SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 85
MARKETING  DE VINHOS  Região do Dão Paulo Matos Graça Ramos MSc Marketing, Cranfield University, UK
Programa da Sessão ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão
INA “ Take Away” INCIM “ Consumo no Local” ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Análise ao dados Nielsen Fonte:Nielsen 47,5% valor INCIM 52,5% valor INA 26,9% volume INCIM 73,1% volume INA Quota INA e INCIM em JJ06 -2,2% valor INCIM 3,2% valor INA 0,0% volume INCIM 3,1% volume INA Variação % INA e INCIM JJ05 a JJ06
Fonte:Nielsen -23% -15% -9% MESA NACIONAL 58% 382% -67% MESA IMPORTADO 3% 11% -7% REGIONAL TERRAS DO SADO -16% -11% -5% DOURO -2% -13% 13% RGIONAL T.M.T.DURIENSES 17% 14% 3% VERDES 56% -36% 142% REGIONAL DO MINHO -44% -10% -38% RIBATEJO 55% -1% 56% REGIONAL RIBATEJO -40% -5% -37% DÃO -24% 1% -25% BAIRRADA -16% -6% -11% REGIONAL BEIRAS 3097% 1678% 80% REGIONAL ALGARVE -22% -11% -13% VQPRD ALENTEJO -4% -1% -3% REGIONAL ALENTEJO -9% -2% -7% TOT.VINHOS QUALIDADE Variação % JJ04 a JJ06 Variação % JJ05 a JJ06 Variação % JJ04 a JJ05 Variação Valor INCIM
Fonte:Nielsen -6,0% MESA NACIONAL -0,4% MESA IMPORTADO -2,5% REGIONAL TERRAS DO SADO 11,6% DOURO -8,8% RGIONAL T.M.T.DURIENSES 4,6% VERDES -30,1% REGIONAL DO MINHO -13,0% RIBATEJO 7,8% REGIONAL RIBATEJO -4,4% REGIONAL ESTREMADURA 3,3% DÃO -6,9% BAIRRADA -26,0% REGIONAL BEIRAS 40,4% REGIONAL ALGARVE 4,8% VQPRD ALENTEJO 10,2% REGIONAL ALENTEJO 3,2% TOT.VINHOS QUALIDADE Var % JJ05 a JJ06 Variação Valor INA
Fonte:Nielsen Elab. P. Pinto
Fonte:Nielsen Elab. P. Pinto
Fonte:Nielsen Elab. P. Pinto
Fonte:Nielsen Elab. P. Pinto
Fonte:Nielsen Elab. P. Pinto
Fonte:Nielsen Elab. P. Pinto
Fonte:Nielsen
 
 
Posição competitiva da Região do Dão face ás demais regiões no mercado Nacional:
 
