SlideShare uma empresa Scribd logo
Análise e Projeto de Sistemas
de Informação
Material criado por: Prof. Edinelson
Revisão e atualização: Prof. Sergio Luiz da Silveira
Aula 1   Analise e Projeto
Vantagens da aplicação
de uma
Metodologia
De
Análise e Projeto de Sistemas
Vantagens
Padronização de
técnicas, ferramentas e
métodos para que toda a
organização "fale a mesma
língua".
Existe uma padronização da
forma de trabalho em toda a
organização, e uma adesão às
técnicas, ferramentas e
métodos propostos.
Vantagens
Como consequência, torna-se
mais fácil a integração interna
entre as equipes e com outras
áreas da empresa, além de
facilitar a tarefa de manutenção
dos sistemas em produção.
Vantagens
O que é um projeto?
O QUE É UM PROJETO?
Quais são os pilares
que garantem um projeto
executado com sucesso?
 Objetivo
 Metodologia
 Controle
A palavra projeto tem
origem no latim “projectu”
que significa “lançado para
diante”.
É uma tarefa ou conjunto de
ações com objetivo comum.
O QUE É UM PROJETO?
Diversos tipos de projetos:
Projeto de lei;
Projetos de engenharia;
Projetos paisagístico, etc.
O QUE É UM PROJETO?
O trabalho em equipe é a
essência do projeto.
O gerente tem como meta
controlar e garantir que a
ideia principal seja cumprida e
evitar distorções.
O QUE É UM PROJETO?
Exemplo de projeto:
Objetivo: publicar um livro
Metodologia: editora fornece uma
série de regras (fontes,
espaçamentos...)
Controle: enviar de tempos em
tempos as novas páginas para ser
verificado se as regras estão sendo
cumpridas.
O QUE É UM PROJETO?
Ciclo de Vida de um Projeto
Três grandes fases:
 O início;
 A maturidade;
 A conclusão.
Ciclo de Vida de um Projeto
Sem o apoio de uma metodologia,
a equipe de desenvolvimento terá
sempre a tendência de cair nos
mesmos erros de projetos anteriores.
As fases inicial e final de qualquer
projeto são repletos de dificuldades e
situações delicadas.
Ciclo de Vida de um Projeto
 No início as atividades e os recursos
não estão bem definidos;
 No final também existirão situações
críticas, pois quase sempre não é
formalizado o final do projeto;
 As pessoas não sabem se o projeto
realmente acabou.
1. No prazo e orçamento
previstos;
Pode-se considerar um
projeto bem sucedido aquele que
foi desenvolvido/realizado.
2. Dentro das especificações
técnicas e qualidade previstas;
3. Cliente/usuário satisfeito com o
produto/serviço recebido;
Pode-se considerar um
projeto bem sucedido aquele que
foi desenvolvido/realizado.
4. Produto/serviço obtido é usado
em sua totalidade.
O QUE É ANÁLISE?
ANÁLISE
 A análise enfatiza a investigação do
problema;
 O objetivo da análise é levar o analista
a investigar e a descobrir;
 Para que esta etapa seja realizada em
menos tempo e de forma mais precisa,
deve-se ter um bom método de
trabalho.
 Pode-se dizer que o resultado da
análise é o enunciado do problema,
e que o projeto será a sua
resolução;
 Problemas mal enunciados podem até
ser resolvidos, mas a solução não
corresponderá às expectativas.
ANÁLISE
 A qualidade do processo de análise é
importante porque um erro de
concepção resolvido na fase de análise
tem um custo;
 Na fase de projeto tem um custo maior;
 Na fase de implementação maior ainda;
 E na fase de implantação do sistema
tem um custo relativamente
astronômico.
ANÁLISE
 Estuda um problema com o
propósito de modelar um
sistema para que ele possa ser
entendido.
 Você deve conhecer todo o
sistema o qual irá interagir.
O QUE É ANÁLISE?
 A fase de projeto enfatiza a
proposta de uma solução
que atenda os requisitos da
análise.
PROJETO
 Então, se a análise é uma
investigação para tentar
descobrir o que o cliente quer,
o projeto consiste em
propor uma solução com
base no conhecimento
adquirido na análise.
PROJETO
POR QUE FAZER ANÁLISE E
PROJETO?
 Diagramas são figuras bonitas e o
usuário quer o software
executando corretamente!
 Por que perder o tempo projetando
se podemos começar logo a
programar?
 Gerenciamento da complexidade;
 Comunicação entre as pessoas envolvidas;
 Redução dos custos no desenvolvimento;
 Predição do comportamento futuro do
sistema.
POR QUE FAZER ANÁLISE E
PROJETO?
 Entender o que o usuário
realmente quer ou necessita
para resolver um problema.
POR QUE FAZER ANÁLISE?
Diferenças entre análise e projeto
Tem mais do que uma definição
empregada.
 Primeira Alternativa:
1) A análise modela o problema e consiste das
atividades necessárias para entender o
domínio do problema (o que deve ser feito). É
uma atividade de investigação.
2) O projeto modela a solução e consiste das
atividades de criação (como pode ser feito)
 Segunda Alternativa
1. A análise consiste de todas as atividades feitas
com ou para o conhecimento do cliente. A
informação produzida é aquela que o cliente
deve discutir e aprovar;
2. O projeto inclui as atividades que resultam em
informação que interessa apenas ao
programador.
Diferenças entre análise e projeto
 Com essa definição, a análise
invade um pouco o “lado da
solução”, pois o cliente deve
discutir alguns tipos de
interações que ocorrerão na
interface do usuário, etc.
Diferenças entre análise e projeto
 Os projetos de desenvolvimento de
software apresentam um desafio
diferente comparado à maioria dos
outros tipos de projetos como projetos
de engenharia ou manufatura.
 Nesses casos, quase sempre se conhece
a priori todos os requisitos claramente.
PROJETO
 Além disso, projetos deste tipo possuem
as seguintes características:
 Não são sujeitos a frequentes mudanças;
 É bastante raro que, quando uma parte do
produto apresente algum tipo
funcionamento inadequado, ocorram efeitos
colaterais em outros pontos do produto que
sejam de difícil diagnóstico.
PROJETO
 Esse não é o caso na grande maioria
dos projetos de software, embora
muitos tentem aproximar a indústria
de software à da construção civil ou às
indústrias de manufatura.
 Hoje existem as "fábricas de
software"! A crença tem sido de que a
construção de software é similar à
construção de prédios ou de bons
produtos manufaturados.
PROJETO
 Na opinião do professor, infelizmente,
nada poderia ser tão distante da
realidade. Não é normal na construção
civil ou nas indústrias tradicionais as
especificações e design serem alteradas
nas fases de construção ou produção.
 Quando isso ocorre os estouros de
orçamento são, em geral, monstruosos.
PROJETO
 Essa "fluidez" nos requisitos é o maior
desafio para o sucesso no
gerenciamento de projetos de software.
 Gerentes que usam a construção ou a
produção industrial como referência,
frequentemente subestimam os
problemas que são causados para a
equipe e também para os custos do
projeto o congelamento prematuro dos
requisitos.
PROJETO
 Executar projetos de informática é
bastante peculiar
 Pela complexidade do empreendimento
 Pela constante dificuldade de visualizar
claramente o produto que está sendo
desenvolvido
 Pelas dificuldades de comunicação
entre executor e usuário ou cliente
PROJETOS
Desenvolver Sistemas
Então:
Processo de Engenharia?
é uma Arte
ou
Desenvolver Sistemas é uma Arte ou Processo de
Engenharia?
A quase totalidade do software
produzido é criada como objeto de
arte:
1) o construtor é um artista ou artesão;
