SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 61
MÍDIAS DIGITAIS
A apresentação a seguir foi preparada por Talita Moretto para a
disciplina de Mídias Digitais – MBA em Marketing Digital
(Instituto Doll), em 04 de agosto de 2012.




  Fonte: http://www.oitopassos.com/wp-content/uploads/2012/06/Mi-4.jpg. Acesso em 20/07/2012.
MÍDIAS DIGITAIS
                     >>Conceitos<<




Fonte: http://www.oitopassos.com/wp-content/uploads/2012/06/Mi-4.jpg. Acesso em 20/07/2012.
Conceitos
DICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA HOUAISS – 2009.

MÍDIA: conjunto dos meios de comunicação de massa (jornal, televisão, rádio, etc.).
DIGITAL: 2. Relativo a dígito; 3. INF que opera com quantidades numéricas ou informações expressas por
algarismos.
SOCIAL: 1. que pertence a ou vive em sociedade; 4. O que pertence a todos, público, coletivo.


WIKIPÉDIA (em 29.07.2012):

Mídia Digital: O termo mídia digital (oposto de mídia analógica) refere-se a mídia eletrônica que trabalha com
codecs digitais. No sentido mais amplo, mídia digital pode ser definida como o conjunto de veículos e aparelhos
de comunicação baseados em tecnologia digital, permitindo a distribuição ou comunicação digital das obras
intelectuais escritas, sonoras ou visuais.

Mídia Social: O conceito de mídias sociais (social media) precede a Internet e as ferramentas tecnológicas -
ainda que o termo não fosse utilizado. Trata-se da produção de conteúdos de forma descentralizada e sem o
controle editorial de grande grupos. Significa a produção de muitos para muitos.
As "ferramentas de mídias sociais" são sistemas online projetados para permitir a interação social a partir do
compartilhamento e da criação colaborativa de informação nos mais diversos formatos. Eles possibilitaram a
publicação de conteúdos por qualquer pessoa, baixando a praticamente zero o custo de produção e
distribuição. Elas abrangem diversas atividades que integram tecnologia, interação social e a construção de
palavras, fotos, vídeos e áudios. Esta interação e a maneira na qual a informação é apresentada dependem nas
várias perspectivas da pessoa que compartilhou o conteúdo, visto que este é parte de sua história e
entendimento de mundo.
Fonte: http://blog.uniamerica.br/wp-content/uploads/2011/09/midias-digitais.png. Acesso em 19/07/2012.




                                                                                                         Fonte: http://2.bp.blogspot.com/_oQWx5IqGeDE/TJu4JXy_BWI/AAAAAAAACI8/N8dFbu5ABis/s1600/redessociais.png. Acesso em 19/07/2012.
Conceito
Mídia,      ou      media,      designa     os      meios     de     comunicação,      como:
jornais, revistas, televisão, rádio, cinema, internet, etc. É o “meio” utilizado pelas novas
tecnologias para se propagarem.

Transforma o signo em sinal com o objetivo de ser transmitido por um canal de comunicação. É
também um “canal ou cadeia de canais” que liga a fonte ao receptor.

O termo mídia, porém, refere-se, na maioria das vezes, ao universo da comunicação, indicando a
pluralidade de meios aí presentes.

McLuhan, ao fazer sua conhecida afirmação “o meio é a mensagem”, sai do conceito técnico de
mídia explicitando suas implicações na vida social. Ele explica que cada meio cria ao seu redor um
ambiente específico já que possui uma “geometria” própria, sendo, deste modo, uma maneira de
se ver e configurar mensagens.

“Muita gente estaria inclinada a dizer que não era a máquina, mas o que se fez com ela que
constitui de fato o seu significado ou mensagem” (McLuhan, p. 21)

    OS MEIOS DE COMUICAÇÃO COMO EXTENSÕES DO HOMEM, MARSHALL MCLUHAN.
Fonte: http://www.being.com.br/userfiles/image/MARKETING_DIGITAL2.jpg. Acesso em 19/07/2012.
Mídias Digitais – Mídias Sociais
        UMA INTRODUÇÃO ÀS REDES SOCIAIS (Por Augusto de Franco)
        Fonte: Escola de Redes (escoladeredes.net/profiles/blogs/uma-introducao-as-redes)

        “Uma mudança significativa em nossa visão sobre a sociedade vem ocorrendo nos últimos anos com a
        descoberta das redes sociais. Com efeito, elas são surpreendentes. Elas surpreendem, em primeiro lugar, os
        que vivem antenados com as novidades e esperam assumir uma posição de vanguarda ou de destaque ao
        aderirem a elas. Essas pessoas, muitas vezes, ficam chocadas quando lhes dizem que a rede social nada mais é
        do que a sociedade. Em geral, elas entram nas redes porque acham que descobriram um novo modo de
        chamar a atenção para si próprias, para suas ideias ou para seus produtos.”

        “Mas a questão está na atitude de utilização que frequentemente nos impede de ver que as verdadeiras redes
        sociais — quer dizer, as redes sociais distribuídas — não podem ser urdidas pelo desejo de controle ou pela
        vontade de poder. “

        “Uma rede funciona quando existe, ou seja, quando se
        configura segundo a morfologia de rede (distribuída) e
        manifesta sua dinâmica característica. Aqui é preciso entender
        que as redes não são expedientes instrumentais para pescar
        pessoas e levá-las a trilhar um determinado caminho ou seguir
        uma determinada orientação. As redes farão coisas que seus
        membros quiserem fazer, ou melhor, só farão coisas conjuntas
        os membros de uma rede que quiserem fazer aquelas coisas.”


Fonte: http://4.bp.blogspot.com/_4yulfd1LVGo/TRDJAhJZMJI/AAAAAAAAErc/enMlIFrbQ3Q/s1600/di%25C3%25A1logo.jpg. Acesso em 19/07/2012.
Diagrama de Paul Baran
Quem quer articular e animar redes
sociais deve resistir à quatro tentações:
 Fazer redes de instituições (entidades, organizações): Muitas vezes é necessário, para começar um projeto ou
 mesmo para dar respaldo à sua implantação, reunir instituições em torno de um propósito. No entanto, redes
 propriamente ditas, ou seja, redes distribuídas, não podem ser compostas por instituições hierárquicas. Redes
 distribuídas devem ser de pessoas (P2P). Um membro conectado à rede não pode ser substituído por outro
 membro da mesma instituição (nenhuma pessoa é substituível em uma rede). Além disso, as redes devem ser
 compostas pelas pessoas que queiram participar delas, independentemente de estarem ou não representando
 instituições, pois redes não são coletivos de representação, mas de participação direta ou de interação — sem
 mediações de instituições hierárquicas.

 Fazer reuniões para discussão ou deliberação com os membros da rede: Na rede as atividades são coletivas,
 nada de fazer reunir para decidir algo. Se houver necessidade de votar para decidir, é sinal de que o assunto
 não está maduro. Se estivesse, a solução se imporia naturalmente.

 Ter sempre presente que fazer rede é fazer amigos: Cada membro da rede é um participante único,
 insubstituível, totalmente personalizado, que deve ser tratado sempre pelo nome, valorizado pelo que tem de
 peculiar, incluído pelo reconhecimento de suas potencialidades distintivas. Nada, portanto, de circulares
 impessoais, panfletos, chamamentos coletivos. Nada de mobilização de massa.

 Levar em conta que rede é um campo para a emergência do fenômeno da multiliderança: Cada um pode ser
 líder em algum assunto de que goste e domine, por meio do qual seja capaz de propor iniciativas que sejam
 acolhidas voluntariamente por outros. Redes não podem ter líderes únicos, líderes de todos os assuntos,
 dirigentes autocráticos que tentam monopolizar a liderança e impedir que os outros a exerçam.
Então...
   Redes sociais nascem e morrem, elas são móveis;
   Redes sociais crescem, no seu tempo, o necessário. Crescimento não precisa estar relacionado a números
    –pode crescer aumentando sua conectividade e seu grau de distribuição;
   Essa ideia de que você tem que se transformar em uma pessoa diferente (que você não é) foi uma coisa
    ruim que colocaram em sua cabeça. Você não precisa se transformar e sim despertar para suas imensas
    potencialidades;
   A rede social não é uma invenção contemporânea. É possível dizer que no princípio era a rede, a rede
    social que existe independentemente de esforços organizativos voluntários , é a sociedade que existe;
   Seres humanos que se conectam entre si formam redes. O “social” é isso.;
   Nos últimos anos fala-se muito de redes digitais e fica-se com a impressão de que são as novas tecnologias
    de informação e comunicação que representam toda essa novidade organizativa. Mas não é bem assim:


“Não se trata da organização em rede da tecnologia, mas da organização em rede dos seres
humanos através da tecnologia. Não se trata de uma era de máquinas inteligentes, mas de seres
humanos que, através das redes, podem combinar a sua inteligência” (Don Tapscott - Estudioso de
mídia, tecnologia e inovação, autor de ‘Growing Up Digital’ e ‘Grown Up Digital’ (A Hora da Geração Digital’)


   Blogosferas são, por enquanto, os melhores exemplos de redes distribuídas;
   O futuro mundo das redes distribuídas — se vier — não será, como previa McLuhan, uma aldeia global,
    senão miríades de aldeias globais. A aldeia global midiática (e “molar”), de Marshall McLuhan, sugere o
    mundo virando um local. A sociedade-rede (“molecular”) — percebida por Levy, Castells e vários outros —
    sugere cada local virando o mundo. Não o local separado, por certo, mas o local conectado que tende a
    virar o mundo todo, desde que a conexão local-global passou a ser uma possibilidade.
Fonte: http://www.oitopassos.com/wp-content/uploads/2012/06/Mi-1.jpg. Acesso em 19/07/2012.
A cultura da convergência,
                    Henry Jenkins
   Convergência é uma palavra que consegue definir transformações tecnológicas, mercadológicas, culturais e
    sociais, dependendo de quem está falando e do que imaginam estar falando. Convergência dos meios de
    comunicação, cultura participativa e inteligência coletiva .


“Por convergência , refiro-me ao fluxo de conteúdos através de múltiplos suportes midiáticos, à
cooperação entre múltiplos mercados midiáticos e ao comportamento migratório dos públicos dos
meios de comunicação, que vão a quase qualquer parte em busca das experiências de
entretenimento que desejam.”

   No mundo da convergência das mídias, toda história importante é contada, toda marca é vendida e todo
    consumidor é cortejado por múltiplos suportes de mídia.

   A circulação de conteúdos – por meio de diferentes sistemas midiáticos, sistemas administrativos de mídias
    concorrentes e fronteiras nacionais – depende fortemente da participação ativa dos consumidores.

