SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
MÉTODOS
CONTRACEPTIVOS
Prof Carlos Priante
• Métodos naturais para se evitar a
fecundação.
• Não previnem as DSTs
• Por depender somente dois indivíduos geram
mais riscos de erro.
MÉTODO COMPORTAMENTAL
• Coito interrompido- contralar o momento da
ejaculação, evitando a liberação do sêmen na
vagina.
• Risco:
 Tempo !!!
 Antes da ejaculação há a liberação de um líquido
seminal, neste pode conter os espermatozoides.
 Não previne DST
• Método do ritmo: tabelinha- evitando o período de
ovulação da mulher.
Os ciclos menstruais duram 28 dias e a ovulação ocorre
por volta do 14º dia antes da menstruação. A relação
sexual deve ser interrompida 3 dias antes e 3 depois da
data de ovulação (por volta do 11º ao 17ºdia)
• Risco:
 O ciclo menstrual pode
variar de mulher para mulher
e na mesma mulher, devido a
vários fatores (Ex. emocional)
 Erro de cálculo.
 Não evita DST
METODOS DE BARREIRA
• Imobilizam os espermatozoides,
impedindo-os de entrar em contato
com o óvulo e de haver fecundação.
• Utilização de barreiras (produtos) física
ou química.
• Espermicidas/Diafragma Vaginal- bloqueiam as
atividades dos espermatozoides.
• Estão presentes na forma de geleia, comprimidos ou
espuma para serem aplicados diretamente na vagina
antes da relação sexual.
• Vantagens: não precisam de receita médica.
• Desvantagens: têm baixa eficácia quando utilizados
isoladamente
Não protegem das doenças sexualmente transmissíveis
(DST)
• Utilização: um por cada relação.
• Vantagens: é o único método indicado para a prevenção das
DST;
Não precisa de receita médica.
• Desvantagens: no caso de má colocação ou rotura durante o ato
sexual, perde a sua eficácia; ocasionalmente, pode causar
alergia.
PRESERVATIVO MASCULINO E FEMININO
DIU – dispositivo intra-uterino
• Utilização: são colocados, pelo médico, dentro
da cavidade uterina para impedir que haja
fecundação e que o óvulo fecundado se
implante na parede do útero. Podem ser
medicados com uma espiral de cobre ou com
uma hormona (progesterona), aumentando a
sua eficácia. Têm duração entre três a cinco
anos.
Vantagens: alternativa para mulheres que não
possam ou não queiram utilizar contracepção
hormonal e que desejem uma contracepção
prolongada.
Desvantagens: provoca fluxos menstruais mais
abundantes e ligeiro aumento de
dores pré-menstruais nas mulheres com essa
propensão
METODOS HORMONAIS
• Atuam inibindo a estimulação do ovário,
não permitindo a ovulação
Pilula oral
• Utilização: 3 semanas de
1 comprimido diário, 1
semana de descanso sem
terapêutica.
• Desvantagens: fácil
esquecimento; influência
medicamentosa; vômitos
ou diarréias.
PILULA DO DIA SEGUINTE
• Age antes que a gravidez ocorra.
Se a fecundação ainda não
aconteceu, o medicamento vai
dificultar o encontro do
espermatozóide com o óvulo.
Agora, se a fecundação já tiver
ocorrido, irá provocar uma
descamação do útero, impedindo a
implantação do ovo fecundado.
Caso o ovo já esteja implantado, ou
seja, já tenha iniciado a gravidez, a
pílula não tem efeito algum.
• Deve ser usada em casos
excepcionais e não como um
anticoncepcional de rotina
Adesivo dérmico
Utilização: 1 por semana durante 3 semanas. Deve ser
colocado na face externa e superior do braço ou aplicado
acima da linha dos pelos púbicos.
Vantagem adicional: não obriga a um cuidado diário.
Desvantagem: é preciso ter cuidado na frequência de
saunas ou com a aplicação de cremes na pele, para evitar o
descolamento do adesivo.
• Utilização: anel flexível contendo uma baixa dosagem
hormonal que a própria mulher aplica na vagina só uma
vez por mês e retira ao fim de três semanas.
• Vantagem adicional: muito prático; existe um serviço
gratuito de alertas via sms para lembrar o dia de aplicar
e retirar o anel, o que diminui o risco de esquecer o seu
uso.
• Desvantagens: receio da mulher
em saber aplicá-lo.
Anel vaginal
Implante subdérmico
• Utilização: bastonete de plástico com 4 cm de
comprimento por 2 mm de diâmetro que é colocado na
face interna do braço, por baixo da pele, assegurando
uma eficácia contraceptiva durante três anos. A sua
colocação exige o recurso a anestesia local e é aplicado,
pelo médico.
• Vantagem: elimina o risco de esquecimento; indicado
para mulheres com história de anemia e de
menstruações abundantes e para as que não podem ou
não querem usar estrogênios.
• Desvantagens: algumas mulheres (cerca de 20%)
podem manter-se sem menstruação durante algum
tempo (muitas delas consideram uma vantagem); o
implante pode ser sentido através duma palpação digital.
Implante subdérmico
• Utilização: Injeção de hormônios femininos, com
duração de eficácia contraceptiva de três meses.
• Vantagem: elimina o risco de esquecimento.
• Desvantagens: a sua ação não só pode ser
interrompida como pode prolongar-se para além dos 3
meses (até 12 meses), não permitindo retomar de
imediato a capacidade reprodutiva quando desejada;
ciclo menstrual irregular e amenorreia (ausência de
menstruação).
Injeção trimestral
Métodos Cirúrgicos
• Pequena intervenção cirúrgica sobre as trompas,
interrompendo o canal que dá passagem aos óvulos
na mulher (Laqueação de trompas) e dos
espermatozoides no canal deferente do homem
(Vasectomia).
• Vantagens: liberta a mulher da preocupação de uso
de contraceptivos.
• Desvantagens: é muito difícil de recuperar a
capacidade reprodutora, no caso do casal mudar de
ideias em relação à sua reprodução.
Dúvidas ???
Consulte sempre um médico
especializado !!!
Gêmeos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTsAula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTsLeonardo Kaplan
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesPibid Biologia Cejad
 
Sistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e MasculinoSistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e MasculinoPibid Biologia Cejad
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivosmartins1977
 
III.2 Da concepção ao nascimento
III.2 Da concepção ao nascimentoIII.2 Da concepção ao nascimento
III.2 Da concepção ao nascimentoRebeca Vale
 
Sistema Genital Feminino
Sistema Genital FemininoSistema Genital Feminino
Sistema Genital FemininoMarcia Regina
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução HumanaSofia Mendes
 
Adolescência e puberdade
Adolescência e puberdadeAdolescência e puberdade
Adolescência e puberdademirian1967
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisEdvaldo S. Júnior
 
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reproduçãoAula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reproduçãoAna Filadelfi
 
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre   sistema reprodutor feminino e masculinoAula sobre   sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculinoMarcionedes De Souza
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioIsabel Lopes
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivosPaulo Gomes
 
Educação sexual - Puberdade
Educação sexual - Puberdade Educação sexual - Puberdade
Educação sexual - Puberdade nandavcs
 

Mais procurados (20)

Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTsAula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
Aula 8º ano - Métodos contraceptivos e DSTs
 
Ists
IstsIsts
Ists
 
Menstruação
MenstruaçãoMenstruação
Menstruação
 
Puberdade
PuberdadePuberdade
Puberdade
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
Sistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e MasculinoSistemas Reprodutores Feminino e Masculino
Sistemas Reprodutores Feminino e Masculino
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
III.2 Da concepção ao nascimento
III.2 Da concepção ao nascimentoIII.2 Da concepção ao nascimento
III.2 Da concepção ao nascimento
 
Sistema Genital Feminino
Sistema Genital FemininoSistema Genital Feminino
Sistema Genital Feminino
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 
Métodos Contraceptivos de Barreira
Métodos Contraceptivos de BarreiraMétodos Contraceptivos de Barreira
Métodos Contraceptivos de Barreira
 
Adolescência e puberdade
Adolescência e puberdadeAdolescência e puberdade
Adolescência e puberdade
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reproduçãoAula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
Aula 2 Puberdade, hormônios e reprodução
 
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre   sistema reprodutor feminino e masculinoAula sobre   sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
 
Gravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionárioGravidez e desenvolvimento embrionário
Gravidez e desenvolvimento embrionário
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
METODOS DE BARREIRA
METODOS DE BARREIRA METODOS DE BARREIRA
METODOS DE BARREIRA
 
Educação sexual - Puberdade
Educação sexual - Puberdade Educação sexual - Puberdade
Educação sexual - Puberdade
 