2) criatividade é a grande ferramenta.
Desenvolver Sistemas é uma Arte ou Processo de
Engenharia?
O ideal seria que o software
estivesse sendo desenvolvido como
artefato de manufatura
1) o construtor é um técnico;
2) e o rigor científico - as bases de seu
desenvolvimento - sua principal
ferramenta.
O papel do Analista
 Aumentar a eficiência e qualidade dos
fluxos de informações que fluem entre os
vários processos;
 Otimizar e racionalizar tais processos;
 Sistemas de Informações:
 conjuntos de processos e informações inter-
relacionadas com o objetivo de possibilitar
tomada de decisões.
 Utilizar modernas técnicas para a
construção de modelos, dos processos e
dados da área alvo;
 Analisar o comportamento dos sistemas
existentes e propor soluções
 Criar métodos para padronização e/ou
automação das atividades;
 Planejar, analisar, projetar, programar
e manter aplicações computacionais.
O papel do Analista
 Dialogar com o Usuário/Especialista;
 Escolher:
 Modelo de desenvolvimento (ciclo de vida);
 Padrões de documentação, codificação,
verificação e testes;
 Ambientes de desenvolvimento e/ou linguagens
de programação adequadas;
 Métodos para medir e reportar o progresso do
desenvolvimento.
Atividades do Analista
Atividades do Analista
 Organizar e coordenar as equipes de
desenvolvimento de software;
 Indicar e/ou comprar hardware e
ferramentas de software necessários ao
projeto;
 Avaliar a viabilidade do produto e de seu
desenvolvimento;
 Efetuar a estimativa de custos, riscos e
preço do produto
Habilidades
do
Analista de Sistemas
 Capacidade para compreender
conceitos abstratos, reorganizar
esses conceitos em divisões lógicas
e sintetizar "soluções“ baseado em
cada divisão.
 Capacidade de absorver fatos
pertinentes a partir de fontes
conflitantes ou confusas.
Habilidades
do
Analista de Sistemas
 Capacidade de se comunicar bem de
forma escrita e verbal.
 Capacidade de "ver a floresta ao
invés das árvores”
1. Seja aceito profissionalmente, do nível
mais alto ao mais baixo da empresa;
2. Tente entender o que o usuário “quer
dizer” e não o que “você pensa” que
ele quer dizer;
3. Escute primeiro, depois fale!
(desenvolva grandes orelhas e boca
pequena!);
Os mandamentos para ser um bom
Analista de Sistemas
4. Familiarize-se com os últimos
progressos da tecnologia de
informação e compreenda como
aplicá-los na sua empresa;
5. Seja capaz de explicar conceitos
complexos em termos simplificados;
Os mandamentos para ser um bom
Analista de Sistemas
6. Não se esconda em jargão da
informática; fale a linguagem da
empresa;
7. Utilize os princípios básicos da
qualidade, seja em produtos ou
serviços;
Os mandamentos para ser um bom
Analista de Sistemas
8. Conheça a área de negócio, passando
boa parte de seu tempo com o
usuário.
9. Sugira soluções inovadoras aos
requisitos de informação e desenvolva
com clareza, analisando sempre a
relação custo/benefício, utilzando
alternativas viáveis.
Os mandamentos para ser um bom
Analista de Sistemas
10. Especialize-se em sistemas de
informação, arquitetura de dados e
ferramentas de processo de
informação, e não em tecnologia da
informação
Os mandamentos para ser um bom
Analista de Sistemas
 um jornalista,
 um auditor,
 um consultor,
 um padre,
 um psicólogo e
 um bom diplomata.
Um analista de sistemas
deve ser
uma combinação entre
Participantes
do
Desenvolvimento de Sistemas
“Ao iniciarmos um projeto de
desenvolvimento de sistemas é
extremamente importante
conhecermos um pouco das
características das pessoas que
iremos interagir.”
PARTICIPANTES
 Os analistas de sistemas envolvem-se com
uma grande quantidade e diversidade de
pessoas:
 Usuários
 Gerentes
 Auditores, controladores e padronizadores
 Analistas de Sistemas
 Projetistas de Sistemas
 Programadores
 Pessoal Operativo
USUÁRIOS
Pessoa ou grupo de pessoas para
que o sistema é construído.
Geralmente são classificados por:
Por tipo de função;
Por nível de experiência com Projeto
Desenvolvido;
USUÁRIO POR TIPO DE FUNÇÃO
Usuários Operativos
Geralmente tem visão local;
Executam a função do sistema;
Preocupam-se com os recursos físicos do sistema;
Usuários Supervisores
Podem ou não ter visão local;
Normalmente conhecem a operação;
Orientados por considerações orçamentárias;
Agem como intermediários entre usuários e
analistas de sistemas;
USUÁRIO POR TIPO DE FUNÇÃO
Usuários Executivos
Tem visão global;
Tem iniciativas sobre o projeto;
Não tem experiência operativa;
Tem preocupações estratégicas;
USUÁRIO POR TIPO DE FUNÇÃO
USUÁRIO POR NÍVEL DE EXPERIÊNCIA
Usuário amador
Geralmente fala que “Não entende nada de
computador”;
Não procura entender a terminologia do
PD, dificultando a aceitação do sistema;
Usuários “Novato arrogante”
Já participou de projetos de sistemas;
As vezes já escreveu algum programa;
Tomar cuidado para não perder o foco do
principal objetivo do projeto = Sistema Eficaz;
USUÁRIO POR NÍVEL DE EXPERIÊNCIA
Em resumo suas características principais são descritas abaixo:
Usuário
Operativo
Usuário Supervisor Usuário Executivo
Normalmente tem
visão local
Pode ou não ter visão
local
Tem visão global
Executa a função
do sistema
Normalmente conhece a
operação
Tem iniciativa sobre
o projeto
Tem visão física
do sistema
Orientado por
considerações
orçamentárias
Não tem
experiência
operativa
Muitas vezes age como
intermediário entre os
usuários e os níveis mais
elevados da direção
Tem preocupações
estratégicas
USUÁRIO - RESUMO
Gerente Usuários => Usuários supervisores
Gerentes de PD/SIG => Encarregados de
desenvolvimento de sistemas, preocupam-se com o
gerenciamento local e alocação de recursos da equipe
técnica.
Gerentes gerais => Não estão diretamente envolvidos nos
projetos – Presidentes, vice-presidentes…
Geralmente a interação entre analista de sistema e
gerência tem a ver com os recursos destinados ao
projeto.
GERENCIA
Preocupam-se em garantir que os sistemas
sejam desenvolvidos dentro de padrões
externos;
Geralmente não se envolvem diretamente no
processo de desenvolvimento do projeto;
Faz-se necessário explicar a documentação
adotada pelos analistas de sistemas;
Auditores pós implementação: garantir que o
sistema faça aquilo especificado.
AUDITORES
Arqueólogos e escriba: Visualizar detalhes e
documentar as orientações comerciais;
Inovador: Auxiliar o usuário a explorar novas
e úteis aplicações de PD;
Mediador: Obter consenso entre a equipe,
usuários, gerentes, programadores;
Líder de projeto: Habilidade com pessoas;
ANALISTA DE SISTEMAS
Responsáveis pela modelagem e
elaboração das ferramentas usadas
na metodologia.
PROJETISTAS DE SISTEMAS
Responsáveis pela
codificação das especificações
dos programas.
PROGRAMADORES
PESSOAL DE OPERAÇÕES
Responsáveis pelo centro de
processamento de dados, operação
dos sistemas, Redes, Segurança do
hardware…
Material criado por Prof. Edinelson
Revisão e atualização: Prof. Sergio Luiz da Silveira
Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba
Curso Sistemas de Informação
REFERENCIA:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de SoftwareAula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de Software
Rudson Kiyoshi Souza Carvalho
 
