SlideShare uma empresa Scribd logo
1
1. Introdução
As ciências como no seu todo possuem algumas ferramentas metodológicas que
garantem e facultam a pesquisa e desenvolvimento das suas abordagens. Existem
métodos que permitem de certa maneira investigar fenómenos e para a construção de
novos conhecimentos, bem como para corrigir e integrar conhecimentos prévios em
bases mais amplas designados – métodos científicos. Porém, dentro do campo do ensino
e aprendizagem, os métodos permitem ao educador melhor orientar as suas actividades
dentro e fora da aula centrado no propriamente ao processo educativo pelos quais
iremos destacar neste trabalho para melhor compreensão da sua utilidade e momentos
em que eles são administrados.
1.1. Objectivo geral:
 Conhecer os métodos usados no Processo de Ensino e Aprendizagem
1.2. Objectivos específicos:
 Caracterizar os métodos usados no Processo de Ensino e Aprendizagem;
 Mencionar a utilidade dos métodos Processo de Ensino e Aprendizagem.
2
2. Métodos de Ensino e Aprendizagem
O Processo de Ensino e Aprendizagem se caracteriza pela combinação de actividades do
professor e dos alunos. Estes, pelo estudo das matérias, sob direcção do professor, vão
atingindo progressivamente o desenvolvimento de suas capacidades mentais. A direcção
condigna desse processo só pode ser possível graças ao trabalho sistematizado do
professor que, tanto na planificação como no desenvolvimento nas aulas conjuga
objectivos, conteúdos, métodos e formas organizativas do ensino.
Porém, Libâneo (1990) designa método de Ensino e Aprendizagem “o caminho para
alcançar um objectivo” (p. 146). Isto é, o meio para se alcançar os objectivos gerais e
específicos do ensino traçados pelo professor à uma determinada aula, ou seja, ao
“como” do processo de ensino, envolvendo as acções a serem realizadas pelo professor
e pelos alunos para atingir objectivos e conteúdos orientados.
Como destacamos anteriormente, se formos a relacionar no campo científico
encontramos o cientista que na perspectiva de atingir o seu objectivo de obtenção de
novos conhecimentos e desenvolvimento de novas abordagens no seu campo de estudo
usa o método de investigação científica. Outrora, o aluno na sua perspectiva de
aquisição de conhecimentos, o aluno utiliza alguns métodos para melhor assimilação
dos conteúdos.
Assim, segundo Libâneo (1990) na ordem dos métodos usados no Ensino e
Aprendizagem destacou os seguintes que de certa maneira irão ajudar no processo
educativo:
2.1. Método Expositivo
“A actividade de explicar a matéria se uma interacção recíproca” Libâneo (1990, p.
146). Ele é um método pedagógico centrado nos conteúdos. Traduz-se na transmissão
oral pelo professor de informação e conhecimentos ou conteúdos em que a participação
do aluno é reduzida. A estrutura, a sequência dos conhecimentos e o tipo dos conteúdos
são definidos pelo professor.
Todavia, o método expositivo é o que mais longamente tem sido usado para ensinar,
apesar de todas as críticas que têm se destacado no campo educativo do ensino
3
moderno. Nisto, encontramos vantagens e desvantagens inseridas nesta base de críticas
sobre a relevância e fragilidade deste método.
Este método é orientado através dos seguintes itens:
 A demonstração é uma forma de representar fenómenos e processos que
ocorrem na realidade. Ela se dá seja através de explicações em um estudo de
meio (excursão), seja através de explicação colectiva de um fenómeno por meio
de um experimento simples, uma projecção de slides.
Exemplo: Explicar o processo de crescimento de uma planta desde a semente até a
produção de frutos.
 A ilustração é uma forma de apresentação gráfica de facto e fenómenos da
realidade por meio de gráficos, mapas, esquemas, gravuras etc. a partir dos quais
o professor enriquece a explicação da matéria. Aqui como na demonstração, é
importante que os alunos desenvolvam a capacidade de concentração e de
observação.
 A exemplificação é um importante meio auxiliar da exposição verbal,
principalmente nas séries iniciais do ensino primário. Ocorre quando o professor
faz uma leitura em voz alta, quando escreve ou fala uma palavra, para que os
alunos observem e depois repitam.
As suas vantagens enquadram-se:
 Pode comunicar o interesse inerente a disciplina, o seu entusiasmo, que por sua
vez, deve logicamente aumentar o interesse dos alunos em aprender o conteúdo
de uma forma económica, directa e integrada.
 Coloca claramente o controle da situação nas mãos do professor. Assim, ele
poderá determinar o conteúdo a ser abrangido, a sequência na qual isso será
feito, quanto tempo será dedicado a cada tópico e assim por diante. Esse controle
pode ser particularmente importante quando é imperativos que certos pontos
críticos sejam cobertos.
Quanto das desvantagens temos:
 Limitações. Talvez a sua deficiência mais significativa seja a falta de
reciprocidade que geralmente acompanha as aulas expositivas. Embora o
4
expositor possa perceber alguma compreensão através de expressões faciais e da
linguagem do corpo, o feedback é, de certa forma, incerto.
 Passividade dos ouvintes. Para a maioria dos alunos, aprender é facilitado
através da execução de algum tipo de actividade. Além do mais, eles tendem a
esquecer rapidamente as informações recebidas em exposições orais. Assim, a
audição passiva é um veículo de aprendizado menos eficiente.
 duração das aulas expositivas e a extensão do interesse dos alunos são
contrárias.
2.2. Elaboração Conjunta
Segundo Ferreira e tal. (2007) "o método consiste na interacção activa entre
professor/aluno visando a obtenção de novos conhecimentos, habilidades, competências
no sentido de aprofundar os conceitos já discutidos. Este procedimento pode ser visto na
