SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Exploratório 9
Suporte Básico de Vida
Exploratório 9
Paragem cardiovascular
Por que razão uma
paragem cardiovascular
afeta todo o organismo?
A circulação sanguínea é fundamental para o funcionamento de
todos os órgãos.
A paragem da atividade do coração − paragem cardiovascular −
provoca a interrupção da circulação.
A probabilidade de sobrevivência e de recuperação nestas
situações depende de se saber quando e como pedir ajuda, e de
se iniciar de imediato o Suporte Básico de Vida (SBV).
Por que razão a probabilidade
de recuperação total após uma
paragem cardiovascular
diminui com o aumento do
tempo entre a ocorrência e o
início das manobras de
auxílio?
Que possíveis consequências
pode uma paragem
cardiovascular ter no
funcionamento dos vários
sistemas do corpo humano?
Exploratório 9
O que é o Suporte Básico de Vida?
SBV é um conjunto de procedimentos realizados sem recurso a
equipamento específico.
Estes procedimentos têm como objetivo:
• reconhecer as situações de perigo de vida iminente,
• saber como e quando pedir ajuda
• iniciar rapidamente manobras de manutenção da vida, de modo a
ganhar tempo até à chegada de ajuda especializada.
Todos os cidadãos devem estar preparados para iniciar o SBV.
Há gestos simples que podes aprender e que podem ser a diferença
entre a vida e a morte.
Exploratório 9
Os quatro elos da Cadeia
de Sobrevivência
• O rápido acesso ao Sistema Integrado de Emergência Médica
(SIEM) assegura o inicio da Cadeia de Sobrevivência.
• Cada minuto sem se chamar socorro reduz a possibilidade de
sobrevivência da vitima.
• Para o funcionamento eficaz deste elo é fundamental que quem
comunica a ocorrência seja capaz de reconhecer a gravidade da
situação e saiba ativar o sistema, ligando para o 112.
1. Acesso precoce
Deverá responder as seguintes perguntas:
• O quê?
• Onde?
• Como?
• Quem?
A eficácia e o tempo de resposta das autoridades dependem da
correta avaliação da situação e das respostas a estas questões.
Exploratório 9
• Para aumentar as hipóteses de sobrevivência é fundamental que
sejam rapidamente iniciadas manobras de SBV, no local onde
ocorreu a situação.
• Isto só se consegue se quem presencia a situação tiver a
capacidade de iniciar esses procedimentos.
• O SBV permite ganhar tempo até à chegada das equipas de
socorro, assegurando que o organismo da vítima tem acesso a
alguma circulação e ventilação.
2. Início precoce de suporte básico de Vida (SBV)
Os quatro elos da Cadeia
de Sobrevivência
Exploratório 9
• Nos adultos, a maioria das paragens cardiorrespiratórias ocorre
devido a fibrilhação ventricular – atividade elétrica caótica de todo
o coração, não havendo contração do músculo cardíaco.
• O único tratamento eficaz para esta situação é a desfibrilhação –
aplicação de um choque elétrico no tórax da vítima. A passagem
da corrente elétrica pelo coração regulariza o seu funcionamento.
• Uma desfibrilhação eficaz é decisiva para a sobrevivência e deve
ser realizada o mais precocemente possível.
3. Desfibrilhação precoce
Os quatro elos da Cadeia
de Sobrevivência
Exploratório 9
A desfibrilhação nem sempre é suficiente para a recuperação da
vítima e pode nem sequer ser indicada.
O SAV permite maior eficácia na:
• ventilação − através da entubação endotraqueal;