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de SoftwareAula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Cloves da Rocha
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
Cloves da Rocha
 
Sistemas operacionais
Sistemas operacionaisSistemas operacionais
Sistemas operacionais
vini_campos
 
Aula 1 - Introdução a POO
Aula 1 -  Introdução a POOAula 1 -  Introdução a POO
Aula 1 - Introdução a POO
Daniel Brandão
 
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Sérgio Souza Costa
 
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DERBanco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Rangel Javier
 
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
1  requisitos funcionais e não funcionais ok1  requisitos funcionais e não funcionais ok
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
Marcos Morais de Sousa
 
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de SistemasIntrodução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
Nécio de Lima Veras
 
Conceitos de Banco de dados e SGBD
Conceitos de Banco de dados e SGBDConceitos de Banco de dados e SGBD
Conceitos de Banco de dados e SGBD
Vinicius Buffolo
 
Sistemas Operacionais - Aula 07 (Thread e Processos)
Sistemas Operacionais - Aula 07 (Thread e Processos)Sistemas Operacionais - Aula 07 (Thread e Processos)
Sistemas Operacionais - Aula 07 (Thread e Processos)
Leinylson Fontinele
 
Arquitetura de computadores Módulo 4
Arquitetura de computadores Módulo 4Arquitetura de computadores Módulo 4
Arquitetura de computadores Módulo 4
Luis Ferreira
 
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...
Leinylson Fontinele
 
Introdução a analise de sistemas i
Introdução a analise de sistemas iIntrodução a analise de sistemas i
Introdução a analise de sistemas i
Ray Fran Pires
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
Nécio de Lima Veras
 
Apresentando a Linguagem de Programação Python
Apresentando a Linguagem de Programação PythonApresentando a Linguagem de Programação Python
Apresentando a Linguagem de Programação Python
Priscila Mayumi
 
Modelos de Engenharia de Software
Modelos de Engenharia de SoftwareModelos de Engenharia de Software
Modelos de Engenharia de Software
Nathalia Sautchuk Patricio
 
