ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS No
1.038UNIFORMES E EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA NO
TRABALHO
CORDA DE FIBRA SINTÉTICA PARA LINHA DE V...
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS No
1.038UNIFORMES E EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA NO
TRABALHO
CORDA DE FIBRA SINTÉTICA PARA LINHA DE V...
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS No
1.038UNIFORMES E EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA NO
TRABALHO
CORDA DE FIBRA SINTÉTICA PARA LINHA DE V...
Espec. copel 1.038 corda de fibra para linha de vida r4_2012 - espec. copel 1.038_corda de fibra para linha de vida_r4_2012
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Espec. copel 1.038 corda de fibra para linha de vida r4_2012 - espec. copel 1.038_corda de fibra para linha de vida_r4_2012

773 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
773
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Espec. copel 1.038 corda de fibra para linha de vida r4_2012 - espec. copel 1.038_corda de fibra para linha de vida_r4_2012

  1. 1. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS No 1.038UNIFORMES E EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA NO TRABALHO CORDA DE FIBRA SINTÉTICA PARA LINHA DE VIDA Data : 20/02/2006 Revisão:04 de 17/10/2012 Marcus DGC/SST/CSEG Responsável: Marcus G.de Drusina Voos Página 1/ 3 1. OBJETIVO Fixar as características mínimas exigíveis para fornecimento do Cabo de Fibra Sintética. Cabo utilizado na segurança de trabalhos em altura, como Linha de Vida e/ou resgate de vítimas de acidentes, nas estruturas da Empresa. 2. DEFINIÇÃO Corda é material destinado destinado para suportar o usuário em uma queda quando este estiver utilizando o conjunto de segurança em altura disponibilizado de acordo coma NR 35. 3. NORMA BASE NR 18.16.5 ISO 1140 1990 Nota Técnica ISO 2307/1990 4. CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS A Corda de fibra sintética utilizada para segurança em quedas, deve atender as seguintes especificações: 1- Deve ser constituída em trançado triplo e alma central; 2- Trançado externo em multifilamento de Poliamida; 3- Trançado intermediário e o alerta visual de cor amarela em multifilamento de propileno ou poliamida na cor amarela com o mínimo de 50% de identificação, não podendo ultrapassar 10% de densidade linear; 4- Trançado interno em multifilamento de Poliamida; 5- Alma central torcida em multifilamento de Poliamida; 6- Construção dos trançados em máquina com 16, 24, 32 ou 36 fusos; 7- Número de referência 11 e 12mm (diâmetros nominais); 8- Densidade linear 95 + 5KTEX – (igual 95 + 5g/m); 9- Carga de ruptura mínima 20KN; 10-Carga de ruptura mínima de segurança sem o trançado externo 15 KN. 11-Cor da corda 12 mm : branca com faixas pretas, diferenciando das cordas de serviços, ver FIGURA 01. 12-Cor da corda 11 mm: vermelha, ver FIGURA 02. A corda de fibra sintética deve ter inserido no interior do trançado interno, marcação com fita gravada NR 18.16.5 – ISO 1140 1990 e o nome do fabricante com CNPJ. A embalagem deverá conter rótulo firmemente fixado com as seguintes informações: 1- Material constituinte; POLIAMIDA;
  2. 2. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS No 1.038UNIFORMES E EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA NO TRABALHO CORDA DE FIBRA SINTÉTICA PARA LINHA DE VIDA Data : 20/02/2006 Revisão:04 de 17/10/2012 Marcus DGC/SST/CSEG Responsável: Marcus G.de Drusina Voos Página 2/ 3 2- Número de referência: Diâmetro ; 3- Comprimento em metros 4- Peso 5. CÓDIGOS DOS MATERIAIS: • 15018408 : CORDA,FIBRA SINT;P/LINHA VIDA diâmetro 12 mm (metros) • 15013816: CORDA,FIBRA SINT;P/LV-RESGATE diâmetro 11 mm (metros) • 15013812: CORDA,FIBRA SINT;P/LV-RESGATE diâmetro 11 mm com laços costurados e comprimento 30 m.(ver FIGURAS 02 e 03) 6. AVALIAÇÃO DE AMOSTRAS O proponente deve submeter amostra de 15 metros para testes em atividade de campo e com equipamentos do sistema de procedimento de trabalho em altura padronizado. Deve ser comprovadas as características técnicas através de laudo emitido por laboratório reconhecido nacionalmente, a ser entregue quando do fornecimento da amostra. Conforme Nota Técnica ISO 2307/1990 acorda sintética deve ser submetida a ensaio de carga de ruptura e material constituinte, pela rede brasileira de laboratórios de ensaios e calibração do Sistema Brasileiro de Metrologia e Qualidade Industrial. 7. ROTINA NO RECEBIMENTO Inspeção visual verificando o material quanto ao acabamento, marca, identificação. Verificação do dimensional. 8. GARANTIA E RASTREABILIDADE A aceitação da corda não isenta o fornecedor/fabricante da responsabilidade de substituir qualquer quantidade que não estiver de acordo com a especificação, no período mínimo de 1 ano. 9. EMBALAGEM Conforme manual da Superintendência de Logística de Suprimento da COPEL. 10.OBSERVAÇÕES: a) Incluir o aviso: “CUIDADO: CORDA PARA USO ESPECÍFICO EM CADEIRAS SUSPENSAS E CABO GUIA DE SEGURANÇA PARA FIXAÇÃO DE TRAVA QUEDAS.” b) A Corda Sintética deverá ser submetida a Ensaio conforme Nota Técnica ISO 2307/1990 e ter avaliação de carga de ruptura e material constituinte, pela rede brasileira de laboratórios de ensaios e calibração do Sistema Brasileiro de Metrologia e Qualidade Industrial. c) A área de Segurança Ocupacional da COPEL necessita de, no mínimo, 15 dias para efetuar a avaliação do produto objeto desta especificação técnica para fins de homologação.
  3. 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS No 1.038UNIFORMES E EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA NO TRABALHO CORDA DE FIBRA SINTÉTICA PARA LINHA DE VIDA Data : 20/02/2006 Revisão:04 de 17/10/2012 Marcus DGC/SST/CSEG Responsável: Marcus G.de Drusina Voos Página 3/ 3 11. FIGURAS exemplos dos tipos e detalhes das cordas: FIGURA 01- Corda para linha de vida FIGURA 02 – Corda para linha de vida-resgate FIGURA 03 – Corda para linha de vida-resgate de 30 m com os laços nas extremidades.

×