SlideShare uma empresa Scribd logo
Processo de Produção
de Software
Bacharelado em Engenharia de Software – Aula 20
Prof.ª M.ª Elaine Cecília Gatto
MÉTODOS ÁGEIS DE
PROCESSOS DE
PRODUÇÃO DE
SOFTWARE
Manifesto
• Ano: 2001;
• 17 Pessoas: desenvolvedores, consultores e
autores;
• Agile Alliance: Aliança dos Ágeis;
• Manifesto for Agile Software Development:
Manifesto para o Desenvolvimento Ágil de
Software.
Manifesto
• Declaração do Manifesto Ágil:
• Por meio deste trabalho passamos a valorizar:
1. Indivíduos e interações acima de processos e
ferramentas;
2. Software operacional acima de
documentação completa;
3. Colaboração dos clientes acima de
negociação contratual;
4. Respostas a mudanças acima de seguir um
plano.
Manifesto
Processos, ferramentas, documentação,
contratos e planos
terão mais sentido e mais valor depois que
indivíduos, interações, software funcional,
colaboração do cliente e resposta às mudanças
também foram considerados importantes.
Manifesto
• De nada adianta:
• Um processo bem estruturado se as
pessoas não o seguem.
• Um software bem documentado se não
satisfaz os requisitos (ou não funciona).
• Etc.
Manifesto
• Aceita o cliente como parte da equipe;
• Tenta eliminar a atitude de “NÓS” e “ELES”;
• Incentiva a estruturação e as atitudes em
equipe tornando a comunicação mais fácil;
• Reconhece que o planejamento em um
mundo incerto tem seus limites;
• O plano de projeto deve ser flexível.
Manifesto
• Enfatiza a entrega rápida do software
operacional;
• Solicita aos usuários envolvidos que forneçam
feedback constante;
• Gerar somente a documentação necessária;
• Manter comunicação constante informalmente;
• Os requisitos e o ambiente mudarão
inevitavelmente.
Manifesto
• Desenvolver software em interações
menores;
• Garantir que haja sempre um produto
acabado;
• Exigir apenas um nível normal de esforço dos
desenvolvedores;
• Requisitos não precisam estar
completamente especificados desde o inicio.
Manifesto
• Um manifesto ataca a velha guarda e sugere
uma mudança revolucionária para melhor (mas
nem sempre é isso o que ocorre).
• Motivação:
• Esforço para sanar fraquezas reais e
perceptíveis da engenharia de software
convencional.
Manifesto
• Problemas do Desenvolvimento Tradicional:
• Prazos de desenvolvimento muito longos;
• Incapacidade de lidar coma mudança de
requisitos;
• Presunção de que os requisitos estejam
completamente entendidos antes do inicio do
projeto.
Manifesto
• Problemas do Desenvolvimento Tradicional:
• Confiança excessiva no esforço heroico do
desenvolvedor;
• Metodologia complexa;
• Desperdício (duplicação/retrabalho) de
esforço.
Manifesto
• Princípios:
1. Prioridade: Satisfazer o cliente através da
entrega rápida e contínua de software com
valor.
2. Mudanças nos requisitos:
✓São bem vindas, mesmo em etapas finais
do projeto.
✓Mudança é um diferencial competitivo
para o cliente.
Manifesto
• Princípios:
3. Entrega de software frequente:
✓Intervalos que variam de 2 semanas a
2 meses.
✓Intervalo mais curto é o preferível.
4. Administradores e Desenvolvedores
devem trabalhar juntos diariamente.
Manifesto
• Princípios:
5. Construir projetos em torno de
INDIVÍDUOS MOTIVADOS:
✓Dar aos indivíduos o ambiente e o
suporte.
✓Confiar que farão o trabalho.
6. Conversa cara a cara:
✓Meio mais eficiente e efetivo para tratar
a comunicação entre e para a equipe de
desenvolvimento.
Manifesto
• Princípios:
7. Software funcionando é medida primordial
de progresso.
8. Processos Ágeis:
✓Promovem desenvolvimento sustentável.
✓Financiadores, usuários e
desenvolvedores devem ser capazes de
manter o ritmo indefinidamente.
Manifesto
• Princípios:
9. Atenção contínua à excelência técnica e
bom design melhoram a agilidade.
10.Simplicidade é essencial:
✓Arte de maximizar a quantidade de
um trabalho não feito.
Manifesto
• Princípios:
11.Equipes auto organizadas constroem as
melhores arquiteturas, requisitos e
projetos.
12.Em intervalos regulares:
✓A equipe reflete sobre como se tornar
mais efetiva.
✓Ajusta seu comportamento de acordo
com esta meta.
Métodos Ágeis: Introdução
• Modelos e Métodos Prescritivos:
• Receita de bolo (fases e/ou tarefas a executar)
• Modelos e Métodos Ágeis:
• Ênfase nos fatores humanos do
desenvolvimento;
• Focam nos valores humanos e sociais;
• São mais leves, mas não menos complexos ou
simplistas que os tradicionais.
Métodos Ágeis: Introdução
• Nem todas as características são novas e
revolucionárias.
• Algumas são o resultado de anos de pesquisa
e experiências.
• Muitos conceitos são apenas adaptações de
bons conceitos dos modelos tradicionais.
• Similares ao processo iterativo e incremental.
Métodos Ágeis: Introdução
• Filosofia de Desenvolvimento:
• Satisfação do cliente;
• Entrega incremental antecipada;
• Equipes de projeto pequenas;
• Equipes de projeto altamente motivadas;
• Métodos informais;
• Simplicidade no desenvolvimento geral;
Métodos Ágeis: Introdução
• A Engenharia de Software Ágil:
• Combina a FILOSOFIA com os PRINCÍPIOS DE
DESENVOLVIMENTO.
• Constitui uma alternativa para a Engenharia de
Software Convencional.
• É voltada para certas classes de Software e para
certos tipos de Projetos.
• É capaz de entregar sistemas corretos
rapidamente.
Métodos Ágeis: Introdução
• Equipe Ágil:
• Engenheiros de
Software
• Gerentes
• Clientes
• Usuários
• Etc.
• Equipe Ágil:
• Auto-organização
• Autocontrole
• Acelerar a
comunicação e a
colaboração entre
todos os
participantes
Métodos Ágeis: Introdução
• Uma equipe ágil reconhece que:
• O Software é desenvolvido por indivíduos
trabalhando em equipes;
• As habilidades dessas pessoas, suas
capacidades em colaborar, estão no centro
do sucesso do projeto.
Métodos Ágeis: Introdução
• Também pode ser denominada de:
• Métodos Light;
• Métodos Enxutos (lean methods);
• Engenharia de Software Flexível;
• Processos Leves.
Métodos Ágeis: Introdução
• Atividades metodológicas básicas são as
mesmas dos modelos Tradicionais:
• Comunicação
• Planejamento
• Modelagem
• Construção
• Entrega
Métodos Ágeis: Introdução
• Na Metodologia Ágil as Atividades
Metodológicas básicas se transformam em
um CONJUNTO DE TAREFAS MÍNIMAS que
impulsiona a equipe para o desenvolvimento
e para a entrega.
• Um incremento de software operacional deve
ser entregue adequadamente na data
combinada.
Métodos Ágeis: Introdução
• Pode ser aplicado como uma FILOSOFIA
geral para todos os trabalhos de software.
• Não é indicado para todos os projetos,
produtos pessoas e/ou situações.
• Softwares de pequeno e médio porte.
Métodos Ágeis: Introdução
• Contexto da Economia Moderna:
• Difícil prever como um sistema evoluirá com o
tempo;
• Mercado muda rapidamente;
• Necessidades dos usuários mudam rapidamente;
• Ameaças competitivas surgem a todo instante;
• Requisitos não serão definidos completamente antes
do inicio do projeto;
• Agilidade para responder ao ambiente de negócios.
Métodos Ágeis: Introdução
• Mudanças são caras;
• Mudanças sem controle são muito caras;
• Mudanças mal gerenciadas são muito caras.
