SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Lei de Ampère 
Colégio Estadual de Ipiaú 
Alunos: André Lucas, Deyselene Sampaio, Leandro Batista, Robério Ribeiro e Thayna 
Melo 
Disciplina: Física
Introdução 
 Lei de Ampère é a lei que relaciona o campo magnético sobre um laço 
com a corrente elétrica que passa através do laço. É o equivalente 
magnético da lei de Gauss; foi proposta originalmente por André-Marie 
Ampère e modificada por James Clerk Maxwell (por isso é chamada 
também de lei de Ampère-Maxwell). 
Pode-se calcular o campo magnético resultante em um ponto devido a 
qualquer distribuição de correntes através da lei de Biot-Savart. Entretanto, 
se essa distribuição apresentar um certo grau de simetria, é possível aplicar 
a Lei de Ampère para determinar o campo magnético com um esforço 
consideravelmente menor.
Motivação histórica 
 Em 1819, o físico Dinamarquês Hans Christian Oersted, estudando a ação 
de uma corrente elétrica sobre um imã, colocou uma bússola (agulha 
imantada) perpendicular ao fio retilíneo por onde passava corrente, não 
observando qualquer efeito. Todavia, descobriu que quando colocada 
paralelamente ao fio a bússola sofria uma deflexão, acabando por 
orientar-se perpendicularmente a ela. Por conseguinte, uma corrente 
produz um campo magnético. Os resultados de Oersted foram usados 
pelo jovem físico André Marie Ampère para formular a Lei de Ampère2 . No 
caso de um fio retilíneo muito longo transportando corrente, as linhas de 
campo magnético são círculos em planos perpendiculares ao fio, e a a 
orientação de tais linhas pode ser obtida por meio da regra da mão 
direita.
Magnetismo 
 O magnetismo é a denominação para alguns fenômenos naturais 
relacionados a atração ou repulsão de objetos. Eles foram inicialmente 
observados em objetos chamados imãs, que possuem naturalmente essas 
propriedades magnéticas. Foi percebido que ao redor desse imã aparecia 
um campo vetorial, que foi denominado campo magnético. Também foi 
percebido que esse imã possuía duas regiões opostas, que foram 
chamadas de pólos. Observou-se que, ao cortar um imã, os dois pedaços 
resultantes também possuíam dois pólos. E, conforme efetuava-se 
repetidos cortes, sempre apareciam os mesmos dois pólos nos pedaços 
resultantes. Esse curioso fenômeno foi denominado "inseparabilidade dos 
pólos". Por convenção, esses pólos foram chamados de "Norte" e "Sul".
Aplicações 
 Quando a simetria do problema permite, é possível extrair o campo 
magnético para fora da integral de linha, permitindo sua 
determinação via Lei de Ampère. Nas circunstâncias em que ela funciona, 
é de longe o método mais rápido; caso contrário, deve-se recorrer à Lei 
de Biot-Savart 3 . As configurações de corrente nas quais a Lei de Ampère 
pode ser aplicada são: 
 Linhas retas infinitas; 
 Planos infinitos; 
 Solenoides infinitos; 
 Toroides.
Campo gerado por um cilindro condutor de 
raio R 
 Temos uma distribuição de corrente com simetria cilíndrica. No caso de 
um condutor longo, retilíneo e delgado que transporta corrente elétrica 
 as linhas de campo magnético devem ser círculos concêntricos com o 
eixo do condutor. O módulo de B em todos os pontos do percurso de 
integração é tangencial à circunferência, portanto a integral de linha terá 
valor 
 onde r é o raio de uma circunferência imaginária. Considere, de forma 
que densidade de corrente é e De acordo com a Lei 
de Ampère
Campo de um solenoide infinito 
 Um solenoide é constituído por um enrolamento helicoidal de fio sobre um 
núcleo, geralmente com uma seção reta circular. É possível ter centenas 
ou milhares de espiras enroladas de forma compacta, de modo que cada 
