O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios

10.575 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Ft21 Lusiadas Textos Introdutorios

  1. 1. Os Lusíadas Luís Vaz de Camões Dado que vamos estudar uma obra do século XVI, convém esclarecer os conceitos de Renascimento, Humanismo e Classicismo. I- RE ASCIME TO, HUMA ISMO E CLASSICISMO (pág. 114/115) 1- Renascimento Iniciou-se em Itália em meados do séc. XIV e espalhou-se na Europa nos séc. XV e XVI; Movimento cultural baseado no conhecimento e na imitação dos clássicos (latinos e gregos); Nova concepção do Homem encarado na sua integralidade; Não constitui uma ruptura em relação à literatura anterior, mas uma busca de conciliação entre dois modelos; Defende-se o Antropocentrismo (o Homem conhece-se a si próprio: é Sujeito e Objecto do Saber), em oposição ao Teocentrismo da Idade Média (Deus visto como centro do Universo). 2- Humanismo Conceito ligado ao Renascimento que consiste na descoberta e revalorização das obras culturais da Antiguidade Clássica; Concepção do Homem como ser integral e harmonioso de corpo e de espírito. Humanismo Português Enriquecido através da experiência dos Descobrimentos; Comprova as teorias humanísticas. 3- Classicismo Época literária que abrange os séc. XVI e XVII e XVIII, isto é, os períodos do Renascimento, Barroco e Neoclassicismo; Imitação dos antigos com uma nova orientação de espírito (clareza, sobriedade, harmonia e equilíbrio). Classicismo Português Aspectos novos resultantes da expansão ultramarina (enriquecimento dos motivos ornamentais: exóticos e marinhos). 4- Principais inovações do Renascimento Literário Introdução do decassílabo como metro poético; Introdução de novas formas estróficas; Introdução de formas clássicas, tais como a tragédia, a comédia, a epopeia, entre outras.
  2. 2. II- OS LUSÍADAS: TIPOS DE I SPIRAÇÃO E FO TES (pág. 115/116) “Os Lusíadas” podem considerar-se como a obra literária que melhor sintetiza o Renascimento dentro da literatura portuguesa: além do seu interesse literário, apresenta um interesse documental e humano representativo de uma época. 1- Tipos de inspiração Inspiração patriótica: orgulho nacional e amor à pátria; Inspiração clássica: estrutura clássica do poema e intervenção da mitologia; Inspiração cristã: presença do pensamento cristão e do ideal de expansão da Fé (espírito de Cruzada); Inspiração medieval: referência a episódios da história da Idade Média e recriação do ambiente cavaleiresco; Inspiração renascentista: busca de um novo ideal estético e humano e curiosidade em relação aos povos recém-descobertos e aos seus costumes; Inspiração exótica: busca do efeito estético e ornamental baseado nos aspectos da paisagem, fauna e flora exóticas e marítimas; Inspiração científica: curiosidade perante as novidades científicas baseadas nas experiências vividas e interesse pelos fenómenos naturais. 2- Fontes de “Os Lusíadas” A- Fontes literárias Sendo a epopeia um género clássico, baseia-se, quanto ao plano e estrutura, nas epopeias greco- -latinas e segue o exemplo das epopeias modernas. Epopeias antigas: “Ilíada” e “Odisseia” de Homero e “Eneida” de Virgílio; Epopeias modernas: “A Divina Comédia” de Dante, entre outras. B- Fontes históricas Luís de Camões baseou-se em fontes históricas para a narração do descobrimento e estabelecimento dos Portugueses na Índia e para a narração da parte anterior aos Descobrimentos. III- AS IDEIAS DO RE ASCIME TO, DO CLASSICISMO E DO HUMA ISMO EM “OS LUSÍADAS” (pág. 116/117) 1- Universalismo do poema será divulgado por toda a parte; 2- Experimentalismo saber livresco dos antigos em oposição à experiência dos rudes marinheiros; 3- Classicismo carácter erudito/culto do poema, baseado nas epopeias de Homero e de Virgílio.