Destaque

Aula 3 DSTs e métodos anticoncepcionais
Aula 3 DSTs e métodos anticoncepcionaisAula 3 DSTs e métodos anticoncepcionais
Aula 3 DSTs e métodos anticoncepcionaisAna Filadelfi
 
Métodos Contraceptivos e DST´s
Métodos Contraceptivos e DST´sMétodos Contraceptivos e DST´s
Métodos Contraceptivos e DST´sPatrícia Santos
 
Métodos Anticoncepcionais
Métodos AnticoncepcionaisMétodos Anticoncepcionais
Métodos Anticoncepcionaisfabiozb
 
Metodoscontraceptivos 120915103103-phpapp02
Metodoscontraceptivos 120915103103-phpapp02Metodoscontraceptivos 120915103103-phpapp02
Metodoscontraceptivos 120915103103-phpapp02Pelo Siro
 
Métodos Cotraceptivos.PPT
Métodos Cotraceptivos.PPTMétodos Cotraceptivos.PPT
Métodos Cotraceptivos.PPTclara.abegao
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivosGerson Melo
 
130310 reprodução humana - completo
130310   reprodução humana - completo130310   reprodução humana - completo
130310 reprodução humana - completoEvandro Sanguinetto
 
Planejamento de biologia 2º ano
Planejamento de  biologia 2º anoPlanejamento de  biologia 2º ano
Planejamento de biologia 2º anoAntonio Carneiro
 
Desenvolvimento embrionário dos mamíferos
Desenvolvimento embrionário dos mamíferosDesenvolvimento embrionário dos mamíferos
Desenvolvimento embrionário dos mamíferosRosalia Azambuja
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologiaaruomk
 
Via dermica
Via dermicaVia dermica
Via dermicaRUSTICA
 
III.3 Saúde e sexualidade
III.3 Saúde e sexualidadeIII.3 Saúde e sexualidade
III.3 Saúde e sexualidadeRebeca Vale
 
PowerPoint de Reprodução
PowerPoint de ReproduçãoPowerPoint de Reprodução
PowerPoint de Reproduçãojoana71
 
A sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaA sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaLilia Braga
 

Destaque (20)

Aula 3 DSTs e métodos anticoncepcionais
Aula 3 DSTs e métodos anticoncepcionaisAula 3 DSTs e métodos anticoncepcionais
Aula 3 DSTs e métodos anticoncepcionais
 
Métodos Contraceptivos e DST´s
Métodos Contraceptivos e DST´sMétodos Contraceptivos e DST´s
Métodos Contraceptivos e DST´s
 
Métodos Anticoncepcionais
Métodos AnticoncepcionaisMétodos Anticoncepcionais
Métodos Anticoncepcionais
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
 
Metodoscontraceptivos 120915103103-phpapp02
Metodoscontraceptivos 120915103103-phpapp02Metodoscontraceptivos 120915103103-phpapp02
Metodoscontraceptivos 120915103103-phpapp02
 
Proposta biologia
Proposta biologiaProposta biologia
Proposta biologia
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Métodos Cotraceptivos.PPT
Métodos Cotraceptivos.PPTMétodos Cotraceptivos.PPT
Métodos Cotraceptivos.PPT
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
 
130310 reprodução humana - completo
130310   reprodução humana - completo130310   reprodução humana - completo
130310 reprodução humana - completo
 
4ª a 8ª semana
4ª a 8ª semana4ª a 8ª semana
4ª a 8ª semana
 
Planejamento de biologia 2º ano
Planejamento de  biologia 2º anoPlanejamento de  biologia 2º ano
Planejamento de biologia 2º ano
 
Desenvolvimento embrionário dos mamíferos
Desenvolvimento embrionário dos mamíferosDesenvolvimento embrionário dos mamíferos
Desenvolvimento embrionário dos mamíferos
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Via dermica
Via dermicaVia dermica
Via dermica
 
Aula 1 (1)
Aula 1 (1)Aula 1 (1)
Aula 1 (1)
 
III.3 Saúde e sexualidade
III.3 Saúde e sexualidadeIII.3 Saúde e sexualidade
III.3 Saúde e sexualidade
 
PowerPoint de Reprodução
PowerPoint de ReproduçãoPowerPoint de Reprodução
PowerPoint de Reprodução
 
A sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaA sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescência
 
Aula de gametogenese
Aula de gametogeneseAula de gametogenese
Aula de gametogenese
 

Semelhante a Métodos Contraceptivos

Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivosTânia Reis
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivosJoseOliveiraPT
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivosRazvan Balaci
 
