SlideShare uma empresa Scribd logo
Profª Ana Marta Conceição
DEFINIÇÕES 
MINERAIS – Trata-se de todo elemento ou composto químico que 
possui uma composição química definida e é formado naturalmente 
por processos geológicos sem nenhuma influência orgânica. 
CRISTAL – Todo mineral que possui uma forma 
geométrica definida. A forma geométrica adquirida 
está totalmente relacionada com a organização 
atómica dos elementos que formam o mineral.
…………………………………………………………………………………………………………………………Minerais 
Magnetite
…………………………………………………………………………………………………………………………Minerais 
Pirite
…………………………………………………………………………………………………………………………Minerais 
Calcopirite
…………………………………………………………………………………………………………………………Minerais 
Quartzo
…………………………………………………………………………………………………………………………Minerais 
Quartzo
…………………………………………………………………………………………………………………………Minerais 
Plagioclases
…………………………………………………………………………………………………………………………Minerais 
Biotite (mica preta)
…………………………………………………………………………………………………………………………Minerais 
Moscovite 
(mica branca)
…………………………………………………………………………………………………………………………Minerais 
Feldspato
…………………………………………………………………………………………………………………………Minerais 
Olivina
Quando a água atinge os 0ºC a 
uma pressão atmosférica 
normal, passa do estado líquido 
para o estado sólido. A este 
estado sólido chama-se gelo e 
é considerado um mineral.
Material 
orgânico 
produzido por 
ostras.
ORIGEM 
Os minerais podem ser classificados de acordo com sua 
origem, sendo: 
Minerais magmáticos são aqueles 
que resultam da cristalização do 
magma e constituem as rochas 
ígneas ou magmáticas. 
Diamante
ORIGEM 
Minerais metamórficos originam-se 
principalmente pela ação da 
temperatura, pressão litostática e 
pressão das fases voláteis sobre 
rochas magmáticas, sedimentares e 
também sobre outras rochas 
metamórficas. 
Granada
ORIGEM 
Minerais sublimados são 
aqueles formados diretamente da 
cristalização de um vapor, como 
também da interação entre 
vapores e destes com as rochas 
dos condutos por onde passam. 
Enxofre
ORIGEM 
Minerais pneumatolíticos são 
formados pela reação dos 
constituintes voláteis oriundos 
da cristalização magmática, 
desgaseificação do interior 
terrestre ou de reações 
metamórficas sobre as rochas 
adjacentes. 
Turmalina
ORIGEM 
Minerais formados a partir de soluções originam-se pela 
deposição devido a evaporação, variações de temperatura, 
pressão, porosidade, pH e/ou eH. 
Evaporação do solvente: neste processo a 
precipitação ocorre quando a 
concentração ultrapassar o coeficiente de 
solubilidade pelo processo de evaporação, 
fato que ocorre principalmente em regiões 
quentes e secas, formando sulfatos 
(anidrita, gipsita etc.), halogenetos (halita, 
Gipsita silvita etc.) etc.
ORIGEM 
Perda de gás agindo como solvente: 
processo que ocorre quando uma 
solução contendo gases entra em 
contados com rochas provocando 
reação, a exemplo do que ocorre 
quando solução aquosa contendo 
dióxido de carbono entra em contato 
com rochas calcárias, caso em que o 
carbonato de cálcio é parcialmente 
dissolvido formando o bicarbonato de 
cálcio (CaH2(CO3)2), composto 
solúvel na solução. 
Caverna calcária
ORIGEM 
Diminuição da temperatura e/ou pressão: as soluções de origem 
profunda resultantes de transformações metamórficas (desidratação, 
descarbonatação, etc.) ou de cristalizações magmáticas normalmente 
contêm significativas quantidade de material dissolvido. Quando essas 
soluções arrefecem ou a pressão diminui, formam-se minerais 
hidrotermais, depositados na forma de veios ou filões. 
Quartzo
ORIGEM 
Interação de soluções: O encontro de 
soluções aquosas com solutos 
diferentes, ao interagirem, 
pode formar composto insolúvel ou 
com coeficiente de solubilidade bem 
mais baixo, que se precipita. 
O encontro de uma solução com 
sulfato de cálcio (CaSO4) com outra 
contendo carbonato de bário (BaCO3), 
resulta na formação de um precipitado 
de barite (BaSO4). 
Barite
ORIGEM 
Interação de gases com soluções: A 
passagem de gás por uma solução 
contendo iões pode gerar precipitados, 
a exemplo do que ocorre com a 
passagem de H2S (gás sulfídrico) por 
uma solução contendo catiões de Fe, 
Cu, Zn etc., formando sulfetos de 
ferro como pirite (FeS2), calcopirite 
(CuFeS2), etc. 
Pirite
ORIGEM 
Ação de organismos sobre soluções: Esse 
processo resulta da ação dos organismos 
vivos, animais ou vegetais, sobre as 
soluções. Dessa forma um grande número 
de seres marinhos (corais, crinóides, 
moluscos etc.) extraem o carbonato de 
cálcio das águas salgadas para formar suas 
conchas e partes duras de seus corpos, 
resultando na formação de calcite (CaCO3) 
e, em menor quantidade, aragonite 
(CaCO3) e dolomite [MgCa(CO3)2]. 
Calcite
CLASSIFICAÇÃO QUÍMICA 
Elementos Nativos 
Ouro (Au) 
Sulfetos 
Galena (PbS)
CLASSIFICAÇÃO QUÍMICA 
Óxidos 
