SlideShare uma empresa Scribd logo
Professor Antônio Carlos Carneiro Barroso
Graduado em Matemática pela UFBA
Graduado em Ciências Naturais pela UFBA
Pós graduado em Metodologia e Didática de
ensino Superior
www.ensinodematemtica.blogspot.com.br
www.youtube.com/accbarroso
www.facebook.com/acmatematico
www.twitter.com/profbarroso
Salvador-Ba
UNIDADE 01
MATEMÁTICA COMERCIAL E
FINANCEIRA
Antonio Carlos Carneiro Barroso
CONCEITO
Matemática Comercial: É a disciplina que estuda as
operações correntes do comércio.
Ex: Análise de custo de aquisição de mercadorias, fixação de
preços de venda, determinação de margens de lucro,
negociação de descontos.
Matemática Financeira: É a disciplina que estuda o quanto vale
o dinheiro ao longo do tempo. É o instrumento usado para
avaliar e regular as operações à prazo e nos permite
comparar valores monetários ao longo do tempo.
Ex: Taxas de juros simples e compostos, capitalizações e
atualizações, mecanismos de financiamentos e aplicações de
recursos, instrumentos e recursos do mercado financeiro.
POR QUE ESTUDAR MATEMÁTICA
FINANCEIRA?
• Para responder dúvidas frequentes do nosso
dia-a-dia:
• Comprar à vista ou em 3 vezes iguais?
• Quanto poupar por mês, durante quantos
meses, para comprar algo no futuro?
• Mesmo produto com diferentes condições de
pagamento. Qual a melhor opção?
Entender o “Marketing Financeiro”
O QUE É O DINHEIRO?
Dinheiro: (S, m.) “1. Mercadoria (geralmente representada por
cédulas e moedas) que tem curso oficial, e cujo valor é estabelecido
como o equivalente que permite a troca por outra(s) mercadoria(s), de
cujo valor comparativo é a medida. 2. P.ext. Tudo que representa
dinheiro(1), ou nele pode ser convertido (cheques, títulos, ações,
mercadorias negociáveis, etc.). 3. Qualquer soma, definida ou
indefinida de dinheiro(1). [Sin. (na maioria pop. ou gír.): arame, bago,
bomba, bronze, capim, caraminguá(s), caroço, changa, chapa, chelpa,
cobre(s), cominho, erva, ferro, gaita, grana, guita, jabaculê, jibungo,
jibongo, jimbo ou jimbra, legume, luz, metal, níquel, numerário, óleo,
pecúnia, prata, tostão, tutu, verba.] 4. V. moeda corrente. 5. Moeda(4).
6. Recursos financeiros; abastança, numerário, riqueza, pataca(s).”
(Dicionário Aurélio Básico da Língua Portuguesa, 1988)
O DINHEIRO
PORQUE SURGIU O DINHEIRO?
A Essência do ser humano e suas relações de troca!
É POSSÍVEL ALUGAR O DINHEIRO?
Ao longo desta unidade veremos que o dinheiro é uma
mercadoria que se negocia!
O DINHEIRO
O dinheiro muda de valor ao longo do tempo, mesmo que
o seu valor de face seja o mesmo, seu valor irá mudar.
O valor de uma quantia de dinheiro será diferente de
acordo com a data em que essa quantia estiver disponível
para ser usada.
• INFLAÇÃO
• CUSTO DE OPORTUNIDADE
O dinheiro pode ser representado por dois valores:
• Valor Presente (PV - Present Value)
• Valor futuro (FV - Future Value)
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO
TEMPOTEMPO
Quanto mais distante for a data futura em que estiver
disponível a quantia, menor será seu valor na data de hoje
(Valor Presente)
A quantia disponível na data futura é chamada de Valor
Futuro.
Reflita
O que é melhor: ganhar R$ 1.000,00 hoje ou daqui a um ano?
CONVERSÃO DE MOEDAS
Cada país possui sua respectiva moeda, com
valor próprio;
Podemos converter o valor que uma moeda
possui em um determinado país, no valor de outra
moeda, de outro país.
1.1 - O valor do dinheiro no tempo1.1 - O valor do dinheiro no tempo
O poder de compra de US$ 100,00 nos EUA é
diferente do poder de compra de R$ 100,00 no Brasil.
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO
TEMPOTEMPO
QUESTÃO PARA DISCUSSÃO
• O que é melhor: morar no Brasil e ter um salário
mensal de R$ 2.000,00 ou morar nos Estados
Unidos e receber US$ 1.000,00 por mês?
Por quê?
1.1 - O valor do dinheiro no tempo1.1 - O valor do dinheiro no tempo
Cada país possui sua própria moeda que tem seu
valor próprio. Essas moedas podem ser convertidas,
mas essa conversão mostra que o mesmo produto
tem vários preços nos vários países.
Assim, US$ 1,00 ≅ R$ 2,00, mas o poder de
compra de US$ 1,00 nos EUA é diferente do
poder de compra de R$ 2,00 no Brasil.
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
O VALOR DO DINHEIRO E A INFLAÇÃO
Inflação: Grande emissão de papel-moeda
provocando a redução do valor real da moeda.
Aumento generalizado de preços.
Se o preço de um produto aumenta constantemente,
precisamos de cada vez mais dinheiro para comprar
um mesmo produto.
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
O VALOR DO DINHEIRO E A INFLAÇÃO
Inflação de
10% a.a.
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
O VALOR DO DINHEIRO E A INFLAÇÃO
Esse aumento generalizado de preços provoca
alterações na moeda corrente.
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
O VALOR DO DINHEIRO E A INFLAÇÃO
Inflação de
250% a.a.
≈ 11,00 % a.m.
Tempo Valor
Hoje R$ 100,00
Após 1 ano R$ 350,00
Após 2 anos R$ 1.225,00
Após 3 anos R$ 4.287,50
Após 4 anos R$ 15.006,25
Após 5 anos R$ 52.521,88
Após 6 anos R$ 183.826,56
Após 7 anos R$ 643.392,97
Após 8 anos R$ 2.251.875,39
Após 9 anos R$ 7.881.563,87
Após 10 anos R$ 27.585.473,54
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
MOEDAS BRASILEIRAS
Rs $ 1000 - Mil réis
Do início da colonização (séc. XVI)
