SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO EDUCACIONAL GLOBINHO – CEG
PROJETO – FEIRADE CULTURA
Realização da Feira de Cultura: 27/10
Participantes: alunos da Ed Infantil e Ens. Fundamental
JUSTIFICATIVA
O povo brasileiro é produto da miscigenação das três etnias (Branco europeu, índio e afro) que a
formaram, mas que a visão eurocêntrica dominou nossa sociedade relegando e escondendo as
contribuições que os demais povos tiveram em nossa sociedade. Sendo inquestionável todas as heranças
que foram incorporadas a vida dos brasileiros através da miscigenação e que hoje fazem parte do nosso
dia a dia.
Os índios que aqui existiam e os negro trazidos de vários locais do continente africano, que no
contato com o branco europeu português, deixaram significativas contribuições socioculturais que foram
incorporadas a vida dos brasileiros e pouco reconhecido, seja na arte, cultura, vocabulário, alimentos e
outros inúmeros hábitos, que enriqueceram o povo brasileiro. Nada mais justo que reconhecer diante da
história a importância que essas duas etnias tiveram para forma o povo brasileiro com sua inquestionável
riqueza e que hoje precisa uma reflexão sobre essas falta de reconhecimento e o preconceito que sofrem.
Quando falamos em formação do povo brasileiro, temos que considerar os vários personagens que
fazem parte dessa longa história. O povo brasileiro é marcado pela questão da diversidade de cores,
fisionomias, tradições e costumes que atestam a riqueza da população que ocupa todo esse território•.
Pensando nessa diversidade, temos como proposta para esse projeto cultural, mostrar aos nossos alunos
os principais povos que contribuíram com a formação da sociedade brasileira.
OBJETIVO GERAL
Apresentar aos nossos alunos a trajetória desses povos, destacando algumas comunidades indígenas,
chegada dos portugueses, negros, italianos e japoneses (imigrantes) ao Brasil, e como esses povos
deixaram suas identidades históricas e culturais em nosso país.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
. Destacar a formação de algumas comunidades indígenas que se espalharam em pontos distintos do
território brasileiro; mostrar como viviam e como vivem nos dias de hoje;
. Destacar as principais contribuições culturais dos índios na alimentação, nos costumes, na música e na
arte;
. A chegada dos portugueses ao Brasil; o motivo que levou esse povo a se instalar nas terras brasileiras;
. A influência africana nos costumes e nas crenças;
. A chegada dos imigrantes ao Brasil;
. A cultura dos italianos e a contribuição nos hábitos e costumes do povo brasileiro.
. A cultura dos japoneses e a contribuição nos hábitos e costumes do povo brasileiro.
SUGESTÕESDE ATIVIDADES A SEREM REALIZADAS:
 Confecção de artes envolvendo as várias culturas,
Músicas envolvendo os ritmos trazidos pelos povos;
Culinária;
Curiosidades envolvendo cada época;
Coreografia para a apresentação da feira (cada turma representando um povo);
Criar um figurino para cada turma;
 Produção de textos elaborados pelas crianças;
Murais envolvendo o tema nos dois segmentos.
Literatura envolvendo o tema.
 Construção de uma máscara africana;
 Construção e de bonecas africana;
 Construção de Construção;
 Confecção artesanatos africanos e indígenas (colares, brincos e anéis);
Temas que serão abordados em cada cultura:
. Contribuição cultural (costumes, crenças e hábitos)
. Contribuição na culinária (tipos de alimentos que tiveram influência desses povos)
. A arte indígena, africana, portuguesa, Italiana e japonesa.
AVALIAÇÃO
A participação dos alunos no projeto é obrigatória. Os trabalhos realizados, como também a participação
no dia da feira serão avaliados (será considerado o envolvimento dos alunos, o compromisso com as
datas na entrega dos trabalhos e a participação na feira).
Disciplinas envolvidas: Ed. Infantil: Linguagem, Natureza e Sociedade.
Ensino Fundamental: Português, História, Ciências, Geografia, Artes, Cultura brasileira, Ética e
Cidadania, Inglês, Espanhol, Matemática e Geometria.
Stands:
1- ( Educação Infantil) Os povos indígenas: culinária, língua, religião, medicina, arte...
2- ( 1º e 2º ano) Os povos africanos: origem, língua, culinária, arte...
3- ( 3º e 4º) Os povos africanos: música, dança a religião...
4- ( 6º ano – prof. Fabrício, Luciene e Mara ) Os povos europeus: Português – origem, língua,
religião, culinária, música...
5- ( 9º ano – prof. Fernanda, Isamara e Vagner) Os povos europeus: Italiana – origem, língua,
religião, culinária, música...
6- ( 7º, 8º e 5º ano – prof. Lívia, Suzy e Vilma) Os povos europeus: Japonesa- origem, língua,
religião, culinária...
Referências de apoio a pesquisa:
http://cafepasa.blogspot.com.br/2013_09_01_archive.html
Arte
A áfrica caracteriza-se pela diversidade cultural. Sua história é rica e está intimamente ligada a história do
Brasil. Os negros são parte integrante do povo brasileiro, não dá para falar de formação do povo brasileiro
sem os negros, pois, a nossa cultura está alicerçada nas tradições africanas. A disciplina de arte busca
resgatar alguns aspectos da cultura africana, através de textos informativos, slides, apreciação de
imagens, vídeos, reprodução e releitura de obras relacionadas a cultura africana como por exemplo as
obras de Di Cavalcanti.
Produções Plásticas:
a) Reprodução de imagens;
b) Confecção de máscaras;
c) Elaboração de cartazes;
d) Criação de composições figurativas, aplicando a elas texturas;
e) Apreciação de vídeo e músicas...
Cultura Indígena
A arte está presente em cada momento da vida dos povos indígenas do mundo todo. Em cada objeto, em
cada ritual, em cada gesto, a arte surge, expressão de força e conexão com o mundo místico e espiritual.
A beleza está presente como atributo divino. Toda cultura dos povos indígenas está carregado de
princípios e objetivos, de valores estéticos e sociais.
a) Apreciação de slides;
b) Aplicação de grafismo indígena em composições figurativas;
c) Arte plumária: cocar;
d) Pintura corporal: pigmentos naturais;
e) Composição tridimensional: Oca;
f) Música e dança: Iaiá
g) Dobradura.
Ciências/Biologia
Ambas as disciplinas contemplam as relações étnico-raciais e o ensino de história e cultura afro-brasileira
e africana e indígena as possíveis temáticas.
a) Estudo sobre as teorias antropológicas;
b) Desmistificação as teorias racistas, destituindo de significado a pseudo-superioridade racial;