Hematite (Fe2O3) 
Halóides 
Fluorite (CaF2)
CLASSIFICAÇÃO QUÍMICA 
Nitratos 
Salitre (KNO3) 
Boratos 
Bórax 
Na2B4O5(OH)4.8(H2O)
CLASSIFICAÇÃO QUÍMICA 
Carbonatos 
Malaquite (CuCO3) 
Sulfatos 
Barite (BaSO4)
CLASSIFICAÇÃO QUÍMICA 
Volframatos e Molibdatos 
Scheelita (CaWO4) 
Fosfatos 
Apatita 
(Ca5(PO4)3(F,OH,Cl))
CLASSIFICAÇÃO QUÍMICA 
Silicatos 
Quartzo (SiO2) 
Feldspato – 
Microclínio(KAlSi3O8)
…………………………………………………………………………………………………………………………Minerais 
Diamante Enxofre 
Gesso Olivina
IDENTIFICAÇÃO 
Para a identificação dos minerais através de suas 
propriedades físicas e morfológicas, que são decorrentes de 
suas composições químicas e de suas estruturas cristalinas, 
utilizamos caraterísticas como: 
hábito, transparência, brilho, cor, traço, dureza, fratura, 
clivagem, densidade relativa e propriedades magnéticas.
IDENTIFICAÇÃO 
Hábito – Forma geométrica externa, habitual, exibida pelos 
cristais dos minerais, que reflete a sua estrutura cristalina. 
Limonite – hábito cúbico Quartzo – hábito prismático
IDENTIFICAÇÃO 
Transparência – São os minerais que não absorvem ou 
absorvem pouco a luz. Os que absorvem a luz são considerados 
translúcidos e dificultam que as imagens sejam reconhecidas 
através deles. 
Diamante transparente
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
A- Cor 
B- Traço 
C- Brilho 
D- Clivagem 
E- Fratura 
F- Dureza 
G- Reação com ácidos 
H- Teste do sabor salgado 
I- Magnetismo
……………………………………………………………………………………Características dos Minerais 
A - Cor
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
A - Cor
IDENTIFICAÇÃO 
Vanadinita 
Pb5(VO4)3Cl 
Azurita 
Cu3(CO3)2(OH)2 
Granada - 
Fe3Al2(Si3O12)
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
B – Risca ou Traço 
É a cor do pó do mineral. Para se verificar esta 
propriedade, deve 
riscar-se um pedaço de 
porcelana branca.
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
B – Risca ou Traço 
Identificação do traço na hematite. 
(Traço vermelho-sangue, característico)
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
C – Brilho 
Brilho – Trata-se da quantidade de luz refletida pela superfície 
de um mineral. Os minerais que refletem mais de 75% da luz 
exibem brilho metálico. 
Galena com brilho metálico Topázio com brilho vítreo
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
C – Brilho 
•Brilho Metálico: semelhante ao dos metais; 
Calcopirite Ouro
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
D – Clivagem Quando o mineral se 
fragmenta naturalmente de 
forma regular e com direcção 
definida em planos paralelos 
A Mica cliva facilmente segundo lâminas paralelas 
(desfaz-se facilmente em lâminas).
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
D – Clivagem 
Romboédrica - Calcite 
Octaédrica - Fluorite 
Cúbica - Galena
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
Alguns minerais ao 
partirem-se 
apresentam sempre 
superfícies irregulares.
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
Exemplo: 
Quartzo com fratura concoidal
É a maior ou menor resistência que o mineral apresenta ao ser 
riscado. 
Para a classificação 
utiliza-se a escala de 
Mohs, que utiliza como 
parâmetros a dureza de 
minerais comuns, 
variando de 1 até 10.
Mohs
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
Constituída por 10 minerais ordenados por ordem crescente de 
dureza.
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
Ensaios Preliminares 
 Se é riscado pela unha, tem dureza 1 ou 2; 
 É riscado pelo gesso tem dureza entre 1 e 2; 
 Não é riscado pela unha, a sua dureza é superior a 2. (…)
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
Ensaios 
Preliminares 
permitem delimitar as 
zonas da escala em que a 
dureza do mineral em 
estudo deve situar-se; 
-evita a deteorização 
rápida dos termos 
menos duros da Escala 
de Mohs; 
- abrevia o processo 
de determinação da 
dureza. 
Depois inicia-se o 
ensaio pelo termo 
de  dureza.
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
G – Reacção com ácidos 
Efervescência com ácidos. 
Exemplo: calcite, mineral constituído 
por carbonato de cálcio.
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
H – Teste do Sabor salgado
……………………………………………………………………………………Caraterísticas dos Minerais 
I – Magnetismo 
•Propriedade facilmente identificável pela atração exercida 
sobre pequenos fragmentos metálicos: 
Pregos atraídos por uma 
amostra de Magnetite.
IDENTIFICAÇÃO 
Densidade relativa – É o número que indica quantas vezes certo 
volume de mineral é mais pesado que o mesmo volume de água a 4 
ºC. Na maioria dos minerais, a densidade relativa varia entre 2,5 e 3,3. 
Alguns minerais que contém elementos de alto peso atômico (Ba, Sn, 
Pb, Sr, etc. ) apresentam uma densidade superior a 4. 
Cassiteria (SnO2) – 
densidade relativa: 6,8 – 7,1