-1,8% TOT.VINHOS QUALIDADE -6,22% REGIONAL ALENTEJO -4,30% BAIRRADA -4,01% DOURO -0,28% VERDES 0,67% DÃO 2,46% REGIONAL T.M.T. DURIENSES 2,78% REGIONAL RIBATEJO 5,26% REGIONAL BEIRAS 7,84% REGIONAL ESTREMADURA 9,05% REGIONAL DO MINHO 24,59% RIBATEJO Variação %  Preço  JJ05 a JJ06
Fonte Nielsen: Total Anual Móvel (TAM) Julho 2004 a Julho 2005  MERCADO PORTUGUÊS DE VINHO
Síntese da performance da Região Dão segundo dados Nielsen ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte: CVRD, 2005
Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte, CVRD, 2005
Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte, CVRD, 2005
Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte, CVRD, 2005
[object Object],[object Object],[object Object],Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão
Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte:  Inquéritos - Plano de Acção Dão
Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte:  Inquéritos - Plano de Acção Dão
Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte, CVRD, 2005
Fonte:  Inquéritos - Plano de Acção Dão
Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte:  Inquéritos - Plano de Acção Dão
Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte:  Inquéritos - Plano de Acção Dão
Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O Marketing de Vinhos
Marketing  ,[object Object],[object Object]
Marketing           Capacidades e recursos da organização Necessidades e desejos dos Consumidores adequação envolvente de Marketing       envolvente de Marketing Uma abordagem esquemática simples:  capacidades de produção e tecnológica  determinada pelos factores climáticos   Necessidades  Alimentares  e  culturais  dos Consumidores
As Necessidades ,[object Object]
%5 necessidades tipo adaptadas ao Vinho:  n Necessidades Expressas  (o cliente diz que quer um vinho do Dão). 2 Necessidades Reais  (O cliente quer um vinho de uma região conhecida e prestigiada que pode não ser especificamente Dão).  Necessidades Não expressas  (O cliente espera uma boa satisfação  ou prestigio social através da sua escolha). 4 Necessidades de Encanto  (Compra o vinho e recebe uma caixa de madeira). 5 Necessidades Secretas  (O cliente quer que os seus amigos o vejam como um conhecedor de vinhos).
Marketing ,[object Object],[object Object],      Lucros pela satisfação do cliente Marketing integrado Necessidades e Desejos  Mercado Marketing: Lucros pelo volume de vendas Venda e promoção Produtos existentes Produção Vendas:   Fins Meios e Recursos Foco Ponto de Partida
Marketing ,[object Object],[object Object],      Mercado Empresa Vendas “ dentro para fora”   Marketing “ fora para dentro”                                            
Marketing ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],     
Satisfação ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A Cadeia de Valor do Vinho Componente Predominante: Fase do Produto: Viticultura Enologia   e  Marketing Enologia  Marketing Marketing Marketing Cultivo e Elaboração do vinho Certificação   Distribuição / agentes Retalhistas Consumidor Entidade controladora: Produtor/ Empresa Instituições    Instituições    Mercado
O Processo de Marketing 1.  Pesquisa e Análise 2.  Estratégia e Planeamento 3. Implementação de Políticas e Tácticas  4.  Avaliação e Controle   Geração de informação sobre o mercado e capacidades da empresa. Detectar as necessidades dos clientes.  Disseminar a informação para definir e planear os objectivos e estratégias. Responder ao mercado articulando o Marketing mix: Produto, Preço, Distribuição e Promoção. Controlar e auditar as acções de Marketing e verificar os desvios entre o planeado e os resultados.
Marketing         Conceber o  produto Segmen-tação de clientes antes depois Fazer o Produto Vender o produto Procurar Fazer Preço Vender Promover publicitar Distribuir Serviço Escolher o Valor Marketing Estratégico  Providenciar o valor Marketing operacional Comunicar o valor Marketing operacional Selecção de mercados Posicio-namento  do valor Desenvol-vimento do produto Desenvol-vimento do serviço   Preço Procurar   Fazer Distribuir    Servir   Força de Vendas Promoção de Vendas   Publicitar
A ORIENTAÇÃO PARA O MERCADO
O mercado Diferentes actores/domínios do mercado 1.  Recolha de informação sobre o mercado 3.  Resposta no mercado A Empresa Cultura organizacional 2. Disseminação da informação na organização Orientação para o mercado
ORIENTAÇÃO PARA O MERCADO Fonte:  Inquéritos – Plano de Acção Dão Média geral: 4,50  desv pad:  1,87 4,1 15-Partilhamos recursos com outras unidades de negócio 5,0 14-Nós segmentamos os clientes onde temos oportunidade de ter vantagem competitiva 5,2 13-Os gestores de topo compreendem como todos os funcionários podem contribuir para criar valor superior para os clientes 4,5 12-Damos especial atenção ao acompanhamento dos nossos clientes ao longo do tempo 3,4 11-Os nossos gestores visitam os actuais e potenciais clientes pelo menos de três em três meses 3,8 10-Respondemos rapidamente às acções competitivas que nos ameaçam 4,0 9-Os dados da satisfação dos consumidores são distribuídos a todos os níveis nesta unidade de negócio  5,2 8-Eu acredito que este negócio existe principalmente para servir os consumidores 4,4 7-Nós somos mais centrados no consumidor do que os nossos concorrentes 3,4 6-Nós medimos o nosso serviço ao consumidor pelo menos uma vez por ano 3,5 5-Nós medimos a satisfação do consumidor pelo menos uma vez por ano 5,4 4-A nossa estratégia para obter vantagem competitiva é baseada na nossa compreensão das necessidades dos consumidores 3,7 3-Nós comunicamos todas as nossas boas ou más experiências com os consumidores a todas as áreas do negócio 5,8 2-Nós orientamos constantemente o nosso nível de compromisso e orientação para servir as necessidades dos consumidores 5,9 1-Os nossos objectivos de negócio são conduzidos prioritariamente pela satisfação do consumidor Média Orientação para o mercado dos inquiridos (escala 1-7)
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Orientação para o mercado
Marketing ,[object Object],[object Object],      Intermediários   consumidores Produtores   Estabelecer o ponto de  convergência Fonte: Ramos, 2001 Actores externos à troca: Influenciadores Concorrentes e fornecedores
      Organização Produtora de um bem ou serviço Intermediários Colocam o produto no mercado  Consumidores Adquirem o produto no mercado  a. percepção sobre as preferências dos consumidores  b. Percepção sobre os atributos mais importantes do bem  c. percepção das preferencias dos intermediários   d. atributos mais valorizados nos produtores   e. Percepção das preferencias dos consumidores   f. importância do  local de compra Influenciadores Afectam a percepção sobre os produtos   Concorrentes Rivalidade e benchmarking Fornecedores Impacto sobre a qualidade do produto final Fonte Ramos: 2005
Os condicionantes do mercado: Modelo de Porter:  Modelo de Porter: Factores que condicionam a actividade de uma organização.
Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte:  Inquéritos - Plano de Acção Dão Avaliação que os produtores inquiridos fizeram das forças de mercado:
Marketing de Vinhos ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],Marketing de Vinhos
[object Object],[object Object],[object Object],Marketing de Vinhos
 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Marketing de Vinhos
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Marketing de Vinhos
O PRODUTO  AUMENTADO  TANGÍVEL ano de colheita Garrafa Rótulo Preço Qualidade Castas O PRODUTO AUMENTADO  INTANGÍVEL Prémios /  Referências na  imprensa Marca (nome) Região Produtor Estilo ‘ Terroir’ O PRODUTO  INTRÍNSECO TANGÍVEL álcool, acidez, cor,  espuma, açúcar,  taninos Imagem Provas Pontos  de  Venda Agentes/ Distribuidores Persona - lidade do  enólogo Promoção  reputação do vinho Sabor Aroma OS NÍVEIS DO PRODUTO VINHO 20% do custo mas 80%  Dos motivos de compra
Marketing de Vinhos A Organização  do Portfolio  de produtos LINHA   Vinho Regional DOC / VQPRD Monocastas     Branco: - marca 1.1 Branco:  - marca 2.1 Casta Y: Branco  - marca. 4.1.   GAMA Tinto:  - marca 1.2 Tinto:  - marca 2.2. Casta X: tinto - marca 4.2.     Reserva branco: - marca 3.1.  Casta W: tinto marca 4.3.     Reserva tinto:  - marca 3.2. Casta Z: tinto - marca 4.4.
A Marca e o Rótulo ,[object Object],[object Object]
Factores identificativos das marcas de vinho Factores verbais identificativos do  nome  de Marca Factores visuais identificativos da  imagem  da Marca          Nome individual          Nome do Produtor / Empresa           Estilo / Denominação de Origem          Região / Local           Castas          Ano          Logo e Símbolos            Rótulo          Lettering           Cores          Tipo de garrafa /embalagem  
Fonte e © Ramos, 2002 Um exemplo internacional: Marca Nominal individual Chateaux Mouton-Rothschild 1ª Marca de Suporte: Tipo 1er Cru Classé 2ª Marca de Suporte: Sub-Região Pauillac 3ª Marca de Suporte: Denominação de Origem  Medoc / Bordeaux 4ª Marca de Suporte : País de origem França
Fonte e © Ramos, 2002 Tipo de Marca Grau de controle do produtor Do Produtor : vendida em vários retalhistas e distribuidores Um só rótulo Grande . Implica grande investimento na notoriedade da marca apenas por parte do produtor. Mista : do produtor mas exclusiva do distribuidor (Ex. exclusivo Pingo Doce, Selected by Tesco).  Um rótulo para cada distribuidor Reduzido . Os custos de suporte da marca são divididos entre produtor e distribuidor / retalhista.  Do Distribuidor   (ex. Vinho do Alentejo Pingo Doce). Rótulo do distribuidor Nulo . Total controle e investimento por conta do distribuidor / retalhista.
Estratégias  de Marca  Adaptado a partir de Kotler, 2004 Extensão Linha Roquevale em Bag in Box Multimarcas Marcas diferentes para o mesmo  Produto. Uma marca para cada distribuidor. Extensão marca Mateus Tempranilho Novas   marcas   Quinta do Cardo ( por   aquisição ) Nome  marca Existente Nova Categoria de Produto Existente Nova
Marketing de Vinhos Processo de Criação e Implantação de uma Marca de Vinho  (Ramos, 2002) Fase Questões  Opção 1. Avaliação de oportunidades no mercado   Existe espaço no mercado, evolução do consumo e da concorrência? Existem necessidades especificas não preenchidas nos consumidores? Seguir novas tendências ou  produtos tradicionais. Mercado de massas ou nichos. 2. Avaliação do Produto. Características do produto que devemos lançar no mercado?  Existência potencial desse produto na nossa estrutura produtiva?      Sim?  Avançar. Não?  Terminar. 3. Decisão de Criar ou não uma Marca Criar Marca se: o produto que possuímos é passível de ser vendido com sucesso no mercado.  Não criar Marca se: o produto não se adequa ao mercado.   Avançar.   Vender  a granel.  4. Criação do Conceito de Marca.   Segmentos e mercados a que se dirige?    Posicionamento da Marca. Como distribuir e colocar no mercado a marca? Testar o conceito da marca. Diferenciar e Posicionar a marca segundo um atributo específico.
Processo de Criação e Implantação de uma Marca de Vinho   5. Decisão sobre o tipo e apoio à  marca   Quantidade e tipos de marcas: produtor, distribuidor ou ambas? - Capital para investir na marca:   - Pouco capital para investir:     Marca Própria: individual, Global, famílias. Marca exclusiva ou do distribuidor. 6. Criação do nome de Marca   Qual o apelo que a marca deve fazer em função do tipo de marca pelo qual se optou? Comunicar o Posicionamento da marca. Escolha dos meios.  7. Criação da rotulagem e embalagem  Qual o valor simbólico que a marca deve transmitir em função do conceito e ocasião de consumo? Testar a embalagem e rotulagem com grupos de consumidores. 8. Negociação e Distribuição  Quem vai valorizar mais a marca? Importância a dar ao sector HORECA para desenvolver a reputação de marca?  Selecção dos distribuidores e pontos de venda. 9. Avaliação da Marca no mercado A marca está a ter o comportamento desejado em termos de sucesso comercia e notoriedade? Sim, manter. Não, reformular a marca, revendo a partir de  4.
O Processo de Planeamento Estratégico de Marketing MARKETING Fonte: Kotler, 2000
MARKETING Relação entre Auditoria, Análise SWOT e Planeamento de Marketing. Auditoria: externa interna Planeamento: objectivos estratégias tácticas/programas S.W.O.T.   Fonte: Ramos, 2001
 
