SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 90
Baixar para ler offline
Universidade Estadual do Maranhão
Engenharia de Produção
Ciências do Ambiente
Meio Terrestre
Características e Poluição
Me. Elon Vieira Lima
 Solo é uma coleção de corpos naturais dinâmicos, que
contém a matéria viva, e é resultante da ação do clima e
da biosfera sobre a rocha, cuja transformação em solo se
realiza durante certo tempo e é influenciada pelo tipo de
relevo.
 O limite superior do solo é a biosfera e a atmosfera com
as quais se entrelaça.
 Lateralmente, ele pode passar para corpos d’água, rocha
desnuda, gelo ou areias de praias costeiras ou de dunas
movediças.
 O limite inferior é mais difícil de ser estabelecido porque
ele passa progressivamente à rocha dura ou material
inconsolidado, onde quase sempre as raízes das plantas
nativas perenes estão ausentes.
Introdução
Conceitos de solo
 A pedosfera funciona como as fundações ou alicerces da vida
em ecossistemas terrestres.
 Os solos fornecem tanto a água como nutrientes para as
plantas, assim como servem de sustentação.
 Funciona como mediador dos fluxos de água entre a
hidrosfera, litosfera, biosfera e atmosfera.
 O solo, junto com o substrato rochoso, influencia na
qualidade da água.
 Influenciam na qualidade do ar e servem para a decomposição
de resíduos sólidos.
 As plantas retiram do solo 15 elementos essenciais:
 Macronutrientes  absorvidos em grande quantidade: N, P,
K, Ca, Mg e S.
 Micronutrientes  absorvidos em pequena quantidade: B, Cl,
Cu, Fe, Mn, Mo, Ni, Co e Zn.
Introdução
Funções ecológicas
 A maior parte dos nutrientes existentes no solo
origina-se dos minerais que constituem as rochas
(litosfera).
 As rochas naturalmente não são capazes de suportar
e sustentar plantas superiores.
 Endurecidas ou consolidadas  impedem a penetração das
raízes.
 Não armazenam água.
 Para que as raízes possam crescer a natureza dá
início e continuidade aos importantes processos do
intemperismo.
Introdução
Funções ecológicas
 Intemperismo  Fenômeno responsável pela formação do
material semiconsolidado que dará início à formação do
solo.
 Quando a rocha é exposta à atmosfera sofrendo ação direta
do calor do sol, da umidade das chuvas, e do crescimento de
organismos.
 Intemperismo físico ou desintegração  alteração do
tamanho e formato dos materiais.
 Intemperismo químico ou decomposição  modificação
química.
 A rocha depois de alterada recebe o nome de regolito ou
manto de intemperização, onde em sua superfície se dá a
formação do solo.
Introdução
Processos de formação do solo
Introdução
Processos de formação do solo
 Intemperismo físico
 Variação de pressão:
 A maior parte das rochas se origina em profundidades e
sob condições de temperatura e pressão elevadas.
 A diminuição da pressão faz com que surjam fendas.
 Variação de temperatura:
 Oscilações de temperatura do dia para a noite e do
inverno para o verão provoca dilatação nas épocas de
calor e contração nas épocas de frio.
 Por ter mais de um mineral, a dilatação desigual provoca
rachaduras.
 Estas falhas abrem espaço para o intemperismo químico.
Introdução
Processos de formação do solo
 Intemperismo físico
Introdução
Processos de formação do solo
 Intemperismo físico
 A fragmentação
aumenta a
superfície exposta
ao ar e à água,
facilitando o
intemperismo
químico.
Introdução
Processos de formação do solo
 Intemperismo químico
 Provocada principalmente pela água e CO2 dissolvido.
 Quanto mais úmido e quente o clima, mais intensa será
a decomposição.
 Os minerais primários (argilominerais), após reação
com a água, decompõem-se em minerais secundários.
Introdução
Processos de formação do solo
 Intemperismo químico
 As reações químicas provocam transformações que
desmantelam o arranjo original dos cristais 
desprendem alguns dos elementos químicos que
estavam retidos em sua estrutura inicial.
