4 – laranja. 3.2 Acabamento 3.2.1 Todas as luvas devem ser submetidas à inspeção visual interna e externa. 3.2.2 As luvas devem ser livres nas superfícies interna e externa de irregularidades físicas prejudiciais que comprometam o contorno superficial uniforme e liso e representem riscos em potencial ao usuário, tais como furos minúsculos, trincas, bolhas, cortes, material condutor embebido, enrugamento, marcas de esmagamento, bolsas de ar retido, pregas salientes e marcas de moldagem proeminentes. 3.2.3 A parte interna deve ter acabamento por halogenação ou outro processo similar que permita bom calçamento, sem comprometer os requisitos desta Norma. 3.2.4 Algumas irregularidades físicas não prejudiciais podem estar presentes nas superfícies interna e externa da luva, devido às imperfeições nas formas ou moldes ou devido às dificuldades inerentes ao processo de fabricação. Essas irregularidades podem aparecer como marcas de modelagem que se assemelham a cortes, mossas, protuberâncias, material estranho embebido ou manchas de cor. São aceitáveis desde que: a) as mossas, protuberâncias ou marcas de modelagem tendam a se harmonizar em uma inclinação suave com o esticamento do material; b) a espessura da borracha em qualquer irregularidade atenda aos requisitos de espessura; c) o material estranho permaneça no lugar quando a luva for dobrada e esticada com o material que a envolva; d) os salpicos de cor tenham um tamanho máximo de 1 mm em qualquer direção na superfície interna da área de trabalho. 3.2.5 Durante a inspeção visual, não se deve aplicar esforços mecânicos capazes de comprometer as características das luvas. A localização de defeitos pode ser feita insuflando ar nas luvas manualmente ou através de um insuflador de ar, observando-se os seguintes limites: a) luvas do tipo I: nenhuma parte da luva deve esticar mais do que 2 vezes o seu tamanho normal: b) luvas do tipo II: nenhuma parte da luva deve esticar mais que 1,25 vez o seu tamanho normal. O tamanho das luvas deve ser medido com uma escala graduada. 3.2.6 Todas as luvas devem ter orça reforçada. 3.3 Dimensões 3.3.1 Espessura A espessura das luvas deve atender a tabela 1 e ser determinada conforme 5.1. Tabela 1 – Espessura das luvas Espessura mínima Classe Espessura máxima1) Mm das luvas mm Na união dos dedos Nas outras partes 00 0,20 0,25 0,75 0 0,46 0,51 1,02 1 0,63 0,76 1,52 2 1,02 1,27 2,29 3 1,52 1,90 2,92 4 2,03 2,54 3,56 1) A espessura máxima para luva tipo II pode ter acréscimo de até 0,6 mm.
  • 4. Projeto ABNT NBR 10622:2006 4 3.3.2 Tamanho O tamanho das luvas deve atender a tabela 2 e ser determinado conforme 5.2. Tabela 2 – Tamanho das luvas Tamanho1) Número Mm 8 203 8,5 216 9 229 9,5 241 10 254 10,5 267 11 279 11,5 292 12 303 A incerteza máxima no tamanho dever ser de ± 13 mm. 1) 3.3.3 Comprimento 3.3.3.1 O comprimento das luvas deve atender a tabela 3 e ser determinado conforme 5.3. Tabela 3 – Comprimento das luvas1) Pequena Média Grande Classe mm mm Mm 00 280/360 - - 0 280/360 410 460 1 360 410 460 2 360 410 460 3 360 410 460 4 - 410 460 1) A incerteza máxima no comprimento deve ser de ± 15 mm. 3.3.3.2 Para as luvas cuja orla é inclinada, a diferença entre o comprimento máximo e o mínimo deve ser de 51 mm ± 6 mm. 3.3.4 Dimensões complementares 3.3.4.1 As dimensões complementares (ver figura 2) devem atender a tabela 4 e ser determinadas conforme 5.4.
  • 5. Projeto ABNT NBR 10622:2006 5 a) b) c) Legenda: A – perímetro da orla B – perímetro do punho C – perímetro do dedo polegar D, E, F, G – perímetro dos demais dedos H – distância entre o punho até a extremidade do dedo médio I, J, L, M, N – comprimento dos dedos O, P, Q, R – distância entre a união dos dedos até a extremidade do dedo médio T – tamanho da luva Figura 2 - Dimensões complementares
  • 6. Projeto ABNT NBR 10622:2006 6 Tabela 4 – Dimensões complementares Dimensão A B C D E F G H I J L M N O P Q R mm Tamanho 8,0 354 205 81 69 70 67 58 160 58 62 72 72 59 102 67 69 80 8,5 368 220 87 71 73 71 62 170 59 65 75 72 59 106 70 72 82 9,0 375 235 90 74 77 74 66 180 59 69 78 72 60 110 73 75 85 9,5 390 238 97 75 78 76 70 190 60 72 79 73 60 112 75 77 87 10,0 390 251 99 80 84 81 72 195 61 73 80 75 62 112 76 79 89 10,5 398 261 99 81 84 82 74 200 62 75 84 76 63 113 79 81 91 11,0 398 274 99 85 86 86 77 205 64 76 87 77 63 115 83 83 93 11,5 405 285 100 91 87 87 79 208 65 77 89 77 64 116 85 86 95 12,0 405 295 100 95 89 91 80 210 66 78 91 78 65 117 86 87 96 Tolerância ± 13 ± 13 ±6 ±6 ±6 ±6 ±6 ± 13 ±6 ±6 ±6 ±6 ±6 ±6 ±6 ±6 ±6 mm 3.5 Propriedades elétricas 3.5.1 As luvas devem suportar, a uma freqüência de 60 Hz, uma tensão alternada (valor eficaz) conforme a tabela 5, ou suportar uma tensão contínua conforme a tabela 6. O ensaio deve ser feito conforme 6.1 para corrente alternada e conforme 6.2 para corrente contínua. Tabela 5 – Propriedades elétricas para corrente alternada1 ) Classe Tensão Tensão de Tensão mínima Corrente máxima de fuga Das Máxima de ensaio-valor de perfuração MA uso2) Luvas eficaz valor eficaz Luva de Luva de Luva de Luva de valor eficaz V V 280 mm de 360 mm de 410 mm de 460 mm de V comprimento comprimento comprimento comprimento 00 500 2 500 4 000 8 12 não aplicável não aplicável 0 1 000 5 000 6 000 8 12 14 16 1 7 500 10 000 20 000 - 14 16 18 2 17 000 20 000 30 000 - 16 18 20 3 26 500 30 000 40 000 - 18 20 22 4 36 000 40 000 50 000 - - 22 24 A corrente de ensaio deve ser medida com uma incerteza máxima de ± 1mA. 1) 2) Para as classes 1, 2 ,3 e 4, a tensão máxima de uso é baseada na seguinte equação: Tensão máxima de uso = 0,95 da tensão de ensaio – 2 000 V Tabela 6 – Propriedades elétricas para corrente contínua Classe de luva Tensão máxima de uso Tensão de ensaio Tensão mínima de perfuração V V V 00 750 10 000 13 000 0 1 500 20 000 35 000 1 11 250 40 000 60 000 2 25 500 50 000 70 000 3 39 750 60 000 80 000 4 54 000 70 000 90 000 3.5.2 A tensão elétrica mínima de perfuração das luvas não deve ser inferior ao valor especificado nas tabelas 5 e 6 e o ensaio deve ser feito conforme 6.3.
