SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
MÉTODOS
CONTRACEPTIVOS
Corte
Corte
Corte
Vulva
SISTEMAS GENITAIS
Tuba uterina (de Falópio)
Ovário
Útero
Ligamento
Vagina em corte
longitudinal Testículo
Epidídimo
Pênis
Uretra
Glândula bulbouretral
Duto ejaculatório
Próstata
Vesícula seminal
Duto deferente
GAMETOGÊNESE (ESPERMATOGÊNESE)
Células germinativas (2n)
Período
germinativo
Período de
crescimento
Período de
maturação
Período de
diferenciação Espermatozóides
Epidídimo
(armazena
espermatozóides)
Túbulo
seminífero
Mitoses
2n
Mitose
2n 2n
Meiose
n n
n
n
n
n
n n n n
2n
Crescimento
sem divisão
celular
Testículo
Espermatogônia
Espermatócito I (2n)
Espermatócitos II
(n cromossomos
duplicados)
Espermátides (n)
Célula de
Sertoli
(em corte
transversal)
Espermatozóide
ESPERMIOGÊNESE HUMANA
O complexo de Golgi
concentra-se perto do
núcleo.
As mitocôndrias
concentram-se na região
próxima ao centríolo,
que se transforma em
flagelo.
Peça intermediária
cauda cabeça
Espermátide
Núcleo
Complexo de Golgi
Mitocôndria
Centríolo
Início da formação
do acrossomo
Parte do
citoplasma
que será
eliminada
Início da
formação do
flagelo
Acrossomo
Mitocôndrias
Núcleo
GAMETOGÊNESE (OVULOGÊNESE)
Células germinativas (2n)
Meiose II (só se completa se ocorre fecundação)
São formados
eventualmente
Período
germinativo
Período de
crescimento
Período de
maturação
Corpos lúteos
Folículo
ovariano
primário
Ovulação
Ovócito II Folículo
maduro
Ovário
Ovogônias (2n)
2n
Mitose
Ovogônias (2n)
2n 2n
Crescimento
sem divisão
celular
Ovócito I (2n)
Meiose I
2n
Ovócito II (n
cromossomos
duplicados)
n
Primeiro corpúsculo polar
(n cromossomos duplicados)
n
n n corpúsculos polares (n)
n n
Óvulo (n)
Foto ao microscópio eletrônico mostrando vários
espermatozóides tentando penetrar em um ovócito II no
momento da fecundação. Esta foto permite mostrar as diferenças
de tamanho entre ovócito II e espermatozóide.
Foto ao microscópio de luz.
A penetração do
espermatozóide no ovócito II
estimula a finalização da
meiose. Há liberação do
segundo glóbulo polar com
posterior fusão dos pronúcleos
haplóides masculino e
feminino.
FECUNDAÇÃO
Foto ao microscópio eletrônico de
varredura, colorida artificialmente,
que documenta o momento em que
o espermatozóide atinge a
superfície do ovócito II.
Zona pelúcida
Acrossomo
Núcleo
Centríolo
Flagelo
Citoplasma do
ovócito II
Membrana de
fecundação
MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
 A prevenção da gestação não planejada é fundamental,
principalmente para adolescentes e adultos jovens sexualmente
ativos, que devem ser orientados precocemente, uma vez que a
idade para início das relações sexuais está diminuindo cada
vez mais, enquanto estão aumentando o número de
adolescentes grávidas.
 Os métodos contraceptivos podem ser divididos didaticamente
em:
- comportamentais;
- de barreira;
- dispositivo intra-uterino (DIU);
- métodos hormonais;
- métodos cirúrgicos.
MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
 A escolha do método contraceptivo deve ser sempre personalizada
levando-se em conta fatores como:
 idade,
 números de filhos,
 compreensão e tolerância ao método,
 desejo de procriação futura,
 a presença de doenças crônicas que possam agravar-se com o uso de
determinado método.
 Como todos os métodos têm suas limitações, é importante que saibamos
quais são elas, para que eventualmente possamos optar por um dos
métodos.
 Todavia, na orientação sobre os métodos anticoncepcionais deve ser
destacada a necessidade da dupla proteção (contracepção e
prevenção das DSTs e AIDS), mostrando a importância dos métodos de
barreira, como os preservativos masculinos ou femininos.
MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
Comportamentais ou de Abstinência
Períodica:
São aqueles que identificam o período
fértil, evitando relações nesse período.
- Tabelinha (Ogino Knauss)
- Método de Bilings (muco cervical)
- Temperatura basal
- Coito interrompido
Barreira:
São aqueles que não deixam os
espermatozóides subirem pelo colo do
útero.
- Camisinha
- Diafragma
- Espermecidas
Hormonais:
São substâncias que alteram a fisiologia do
sistema reprodutor feminino.
- Pílulas
- Injetáveis
- Implantes sub-cutâneos
- Adesivos
Intra-uterinos:
Estruturas específicas introduzidas no
interior do útero.
- DIU
Cirúrgicos ou Definitivos:
Operações realizadas tanto no homem
quanto na mulher para interromper
definitivamente a capacidade reprodutiva.
- Vasectomia
- Ligadura de Trompas
MÉTODOS CONTRACEPTIVOS
Corte
Corte
Corte
MÉTODOS COMPORTAMENTAIS
Tabelinha utiliza-se da contagem dos dias do
ciclo, evitando os dias próximos à ovulação.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28
É pouco eficaz se não for combinado com outros métodos, como
preservativos ou espermicidas, pois depende da abstenção
voluntária nos períodos férteis da mulher, onde a libido
(desejo sexual) se encontra em alta.
MÉTODOS COMPORTAMENTAIS
Muco Cervical baseia-se na identificação do período fértil
pelas modificações cíclicas do muco cervical, observado no auto-
exame e pela sensação por ele provocada na vagina e vulva. A