Aula1 - Apresentação de Banco de Dados
Aula1 - Apresentação de Banco de DadosAula1 - Apresentação de Banco de Dados
Aula1 - Apresentação de Banco de Dados
Rafael Albani
 
Uml
UmlUml
Aula 02 - Introdução ao PHP
Aula 02 - Introdução ao PHPAula 02 - Introdução ao PHP
Aula 02 - Introdução ao PHP
Daniel Brandão
 

Mais procurados (20)

Aula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de SoftwareAula 2 - Processos de Software
Aula 2 - Processos de Software
 
Aula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de SoftwareAula - Introdução a Engenharia de Software
Aula - Introdução a Engenharia de Software
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
Sistemas operacionais
Sistemas operacionaisSistemas operacionais
Sistemas operacionais
 
Aula 1 - Introdução a POO
Aula 1 -  Introdução a POOAula 1 -  Introdução a POO
Aula 1 - Introdução a POO
 
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
Engenharia de Software - Conceitos e Modelos de Desenvolvimento
 
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DERBanco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
 
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
1  requisitos funcionais e não funcionais ok1  requisitos funcionais e não funcionais ok
1 requisitos funcionais e não funcionais ok
 
Introdução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de SistemasIntrodução à Análise de Sistemas
Introdução à Análise de Sistemas
 
Conceitos de Banco de dados e SGBD
Conceitos de Banco de dados e SGBDConceitos de Banco de dados e SGBD
Conceitos de Banco de dados e SGBD
 
Sistemas Operacionais - Aula 07 (Thread e Processos)
Sistemas Operacionais - Aula 07 (Thread e Processos)Sistemas Operacionais - Aula 07 (Thread e Processos)
Sistemas Operacionais - Aula 07 (Thread e Processos)
 
Arquitetura de computadores Módulo 4
Arquitetura de computadores Módulo 4Arquitetura de computadores Módulo 4
Arquitetura de computadores Módulo 4
 
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...
 
Introdução a analise de sistemas i
Introdução a analise de sistemas iIntrodução a analise de sistemas i
Introdução a analise de sistemas i
 
Modelos de processos de software
Modelos de processos de softwareModelos de processos de software
Modelos de processos de software
 
Apresentando a Linguagem de Programação Python
Apresentando a Linguagem de Programação PythonApresentando a Linguagem de Programação Python
Apresentando a Linguagem de Programação Python
 
Modelos de Engenharia de Software
Modelos de Engenharia de SoftwareModelos de Engenharia de Software
Modelos de Engenharia de Software
 
Aula1 - Apresentação de Banco de Dados
Aula1 - Apresentação de Banco de DadosAula1 - Apresentação de Banco de Dados
Aula1 - Apresentação de Banco de Dados
 
Uml
UmlUml
Uml
 
Aula 02 - Introdução ao PHP
Aula 02 - Introdução ao PHPAula 02 - Introdução ao PHP
Aula 02 - Introdução ao PHP
 

Destaque

PetroWiki - How to Add Headings
PetroWiki - How to Add HeadingsPetroWiki - How to Add Headings
PetroWiki - How to Add Headings
Society of Petroleum Engineers
 
Bai 1 mong_bang
Bai 1 mong_bangBai 1 mong_bang
Bai 1 mong_bang
Vinh Nguyen Thanh
 
Paper theoretical and experimental studies of lamb wave propagation in attenu...
Paper theoretical and experimental studies of lamb wave propagation in attenu...Paper theoretical and experimental studies of lamb wave propagation in attenu...
Paper theoretical and experimental studies of lamb wave propagation in attenu...
Vinh Nguyen Thanh
 
Aula 01 layout
Aula 01   layoutAula 01   layout
Aula 01 layout
Sergio Silva
 
PetroWiki - The Moderator Tasklist
PetroWiki - The Moderator TasklistPetroWiki - The Moderator Tasklist
PetroWiki - The Moderator Tasklist
Society of Petroleum Engineers
 
Emotional Intelligence
Emotional Intelligence Emotional Intelligence
Emotional Intelligence
Moustafa El-hadidi
 
The 2015 UX Awards Slideshow
The 2015 UX Awards Slideshow The 2015 UX Awards Slideshow
The 2015 UX Awards Slideshow
Beverly May
 
Raspberry Pi - Cat Chaser
Raspberry Pi - Cat ChaserRaspberry Pi - Cat Chaser
Raspberry Pi - Cat Chaser
Mike Milkin
 
Marketing
MarketingMarketing
PetroWiki - How to Add OnePetro Papers
PetroWiki - How to Add OnePetro PapersPetroWiki - How to Add OnePetro Papers
PetroWiki - How to Add OnePetro Papers
Society of Petroleum Engineers
 
PetroWiki - The Edit Overview
PetroWiki - The Edit OverviewPetroWiki - The Edit Overview
PetroWiki - The Edit Overview
Society of Petroleum Engineers
 
PetroWiki - How to Log In
PetroWiki - How to Log InPetroWiki - How to Log In
PetroWiki - How to Log In
Society of Petroleum Engineers
 
PetroWiki - The Moderator's Guide
PetroWiki - The Moderator's GuidePetroWiki - The Moderator's Guide
PetroWiki - The Moderator's Guide
Society of Petroleum Engineers
 
Manajemen Pemasaran Jasa
Manajemen Pemasaran JasaManajemen Pemasaran Jasa
Manajemen Pemasaran Jasa
nurulfadilah55
 
Mengelola Merek
Mengelola MerekMengelola Merek
Mengelola Merek
nurulfadilah55
 
Communication and Body Language
Communication and Body LanguageCommunication and Body Language
Communication and Body Language
Moustafa El-hadidi
 

Destaque (16)

PetroWiki - How to Add Headings
PetroWiki - How to Add HeadingsPetroWiki - How to Add Headings
PetroWiki - How to Add Headings
 
Bai 1 mong_bang
Bai 1 mong_bangBai 1 mong_bang
Bai 1 mong_bang
 
Paper theoretical and experimental studies of lamb wave propagation in attenu...
Paper theoretical and experimental studies of lamb wave propagation in attenu...Paper theoretical and experimental studies of lamb wave propagation in attenu...
Paper theoretical and experimental studies of lamb wave propagation in attenu...
 
