SlideShare uma empresa Scribd logo
Geologia para cursos técnicos
Módulo: Introdução à geologia

INTRODUÇÃO À
MINERALOGIA E À
PRETOGRAFIA
Wendell Fabricio (geólogo)
wendellfabricio@gmail.com
geologiaparatecnicos.blogspot.com
Objetivos
1) Conhecer os conceitos de minerais e rochas;
2) Obter noções básicas de cristalografia;
3) Reconhecer as diferentes propriedades dos minerais;
4) Conhecer os diferentes tipos de rochas e entender os
processos genéticos das mesmas;
5) Estudar o ciclo das rochas;
6) Obter noções básicas das características dos tipos de
rochas;
2
O que são minerais e rochas?
Mineral é um corpo natural sólido e
cristalino formado em resultado da interação
de processos físico-químicos em ambientes
geológicos.
Rocha é um agregado sólido que ocorre
naturalmente e é constituído por um ou mais
minerais ou mineralóides.
3
O que são minerais e rochas?

4
O que são minerais e rochas?

5
Sistemas de cristalização
• Os minerais ocorrem geralmente na forma
cristalizada. Todos os materiais cristalizados possuem
arranjo tridimensional ordenado e regular dos átomos
ou íons constituintes, formando retículos atômicos e
iônicos (veja figura no próximo slide). Conforme o
arranjo ordenado, cada cristal apresenta planos de
cristalização específicos.

6
Sistemas de cristalização

Ilustração esquemática de estrutura cristalina de
diamante (A, B, C) e grafita (D, E, F).

7
Sistemas de cristalização
Veja abaixo os seis prinicipais sistemas de
cristalizações existentes e alguns exemplos de
minerais
Sistemas de cristalização
Ilustração esquemática de
forma fundamental dos seis
sistemas cristalinas: A)
isotrópico; B) tetragonal; C)
ortorrômbico; D) monoclínico;
E) triclínico; F) hexagonal.
Propriedades físicas dos minerais
Cada mineral possui suas
propriedades físicas específicas. As
propriedades físicas podem ser
examinadas com auxílio de
instrumentos simples, tais como
lupa, canivete, agulha, imã, etc.
Desta forma, são importantes para
a identificação rápida de minerais.
Algumas das principais
propriedades físicas dos minerais

são:
1) Clivagem
2) Fratura
3) Dureza
4) Peso específico
5) Brilho
6) Traço ou risca
7) Magnetismo
10
Clivagem e fratura
Quando minerais são submetidos
a uma força externa destrutiva,
como um forte impacto por um
martelo, estes se rompem.
Existem várias maneiras de
rompimento físico, ou seja
desintegração mecânica, no qual,
clivagem, partição e fratura são
típicos.

Quatro diferentes tipos de clivagem e seus
exemplos de minerais
11
Clivagem e fratura

Ao lado: Ilustração esquemática de clivagem
desenvolvida em: A) uma direção de muscovita; B)
duas direções de ortopiroxênio; C) três direções de
calcita.

12
Dureza
• A dureza no sentido mineralógico corresponde a um
parâmetro de resistência mecânica da superfície dos
minerais. Quanto maior for força de interligação entre os
átomos constituintes, tanto maior será a dureza. A dureza
do mineral é definida através de ensaios de risco entre dois
minerais, isto é, quando a superfície de um mineral é
riscada por um outro mineral ou não. Em 1832, Mohs
apresentou uma escala com 10 minerais padrões,
denominada de escala Mohs.
13
Dureza

14
Brilho
O brilho é a aparência geral na superfície dos minerais à luz refletida. Esta
propriedade é fácil de ser observada à olho nu ou à lupa. As expressões mais
utilizadas são brilho metálico e não metálico

Pirita: exemplo de brilho metálico

Quartzo: exemplo de brilho não-metálico
Traço ou Risca
A cor de traço aparece quando o mineral a ser examinado é esfregado
sobre uma superfície bruta (não polida e não coberta) de uma placa de
porcelana. O traço é a cor do risco que fica sobre a porcelana.

16
Peso específico
O peso específico (g/cm3) – também chamado de densidade
relativa - de cada mineral depende da sua composição química e
estrutura cristalina.

17
Magnetismo
Minerais magnéticos são minerais que, em seu estado natural, são
atraídos por um imã. Normalmente em rochas ígneas e metamórficas.
A Magnetita (Fe3O4) - óxido de ferro e a Pirrotita (Fe(1 - x)S) são os
dois minerais magnéticos comuns.

