SlideShare uma empresa Scribd logo
Pequena História da Música


  A música é considerada a arte mais antiga e a mais primitiva de todas.
Desenvolveu-se a partir dos principais ritmos e vibrações do mundo. É por isso
que se costuma ouvir dizer que “a música na terra é tão antiga como o
homem”.
  Numa tentativa de te facilitar o estudo da música, vou reconstituir a sua
história passando por todas as épocas, ou seja, desde a Pré-história até à
música moderna do século XX.
Pré-história



       Sabe-se que o homem primitivo teve desde muito cedo necessidade de
comunicar. Para isso usava, por exemplo, sinais sonoros como: gritos, sons
corporais, batimentos com pedras ou com ramos de árvores, etc. No fundo, o
homem pré-histórico tinha como principal objectivo o de imitar a natureza e não
o de fazer música. Mas desde o momento que o homem começou a produzir
sons com a intenção de fazer música, pode-se afirmar que se deu início ao
longo percurso da história da música.


       Assim o homem começou a fazer uso da música nas suas cerimónias e
rituais, como por exemplo, na evocação das forças da natureza, no culto dos
mortos, no decorrer da caça,


      Começou por usar apenas a voz e os diversos sons corporais e, mais
tarde, também introduziu gradualmente instrumentos (flautas, ramos de árvores
perfurados, paus, pedras) que construía para usar nas suas músicas e danças,
numa tentativa de agradar mais aos deuses.


      Depois de descobrir a beleza e a funcionalidade da música o homem
nunca mais se separou dela.
Antiguidade (até 400 d.C.)


  A música assumiu um papel central nas diversas actividades diárias das
grandes civilizações da antiguidade, nomeadamente no Egipto, Grécia e
Roma.


Egipto
  O Egipto, situado a nordeste de África, caracteriza-se essencialmente pelos
seus monumentos como as pirâmides e as esfinges. No Egipto fazia-se música
tanto no palácio do faraó como no trabalho do campo ou ainda no culto dos
mortos. Eram normalmente as mulheres que tocavam.
  A música tinha uma origem divina e estava muito ligada ao culto dos deuses
   Instrumentos:
   Os instrumentos usados eram essencialmente harpas, liras, flautas,
alaúdes e instrumentos de percussão.


Grécia
  A Grécia aparece muito ligada à poesia e à escrita que, a par com a música,
participavam como forma de expressão nos teatros. A civilização grega teve
um papel fundamental para a evolução da história da música ocidental, sendo
de destacar o seu contributo essencialmente em relação ao ritmo e à notação
musical.
Sabe-se que em Atenas se realizavam anualmente concursos de canto e
que as peças de teatro eram acompanhadas por música.
  Os gregos já tinham noção do culto da música como arte e como ciência,
pois a música era tão valorizada que fazia parte das quatro disciplinas
essenciais para a educação dos jovens.
  Foi também na Grécia Antiga que surgiu o órgão.
  Instrumentos:
   Os instrumentos usados por esta civilização são o aulos, a lira e os
instrumentos de percussão:
       O aulos: é um instrumento de dois tubos separados com o mesmo
comprimento e soprados ao mesmo tempo.
       A lira: é um instrumento de cordas com caixa de ressonância.
       Os instrumentos de percussão:
                  Tímpanos
             T    Címbalos
             C    Sistros


Roma
  Toda a música do império romano foi influenciada pela dos gregos. Em
Roma, as lutas dos gladiadores eram acompanhadas por trombetas. A música
estava sempre presente nas casas dos homens e mulheres com muito
dinheiro. Nas ruas davam-se pequenos espectáculos de malabarismo e de
acrobacia que eram sempre acompanhados por flautas e pandeiretas.
  Destaca-se nesta cultura a invenção do órgão hidráulico.
  O órgão hidráulico é um tipo de órgão que funcionava a água.
Idade Média (de 1400 a 1450)