Aula 01 layout
Aula 01   layoutAula 01   layout
Aula 01 layout
 
PetroWiki - The Moderator Tasklist
PetroWiki - The Moderator TasklistPetroWiki - The Moderator Tasklist
PetroWiki - The Moderator Tasklist
 
Emotional Intelligence
Emotional Intelligence Emotional Intelligence
Emotional Intelligence
 
The 2015 UX Awards Slideshow
The 2015 UX Awards Slideshow The 2015 UX Awards Slideshow
The 2015 UX Awards Slideshow
 
Raspberry Pi - Cat Chaser
Raspberry Pi - Cat ChaserRaspberry Pi - Cat Chaser
Raspberry Pi - Cat Chaser
 
Marketing
MarketingMarketing
Marketing
 
PetroWiki - How to Add OnePetro Papers
PetroWiki - How to Add OnePetro PapersPetroWiki - How to Add OnePetro Papers
PetroWiki - How to Add OnePetro Papers
 
PetroWiki - The Edit Overview
PetroWiki - The Edit OverviewPetroWiki - The Edit Overview
PetroWiki - The Edit Overview
 
PetroWiki - How to Log In
PetroWiki - How to Log InPetroWiki - How to Log In
PetroWiki - How to Log In
 
PetroWiki - The Moderator's Guide
PetroWiki - The Moderator's GuidePetroWiki - The Moderator's Guide
PetroWiki - The Moderator's Guide
 
Manajemen Pemasaran Jasa
Manajemen Pemasaran JasaManajemen Pemasaran Jasa
Manajemen Pemasaran Jasa
 
Mengelola Merek
Mengelola MerekMengelola Merek
Mengelola Merek
 
Communication and Body Language
Communication and Body LanguageCommunication and Body Language
Communication and Body Language
 

Semelhante a Aula 1 Analise e Projeto

Tudo são Dados - PHP Conference 2008
Tudo são Dados - PHP Conference 2008Tudo são Dados - PHP Conference 2008
Tudo são Dados - PHP Conference 2008
ECRAYON Tecnologia Criativa
 
Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...
Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...
Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...
Tailo Mateus Gonsalves
 
Desenvolvimento Ágil
Desenvolvimento ÁgilDesenvolvimento Ágil
Desenvolvimento Ágil
Gefferson Vivan
 
Do Zero à Produção
Do Zero à ProduçãoDo Zero à Produção
Do Zero à Produção
Danilo Pinotti
 
Jucelir
JucelirJucelir
Jucelir
jucelir
 
3ª prova pós web 1ª chamada
3ª prova pós web 1ª chamada3ª prova pós web 1ª chamada
3ª prova pós web 1ª chamada
Alexandre Ernesto
 
Engenharia de Software introdução
Engenharia de Software    introduçãoEngenharia de Software    introdução
Engenharia de Software introdução
miroslayer
 
Mini aula análise de requisitos
Mini aula análise de requisitosMini aula análise de requisitos
Mini aula análise de requisitos
Wanderlei Silva do Carmo
 
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Maicon Zerbielli
 
Open Up – Gerenciando Projetos Sob Principios Ágeis
Open Up – Gerenciando Projetos Sob Principios ÁgeisOpen Up – Gerenciando Projetos Sob Principios Ágeis
Open Up – Gerenciando Projetos Sob Principios Ágeis
jeanstreleski
 
Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2
Edinaldo Mendes
 
PMO - Project Management Office
PMO - Project Management OfficePMO - Project Management Office
PMO - Project Management Office
Aragon Vieira
 
Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Pp1 f8   02 - projeto de produtos, serviços e processosPp1 f8   02 - projeto de produtos, serviços e processos
Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Luciana C. L. Silva
 
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
Ivo M Michalick Vasconcelos, PMP, PMI-SP, CPCC
 
Gerenciamento de equipes no desenvolvimento de software
Gerenciamento de equipes no desenvolvimento de softwareGerenciamento de equipes no desenvolvimento de software
Gerenciamento de equipes no desenvolvimento de software
Roberto Brandini
 
Aula 3 desenvolvimento de projetos
Aula 3 desenvolvimento de projetosAula 3 desenvolvimento de projetos
Aula 3 desenvolvimento de projetos
Thiago Cetroni
 
Aula Teste Fatec Engenharia de Software III
Aula Teste  Fatec Engenharia de Software IIIAula Teste  Fatec Engenharia de Software III
Aula Teste Fatec Engenharia de Software III
Dalton Martins
 
Gestao de projetos (1)
Gestao de projetos (1)Gestao de projetos (1)
Gestao de projetos (1)
Deisi Motter
 
Project Methodologies and Best Practices
Project Methodologies and Best PracticesProject Methodologies and Best Practices
Project Methodologies and Best Practices
Sérgio A. Rangel de Aguiar MBA, MSc, BBA, ITILv3®, CCNA®
 
Feature Driven Development
Feature Driven DevelopmentFeature Driven Development
Feature Driven Development
Maurício Linhares
 

Semelhante a Aula 1 Analise e Projeto (20)

Tudo são Dados - PHP Conference 2008
Tudo são Dados - PHP Conference 2008Tudo são Dados - PHP Conference 2008
Tudo são Dados - PHP Conference 2008
 
Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...
Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...
Projeto e protótipo de ferramenta de gerenciamento de projetos adaptada ao pr...
 