c) Contribuição dos povos da África e seus descendentes para os avanços da Ciência e da Tecnologia e
do indígena no uso das ervas medicinais;
d) Análise de doenças mais comuns entre os afrodescendentes e os indígenas e o índice de
desenvolvimento humano entre esses grupos étnicos.
Educação Física
Na disciplina de Educação Física pode ser trabalhada os seguintes temas sobre a Cultura Afro-Brasileira,
Africana e Indígena:
a) Descrever o que é e quais são as danças afro-brasileira e indígenas;
b) Investigar a dança afro-brasileira, usada pra promover a identidade racial;
c) A dança afro-brasileira e suas vertentes: ritmos, instrumentos, movimentos e símbolos próprios. A força
dos seus movimentos;
d) Apresentar a dança afro-brasileira como capaz de resgatar a identidade cultural e promover a
interdisciplinaridade;
e) Origem e aspectos históricos da capoeira bem como a contextualização da cultura afrobrasileira e o
conteúdo do tráfico negreiro;
f) Apresentação de manifestações afro-brasileira e indígenas dançantes;
g) O jogo é jogado e a cidadania é negada; os segredos do corpo; Capoeira: jogo, luta ou dança?
h) Corpo: Som e movimento – redescobrir brinquedos cantados na africanidade brasileira;
i) A desconstrução do preconceito racial presente nos esportes provocar a desconstrução do mesmo a
partir das vozes, dos gestos, olhares e performances dos alunos;
j) Atividades relacionadas a cultura afro-brasileira e indígenas importantes que contribuem para o
rompimento de barreiras sociais, a autonomia dos indivíduos através do conhecimento sobre suas raízes,
sua história e suas linguagens.
k) As formas culturais relacionadas aos conflitos, a resistência, a rejeição, a superação e a exclusão,
próprios do seu passado histórico e de suas vivências culturais;
l) A cultura afro-brasileira através de aulas de Capoeira, Dança afro-brasileira, filmes, textos, canções
populares e reportagens;
m) Atividades que promovam a preservação dos valores culturais e sociais decorrentes da influência
negra na formação da sociedade brasileira, potencialização no processo de desenvolvimento social,
político e econômico da sociedade tornando-os capazes de identificar, compreender e assumir suas
origens, e a partir delas afirmar sua identidade e sua cidadania.
Ensino Religioso
A disciplina de Ensino Religioso tem fundamental importância na formação moral e ética dos indivíduos,
também como propagadora da cultura afro-brasileira, africana e indígena. Índios, negros e brancos com
suas culturas são os responsáveis pelo desenvolvimento do povo brasileira, graças a esta cultura bem
diversificada, nas religiões do Brasil podem ser verificadas diferenças envolvendo o catolicismo, em
comparação a diferentes países da América Latina. No Brasil o sincretismo religioso remete aos índios,
depois brancos e negros e hoje somos um povo miscigenado pertencente a várias raças e etnias, também,
várias religiões. O Brasil é um caso clássico, onde as pessoas e as religiões convivem harmonicamente,
favorecido por todas as religiões como possibilidade da promoção da cultura da paz, e na reestruturação
do ensino religioso uma grande possibilidade para alcançar este objetivo. Estudo sobre a influência das
celebrações religiosas das tradições afro na cultura do Brasil. Temas da cultura afro-brasileira, africana e
indígena na disciplina de Ensino Religioso:
a) O sentido da morte e da vida nas religiões de matriz africana;
b) A relação entre os educando de origem africana e afro-brasileira envolvidos com a religião de matriz
africana e os outros educando de matriz cristã;
c) O céu e o inferno – o AYÊ e o ORun;
d) Pesquisar as religiões de matrizes africanas no Brasil: Candomblé, o Batuque, a Jurema. Tambor de
Mina; a Umbanda na fé; a Nação Xambá, etc.
e) Estudos dos Orixás, dos Caboclos, dos Pretos Velhos; das Entidades; dos Encantados e dos Inkisis;
f) Incentivar o diálogo entre as religiões na sala de aula, seus valores, seus fazeres, seus saberes, seus
quereres;
g) Estudo de outras religiões de matriz cristã e outras matrizes. Depois da pesquisa, e do trabalho
discutido em sala de aula, sugere-se que os alunos façam visitas a diferentes templos.
Filosofia
Enquanto o povo brasileiro não tiver acesso ao conhecimento de sua própria história, a escravidão
intelectual e a cultural se manterão no país. A história e a cultura dos povos indígenas, europeus e
africanos precisam ser mostradas com enfoque onde o respeito, A valorização humana, o reconhecimento
das contribuições fornecidas a este país, seus trabalhos e suas lutas sejam realçados, valorizadas,
trabalhadas e principalmente, compreendidas. A participação do negro na construção da história e da
cultura riquíssima desta nação está registrada em livros. A mão de obra escrava, indígena, mestiça e
imigrante na produção de riquezas, nas construções das vilas, na luta, e conquista em diferentes fases
históricas deste país, é ignorada ou desprezada. A diversidade religiosa contempla todas as religiões,
cultos e seitas. É comum encontrar em famílias numerosas, diversas filosofias religiosas de diferentes
credos. Todos convivem em harmonia, respeito ou tolerância. Nos quilombos muitos índios se juntaram
aos africanos para se protegerm da dominação do “homem branco”. Novamente mais um elemento se une
a esta cultura em formação, pois a religiosidade africana é manifestada no culto a natureza, o que não
difere muito das religiosidade indígena. Além disso, o índio conhece o território, bem como sua flora e
fauna, sendo grande conhecedor da medicina natural. Tudo favoreceu mais um sincretismo, porque o
africano precisa cultuar a natureza local com elementos locais que forma integrados através do índio.
Surge o culto a natureza brasileira com rituais africanos. Toda essa história envolve a filosofia do trabalho
no decorrer do ano onde os temas: as crenças, as imaginações, a religião e o pensamento, o
conhecimento empírico e as ciências, a ética, a razão, a ignorância e a verdade e a liberdade,
reconstruindo padrões de beleza na estética, a cultura e as artes deste povo. Estes temas serão
trabalhados em forma de pesquisa, teatro, danças e canções, seminários e filmes.
Geografia
A geografia como ciência cujo objetivo é o espaço geográfico e suas inter-relações, cabe ao professor
desta disciplina tratar também dos seguintes contextos:
a) A África, os africanos e a população brasileira hoje;