  Com a queda do Império Romano e a implantação do cristianismo, a igreja
passa a ter um papel fundamental para o desenvolvimento e evolução da
música, pois são os monges que, nos mosteiros e depois dos gregos,
continuam a desenvolver a escrita e a teoria musical.
  São os cânticos litúrgicos vocais e de transmissão oral que fazem parte do
repertório mais usado na musica da Idade Média. Estes cantos litúrgicos
variavam nas suas interpretações consoante a raça, a cultura, os ritos e os
hábitos musicais dos diversos povos.
  Sentindo necessidade de unificar e de fortalecer o cristianismo, São Gregório
Magno, monge beneditino e eleito papa em 590, compilou e seleccionou uma
série de cânticos litúrgicos com qualidade e dignos de culto. Foi neste sentido
que reuniu alguns cânticos já existentes e outros de sua própria autoria numa
colectânea que intitulou de Antifonário.
   A esta forma de cantar deu-se o nome de Canto Gregoriano, que era
basicamente uma forma de oração para demonstrar o amor a Deus. Este canto
tinha uma melodia simples que seguia o ritmo das palavras.
   Nesta época começa a haver uma grande separação entre a música
religiosa e a música popular. Uma das grandes diferenças entre elas está nos
instrumentos que são usados em ambas. Na igreja apenas o órgão era
permitido, enquanto na música não religiosa ou chamada profana usavam-se: a
rabeca, o saltério, o alaúde, a charamela, a flauta, a gaita de foles, a
sanfona, a harpa, os pratos, os pandeiros, os tambores,...
   A língua usada nos cantos da igreja era o Latim, enquanto na música
popular eram os dialectos próprios de cada região.
Os menestréis eram cantores, músicos e malabaristas que andavam de
terra em terra juntamente com os saltimbancos.
  Os trovadores eram nobres que compunham música e poesia tendo como
tema preferido, para as suas composições, o amor.
  A notação musical serviu no início apenas para auxiliar a memória de quem
cantava, mas, ao longo dos tempos, tornou-se cada vez mais precisa. Numa
fase inicial eram colocados pequenos símbolos chamados neumas.
  Mais tarde e de forma progressiva foram introduzidas as linhas até se chegar
ao conjunto das 4 que foram inventadas por Guido D’Arezzo, conhecido como
sendo um grande teórico da música na Idade Média.
  Mas, a partir do século XI, o uso da pauta tornou-se habitual.
Renascimento (de 1450 a 1600)

  O período renascentista é caracterizado pela mudança de pensamento do
homem perante o mundo. Sabe-se desde logo que esta mudança vai também
influenciar a arte. O homem do renascimento já não vive apenas dominado
pelos valores da igreja, agora encontra valores nele próprio e na natureza. A
igreja também se tornou menos rígida e permitiu uma troca maior entre a
música sacra e a música profana.

  É nesta altura também que os donos das cortes e homens ricos concedem
oportunidades de trabalho aos compositores e aos músicos, promovendo
festas, audições e acontecimentos culturais.

  Neste período, as obras musicais que se desenvolvem são essencialmente
vocais, ou melhor, a música vocal polifónica é a composição mais comum.

Música vocal polifónica: composição vocal com diferentes vozes que cantam
em simultâneo, na qual cada uma das vozes canta uma melodia diferente das
restantes.

   As formas vocais mais importantes deste período são: os madrigais, a
missa, e o motete.

      Os madrigais: composição coral elaborada de origem italiana que, com
      base num pequeno poema, podia ser acompanhada por diversos
      instrumentos. Geralmente era tocado nas reuniões sociais palacianas e
      em espectáculos teatrais.
A missa: composição e interpretação vocal de carácter religioso que
      podia ser acompanhada pelos instrumentos musicais da época.

      O motete: composição com base no texto sagrado. É um género vocal
      que recorre à técnica da imitação (essencialmente no séc. XVI), ou seja,
      as vozes imitam-se entre si.

   É também no renascimento que, apesar de se continuar a utilizar os
instrumentos para duplicar, reforçar ou substituir as vozes, se começou a
desenvolver uma música composta para ser tocada por instrumentos musicais,
destacando-se o alaúde e as violas de gamba.
Barroco (de 1600 a 1750)

  Barroco é o período em que a música instrumental atinge, pela primeira vez,
a mesma importância que a música vocal.

  A música do barroco é exuberante, de ritmo energético e frases melódicas
longas muito bem organizadas. Neste contexto os compositores fazem uso de
um contraponto com grandes contrastes tímbricos.

  O violino é o instrumento que mais se afirmou devido à evolução da sua
construção e logo da sua execução. Também os instrumentos de tecla sofrem
grandes evoluções, nomeadamente o cravo que aparece como instrumento
solista, e não apenas como acompanhante.

  A orquestra também, por sua vez, toma maiores proporções e uma forma
mais estruturada. Dá-se também um aperfeiçoamento técnico dos músicos,
assim como um maior acesso à música por parte do público em geral.

  A ópera e o ballet são formas musicais, orquestrais e vocais que surgem e
se desenvolvem com grande autonomia.

  A suite que também é outro género deste período, é uma sucessão de
diferentes peças musicais com andamentos de dança.

  Entre os compositores mais famosos destaca-se: Johann Sebastian Bach.
Classicismo (1750/ 1810)

  No período clássico a música torna-se mais leve e menos complicada que no
barroco. Agora a música revela uma extrema suavidade e beleza com grande
equilíbrio e perfeição estética.

