SlideShare uma empresa Scribd logo
GEOLOGIA
Professora Carolina Corrêa
Minerais e principais características.
Conteúdos
Compreende o que é um mineral;
Identificar as principais características;
Objetivos
Minerais: Constituintes Básicos
das Rochas
Substância encontrada na natureza;
Os átomos que os compõem estão dispostos
em um arranjo tridimensional ordenado e
repetitivo;
Substância cristalina sólida;
Geralmente inorgânicos.
Definição
calcita
Uma rocha é uma mistura complexa de
um ou diversos minerais. Alguns minerais,
como o quartzo, a mica ou o talco
apresentam uma vasta distribuição
geográfica, enquanto outros ocorrem de
forma muito restrita.
Pondere-se a diferença de abundância
entre o quartzo e o diamante, sendo certo
que este último é um dos minerais mais
raros.
Cada mineral é classificado e
denominado não apenas com base na sua
composição química, mas também na
estrutura cristalina dos materiais que o
compõem. Sendo assim, materiais com a
mesma composição química podem
constituir minerais totalmente distintos em
resultado de meras diferenças estruturais na
forma como os seus átomos ou moléculas
se arranjam espacialmente (como por
exemplo a grafite e o diamante).
Fonte: http://grafitecarbono.blogspot.com.br/2011/01/inicio.html
Cristalização – crescimento de
um sólido a partir de um gás ou
líquido de forma organizada
(segundo arranjos
tridimensionais).
Precipitação – quando líquidos
de uma solução evaporam -
solução fica saturada - ocorre
precipitação.
Depósito de halita precipitado, a camada
preta é de matéria orgânica.
Como se Formam os Minerais
Minerais
formadores de
rochas
Embora se conheça milhares de minerais,
apenas um número reduzido (pouco mais de
30), são os principais constituintes da maioria
das rochas crustais.
Esses minerais foram separados em
classes de acordo com suas características
químicas.
Os minerais podem ser classificados
de acordo com sua composição química e
são listados abaixo na ordem aproximada
de abundância na crosta terrestre.
Classificação química dos minerais
Silicatos:
São os mais abundantes da crosta,
formados pela combinação de oxigênio (O) e
silício (Si) com cátions de outros elementos como
magnésio, cálcio e ferro.
feldspato
quartzo
Carbonatos
Formados por carbono (C) e oxigênio
(O) na forma de ânion carbonato (CO3)2- e
inclui a calcita e a aragonita (carbonatos
de cálcio), a dolomita (carbonato de
magnésio e cálcio) e a siderita
(carbonato de ferro).
Os carbonatos são geralmente
depositados em ambientes marinhos pouco
profundos, com águas límpidas e quentes,
como por exemplo em mares tropicais e
subtropicais.
Sulfatos
Todos os sulfatos contém o ânion sulfato
na forma SO4. Os sulfatos formam-se
geralmente em ambientes evaporíticos, onde
águas de alta salinidade são lentamente
evaporadas, permitindo a formação de
sulfatos e de halóides na interface entre a
água e o sedimento.
Os sulfatos mais comuns são a anidrita
(sulfato de cálcio), a celestita (sulfato de
estrôncio) e o gesso (sulfato hidratado de
cálcio).
Anidrita (CaSO4)
Gipsita (CaSO42H2O)
Óxidos
Os óxidos constituem um dos grupos
mais importantes de minerais por formarem
minérios dos quais podem ser extraídos
metais. Ocorrem geralmente como
precipitados em depósitos próximo da
superfície, como produtos de oxidação de
outros minerais situados na zona de
alteração cerca da superfície ou ainda como
minerais acessórios das rochas ígneas da
crosta e do manto.
Os óxidos mais comuns incluem a
hematita (óxido de ferro) e a espinela
(óxido de alumínio e magnésio, um
componente comum do manto). São
também incluídos nesta classe os minerais
de hidróxidos.
Hematita
(Fe2O3)
Espinélio
MgAl2O4
Magnetita
(Fe3O4)
Sulfetos
Muitos sulfetos são também
economicamente importantes como
minérios metálicos, incluindo-se entre os
mais comuns a calcopirita (sulfeto de
cobre e ferro) e a galena (sulfeto de
chumbo). A classe dos sulfetos também
inclui os minerais de selenetos, teluretos,
arsenietos, antimonetos, os bismutinetos e
ainda os sulfossais.
Ex.: pirita (FeS2)
Estrutura cristalina significa o arranjo
espacial de longo alcance em que se
encontram os átomos ou moléculas no mineral.
Na natureza existem 14 arranjos básicos
Estrutura Cristalina
tridimensionais, agrupados
em 7 sistemas de
cristalização distintos, que
permitem descrever os
cristais até agora
encontrados.
Dois ou mais minerais podem ter a
mesma composição química, mas estruturas
cristalinas diferentes, sendo nesse caso
conhecidos como polimorfos do mesmo
composto. Ex.: a pirita e a marcassita são
ambos constituídos por sulfeto de ferro.
Pirita
Marcassita
Alguns minerais têm composições
químicas diferentes, mas a mesma estrutura
cristalina, originando isomorfos. Um exemplo
é a halita, um composto de sódio e a galena,