b) Estudos de legenda, orientação, escala; no globo e nos mapas, sobretudo no qual se refere ao
continente africano;
c) Estudos da distribuição do ser humano na terra, no Brasil e no mundo;
d) Como foi a chegada dos portugueses ao Brasil;
e) Como os negros foram trazidos para cá (os portos de chegada);
f) Qual o caminho marítimo percorrido pelos negros na trajetória que fizeram da África ao Brasil;
g) Como estão organizados hoje os Quilombos no Brasil, mapeando das principais aglomerações
indígenas e negras no Brasil. Os quilombos, as tribos e comunidades negras, os remanescentes
quilombolas, suas reservas, as reservas indígenas e afro-indígenas. “Os estudos dos espaços físicos e
dos espaços humanos que se constroem a partir dele, requer que se tenha como referencia o Espaço do
Cidadão e a Natureza do Espaço, pois a Geografia sob o ponto de vista dos empobrecidos e
marginalizados e, no caso do Brasil, a maioria dos descendentes de africanos se encontram entre eles”.
História
Na disciplina de História destacaremos a valorização da cultura afro-brasileira e indígena, suas
contribuições ao povo brasileiro.
a) Ressaltando as visões equivocadas atribuídas a personagens da história africana e indígena;
b) Relacionar a importância dos personagens ontem e hoje no contexto histórico. Divulgando as ideias dos
personagens que viveram em determinada época (pensamentos filosóficos).
c) Pesquisa historiográfica de acontecimentos que marcaram a cultura dos povos africanos (Revolta da
Chibata, história dos povos africanos, abolição da escravatura – 1888)
d) Utilizar recursos audiovisuais, como recorte de filmes, música e imagem, para melhorar o processo de
ensino aprendizagem.
e) Produção de textos e poesias com referência aos temas trabalhados.
Língua Portuguesa / Língua Estrangeira
a) Estudo e pesquisa sobre os países que falam a língua portuguesa;
b) Comparação e diferenças do português falado e escrito;
c) Tipos de alimentação de origem africana;
d) Vocábulos de origem africana;
e) Ritmos musicais;
f) Influência religiosas;
g) Estudos das Leis 10.639/03 e 11.645/08;
h) Poesias que enfoquem o racismo;
i) Contos de origem africana;/
j) Debates: o racismo no Brasil; a presença dos negros na mídia; cotas raciais; mercado de trabalho. k)
Termo pejorativo atribuído ao negro;
l) Estudo de obras literárias de escritores negros: Cruz e Souza; Lima Barreto; Machado de Assis; Castro
Alves.
m) Ler e interpretar músicas relacionadas a questão racial;
n) Produção de poesias e de texto dissertativo/argumentativo relacionado ao povo afrodescendente e sua
cultura;
o) Análise de pinturas de obras que retratam a figura do negro.
p) Sugestões de filmes: O jardineiro fiel; Para salvar uma vida; Um sonho possível; Escritores da
Liberdade; O poder de um jovem; No balanço do amor; Meu mestre, minha vida; Vista a minha pele.
Matemática
Na disciplina de Matemática a sugestão de trabalho são jogos praticados pelos índios ou africanos que
envolvam o raciocínio lógico e explorem a geometria (ângulos, rotação, translação, simetria, figuras), que
poderão ser trabalhados abordando os temas da cultura afro descendente e indígena, ale, da estatística
na pesquisa de dados, construção de tabelas e análise de gráficos. É necessário que os estudantes sejam
capazes de analisar e refletir sobre a cultura afro-brasileira e indígena e as situações de desigualdade
vivenciadas pelos negros e pelos índios no Brasil. É através de informações e dados que lhes serão
reveladas as causas e como se originou essa cultura discriminatória. Os jogos deverão ser trabalhados
dentro do contexto histórico como exemplo:
O jogo Shisima, um jogo de três alinhados, jogado pelas crianças da parte ocidental do Quênia. Na língua
tiriki, a palavra shisima quer dizer “extensão de água”, eles chamam as peças de imbalavali ou pulgas
d’água. Além da investigação sobre o jogo (histórico, regras...) como a construção do tabuleiro é possível
explorar conceitos matemáticos de geometria (raio, diâmetro, círculo, circunferência...) frações, medidas.
O jogo da onça conhecido pelos Baroros como adugo e pelos Guaranis com jaguá ixive, é um jogo de
estratégia conhecido em várias partes do mundo, o aluno poderá construir o jogo usando seus
conhecimentos na área da geometria. Nos países nórdicos, ele é chamado de “raposas e gansos”, no
Nepal, bhaga chal; na Índia Lau kati kata. Aqui na América, ele era jogado pelo antigo poço Inca, no Peru.
A diferença básica entre todos eles são as peças do jogo. No Peru, as peças representam o puma (uma
onça muito comum nos Andes) e os carneiros. Na Índia, tigre e cabras. E aqui no Brasil, a onça e os
cachorros. Segundo alguns historiadores esse jogo já era conhecido pelos índios brasileiros antes da
chegada de Cabral ao Brasil. É um jogo para duplas: um fica com a peça que representa a onça e outros
com as peças dos cachorros. Para vencer o jogador com a onça deve capturar cinco cachorros e o
jogador com os cachorros deve encurralar a onça.
Jogo:
Use dois tipos de peças, uma representando a onça e 14 peças para os cachorros. Um jogador fica com a
onça e o outro com os cachorros; O jogador com a onça deve capturar cinco cachorros. O jogador com os
cachorros deve encurralar a onça, deixando-a sem possibilidade de se mover no tabuleiro. O jogador com
os cachorros não pode capturar a onça, deve apenas imobilizá-la. O jogador com a onça inicia a partida
movendo sua peça para qualquer casa adjacente que esteja vazia. Em seguida, o jogador com os
cachorros deve mover qualquer uma de suas peças também para uma casa adjacente que esteja vazia.
As peças podem se mover em qualquer direção. A onça deve tomar cuidado para não entrar em sua toca
(parte triangular do tabuleiro). Caso isso aconteça, ela será encurralada pelos cachorros. A onça captura
um cachorro quando salta sobre ele para uma casa vazia (como no jogo de damas). A captura pode
ocorrer em qualquer sentido. O jogador pode fazer mais de uma captura se for possível (também como no
jogo de damas). Os jogadores alternam as jogadas até um dos dois vender a partida. Vence a partida
quando o jogador com a onça captura cinco cachorros e quando o jogador com os cachorros consegue
imobilizar a onça.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Didática Projeto Diversidade
Didática Projeto DiversidadeDidática Projeto Diversidade
Didática Projeto Diversidade
juliana_rebelo
 