até 30/10/1942
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
MOEDAS BRASILEIRAS
Cr$ 1,00 - Um cruzeiro
Rs $ 1000 = Cr$ 1,00
De 01/11/1942 até 12/02/1967 (02/12/1964 - extinção de
centavos)
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
MOEDAS BRASILEIRAS
NCr$ 1,00 - Um cruzeiro novo
Cr$ 1.000,00 = NCr$ 1,00
De 13/02/1967 até 14/05/1970
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
MOEDAS BRASILEIRAS
Cr$ 1,00 - Um cruzeiro
NCr$ 1,00 = Cr$ 1,00
De 15/05/1970 até 27/02/1986 (16/08/1984 - extinção de
centavos)
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
MOEDAS BRASILEIRAS
Cz$ 1,00 - Um cruzado
Cr$ 1.000,00 = Cz$ 1,00
De 28/02/1986 até 15/01/1989
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
MOEDAS BRASILEIRAS
NCz$ 1,00 - Um cruzado novo
Cz$ 1.000,00 = NCz$ 1,00
De 16/01/1989 até 15/03/1990
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
MOEDAS BRASILEIRAS
Cr$ 1,00 - Um cruzeiro
NCz$ 1,00 = Cr$ 1,00
De 16/03/1990 até 31/07/1993
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
MOEDAS BRASILEIRAS
CR$ 1,00 - Um cruzeiro real
Cr$ 1.000,00 = CR$ 1,00
De 01/08/1993 até 30/06/1994
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
MOEDAS BRASILEIRAS
R$ 1,00 - Um real
CR$ 2.750,00 = R$ 1,00
Desde 01/07/1994
1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO
NO TEMPONO TEMPO
MOEDAS BRASILEIRAS
1 Real =
2.750 cruzeiros reais =
2.750.000 cruzeiros =
2.750.000 cruzados novos =
2.750.000.000.cruzados =
2.750.000.000.000 cruzeiros =
2.750.000.000.000 cruzeiros novos =
2.750.000.000.000.000 cruzeiros =
2.750.000.000.000.000.000 réis
1.2 - A TAXA DE JUROS1.2 - A TAXA DE JUROS
CONCEITO DE JUROS
• Remuneração do Capital
• Preço que se paga pelo uso do dinheiro
• Produtividade do Capital
• Preço que se cobra pelo risco de ficar sem o capital
• Preço que se atribui à falta de capital
CONCLUSÃO: Dinheiro é um bem que pode ser
negociável e possui um preço pelo uso: OS JUROS
1.2 - A TAXA DE JUROS1.2 - A TAXA DE JUROS
Definição: Taxa de juros é o percentual que se
recebe (ou se paga) a mais por ter aplicado (ou
tomado emprestado) determinada quantia de
dinheiro.
• É o desvio da paridade do preço do dinheiro
presente em relação ao dinheiro futuro.
• É o quanto o dono do capital atribui como custo
pelo tempo em que não pôde dispor dele por tê-lo
emprestado.
1.2 - A TAXA DE JUROS1.2 - A TAXA DE JUROS
A taxa de juros no nosso dia-a-dia:
• Quanto rendeu a caderneta de poupança no último mês;
• Quanto rendeu o fundo de investimento na última semana;
• A decisão do COPOM (Comitê de Política Monetária) quanto
às taxas de juros básicas da economia brasileira.
A taxa de juros tem papel fundamental em qualquer economia
capitalista, sendo fator determinante do crescimento ou da
recessão, bem como do nível da inflação.
1.3 - As diversas linguagens das taxas de juros1.3 - As diversas linguagens das taxas de juros
As taxas de juros são nomeadas nas mais diversas
linguagens tais como:
•Taxa simples • Taxa efetiva
•Taxa over • Taxa Selic
•Taxa de desconto simples • Taxa Anbid
•Taxa equivalente • Taxa primária
•Taxa mensalizada • Taxa CDI-Over
•Taxa nominal • Taxa de risco
1.3 - As diversas linguagens das taxas de juros1.3 - As diversas linguagens das taxas de juros
Apesar de tantos nomes, todas as taxas procuram
interpretar um único fato:
Principal Coeficiente MontanteX =
Capital inicial,
aplicado ou
emprestado
Fator que
reajusta o
capital
Resultado da
aplicação ou
do empréstimo
Esse coeficiente é interpretado nas diversas linguagens
de taxas de juros, mas de “fato” é sempre um só.
1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de
produçãoprodução
Como podemos gerar riqueza?
Podemos produzir riqueza alugando bens que possuímos
a quem pagar por isso.
Venda de bens não é um meio de produzir riqueza pois
isso apenas a transforma. A única possibilidade de venda
produzir riqueza é quando o produto vendido não se
esgotar.
1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de
produçãoprodução
Quais são os fatores de produção capazes de gerar riqueza?
TERRA TRABALHO CAPITAL
Pode ser
alugada
Remunerado pelo
salário
Rende
juros
⇒ O valor dessa riqueza é determinado pela oferta e pela procura
1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de
produçãoprodução
Quais são as características comuns dos fatores de
produção que influenciam na geração de riquezas?
TERRA
(Aluguel)
TRABALHO
(Salário)
CAPITAL
(Juros)
Dimensões Carga Horária Volume
Localização Localização Mercado
Benfeitorias Mordomias Subsídios
Prazo Prazo Prazo
Cadastro Currículo Cadastro
Controle Controle Controle
1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de
produçãoprodução
 Influência do VOLUME nas taxas de juros
Aplicações: Quanto maior o valor da aplicação, maior
será a taxa de juros para atrair o cliente.
Aplicações MUUUUUUIIIIIIITTTTOOOOO grandes podem
não ser aceitas.
1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de
produçãoprodução
 Influência do VOLUME nas taxas de juros
Empréstimos: Quanto maior o empréstimo, a taxa
depende do tomador.
Custos operacionais não dependem do valor do
empréstimo mas influenciam capitais diferentes de modo
diferente.
Juros muito altos em empréstimos muito pequenos são
psicologicamente melhor aceitos.