um sulfeto de chumbo. Compartilham da
mesma estrutura cristalina cúbica.
Halita
Galena
As propriedades físicas dos minerais
resultam da sua composição química e das
suas características estruturais.
São as seguintes as propriedades físicas
(propriedades de campo) macroscópicas, isto é
observáveis sem necessidade de equipamento
sofisticado:
Propriedades Físicas dos Minerais
Cor
É uma característica extremamente
importante dos minerais. Resulta da absorção
seletiva de comprimentos de onda da luz
visível em virtude da presença de elementos
químicos (Fe, Cu, Ni). Pode variar devido a
impurezas existentes em ou a superfície do
mineral pode estar alterada, não mostrando
sua verdadeira cor.
verde a castanho
Pirita
amarelo-ouro
Augita
verde escuro a preto
Jadeíta
esverdeado
Casiterita
Clivagem
Planos de fratura de notável
regularidade, que refletem a presença de
planos de fraqueza em determinadas
direções na estrutura cristalina.
Clivagem da calcita (CaCO3)
Fraturas
Assim como a clivagem, as superfícies
de fratura são controladas pela estrutura
atômica interna do mineral, podem ser
irregulares ou conchoidais.
Fratura tipo conchoidal
Fratura e clivagem: a) fratura conchoidal do quartzo; b) clivagem no
cristal de calcita.
Traço (ou risca)
A cor do pó obtido ao se riscar o
mineral contra uma placa de porcelana é
denominado traço.
A clorite, a gipsita (gesso) e o talco
deixam um traço branco, enquanto o zircão,
Traço vermelho da hematita.
a granada e a estaurolita
deixam, comummente,
um traço castanho
avermelhado.
Dureza
É a resistência que uma superfície lisa
do mineral apresenta ao ser arranhada por
outro material, que pode ser um mineral, um
canivete, a unha, etc.
Esta é uma das mais importantes
propriedades para a identificação de muitos
minerais.
O cientista austríaco F.Mohs idealizou
a Escala de Dureza de Mohs, composta por
10 minerais comuns listados em ordem
crescente de dureza.
1 – Talco;
2 – Gipsita;
3 – Calcita;
4 – Fluorita;
5 – Apatita;
6 – Feldspato;
7 – Quartzo;
8 – Topázio;
9 – Corindon;
10– Diamante.
Tenacidade
A tenacidade uma medida da
resistência do mineral ao ser quebrado,
esmagado, dobrado ou rasgado.
Não é o mesmo que a dureza. Por
exemplo, o diamante possui dureza muito
elevada mas quebra-se relativamente fácil
se sofrer um impacto.
Outro exemplo é o ouro que é dúctil,
isto é, pode ser transformado facilmente em
fios.
Densidade relativa (ou peso específico)
É a relação entre o peso do mineral e o
peso o de um volume igual de água pura.
Magnetismo
Ocorre nos poucos minerais que
devido à sua natureza ferromagnética são
atraídos por um íman. Os exemplos mais
comuns são a magnetita, a pirrotita e outros
com elevado teor de metais que podem ser
magnetizados após aquecimento, como o
manganês, o níquel e o titânio.
Hábito Cristalino
Forma (ou formas) com a qual o
mineral aparece frequentemente na
natureza. Pode ocorrer, por exemplo, como
prismas, cubos, placas, agregados ou
mesmo como grãos sem forma definida.
Muitos minerais mostram um hábito
característico. Por exemplo, cristais de
magnetita (Fe3O4) e de diamante (C) são em
geral octaédricos (duas pirâmides unidas
pela base quadrada).
Fonte: http://www.ige.unicamp.br/site/aulas/30/EstrcrixtII2004.pdf
Diamante
Magnetita
Forma com que seus cristais crescem.
Isométrico = cúbico
Tetragonal
Ortorrômbico
Hexagonal
Trigonal = romboédrico
Monoclínico
Triclínico
Habito prismático
Transparência
Capacidade de permitir a passagem de
luz que divide os minerais em translúcidos
ou opacos.
Brilho
Refere-se ao modo como o material
reflete a luz e pode ser metálico ou não
metálico/vulgar.
Os minerais que refletem 75% da luz
incidente tem brilho metálico.
Vítreo
Topázio
Adamantino
Rutilo
Metálico
Galena
Submetálico
DUREZA: 1
DENSIDADE: 2,8
COR: Branco,esverdeado,amarelo,rosado,gris
BRILHO: Graso a perolado
FRATURA: Perfeita-Irregular
CRISTALIZAÇÃO: Sistema Monoclínico
TRANSPARÊNCIA: Transparente a translúcido
LUMINISCÊNCIA: As vezes verde ou azul
DUREZA: 7
DENSIDADE: 2,65
COR: Incoloro a variadas colorações
BRILHO: Vítreo,sedos,mate
CRISTALIZAÇÃO: Sistema trigonal
TRANSPARÊNCIA: Transparente a translúcido, opaco
GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia:
uma atualização de bases e conceitos. Rio de
Janeiro: Bertrand Brasil, 2. ed., 1995. 472 p.
LEINZ, V.; AMARAL, S. E. Geologia Geral. São
Paulo: Nacional, 1980.
PENTEADO, M.M. Fundamentos de
Geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE, 1974. 185
p.
Referências
TARBUCK, E.;LUTGENS, F.K. Earth Science. New
Jersey: Prentice Hall, 2000.
TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M.C.M.; FAIRCHILD, T.R.;
TAIOLI, F. Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina
de Textos, 2000.
Wikipedia
http://www.mineral-s.com/cuarzo.html
Sites