   No classicismo é a melodia com acompanhamento de acordes que
predomina. As frases melódicas são curtas, claras e bem definidas, sentindo-se
o princípio, meio e fim de cada uma. Há também uma maior variação em
relação à dinâmica das obras musicais, surge o sforzatto, o crescendo e
diminuendo. A sonoridade resultante de todas estas características é bastante
tonal.

   O cravo cai em desuso para dar lugar ao piano que o irá substituir
definitivamente. Também a orquestra toma maiores proporções ao mesmo
tempo que diversifica os seus instrumentos.

   Desenvolvem-se grandes géneros instrumentais como: a forma sonata, o
quarteto de cordas, a sinfonia e o concerto.
Romantismo (de 1810 a 1910)

   Este período caracteriza-se pela liberdade de expressão e de sentimentos.
Também as alterações políticas e sociais provocadas pela revolução francesa
de 1789 fazem surgir sentimentos nacionalistas (daqui o surgimento da música
folclórica).

  Assim, Paris junta-se a Viena e tornam-se os principais centros de música da
Europa. Neste contexto os compositores do Romantismo procuravam suscitar,
através da música, os seus sentimentos e afetos em relação à sociedade da
época.

   Surgem assim compositores como Schubert, Mendelsson, ou Chopin e
instrumentistas como Liszt (no piano) e Paganini (no violino).

  Os compositores também conseguem libertar-se da tutela dos nobres que os
empregavam e passam a compor por conta própria.

   Com a ascensão da burguesia os concertos públicos tornam-se mais
frequentes e, como consequência disto, surgem grandes salas de espetáculos
e concertos.

   As melodias românticas são mais líricas e as harmonias mais contrastantes,
dando assim um resultado sonoro com uma maior variedade de sonoridades,
dinâmicas e timbres. Também as obras musicais tomam maiores proporções
tanto a nível sonoro com a nível de duração. É importante referir também que,
devido a uma melhor qualidade dos instrumentos e dos executantes, a
orquestra atingiu grande qualidade sonora e quantidade de músicos.

   Por outro lado, a literatura exerceu uma enorme influência sobre a música
romântica, facto este que se comprova com o aparecimento do Lied e do
poema sinfónico.

   O Romantismo desenvolveu o virtuosismo na execução instrumental que
atingiu elevados graus de dificuldade e técnica instrumental levando os
músicos a tornarem-se figuras públicas de destaque.
Música Moderna – século XX

  O século XX surgiu como a era das experiências, da procura de novas
técnicas e de novos caminhos para a arte em geral.

  Como o Romantismo explorou ao máximo as possibilidades tonais, o século
XX trouxe para a música mudanças em relação à sonoridade, que resultaram
da aplicação de novas técnicas de composição e de instrumentos com sons
inovadores e tecnológicos. Neste contexto surgem assim os primeiros
instrumentos eletrónicos (guitarra eléctrica e sintetizador) ligados, numa
primeira fase, à música Pop e Rock e, numa segunda, a outros géneros
musicais.

  Há uma maior tendência para valorizar as culturas extra-europeias, mas, é
de referir, que este fator foi impulsionado pela evolução dos meios de
comunicação. Outro facto importante, foi o aparecimento da gravação que abriu
um novo mundo para a produção musical.

   A procura de novas sonoridades fez com que alguns compositores
explorassem sons de variados objetos e utensílios para os transformar em
instrumentos musicais.

  Também os instrumentos convencionais são transformados e devidamente
preparados de forma a alargar as suas possibilidades tímbricas e sonoras,
pois, é importante saber que o timbre é talvez o parâmetro da música mais
valorizado deste período.
Houve então uma renovação na linguagem musical devido à procura de
novos timbres, novas harmonias, novas melodias e novos ritmos assim como o
aparecimento de novos métodos de composição musical.

  Com a procura e o desenvolvimento de novos sons, a forma de composição
musical foi progressivamente abandonando o uso das oito notas da escala.
Com isto, deu-se a ausência da tonalidade definida, a que se chamou de
atonalidade, e começaram a escrever-se obras a partir da utilização de uma
série de 12 notas que consiste na técnica do dodecafonimo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jovem guarda
Jovem guardaJovem guarda
Historia da musica renascimento e barroco
Historia da musica renascimento e barrocoHistoria da musica renascimento e barroco
Historia da musica renascimento e barroco
Carlos Elson Cunha
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Andrea Dressler
 
Música popular brasileira
Música popular brasileiraMúsica popular brasileira
Música popular brasileira
Taisson Wile
 
História da Música Brasileira
História da Música BrasileiraHistória da Música Brasileira
História da Música Brasileira
Carlos Zaranza
 
Semana de arte moderna apresentação 1
Semana de arte moderna apresentação 1Semana de arte moderna apresentação 1
Semana de arte moderna apresentação 1
Raquel Corrêa
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Música
MúsicaMúsica
Música
Sandraferraz
 