1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de
produçãoprodução
 Influência do MERCADO nas taxas de juros
• Locais diferentes pagam juros diferentes.
Por que aplicar em Singapura se posso conseguir a
mesma taxa no banco da esquina?
Obs.: Spread é a diferença entre o juro pago pelas
aplicações e o juro cobrado pelos empréstimos.
Menor spread = maior capacidade de atrair capitais
1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de
produçãoprodução
 Influência dos SUBSÍDIOS nas taxas de juros
• Decide-se (por critérios mais políticos que econômicos)
que determinadas aplicações (ou empréstimos) terão
taxas diferenciadas.
Crédito Rural, financiamento da Caixa, linhas especiais
para empresas.
1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de
produçãoprodução
 Influência do PRAZO nas taxas de juros
Você precisa de R$ 100.000,00 e recorre ao Banco que
lhe oferece as seguintes opções:
• 1% ao mês para empréstimos de, no máximo, 10 dias.
• 5% ao mês para empréstimos de, no mínimo, 10 anos.
Escolha a sua opção.
1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de
produçãoprodução
 Influência do PRAZO nas taxas de juros
Você ganhou R$ 100.000,00 e recorre ao Banco para
aplicar o dinheiro e este lhe oferece as seguintes opções:
• 1% ao mês para aplicações de 1 mês.
• 5% ao mês para aplicações de 3 meses.
Escolha a sua opção.
1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de
produçãoprodução
 Influência do PRAZO nas taxas de juros
• O que acontecerá na economia brasileira daqui a 10 anos?
• A dez anos atrás você poderia prever o que está acontecendo hoje?
• Aceita uma aplicação pré fixada para pagamento em 30 anos?
Conclusão: Quanto maior o prazo, maior a taxa.
1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de
produçãoprodução
 Influência do CADASTRO nas taxas de juros
• José da Silva, brasileiro, casado, 5 filhos, servente de pedreiro
atualmente desempregado, sem bens próprios, pede R$
2.000,00 para pagar conta do hospital.
• Robert Windsor, inglês, casado, 2 filhos, empresário,
proprietário de uma multinacional e salário de US$ 23.000,00
mais participação nos lucros, pede R$ 20.000,00 para
completar o dinheiro para comprar, à vista, uma Ferrari. Deixa
como garantia vários imóveis quitados de sua propriedade.
1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de
produçãoprodução
 Influência do CONTROLE nas taxas de juros
• As taxas de juros reais (...) não poderão ser superiores
a 12% ao ano; a cobrança acima deste limite será
conceituada como crime de usura, punido, em todas
suas modalidades, nos termos que a lei determinar.
Constituição, artigo 192, Inciso VIII, Parágrafo 3o
.
1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de
produçãoprodução
 CONCLUSÃO
Essas características, atuando conjuntamente sobre
o capital, formam a procura e oferta de moeda e
determinam o nível de taxa de juros real vigente num
mercado estável sem inflação.
1.5 – O Dilema Financeiro1.5 – O Dilema Financeiro
O mercado financeiro é composto, basicamente, por
Tomadores, Aplicadores e Instituições Financeiras.
Diferentes interesses entre essas partes, no que diz
respeito às taxas de juros, determinam um “dilema”:
Ao mesmo tempo que tomadores querem taxas baixas
para empréstimos, os investidores querem taxas altas
para aplicações.
1.5 – O Dilema Financeiro1.5 – O Dilema Financeiro
Aplicadores: Possuem o dinheiro e, ao aplicar em uma
instituição financeira, buscam a mais alta taxa de juros, para
que assim sua aplicação seja a mais lucrativa possível.
Tomadores: Não possuem o dinheiro mas precisam dele. Ao
tomar emprestado em uma instituição financeira buscam a
mais baixa taxa de juros para que assim sua dívida seja a
menor possível.
Instituições Financeiras: Intermediárias entre tomadores e
investidores. Para intermediar o negócio financeiro oferecem
a maior taxa de juros para tomadores e a menor taxa de juros
para investidores, buscando o maior lucro possível.
1.5 – O Dilema Financeiro1.5 – O Dilema Financeiro
SPREAD
• Diferença entre compra e venda de dinheiro;
• Diferença entre captação de recursos e empréstimo;
• Diferença entre taxa de remuneração para investimento
e taxa de cobrança para empréstimo;
• Quanto menor o spread, maior o mercado.
Para a financeira, spread = lucro.
1.5 – O Dilema Financeiro1.5 – O Dilema Financeiro
Atinge-se um equilíbrio entre os vários interesses, motivado
pelas condições de mercado.
Nisso tudo, sinta-se à vontade para usar PROCON, Banco
Central e, principalmente, saiba dizer NÃO.
APLICADOR TOMADORINSTITUIÇÃO
FINANCEIRA
deposita empresta
+ spread
1.5 – O Dilema Financeiro1.5 – O Dilema Financeiro
A MELHOR APLICAÇÃO PARA O NOSSO CAPITAL É O
PAGAMENTO DAS NOSSAS DÍVIDAS
Tenho dívidas: Serão cobradas taxas altas
Tenho dinheiro: Serão pagas taxas baixas.
Se tenho dinheiro e dívidas, pago as dívidas. O
rendimento será melhor que qualquer aplicação do
mercado.
A menos que possa investir o dinheiro (fora do mercado)
em algo que renderá mais que o cobrado pelos
empréstimos.
Professor Antonio Carlos Carneiro
Barroso
Colégio Estadual Dinah Gonçalves
Graduado em Ciências Naturais pela
UFBA
Pós graduado em Metodologia e
Didática de ensino Superior
Lecionando Matemática e Biologia
http://ensinodematemtica.blogspot.com
www.profantoniocarneiro.com
Salvador-Ba