  • 7. Projeto ABNT NBR 10622:2006 7 3.5.3 A corrente de fuga através da luva não deve exceder os valores especificados na tabela 5, acrescidos de 2 mA, e o ensaio deve ser feito conforme 6.4. 3.6 Resistência ao ozônio 3.6.1 O material da luva tipo II não deve indicar efeitos visíveis ao ozônio, tais como fendas, furos, rachaduras entrelaçadas, fissuras, trincas, bolhas, cortes e enrugamento.A determinação da resistência ao ozônio deve ser feito conforme seção 7. 3.6.2 Luvas do tipo II com pequenos cortes superficiais por corona ou fissuras por ozônio na área do cano podem ser aceitas. 3.7 Propriedades mecânicas 3.7.1 As propriedades mecânicas das luvas devem atender a tabela 7 e ser determinadas conforme seção 8. Tabela 7 – Propriedades mecânicas Propriedades físicas Luva tipo I Luva tipo II Resistência à tração mínima, em Mpa 17,2 10,3 Resistência à tração a 200% máximo, em MPa 2,1 2,1 Alongamento na ruptura, mínimo em % 600 600 Deformação permanente máxima após alongamento de 400%, em % 25 25 Resistência ao rasgamento, mínimo, em kN/m 21 14 Resistência à perfuração mecânica mínima, kN/m 18 18 Dureza, Shore A, máxima 47 47 3.7.2 Após o envelhecimento acelerado dos corpos-de-prova, a resistência à tração e ao alongamento na ruptura não devem ser inferiores a 80% dos valores obtidos com os corpos-de-prova não envelhecidos. 3.8 Inspeção periódica 3.8.1 Deve ser feita uma inspeção periódica nas luvas após a realização dos ensaios de recebimento e após a colocação do material em uso no campo. 3.8.2 Quando as luvas forem encaminhadas para um laboratório, este deve registrar as datas de inspeção de modo a manter um histórico. 3.8.3 As luvas devem ser lavadas com um sabão suave ou detergente leve e água. Após a lavagem, as luvas devem ser enxaguadas com água para remover todo o sabão ou detergente e devm ser secadas. Alvejantes ou cloretos suaves do tipo doméstico podem ser usados para fins de desinfecção. Sabões, detergentes e alvejantes não devem ser usados com intensidade que possa atacar ou prejudicar a superfície da borracha. 3.8.4 Antes dos ensaios elétricos, as luvas devem receber uma inspeção preliminar para ver se há furos, rasgos, cortes, escoriações, cortes por ozônio ou qualquer outra condição que possa afetar adversamente o seu desempenho. Se qualquer destas condições for encontrada, as luvas devem ser rejeitadas e cortadas de modo que não possam ser utilizadas para servições elétricos. 3.8.5 As luvas devem ser ensaiadas de acordo com 6.1 e 6.2. 3.8.6 Uma data especificada para a próxima inspeção deve ser registrada ou fornecida em uma etiqueta na luva. O método de marcação e o material da etiqueta não podem afetar adversamente as propriedades elétricas ou mecânicas da luva ou conflitar com a marcação original do fabricante. 3.8.7 A superfície interna das luvas pode ser empoada usando-se um pó. As luvas devem ser arrumadas aos pares. 3.8.8 O intervalo máximo entre inspeções das luvas não deve exceder o período de seis meses para luvas utilizadas em contato direto em circuitos energizados, e doze meses para luvas não distribuídas ou utilizadas em contatos indiretos. Dependendo das práticas de trabalho e intensidade de atividades a que estão sendo submetidas as luvas, os intervalos podem ser inferiores. 3.9 Manual de instruções 3.9.1 Todas as luvas devem ser entregues ao usuário final com um manual de instruções, contendo, no mínimo, as informações dadas em 3.9.2 a 3.9.13. 3.9.2 As luvas defeituosas ou que deixam dúvidas quanto a sua integridade não devem ser usadas, devendo ser devolvidas a um laboratório para verificação. 3.9.3 As luvas devem ser visualmente inspecionadas pelo usuário, à procura de defeitos. As luvas devem ser inspecionadas em toda a superfície e roladas suavemente entre as mãos para expor defeitos e materiais embebidos.