Rock and Roll
Rock and RollRock and Roll
Rock and Roll
complementoindirecto
 
Concretismo
ConcretismoConcretismo
Concretismo
Fábio Oliveira
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
VIVIAN TROMBINI
 
Vanguarda - Cubismo
Vanguarda - CubismoVanguarda - Cubismo
Vanguarda - Cubismo
Daniel Leitão
 
História da Música no Brasil
História da Música no BrasilHistória da Música no Brasil
História da Música no Brasil
Leonardo Brum
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
Kássia Mendes
 
Historia do rock
Historia do rockHistoria do rock
Historia do rock
Julia Lima
 
Rock no brasil dos anos 80 e 90
Rock no brasil dos anos 80 e 90Rock no brasil dos anos 80 e 90
Rock no brasil dos anos 80 e 90
Elô Ribeiro
 
Estilos Musicais
Estilos MusicaisEstilos Musicais
Estilos Musicais
Marilia
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
Ana Beatriz Cargnin
 
Artistas viajantes
Artistas viajantesArtistas viajantes
Artistas viajantes
Adriana Broisler Sucena
 
Festival de Música e Artes de woodstock
Festival de Música e Artes de woodstockFestival de Música e Artes de woodstock
Festival de Música e Artes de woodstock
Fabiola Oliveira
 

Mais procurados (20)

Jovem guarda
Jovem guardaJovem guarda
Jovem guarda
 
Historia da musica renascimento e barroco
Historia da musica renascimento e barrocoHistoria da musica renascimento e barroco
Historia da musica renascimento e barroco
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
 
Música popular brasileira
Música popular brasileiraMúsica popular brasileira
Música popular brasileira
 
História da Música Brasileira
História da Música BrasileiraHistória da Música Brasileira
História da Música Brasileira
 
Semana de arte moderna apresentação 1
Semana de arte moderna apresentação 1Semana de arte moderna apresentação 1
Semana de arte moderna apresentação 1
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Música
MúsicaMúsica
Música
 
Rock and Roll
Rock and RollRock and Roll
Rock and Roll
 
Concretismo
ConcretismoConcretismo
Concretismo
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Vanguarda - Cubismo
Vanguarda - CubismoVanguarda - Cubismo
Vanguarda - Cubismo
 
História da Música no Brasil
História da Música no BrasilHistória da Música no Brasil
História da Música no Brasil
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Historia do rock
Historia do rockHistoria do rock
Historia do rock
 
Rock no brasil dos anos 80 e 90
Rock no brasil dos anos 80 e 90Rock no brasil dos anos 80 e 90
Rock no brasil dos anos 80 e 90
 
Estilos Musicais
Estilos MusicaisEstilos Musicais
Estilos Musicais
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
Artistas viajantes
Artistas viajantesArtistas viajantes
Artistas viajantes
 
Festival de Música e Artes de woodstock
Festival de Música e Artes de woodstockFestival de Música e Artes de woodstock
Festival de Música e Artes de woodstock
 

Semelhante a História da Música

Artigo-História da Música
Artigo-História da MúsicaArtigo-História da Música
Artigo-História da Música
joohnfer
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
joohnfer
 
Powerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusicaPowerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusica
RuteFolhas
 
Powerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusicaPowerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusica
Regina Coutinho
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da música
Meire Falco
 
Música, Origem e História
Música, Origem e HistóriaMúsica, Origem e História
Música, Origem e História
josenmd
 
POS.pptx
POS.pptxPOS.pptx
POS.pptx
RicardoRomanha1
 
A HistóRia Da MúSic1
A HistóRia Da MúSic1A HistóRia Da MúSic1
A HistóRia Da MúSic1
HOME
 
Música mais um pouco de história
Música   mais um pouco de históriaMúsica   mais um pouco de história
Música mais um pouco de história
Dimithry Sousa
 
A EDUCAÇÃO FÍSICA NO NOVO ENSINO MÉDIO: IMPLICAÇÕES E TENDÊNCIAS PROMOVIDAS P...
A EDUCAÇÃO FÍSICA NO NOVO ENSINO MÉDIO: IMPLICAÇÕES E TENDÊNCIAS PROMOVIDAS P...A EDUCAÇÃO FÍSICA NO NOVO ENSINO MÉDIO: IMPLICAÇÕES E TENDÊNCIAS PROMOVIDAS P...
A EDUCAÇÃO FÍSICA NO NOVO ENSINO MÉDIO: IMPLICAÇÕES E TENDÊNCIAS PROMOVIDAS P...
PatriciaCaetano18
 
Teoria musical 1o ano
Teoria musical 1o anoTeoria musical 1o ano
Teoria musical 1o ano
Saulo Gomes
 
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu DesenvolvimentoA Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
Jofran Lirio
 
HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4
HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4
HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4
HOME
 
Música renascentista
Música renascentistaMúsica renascentista
Música renascentista
helenavf1
 
História da Música - FVJ
História da Música - FVJ História da Música - FVJ
História da Música - FVJ
Jonas Martins
 
Artes1
Artes1Artes1
Artes1
_aline123456
 
Musica classica
Musica classicaMusica classica
Musica classica
Rafael Mathias
 
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e BarrocoMúsica, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Gabriel Resende
 
Historia da musica
Historia da musicaHistoria da musica
Historia da musica
diogo_lopes
 
A clave setembro 10
A clave setembro 10A clave setembro 10
A clave setembro 10
FilarmonicaCortense
 

Semelhante a História da Música (20)

Artigo-História da Música
Artigo-História da MúsicaArtigo-História da Música
Artigo-História da Música
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
 
Powerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusicaPowerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusica
 
Powerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusicaPowerpoint bibliomusica
Powerpoint bibliomusica
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da música
 
Música, Origem e História
Música, Origem e HistóriaMúsica, Origem e História
Música, Origem e História
 
POS.pptx
POS.pptxPOS.pptx
POS.pptx
 
A HistóRia Da MúSic1
A HistóRia Da MúSic1A HistóRia Da MúSic1
A HistóRia Da MúSic1
 
Música mais um pouco de história
Música   mais um pouco de históriaMúsica   mais um pouco de história
Música mais um pouco de história
 
A EDUCAÇÃO FÍSICA NO NOVO ENSINO MÉDIO: IMPLICAÇÕES E TENDÊNCIAS PROMOVIDAS P...
A EDUCAÇÃO FÍSICA NO NOVO ENSINO MÉDIO: IMPLICAÇÕES E TENDÊNCIAS PROMOVIDAS P...A EDUCAÇÃO FÍSICA NO NOVO ENSINO MÉDIO: IMPLICAÇÕES E TENDÊNCIAS PROMOVIDAS P...
A EDUCAÇÃO FÍSICA NO NOVO ENSINO MÉDIO: IMPLICAÇÕES E TENDÊNCIAS PROMOVIDAS P...
 
Teoria musical 1o ano
Teoria musical 1o anoTeoria musical 1o ano
Teoria musical 1o ano
 
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu DesenvolvimentoA Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
A Música no período de Da Vinci e o seu Desenvolvimento
 
HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4
HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4
HistóRia Da MúSica, 1,2,3,4
 
Música renascentista
Música renascentistaMúsica renascentista
Música renascentista
 
História da Música - FVJ
História da Música - FVJ História da Música - FVJ
História da Música - FVJ
 
Artes1
Artes1Artes1
Artes1
 
Musica classica
Musica classicaMusica classica
Musica classica
 
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e BarrocoMúsica, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
 
Historia da musica
Historia da musicaHistoria da musica
Historia da musica
 
A clave setembro 10
A clave setembro 10A clave setembro 10
A clave setembro 10
 

Mais de be23ceb

O sistema solar mais louco do universo regulamento
O sistema solar mais louco do universo   regulamentoO sistema solar mais louco do universo   regulamento
O sistema solar mais louco do universo regulamento
be23ceb
 
Isabel alçada
Isabel alçadaIsabel alçada
Isabel alçada
be23ceb
 
Sophia m b
Sophia m bSophia m b
Sophia m b
be23ceb
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
be23ceb
 
António Mota
António MotaAntónio Mota
António Mota
be23ceb
 
Patrícia Reis
Patrícia ReisPatrícia Reis
Patrícia Reis
be23ceb
 
Aquilino Ribeiro
Aquilino RibeiroAquilino Ribeiro
Aquilino Ribeiro
be23ceb
 
São Martinho
São MartinhoSão Martinho
São Martinho
be23ceb
 
Anne Frank
Anne Frank   Anne Frank
Anne Frank
be23ceb
 
Acróstico..
Acróstico..Acróstico..
Acróstico..
be23ceb
 
Poupar na escola
Poupar na escolaPoupar na escola
Poupar na escola
be23ceb
 
Educação Especial
Educação EspecialEducação Especial
Educação Especial
be23ceb
 
Jingle bells
Jingle bellsJingle bells
Jingle bells
be23ceb
 
Receita saudável
Receita saudávelReceita saudável
Receita saudável
be23ceb
 
Dia inter. be
Dia inter. beDia inter. be
Dia inter. be
be23ceb
 
Troca solidária
Troca solidáriaTroca solidária
Troca solidária
be23ceb
 
Compositores
CompositoresCompositores
Compositores
be23ceb
 

Mais de be23ceb (20)

O sistema solar mais louco do universo regulamento
O sistema solar mais louco do universo   regulamentoO sistema solar mais louco do universo   regulamento
O sistema solar mais louco do universo regulamento
 