prática como uma discussão ou debate entre tópicos quebrando a sequencialidade da
exposição verbal" (p. 82).
Exemplo: Apresentação de um tema para debate em grupinhos e depois a sua
apresentação em plenária as conclusões feitas no grupo e o professor por sua vez orienta
a conclusão final. Porém, nesta ordem de organização o professor está sempre
acompanhando o processo das discussões avaliando as dificuldades e progressos
deparados em cada grupo e sua possível intervenção em casos em que haja necessidade
para tal.
Ferreira e tal. (2007) destacam as seguintes vantagens:
 Enriquecimento da aprendizagem pelas contribuições de muitos
 Desenvolvimento da capacidade de formulação e argumentação;
 Desenvolvimento da capacidade de formar opiniões e pontos de vista;
 Desenvolvimento do respeito pelas opiniões dos outros;
 Controle imediato do nível de assimilação/aprendizagem dos alunos.
Nas desvantagens, Ferreira e tal. (2007) destacam as seguintes:
 A aprendizagem pode perde-se na conversa quando não há uma orientação
muito boa chegando ao ponto entrar fora do contexto;
 Os alunos não contribuem por se sentirem avaliados (e terem medo de
errar/falhar mantendo-se muita das vezes acanhados);
5
 Maior dificuldade de desenvolvimento orgânico e sistemático do PEA.
2.3. Método de Resolução de Tarefa/ Independente
Segundo Libâneo (1990) “O método de trabalho independente dos alunos consiste de
tarefa dirigidas e orientadas pelo professor, para que os alunos as resolvam de modo
relativamente independente e criador” (p. 147). Este pressupõe determinados
conhecimentos, compreensão da tarefa e do seu objectivo, a domínio do método de
solução, de modo que os alunos possam aplicar conhecimentos e habilidades sem a
orientação directa do professor.
Este método tem as seguintes vantagens:
De entre as vantagens deste método, temos a destacar:
 Eleva os rendimentos de aprendizagem nos a lunos, levando a um maior
desenvolvimento d as habilidades d e aprendizagem e a uma aprendizagem
mais eficaz ;
 Aumenta a efectividade do processo de assimilação, uma vez que o
trabalho independente conduz, por regra geral, a uma assimilação mais
consciente, profunda e duradoira ;
 - A atitude instável de alguns alunos diante da ap rendizagem se estabiliza
quando tem que resolver verdadeiras tarefas ;
 O desenvolvimento da ind ependência na aprendizagem, isto é, da auto–
aprendizagem;
 Possibilita trabalho diferenciado dos alunos, com ou sem apoio do
professor. Razão p ela qual o trab alho independen te pode possibilitar
aproximar os rendimentos dos alunos fracos aos dos alunos fortes.
A quanto das desvantagens:
 Falta de controle do tempo, p or exemplo para avaliação/discussão com
todos ;
 Tarefas demasiado difíceis ou fáceis ;
 Orientação insuficiente para a execução das tarefas ou exercícios.
2.4. Método de Investigação
Neste método, ainda Libâneo (1990) diz que “é toda actividade que visa o domínio dos
processos de conhecimentos científicos numa disciplina” (p. 147). Isto engloba todas as
6
actividades envolventes das faculdades de aprimoramento do conhecimento na área de
pesquisa que ajudam ao aluno a obtenção de novas descobertas de um determinado
assunto em estudo e criação de auto-dependência e de interesse por parte do aluno a
abertura seja individual ou colectivo de fazer questões que lhe serão de indignação.
Temos como vantagens:
 Desenvolvimento de competências na análise e solução de problemas;
 Facilita o desenvolvimento de competências para trabalho em equipa, da
comunicação e de apresentação das próprias descobertas.
Ao passo das desvantagens encontramos as seguintes:
 Falta de realismo e de relevância para o conjunto da organização;
 Os alunos podem falhar no encontro do aspecto mais crítico do estudo de caso: a
identificação do problema subjacente.
2.5. Método de Observação
O método de observação consiste em olhar atenta e sistematicamente e registar o que se
observa. Ocorre sempre que alguém, diferente do observado, nota, dá conta e
documenta todas as características subjacentes ao que está sendo observado.
Este método, tem as seguintes vantagens:
 Permitir recolher dados no momento em que estão a acontecer, sem criar
situações artificiais;
 Avaliar alguns aspectos para os quais não há outras técnicas;
 Proporcionar o retorno imediato do resultado da aprendizagem;
 Ser fácil de aplicar.
Ao passo das desvantagens temos a destacar:
 Exigir muito tempo que às vezes sem nenhum aproveitamento condigno;
 Enquanto observa um aluno o professor poderá não estar atento ao que se passa
com outros;
 Já não é exclusiva das aulas presenciais podendo o aluno fazer fora do ambiente
escolar;
 Dificuldade em descrever o que se observa sem incluir juízos de valor.
7
3. Conclusão
Os métodos de certa forma têm fornecido mecanismos para que as tarefas do professor e
as expectativas dos alunos possam ir ao encontro, por isso a tamanha relevância no
Processo de Ensino e Aprendizagem. Porém, a selecção pontual e organizada dos
métodos olhando às intenções e objectivos a alcançar é uma das melhores formas de se
manter em conformidade no processo educativo. Como pudemos compreender, a má
gestão destes métodos pode comprometer as actividades e os resultados que são
traçados para a orientação das aulas.
Levando-se em consideração esses aspectos acima apresentados, é imprescindível que
todos se conscientizem da necessidade de melhor compreensão do uso de cada método
por parte do professor para que melhor ele oriente os seus alunos.
8
4. Referências
LIBÂNEO, J. C. (1990). Didáctica Geral. São Paulo – SP: CORTEZ EDITORA.
FERREIRA, A. (2007). Manual da Disciplina de Metodologias de Ensino e
Treinamento. Universidade Pedagógica de Moçambique