Mais conteúdo relacionado

Destaque

SBTFabU-Media-Kit-2017
SBTFabU-Media-Kit-2017SBTFabU-Media-Kit-2017
SBTFabU-Media-Kit-2017
Stephanie Barnes Taylor
 
las frutas
las frutaslas frutas
las frutas
jennycarrillo2016
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
Asma Nazar
 
LINKDINCV
LINKDINCVLINKDINCV
LINKDINCV
Lewis Wilkey
 
12 neraca pembayaran
12 neraca pembayaran12 neraca pembayaran
12 neraca pembayaran
emi halimi
 
Science and Knowledge
Science and KnowledgeScience and Knowledge
Science and Knowledge
Mulawarman University
 
Predikcia klientskeho spravania
Predikcia klientskeho spravaniaPredikcia klientskeho spravania
Predikcia klientskeho spravania
Jan Sehnal
 
Jornadas AGS Sur de Sevilla - Lecciones aprendidas
Jornadas AGS Sur de Sevilla - Lecciones aprendidasJornadas AGS Sur de Sevilla - Lecciones aprendidas
Jornadas AGS Sur de Sevilla - Lecciones aprendidas
AGS Sur de Sevilla
 
Rasbora ataenia, new fish...published..latest..8.12.16
Rasbora ataenia, new fish...published..latest..8.12.16Rasbora ataenia, new fish...published..latest..8.12.16
Rasbora ataenia, new fish...published..latest..8.12.16
Mathews Plamoottil
 
Solution report for Planet Technology
Solution report for Planet TechnologySolution report for Planet Technology
Solution report for Planet Technology
Batish Sama
 
Supertoci judy blume
Supertoci  judy blumeSupertoci  judy blume
Supertoci judy blume
macarena mendoza
 

Destaque (11)

SBTFabU-Media-Kit-2017
SBTFabU-Media-Kit-2017SBTFabU-Media-Kit-2017
SBTFabU-Media-Kit-2017
 
las frutas
las frutaslas frutas
las frutas
 
Portfolio
PortfolioPortfolio
Portfolio
 
LINKDINCV
LINKDINCVLINKDINCV
LINKDINCV
 
12 neraca pembayaran
12 neraca pembayaran12 neraca pembayaran
12 neraca pembayaran
 
Science and Knowledge
Science and KnowledgeScience and Knowledge
Science and Knowledge
 
Predikcia klientskeho spravania
Predikcia klientskeho spravaniaPredikcia klientskeho spravania
Predikcia klientskeho spravania
 
Jornadas AGS Sur de Sevilla - Lecciones aprendidas
Jornadas AGS Sur de Sevilla - Lecciones aprendidasJornadas AGS Sur de Sevilla - Lecciones aprendidas
Jornadas AGS Sur de Sevilla - Lecciones aprendidas
 
Rasbora ataenia, new fish...published..latest..8.12.16
Rasbora ataenia, new fish...published..latest..8.12.16Rasbora ataenia, new fish...published..latest..8.12.16
Rasbora ataenia, new fish...published..latest..8.12.16
 
Solution report for Planet Technology
Solution report for Planet TechnologySolution report for Planet Technology
Solution report for Planet Technology
 
Supertoci judy blume
Supertoci  judy blumeSupertoci  judy blume
Supertoci judy blume
 

Semelhante a Introduomatemticacomercialefinanceira 17122016

Macroeconomia - Inflação
Macroeconomia - Inflação Macroeconomia - Inflação
Macroeconomia - Inflação
Fernando Monteiro D'Andrea
 
Apostila valor do dinheiro do tempo
Apostila valor do dinheiro do tempoApostila valor do dinheiro do tempo
Apostila valor do dinheiro do tempo
Tatiana Tenório
 
Nocoes contabeis 03
Nocoes contabeis 03Nocoes contabeis 03
Nocoes contabeis 03
contacontabil
 
apresentação oficial da visioncash
apresentação oficial da  visioncashapresentação oficial da  visioncash
apresentação oficial da visioncash
Douglas Santos
 
Aula 7, 8, 9 e 10 econmiainternacional
Aula 7, 8, 9 e 10  econmiainternacionalAula 7, 8, 9 e 10  econmiainternacional
Aula 7, 8, 9 e 10 econmiainternacional
Luiz Paulo Fontes Rezende
 
Curso de introdução aos investimentos em criptomoedas
Curso de introdução aos investimentos em criptomoedasCurso de introdução aos investimentos em criptomoedas
Curso de introdução aos investimentos em criptomoedas
Ricardo Rozgrin
 
Teoria e Prática Cambial_Texto 1.pdf
Teoria e Prática Cambial_Texto 1.pdfTeoria e Prática Cambial_Texto 1.pdf
Teoria e Prática Cambial_Texto 1.pdf
rmlabsmaesso
 
Palestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Palestra Educação e Planejamento Financeiro PessoalPalestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Palestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Benjamim Garcia Netto
 
4 negociações comerciais
4 negociações comerciais4 negociações comerciais
4 negociações comerciais
kennyaeduardo
 
ADM4007 Derivativos.pptx
ADM4007 Derivativos.pptxADM4007 Derivativos.pptx
ADM4007 Derivativos.pptx
Pedro Luis Moraes
 
Introdução às Finanças Pessoais ]
Introdução às Finanças Pessoais ]Introdução às Finanças Pessoais ]
Introdução às Finanças Pessoais ]
Secretaria de Estado da Tributação do RN
 
Financas pessoais-completo
Financas pessoais-completoFinancas pessoais-completo
Financas pessoais-completo
admulbra
 
Apresentação Tal Cash Back Card Bonus
Apresentação Tal Cash Back Card BonusApresentação Tal Cash Back Card Bonus
Apresentação Tal Cash Back Card Bonus
Edinei Motta
 
O numero e
O numero eO numero e
O numero e
Angelica Langner
 
Gestão financeira geral
Gestão financeira   geralGestão financeira   geral
Gestão financeira geral
Antonio Moreira
 
Ativ2 6 tatiane
Ativ2 6 tatianeAtiv2 6 tatiane
Especialidade Orçamento familiar.pptx
Especialidade Orçamento familiar.pptxEspecialidade Orçamento familiar.pptx
Especialidade Orçamento familiar.pptx
IsmaelMarinho4
 
Aula12 macro economia monetária
Aula12   macro economia monetáriaAula12   macro economia monetária
Aula12 macro economia monetária
Vanessa Alves
 
Unidade 4
Unidade 4Unidade 4
Unidade 4
Daniel Suzarte
 
Aula teste -Sumaré
Aula teste -SumaréAula teste -Sumaré
Aula teste -Sumaré
Antonio Azambuja
 

Semelhante a Introduomatemticacomercialefinanceira 17122016 (20)

Macroeconomia - Inflação
Macroeconomia - Inflação Macroeconomia - Inflação
Macroeconomia - Inflação
 