  • 8. Projeto ABNT NBR 10622:2006 8 3.9.4 As luvas devem ser submetidas, diariamente antes do uso, a um ensaio de ar enrolando a orla bem apertado, na direção da palma, de maneira tal que o ar fique retido dentro da luva, ou usando um insuflador de ar. Quando for utilizado o insuflador, não se deve aplicar pressões capazes de comprometer as características das luvas deve-se ter cuidado para evitar excesso de pressão. A luva deve ser examinada quanto a perfurações e outros defeitos. A detecção de perfurações pode ser ampliada, ouvindo-se se há escape de ar ou segurando as luvas próximas da face do usuário, para sentir se há ar vazando. 3.9.5 As luvas devem ser limpas para remover todo o óleo, graxa e outras substâncias prejudiciais assim que possível. As luvas devem ser enxaguadas conforme necessário, para remover todo o suor. O excesso de água deve ser removido, sacudindo-se a luva e em seguida, secando-a. 3.9.6 As luvas devem ser guardadas em local arejado, escuro e secol. O local deve ser tão livre quanto possível de ozônio, produtos químicos, óleos, solventes, vapores e emanações prejudiciais e afastado de descargas elétricas e luz do sol. As luvas devem ser armazenadas em seu formato natural. As luvas podem ser mantidas dentro de protetores ou em um saco, caixa ou recipiente que seja desenhado e usado exclusivamente para elas. As luvas não devem ser guardadas dobradas, com vincos, viradas ao avesso, comprimidas ou de qualquer modo que cause enrugamentos ou compressão. 3.9.7 As luvas devem ser usadas com luvas protetoras para evitar avarias mecânicas. 3.9.8 A luva protetora deve ser dimensionada e no formato tal que a luva isolante não seja deformada do seu formato natural. 3.9.9 A distância mínima entre a orla da luva protetora e a orla da luva isolante não deve ser inferior ao especificado na tabela 11. Tabela 11 - Distâncias entre a orla e o punho Classe Distancia mínima Polegadas mm 0 ½ 13 1 1 25 2 2 51 3 3 76 4 4 102 3.9.10 Luvas protetoras que tenham sido usadas para qualquer outra finalidade não devem ser usadas para proteger luvas isolantes. As luvas protetoras não devem ser usadas se tiverem furos, rasgos ou outros defeitos que afetem a sua capacidade de proporcionar proteção mecânica às luvas isolantes. Deve-se ter o cuidado de manter as luvas protetoras tão livres quanto possível de óleo, graxa, produtos químicos e outros materiais que possam prejudicar as luvas isolantes. As luvas protetoras que ficarem contaminadas com materiais prejudiciais não devem ser usadas como luvas protetoras, salvo se tiverem sido totalmente limpas para a remoção da substância contaminante. A superfície interna das luvas protetoras deve ser inspecionada para ver se há objetos aguçados ou pontiagudos. Essa inspeção deve ser feita tão freqüentemente quanto as luvas isolantes forem inspecionadas. 3.9.11 Luvas de pano podem ser usadas dentro da luva isolante para aquecimento em climas frios e para absorver o suor em climas quentes. 3.9.12As luvas não devem ser marcadas nem possuir qualquer fita ou etiqueta adesiva aplicado à elas, salvo se autorizado. 3.9.13 As luvas com quaisquer dos seguintes defeitos não devem ser usadas e devem ser devolvidas ao laboratório para inspeção e ensaios elétricos: a) furos, rasgos, perfurações ou cortes; b) cortes causados por ozônio; c) corpos estranhos embebidos; d) alterações de textura, inchamento, amolecimento, endurecimento, material pegajoso ou inelástico; e) outros defeitos que danifiquem as propriedades isolantes das luvas. 4 Amostragem 4.1 Para verificação da espessura, tamanho e comprimento deve-se tomar uma amostra aleatoriamente de 10% do lote. Para determinação das dimensões complementares deve-se tomar uma amostra aleatoriamente de 5% do lote. 4.2 Todas as luvas aprovadas na inspeção visual e na verificação das dimensões devem ser submetidas ao ensaio de tensão elétrica aplicada e verificação da corrente de fuga. 4.3 Uma amostragem de 1% do lote, com um mínimo de um par de luva, deve ser escolhida ao acaso para a realização dos seguintes ensaios:
  • 9. Projeto ABNT NBR 10622:2006 9 a) tensão elétrica de perfuração; b) resistência ao ozônio para luva tipo II; c) resistência à tração; d) deformação permanente; e) resistência ao rasgamento; f) resistência à perfuração mecânica; g) envelhecimento acelerado; h) dureza. 4.4 Se ocorrerem falhas na primeira amostragem, uma segunda amostragem contendo a mesma quantidade de luvas deve ser selecionada e ensaiada. 4.5 Quando um número não inteiro for obtido para amostragem, a quantidade de luvas a ser amostrada deve ser arredondada para um número inteiro imediatamente superior. 4.6 Se uma ou mais luvas da amostragem não atender 3.3, o lote inteiro deve ser submetido a esta verificação e as que estiverem em desacordo devem ser rejeitadas. Caso a quantidade rejeitada ultrapasse 25% do lote, este deve ser rejeitado. 4.7 A rejeição do lote deve ocorrer sob qualquer uma das seguintes condições: a) se 5% ou mais do lote de luvas ensaiadas não atenderem 3.5.1. Quando no cálculo desta porcentagem obtém-se número não inteiro, o número de falhas que causam rejeição do lote deve ser o inteiro imediatamente inferior; b) se ocorrer na amostragem inicial duas perfurações, que não atendam 3.5.2; c) se uma perfuração na amostragem inicial e uma perfuração na segunda amostragem não atender de 3.5.2; d) se a corrente de fuga em duas luvas da amostragem inicial não atender 3.5.3; e) se a corrente de fuga em uma luva da amostragem inicial e em uma luva da segunda amostragem não atender em 3.5.3; f) se dois corpos-de-prova de luvas do tipo II não satisfizerem os requisitos estabelecidos em 3.6; g) se um corpo-de-prova da amostragem inicial e um corpo-de-prova da segunda amostragem, de luvas tipo II, não satisfizerem os requisitos estabelecidos em 3.6; h) se dois resultados dos ensaios da amostragem inicial não satisfizerem qualquer um dos requisitos estabelecidos em 3.7; i) se um resultado dos ensaios na amostragem inicial e um resultado dos ensaios na segunda amostragem não satisfizerem qualquer um dos requisitos estabelecidos em 3.7. 4.7 As luvas que tiverem sido rejeitadas nos ensaios elétricos devem ser cortadas, de modo que não possam ser usadas para serviços elétricos. 5 Verificação das dimensões 5.1 Verificação da espessura 5.1.1 Aparelhagem Relógio comparador com resolução de 0,02 mm ou menos, preso a um braço que permita a verificação da espessura, tanto na posição vertical, quanto na horizontal da luva. A haste fixa de apoio da luva deve ser suficientemente longa para atingir as pontas dos dedos sem causar dobras prejudiciais à luva (ver figuras 3 e 4).
  • 10. Projeto ABNT NBR 10622:2006 10 Figura 3 – Relógio comparador, posição horizontal Figura 4 – Relógio comparador, posição vertical 5.1.2 Procedimento Com as luvas limpas e perfeitamente secas, realizar: a) no lado da palma: 4 ou mais medidas; b) na união do dorso: 4 ou mais medidas; c) na união dos dedos: 1 ou mais medidas; d) na ponta de cada um dos dedos: 3 ou mais medidas. 5.2 Verificação do tamanho 5.2.1 Aparelhagem Escala graduada em milímetros. 5.2.2 Procedimento Com as luvas sobre uma superfície plana, o tamanho é a circunferência interna da luva (ver figura 2b) medida em uma linha paralela às uniões dos dedos e passando através da união do polegar. O tamanho é determinado pela seguinte expressão: T = 2 (L – 2e) onde:
  • 11. Projeto ABNT NBR 10622:2006 11 T é o tamanho da luva, em milímetros; L é a largura externa da luva, em milímetros; e é a espessura média da palma e dorso da luva, em milímetros. 5.3 Verificação do comprimento 5.3.1 Aparelhagem Escala graduada em milímetros. 5.3.2 Procedimento 5.3.2.1 Colocar a luva em uma superfície plana, com a orla perpendicular à linha de medida. O comprimento é a distância entre a extremidade do dedo médio e a orla da luva, conforme figura 5. Figura 5 – Comprimento da luva 5.3.2.2 Para as luvas cuja orla é inclinada, medir os comprimentos máximo e mínimo, conforme figura 6. Figura 6 – Comprimentos máximo e mínimo da luva 5.4 Verificação das dimensões complementares 5.4.1 Aparelhagem Escala e esquadros graduados em milímetros. 5.4.2 Procedimento 5.4.2.1 Colocar as luvas sobre uma superfície plana com a palma para cima (ver figura 2a) 5.4.2.2 Medir o comprimento do polegar (ver letra “I” da figura 2a) e dos demais dedos (ver letra “L” da figura 2a) sobre uma linha reta a partir da união dos dedos até a projeção de suas extremidades. 5.4.2.3 Para determinar o perímetro interno do polegar (ver letra “C” da figura 2b), deve-se medir o diâmetro do dedo polegar sobre uma linha reta, perpendicular à linha do comprimento do dedo, a meia distância entre a base do dedo e sua extremidade, subtrair 2 vezes a espessura da luva e multiplicar o resultado por 2.