Magnetita

18
As rochas
Existem três tipos de rochas, de acordo com sua gênese (modo como
se formaram):

• Rochas Ígneas (ou Magmáticas);
• Rochas Metamórficas;
• Rochas Sedimentares.

19
Rochas Ígneas
As rochas ígneas (do latim ignis, fogo) são também conhecidas como
rochas magmáticas. Elas são formadas pela solidificação (cristalização) do
magma, que é um líquido com alta temperatura, em torno de 700 a 1200oC,
proveniente do interior da Terra.
As rochas ígneas podem conter jazidas de vários metais (ouro, platina,
cobre, estanho, etc.) e trazem à superfície do planeta importantes
informações sobre as regiões profundas da crosta e do manto terrestre.
O tamanho dos cristais das rochas ígneas é, em geral, proporcional ao
tempo de resfriamento do magma, isto é, quanto mais lenta for a
cristalização de um magma, maiores são os cristais formados e vice-versa.
20
Rochas Ígneas
Magmas cristalizados a grandes profundidades no interior da
crosta esfriam lentamente, possibilitando que seus cristais se
desenvolvam até atingir tamanhos visíveis a olho nu (>> 1 mm). Rochas
ígneas deste tipo são denominadas rochas plutônicas, como por
exemplo o granito.
Nos vulcões, o magma (lava) atinge a superfície da crosta e entra
em contato com a temperatura ambiente, resfriando-se muito
rapidamente. Como a solificação é praticamente instantânea, os cristais
não têm tempo para se desenvolver, sendo portanto muito pequenos,
invisíveis a olho nu (<<1mm). Rochas deste tipo são denominadas
rochas vulcânicas, como o basalto.
21
Rochas Sedimentares
As rochas sedimentares são o produto de uma cadeia de
processos que ocorrem na superfície do planeta e se iniciam pelo
intemperismo das rochas expostas à atmosfera.
As rochas intemperisadas perdem sua coesão e passam a ser
erodidas e transportadas por diferentes agentes (água, gelo, vento,
gravidade), até sua sedimentação em depressões da crosta terrestre,
denominadas bacias sedimentares. A transformação dos sedimentos
inconsolidados (p. ex. areia) em rochas sedimentares (p. ex. arenito) é
denominada diagênese, sendo causada por compactação e cristalização
de materiais que cimentam os grãos dos sedimentos.
22
Rochas Sedimentares
As rochas sedimentares fornecem importantes informações sobre as
variações ambientais ao longo do tempo geológico. Os fósseis, que são
vestígios de seres vivos antigos preservados nestas rochas, são a chave para
a compreensão da origem e evolução da vida.
A importância econômica das rochas sedimentares está em conterem,
em determinadas situações, petróleo, gás natural e carvão mineral, que são
as principais fontes de energia do mundo moderno.
As rochas sedimentares formadas pela acumulação de fragmentos de
minerais ou de rochas intemperizadas são denominadas rochas clásticas ou
detríticas, como o arenito. Existem também rochas sedimentares formadas
pela precipitação de sais a partir de soluções aquosas saturadas (p. ex.
evaporito) ou pela atividade de organismos em ambientes marinhos (p. ex.
calcário), sendo denominadas rochas não-clásticas ou químicas.
23
Rochas Sedimentares

24
Rochas Ígneas
Diagrama
mostrando
dois
diferentes tipos de
rochas ígneas: As
rochas vulcânicas
(ex.: Basalto) e as
rochas plutônicas
(ex.: Granito)

25
Rochas Metamórficas
As rochas metamórficas são o produto da transformação de
qualquer tipo de rocha, quando esta é levada a um ambiente onde as
condições físicas (pressão, temperatura) são muito distintas daquelas
onde ela se formou. Nestes ambientes, os minerais podem se tornar
instáveis e reagir formando outros minerais, estáveis nas condições
vigentes.
Como os minerais são estáveis em campos definidos de pressão
e temperatura, a identificação de minerais das rochas metamórficas
permite reconhecer as condições físicas em que ocorreu o
metamorfismo.
26
Rochas Metamórficas
O estudo das rochas metamórficas permite identificar grandes
eventos geotectônicos ocorridos no passado, fundamentais para o
entendimento da atual configuração dos continentes.
As cadeias de montanhas (por exemplo Andes, Alpes, Himalaias) são
grandes deformações da crosta terrestre, causados pelas colisões de placas
tectônicas. As elevadas pressões e temperaturas existentes no interior das
cadeias de montanhas durante sua edificação são o principal mecanismo
formador de rochas metamórficas.
O metamorfismo pode ocorrer também em outras situações, ao longo
de planos de deslocamentos de grandes blocos de rocha (alta pressão) ou
nas imediações de grandes volumes de magmas, devido à dissipação de calor
(alta temperatura).
27
Rochas Metamórficas