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatorio pronto
Relatorio prontoRelatorio pronto
Relatorio pronto
Diego Moura
 
Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011
Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011
Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011
Gabriela Rocha
 
Sistema Nacional de Educação de Moçambique
Sistema Nacional de Educação de MoçambiqueSistema Nacional de Educação de Moçambique
Sistema Nacional de Educação de Moçambique
FILIPE NERI
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
O Blog do Pedagogo
 
1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem
Alba Mate Mate
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
Gerdian Teixeira
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntese
denisecgomes
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio
Giselle Coutinho
 
Educação formal e não formal
Educação formal e não formalEducação formal e não formal
Educação formal e não formal
Ana Vilalva
 
Etapas de um projeto de pesquisa
Etapas de um projeto de pesquisaEtapas de um projeto de pesquisa
Etapas de um projeto de pesquisa
José Antonio Ferreira da Silva
 
Objetivos de ensino
Objetivos de ensinoObjetivos de ensino
Objetivos de ensino
Naysa Taboada
 
Formação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercícioFormação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercício
Shirley Lauria
 
Relatório do pibid
Relatório do pibidRelatório do pibid
Relatório do pibid
Renato Feliciano
 
As actividades de cada fase de aula
As actividades de cada fase de aulaAs actividades de cada fase de aula
As actividades de cada fase de aula
Joao Papelo
 
Projeto de pesquisa exemplo
Projeto de pesquisa   exemploProjeto de pesquisa   exemplo
Projeto de pesquisa exemplo
Felipe Pereira
 