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2 as rochas
2   as rochas2   as rochas
2 as rochas
margaridabt
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
Catir
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Geo 13 ambientes sedimentares
Geo 13   ambientes sedimentaresGeo 13   ambientes sedimentares
Geo 13 ambientes sedimentares
Nuno Correia
 
Tipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentaresTipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentares
Géssica Santos
 
As rochas ígneas
As rochas ígneasAs rochas ígneas
As rochas ígneas
Marcio Santos
 
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraRochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Ana Castro
 
Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticas
Tânia Reis
 
Análise Estrutural - Geologia Estrutural
Análise Estrutural - Geologia EstruturalAnálise Estrutural - Geologia Estrutural
Análise Estrutural - Geologia Estrutural
Alesson Guirra
 
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
Camila Brito
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
Eduardo Pereira
 
Geo 18 classificação das rochas magmáticas
Geo 18   classificação das rochas magmáticasGeo 18   classificação das rochas magmáticas
Geo 18 classificação das rochas magmáticas
Nuno Correia
 
Aula rochas ígneas 2012.2 gg
Aula rochas ígneas 2012.2 ggAula rochas ígneas 2012.2 gg
Aula rochas ígneas 2012.2 gg
Mauriceia Santana
 
Geoquímica Aula 1
Geoquímica   Aula 1Geoquímica   Aula 1
Geoquímica Aula 1
marciotecsoma
 
Os Minerais
Os MineraisOs Minerais
Os Minerais
Catir
 
Minerais.ppt
Minerais.pptMinerais.ppt
Minerais.ppt
Ana Castro
 
Minerais e rochas
Minerais e rochasMinerais e rochas
Minerais e rochas
karolpoa
 
Geo 6 formação das rochas sedimentares (meteorização)
Geo 6   formação das rochas sedimentares (meteorização)Geo 6   formação das rochas sedimentares (meteorização)
Geo 6 formação das rochas sedimentares (meteorização)
Nuno Correia
 
5 rochas magmáticas
5  rochas magmáticas5  rochas magmáticas
5 rochas magmáticas
margaridabt
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
Tânia Reis
 

Mais procurados (20)

2 as rochas
2   as rochas2   as rochas
2 as rochas
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
 