28
Rochas Metamórficas

29
Ciclo das rochas

30
Referências bibliográficas
• Akirisa Motoki; Mineralogia e Petrologia para iniciantes –
Universidade Estadual do Rio de Janeiro (apostila didática de apoio ao
curso), 2003 – não publicada
• Press, Siever, Grotzinger e Jordan; Para Entender a Terra - Bookman.
Porto Alegre, 2006
• http://www.unb.br/ig/glossario
• Lenz, V. & Amaral, S. E; Geologia Geral - Cia Editora Nacional, 1978

31

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2 minerais
2  minerais2  minerais
2 minerais
margaridabt
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
professoraIsabel
 
2 as rochas
2   as rochas2   as rochas
2 as rochas
margaridabt
 
Introducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografiaIntroducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografia
Wendell Fabrício
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
Catir
 
Rochas metamórficas viii
Rochas metamórficas  viiiRochas metamórficas  viii
Rochas metamórficas viii
Isabel Henriques
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
Catir
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
s1lv1alouro
 
Manual de Mineralogia I
Manual de Mineralogia IManual de Mineralogia I
Manual de Mineralogia I
Gabriela Leal
 
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraRochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Ana Castro
 
Aula 4 petrologia
Aula 4   petrologiaAula 4   petrologia
Aula 4 petrologia
Jadson Belem de Moura
 
Os Minerais
Os MineraisOs Minerais
Os Minerais
Catir
 
Análise Estrutural - Geologia Estrutural
Análise Estrutural - Geologia EstruturalAnálise Estrutural - Geologia Estrutural
Análise Estrutural - Geologia Estrutural
Alesson Guirra
 
Aula 3 Intemperismo
Aula 3    IntemperismoAula 3    Intemperismo
Aula 3 Intemperismo
kelvilyn franco
 
5 rochas magmáticas
5  rochas magmáticas5  rochas magmáticas
5 rochas magmáticas
margaridabt
 
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICASIX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
Sandra Nascimento
 
7 rochas metamórficas
7   rochas metamórficas7   rochas metamórficas
7 rochas metamórficas
margaridabt
 
Aula 02 geologia geral - minerais e rochas
Aula 02   geologia geral - minerais e rochasAula 02   geologia geral - minerais e rochas
Aula 02 geologia geral - minerais e rochas
Omar Salhuana
 
Formação das Rochas Sedimentares
Formação das Rochas SedimentaresFormação das Rochas Sedimentares
Formação das Rochas Sedimentares
Anabela César
 
6 dobras e falhas
6   dobras e falhas6   dobras e falhas
6 dobras e falhas
margaridabt
 

Mais procurados (20)

2 minerais
2  minerais2  minerais
2 minerais
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
 
2 as rochas
2   as rochas2   as rochas
2 as rochas
 
Introducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografiaIntroducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografia
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
 
Rochas metamórficas viii
Rochas metamórficas  viiiRochas metamórficas  viii
Rochas metamórficas viii
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Manual de Mineralogia I
Manual de Mineralogia IManual de Mineralogia I
Manual de Mineralogia I
 
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraRochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
 
Aula 4 petrologia
Aula 4   petrologiaAula 4   petrologia
Aula 4 petrologia
 
Os Minerais
Os MineraisOs Minerais
Os Minerais
 
Análise Estrutural - Geologia Estrutural
Análise Estrutural - Geologia EstruturalAnálise Estrutural - Geologia Estrutural
Análise Estrutural - Geologia Estrutural
 
Aula 3 Intemperismo
Aula 3    IntemperismoAula 3    Intemperismo
Aula 3 Intemperismo
 
5 rochas magmáticas
5  rochas magmáticas5  rochas magmáticas
5 rochas magmáticas
 
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICASIX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
 
7 rochas metamórficas
7   rochas metamórficas7   rochas metamórficas
7 rochas metamórficas
 