PDF:Projeto Interdisciplinar com músicas- Vem cantar comigo! – Pronta para im...
PDF:Projeto Interdisciplinar com músicas- Vem cantar comigo! – Pronta para im...PDF:Projeto Interdisciplinar com músicas- Vem cantar comigo! – Pronta para im...
PDF:Projeto Interdisciplinar com músicas- Vem cantar comigo! – Pronta para im...
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Plano de Aula de Artes.docx
Plano de Aula de Artes.docxPlano de Aula de Artes.docx
Plano de Aula de Artes.docx
GiovannaOliveira436544
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Prof. Noe Assunção
 
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamentalConteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
josivaldopassos
 
Projeto combate a dengue escola nascimento leal
Projeto combate a dengue   escola nascimento lealProjeto combate a dengue   escola nascimento leal
Projeto combate a dengue escola nascimento leal
Fabiola Oliveira
 
Avaliação arte musica
Avaliação arte musicaAvaliação arte musica
Avaliação arte musica
Atividades Diversas Cláudia
 
Avaliação para o 7º ano
Avaliação para o 7º anoAvaliação para o 7º ano
Avaliação para o 7º ano
Andreza Andrade
 
Projeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em Comunidade
Projeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em ComunidadeProjeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em Comunidade
Projeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em Comunidade
Vania Brasileiro
 
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.docAtividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
Atividades Diversas Cláudia
 
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regularRelatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Nethy Marques
 
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
SimoneHelenDrumond
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
Edson Salgado Ávella
 
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe AssunçãoPLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Danças regionais
Danças regionaisDanças regionais
Danças regionais
Atividades Diversas Cláudia
 
Grafite - Arte nas paredes e nos muros
   Grafite - Arte nas paredes e nos muros   Grafite - Arte nas paredes e nos muros
Grafite - Arte nas paredes e nos muros
Mary Alvarenga
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
quituteira quitutes
 
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumondAtividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Sequencia didatica arte
Sequencia didatica arteSequencia didatica arte
Sequencia didatica arte
Emanoel Jackson Lisboa
 
Apostila de Arte Ensino Fundamental I
Apostila de Arte Ensino Fundamental IApostila de Arte Ensino Fundamental I
Apostila de Arte Ensino Fundamental I
Eliane Sanches
 

Mais procurados (20)

Didática Projeto Diversidade
Didática Projeto DiversidadeDidática Projeto Diversidade
Didática Projeto Diversidade
 
PDF:Projeto Interdisciplinar com músicas- Vem cantar comigo! – Pronta para im...
PDF:Projeto Interdisciplinar com músicas- Vem cantar comigo! – Pronta para im...PDF:Projeto Interdisciplinar com músicas- Vem cantar comigo! – Pronta para im...
PDF:Projeto Interdisciplinar com músicas- Vem cantar comigo! – Pronta para im...
 
Plano de Aula de Artes.docx
Plano de Aula de Artes.docxPlano de Aula de Artes.docx
Plano de Aula de Artes.docx
 
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.Projeto de Vida. Atividade 2  identidade.
Projeto de Vida. Atividade 2 identidade.
 
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamentalConteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
 
Projeto combate a dengue escola nascimento leal
Projeto combate a dengue   escola nascimento lealProjeto combate a dengue   escola nascimento leal
Projeto combate a dengue escola nascimento leal
 
Avaliação arte musica
Avaliação arte musicaAvaliação arte musica
Avaliação arte musica
 
Avaliação para o 7º ano
Avaliação para o 7º anoAvaliação para o 7º ano
Avaliação para o 7º ano
 
Projeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em Comunidade
Projeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em ComunidadeProjeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em Comunidade
Projeto Direitos Humanos: da Sala de Aula à Convivência em Comunidade
 
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.docAtividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre  familia.doc
Atividade interdisciplinar portugues ensino religioso sobre familia.doc
 
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regularRelatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
 
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
Aluna com dificuldade e baixo rendimento escolar1
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
 
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe AssunçãoPLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof.  Noe Assunção
PLANO DE AULA- CONTRA A VIOLÊNCIA EU MOSTRO A MINHA CARA- Prof. Noe Assunção
 
Danças regionais
Danças regionaisDanças regionais
Danças regionais
 
Grafite - Arte nas paredes e nos muros
   Grafite - Arte nas paredes e nos muros   Grafite - Arte nas paredes e nos muros
Grafite - Arte nas paredes e nos muros
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumondAtividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumond
 
Sequencia didatica arte
Sequencia didatica arteSequencia didatica arte
Sequencia didatica arte
 
Apostila de Arte Ensino Fundamental I
Apostila de Arte Ensino Fundamental IApostila de Arte Ensino Fundamental I
Apostila de Arte Ensino Fundamental I
 

Destaque

Produção pedagógica sobre a internet e o ensino da história e cultura afr...
Produção  pedagógica sobre  a  internet e o ensino da  história e cultura afr...Produção  pedagógica sobre  a  internet e o ensino da  história e cultura afr...
Produção pedagógica sobre a internet e o ensino da história e cultura afr...
culturaafro
 
Projeto feira de ciências
Projeto feira de ciênciasProjeto feira de ciências
Projeto feira de ciências
Ailton Gordiano
 
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptxProjeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Cycyro Soares
 
Manual de atividades práticas
Manual de atividades práticasManual de atividades práticas
Manual de atividades práticas
Jéssica Rodrigues'
 
Projeto consciência negra
Projeto consciência negraProjeto consciência negra
Projeto consciência negra
fragaeliomarermelinda
 
Projeto Dengue
Projeto Dengue Projeto Dengue

Destaque (6)

Produção pedagógica sobre a internet e o ensino da história e cultura afr...
Produção  pedagógica sobre  a  internet e o ensino da  história e cultura afr...Produção  pedagógica sobre  a  internet e o ensino da  história e cultura afr...
Produção pedagógica sobre a internet e o ensino da história e cultura afr...
 