Relatório de estágio i
Relatório de estágio iRelatório de estágio i
Relatório de estágio i
Marcio Cunha
 
Modelos de organização curricular
Modelos de organização curricularModelos de organização curricular
Modelos de organização curricular
Ministério da Educação
 
Avaliacao da-parendizagem
Avaliacao da-parendizagemAvaliacao da-parendizagem
Avaliacao da-parendizagem
heliane
 
O curriculo
O curriculoO curriculo
O curriculo
Germano Minezes
 
Relação entre a didáctica com outras ciências
Relação entre a didáctica com outras ciênciasRelação entre a didáctica com outras ciências
Relação entre a didáctica com outras ciências
Joao Papelo
 

Mais procurados (20)

Relatorio pronto
Relatorio prontoRelatorio pronto
Relatorio pronto
 
Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011
Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011
Relatório de estágio supervisionado técnico em administração 2011
 
Sistema Nacional de Educação de Moçambique
Sistema Nacional de Educação de MoçambiqueSistema Nacional de Educação de Moçambique
Sistema Nacional de Educação de Moçambique
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntese
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio
 
Educação formal e não formal
Educação formal e não formalEducação formal e não formal
Educação formal e não formal
 
Etapas de um projeto de pesquisa
Etapas de um projeto de pesquisaEtapas de um projeto de pesquisa
Etapas de um projeto de pesquisa
 
Objetivos de ensino
Objetivos de ensinoObjetivos de ensino
Objetivos de ensino
 
Formação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercícioFormação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercício
 
Relatório do pibid
Relatório do pibidRelatório do pibid
Relatório do pibid
 
As actividades de cada fase de aula
As actividades de cada fase de aulaAs actividades de cada fase de aula
As actividades de cada fase de aula
 
Projeto de pesquisa exemplo
Projeto de pesquisa   exemploProjeto de pesquisa   exemplo
Projeto de pesquisa exemplo
 
Relatório de estágio i
Relatório de estágio iRelatório de estágio i
Relatório de estágio i
 
Modelos de organização curricular
Modelos de organização curricularModelos de organização curricular
Modelos de organização curricular
 
Avaliacao da-parendizagem
Avaliacao da-parendizagemAvaliacao da-parendizagem
Avaliacao da-parendizagem
 
O curriculo
O curriculoO curriculo
O curriculo
 
Relação entre a didáctica com outras ciências
Relação entre a didáctica com outras ciênciasRelação entre a didáctica com outras ciências
Relação entre a didáctica com outras ciências
 

Semelhante a Métodos de Ensino e Aprendizagem

Seminario de didactica geral g5
Seminario de  didactica geral g5Seminario de  didactica geral g5
Seminario de didactica geral g5
Anjo Bernard
 
Ensino com pesquisa
Ensino com pesquisaEnsino com pesquisa
Técnicas ensino
Técnicas  ensinoTécnicas  ensino
Técnicas ensino
Quesia Matiello
 
Métodos de ensino
Métodos de ensinoMétodos de ensino
Métodos de ensino
Mara Salvucci
 
Concepcao metodologica curriculo 2
Concepcao metodologica curriculo 2Concepcao metodologica curriculo 2
Concepcao metodologica curriculo 2
Jeca Tatu
 
Capítulo 7 e 8
Capítulo 7 e 8Capítulo 7 e 8
Capítulo 7 e 8
Deb789
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
familiaestagio
 
Concepcao metodologica curriculo
Concepcao metodologica curriculoConcepcao metodologica curriculo
Concepcao metodologica curriculo
Jeca Tatu
 
Trabalho 2 maio
Trabalho 2  maioTrabalho 2  maio
Trabalho 2 maio
Tania Neto
 
14014
1401414014
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
Magda Marques
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
familiaestagio
 
Como na vida reflexão 1º período
Como na vida reflexão 1º períodoComo na vida reflexão 1º período
Como na vida reflexão 1º período
biologiaesilva
 
Artigo metodologia no ensino da educação superior
Artigo metodologia no ensino da educação superiorArtigo metodologia no ensino da educação superior
Artigo metodologia no ensino da educação superior
R D
 
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
ProfCibellePires
 
Metodologia de ensino
Metodologia de ensinoMetodologia de ensino
Metodologia de ensino
Deia Araujo
 