espira se comporta como uma espira circular. As linhas de campo 
próximas do centro do solenoide são aproximadamente paralelas, 
indicando um campo magnético quase constante. Já na região externa 
ao solenoide, as linhas de campo são mais espaçadas, gerando um 
campo magnético mais fraco. O solenoide conduz uma corrente e 
possui espiras por unidade de comprimento. No caso de um solenóide 
infinito ou muito longo, o campo pode ser tomado como nulo fora do 
solenóide e uniforme na região interior
Campo de um solenoide toroidal 
 Um solenoide toroidal ou toroide é um solenoide que conduz uma 
corrente através de um enrolamento com espiras em torno de um 
núcleo em forma de rosca. Com uma aproximação idealizada, a simetria 
circular da configuração nos leva a concluir que as linhas de campo 
magnético são circunferências concêntricas com o eixo do toroide. Esta 
argumentação é válida porque consideramos o fluxo da corrente através 
da periferia do toroide desprezível. O campo magnético de um toroide 
está inteiramente confinado ao espaço no interior das espiras (o campo é 
zero fora do toroide).
Lei de Ampère: Regra da mão direita 
 A Lei de Ampère afirma que o sentido do campo magnético é 
determinado pelo sentido da corrente. Dessa forma, invertendo o sentido 
da corrente, invertemos também o sentido do campo. Essa relação é 
representada pela regra da mão direita: o polegar da mão direita indica o 
sentido convencional da corrente elétrica; e os outros dedos, ao 
envolverem o condutor por onde passa à corrente, dão o sentido das 
linhas de campo magnético. Veja uma representação para um condutor 
retilíneo na figura a seguir:
 A Lei de Ampère permite ainda, em algumas situações, a determinação da 
intensidade do campo magnético. 
 Para entender a formulação matemática da Lei de Ampère, imagine que o fio 
condutor percorrido pela corrente elétrica atravessa uma superfície delimitada por 
uma linha fechada (uma linha que não tem início nem fim). Ou seja, o fio condutor 
passa por dentro da região que tem essa linha por limite. Ao somarmos os produtos 
dos campos magnéticos representados em cada trecho da linha fechada (de suas 
projeções nessa linha) pelo comprimento de cada trecho, considerando toda a 
linha fechada, o resultado vai ser proporcional à quantidade de corrente elétrica 
que atravessa a superfície.
Lei de Ampère aplicada em um capacitor 
de placas paralelas sendo carregado 
+Q 
ic 
Q 
S1 
caminho 
S2 
área 
A 
superfície S1 
B d  
c i 0 
superfície S2 
B d  
0i  
0 ???
Conclusão 
 Os valores dos campos magnéticos terrestres calculados tiveram algumas 
diferenças significativas em cada experimento. Podemos atribuir esses 
erros às más medidas do ângulo θ, pois as medidas que eram achadas 
desse ângulo, foram feitas olhando na bússola e tentando descobrir qual 
era o ângulo exato para aquele parâmetro e situação. Com uma bússola 
mais precisa e também com corrente elétrica constante (pois a corrente 
elétrica variava periodicamente e atrapalhava as medidas da mesma), 
teríamos medidas mais eficientes do campo magnético terrestre. 
Comparando o valor do campo magnético terrestre do 
programa GeoMag22 com o valor achado no experimento campo 
magnético terrestre, vemos que existe um erro de 29%, percebendo-se 
que não foi uma medida tão ruim, devido às condições experimentais e a 
sensibilidade dos equipamentos.
Referências Bibliográficas 
 YOUNG, Hugh.; FREEDMAN, Roger . Física III: Eletromagnetismo 12ª Ed. São 
Paulo: Pearson Education, 2009. 
 http://pt.wikipedia.org/ 
 http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfyh8AE/lei-ampere-campo-magnetico- 
terrestre
Lei de Ampère
Lei de Ampère
Lei de Ampère
Lei de Ampère
Lei de Ampère
Lei de Ampère