• circulação − através da administração de fármacos;
• recuperação − preservando as funções do cérebro e do coração.
4. Suporte avançado de vida precoce (SAV)
Os quatro elos da Cadeia
de Sobrevivência
Exploratório 9
Avaliação da vítima: abordagem ABCDE
A avaliação inicial da vítima deve
identificar lesões que possam
comprometer a sua vida e,
simultaneamente, estabelecer
orientações para a estabilização das
condições vitais e para o tratamento.
A avaliação deve seguir uma ordem de prioridades que são as
mesmas para crianças e adultos.
As etapas ABCDE da avaliação da vítima representam esta ordem
de prioridades.
Exploratório 9
Avaliação da vítima: abordagem ABCDE
A. (Airway) – permeabilização das
vias aéreas com controlo da
coluna cervical
B. (Breathing) –
respiração e ventilação
C. (Circulation) – assegurar a
circulação com controlo de hemorragia
D. (Disability) –
disfunção neurológica
– exame sumário
E. (Exposure) – exposição com
controlo da temperatura
Exploratório 9
Alarme em caso de emergência
O alerta deve ser dado pela primeira pessoa
que identifica a situação de emergência.
Deve usar-se o Número Europeu de
Emergência, 112.
A chamada é atendida pela PSP e nas situações de saúde será
transferida para o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).
Para que o socorro seja o mais eficaz possível deves obedecer a
algumas regras:
• manter a calma;
• fornecer o número de telefone de onde estás a ligar;
• indicar o local da ocorrência – se necessário, indicar pontos de
referência;
Exploratório 9
• descrever a situação – relatar o que se está a passar.
A informação obtida nesta altura vai definir o tipo de
socorro que irá ser disponibilizado.
É importante referir:
• o tipo de situação (doença, acidente, etc.);
• o número de vítimas, o sexo e a idade aparente;
• o modo como está a vítima: acordada?
de que é que se queixa?
• descrever a atuação – referir o que foi feito ou está a ser feito e
receber as indicações que são dadas pelo operador da central de
emergência.
A chamada só deve ser desligada quando o operador der indicação.
Alarme em caso de emergência
Exploratório 9
Desobstrução da via aérea
Caso a vítima tenha a via aérea
obstruída, que dificulte ou impeça a
respiração, deverão iniciar-se
procedimentos que permitam, de
acordo com a gravidade da
situação, restabelecer a respiração.
Algoritmo da obstrução da
via respiratória
Exploratório 9
Manobras de suporte de vida
Após a avaliação da situação, em caso de
paragem cardiorrespiratória, é necessário
efetuar de imediato manobras de suporte de
vida.
Estes procedimentos deverão ser efetuados
respeitando os algoritmos do ERC (Conselho
Europeu de Ressuscitação).
Exploratório 9
Reanimação cardiopulmonar
Exploratório 9
Posição Lateral de Segurança
• Quando uma vítima está inconsciente voltada de barriga para cima,
mesmo que respire normalmente, pode vir a apresentar obstrução
da via aérea e deixar de respirar devido ao relaxamento do palato e
da epiglote.
• A via aérea pode também ficar obstruída por vómito, secreções ou
sangue.
• Assim, se a vítima estiver a respirar normalmente e não existir
suspeita de traumatismo da coluna cervical deverá ser colocada em
Posição Lateral de Segurança (PLS).
Exploratório 9
Posição Lateral de Segurança