Sessao_3_Apresentacao_Turma_28.pptx
Sessao_3_Apresentacao_Turma_28.pptxSessao_3_Apresentacao_Turma_28.pptx
Sessao_3_Apresentacao_Turma_28.pptx
Ordem dos Biólogos
 
Capacitação de ciências 2013 - 1ª Parte
Capacitação de ciências 2013 - 1ª ParteCapacitação de ciências 2013 - 1ª Parte
Capacitação de ciências 2013 - 1ª Parte
anjalylopes
 
Estrategias de-ensinagem-lea-anastasiou
Estrategias de-ensinagem-lea-anastasiouEstrategias de-ensinagem-lea-anastasiou
Estrategias de-ensinagem-lea-anastasiou
PROIDDBahiana
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
jairdeoliveirajunior
 

Semelhante a Métodos de Ensino e Aprendizagem (20)

Seminario de didactica geral g5
Seminario de  didactica geral g5Seminario de  didactica geral g5
Seminario de didactica geral g5
 
Ensino com pesquisa
Ensino com pesquisaEnsino com pesquisa
Ensino com pesquisa
 
Técnicas ensino
Técnicas  ensinoTécnicas  ensino
Técnicas ensino
 
Métodos de ensino
Métodos de ensinoMétodos de ensino
Métodos de ensino
 
Concepcao metodologica curriculo 2
Concepcao metodologica curriculo 2Concepcao metodologica curriculo 2
Concepcao metodologica curriculo 2
 
Capítulo 7 e 8
Capítulo 7 e 8Capítulo 7 e 8
Capítulo 7 e 8
 
Estudo dirigido
Estudo dirigidoEstudo dirigido
Estudo dirigido
 
Concepcao metodologica curriculo
Concepcao metodologica curriculoConcepcao metodologica curriculo
Concepcao metodologica curriculo
 
Trabalho 2 maio
Trabalho 2  maioTrabalho 2  maio
Trabalho 2 maio
 
14014
1401414014
14014
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
 
Como na vida reflexão 1º período
Como na vida reflexão 1º períodoComo na vida reflexão 1º período
Como na vida reflexão 1º período
 
Artigo metodologia no ensino da educação superior
Artigo metodologia no ensino da educação superiorArtigo metodologia no ensino da educação superior
Artigo metodologia no ensino da educação superior
 
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
 
Metodologia de ensino
Metodologia de ensinoMetodologia de ensino
Metodologia de ensino
 
Sessao_3_Apresentacao_Turma_28.pptx
Sessao_3_Apresentacao_Turma_28.pptxSessao_3_Apresentacao_Turma_28.pptx
Sessao_3_Apresentacao_Turma_28.pptx
 
Capacitação de ciências 2013 - 1ª Parte
Capacitação de ciências 2013 - 1ª ParteCapacitação de ciências 2013 - 1ª Parte
Capacitação de ciências 2013 - 1ª Parte
 
Estrategias de-ensinagem-lea-anastasiou
Estrategias de-ensinagem-lea-anastasiouEstrategias de-ensinagem-lea-anastasiou
Estrategias de-ensinagem-lea-anastasiou
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
 

Mais de Joao Papelo

Princípios orientadores de uma conversação – Formas de tratamento
Princípios orientadores de uma conversação – Formas de tratamentoPrincípios orientadores de uma conversação – Formas de tratamento
Princípios orientadores de uma conversação – Formas de tratamento
Joao Papelo
 
Sample questionnaire
Sample questionnaireSample questionnaire
Sample questionnaire
Joao Papelo
 
Processo de Coordenação
Processo de CoordenaçãoProcesso de Coordenação
Processo de Coordenação
Joao Papelo
 
The right to die 2
The right to die 2The right to die 2
The right to die 2
Joao Papelo
 
Tipos e Formas de frases
Tipos e Formas de frasesTipos e Formas de frases
Tipos e Formas de frases
Joao Papelo
 
Data collection techniques
Data collection techniquesData collection techniques
Data collection techniques
Joao Papelo
 
3. Interviews and questionnaires as data collection techniques
3.	Interviews and questionnaires as data collection techniques3.	Interviews and questionnaires as data collection techniques
3. Interviews and questionnaires as data collection techniques
Joao Papelo
 
THE RIGHT TO DIE
THE RIGHT TO DIETHE RIGHT TO DIE
THE RIGHT TO DIE
Joao Papelo
 
Ficha de leitura - Colónias
Ficha de leitura - ColóniasFicha de leitura - Colónias
Ficha de leitura - Colónias
Joao Papelo
 