 
MARKETING SITUAÇÃO FUTURA DA EMPRESA:    OBJECTIVOS PROJECÇÕES   PLANEAMENTO   SITUAÇÃO PRESENTE DA ORGANIZAÇÃO AVALIAÇÃO DOS SEUS RECURSOS AUDITORIA ESTRATÉGIAS TÁCTICAS A auditoria Suporta o Planeamento de Marketing Fonte: Ramos, 2001
As Estratégias genéricas de Porter: Segundo a classificação de Porter são propostas três estratégias competitivas genéricas: Liderança de Custos, Diferenciação, e de “Focus” (dividida em “cost focus” e “diferenciation focus”). DEFINIÇÃO DAS ESTRATÉGIAS  3.b. Foco na diferenciação 3.a. Foco no custo Alvo estreito 2. Diferenciação 1. Liderança de custos Alvo alargado Alcance Competitivo Diferenciação Custo baixo Vantagens Competitiva Estratégias genéricas de Porter
Aplicação da Matriz Estratégica de Ansoff à região do Dão  DEFINIÇÃO DAS ESTRATÉGIAS  3º Diversificação Introduzir os novos produtos nos novos mercados.  1º Desenvolvimento de Mercados Descobrir novos mercados internacionais e novos segmentos de consumidores. Novos Mercados 2º Desenvolvimento de produtos Desenvolver novos produtos na óptica do consumidor. Consolidação de mercado (já esgotada, mercado em declínio para os Vinhos Dão). Mercados existentes Novos Produtos  Produtos Existentes Matriz de Ansoff
Plano de Acção Para a Região Vitivinícola do Dão Fonte:  Inquéritos - Plano de Acção Dão
Estratégias de Marketing ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Plano de Acção Para a Região Vitivinícola do Dão Fonte:  Inquéritos - Plano de Acção Dão
                          INTERACÇÃO ENTRE O PREÇO E A PROMOÇÃO DEFINIÇÃO DAS ESTRATÉGIAS de MARKETING    PROMOÇÃO ELEVADA PROMOÇÃO REDUZIDA PREÇO ALTO Estratégia de desnatamento rápido  Estratégia de desnatamento lento PREÇO BAIXO Estratégia de penetração rápida Estratégia de penetração lenta
Marketing de Vinhos As Estratégias em Marketing de Vinhos Exemplo: Objectivo Estratégia Tácticas  Conquista de Quota de Mercado   Penetração Rápida de mercado: Maximização das Vendas 1.Redução de preços 2. Aumento da promoção 3. Incentivos aos retalhistas
Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte:  Inquéritos - Plano de Acção Dão
O CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS
                          CICLO DE VIDA DO PRODUTO Características Introdução Crescimento Maturidade  Declínio Vendas Baixas Rápido crescimento Pico Declínio Custos p. Cliente Alto Médio Baixo Baixo Lucros Negativos Crescentes Elevados Declinantes Clientes (adopção)  Inovadores 2, ½% Adoptantes imediatos 13, ½%  Maioria: imediata- 34% Posterior- 34%   Retardatários 16% Concorrentes reduzidos crescentes Estáveis  declinantes
                          Objectivos de marketing Introdução Crescimento Maturidade  Declínio Estratégias Criar consciência e experimentação  Maximizar a quota de mercado Maximizar os lucros Reduzir gastos e tirar o máximo da marca Produto Oferecer um produto básico Oferecer Ampliações do produto Diversificar marcas e modelos Eliminar modelos fracos Preço Desnatação Penetração Em função da concorrência Reduzir preços Distribuição Selectiva Intensiva Mais intensiva Eliminar locais venda Comunica-ção Construir consciência nos adoptantes e distribuidores imediatos  Construir consciência no mercado de massas Enfatizar diferenças e benefícios da marca Reduzir só para manter clientes fiéis e convictos
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Comunicação ,[object Object],[object Object],Distribuição ,[object Object],[object Object],[object Object],Preço ,[object Object],[object Object],[object Object],Produtos ,[object Object],[object Object],[object Object],Objectivos de Marketing 3ª Fase 2ª Fase 1ª Fase Ex. Plano Dão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Turismo rural 11º lh1
Turismo rural 11º lh1Turismo rural 11º lh1
Turismo rural 11º lh1mariajosantos
 
2º Aula De Vinhos Oficial
2º Aula De Vinhos Oficial2º Aula De Vinhos Oficial
2º Aula De Vinhos OficialAnderson Silva
 
Factores_condicionantes_da_pratica_agricola
Factores_condicionantes_da_pratica_agricolaFactores_condicionantes_da_pratica_agricola
Factores_condicionantes_da_pratica_agricolaHelena Saraiva
 
Urbanismo E Mobilidade Dr1
Urbanismo E Mobilidade Dr1Urbanismo E Mobilidade Dr1
Urbanismo E Mobilidade Dr1Manuel Campinho
 
O consumidor no processo de compra
O consumidor no processo de compraO consumidor no processo de compra
O consumidor no processo de compraFabiano Damiati
 
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAINSTITUTO VOZ POPULAR
 
Setores de atividade e recursos naturais
Setores de atividade e recursos naturaisSetores de atividade e recursos naturais
Setores de atividade e recursos naturaisGina Espenica
 
Introdução ao marketing
Introdução ao marketingIntrodução ao marketing
Introdução ao marketingThayse Beckner
 
A pac e a agric em portugal
A pac e a agric em portugalA pac e a agric em portugal
A pac e a agric em portugalHelena Maria
 
Comportamento do consumidor
Comportamento do consumidorComportamento do consumidor
Comportamento do consumidorcrrrs
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Idalina Leite
 
Por que planejar é preciso?
Por que planejar é preciso? Por que planejar é preciso?
Por que planejar é preciso? Adriana Ferreira
 

Mais procurados (20)

Turismo rural 11º lh1
Turismo rural 11º lh1Turismo rural 11º lh1
Turismo rural 11º lh1
 
Evolução do Marketing
Evolução do MarketingEvolução do Marketing
Evolução do Marketing
 
2º Aula De Vinhos Oficial
2º Aula De Vinhos Oficial2º Aula De Vinhos Oficial
2º Aula De Vinhos Oficial
 
Factores_condicionantes_da_pratica_agricola
Factores_condicionantes_da_pratica_agricolaFactores_condicionantes_da_pratica_agricola
Factores_condicionantes_da_pratica_agricola
 
Urbanismo E Mobilidade Dr1
Urbanismo E Mobilidade Dr1Urbanismo E Mobilidade Dr1
Urbanismo E Mobilidade Dr1
 