observação da ausência ou presença do fluxo mucoso deve ser
diária. O muco cervical aparece cerca de 2 a 3 dias depois da
menstruação e, inicialmente é pouco consistente e espesso. Logo
antes da ovulação, ele atinge o chamado "ápice", em que fica bem
grudento.
Temperatura Basal
MÉTODOS COMPORTAMENTAIS
• Durante o período fértil a temperatura do corpo feminino
aumenta de 0,3 a 0,8º C, porém outros fatores como gripes,
resfriados, infecções ou cansaços agudos, podem também
fazer essa temperatura aumentar, causando confusão.
• Por ser um método que exige uma atenção constante do
próprio corpo e que só deve ser feito em uma situação de
plena saúde, pode causar alguns erros de interpretação, visto
que fatores como gripes, resfriados e presenças de infecções,
ou estafas, podem confundir porque também elevam a
temperatura. Por isso, é mais utilizado para quem deseja
engravidar, para saber exatamente quando manter relações
sexuais com maior chance de fecundação.
Coito Interrompido
Consiste em retirar o pênis do canal vaginal antes
da ejaculação.
MÉTODOS COMPORTAMENTAIS
Condom ou Camisinha
Masculina Feminina
MÉTODOS DE BARREIRA
MÉTODOS DE BARREIRA
É um envoltório de látex que recobre o pênis,
retendo o sêmen no ato sexual, impedido o
contato deste e de outros microrganismos com
a vagina e o pênis ou vice-versa.
Uso: desenrolar a camisinha no pênis ereto,
antes de qualquer contato com a vagina, ânus
ou boca. Deve ser retirada do pênis
imediatamente após a ejaculação, segurando
as bordas da camisinha para impedir que os
espermatozóides escapem para a vagina.
Eficácia: A taxa de falha varia de 3 a 14
mulheres em 100 podem ficar grávidas em um
ano de uso.
Camisinha masculina
MÉTODOS DE BARREIRA
Constitui-se em um tubo de poliuretano com uma extremidade
fechada e a outra aberta acoplado a dois anéis flexíveis também
de poliuretano na cérvice uterina, paredes vaginais e vulva. O
produto já vem lubrificado devendo ser utilizado uma única vez,
destacando-se que o poliuretano por ser mais resistente que o
látex pode ser utilizado com vários tipos de lubrificantes.
Uso: retirar da embalagem somente na hora do uso. Flexionar o
anel de modo que possa ser introduzido na vagina. Com os dedos
indicador e médio, empurrar o máximo que puder, de modo que
fique sobrando um pouco para fora, o que deve permanecer assim
durante a relação. Retirar logo após a ejaculação, rosqueando o
anel para que não escorra o líquido seminal para dentro da
vagina.
Eficácia: Se usada corretamente, sua eficácia é alta, varia de 82
a 97%.
Camisinha feminina
Diafragma Cone flexível de látex ou silicone
introduzido no fundo da vagina.
MÉTODOS DE BARREIRA
Por apresentar 6 tamanhos diferentes (de acordo com o tamanho do colo uterino),
deve ser indicado por um médico para uma adequação perfeita ao colo uterino.
Deve ser usado com espermicida.
Recomenda-se introduzir na vagina de 15 a 30 minutos antes da relação
sexual e só retirar 6 a 8 horas após a última relação sexual de penetração.
Diafragma
MÉTODOS DE BARREIRA
• O diafragma exige
disciplina em seu uso.
(por isso, é sugerido
que a pessoa coloque
todos os dias, mesmo
que não saiba se terá
relações sexuais, assim
evita ser pega
desprevenida, ter
preguiça, etc.)
• O diafragma pode ser usado em todas as fases de vida da mulher,
da adolescência à menopausa.
• Contribui para que a mulher toque seus órgãos genitais e conheça
melhor seu corpo.
• Não atrapalha a relação sexual pois, em geral, homens e mulheres
não sentem sua presença.
• Não faz mal à saúde e nem interfere no ciclo menstrual.
• Pode ser usado com geléia espermicida, aumentando a proteção.
• Pode ser utilizado durante a amamentação, pois não interfere no
leite.
• Não é descartável, possui durabilidade entre 2 e 3 anos quando
cuidado adequadamente.
• Possui um custo baixo, comparado a outros métodos
(custo/durabilidade/eficácia).
• Pode ser usado junto com o preservativo masculino, aumentando
assim, a proteção.
• Ministério da Saúde disponibiliza todos os números na rede
pública.
Desvantagens:
Vantagens:
Espermicidas
Cremes vaginais com propriedades
espermicidas para antes e depois do ato
sexual.
MÉTODOS DE BARREIRA
Existem em várias apresentações de espermicidas:
cremes, geléias, supositórios, tabletes e espumas.
Espermicidas
MÉTODOS DE BARREIRA
• O tempo de ação dos espermicidas é de 2 horas e
necessita reaplicação em relações sexuais
prolongadas ou repetidas.
• Em algumas pessoas pode provoca alergias (Nesse
caso, recomenda-se a suspensão do uso e, o uso de
métodos de camisinhas com lubrificantes a base de
água)
• Não precisa ser
usado todos os
dias.
• Não prejudica a
saúde e nem
interfere no ciclo
menstrual.
Desvantagens:
Vantagens:
Anticoncepcional Hormonal Combinado Oral
 Consiste na utilização de estrogênio
associado ao progesterona, impedindo a
concepção por inibir a ovulação pelo
bloqueio da liberação de gonadotrofinas
pela hipófise. Também modifica o muco
cervical tornando-o hostil ao
espermatozóide, altera as condições
endometriais, modifica a contratilidade
das tubas, interferindo no transporte