Aula 02 geologia geral - minerais e rochas
Aula 02   geologia geral - minerais e rochasAula 02   geologia geral - minerais e rochas
Aula 02 geologia geral - minerais e rochas
 
Formação das Rochas Sedimentares
Formação das Rochas SedimentaresFormação das Rochas Sedimentares
Formação das Rochas Sedimentares
 
6 dobras e falhas
6   dobras e falhas6   dobras e falhas
6 dobras e falhas
 

Destaque

Apresentação mineralogia
Apresentação mineralogiaApresentação mineralogia
Apresentação mineralogia
Leonardo De Miranda
 
Propriedade dos Minerais
Propriedade dos MineraisPropriedade dos Minerais
Propriedade dos Minerais
Ana Paula Vieira Silva
 
Mineralogia Química
Mineralogia QuímicaMineralogia Química
Mineralogia Química
Francielson Almeida Alves
 
2013229232851300quimica inorganica
2013229232851300quimica inorganica2013229232851300quimica inorganica
2013229232851300quimica inorganica
sergioviroli
 
Aula mineralogia fisica (1)
Aula mineralogia fisica (1)Aula mineralogia fisica (1)
Aula mineralogia fisica (1)
Rakel Angel
 
Geologia na engenharia
Geologia na engenhariaGeologia na engenharia
Geologia na engenharia
PublicaTUDO
 
Minerais e suas propriedades
Minerais e suas propriedadesMinerais e suas propriedades
Minerais e suas propriedades
joanatxr
 
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia  2011- 2º semestreApostila completa mineralogia  2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
UNIVERSIDADE GUARULHOS
 
Granfinale
GranfinaleGranfinale
Granfinale
Thiago Mota
 
Trabalho de Ciencias - Hidrogênio 9°ano
Trabalho de Ciencias - Hidrogênio 9°anoTrabalho de Ciencias - Hidrogênio 9°ano
Trabalho de Ciencias - Hidrogênio 9°ano
Rafael Fernandes
 
Mineralogia
MineralogiaMineralogia
Mineralogia
Ana Conceição
 
Trabalho de Mineralogia - Limonita
Trabalho de Mineralogia - LimonitaTrabalho de Mineralogia - Limonita
Trabalho de Mineralogia - Limonita
Thiago Meira
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
Marcos Sarto
 
Plantas De Timor Leste
Plantas De Timor   LestePlantas De Timor   Leste
Lista de los minerales magnéticos
Lista de los minerales magnéticosLista de los minerales magnéticos
Lista de los minerales magnéticos
UO
 
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
Camila Brito
 
Cristalografia
CristalografiaCristalografia
Cristalografia
Fragoso Josue Muhae
 
Classificação taxonômica
Classificação taxonômicaClassificação taxonômica
Classificação taxonômica
unesp
 
03. .concentracion.magnetica
03. .concentracion.magnetica03. .concentracion.magnetica
03. .concentracion.magnetica
Chriss Salazar
 
VIII - MINERAIS
VIII - MINERAISVIII - MINERAIS
VIII - MINERAIS
Sandra Nascimento
 

Destaque (20)

Apresentação mineralogia
Apresentação mineralogiaApresentação mineralogia
Apresentação mineralogia
 
Propriedade dos Minerais
Propriedade dos MineraisPropriedade dos Minerais
Propriedade dos Minerais
 
Mineralogia Química
Mineralogia QuímicaMineralogia Química
Mineralogia Química
 
2013229232851300quimica inorganica
2013229232851300quimica inorganica2013229232851300quimica inorganica
2013229232851300quimica inorganica
 
Aula mineralogia fisica (1)
Aula mineralogia fisica (1)Aula mineralogia fisica (1)
Aula mineralogia fisica (1)
 
Geologia na engenharia
Geologia na engenhariaGeologia na engenharia
Geologia na engenharia
 
Minerais e suas propriedades
Minerais e suas propriedadesMinerais e suas propriedades
Minerais e suas propriedades
 
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia  2011- 2º semestreApostila completa mineralogia  2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
 
Granfinale
GranfinaleGranfinale
Granfinale
 
Trabalho de Ciencias - Hidrogênio 9°ano
Trabalho de Ciencias - Hidrogênio 9°anoTrabalho de Ciencias - Hidrogênio 9°ano
Trabalho de Ciencias - Hidrogênio 9°ano
 