  3. 3. Semelhanças entre a “Odisseia” e “Os Lusíadas” Viagem marítima; Oposição deuses / homens; Vitória dos homens sobre os deuses; O herói tem conhecimento do futuro; O amor como recompensa no regresso da viagem; Existência da Proposição e da Invocação; Início da narração “in media res” (no meio da viagem); Presença de deuses adjuvantes e oponentes que interferem na acção (Vénus e Marte são os deuses protectores dos Portugueses, Baco e Neptuno são os deuses que os perseguem); O herói assume o papel de narrador numa parte significativa do poema; Existência de profecias que anunciam o futuro do herói. IV- O HERÓI No poema, não encontramos o retrato de um herói concreto, mas um modelo de heroísmo. Vasco da Gama é um herói sem força, depende das decisões dos deuses, que usam a sua capacidade de intervenção quando esta se torna necessária. Estamos perante um herói colectivo, o Povo Português. Assim, os heróis de “Os Lusíadas” serão os portugueses que se imortalizaram em actos heróicos. O assunto que Camões se propõe cantar está bem patente na terceira estrofe do canto I: o peito ilustre Lusitano. Ao longo do poema, vai contar-nos a história de Portugal, usando como pretexto a viagem de Vasco da Gama para a Índia. V- O PROJECTO DE CAMÕES – OS LUSÍADAS (pág. 118/119) Poema que conta a viagem do descobrimento do caminho marítimo para a Índia; A narrativa inicia-se no meio da viagem “in media res”; Os episódios anteriores à viagem são narrados por Vasco da Gama ao rei de Melinde, durante uma pausa na viagem; Nesse discurso, Vasco da Gama narra a História de Portugal por ordem cronológica, desde Viriato até D. Manuel; Mais tarde, Paulo da Gama também apresenta episódios e personagens da história passada de Portugal; Os acontecimentos futuros, gloriosos ou trágicos, são contados por personagens divinas (Júpiter, Vénus e uma sereia); Os homens não têm que lutar contra os deuses, que se manifestam sob a forma de fenómenos naturais, humanos ou sonhos; separação do mundo maravilhoso e do mundo histórico para afirmar a verdade histórica do seu poema. No final, os homens e os deuses encontram-se numa ilha encantada que Vénus preparou e povoou de belas ninfas, levando-a ao encontro dos heróis.
  4. 4. VI- O GÉ ERO ÉPICO ou EPOPEIA (pág. 188) O género épico remonta à Antiguidade Clássica, grega e latina, tendo como exemplos universais a “Odisseia” e a “Ilíada”, do poeta grego Homero, e a “Eneida”, do poeta latino Virgílio. Trata-se de um género narrativo, em verso, destinado a celebrar feitos grandiosos de um herói ou heróis fora do comum, reais ou lendários, em estilo elevado. Tem, pois, um fundo histórico, embora não se trate de narrativas históricas. O género épico é um género narrativo, o que exige na sua estrutura a presença de uma acção ou enredo, desempenhada por personagens, num determinado tempo e espaço. Possui uma estrutura própria, cujos principais aspectos são: a existência de uma Proposição em que o autor apresenta a matéria do seu poema; a existência de uma Invocação às Musas ou outras divindades e entidades míticas protectoras, das artes; uma Dedicatória (facultativa); uma arração “in media res”, ou seja, em que a acção não é narrada pela ordem cronológica dos acontecimentos, mas se inicia já no decurso dos mesmos acontecimentos, sendo a parte inicial narrada posteriormente, num processo de retrospectiva, ou analepse, pelo próprio herói; a inclusão de Profecias; a presença da mitologia greco-latina, contracenando heróis mitológicos e heróis humanos; a unidade de acção (os factos devem ter uma ligação entre si); a inclusão de episódios, de pequenas narrativas reais ou imaginárias, que servem para embelezar e enriquecer a acção; a intervenção do poeta com breves considerações