Geo 13 ambientes sedimentares
Geo 13   ambientes sedimentaresGeo 13   ambientes sedimentares
Geo 13 ambientes sedimentares
 
Tipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentaresTipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentares
 
As rochas ígneas
As rochas ígneasAs rochas ígneas
As rochas ígneas
 
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraRochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
 
Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticas
 
Análise Estrutural - Geologia Estrutural
Análise Estrutural - Geologia EstruturalAnálise Estrutural - Geologia Estrutural
Análise Estrutural - Geologia Estrutural
 
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
GEOLOGIA ESTRUTURAL- AULA 1
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
 
Geo 18 classificação das rochas magmáticas
Geo 18   classificação das rochas magmáticasGeo 18   classificação das rochas magmáticas
Geo 18 classificação das rochas magmáticas
 
Aula rochas ígneas 2012.2 gg
Aula rochas ígneas 2012.2 ggAula rochas ígneas 2012.2 gg
Aula rochas ígneas 2012.2 gg
 
Geoquímica Aula 1
Geoquímica   Aula 1Geoquímica   Aula 1
Geoquímica Aula 1
 
Os Minerais
Os MineraisOs Minerais
Os Minerais
 
Minerais.ppt
Minerais.pptMinerais.ppt
Minerais.ppt
 
Minerais e rochas
Minerais e rochasMinerais e rochas
Minerais e rochas
 
Geo 6 formação das rochas sedimentares (meteorização)
Geo 6   formação das rochas sedimentares (meteorização)Geo 6   formação das rochas sedimentares (meteorização)
Geo 6 formação das rochas sedimentares (meteorização)
 
5 rochas magmáticas
5  rochas magmáticas5  rochas magmáticas
5 rochas magmáticas
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 

Destaque

Aula 3 vulcanismo
Aula 3 vulcanismoAula 3 vulcanismo
Aula 3 vulcanismo
Carolina Corrêa
 
Aula rochas magmáticas
Aula rochas magmáticasAula rochas magmáticas
Aula rochas magmáticas
Carolina Corrêa
 
Falhas e dobras
Falhas e dobrasFalhas e dobras
Falhas e dobras
Carolina Corrêa
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula metamorfismo
Aula metamorfismoAula metamorfismo
Aula metamorfismo
Carolina Corrêa
 
Aula rochas sedimentares
Aula rochas sedimentaresAula rochas sedimentares
Aula rochas sedimentares
Carolina Corrêa
 
Geologia médica
Geologia médicaGeologia médica
Geologia médica
Carolina Corrêa
 
Aula propriedades morfológicas
Aula  propriedades morfológicasAula  propriedades morfológicas
Aula propriedades morfológicas
Carolina Corrêa
 
análise granulométrica
análise granulométricaanálise granulométrica
análise granulométrica
Carolina Corrêa
 
agentes de transporte
agentes de transporteagentes de transporte
agentes de transporte
Carolina Corrêa
 
Aula classificação
Aula classificaçãoAula classificação
Aula classificação
Carolina Corrêa
 
Aula revisão intemperismo
Aula  revisão intemperismoAula  revisão intemperismo
Aula revisão intemperismo
Carolina Corrêa
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
Carolina Corrêa
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
Carolina Corrêa
 
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Carolina Corrêa
 
Aula histórico
Aula históricoAula histórico
Aula histórico
Carolina Corrêa
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Carolina Corrêa
 
Domínios mares de morros
Domínios mares de morrosDomínios mares de morros
Domínios mares de morros
karolpoa
 
Apresentação mineralogia
Apresentação mineralogiaApresentação mineralogia
Apresentação mineralogia
Leonardo De Miranda
 

Destaque (20)

Aula 3 vulcanismo
Aula 3 vulcanismoAula 3 vulcanismo
Aula 3 vulcanismo
 
Aula rochas magmáticas
Aula rochas magmáticasAula rochas magmáticas
Aula rochas magmáticas
 
Falhas e dobras
Falhas e dobrasFalhas e dobras
Falhas e dobras
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula metamorfismo
Aula metamorfismoAula metamorfismo
Aula metamorfismo
 
Aula rochas sedimentares
Aula rochas sedimentaresAula rochas sedimentares
Aula rochas sedimentares
 