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação mineralogia
Apresentação mineralogiaApresentação mineralogia
Apresentação mineralogia
Leonardo De Miranda
 
Rochas e minerais
Rochas e mineraisRochas e minerais
Rochas e minerais
s1lv1alouro
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochas
marciotecsoma
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
Eduardo Pereira
 
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraRochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Ana Castro
 
Mineralogia Química
Mineralogia QuímicaMineralogia Química
Mineralogia Química
Francielson Almeida Alves
 
2 minerais
2  minerais2  minerais
2 minerais
margaridabt
 
Textura Inequigranular
Textura InequigranularTextura Inequigranular
Textura Inequigranular
Ezequias Guimaraes
 
Mod. 5 bases e sub-bases
Mod. 5   bases e sub-basesMod. 5   bases e sub-bases
Mod. 5 bases e sub-bases
Dalton Lara Stella
 
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do TacutuGeologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Ezequias Guimaraes
 
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIA
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIARELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIA
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIA
Ezequias Guimaraes
 
Minerais Halogenetos - Halita e Fluorita
Minerais Halogenetos - Halita e FluoritaMinerais Halogenetos - Halita e Fluorita
Minerais Halogenetos - Halita e Fluorita
Marília Isabel Tarnowski Correia
 
Tipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentaresTipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentares
Géssica Santos
 
Os Minerais
Os MineraisOs Minerais
Os Minerais
Catir
 
Fraturas e falhas
Fraturas e falhasFraturas e falhas
Fraturas e falhas
Nome Sobrenome
 
Texturas magmaticas
Texturas magmaticasTexturas magmaticas
Texturas magmaticas
Sandro Roberto Bertei
 
GEOLOGIA DE RORAIMA
GEOLOGIA DE RORAIMAGEOLOGIA DE RORAIMA
GEOLOGIA DE RORAIMA
Ezequias Guimaraes
 
BioGeo11-princípios de estratigrafia
BioGeo11-princípios de estratigrafiaBioGeo11-princípios de estratigrafia
BioGeo11-princípios de estratigrafia
Rita Rainho
 
Aula 7 est. sedimentares e facies geof (1)
Aula 7   est. sedimentares e facies geof (1)Aula 7   est. sedimentares e facies geof (1)
Aula 7 est. sedimentares e facies geof (1)
nathaliaoliveira31945243
 
Geologia de Roraima
Geologia de RoraimaGeologia de Roraima
Geologia de Roraima
Ezequias Guimaraes
 

Mais procurados (20)