Projeto feira de ciências
Projeto feira de ciênciasProjeto feira de ciências
Projeto feira de ciências
 
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptxProjeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
 
Manual de atividades práticas
Manual de atividades práticasManual de atividades práticas
Manual de atividades práticas
 
Projeto consciência negra
Projeto consciência negraProjeto consciência negra
Projeto consciência negra
 
Projeto Dengue
Projeto Dengue Projeto Dengue
Projeto Dengue
 

Semelhante a Projeto feira de cultura

ENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileira
ENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileiraENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileira
ENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileira
PROENEM - Unicruz
 
Paper africa
Paper africaPaper africa
Paper africa
barbaramartinez2016
 
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdfRaizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
Maria Claudia F.Graca
 
Atividades arte e cultura brasileira
Atividades arte e cultura brasileiraAtividades arte e cultura brasileira
Atividades arte e cultura brasileira
Atividades Diversas Cláudia
 
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
gisele picolli
 
Projeto Afro 2023.doc
Projeto Afro 2023.docProjeto Afro 2023.doc
Projeto Afro 2023.doc
EscolaMunicipalMaria16
 
Slide africa
Slide africaSlide africa
Slide africa
barbaramartinez2016
 
Prancha três conceitos e imagens
Prancha três conceitos e imagensPrancha três conceitos e imagens
Prancha três conceitos e imagens
Instituto Estadual Nossa Senhora do Carmo
 
20171030120022
2017103012002220171030120022
20171030120022
Delso De Jesus Cardoso
 
Resam
ResamResam
Cultura indígena e cultura afro uma reflexão histórica
Cultura indígena e cultura afro uma reflexão históricaCultura indígena e cultura afro uma reflexão histórica
Cultura indígena e cultura afro uma reflexão histórica
Wesly Alves de Sá
 
A Influência Afro na Cultura Brasileira - Profs. Bráulio, Adão e Maria Helena
A Influência Afro na Cultura Brasileira - Profs. Bráulio, Adão e Maria HelenaA Influência Afro na Cultura Brasileira - Profs. Bráulio, Adão e Maria Helena
A Influência Afro na Cultura Brasileira - Profs. Bráulio, Adão e Maria Helena
Alexandre da Rosa
 
áFrica 2012
áFrica 2012áFrica 2012
áFrica 2012
Arlete Monteiro
 
A influência africana
A influência africanaA influência africana
A influência africana
Ana Roberta Souza
 
História e cultura afro brasileira e indígena
História e cultura afro brasileira e indígenaHistória e cultura afro brasileira e indígena
História e cultura afro brasileira e indígena
Valeria Santos
 
Adm 2012 cultura
Adm 2012 culturaAdm 2012 cultura
Adm 2012 cultura
Moises Antunes
 
Cultura na Colônia.ppt
Cultura na Colônia.pptCultura na Colônia.ppt
Cultura na Colônia.ppt
bernardoborges
 
Salvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do BrasilSalvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do Brasil
grupo102017
 
Cultura afroeindigena
Cultura afroeindigenaCultura afroeindigena
Cultura afroeindigena
Anny Caroline
 
slides formação da população brasileira.pdf
slides formação da população brasileira.pdfslides formação da população brasileira.pdf
slides formação da população brasileira.pdf
StfaniSousa1
 

Semelhante a Projeto feira de cultura (20)

ENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileira
ENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileiraENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileira
ENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileira
 
Paper africa
Paper africaPaper africa
Paper africa
 
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdfRaizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
 
Atividades arte e cultura brasileira
Atividades arte e cultura brasileiraAtividades arte e cultura brasileira
Atividades arte e cultura brasileira
 
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
241642272 1-cutura-material-e-imaterial-pdf
 
Projeto Afro 2023.doc
Projeto Afro 2023.docProjeto Afro 2023.doc
Projeto Afro 2023.doc
 
Slide africa
Slide africaSlide africa
Slide africa
 
Prancha três conceitos e imagens
Prancha três conceitos e imagensPrancha três conceitos e imagens
Prancha três conceitos e imagens
 
20171030120022
2017103012002220171030120022
20171030120022
 
Resam
ResamResam
Resam
 
Cultura indígena e cultura afro uma reflexão histórica
Cultura indígena e cultura afro uma reflexão históricaCultura indígena e cultura afro uma reflexão histórica
Cultura indígena e cultura afro uma reflexão histórica
 
A Influência Afro na Cultura Brasileira - Profs. Bráulio, Adão e Maria Helena
A Influência Afro na Cultura Brasileira - Profs. Bráulio, Adão e Maria HelenaA Influência Afro na Cultura Brasileira - Profs. Bráulio, Adão e Maria Helena
A Influência Afro na Cultura Brasileira - Profs. Bráulio, Adão e Maria Helena
 
áFrica 2012
áFrica 2012áFrica 2012
áFrica 2012
 
A influência africana
A influência africanaA influência africana
A influência africana
 
História e cultura afro brasileira e indígena
História e cultura afro brasileira e indígenaHistória e cultura afro brasileira e indígena
História e cultura afro brasileira e indígena
 
Adm 2012 cultura
Adm 2012 culturaAdm 2012 cultura
Adm 2012 cultura
 
Cultura na Colônia.ppt
Cultura na Colônia.pptCultura na Colônia.ppt
Cultura na Colônia.ppt
 
Salvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do BrasilSalvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do Brasil
 
Cultura afroeindigena
Cultura afroeindigenaCultura afroeindigena
Cultura afroeindigena
 
slides formação da população brasileira.pdf
slides formação da população brasileira.pdfslides formação da população brasileira.pdf
slides formação da população brasileira.pdf
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 

