SlideShare uma empresa Scribd logo
Helen Longino: Doutora em Filosofia da Ciência,
Professora em Stanford University
Livros:
1990: Science as Social Knowledge: Values and Objectivity in Scientific
Inquiry
2002:The Fate of Knowledge
2013: Studying Human Behavior: How Scientists Investigate Aggression
and Sexuality
Defende a ideia de que a objetividade da ciência é assegurada pelo
caráter social da investigação.
Visões usuais de objetividade na ciência:
1. Ciência origina-se da descrição precisa e detalhada de fatos
2. Objetividade relaciona-se com métodos de investigação
Atividade científica: objetiva ou subjetiva?
Papel da experimentação e papel da teoria na atividade científica
”Como as alegações e demonstrações de interação entre ciência e valores
sociais podem afetar nossa concepção de conhecimento científico?”
Parte do pressuposto de que a prática científica é regulada por normas e
valores gerados pelo entendimento dos objetivos da investigação
científica.
Importante distinguir duas perspectivas de objetividade:
1. Objetividade como característica dos métodos de investigação
2. Objetividade como característica dos investigadores ou de suas
atitudes e práticas
Ciência como prática. E porque é prática, é social.
3 aspectos do caráter social da ciência:
1. Ciência como empreendimento social e a dependência dos
indivíduos uns dos outros para sua prática ;
2. Iniciação em ciência requer educação;
3. Atividade científica em rede; depende dos valores da sociedade para
ser praticada.
”O conhecimento científico é, afinal, o produto de muitos indivíduos
trabalhando em conjunto (reconhecendo isso ou não).
(...) Investigação científica é complexa e consiste de diferentes tipos de
atividades. Consiste não apenas em produzir teorias mas também em
(produzir) interações concretas, bem como modelos de processos
naturais.
(...) A integração e a transformação destas atividades em um
entendimento coerente sobre um dado fenômeno é assunto de
negociações sociais.”
Algumas ideias de Longino sobre a prática científica:
• A investigação científica é uma prática humana colaborativa;
• Teorias são resultado da investigação e não o processo;
• Como atividade humana, a atividade científica é socialmente
organizada em modos que afetam seus objetivos e critérios de
sucesso;
• Desenvolve-se em contexto social e político com o qual tem dinâmica
interação.
Acrescenta dois grandes elementos para sua consideração da ciência
como prática social:
avaliação por pares e aplicações de verba
E destaca o tratamento crítico que envolve estes elementos como
crucial para refinar ideias e técnicas
Ainda sobre o dilema do que consistiria e regularia a objetividade na
ciência:
”Uma vez que a relação entre hipóteses e evidência é mediada por
conhecimentos existentes que não podem ser, eles mesmos, sujeitos a
confirmação ou não confirmação empírica e que podem surgir de
inspirações metafísicas e normativas, seria um erro identificar a
objetividade de métodos científicos apenas por suas características
empíricas.”
O conhecimento científico é, portanto, social, tanto pelos modos
como é gerado como por seus usos.
Critérios para a dimensão crítica:
Locais/espaços reconhecidos para a crítica: fóruns, reuniões científicas,
periódicos, conferências etc, como espaços em que conhecimentos
propostos são apresentados para debate.
Padrões/critérios compartilhados: conhecimentos teóricos, empíricos e
metodológicos que são compartilhados em que permitem a crítica.
Réplica/resposta da comunidade: a comunidade deve estar aberta e ser
tolerante com o discordância.
Igualdade de autoridade intelectual: a qualquer indivíduo que
reconheça as normas e práticas desta comunidade está aberta a
possibilidade de crítica.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Longino_Science as social knowledge.pptx

Aula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iiiAula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iii
jeancff84
 
1. Aulas MI I - Intr. à investigação qualitativa (10).pdf
1. Aulas MI I - Intr. à investigação qualitativa (10).pdf1. Aulas MI I - Intr. à investigação qualitativa (10).pdf
1. Aulas MI I - Intr. à investigação qualitativa (10).pdf
IvoneAreal2
 
Pesquisa participante
Pesquisa participantePesquisa participante
Pesquisa participante
Gleyton Gomes
 
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências SociaisFichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Luiz Guilherme Leite Amaral
 
aula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptx
aula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptxaula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptx
aula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptx
leidianecarvalhoc
 
Metodologia da Pesquisa em Educação - material001.ppt
Metodologia da Pesquisa em Educação - material001.pptMetodologia da Pesquisa em Educação - material001.ppt
Metodologia da Pesquisa em Educação - material001.ppt
RichardDouglasCoelho
 
History of the Qualitative Research
History of the Qualitative ResearchHistory of the Qualitative Research
History of the Qualitative Research
Amanda da Silveira
 