O consumidor no processo de compra
O consumidor no processo de compraO consumidor no processo de compra
O consumidor no processo de compra
 
Planejamento de Marketing
Planejamento de MarketingPlanejamento de Marketing
Planejamento de Marketing
 
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIAAPRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
APRESENTAÇÃO O QUE É ECONOMIA SOLIDÁRIA
 
Setores de atividade e recursos naturais
Setores de atividade e recursos naturaisSetores de atividade e recursos naturais
Setores de atividade e recursos naturais
 
Novas oportunidades para as áreas rurais
Novas oportunidades para as áreas ruraisNovas oportunidades para as áreas rurais
Novas oportunidades para as áreas rurais
 
Introdução ao marketing
Introdução ao marketingIntrodução ao marketing
Introdução ao marketing
 
Comportamento do consumidor
Comportamento do consumidorComportamento do consumidor
Comportamento do consumidor
 
Incentivo
IncentivoIncentivo
Incentivo
 
A pac e a agric em portugal
A pac e a agric em portugalA pac e a agric em portugal
A pac e a agric em portugal
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
Comportamento do consumidor
Comportamento do consumidorComportamento do consumidor
Comportamento do consumidor
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
 
Por que planejar é preciso?
Por que planejar é preciso? Por que planejar é preciso?
Por que planejar é preciso?
 
Marketing 3.0
Marketing 3.0Marketing 3.0
Marketing 3.0
 
Plano de Marketing
Plano de MarketingPlano de Marketing
Plano de Marketing
 

Destaque

Filosofia do Vinho
Filosofia do VinhoFilosofia do Vinho
Filosofia do VinhoSobre Vinho
 
Power Point Efa22003
Power Point Efa22003Power Point Efa22003
Power Point Efa22003guest34df0a
 
Apresentacao monavie janeiro 2014
Apresentacao monavie janeiro 2014Apresentacao monavie janeiro 2014
Apresentacao monavie janeiro 2014Eimy Takiya
 
Economia modernizacion del ejido maria
Economia modernizacion del ejido mariaEconomia modernizacion del ejido maria
Economia modernizacion del ejido mariaalejandra alvarez cruz
 
DESIGN AND IMPLEMENTATION OF CAMERA-BASED INTERACTIVE TOUCH SCREEN
DESIGN AND IMPLEMENTATION OF CAMERA-BASED INTERACTIVE TOUCH SCREENDESIGN AND IMPLEMENTATION OF CAMERA-BASED INTERACTIVE TOUCH SCREEN
DESIGN AND IMPLEMENTATION OF CAMERA-BASED INTERACTIVE TOUCH SCREENJournal For Research
 
POTENTIAL IN INDIA FOR USE OF SOLAR PV IN CHARGING OF ELECTRIC 2 & 3-WHEELERS
POTENTIAL IN INDIA FOR USE OF SOLAR PV IN CHARGING OF ELECTRIC 2 & 3-WHEELERSPOTENTIAL IN INDIA FOR USE OF SOLAR PV IN CHARGING OF ELECTRIC 2 & 3-WHEELERS
POTENTIAL IN INDIA FOR USE OF SOLAR PV IN CHARGING OF ELECTRIC 2 & 3-WHEELERSJournal For Research
 
Resumen. ruiz de la fuente josé ignacio.
Resumen. ruiz de la fuente josé ignacio.Resumen. ruiz de la fuente josé ignacio.
Resumen. ruiz de la fuente josé ignacio.Ignacio Ruiz
 
Disciplina Organizacao de Eventos (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 04 e 05)
Disciplina Organizacao de Eventos (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 04 e 05)Disciplina Organizacao de Eventos (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 04 e 05)
Disciplina Organizacao de Eventos (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 04 e 05)Aristides Faria
 
Pp no.-72-th-1998-ttg-pengamanan-sediaan-farmasi-dan-alat-kesehatan
Pp no.-72-th-1998-ttg-pengamanan-sediaan-farmasi-dan-alat-kesehatanPp no.-72-th-1998-ttg-pengamanan-sediaan-farmasi-dan-alat-kesehatan
Pp no.-72-th-1998-ttg-pengamanan-sediaan-farmasi-dan-alat-kesehatanNovita Prameswati
 
PTCL INITIAL PRESENTATION
PTCL INITIAL PRESENTATIONPTCL INITIAL PRESENTATION
PTCL INITIAL PRESENTATIONSaqib Shakoor
 
FABRICATION OF LM6/B4C/GR ALUMINIUM METAL MATRIX COMPOSITE
FABRICATION OF LM6/B4C/GR ALUMINIUM METAL MATRIX COMPOSITEFABRICATION OF LM6/B4C/GR ALUMINIUM METAL MATRIX COMPOSITE
FABRICATION OF LM6/B4C/GR ALUMINIUM METAL MATRIX COMPOSITEJournal For Research
 
Persépolis Celia Delgado
Persépolis   Celia DelgadoPersépolis   Celia Delgado
Persépolis Celia Delgadolauradrrey
 

Destaque (20)

Marketing de vinhos paulo mg ramos part 1
Marketing de vinhos paulo mg ramos part 1Marketing de vinhos paulo mg ramos part 1
Marketing de vinhos paulo mg ramos part 1
 
Marketing
MarketingMarketing
Marketing
 
Filosofia do Vinho
Filosofia do VinhoFilosofia do Vinho
Filosofia do Vinho
 
Power Point Efa22003
Power Point Efa22003Power Point Efa22003
Power Point Efa22003
 
Apresentacao monavie janeiro 2014
Apresentacao monavie janeiro 2014Apresentacao monavie janeiro 2014
Apresentacao monavie janeiro 2014
 
Economia modernizacion del ejido maria
Economia modernizacion del ejido mariaEconomia modernizacion del ejido maria
Economia modernizacion del ejido maria
 
DESIGN AND IMPLEMENTATION OF CAMERA-BASED INTERACTIVE TOUCH SCREEN
DESIGN AND IMPLEMENTATION OF CAMERA-BASED INTERACTIVE TOUCH SCREENDESIGN AND IMPLEMENTATION OF CAMERA-BASED INTERACTIVE TOUCH SCREEN
DESIGN AND IMPLEMENTATION OF CAMERA-BASED INTERACTIVE TOUCH SCREEN
 
Immunity
ImmunityImmunity
Immunity
 
POTENTIAL IN INDIA FOR USE OF SOLAR PV IN CHARGING OF ELECTRIC 2 & 3-WHEELERS
POTENTIAL IN INDIA FOR USE OF SOLAR PV IN CHARGING OF ELECTRIC 2 & 3-WHEELERSPOTENTIAL IN INDIA FOR USE OF SOLAR PV IN CHARGING OF ELECTRIC 2 & 3-WHEELERS
POTENTIAL IN INDIA FOR USE OF SOLAR PV IN CHARGING OF ELECTRIC 2 & 3-WHEELERS
 
Neighbors Nextdoor.com
Neighbors Nextdoor.comNeighbors Nextdoor.com
Neighbors Nextdoor.com
 
Resumen. ruiz de la fuente josé ignacio.
Resumen. ruiz de la fuente josé ignacio.Resumen. ruiz de la fuente josé ignacio.
Resumen. ruiz de la fuente josé ignacio.
 