Isabel alçada
Isabel alçadaIsabel alçada
Isabel alçada
 
Sophia m b
Sophia m bSophia m b
Sophia m b
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
António Mota
António MotaAntónio Mota
António Mota
 
Patrícia Reis
Patrícia ReisPatrícia Reis
Patrícia Reis
 
Aquilino Ribeiro
Aquilino RibeiroAquilino Ribeiro
Aquilino Ribeiro
 
São Martinho
São MartinhoSão Martinho
São Martinho
 
Anne Frank
Anne Frank   Anne Frank
Anne Frank
 
Acróstico..
Acróstico..Acróstico..
Acróstico..
 
Poupar na escola
Poupar na escolaPoupar na escola
Poupar na escola
 
Educação Especial
Educação EspecialEducação Especial
Educação Especial
 
Jingle bells
Jingle bellsJingle bells
Jingle bells
 
Receita saudável
Receita saudávelReceita saudável
Receita saudável
 
Dia inter. be
Dia inter. beDia inter. be
Dia inter. be
 
Troca solidária
Troca solidáriaTroca solidária
Troca solidária
 
4
44
4
 
2
22
2
 
3
33
3
 
Compositores
CompositoresCompositores
Compositores
 

Último

Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 

História da Música

  • 1. Pequena História da Música A música é considerada a arte mais antiga e a mais primitiva de todas. Desenvolveu-se a partir dos principais ritmos e vibrações do mundo. É por isso que se costuma ouvir dizer que “a música na terra é tão antiga como o homem”. Numa tentativa de te facilitar o estudo da música, vou reconstituir a sua história passando por todas as épocas, ou seja, desde a Pré-história até à música moderna do século XX.
  • 2. Pré-história Sabe-se que o homem primitivo teve desde muito cedo necessidade de comunicar. Para isso usava, por exemplo, sinais sonoros como: gritos, sons corporais, batimentos com pedras ou com ramos de árvores, etc. No fundo, o homem pré-histórico tinha como principal objectivo o de imitar a natureza e não o de fazer música. Mas desde o momento que o homem começou a produzir sons com a intenção de fazer música, pode-se afirmar que se deu início ao longo percurso da história da música. Assim o homem começou a fazer uso da música nas suas cerimónias e rituais, como por exemplo, na evocação das forças da natureza, no culto dos mortos, no decorrer da caça, Começou por usar apenas a voz e os diversos sons corporais e, mais tarde, também introduziu gradualmente instrumentos (flautas, ramos de árvores perfurados, paus, pedras) que construía para usar nas suas músicas e danças, numa tentativa de agradar mais aos deuses. Depois de descobrir a beleza e a funcionalidade da música o homem nunca mais se separou dela.
  • 3. Antiguidade (até 400 d.C.) A música assumiu um papel central nas diversas actividades diárias das grandes civilizações da antiguidade, nomeadamente no Egipto, Grécia e Roma. Egipto O Egipto, situado a nordeste de África, caracteriza-se essencialmente pelos seus monumentos como as pirâmides e as esfinges. No Egipto fazia-se música tanto no palácio do faraó como no trabalho do campo ou ainda no culto dos mortos. Eram normalmente as mulheres que tocavam. A música tinha uma origem divina e estava muito ligada ao culto dos deuses Instrumentos: Os instrumentos usados eram essencialmente harpas, liras, flautas, alaúdes e instrumentos de percussão. Grécia A Grécia aparece muito ligada à poesia e à escrita que, a par com a música, participavam como forma de expressão nos teatros. A civilização grega teve um papel fundamental para a evolução da história da música ocidental, sendo de destacar o seu contributo essencialmente em relação ao ritmo e à notação musical.
  • 4. Sabe-se que em Atenas se realizavam anualmente concursos de canto e que as peças de teatro eram acompanhadas por música. Os gregos já tinham noção do culto da música como arte e como ciência, pois a música era tão valorizada que fazia parte das quatro disciplinas essenciais para a educação dos jovens. Foi também na Grécia Antiga que surgiu o órgão. Instrumentos: Os instrumentos usados por esta civilização são o aulos, a lira e os instrumentos de percussão: O aulos: é um instrumento de dois tubos separados com o mesmo comprimento e soprados ao mesmo tempo. A lira: é um instrumento de cordas com caixa de ressonância. Os instrumentos de percussão: Tímpanos T Címbalos C Sistros Roma Toda a música do império romano foi influenciada pela dos gregos. Em Roma, as lutas dos gladiadores eram acompanhadas por trombetas. A música estava sempre presente nas casas dos homens e mulheres com muito dinheiro. Nas ruas davam-se pequenos espectáculos de malabarismo e de acrobacia que eram sempre acompanhados por flautas e pandeiretas. Destaca-se nesta cultura a invenção do órgão hidráulico. O órgão hidráulico é um tipo de órgão que funcionava a água.