Projeto feira de cultura

  • 1. CENTRO EDUCACIONAL GLOBINHO – CEG PROJETO – FEIRADE CULTURA Realização da Feira de Cultura: 27/10 Participantes: alunos da Ed Infantil e Ens. Fundamental JUSTIFICATIVA O povo brasileiro é produto da miscigenação das três etnias (Branco europeu, índio e afro) que a formaram, mas que a visão eurocêntrica dominou nossa sociedade relegando e escondendo as contribuições que os demais povos tiveram em nossa sociedade. Sendo inquestionável todas as heranças que foram incorporadas a vida dos brasileiros através da miscigenação e que hoje fazem parte do nosso dia a dia. Os índios que aqui existiam e os negro trazidos de vários locais do continente africano, que no contato com o branco europeu português, deixaram significativas contribuições socioculturais que foram incorporadas a vida dos brasileiros e pouco reconhecido, seja na arte, cultura, vocabulário, alimentos e outros inúmeros hábitos, que enriqueceram o povo brasileiro. Nada mais justo que reconhecer diante da história a importância que essas duas etnias tiveram para forma o povo brasileiro com sua inquestionável riqueza e que hoje precisa uma reflexão sobre essas falta de reconhecimento e o preconceito que sofrem. Quando falamos em formação do povo brasileiro, temos que considerar os vários personagens que fazem parte dessa longa história. O povo brasileiro é marcado pela questão da diversidade de cores, fisionomias, tradições e costumes que atestam a riqueza da população que ocupa todo esse território•. Pensando nessa diversidade, temos como proposta para esse projeto cultural, mostrar aos nossos alunos os principais povos que contribuíram com a formação da sociedade brasileira. OBJETIVO GERAL Apresentar aos nossos alunos a trajetória desses povos, destacando algumas comunidades indígenas, chegada dos portugueses, negros, italianos e japoneses (imigrantes) ao Brasil, e como esses povos deixaram suas identidades históricas e culturais em nosso país. OBJETIVOS ESPECÍFICOS . Destacar a formação de algumas comunidades indígenas que se espalharam em pontos distintos do território brasileiro; mostrar como viviam e como vivem nos dias de hoje; . Destacar as principais contribuições culturais dos índios na alimentação, nos costumes, na música e na arte; . A chegada dos portugueses ao Brasil; o motivo que levou esse povo a se instalar nas terras brasileiras; . A influência africana nos costumes e nas crenças; . A chegada dos imigrantes ao Brasil; . A cultura dos italianos e a contribuição nos hábitos e costumes do povo brasileiro. . A cultura dos japoneses e a contribuição nos hábitos e costumes do povo brasileiro.
  • 2. SUGESTÕESDE ATIVIDADES A SEREM REALIZADAS:  Confecção de artes envolvendo as várias culturas, Músicas envolvendo os ritmos trazidos pelos povos; Culinária; Curiosidades envolvendo cada época; Coreografia para a apresentação da feira (cada turma representando um povo); Criar um figurino para cada turma;  Produção de textos elaborados pelas crianças; Murais envolvendo o tema nos dois segmentos. Literatura envolvendo o tema.  Construção de uma máscara africana;  Construção e de bonecas africana;  Construção de Construção;  Confecção artesanatos africanos e indígenas (colares, brincos e anéis); Temas que serão abordados em cada cultura: . Contribuição cultural (costumes, crenças e hábitos) . Contribuição na culinária (tipos de alimentos que tiveram influência desses povos) . A arte indígena, africana, portuguesa, Italiana e japonesa. AVALIAÇÃO A participação dos alunos no projeto é obrigatória. Os trabalhos realizados, como também a participação no dia da feira serão avaliados (será considerado o envolvimento dos alunos, o compromisso com as datas na entrega dos trabalhos e a participação na feira). Disciplinas envolvidas: Ed. Infantil: Linguagem, Natureza e Sociedade. Ensino Fundamental: Português, História, Ciências, Geografia, Artes, Cultura brasileira, Ética e Cidadania, Inglês, Espanhol, Matemática e Geometria. Stands: 1- ( Educação Infantil) Os povos indígenas: culinária, língua, religião, medicina, arte... 2- ( 1º e 2º ano) Os povos africanos: origem, língua, culinária, arte... 3- ( 3º e 4º) Os povos africanos: música, dança a religião... 4- ( 6º ano – prof. Fabrício, Luciene e Mara ) Os povos europeus: Português – origem, língua, religião, culinária, música... 5- ( 9º ano – prof. Fernanda, Isamara e Vagner) Os povos europeus: Italiana – origem, língua, religião, culinária, música... 6- ( 7º, 8º e 5º ano – prof. Lívia, Suzy e Vilma) Os povos europeus: Japonesa- origem, língua, religião, culinária... Referências de apoio a pesquisa: http://cafepasa.blogspot.com.br/2013_09_01_archive.html
  • 3. Arte A áfrica caracteriza-se pela diversidade cultural. Sua história é rica e está intimamente ligada a história do Brasil. Os negros são parte integrante do povo brasileiro, não dá para falar de formação do povo brasileiro sem os negros, pois, a nossa cultura está alicerçada nas tradições africanas. A disciplina de arte busca resgatar alguns aspectos da cultura africana, através de textos informativos, slides, apreciação de imagens, vídeos, reprodução e releitura de obras relacionadas a cultura africana como por exemplo as obras de Di Cavalcanti. Produções Plásticas: a) Reprodução de imagens; b) Confecção de máscaras; c) Elaboração de cartazes; d) Criação de composições figurativas, aplicando a elas texturas; e) Apreciação de vídeo e músicas... Cultura Indígena A arte está presente em cada momento da vida dos povos indígenas do mundo todo. Em cada objeto, em cada ritual, em cada gesto, a arte surge, expressão de força e conexão com o mundo místico e espiritual. A beleza está presente como atributo divino. Toda cultura dos povos indígenas está carregado de princípios e objetivos, de valores estéticos e sociais. a) Apreciação de slides; b) Aplicação de grafismo indígena em composições figurativas; c) Arte plumária: cocar; d) Pintura corporal: pigmentos naturais; e) Composição tridimensional: Oca; f) Música e dança: Iaiá g) Dobradura. Ciências/Biologia Ambas as disciplinas contemplam as relações étnico-raciais e o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana e indígena as possíveis temáticas. a) Estudo sobre as teorias antropológicas;