ovular.
 Existem diversos tipos de pílulas. As mais
comumente receitadas são:
monofásicas, multifásicas e pílulas de
baixa dosagem ou minipílulas.
MÉTODOS HORMONAIS
Pílulas anticoncepcionais
Pílulas monofásicas: toma-se uma pílula por dia, e todas
têm a mesma dosagem de hormônios (estrogênio e
progesterona). Começa-se a tomar no quinto dia da menstruação
até a cartela acabar. Fica-se sete dias sem tomar, durante os quais
sobrevém a menstruação.
Pílulas multifásicas: toma-se uma pílula por dia, mas
existem pílulas com diferentes dosagens, conforme a fase do ciclo.
Por isso, podem ter dosagens mais baixas, e causam menos efeitos
colaterais. São tomadas como as pílulas monofásicas, mas têm
cores diferentes, de acordo com a dosagem e a fase do ciclo: não
podem ser tomadas fora da ordem.
MÉTODOS HORMONAIS
Pílulas de baixa dosagem ou minipílulas: contêm
apenas um hormônio (geralmente progesterona); causando menos efeitos
colaterais. São indicadas durante a amamentação, como uma garantia
extra para a mulher. Devem ser tomadas todos os dias, sem interrupção,
inclusive na menstruação.
Adesivos
Transdérmicos
Ex: Evra®.
MÉTODOS HORMONAIS
MÉTODOS HORMONAIS - PÍLULAS
IMPORTANTE:
• Tomar diariamente, de preferência no mesmo horário, iniciando conforme a
bula ou a recomendação médica.
• Caso haja esquecimento: Se não tiver passado 12 horas do horário: tomar
o comprimido esquecido imediatamente e o próximo no horário previsto
do dia. Se o período de esquecimento ultrapassar 12 horas: espere
o horário normal e tome 2 pílulas - a esquecida e a do dia - continue
a tomar as outras até o fim da cartela e use camisinha em todas as
relações sexuais até a menstruação vir.
• Caso o esquecimento ultrapasse 2 ou 3 dias, tomar uma das esquecidas e
a do dia normal e continue a tomar as outras pílulas até o final da cartela e
use camisinha em todas as relações sexuais até a menstruação vir.
Desvantagens das pílulas:
Pode causar efeitos colaterais em algumas mulheres, como náusea,
sensibilidade das mamas, ganho de peso ou retenção de água,
alterações no humor, manchas na pele, dor de cabeça, aumento na
pressão sangüínea.
Em algumas mulheres podem causar riscos à saúde. Desta forma,
mulheres fumantes, com problemas cardíacos, com doenças do fígado e
do coração, hipertensão, suspeita de gravidez, varizes, glaucoma,
enxaqueca, derrame, ou obesidade não devem usar pílulas.
É menos efetiva quando tomada com algumas drogas. Certas
medicações, especificamente antibióticos interferem na ação das pílulas,
tornando o controle menos efetivo.
Uma falha no esquema de tomar a pílula pode cancelar ou diminuir a
efetividade.
MÉTODOS HORMONAIS
Pílulas do Dia Seguinte ou Pós-Coito
MÉTODOS HORMONAIS
A Anticoncepção de Emergência (AE) é um
uso alternativo de contracepção hormonal oral
(tomado antes de 72 horas após o coito),
evitando-se a gestação após uma relação
sexual desprotegida.
Este contraceptivo contém o levonorgestrel,
que é um tipo de progesterona.
Nem sempre surte resultados e pode ter efeitos colaterais intensos.
Os sintomas mais comuns são náusea, dores abdominais, fadiga, dor de cabeça,
distúrbio no ciclo menstrual, tontura, e, em casos menos comuns, diarréia, vômito
e acnes.
Índice de falha:
Se usada até 24 horas da relação - 5%.
Entre 25 e 48 horas - 15%.
Entre 49 e 72 horas - 42%.
Pílulas do Dia Seguinte ou Pós-Coito
MÉTODOS HORMONAIS
Qual o mecanismo de ação da Anticoncepção de Emergência?
R: O mecanismo de ação da AE é ponto de muito interesse tanto de
usuárias, como de provedores de saúde. Embora se acumulem
investigações científicas sobre o tema, o conhecimento das mulheres e
dos profissionais de saúde ainda é relativamente escasso. Isso
colabora para que persistam diversas dúvidas, principalmente sobre o
risco de “efeito abortivo”. Portanto, o esclarecimento dos efeitos
anticonceptivos da AE é fundamental.
Anticoncepção de Emergência
Perguntas e Respostas para Profissionais de Saúde.
Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, Caderno n3
Ministério da Saúde. Brasília – DF, 2005.
Pílulas do Dia Seguinte ou Pós-Coito
MÉTODOS HORMONAIS
Qual o mecanismo de ação da Anticoncepção de Emergência?
R: Se utilizada na primeira fase do ciclo menstrual, antes do pico
do Hormônio Luteinizante (LH), a AE altera o desenvolvimento dos
folículos, impedindo a ovulação ou a retardando por vários dias.
Na segunda fase do ciclo menstrual, após a ovulação, a AE atua por
outros mecanismos. Nesses casos, a AE altera o transporte dos
espermatozóides e do óvulo nas trompas.
O mais importante é que a AE modifica o muco cervical, tornando-o
espesso e hostil, impedindo ou dificultando a migração dos
espermatozóides do trato feminino até as trompas, em direção ao óvulo.
Anticoncepção de Emergência
Perguntas e Respostas para Profissionais de Saúde.
Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, Caderno n3
Ministério da Saúde. Brasília – DF, 2005
Injetáveis
Mensal ou
trimestral
Implante
sub-cutâneo
(etonogestrel)
MÉTODOS HORMONAIS
MÉTODOS HORMONAIS
Implantes sub-cutâneos