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Primeira lei de ohm
Primeira lei de ohmPrimeira lei de ohm
Primeira lei de ohm
 
Eletricidade 9º ano
Eletricidade 9º anoEletricidade 9º ano
Eletricidade 9º ano
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Introdução às leis da termodinâmica
Introdução às leis da termodinâmicaIntrodução às leis da termodinâmica
Introdução às leis da termodinâmica
 
Eletrostática fundamentos
Eletrostática   fundamentosEletrostática   fundamentos
Eletrostática fundamentos
 
Relatório de física 3 lei de ohm
Relatório de física 3  lei de ohmRelatório de física 3  lei de ohm
Relatório de física 3 lei de ohm
 
Lei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação química
Lei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação químicaLei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação química
Lei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação química
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Campo magnético
Campo magnéticoCampo magnético
Campo magnético
 
Magnetismo e eletromagnetismo
Magnetismo e eletromagnetismoMagnetismo e eletromagnetismo
Magnetismo e eletromagnetismo
 
Corrente elétrica Fisica
Corrente elétrica FisicaCorrente elétrica Fisica
Corrente elétrica Fisica
 
Campo e potencial elétrico
Campo e potencial elétricoCampo e potencial elétrico
Campo e potencial elétrico
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
 
Cap 23 lei de gauss
Cap 23   lei de gaussCap 23   lei de gauss
Cap 23 lei de gauss
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Relatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricosRelatório transformadores elétricos
Relatório transformadores elétricos
 
Ciclo de born haber
Ciclo de born haberCiclo de born haber
Ciclo de born haber
 
Capitulo 4 eletrodinamica
Capitulo 4 eletrodinamicaCapitulo 4 eletrodinamica
Capitulo 4 eletrodinamica
 

Destaque

Lei De Ampere
Lei De AmpereLei De Ampere
Lei De Amperedalgo
 
Andre marie ampere
Andre marie ampereAndre marie ampere
Andre marie ampereangaro4455
 
Andre marie ampere
Andre marie ampereAndre marie ampere
Andre marie ampereTiare94
 
Luciérnagas y anguilas eléctricas
Luciérnagas y anguilas eléctricasLuciérnagas y anguilas eléctricas
Luciérnagas y anguilas eléctricasMajonieto97
 
André marie ampère
André marie ampèreAndré marie ampère
André marie ampèreMajonieto97
 
Hans Christian Oersted
Hans Christian OerstedHans Christian Oersted
Hans Christian Oerstedvelocifossa
 
Esquema simples para ligação paralela de lâmpadas
Esquema simples para ligação paralela de lâmpadasEsquema simples para ligação paralela de lâmpadas
Esquema simples para ligação paralela de lâmpadasBruno Pereira
 
Quer queimar um computador ?
Quer queimar um computador ?Quer queimar um computador ?
Quer queimar um computador ?BatistaBR
 
Alimentador manual de estanho paa ferro de solda
Alimentador manual de estanho paa ferro de solda  Alimentador manual de estanho paa ferro de solda
Alimentador manual de estanho paa ferro de solda Ani Inventores
 
Curso de conserto de radio am fm
Curso de conserto de radio am fmCurso de conserto de radio am fm
Curso de conserto de radio am fmBruno Pereira
 
1 aula introdução a análise de circuito
1 aula introdução a análise de circuito1 aula introdução a análise de circuito
1 aula introdução a análise de circuitoFabio Curty
 
A persuasão americo de sousa
A persuasão   americo de sousaA persuasão   americo de sousa
A persuasão americo de sousaemersonslopes
 
Como transformar usb em memory card para ps2
Como transformar usb em memory card para ps2Como transformar usb em memory card para ps2
Como transformar usb em memory card para ps2Bruno Pereira
 

Destaque (20)

Andre Ampére
Andre Ampére Andre Ampére
Andre Ampére
 
ANDRE-MARIE AMPER
ANDRE-MARIE AMPERANDRE-MARIE AMPER
ANDRE-MARIE AMPER
 
Andre Ampere
Andre  AmpereAndre  Ampere
Andre Ampere
 
Andre Marie Ampere
Andre Marie AmpereAndre Marie Ampere
Andre Marie Ampere
 
Lei De Ampere
Lei De AmpereLei De Ampere
Lei De Ampere
 
Andre marie ampere
Andre marie ampereAndre marie ampere
Andre marie ampere
 
Andre marie ampere
Andre marie ampereAndre marie ampere
Andre marie ampere
 
Luciérnagas y anguilas eléctricas
Luciérnagas y anguilas eléctricasLuciérnagas y anguilas eléctricas
Luciérnagas y anguilas eléctricas
 
André marie ampère
André marie ampèreAndré marie ampère
André marie ampère
 
Hans Christian Oersted
Hans Christian OerstedHans Christian Oersted
Hans Christian Oersted
 
Hans Christian Oersted
Hans Christian OerstedHans Christian Oersted
Hans Christian Oersted
 
Esquema simples para ligação paralela de lâmpadas
Esquema simples para ligação paralela de lâmpadasEsquema simples para ligação paralela de lâmpadas
Esquema simples para ligação paralela de lâmpadas
 
Quer queimar um computador ?
Quer queimar um computador ?Quer queimar um computador ?
Quer queimar um computador ?
 