  • 12. Projeto ABNT NBR 10622:2006 12 5.4.2.4 Para determinar o perímetro interno dos demais dedos (ver letras “D”, “E, “F” e “G” da figura 2b), deve-se medir o diâmetro dos dedos sobre uma linha reta, perpendicular à linha do comprimento dos dedos, a 1/3 de distância entre a base do dedo e sua extremidade a contar da base, subtrair 2 vezes a espessura da luva e multiplicar o resultado por 2. 5.4.2.5 Para determinar o perímetro interno do punho na parte mais estreita da luva partindo da orla (letra “B” da figura 2c), medir o diâmetro do punho sobre uma linha reta, subtrair 2 vezes a espessura da luva e multiplicar o resultado por 2. 5.4.2.6 Para determinar o perímetro da orla da luva (ver letra “A” da figura 2c), deve-se medir o diâmetro da orla sobre uma linha reta, subtrair 2 vezes a espessura da luva e multiplicar o resultado por 2. 5.4.2.7 Determinar a distância da união dos dedos até a projeção da linha reta perpendicular à extremidade do dedo médio (ver letra “P” da figura 2c). 5.4.2.8 Determinar a distância do punho até a projeção da linha reta perpendicular à extremidade do dedo médio (ver letra “H” da figura 2c). 6 Determinação das propriedades elétricas Todos os ensaios elétricos devem ser executados à temperatura ambiente. 6.1 Tensão elétrica de ensaio em corrente alternada 6.1.1 Aparelhagem 6.1.1.1 O equipamento usado nos ensaios de tensão elétrica, aceitação e ruptura do dielétrico deve ser capaz de fornecer uma tensão continuamente variável, essencialmente sem degraus, para o corpo-de-prova. Um equipamento de regulação motorizado é conveniente e tende a prover uma taxa de elevação uniforme para a tensão de ensaio. O aparato de ensaio deve ser protegido por um dispositivo automático de abertura de circuito destinado a prontamente abrir a corrente produzida pela ruptura de um corpo-de-prova sob ensaio. Este dispositivo de abertura de circuito deve ser projetado para proteger o equipamento de ensaio sob quaisquer condições de curto-circuito. O equipamento deve ser inspecionado e calibrado por entidades competentes, acreditadas pela Rede Brasileira de Calibração (RBC), pelo menos uma vez ao ano. 6.1.1.2 O aparelho de ensaio deve ser projetado de modo a oferecer ao operador a plena proteção no desempenho de suas atividades. Meios confiáveis de desenergizar e aterrar o circuito de alta tensão devem ser providenciados. Deve haver um meio positivo de aterrar a seção de alta tensão do aparelho de ensaio em corrente contínua, na conclusão do ensaio. 6.1.1.3 A tensão de ensaio pode ser obtida mais facilmente de um transformador elevador energizado a partir de uma fonte de baixa tensão variável. O transformador e o seu equipamento de controle devem ser de tamanho e projeto tais que, com o corpo-de-prova no circuito, o fator de crista (relação de máximo para médio, efetivo) da tensão de ensaio deve diferir em no máximo 5% em relação ao de uma onda senoidal sobre a metade superior da faixa de tensão de ensaio. 6.1.1.4 O valor eficaz da forma de onda de tensão senoidal aplicada à luva pode ser medido por um dos seguintes aparelhos: a) voltímetro usado em conjunto com um transformador de instrumento calibrado conectado diretamente fechando o circuito de alta tensão; b) voltímetro eletrostático conectado diretamente, fechando o circuito de alta tensão; c) voltímetro conectado a uma bobina terciária no transformador de ensaio, desde que fique demonstrado que a relação de transformação atribuída não se altera com a carga; ou d) medidor de corrente alternada conectado em série com resistores tipo alta tensão diretamente, fechando o circuito de alta tensão. A incerteza máxima do circuito de medição de tensão adotado deve ser ± 2% da escala total NOTA Um voltímetro conectado no lado de baixa tensão do transformador de ensaio pode ser usado somente se a relação de transformação tiver sido corretamente determinada e se souber que esta não muda apreciavelmente com a carga. Um centelhador de esfera calibrado pode ser usado para checar a incerteza máxima de tensão indicada pelo voltímetro. 6.1.2 Procedimento 6..1.2.1 O fator de crista pode ser checado através do uso de um voltímetro de leitura de crista conectado diretamente, fechando o circuito de alta tensão. Se um voltímetro eletrostático ou um voltímetro em conjunto com um transformador de potencial de instrumento for conectado fechando o circuito de alta tensão, um centelhador de esfera pode ser disparado e a tensão correspondente comparada com a leitura do voltímetro em valor eficas. 6.1.2.2 A corrente de ensaio deve ser medida pela inserção de um miliamperímetro em série com cada mão da luva. A leitura deve ser feita próximo do final do tempo de ensaio. 6.1.2.3 Os eletrodos devem ser colocados de modo a aplicar a tensão elétrica uniformemente sobre toda a luva ensaiada sem produzir efeito corona em qualquer ponto ou esforços mecânicos nas luvas. 6.1.2.4 As luvas devem ser cheias de água de torneira e imersas em água até um comprimento de acordo com a tabela 8 para a tensão de ensaio a ser usada. O nível de água durante o ensaio deve ser o mesmo dentro e fora da luva. A água dentro da luva que forma um eletrodo de ensaio deve ser conectada a um terminal da fonte de tensão por meio de uma corrente ou haste deslizante, que mergulhe na água. A água do recipiente do lado de fora da luva que forma o outro eletrodo deve ser conectada diretamente ao outro terminal da fonte de tensão. A água deve estar livre de bolhas e bolsas