• Solução:
• Metodologia ágil:
• Habilidade de reduzir os custos da
mudança no processo de software.
Métodos Ágeis: Introdução
• Reflexão:
• Os princípios, conceitos, métodos e
ferramentas de ENGENHARIA DE SOFTWARE
são descartados por conta do novo cenário
de negócios e mercado?
Métodos Ágeis: Introdução
• Falha grave nos
modelos prescritivos:
• Fraquezas das
pessoas que
desenvolvem
software.
• Pessoas não são
robôs.
• Diferenças de nível em:
• Habilidades
• Capacidades
• Criatividade
• Organização
• Consistência
• Espontaneidade
• Etc.
Métodos Ágeis: Introdução
• Maioria dos modelos de processo de produção de
software prescritivos exigem DISCIPLINA.
• A coerência nas ações é uma fraqueza humana, por este
motivo, os modelos e métodos que exigem DISCIPLINA
ELEVADA são frágeis.
• Modelos e Métodos devem fornecer MECANISMOS
REALISTAS para estimular a disciplina NECESSÁRIA
Métodos Ágeis: Definição
• Palavra-chave: MUDANÇA
• Mudanças na criação do software;
• Mudanças nos membros da equipe;
• Mudanças devido a novas tecnologias;
• Mudanças que impactarão no
produto/projeto que está em construção.
Métodos Ágeis: Introdução
• Examinar as razões para as mudanças é importante
(não é descartado na metodologia).
• Engenheiros de Software devem ASSIMILAR,
rapidamente, as rápidas mudanças.
• Agilidade também é uma resposta à mudança.
Métodos Ágeis: Introdução
• Metodologia ágil não significa:
• Abreviar soluções de software;
• Nenhum documento seja criado;
• Esquecer da qualidade (confiabilidade,
usabilidade, facilidade de manutenção,
etc.)
Métodos Ágeis: Introdução
• Algumas críticas:
• Falta estrutura e documentação
necessárias;
• Requer desenvolvedores muito
experientes e disciplinados;
• Resulta em projeto insuficiente;
• Mostra dificuldade de tratamento de
requisitos não-funcionais.
Métodos Ágeis: Introdução
• Algumas críticas:
• Requer mudança cultural muito grande;
• Dificulta negociações contratuais;
• Pode ser ineficiente se as alterações de
requisitos forem frequentes;
• Dificulta estimativas de esforços, custos e
prazos;
Métodos Ágeis: Introdução
• Um método ágil permite:
• Que uma equipe de software assimile as
alterações, sem um impacto significativo nos
custos ou no tempo.
• Reduzir custos das alterações:
• O software é entregue incrementalmente;
• As alterações são melhor controladas em
incrementais.
Métodos Ágeis: Introdução
• Para alcançar a agilidade, o processo de
software deve ser projetado de forma que a
equipe possa:
• Adaptar e alinhar tarefas;
• Conduzir o planejamento;
• Compreender a fluidez de uma metodologia
ágil;
Métodos Ágeis: Introdução
• Para alcançar a agilidade, o processo de
software deve ser projetado de forma que a
equipe possa:
• Eliminar tudo (menos o essencial);
• Conservar o que é essencial de forma enxuta;
• Enfatizar a estratégia de entrega incremental;
• Entregar o mais rápido possível o incremento
de software operacional.
Processos Ágeis
• Preceitos chave acerca da maioria dos
projetos de software:
• Requisitos de software:
• Quais vão persistir?
• Quais sofrerão alterações?
• Prioridades do cliente:
• De que maneira sofrerão alterações?
Processos Ágeis
• Preceitos chave acerca da maioria dos
projetos de software:
• Projeto e construção de software são
realizadas em conjunto:
• Quanto de trabalho será necessário
antes que a construção seja
implementada para avaliar o projeto?
Processos Ágeis
• Preceitos chave acerca da maioria dos
projetos de software:
• Análise, projeto, construção e testes NÃO
SÃO TÃO previsíveis quanto gostaríamos
que fossem
Processos Ágeis
• REFLEXÃO:
• Como criar um processo capaz de
administrar a IMPREVISIBILIDADE?
Processos Ágeis
• REFLEXÃO:
• RESPOSTA:
• Adaptabilidade do processo = Alterar
rapidamente o projeto e as condições
técnicas.
Processos Ágeis
• Um processo ágil deve ser:
• Adaptável:
• Trata a imprevisibilidade
• Adaptável de modo incremental:
• Adaptação contínua com progressos;
• Necessário feedback do cliente.
Processos Ágeis
• Estratégia de Desenvolvimento Incremental
• Incrementos de software devem ser entregues
em curtos prazos de tempo;
• Adaptações devem acompanhar o ritmo das
mudanças;
• Cliente avalia e dá o feedback regularmente
• Equipe inclui adequadamente as modificações
Exemplos
• FDD
• Desenvolvimento Dirigido por
Funcionalidade
• Tem certo grau de prescrição
• Detalhamento de Atividades não comum a
outros métodos ágeis
Exemplos
• DSDM
• Dynamic Systems Development Method;
• Método de Desenvolvimento Dinâmico de
Sistemas;
• Oferece metodologia para construir e
manter sistemas que satisfaçam restrições
de prazo apertado usando prototipação
incremental em ambiente controlado.
Exemplos
• SCRUM
• É um modelo ágil para gestão de projetos
de software
• Conceito mais importante: SPRINT
• SPRINT: consiste em um ciclo de
desenvolvimento que vai de duas semanas
a um mês
Exemplos
•XP
• Programação Extrema
• Pouco baseado em prescrição de atividades
• Regras bem definidas sobre como a equipe deve se
organizar
• Regras sobre como as iterações e reuniões devem
ocorrer
• Regras sobre como o ambiente de trabalho deve
ser organizado para maximizar a produtividade e
sucesso pessoal e empresarial.
Exemplos
• Crystal Clear
• Métodos personalizados conforme o
tamanho e complexidade do projeto
Exemplos
• ASD
• Desenvolvimento Adaptativo de Sistemas
• Aplica ideias de sistemas adaptativos
complexos.
Exemplos
• AM
• Modelagem Ágil
• Metodologia prática voltada para a
modelagem e documentação de sistemas.
Exemplos
• AUP
• Agile Unified Process
• Processo Unificado Ágil
• Fornece uma sequencia linear de atividades
que permite a equipe visualizar o fluxo do
processo geral
• Dentro de cada atividade é usada a
agilidade
Comparação Tradicional X Ágil
Área Característica Ágil Tradicional
Desenvolve
dores
Cultura
Mais
informal
Mais formal
Tamanho da
equipe
Menor Maior
Experiência Maior Menor
Localização Única Espalhada
Comparação Tradicional X Ágil
Área Característica Ágil Tradicional
Clientes
Relacionamen
to
Mais
cooperativo
Mais formal
Localização Próxima Distante
Requisitos
Natureza Emergente
Bem
conhecidos
Variabilidade Alta Baixa
Comparação Tradicional X Ágil
Área Característica Ágil Tradicional
Arquitetura
Foco
Solução
imediata
Expansibilid
ade
Refatoramento Fácil Difícil
Requisitos
Tamanho Menor Maior
Objetivo
Valor
rápido
Alta garantia
REFERÊNCIAS
1. TSUI, Frank; KARAM, Orlando. Fundamentos
da Engenharia de Software. Tradução e
Revisão Técnica de Edson Tanaka. 2.ª Edição.
Rio de Janeiro: LTC, 2013.
2. WAZLAWICK, Raul Sidnei. Engenharia de
Software: Conceitos e Práticas. 1.ª edição.
Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.
REFERÊNCIAS
3. PRESSMAN, R. S.; MAXIM, B. R. Engenharia de
Software: Uma Abordagem Profissional. Tradução:
João Eduardo Nóbrega Tortello. Revisão Técnica:
Reginaldo Arakaki, Julio Arakaki, Renato Manzan de
Andrade. 8.ª Edição. Porto Alegre: AMGH, 2016.
4.FILHO, W. P. P. Engenharia de Software:
Fundamentos, Métodos e Padrões. 3.ª Edição.Rio
de Janeiro: LTC, 2015