Geologia médica
Geologia médicaGeologia médica
Geologia médica
 
Aula propriedades morfológicas
Aula  propriedades morfológicasAula  propriedades morfológicas
Aula propriedades morfológicas
 
análise granulométrica
análise granulométricaanálise granulométrica
análise granulométrica
 
agentes de transporte
agentes de transporteagentes de transporte
agentes de transporte
 
Aula classificação
Aula classificaçãoAula classificação
Aula classificação
 
Aula revisão intemperismo
Aula  revisão intemperismoAula  revisão intemperismo
Aula revisão intemperismo
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
 
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
 
Aula histórico
Aula históricoAula histórico
Aula histórico
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Domínios mares de morros
Domínios mares de morrosDomínios mares de morros
Domínios mares de morros
 
Apresentação mineralogia
Apresentação mineralogiaApresentação mineralogia
Apresentação mineralogia
 

Semelhante a Aula minerais

Prova classificação de rochas e minerais
Prova classificação de rochas e mineraisProva classificação de rochas e minerais
Prova classificação de rochas e minerais
Camila Brito
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
Frankie Duck
 
Estuda mineralogia geologia cap3
Estuda mineralogia geologia cap3Estuda mineralogia geologia cap3
Estuda mineralogia geologia cap3
Ernani Silva
 
minerais.pptx
minerais.pptxminerais.pptx
minerais.pptx
daniel936004
 
Aula mineralogia fisica (1)
Aula mineralogia fisica (1)Aula mineralogia fisica (1)
Aula mineralogia fisica (1)
Rakel Angel
 
Minerais: Constituintes básicos das rochas
Minerais: Constituintes básicos das rochasMinerais: Constituintes básicos das rochas
Minerais: Constituintes básicos das rochas
Priscila Gomes
 
Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)
Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)
Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)
Homero Alves de Lima
 
Gemologia - Classificação de Minerais e Rochas
Gemologia - Classificação de Minerais e RochasGemologia - Classificação de Minerais e Rochas
Gemologia - Classificação de Minerais e Rochas
Francisco Caetano Caetanodf
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
Maria Socorro
 
noções sobre geologia
noções sobre geologianoções sobre geologia
noções sobre geologia
nayara moraes
 
Mineral fisica
Mineral fisicaMineral fisica
Mineral fisica
FERNANDO DE SOUZA
 
03 - silicatos e gemologia.pdf
03 - silicatos e gemologia.pdf03 - silicatos e gemologia.pdf
03 - silicatos e gemologia.pdf
JernimoLoureno1
 
03 - silicatos e gemologia.pdf
03 - silicatos e gemologia.pdf03 - silicatos e gemologia.pdf
03 - silicatos e gemologia.pdf
JernimoLoureno1
 
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia  2011- 2º semestreApostila completa mineralogia  2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
UNIVERSIDADE GUARULHOS
 
1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas
Davenil Magri
 
1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas
Davenil Magri
 
PROPRIEDADES DOS MINERAIS.ppt
PROPRIEDADES DOS MINERAIS.pptPROPRIEDADES DOS MINERAIS.ppt
PROPRIEDADES DOS MINERAIS.ppt
leia7
 
2 minerais
2  minerais2  minerais
2 minerais
margaridabt
 
Introdução a Mineralogia
Introdução a Mineralogia Introdução a Mineralogia
Introdução a Mineralogia
MatheusRibeiro324525
 
Substâncias presentes na litosfera
Substâncias presentes na litosferaSubstâncias presentes na litosfera
Substâncias presentes na litosfera
Glaucia Perez
 

Semelhante a Aula minerais (20)

Prova classificação de rochas e minerais
Prova classificação de rochas e mineraisProva classificação de rochas e minerais
Prova classificação de rochas e minerais
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Estuda mineralogia geologia cap3
Estuda mineralogia geologia cap3Estuda mineralogia geologia cap3
Estuda mineralogia geologia cap3
 
minerais.pptx
minerais.pptxminerais.pptx
minerais.pptx
 
Aula mineralogia fisica (1)
Aula mineralogia fisica (1)Aula mineralogia fisica (1)
Aula mineralogia fisica (1)
 
Minerais: Constituintes básicos das rochas
Minerais: Constituintes básicos das rochasMinerais: Constituintes básicos das rochas
Minerais: Constituintes básicos das rochas
 
Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)
Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)
Aula 03 auxiliar de mineração (mineralogia)
 