  • 13. Projeto ABNT NBR 10622:2006 13 de ar dentro e fora da luva e a parte exposta da luva acima da linha de água deve estar seca. A água usada nos ensaios deve ser renovada para cada lote de no máximo 50 pares de luva. 6.1.2.5 A tensão de ensaio deve ser aplicada inicialmente a um valor baixo e aumentada de acordo com uma taxa de elevação constante, de aproximadamente 1 000 v/s, até que o nível de tensão de ensaio especificado na tabela 5 seja atingido, ou até que ocorra a perfuração. 6.1.2.6 Após o nível de tensão de ensaio ser atingido, deve-se manter o estabelecimento de uma tensão durante 3 min, marcados através de um cronômetro devidamente calibrado. 6.1.2.7 A tensão de ensaio deve ser reduzida para pelo menos metade do valor, a não ser que tenha ocorrido falha elétrica, no final do período de ensaio, antes da abertura do circuito de ensaio. Tabela 8 – Distâncias – Punho à linha d’água1) Classe da luva Corrente alternada Corrente contínua Tensão aplicada Ruptura Tensão aplicada Ruptura Mm mm mm mm 00 38 38 38 51 0 38 38 38 51 1 38 64 51 102 2 64 76 76 127 3 89 102 102 152 4 127 165 153 178 1) Tolerancia de ± 8 mm. 6.2 Tensão elétrica de ensaio em corrente contínua 6.2.1 Aparelhagem Fonte de corrente contínua capaz de fornecer a tensão exigida. O componente de ondulação de corrente alternada entre cristas e uma tensão de ensaio de corrente alteranda não deve exceder 2% do valor da tensão média sob condições sem carga. 6.2.2 Procedimento 6.2.2.1 Medir a tensão de ensaio de corrente contínua através de um método que proporcione o valor médio da tensão de ensaio à luva. A tensão deve ser medida usando um medidor de corrente contínua conectado em série com resistores tipo alta tensão apropriados fechando o circuito de alta tensão. Um voltímetro eletrostático de faixa apropriada pode ser usado no lugar da continuação de medidor de corrente contínua e resistor. A incerteza máxima do circuito de medição de tensão deve ser de ± 2% da escala total. 6.2.2.2 A tensão de corrente contínua deve ser aplicada da mesma maneira como no ensaio com tensão de corrente alternada, exceto que a taxa de elevação deve ser de aproximadamente 3 000 V/s. 6.2.2.3 Assim que atingir a tensão especificada, esta deve ser mantida por um período de 3 min, após o que a operação inversa deve ser feita, obedecendo ao mesmo critério adotado para a elevação de tensão. 6.3 Tensão elétrica de perfuração 6.3.1 Cada amostra deve ser submetida a um ensaio de tensão elétrica de perfuração. 6.3.2 Para corrente alternada, a tensão deve ser aplicada com um valor baixo e aumentada em uma taxa de elevação constante de aproximadamente 1 000 V/s, até que a tensão de ruptura seja atingida, ou até ocorrer a falha. A tensão máxima observada antes da falha deve ser considerada como tensão de perfuração. 6.3.3 Para corrente contínua, a taxa de elevação é de aproximadamente 3 000 V/s. 6.4 Ensaio de absorção de umidade (corrente de fuga) 6.4.1 Aparelhagem O equipamento deve ser conforme 6.1.1 6.4.2 Procedimento 6.4.2.1 O ensaio deve ser feito conforme 6.1.2 6.4.2.2 Deixar a luva no recipiente com água por 16 h. 6.4.2.3 Aplicar, iniciando-se do zero, a tensão elétrica gradualmente na razão aproximada de 1 000 V/s, até que o valor de tensão elétrica de ensaio especificado na tabela 5 seja atingido.
  • 14. Projeto ABNT NBR 10622:2006 14 6.4.2.4 Medir e anotar a corrente de fuga. 6.4.2.5 Reduzir a tensão elétrica de ensaio no mínimo à metade de seu valor, a menos que tenha ocorrido alguma falha, antes da abertura do circuito. 7 Determinação da resistência ao ozônio 7.1 Método A – para todas as classes de tensão 7.1.1 Aparelhagem A aparelhagem utilizada na execução desse ensaio é a seguinte: a) câmara de ensaio de ozônio, com as seguintes características: 2 2 - construída de um material com reação mínima ao ozônio e um volume de pelo menos 0,11 m a 0,14 m ; - entrada de ar com dispositivos de filtração e saída que permita uma renovação parcial de ar ozonizado em recirculação. Um dispositivo deve manter esta circulação forçada através da câmara de ensaio, com uma vazão mínima correspondente a 45 vezes o volume da câmara por h; - fonte de calor localizada fora da câmara de ensaio e automaticamente comandada por meio de dispositivo termostático regulável. A temperatura dentro da câmara deve ser uniforme no espaço e no tempo, com variação máxima de ± 1ºC relativamente à temperatura nominal de ensaio. Um termômetro calibrado, inserido na câmara, deve indicar a temperatura momentânea e um registrador de temperatura deve confirmar o seu funcionamento segundo as condições estabelecidas; - fonte de geração de ozônio localizada fora da câmara e comandada por dispositivo capaz de manter a concentração de ozônio na câmara de ensaio uniforme no espaço e no tempo, com variação máxima de ± 5% relativamente à concentração nominal de ensaio; NOTA A lâmpada de vapor de mercúrio é a fonte mais comum para geração de ozônio. b) suporte dos corpos-de-prova constando de um bloco de ensaio de madeira com 140 mm de largura e aproximadamente 380 mm de comprimento e com espessura de não menos que 22 mm. Seu veio deve dirigir-se longitudinalmente e deve ser apropriadamente reforçado sobre a face posterior para evitar empenamento. O bloco deve ser plano, liso e pintado, com duas camadas de laca clara; c) prendedores que podem ser tachas de alumínio ou outros prendedores de matéria-prima inerte, devendo ser usados para fixar os corpos-de-provas às extremidades do bloco de madeira. Devem também ser usadas cantoneiras de alumínio de 13 mm x 22 mm. 7.1.2 Procedimento 7.1.2.1 Retirar da luva dois corpos-de-prova de 12 mm x 100 mm, com o eixo longitudinal paralelo à direção do veio do bloco. 7.1.2.2 Fixar os corpos-de-prova tracionados sobre o bloco de ensaio de maneira a causar uma extensão de 20%, espaçando-os em 6 mm. 7.1.2.3 Expor os corpos-de-prova montados sobre o bloco por 24 h em uma atmosfera isenta de ozônio, antes de iniciar o ensaio. 