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de Projeto de Implantação de Software ERP Vertical de Saúde integrado c...
Plano de Projeto de Implantação de Software ERP Vertical de Saúde integrado c...Plano de Projeto de Implantação de Software ERP Vertical de Saúde integrado c...
Plano de Projeto de Implantação de Software ERP Vertical de Saúde integrado c...
Marcelo Schumacher
 
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
1  requisitos funcionais e não funcionais ok1  requisitos funcionais e não funcionais ok
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
Marcos Morais de Sousa
 
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de SoftwareAula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Cloves da Rocha
 
PMO - Escritório de Projetos | Workshop
PMO - Escritório de Projetos | WorkshopPMO - Escritório de Projetos | Workshop
PMO - Escritório de Projetos | Workshop
CompanyWeb
 
Metodologia Ágil
Metodologia ÁgilMetodologia Ágil
Metodologia Ágil
Alex Vieira, MBA
 
Prototipagem
PrototipagemPrototipagem
Prototipagem
Robson Santos
 
Extreme programming (xp) - Resumo
Extreme programming (xp) - ResumoExtreme programming (xp) - Resumo
Extreme programming (xp) - Resumo
Daniel Brandão
 
Modelos de Processo de Software Parte 1
Modelos de Processo de Software Parte 1Modelos de Processo de Software Parte 1
Modelos de Processo de Software Parte 1
Elaine Cecília Gatto
 
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
Synergia - Engenharia de Software e Sistemas
 
Modelos de Processo de Software Parte 3
Modelos de Processo de Software Parte 3Modelos de Processo de Software Parte 3
Modelos de Processo de Software Parte 3
Elaine Cecília Gatto
 
Gerenciamento de integração de projetos
Gerenciamento de integração de projetosGerenciamento de integração de projetos
Gerenciamento de integração de projetos
NIFCJ
 
O Processo de Desenvolvimento de Software
O Processo de Desenvolvimento de SoftwareO Processo de Desenvolvimento de Software
O Processo de Desenvolvimento de Software
Camilo de Melo
 
Conceitos Básicos Sobre Analise de Sistemas
Conceitos Básicos Sobre Analise de SistemasConceitos Básicos Sobre Analise de Sistemas
Conceitos Básicos Sobre Analise de Sistemas
Clayton de Almeida Souza
 