Informe etica
Informe eticaInforme etica
Informe etica
 
Vinho e Mercado
Vinho e Mercado Vinho e Mercado
Vinho e Mercado
 
Disciplina Organizacao de Eventos (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 04 e 05)
Disciplina Organizacao de Eventos (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 04 e 05)Disciplina Organizacao de Eventos (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 04 e 05)
Disciplina Organizacao de Eventos (I) (IFSP Campus Cubatao) (aulas 04 e 05)
 
Pp no.-72-th-1998-ttg-pengamanan-sediaan-farmasi-dan-alat-kesehatan
Pp no.-72-th-1998-ttg-pengamanan-sediaan-farmasi-dan-alat-kesehatanPp no.-72-th-1998-ttg-pengamanan-sediaan-farmasi-dan-alat-kesehatan
Pp no.-72-th-1998-ttg-pengamanan-sediaan-farmasi-dan-alat-kesehatan
 
PTCL INITIAL PRESENTATION
PTCL INITIAL PRESENTATIONPTCL INITIAL PRESENTATION
PTCL INITIAL PRESENTATION
 
FABRICATION OF LM6/B4C/GR ALUMINIUM METAL MATRIX COMPOSITE
FABRICATION OF LM6/B4C/GR ALUMINIUM METAL MATRIX COMPOSITEFABRICATION OF LM6/B4C/GR ALUMINIUM METAL MATRIX COMPOSITE
FABRICATION OF LM6/B4C/GR ALUMINIUM METAL MATRIX COMPOSITE
 
Embalagens
EmbalagensEmbalagens
Embalagens
 
Persépolis Celia Delgado
Persépolis   Celia DelgadoPersépolis   Celia Delgado
Persépolis Celia Delgado
 
2017 lsm automation
2017 lsm automation2017 lsm automation
2017 lsm automation
 

Semelhante a Marketing de vinhos Dão

Apresentação para Pós em Mktg - Plano de Marketing
Apresentação para Pós em Mktg - Plano de MarketingApresentação para Pós em Mktg - Plano de Marketing
Apresentação para Pós em Mktg - Plano de MarketingBruno Marmello
 
Plano De Marketing Sensacoes Australia - Projeto PóS Em Marketing
Plano De Marketing Sensacoes Australia - Projeto PóS Em MarketingPlano De Marketing Sensacoes Australia - Projeto PóS Em Marketing
Plano De Marketing Sensacoes Australia - Projeto PóS Em Marketingdricajackson
 
Trabalho livre escrito_em_04.06.10[1].doc very
Trabalho livre escrito_em_04.06.10[1].doc veryTrabalho livre escrito_em_04.06.10[1].doc very
Trabalho livre escrito_em_04.06.10[1].doc veryverybraun
 
Data 2014 dia 09 m 9 adriano rosanelli planejamento estraegico [marketing e v...
Data 2014 dia 09 m 9 adriano rosanelli planejamento estraegico [marketing e v...Data 2014 dia 09 m 9 adriano rosanelli planejamento estraegico [marketing e v...
Data 2014 dia 09 m 9 adriano rosanelli planejamento estraegico [marketing e v...Adriano Rosanelli
 
JBS Case Friboi - Alexandre Inácio
JBS Case Friboi - Alexandre InácioJBS Case Friboi - Alexandre Inácio
JBS Case Friboi - Alexandre InácioAgroTalento
 
Marcas exclusivas - Roberto Nascimento
Marcas exclusivas - Roberto NascimentoMarcas exclusivas - Roberto Nascimento
Marcas exclusivas - Roberto NascimentoRicardo Pastore
 
Sim ic 2 inteligência competitiva - introdução
Sim ic 2 inteligência competitiva - introduçãoSim ic 2 inteligência competitiva - introdução
Sim ic 2 inteligência competitiva - introduçãoPedro Camara da Silva
 
Marketing e qualidade - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
Marketing e qualidade  - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...Marketing e qualidade  - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
Marketing e qualidade - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...Paulo Henrique Leme
 
Plano de marketing
Plano de marketingPlano de marketing
Plano de marketingPaule Caires
 
Atpsempreendedorismo 130613073712-phpapp01 (1)
Atpsempreendedorismo 130613073712-phpapp01 (1)Atpsempreendedorismo 130613073712-phpapp01 (1)
Atpsempreendedorismo 130613073712-phpapp01 (1)Christian Sousa
 
Grocery&Drinks | Enext & Campari: utilizando a força do retail media para uma...
Grocery&Drinks | Enext & Campari: utilizando a força do retail media para uma...Grocery&Drinks | Enext & Campari: utilizando a força do retail media para uma...
Grocery&Drinks | Enext & Campari: utilizando a força do retail media para uma...E-Commerce Brasil
 
Adm. Merc. E Pesquisa De Mkt Matriz
Adm. Merc. E Pesquisa De Mkt   MatrizAdm. Merc. E Pesquisa De Mkt   Matriz
Adm. Merc. E Pesquisa De Mkt Matrizguestb54373
 
[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...
[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...
[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...EloGroup
 
[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...
[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...
[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...EloGroup
 
Planejamento Requena 2011 2012
Planejamento Requena 2011 2012Planejamento Requena 2011 2012
Planejamento Requena 2011 2012SPiCOM 8
 
Planejamento de Marketing e Vendas-Aula 2-Unifran 2015
Planejamento de Marketing e Vendas-Aula 2-Unifran 2015Planejamento de Marketing e Vendas-Aula 2-Unifran 2015
Planejamento de Marketing e Vendas-Aula 2-Unifran 2015Rodrigo Dantas, PMP, Msc
 

Semelhante a Marketing de vinhos Dão (20)

Plano de acção dão
Plano de acção dãoPlano de acção dão
Plano de acção dão
 
Apresentação para Pós em Mktg - Plano de Marketing
Apresentação para Pós em Mktg - Plano de MarketingApresentação para Pós em Mktg - Plano de Marketing
Apresentação para Pós em Mktg - Plano de Marketing
 
Plano De Marketing Sensacoes Australia - Projeto PóS Em Marketing
Plano De Marketing Sensacoes Australia - Projeto PóS Em MarketingPlano De Marketing Sensacoes Australia - Projeto PóS Em Marketing
Plano De Marketing Sensacoes Australia - Projeto PóS Em Marketing
 
Clean Ton Xibom
Clean Ton XibomClean Ton Xibom
Clean Ton Xibom
 
Trabalho livre escrito_em_04.06.10[1].doc very
Trabalho livre escrito_em_04.06.10[1].doc veryTrabalho livre escrito_em_04.06.10[1].doc very
Trabalho livre escrito_em_04.06.10[1].doc very
 
Data 2014 dia 09 m 9 adriano rosanelli planejamento estraegico [marketing e v...
Data 2014 dia 09 m 9 adriano rosanelli planejamento estraegico [marketing e v...Data 2014 dia 09 m 9 adriano rosanelli planejamento estraegico [marketing e v...
Data 2014 dia 09 m 9 adriano rosanelli planejamento estraegico [marketing e v...
 