Mc métodos contraceptivos
Mc   métodos contraceptivosMc   métodos contraceptivos
Mc métodos contraceptivosLaurinda Lima
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosPeses Ourique
 
Métodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanosMétodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanosClécio Bubela
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivosemrcja
 
M+®todos contraceptivos n+úo naturais qu+¡micos
M+®todos contraceptivos n+úo naturais qu+¡micosM+®todos contraceptivos n+úo naturais qu+¡micos
M+®todos contraceptivos n+úo naturais qu+¡micosCláudia Bonifácio
 
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.pptmtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.pptNAYRARAFAELAVIDO
 
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, VitorMétodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitorjluis505
 
Métodos Contraceptivos Química
Métodos Contraceptivos QuímicaMétodos Contraceptivos Química
Métodos Contraceptivos QuímicaBruno
 
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3Pelo Siro
 

Semelhante a Métodos Contraceptivos (20)

Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
Métodos contraceptivos (1)
Métodos contraceptivos (1)Métodos contraceptivos (1)
Métodos contraceptivos (1)
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Métodos Contracetivos
Métodos ContracetivosMétodos Contracetivos
Métodos Contracetivos
 
Mc métodos contraceptivos
Mc   métodos contraceptivosMc   métodos contraceptivos
Mc métodos contraceptivos
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
 
Métodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanosMétodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanos
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
 
M+®todos contraceptivos n+úo naturais qu+¡micos
M+®todos contraceptivos n+úo naturais qu+¡micosM+®todos contraceptivos n+úo naturais qu+¡micos
M+®todos contraceptivos n+úo naturais qu+¡micos
 
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.pptmtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
 
ContracepçAo
ContracepçAoContracepçAo
ContracepçAo
 
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, VitorMétodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
Métodos contracetivos - Eduardo, José Luís, Filipe, Vitor
 
Métodos 8°b
Métodos 8°bMétodos 8°b
Métodos 8°b
 
Métodos 8°b
Métodos 8°bMétodos 8°b
Métodos 8°b
 
Métodos Contraceptivos Química
Métodos Contraceptivos QuímicaMétodos Contraceptivos Química
Métodos Contraceptivos Química
 
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
 
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
 
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
 

Mais de Carlos Priante

Zoologia dos vertebrados-resumo
Zoologia dos vertebrados-resumoZoologia dos vertebrados-resumo
Zoologia dos vertebrados-resumoCarlos Priante
 
Zoologia dos invertebrados-resumo
Zoologia dos invertebrados-resumoZoologia dos invertebrados-resumo
Zoologia dos invertebrados-resumoCarlos Priante
 
Noções de Astronomia
Noções de AstronomiaNoções de Astronomia
Noções de AstronomiaCarlos Priante
 
Lista de exercícios I Modelos Atômicos
Lista de exercícios I Modelos AtômicosLista de exercícios I Modelos Atômicos
Lista de exercícios I Modelos AtômicosCarlos Priante
 
Correção Química ENEM 2014
Correção Química ENEM 2014Correção Química ENEM 2014
Correção Química ENEM 2014Carlos Priante
 
Correção Biologia ENEM 2014
Correção Biologia ENEM 2014Correção Biologia ENEM 2014
Correção Biologia ENEM 2014Carlos Priante
 
Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Correção Unesp 2 fase inverno 2015Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Correção Unesp 2 fase inverno 2015Carlos Priante
 
Correção Unesp 1 fase inverno 2015
Correção Unesp 1 fase inverno 2015Correção Unesp 1 fase inverno 2015
Correção Unesp 1 fase inverno 2015Carlos Priante
 
Energia: transformação e conservação
Energia: transformação e conservaçãoEnergia: transformação e conservação
Energia: transformação e conservaçãoCarlos Priante
 
Revisão puc inverno2015
Revisão puc inverno2015Revisão puc inverno2015
Revisão puc inverno2015Carlos Priante
 
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espéciesTeorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espéciesCarlos Priante
 
Lista de exercícios isomeria
Lista de exercícios isomeria Lista de exercícios isomeria
Lista de exercícios isomeria Carlos Priante
 
Isomeria- Química Orgânica
Isomeria- Química OrgânicaIsomeria- Química Orgânica
Isomeria- Química OrgânicaCarlos Priante
 
Mapas conceituais de Ciências
Mapas conceituais de CiênciasMapas conceituais de Ciências
Mapas conceituais de CiênciasCarlos Priante
 