Apresentação mineralogia
Apresentação mineralogiaApresentação mineralogia
Apresentação mineralogia
 
Rochas e minerais
Rochas e mineraisRochas e minerais
Rochas e minerais
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochas
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
 
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraRochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
 
Mineralogia Química
Mineralogia QuímicaMineralogia Química
Mineralogia Química
 
2 minerais
2  minerais2  minerais
2 minerais
 
Textura Inequigranular
Textura InequigranularTextura Inequigranular
Textura Inequigranular
 
Mod. 5 bases e sub-bases
Mod. 5   bases e sub-basesMod. 5   bases e sub-bases
Mod. 5 bases e sub-bases
 
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do TacutuGeologia de Roraima - Bacia do Tacutu
Geologia de Roraima - Bacia do Tacutu
 
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIA
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIARELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIA
RELATÓRIO DE ATIVIDADE DE CAMPO DA DISCIPLINA DE ESTRATIGRAFIA
 
Minerais Halogenetos - Halita e Fluorita
Minerais Halogenetos - Halita e FluoritaMinerais Halogenetos - Halita e Fluorita
Minerais Halogenetos - Halita e Fluorita
 
Tipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentaresTipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentares
 
Os Minerais
Os MineraisOs Minerais
Os Minerais
 
Fraturas e falhas
Fraturas e falhasFraturas e falhas
Fraturas e falhas
 
Texturas magmaticas
Texturas magmaticasTexturas magmaticas
Texturas magmaticas
 
GEOLOGIA DE RORAIMA
GEOLOGIA DE RORAIMAGEOLOGIA DE RORAIMA
GEOLOGIA DE RORAIMA
 
BioGeo11-princípios de estratigrafia
BioGeo11-princípios de estratigrafiaBioGeo11-princípios de estratigrafia
BioGeo11-princípios de estratigrafia
 
Aula 7 est. sedimentares e facies geof (1)
Aula 7   est. sedimentares e facies geof (1)Aula 7   est. sedimentares e facies geof (1)
Aula 7 est. sedimentares e facies geof (1)
 
Geologia de Roraima
Geologia de RoraimaGeologia de Roraima
Geologia de Roraima
 

Destaque

2013229232851300quimica inorganica
2013229232851300quimica inorganica2013229232851300quimica inorganica
2013229232851300quimica inorganica
sergioviroli
 
Trabalho de Mineralogia - Limonita
Trabalho de Mineralogia - LimonitaTrabalho de Mineralogia - Limonita
Trabalho de Mineralogia - Limonita
Thiago Meira
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
Marcos Sarto
 
Geologia na engenharia
Geologia na engenhariaGeologia na engenharia
Geologia na engenharia
PublicaTUDO
 
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
Camila Brito
 
Manual do professor editora do brasil 2012
Manual do professor editora do brasil 2012Manual do professor editora do brasil 2012
Manual do professor editora do brasil 2012
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
Arminda Malho
 
Capitulo 03 b nativos e sulfuretos aula
Capitulo 03 b   nativos e sulfuretos aulaCapitulo 03 b   nativos e sulfuretos aula
Capitulo 03 b nativos e sulfuretos aula
tucuzo
 

Destaque (8)

2013229232851300quimica inorganica
2013229232851300quimica inorganica2013229232851300quimica inorganica
2013229232851300quimica inorganica
 
Trabalho de Mineralogia - Limonita
Trabalho de Mineralogia - LimonitaTrabalho de Mineralogia - Limonita
Trabalho de Mineralogia - Limonita
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
 
Geologia na engenharia
Geologia na engenhariaGeologia na engenharia
Geologia na engenharia
 
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
 
Manual do professor editora do brasil 2012
Manual do professor editora do brasil 2012Manual do professor editora do brasil 2012
Manual do professor editora do brasil 2012
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Capitulo 03 b nativos e sulfuretos aula
Capitulo 03 b   nativos e sulfuretos aulaCapitulo 03 b   nativos e sulfuretos aula
Capitulo 03 b nativos e sulfuretos aula
 

Semelhante a Mineralogia

Os Minerais
Os MineraisOs Minerais
Os Minerais
Sérgio Luiz
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
Catir
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
Catir
 
Dinâmica Externa da Terra
Dinâmica Externa da TerraDinâmica Externa da Terra
Dinâmica Externa da Terra
catiacsantos
 
Geoquímica sedimentação e intemperismo
Geoquímica   sedimentação e intemperismoGeoquímica   sedimentação e intemperismo
Geoquímica sedimentação e intemperismo
marciotecsoma
 