pessoais. VII- OS LUSÍADAS – A EPOPEIA DESEJADA (pág. 119) Sendo a epopeia considerada no Renascimento como a expressão mais alta da poesia, Portugal, como tantos outros países europeus, ansiava pelo poema épico que prestigiasse a literatura nacional. A partir do século XV, começam a surgir alguns poemas de conteúdo histórico sem grande relevância literária. Entretanto, grandes nomes da nossa literatura, como Garcia de Resende ou António Ferreira, alertavam para a necessidade de se cultivar o género épico, estimulando outros poetas à criação da epopeia de Portugal. Portugal tinha, de facto, no século XVI, as condições ideais para a criação de um grande poema épico. As viagens de descoberta de caminhos marítimos, os perigos desconhecidos, o heroísmo dos navegantes prestavam-se à comparação com as viagens marítimas da “Eneida” e da “Odisseia”. Além disso, a importância dos Descobrimentos, para além do interesse nacional, revestia-se de um carácter universal. O orgulho nacional estimulava a celebração dos feitos portugueses. À própria corte interessava a apresentação da política de expansão ultramarina como forma de dilatação da Fé cristã, para contrariar a ideia de que a verdadeira motivação dessa política fosse meramente comercial. Fazer renascer a epopeia nos moldes clássicos e glorificar os feitos recentes da História de Portugal poderão ter sido factores determinantes para que Luís de Camões se lançasse a escrever “Os Lusíadas”, a epopeia desejada.
  5. 5. Luís Vaz de Camões – Vida e Obra – 1- BIOGRAFIA Camões terá nascido em Lisboa, por volta de 1524 ou 1525; Frequentou a Corte, o que lhe teria possibilitado o acesso a estudos superiores em Coimbra, facto não confirmado. No entanto, está documentado em toda a obra, nomeadamente em “Os Lusíadas”, o saber erudito do poeta; Passou dezassete anos no Oriente; Teve uma vida amorosa agitada e, por isso, foi expulso da Corte; Combateu, como militar, no Norte de África, onde ficou cego do olho direito (1547-1548); Passou vários meses na prisão em Lisboa (1552); Entre 1553 e 1558, esteve na Índia, onde participou em expedições militares, e em Macau, tendo aí desempenhado cargos públicos de natureza administrativa; Durante a sua estadia no Oriente, foi vítima de um naufrágio e conseguiu salvar o manuscrito das suas obras; Entre 1567 e 1569, esteve em Moçambique; Em 1570, regressa a Portugal, na miséria, mas com o texto da sua epopeia quase pronto para ser editado; Foi recebido pelo Rei, D. Sebastião, a quem leu “Os Lusíadas” e dedicou o seu poema. A obra foi publicada em 1572; Recebeu, na sequência do seu trabalho, uma pensão anual, dada pelo Rei, o que não o impediu de viver na miséria; A partir de 1570, não se sabe mais nada da sua biografia, salvo o facto de ter sido invejado pela grandeza da sua obra; Camões terá morrido em 1579 ou 1580, ficando as despesas a cargo de um nobre da altura, que mandou colocar na sua sepultura a seguinte inscrição: «Aqui jaz Luís de Camões, príncipe dos poetas do seu tempo. Viveu pobre e miseravelmente e assim morreu.» De tudo o que é possível apurar-se sobre a existência deste poeta, importa salientar aquilo que deixou reflexos na sua obra: a cultura a que pôde ter acesso; o facto de ter sido militar, o que poderá justificar a importância que deu ao valor militar; o facto de ter conhecido a rota seguida por Vasco da Gama e todo o Oriente; a importância da sua “longa experiência” humana; a referência a temas e metros tradicionais típicos da poesia palaciana, sobretudo na obra lírica, justificável pelo seu contacto com a Corte. 2- OBRA Para além do real valor e genialidade da sua obra lírica e do seu teatro, Camões foi o criador da única epopeia conseguida depois de Homero e Virgílio, “Os Lusíadas”.

×