Metodologia de Desenvolvimento de Softwares
Metodologia de Desenvolvimento de SoftwaresMetodologia de Desenvolvimento de Softwares
Metodologia de Desenvolvimento de Softwares
Aragon Vieira
 
Engenharia De Software
Engenharia De SoftwareEngenharia De Software
Engenharia De Software
CursoSENAC
 
Papeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
Papeis Ágeis - uma proposta operacional ScrumPapeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
Papeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
Kleitor Franklint Correa Araujo
 
Aula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e Custo
Aula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e CustoAula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e Custo
Aula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e Custo
Rudson Kiyoshi Souza Carvalho
 
Gerenciamento de Projetos
Gerenciamento de ProjetosGerenciamento de Projetos
Gerenciamento de Projetos
Marcos Abreu
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
Nécio de Lima Veras
 
Aula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de SoftwareAula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de Software
Rudson Kiyoshi Souza Carvalho
 

Mais procurados (20)

Plano de Projeto de Implantação de Software ERP Vertical de Saúde integrado c...
Plano de Projeto de Implantação de Software ERP Vertical de Saúde integrado c...Plano de Projeto de Implantação de Software ERP Vertical de Saúde integrado c...
Plano de Projeto de Implantação de Software ERP Vertical de Saúde integrado c...
 
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
1  requisitos funcionais e não funcionais ok1  requisitos funcionais e não funcionais ok
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
 
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de SoftwareAula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de Software
 
PMO - Escritório de Projetos | Workshop
PMO - Escritório de Projetos | WorkshopPMO - Escritório de Projetos | Workshop
PMO - Escritório de Projetos | Workshop
 
Metodologia Ágil
Metodologia ÁgilMetodologia Ágil
Metodologia Ágil
 
Prototipagem
PrototipagemPrototipagem
Prototipagem
 
Extreme programming (xp) - Resumo
Extreme programming (xp) - ResumoExtreme programming (xp) - Resumo
Extreme programming (xp) - Resumo
 
Modelos de Processo de Software Parte 1
Modelos de Processo de Software Parte 1Modelos de Processo de Software Parte 1
Modelos de Processo de Software Parte 1
 
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
Introdução a gerenciamento de projetos e PMBoK®
 
Modelos de Processo de Software Parte 3
Modelos de Processo de Software Parte 3Modelos de Processo de Software Parte 3
Modelos de Processo de Software Parte 3
 
Gerenciamento de integração de projetos
Gerenciamento de integração de projetosGerenciamento de integração de projetos
Gerenciamento de integração de projetos
 
O Processo de Desenvolvimento de Software
O Processo de Desenvolvimento de SoftwareO Processo de Desenvolvimento de Software
O Processo de Desenvolvimento de Software
 
Conceitos Básicos Sobre Analise de Sistemas
Conceitos Básicos Sobre Analise de SistemasConceitos Básicos Sobre Analise de Sistemas
Conceitos Básicos Sobre Analise de Sistemas
 
Metodologia de Desenvolvimento de Softwares
Metodologia de Desenvolvimento de SoftwaresMetodologia de Desenvolvimento de Softwares
Metodologia de Desenvolvimento de Softwares
 
Engenharia De Software
Engenharia De SoftwareEngenharia De Software
Engenharia De Software
 
Papeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
Papeis Ágeis - uma proposta operacional ScrumPapeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
Papeis Ágeis - uma proposta operacional Scrum
 
Aula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e Custo
Aula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e CustoAula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e Custo
Aula Gestão de Projetos Escopo, Tempo e Custo
 
Gerenciamento de Projetos
Gerenciamento de ProjetosGerenciamento de Projetos
Gerenciamento de Projetos
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
 
Aula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de SoftwareAula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de Software
 

Semelhante a Metodologia Ágil

Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2
Edinaldo Mendes
 
SCRUM.pptx
SCRUM.pptxSCRUM.pptx
SCRUM.pptx
Ricardo Santos
 
Metodos ageis
Metodos ageisMetodos ageis
Metodos ageis
Fábio Giordani
 
Analise e desenvolvimento
Analise e desenvolvimentoAnalise e desenvolvimento
Analise e desenvolvimento
Gabriel Moura
 
Conceitos Básicos Sobre Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software
Conceitos Básicos Sobre Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de SoftwareConceitos Básicos Sobre Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software
Conceitos Básicos Sobre Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software
Felizardo Charles
 
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
Ivo M Michalick Vasconcelos, PMP, PMI-SP, CPCC
 
Aula 1 introducao
Aula 1   introducaoAula 1   introducao
Aula 1 introducao
licardino
 
Metodologia ágil das Desenvolvimento Adaptativo Software
Metodologia ágil das   Desenvolvimento Adaptativo SoftwareMetodologia ágil das   Desenvolvimento Adaptativo Software
Metodologia ágil das Desenvolvimento Adaptativo Software
Marilainny Martins da Silva
 
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de softwareO uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
Everton vitor
 
Vantagens agil 3
Vantagens agil 3Vantagens agil 3
Vantagens agil 3
Júlio Ferreira
 
Métodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do Conhecimento
Métodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do ConhecimentoMétodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do Conhecimento
Métodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do Conhecimento
Claudia Hofart Guzzo
 
Aula2 - Modelagem de Sistemas Orientada a Objetos
Aula2 - Modelagem de Sistemas Orientada a ObjetosAula2 - Modelagem de Sistemas Orientada a Objetos
Aula2 - Modelagem de Sistemas Orientada a Objetos
Leandro Rezende
 
Conceitos basicos
Conceitos basicosConceitos basicos
Conceitos basicos
Wescley Sena
 
DevOps
DevOpsDevOps
Aula 1 Analise e Projeto
Aula 1   Analise e ProjetoAula 1   Analise e Projeto
Aula 1 Analise e Projeto
Sergio Silva
 
Aula 1 analise e projeto
Aula 1   analise e projetoAula 1   analise e projeto
Aula 1 analise e projeto
Sergio Luiz da Silveira
 
Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02
Adriano Bertucci
 
Desenvolvimento Ágil de Software
Desenvolvimento Ágil de SoftwareDesenvolvimento Ágil de Software
Desenvolvimento Ágil de Software
Helio Henrique L. C. Monte-Alto
 