• É contra indicado para mulheres com mais
de 35 anos e fumantes.
• Reduz o ciclo menstrual com o passar do
tempo e tende a suprimi-lo (a mulher
passa a não menstruar mais).
• Seu uso não pode ser interrompido
instantaneamente, é necessário procurar
um médico para retirar o implante.
• A mulher não precisa se
preocupar com a
utilização de métodos no
dia-a-dia.
Desvantagens:
Vantagens:
Quais as chances de que a injeção falhe?
A taxa de falha na injeção mensal varia de 0,1% a 0,6% ou seja,
de cada mil mulheres que usam durante um ano, de uma a seis
engravidam. A taxa de falha da injeção trimestral é de 0,3% ou
seja, de cada mil mulheres que usam durante um ano, apenas três
engravidam.
MÉTODOS HORMONAIS
Injetáveis
• Exige os mesmos cuidados para o uso que a pílula
anticoncepcional;
• Alguns tipos acarretam sobrecarga hormonal, portanto
aumento da circulação sangüínea, com risco de
varizes, hipertensão, trombose e problemas
circulatórios;
• Não deve ser utilizada por fumantes ou mulheres acima
de 35 anos de idade.
• Não
interfere nas
relações
sexuais
• Não precisa
ser usada
no dia a dia.
Desvantagens:
Vantagens:
Nuvaring®: é um anel vaginal contendo Etonogestrel e
Etinilestradiol que é colocado na vagina no 5º dia da
menstruação, permanecendo nesta posição durante três semanas.
A maior vantagem é que a mulher não precisará tomar a pílula
todo dia e nem esquecerá.
Outra vantagem é que os hormônios serão absorvidos diretamente
pela circulação, evitando alguns efeitos colaterais desagradáveis
da pílula oral.
MÉTODOS HORMONAIS
Anel vaginal
DIU -
Mirena
Trata-se de uma forma de DIU em forma de
T com um reservatório que contém 52 mg
de um hormônio chamado levonogestrel.
MÉTODOS HORMONAIS
Trata-se de uma pequena peça de plástico, em polietileno, com
uma parte recoberta de cobre em formato espiral, que é colocada
pelo médico dentro do útero. O cobre bloqueia a atividade dos
espermatozóides, dificultando seu acesso ao óvulo e evitando a
gravidez com eficácia de 98%.
MÉTODOS INTRA-UTERINOS
DIU
MÉTODOS INTRA-UTERINOS
DIU
• DIU não é recomendado na presença ou suspeita de:
gravidez, câncer no útero ou nas trompas,
malformação no útero, hemorragias e presença de
anemia constante.
• DIU aumenta a possibilidade de inflamações e de
manutenção no caso de aquisição de alguma DST.
• Em presença de DST, o DIU não deve ser
recomendado. Caso já esteja em uso, deve ser
retirado.
• A inflamação, deve ser tratada antes da colocação do
DIU.
• Exige um acompanhamento médico periódico.
• Apesar de seguro, pode ocorrer uma gravidez com o
DIU. Quando isso acontece, o risco de aborto é maior.
• Após ser colocado, o
DIU pode
permanecer no útero
por muitos anos.
Dependendo do tipo,
por 5 a 10 anos.
• Pode ser colocado
60 dias após o parto.
• Não exige disciplina
em seu uso porque
permanece
continuamente no
corpo da mulher;
Desvantagens:
Vantagens:
MÉTODOS CIRÚRGICOS
Vasectomia
MÉTODOS CIRÚRGICOS
Vasectomia
• A esterilização cirúrgica masculina exige indicação médica e só pode ser
realizada em homens com mais de 25 anos ou pelo menos dois filhos e que
já passaram por grupos educativos, pelo menos 60 dias antes de demonstrar
desejo de se operar, para conhecer os outros métodos contraceptivos, pois ela
é irreversível e não pode ser desfeita.
• Ela está regulamentada pela Lei 9.263, de 1996. art.226 da Constituição
Federal.
• Os canais deferentes são tubos finos que saem dos testículos, que ficam
dentre do saco escrotal, assim, o corte é feito no saco, não sendo necessária
nenhuma operação mais profunda no resto do corpo.
• Através deste método o homem deixa de ser fértil devido a ausência de
espermatozóides no sêmen. Eles continuam a ser produzidos porém, são
reabsorvidos pelo organismo.
• O homem não perde a ereção, nem a ejaculação e nem a capacidade sexual é
afetada.
• Após a cirurgia é necessário dois dias de repouso e uso de camisinha nas
primeiras relações sexuais, para que os espermatozóides, que já tenham
passado pelos canais deferentes, sejam expelidos.
MÉTODOS CIRÚRGICOS
Corte
Corte
Laqueadura Tubária
MÉTODOS CIRÚRGICOS
Laqueadura Tubária
• A esterilização cirúrgica exige indicação médica e só pode ser
realizada em mulheres com mais de 25 anos ou pelo menos dois
filhos e que já passaram por grupos educativos, pelo menos 60 dias
antes de demonstrar desejo de se operar, para conhecer os outros
métodos contraceptivos, pois ela é irreversível e não pode ser desfeita.
• Está regulamentada pela Lei 9.263, de 1996. art.226 da Constituição
Federal.
• A esterilização não poderá ser feita em momentos de aborto ou parto, a
menos que novas gestações ofereçam risco de vida para a mulher ou
futuros bebês.
• Este método não é recomendado para mulheres jovens e para aquelas
que ainda desejam ter filhos
• Quando for realizada através de laparoscopia (corte no umbigo da
mulher) oferece recuperação mais rápida e menor risco para a mulher.
• A menstruação continua a ocorrer normalmente após a cirurgia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Doencas Genéticas
Doencas Genéticas Doencas Genéticas
Doencas Genéticas
 