Mineralogia
MineralogiaMineralogia
Mineralogia
 
Trabalho de Mineralogia - Limonita
Trabalho de Mineralogia - LimonitaTrabalho de Mineralogia - Limonita
Trabalho de Mineralogia - Limonita
 
Geologia
GeologiaGeologia
Geologia
 
Plantas De Timor Leste
Plantas De Timor   LestePlantas De Timor   Leste
Plantas De Timor Leste
 
Lista de los minerales magnéticos
Lista de los minerales magnéticosLista de los minerales magnéticos
Lista de los minerales magnéticos
 
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
 
Cristalografia
CristalografiaCristalografia
Cristalografia
 
Classificação taxonômica
Classificação taxonômicaClassificação taxonômica
Classificação taxonômica
 
03. .concentracion.magnetica
03. .concentracion.magnetica03. .concentracion.magnetica
03. .concentracion.magnetica
 
VIII - MINERAIS
VIII - MINERAISVIII - MINERAIS
VIII - MINERAIS
 

Semelhante a Introducão à mineralogia e a petrografia

Dinâmica externa da terra
Dinâmica externa da terraDinâmica externa da terra
Dinâmica externa da terra
Sara Viana
 
Rochas e sua importância
Rochas e sua importânciaRochas e sua importância
Rochas e sua importância
Evandro Vilas Boas Coelho
 
Rochas
RochasRochas
01 paisagens geológicas e minerais das rochas
01 paisagens geológicas e minerais das rochas01 paisagens geológicas e minerais das rochas
01 paisagens geológicas e minerais das rochas
Sabina Tique
 
As rochas, arquivos da história da Terra
As rochas, arquivos da história da TerraAs rochas, arquivos da história da Terra
As rochas, arquivos da história da Terra
Marta Espada
 
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
Ap 2   rochas, arquivos da h  da terraAp 2   rochas, arquivos da h  da terra
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
essg
 
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
Ap 2   rochas, arquivos da h  da terraAp 2   rochas, arquivos da h  da terra
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
essg
 
Ciclo das rochas 4
Ciclo das rochas 4Ciclo das rochas 4
Ciclo das rochas 4
YagoVerling
 
Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)
Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)
Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)
Homero Alves de Lima
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
ISPGAYA
 
noções sobre geologia
noções sobre geologianoções sobre geologia
noções sobre geologia
nayara moraes
 
Resumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º anoResumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º ano
Rita Pereira
 
constituiçao das rochas
constituiçao das rochasconstituiçao das rochas
constituiçao das rochas
radassa aly
 
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
Nefer19
 
1 Aula formaçao das rochas.pptx
1 Aula formaçao das rochas.pptx1 Aula formaçao das rochas.pptx
1 Aula formaçao das rochas.pptx
Sergio Luis Baraldi
 
Minerais e rochas
Minerais e rochasMinerais e rochas
Minerais e rochas
karolpoa
 
Exploração das imagens
Exploração das imagensExploração das imagens
Exploração das imagens
Sandra Marques
 
Rochas/Possíveis assuntos para prova do Enem!
Rochas/Possíveis assuntos para prova do Enem!Rochas/Possíveis assuntos para prova do Enem!
Rochas/Possíveis assuntos para prova do Enem!
Joemille Leal
 
Universo
UniversoUniverso
Universo
Hugo Alves
 
Geo tema iv - pp6 - meteorização
Geo   tema iv - pp6 - meteorizaçãoGeo   tema iv - pp6 - meteorização
Geo tema iv - pp6 - meteorização
Rui Magalhães
 

Semelhante a Introducão à mineralogia e a petrografia (20)

Dinâmica externa da terra
Dinâmica externa da terraDinâmica externa da terra
Dinâmica externa da terra
 
Rochas e sua importância
Rochas e sua importânciaRochas e sua importância
Rochas e sua importância
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
 
01 paisagens geológicas e minerais das rochas
01 paisagens geológicas e minerais das rochas01 paisagens geológicas e minerais das rochas
01 paisagens geológicas e minerais das rochas
 
As rochas, arquivos da história da Terra
As rochas, arquivos da história da TerraAs rochas, arquivos da história da Terra
As rochas, arquivos da história da Terra
 
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
Ap 2   rochas, arquivos da h  da terraAp 2   rochas, arquivos da h  da terra
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
 
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
Ap 2   rochas, arquivos da h  da terraAp 2   rochas, arquivos da h  da terra
Ap 2 rochas, arquivos da h da terra
 