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptx

Primeiros_Socorros.pdf.pdf
Primeiros_Socorros.pdf.pdfPrimeiros_Socorros.pdf.pdf
Primeiros_Socorros.pdf.pdfLilian Litiere
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptxInstitutoVidaBsica
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptxInstitutoVidaBsica
 
Lic3a7c3a3o 03-avaliac3a7c3a3o-geral-do-paciente-aph
Lic3a7c3a3o 03-avaliac3a7c3a3o-geral-do-paciente-aphLic3a7c3a3o 03-avaliac3a7c3a3o-geral-do-paciente-aph
Lic3a7c3a3o 03-avaliac3a7c3a3o-geral-do-paciente-aphSérgio de A. Guerra
 
Cap 07 atendimento-inicial
Cap 07 atendimento-inicialCap 07 atendimento-inicial
Cap 07 atendimento-inicialProf Silvio Rosa
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosCleanto Santos Vieira
 
M9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptxM9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptxsoniaalmeida38
 
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEM
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEMManual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEM
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEMEmergência Médica
 
PRIMEIROS SOCORROS TEORICO
PRIMEIROS SOCORROS TEORICOPRIMEIROS SOCORROS TEORICO
PRIMEIROS SOCORROS TEORICOMarco Lamim
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)
Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)
Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)Rodrigo Avidago
 
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEM
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEMManual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEM
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEMEmergência Médica
 
Manualdesavinem 121103184604-phpapp02
Manualdesavinem 121103184604-phpapp02Manualdesavinem 121103184604-phpapp02
Manualdesavinem 121103184604-phpapp02Dina Alves
 
Manual INEM - Suporte Avançado de Vida
Manual INEM - Suporte Avançado de Vida Manual INEM - Suporte Avançado de Vida
Manual INEM - Suporte Avançado de Vida Rodrigo Avidago
 

Semelhante a Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptx (20)

Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida
 
Primeiros_Socorros.pdf.pdf
Primeiros_Socorros.pdf.pdfPrimeiros_Socorros.pdf.pdf
Primeiros_Socorros.pdf.pdf
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
 
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptxBrigada Orgânica  Brigada APH plataforma.pptx
Brigada Orgânica Brigada APH plataforma.pptx
 
Lic3a7c3a3o 03-avaliac3a7c3a3o-geral-do-paciente-aph
Lic3a7c3a3o 03-avaliac3a7c3a3o-geral-do-paciente-aphLic3a7c3a3o 03-avaliac3a7c3a3o-geral-do-paciente-aph
Lic3a7c3a3o 03-avaliac3a7c3a3o-geral-do-paciente-aph
 
Cap 07 atendimento-inicial
Cap 07 atendimento-inicialCap 07 atendimento-inicial
Cap 07 atendimento-inicial
 
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizadosPrimeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
Primeiros Socorros - Atendimento de emergência a politraumatizados
 
M9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptxM9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptx
 
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEM
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEMManual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEM
Manual de Suporte Básico de Vida (SBV) - INEM
 
Primeiro Socorros 2
Primeiro Socorros 2Primeiro Socorros 2
Primeiro Socorros 2
 
PRIMEIROS SOCORROS TEORICO
PRIMEIROS SOCORROS TEORICOPRIMEIROS SOCORROS TEORICO
PRIMEIROS SOCORROS TEORICO
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
Aph (parte1)
Aph (parte1)Aph (parte1)
Aph (parte1)
 
Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)
Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)
Manual INEM - Suporte Básico de Vida (Leigos)
 
Manual sav
Manual savManual sav
Manual sav
 
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEM
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEMManual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEM
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEM
 
Manual sav
Manual savManual sav
Manual sav
 
Manualdesavinem 121103184604-phpapp02
Manualdesavinem 121103184604-phpapp02Manualdesavinem 121103184604-phpapp02
Manualdesavinem 121103184604-phpapp02
 
Manual INEM - Suporte Avançado de Vida
Manual INEM - Suporte Avançado de Vida Manual INEM - Suporte Avançado de Vida
Manual INEM - Suporte Avançado de Vida
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 

Mais de WilsonAlbuquerque5

AULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizações
AULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizaçõesAULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizações
AULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizaçõesWilsonAlbuquerque5
 
Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...
Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...
Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...WilsonAlbuquerque5
 
PICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdf
PICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdfPICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdf
PICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdfWilsonAlbuquerque5
 
Relatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLO
Relatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLORelatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLO
Relatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLOWilsonAlbuquerque5
 
Oficina 2022 de Empreendedorismo.pdf
Oficina 2022 de Empreendedorismo.pdfOficina 2022 de Empreendedorismo.pdf
Oficina 2022 de Empreendedorismo.pdfWilsonAlbuquerque5
 
areas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdf
areas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdfareas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdf
areas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdfWilsonAlbuquerque5
 
Longino_Science as social knowledge.pptx
Longino_Science as social knowledge.pptxLongino_Science as social knowledge.pptx
Longino_Science as social knowledge.pptxWilsonAlbuquerque5
 
Habilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdf
Habilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdfHabilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdf
Habilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdfWilsonAlbuquerque5
 

Mais de WilsonAlbuquerque5 (9)

AULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizações
AULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizaçõesAULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizações
AULA1-ConceitosBasicos.ppt verificar as possíveis atualizações
 
Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...
Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...
Fatoreshumanoseorganizacionaisdasegurancaindustrial-umestadodaarte-12-08-2016...
 
PICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdf
PICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdfPICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdf
PICLima-Riesgos-disergonomicos-asociados-exposicion-vibraciones.pdf
 
Relatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLO
Relatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLORelatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLO
Relatório de gestão 20162017 DE UMA INSTITUIÇÃO DE GOVERNO PARA EXEMPLO
 
Oficina 2022 de Empreendedorismo.pdf
Oficina 2022 de Empreendedorismo.pdfOficina 2022 de Empreendedorismo.pdf
Oficina 2022 de Empreendedorismo.pdf
 
areas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdf
areas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdfareas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdf
areas-classificadas-parte-1-com-um-gas-protetor-ar-ou-gas-inerte.pdf
 
Longino_Science as social knowledge.pptx
Longino_Science as social knowledge.pptxLongino_Science as social knowledge.pptx
Longino_Science as social knowledge.pptx
 
metodo-cientifico052.ppt
metodo-cientifico052.pptmetodo-cientifico052.ppt
metodo-cientifico052.ppt
 
Habilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdf
Habilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdfHabilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdf
Habilidades-socioemocionais - Educacao-basica - E-book.pdf
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfCsarBaltazar1
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 

Último (20)

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 

Suporte básico para estudos e apriimoramento.pptx

  • 2. Exploratório 9 Paragem cardiovascular Por que razão uma paragem cardiovascular afeta todo o organismo? A circulação sanguínea é fundamental para o funcionamento de todos os órgãos. A paragem da atividade do coração − paragem cardiovascular − provoca a interrupção da circulação. A probabilidade de sobrevivência e de recuperação nestas situações depende de se saber quando e como pedir ajuda, e de se iniciar de imediato o Suporte Básico de Vida (SBV). Por que razão a probabilidade de recuperação total após uma paragem cardiovascular diminui com o aumento do tempo entre a ocorrência e o início das manobras de auxílio? Que possíveis consequências pode uma paragem cardiovascular ter no funcionamento dos vários sistemas do corpo humano?
  • 3. Exploratório 9 O que é o Suporte Básico de Vida? SBV é um conjunto de procedimentos realizados sem recurso a equipamento específico. Estes procedimentos têm como objetivo: • reconhecer as situações de perigo de vida iminente, • saber como e quando pedir ajuda • iniciar rapidamente manobras de manutenção da vida, de modo a ganhar tempo até à chegada de ajuda especializada. Todos os cidadãos devem estar preparados para iniciar o SBV. Há gestos simples que podes aprender e que podem ser a diferença entre a vida e a morte.
  • 4. Exploratório 9 Os quatro elos da Cadeia de Sobrevivência • O rápido acesso ao Sistema Integrado de Emergência Médica (SIEM) assegura o inicio da Cadeia de Sobrevivência. • Cada minuto sem se chamar socorro reduz a possibilidade de sobrevivência da vitima. • Para o funcionamento eficaz deste elo é fundamental que quem comunica a ocorrência seja capaz de reconhecer a gravidade da situação e saiba ativar o sistema, ligando para o 112. 1. Acesso precoce Deverá responder as seguintes perguntas: • O quê? • Onde? • Como? • Quem? A eficácia e o tempo de resposta das autoridades dependem da correta avaliação da situação e das respostas a estas questões.
  • 5. Exploratório 9 • Para aumentar as hipóteses de sobrevivência é fundamental que sejam rapidamente iniciadas manobras de SBV, no local onde ocorreu a situação. • Isto só se consegue se quem presencia a situação tiver a capacidade de iniciar esses procedimentos. • O SBV permite ganhar tempo até à chegada das equipas de socorro, assegurando que o organismo da vítima tem acesso a alguma circulação e ventilação. 2. Início precoce de suporte básico de Vida (SBV) Os quatro elos da Cadeia de Sobrevivência