Divisão celular mitose e meiose
Divisão celular  mitose e meioseDivisão celular  mitose e meiose
Divisão celular mitose e meiose
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)Sistema reprodutor (masculino e feminino)
Sistema reprodutor (masculino e feminino)
 
Meiose (1)
Meiose (1)Meiose (1)
Meiose (1)
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
 
Puberdade
PuberdadePuberdade
Puberdade
 
Infecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveisInfecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveis
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
Celula procarionte
Celula procarionte Celula procarionte
Celula procarionte
 
Variabilidade
VariabilidadeVariabilidade
Variabilidade
 
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionários
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionáriosAula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionários
Aula 1° fecundação, embriologia e anexos embrionários
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
 
Anexos Embrionários - Embriologia
Anexos Embrionários - EmbriologiaAnexos Embrionários - Embriologia
Anexos Embrionários - Embriologia
 
Reprodução Animal
Reprodução AnimalReprodução Animal
Reprodução Animal
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Aula 1 origem e evolução das células
Aula 1   origem e evolução das célulasAula 1   origem e evolução das células
Aula 1 origem e evolução das células
 

Semelhante a Métodos contraceptivos e reprodução humana

metodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdf
metodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdfmetodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdf
metodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdfSamara165561
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivosTânia Reis
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaAna Paula Silva
 
Métodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanosMétodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanosClécio Bubela
 
MéTodos Contraceptivos
MéTodos  ContraceptivosMéTodos  Contraceptivos
MéTodos Contraceptivostiafer96
 
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3Pelo Siro
 
Métodos contraceptivos e Dsts
Métodos contraceptivos e DstsMétodos contraceptivos e Dsts
Métodos contraceptivos e DstsAloisio Carvalho
 
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 anoSeminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 anoNTE RJ14/SEEDUC RJ
 
Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]
Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]
Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]gggg7777
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivosguest44df534
 
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.pptmtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.pptNAYRARAFAELAVIDO
 
5 mtodos-contracep-1233068264563111-3
5 mtodos-contracep-1233068264563111-35 mtodos-contracep-1233068264563111-3
5 mtodos-contracep-1233068264563111-3Pelo Siro
 

Semelhante a Métodos contraceptivos e reprodução humana (20)

metodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdf
metodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdfmetodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdf
metodoscontraceptivos-111017103521-phpapp02 (1).pdf
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
 
Métodos 8°b
Métodos 8°bMétodos 8°b
Métodos 8°b
 
Métodos 8°b
Métodos 8°bMétodos 8°b
Métodos 8°b
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescênciaSexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
 
Métodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanosMétodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanos
 
Ciências
CiênciasCiências
Ciências
 
MéTodos Contraceptivos
MéTodos  ContraceptivosMéTodos  Contraceptivos
MéTodos Contraceptivos
 
ContracepçAo
ContracepçAoContracepçAo
ContracepçAo
 
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
 
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
 
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
Mtodos contraceptivos-1199534859604562-3
 
Apresenta..(1)
Apresenta..(1)Apresenta..(1)
Apresenta..(1)
 
Métodos contraceptivos e Dsts
Métodos contraceptivos e DstsMétodos contraceptivos e Dsts
Métodos contraceptivos e Dsts
 
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 anoSeminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
 
Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]
Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]
Metodos Contraceptivos [Guardado Automaticamente]
 
Métodos Contraceptivos
Métodos ContraceptivosMétodos Contraceptivos
Métodos Contraceptivos
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.pptmtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
 
5 mtodos-contracep-1233068264563111-3
5 mtodos-contracep-1233068264563111-35 mtodos-contracep-1233068264563111-3
5 mtodos-contracep-1233068264563111-3
 