Ficha de leitura as vanguardas
Ficha de leitura   as vanguardasFicha de leitura   as vanguardas
Ficha de leitura as vanguardas
Joao Papelo
 

Mais de Joao Papelo (10)

Princípios orientadores de uma conversação – Formas de tratamento
Princípios orientadores de uma conversação – Formas de tratamentoPrincípios orientadores de uma conversação – Formas de tratamento
Princípios orientadores de uma conversação – Formas de tratamento
 
Sample questionnaire
Sample questionnaireSample questionnaire
Sample questionnaire
 
Processo de Coordenação
Processo de CoordenaçãoProcesso de Coordenação
Processo de Coordenação
 
The right to die 2
The right to die 2The right to die 2
The right to die 2
 
Tipos e Formas de frases
Tipos e Formas de frasesTipos e Formas de frases
Tipos e Formas de frases
 
Data collection techniques
Data collection techniquesData collection techniques
Data collection techniques
 
3. Interviews and questionnaires as data collection techniques
3.	Interviews and questionnaires as data collection techniques3.	Interviews and questionnaires as data collection techniques
3. Interviews and questionnaires as data collection techniques
 
THE RIGHT TO DIE
THE RIGHT TO DIETHE RIGHT TO DIE
THE RIGHT TO DIE
 
Ficha de leitura - Colónias
Ficha de leitura - ColóniasFicha de leitura - Colónias
Ficha de leitura - Colónias
 
Ficha de leitura as vanguardas
Ficha de leitura   as vanguardasFicha de leitura   as vanguardas
Ficha de leitura as vanguardas
 

Último

Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 

Último (20)

Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 

Métodos de Ensino e Aprendizagem

  • 1. 1 1. Introdução As ciências como no seu todo possuem algumas ferramentas metodológicas que garantem e facultam a pesquisa e desenvolvimento das suas abordagens. Existem métodos que permitem de certa maneira investigar fenómenos e para a construção de novos conhecimentos, bem como para corrigir e integrar conhecimentos prévios em bases mais amplas designados – métodos científicos. Porém, dentro do campo do ensino e aprendizagem, os métodos permitem ao educador melhor orientar as suas actividades dentro e fora da aula centrado no propriamente ao processo educativo pelos quais iremos destacar neste trabalho para melhor compreensão da sua utilidade e momentos em que eles são administrados. 1.1. Objectivo geral:  Conhecer os métodos usados no Processo de Ensino e Aprendizagem 1.2. Objectivos específicos:  Caracterizar os métodos usados no Processo de Ensino e Aprendizagem;  Mencionar a utilidade dos métodos Processo de Ensino e Aprendizagem.
  • 2. 2 2. Métodos de Ensino e Aprendizagem O Processo de Ensino e Aprendizagem se caracteriza pela combinação de actividades do professor e dos alunos. Estes, pelo estudo das matérias, sob direcção do professor, vão atingindo progressivamente o desenvolvimento de suas capacidades mentais. A direcção condigna desse processo só pode ser possível graças ao trabalho sistematizado do professor que, tanto na planificação como no desenvolvimento nas aulas conjuga objectivos, conteúdos, métodos e formas organizativas do ensino. Porém, Libâneo (1990) designa método de Ensino e Aprendizagem “o caminho para alcançar um objectivo” (p. 146). Isto é, o meio para se alcançar os objectivos gerais e específicos do ensino traçados pelo professor à uma determinada aula, ou seja, ao “como” do processo de ensino, envolvendo as acções a serem realizadas pelo professor e pelos alunos para atingir objectivos e conteúdos orientados. Como destacamos anteriormente, se formos a relacionar no campo científico encontramos o cientista que na perspectiva de atingir o seu objectivo de obtenção de novos conhecimentos e desenvolvimento de novas abordagens no seu campo de estudo usa o método de investigação científica. Outrora, o aluno na sua perspectiva de aquisição de conhecimentos, o aluno utiliza alguns métodos para melhor assimilação dos conteúdos. Assim, segundo Libâneo (1990) na ordem dos métodos usados no Ensino e Aprendizagem destacou os seguintes que de certa maneira irão ajudar no processo educativo: 2.1. Método Expositivo “A actividade de explicar a matéria se uma interacção recíproca” Libâneo (1990, p. 146). Ele é um método pedagógico centrado nos conteúdos. Traduz-se na transmissão oral pelo professor de informação e conhecimentos ou conteúdos em que a participação do aluno é reduzida. A estrutura, a sequência dos conhecimentos e o tipo dos conteúdos são definidos pelo professor. Todavia, o método expositivo é o que mais longamente tem sido usado para ensinar, apesar de todas as críticas que têm se destacado no campo educativo do ensino
  • 3. 3 moderno. Nisto, encontramos vantagens e desvantagens inseridas nesta base de críticas sobre a relevância e fragilidade deste método. Este método é orientado através dos seguintes itens:  A demonstração é uma forma de representar fenómenos e processos que ocorrem na realidade. Ela se dá seja através de explicações em um estudo de meio (excursão), seja através de explicação colectiva de um fenómeno por meio de um experimento simples, uma projecção de slides. Exemplo: Explicar o processo de crescimento de uma planta desde a semente até a produção de frutos.  A ilustração é uma forma de apresentação gráfica de facto e fenómenos da realidade por meio de gráficos, mapas, esquemas, gravuras etc. a partir dos quais o professor enriquece a explicação da matéria. Aqui como na demonstração, é importante que os alunos desenvolvam a capacidade de concentração e de observação.  A exemplificação é um importante meio auxiliar da exposição verbal, principalmente nas séries iniciais do ensino primário. Ocorre quando o professor faz uma leitura em voz alta, quando escreve ou fala uma palavra, para que os alunos observem e depois repitam. As suas vantagens enquadram-se:  Pode comunicar o interesse inerente a disciplina, o seu entusiasmo, que por sua vez, deve logicamente aumentar o interesse dos alunos em aprender o conteúdo de uma forma económica, directa e integrada.  Coloca claramente o controle da situação nas mãos do professor. Assim, ele poderá determinar o conteúdo a ser abrangido, a sequência na qual isso será feito, quanto tempo será dedicado a cada tópico e assim por diante. Esse controle pode ser particularmente importante quando é imperativos que certos pontos críticos sejam cobertos. Quanto das desvantagens temos:  Limitações. Talvez a sua deficiência mais significativa seja a falta de reciprocidade que geralmente acompanha as aulas expositivas. Embora o