Minerais: Constituintes básicos das rochas
Minerais: Constituintes básicos das rochasMinerais: Constituintes básicos das rochas
Minerais: Constituintes básicos das rochas
Priscila Gomes
 
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia  2011- 2º semestreApostila completa mineralogia  2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
UNIVERSIDADE GUARULHOS
 
PROPRIEDADES DOS MINERAIS.ppt
PROPRIEDADES DOS MINERAIS.pptPROPRIEDADES DOS MINERAIS.ppt
PROPRIEDADES DOS MINERAIS.ppt
leia7
 
Classificação nineral
Classificação nineralClassificação nineral
Classificação nineral
João Nascimento
 
Prova classificação de rochas e minerais
Prova classificação de rochas e mineraisProva classificação de rochas e minerais
Prova classificação de rochas e minerais
Camila Brito
 
Formação das Rochas Sedimentares
Formação das Rochas SedimentaresFormação das Rochas Sedimentares
Formação das Rochas Sedimentares
Anabela César
 
1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas
Davenil Magri
 
1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas
Davenil Magri
 
Gemologia - Classificação de Minerais e Rochas
Gemologia - Classificação de Minerais e RochasGemologia - Classificação de Minerais e Rochas
Gemologia - Classificação de Minerais e Rochas
Francisco Caetano Caetanodf
 
Apresentação calcário
Apresentação calcárioApresentação calcário
Apresentação calcário
PublicaTUDO
 
Aula minerais
Aula mineraisAula minerais
Aula minerais
Carolina Corrêa
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
Ricardo Sousa
 
Estuda mineralogia geologia cap3
Estuda mineralogia geologia cap3Estuda mineralogia geologia cap3
Estuda mineralogia geologia cap3
Ernani Silva
 
minerais.pptx
minerais.pptxminerais.pptx
minerais.pptx
daniel936004
 
Introdução e uso
Introdução e usoIntrodução e uso
Introdução e uso
BrunaAlves695218
 

Semelhante a Mineralogia (20)

Os Minerais
Os MineraisOs Minerais
Os Minerais
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
 
Dinâmica Externa da Terra
Dinâmica Externa da TerraDinâmica Externa da Terra
Dinâmica Externa da Terra
 
Geoquímica sedimentação e intemperismo
Geoquímica   sedimentação e intemperismoGeoquímica   sedimentação e intemperismo
Geoquímica sedimentação e intemperismo
 
Minerais: Constituintes básicos das rochas
Minerais: Constituintes básicos das rochasMinerais: Constituintes básicos das rochas
Minerais: Constituintes básicos das rochas
 
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia  2011- 2º semestreApostila completa mineralogia  2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
 
PROPRIEDADES DOS MINERAIS.ppt
PROPRIEDADES DOS MINERAIS.pptPROPRIEDADES DOS MINERAIS.ppt
PROPRIEDADES DOS MINERAIS.ppt
 
Classificação nineral
Classificação nineralClassificação nineral
Classificação nineral
 
Prova classificação de rochas e minerais
Prova classificação de rochas e mineraisProva classificação de rochas e minerais
Prova classificação de rochas e minerais
 
Formação das Rochas Sedimentares
Formação das Rochas SedimentaresFormação das Rochas Sedimentares
Formação das Rochas Sedimentares
 
1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas
 
1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas
 
Gemologia - Classificação de Minerais e Rochas
Gemologia - Classificação de Minerais e RochasGemologia - Classificação de Minerais e Rochas
Gemologia - Classificação de Minerais e Rochas
 
Apresentação calcário
Apresentação calcárioApresentação calcário
Apresentação calcário
 
Aula minerais
Aula mineraisAula minerais
Aula minerais
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Estuda mineralogia geologia cap3
Estuda mineralogia geologia cap3Estuda mineralogia geologia cap3
Estuda mineralogia geologia cap3
 
minerais.pptx
minerais.pptxminerais.pptx
minerais.pptx
 
Introdução e uso
Introdução e usoIntrodução e uso
Introdução e uso
 

Mais de Ana Conceição

Conditerra amc
Conditerra amcConditerra amc
Conditerra amc
Ana Conceição
 
Terra conta historia_1 (3)
Terra conta historia_1 (3)Terra conta historia_1 (3)
Terra conta historia_1 (3)
Ana Conceição
 