JBS Case Friboi - Alexandre Inácio
JBS Case Friboi - Alexandre InácioJBS Case Friboi - Alexandre Inácio
JBS Case Friboi - Alexandre Inácio
 
Marcas exclusivas - Roberto Nascimento
Marcas exclusivas - Roberto NascimentoMarcas exclusivas - Roberto Nascimento
Marcas exclusivas - Roberto Nascimento
 
Sim ic 2 inteligência competitiva - introdução
Sim ic 2 inteligência competitiva - introduçãoSim ic 2 inteligência competitiva - introdução
Sim ic 2 inteligência competitiva - introdução
 
Marketing e qualidade - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
Marketing e qualidade  - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...Marketing e qualidade  - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
Marketing e qualidade - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
 
Plano de marketing
Plano de marketingPlano de marketing
Plano de marketing
 
E-book Trade Marketing
E-book Trade MarketingE-book Trade Marketing
E-book Trade Marketing
 
Atpsempreendedorismo 130613073712-phpapp01 (1)
Atpsempreendedorismo 130613073712-phpapp01 (1)Atpsempreendedorismo 130613073712-phpapp01 (1)
Atpsempreendedorismo 130613073712-phpapp01 (1)
 
Grocery&Drinks | Enext & Campari: utilizando a força do retail media para uma...
Grocery&Drinks | Enext & Campari: utilizando a força do retail media para uma...Grocery&Drinks | Enext & Campari: utilizando a força do retail media para uma...
Grocery&Drinks | Enext & Campari: utilizando a força do retail media para uma...
 
Adm. Merc. E Pesquisa De Mkt Matriz
Adm. Merc. E Pesquisa De Mkt   MatrizAdm. Merc. E Pesquisa De Mkt   Matriz
Adm. Merc. E Pesquisa De Mkt Matriz
 
[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...
[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...
[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...
 
[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...
[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...
[BPM DAY RJ 2012] SERASA EXPERIAN – Desdobramento da estratégia em indicadore...
 
Planejamento Requena 2011 2012
Planejamento Requena 2011 2012Planejamento Requena 2011 2012
Planejamento Requena 2011 2012
 
empório zona sul
empório zona sulempório zona sul
empório zona sul
 
Planejamento de Marketing e Vendas-Aula 2-Unifran 2015
Planejamento de Marketing e Vendas-Aula 2-Unifran 2015Planejamento de Marketing e Vendas-Aula 2-Unifran 2015
Planejamento de Marketing e Vendas-Aula 2-Unifran 2015
 

Mais de Paulo de Matos Graça Ramos

Mais de Paulo de Matos Graça Ramos (9)

Ramos et al. bulletin oiv
Ramos et al. bulletin oivRamos et al. bulletin oiv
Ramos et al. bulletin oiv
 
Brand equity salsa vs levis
Brand equity salsa vs levisBrand equity salsa vs levis
Brand equity salsa vs levis
 
Apresentação Unbottle
Apresentação Unbottle Apresentação Unbottle
Apresentação Unbottle
 
Uk market for portuguese wines
Uk market for portuguese winesUk market for portuguese wines
Uk market for portuguese wines
 
Trends in portuguese tourism, a content analysis
Trends in portuguese tourism, a content analysis Trends in portuguese tourism, a content analysis
Trends in portuguese tourism, a content analysis
 
Wine & internet Marketing InSITE Conference Keynote Address, Museu do Douro 1...
Wine & internet Marketing InSITE Conference Keynote Address, Museu do Douro 1...Wine & internet Marketing InSITE Conference Keynote Address, Museu do Douro 1...
Wine & internet Marketing InSITE Conference Keynote Address, Museu do Douro 1...
 
Paulo ramos food & tourism a perfect linkage?
Paulo ramos food & tourism a perfect linkage? Paulo ramos food & tourism a perfect linkage?
Paulo ramos food & tourism a perfect linkage?
 
OIV ramos, et al, 2011
OIV ramos, et al, 2011OIV ramos, et al, 2011
OIV ramos, et al, 2011
 
Ramos, martins barandas (2011) a confrontation...
Ramos, martins barandas (2011) a confrontation...Ramos, martins barandas (2011) a confrontation...
Ramos, martins barandas (2011) a confrontation...
 