7.1.2.4 Colocar o conjunto na câmara de ensaio, contendo uma concentração de ozônio de 0,5 ppm por volume, durante um período de ensaio de 3 h. A temperatura nominal do ensaio deve ser de (40 ± 2)°C. 7.1.2.5 Verificar e registrar o aparecimento de fendas, furos, rachaduras entrelaçadas, fissuras, trincas, bolhas, cortes e enrugamento durante o período de ensaio. 7.2 Método B – somente para as classes 2, 3 e 4 7.2.1 Aparelhagem A aparelhagem utilizada na execução desse ensaio é a seguinte: a) transformador de potencial energizado pelo enrolamento de baixa tensão, através de um auto-transformador variável. Um dispositivo de proteção contra sobrecorrente deve ser incorporado ao circuito de controle de baixa tensão, para o caso de ruptura do dielétrico; b) dispositivo de ensaio constituído por um tubo metálico de 25 mm de diâmetro e de comprimento adequado para ser envolvido totalmente pelo corpo-de-prova; c) eletrodo ligado à terra, constituído pelo próprio tubo metálico mencionado em b) e o outro eletrodo, ligado à fonte de tensão, constituído por uma folha de alumínio de aproximadamente 50 mm x 100 mm. 7.2.2 Procedimento
  • 15. Projeto ABNT NBR 10622:2006 15 7.2.2.1 Retirar dois corpos-de-prova de 100 mm x 150 mm de cada amostra de luva, adequadamente condicionada, de modo a permanecer em repouso na posição horizontal durante 24 h. 7.2.2.2 Enrolar o corpo-de-prova sobre o tubo metálico de maneira a envolvê-lo totalmente, cuidando para que haja um comprimento adicional em ambas as extremidades do tubo suficiente para os suportes de montagem. As extremidades livres do corpo-de-prova devem ser fixadas por debaixo do tubo. 7.2.2.3 Colocar a folha de alumínio sobre o corpo-de-prova, cuidando para que haja uma distância entre o fim da folha de aluminio e as extremidades do tubo metálico, de maneira a evitar descargas elétricas pelo ar. 7.2.2.4 Ligar a folha de alumínio à fonte de tensão corrente alternada e aterrar o tubo metálico. 7.2.2.5 Aplicar, iniciando-se do zero, uma tensão de 15 KV entre a folha de alumínio e o tubo, mantendo-a por um período de 1 h, após o que esta tensão deve ser levada a zero novamente. NOTA A taxa de degradação por ozônio, utilizando-se este método, é inversamente proporcional à umidade relativa do ar circundante. Entretanto, dados empíricos indicam que efeitos visíveis do ozônio se manifestam em uma ampla faixa de umidade ambiental. 8 Determinação das propriedades mecânicas 8.1 Resistência à tração e alongamento na ruptura 8.1.1 Aparelhagem A aparelhagem utilizada na execução desse ensaio é a seguinte: a) máquina de ensaio com as seguintes características: - acionada a motor; - dotada de dinamômetro com dispositivo capaz de indicar ou registrar a força aplicada com precisão de ± 2%. A resposta deste dispositivo deve ser suficientemente rápida, a fim de que se faça a leitura de carga de ruptura dentro da precisão requerida; - duas garras, sendo uma das quais conectada ao dinamômetro. Estas garras devem exercer uma pressão uniforme sobre toda a superfície do corpo-de-prova, pressão esta proporcional à carga aplicada; - mecanismo que permita um afastamento entre as garras a uma razão constante de (500 ± 50) mm/min. O curso das garras deve permitir afastamento mínimo de 750 mm; - mecanismo que permita a leitura do alongamento com precisão de ± 5% do comprimento original, tomada entre os centros das marcas de referência; b) micrômetro tipo mostrador graduado em 0,025 mm ou menos. O encosto deve ter um diâmetro de pelo menos 3,5 mm. A haste de pressão deve exceder uma força de 0,2 N sobre a superfície do corpo-de-prova onde se faz a medição, para um diâmetro de 3,2 mm, ou uma força de 0,85 N para um diâmetro de 6,35 mm; c) forma cortadora com formato conforme figura 7 e dimensões conforme tabela 9. Os gumes devem ser afiados e livres de dentes, a fim de se obter um corte perfeito dos corpos-de-prova.
  • 16. Projeto ABNT NBR 10622:2006 16 Figura 7 – Forma cortadora Indicar a dimensão B na figura Tabela 9 – Dimensões da forma cortadora A B C D D-E F G H I J mm mm Mm Mm mm mm mm mm Mm mm 25 40 155 32 13 19 14 25 33 6 ±1 máx min ±6 ±1 ±2 ±1 ±2 ±2 ±0,4 8.1.2 Procedimento 8.1.2.1 Retirar cinco corpos-de-prova de cada luva que foi destinada ao ensaio de tensão elétrica de perfuração, obtidos com o uso da forma cortadora, e extraídos com uma única batida da ferramenta de corte. 8.1.2.2 Estampar dois segmentos paralelos, como marcas de referência nos corpos-de-prova que não devem estar sob tensão. Os segmentos devem: - ser perpendicular ao eixo longitudinal do corpo-de-prova; - ser marcado na região mais estreita do corpo-de-prova, eqüidistantes do seu centro; - ser marcado com tinta que não produza efeitos deteriorativos no corpo-de-prova, que seja contrastante com a do corpo-de-prova; - ter uma distância entre si de (25,00 ± 0,25) mm. Esta distância é tomada entres os pontos centrais de cada segmento de referência. 8.1.2.3 Efetuar três medidas de espessura com micrômetro, sendo que a média é usada para o cálculo da seção transversal, exceto quando a diferença entre o valor máximo e mínimo é maior que 0,08 mm. Quando isto ocorre, o corpo- de-prova é rejeitado, tomando-se outro para a realização do ensaio. As medidas são feitas em três pontos colineares, na direção perpendicular ao eixo longitudinal. Estes pontos se situam um ao centro e um em cada extremidade da linha central. 8.1.2.4 Realizar o ensaio à temperatura de (23 ± 4)°C, sendo que os corpos-de-prova devem ser condicionados nesta temperatura durante 24 h antes da realização do ensaio. 8.1.2.5 Colocar os corpos-de-prova nas garras da máquina, simetricamente, para que a tração se distribua de maneira uniforme em toda a seção transversal do corpo-de-prova.