  • 5. Idade Média (de 1400 a 1450) Com a queda do Império Romano e a implantação do cristianismo, a igreja passa a ter um papel fundamental para o desenvolvimento e evolução da música, pois são os monges que, nos mosteiros e depois dos gregos, continuam a desenvolver a escrita e a teoria musical. São os cânticos litúrgicos vocais e de transmissão oral que fazem parte do repertório mais usado na musica da Idade Média. Estes cantos litúrgicos variavam nas suas interpretações consoante a raça, a cultura, os ritos e os hábitos musicais dos diversos povos. Sentindo necessidade de unificar e de fortalecer o cristianismo, São Gregório Magno, monge beneditino e eleito papa em 590, compilou e seleccionou uma série de cânticos litúrgicos com qualidade e dignos de culto. Foi neste sentido que reuniu alguns cânticos já existentes e outros de sua própria autoria numa colectânea que intitulou de Antifonário. A esta forma de cantar deu-se o nome de Canto Gregoriano, que era basicamente uma forma de oração para demonstrar o amor a Deus. Este canto tinha uma melodia simples que seguia o ritmo das palavras. Nesta época começa a haver uma grande separação entre a música religiosa e a música popular. Uma das grandes diferenças entre elas está nos instrumentos que são usados em ambas. Na igreja apenas o órgão era permitido, enquanto na música não religiosa ou chamada profana usavam-se: a rabeca, o saltério, o alaúde, a charamela, a flauta, a gaita de foles, a sanfona, a harpa, os pratos, os pandeiros, os tambores,... A língua usada nos cantos da igreja era o Latim, enquanto na música popular eram os dialectos próprios de cada região.
  • 6. Os menestréis eram cantores, músicos e malabaristas que andavam de terra em terra juntamente com os saltimbancos. Os trovadores eram nobres que compunham música e poesia tendo como tema preferido, para as suas composições, o amor. A notação musical serviu no início apenas para auxiliar a memória de quem cantava, mas, ao longo dos tempos, tornou-se cada vez mais precisa. Numa fase inicial eram colocados pequenos símbolos chamados neumas. Mais tarde e de forma progressiva foram introduzidas as linhas até se chegar ao conjunto das 4 que foram inventadas por Guido D’Arezzo, conhecido como sendo um grande teórico da música na Idade Média. Mas, a partir do século XI, o uso da pauta tornou-se habitual.
  • 7. Renascimento (de 1450 a 1600) O período renascentista é caracterizado pela mudança de pensamento do homem perante o mundo. Sabe-se desde logo que esta mudança vai também influenciar a arte. O homem do renascimento já não vive apenas dominado pelos valores da igreja, agora encontra valores nele próprio e na natureza. A igreja também se tornou menos rígida e permitiu uma troca maior entre a música sacra e a música profana. É nesta altura também que os donos das cortes e homens ricos concedem oportunidades de trabalho aos compositores e aos músicos, promovendo festas, audições e acontecimentos culturais. Neste período, as obras musicais que se desenvolvem são essencialmente vocais, ou melhor, a música vocal polifónica é a composição mais comum. Música vocal polifónica: composição vocal com diferentes vozes que cantam em simultâneo, na qual cada uma das vozes canta uma melodia diferente das restantes. As formas vocais mais importantes deste período são: os madrigais, a missa, e o motete. Os madrigais: composição coral elaborada de origem italiana que, com base num pequeno poema, podia ser acompanhada por diversos instrumentos. Geralmente era tocado nas reuniões sociais palacianas e em espectáculos teatrais.
  • 8. A missa: composição e interpretação vocal de carácter religioso que podia ser acompanhada pelos instrumentos musicais da época. O motete: composição com base no texto sagrado. É um género vocal que recorre à técnica da imitação (essencialmente no séc. XVI), ou seja, as vozes imitam-se entre si. É também no renascimento que, apesar de se continuar a utilizar os instrumentos para duplicar, reforçar ou substituir as vozes, se começou a desenvolver uma música composta para ser tocada por instrumentos musicais, destacando-se o alaúde e as violas de gamba.
  • 9. Barroco (de 1600 a 1750) Barroco é o período em que a música instrumental atinge, pela primeira vez, a mesma importância que a música vocal. A música do barroco é exuberante, de ritmo energético e frases melódicas longas muito bem organizadas. Neste contexto os compositores fazem uso de um contraponto com grandes contrastes tímbricos. O violino é o instrumento que mais se afirmou devido à evolução da sua construção e logo da sua execução. Também os instrumentos de tecla sofrem grandes evoluções, nomeadamente o cravo que aparece como instrumento solista, e não apenas como acompanhante. A orquestra também, por sua vez, toma maiores proporções e uma forma mais estruturada. Dá-se também um aperfeiçoamento técnico dos músicos, assim como um maior acesso à música por parte do público em geral. A ópera e o ballet são formas musicais, orquestrais e vocais que surgem e se desenvolvem com grande autonomia. A suite que também é outro género deste período, é uma sucessão de diferentes peças musicais com andamentos de dança. Entre os compositores mais famosos destaca-se: Johann Sebastian Bach.