   Convergência representa uma transformação cultural, à medida que consumidores são incentivados a
    procurar novas informações e fazer conexões em meio a conteúdos midiáticos dispersos.

   A expressão cultura participativa contrasta com noções mais antigas sobre a passividade dos espectadores dos
    meios de comunicação. Em vez de falar sobre produtores e consumidores de mídia como ocupantes de papéis
    separados, podemos agora considerá-los como participantes interagindo de acordo com um novo conjunto de
    regras, que nenhum de nós entende por completo. Nem todos os participantes são criados iguais.
A cultura da convergência,
                               Henry Jenkins
           A convergência não ocorre por meio de aparelhos, por mais sofisticados que venham a ser. A convergência
            ocorre dentro dos cérebros de consumidores individuais e em suas interações sociais com outros.

           Cada um de nós constrói a própria mitologia pessoal, a partir de pedaços e fragmentos de informações
            extraídos do fluxo midiático e transformados em recursos através dos quais compreendemos nossa vida
            cotidiana. Por haver mais informações sobre determinado assunto do que alguém possa guardar na
            cabeça, há um incentivo extra para que conversemos entre nós sobre a mídia que consumimos. O
            consumo tornou-se um processo coletivo.

        Nenhum de nós pode saber tudo; cada um de nós
         sabe alguma coisa; e podemos juntar as peças, se
         associarmos nossos recursos e unirmos nossas
         habilidades.

        A inteligência coletiva (expressão cunhada por
         Pierre Lévy) pode ser vista como uma fonte
         alternativa de poder midiático. Estamos
         aprendendo a usar esse poder em nossas
         interações diárias dentro da cultura da
         convergência . Neste momento, estamos usando
         esse poder coletivo principalmente para fins
         recreativos, mas em breve estaremos aplicando
         essas habilidades a propósitos mais “sérios”.

Fonte: http://blog.thoughtpick.com/wp-content/uploads/2009/08/bs.jpg. Acesso em 19/07/2012.
A cultura da convergência,
                    Henry Jenkins
   Se o paradigma da revolução digital presumia que as novas mídias substituiriam as antigas, o emergente
    paradigma da convergência presume que novas e antigas mídias irão interagir de formas cada vez mais
    complexas.

   O paradigma da revolução digital alegava que os novos meios de comunicação digital mudariam tudo.
    Após o estouro da bolha pontocom, a tendência foi imaginar que as novas mídias não haviam mudado
    nada. Como muitas outras coisas no ambiente midiático atual, a verdade está no meio- termo. Cada vez
    mais, líderes da indústria midiática estão retornando à convergência como uma forma de encontrar
    sentido, num momento de confusas transformações.

   Houve uma época em que empresas publicavam jornais, revistas e livros e não faziam muito mais do que
    isso; seu envolvimento com outros meios de comunicação era insignificante. Cada meio de comunicação
    tinha suas próprias e distintas funções e seus mercados, e cada um era regulado por regimes
    específicos, dependendo de seu caráter. Diversas forças, contudo, começaram a derrubar os muros que
    separam esses diferentes meios de comunicação. Novas tecnologia s midiáticas permitiram que o mesmo
    conteúdo fluísse por vários canais diferentes e assumisse formas distintas no ponto de recepção.

   A convergência está ocorrendo dentro dos mesmos aparelhos, dentro das mesmas franquias, dentro das
    mesmas empresas, dentro do cérebro do consumidor e dentro dos mesmos grupos de fãs. A convergência
    envolve uma transformação tanto na forma de produzir quanto na forma de consumir os meios de
    comunicação.
Fonte: http://marceloamanajas.com.br/wp-content/uploads/2011/03/Innovation.png. Acesso em 19/07/2012.




Fonte: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=download&id=670491. Acesso em 19/07/2012.
Para atingir 50 milhões de usuários

Eletricidade                      Telefone
   (1873 )                         (1876)

  46 anos                         30 anos




                                             Celular
                      Televisão              (1983 )
                       (1926)
                                             13 anos.
                      26 anos
         Automóvel
           (1886)

            35 anos
Para atingir 50 milhões de usuários

                                                            INTERNET
                                                           1995 a 1999
                                                                =
                                                           “50 milhões”

                                                       2002: 561 milhões

                                                        2007: 1,08 bilhão




    Google lança site para explicar 20 anos de evolução da internet
E agora?
 Hoje, 81% das crianças, com média de 2 anos de idade, já têm alguma pegada digital;

 Em 1 hora, as pessoas que são muito conectadas trocam 27 vezes de plataforma;

 Hoje estamos vivendo uma época de empresas do século 20 e pessoas do século 21;

 Segundo pesquisa da World Economic Forum: 47% das pessoas confiam nos anúncios da TV /
  92% confiam mais no boca a boca na rede;

 Hoje vivemos um desemprego tecnológico;

 Hoje nos encontramos por geolocalização;

 “Não use velhos mapas para descobrir novas terras” (Gil Giardelli).

    E se Nelson Mandela tivesse usado o Facebook para lutar contra o apartheid?
    Veja como a internet chacoalhou a indústria musical
Fonte: http://blog.pucsp.br/tmd/files/2012/05/ead-sn.jpg. Acesso em 19/07/2012.
Fonte: http://www.epixeldesign.com.br/wp-content/uploads/2012/02/social_media_clutter-men-talking-2.jpg. Acesso em 19/07/2012.
MÍDIAS DIGITAIS >>Canais<<




Fonte: http://www.oitopassos.com/wp-content/uploads/2012/06/Mi-4.jpg. Acesso em 20/07/2012.
Fonte: http://gondwanabrasil.files.wordpress.com/2011/01/mapa_redes_sociais2.jpg. Acesso em 19/07/2012.
Canais
1.    Facebook                  20.   Paperli.com
2.    Twitter                   21.   Formspring
3.    Twitpic                   22.   Oxibiz
4.    Twitcam                   23.   My Space
5.    Youtube                   24.   Slideshare
6.    Pinterest                 25.   Scribd
7.    LinkedIn                  26.   Wobook
8.    Blogs                     27.   MSN
9.    E-mail marketing          28.   WebQuest
10.   Feeds Rss (Feedburner)    29.   Google+
11.   Flickr                    30.   Google Talk
12.   Tumblr                    31.   Issuu
13.   Klout                     32.   Foursquare
14.   Ning                      33.   Skype
15.   Gadgets                   34.   Skydrive
16.   Delicious                 35.   Oxibiz
17.   Crowdfunding
18.   Smore


                                              Curiosidade: Emoto Topics
                 Fonte: http://www.flickr.com/photos/deborasebriam/5374414940/. Acesso em 20/07/2012.
Fonte: http://empreendedorismoms.files.wordpress.com/2010/08/redessociais_propagan. Acesso em 19/07/2012.
Tipos de usuários nas mídias
Control: São os consumidores que têm total controle de suas informações e estão dispostos a compartilhá-las
com toda a rede social. É pelo o engajamento e influência desses usuários que brigam as marcas.

Trust: O grau de confiança está relacionada a disposição dos consumidores de compartilhar informações entre
si através das mídias sociais.

Newcomers: São usuários que têm alguma afinidade com redes sociais, mas acessam de apenas uma mídia
social e pouco utilizam o meio digital.

Onlookers: Usuários que prezam por ter total controle das suas informações online a ponto de se abster de
compartilhar detalhes sobre si. Preferem observar mais do que interagir e são inconstantes quanto suas
atualizações online.

Cliquers: São usuários ativos de uma única mídia social, têm preferência pelo Facebook. São em sua maioria
mulheres que compartilham todo tipo de informações, mas suas conexões são restritas a familiares e amigos
mais próximo.

Mix-n-Minglers: São bastante ativos, utilizam mais de uma plataforma de mídia social, seguem e interagem
com as marcas de sua preferência. São controlados quanto ao compartilhamento de informações pessoais e
influentes entre suas conexões online.

Sparks: São usuários extremamente engajados, são referência nas mídias sociais e suas interações com as
marcas são tão próximas e frequentes que se tornam “porta-vozes” das marcas.
Perfil dos usuários nas mídias sociais
               Pesquisa (2011)
Panorama atual: Com a Web 2.0 e suas
ferramentas interativas (blog, fórum, sites
interativos, redes sociais, etc.) as pessoas criam
conteúdo e informação de forma autônoma e
facultativa.

Dentre os resultados:
Os internautas estão muito interessados em
assuntos ligados a marcas, produtos e serviços.
Acessar a internet significa também estar
relacionado com esses assuntos ligados ao
consumo, que pode se dar através da criação de
conteúdo de mídia social, ou compartilhamento
(divulgando entre a rede de contatos) ou mesmo
pesquisando sobre o assunto.
Dos usuários mas redes sociais:
5% Compartilham ou comentam; 15% criam
conteúdo; 60% apenas pesquisam sobre o
assunto.
Presença nas mídias digitais
•   Estar presente em diversos canais hoje é fundamental. Desde o planejamento até a utilização de
    diversos meios e técnicas, como: Otimização de Sites, Links Patrocinados, E-mail Marketing, Gestão
    da presença em Mídias Sociais e outros. Se antes era importante passar uma mensagem, hoje é
    quase obrigatório entender como educar e guiar seu seus objetivos na mídia digital.

Por que é crucial marcar presença em diversos canais e mídias digitais?
• Com tantos canais e meios disponíveis, empresas que não estão presentes nas mídias
    digitais perdem inúmeras oportunidades, mas, fundamentalmente, de possibilitar que uma massa
    de prospects ou clientes atuais entrem em contato com a marca, produtos e serviços, monetizando
    sua multipresença online.

•   Porque os modos de acesso, o tipo de conteúdo, os horários e a quantidade de acessos é diferente
    para cada público ou nicho.

•   Quanto mais uma empresa consegue entrar em contato com seu prospect ou cliente sem
    interrompê-lo de forma direta, mais próxima da realidade atual e no caminho correto ela se
    encontra.

•   Veículos tradicionais têm foco na comunicação de massa: Os meios tradicionais (televisão, rádio,
    impresso) trabalham no formato broadcast: empresas anunciam suas marcas e produtos de forma
    geral, apostando que seus potenciais consumidores estejam prestando atenção na publicidade
    feita.
Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Inbound Marketing
                               x
                       Outbound Marketing
•   O termo Inbound na web se refere ao fluxo de visitantes externos direcionados por links que apontam
    para um site. Inbound marketing é o marketing focado em gerar tráfego de visitantes que estão
    procurando assuntos relacionados ao site que adota esta técnica. É uma atração passiva e não invasiva.

•   No Outbond marketing, o foco está em achar prospects através de técnicas intrusivas e pouco
    direcionadas ao público alvo que se pretende atingir. Utilizam chamadas telefônicas não solicitadas,
    distribuição de mala direta e material impresso não solicitado, anúncios na televisão, feiras e spam de
    email marketing.

•   As campanhas de inbound marketing de maior sucesso possuem três componentes chave:

1- Conteúdo: que atrai o público-alvo para o seu site ou negócio.
2- Otimização junto aos mecanismos de busca (SEO) – facilita que potenciais clientes achem o seu conteúdo.
3- Social Media – estes recursos ampliam o alcance e o impacto do seu conteúdo. Quando seu conteúdo é
distribuído e discutido através de networks/grupos de discussão ou relacionamento, se torna mais autêntico e
relevante, com maior possibilidade de atrair clientes qualificados par o seu site.
4 - Menores Custos – de veiculação e promoção.
5 - Melhor foco – no público alvo. Permite abordar somente um público que foi qualificado, que possui
interesse e torna o ciclo de venda mais curto, produtivo e eficaz.
6 - Ser um investimento, e não uma despesa corrente.
Comunidade                              O que é                                               Ganhos


                     Pessoas com admiração pela marca, mas sem
        Fãs          consumo                                          Divulgação institucional



                     Pessoas que consumiram produtos pelo menos       Retenção na base ativa, aumento de consumo, captação de
   Consumidores      uma vez                                          feedbacks, propaganda boca a boca


                     Produtores de conteúdo com grande relevância e   Divulgação especializada, formação de ideia de valor
  Influenciadores    abrangência                                      agregado




                                                                      Redução de turnover, ganho de produtividade, divulgação
                                                                      dos princípios da empresa, captação de feedbacks, redução
   Funcionários      Funcionários diretos e indiretos da empresa      de crises, melhor entendimento dos produtos e serviços



  Corpo diretivo /   Membros que tomam decisões estratégicas ou       Aumento de credibilidade na instituição, decisões melhor
    Acionistas       detém ações da empresa                           embasadas, fomentação de negócios com outras empresas




                     Empresas que ofertam produtos que podem ser
Empresas parceiras / vendidos conjuntamente ou que fazem parte da     Divulgação institucional, aumento de consumo, penetração
  Fornecedores       cadeia de fornecimento                           em grupos com predisposição ao consumo

       Mídia         Jornalistas especializados                       Divulgação transmídia
MÍDIAS DIGITAIS
                    >>Legalidade<<




Fonte: http://www.oitopassos.com/wp-content/uploads/2012/06/Mi-4.jpg. Acesso em 20/07/2012.
Legalidades da mídias
             Características do Direito Analógico (até anos 2000) :
             •   Relações Presenciais;
             •   Testemunhas-Pessoas;
             •   Provas em Papel;
             •   Fronteiras físicas;
             •   Ativos Tangíveis!

             Características do Direito Digital (de 2000 em diante):
             •   Relações não presenciais;
             •   Testemunhas-máquinas;
             •   Provas originais eletrônicas;
             •   Fronteiras informacionais;
             •   Ativos Intangíveis!

             A base para o Direito Digital hoje é:
             •   INSTANTANEIDADE
             •   DESMATERIALIZADO
             •   MOBILIDADE
             •   INTERATIVIDADE + Guarda da Documentação de forma Legal



Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Legalidade das mídias
RISCOS:
•   Conteúdos (ex: Plágio, uso de imagem indevido, pirataria)
•   Informações (ex: Vazamento)
•   Relações (ex: ofensas digitais, cyberbullying e corporatebullying )

NO USO DE REDES SOCIAIS LEVAR EM CONSIDERAÇÃO SEMPRE:
•   Propósito claro do ambiente
•   Contexto que o conteúdo estará inserido
•   Alcance global
•   Perpetuação tempo

PRINCIPAIS TIPOS DE IMPACTO NO USO DE REDES SOCIAIS:
•   Produtividade (ex: uso maciço de rede social não relacionada a trabalho durante o expediente);
•   Segurança da Informação (ex: vazamento de informação);
•   Reputacional (ex: exposição de opinião associada à marca não condizente com os valores da empresa);
•   Danos à empresa e/ou Danos à terceiros que impactem a empresa (ex: uso não autorizado de imagem de
    demais colaboradores ou de terceiros);
•   Danos à mercado (ex: infração a regulamentação da CVM – 358 fato relevante);
•   Prática de Crime previsto no ordenamento jurídico brasileiro (ex: difamação de outro colaborador, concorrência
    desleal).

           Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Legalidade das mídias
                  MÍDIAS SOCIAIS CAUSAM MAIS DANOS A MARCAS QUE PROCON

•   O site RECLAME AQUI registrou, em 2010, uma média de 4 MILHÕES DE VISITAS POR
    MÊS, número superior aos atendimentos realizados pelo PROCON neste ano (630 mil).

•   Consumidores estão mais atentos aos canais de comunicação do que as empresas e estão cientes
    de que quando a REPUTAÇÃO da marca é AFETADA ela tende a ser mais ágil para amenizar a
    situação.

•   As RECLAMAÇÕES EM REDES SOCIAIS se tornam mais efetivas porque afetam a credibilidade da
    companhia e, sobretudo, porque têm um sentido de PERMANÊNCIA: o que é comentado
    permanece online, disponível para acesso e pesquisa.

•   Redes sociais são um canal de AUTORREGULAMENTAÇÃO no tratamento do consumidor.




         Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Riscos e Mitigação
1) Críticas por não conseguir atender as demandas dos usuários para conversas/respostas por falta de
recursos ou autorização. Gerenciar as expectativas com uma política clara sobre respostas à temas e
não demandas pessoais.

2) Críticas vindas da percepção de que o uso do Twitter viola a ética interna da plataforma (muito
formal, autopromocional, árido). Variar o conteúdo, aceitar que haverão críticas.

3) Publicação de conteúdos inadequados, erroneamente como: informações sobre produtos futuros,
informação privilegiada, fato relevante, etc. Estabelecer um processo ainda que simplificado de
revisão dos mensagens por uma área responsável, antes da publicação.

4) Riscos de segurança da plataforma (hackerismo, vandalismo). Trocar a senha com frequência e não
utilizar ferramentas desconhecidas para postar.

5) Mudanças nas Políticas dos Canais (mudança de políticas, características, cobrança de fees). Rever
e acompanhar sempre as mudança das políticas de uso destes canais.

6 ) Cybersquatting Reduzido pelo registro de nomes alternativos. Riscos residuais aceitáveis.


         Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Cybersquatting e Typosquatting
O Cybersquatting é o ato de registar nomes de domínio na internet, especialmente aqueles relacionados
com celebridades ou marcas conhecidas, com a intenção de revendê-los a um preço inflacionado.

O typosquatter regista nomes de domínio que se assemelham a websites populares de alto tráfego, mas faz
isso pensando naqueles que se enganam a digitar esses endereços e os escrevem com erros ortográficos.

Para exemplo, tomamos a Amazon. O que o typosquatter vai fazer é registar vários nomes de domínio como:
“Anazon.com”,” Amazzon.com”, “Amazons.com” e assim por diante. Uma pessoa que procure o site
“Amazon.com” pode acidentalmente digitar o URL errado, sendo redirecionado para um dos websites do
typosquatter. No caso do typosquatting, são quatro os motivos mais comuns de erros de digitação:

1.   Erros de ortografia, no caso de uma língua diferente;
2.   Frase errada do nome de domínio;
3.   Domínio errado, por exemplo, “.net” em vez de “.com”;
4.   Enganos devido a erros de digitação.

Esses sites são geralmente sítios Web de anúncios click-thru, podem em alguns casos, ser sites
pornográficos, ou sítios web infectados com malware. Tem sido também frequente a utilização deste
esquema para direcionar os internautas para sítios Web com códigos maliciosos que infectam os
computadores das vítimas


          Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Vamos nos educar para as redes sociais
 PRECISA EDUCAR NO USO REDES SOCIAIS seja acesso de dentro ou fora ambiente corporativo – tem que ter
 POSTURA – PARA TANTO PRECISA CRIAR NORMA DE CONDUTA CLARA!
 •   Evitar associar a Marca da Instituição a Perfil Pessoal ou opinião particular;

 •   Não publicar informações de rotina de trabalho que possam ser sensíveis ou confidenciais;

 •   Ter cuidado com o conteúdo, evitar uso de palavras subjetivas, comentários vexatórios ou ridicularizantes;

 •   Ser ético e agir dentro das leis;

 •   Orientar filhos e/ou familiares sobre o uso ético, seguro e legal das Redes Sociais, inclusive sobre a necessidade
     de cautela e proteção das informações da família, para evitar vazamento de informações
     financeiras, relacionadas a conta bancária, cartão de crédito, senhas, remuneração, patrimônio;

 •   Sempre verificar a veracidade das informações que irá postar ou utilizar para evitar qualquer risco de
     publicação de boato ou inverdade;

 •   Evitar interações que possam eventualmente prejudicar sua carreira profissional, visto que o conteúdo
     publicado em Redes Sociais perpetua-se no tempo, pode ser lido fora de contexto e tem alcance global;

 •   Conhecer as leis em vigor e manter-se sempre atualizado nas melhores práticas de uso ético, seguro e legal das
     novas tecnologias.
           Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Orientações para a instituição nas
               redes sociais
•   Ler TODOS os posts e comentários feitos nos perfis da Instituição;
•   Respostas RÁPIDAS E PERSONALIZADAS aos comentários;
•   Estabelecer PLANO DE GESTÃO DE CRISE – evite danos à reputação digital.

SOBRE A CONDUTA:
1) Tem que ter regras claras, prévias, escritas e se possível na própria interface de uso;
2) Usar conteúdo de fonte confiável, evitar usar conteúdos que possam ter vício jurídico de
origem;
3) Estimular o relacionamento digital saudável entre os usuários;
4) Ser objetivo e evitar uso de palavras subjetivas quando se expressar por escrito nas mídias
digitais;
5) Ter equipe treinada com scripts pré-estabelecidos (para atender a necessidade de resposta
rápida);
6) Tem que monitorar (estimular liberdade de expressão com responsabilidade);
7) Cumprir as leis em vigor e pautar suas ações na ética e nos bons costumes;
8) Agir rápido em caso de incidente.


        Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Código de Conduta Ética

•   Visão, Missão e Valores da Empresa                        •     Postura em eventos externos, inclusive
•   Governança através de transparência e                           Internet e Redes Sociais
    controles                                                 •     Coleguismo e Colaboração
•   Comunicação em Geral                                      •     Jornada de trabalho (com novos modelos de
•   Proteção de Imagem e Reputação                                  mobilidade e flexibilidade)
•   Publicação, comentários e opiniões em                     •     Principais Papéis e Responsabilidades
    nome da empresa                                                 (alinhado com Alçadas e Poderes)
•   Uso de ferramentas de trabalho                            •     Política anti-corrupção (em geral trata de
    tecnológicas em geral                                           brindes, presentes, cortesias, outros)
•   Segurança da Informação                                   •     Fato relevante (especialmente se companhia
•   Sigilo profissional e confidencialidade                         aberta)
•   Denúncia Anônima                                          •     Solução de Conflitos
•   Reembolso de Despesas                                     •     Uso de Marca



                                www.leidireto.com.br – Leis Brasileiras

       Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
Declaração da
   Liberdade na
      Internet
Uma série de organizações ligadas à liberdade
da internet, startups de tecnologia e ativistas da
cultura livre lançaram um abaixo-assinado que
pede que governantes garantam os direitos
básicos do internauta ao aceitarem os pontos
que formalizariam esta declaração. A petição
tem cinco princípios básicos: liberdade de
expressão, inclusão digital, abertura da
internet, incentivo à inovação e garantia da
privacidade. "Acreditamos que uma internet
livre e aberta pode gerar um mundo melhor.
Acreditamos que eles podem ajudar a trazer
mais criatividade, mais inovação e sociedades
mais abertas”, explica o site do projeto.
10 Direitos e Princípios da Internet
             www.internetrightsandprinciples.org

Este documento define dez direitos fundamentais e princípios base de governança da Internet. Eles
foram compilados pela “Coligação Dinâmica de Direitos e Princípios da Internet” (IRP), uma rede aberta
de indivíduos e organizações que trabalham para defender os direitos humanos no mundo da Internet.
Estes princípios estão enraizados nas normas internacionais de direitos humanos, e derivam da Carta de
Direitos Humanos e Princípios Para a Internet em elaboração pela Coligação.

                                  1) Universalidade e Igualdade
                                  2) Direitos e Justiça Social
                                  3) Acessibilidade
                                  4) Expressão e Associação
                                  5) Privacidade e Proteção de Dados
                                  6) A Vida, Liberdade e Segurança
                                  7) Diversidade
                                  8) Rede de Igualdade
                                  9) Normas e Regulamentos
                                  10) Governança
Propriedade Intelectual


 Propriedade industrial                                Direito autoral

     - patentes (ideia)                                    - expressão da ideia
     - marcas                                              - obras (literárias, artísticas)
     - desenho industrial                                  - programas de computador
     - etc                                                 - domínios da Internet

                                   Origem (século XVII)

                  França - direito moral (autor no centro da história)
                 Inglaterra - uso comercial (gerar renda, necessidade
                           comercial, monopólio do Estado)
Brasil - direito positivista, muita lei escrita, nos EUA baseado em "casos". No Brasil não
                   pode doar ao DP - só 70 anos após a morte do autor
Creative Commons Brasil
                          creativecommons.org
O Creative Commons é um novo sistema, construído com a lei atual de direitos autorais, que
possibilita compartilhar suas criações com outros e utilizar música, filmes, imagens e textos
online que estejam marcados com uma licença Creative Commons. Um projeto sem fins
lucrativos que disponibiliza licenças flexíveis para obras intelectuais.
Quais as condições?
Atribuição
Você permite que outras pessoas copiem, distribuam e executem sua obra,
protegida por direitos autorais – e as obras derivados criadas a partir dela –
mas somente se for dado crédito da maneira que você estabeleceu.


Uso Não Comercial
Você permite que outras pessoas copiem, distribuam e executem sua obra – e
as obras derivadas criadas a partir dela – mas somente para fins não
comerciais.

Não à Obras Derivadas
Você permite que outras pessoas copiem, distribuam e executem somente
cópias exatas da sua obra, mas não obras derivadas.

Compartilhamento pela mesma Licença
Você pode permitir que outras pessoas distribuam obras derivadas somente
sob uma licença idêntica à licença que rege sua obra.
Mais flexível




Mais restritivo
Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
MÍDIAS DIGITAIS >>Notícias<<




 Fonte: http://www.oitopassos.com/wp-content/uploads/2012/06/Mi-4.jpg. Acesso em 20/07/2012.
Twitter estuda modelo de publicidade segmentada
Twitter briga na justiça para defender manifestante do Occupy Wall Street
Sem redes sociais, 18% dos adolescentes dos EUA parariam de se comunicar
Twitter será 'narrador oficial' dos Jogos Olímpicos
Metade dos usuários do Facebook vai passar menos tempo no site
Facebook agora permite editar comentários
Metade dos usuários do Facebook vai passar menos tempo no site
Como o consumidor on-line brasileiro interage com e-mail, Facebook e Twitter
Google lança Gmail SMS na África para ler e receber e-mails do celular
CEOs estão fora das redes sociais, diz pesquisa
YouTube cria ferramenta para borrar rostos indesejados
Cidadãos de Washington poderão se registrar para votar no Facebook
Tecnologia do Facebook ajuda policiais a encontrar suspeitos na internet
Facebook redesenha páginas profissionais em sua versão móvel
Brasileiros preferem publicidade móvel a propaganda online tradicional
Cara, cadê o meu foco?
YouTube cresce como plataforma de jornalismo cidadão
70% dos jovens escondem dos pais suas atividades na web
Carros que dirigem sozinhos serão predominantes no futuro, diz Eric Schmidt
Nokia é investigada por causa do 'Perdi meu amor na balada'
Mídias sociais: um negócio de US$ 16,9 bilhões
1 bilhão de 'coisas' são compartilhadas por dia no Open Graph do Facebook
Have you ever wondered which social network fits your personality?
Twitter cria 'cashtags' para destacar empresas na rede

      Fonte: http://opaseobas.com.br/opas/wp-content/uploads/2010/01/web.jpg. Acesso em 19/07/2012.
Fonte: http://gizmodo.com/5019343/the-dani-people-of-papua-with-a-sony-vaio-laptop. Acesso em 19/07/2012.




                   E os Budistas? - http://sonagy.tistory.com/3242

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
Paula Tomaz
 
Slide projeto de vida
Slide projeto de vidaSlide projeto de vida
Slide projeto de vida
Isabel Aguiar
 
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao finalAula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Gilberto Campos
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
O conceito e a importância da cultura digital
O conceito e a importância da cultura digitalO conceito e a importância da cultura digital
O conceito e a importância da cultura digital
Aline Corso
 
Aula 9 adolescentes e a mídia
Aula 9 adolescentes e a mídiaAula 9 adolescentes e a mídia
Aula 9 adolescentes e a mídia
ariadnemonitoria
 

Mais procurados (20)

Culturas jovens
Culturas jovensCulturas jovens
Culturas jovens
 
Aula Mídia - Novas Mídias
Aula Mídia - Novas MídiasAula Mídia - Novas Mídias
Aula Mídia - Novas Mídias
 
Apresentação modernidade líquida
Apresentação modernidade líquidaApresentação modernidade líquida
Apresentação modernidade líquida
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
A evolução da comunicação
A evolução da comunicaçãoA evolução da comunicação
A evolução da comunicação
 
Efeitos positivos e negativos da informática na sociedade
Efeitos positivos e negativos da informática na sociedadeEfeitos positivos e negativos da informática na sociedade
Efeitos positivos e negativos da informática na sociedade
 
Slide projeto de vida
Slide projeto de vidaSlide projeto de vida
Slide projeto de vida
 
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao finalAula 01   tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
Aula 01 tics - tecnologia da informacao e comunicacao final
 
Tecnologia aplicada a educaçao
Tecnologia aplicada a educaçaoTecnologia aplicada a educaçao
Tecnologia aplicada a educaçao
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Apostila disciplina: Sociedade da Informação e Cultura Digital
Apostila disciplina: Sociedade da Informação e Cultura DigitalApostila disciplina: Sociedade da Informação e Cultura Digital
Apostila disciplina: Sociedade da Informação e Cultura Digital
 
Evolução da comunicação humana
Evolução da comunicação humanaEvolução da comunicação humana
Evolução da comunicação humana
 
O conceito e a importância da cultura digital
O conceito e a importância da cultura digitalO conceito e a importância da cultura digital
O conceito e a importância da cultura digital
 
Inclusão digital
Inclusão digitalInclusão digital
Inclusão digital
 
Tecnologia na Educação e Novas Tendência
Tecnologia na Educação e Novas TendênciaTecnologia na Educação e Novas Tendência
Tecnologia na Educação e Novas Tendência
 
Letramento digital
Letramento digitalLetramento digital
Letramento digital
 
Aula 15 A Sociedade em Rede
Aula 15   A Sociedade em RedeAula 15   A Sociedade em Rede
Aula 15 A Sociedade em Rede
 
Fake news
Fake newsFake news
Fake news
 
Aula 9 adolescentes e a mídia
Aula 9 adolescentes e a mídiaAula 9 adolescentes e a mídia
Aula 9 adolescentes e a mídia
 

Destaque

Plano de Aula - Reciclagem
Plano de Aula - ReciclagemPlano de Aula - Reciclagem
Plano de Aula - Reciclagem
Eliete
 
Slides de reciclagem
Slides de reciclagemSlides de reciclagem
Slides de reciclagem
mo27tta60
 
Projeto profissões pia
Projeto profissões piaProjeto profissões pia
Projeto profissões pia
Clarice Lehnen
 
Plano de aula aprendendo e praticando com as mídias slide
Plano de aula aprendendo e praticando com as mídias slidePlano de aula aprendendo e praticando com as mídias slide
Plano de aula aprendendo e praticando com as mídias slide
André Moraes
 
Profissões
ProfissõesProfissões
Profissões
blog9e
 
O Conhecimento Das ProfissõEs
O Conhecimento Das ProfissõEsO Conhecimento Das ProfissõEs
O Conhecimento Das ProfissõEs
renalinhares
 
Projeto Meio Ambiente
Projeto Meio AmbienteProjeto Meio Ambiente
Projeto Meio Ambiente
angelavbecker
 
Projeto Meio Ambiente - Profª Cleide)
Projeto Meio Ambiente - Profª Cleide)Projeto Meio Ambiente - Profª Cleide)
Projeto Meio Ambiente - Profª Cleide)
empeq
 
2º ano profissoes
2º ano profissoes2º ano profissoes
2º ano profissoes
Ana Ferreira
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
blogjl
 

Destaque (20)

Plano de Aula - Reciclagem
Plano de Aula - ReciclagemPlano de Aula - Reciclagem
Plano de Aula - Reciclagem
 
Slides de reciclagem
Slides de reciclagemSlides de reciclagem
Slides de reciclagem
 
Profissões industriais do passado e do presente
Profissões industriais do passado e do presenteProfissões industriais do passado e do presente
Profissões industriais do passado e do presente
 
Projeto profissões pia
Projeto profissões piaProjeto profissões pia
Projeto profissões pia
 
Plano de aula aprendendo e praticando com as mídias slide
Plano de aula aprendendo e praticando com as mídias slidePlano de aula aprendendo e praticando com as mídias slide
Plano de aula aprendendo e praticando com as mídias slide
 
Profissões
ProfissõesProfissões
Profissões
 
PROFISSÕES
PROFISSÕESPROFISSÕES
PROFISSÕES
 
O Conhecimento Das ProfissõEs
O Conhecimento Das ProfissõEsO Conhecimento Das ProfissõEs
O Conhecimento Das ProfissõEs
 
Projeto Meio Ambiente
Projeto Meio AmbienteProjeto Meio Ambiente
Projeto Meio Ambiente
 
geografia
geografiageografia
geografia
 
As profissoes
As profissoesAs profissoes
As profissoes
 
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemApresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
 
História 2º ano
História 2º anoHistória 2º ano
História 2º ano
 
Geografia 2º ano
Geografia 2º anoGeografia 2º ano
Geografia 2º ano
 
Projeto Meio Ambiente - Profª Cleide)
Projeto Meio Ambiente - Profª Cleide)Projeto Meio Ambiente - Profª Cleide)
Projeto Meio Ambiente - Profª Cleide)
 
Slides - Reciclagem
Slides - ReciclagemSlides - Reciclagem
Slides - Reciclagem
 
Slide de aula comunicação empresarial und 1
Slide de aula comunicação empresarial und  1Slide de aula comunicação empresarial und  1
Slide de aula comunicação empresarial und 1
 
Planeta terra
Planeta terraPlaneta terra
Planeta terra
 
2º ano profissoes
2º ano profissoes2º ano profissoes
2º ano profissoes
 
Educação ambiental
Educação ambientalEducação ambiental
Educação ambiental
 

Semelhante a Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)

Midia social
Midia socialMidia social
Midia social
carla1568
 
Média Social
Média SocialMédia Social
Média Social
marade
 
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em MassaA Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
minasinvest
 
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em MassaRedes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
gilbertociro
 
Redes sociais atividades economicas
Redes sociais   atividades economicasRedes sociais   atividades economicas
Redes sociais atividades economicas
Sara Gonçalves
 
Teias na midia social
Teias na midia socialTeias na midia social
Teias na midia social
minasinvest
 
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em MassaRedes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
gilbertociro
 
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...
Fernando Palma
 

Semelhante a Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12) (20)

fazendo juntos
fazendo juntosfazendo juntos
fazendo juntos
 
Aula 1 introdução ao tema
Aula 1 introdução ao temaAula 1 introdução ao tema
Aula 1 introdução ao tema
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Midia social
Midia socialMidia social
Midia social
 
Média Social
Média SocialMédia Social
Média Social
 
Projeto advogados em rede
Projeto advogados em redeProjeto advogados em rede
Projeto advogados em rede
 
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em MassaA Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
A Engrenagem E AforçA Da ColaboraçãO Em Massa
 
Comunicacao E Novas Midias
Comunicacao E Novas MidiasComunicacao E Novas Midias
Comunicacao E Novas Midias
 
Evolução das TICs e o crescimento das mídias sociais
Evolução das TICs e o crescimento das mídias sociaisEvolução das TICs e o crescimento das mídias sociais
Evolução das TICs e o crescimento das mídias sociais
 
Monografia FECAP | Pós-Graduação Marketing Digital
Monografia FECAP | Pós-Graduação Marketing DigitalMonografia FECAP | Pós-Graduação Marketing Digital
Monografia FECAP | Pós-Graduação Marketing Digital
 
Redes Sociais, Midias Sociais e Colaboracao em Rede
Redes Sociais, Midias Sociais e Colaboracao em RedeRedes Sociais, Midias Sociais e Colaboracao em Rede
Redes Sociais, Midias Sociais e Colaboracao em Rede
 
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em MassaRedes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
 
Redes Sociais e Monitoramento de Mídias Digitais
Redes Sociais e Monitoramento de Mídias DigitaisRedes Sociais e Monitoramento de Mídias Digitais
Redes Sociais e Monitoramento de Mídias Digitais
 
Redes sociais atividades economicas
Redes sociais   atividades economicasRedes sociais   atividades economicas
Redes sociais atividades economicas
 
Teias na midia social
Teias na midia socialTeias na midia social
Teias na midia social
 
Teias Na Midia Social
Teias Na Midia SocialTeias Na Midia Social
Teias Na Midia Social
 
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em MassaRedes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
 
Projeto de Monografia - Marketing Digital e Direito Online: Breves Considerações
Projeto de Monografia - Marketing Digital e Direito Online: Breves ConsideraçõesProjeto de Monografia - Marketing Digital e Direito Online: Breves Considerações
Projeto de Monografia - Marketing Digital e Direito Online: Breves Considerações
 
PALESTRA]O educar numa era em que a informação é densa, móvel e sem barreiras
PALESTRA]O educar numa era em que a informação é densa, móvel e sem barreirasPALESTRA]O educar numa era em que a informação é densa, móvel e sem barreiras
PALESTRA]O educar numa era em que a informação é densa, móvel e sem barreiras
 
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...
O crowdsourcing a frente da mídia colaborativa e democrática uma perspectiva ...
 

Mais de Talita Moretto

Mais de Talita Moretto (7)

Dispositivos Móveis na Educação
Dispositivos Móveis na EducaçãoDispositivos Móveis na Educação
Dispositivos Móveis na Educação
 
Mídia, novas tecnologias e educomunicação
Mídia, novas tecnologias e educomunicaçãoMídia, novas tecnologias e educomunicação
Mídia, novas tecnologias e educomunicação
 
Interdidática 2014 - Novas Competências e Formação de Professores
Interdidática 2014 - Novas Competências e Formação de ProfessoresInterdidática 2014 - Novas Competências e Formação de Professores
Interdidática 2014 - Novas Competências e Formação de Professores
 
Oficina de Formação Continuada do Programa "Vamos Ler"
Oficina de Formação Continuada do Programa "Vamos Ler"Oficina de Formação Continuada do Programa "Vamos Ler"
Oficina de Formação Continuada do Programa "Vamos Ler"
 
WORKSHOP] Como motivar os alunos nas aulas com o jornal?
WORKSHOP] Como motivar os alunos nas aulas com o jornal?WORKSHOP] Como motivar os alunos nas aulas com o jornal?
WORKSHOP] Como motivar os alunos nas aulas com o jornal?
 
Mídias Digitais - Apresentação da aula 03 (25/08/2012)
Mídias Digitais - Apresentação da aula 03 (25/08/2012) Mídias Digitais - Apresentação da aula 03 (25/08/2012)
Mídias Digitais - Apresentação da aula 03 (25/08/2012)
 
Mídias Digitais - Apresentação da aula 02 (11/08/2012)
Mídias Digitais - Apresentação da aula 02 (11/08/2012)Mídias Digitais - Apresentação da aula 02 (11/08/2012)
Mídias Digitais - Apresentação da aula 02 (11/08/2012)
 

Último

ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 

Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)

  • 1. MÍDIAS DIGITAIS A apresentação a seguir foi preparada por Talita Moretto para a disciplina de Mídias Digitais – MBA em Marketing Digital (Instituto Doll), em 04 de agosto de 2012. Fonte: http://www.oitopassos.com/wp-content/uploads/2012/06/Mi-4.jpg. Acesso em 20/07/2012.
  • 2. MÍDIAS DIGITAIS >>Conceitos<< Fonte: http://www.oitopassos.com/wp-content/uploads/2012/06/Mi-4.jpg. Acesso em 20/07/2012.
  • 3. Conceitos DICIONÁRIO DA LÍNGUA PORTUGUESA HOUAISS – 2009. MÍDIA: conjunto dos meios de comunicação de massa (jornal, televisão, rádio, etc.). DIGITAL: 2. Relativo a dígito; 3. INF que opera com quantidades numéricas ou informações expressas por algarismos. SOCIAL: 1. que pertence a ou vive em sociedade; 4. O que pertence a todos, público, coletivo. WIKIPÉDIA (em 29.07.2012): Mídia Digital: O termo mídia digital (oposto de mídia analógica) refere-se a mídia eletrônica que trabalha com codecs digitais. No sentido mais amplo, mídia digital pode ser definida como o conjunto de veículos e aparelhos de comunicação baseados em tecnologia digital, permitindo a distribuição ou comunicação digital das obras intelectuais escritas, sonoras ou visuais. Mídia Social: O conceito de mídias sociais (social media) precede a Internet e as ferramentas tecnológicas - ainda que o termo não fosse utilizado. Trata-se da produção de conteúdos de forma descentralizada e sem o controle editorial de grande grupos. Significa a produção de muitos para muitos. As "ferramentas de mídias sociais" são sistemas online projetados para permitir a interação social a partir do compartilhamento e da criação colaborativa de informação nos mais diversos formatos. Eles possibilitaram a publicação de conteúdos por qualquer pessoa, baixando a praticamente zero o custo de produção e distribuição. Elas abrangem diversas atividades que integram tecnologia, interação social e a construção de palavras, fotos, vídeos e áudios. Esta interação e a maneira na qual a informação é apresentada dependem nas várias perspectivas da pessoa que compartilhou o conteúdo, visto que este é parte de sua história e entendimento de mundo.
  • 4. Fonte: http://blog.uniamerica.br/wp-content/uploads/2011/09/midias-digitais.png. Acesso em 19/07/2012. Fonte: http://2.bp.blogspot.com/_oQWx5IqGeDE/TJu4JXy_BWI/AAAAAAAACI8/N8dFbu5ABis/s1600/redessociais.png. Acesso em 19/07/2012.
  • 5. Conceito Mídia, ou media, designa os meios de comunicação, como: jornais, revistas, televisão, rádio, cinema, internet, etc. É o “meio” utilizado pelas novas tecnologias para se propagarem. Transforma o signo em sinal com o objetivo de ser transmitido por um canal de comunicação. É também um “canal ou cadeia de canais” que liga a fonte ao receptor. O termo mídia, porém, refere-se, na maioria das vezes, ao universo da comunicação, indicando a pluralidade de meios aí presentes. McLuhan, ao fazer sua conhecida afirmação “o meio é a mensagem”, sai do conceito técnico de mídia explicitando suas implicações na vida social. Ele explica que cada meio cria ao seu redor um ambiente específico já que possui uma “geometria” própria, sendo, deste modo, uma maneira de se ver e configurar mensagens. “Muita gente estaria inclinada a dizer que não era a máquina, mas o que se fez com ela que constitui de fato o seu significado ou mensagem” (McLuhan, p. 21) OS MEIOS DE COMUICAÇÃO COMO EXTENSÕES DO HOMEM, MARSHALL MCLUHAN.
  • 7. Mídias Digitais – Mídias Sociais UMA INTRODUÇÃO ÀS REDES SOCIAIS (Por Augusto de Franco) Fonte: Escola de Redes (escoladeredes.net/profiles/blogs/uma-introducao-as-redes) “Uma mudança significativa em nossa visão sobre a sociedade vem ocorrendo nos últimos anos com a descoberta das redes sociais. Com efeito, elas são surpreendentes. Elas surpreendem, em primeiro lugar, os que vivem antenados com as novidades e esperam assumir uma posição de vanguarda ou de destaque ao aderirem a elas. Essas pessoas, muitas vezes, ficam chocadas quando lhes dizem que a rede social nada mais é do que a sociedade. Em geral, elas entram nas redes porque acham que descobriram um novo modo de chamar a atenção para si próprias, para suas ideias ou para seus produtos.” “Mas a questão está na atitude de utilização que frequentemente nos impede de ver que as verdadeiras redes sociais — quer dizer, as redes sociais distribuídas — não podem ser urdidas pelo desejo de controle ou pela vontade de poder. “ “Uma rede funciona quando existe, ou seja, quando se configura segundo a morfologia de rede (distribuída) e manifesta sua dinâmica característica. Aqui é preciso entender que as redes não são expedientes instrumentais para pescar pessoas e levá-las a trilhar um determinado caminho ou seguir uma determinada orientação. As redes farão coisas que seus membros quiserem fazer, ou melhor, só farão coisas conjuntas os membros de uma rede que quiserem fazer aquelas coisas.” Fonte: http://4.bp.blogspot.com/_4yulfd1LVGo/TRDJAhJZMJI/AAAAAAAAErc/enMlIFrbQ3Q/s1600/di%25C3%25A1logo.jpg. Acesso em 19/07/2012.
  • 9. Quem quer articular e animar redes sociais deve resistir à quatro tentações: Fazer redes de instituições (entidades, organizações): Muitas vezes é necessário, para começar um projeto ou mesmo para dar respaldo à sua implantação, reunir instituições em torno de um propósito. No entanto, redes propriamente ditas, ou seja, redes distribuídas, não podem ser compostas por instituições hierárquicas. Redes distribuídas devem ser de pessoas (P2P). Um membro conectado à rede não pode ser substituído por outro membro da mesma instituição (nenhuma pessoa é substituível em uma rede). Além disso, as redes devem ser compostas pelas pessoas que queiram participar delas, independentemente de estarem ou não representando instituições, pois redes não são coletivos de representação, mas de participação direta ou de interação — sem mediações de instituições hierárquicas. Fazer reuniões para discussão ou deliberação com os membros da rede: Na rede as atividades são coletivas, nada de fazer reunir para decidir algo. Se houver necessidade de votar para decidir, é sinal de que o assunto não está maduro. Se estivesse, a solução se imporia naturalmente. Ter sempre presente que fazer rede é fazer amigos: Cada membro da rede é um participante único, insubstituível, totalmente personalizado, que deve ser tratado sempre pelo nome, valorizado pelo que tem de peculiar, incluído pelo reconhecimento de suas potencialidades distintivas. Nada, portanto, de circulares impessoais, panfletos, chamamentos coletivos. Nada de mobilização de massa. Levar em conta que rede é um campo para a emergência do fenômeno da multiliderança: Cada um pode ser líder em algum assunto de que goste e domine, por meio do qual seja capaz de propor iniciativas que sejam acolhidas voluntariamente por outros. Redes não podem ter líderes únicos, líderes de todos os assuntos, dirigentes autocráticos que tentam monopolizar a liderança e impedir que os outros a exerçam.
  • 10. Então...  Redes sociais nascem e morrem, elas são móveis;  Redes sociais crescem, no seu tempo, o necessário. Crescimento não precisa estar relacionado a números –pode crescer aumentando sua conectividade e seu grau de distribuição;  Essa ideia de que você tem que se transformar em uma pessoa diferente (que você não é) foi uma coisa ruim que colocaram em sua cabeça. Você não precisa se transformar e sim despertar para suas imensas potencialidades;  A rede social não é uma invenção contemporânea. É possível dizer que no princípio era a rede, a rede social que existe independentemente de esforços organizativos voluntários , é a sociedade que existe;  Seres humanos que se conectam entre si formam redes. O “social” é isso.;  Nos últimos anos fala-se muito de redes digitais e fica-se com a impressão de que são as novas tecnologias de informação e comunicação que representam toda essa novidade organizativa. Mas não é bem assim: “Não se trata da organização em rede da tecnologia, mas da organização em rede dos seres humanos através da tecnologia. Não se trata de uma era de máquinas inteligentes, mas de seres humanos que, através das redes, podem combinar a sua inteligência” (Don Tapscott - Estudioso de mídia, tecnologia e inovação, autor de ‘Growing Up Digital’ e ‘Grown Up Digital’ (A Hora da Geração Digital’)  Blogosferas são, por enquanto, os melhores exemplos de redes distribuídas;  O futuro mundo das redes distribuídas — se vier — não será, como previa McLuhan, uma aldeia global, senão miríades de aldeias globais. A aldeia global midiática (e “molar”), de Marshall McLuhan, sugere o mundo virando um local. A sociedade-rede (“molecular”) — percebida por Levy, Castells e vários outros — sugere cada local virando o mundo. Não o local separado, por certo, mas o local conectado que tende a virar o mundo todo, desde que a conexão local-global passou a ser uma possibilidade.
  • 12. A cultura da convergência, Henry Jenkins  Convergência é uma palavra que consegue definir transformações tecnológicas, mercadológicas, culturais e sociais, dependendo de quem está falando e do que imaginam estar falando. Convergência dos meios de comunicação, cultura participativa e inteligência coletiva . “Por convergência , refiro-me ao fluxo de conteúdos através de múltiplos suportes midiáticos, à cooperação entre múltiplos mercados midiáticos e ao comportamento migratório dos públicos dos meios de comunicação, que vão a quase qualquer parte em busca das experiências de entretenimento que desejam.”  No mundo da convergência das mídias, toda história importante é contada, toda marca é vendida e todo consumidor é cortejado por múltiplos suportes de mídia.  A circulação de conteúdos – por meio de diferentes sistemas midiáticos, sistemas administrativos de mídias concorrentes e fronteiras nacionais – depende fortemente da participação ativa dos consumidores.  Convergência representa uma transformação cultural, à medida que consumidores são incentivados a procurar novas informações e fazer conexões em meio a conteúdos midiáticos dispersos.  A expressão cultura participativa contrasta com noções mais antigas sobre a passividade dos espectadores dos meios de comunicação. Em vez de falar sobre produtores e consumidores de mídia como ocupantes de papéis separados, podemos agora considerá-los como participantes interagindo de acordo com um novo conjunto de regras, que nenhum de nós entende por completo. Nem todos os participantes são criados iguais.
  • 13. A cultura da convergência, Henry Jenkins  A convergência não ocorre por meio de aparelhos, por mais sofisticados que venham a ser. A convergência ocorre dentro dos cérebros de consumidores individuais e em suas interações sociais com outros.  Cada um de nós constrói a própria mitologia pessoal, a partir de pedaços e fragmentos de informações extraídos do fluxo midiático e transformados em recursos através dos quais compreendemos nossa vida cotidiana. Por haver mais informações sobre determinado assunto do que alguém possa guardar na cabeça, há um incentivo extra para que conversemos entre nós sobre a mídia que consumimos. O consumo tornou-se um processo coletivo.  Nenhum de nós pode saber tudo; cada um de nós sabe alguma coisa; e podemos juntar as peças, se associarmos nossos recursos e unirmos nossas habilidades.  A inteligência coletiva (expressão cunhada por Pierre Lévy) pode ser vista como uma fonte alternativa de poder midiático. Estamos aprendendo a usar esse poder em nossas interações diárias dentro da cultura da convergência . Neste momento, estamos usando esse poder coletivo principalmente para fins recreativos, mas em breve estaremos aplicando essas habilidades a propósitos mais “sérios”. Fonte: http://blog.thoughtpick.com/wp-content/uploads/2009/08/bs.jpg. Acesso em 19/07/2012.
  • 14. A cultura da convergência, Henry Jenkins  Se o paradigma da revolução digital presumia que as novas mídias substituiriam as antigas, o emergente paradigma da convergência presume que novas e antigas mídias irão interagir de formas cada vez mais complexas.  O paradigma da revolução digital alegava que os novos meios de comunicação digital mudariam tudo. Após o estouro da bolha pontocom, a tendência foi imaginar que as novas mídias não haviam mudado nada. Como muitas outras coisas no ambiente midiático atual, a verdade está no meio- termo. Cada vez mais, líderes da indústria midiática estão retornando à convergência como uma forma de encontrar sentido, num momento de confusas transformações.  Houve uma época em que empresas publicavam jornais, revistas e livros e não faziam muito mais do que isso; seu envolvimento com outros meios de comunicação era insignificante. Cada meio de comunicação tinha suas próprias e distintas funções e seus mercados, e cada um era regulado por regimes específicos, dependendo de seu caráter. Diversas forças, contudo, começaram a derrubar os muros que separam esses diferentes meios de comunicação. Novas tecnologia s midiáticas permitiram que o mesmo conteúdo fluísse por vários canais diferentes e assumisse formas distintas no ponto de recepção.  A convergência está ocorrendo dentro dos mesmos aparelhos, dentro das mesmas franquias, dentro das mesmas empresas, dentro do cérebro do consumidor e dentro dos mesmos grupos de fãs. A convergência envolve uma transformação tanto na forma de produzir quanto na forma de consumir os meios de comunicação.
  • 15. Fonte: http://marceloamanajas.com.br/wp-content/uploads/2011/03/Innovation.png. Acesso em 19/07/2012. Fonte: http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=download&id=670491. Acesso em 19/07/2012.
  • 16. Para atingir 50 milhões de usuários Eletricidade Telefone (1873 ) (1876) 46 anos 30 anos Celular Televisão (1983 ) (1926) 13 anos. 26 anos Automóvel (1886) 35 anos
  • 17. Para atingir 50 milhões de usuários INTERNET 1995 a 1999 = “50 milhões” 2002: 561 milhões 2007: 1,08 bilhão Google lança site para explicar 20 anos de evolução da internet
  • 18. E agora?  Hoje, 81% das crianças, com média de 2 anos de idade, já têm alguma pegada digital;  Em 1 hora, as pessoas que são muito conectadas trocam 27 vezes de plataforma;  Hoje estamos vivendo uma época de empresas do século 20 e pessoas do século 21;  Segundo pesquisa da World Economic Forum: 47% das pessoas confiam nos anúncios da TV / 92% confiam mais no boca a boca na rede;  Hoje vivemos um desemprego tecnológico;  Hoje nos encontramos por geolocalização;  “Não use velhos mapas para descobrir novas terras” (Gil Giardelli). E se Nelson Mandela tivesse usado o Facebook para lutar contra o apartheid? Veja como a internet chacoalhou a indústria musical
  • 21. MÍDIAS DIGITAIS >>Canais<< Fonte: http://www.oitopassos.com/wp-content/uploads/2012/06/Mi-4.jpg. Acesso em 20/07/2012.
  • 23. Canais 1. Facebook 20. Paperli.com 2. Twitter 21. Formspring 3. Twitpic 22. Oxibiz 4. Twitcam 23. My Space 5. Youtube 24. Slideshare 6. Pinterest 25. Scribd 7. LinkedIn 26. Wobook 8. Blogs 27. MSN 9. E-mail marketing 28. WebQuest 10. Feeds Rss (Feedburner) 29. Google+ 11. Flickr 30. Google Talk 12. Tumblr 31. Issuu 13. Klout 32. Foursquare 14. Ning 33. Skype 15. Gadgets 34. Skydrive 16. Delicious 35. Oxibiz 17. Crowdfunding 18. Smore Curiosidade: Emoto Topics Fonte: http://www.flickr.com/photos/deborasebriam/5374414940/. Acesso em 20/07/2012.
  • 25. Tipos de usuários nas mídias Control: São os consumidores que têm total controle de suas informações e estão dispostos a compartilhá-las com toda a rede social. É pelo o engajamento e influência desses usuários que brigam as marcas. Trust: O grau de confiança está relacionada a disposição dos consumidores de compartilhar informações entre si através das mídias sociais. Newcomers: São usuários que têm alguma afinidade com redes sociais, mas acessam de apenas uma mídia social e pouco utilizam o meio digital. Onlookers: Usuários que prezam por ter total controle das suas informações online a ponto de se abster de compartilhar detalhes sobre si. Preferem observar mais do que interagir e são inconstantes quanto suas atualizações online. Cliquers: São usuários ativos de uma única mídia social, têm preferência pelo Facebook. São em sua maioria mulheres que compartilham todo tipo de informações, mas suas conexões são restritas a familiares e amigos mais próximo. Mix-n-Minglers: São bastante ativos, utilizam mais de uma plataforma de mídia social, seguem e interagem com as marcas de sua preferência. São controlados quanto ao compartilhamento de informações pessoais e influentes entre suas conexões online. Sparks: São usuários extremamente engajados, são referência nas mídias sociais e suas interações com as marcas são tão próximas e frequentes que se tornam “porta-vozes” das marcas.
  • 26.
  • 27. Perfil dos usuários nas mídias sociais Pesquisa (2011) Panorama atual: Com a Web 2.0 e suas ferramentas interativas (blog, fórum, sites interativos, redes sociais, etc.) as pessoas criam conteúdo e informação de forma autônoma e facultativa. Dentre os resultados: Os internautas estão muito interessados em assuntos ligados a marcas, produtos e serviços. Acessar a internet significa também estar relacionado com esses assuntos ligados ao consumo, que pode se dar através da criação de conteúdo de mídia social, ou compartilhamento (divulgando entre a rede de contatos) ou mesmo pesquisando sobre o assunto. Dos usuários mas redes sociais: 5% Compartilham ou comentam; 15% criam conteúdo; 60% apenas pesquisam sobre o assunto.
  • 28. Presença nas mídias digitais • Estar presente em diversos canais hoje é fundamental. Desde o planejamento até a utilização de diversos meios e técnicas, como: Otimização de Sites, Links Patrocinados, E-mail Marketing, Gestão da presença em Mídias Sociais e outros. Se antes era importante passar uma mensagem, hoje é quase obrigatório entender como educar e guiar seu seus objetivos na mídia digital. Por que é crucial marcar presença em diversos canais e mídias digitais? • Com tantos canais e meios disponíveis, empresas que não estão presentes nas mídias digitais perdem inúmeras oportunidades, mas, fundamentalmente, de possibilitar que uma massa de prospects ou clientes atuais entrem em contato com a marca, produtos e serviços, monetizando sua multipresença online. • Porque os modos de acesso, o tipo de conteúdo, os horários e a quantidade de acessos é diferente para cada público ou nicho. • Quanto mais uma empresa consegue entrar em contato com seu prospect ou cliente sem interrompê-lo de forma direta, mais próxima da realidade atual e no caminho correto ela se encontra. • Veículos tradicionais têm foco na comunicação de massa: Os meios tradicionais (televisão, rádio, impresso) trabalham no formato broadcast: empresas anunciam suas marcas e produtos de forma geral, apostando que seus potenciais consumidores estejam prestando atenção na publicidade feita.
  • 29. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 30. Inbound Marketing x Outbound Marketing • O termo Inbound na web se refere ao fluxo de visitantes externos direcionados por links que apontam para um site. Inbound marketing é o marketing focado em gerar tráfego de visitantes que estão procurando assuntos relacionados ao site que adota esta técnica. É uma atração passiva e não invasiva. • No Outbond marketing, o foco está em achar prospects através de técnicas intrusivas e pouco direcionadas ao público alvo que se pretende atingir. Utilizam chamadas telefônicas não solicitadas, distribuição de mala direta e material impresso não solicitado, anúncios na televisão, feiras e spam de email marketing. • As campanhas de inbound marketing de maior sucesso possuem três componentes chave: 1- Conteúdo: que atrai o público-alvo para o seu site ou negócio. 2- Otimização junto aos mecanismos de busca (SEO) – facilita que potenciais clientes achem o seu conteúdo. 3- Social Media – estes recursos ampliam o alcance e o impacto do seu conteúdo. Quando seu conteúdo é distribuído e discutido através de networks/grupos de discussão ou relacionamento, se torna mais autêntico e relevante, com maior possibilidade de atrair clientes qualificados par o seu site. 4 - Menores Custos – de veiculação e promoção. 5 - Melhor foco – no público alvo. Permite abordar somente um público que foi qualificado, que possui interesse e torna o ciclo de venda mais curto, produtivo e eficaz. 6 - Ser um investimento, e não uma despesa corrente.
  • 31. Comunidade O que é Ganhos Pessoas com admiração pela marca, mas sem Fãs consumo Divulgação institucional Pessoas que consumiram produtos pelo menos Retenção na base ativa, aumento de consumo, captação de Consumidores uma vez feedbacks, propaganda boca a boca Produtores de conteúdo com grande relevância e Divulgação especializada, formação de ideia de valor Influenciadores abrangência agregado Redução de turnover, ganho de produtividade, divulgação dos princípios da empresa, captação de feedbacks, redução Funcionários Funcionários diretos e indiretos da empresa de crises, melhor entendimento dos produtos e serviços Corpo diretivo / Membros que tomam decisões estratégicas ou Aumento de credibilidade na instituição, decisões melhor Acionistas detém ações da empresa embasadas, fomentação de negócios com outras empresas Empresas que ofertam produtos que podem ser Empresas parceiras / vendidos conjuntamente ou que fazem parte da Divulgação institucional, aumento de consumo, penetração Fornecedores cadeia de fornecimento em grupos com predisposição ao consumo Mídia Jornalistas especializados Divulgação transmídia
  • 32.
  • 33. MÍDIAS DIGITAIS >>Legalidade<< Fonte: http://www.oitopassos.com/wp-content/uploads/2012/06/Mi-4.jpg. Acesso em 20/07/2012.
  • 34. Legalidades da mídias Características do Direito Analógico (até anos 2000) : • Relações Presenciais; • Testemunhas-Pessoas; • Provas em Papel; • Fronteiras físicas; • Ativos Tangíveis! Características do Direito Digital (de 2000 em diante): • Relações não presenciais; • Testemunhas-máquinas; • Provas originais eletrônicas; • Fronteiras informacionais; • Ativos Intangíveis! A base para o Direito Digital hoje é: • INSTANTANEIDADE • DESMATERIALIZADO • MOBILIDADE • INTERATIVIDADE + Guarda da Documentação de forma Legal Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 35. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 36. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 37. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 38. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 39. Legalidade das mídias RISCOS: • Conteúdos (ex: Plágio, uso de imagem indevido, pirataria) • Informações (ex: Vazamento) • Relações (ex: ofensas digitais, cyberbullying e corporatebullying ) NO USO DE REDES SOCIAIS LEVAR EM CONSIDERAÇÃO SEMPRE: • Propósito claro do ambiente • Contexto que o conteúdo estará inserido • Alcance global • Perpetuação tempo PRINCIPAIS TIPOS DE IMPACTO NO USO DE REDES SOCIAIS: • Produtividade (ex: uso maciço de rede social não relacionada a trabalho durante o expediente); • Segurança da Informação (ex: vazamento de informação); • Reputacional (ex: exposição de opinião associada à marca não condizente com os valores da empresa); • Danos à empresa e/ou Danos à terceiros que impactem a empresa (ex: uso não autorizado de imagem de demais colaboradores ou de terceiros); • Danos à mercado (ex: infração a regulamentação da CVM – 358 fato relevante); • Prática de Crime previsto no ordenamento jurídico brasileiro (ex: difamação de outro colaborador, concorrência desleal). Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 40. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 41. Legalidade das mídias MÍDIAS SOCIAIS CAUSAM MAIS DANOS A MARCAS QUE PROCON • O site RECLAME AQUI registrou, em 2010, uma média de 4 MILHÕES DE VISITAS POR MÊS, número superior aos atendimentos realizados pelo PROCON neste ano (630 mil). • Consumidores estão mais atentos aos canais de comunicação do que as empresas e estão cientes de que quando a REPUTAÇÃO da marca é AFETADA ela tende a ser mais ágil para amenizar a situação. • As RECLAMAÇÕES EM REDES SOCIAIS se tornam mais efetivas porque afetam a credibilidade da companhia e, sobretudo, porque têm um sentido de PERMANÊNCIA: o que é comentado permanece online, disponível para acesso e pesquisa. • Redes sociais são um canal de AUTORREGULAMENTAÇÃO no tratamento do consumidor. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 42. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 43. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 44. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 45. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 46. Riscos e Mitigação 1) Críticas por não conseguir atender as demandas dos usuários para conversas/respostas por falta de recursos ou autorização. Gerenciar as expectativas com uma política clara sobre respostas à temas e não demandas pessoais. 2) Críticas vindas da percepção de que o uso do Twitter viola a ética interna da plataforma (muito formal, autopromocional, árido). Variar o conteúdo, aceitar que haverão críticas. 3) Publicação de conteúdos inadequados, erroneamente como: informações sobre produtos futuros, informação privilegiada, fato relevante, etc. Estabelecer um processo ainda que simplificado de revisão dos mensagens por uma área responsável, antes da publicação. 4) Riscos de segurança da plataforma (hackerismo, vandalismo). Trocar a senha com frequência e não utilizar ferramentas desconhecidas para postar. 5) Mudanças nas Políticas dos Canais (mudança de políticas, características, cobrança de fees). Rever e acompanhar sempre as mudança das políticas de uso destes canais. 6 ) Cybersquatting Reduzido pelo registro de nomes alternativos. Riscos residuais aceitáveis. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 47. Cybersquatting e Typosquatting O Cybersquatting é o ato de registar nomes de domínio na internet, especialmente aqueles relacionados com celebridades ou marcas conhecidas, com a intenção de revendê-los a um preço inflacionado. O typosquatter regista nomes de domínio que se assemelham a websites populares de alto tráfego, mas faz isso pensando naqueles que se enganam a digitar esses endereços e os escrevem com erros ortográficos. Para exemplo, tomamos a Amazon. O que o typosquatter vai fazer é registar vários nomes de domínio como: “Anazon.com”,” Amazzon.com”, “Amazons.com” e assim por diante. Uma pessoa que procure o site “Amazon.com” pode acidentalmente digitar o URL errado, sendo redirecionado para um dos websites do typosquatter. No caso do typosquatting, são quatro os motivos mais comuns de erros de digitação: 1. Erros de ortografia, no caso de uma língua diferente; 2. Frase errada do nome de domínio; 3. Domínio errado, por exemplo, “.net” em vez de “.com”; 4. Enganos devido a erros de digitação. Esses sites são geralmente sítios Web de anúncios click-thru, podem em alguns casos, ser sites pornográficos, ou sítios web infectados com malware. Tem sido também frequente a utilização deste esquema para direcionar os internautas para sítios Web com códigos maliciosos que infectam os computadores das vítimas Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 48. Vamos nos educar para as redes sociais PRECISA EDUCAR NO USO REDES SOCIAIS seja acesso de dentro ou fora ambiente corporativo – tem que ter POSTURA – PARA TANTO PRECISA CRIAR NORMA DE CONDUTA CLARA! • Evitar associar a Marca da Instituição a Perfil Pessoal ou opinião particular; • Não publicar informações de rotina de trabalho que possam ser sensíveis ou confidenciais; • Ter cuidado com o conteúdo, evitar uso de palavras subjetivas, comentários vexatórios ou ridicularizantes; • Ser ético e agir dentro das leis; • Orientar filhos e/ou familiares sobre o uso ético, seguro e legal das Redes Sociais, inclusive sobre a necessidade de cautela e proteção das informações da família, para evitar vazamento de informações financeiras, relacionadas a conta bancária, cartão de crédito, senhas, remuneração, patrimônio; • Sempre verificar a veracidade das informações que irá postar ou utilizar para evitar qualquer risco de publicação de boato ou inverdade; • Evitar interações que possam eventualmente prejudicar sua carreira profissional, visto que o conteúdo publicado em Redes Sociais perpetua-se no tempo, pode ser lido fora de contexto e tem alcance global; • Conhecer as leis em vigor e manter-se sempre atualizado nas melhores práticas de uso ético, seguro e legal das novas tecnologias. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 49. Orientações para a instituição nas redes sociais • Ler TODOS os posts e comentários feitos nos perfis da Instituição; • Respostas RÁPIDAS E PERSONALIZADAS aos comentários; • Estabelecer PLANO DE GESTÃO DE CRISE – evite danos à reputação digital. SOBRE A CONDUTA: 1) Tem que ter regras claras, prévias, escritas e se possível na própria interface de uso; 2) Usar conteúdo de fonte confiável, evitar usar conteúdos que possam ter vício jurídico de origem; 3) Estimular o relacionamento digital saudável entre os usuários; 4) Ser objetivo e evitar uso de palavras subjetivas quando se expressar por escrito nas mídias digitais; 5) Ter equipe treinada com scripts pré-estabelecidos (para atender a necessidade de resposta rápida); 6) Tem que monitorar (estimular liberdade de expressão com responsabilidade); 7) Cumprir as leis em vigor e pautar suas ações na ética e nos bons costumes; 8) Agir rápido em caso de incidente. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 50. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 51. Código de Conduta Ética • Visão, Missão e Valores da Empresa • Postura em eventos externos, inclusive • Governança através de transparência e Internet e Redes Sociais controles • Coleguismo e Colaboração • Comunicação em Geral • Jornada de trabalho (com novos modelos de • Proteção de Imagem e Reputação mobilidade e flexibilidade) • Publicação, comentários e opiniões em • Principais Papéis e Responsabilidades nome da empresa (alinhado com Alçadas e Poderes) • Uso de ferramentas de trabalho • Política anti-corrupção (em geral trata de tecnológicas em geral brindes, presentes, cortesias, outros) • Segurança da Informação • Fato relevante (especialmente se companhia • Sigilo profissional e confidencialidade aberta) • Denúncia Anônima • Solução de Conflitos • Reembolso de Despesas • Uso de Marca www.leidireto.com.br – Leis Brasileiras Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 52. Declaração da Liberdade na Internet Uma série de organizações ligadas à liberdade da internet, startups de tecnologia e ativistas da cultura livre lançaram um abaixo-assinado que pede que governantes garantam os direitos básicos do internauta ao aceitarem os pontos que formalizariam esta declaração. A petição tem cinco princípios básicos: liberdade de expressão, inclusão digital, abertura da internet, incentivo à inovação e garantia da privacidade. "Acreditamos que uma internet livre e aberta pode gerar um mundo melhor. Acreditamos que eles podem ajudar a trazer mais criatividade, mais inovação e sociedades mais abertas”, explica o site do projeto.
  • 53. 10 Direitos e Princípios da Internet www.internetrightsandprinciples.org Este documento define dez direitos fundamentais e princípios base de governança da Internet. Eles foram compilados pela “Coligação Dinâmica de Direitos e Princípios da Internet” (IRP), uma rede aberta de indivíduos e organizações que trabalham para defender os direitos humanos no mundo da Internet. Estes princípios estão enraizados nas normas internacionais de direitos humanos, e derivam da Carta de Direitos Humanos e Princípios Para a Internet em elaboração pela Coligação. 1) Universalidade e Igualdade 2) Direitos e Justiça Social 3) Acessibilidade 4) Expressão e Associação 5) Privacidade e Proteção de Dados 6) A Vida, Liberdade e Segurança 7) Diversidade 8) Rede de Igualdade 9) Normas e Regulamentos 10) Governança
  • 54. Propriedade Intelectual Propriedade industrial Direito autoral - patentes (ideia) - expressão da ideia - marcas - obras (literárias, artísticas) - desenho industrial - programas de computador - etc - domínios da Internet Origem (século XVII) França - direito moral (autor no centro da história) Inglaterra - uso comercial (gerar renda, necessidade comercial, monopólio do Estado) Brasil - direito positivista, muita lei escrita, nos EUA baseado em "casos". No Brasil não pode doar ao DP - só 70 anos após a morte do autor
  • 55. Creative Commons Brasil creativecommons.org O Creative Commons é um novo sistema, construído com a lei atual de direitos autorais, que possibilita compartilhar suas criações com outros e utilizar música, filmes, imagens e textos online que estejam marcados com uma licença Creative Commons. Um projeto sem fins lucrativos que disponibiliza licenças flexíveis para obras intelectuais.
  • 56. Quais as condições? Atribuição Você permite que outras pessoas copiem, distribuam e executem sua obra, protegida por direitos autorais – e as obras derivados criadas a partir dela – mas somente se for dado crédito da maneira que você estabeleceu. Uso Não Comercial Você permite que outras pessoas copiem, distribuam e executem sua obra – e as obras derivadas criadas a partir dela – mas somente para fins não comerciais. Não à Obras Derivadas Você permite que outras pessoas copiem, distribuam e executem somente cópias exatas da sua obra, mas não obras derivadas. Compartilhamento pela mesma Licença Você pode permitir que outras pessoas distribuam obras derivadas somente sob uma licença idêntica à licença que rege sua obra.
  • 58. Fonte: 2011 PPP Advogados. Todos os direitos reservados - Finalidade Acadêmica (pppadvogados.com.br)
  • 59. MÍDIAS DIGITAIS >>Notícias<< Fonte: http://www.oitopassos.com/wp-content/uploads/2012/06/Mi-4.jpg. Acesso em 20/07/2012.
  • 60. Twitter estuda modelo de publicidade segmentada Twitter briga na justiça para defender manifestante do Occupy Wall Street Sem redes sociais, 18% dos adolescentes dos EUA parariam de se comunicar Twitter será 'narrador oficial' dos Jogos Olímpicos Metade dos usuários do Facebook vai passar menos tempo no site Facebook agora permite editar comentários Metade dos usuários do Facebook vai passar menos tempo no site Como o consumidor on-line brasileiro interage com e-mail, Facebook e Twitter Google lança Gmail SMS na África para ler e receber e-mails do celular CEOs estão fora das redes sociais, diz pesquisa YouTube cria ferramenta para borrar rostos indesejados Cidadãos de Washington poderão se registrar para votar no Facebook Tecnologia do Facebook ajuda policiais a encontrar suspeitos na internet Facebook redesenha páginas profissionais em sua versão móvel Brasileiros preferem publicidade móvel a propaganda online tradicional Cara, cadê o meu foco? YouTube cresce como plataforma de jornalismo cidadão 70% dos jovens escondem dos pais suas atividades na web Carros que dirigem sozinhos serão predominantes no futuro, diz Eric Schmidt Nokia é investigada por causa do 'Perdi meu amor na balada' Mídias sociais: um negócio de US$ 16,9 bilhões 1 bilhão de 'coisas' são compartilhadas por dia no Open Graph do Facebook Have you ever wondered which social network fits your personality? Twitter cria 'cashtags' para destacar empresas na rede Fonte: http://opaseobas.com.br/opas/wp-content/uploads/2010/01/web.jpg. Acesso em 19/07/2012.
  • 61. Fonte: http://gizmodo.com/5019343/the-dani-people-of-papua-with-a-sony-vaio-laptop. Acesso em 19/07/2012. E os Budistas? - http://sonagy.tistory.com/3242