Ciclo das rochas 4
Ciclo das rochas 4Ciclo das rochas 4
Ciclo das rochas 4
 
Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)
Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)
Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
 
noções sobre geologia
noções sobre geologianoções sobre geologia
noções sobre geologia
 
Resumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º anoResumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º ano
 
constituiçao das rochas
constituiçao das rochasconstituiçao das rochas
constituiçao das rochas
 
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
A Terra e suas Transformações - 6º Ano (2017)
 
1 Aula formaçao das rochas.pptx
1 Aula formaçao das rochas.pptx1 Aula formaçao das rochas.pptx
1 Aula formaçao das rochas.pptx
 
Minerais e rochas
Minerais e rochasMinerais e rochas
Minerais e rochas
 
Exploração das imagens
Exploração das imagensExploração das imagens
Exploração das imagens
 
Rochas/Possíveis assuntos para prova do Enem!
Rochas/Possíveis assuntos para prova do Enem!Rochas/Possíveis assuntos para prova do Enem!
Rochas/Possíveis assuntos para prova do Enem!
 
Universo
UniversoUniverso
Universo
 
Geo tema iv - pp6 - meteorização
Geo   tema iv - pp6 - meteorizaçãoGeo   tema iv - pp6 - meteorização
Geo tema iv - pp6 - meteorização
 

Mais de Wendell Fabrício

Graziella semin au-turmalinaqf
Graziella semin au-turmalinaqfGraziella semin au-turmalinaqf
Graziella semin au-turmalinaqf
Wendell Fabrício
 
Intemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologiaIntemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologia
Wendell Fabrício
 
Ch19 terremotos
Ch19 terremotosCh19 terremotos
Ch19 terremotos
Wendell Fabrício
 
O tempo geológico
O tempo geológicoO tempo geológico
O tempo geológico
Wendell Fabrício
 
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçaoContituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Wendell Fabrício
 
A tectônica de placas
A tectônica de placasA tectônica de placas
A tectônica de placas
Wendell Fabrício
 
Vulcanismo e plutonismo
Vulcanismo e plutonismoVulcanismo e plutonismo
Vulcanismo e plutonismo
Wendell Fabrício
 
A tectônica de placas
A tectônica de placasA tectônica de placas
A tectônica de placas
Wendell Fabrício
 
O tempo geológico
O tempo geológicoO tempo geológico
O tempo geológico
Wendell Fabrício
 
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçaoContituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Wendell Fabrício
 
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçaoContituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Wendell Fabrício
 

Mais de Wendell Fabrício (11)

Graziella semin au-turmalinaqf
Graziella semin au-turmalinaqfGraziella semin au-turmalinaqf
Graziella semin au-turmalinaqf
 
Intemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologiaIntemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologia
 
Ch19 terremotos
Ch19 terremotosCh19 terremotos
Ch19 terremotos
 
O tempo geológico
O tempo geológicoO tempo geológico
O tempo geológico
 
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçaoContituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
 
A tectônica de placas
A tectônica de placasA tectônica de placas
A tectônica de placas
 
Vulcanismo e plutonismo
Vulcanismo e plutonismoVulcanismo e plutonismo
Vulcanismo e plutonismo
 
A tectônica de placas
A tectônica de placasA tectônica de placas
A tectônica de placas
 
O tempo geológico
O tempo geológicoO tempo geológico
O tempo geológico
 
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçaoContituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
 
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçaoContituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
Contituicao geral do planeta terra e sua história de formaçao
 

Último

Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 

Último (20)

Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 

Introducão à mineralogia e a petrografia

  • 1. Geologia para cursos técnicos Módulo: Introdução à geologia INTRODUÇÃO À MINERALOGIA E À PRETOGRAFIA Wendell Fabricio (geólogo) wendellfabricio@gmail.com geologiaparatecnicos.blogspot.com
  • 2. Objetivos 1) Conhecer os conceitos de minerais e rochas; 2) Obter noções básicas de cristalografia; 3) Reconhecer as diferentes propriedades dos minerais; 4) Conhecer os diferentes tipos de rochas e entender os processos genéticos das mesmas; 5) Estudar o ciclo das rochas; 6) Obter noções básicas das características dos tipos de rochas; 2
  • 3. O que são minerais e rochas? Mineral é um corpo natural sólido e cristalino formado em resultado da interação de processos físico-químicos em ambientes geológicos. Rocha é um agregado sólido que ocorre naturalmente e é constituído por um ou mais minerais ou mineralóides. 3
  • 4. O que são minerais e rochas? 4
  • 5. O que são minerais e rochas? 5
  • 6. Sistemas de cristalização • Os minerais ocorrem geralmente na forma cristalizada. Todos os materiais cristalizados possuem arranjo tridimensional ordenado e regular dos átomos ou íons constituintes, formando retículos atômicos e iônicos (veja figura no próximo slide). Conforme o arranjo ordenado, cada cristal apresenta planos de cristalização específicos. 6
  • 7. Sistemas de cristalização Ilustração esquemática de estrutura cristalina de diamante (A, B, C) e grafita (D, E, F). 7
  • 8. Sistemas de cristalização Veja abaixo os seis prinicipais sistemas de cristalizações existentes e alguns exemplos de minerais
  • 9. Sistemas de cristalização Ilustração esquemática de forma fundamental dos seis sistemas cristalinas: A) isotrópico; B) tetragonal; C) ortorrômbico; D) monoclínico; E) triclínico; F) hexagonal.
  • 10. Propriedades físicas dos minerais Cada mineral possui suas propriedades físicas específicas. As propriedades físicas podem ser examinadas com auxílio de instrumentos simples, tais como lupa, canivete, agulha, imã, etc. Desta forma, são importantes para a identificação rápida de minerais. Algumas das principais propriedades físicas dos minerais são: 1) Clivagem 2) Fratura 3) Dureza 4) Peso específico 5) Brilho 6) Traço ou risca 7) Magnetismo 10
  • 11. Clivagem e fratura Quando minerais são submetidos a uma força externa destrutiva, como um forte impacto por um martelo, estes se rompem. Existem várias maneiras de rompimento físico, ou seja desintegração mecânica, no qual, clivagem, partição e fratura são típicos. Quatro diferentes tipos de clivagem e seus exemplos de minerais 11
  • 12. Clivagem e fratura Ao lado: Ilustração esquemática de clivagem desenvolvida em: A) uma direção de muscovita; B) duas direções de ortopiroxênio; C) três direções de calcita. 12
  • 13. Dureza • A dureza no sentido mineralógico corresponde a um parâmetro de resistência mecânica da superfície dos minerais. Quanto maior for força de interligação entre os átomos constituintes, tanto maior será a dureza. A dureza do mineral é definida através de ensaios de risco entre dois minerais, isto é, quando a superfície de um mineral é riscada por um outro mineral ou não. Em 1832, Mohs apresentou uma escala com 10 minerais padrões, denominada de escala Mohs. 13
  • 15. Brilho O brilho é a aparência geral na superfície dos minerais à luz refletida. Esta propriedade é fácil de ser observada à olho nu ou à lupa. As expressões mais utilizadas são brilho metálico e não metálico Pirita: exemplo de brilho metálico Quartzo: exemplo de brilho não-metálico
  • 16. Traço ou Risca A cor de traço aparece quando o mineral a ser examinado é esfregado sobre uma superfície bruta (não polida e não coberta) de uma placa de porcelana. O traço é a cor do risco que fica sobre a porcelana. 16
  • 17. Peso específico O peso específico (g/cm3) – também chamado de densidade relativa - de cada mineral depende da sua composição química e estrutura cristalina. 17
  • 18. Magnetismo Minerais magnéticos são minerais que, em seu estado natural, são atraídos por um imã. Normalmente em rochas ígneas e metamórficas. A Magnetita (Fe3O4) - óxido de ferro e a Pirrotita (Fe(1 - x)S) são os dois minerais magnéticos comuns. Magnetita 18
  • 19. As rochas Existem três tipos de rochas, de acordo com sua gênese (modo como se formaram): • Rochas Ígneas (ou Magmáticas); • Rochas Metamórficas; • Rochas Sedimentares. 19