Último

CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 

Métodos contraceptivos e reprodução humana

  • 2. Vulva SISTEMAS GENITAIS Tuba uterina (de Falópio) Ovário Útero Ligamento Vagina em corte longitudinal Testículo Epidídimo Pênis Uretra Glândula bulbouretral Duto ejaculatório Próstata Vesícula seminal Duto deferente
  • 3. GAMETOGÊNESE (ESPERMATOGÊNESE) Células germinativas (2n) Período germinativo Período de crescimento Período de maturação Período de diferenciação Espermatozóides Epidídimo (armazena espermatozóides) Túbulo seminífero Mitoses 2n Mitose 2n 2n Meiose n n n n n n n n n n 2n Crescimento sem divisão celular Testículo Espermatogônia Espermatócito I (2n) Espermatócitos II (n cromossomos duplicados) Espermátides (n) Célula de Sertoli (em corte transversal)
  • 4. Espermatozóide ESPERMIOGÊNESE HUMANA O complexo de Golgi concentra-se perto do núcleo. As mitocôndrias concentram-se na região próxima ao centríolo, que se transforma em flagelo. Peça intermediária cauda cabeça Espermátide Núcleo Complexo de Golgi Mitocôndria Centríolo Início da formação do acrossomo Parte do citoplasma que será eliminada Início da formação do flagelo Acrossomo Mitocôndrias Núcleo
  • 5. GAMETOGÊNESE (OVULOGÊNESE) Células germinativas (2n) Meiose II (só se completa se ocorre fecundação) São formados eventualmente Período germinativo Período de crescimento Período de maturação Corpos lúteos Folículo ovariano primário Ovulação Ovócito II Folículo maduro Ovário Ovogônias (2n) 2n Mitose Ovogônias (2n) 2n 2n Crescimento sem divisão celular Ovócito I (2n) Meiose I 2n Ovócito II (n cromossomos duplicados) n Primeiro corpúsculo polar (n cromossomos duplicados) n n n corpúsculos polares (n) n n Óvulo (n)
  • 6. Foto ao microscópio eletrônico mostrando vários espermatozóides tentando penetrar em um ovócito II no momento da fecundação. Esta foto permite mostrar as diferenças de tamanho entre ovócito II e espermatozóide. Foto ao microscópio de luz. A penetração do espermatozóide no ovócito II estimula a finalização da meiose. Há liberação do segundo glóbulo polar com posterior fusão dos pronúcleos haplóides masculino e feminino. FECUNDAÇÃO Foto ao microscópio eletrônico de varredura, colorida artificialmente, que documenta o momento em que o espermatozóide atinge a superfície do ovócito II. Zona pelúcida Acrossomo Núcleo Centríolo Flagelo Citoplasma do ovócito II Membrana de fecundação
  • 7. MÉTODOS CONTRACEPTIVOS  A prevenção da gestação não planejada é fundamental, principalmente para adolescentes e adultos jovens sexualmente ativos, que devem ser orientados precocemente, uma vez que a idade para início das relações sexuais está diminuindo cada vez mais, enquanto estão aumentando o número de adolescentes grávidas.  Os métodos contraceptivos podem ser divididos didaticamente em: - comportamentais; - de barreira; - dispositivo intra-uterino (DIU); - métodos hormonais; - métodos cirúrgicos.
  • 8. MÉTODOS CONTRACEPTIVOS  A escolha do método contraceptivo deve ser sempre personalizada levando-se em conta fatores como:  idade,  números de filhos,  compreensão e tolerância ao método,  desejo de procriação futura,  a presença de doenças crônicas que possam agravar-se com o uso de determinado método.  Como todos os métodos têm suas limitações, é importante que saibamos quais são elas, para que eventualmente possamos optar por um dos métodos.  Todavia, na orientação sobre os métodos anticoncepcionais deve ser destacada a necessidade da dupla proteção (contracepção e prevenção das DSTs e AIDS), mostrando a importância dos métodos de barreira, como os preservativos masculinos ou femininos.
  • 9. MÉTODOS CONTRACEPTIVOS Comportamentais ou de Abstinência Períodica: São aqueles que identificam o período fértil, evitando relações nesse período. - Tabelinha (Ogino Knauss) - Método de Bilings (muco cervical) - Temperatura basal - Coito interrompido Barreira: São aqueles que não deixam os espermatozóides subirem pelo colo do útero. - Camisinha - Diafragma - Espermecidas
  • 10. Hormonais: São substâncias que alteram a fisiologia do sistema reprodutor feminino. - Pílulas - Injetáveis - Implantes sub-cutâneos - Adesivos Intra-uterinos: Estruturas específicas introduzidas no interior do útero. - DIU Cirúrgicos ou Definitivos: Operações realizadas tanto no homem quanto na mulher para interromper definitivamente a capacidade reprodutiva. - Vasectomia - Ligadura de Trompas MÉTODOS CONTRACEPTIVOS Corte Corte Corte
  • 11. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Tabelinha utiliza-se da contagem dos dias do ciclo, evitando os dias próximos à ovulação. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 É pouco eficaz se não for combinado com outros métodos, como preservativos ou espermicidas, pois depende da abstenção voluntária nos períodos férteis da mulher, onde a libido (desejo sexual) se encontra em alta.
  • 12. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Muco Cervical baseia-se na identificação do período fértil pelas modificações cíclicas do muco cervical, observado no auto- exame e pela sensação por ele provocada na vagina e vulva. A observação da ausência ou presença do fluxo mucoso deve ser diária. O muco cervical aparece cerca de 2 a 3 dias depois da menstruação e, inicialmente é pouco consistente e espesso. Logo antes da ovulação, ele atinge o chamado "ápice", em que fica bem grudento.
  • 13. Temperatura Basal MÉTODOS COMPORTAMENTAIS • Durante o período fértil a temperatura do corpo feminino aumenta de 0,3 a 0,8º C, porém outros fatores como gripes, resfriados, infecções ou cansaços agudos, podem também fazer essa temperatura aumentar, causando confusão. • Por ser um método que exige uma atenção constante do próprio corpo e que só deve ser feito em uma situação de plena saúde, pode causar alguns erros de interpretação, visto que fatores como gripes, resfriados e presenças de infecções, ou estafas, podem confundir porque também elevam a temperatura. Por isso, é mais utilizado para quem deseja engravidar, para saber exatamente quando manter relações sexuais com maior chance de fecundação.
  • 14. Coito Interrompido Consiste em retirar o pênis do canal vaginal antes da ejaculação. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS
  • 15. Condom ou Camisinha Masculina Feminina MÉTODOS DE BARREIRA
  • 16. MÉTODOS DE BARREIRA É um envoltório de látex que recobre o pênis, retendo o sêmen no ato sexual, impedido o contato deste e de outros microrganismos com a vagina e o pênis ou vice-versa. Uso: desenrolar a camisinha no pênis ereto, antes de qualquer contato com a vagina, ânus ou boca. Deve ser retirada do pênis imediatamente após a ejaculação, segurando as bordas da camisinha para impedir que os espermatozóides escapem para a vagina. Eficácia: A taxa de falha varia de 3 a 14 mulheres em 100 podem ficar grávidas em um ano de uso. Camisinha masculina