  • 17. Projeto ABNT NBR 10622:2006 17 8.1.2.6 Aplicar a força com uma velocidade de afastamento das garras de 500 mm/min. Verificar, durante o alongamento, a distância entre os segmentos paralelos, tomando cuidado para que não haja entre eles um deslocamento angular. O alongamento deve ser contínuo até a ruptura do corpo-de-prova, na região mais estreita, entre os segmentos paralelos. 8.1.2.7 Desprezar os resultados obtidos com qualquer corpo-de-prova cuja ruptura tenha ocorrido fora dos limites estabelecidos na tabela 7. 8.1.2.8 Anotar o valor da força requerida na ruptura e o alongamento na ruptura. Este pode ser medido numa escala, com um desvio máximo de 10% do valor real. 8.1.2.9 Aplicar o ensaio inicialmente a três corpos-de-prova. Se apenas um dos três não satisfizer os requisitos desta Norma, repetir o ensaio para mais dois corpos-de-prova adicionais. 8.1.3 Expressão dos resultados 8.1.3.1 Calcular a tensão de ruptura através das seguintes equações: F T = S S = e×I onde: T é a tensão de ruptura do material ensaiado, em mega pascal; F é a força requerida para a ruptura, em newtons. S é a área da seção transversal na região mais estreita do corpo-de-prova não alongado, em milímetros quadrados; ē é a média das espessuras tomadas conforme 8.1.2.3, em milímetros; l é a largura do corpo-de-prova na região mais estreita, em milímetros. 8.1.3.2 Comparar o alongamento na ruptura com o comprimento original, em termos de porcentagem, através da seguinte equação: % de alongamento = L − L0 × 100 L0 onde: L é a distância final, no instante de ruptura, entre os segmentos de referência, em milímetros; L0 é a distância inicial entre os segmentos de referência, em milímetros; 8.1.3.3 O resultado é a média aritmética dos resultados obtidos com os corpos-de-prova ensaiados. 8.1.3.4 Se dois dos cinco corpos-de-prova não atenderem ao especificado na tabela 7 considera-se o lote rejeitado. 8.2 Deformação permanente 8.2.1 Aparelhagem A aparelhagem utilizada na execução desse ensaio é a seguinte: a) máquina de tração e forma cortadora conforme em 8.1.1a e 8.1.1c; b) cronômetro para marcar o período de duração de cada etapa do ensaio; c) escala graduada em milímetros para medir a deformação à tração. 8.2.2 Procedimento 8.2.2.1 Realizar o ensaio conforme 8.1.2.1 a 8.1.2.3, 8.1.2.5 e 8.1.2.6. 8.2.2.2 Separar as garras da máquina a uma velocidade uniforme, tal que sejam necessários cerca de 15 s para o corpo- de-prova alcançar o alongamento de 400% do comprimento original. A fim de evitar que o corpo-de-prova ultrapasse o alongamento especificado, recomenda-se o uso de uma haste de comprimento igual ao do corpo-de-prova com alongamento de 400%. Neste caso coloca-se a haste atrás do corpo-de-prova, e no instante em que a distância entre os segmentos paralelos for igual ao comprimento da haste, deve-se parar a máquina. 8.2.2.3 Atingido o alongamento deixar o corpo-de-prova na mesma posição por 10 min. Em seguida, fazer com que as garras retornem à posição original aliviando totalmente a tração e deixando o corpo-de-prova livre de qualquer tração por mais 10 min.
  • 18. Projeto ABNT NBR 10622:2006 18 8.2.2.4 Medir a distância entre os segmentos paralelos, através de uma escala graduada, sendo permitido, na leitura, um desvio de ± 0,25 mm. 8.2.3 Expressão dos resultados O resulstado final é a média aritmética dos resultados obtidos com os corpos-de-prova ensaiados. O valor encontrado deve atender ao especificado na tabela 7. 8.3 Resistência ao rasgamento 8.3.1 Aparelhagem A aparelhagem utilizada na execução desse ensaio é a seguinte: a) máquina de ensaio descrita em 8.1.1a; b) forma cortadora com formato conforme figura 8 e dimensões conforme tabela 10, devendo ter gumes afiados e livres de dentes para garantir um corte perfeito; c) micrômetro conforme 8.1.1b; Figura 8 – Forma cortadora Tabela 10 – Dimensões da forma cortadora A B C D E F G mm Mm mm mm mm mm mm 102 19 19 13 25 25 51 ± 0,50 ± 0,05 ± 0,05 ± 0,05 ± 0,05 ± 0,05 ± 0,25 8.3.2 Procedimento 8.3.2.1 Obter os corpos-de-prova conforme indicado em 8.1.2.1. 8.3.2.2 Com o micrômetro tomar medidas de espessura em três pontos distribuídos na largura do corpo-de-prova, próximo do seu centro, sendo que uma delas deve ser feita no vértice do angulo de 90°. A média das três medidas deve ser usada posteriormente para o cálculo de resistência ao rasgamento. 8.3.2.3 Condicionar os corpos-de-prova conforme indicado em 8.1.2.4. 8.3.2.4 Colocar os corpos-de-prova nas garras da máquina, tomando-se o cuidado para que estas fiquem no centro das extremidades das abas e alinhadas com a direção da força aplicada. 8.3.2.5 Aplicar a força com uma velocidade de afastamento das garras de 500 mm/min. 8.3.2.6 Anotar, depois do rasgamento, a força aplicada na máquina e a espessura média dos corpos-de-prova. 8.3.2.7 Aplicar o ensaio inicialmente a três corpos-de-prova. Se apenas um dos três não atender o especificado na tabela 7, repetir o ensaio para mais dois corpos-de-prova. 8.3.3 Expressão dos resultados 8.3.3.1 Calcular a resistência ao rasgamento através da seguinte equação:
  • 19. Projeto ABNT NBR 10622:2006 19 FR RR = e onde: RR é a resistência ao rasgamento, em quilometros por metro; FR é a força requerida para rasgamento, em newtons; ē é a espessura média do corpo-de-prova em milímetros. 8.3.3.2 O resultado final é a média aritmética dos resultados obtidos com os corpos-de-prova ensaiados. 8.4 Resistência à perfuração mecânica 8.4.1 Aparelhagem A aparelhagem utilizada na execução desse ensaio é a seguinte: a) micrômetro conforme 8.1.1b; b) agulha com as seguintes características: - aço inoxidável tipo 304; - diâmetro na haste de 5 mm; - conicidade numa das extremidades com um ângulo de 12°; - ponta da agulha arredondada de raio 0,8 mm; c) duas placas de metal, com aberturas concêntricas. Uma deve ter abertura circular de 6 mm de diâmetro e a outra de 25 mm. 8.4.2 Procedimento 8.4.2.1 Retirar cinco corpos-de-prova das luvas destinadas ao ensaio de resistência à perfuração mecânica. Os corpos-de- prova devem ter dimensões adequadas que permitam coloca-los entres as placas de metal. 8.4.2.2 Colocar um corpo-de-prova entre as placas de metal de tal forma que a de abertura menor permita, através dela, a passagem da agulha e a abertura maior forneça uma área livre através da qual o corpo-de-prova pode se alongar enquanto estiver sujeito à pressão da ponta da agulha. 8.4.2.3 Colocar a agulha perpendicularmente à superfície da amostra. 8.4.2.4 Aplicar à agulha um movimento uniforme com velocidade de aproximadamente 500 mm/min, até a ponta da agulha atravessar a amostra. 8.4.2.5 Anotar a máxima força requerida para a perfuração com uma aproximação de 2 N. 8.4.2.6 Aplicar o ensaio inicialmente a três corpos-de-prova. Se apenas um dos três não atender o especificado na tabela 7, repetir o ensaio para mais dois corpos-de-prova. 8.4.3 Expressão dos resultados 8.4.3.1 Calcular a resistência à perfuração através da seguinte equação: FP RP = e onde: RP é a resistência à perfuração, em quilonewtons por metro; FP é a força requerida para a perfuração, em newtons; ē é a espessura do corpo-de-prova, em milímetros. 8.4.3.2 O resultado final é a média aritmética dos resultados obtidos com os corpos-de-prova ensaiados. 8.5 Dureza 8.5.1 Aparelhagem Durômetro Shore tipo A para medir a dureza do material. Este deve ser constituído dos seguintes componentes: a) calcador com um orifício entre 2,5 mm e 3,2 mm de diâmetro, centralizado pelo menos a 6 mm de qualquer extremidade da base; b) penetrador formado de uma haste de aço endurecido, com diâmetro entre 1,15 mm e 1,40 mm;