Marketing de vinhos Dão

  • 1. MARKETING DE VINHOS Região do Dão Paulo Matos Graça Ramos MSc Marketing, Cranfield University, UK
  • 2.
  • 3. Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão
  • 4.
  • 5. Análise ao dados Nielsen Fonte:Nielsen 47,5% valor INCIM 52,5% valor INA 26,9% volume INCIM 73,1% volume INA Quota INA e INCIM em JJ06 -2,2% valor INCIM 3,2% valor INA 0,0% volume INCIM 3,1% volume INA Variação % INA e INCIM JJ05 a JJ06
  • 6. Fonte:Nielsen -23% -15% -9% MESA NACIONAL 58% 382% -67% MESA IMPORTADO 3% 11% -7% REGIONAL TERRAS DO SADO -16% -11% -5% DOURO -2% -13% 13% RGIONAL T.M.T.DURIENSES 17% 14% 3% VERDES 56% -36% 142% REGIONAL DO MINHO -44% -10% -38% RIBATEJO 55% -1% 56% REGIONAL RIBATEJO -40% -5% -37% DÃO -24% 1% -25% BAIRRADA -16% -6% -11% REGIONAL BEIRAS 3097% 1678% 80% REGIONAL ALGARVE -22% -11% -13% VQPRD ALENTEJO -4% -1% -3% REGIONAL ALENTEJO -9% -2% -7% TOT.VINHOS QUALIDADE Variação % JJ04 a JJ06 Variação % JJ05 a JJ06 Variação % JJ04 a JJ05 Variação Valor INCIM
  • 7. Fonte:Nielsen -6,0% MESA NACIONAL -0,4% MESA IMPORTADO -2,5% REGIONAL TERRAS DO SADO 11,6% DOURO -8,8% RGIONAL T.M.T.DURIENSES 4,6% VERDES -30,1% REGIONAL DO MINHO -13,0% RIBATEJO 7,8% REGIONAL RIBATEJO -4,4% REGIONAL ESTREMADURA 3,3% DÃO -6,9% BAIRRADA -26,0% REGIONAL BEIRAS 40,4% REGIONAL ALGARVE 4,8% VQPRD ALENTEJO 10,2% REGIONAL ALENTEJO 3,2% TOT.VINHOS QUALIDADE Var % JJ05 a JJ06 Variação Valor INA
  • 15.  
  • 16.  
  • 17. Posição competitiva da Região do Dão face ás demais regiões no mercado Nacional:
  • 18.  
  • 19. -1,8% TOT.VINHOS QUALIDADE -6,22% REGIONAL ALENTEJO -4,30% BAIRRADA -4,01% DOURO -0,28% VERDES 0,67% DÃO 2,46% REGIONAL T.M.T. DURIENSES 2,78% REGIONAL RIBATEJO 5,26% REGIONAL BEIRAS 7,84% REGIONAL ESTREMADURA 9,05% REGIONAL DO MINHO 24,59% RIBATEJO Variação % Preço JJ05 a JJ06
  • 20. Fonte Nielsen: Total Anual Móvel (TAM) Julho 2004 a Julho 2005 MERCADO PORTUGUÊS DE VINHO
  • 21.
  • 22. Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte: CVRD, 2005
  • 23. Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte, CVRD, 2005
  • 24. Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte, CVRD, 2005
  • 25. Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte, CVRD, 2005
  • 26.
  • 27. Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte: Inquéritos - Plano de Acção Dão
  • 28. Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte: Inquéritos - Plano de Acção Dão
  • 29. Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte, CVRD, 2005
  • 30. Fonte: Inquéritos - Plano de Acção Dão
  • 31. Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte: Inquéritos - Plano de Acção Dão
  • 32. Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte: Inquéritos - Plano de Acção Dão
  • 33.
  • 34. O Marketing de Vinhos
  • 35.
  • 36. Marketing           Capacidades e recursos da organização Necessidades e desejos dos Consumidores adequação envolvente de Marketing       envolvente de Marketing Uma abordagem esquemática simples: capacidades de produção e tecnológica determinada pelos factores climáticos Necessidades Alimentares e culturais dos Consumidores
  • 37.
  • 38. %5 necessidades tipo adaptadas ao Vinho:  n Necessidades Expressas (o cliente diz que quer um vinho do Dão). 2 Necessidades Reais (O cliente quer um vinho de uma região conhecida e prestigiada que pode não ser especificamente Dão). Necessidades Não expressas (O cliente espera uma boa satisfação ou prestigio social através da sua escolha). 4 Necessidades de Encanto (Compra o vinho e recebe uma caixa de madeira). 5 Necessidades Secretas (O cliente quer que os seus amigos o vejam como um conhecedor de vinhos).
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43. A Cadeia de Valor do Vinho Componente Predominante: Fase do Produto: Viticultura Enologia e Marketing Enologia Marketing Marketing Marketing Cultivo e Elaboração do vinho Certificação   Distribuição / agentes Retalhistas Consumidor Entidade controladora: Produtor/ Empresa Instituições   Instituições   Mercado
  • 44. O Processo de Marketing 1. Pesquisa e Análise 2. Estratégia e Planeamento 3. Implementação de Políticas e Tácticas 4. Avaliação e Controle Geração de informação sobre o mercado e capacidades da empresa. Detectar as necessidades dos clientes. Disseminar a informação para definir e planear os objectivos e estratégias. Responder ao mercado articulando o Marketing mix: Produto, Preço, Distribuição e Promoção. Controlar e auditar as acções de Marketing e verificar os desvios entre o planeado e os resultados.
  • 45. Marketing         Conceber o produto Segmen-tação de clientes antes depois Fazer o Produto Vender o produto Procurar Fazer Preço Vender Promover publicitar Distribuir Serviço Escolher o Valor Marketing Estratégico Providenciar o valor Marketing operacional Comunicar o valor Marketing operacional Selecção de mercados Posicio-namento do valor Desenvol-vimento do produto Desenvol-vimento do serviço   Preço Procurar   Fazer Distribuir   Servir   Força de Vendas Promoção de Vendas   Publicitar
  • 46. A ORIENTAÇÃO PARA O MERCADO
  • 47. O mercado Diferentes actores/domínios do mercado 1. Recolha de informação sobre o mercado 3. Resposta no mercado A Empresa Cultura organizacional 2. Disseminação da informação na organização Orientação para o mercado
  • 48. ORIENTAÇÃO PARA O MERCADO Fonte: Inquéritos – Plano de Acção Dão Média geral: 4,50 desv pad: 1,87 4,1 15-Partilhamos recursos com outras unidades de negócio 5,0 14-Nós segmentamos os clientes onde temos oportunidade de ter vantagem competitiva 5,2 13-Os gestores de topo compreendem como todos os funcionários podem contribuir para criar valor superior para os clientes 4,5 12-Damos especial atenção ao acompanhamento dos nossos clientes ao longo do tempo 3,4 11-Os nossos gestores visitam os actuais e potenciais clientes pelo menos de três em três meses 3,8 10-Respondemos rapidamente às acções competitivas que nos ameaçam 4,0 9-Os dados da satisfação dos consumidores são distribuídos a todos os níveis nesta unidade de negócio 5,2 8-Eu acredito que este negócio existe principalmente para servir os consumidores 4,4 7-Nós somos mais centrados no consumidor do que os nossos concorrentes 3,4 6-Nós medimos o nosso serviço ao consumidor pelo menos uma vez por ano 3,5 5-Nós medimos a satisfação do consumidor pelo menos uma vez por ano 5,4 4-A nossa estratégia para obter vantagem competitiva é baseada na nossa compreensão das necessidades dos consumidores 3,7 3-Nós comunicamos todas as nossas boas ou más experiências com os consumidores a todas as áreas do negócio 5,8 2-Nós orientamos constantemente o nosso nível de compromisso e orientação para servir as necessidades dos consumidores 5,9 1-Os nossos objectivos de negócio são conduzidos prioritariamente pela satisfação do consumidor Média Orientação para o mercado dos inquiridos (escala 1-7)
  • 49.
  • 50.
  • 51.       Organização Produtora de um bem ou serviço Intermediários Colocam o produto no mercado Consumidores Adquirem o produto no mercado a. percepção sobre as preferências dos consumidores b. Percepção sobre os atributos mais importantes do bem c. percepção das preferencias dos intermediários d. atributos mais valorizados nos produtores e. Percepção das preferencias dos consumidores f. importância do local de compra Influenciadores Afectam a percepção sobre os produtos Concorrentes Rivalidade e benchmarking Fornecedores Impacto sobre a qualidade do produto final Fonte Ramos: 2005
  • 52. Os condicionantes do mercado: Modelo de Porter: Modelo de Porter: Factores que condicionam a actividade de uma organização.
  • 53. Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte: Inquéritos - Plano de Acção Dão Avaliação que os produtores inquiridos fizeram das forças de mercado:
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.  
  • 58.
  • 59.