Alimentador manual de estanho paa ferro de solda
Alimentador manual de estanho paa ferro de solda  Alimentador manual de estanho paa ferro de solda
Alimentador manual de estanho paa ferro de solda
 
Curso de conserto de radio am fm
Curso de conserto de radio am fmCurso de conserto de radio am fm
Curso de conserto de radio am fm
 
Informática básica
Informática básicaInformática básica
Informática básica
 
Lição
LiçãoLição
Lição
 
1 aula introdução a análise de circuito
1 aula introdução a análise de circuito1 aula introdução a análise de circuito
1 aula introdução a análise de circuito
 
A persuasão americo de sousa
A persuasão   americo de sousaA persuasão   americo de sousa
A persuasão americo de sousa
 
Como transformar usb em memory card para ps2
Como transformar usb em memory card para ps2Como transformar usb em memory card para ps2
Como transformar usb em memory card para ps2
 

Semelhante a Lei de Ampère

Eletromagnetismo meu trabalho
Eletromagnetismo   meu trabalhoEletromagnetismo   meu trabalho
Eletromagnetismo meu trabalhoKamylla Xavier
 
Magnetismo 130924182201-phpapp01
Magnetismo 130924182201-phpapp01Magnetismo 130924182201-phpapp01
Magnetismo 130924182201-phpapp01Wanderson Batista
 
Física Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - EletromagnetismoFísica Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - EletromagnetismoThuan Saraiva
 
Eletromagnetismo - Resumo
Eletromagnetismo - ResumoEletromagnetismo - Resumo
Eletromagnetismo - ResumoMayara Daniel
 
Relatorio fisica iii - 2
Relatorio fisica iii - 2Relatorio fisica iii - 2
Relatorio fisica iii - 2AnaDahmer
 
Aula 4 eletromagnetismo[2]
Aula 4 eletromagnetismo[2]Aula 4 eletromagnetismo[2]
Aula 4 eletromagnetismo[2]flaviomenesantos
 
Aula Eletr Magn 15.pdf
Aula Eletr Magn 15.pdfAula Eletr Magn 15.pdf
Aula Eletr Magn 15.pdfPedroNkadilu
 
Corrente eletrica e_campo_magnetico
Corrente eletrica e_campo_magneticoCorrente eletrica e_campo_magnetico
Corrente eletrica e_campo_magneticorafaelpalota
 
Ondas eletromagneticas seletiva
Ondas eletromagneticas seletivaOndas eletromagneticas seletiva
Ondas eletromagneticas seletivaLuan Gutyerre
 
Aula 1 - Turma Inf./Ele.
Aula 1 - Turma Inf./Ele.Aula 1 - Turma Inf./Ele.
Aula 1 - Turma Inf./Ele.albertaratri
 
Electricidade magnetismo
Electricidade magnetismoElectricidade magnetismo
Electricidade magnetismoRicardo Antunes
 
INSTITUTO_FEDERAL_DE_EDUCACAO_CIENCIA_E.pdf
INSTITUTO_FEDERAL_DE_EDUCACAO_CIENCIA_E.pdfINSTITUTO_FEDERAL_DE_EDUCACAO_CIENCIA_E.pdf
INSTITUTO_FEDERAL_DE_EDUCACAO_CIENCIA_E.pdfSergio Ricardo Nobre
 
Meu trabalho fisica
Meu trabalho fisicaMeu trabalho fisica
Meu trabalho fisicastarolive
 
aula campo magnetico.pptx
aula campo magnetico.pptxaula campo magnetico.pptx
aula campo magnetico.pptxfilmezinho
 

Semelhante a Lei de Ampère (20)

Eletromagnetismo meu trabalho
Eletromagnetismo   meu trabalhoEletromagnetismo   meu trabalho
Eletromagnetismo meu trabalho
 
Magnetismo 130924182201-phpapp01
Magnetismo 130924182201-phpapp01Magnetismo 130924182201-phpapp01
Magnetismo 130924182201-phpapp01
 
Física Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - EletromagnetismoFísica Aplicada - Eletromagnetismo
Física Aplicada - Eletromagnetismo
 
Eletromagnetismo - Resumo
Eletromagnetismo - ResumoEletromagnetismo - Resumo
Eletromagnetismo - Resumo
 
Relatorio fisica iii - 2
Relatorio fisica iii - 2Relatorio fisica iii - 2
Relatorio fisica iii - 2
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Eletromagnetismo
EletromagnetismoEletromagnetismo
Eletromagnetismo
 
Aula 4 eletromagnetismo[2]
Aula 4 eletromagnetismo[2]Aula 4 eletromagnetismo[2]
Aula 4 eletromagnetismo[2]
 
Aula Eletr Magn 15.pdf
Aula Eletr Magn 15.pdfAula Eletr Magn 15.pdf
Aula Eletr Magn 15.pdf
 