Gemologia - Classificação de Minerais e Rochas
Gemologia - Classificação de Minerais e RochasGemologia - Classificação de Minerais e Rochas
Gemologia - Classificação de Minerais e Rochas
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
noções sobre geologia
noções sobre geologianoções sobre geologia
noções sobre geologia
 
Mineral fisica
Mineral fisicaMineral fisica
Mineral fisica
 
03 - silicatos e gemologia.pdf
03 - silicatos e gemologia.pdf03 - silicatos e gemologia.pdf
03 - silicatos e gemologia.pdf
 
03 - silicatos e gemologia.pdf
03 - silicatos e gemologia.pdf03 - silicatos e gemologia.pdf
03 - silicatos e gemologia.pdf
 
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia  2011- 2º semestreApostila completa mineralogia  2011- 2º semestre
Apostila completa mineralogia 2011- 2º semestre
 
1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas
 
1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas1lista exercicios-respostas
1lista exercicios-respostas
 
PROPRIEDADES DOS MINERAIS.ppt
PROPRIEDADES DOS MINERAIS.pptPROPRIEDADES DOS MINERAIS.ppt
PROPRIEDADES DOS MINERAIS.ppt
 
2 minerais
2  minerais2  minerais
2 minerais
 
Introdução a Mineralogia
Introdução a Mineralogia Introdução a Mineralogia
Introdução a Mineralogia
 
Substâncias presentes na litosfera
Substâncias presentes na litosferaSubstâncias presentes na litosfera
Substâncias presentes na litosfera
 

Mais de Carolina Corrêa

Relevo e movimentos de massa geisa e jeferson
Relevo e movimentos de massa geisa e jefersonRelevo e movimentos de massa geisa e jeferson
Relevo e movimentos de massa geisa e jeferson
Carolina Corrêa
 
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jefersonEstruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Carolina Corrêa
 
Classifcação de relevo geisa_jeferson
Classifcação de relevo geisa_jefersonClassifcação de relevo geisa_jeferson
Classifcação de relevo geisa_jeferson
Carolina Corrêa
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
Carolina Corrêa
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
Carolina Corrêa
 
Formação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialFormação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundial
Carolina Corrêa
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
Carolina Corrêa
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticos
Carolina Corrêa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
Carolina Corrêa
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
Carolina Corrêa
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
Carolina Corrêa
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
Carolina Corrêa
 
Revisão
RevisãoRevisão

Mais de Carolina Corrêa (13)

Relevo e movimentos de massa geisa e jeferson
Relevo e movimentos de massa geisa e jefersonRelevo e movimentos de massa geisa e jeferson
Relevo e movimentos de massa geisa e jeferson
 
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jefersonEstruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
Estruturas geologicas mundo_e_brasil geisa e jeferson
 
Classifcação de relevo geisa_jeferson
Classifcação de relevo geisa_jefersonClassifcação de relevo geisa_jeferson
Classifcação de relevo geisa_jeferson
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileira
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Formação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundialFormação do espaço geográfico mundial
Formação do espaço geográfico mundial
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
 
fatores e elementos climáticos
 fatores e elementos climáticos fatores e elementos climáticos
fatores e elementos climáticos
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 

Último

Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 

Último (20)

Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 

Aula minerais

  • 2. Minerais e principais características. Conteúdos
  • 3. Compreende o que é um mineral; Identificar as principais características; Objetivos
  • 5. Substância encontrada na natureza; Os átomos que os compõem estão dispostos em um arranjo tridimensional ordenado e repetitivo; Substância cristalina sólida; Geralmente inorgânicos. Definição calcita
  • 6. Uma rocha é uma mistura complexa de um ou diversos minerais. Alguns minerais, como o quartzo, a mica ou o talco apresentam uma vasta distribuição geográfica, enquanto outros ocorrem de forma muito restrita. Pondere-se a diferença de abundância entre o quartzo e o diamante, sendo certo que este último é um dos minerais mais raros.
  • 7. Cada mineral é classificado e denominado não apenas com base na sua composição química, mas também na estrutura cristalina dos materiais que o compõem. Sendo assim, materiais com a mesma composição química podem constituir minerais totalmente distintos em resultado de meras diferenças estruturais na forma como os seus átomos ou moléculas se arranjam espacialmente (como por exemplo a grafite e o diamante).
  • 9. Cristalização – crescimento de um sólido a partir de um gás ou líquido de forma organizada (segundo arranjos tridimensionais). Precipitação – quando líquidos de uma solução evaporam - solução fica saturada - ocorre precipitação. Depósito de halita precipitado, a camada preta é de matéria orgânica. Como se Formam os Minerais
  • 11. Embora se conheça milhares de minerais, apenas um número reduzido (pouco mais de 30), são os principais constituintes da maioria das rochas crustais. Esses minerais foram separados em classes de acordo com suas características químicas.
  • 12. Os minerais podem ser classificados de acordo com sua composição química e são listados abaixo na ordem aproximada de abundância na crosta terrestre. Classificação química dos minerais
  • 13. Silicatos: São os mais abundantes da crosta, formados pela combinação de oxigênio (O) e silício (Si) com cátions de outros elementos como magnésio, cálcio e ferro. feldspato quartzo
  • 14. Carbonatos Formados por carbono (C) e oxigênio (O) na forma de ânion carbonato (CO3)2- e inclui a calcita e a aragonita (carbonatos de cálcio), a dolomita (carbonato de magnésio e cálcio) e a siderita (carbonato de ferro). Os carbonatos são geralmente depositados em ambientes marinhos pouco profundos, com águas límpidas e quentes, como por exemplo em mares tropicais e subtropicais.
  • 15.
  • 16. Sulfatos Todos os sulfatos contém o ânion sulfato na forma SO4. Os sulfatos formam-se geralmente em ambientes evaporíticos, onde águas de alta salinidade são lentamente evaporadas, permitindo a formação de sulfatos e de halóides na interface entre a água e o sedimento. Os sulfatos mais comuns são a anidrita (sulfato de cálcio), a celestita (sulfato de estrôncio) e o gesso (sulfato hidratado de cálcio).
  • 18. Óxidos Os óxidos constituem um dos grupos mais importantes de minerais por formarem minérios dos quais podem ser extraídos metais. Ocorrem geralmente como precipitados em depósitos próximo da superfície, como produtos de oxidação de outros minerais situados na zona de alteração cerca da superfície ou ainda como minerais acessórios das rochas ígneas da crosta e do manto.
  • 19. Os óxidos mais comuns incluem a hematita (óxido de ferro) e a espinela (óxido de alumínio e magnésio, um componente comum do manto). São também incluídos nesta classe os minerais de hidróxidos.
  • 21. Sulfetos Muitos sulfetos são também economicamente importantes como minérios metálicos, incluindo-se entre os mais comuns a calcopirita (sulfeto de cobre e ferro) e a galena (sulfeto de chumbo). A classe dos sulfetos também inclui os minerais de selenetos, teluretos, arsenietos, antimonetos, os bismutinetos e ainda os sulfossais.
  • 23. Estrutura cristalina significa o arranjo espacial de longo alcance em que se encontram os átomos ou moléculas no mineral. Na natureza existem 14 arranjos básicos Estrutura Cristalina tridimensionais, agrupados em 7 sistemas de cristalização distintos, que permitem descrever os cristais até agora encontrados.
  • 24. Dois ou mais minerais podem ter a mesma composição química, mas estruturas cristalinas diferentes, sendo nesse caso conhecidos como polimorfos do mesmo composto. Ex.: a pirita e a marcassita são ambos constituídos por sulfeto de ferro. Pirita Marcassita
  • 25. Alguns minerais têm composições químicas diferentes, mas a mesma estrutura cristalina, originando isomorfos. Um exemplo é a halita, um composto de sódio e a galena, um sulfeto de chumbo. Compartilham da mesma estrutura cristalina cúbica. Halita Galena