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos Carlos Priante
 
Lista de exercícios X Hidrocarbonetos
Lista de exercícios X HidrocarbonetosLista de exercícios X Hidrocarbonetos
Lista de exercícios X HidrocarbonetosCarlos Priante
 

Mais de Carlos Priante (20)

Botânica- resumo
Botânica- resumoBotânica- resumo
Botânica- resumo
 
Zoologia dos vertebrados-resumo
Zoologia dos vertebrados-resumoZoologia dos vertebrados-resumo
Zoologia dos vertebrados-resumo
 
Zoologia dos invertebrados-resumo
Zoologia dos invertebrados-resumoZoologia dos invertebrados-resumo
Zoologia dos invertebrados-resumo
 
Noções de Astronomia
Noções de AstronomiaNoções de Astronomia
Noções de Astronomia
 
Lista de exercícios I Modelos Atômicos
Lista de exercícios I Modelos AtômicosLista de exercícios I Modelos Atômicos
Lista de exercícios I Modelos Atômicos
 
Correção Química ENEM 2014
Correção Química ENEM 2014Correção Química ENEM 2014
Correção Química ENEM 2014
 
Correção Biologia ENEM 2014
Correção Biologia ENEM 2014Correção Biologia ENEM 2014
Correção Biologia ENEM 2014
 
Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Correção Unesp 2 fase inverno 2015Correção Unesp 2 fase inverno 2015
Correção Unesp 2 fase inverno 2015
 
Correção Unesp 1 fase inverno 2015
Correção Unesp 1 fase inverno 2015Correção Unesp 1 fase inverno 2015
Correção Unesp 1 fase inverno 2015
 
Energia: transformação e conservação
Energia: transformação e conservaçãoEnergia: transformação e conservação
Energia: transformação e conservação
 
Revisão puc inverno2015
Revisão puc inverno2015Revisão puc inverno2015
Revisão puc inverno2015
 
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espéciesTeorias da Origem da vida e Evolução das espécies
Teorias da Origem da vida e Evolução das espécies
 
Reações Orgânicas
Reações OrgânicasReações Orgânicas
Reações Orgânicas
 
Lista de exercícios isomeria
Lista de exercícios isomeria Lista de exercícios isomeria
Lista de exercícios isomeria
 
Isomeria- Química Orgânica
Isomeria- Química OrgânicaIsomeria- Química Orgânica
Isomeria- Química Orgânica
 
Sucessão Ecológica
Sucessão EcológicaSucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
 
Funções Orgânicas
Funções OrgânicasFunções Orgânicas
Funções Orgânicas
 
Mapas conceituais de Ciências
Mapas conceituais de CiênciasMapas conceituais de Ciências
Mapas conceituais de Ciências
 
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
Química Orgânica- Nomenclatura e Hidrocarbonetos
 
Lista de exercícios X Hidrocarbonetos
Lista de exercícios X HidrocarbonetosLista de exercícios X Hidrocarbonetos
Lista de exercícios X Hidrocarbonetos
 

Último

VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 

Último (20)

VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 

Métodos Contraceptivos

  • 2. • Métodos naturais para se evitar a fecundação. • Não previnem as DSTs • Por depender somente dois indivíduos geram mais riscos de erro. MÉTODO COMPORTAMENTAL
  • 3. • Coito interrompido- contralar o momento da ejaculação, evitando a liberação do sêmen na vagina. • Risco:  Tempo !!!  Antes da ejaculação há a liberação de um líquido seminal, neste pode conter os espermatozoides.  Não previne DST
  • 4. • Método do ritmo: tabelinha- evitando o período de ovulação da mulher. Os ciclos menstruais duram 28 dias e a ovulação ocorre por volta do 14º dia antes da menstruação. A relação sexual deve ser interrompida 3 dias antes e 3 depois da data de ovulação (por volta do 11º ao 17ºdia) • Risco:  O ciclo menstrual pode variar de mulher para mulher e na mesma mulher, devido a vários fatores (Ex. emocional)  Erro de cálculo.  Não evita DST
  • 5. METODOS DE BARREIRA • Imobilizam os espermatozoides, impedindo-os de entrar em contato com o óvulo e de haver fecundação. • Utilização de barreiras (produtos) física ou química.
  • 6. • Espermicidas/Diafragma Vaginal- bloqueiam as atividades dos espermatozoides. • Estão presentes na forma de geleia, comprimidos ou espuma para serem aplicados diretamente na vagina antes da relação sexual. • Vantagens: não precisam de receita médica. • Desvantagens: têm baixa eficácia quando utilizados isoladamente Não protegem das doenças sexualmente transmissíveis (DST)
  • 7. • Utilização: um por cada relação. • Vantagens: é o único método indicado para a prevenção das DST; Não precisa de receita médica. • Desvantagens: no caso de má colocação ou rotura durante o ato sexual, perde a sua eficácia; ocasionalmente, pode causar alergia. PRESERVATIVO MASCULINO E FEMININO
  • 8. DIU – dispositivo intra-uterino
  • 9. • Utilização: são colocados, pelo médico, dentro da cavidade uterina para impedir que haja fecundação e que o óvulo fecundado se implante na parede do útero. Podem ser medicados com uma espiral de cobre ou com uma hormona (progesterona), aumentando a sua eficácia. Têm duração entre três a cinco anos. Vantagens: alternativa para mulheres que não possam ou não queiram utilizar contracepção hormonal e que desejem uma contracepção prolongada. Desvantagens: provoca fluxos menstruais mais abundantes e ligeiro aumento de dores pré-menstruais nas mulheres com essa propensão
  • 10. METODOS HORMONAIS • Atuam inibindo a estimulação do ovário, não permitindo a ovulação
  • 11. Pilula oral • Utilização: 3 semanas de 1 comprimido diário, 1 semana de descanso sem terapêutica. • Desvantagens: fácil esquecimento; influência medicamentosa; vômitos ou diarréias.
  • 12. PILULA DO DIA SEGUINTE • Age antes que a gravidez ocorra. Se a fecundação ainda não aconteceu, o medicamento vai dificultar o encontro do espermatozóide com o óvulo. Agora, se a fecundação já tiver ocorrido, irá provocar uma descamação do útero, impedindo a implantação do ovo fecundado. Caso o ovo já esteja implantado, ou seja, já tenha iniciado a gravidez, a pílula não tem efeito algum. • Deve ser usada em casos excepcionais e não como um anticoncepcional de rotina
  • 13. Adesivo dérmico Utilização: 1 por semana durante 3 semanas. Deve ser colocado na face externa e superior do braço ou aplicado acima da linha dos pelos púbicos. Vantagem adicional: não obriga a um cuidado diário. Desvantagem: é preciso ter cuidado na frequência de saunas ou com a aplicação de cremes na pele, para evitar o descolamento do adesivo.
  • 14. • Utilização: anel flexível contendo uma baixa dosagem hormonal que a própria mulher aplica na vagina só uma vez por mês e retira ao fim de três semanas. • Vantagem adicional: muito prático; existe um serviço gratuito de alertas via sms para lembrar o dia de aplicar e retirar o anel, o que diminui o risco de esquecer o seu uso. • Desvantagens: receio da mulher em saber aplicá-lo. Anel vaginal
  • 15. Implante subdérmico • Utilização: bastonete de plástico com 4 cm de comprimento por 2 mm de diâmetro que é colocado na face interna do braço, por baixo da pele, assegurando uma eficácia contraceptiva durante três anos. A sua colocação exige o recurso a anestesia local e é aplicado, pelo médico. • Vantagem: elimina o risco de esquecimento; indicado para mulheres com história de anemia e de menstruações abundantes e para as que não podem ou não querem usar estrogênios. • Desvantagens: algumas mulheres (cerca de 20%) podem manter-se sem menstruação durante algum tempo (muitas delas consideram uma vantagem); o implante pode ser sentido através duma palpação digital.
  • 17. • Utilização: Injeção de hormônios femininos, com duração de eficácia contraceptiva de três meses. • Vantagem: elimina o risco de esquecimento. • Desvantagens: a sua ação não só pode ser interrompida como pode prolongar-se para além dos 3 meses (até 12 meses), não permitindo retomar de imediato a capacidade reprodutiva quando desejada; ciclo menstrual irregular e amenorreia (ausência de menstruação). Injeção trimestral
  • 18. Métodos Cirúrgicos • Pequena intervenção cirúrgica sobre as trompas, interrompendo o canal que dá passagem aos óvulos na mulher (Laqueação de trompas) e dos espermatozoides no canal deferente do homem (Vasectomia). • Vantagens: liberta a mulher da preocupação de uso de contraceptivos. • Desvantagens: é muito difícil de recuperar a capacidade reprodutora, no caso do casal mudar de ideias em relação à sua reprodução.
  • 19.
  • 20. Dúvidas ??? Consulte sempre um médico especializado !!!