Sensor de Campo Magnético
Sensor de Campo MagnéticoSensor de Campo Magnético
Sensor de Campo Magnético
 
Magnetismo
MagnetismoMagnetismo
Magnetismo
 
Corrente eletrica e_campo_magnetico
Corrente eletrica e_campo_magneticoCorrente eletrica e_campo_magnetico
Corrente eletrica e_campo_magnetico
 
Ondas eletromagneticas seletiva
Ondas eletromagneticas seletivaOndas eletromagneticas seletiva
Ondas eletromagneticas seletiva
 
Aula 1 - Turma Inf./Ele.
Aula 1 - Turma Inf./Ele.Aula 1 - Turma Inf./Ele.
Aula 1 - Turma Inf./Ele.
 
Eletro relat - brett
Eletro relat - brettEletro relat - brett
Eletro relat - brett
 
Electricidade magnetismo
Electricidade magnetismoElectricidade magnetismo
Electricidade magnetismo
 
INSTITUTO_FEDERAL_DE_EDUCACAO_CIENCIA_E.pdf
INSTITUTO_FEDERAL_DE_EDUCACAO_CIENCIA_E.pdfINSTITUTO_FEDERAL_DE_EDUCACAO_CIENCIA_E.pdf
INSTITUTO_FEDERAL_DE_EDUCACAO_CIENCIA_E.pdf
 
Meu trabalho fisica
Meu trabalho fisicaMeu trabalho fisica
Meu trabalho fisica
 
aula campo magnetico.pptx
aula campo magnetico.pptxaula campo magnetico.pptx
aula campo magnetico.pptx
 