Apostila valor do dinheiro do tempo
Apostila valor do dinheiro do tempoApostila valor do dinheiro do tempo
Apostila valor do dinheiro do tempo
 
Nocoes contabeis 03
Nocoes contabeis 03Nocoes contabeis 03
Nocoes contabeis 03
 
apresentação oficial da visioncash
apresentação oficial da  visioncashapresentação oficial da  visioncash
apresentação oficial da visioncash
 
Aula 7, 8, 9 e 10 econmiainternacional
Aula 7, 8, 9 e 10  econmiainternacionalAula 7, 8, 9 e 10  econmiainternacional
Aula 7, 8, 9 e 10 econmiainternacional
 
Curso de introdução aos investimentos em criptomoedas
Curso de introdução aos investimentos em criptomoedasCurso de introdução aos investimentos em criptomoedas
Curso de introdução aos investimentos em criptomoedas
 
Teoria e Prática Cambial_Texto 1.pdf
Teoria e Prática Cambial_Texto 1.pdfTeoria e Prática Cambial_Texto 1.pdf
Teoria e Prática Cambial_Texto 1.pdf
 
Palestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Palestra Educação e Planejamento Financeiro PessoalPalestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Palestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
 
4 negociações comerciais
4 negociações comerciais4 negociações comerciais
4 negociações comerciais
 
ADM4007 Derivativos.pptx
ADM4007 Derivativos.pptxADM4007 Derivativos.pptx
ADM4007 Derivativos.pptx
 
Introdução às Finanças Pessoais ]
Introdução às Finanças Pessoais ]Introdução às Finanças Pessoais ]
Introdução às Finanças Pessoais ]
 
Financas pessoais-completo
Financas pessoais-completoFinancas pessoais-completo
Financas pessoais-completo
 
Apresentação Tal Cash Back Card Bonus
Apresentação Tal Cash Back Card BonusApresentação Tal Cash Back Card Bonus
Apresentação Tal Cash Back Card Bonus
 
O numero e
O numero eO numero e
O numero e
 
Gestão financeira geral
Gestão financeira   geralGestão financeira   geral
Gestão financeira geral
 
Ativ2 6 tatiane
Ativ2 6 tatianeAtiv2 6 tatiane
Ativ2 6 tatiane
 
Especialidade Orçamento familiar.pptx
Especialidade Orçamento familiar.pptxEspecialidade Orçamento familiar.pptx
Especialidade Orçamento familiar.pptx
 
Aula12 macro economia monetária
Aula12   macro economia monetáriaAula12   macro economia monetária
Aula12 macro economia monetária
 
Unidade 4
Unidade 4Unidade 4
Unidade 4
 
Aula teste -Sumaré
Aula teste -SumaréAula teste -Sumaré
Aula teste -Sumaré
 

Mais de Antonio Carneiro

Volumes 17122016
Volumes 17122016Volumes 17122016
Volumes 17122016
Antonio Carneiro
 
Sessão de cônicas 17122016
Sessão de cônicas 17122016Sessão de cônicas 17122016
Sessão de cônicas 17122016
Antonio Carneiro
 
Angulos 17122016
Angulos 17122016Angulos 17122016
Angulos 17122016
Antonio Carneiro
 
Estudodareta 17122016
Estudodareta 17122016Estudodareta 17122016
Estudodareta 17122016
Antonio Carneiro
 
Função de 2º grau 17122016
Função de 2º grau 17122016Função de 2º grau 17122016
Função de 2º grau 17122016
Antonio Carneiro
 
Polinomios 17122016
Polinomios 17122016Polinomios 17122016
Polinomios 17122016
Antonio Carneiro
 
Matrizes 17122016
Matrizes 17122016Matrizes 17122016
Matrizes 17122016
Antonio Carneiro
 
Matriz
MatrizMatriz
Polinomios
PolinomiosPolinomios
Polinomios
Antonio Carneiro
 
Matrizes
Matrizes Matrizes
Matrizes
Antonio Carneiro
 
Matrizes
MatrizesMatrizes
Ângulo
ÂnguloÂngulo
Função do 2º Grau.
Função do 2º Grau.Função do 2º Grau.
Função do 2º Grau.
Antonio Carneiro
 
Estudo da reta
Estudo da retaEstudo da reta
Estudo da reta
Antonio Carneiro
 
Sessões Cônicas
 Sessões Cônicas Sessões Cônicas
Sessões Cônicas
Antonio Carneiro
 
Triângulo
TriânguloTriângulo
Triângulo
Antonio Carneiro
 
Produtos notaveis
Produtos notaveisProdutos notaveis
Produtos notaveis
Antonio Carneiro
 
Função Exponencial
Função ExponencialFunção Exponencial
Função Exponencial
Antonio Carneiro
 
Apresentação4 6ª a vesp
Apresentação4 6ª a vespApresentação4 6ª a vesp
Apresentação4 6ª a vesp
Antonio Carneiro
 

Mais de Antonio Carneiro (20)

Volumes 17122016
Volumes 17122016Volumes 17122016
Volumes 17122016
 
Sessão de cônicas 17122016
Sessão de cônicas 17122016Sessão de cônicas 17122016
Sessão de cônicas 17122016
 
Angulos 17122016
Angulos 17122016Angulos 17122016
Angulos 17122016
 
Estudodareta 17122016
Estudodareta 17122016Estudodareta 17122016
Estudodareta 17122016
 
Função de 2º grau 17122016
Função de 2º grau 17122016Função de 2º grau 17122016
Função de 2º grau 17122016
 
Polinomios 17122016
Polinomios 17122016Polinomios 17122016
Polinomios 17122016
 
Matrizes 17122016
Matrizes 17122016Matrizes 17122016
Matrizes 17122016
 
Matriz
MatrizMatriz
Matriz
 
Polinomios
PolinomiosPolinomios
Polinomios
 
Matrizes
Matrizes Matrizes
Matrizes
 
Matrizes
MatrizesMatrizes
Matrizes
 
Ângulo
ÂnguloÂngulo
Ângulo
 
Função do 2º Grau.
Função do 2º Grau.Função do 2º Grau.
Função do 2º Grau.
 