Desenvolvimento Ágil
Desenvolvimento ÁgilDesenvolvimento Ágil
Desenvolvimento Ágil
 
Do Zero à Produção
Do Zero à ProduçãoDo Zero à Produção
Do Zero à Produção
 
Jucelir
JucelirJucelir
Jucelir
 
3ª prova pós web 1ª chamada
3ª prova pós web 1ª chamada3ª prova pós web 1ª chamada
3ª prova pós web 1ª chamada
 
Engenharia de Software introdução
Engenharia de Software    introduçãoEngenharia de Software    introdução
Engenharia de Software introdução
 
Mini aula análise de requisitos
Mini aula análise de requisitosMini aula análise de requisitos
Mini aula análise de requisitos
 
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
Desenvolvimento de um microprocesso utilizando métricas e indicadores como a...
 
Open Up – Gerenciando Projetos Sob Principios Ágeis
Open Up – Gerenciando Projetos Sob Principios ÁgeisOpen Up – Gerenciando Projetos Sob Principios Ágeis
Open Up – Gerenciando Projetos Sob Principios Ágeis
 
Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2Trabalho pds libre office 2
Trabalho pds libre office 2
 
PMO - Project Management Office
PMO - Project Management OfficePMO - Project Management Office
PMO - Project Management Office
 
Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos
Pp1 f8   02 - projeto de produtos, serviços e processosPp1 f8   02 - projeto de produtos, serviços e processos
Pp1 f8 02 - projeto de produtos, serviços e processos
 
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
O Gerenciamento de Projetos de Software Desenvolvidos à Luz das Metodologias ...
 
Gerenciamento de equipes no desenvolvimento de software
Gerenciamento de equipes no desenvolvimento de softwareGerenciamento de equipes no desenvolvimento de software
Gerenciamento de equipes no desenvolvimento de software
 
Aula 3 desenvolvimento de projetos
Aula 3 desenvolvimento de projetosAula 3 desenvolvimento de projetos
Aula 3 desenvolvimento de projetos
 
Aula Teste Fatec Engenharia de Software III
Aula Teste  Fatec Engenharia de Software IIIAula Teste  Fatec Engenharia de Software III
Aula Teste Fatec Engenharia de Software III
 
Gestao de projetos (1)
Gestao de projetos (1)Gestao de projetos (1)
Gestao de projetos (1)
 
Project Methodologies and Best Practices
Project Methodologies and Best PracticesProject Methodologies and Best Practices
Project Methodologies and Best Practices
 
Feature Driven Development
Feature Driven DevelopmentFeature Driven Development
Feature Driven Development
 

Último

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 

Último (20)