O pensamento reflexivo na busca e no uso da informação na comunicação cienti...
O pensamento reflexivo  na busca e no uso da informação na comunicação cienti...O pensamento reflexivo  na busca e no uso da informação na comunicação cienti...
O pensamento reflexivo na busca e no uso da informação na comunicação cienti...
Kelley Cristine Gasque
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Fábio Miguel
 
Aula O debate contemporâneo sobre os paradigmas
Aula O debate contemporâneo sobre os paradigmasAula O debate contemporâneo sobre os paradigmas
Aula O debate contemporâneo sobre os paradigmas
Leonardo Kaplan
 
Trabalho metodologia
Trabalho metodologiaTrabalho metodologia
Trabalho metodologia
Alcione Luiza
 
Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3
Leonardo Poth
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
Joao Balbi
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
Joao Balbi
 
Pesquisas educacionais
Pesquisas educacionaisPesquisas educacionais
Pesquisas educacionais
Ana Rodrigues
 
Artigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídico
Artigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídicoArtigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídico
Artigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídico
rqmjr2003
 
Uso de conhecimento
Uso de conhecimentoUso de conhecimento
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
vamcris
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
A TendêNcia Valorativa Da InvestigaçãO Social Simplificada Final
A TendêNcia Valorativa Da InvestigaçãO Social Simplificada FinalA TendêNcia Valorativa Da InvestigaçãO Social Simplificada Final
A TendêNcia Valorativa Da InvestigaçãO Social Simplificada Final
Heloiza da Silva
 

Semelhante a Longino_Science as social knowledge.pptx (20)

Aula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iiiAula online pesquisa em serviço social iii
Aula online pesquisa em serviço social iii
 
1. Aulas MI I - Intr. à investigação qualitativa (10).pdf
1. Aulas MI I - Intr. à investigação qualitativa (10).pdf1. Aulas MI I - Intr. à investigação qualitativa (10).pdf
1. Aulas MI I - Intr. à investigação qualitativa (10).pdf
 
Pesquisa participante
Pesquisa participantePesquisa participante
Pesquisa participante
 
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências SociaisFichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
 
aula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptx
aula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptxaula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptx
aula 1 noçoes iniciais - metodologia e conhecimento (1).pptx
 
Metodologia da Pesquisa em Educação - material001.ppt
Metodologia da Pesquisa em Educação - material001.pptMetodologia da Pesquisa em Educação - material001.ppt
Metodologia da Pesquisa em Educação - material001.ppt
 
History of the Qualitative Research
History of the Qualitative ResearchHistory of the Qualitative Research
History of the Qualitative Research
 
O pensamento reflexivo na busca e no uso da informação na comunicação cienti...
O pensamento reflexivo  na busca e no uso da informação na comunicação cienti...O pensamento reflexivo  na busca e no uso da informação na comunicação cienti...
O pensamento reflexivo na busca e no uso da informação na comunicação cienti...
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
 
Aula O debate contemporâneo sobre os paradigmas
Aula O debate contemporâneo sobre os paradigmasAula O debate contemporâneo sobre os paradigmas
Aula O debate contemporâneo sobre os paradigmas
 
Trabalho metodologia
Trabalho metodologiaTrabalho metodologia
Trabalho metodologia
 
Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3Tecnicas de pesquisa 3
Tecnicas de pesquisa 3
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
 
20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa20 métodos e técnicas de pesquisa
20 métodos e técnicas de pesquisa
 
Pesquisas educacionais
Pesquisas educacionaisPesquisas educacionais
Pesquisas educacionais
 
Artigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídico
Artigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídicoArtigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídico
Artigo ausência de pesquisa empírica no saber jurídico
 
Uso de conhecimento
Uso de conhecimentoUso de conhecimento
Uso de conhecimento
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
 
A TendêNcia Valorativa Da InvestigaçãO Social Simplificada Final
A TendêNcia Valorativa Da InvestigaçãO Social Simplificada FinalA TendêNcia Valorativa Da InvestigaçãO Social Simplificada Final
A TendêNcia Valorativa Da InvestigaçãO Social Simplificada Final
 

Mais de WilsonAlbuquerque5

AULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizações
AULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizaçõesAULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizações
AULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizações
WilsonAlbuquerque5
 
Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptx
Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptxSuporte básico para estudos e apriimoramento.pptx
Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptx
WilsonAlbuquerque5
 
Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...
Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...
Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...
WilsonAlbuquerque5
 
PICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdf
PICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdfPICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdf
PICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdf
WilsonAlbuquerque5
 
Relatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLO
Relatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLORelatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLO
Relatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLO
WilsonAlbuquerque5
 
Oficina 2022 de Empreendedorismo.pdf
Oficina 2022 de Empreendedorismo.pdfOficina 2022 de Empreendedorismo.pdf
Oficina 2022 de Empreendedorismo.pdf
WilsonAlbuquerque5
 
areas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdf
areas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdfareas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdf
areas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdf
WilsonAlbuquerque5
 
metodo-cientifico052.ppt
metodo-cientifico052.pptmetodo-cientifico052.ppt
metodo-cientifico052.ppt
WilsonAlbuquerque5
 
Habilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdf
Habilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdfHabilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdf
Habilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdf
WilsonAlbuquerque5
 

Mais de WilsonAlbuquerque5 (9)

AULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizações
AULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizaçõesAULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizações
AULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizações
 
Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptx
Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptxSuporte básico para estudos e apriimoramento.pptx
Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptx
 
Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...
Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...
Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...
 
PICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdf
PICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdfPICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdf
PICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdf
 
Relatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLO
Relatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLORelatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLO
Relatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLO
 
Oficina 2022 de Empreendedorismo.pdf
Oficina 2022 de Empreendedorismo.pdfOficina 2022 de Empreendedorismo.pdf
Oficina 2022 de Empreendedorismo.pdf
 
areas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdf
areas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdfareas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdf
areas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdf
 
metodo-cientifico052.ppt
metodo-cientifico052.pptmetodo-cientifico052.ppt
metodo-cientifico052.ppt
 
Habilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdf
Habilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdfHabilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdf
Habilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdf
 

Último

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 

Último (20)

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 

Longino_Science as social knowledge.pptx

  • 1. Helen Longino: Doutora em Filosofia da Ciência, Professora em Stanford University Livros: 1990: Science as Social Knowledge: Values and Objectivity in Scientific Inquiry 2002:The Fate of Knowledge 2013: Studying Human Behavior: How Scientists Investigate Aggression and Sexuality
  • 2. Defende a ideia de que a objetividade da ciência é assegurada pelo caráter social da investigação. Visões usuais de objetividade na ciência: 1. Ciência origina-se da descrição precisa e detalhada de fatos 2. Objetividade relaciona-se com métodos de investigação
  • 3. Atividade científica: objetiva ou subjetiva? Papel da experimentação e papel da teoria na atividade científica ”Como as alegações e demonstrações de interação entre ciência e valores sociais podem afetar nossa concepção de conhecimento científico?” Parte do pressuposto de que a prática científica é regulada por normas e valores gerados pelo entendimento dos objetivos da investigação científica.
  • 4. Importante distinguir duas perspectivas de objetividade: 1. Objetividade como característica dos métodos de investigação 2. Objetividade como característica dos investigadores ou de suas atitudes e práticas Ciência como prática. E porque é prática, é social.
  • 5. 3 aspectos do caráter social da ciência: 1. Ciência como empreendimento social e a dependência dos indivíduos uns dos outros para sua prática ; 2. Iniciação em ciência requer educação; 3. Atividade científica em rede; depende dos valores da sociedade para ser praticada.
  • 6. ”O conhecimento científico é, afinal, o produto de muitos indivíduos trabalhando em conjunto (reconhecendo isso ou não). (...) Investigação científica é complexa e consiste de diferentes tipos de atividades. Consiste não apenas em produzir teorias mas também em (produzir) interações concretas, bem como modelos de processos naturais. (...) A integração e a transformação destas atividades em um entendimento coerente sobre um dado fenômeno é assunto de negociações sociais.”
  • 7. Algumas ideias de Longino sobre a prática científica: • A investigação científica é uma prática humana colaborativa; • Teorias são resultado da investigação e não o processo; • Como atividade humana, a atividade científica é socialmente organizada em modos que afetam seus objetivos e critérios de sucesso; • Desenvolve-se em contexto social e político com o qual tem dinâmica interação.
  • 8. Acrescenta dois grandes elementos para sua consideração da ciência como prática social: avaliação por pares e aplicações de verba E destaca o tratamento crítico que envolve estes elementos como crucial para refinar ideias e técnicas
  • 9. Ainda sobre o dilema do que consistiria e regularia a objetividade na ciência: ”Uma vez que a relação entre hipóteses e evidência é mediada por conhecimentos existentes que não podem ser, eles mesmos, sujeitos a confirmação ou não confirmação empírica e que podem surgir de inspirações metafísicas e normativas, seria um erro identificar a objetividade de métodos científicos apenas por suas características empíricas.” O conhecimento científico é, portanto, social, tanto pelos modos como é gerado como por seus usos.
  • 10. Critérios para a dimensão crítica: Locais/espaços reconhecidos para a crítica: fóruns, reuniões científicas, periódicos, conferências etc, como espaços em que conhecimentos propostos são apresentados para debate. Padrões/critérios compartilhados: conhecimentos teóricos, empíricos e metodológicos que são compartilhados em que permitem a crítica. Réplica/resposta da comunidade: a comunidade deve estar aberta e ser tolerante com o discordância. Igualdade de autoridade intelectual: a qualquer indivíduo que reconheça as normas e práticas desta comunidade está aberta a possibilidade de crítica.