  • 26. As propriedades físicas dos minerais resultam da sua composição química e das suas características estruturais. São as seguintes as propriedades físicas (propriedades de campo) macroscópicas, isto é observáveis sem necessidade de equipamento sofisticado: Propriedades Físicas dos Minerais
  • 27. Cor É uma característica extremamente importante dos minerais. Resulta da absorção seletiva de comprimentos de onda da luz visível em virtude da presença de elementos químicos (Fe, Cu, Ni). Pode variar devido a impurezas existentes em ou a superfície do mineral pode estar alterada, não mostrando sua verdadeira cor.
  • 28. verde a castanho Pirita amarelo-ouro Augita verde escuro a preto Jadeíta esverdeado Casiterita
  • 29. Clivagem Planos de fratura de notável regularidade, que refletem a presença de planos de fraqueza em determinadas direções na estrutura cristalina.
  • 31. Fraturas Assim como a clivagem, as superfícies de fratura são controladas pela estrutura atômica interna do mineral, podem ser irregulares ou conchoidais.
  • 33. Fratura e clivagem: a) fratura conchoidal do quartzo; b) clivagem no cristal de calcita.
  • 34. Traço (ou risca) A cor do pó obtido ao se riscar o mineral contra uma placa de porcelana é denominado traço. A clorite, a gipsita (gesso) e o talco deixam um traço branco, enquanto o zircão, Traço vermelho da hematita. a granada e a estaurolita deixam, comummente, um traço castanho avermelhado.
  • 35. Dureza É a resistência que uma superfície lisa do mineral apresenta ao ser arranhada por outro material, que pode ser um mineral, um canivete, a unha, etc. Esta é uma das mais importantes propriedades para a identificação de muitos minerais.
  • 36. O cientista austríaco F.Mohs idealizou a Escala de Dureza de Mohs, composta por 10 minerais comuns listados em ordem crescente de dureza.
  • 37. 1 – Talco; 2 – Gipsita; 3 – Calcita; 4 – Fluorita; 5 – Apatita; 6 – Feldspato; 7 – Quartzo; 8 – Topázio; 9 – Corindon; 10– Diamante.
  • 38. Tenacidade A tenacidade uma medida da resistência do mineral ao ser quebrado, esmagado, dobrado ou rasgado. Não é o mesmo que a dureza. Por exemplo, o diamante possui dureza muito elevada mas quebra-se relativamente fácil se sofrer um impacto.
  • 39. Outro exemplo é o ouro que é dúctil, isto é, pode ser transformado facilmente em fios.
  • 40. Densidade relativa (ou peso específico) É a relação entre o peso do mineral e o peso o de um volume igual de água pura.
  • 41. Magnetismo Ocorre nos poucos minerais que devido à sua natureza ferromagnética são atraídos por um íman. Os exemplos mais comuns são a magnetita, a pirrotita e outros com elevado teor de metais que podem ser magnetizados após aquecimento, como o manganês, o níquel e o titânio.
  • 42.
  • 43. Hábito Cristalino Forma (ou formas) com a qual o mineral aparece frequentemente na natureza. Pode ocorrer, por exemplo, como prismas, cubos, placas, agregados ou mesmo como grãos sem forma definida. Muitos minerais mostram um hábito característico. Por exemplo, cristais de magnetita (Fe3O4) e de diamante (C) são em geral octaédricos (duas pirâmides unidas pela base quadrada).
  • 45. Forma com que seus cristais crescem. Isométrico = cúbico Tetragonal Ortorrômbico Hexagonal Trigonal = romboédrico Monoclínico Triclínico
  • 46.
  • 48. Transparência Capacidade de permitir a passagem de luz que divide os minerais em translúcidos ou opacos.
  • 49. Brilho Refere-se ao modo como o material reflete a luz e pode ser metálico ou não metálico/vulgar. Os minerais que refletem 75% da luz incidente tem brilho metálico.
  • 51. DUREZA: 1 DENSIDADE: 2,8 COR: Branco,esverdeado,amarelo,rosado,gris BRILHO: Graso a perolado FRATURA: Perfeita-Irregular CRISTALIZAÇÃO: Sistema Monoclínico TRANSPARÊNCIA: Transparente a translúcido LUMINISCÊNCIA: As vezes verde ou azul
  • 52. DUREZA: 7 DENSIDADE: 2,65 COR: Incoloro a variadas colorações BRILHO: Vítreo,sedos,mate CRISTALIZAÇÃO: Sistema trigonal TRANSPARÊNCIA: Transparente a translúcido, opaco
  • 53.
  • 54. GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2. ed., 1995. 472 p. LEINZ, V.; AMARAL, S. E. Geologia Geral. São Paulo: Nacional, 1980. PENTEADO, M.M. Fundamentos de Geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE, 1974. 185 p. Referências
  • 55. TARBUCK, E.;LUTGENS, F.K. Earth Science. New Jersey: Prentice Hall, 2000. TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M.C.M.; FAIRCHILD, T.R.; TAIOLI, F. Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2000.