  • 4. 4 expositor possa perceber alguma compreensão através de expressões faciais e da linguagem do corpo, o feedback é, de certa forma, incerto.  Passividade dos ouvintes. Para a maioria dos alunos, aprender é facilitado através da execução de algum tipo de actividade. Além do mais, eles tendem a esquecer rapidamente as informações recebidas em exposições orais. Assim, a audição passiva é um veículo de aprendizado menos eficiente.  duração das aulas expositivas e a extensão do interesse dos alunos são contrárias. 2.2. Elaboração Conjunta Segundo Ferreira e tal. (2007) "o método consiste na interacção activa entre professor/aluno visando a obtenção de novos conhecimentos, habilidades, competências no sentido de aprofundar os conceitos já discutidos. Este procedimento pode ser visto na prática como uma discussão ou debate entre tópicos quebrando a sequencialidade da exposição verbal" (p. 82). Exemplo: Apresentação de um tema para debate em grupinhos e depois a sua apresentação em plenária as conclusões feitas no grupo e o professor por sua vez orienta a conclusão final. Porém, nesta ordem de organização o professor está sempre acompanhando o processo das discussões avaliando as dificuldades e progressos deparados em cada grupo e sua possível intervenção em casos em que haja necessidade para tal. Ferreira e tal. (2007) destacam as seguintes vantagens:  Enriquecimento da aprendizagem pelas contribuições de muitos  Desenvolvimento da capacidade de formulação e argumentação;  Desenvolvimento da capacidade de formar opiniões e pontos de vista;  Desenvolvimento do respeito pelas opiniões dos outros;  Controle imediato do nível de assimilação/aprendizagem dos alunos. Nas desvantagens, Ferreira e tal. (2007) destacam as seguintes:  A aprendizagem pode perde-se na conversa quando não há uma orientação muito boa chegando ao ponto entrar fora do contexto;  Os alunos não contribuem por se sentirem avaliados (e terem medo de errar/falhar mantendo-se muita das vezes acanhados);
  • 5. 5  Maior dificuldade de desenvolvimento orgânico e sistemático do PEA. 2.3. Método de Resolução de Tarefa/ Independente Segundo Libâneo (1990) “O método de trabalho independente dos alunos consiste de tarefa dirigidas e orientadas pelo professor, para que os alunos as resolvam de modo relativamente independente e criador” (p. 147). Este pressupõe determinados conhecimentos, compreensão da tarefa e do seu objectivo, a domínio do método de solução, de modo que os alunos possam aplicar conhecimentos e habilidades sem a orientação directa do professor. Este método tem as seguintes vantagens: De entre as vantagens deste método, temos a destacar:  Eleva os rendimentos de aprendizagem nos a lunos, levando a um maior desenvolvimento d as habilidades d e aprendizagem e a uma aprendizagem mais eficaz ;  Aumenta a efectividade do processo de assimilação, uma vez que o trabalho independente conduz, por regra geral, a uma assimilação mais consciente, profunda e duradoira ;  - A atitude instável de alguns alunos diante da ap rendizagem se estabiliza quando tem que resolver verdadeiras tarefas ;  O desenvolvimento da ind ependência na aprendizagem, isto é, da auto– aprendizagem;  Possibilita trabalho diferenciado dos alunos, com ou sem apoio do professor. Razão p ela qual o trab alho independen te pode possibilitar aproximar os rendimentos dos alunos fracos aos dos alunos fortes. A quanto das desvantagens:  Falta de controle do tempo, p or exemplo para avaliação/discussão com todos ;  Tarefas demasiado difíceis ou fáceis ;  Orientação insuficiente para a execução das tarefas ou exercícios. 2.4. Método de Investigação Neste método, ainda Libâneo (1990) diz que “é toda actividade que visa o domínio dos processos de conhecimentos científicos numa disciplina” (p. 147). Isto engloba todas as
  • 6. 6 actividades envolventes das faculdades de aprimoramento do conhecimento na área de pesquisa que ajudam ao aluno a obtenção de novas descobertas de um determinado assunto em estudo e criação de auto-dependência e de interesse por parte do aluno a abertura seja individual ou colectivo de fazer questões que lhe serão de indignação. Temos como vantagens:  Desenvolvimento de competências na análise e solução de problemas;  Facilita o desenvolvimento de competências para trabalho em equipa, da comunicação e de apresentação das próprias descobertas. Ao passo das desvantagens encontramos as seguintes:  Falta de realismo e de relevância para o conjunto da organização;  Os alunos podem falhar no encontro do aspecto mais crítico do estudo de caso: a identificação do problema subjacente. 2.5. Método de Observação O método de observação consiste em olhar atenta e sistematicamente e registar o que se observa. Ocorre sempre que alguém, diferente do observado, nota, dá conta e documenta todas as características subjacentes ao que está sendo observado. Este método, tem as seguintes vantagens:  Permitir recolher dados no momento em que estão a acontecer, sem criar situações artificiais;  Avaliar alguns aspectos para os quais não há outras técnicas;  Proporcionar o retorno imediato do resultado da aprendizagem;  Ser fácil de aplicar. Ao passo das desvantagens temos a destacar:  Exigir muito tempo que às vezes sem nenhum aproveitamento condigno;  Enquanto observa um aluno o professor poderá não estar atento ao que se passa com outros;  Já não é exclusiva das aulas presenciais podendo o aluno fazer fora do ambiente escolar;  Dificuldade em descrever o que se observa sem incluir juízos de valor.
  • 7. 7 3. Conclusão Os métodos de certa forma têm fornecido mecanismos para que as tarefas do professor e as expectativas dos alunos possam ir ao encontro, por isso a tamanha relevância no Processo de Ensino e Aprendizagem. Porém, a selecção pontual e organizada dos métodos olhando às intenções e objectivos a alcançar é uma das melhores formas de se manter em conformidade no processo educativo. Como pudemos compreender, a má gestão destes métodos pode comprometer as actividades e os resultados que são traçados para a orientação das aulas. Levando-se em consideração esses aspectos acima apresentados, é imprescindível que todos se conscientizem da necessidade de melhor compreensão do uso de cada método por parte do professor para que melhor ele oriente os seus alunos.
  • 8. 8 4. Referências LIBÂNEO, J. C. (1990). Didáctica Geral. São Paulo – SP: CORTEZ EDITORA. FERREIRA, A. (2007). Manual da Disciplina de Metodologias de Ensino e Treinamento. Universidade Pedagógica de Moçambique