  • 4. b) Desmistificação as teorias racistas, destituindo de significado a pseudo-superioridade racial; c) Contribuição dos povos da África e seus descendentes para os avanços da Ciência e da Tecnologia e do indígena no uso das ervas medicinais; d) Análise de doenças mais comuns entre os afrodescendentes e os indígenas e o índice de desenvolvimento humano entre esses grupos étnicos. Educação Física Na disciplina de Educação Física pode ser trabalhada os seguintes temas sobre a Cultura Afro-Brasileira, Africana e Indígena: a) Descrever o que é e quais são as danças afro-brasileira e indígenas; b) Investigar a dança afro-brasileira, usada pra promover a identidade racial; c) A dança afro-brasileira e suas vertentes: ritmos, instrumentos, movimentos e símbolos próprios. A força dos seus movimentos; d) Apresentar a dança afro-brasileira como capaz de resgatar a identidade cultural e promover a interdisciplinaridade; e) Origem e aspectos históricos da capoeira bem como a contextualização da cultura afrobrasileira e o conteúdo do tráfico negreiro; f) Apresentação de manifestações afro-brasileira e indígenas dançantes; g) O jogo é jogado e a cidadania é negada; os segredos do corpo; Capoeira: jogo, luta ou dança? h) Corpo: Som e movimento – redescobrir brinquedos cantados na africanidade brasileira; i) A desconstrução do preconceito racial presente nos esportes provocar a desconstrução do mesmo a partir das vozes, dos gestos, olhares e performances dos alunos; j) Atividades relacionadas a cultura afro-brasileira e indígenas importantes que contribuem para o rompimento de barreiras sociais, a autonomia dos indivíduos através do conhecimento sobre suas raízes, sua história e suas linguagens. k) As formas culturais relacionadas aos conflitos, a resistência, a rejeição, a superação e a exclusão, próprios do seu passado histórico e de suas vivências culturais; l) A cultura afro-brasileira através de aulas de Capoeira, Dança afro-brasileira, filmes, textos, canções populares e reportagens; m) Atividades que promovam a preservação dos valores culturais e sociais decorrentes da influência negra na formação da sociedade brasileira, potencialização no processo de desenvolvimento social, político e econômico da sociedade tornando-os capazes de identificar, compreender e assumir suas origens, e a partir delas afirmar sua identidade e sua cidadania.
  • 5. Ensino Religioso A disciplina de Ensino Religioso tem fundamental importância na formação moral e ética dos indivíduos, também como propagadora da cultura afro-brasileira, africana e indígena. Índios, negros e brancos com suas culturas são os responsáveis pelo desenvolvimento do povo brasileira, graças a esta cultura bem diversificada, nas religiões do Brasil podem ser verificadas diferenças envolvendo o catolicismo, em comparação a diferentes países da América Latina. No Brasil o sincretismo religioso remete aos índios, depois brancos e negros e hoje somos um povo miscigenado pertencente a várias raças e etnias, também, várias religiões. O Brasil é um caso clássico, onde as pessoas e as religiões convivem harmonicamente, favorecido por todas as religiões como possibilidade da promoção da cultura da paz, e na reestruturação do ensino religioso uma grande possibilidade para alcançar este objetivo. Estudo sobre a influência das celebrações religiosas das tradições afro na cultura do Brasil. Temas da cultura afro-brasileira, africana e indígena na disciplina de Ensino Religioso: a) O sentido da morte e da vida nas religiões de matriz africana; b) A relação entre os educando de origem africana e afro-brasileira envolvidos com a religião de matriz africana e os outros educando de matriz cristã; c) O céu e o inferno – o AYÊ e o ORun; d) Pesquisar as religiões de matrizes africanas no Brasil: Candomblé, o Batuque, a Jurema. Tambor de Mina; a Umbanda na fé; a Nação Xambá, etc. e) Estudos dos Orixás, dos Caboclos, dos Pretos Velhos; das Entidades; dos Encantados e dos Inkisis; f) Incentivar o diálogo entre as religiões na sala de aula, seus valores, seus fazeres, seus saberes, seus quereres; g) Estudo de outras religiões de matriz cristã e outras matrizes. Depois da pesquisa, e do trabalho discutido em sala de aula, sugere-se que os alunos façam visitas a diferentes templos. Filosofia Enquanto o povo brasileiro não tiver acesso ao conhecimento de sua própria história, a escravidão intelectual e a cultural se manterão no país. A história e a cultura dos povos indígenas, europeus e africanos precisam ser mostradas com enfoque onde o respeito, A valorização humana, o reconhecimento das contribuições fornecidas a este país, seus trabalhos e suas lutas sejam realçados, valorizadas, trabalhadas e principalmente, compreendidas. A participação do negro na construção da história e da cultura riquíssima desta nação está registrada em livros. A mão de obra escrava, indígena, mestiça e imigrante na produção de riquezas, nas construções das vilas, na luta, e conquista em diferentes fases históricas deste país, é ignorada ou desprezada. A diversidade religiosa contempla todas as religiões, cultos e seitas. É comum encontrar em famílias numerosas, diversas filosofias religiosas de diferentes credos. Todos convivem em harmonia, respeito ou tolerância. Nos quilombos muitos índios se juntaram aos africanos para se protegerm da dominação do “homem branco”. Novamente mais um elemento se une
  • 6. a esta cultura em formação, pois a religiosidade africana é manifestada no culto a natureza, o que não difere muito das religiosidade indígena. Além disso, o índio conhece o território, bem como sua flora e fauna, sendo grande conhecedor da medicina natural. Tudo favoreceu mais um sincretismo, porque o africano precisa cultuar a natureza local com elementos locais que forma integrados através do índio. Surge o culto a natureza brasileira com rituais africanos. Toda essa história envolve a filosofia do trabalho no decorrer do ano onde os temas: as crenças, as imaginações, a religião e o pensamento, o conhecimento empírico e as ciências, a ética, a razão, a ignorância e a verdade e a liberdade, reconstruindo padrões de beleza na estética, a cultura e as artes deste povo. Estes temas serão trabalhados em forma de pesquisa, teatro, danças e canções, seminários e filmes. Geografia A geografia como ciência cujo objetivo é o espaço geográfico e suas inter-relações, cabe ao professor desta disciplina tratar também dos seguintes contextos: a) A África, os africanos e a população brasileira hoje; b) Estudos de legenda, orientação, escala; no globo e nos mapas, sobretudo no qual se refere ao continente africano; c) Estudos da distribuição do ser humano na terra, no Brasil e no mundo; d) Como foi a chegada dos portugueses ao Brasil; e) Como os negros foram trazidos para cá (os portos de chegada); f) Qual o caminho marítimo percorrido pelos negros na trajetória que fizeram da África ao Brasil; g) Como estão organizados hoje os Quilombos no Brasil, mapeando das principais aglomerações indígenas e negras no Brasil. Os quilombos, as tribos e comunidades negras, os remanescentes quilombolas, suas reservas, as reservas indígenas e afro-indígenas. “Os estudos dos espaços físicos e dos espaços humanos que se constroem a partir dele, requer que se tenha como referencia o Espaço do Cidadão e a Natureza do Espaço, pois a Geografia sob o ponto de vista dos empobrecidos e marginalizados e, no caso do Brasil, a maioria dos descendentes de africanos se encontram entre eles”. História Na disciplina de História destacaremos a valorização da cultura afro-brasileira e indígena, suas contribuições ao povo brasileiro. a) Ressaltando as visões equivocadas atribuídas a personagens da história africana e indígena; b) Relacionar a importância dos personagens ontem e hoje no contexto histórico. Divulgando as ideias dos personagens que viveram em determinada época (pensamentos filosóficos). c) Pesquisa historiográfica de acontecimentos que marcaram a cultura dos povos africanos (Revolta da Chibata, história dos povos africanos, abolição da escravatura – 1888)
  • 7. d) Utilizar recursos audiovisuais, como recorte de filmes, música e imagem, para melhorar o processo de ensino aprendizagem. e) Produção de textos e poesias com referência aos temas trabalhados. Língua Portuguesa / Língua Estrangeira a) Estudo e pesquisa sobre os países que falam a língua portuguesa; b) Comparação e diferenças do português falado e escrito; c) Tipos de alimentação de origem africana; d) Vocábulos de origem africana; e) Ritmos musicais; f) Influência religiosas; g) Estudos das Leis 10.639/03 e 11.645/08; h) Poesias que enfoquem o racismo; i) Contos de origem africana;/ j) Debates: o racismo no Brasil; a presença dos negros na mídia; cotas raciais; mercado de trabalho. k) Termo pejorativo atribuído ao negro; l) Estudo de obras literárias de escritores negros: Cruz e Souza; Lima Barreto; Machado de Assis; Castro Alves. m) Ler e interpretar músicas relacionadas a questão racial; n) Produção de poesias e de texto dissertativo/argumentativo relacionado ao povo afrodescendente e sua cultura; o) Análise de pinturas de obras que retratam a figura do negro. p) Sugestões de filmes: O jardineiro fiel; Para salvar uma vida; Um sonho possível; Escritores da Liberdade; O poder de um jovem; No balanço do amor; Meu mestre, minha vida; Vista a minha pele. Matemática Na disciplina de Matemática a sugestão de trabalho são jogos praticados pelos índios ou africanos que envolvam o raciocínio lógico e explorem a geometria (ângulos, rotação, translação, simetria, figuras), que poderão ser trabalhados abordando os temas da cultura afro descendente e indígena, ale, da estatística na pesquisa de dados, construção de tabelas e análise de gráficos. É necessário que os estudantes sejam capazes de analisar e refletir sobre a cultura afro-brasileira e indígena e as situações de desigualdade vivenciadas pelos negros e pelos índios no Brasil. É através de informações e dados que lhes serão
  • 8. reveladas as causas e como se originou essa cultura discriminatória. Os jogos deverão ser trabalhados dentro do contexto histórico como exemplo: O jogo Shisima, um jogo de três alinhados, jogado pelas crianças da parte ocidental do Quênia. Na língua tiriki, a palavra shisima quer dizer “extensão de água”, eles chamam as peças de imbalavali ou pulgas d’água. Além da investigação sobre o jogo (histórico, regras...) como a construção do tabuleiro é possível explorar conceitos matemáticos de geometria (raio, diâmetro, círculo, circunferência...) frações, medidas. O jogo da onça conhecido pelos Baroros como adugo e pelos Guaranis com jaguá ixive, é um jogo de estratégia conhecido em várias partes do mundo, o aluno poderá construir o jogo usando seus conhecimentos na área da geometria. Nos países nórdicos, ele é chamado de “raposas e gansos”, no Nepal, bhaga chal; na Índia Lau kati kata. Aqui na América, ele era jogado pelo antigo poço Inca, no Peru. A diferença básica entre todos eles são as peças do jogo. No Peru, as peças representam o puma (uma onça muito comum nos Andes) e os carneiros. Na Índia, tigre e cabras. E aqui no Brasil, a onça e os cachorros. Segundo alguns historiadores esse jogo já era conhecido pelos índios brasileiros antes da chegada de Cabral ao Brasil. É um jogo para duplas: um fica com a peça que representa a onça e outros com as peças dos cachorros. Para vencer o jogador com a onça deve capturar cinco cachorros e o jogador com os cachorros deve encurralar a onça. Jogo: Use dois tipos de peças, uma representando a onça e 14 peças para os cachorros. Um jogador fica com a onça e o outro com os cachorros; O jogador com a onça deve capturar cinco cachorros. O jogador com os cachorros deve encurralar a onça, deixando-a sem possibilidade de se mover no tabuleiro. O jogador com os cachorros não pode capturar a onça, deve apenas imobilizá-la. O jogador com a onça inicia a partida movendo sua peça para qualquer casa adjacente que esteja vazia. Em seguida, o jogador com os cachorros deve mover qualquer uma de suas peças também para uma casa adjacente que esteja vazia. As peças podem se mover em qualquer direção. A onça deve tomar cuidado para não entrar em sua toca (parte triangular do tabuleiro). Caso isso aconteça, ela será encurralada pelos cachorros. A onça captura um cachorro quando salta sobre ele para uma casa vazia (como no jogo de damas). A captura pode ocorrer em qualquer sentido. O jogador pode fazer mais de uma captura se for possível (também como no jogo de damas). Os jogadores alternam as jogadas até um dos dois vender a partida. Vence a partida quando o jogador com a onça captura cinco cachorros e quando o jogador com os cachorros consegue imobilizar a onça.