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 

Aula 1 Analise e Projeto

  • 1. Análise e Projeto de Sistemas de Informação Material criado por: Prof. Edinelson Revisão e atualização: Prof. Sergio Luiz da Silveira
  • 3. Vantagens da aplicação de uma Metodologia De Análise e Projeto de Sistemas
  • 4. Vantagens Padronização de técnicas, ferramentas e métodos para que toda a organização "fale a mesma língua".
  • 5. Existe uma padronização da forma de trabalho em toda a organização, e uma adesão às técnicas, ferramentas e métodos propostos. Vantagens
  • 6. Como consequência, torna-se mais fácil a integração interna entre as equipes e com outras áreas da empresa, além de facilitar a tarefa de manutenção dos sistemas em produção. Vantagens
  • 7. O que é um projeto?
  • 8. O QUE É UM PROJETO? Quais são os pilares que garantem um projeto executado com sucesso?  Objetivo  Metodologia  Controle
  • 9. A palavra projeto tem origem no latim “projectu” que significa “lançado para diante”. É uma tarefa ou conjunto de ações com objetivo comum. O QUE É UM PROJETO?
  • 10. Diversos tipos de projetos: Projeto de lei; Projetos de engenharia; Projetos paisagístico, etc. O QUE É UM PROJETO?
  • 11. O trabalho em equipe é a essência do projeto. O gerente tem como meta controlar e garantir que a ideia principal seja cumprida e evitar distorções. O QUE É UM PROJETO?
  • 12. Exemplo de projeto: Objetivo: publicar um livro Metodologia: editora fornece uma série de regras (fontes, espaçamentos...) Controle: enviar de tempos em tempos as novas páginas para ser verificado se as regras estão sendo cumpridas. O QUE É UM PROJETO?
  • 13. Ciclo de Vida de um Projeto Três grandes fases:  O início;  A maturidade;  A conclusão.
  • 14. Ciclo de Vida de um Projeto Sem o apoio de uma metodologia, a equipe de desenvolvimento terá sempre a tendência de cair nos mesmos erros de projetos anteriores. As fases inicial e final de qualquer projeto são repletos de dificuldades e situações delicadas.
  • 15. Ciclo de Vida de um Projeto  No início as atividades e os recursos não estão bem definidos;  No final também existirão situações críticas, pois quase sempre não é formalizado o final do projeto;  As pessoas não sabem se o projeto realmente acabou.
  • 16. 1. No prazo e orçamento previstos; Pode-se considerar um projeto bem sucedido aquele que foi desenvolvido/realizado. 2. Dentro das especificações técnicas e qualidade previstas;
  • 17. 3. Cliente/usuário satisfeito com o produto/serviço recebido; Pode-se considerar um projeto bem sucedido aquele que foi desenvolvido/realizado. 4. Produto/serviço obtido é usado em sua totalidade.
  • 18. O QUE É ANÁLISE?
  • 19. ANÁLISE  A análise enfatiza a investigação do problema;  O objetivo da análise é levar o analista a investigar e a descobrir;  Para que esta etapa seja realizada em menos tempo e de forma mais precisa, deve-se ter um bom método de trabalho.
  • 20.  Pode-se dizer que o resultado da análise é o enunciado do problema, e que o projeto será a sua resolução;  Problemas mal enunciados podem até ser resolvidos, mas a solução não corresponderá às expectativas. ANÁLISE
  • 21.  A qualidade do processo de análise é importante porque um erro de concepção resolvido na fase de análise tem um custo;  Na fase de projeto tem um custo maior;  Na fase de implementação maior ainda;  E na fase de implantação do sistema tem um custo relativamente astronômico. ANÁLISE
  • 22.  Estuda um problema com o propósito de modelar um sistema para que ele possa ser entendido.  Você deve conhecer todo o sistema o qual irá interagir. O QUE É ANÁLISE?
  • 23.  A fase de projeto enfatiza a proposta de uma solução que atenda os requisitos da análise. PROJETO
  • 24.  Então, se a análise é uma investigação para tentar descobrir o que o cliente quer, o projeto consiste em propor uma solução com base no conhecimento adquirido na análise. PROJETO
  • 25. POR QUE FAZER ANÁLISE E PROJETO?  Diagramas são figuras bonitas e o usuário quer o software executando corretamente!  Por que perder o tempo projetando se podemos começar logo a programar?
  • 26.  Gerenciamento da complexidade;  Comunicação entre as pessoas envolvidas;  Redução dos custos no desenvolvimento;  Predição do comportamento futuro do sistema. POR QUE FAZER ANÁLISE E PROJETO?
  • 27.  Entender o que o usuário realmente quer ou necessita para resolver um problema. POR QUE FAZER ANÁLISE?
  • 28. Diferenças entre análise e projeto Tem mais do que uma definição empregada.  Primeira Alternativa: 1) A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender o domínio do problema (o que deve ser feito). É uma atividade de investigação. 2) O projeto modela a solução e consiste das atividades de criação (como pode ser feito)
  • 29.  Segunda Alternativa 1. A análise consiste de todas as atividades feitas com ou para o conhecimento do cliente. A informação produzida é aquela que o cliente deve discutir e aprovar; 2. O projeto inclui as atividades que resultam em informação que interessa apenas ao programador. Diferenças entre análise e projeto
  • 30.  Com essa definição, a análise invade um pouco o “lado da solução”, pois o cliente deve discutir alguns tipos de interações que ocorrerão na interface do usuário, etc. Diferenças entre análise e projeto
  • 31.  Os projetos de desenvolvimento de software apresentam um desafio diferente comparado à maioria dos outros tipos de projetos como projetos de engenharia ou manufatura.  Nesses casos, quase sempre se conhece a priori todos os requisitos claramente. PROJETO
  • 32.  Além disso, projetos deste tipo possuem as seguintes características:  Não são sujeitos a frequentes mudanças;  É bastante raro que, quando uma parte do produto apresente algum tipo funcionamento inadequado, ocorram efeitos colaterais em outros pontos do produto que sejam de difícil diagnóstico. PROJETO
  • 33.  Esse não é o caso na grande maioria dos projetos de software, embora muitos tentem aproximar a indústria de software à da construção civil ou às indústrias de manufatura.  Hoje existem as "fábricas de software"! A crença tem sido de que a construção de software é similar à construção de prédios ou de bons produtos manufaturados. PROJETO
  • 34.  Na opinião do professor, infelizmente, nada poderia ser tão distante da realidade. Não é normal na construção civil ou nas indústrias tradicionais as especificações e design serem alteradas nas fases de construção ou produção.  Quando isso ocorre os estouros de orçamento são, em geral, monstruosos. PROJETO
  • 35.  Essa "fluidez" nos requisitos é o maior desafio para o sucesso no gerenciamento de projetos de software.  Gerentes que usam a construção ou a produção industrial como referência, frequentemente subestimam os problemas que são causados para a equipe e também para os custos do projeto o congelamento prematuro dos requisitos. PROJETO
  • 36.  Executar projetos de informática é bastante peculiar  Pela complexidade do empreendimento  Pela constante dificuldade de visualizar claramente o produto que está sendo desenvolvido  Pelas dificuldades de comunicação entre executor e usuário ou cliente PROJETOS
  • 37. Desenvolver Sistemas Então: Processo de Engenharia? é uma Arte ou