Agile explicacao 18
Agile explicacao 18Agile explicacao 18
Agile explicacao 18
Júlio Ferreira
 
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumGestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Marcos Garrido
 

Semelhante a Metodologia Ágil (20)

Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2
 
SCRUM.pptx
SCRUM.pptxSCRUM.pptx
SCRUM.pptx
 
Metodos ageis
Metodos ageisMetodos ageis
Metodos ageis
 
Analise e desenvolvimento
Analise e desenvolvimentoAnalise e desenvolvimento
Analise e desenvolvimento
 
Conceitos Básicos Sobre Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software
Conceitos Básicos Sobre Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de SoftwareConceitos Básicos Sobre Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software
Conceitos Básicos Sobre Metodologias Ágeis para Desenvolvimento de Software
 
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
 
Aula 1 introducao
Aula 1   introducaoAula 1   introducao
Aula 1 introducao
 
Metodologia ágil das Desenvolvimento Adaptativo Software
Metodologia ágil das   Desenvolvimento Adaptativo SoftwareMetodologia ágil das   Desenvolvimento Adaptativo Software
Metodologia ágil das Desenvolvimento Adaptativo Software
 
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de softwareO uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
O uso de metodos ageis no desenvolvimento de software
 
Vantagens agil 3
Vantagens agil 3Vantagens agil 3
Vantagens agil 3
 
Métodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do Conhecimento
Métodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do ConhecimentoMétodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do Conhecimento
Métodos Ágeis de Gestão de Projetos aplicados à Gestão do Conhecimento
 
Aula2 - Modelagem de Sistemas Orientada a Objetos
Aula2 - Modelagem de Sistemas Orientada a ObjetosAula2 - Modelagem de Sistemas Orientada a Objetos
Aula2 - Modelagem de Sistemas Orientada a Objetos
 
Conceitos basicos
Conceitos basicosConceitos basicos
Conceitos basicos
 
DevOps
DevOpsDevOps
DevOps
 
Aula 1 Analise e Projeto
Aula 1   Analise e ProjetoAula 1   Analise e Projeto
Aula 1 Analise e Projeto
 
Aula 1 analise e projeto
Aula 1   analise e projetoAula 1   analise e projeto
Aula 1 analise e projeto
 
Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02Métodos Ágeis - Aula02
Métodos Ágeis - Aula02
 
Desenvolvimento Ágil de Software
Desenvolvimento Ágil de SoftwareDesenvolvimento Ágil de Software
Desenvolvimento Ágil de Software
 
Agile explicacao 18
Agile explicacao 18Agile explicacao 18
Agile explicacao 18
 
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com ScrumGestão Ágil de Projetos com Scrum
Gestão Ágil de Projetos com Scrum
 

Mais de Elaine Cecília Gatto

A influência da Tecnologia em cada faixa etaria
A influência da Tecnologia em cada faixa etariaA influência da Tecnologia em cada faixa etaria
A influência da Tecnologia em cada faixa etaria
Elaine Cecília Gatto
 
Inteligência Artificial Aplicada à Medicina
Inteligência Artificial Aplicada à MedicinaInteligência Artificial Aplicada à Medicina
Inteligência Artificial Aplicada à Medicina
Elaine Cecília Gatto
 
Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...
Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...
Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...
Elaine Cecília Gatto
 
Apresentação da minha tese de doutorado no EPPC
Apresentação da minha tese de doutorado no EPPCApresentação da minha tese de doutorado no EPPC
Apresentação da minha tese de doutorado no EPPC
Elaine Cecília Gatto
 
entrevista r7.pdf
entrevista r7.pdfentrevista r7.pdf
entrevista r7.pdf
Elaine Cecília Gatto
 
Como a pesquisa científica impacta o mundo real.pptx
Como a pesquisa científica impacta o mundo real.pptxComo a pesquisa científica impacta o mundo real.pptx
Como a pesquisa científica impacta o mundo real.pptx
Elaine Cecília Gatto
 
Empoderamento Feminino
Empoderamento FemininoEmpoderamento Feminino
Empoderamento Feminino
Elaine Cecília Gatto
 
Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...
Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...
Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...
Elaine Cecília Gatto
 
Community Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCar
Community Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCarCommunity Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCar
Community Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCar
Elaine Cecília Gatto
 
Classificação Multirrótulo: Aprendizado de Correlações
Classificação Multirrótulo: Aprendizado de CorrelaçõesClassificação Multirrótulo: Aprendizado de Correlações
Classificação Multirrótulo: Aprendizado de Correlações
Elaine Cecília Gatto
 
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
Elaine Cecília Gatto
 
Community Detection Method for Multi-Label Classification
Community Detection Method for Multi-Label ClassificationCommunity Detection Method for Multi-Label Classification
Community Detection Method for Multi-Label Classification
Elaine Cecília Gatto
 
Mulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdf
Mulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdfMulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdf
Mulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdf
Elaine Cecília Gatto
 
Curtinhas de sábado.pdf
Curtinhas de sábado.pdfCurtinhas de sábado.pdf
Curtinhas de sábado.pdf
Elaine Cecília Gatto
 
Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...
Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...
Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...
Elaine Cecília Gatto
 
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
Elaine Cecília Gatto
 
Pipeline desdobramento escalonamento
Pipeline desdobramento escalonamentoPipeline desdobramento escalonamento
Pipeline desdobramento escalonamento
Elaine Cecília Gatto
 
Cheat sheet Mips 32 bits
Cheat sheet Mips 32 bitsCheat sheet Mips 32 bits
Cheat sheet Mips 32 bits
Elaine Cecília Gatto
 
Resumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bits
Resumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bitsResumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bits
Resumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bits
Elaine Cecília Gatto
 
Como descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcação
Como descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcaçãoComo descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcação
Como descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcação
Elaine Cecília Gatto
 

Mais de Elaine Cecília Gatto (20)

A influência da Tecnologia em cada faixa etaria
A influência da Tecnologia em cada faixa etariaA influência da Tecnologia em cada faixa etaria
A influência da Tecnologia em cada faixa etaria
 
Inteligência Artificial Aplicada à Medicina
Inteligência Artificial Aplicada à MedicinaInteligência Artificial Aplicada à Medicina
Inteligência Artificial Aplicada à Medicina
 
Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...
Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...
Além do Aprendizado Local e Global: Particionando o espaço de classes em prob...
 