Terra sistemas1
Terra sistemas1Terra sistemas1
Terra sistemas1
Ana Conceição
 
BioDiversidade
BioDiversidade BioDiversidade
BioDiversidade
Ana Conceição
 
Conditerra
ConditerraConditerra
Conditerra
Ana Conceição
 
Origem da vida cd
Origem da vida cdOrigem da vida cd
Origem da vida cd
Ana Conceição
 
Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)
Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)
Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)
Ana Conceição
 
Vulcanismo
Vulcanismo  Vulcanismo
Vulcanismo
Ana Conceição
 
Matriz 2 7ºd 2014 2015
Matriz 2 7ºd 2014 2015Matriz 2 7ºd 2014 2015
Matriz 2 7ºd 2014 2015
Ana Conceição
 
1 n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)
1  n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)1  n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)
1 n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)
Ana Conceição
 
Paisagensgeolgicas
PaisagensgeolgicasPaisagensgeolgicas
Paisagensgeolgicas
Ana Conceição
 
Cond vida terra
Cond vida terraCond vida terra
Cond vida terra
Ana Conceição
 
Paisagem cársica.
Paisagem cársica.Paisagem cársica.
Paisagem cársica.
Ana Conceição
 
Dinâmica dos ecossistemas.
Dinâmica dos ecossistemas.Dinâmica dos ecossistemas.
Dinâmica dos ecossistemas.
Ana Conceição
 
Unidade1
Unidade1Unidade1
Unidade1
Ana Conceição
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
Ana Conceição
 
Aula 10 sistema reprodutor feminino
Aula 10  sistema reprodutor femininoAula 10  sistema reprodutor feminino
Aula 10 sistema reprodutor feminino
Ana Conceição
 
Aula 9 sistema reprodutor masculino
Aula 9  sistema reprodutor masculinoAula 9  sistema reprodutor masculino
Aula 9 sistema reprodutor masculino
Ana Conceição
 
Noções básicas de hereditariedade
Noções básicas de hereditariedadeNoções básicas de hereditariedade
Noções básicas de hereditariedade
Ana Conceição
 
Manipulação genética aula 25
Manipulação genética   aula 25Manipulação genética   aula 25
Manipulação genética aula 25
Ana Conceição
 

Mais de Ana Conceição (20)

Conditerra amc
Conditerra amcConditerra amc
Conditerra amc
 
Terra conta historia_1 (3)
Terra conta historia_1 (3)Terra conta historia_1 (3)
Terra conta historia_1 (3)
 
Terra sistemas1
Terra sistemas1Terra sistemas1
Terra sistemas1
 
BioDiversidade
BioDiversidade BioDiversidade
BioDiversidade
 
Conditerra
ConditerraConditerra
Conditerra
 
Origem da vida cd
Origem da vida cdOrigem da vida cd
Origem da vida cd
 
Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)
Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)
Conservação em meio urbano ana marta conceição (1)
 
Vulcanismo
Vulcanismo  Vulcanismo
Vulcanismo
 
Matriz 2 7ºd 2014 2015
Matriz 2 7ºd 2014 2015Matriz 2 7ºd 2014 2015
Matriz 2 7ºd 2014 2015
 
1 n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)
1  n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)1  n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)
1 n¡veis de organiza‡æo num ecossistema(1)
 
Paisagensgeolgicas
PaisagensgeolgicasPaisagensgeolgicas
Paisagensgeolgicas
 
Cond vida terra
Cond vida terraCond vida terra
Cond vida terra
 
Paisagem cársica.
Paisagem cársica.Paisagem cársica.
Paisagem cársica.
 
Dinâmica dos ecossistemas.
Dinâmica dos ecossistemas.Dinâmica dos ecossistemas.
Dinâmica dos ecossistemas.
 
Unidade1
Unidade1Unidade1
Unidade1
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
 
Aula 10 sistema reprodutor feminino
Aula 10  sistema reprodutor femininoAula 10  sistema reprodutor feminino
Aula 10 sistema reprodutor feminino
 
Aula 9 sistema reprodutor masculino
Aula 9  sistema reprodutor masculinoAula 9  sistema reprodutor masculino
Aula 9 sistema reprodutor masculino
 
Noções básicas de hereditariedade
Noções básicas de hereditariedadeNoções básicas de hereditariedade
Noções básicas de hereditariedade
 
Manipulação genética aula 25
Manipulação genética   aula 25Manipulação genética   aula 25
Manipulação genética aula 25
 

Último

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 

Último (20)

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 

Mineralogia