  • 60. O PRODUTO AUMENTADO TANGÍVEL ano de colheita Garrafa Rótulo Preço Qualidade Castas O PRODUTO AUMENTADO INTANGÍVEL Prémios / Referências na imprensa Marca (nome) Região Produtor Estilo ‘ Terroir’ O PRODUTO INTRÍNSECO TANGÍVEL álcool, acidez, cor, espuma, açúcar, taninos Imagem Provas Pontos de Venda Agentes/ Distribuidores Persona - lidade do enólogo Promoção reputação do vinho Sabor Aroma OS NÍVEIS DO PRODUTO VINHO 20% do custo mas 80% Dos motivos de compra
  • 61. Marketing de Vinhos A Organização do Portfolio de produtos LINHA   Vinho Regional DOC / VQPRD Monocastas     Branco: - marca 1.1 Branco: - marca 2.1 Casta Y: Branco - marca. 4.1.   GAMA Tinto: - marca 1.2 Tinto: - marca 2.2. Casta X: tinto - marca 4.2.     Reserva branco: - marca 3.1. Casta W: tinto marca 4.3.     Reserva tinto: - marca 3.2. Casta Z: tinto - marca 4.4.
  • 62.
  • 63. Factores identificativos das marcas de vinho Factores verbais identificativos do nome de Marca Factores visuais identificativos da imagem da Marca         Nome individual         Nome do Produtor / Empresa         Estilo / Denominação de Origem         Região / Local         Castas         Ano         Logo e Símbolos         Rótulo         Lettering         Cores         Tipo de garrafa /embalagem  
  • 64. Fonte e © Ramos, 2002 Um exemplo internacional: Marca Nominal individual Chateaux Mouton-Rothschild 1ª Marca de Suporte: Tipo 1er Cru Classé 2ª Marca de Suporte: Sub-Região Pauillac 3ª Marca de Suporte: Denominação de Origem Medoc / Bordeaux 4ª Marca de Suporte : País de origem França
  • 65. Fonte e © Ramos, 2002 Tipo de Marca Grau de controle do produtor Do Produtor : vendida em vários retalhistas e distribuidores Um só rótulo Grande . Implica grande investimento na notoriedade da marca apenas por parte do produtor. Mista : do produtor mas exclusiva do distribuidor (Ex. exclusivo Pingo Doce, Selected by Tesco). Um rótulo para cada distribuidor Reduzido . Os custos de suporte da marca são divididos entre produtor e distribuidor / retalhista. Do Distribuidor (ex. Vinho do Alentejo Pingo Doce). Rótulo do distribuidor Nulo . Total controle e investimento por conta do distribuidor / retalhista.
  • 66. Estratégias de Marca Adaptado a partir de Kotler, 2004 Extensão Linha Roquevale em Bag in Box Multimarcas Marcas diferentes para o mesmo Produto. Uma marca para cada distribuidor. Extensão marca Mateus Tempranilho Novas marcas Quinta do Cardo ( por aquisição ) Nome marca Existente Nova Categoria de Produto Existente Nova
  • 67. Marketing de Vinhos Processo de Criação e Implantação de uma Marca de Vinho (Ramos, 2002) Fase Questões Opção 1. Avaliação de oportunidades no mercado   Existe espaço no mercado, evolução do consumo e da concorrência? Existem necessidades especificas não preenchidas nos consumidores? Seguir novas tendências ou produtos tradicionais. Mercado de massas ou nichos. 2. Avaliação do Produto. Características do produto que devemos lançar no mercado? Existência potencial desse produto na nossa estrutura produtiva?     Sim? Avançar. Não? Terminar. 3. Decisão de Criar ou não uma Marca Criar Marca se: o produto que possuímos é passível de ser vendido com sucesso no mercado. Não criar Marca se: o produto não se adequa ao mercado.   Avançar.   Vender a granel. 4. Criação do Conceito de Marca.   Segmentos e mercados a que se dirige?   Posicionamento da Marca. Como distribuir e colocar no mercado a marca? Testar o conceito da marca. Diferenciar e Posicionar a marca segundo um atributo específico.
  • 68. Processo de Criação e Implantação de uma Marca de Vinho 5. Decisão sobre o tipo e apoio à marca   Quantidade e tipos de marcas: produtor, distribuidor ou ambas? - Capital para investir na marca:   - Pouco capital para investir:     Marca Própria: individual, Global, famílias. Marca exclusiva ou do distribuidor. 6. Criação do nome de Marca   Qual o apelo que a marca deve fazer em função do tipo de marca pelo qual se optou? Comunicar o Posicionamento da marca. Escolha dos meios. 7. Criação da rotulagem e embalagem Qual o valor simbólico que a marca deve transmitir em função do conceito e ocasião de consumo? Testar a embalagem e rotulagem com grupos de consumidores. 8. Negociação e Distribuição Quem vai valorizar mais a marca? Importância a dar ao sector HORECA para desenvolver a reputação de marca? Selecção dos distribuidores e pontos de venda. 9. Avaliação da Marca no mercado A marca está a ter o comportamento desejado em termos de sucesso comercia e notoriedade? Sim, manter. Não, reformular a marca, revendo a partir de 4.
  • 69. O Processo de Planeamento Estratégico de Marketing MARKETING Fonte: Kotler, 2000
  • 70. MARKETING Relação entre Auditoria, Análise SWOT e Planeamento de Marketing. Auditoria: externa interna Planeamento: objectivos estratégias tácticas/programas S.W.O.T.   Fonte: Ramos, 2001
  • 71.  
  • 72.  
  • 73. MARKETING SITUAÇÃO FUTURA DA EMPRESA:   OBJECTIVOS PROJECÇÕES PLANEAMENTO SITUAÇÃO PRESENTE DA ORGANIZAÇÃO AVALIAÇÃO DOS SEUS RECURSOS AUDITORIA ESTRATÉGIAS TÁCTICAS A auditoria Suporta o Planeamento de Marketing Fonte: Ramos, 2001
  • 74. As Estratégias genéricas de Porter: Segundo a classificação de Porter são propostas três estratégias competitivas genéricas: Liderança de Custos, Diferenciação, e de “Focus” (dividida em “cost focus” e “diferenciation focus”). DEFINIÇÃO DAS ESTRATÉGIAS 3.b. Foco na diferenciação 3.a. Foco no custo Alvo estreito 2. Diferenciação 1. Liderança de custos Alvo alargado Alcance Competitivo Diferenciação Custo baixo Vantagens Competitiva Estratégias genéricas de Porter
  • 75. Aplicação da Matriz Estratégica de Ansoff à região do Dão DEFINIÇÃO DAS ESTRATÉGIAS 3º Diversificação Introduzir os novos produtos nos novos mercados. 1º Desenvolvimento de Mercados Descobrir novos mercados internacionais e novos segmentos de consumidores. Novos Mercados 2º Desenvolvimento de produtos Desenvolver novos produtos na óptica do consumidor. Consolidação de mercado (já esgotada, mercado em declínio para os Vinhos Dão). Mercados existentes Novos Produtos Produtos Existentes Matriz de Ansoff
  • 76. Plano de Acção Para a Região Vitivinícola do Dão Fonte: Inquéritos - Plano de Acção Dão
  • 77.
  • 78. Plano de Acção Para a Região Vitivinícola do Dão Fonte: Inquéritos - Plano de Acção Dão
  • 79.                           INTERACÇÃO ENTRE O PREÇO E A PROMOÇÃO DEFINIÇÃO DAS ESTRATÉGIAS de MARKETING   PROMOÇÃO ELEVADA PROMOÇÃO REDUZIDA PREÇO ALTO Estratégia de desnatamento rápido Estratégia de desnatamento lento PREÇO BAIXO Estratégia de penetração rápida Estratégia de penetração lenta
  • 80. Marketing de Vinhos As Estratégias em Marketing de Vinhos Exemplo: Objectivo Estratégia Tácticas Conquista de Quota de Mercado   Penetração Rápida de mercado: Maximização das Vendas 1.Redução de preços 2. Aumento da promoção 3. Incentivos aos retalhistas
  • 81. Diagnóstico da Região Vitivinícola do Dão Fonte: Inquéritos - Plano de Acção Dão
  • 82. O CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS
  • 83.                           CICLO DE VIDA DO PRODUTO Características Introdução Crescimento Maturidade Declínio Vendas Baixas Rápido crescimento Pico Declínio Custos p. Cliente Alto Médio Baixo Baixo Lucros Negativos Crescentes Elevados Declinantes Clientes (adopção) Inovadores 2, ½% Adoptantes imediatos 13, ½% Maioria: imediata- 34% Posterior- 34% Retardatários 16% Concorrentes reduzidos crescentes Estáveis declinantes
  • 84.                           Objectivos de marketing Introdução Crescimento Maturidade Declínio Estratégias Criar consciência e experimentação Maximizar a quota de mercado Maximizar os lucros Reduzir gastos e tirar o máximo da marca Produto Oferecer um produto básico Oferecer Ampliações do produto Diversificar marcas e modelos Eliminar modelos fracos Preço Desnatação Penetração Em função da concorrência Reduzir preços Distribuição Selectiva Intensiva Mais intensiva Eliminar locais venda Comunica-ção Construir consciência nos adoptantes e distribuidores imediatos Construir consciência no mercado de massas Enfatizar diferenças e benefícios da marca Reduzir só para manter clientes fiéis e convictos
  • 85.