Apresentação da minha tese de doutorado no EPPC
Apresentação da minha tese de doutorado no EPPCApresentação da minha tese de doutorado no EPPC
Apresentação da minha tese de doutorado no EPPC
 
entrevista r7.pdf
entrevista r7.pdfentrevista r7.pdf
entrevista r7.pdf
 
Como a pesquisa científica impacta o mundo real.pptx
Como a pesquisa científica impacta o mundo real.pptxComo a pesquisa científica impacta o mundo real.pptx
Como a pesquisa científica impacta o mundo real.pptx
 
Empoderamento Feminino
Empoderamento FemininoEmpoderamento Feminino
Empoderamento Feminino
 
Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...
Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...
Explorando correlações entre rótulos para o particionamento do espaço de rótu...
 
Community Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCar
Community Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCarCommunity Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCar
Community Detection for Multi-Label Classification - Seminários UFSCar
 
Classificação Multirrótulo: Aprendizado de Correlações
Classificação Multirrótulo: Aprendizado de CorrelaçõesClassificação Multirrótulo: Aprendizado de Correlações
Classificação Multirrótulo: Aprendizado de Correlações
 
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
 
Community Detection Method for Multi-Label Classification
Community Detection Method for Multi-Label ClassificationCommunity Detection Method for Multi-Label Classification
Community Detection Method for Multi-Label Classification
 
Mulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdf
Mulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdfMulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdf
Mulheres na Campus Party assumir o feminismo ou não – Blogueiras Feministas.pdf
 
Curtinhas de sábado.pdf
Curtinhas de sábado.pdfCurtinhas de sábado.pdf
Curtinhas de sábado.pdf
 
Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...
Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...
Explorando Correlações entre Rótulos usando Métodos de Detecção de Comu...
 
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
EXPLORANDO CORRELAÇÕES PARA O PARTICIONAMENTO DO ESPAÇO DE RÓTULOS EM PROBLEM...
 
Pipeline desdobramento escalonamento
Pipeline desdobramento escalonamentoPipeline desdobramento escalonamento
Pipeline desdobramento escalonamento
 
Cheat sheet Mips 32 bits
Cheat sheet Mips 32 bitsCheat sheet Mips 32 bits
Cheat sheet Mips 32 bits
 
Resumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bits
Resumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bitsResumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bits
Resumo das Instruções de Desvio Incondicionais MIPS 32 bits
 
Como descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcação
Como descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcaçãoComo descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcação
Como descobrir e classificar coisas usando machine learning sem compilcação
 