Lei de Ampère

  • 1. Lei de Ampère Colégio Estadual de Ipiaú Alunos: André Lucas, Deyselene Sampaio, Leandro Batista, Robério Ribeiro e Thayna Melo Disciplina: Física
  • 2. Introdução  Lei de Ampère é a lei que relaciona o campo magnético sobre um laço com a corrente elétrica que passa através do laço. É o equivalente magnético da lei de Gauss; foi proposta originalmente por André-Marie Ampère e modificada por James Clerk Maxwell (por isso é chamada também de lei de Ampère-Maxwell). Pode-se calcular o campo magnético resultante em um ponto devido a qualquer distribuição de correntes através da lei de Biot-Savart. Entretanto, se essa distribuição apresentar um certo grau de simetria, é possível aplicar a Lei de Ampère para determinar o campo magnético com um esforço consideravelmente menor.
  • 3. Motivação histórica  Em 1819, o físico Dinamarquês Hans Christian Oersted, estudando a ação de uma corrente elétrica sobre um imã, colocou uma bússola (agulha imantada) perpendicular ao fio retilíneo por onde passava corrente, não observando qualquer efeito. Todavia, descobriu que quando colocada paralelamente ao fio a bússola sofria uma deflexão, acabando por orientar-se perpendicularmente a ela. Por conseguinte, uma corrente produz um campo magnético. Os resultados de Oersted foram usados pelo jovem físico André Marie Ampère para formular a Lei de Ampère2 . No caso de um fio retilíneo muito longo transportando corrente, as linhas de campo magnético são círculos em planos perpendiculares ao fio, e a a orientação de tais linhas pode ser obtida por meio da regra da mão direita.
  • 4. Magnetismo  O magnetismo é a denominação para alguns fenômenos naturais relacionados a atração ou repulsão de objetos. Eles foram inicialmente observados em objetos chamados imãs, que possuem naturalmente essas propriedades magnéticas. Foi percebido que ao redor desse imã aparecia um campo vetorial, que foi denominado campo magnético. Também foi percebido que esse imã possuía duas regiões opostas, que foram chamadas de pólos. Observou-se que, ao cortar um imã, os dois pedaços resultantes também possuíam dois pólos. E, conforme efetuava-se repetidos cortes, sempre apareciam os mesmos dois pólos nos pedaços resultantes. Esse curioso fenômeno foi denominado "inseparabilidade dos pólos". Por convenção, esses pólos foram chamados de "Norte" e "Sul".
  • 5. Aplicações  Quando a simetria do problema permite, é possível extrair o campo magnético para fora da integral de linha, permitindo sua determinação via Lei de Ampère. Nas circunstâncias em que ela funciona, é de longe o método mais rápido; caso contrário, deve-se recorrer à Lei de Biot-Savart 3 . As configurações de corrente nas quais a Lei de Ampère pode ser aplicada são:  Linhas retas infinitas;  Planos infinitos;  Solenoides infinitos;  Toroides.
  • 6. Campo gerado por um cilindro condutor de raio R  Temos uma distribuição de corrente com simetria cilíndrica. No caso de um condutor longo, retilíneo e delgado que transporta corrente elétrica  as linhas de campo magnético devem ser círculos concêntricos com o eixo do condutor. O módulo de B em todos os pontos do percurso de integração é tangencial à circunferência, portanto a integral de linha terá valor  onde r é o raio de uma circunferência imaginária. Considere, de forma que densidade de corrente é e De acordo com a Lei de Ampère
  • 7. Campo de um solenoide infinito  Um solenoide é constituído por um enrolamento helicoidal de fio sobre um núcleo, geralmente com uma seção reta circular. É possível ter centenas ou milhares de espiras enroladas de forma compacta, de modo que cada espira se comporta como uma espira circular. As linhas de campo próximas do centro do solenoide são aproximadamente paralelas, indicando um campo magnético quase constante. Já na região externa ao solenoide, as linhas de campo são mais espaçadas, gerando um campo magnético mais fraco. O solenoide conduz uma corrente e possui espiras por unidade de comprimento. No caso de um solenóide infinito ou muito longo, o campo pode ser tomado como nulo fora do solenóide e uniforme na região interior
  • 8. Campo de um solenoide toroidal  Um solenoide toroidal ou toroide é um solenoide que conduz uma corrente através de um enrolamento com espiras em torno de um núcleo em forma de rosca. Com uma aproximação idealizada, a simetria circular da configuração nos leva a concluir que as linhas de campo magnético são circunferências concêntricas com o eixo do toroide. Esta argumentação é válida porque consideramos o fluxo da corrente através da periferia do toroide desprezível. O campo magnético de um toroide está inteiramente confinado ao espaço no interior das espiras (o campo é zero fora do toroide).
  • 9. Lei de Ampère: Regra da mão direita  A Lei de Ampère afirma que o sentido do campo magnético é determinado pelo sentido da corrente. Dessa forma, invertendo o sentido da corrente, invertemos também o sentido do campo. Essa relação é representada pela regra da mão direita: o polegar da mão direita indica o sentido convencional da corrente elétrica; e os outros dedos, ao envolverem o condutor por onde passa à corrente, dão o sentido das linhas de campo magnético. Veja uma representação para um condutor retilíneo na figura a seguir:
  • 10.  A Lei de Ampère permite ainda, em algumas situações, a determinação da intensidade do campo magnético.  Para entender a formulação matemática da Lei de Ampère, imagine que o fio condutor percorrido pela corrente elétrica atravessa uma superfície delimitada por uma linha fechada (uma linha que não tem início nem fim). Ou seja, o fio condutor passa por dentro da região que tem essa linha por limite. Ao somarmos os produtos dos campos magnéticos representados em cada trecho da linha fechada (de suas projeções nessa linha) pelo comprimento de cada trecho, considerando toda a linha fechada, o resultado vai ser proporcional à quantidade de corrente elétrica que atravessa a superfície.
  • 11. Lei de Ampère aplicada em um capacitor de placas paralelas sendo carregado +Q ic Q S1 caminho S2 área A superfície S1 B d  c i 0 superfície S2 B d  0i  0 ???
  • 12. Conclusão  Os valores dos campos magnéticos terrestres calculados tiveram algumas diferenças significativas em cada experimento. Podemos atribuir esses erros às más medidas do ângulo θ, pois as medidas que eram achadas desse ângulo, foram feitas olhando na bússola e tentando descobrir qual era o ângulo exato para aquele parâmetro e situação. Com uma bússola mais precisa e também com corrente elétrica constante (pois a corrente elétrica variava periodicamente e atrapalhava as medidas da mesma), teríamos medidas mais eficientes do campo magnético terrestre. Comparando o valor do campo magnético terrestre do programa GeoMag22 com o valor achado no experimento campo magnético terrestre, vemos que existe um erro de 29%, percebendo-se que não foi uma medida tão ruim, devido às condições experimentais e a sensibilidade dos equipamentos.
  • 13. Referências Bibliográficas  YOUNG, Hugh.; FREEDMAN, Roger . Física III: Eletromagnetismo 12ª Ed. São Paulo: Pearson Education, 2009.  http://pt.wikipedia.org/  http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfyh8AE/lei-ampere-campo-magnetico- terrestre