  • 20. Projeto ABNT NBR 10622:2006 20 c) dispositivo indicador onde é efetuada a leitura da dureza da luva; d) mola calibrada para aplicação de força ao penetrador. 8.5.2 Procedimento 8.5.2.1 Retirar de cada luva cinco corpos-de-prova e sobrepô-los de forma a atingir a espessura mínima de 6 mm, pois a espessura da luva é inferior a 6 mm. O corpo-de-prova deve ter dimensões suficientes para permitir medições distanciadas em no mínimo 12 mm de qualquer extremidade. 8.5.2.2 Realizar o ensaio à temperatura de (23 ± 4)ºC, sendo que o corpo-de-prova e o durômetro devem ser acondicionados nesta temperatura, no mínimo 1 h antes da realização do ensaio. 8.5.2.3 Colocar o corpo-de-prova sobre uma superfície dura e horizontal. Fixar o durômetro na posição vertical, com a ponta do penetrador distanciada em no mínimo 12 mm de qualquer uma das extremidades do corpo-de-prova; 8.5.2.4 Aplicar o calcador sobre o corpo-de-prova com pressão suficiente para se obter um contato firme entre o calcador e o corpo-de-prova e anotar a leitura do durômetro após 15 s. 8.5.3 Expressão dos resultados O resultado final é a média aritmética dos resultados obtidos com os corpos-de-prova ensaiados. O valor encontrado deve satisfazer as condições estabelecidas na tabela 7. 8.6 Envelhecimento acelerado 8.6.1 Aparelhagem Estufa com circulação de ar com as seguintes caracteríticas: a) dimensões internas: - mínimas: (300 x 300 x 300) mm; - máximas: (900 x 900 x 1 200) mm; b) dispositivo capaz de manter no seu interior os corpos-de-prova suspensos verticalmente sem que haja contato mútuo ou com as paredes da própria estufa; c) ar circulante na estufa em pressão atmosférica normal; d) fonte de calor localizada fora da câmara de envelhecimento, no suprimento de ar; e) termômetro registrador que indique a temperatura efetiva de envelhecimento. O termômetro deve estar localizado na região central superior da câmara, entre os corpos-de-prova; f) controle de temperatura automático e por meio de dispositivo termostático regulável; g) capacidade de manter no seu interior uma temperatura uniforme em todos os pontos. Para isso devem ser tomados cuidados especiais, como: - o ar aquecido deve circular na estufa por meio de agitação mecânica. Quando é usado um ventilador, o ar não deve entrar em contato com as descargas na escova por causa do perigo da formação de ozônio; - o dispositivo termostático regulável deve ser preferivelmente colocado adjacente ao termômetro; - para verificar a uniformidade do aquecimento deve-se fazer a leitura de vários termômetros colocados em diversos locais da estufa. 8.6.2 Procedimento 8.6.2.1 Tomar as dimensões da seção transversal usadas para determinação da tensão de ruptura antes do processo de envelhecimento. 8.6.2.2 Após o envelhecimento, estampar os segmentos de referência usados para medir o alongamento. 8.6.2.3 Colocar os corpos-de-prova na estufa quanto esta já tiver atingido a temperatura de envelhecimento de (70 ± 2)°C. Evitar colocá-los quando outros materiais de características químicas muito diferentes do material das luvas estiverem sendo submetidos ao ensaio de envelhecimento acelerado. 8.6.2.4 Submeter os corpos-de-prova à temperatura de (70 ± 2)°C durante 7 dias. 8.6.2.5 Após o término do processo de envelhecimento, remover os corpos-de-prova da estufa e deixá-los esfriar em temperatura ambiente. 8.6.2.6 Realizar os ensaios de tração nos corpos-de-prova envelhecidos entre 16 h e 96 h após o término do processo de envelhecimento acelerado, simultaneamente com os corpos-de-prova não envelhecidos. Os ensaios devem ser conforme 8.1.2.5 a 8.1.2.8. Os cálculos devem ser feitos conforme 8.1.3.
  • 21. Projeto ABNT NBR 10622:2006 21 8.6.2.7 Aplicar o ensaio inicialmente a três corpos-de-prova. Se apenas um dos três não atender o especificado em 3.7.2 repetir o ensaio para mais dois corpos-de-prova adicionais. 8.6.3 Expressão dos resultados 8.6.3.1 Expressar os resultados do ensaio de envelhecimento através da porcentagem de deterioração em cada uma das propriedades físicas (tensão e alongamento na ruptura), conforme relação abaixo: O−E % de deterioração = × 100 O onde: O é o valor original, em mm E é o valor envelhecido, em mm 8.6.3.2 O resultado final é a média aritmética dos resultados obtidos com os corpos-de-provas ensaiados. 9 Marcação e embalagem 9.1 Marcação 9.1.1 Todas as luvas devem ser marcadas de forma legível e indelével no dorso do cano, dentro da faixa de 50 mm a contar da orla. Tal marcação deve ser isolante e aplicada de maneira a não comprometer as determinações desta Norma. 9.1.2 A marcação deve conter as seguintes informações: a) nome do fabricante; b) tipo; c) classe; d) tamanho. 9.1.3 As luvas também devem conter no dorso do punho, dentro ou próximo da marcação mencionada em 6.1.1, as seguintes informações: a) número do certificado de aprovação (CA); b) número do lote; c) número desta Norma; d) tensão máxima de uso; e) outras informações que o fabricante considerar necessárias. 9.2 Embalagem 9.2.1 Cada par de luva deve ser embalado em invólucro apropriado que permita ventilação e em caixa individual de papelão ou similar, de resistencia suficiente para protegê-las apropriadamente, evitando danos no transporte. A extremidade da caixa deve ser identificada com etiqueta da cor especificada em 3.1.3. 9.2.2 A etiqueta da emabalagem deve conter seguintes indicações a) nome do fabricante; b) tipo; c) classe; d) tamanho; e) comprimento. 9.2.3 As luvas devem ser acondicionadas da seguinte forma: a) não devem ser dobradas, enrugadas, comprimidas, ou submetidas à qualquer condição que possa causar alongamento ou compressão; c) em locais livres de ozônio, produtos químicos, óleos, solventes, vapores prejudiciais, fumos e descargas elétricas; d) fora da ação direta e afastadas de irradiação de qualquer fonte de calor; e) em locais de temperatura ambiente não superior a 35°C. _____________________________________________