  • 17. MÉTODOS DE BARREIRA Constitui-se em um tubo de poliuretano com uma extremidade fechada e a outra aberta acoplado a dois anéis flexíveis também de poliuretano na cérvice uterina, paredes vaginais e vulva. O produto já vem lubrificado devendo ser utilizado uma única vez, destacando-se que o poliuretano por ser mais resistente que o látex pode ser utilizado com vários tipos de lubrificantes. Uso: retirar da embalagem somente na hora do uso. Flexionar o anel de modo que possa ser introduzido na vagina. Com os dedos indicador e médio, empurrar o máximo que puder, de modo que fique sobrando um pouco para fora, o que deve permanecer assim durante a relação. Retirar logo após a ejaculação, rosqueando o anel para que não escorra o líquido seminal para dentro da vagina. Eficácia: Se usada corretamente, sua eficácia é alta, varia de 82 a 97%. Camisinha feminina
  • 18. Diafragma Cone flexível de látex ou silicone introduzido no fundo da vagina. MÉTODOS DE BARREIRA Por apresentar 6 tamanhos diferentes (de acordo com o tamanho do colo uterino), deve ser indicado por um médico para uma adequação perfeita ao colo uterino. Deve ser usado com espermicida. Recomenda-se introduzir na vagina de 15 a 30 minutos antes da relação sexual e só retirar 6 a 8 horas após a última relação sexual de penetração.
  • 19. Diafragma MÉTODOS DE BARREIRA • O diafragma exige disciplina em seu uso. (por isso, é sugerido que a pessoa coloque todos os dias, mesmo que não saiba se terá relações sexuais, assim evita ser pega desprevenida, ter preguiça, etc.) • O diafragma pode ser usado em todas as fases de vida da mulher, da adolescência à menopausa. • Contribui para que a mulher toque seus órgãos genitais e conheça melhor seu corpo. • Não atrapalha a relação sexual pois, em geral, homens e mulheres não sentem sua presença. • Não faz mal à saúde e nem interfere no ciclo menstrual. • Pode ser usado com geléia espermicida, aumentando a proteção. • Pode ser utilizado durante a amamentação, pois não interfere no leite. • Não é descartável, possui durabilidade entre 2 e 3 anos quando cuidado adequadamente. • Possui um custo baixo, comparado a outros métodos (custo/durabilidade/eficácia). • Pode ser usado junto com o preservativo masculino, aumentando assim, a proteção. • Ministério da Saúde disponibiliza todos os números na rede pública. Desvantagens: Vantagens:
  • 20. Espermicidas Cremes vaginais com propriedades espermicidas para antes e depois do ato sexual. MÉTODOS DE BARREIRA Existem em várias apresentações de espermicidas: cremes, geléias, supositórios, tabletes e espumas.
  • 21. Espermicidas MÉTODOS DE BARREIRA • O tempo de ação dos espermicidas é de 2 horas e necessita reaplicação em relações sexuais prolongadas ou repetidas. • Em algumas pessoas pode provoca alergias (Nesse caso, recomenda-se a suspensão do uso e, o uso de métodos de camisinhas com lubrificantes a base de água) • Não precisa ser usado todos os dias. • Não prejudica a saúde e nem interfere no ciclo menstrual. Desvantagens: Vantagens:
  • 22. Anticoncepcional Hormonal Combinado Oral  Consiste na utilização de estrogênio associado ao progesterona, impedindo a concepção por inibir a ovulação pelo bloqueio da liberação de gonadotrofinas pela hipófise. Também modifica o muco cervical tornando-o hostil ao espermatozóide, altera as condições endometriais, modifica a contratilidade das tubas, interferindo no transporte ovular.  Existem diversos tipos de pílulas. As mais comumente receitadas são: monofásicas, multifásicas e pílulas de baixa dosagem ou minipílulas. MÉTODOS HORMONAIS
  • 23. Pílulas anticoncepcionais Pílulas monofásicas: toma-se uma pílula por dia, e todas têm a mesma dosagem de hormônios (estrogênio e progesterona). Começa-se a tomar no quinto dia da menstruação até a cartela acabar. Fica-se sete dias sem tomar, durante os quais sobrevém a menstruação. Pílulas multifásicas: toma-se uma pílula por dia, mas existem pílulas com diferentes dosagens, conforme a fase do ciclo. Por isso, podem ter dosagens mais baixas, e causam menos efeitos colaterais. São tomadas como as pílulas monofásicas, mas têm cores diferentes, de acordo com a dosagem e a fase do ciclo: não podem ser tomadas fora da ordem. MÉTODOS HORMONAIS
  • 24. Pílulas de baixa dosagem ou minipílulas: contêm apenas um hormônio (geralmente progesterona); causando menos efeitos colaterais. São indicadas durante a amamentação, como uma garantia extra para a mulher. Devem ser tomadas todos os dias, sem interrupção, inclusive na menstruação. Adesivos Transdérmicos Ex: Evra®. MÉTODOS HORMONAIS
  • 25. MÉTODOS HORMONAIS - PÍLULAS IMPORTANTE: • Tomar diariamente, de preferência no mesmo horário, iniciando conforme a bula ou a recomendação médica. • Caso haja esquecimento: Se não tiver passado 12 horas do horário: tomar o comprimido esquecido imediatamente e o próximo no horário previsto do dia. Se o período de esquecimento ultrapassar 12 horas: espere o horário normal e tome 2 pílulas - a esquecida e a do dia - continue a tomar as outras até o fim da cartela e use camisinha em todas as relações sexuais até a menstruação vir. • Caso o esquecimento ultrapasse 2 ou 3 dias, tomar uma das esquecidas e a do dia normal e continue a tomar as outras pílulas até o final da cartela e use camisinha em todas as relações sexuais até a menstruação vir.
  • 26. Desvantagens das pílulas: Pode causar efeitos colaterais em algumas mulheres, como náusea, sensibilidade das mamas, ganho de peso ou retenção de água, alterações no humor, manchas na pele, dor de cabeça, aumento na pressão sangüínea. Em algumas mulheres podem causar riscos à saúde. Desta forma, mulheres fumantes, com problemas cardíacos, com doenças do fígado e do coração, hipertensão, suspeita de gravidez, varizes, glaucoma, enxaqueca, derrame, ou obesidade não devem usar pílulas. É menos efetiva quando tomada com algumas drogas. Certas medicações, especificamente antibióticos interferem na ação das pílulas, tornando o controle menos efetivo. Uma falha no esquema de tomar a pílula pode cancelar ou diminuir a efetividade. MÉTODOS HORMONAIS
  • 27. Pílulas do Dia Seguinte ou Pós-Coito MÉTODOS HORMONAIS A Anticoncepção de Emergência (AE) é um uso alternativo de contracepção hormonal oral (tomado antes de 72 horas após o coito), evitando-se a gestação após uma relação sexual desprotegida. Este contraceptivo contém o levonorgestrel, que é um tipo de progesterona. Nem sempre surte resultados e pode ter efeitos colaterais intensos. Os sintomas mais comuns são náusea, dores abdominais, fadiga, dor de cabeça, distúrbio no ciclo menstrual, tontura, e, em casos menos comuns, diarréia, vômito e acnes. Índice de falha: Se usada até 24 horas da relação - 5%. Entre 25 e 48 horas - 15%. Entre 49 e 72 horas - 42%.