Estudo da reta
Estudo da retaEstudo da reta
Estudo da reta
 
Sessões Cônicas
 Sessões Cônicas Sessões Cônicas
Sessões Cônicas
 
Triângulo
TriânguloTriângulo
Triângulo
 
Produtos notaveis
Produtos notaveisProdutos notaveis
Produtos notaveis
 
Função Exponencial
Função ExponencialFunção Exponencial
Função Exponencial
 
Apresentação 3
Apresentação 3Apresentação 3
Apresentação 3
 
Apresentação4 6ª a vesp
Apresentação4 6ª a vespApresentação4 6ª a vesp
Apresentação4 6ª a vesp
 

Último

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 

Último (20)

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 

Introduomatemticacomercialefinanceira 17122016

  • 1. Professor Antônio Carlos Carneiro Barroso Graduado em Matemática pela UFBA Graduado em Ciências Naturais pela UFBA Pós graduado em Metodologia e Didática de ensino Superior www.ensinodematemtica.blogspot.com.br www.youtube.com/accbarroso www.facebook.com/acmatematico www.twitter.com/profbarroso Salvador-Ba
  • 2. UNIDADE 01 MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA Antonio Carlos Carneiro Barroso
  • 3. CONCEITO Matemática Comercial: É a disciplina que estuda as operações correntes do comércio. Ex: Análise de custo de aquisição de mercadorias, fixação de preços de venda, determinação de margens de lucro, negociação de descontos. Matemática Financeira: É a disciplina que estuda o quanto vale o dinheiro ao longo do tempo. É o instrumento usado para avaliar e regular as operações à prazo e nos permite comparar valores monetários ao longo do tempo. Ex: Taxas de juros simples e compostos, capitalizações e atualizações, mecanismos de financiamentos e aplicações de recursos, instrumentos e recursos do mercado financeiro.
  • 4. POR QUE ESTUDAR MATEMÁTICA FINANCEIRA? • Para responder dúvidas frequentes do nosso dia-a-dia: • Comprar à vista ou em 3 vezes iguais? • Quanto poupar por mês, durante quantos meses, para comprar algo no futuro? • Mesmo produto com diferentes condições de pagamento. Qual a melhor opção? Entender o “Marketing Financeiro”
  • 5. O QUE É O DINHEIRO? Dinheiro: (S, m.) “1. Mercadoria (geralmente representada por cédulas e moedas) que tem curso oficial, e cujo valor é estabelecido como o equivalente que permite a troca por outra(s) mercadoria(s), de cujo valor comparativo é a medida. 2. P.ext. Tudo que representa dinheiro(1), ou nele pode ser convertido (cheques, títulos, ações, mercadorias negociáveis, etc.). 3. Qualquer soma, definida ou indefinida de dinheiro(1). [Sin. (na maioria pop. ou gír.): arame, bago, bomba, bronze, capim, caraminguá(s), caroço, changa, chapa, chelpa, cobre(s), cominho, erva, ferro, gaita, grana, guita, jabaculê, jibungo, jibongo, jimbo ou jimbra, legume, luz, metal, níquel, numerário, óleo, pecúnia, prata, tostão, tutu, verba.] 4. V. moeda corrente. 5. Moeda(4). 6. Recursos financeiros; abastança, numerário, riqueza, pataca(s).” (Dicionário Aurélio Básico da Língua Portuguesa, 1988)
  • 6. O DINHEIRO PORQUE SURGIU O DINHEIRO? A Essência do ser humano e suas relações de troca! É POSSÍVEL ALUGAR O DINHEIRO? Ao longo desta unidade veremos que o dinheiro é uma mercadoria que se negocia!
  • 7. O DINHEIRO O dinheiro muda de valor ao longo do tempo, mesmo que o seu valor de face seja o mesmo, seu valor irá mudar. O valor de uma quantia de dinheiro será diferente de acordo com a data em que essa quantia estiver disponível para ser usada. • INFLAÇÃO • CUSTO DE OPORTUNIDADE O dinheiro pode ser representado por dois valores: • Valor Presente (PV - Present Value) • Valor futuro (FV - Future Value)
  • 8. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPOTEMPO Quanto mais distante for a data futura em que estiver disponível a quantia, menor será seu valor na data de hoje (Valor Presente) A quantia disponível na data futura é chamada de Valor Futuro. Reflita O que é melhor: ganhar R$ 1.000,00 hoje ou daqui a um ano?
  • 9. CONVERSÃO DE MOEDAS Cada país possui sua respectiva moeda, com valor próprio; Podemos converter o valor que uma moeda possui em um determinado país, no valor de outra moeda, de outro país. 1.1 - O valor do dinheiro no tempo1.1 - O valor do dinheiro no tempo
  • 10. O poder de compra de US$ 100,00 nos EUA é diferente do poder de compra de R$ 100,00 no Brasil. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPOTEMPO
  • 11. QUESTÃO PARA DISCUSSÃO • O que é melhor: morar no Brasil e ter um salário mensal de R$ 2.000,00 ou morar nos Estados Unidos e receber US$ 1.000,00 por mês? Por quê? 1.1 - O valor do dinheiro no tempo1.1 - O valor do dinheiro no tempo
  • 12. Cada país possui sua própria moeda que tem seu valor próprio. Essas moedas podem ser convertidas, mas essa conversão mostra que o mesmo produto tem vários preços nos vários países. Assim, US$ 1,00 ≅ R$ 2,00, mas o poder de compra de US$ 1,00 nos EUA é diferente do poder de compra de R$ 2,00 no Brasil. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO
  • 13. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO O VALOR DO DINHEIRO E A INFLAÇÃO Inflação: Grande emissão de papel-moeda provocando a redução do valor real da moeda. Aumento generalizado de preços. Se o preço de um produto aumenta constantemente, precisamos de cada vez mais dinheiro para comprar um mesmo produto.
  • 14. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO O VALOR DO DINHEIRO E A INFLAÇÃO Inflação de 10% a.a.
  • 15. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO O VALOR DO DINHEIRO E A INFLAÇÃO Esse aumento generalizado de preços provoca alterações na moeda corrente.