Último

Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 

Metodologia Ágil

  • 1. Processo de Produção de Software Bacharelado em Engenharia de Software – Aula 20 Prof.ª M.ª Elaine Cecília Gatto
  • 2. MÉTODOS ÁGEIS DE PROCESSOS DE PRODUÇÃO DE SOFTWARE
  • 3. Manifesto • Ano: 2001; • 17 Pessoas: desenvolvedores, consultores e autores; • Agile Alliance: Aliança dos Ágeis; • Manifesto for Agile Software Development: Manifesto para o Desenvolvimento Ágil de Software.
  • 4. Manifesto • Declaração do Manifesto Ágil: • Por meio deste trabalho passamos a valorizar: 1. Indivíduos e interações acima de processos e ferramentas; 2. Software operacional acima de documentação completa; 3. Colaboração dos clientes acima de negociação contratual; 4. Respostas a mudanças acima de seguir um plano.
  • 5. Manifesto Processos, ferramentas, documentação, contratos e planos terão mais sentido e mais valor depois que indivíduos, interações, software funcional, colaboração do cliente e resposta às mudanças também foram considerados importantes.
  • 6. Manifesto • De nada adianta: • Um processo bem estruturado se as pessoas não o seguem. • Um software bem documentado se não satisfaz os requisitos (ou não funciona). • Etc.
  • 7. Manifesto • Aceita o cliente como parte da equipe; • Tenta eliminar a atitude de “NÓS” e “ELES”; • Incentiva a estruturação e as atitudes em equipe tornando a comunicação mais fácil; • Reconhece que o planejamento em um mundo incerto tem seus limites; • O plano de projeto deve ser flexível.
  • 8. Manifesto • Enfatiza a entrega rápida do software operacional; • Solicita aos usuários envolvidos que forneçam feedback constante; • Gerar somente a documentação necessária; • Manter comunicação constante informalmente; • Os requisitos e o ambiente mudarão inevitavelmente.
  • 9. Manifesto • Desenvolver software em interações menores; • Garantir que haja sempre um produto acabado; • Exigir apenas um nível normal de esforço dos desenvolvedores; • Requisitos não precisam estar completamente especificados desde o inicio.
  • 10. Manifesto • Um manifesto ataca a velha guarda e sugere uma mudança revolucionária para melhor (mas nem sempre é isso o que ocorre). • Motivação: • Esforço para sanar fraquezas reais e perceptíveis da engenharia de software convencional.
  • 11. Manifesto • Problemas do Desenvolvimento Tradicional: • Prazos de desenvolvimento muito longos; • Incapacidade de lidar coma mudança de requisitos; • Presunção de que os requisitos estejam completamente entendidos antes do inicio do projeto.
  • 12. Manifesto • Problemas do Desenvolvimento Tradicional: • Confiança excessiva no esforço heroico do desenvolvedor; • Metodologia complexa; • Desperdício (duplicação/retrabalho) de esforço.
  • 13. Manifesto • Princípios: 1. Prioridade: Satisfazer o cliente através da entrega rápida e contínua de software com valor. 2. Mudanças nos requisitos: ✓São bem vindas, mesmo em etapas finais do projeto. ✓Mudança é um diferencial competitivo para o cliente.
  • 14. Manifesto • Princípios: 3. Entrega de software frequente: ✓Intervalos que variam de 2 semanas a 2 meses. ✓Intervalo mais curto é o preferível. 4. Administradores e Desenvolvedores devem trabalhar juntos diariamente.
  • 15. Manifesto • Princípios: 5. Construir projetos em torno de INDIVÍDUOS MOTIVADOS: ✓Dar aos indivíduos o ambiente e o suporte. ✓Confiar que farão o trabalho. 6. Conversa cara a cara: ✓Meio mais eficiente e efetivo para tratar a comunicação entre e para a equipe de desenvolvimento.
  • 16. Manifesto • Princípios: 7. Software funcionando é medida primordial de progresso. 8. Processos Ágeis: ✓Promovem desenvolvimento sustentável. ✓Financiadores, usuários e desenvolvedores devem ser capazes de manter o ritmo indefinidamente.
  • 17. Manifesto • Princípios: 9. Atenção contínua à excelência técnica e bom design melhoram a agilidade. 10.Simplicidade é essencial: ✓Arte de maximizar a quantidade de um trabalho não feito.
  • 18. Manifesto • Princípios: 11.Equipes auto organizadas constroem as melhores arquiteturas, requisitos e projetos. 12.Em intervalos regulares: ✓A equipe reflete sobre como se tornar mais efetiva. ✓Ajusta seu comportamento de acordo com esta meta.
  • 19. Métodos Ágeis: Introdução • Modelos e Métodos Prescritivos: • Receita de bolo (fases e/ou tarefas a executar) • Modelos e Métodos Ágeis: • Ênfase nos fatores humanos do desenvolvimento; • Focam nos valores humanos e sociais; • São mais leves, mas não menos complexos ou simplistas que os tradicionais.
  • 20. Métodos Ágeis: Introdução • Nem todas as características são novas e revolucionárias. • Algumas são o resultado de anos de pesquisa e experiências. • Muitos conceitos são apenas adaptações de bons conceitos dos modelos tradicionais. • Similares ao processo iterativo e incremental.
  • 21. Métodos Ágeis: Introdução • Filosofia de Desenvolvimento: • Satisfação do cliente; • Entrega incremental antecipada; • Equipes de projeto pequenas; • Equipes de projeto altamente motivadas; • Métodos informais; • Simplicidade no desenvolvimento geral;
  • 22. Métodos Ágeis: Introdução • A Engenharia de Software Ágil: • Combina a FILOSOFIA com os PRINCÍPIOS DE DESENVOLVIMENTO. • Constitui uma alternativa para a Engenharia de Software Convencional. • É voltada para certas classes de Software e para certos tipos de Projetos. • É capaz de entregar sistemas corretos rapidamente.
  • 23. Métodos Ágeis: Introdução • Equipe Ágil: • Engenheiros de Software • Gerentes • Clientes • Usuários • Etc. • Equipe Ágil: • Auto-organização • Autocontrole • Acelerar a comunicação e a colaboração entre todos os participantes
  • 24. Métodos Ágeis: Introdução • Uma equipe ágil reconhece que: • O Software é desenvolvido por indivíduos trabalhando em equipes; • As habilidades dessas pessoas, suas capacidades em colaborar, estão no centro do sucesso do projeto.
  • 25. Métodos Ágeis: Introdução • Também pode ser denominada de: • Métodos Light; • Métodos Enxutos (lean methods); • Engenharia de Software Flexível; • Processos Leves.
  • 26. Métodos Ágeis: Introdução • Atividades metodológicas básicas são as mesmas dos modelos Tradicionais: • Comunicação • Planejamento • Modelagem • Construção • Entrega
  • 27. Métodos Ágeis: Introdução • Na Metodologia Ágil as Atividades Metodológicas básicas se transformam em um CONJUNTO DE TAREFAS MÍNIMAS que impulsiona a equipe para o desenvolvimento e para a entrega. • Um incremento de software operacional deve ser entregue adequadamente na data combinada.
  • 28. Métodos Ágeis: Introdução • Pode ser aplicado como uma FILOSOFIA geral para todos os trabalhos de software. • Não é indicado para todos os projetos, produtos pessoas e/ou situações. • Softwares de pequeno e médio porte.
  • 29. Métodos Ágeis: Introdução • Contexto da Economia Moderna: • Difícil prever como um sistema evoluirá com o tempo; • Mercado muda rapidamente; • Necessidades dos usuários mudam rapidamente; • Ameaças competitivas surgem a todo instante; • Requisitos não serão definidos completamente antes do inicio do projeto; • Agilidade para responder ao ambiente de negócios.
  • 30. Métodos Ágeis: Introdução • Mudanças são caras; • Mudanças sem controle são muito caras; • Mudanças mal gerenciadas são muito caras. • Solução: • Metodologia ágil: • Habilidade de reduzir os custos da mudança no processo de software.