  • 20. Rochas Ígneas As rochas ígneas (do latim ignis, fogo) são também conhecidas como rochas magmáticas. Elas são formadas pela solidificação (cristalização) do magma, que é um líquido com alta temperatura, em torno de 700 a 1200oC, proveniente do interior da Terra. As rochas ígneas podem conter jazidas de vários metais (ouro, platina, cobre, estanho, etc.) e trazem à superfície do planeta importantes informações sobre as regiões profundas da crosta e do manto terrestre. O tamanho dos cristais das rochas ígneas é, em geral, proporcional ao tempo de resfriamento do magma, isto é, quanto mais lenta for a cristalização de um magma, maiores são os cristais formados e vice-versa. 20
  • 21. Rochas Ígneas Magmas cristalizados a grandes profundidades no interior da crosta esfriam lentamente, possibilitando que seus cristais se desenvolvam até atingir tamanhos visíveis a olho nu (>> 1 mm). Rochas ígneas deste tipo são denominadas rochas plutônicas, como por exemplo o granito. Nos vulcões, o magma (lava) atinge a superfície da crosta e entra em contato com a temperatura ambiente, resfriando-se muito rapidamente. Como a solificação é praticamente instantânea, os cristais não têm tempo para se desenvolver, sendo portanto muito pequenos, invisíveis a olho nu (<<1mm). Rochas deste tipo são denominadas rochas vulcânicas, como o basalto. 21
  • 22. Rochas Sedimentares As rochas sedimentares são o produto de uma cadeia de processos que ocorrem na superfície do planeta e se iniciam pelo intemperismo das rochas expostas à atmosfera. As rochas intemperisadas perdem sua coesão e passam a ser erodidas e transportadas por diferentes agentes (água, gelo, vento, gravidade), até sua sedimentação em depressões da crosta terrestre, denominadas bacias sedimentares. A transformação dos sedimentos inconsolidados (p. ex. areia) em rochas sedimentares (p. ex. arenito) é denominada diagênese, sendo causada por compactação e cristalização de materiais que cimentam os grãos dos sedimentos. 22
  • 23. Rochas Sedimentares As rochas sedimentares fornecem importantes informações sobre as variações ambientais ao longo do tempo geológico. Os fósseis, que são vestígios de seres vivos antigos preservados nestas rochas, são a chave para a compreensão da origem e evolução da vida. A importância econômica das rochas sedimentares está em conterem, em determinadas situações, petróleo, gás natural e carvão mineral, que são as principais fontes de energia do mundo moderno. As rochas sedimentares formadas pela acumulação de fragmentos de minerais ou de rochas intemperizadas são denominadas rochas clásticas ou detríticas, como o arenito. Existem também rochas sedimentares formadas pela precipitação de sais a partir de soluções aquosas saturadas (p. ex. evaporito) ou pela atividade de organismos em ambientes marinhos (p. ex. calcário), sendo denominadas rochas não-clásticas ou químicas. 23
  • 25. Rochas Ígneas Diagrama mostrando dois diferentes tipos de rochas ígneas: As rochas vulcânicas (ex.: Basalto) e as rochas plutônicas (ex.: Granito) 25
  • 26. Rochas Metamórficas As rochas metamórficas são o produto da transformação de qualquer tipo de rocha, quando esta é levada a um ambiente onde as condições físicas (pressão, temperatura) são muito distintas daquelas onde ela se formou. Nestes ambientes, os minerais podem se tornar instáveis e reagir formando outros minerais, estáveis nas condições vigentes. Como os minerais são estáveis em campos definidos de pressão e temperatura, a identificação de minerais das rochas metamórficas permite reconhecer as condições físicas em que ocorreu o metamorfismo. 26
  • 27. Rochas Metamórficas O estudo das rochas metamórficas permite identificar grandes eventos geotectônicos ocorridos no passado, fundamentais para o entendimento da atual configuração dos continentes. As cadeias de montanhas (por exemplo Andes, Alpes, Himalaias) são grandes deformações da crosta terrestre, causados pelas colisões de placas tectônicas. As elevadas pressões e temperaturas existentes no interior das cadeias de montanhas durante sua edificação são o principal mecanismo formador de rochas metamórficas. O metamorfismo pode ocorrer também em outras situações, ao longo de planos de deslocamentos de grandes blocos de rocha (alta pressão) ou nas imediações de grandes volumes de magmas, devido à dissipação de calor (alta temperatura). 27
  • 31. Referências bibliográficas • Akirisa Motoki; Mineralogia e Petrologia para iniciantes – Universidade Estadual do Rio de Janeiro (apostila didática de apoio ao curso), 2003 – não publicada • Press, Siever, Grotzinger e Jordan; Para Entender a Terra - Bookman. Porto Alegre, 2006 • http://www.unb.br/ig/glossario • Lenz, V. & Amaral, S. E; Geologia Geral - Cia Editora Nacional, 1978 31

Notas do Editor

  1. http://pt.wikipedia.org/wiki/Mineral
  2. Mineralogia e Petrologia para Iniciantes