  • 16. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO O VALOR DO DINHEIRO E A INFLAÇÃO Inflação de 250% a.a. ≈ 11,00 % a.m. Tempo Valor Hoje R$ 100,00 Após 1 ano R$ 350,00 Após 2 anos R$ 1.225,00 Após 3 anos R$ 4.287,50 Após 4 anos R$ 15.006,25 Após 5 anos R$ 52.521,88 Após 6 anos R$ 183.826,56 Após 7 anos R$ 643.392,97 Após 8 anos R$ 2.251.875,39 Após 9 anos R$ 7.881.563,87 Após 10 anos R$ 27.585.473,54
  • 17. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO MOEDAS BRASILEIRAS Rs $ 1000 - Mil réis Do início da colonização (séc. XVI) até 30/10/1942
  • 18. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO MOEDAS BRASILEIRAS Cr$ 1,00 - Um cruzeiro Rs $ 1000 = Cr$ 1,00 De 01/11/1942 até 12/02/1967 (02/12/1964 - extinção de centavos)
  • 19. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO MOEDAS BRASILEIRAS NCr$ 1,00 - Um cruzeiro novo Cr$ 1.000,00 = NCr$ 1,00 De 13/02/1967 até 14/05/1970
  • 20. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO MOEDAS BRASILEIRAS Cr$ 1,00 - Um cruzeiro NCr$ 1,00 = Cr$ 1,00 De 15/05/1970 até 27/02/1986 (16/08/1984 - extinção de centavos)
  • 21. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO MOEDAS BRASILEIRAS Cz$ 1,00 - Um cruzado Cr$ 1.000,00 = Cz$ 1,00 De 28/02/1986 até 15/01/1989
  • 22. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO MOEDAS BRASILEIRAS NCz$ 1,00 - Um cruzado novo Cz$ 1.000,00 = NCz$ 1,00 De 16/01/1989 até 15/03/1990
  • 23. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO MOEDAS BRASILEIRAS Cr$ 1,00 - Um cruzeiro NCz$ 1,00 = Cr$ 1,00 De 16/03/1990 até 31/07/1993
  • 24. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO MOEDAS BRASILEIRAS CR$ 1,00 - Um cruzeiro real Cr$ 1.000,00 = CR$ 1,00 De 01/08/1993 até 30/06/1994
  • 25. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO MOEDAS BRASILEIRAS R$ 1,00 - Um real CR$ 2.750,00 = R$ 1,00 Desde 01/07/1994
  • 26. 1.1 - O VALOR DO DINHEIRO1.1 - O VALOR DO DINHEIRO NO TEMPONO TEMPO MOEDAS BRASILEIRAS 1 Real = 2.750 cruzeiros reais = 2.750.000 cruzeiros = 2.750.000 cruzados novos = 2.750.000.000.cruzados = 2.750.000.000.000 cruzeiros = 2.750.000.000.000 cruzeiros novos = 2.750.000.000.000.000 cruzeiros = 2.750.000.000.000.000.000 réis
  • 27. 1.2 - A TAXA DE JUROS1.2 - A TAXA DE JUROS CONCEITO DE JUROS • Remuneração do Capital • Preço que se paga pelo uso do dinheiro • Produtividade do Capital • Preço que se cobra pelo risco de ficar sem o capital • Preço que se atribui à falta de capital CONCLUSÃO: Dinheiro é um bem que pode ser negociável e possui um preço pelo uso: OS JUROS
  • 28. 1.2 - A TAXA DE JUROS1.2 - A TAXA DE JUROS Definição: Taxa de juros é o percentual que se recebe (ou se paga) a mais por ter aplicado (ou tomado emprestado) determinada quantia de dinheiro. • É o desvio da paridade do preço do dinheiro presente em relação ao dinheiro futuro. • É o quanto o dono do capital atribui como custo pelo tempo em que não pôde dispor dele por tê-lo emprestado.
  • 29. 1.2 - A TAXA DE JUROS1.2 - A TAXA DE JUROS A taxa de juros no nosso dia-a-dia: • Quanto rendeu a caderneta de poupança no último mês; • Quanto rendeu o fundo de investimento na última semana; • A decisão do COPOM (Comitê de Política Monetária) quanto às taxas de juros básicas da economia brasileira. A taxa de juros tem papel fundamental em qualquer economia capitalista, sendo fator determinante do crescimento ou da recessão, bem como do nível da inflação.
  • 30. 1.3 - As diversas linguagens das taxas de juros1.3 - As diversas linguagens das taxas de juros As taxas de juros são nomeadas nas mais diversas linguagens tais como: •Taxa simples • Taxa efetiva •Taxa over • Taxa Selic •Taxa de desconto simples • Taxa Anbid •Taxa equivalente • Taxa primária •Taxa mensalizada • Taxa CDI-Over •Taxa nominal • Taxa de risco
  • 31. 1.3 - As diversas linguagens das taxas de juros1.3 - As diversas linguagens das taxas de juros Apesar de tantos nomes, todas as taxas procuram interpretar um único fato: Principal Coeficiente MontanteX = Capital inicial, aplicado ou emprestado Fator que reajusta o capital Resultado da aplicação ou do empréstimo Esse coeficiente é interpretado nas diversas linguagens de taxas de juros, mas de “fato” é sempre um só.
  • 32. 1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de produçãoprodução Como podemos gerar riqueza? Podemos produzir riqueza alugando bens que possuímos a quem pagar por isso. Venda de bens não é um meio de produzir riqueza pois isso apenas a transforma. A única possibilidade de venda produzir riqueza é quando o produto vendido não se esgotar.
  • 33. 1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de produçãoprodução Quais são os fatores de produção capazes de gerar riqueza? TERRA TRABALHO CAPITAL Pode ser alugada Remunerado pelo salário Rende juros ⇒ O valor dessa riqueza é determinado pela oferta e pela procura
  • 34. 1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de produçãoprodução Quais são as características comuns dos fatores de produção que influenciam na geração de riquezas? TERRA (Aluguel) TRABALHO (Salário) CAPITAL (Juros) Dimensões Carga Horária Volume Localização Localização Mercado Benfeitorias Mordomias Subsídios Prazo Prazo Prazo Cadastro Currículo Cadastro Controle Controle Controle
  • 35. 1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de produçãoprodução  Influência do VOLUME nas taxas de juros Aplicações: Quanto maior o valor da aplicação, maior será a taxa de juros para atrair o cliente. Aplicações MUUUUUUIIIIIIITTTTOOOOO grandes podem não ser aceitas.