  • 6. Exploratório 9 • Nos adultos, a maioria das paragens cardiorrespiratórias ocorre devido a fibrilhação ventricular – atividade elétrica caótica de todo o coração, não havendo contração do músculo cardíaco. • O único tratamento eficaz para esta situação é a desfibrilhação – aplicação de um choque elétrico no tórax da vítima. A passagem da corrente elétrica pelo coração regulariza o seu funcionamento. • Uma desfibrilhação eficaz é decisiva para a sobrevivência e deve ser realizada o mais precocemente possível. 3. Desfibrilhação precoce Os quatro elos da Cadeia de Sobrevivência
  • 7. Exploratório 9 A desfibrilhação nem sempre é suficiente para a recuperação da vítima e pode nem sequer ser indicada. O SAV permite maior eficácia na: • ventilação − através da entubação endotraqueal; • circulação − através da administração de fármacos; • recuperação − preservando as funções do cérebro e do coração. 4. Suporte avançado de vida precoce (SAV) Os quatro elos da Cadeia de Sobrevivência
  • 8. Exploratório 9 Avaliação da vítima: abordagem ABCDE A avaliação inicial da vítima deve identificar lesões que possam comprometer a sua vida e, simultaneamente, estabelecer orientações para a estabilização das condições vitais e para o tratamento. A avaliação deve seguir uma ordem de prioridades que são as mesmas para crianças e adultos. As etapas ABCDE da avaliação da vítima representam esta ordem de prioridades.
  • 9. Exploratório 9 Avaliação da vítima: abordagem ABCDE A. (Airway) – permeabilização das vias aéreas com controlo da coluna cervical B. (Breathing) – respiração e ventilação C. (Circulation) – assegurar a circulação com controlo de hemorragia D. (Disability) – disfunção neurológica – exame sumário E. (Exposure) – exposição com controlo da temperatura
  • 10. Exploratório 9 Alarme em caso de emergência O alerta deve ser dado pela primeira pessoa que identifica a situação de emergência. Deve usar-se o Número Europeu de Emergência, 112. A chamada é atendida pela PSP e nas situações de saúde será transferida para o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM). Para que o socorro seja o mais eficaz possível deves obedecer a algumas regras: • manter a calma; • fornecer o número de telefone de onde estás a ligar; • indicar o local da ocorrência – se necessário, indicar pontos de referência;
  • 11. Exploratório 9 • descrever a situação – relatar o que se está a passar. A informação obtida nesta altura vai definir o tipo de socorro que irá ser disponibilizado. É importante referir: • o tipo de situação (doença, acidente, etc.); • o número de vítimas, o sexo e a idade aparente; • o modo como está a vítima: acordada? de que é que se queixa? • descrever a atuação – referir o que foi feito ou está a ser feito e receber as indicações que são dadas pelo operador da central de emergência. A chamada só deve ser desligada quando o operador der indicação. Alarme em caso de emergência
  • 12. Exploratório 9 Desobstrução da via aérea Caso a vítima tenha a via aérea obstruída, que dificulte ou impeça a respiração, deverão iniciar-se procedimentos que permitam, de acordo com a gravidade da situação, restabelecer a respiração. Algoritmo da obstrução da via respiratória
  • 13. Exploratório 9 Manobras de suporte de vida Após a avaliação da situação, em caso de paragem cardiorrespiratória, é necessário efetuar de imediato manobras de suporte de vida. Estes procedimentos deverão ser efetuados respeitando os algoritmos do ERC (Conselho Europeu de Ressuscitação).
  • 15. Exploratório 9 Posição Lateral de Segurança • Quando uma vítima está inconsciente voltada de barriga para cima, mesmo que respire normalmente, pode vir a apresentar obstrução da via aérea e deixar de respirar devido ao relaxamento do palato e da epiglote. • A via aérea pode também ficar obstruída por vómito, secreções ou sangue. • Assim, se a vítima estiver a respirar normalmente e não existir suspeita de traumatismo da coluna cervical deverá ser colocada em Posição Lateral de Segurança (PLS).