  • 28. Pílulas do Dia Seguinte ou Pós-Coito MÉTODOS HORMONAIS Qual o mecanismo de ação da Anticoncepção de Emergência? R: O mecanismo de ação da AE é ponto de muito interesse tanto de usuárias, como de provedores de saúde. Embora se acumulem investigações científicas sobre o tema, o conhecimento das mulheres e dos profissionais de saúde ainda é relativamente escasso. Isso colabora para que persistam diversas dúvidas, principalmente sobre o risco de “efeito abortivo”. Portanto, o esclarecimento dos efeitos anticonceptivos da AE é fundamental. Anticoncepção de Emergência Perguntas e Respostas para Profissionais de Saúde. Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, Caderno n3 Ministério da Saúde. Brasília – DF, 2005.
  • 29. Pílulas do Dia Seguinte ou Pós-Coito MÉTODOS HORMONAIS Qual o mecanismo de ação da Anticoncepção de Emergência? R: Se utilizada na primeira fase do ciclo menstrual, antes do pico do Hormônio Luteinizante (LH), a AE altera o desenvolvimento dos folículos, impedindo a ovulação ou a retardando por vários dias. Na segunda fase do ciclo menstrual, após a ovulação, a AE atua por outros mecanismos. Nesses casos, a AE altera o transporte dos espermatozóides e do óvulo nas trompas. O mais importante é que a AE modifica o muco cervical, tornando-o espesso e hostil, impedindo ou dificultando a migração dos espermatozóides do trato feminino até as trompas, em direção ao óvulo. Anticoncepção de Emergência Perguntas e Respostas para Profissionais de Saúde. Série Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, Caderno n3 Ministério da Saúde. Brasília – DF, 2005
  • 31. MÉTODOS HORMONAIS Implantes sub-cutâneos • É contra indicado para mulheres com mais de 35 anos e fumantes. • Reduz o ciclo menstrual com o passar do tempo e tende a suprimi-lo (a mulher passa a não menstruar mais). • Seu uso não pode ser interrompido instantaneamente, é necessário procurar um médico para retirar o implante. • A mulher não precisa se preocupar com a utilização de métodos no dia-a-dia. Desvantagens: Vantagens:
  • 32. Quais as chances de que a injeção falhe? A taxa de falha na injeção mensal varia de 0,1% a 0,6% ou seja, de cada mil mulheres que usam durante um ano, de uma a seis engravidam. A taxa de falha da injeção trimestral é de 0,3% ou seja, de cada mil mulheres que usam durante um ano, apenas três engravidam. MÉTODOS HORMONAIS Injetáveis • Exige os mesmos cuidados para o uso que a pílula anticoncepcional; • Alguns tipos acarretam sobrecarga hormonal, portanto aumento da circulação sangüínea, com risco de varizes, hipertensão, trombose e problemas circulatórios; • Não deve ser utilizada por fumantes ou mulheres acima de 35 anos de idade. • Não interfere nas relações sexuais • Não precisa ser usada no dia a dia. Desvantagens: Vantagens:
  • 33. Nuvaring®: é um anel vaginal contendo Etonogestrel e Etinilestradiol que é colocado na vagina no 5º dia da menstruação, permanecendo nesta posição durante três semanas. A maior vantagem é que a mulher não precisará tomar a pílula todo dia e nem esquecerá. Outra vantagem é que os hormônios serão absorvidos diretamente pela circulação, evitando alguns efeitos colaterais desagradáveis da pílula oral. MÉTODOS HORMONAIS Anel vaginal
  • 34. DIU - Mirena Trata-se de uma forma de DIU em forma de T com um reservatório que contém 52 mg de um hormônio chamado levonogestrel. MÉTODOS HORMONAIS
  • 35. Trata-se de uma pequena peça de plástico, em polietileno, com uma parte recoberta de cobre em formato espiral, que é colocada pelo médico dentro do útero. O cobre bloqueia a atividade dos espermatozóides, dificultando seu acesso ao óvulo e evitando a gravidez com eficácia de 98%. MÉTODOS INTRA-UTERINOS DIU
  • 36. MÉTODOS INTRA-UTERINOS DIU • DIU não é recomendado na presença ou suspeita de: gravidez, câncer no útero ou nas trompas, malformação no útero, hemorragias e presença de anemia constante. • DIU aumenta a possibilidade de inflamações e de manutenção no caso de aquisição de alguma DST. • Em presença de DST, o DIU não deve ser recomendado. Caso já esteja em uso, deve ser retirado. • A inflamação, deve ser tratada antes da colocação do DIU. • Exige um acompanhamento médico periódico. • Apesar de seguro, pode ocorrer uma gravidez com o DIU. Quando isso acontece, o risco de aborto é maior. • Após ser colocado, o DIU pode permanecer no útero por muitos anos. Dependendo do tipo, por 5 a 10 anos. • Pode ser colocado 60 dias após o parto. • Não exige disciplina em seu uso porque permanece continuamente no corpo da mulher; Desvantagens: Vantagens:
  • 38. MÉTODOS CIRÚRGICOS Vasectomia • A esterilização cirúrgica masculina exige indicação médica e só pode ser realizada em homens com mais de 25 anos ou pelo menos dois filhos e que já passaram por grupos educativos, pelo menos 60 dias antes de demonstrar desejo de se operar, para conhecer os outros métodos contraceptivos, pois ela é irreversível e não pode ser desfeita. • Ela está regulamentada pela Lei 9.263, de 1996. art.226 da Constituição Federal. • Os canais deferentes são tubos finos que saem dos testículos, que ficam dentre do saco escrotal, assim, o corte é feito no saco, não sendo necessária nenhuma operação mais profunda no resto do corpo. • Através deste método o homem deixa de ser fértil devido a ausência de espermatozóides no sêmen. Eles continuam a ser produzidos porém, são reabsorvidos pelo organismo. • O homem não perde a ereção, nem a ejaculação e nem a capacidade sexual é afetada. • Após a cirurgia é necessário dois dias de repouso e uso de camisinha nas primeiras relações sexuais, para que os espermatozóides, que já tenham passado pelos canais deferentes, sejam expelidos.
  • 40. MÉTODOS CIRÚRGICOS Laqueadura Tubária • A esterilização cirúrgica exige indicação médica e só pode ser realizada em mulheres com mais de 25 anos ou pelo menos dois filhos e que já passaram por grupos educativos, pelo menos 60 dias antes de demonstrar desejo de se operar, para conhecer os outros métodos contraceptivos, pois ela é irreversível e não pode ser desfeita. • Está regulamentada pela Lei 9.263, de 1996. art.226 da Constituição Federal. • A esterilização não poderá ser feita em momentos de aborto ou parto, a menos que novas gestações ofereçam risco de vida para a mulher ou futuros bebês. • Este método não é recomendado para mulheres jovens e para aquelas que ainda desejam ter filhos • Quando for realizada através de laparoscopia (corte no umbigo da mulher) oferece recuperação mais rápida e menor risco para a mulher. • A menstruação continua a ocorrer normalmente após a cirurgia.