  • 10. Classicismo (1750/ 1810) No período clássico a música torna-se mais leve e menos complicada que no barroco. Agora a música revela uma extrema suavidade e beleza com grande equilíbrio e perfeição estética. No classicismo é a melodia com acompanhamento de acordes que predomina. As frases melódicas são curtas, claras e bem definidas, sentindo-se o princípio, meio e fim de cada uma. Há também uma maior variação em relação à dinâmica das obras musicais, surge o sforzatto, o crescendo e diminuendo. A sonoridade resultante de todas estas características é bastante tonal. O cravo cai em desuso para dar lugar ao piano que o irá substituir definitivamente. Também a orquestra toma maiores proporções ao mesmo tempo que diversifica os seus instrumentos. Desenvolvem-se grandes géneros instrumentais como: a forma sonata, o quarteto de cordas, a sinfonia e o concerto.
  • 11. Romantismo (de 1810 a 1910) Este período caracteriza-se pela liberdade de expressão e de sentimentos. Também as alterações políticas e sociais provocadas pela revolução francesa de 1789 fazem surgir sentimentos nacionalistas (daqui o surgimento da música folclórica). Assim, Paris junta-se a Viena e tornam-se os principais centros de música da Europa. Neste contexto os compositores do Romantismo procuravam suscitar, através da música, os seus sentimentos e afetos em relação à sociedade da época. Surgem assim compositores como Schubert, Mendelsson, ou Chopin e instrumentistas como Liszt (no piano) e Paganini (no violino). Os compositores também conseguem libertar-se da tutela dos nobres que os empregavam e passam a compor por conta própria. Com a ascensão da burguesia os concertos públicos tornam-se mais frequentes e, como consequência disto, surgem grandes salas de espetáculos e concertos. As melodias românticas são mais líricas e as harmonias mais contrastantes, dando assim um resultado sonoro com uma maior variedade de sonoridades, dinâmicas e timbres. Também as obras musicais tomam maiores proporções tanto a nível sonoro com a nível de duração. É importante referir também que, devido a uma melhor qualidade dos instrumentos e dos executantes, a orquestra atingiu grande qualidade sonora e quantidade de músicos. Por outro lado, a literatura exerceu uma enorme influência sobre a música romântica, facto este que se comprova com o aparecimento do Lied e do poema sinfónico. O Romantismo desenvolveu o virtuosismo na execução instrumental que atingiu elevados graus de dificuldade e técnica instrumental levando os músicos a tornarem-se figuras públicas de destaque.
  • 12. Música Moderna – século XX O século XX surgiu como a era das experiências, da procura de novas técnicas e de novos caminhos para a arte em geral. Como o Romantismo explorou ao máximo as possibilidades tonais, o século XX trouxe para a música mudanças em relação à sonoridade, que resultaram da aplicação de novas técnicas de composição e de instrumentos com sons inovadores e tecnológicos. Neste contexto surgem assim os primeiros instrumentos eletrónicos (guitarra eléctrica e sintetizador) ligados, numa primeira fase, à música Pop e Rock e, numa segunda, a outros géneros musicais. Há uma maior tendência para valorizar as culturas extra-europeias, mas, é de referir, que este fator foi impulsionado pela evolução dos meios de comunicação. Outro facto importante, foi o aparecimento da gravação que abriu um novo mundo para a produção musical. A procura de novas sonoridades fez com que alguns compositores explorassem sons de variados objetos e utensílios para os transformar em instrumentos musicais. Também os instrumentos convencionais são transformados e devidamente preparados de forma a alargar as suas possibilidades tímbricas e sonoras, pois, é importante saber que o timbre é talvez o parâmetro da música mais valorizado deste período.
  • 13. Houve então uma renovação na linguagem musical devido à procura de novos timbres, novas harmonias, novas melodias e novos ritmos assim como o aparecimento de novos métodos de composição musical. Com a procura e o desenvolvimento de novos sons, a forma de composição musical foi progressivamente abandonando o uso das oito notas da escala. Com isto, deu-se a ausência da tonalidade definida, a que se chamou de atonalidade, e começaram a escrever-se obras a partir da utilização de uma série de 12 notas que consiste na técnica do dodecafonimo.