  • 38. Desenvolver Sistemas é uma Arte ou Processo de Engenharia? A quase totalidade do software produzido é criada como objeto de arte: 1) o construtor é um artista ou artesão; 2) criatividade é a grande ferramenta.
  • 39. Desenvolver Sistemas é uma Arte ou Processo de Engenharia? O ideal seria que o software estivesse sendo desenvolvido como artefato de manufatura 1) o construtor é um técnico; 2) e o rigor científico - as bases de seu desenvolvimento - sua principal ferramenta.
  • 40. O papel do Analista  Aumentar a eficiência e qualidade dos fluxos de informações que fluem entre os vários processos;  Otimizar e racionalizar tais processos;  Sistemas de Informações:  conjuntos de processos e informações inter- relacionadas com o objetivo de possibilitar tomada de decisões.
  • 41.  Utilizar modernas técnicas para a construção de modelos, dos processos e dados da área alvo;  Analisar o comportamento dos sistemas existentes e propor soluções  Criar métodos para padronização e/ou automação das atividades;  Planejar, analisar, projetar, programar e manter aplicações computacionais. O papel do Analista
  • 42.  Dialogar com o Usuário/Especialista;  Escolher:  Modelo de desenvolvimento (ciclo de vida);  Padrões de documentação, codificação, verificação e testes;  Ambientes de desenvolvimento e/ou linguagens de programação adequadas;  Métodos para medir e reportar o progresso do desenvolvimento. Atividades do Analista
  • 43. Atividades do Analista  Organizar e coordenar as equipes de desenvolvimento de software;  Indicar e/ou comprar hardware e ferramentas de software necessários ao projeto;  Avaliar a viabilidade do produto e de seu desenvolvimento;  Efetuar a estimativa de custos, riscos e preço do produto
  • 44. Habilidades do Analista de Sistemas  Capacidade para compreender conceitos abstratos, reorganizar esses conceitos em divisões lógicas e sintetizar "soluções“ baseado em cada divisão.  Capacidade de absorver fatos pertinentes a partir de fontes conflitantes ou confusas.
  • 45. Habilidades do Analista de Sistemas  Capacidade de se comunicar bem de forma escrita e verbal.  Capacidade de "ver a floresta ao invés das árvores”
  • 46. 1. Seja aceito profissionalmente, do nível mais alto ao mais baixo da empresa; 2. Tente entender o que o usuário “quer dizer” e não o que “você pensa” que ele quer dizer; 3. Escute primeiro, depois fale! (desenvolva grandes orelhas e boca pequena!); Os mandamentos para ser um bom Analista de Sistemas
  • 47. 4. Familiarize-se com os últimos progressos da tecnologia de informação e compreenda como aplicá-los na sua empresa; 5. Seja capaz de explicar conceitos complexos em termos simplificados; Os mandamentos para ser um bom Analista de Sistemas
  • 48. 6. Não se esconda em jargão da informática; fale a linguagem da empresa; 7. Utilize os princípios básicos da qualidade, seja em produtos ou serviços; Os mandamentos para ser um bom Analista de Sistemas
  • 49. 8. Conheça a área de negócio, passando boa parte de seu tempo com o usuário. 9. Sugira soluções inovadoras aos requisitos de informação e desenvolva com clareza, analisando sempre a relação custo/benefício, utilzando alternativas viáveis. Os mandamentos para ser um bom Analista de Sistemas
  • 50. 10. Especialize-se em sistemas de informação, arquitetura de dados e ferramentas de processo de informação, e não em tecnologia da informação Os mandamentos para ser um bom Analista de Sistemas
  • 51.  um jornalista,  um auditor,  um consultor,  um padre,  um psicólogo e  um bom diplomata. Um analista de sistemas deve ser uma combinação entre
  • 52. Participantes do Desenvolvimento de Sistemas “Ao iniciarmos um projeto de desenvolvimento de sistemas é extremamente importante conhecermos um pouco das características das pessoas que iremos interagir.”
  • 53. PARTICIPANTES  Os analistas de sistemas envolvem-se com uma grande quantidade e diversidade de pessoas:  Usuários  Gerentes  Auditores, controladores e padronizadores  Analistas de Sistemas  Projetistas de Sistemas  Programadores  Pessoal Operativo
  • 54. USUÁRIOS Pessoa ou grupo de pessoas para que o sistema é construído. Geralmente são classificados por: Por tipo de função; Por nível de experiência com Projeto Desenvolvido;
  • 55. USUÁRIO POR TIPO DE FUNÇÃO Usuários Operativos Geralmente tem visão local; Executam a função do sistema; Preocupam-se com os recursos físicos do sistema;
  • 56. Usuários Supervisores Podem ou não ter visão local; Normalmente conhecem a operação; Orientados por considerações orçamentárias; Agem como intermediários entre usuários e analistas de sistemas; USUÁRIO POR TIPO DE FUNÇÃO
  • 57. Usuários Executivos Tem visão global; Tem iniciativas sobre o projeto; Não tem experiência operativa; Tem preocupações estratégicas; USUÁRIO POR TIPO DE FUNÇÃO
  • 58. USUÁRIO POR NÍVEL DE EXPERIÊNCIA Usuário amador Geralmente fala que “Não entende nada de computador”; Não procura entender a terminologia do PD, dificultando a aceitação do sistema;
  • 59. Usuários “Novato arrogante” Já participou de projetos de sistemas; As vezes já escreveu algum programa; Tomar cuidado para não perder o foco do principal objetivo do projeto = Sistema Eficaz; USUÁRIO POR NÍVEL DE EXPERIÊNCIA
  • 60. Em resumo suas características principais são descritas abaixo: Usuário Operativo Usuário Supervisor Usuário Executivo Normalmente tem visão local Pode ou não ter visão local Tem visão global Executa a função do sistema Normalmente conhece a operação Tem iniciativa sobre o projeto Tem visão física do sistema Orientado por considerações orçamentárias Não tem experiência operativa Muitas vezes age como intermediário entre os usuários e os níveis mais elevados da direção Tem preocupações estratégicas USUÁRIO - RESUMO
  • 61. Gerente Usuários => Usuários supervisores Gerentes de PD/SIG => Encarregados de desenvolvimento de sistemas, preocupam-se com o gerenciamento local e alocação de recursos da equipe técnica. Gerentes gerais => Não estão diretamente envolvidos nos projetos – Presidentes, vice-presidentes… Geralmente a interação entre analista de sistema e gerência tem a ver com os recursos destinados ao projeto. GERENCIA
  • 62. Preocupam-se em garantir que os sistemas sejam desenvolvidos dentro de padrões externos; Geralmente não se envolvem diretamente no processo de desenvolvimento do projeto; Faz-se necessário explicar a documentação adotada pelos analistas de sistemas; Auditores pós implementação: garantir que o sistema faça aquilo especificado. AUDITORES
  • 63. Arqueólogos e escriba: Visualizar detalhes e documentar as orientações comerciais; Inovador: Auxiliar o usuário a explorar novas e úteis aplicações de PD; Mediador: Obter consenso entre a equipe, usuários, gerentes, programadores; Líder de projeto: Habilidade com pessoas; ANALISTA DE SISTEMAS
  • 64. Responsáveis pela modelagem e elaboração das ferramentas usadas na metodologia. PROJETISTAS DE SISTEMAS
  • 65. Responsáveis pela codificação das especificações dos programas. PROGRAMADORES
  • 66. PESSOAL DE OPERAÇÕES Responsáveis pelo centro de processamento de dados, operação dos sistemas, Redes, Segurança do hardware…
  • 67. Material criado por Prof. Edinelson Revisão e atualização: Prof. Sergio Luiz da Silveira Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Curso Sistemas de Informação REFERENCIA: