SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI


           Engenharia de Produção


  Disciplina: Sistemas de Informação-NPA810


        Professor Mateus T. S. Cozer




 INTELIGÊNCIA COLETIVA,
INCLUSÃO SOCIAL E WEB 2.0




               Bruno Yamashita         N° 12.106.377-0
                   Esther Abe                    N° 12
          Rafael Dorigom               N° 12.107.369-6
               Larissa Cintra          N° 12.110.607-3
               Lucas Calazans          Nº 12.113.439-9



             São Bernardo do Campo
                     2013


                                                     1
1. Objetivo
       Neste trabalho serão abordados os temas: inteligência coletiva, redes sociais,
inclusão digital e Web 2.0. A inteligência coletiva esta presente no mundo desde o
inicio da existência humana, disseminada por redes sociais, informações publicas, cartas
ou telegramas, a capacitação de pessoas para utilização de tecnologia em colaboração
comum e a utilização da Web como ferramenta possibilitou as trocas de informações
mais dinâmicas.



   2. Introdução
       Desde grupos de caça de tempos remotos até grandes corporações, todos
utilizam a inteligência do grupo em prol do desenvolvimento comunitário. Agora isso
vem acontecendo de diversas formas e a tornando a tecnologia uma ferramenta.

       A inclusão digital tem seu papel importante para a capacitação das pessoas e
colaboração na utilização de informações.

       Segundo o Filosofo da informação Pierre Lévy, temos seis fatores para o
conhecimento. Escrita, Leitura, Visão, Audição, Criação e Aprendizagem.

       A web veio como meio de divulgação e disseminação de informações,
compartilhamento de dados. O surgimento da chamada web 2.0 teve como seu pioneiro
Dale Doughherty apos o colapso da web 1.0.



   3. Inteligência Coletiva
       O aparecimento de comunidades online, como Facebook, Twitter, Orkut e entre
outros fez com que as pessoas que tivessem algo em comum, como interesses, vontades
ou personalidades se reunissem e fizessem disso uma rede, compartilhando informações
e conhecimento com o grupo, com isso, em muitos casos é possível chegar a conclusões
através de debates e workshop, jamais tomadas somente por um individuo.
       Um bom exemplo da grande importância da Inteligência Coletiva é o CCI
(Center of Collective Intelligence), um centro capacitado para debater sobre a
Inteligência coletiva nas comunidades.
       Existe uma frase do Pierre Lévy que define bem a Inteligência Coletiva “É a
inteligência distribuída por toda parte, incessantemente valorizada, coordenada em


                                                                                      2
tempo real, que resulta em uma mobilização efetiva das competências”. Com isso
buscando o conhecimento e o enriquecimento mutuo das pessoas.
       Referindo-se a tese de Marshall Van Alstyne e Erik Brynjolfsson, “Global
Village or Cyberbalkans?”. A inteligência coletiva quando tratada em meio de redes
sociais é uma potência e tanto para grupos de pessoas superem distancias e obstáculos.
Num debate não existe uma pessoa certa e outra errada, ninguém sabe tudo e não há
espaço para novos aprendizados.
       A Balcanização é quando é possível promover uma super-especialização e dados
estratégicos de um definido tema abordado, com isso é possível ter um investimento
inicial em um projeto e ter lucros altos com os resultados, mas para isso é importante a
participação de indivíduos diferentes nas tomadas de decisões, pois o que um pode ver,
nem sempre o outro consegue.
       Há outros tipos de analise que pode ser dado a Inteligência coletiva, em grandes
empresas existe programas integrados com sistemas chamados WORKFLOW, quando
há uma necessidade de aviso sobre algo que entra e sai do sistema, é disparado um e-
mail avisando do ocorrido, podendo isso sem mensal, diário, tudo depende da
necessidade de cada empresa. Demais programas usados para o controle é o CSCW
(Computer Supported Collaborative) em conjunto com demais Groupware, tem o
objetivo de incentivar e facilitar o trabalho coletivo.


   4. Inclusão digital.
       No mundo atual, o domínio das TICs (tecnologia da informação e comunicação),
está intimamente ligado aos desenvolvimentos socioeconômicos e políticos do mundo,
assim quem detém tal domínio, detém o poder. O termo inclusão já propicia uma ideia
de que se existe a necessidade de incluir algo/alguém, é porque existem seus excluídos.
       A exclusão digital é apenas uma das muitas formas da exclusão social.
       Assim a inclusão digital busca através de algumas estratégias e parcerias,
desenvolver projetos que facilitem o acesso dessas tecnologias por pessoas com baixa
renda, e não se limitam apenas a esse tipo de inclusão, a mesma visa também aumentar
a inclusão de pessoas com deficiência.
       A infraestrutura, assim como a capacitação e educação devem ser bem
estruturadas para que haja a inclusão de forma mais efetiva.
       O governo é responsável pelo crescimento da inclusão, porem muitas empresas
atualmente estão fazendo o papel do governo, criando novos projetos e ações sociais

                                                                                          3
voltadas ao desenvolvimento, propiciando assim uma melhor capacitação da sociedade
como um todo, se por um lado a empresa investe para capacitar indivíduos, a mesma se
beneficia, pois terá uma mão de obra mais qualificada que colaborará para o
crescimento da mesma.
       Algumas iniciativas como, CDI, Casa da Cultura Digital, C.E.S.A.R, estão
possibilitando uma inclusão cada vez maior dos indivíduos, gerando assim um
desenvolvimento comunitário, uma maior troca de experiências, gerando desta forma
oportunidades de geração de trabalhos e renda antes inexistentes para pessoas com tais
dificuldades de possuir um contato com as TICS.


   5. Redes Sociais
       O conceito de redes segundo Santana (2004) provém do latim retiolus que
designa um conjunto de linhas entrelaçadas. Relacionando esta visão com as relações
sociais, os nós (o encontro entre as linhas) seriam as pessoas ou as organizações e as
linhas seriam os dados ou informações enviados por meio de redes sociais. Lembrando
que as redes sociais estão inseridas no conceito de mídias sociais, que representam o
espaço onde ocorre o compartilhamento de informações, opiniões, experiências etc.
       Segundo o sociólogo Castells (2005), a sociedade passa por uma fase em que a
essência da produtividade e do poder reside no conhecimento e na informação, visto isto
as redes sociais entram como grande influenciador para a atual realidade, pois nunca
houve tamanho interesse e convergência de opiniões sobre o valor da informação e do
conhecimento.
       De acordo com Deltina Hay (2009), qualquer pessoa ou organização pode usar
as mídias sociais, mas para obter os resultados esperados é preciso elaborar e colocar
em prática estratégias definidas que envolvam a utilização destas mídias, se vê que a
utilidade das mídias sociais é a troca de informações, mas para que isso seja
efetivamente concretizado se leva em consideração o conteúdo da informação. Então
entramos no conceito de inteligência coletiva que para progredir, segundo Pierre Lévy
(2002), necessita de cooperação e competição, cooperação no sentido de trocar idéias e
competição no de confrontar pensamentos opostos.
       Em redes sociais mais populares são mais comuns à demonstração de uma única
opinião, não havendo um debate ou uma interação entre os usuários, mas a facilitadores
para que isto ocorra como a possibilidade de criação de grupos, os comentários, os chats


                                                                                      4
etc. Mas a outras redes sociais que está interação está totalmente presente como é o caso
do Quora, Meetup, Hunch, Foursquare, Groundreport etc.


   6. WEB 2.0
       O conceito de Web 2.0 começou com uma conferência de brainstorming entre a
O’Reilly e a MediaLivre International. Dale Doughherty, pioneiro da web e vice-
presidente da O’Reilly, notou que ao contrário de haver explodido, a web estava mais
importante do que nunca. O conceito mais importante é que a Web 2.0 não tem
fronteiras rígidas e sim um centro gravitacional.
       A Web 2.0 é um conjunto de princípios e práticas que interligam um verdadeiro
sistema solar de sites que demonstram alguns ou todos esses princípios e que estão a
distâncias variadas do centro.
           •   Posicionamento Estratégico: A Web como plataforma
           •   Posicionamento do Usuário: você controla seus próprios dados
           •   Competências Centrais:
                   o Serviços (não software);
                   o Arquitetura de participação;
                   o Escalabilidade de custo eficiente;
                   o Fonte e transformação de dados remixáveis;
                   o Emprego da Inteligência Coletiva;
                   o Software em mais de um dispositivo.
       Mas a diferença mais significativa entre o espaço do mundo real e espaço Web
tem a ver com a relação de espaço para as coisas nele. Web pages criam espaços na
web. Isto é exatamente como o espaço funciona no mundo real. Espaço medido é o
mesmo em toda parte, que é a sua essência. Espaço vivido é diferente em todos os
lugares, que é a sua natureza. Que acabamos de descrever a World Wide Web - os
quartos são páginas da Web e as portas são hiperlinks.




                                                                                       5
Bibliografia
WEINBERGER, David. Small pieces loosely joined: a unified theory of the web. New
York: Basic, c2002. 223 p.

Tim O'Reilly-web 2.0

TIM O’REILLY. WEB 2.0. In: Publicado em O'Reilly (http://www.oreilly.com/)
Copyright 2006 O’Reilly Media, Inc.

Tradução: Miriam Medeiros. Revisão técnica: Julio Preuss. Novembro 2006.

LÉVY, Pierre. As Tecnologias da inteligência : o futuro do pensamento na Era da
informática; tradução de Carlos Irineu da Costa.

Disponível em: http://webinsider.uol.com.br/2002/09/09/a-inteligencia-coletiva-segundo-pierre-levy/
acesso dia 10/04/2013 as 18h00

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hiro. Criação de conhecimento na empresa: como as
empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, c1997.

CLIPPINGER, John Henry, A Crowd of One (Public Affairs, 2007).




                                                                                                      6
Bibliografia
WEINBERGER, David. Small pieces loosely joined: a unified theory of the web. New
York: Basic, c2002. 223 p.

Tim O'Reilly-web 2.0

TIM O’REILLY. WEB 2.0. In: Publicado em O'Reilly (http://www.oreilly.com/)
Copyright 2006 O’Reilly Media, Inc.

Tradução: Miriam Medeiros. Revisão técnica: Julio Preuss. Novembro 2006.

LÉVY, Pierre. As Tecnologias da inteligência : o futuro do pensamento na Era da
informática; tradução de Carlos Irineu da Costa.

Disponível em: http://webinsider.uol.com.br/2002/09/09/a-inteligencia-coletiva-segundo-pierre-levy/
acesso dia 10/04/2013 as 18h00

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hiro. Criação de conhecimento na empresa: como as
empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, c1997.

CLIPPINGER, John Henry, A Crowd of One (Public Affairs, 2007).




                                                                                                      6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ambientes Colaborativos de Realidade Virtual e Aumentada 2007
Ambientes Colaborativos de Realidade Virtual e Aumentada 2007Ambientes Colaborativos de Realidade Virtual e Aumentada 2007
Ambientes Colaborativos de Realidade Virtual e Aumentada 2007elliando dias
 
Aula 1 disciplina topicos avancados em adm final 2012.1
Aula 1   disciplina topicos avancados em adm final 2012.1Aula 1   disciplina topicos avancados em adm final 2012.1
Aula 1 disciplina topicos avancados em adm final 2012.1Angelo Peres
 
Capacitacao basica
Capacitacao basica Capacitacao basica
Capacitacao basica Flavio Yanai
 
Defesa dissertação
Defesa dissertaçãoDefesa dissertação
Defesa dissertaçãoJosé Mota
 
Web 2.0 e Aprendizagem Colaborativa
Web 2.0 e Aprendizagem ColaborativaWeb 2.0 e Aprendizagem Colaborativa
Web 2.0 e Aprendizagem ColaborativaMP Cidadania
 
Web Social e os novos ambientes de comunicação, informação e aprendizagem [b...
Web Social e os novos ambientes de comunicação, informação e aprendizagem  [b...Web Social e os novos ambientes de comunicação, informação e aprendizagem  [b...
Web Social e os novos ambientes de comunicação, informação e aprendizagem [b...Pedro Príncipe
 
Reinventando o desenvolvimento local
Reinventando o desenvolvimento localReinventando o desenvolvimento local
Reinventando o desenvolvimento localaugustodefranco .
 
Para configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativaPara configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativaaugustodefranco .
 
Bazedral - Pensamentos e Dicas para uma Empresa mais Colaborativa
Bazedral - Pensamentos e Dicas para uma Empresa mais ColaborativaBazedral - Pensamentos e Dicas para uma Empresa mais Colaborativa
Bazedral - Pensamentos e Dicas para uma Empresa mais ColaborativaSerge Rehem
 
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em MassaRedes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massagilbertociro
 
Apresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuais
Apresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuaisApresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuais
Apresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuaisJean José
 
Tecnologias e Mídias Sociais para Mudanças Sociais s soci...
Tecnologias e Mídias Sociais para Mudanças Sociais                     s soci...Tecnologias e Mídias Sociais para Mudanças Sociais                     s soci...
Tecnologias e Mídias Sociais para Mudanças Sociais s soci...Social Good Brasil
 
Capacitação CIGA - Articulando Redes Sociais v2
Capacitação CIGA - Articulando Redes Sociais v2Capacitação CIGA - Articulando Redes Sociais v2
Capacitação CIGA - Articulando Redes Sociais v2Alex Dunder Koch
 
Aula 2 - Complexidade e Ativação de Redes
Aula 2 - Complexidade e Ativação de RedesAula 2 - Complexidade e Ativação de Redes
Aula 2 - Complexidade e Ativação de RedesDalton Martins
 

Mais procurados (19)

Ambientes Colaborativos de Realidade Virtual e Aumentada 2007
Ambientes Colaborativos de Realidade Virtual e Aumentada 2007Ambientes Colaborativos de Realidade Virtual e Aumentada 2007
Ambientes Colaborativos de Realidade Virtual e Aumentada 2007
 
Aula 1 disciplina topicos avancados em adm final 2012.1
Aula 1   disciplina topicos avancados em adm final 2012.1Aula 1   disciplina topicos avancados em adm final 2012.1
Aula 1 disciplina topicos avancados em adm final 2012.1
 
Capacitacao basica
Capacitacao basica Capacitacao basica
Capacitacao basica
 
WEBmarketing 3 Web20
WEBmarketing 3 Web20WEBmarketing 3 Web20
WEBmarketing 3 Web20
 
Defesa dissertação
Defesa dissertaçãoDefesa dissertação
Defesa dissertação
 
Web 2.0 e Aprendizagem Colaborativa
Web 2.0 e Aprendizagem ColaborativaWeb 2.0 e Aprendizagem Colaborativa
Web 2.0 e Aprendizagem Colaborativa
 
Cultura Digital
Cultura DigitalCultura Digital
Cultura Digital
 
Web Social e os novos ambientes de comunicação, informação e aprendizagem [b...
Web Social e os novos ambientes de comunicação, informação e aprendizagem  [b...Web Social e os novos ambientes de comunicação, informação e aprendizagem  [b...
Web Social e os novos ambientes de comunicação, informação e aprendizagem [b...
 
Reinventando o desenvolvimento local
Reinventando o desenvolvimento localReinventando o desenvolvimento local
Reinventando o desenvolvimento local
 
Para configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativaPara configurar ambientes de cocriação interativa
Para configurar ambientes de cocriação interativa
 
A EMPRESA VIVA
A EMPRESA VIVAA EMPRESA VIVA
A EMPRESA VIVA
 
Bazedral - Pensamentos e Dicas para uma Empresa mais Colaborativa
Bazedral - Pensamentos e Dicas para uma Empresa mais ColaborativaBazedral - Pensamentos e Dicas para uma Empresa mais Colaborativa
Bazedral - Pensamentos e Dicas para uma Empresa mais Colaborativa
 
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em MassaRedes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
 
A sociedade da colaboração um ensaio
A sociedade da colaboração um ensaioA sociedade da colaboração um ensaio
A sociedade da colaboração um ensaio
 
Apresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuais
Apresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuaisApresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuais
Apresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuais
 
Tecnologias e Mídias Sociais para Mudanças Sociais s soci...
Tecnologias e Mídias Sociais para Mudanças Sociais                     s soci...Tecnologias e Mídias Sociais para Mudanças Sociais                     s soci...
Tecnologias e Mídias Sociais para Mudanças Sociais s soci...
 
Aprendizagem Colaborativa
Aprendizagem ColaborativaAprendizagem Colaborativa
Aprendizagem Colaborativa
 
Capacitação CIGA - Articulando Redes Sociais v2
Capacitação CIGA - Articulando Redes Sociais v2Capacitação CIGA - Articulando Redes Sociais v2
Capacitação CIGA - Articulando Redes Sociais v2
 
Aula 2 - Complexidade e Ativação de Redes
Aula 2 - Complexidade e Ativação de RedesAula 2 - Complexidade e Ativação de Redes
Aula 2 - Complexidade e Ativação de Redes
 

Destaque (7)

Six sigma intro
Six sigma   introSix sigma   intro
Six sigma intro
 
16 GIUGNO
16 GIUGNO16 GIUGNO
16 GIUGNO
 
Sample ad dcm solution v1
Sample ad dcm solution v1Sample ad dcm solution v1
Sample ad dcm solution v1
 
Mattino dietrofront
Mattino dietrofrontMattino dietrofront
Mattino dietrofront
 
Hanshin Project
Hanshin ProjectHanshin Project
Hanshin Project
 
top440grey.png
top440grey.pngtop440grey.png
top440grey.png
 
Semiotica y teorias de la literatura libro
Semiotica y teorias de la literatura libroSemiotica y teorias de la literatura libro
Semiotica y teorias de la literatura libro
 

Semelhante a Inteligência coletiva, inclusão digital e redes sociais na Web 2.0

Teia deEmpreendedores com impacto na sociedade
Teia deEmpreendedores com impacto na sociedadeTeia deEmpreendedores com impacto na sociedade
Teia deEmpreendedores com impacto na sociedademinasinvest
 
TEIAS APRESENTACAO
TEIAS APRESENTACAOTEIAS APRESENTACAO
TEIAS APRESENTACAOminasinvest
 
Colaboração e Inclusão Digital
Colaboração e Inclusão DigitalColaboração e Inclusão Digital
Colaboração e Inclusão DigitalFelipe Palomaro
 
Inteligência Coletiva
Inteligência ColetivaInteligência Coletiva
Inteligência ColetivaElvis Fusco
 
Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)
Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)
Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)Talita Moretto
 
Sociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docx
Sociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docxSociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docx
Sociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docxssuser1198af
 
3 marketing nas redes sociais
3   marketing nas redes sociais3   marketing nas redes sociais
3 marketing nas redes sociaiscefaprodematupa
 
Teias na midia social
Teias na midia socialTeias na midia social
Teias na midia socialminasinvest
 
Palestra midias sociais robson
Palestra midias sociais robsonPalestra midias sociais robson
Palestra midias sociais robsonEAD Amazon
 
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em MassaRedes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massagilbertociro
 
Inteligência Coletiva
Inteligência ColetivaInteligência Coletiva
Inteligência ColetivaElvis Fusco
 
Workshop Tecna PUCRS // Gestão por projetos em rede (Maio 2015)
Workshop Tecna PUCRS // Gestão por projetos em rede (Maio 2015)Workshop Tecna PUCRS // Gestão por projetos em rede (Maio 2015)
Workshop Tecna PUCRS // Gestão por projetos em rede (Maio 2015)TransLAB - Laboratório Cidadão
 
Meio acadêmico supera mercado em estratégias de Marketing social
Meio acadêmico supera mercado em estratégias de Marketing socialMeio acadêmico supera mercado em estratégias de Marketing social
Meio acadêmico supera mercado em estratégias de Marketing socialMarcos Facó
 
Netweaving na Comunicação Organizacional Online
Netweaving na Comunicação Organizacional OnlineNetweaving na Comunicação Organizacional Online
Netweaving na Comunicação Organizacional OnlinePaperCliQ Comunicação
 

Semelhante a Inteligência coletiva, inclusão digital e redes sociais na Web 2.0 (20)

Teia deEmpreendedores com impacto na sociedade
Teia deEmpreendedores com impacto na sociedadeTeia deEmpreendedores com impacto na sociedade
Teia deEmpreendedores com impacto na sociedade
 
TEIAS APRESENTACAO
TEIAS APRESENTACAOTEIAS APRESENTACAO
TEIAS APRESENTACAO
 
Colaboração e Inclusão Digital
Colaboração e Inclusão DigitalColaboração e Inclusão Digital
Colaboração e Inclusão Digital
 
Inteligência Coletiva
Inteligência ColetivaInteligência Coletiva
Inteligência Coletiva
 
Apostila 02 / Novas Profissões: O Papel do Analista de Mídias Sociais
Apostila 02 / Novas Profissões: O Papel do Analista de Mídias SociaisApostila 02 / Novas Profissões: O Papel do Analista de Mídias Sociais
Apostila 02 / Novas Profissões: O Papel do Analista de Mídias Sociais
 
Apresentacao Weblab Drica
Apresentacao Weblab DricaApresentacao Weblab Drica
Apresentacao Weblab Drica
 
Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)
Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)
Mídias digitais - Apresentação da Aula 01 (04/08/12)
 
Sociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docx
Sociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docxSociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docx
Sociedade da Informação x Sociedade do Conhecimento.docx
 
3 marketing nas redes sociais
3   marketing nas redes sociais3   marketing nas redes sociais
3 marketing nas redes sociais
 
Teias na midia social
Teias na midia socialTeias na midia social
Teias na midia social
 
Palestra midias sociais robson
Palestra midias sociais robsonPalestra midias sociais robson
Palestra midias sociais robson
 
Projeto advogados em rede
Projeto advogados em redeProjeto advogados em rede
Projeto advogados em rede
 
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em MassaRedes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa
 
fazendo juntos
fazendo juntosfazendo juntos
fazendo juntos
 
Comunicacao E Novas Midias
Comunicacao E Novas MidiasComunicacao E Novas Midias
Comunicacao E Novas Midias
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Inteligência Coletiva
Inteligência ColetivaInteligência Coletiva
Inteligência Coletiva
 
Workshop Tecna PUCRS // Gestão por projetos em rede (Maio 2015)
Workshop Tecna PUCRS // Gestão por projetos em rede (Maio 2015)Workshop Tecna PUCRS // Gestão por projetos em rede (Maio 2015)
Workshop Tecna PUCRS // Gestão por projetos em rede (Maio 2015)
 
Meio acadêmico supera mercado em estratégias de Marketing social
Meio acadêmico supera mercado em estratégias de Marketing socialMeio acadêmico supera mercado em estratégias de Marketing social
Meio acadêmico supera mercado em estratégias de Marketing social
 
Netweaving na Comunicação Organizacional Online
Netweaving na Comunicação Organizacional OnlineNetweaving na Comunicação Organizacional Online
Netweaving na Comunicação Organizacional Online
 

Inteligência coletiva, inclusão digital e redes sociais na Web 2.0

  • 1. CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI Engenharia de Produção Disciplina: Sistemas de Informação-NPA810 Professor Mateus T. S. Cozer INTELIGÊNCIA COLETIVA, INCLUSÃO SOCIAL E WEB 2.0 Bruno Yamashita N° 12.106.377-0 Esther Abe N° 12 Rafael Dorigom N° 12.107.369-6 Larissa Cintra N° 12.110.607-3 Lucas Calazans Nº 12.113.439-9 São Bernardo do Campo 2013 1
  • 2. 1. Objetivo Neste trabalho serão abordados os temas: inteligência coletiva, redes sociais, inclusão digital e Web 2.0. A inteligência coletiva esta presente no mundo desde o inicio da existência humana, disseminada por redes sociais, informações publicas, cartas ou telegramas, a capacitação de pessoas para utilização de tecnologia em colaboração comum e a utilização da Web como ferramenta possibilitou as trocas de informações mais dinâmicas. 2. Introdução Desde grupos de caça de tempos remotos até grandes corporações, todos utilizam a inteligência do grupo em prol do desenvolvimento comunitário. Agora isso vem acontecendo de diversas formas e a tornando a tecnologia uma ferramenta. A inclusão digital tem seu papel importante para a capacitação das pessoas e colaboração na utilização de informações. Segundo o Filosofo da informação Pierre Lévy, temos seis fatores para o conhecimento. Escrita, Leitura, Visão, Audição, Criação e Aprendizagem. A web veio como meio de divulgação e disseminação de informações, compartilhamento de dados. O surgimento da chamada web 2.0 teve como seu pioneiro Dale Doughherty apos o colapso da web 1.0. 3. Inteligência Coletiva O aparecimento de comunidades online, como Facebook, Twitter, Orkut e entre outros fez com que as pessoas que tivessem algo em comum, como interesses, vontades ou personalidades se reunissem e fizessem disso uma rede, compartilhando informações e conhecimento com o grupo, com isso, em muitos casos é possível chegar a conclusões através de debates e workshop, jamais tomadas somente por um individuo. Um bom exemplo da grande importância da Inteligência Coletiva é o CCI (Center of Collective Intelligence), um centro capacitado para debater sobre a Inteligência coletiva nas comunidades. Existe uma frase do Pierre Lévy que define bem a Inteligência Coletiva “É a inteligência distribuída por toda parte, incessantemente valorizada, coordenada em 2
  • 3. tempo real, que resulta em uma mobilização efetiva das competências”. Com isso buscando o conhecimento e o enriquecimento mutuo das pessoas. Referindo-se a tese de Marshall Van Alstyne e Erik Brynjolfsson, “Global Village or Cyberbalkans?”. A inteligência coletiva quando tratada em meio de redes sociais é uma potência e tanto para grupos de pessoas superem distancias e obstáculos. Num debate não existe uma pessoa certa e outra errada, ninguém sabe tudo e não há espaço para novos aprendizados. A Balcanização é quando é possível promover uma super-especialização e dados estratégicos de um definido tema abordado, com isso é possível ter um investimento inicial em um projeto e ter lucros altos com os resultados, mas para isso é importante a participação de indivíduos diferentes nas tomadas de decisões, pois o que um pode ver, nem sempre o outro consegue. Há outros tipos de analise que pode ser dado a Inteligência coletiva, em grandes empresas existe programas integrados com sistemas chamados WORKFLOW, quando há uma necessidade de aviso sobre algo que entra e sai do sistema, é disparado um e- mail avisando do ocorrido, podendo isso sem mensal, diário, tudo depende da necessidade de cada empresa. Demais programas usados para o controle é o CSCW (Computer Supported Collaborative) em conjunto com demais Groupware, tem o objetivo de incentivar e facilitar o trabalho coletivo. 4. Inclusão digital. No mundo atual, o domínio das TICs (tecnologia da informação e comunicação), está intimamente ligado aos desenvolvimentos socioeconômicos e políticos do mundo, assim quem detém tal domínio, detém o poder. O termo inclusão já propicia uma ideia de que se existe a necessidade de incluir algo/alguém, é porque existem seus excluídos. A exclusão digital é apenas uma das muitas formas da exclusão social. Assim a inclusão digital busca através de algumas estratégias e parcerias, desenvolver projetos que facilitem o acesso dessas tecnologias por pessoas com baixa renda, e não se limitam apenas a esse tipo de inclusão, a mesma visa também aumentar a inclusão de pessoas com deficiência. A infraestrutura, assim como a capacitação e educação devem ser bem estruturadas para que haja a inclusão de forma mais efetiva. O governo é responsável pelo crescimento da inclusão, porem muitas empresas atualmente estão fazendo o papel do governo, criando novos projetos e ações sociais 3
  • 4. voltadas ao desenvolvimento, propiciando assim uma melhor capacitação da sociedade como um todo, se por um lado a empresa investe para capacitar indivíduos, a mesma se beneficia, pois terá uma mão de obra mais qualificada que colaborará para o crescimento da mesma. Algumas iniciativas como, CDI, Casa da Cultura Digital, C.E.S.A.R, estão possibilitando uma inclusão cada vez maior dos indivíduos, gerando assim um desenvolvimento comunitário, uma maior troca de experiências, gerando desta forma oportunidades de geração de trabalhos e renda antes inexistentes para pessoas com tais dificuldades de possuir um contato com as TICS. 5. Redes Sociais O conceito de redes segundo Santana (2004) provém do latim retiolus que designa um conjunto de linhas entrelaçadas. Relacionando esta visão com as relações sociais, os nós (o encontro entre as linhas) seriam as pessoas ou as organizações e as linhas seriam os dados ou informações enviados por meio de redes sociais. Lembrando que as redes sociais estão inseridas no conceito de mídias sociais, que representam o espaço onde ocorre o compartilhamento de informações, opiniões, experiências etc. Segundo o sociólogo Castells (2005), a sociedade passa por uma fase em que a essência da produtividade e do poder reside no conhecimento e na informação, visto isto as redes sociais entram como grande influenciador para a atual realidade, pois nunca houve tamanho interesse e convergência de opiniões sobre o valor da informação e do conhecimento. De acordo com Deltina Hay (2009), qualquer pessoa ou organização pode usar as mídias sociais, mas para obter os resultados esperados é preciso elaborar e colocar em prática estratégias definidas que envolvam a utilização destas mídias, se vê que a utilidade das mídias sociais é a troca de informações, mas para que isso seja efetivamente concretizado se leva em consideração o conteúdo da informação. Então entramos no conceito de inteligência coletiva que para progredir, segundo Pierre Lévy (2002), necessita de cooperação e competição, cooperação no sentido de trocar idéias e competição no de confrontar pensamentos opostos. Em redes sociais mais populares são mais comuns à demonstração de uma única opinião, não havendo um debate ou uma interação entre os usuários, mas a facilitadores para que isto ocorra como a possibilidade de criação de grupos, os comentários, os chats 4
  • 5. etc. Mas a outras redes sociais que está interação está totalmente presente como é o caso do Quora, Meetup, Hunch, Foursquare, Groundreport etc. 6. WEB 2.0 O conceito de Web 2.0 começou com uma conferência de brainstorming entre a O’Reilly e a MediaLivre International. Dale Doughherty, pioneiro da web e vice- presidente da O’Reilly, notou que ao contrário de haver explodido, a web estava mais importante do que nunca. O conceito mais importante é que a Web 2.0 não tem fronteiras rígidas e sim um centro gravitacional. A Web 2.0 é um conjunto de princípios e práticas que interligam um verdadeiro sistema solar de sites que demonstram alguns ou todos esses princípios e que estão a distâncias variadas do centro. • Posicionamento Estratégico: A Web como plataforma • Posicionamento do Usuário: você controla seus próprios dados • Competências Centrais: o Serviços (não software); o Arquitetura de participação; o Escalabilidade de custo eficiente; o Fonte e transformação de dados remixáveis; o Emprego da Inteligência Coletiva; o Software em mais de um dispositivo. Mas a diferença mais significativa entre o espaço do mundo real e espaço Web tem a ver com a relação de espaço para as coisas nele. Web pages criam espaços na web. Isto é exatamente como o espaço funciona no mundo real. Espaço medido é o mesmo em toda parte, que é a sua essência. Espaço vivido é diferente em todos os lugares, que é a sua natureza. Que acabamos de descrever a World Wide Web - os quartos são páginas da Web e as portas são hiperlinks. 5
  • 6. Bibliografia WEINBERGER, David. Small pieces loosely joined: a unified theory of the web. New York: Basic, c2002. 223 p. Tim O'Reilly-web 2.0 TIM O’REILLY. WEB 2.0. In: Publicado em O'Reilly (http://www.oreilly.com/) Copyright 2006 O’Reilly Media, Inc. Tradução: Miriam Medeiros. Revisão técnica: Julio Preuss. Novembro 2006. LÉVY, Pierre. As Tecnologias da inteligência : o futuro do pensamento na Era da informática; tradução de Carlos Irineu da Costa. Disponível em: http://webinsider.uol.com.br/2002/09/09/a-inteligencia-coletiva-segundo-pierre-levy/ acesso dia 10/04/2013 as 18h00 NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hiro. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, c1997. CLIPPINGER, John Henry, A Crowd of One (Public Affairs, 2007). 6
  • 7. Bibliografia WEINBERGER, David. Small pieces loosely joined: a unified theory of the web. New York: Basic, c2002. 223 p. Tim O'Reilly-web 2.0 TIM O’REILLY. WEB 2.0. In: Publicado em O'Reilly (http://www.oreilly.com/) Copyright 2006 O’Reilly Media, Inc. Tradução: Miriam Medeiros. Revisão técnica: Julio Preuss. Novembro 2006. LÉVY, Pierre. As Tecnologias da inteligência : o futuro do pensamento na Era da informática; tradução de Carlos Irineu da Costa. Disponível em: http://webinsider.uol.com.br/2002/09/09/a-inteligencia-coletiva-segundo-pierre-levy/ acesso dia 10/04/2013 as 18h00 NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hiro. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, c1997. CLIPPINGER, John Henry, A Crowd of One (Public Affairs, 2007). 6