  • 36. 1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de produçãoprodução  Influência do VOLUME nas taxas de juros Empréstimos: Quanto maior o empréstimo, a taxa depende do tomador. Custos operacionais não dependem do valor do empréstimo mas influenciam capitais diferentes de modo diferente. Juros muito altos em empréstimos muito pequenos são psicologicamente melhor aceitos.
  • 37. 1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de produçãoprodução  Influência do MERCADO nas taxas de juros • Locais diferentes pagam juros diferentes. Por que aplicar em Singapura se posso conseguir a mesma taxa no banco da esquina? Obs.: Spread é a diferença entre o juro pago pelas aplicações e o juro cobrado pelos empréstimos. Menor spread = maior capacidade de atrair capitais
  • 38. 1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de produçãoprodução  Influência dos SUBSÍDIOS nas taxas de juros • Decide-se (por critérios mais políticos que econômicos) que determinadas aplicações (ou empréstimos) terão taxas diferenciadas. Crédito Rural, financiamento da Caixa, linhas especiais para empresas.
  • 39. 1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de produçãoprodução  Influência do PRAZO nas taxas de juros Você precisa de R$ 100.000,00 e recorre ao Banco que lhe oferece as seguintes opções: • 1% ao mês para empréstimos de, no máximo, 10 dias. • 5% ao mês para empréstimos de, no mínimo, 10 anos. Escolha a sua opção.
  • 40. 1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de produçãoprodução  Influência do PRAZO nas taxas de juros Você ganhou R$ 100.000,00 e recorre ao Banco para aplicar o dinheiro e este lhe oferece as seguintes opções: • 1% ao mês para aplicações de 1 mês. • 5% ao mês para aplicações de 3 meses. Escolha a sua opção.
  • 41. 1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de produçãoprodução  Influência do PRAZO nas taxas de juros • O que acontecerá na economia brasileira daqui a 10 anos? • A dez anos atrás você poderia prever o que está acontecendo hoje? • Aceita uma aplicação pré fixada para pagamento em 30 anos? Conclusão: Quanto maior o prazo, maior a taxa.
  • 42. 1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de produçãoprodução  Influência do CADASTRO nas taxas de juros • José da Silva, brasileiro, casado, 5 filhos, servente de pedreiro atualmente desempregado, sem bens próprios, pede R$ 2.000,00 para pagar conta do hospital. • Robert Windsor, inglês, casado, 2 filhos, empresário, proprietário de uma multinacional e salário de US$ 23.000,00 mais participação nos lucros, pede R$ 20.000,00 para completar o dinheiro para comprar, à vista, uma Ferrari. Deixa como garantia vários imóveis quitados de sua propriedade.
  • 43. 1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de produçãoprodução  Influência do CONTROLE nas taxas de juros • As taxas de juros reais (...) não poderão ser superiores a 12% ao ano; a cobrança acima deste limite será conceituada como crime de usura, punido, em todas suas modalidades, nos termos que a lei determinar. Constituição, artigo 192, Inciso VIII, Parágrafo 3o .
  • 44. 1.4 - As características comuns dos fatores de1.4 - As características comuns dos fatores de produçãoprodução  CONCLUSÃO Essas características, atuando conjuntamente sobre o capital, formam a procura e oferta de moeda e determinam o nível de taxa de juros real vigente num mercado estável sem inflação.
  • 45. 1.5 – O Dilema Financeiro1.5 – O Dilema Financeiro O mercado financeiro é composto, basicamente, por Tomadores, Aplicadores e Instituições Financeiras. Diferentes interesses entre essas partes, no que diz respeito às taxas de juros, determinam um “dilema”: Ao mesmo tempo que tomadores querem taxas baixas para empréstimos, os investidores querem taxas altas para aplicações.
  • 46. 1.5 – O Dilema Financeiro1.5 – O Dilema Financeiro Aplicadores: Possuem o dinheiro e, ao aplicar em uma instituição financeira, buscam a mais alta taxa de juros, para que assim sua aplicação seja a mais lucrativa possível. Tomadores: Não possuem o dinheiro mas precisam dele. Ao tomar emprestado em uma instituição financeira buscam a mais baixa taxa de juros para que assim sua dívida seja a menor possível. Instituições Financeiras: Intermediárias entre tomadores e investidores. Para intermediar o negócio financeiro oferecem a maior taxa de juros para tomadores e a menor taxa de juros para investidores, buscando o maior lucro possível.
  • 47. 1.5 – O Dilema Financeiro1.5 – O Dilema Financeiro SPREAD • Diferença entre compra e venda de dinheiro; • Diferença entre captação de recursos e empréstimo; • Diferença entre taxa de remuneração para investimento e taxa de cobrança para empréstimo; • Quanto menor o spread, maior o mercado. Para a financeira, spread = lucro.
  • 48. 1.5 – O Dilema Financeiro1.5 – O Dilema Financeiro Atinge-se um equilíbrio entre os vários interesses, motivado pelas condições de mercado. Nisso tudo, sinta-se à vontade para usar PROCON, Banco Central e, principalmente, saiba dizer NÃO. APLICADOR TOMADORINSTITUIÇÃO FINANCEIRA deposita empresta + spread
  • 49. 1.5 – O Dilema Financeiro1.5 – O Dilema Financeiro A MELHOR APLICAÇÃO PARA O NOSSO CAPITAL É O PAGAMENTO DAS NOSSAS DÍVIDAS Tenho dívidas: Serão cobradas taxas altas Tenho dinheiro: Serão pagas taxas baixas. Se tenho dinheiro e dívidas, pago as dívidas. O rendimento será melhor que qualquer aplicação do mercado. A menos que possa investir o dinheiro (fora do mercado) em algo que renderá mais que o cobrado pelos empréstimos.
  • 50. Professor Antonio Carlos Carneiro Barroso Colégio Estadual Dinah Gonçalves Graduado em Ciências Naturais pela UFBA Pós graduado em Metodologia e Didática de ensino Superior Lecionando Matemática e Biologia http://ensinodematemtica.blogspot.com www.profantoniocarneiro.com Salvador-Ba