  • 31. Métodos Ágeis: Introdução • Reflexão: • Os princípios, conceitos, métodos e ferramentas de ENGENHARIA DE SOFTWARE são descartados por conta do novo cenário de negócios e mercado?
  • 32. Métodos Ágeis: Introdução • Falha grave nos modelos prescritivos: • Fraquezas das pessoas que desenvolvem software. • Pessoas não são robôs. • Diferenças de nível em: • Habilidades • Capacidades • Criatividade • Organização • Consistência • Espontaneidade • Etc.
  • 33. Métodos Ágeis: Introdução • Maioria dos modelos de processo de produção de software prescritivos exigem DISCIPLINA. • A coerência nas ações é uma fraqueza humana, por este motivo, os modelos e métodos que exigem DISCIPLINA ELEVADA são frágeis. • Modelos e Métodos devem fornecer MECANISMOS REALISTAS para estimular a disciplina NECESSÁRIA
  • 34. Métodos Ágeis: Definição • Palavra-chave: MUDANÇA • Mudanças na criação do software; • Mudanças nos membros da equipe; • Mudanças devido a novas tecnologias; • Mudanças que impactarão no produto/projeto que está em construção.
  • 35. Métodos Ágeis: Introdução • Examinar as razões para as mudanças é importante (não é descartado na metodologia). • Engenheiros de Software devem ASSIMILAR, rapidamente, as rápidas mudanças. • Agilidade também é uma resposta à mudança.
  • 36. Métodos Ágeis: Introdução • Metodologia ágil não significa: • Abreviar soluções de software; • Nenhum documento seja criado; • Esquecer da qualidade (confiabilidade, usabilidade, facilidade de manutenção, etc.)
  • 37. Métodos Ágeis: Introdução • Algumas críticas: • Falta estrutura e documentação necessárias; • Requer desenvolvedores muito experientes e disciplinados; • Resulta em projeto insuficiente; • Mostra dificuldade de tratamento de requisitos não-funcionais.
  • 38. Métodos Ágeis: Introdução • Algumas críticas: • Requer mudança cultural muito grande; • Dificulta negociações contratuais; • Pode ser ineficiente se as alterações de requisitos forem frequentes; • Dificulta estimativas de esforços, custos e prazos;
  • 39. Métodos Ágeis: Introdução • Um método ágil permite: • Que uma equipe de software assimile as alterações, sem um impacto significativo nos custos ou no tempo. • Reduzir custos das alterações: • O software é entregue incrementalmente; • As alterações são melhor controladas em incrementais.
  • 40. Métodos Ágeis: Introdução • Para alcançar a agilidade, o processo de software deve ser projetado de forma que a equipe possa: • Adaptar e alinhar tarefas; • Conduzir o planejamento; • Compreender a fluidez de uma metodologia ágil;
  • 41. Métodos Ágeis: Introdução • Para alcançar a agilidade, o processo de software deve ser projetado de forma que a equipe possa: • Eliminar tudo (menos o essencial); • Conservar o que é essencial de forma enxuta; • Enfatizar a estratégia de entrega incremental; • Entregar o mais rápido possível o incremento de software operacional.
  • 42. Processos Ágeis • Preceitos chave acerca da maioria dos projetos de software: • Requisitos de software: • Quais vão persistir? • Quais sofrerão alterações? • Prioridades do cliente: • De que maneira sofrerão alterações?
  • 43. Processos Ágeis • Preceitos chave acerca da maioria dos projetos de software: • Projeto e construção de software são realizadas em conjunto: • Quanto de trabalho será necessário antes que a construção seja implementada para avaliar o projeto?
  • 44. Processos Ágeis • Preceitos chave acerca da maioria dos projetos de software: • Análise, projeto, construção e testes NÃO SÃO TÃO previsíveis quanto gostaríamos que fossem
  • 45. Processos Ágeis • REFLEXÃO: • Como criar um processo capaz de administrar a IMPREVISIBILIDADE?
  • 46. Processos Ágeis • REFLEXÃO: • RESPOSTA: • Adaptabilidade do processo = Alterar rapidamente o projeto e as condições técnicas.
  • 47. Processos Ágeis • Um processo ágil deve ser: • Adaptável: • Trata a imprevisibilidade • Adaptável de modo incremental: • Adaptação contínua com progressos; • Necessário feedback do cliente.
  • 48. Processos Ágeis • Estratégia de Desenvolvimento Incremental • Incrementos de software devem ser entregues em curtos prazos de tempo; • Adaptações devem acompanhar o ritmo das mudanças; • Cliente avalia e dá o feedback regularmente • Equipe inclui adequadamente as modificações
  • 49. Exemplos • FDD • Desenvolvimento Dirigido por Funcionalidade • Tem certo grau de prescrição • Detalhamento de Atividades não comum a outros métodos ágeis
  • 50. Exemplos • DSDM • Dynamic Systems Development Method; • Método de Desenvolvimento Dinâmico de Sistemas; • Oferece metodologia para construir e manter sistemas que satisfaçam restrições de prazo apertado usando prototipação incremental em ambiente controlado.
  • 51. Exemplos • SCRUM • É um modelo ágil para gestão de projetos de software • Conceito mais importante: SPRINT • SPRINT: consiste em um ciclo de desenvolvimento que vai de duas semanas a um mês
  • 52. Exemplos •XP • Programação Extrema • Pouco baseado em prescrição de atividades • Regras bem definidas sobre como a equipe deve se organizar • Regras sobre como as iterações e reuniões devem ocorrer • Regras sobre como o ambiente de trabalho deve ser organizado para maximizar a produtividade e sucesso pessoal e empresarial.
  • 53. Exemplos • Crystal Clear • Métodos personalizados conforme o tamanho e complexidade do projeto
  • 54. Exemplos • ASD • Desenvolvimento Adaptativo de Sistemas • Aplica ideias de sistemas adaptativos complexos.
  • 55. Exemplos • AM • Modelagem Ágil • Metodologia prática voltada para a modelagem e documentação de sistemas.
  • 56. Exemplos • AUP • Agile Unified Process • Processo Unificado Ágil • Fornece uma sequencia linear de atividades que permite a equipe visualizar o fluxo do processo geral • Dentro de cada atividade é usada a agilidade
  • 57. Comparação Tradicional X Ágil Área Característica Ágil Tradicional Desenvolve dores Cultura Mais informal Mais formal Tamanho da equipe Menor Maior Experiência Maior Menor Localização Única Espalhada
  • 58. Comparação Tradicional X Ágil Área Característica Ágil Tradicional Clientes Relacionamen to Mais cooperativo Mais formal Localização Próxima Distante Requisitos Natureza Emergente Bem conhecidos Variabilidade Alta Baixa
  • 59. Comparação Tradicional X Ágil Área Característica Ágil Tradicional Arquitetura Foco Solução imediata Expansibilid ade Refatoramento Fácil Difícil Requisitos Tamanho Menor Maior Objetivo Valor rápido Alta garantia
  • 60. REFERÊNCIAS 1. TSUI, Frank; KARAM, Orlando. Fundamentos da Engenharia de Software. Tradução e Revisão Técnica de Edson Tanaka. 2.ª Edição. Rio de Janeiro: LTC, 2013. 2. WAZLAWICK, Raul Sidnei. Engenharia de Software: Conceitos e Práticas. 1.ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.
  • 61. REFERÊNCIAS 3. PRESSMAN, R. S.; MAXIM, B. R. Engenharia de Software: Uma Abordagem Profissional. Tradução: João Eduardo Nóbrega Tortello. Revisão Técnica: Reginaldo Arakaki, Julio Arakaki, Renato Manzan de Andrade. 8.ª Edição. Porto Alegre: AMGH, 2016. 4.FILHO, W. P. P. Engenharia de Software: Fundamentos, Métodos e Padrões. 3.ª Edição.Rio de Janeiro: LTC, 2015