Introdução
Processos de formação do solo
 Intemperismo químico
 As reações mais importantes são:
 Hidrólise;
 Oxidação;
 Redução;
 Solubilização.
 Os principais elementos liberados nesse processo são
os metais básicos (bases): Na, K, Mg e Ca.
 Depois de destacados do interior dos minerais primários,
são fracamente retidos na superfície de colóides
(materiais secundários e húmus).
 Estão em condições de serem cedidos às raízes das
plantas.
Introdução
Processos de formação do solo
 Intemperismo químico
Introdução
Processos de formação do solo
 Intemperismo químico
 Ao redor dos colóides, alguns nutrientes são adsorvidos
com intensidade um pouco maior do que outros.
 O Ca, Mg e K são têm mais afinidade por esses colóides
que o Na.
 O Na é mais facilmente removido pelas águas que
infiltram e percolam no solo.
Introdução
Processos de formação do solo
 A existência de diferentes tipos de solos é controlada
por cinco principais fatores:
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Fatores ativos
 Clima;
 Organismos.
 Fatores passivos ou de resistência
 Tempo;
 Relevo;
 Material de origem.
 Em geral, qualquer solo é resultante da ação
combinada de todos esses cinco fatores de formação.
Solo = f (clima, organismos, mat. origem, relevo e tempo)
Introdução
Fatores de formação dos solos
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Clima
 A temperatura e a umidade regulam o tipo e a intensidade
de intemperismo das rochas, o crescimento dos organismos
e, consequentemente, a distinção dos horizontes
pedogenéticos.
 Clima quente e úmido
 Decomposição mais rápida e intensa das rochas.
 Materiais muito intemperizados  solos espessos e com
abundância de minerais secundários e pobres em cátions
básicos.
 Clima árido e/ou muito frio
 Solos pouco espessos  menos argila e mais minerais
primários (pouco afetados pelo intemperismo químico).
 Menores quantidades de matéria orgânica e maior
quantidade de cátions básicos trocáveis.
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Clima
 A maior parte dos solos das regiões áridas e semi-áridas é
neutro ou alcalino, enquanto a maioria dos das regiões
úmidas são ácidos.
 Clima quente e úmido  a infiltração que arrasta para os
corpos d’água muitos nutrientes da solução do solo.
 Hidrogênio e alumínio neutralizam as cargas elétricas
trocáveis.
 A distribuição da vegetação no globo está bastante
relacionada com as diferentes zonas climáticas.
 Quente e úmido  florestas  grande quantidade de
resíduos orgânicos de rápida decomposição;
 Longa estação seca  árvores menores, com folhas que
secam e durante certos períodos.
 Desertos  vegetação escassa e que acumulam água.
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Clima
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Clima
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Organismos
 Compreendem:
 Microorganismos (ou microflora ou microfauna);
 Vegetais superiores (macroflora);
 Animais (macrofauna);
 Homem.
 Microorganismos
 Algas, fungos e bactérias.
 Início da decomposição dos restos dos vegetais e animais,
ajudando na formação do húmus (principalmente próximo
à superfície).
 Sozinhos ou em simbiose, retiram N2 do ar e
transformando-os em minerais simples (NH3 e NO3
-) 
fixação do nitrogênio.
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Organismos
 Vegetais
 As raízes penetram e
retiram nutrientes de
regiões profundas.
 As folhas, ao se
decomporem, restituem
os elementos retirados
das camadas mais
profundas  ciclagem
de nutrientes.
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Organismos
 Vegetais
 A presença da vegetação evita a erosão, tanto em
condições naturais (erosão geológica) ou provocada pelo
homem (erosão antrópica).
 Quanto menor a cobertura vegetal, maior a erosão.
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Organismos
 Animais
 Os animais que se abrigam no solo estão constantemente
triturando os restos dos vegetais, cavando galerias e
misturando materiais de diversos horizontes.
 Suas carcaças e resíduos, da mesma forma que a matéria
vegetal, contribuem para a formação do húmus e dos
agregados.
 Modificações antrópicas do solo
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Material de origem
 Fator de resistência.
 A maior ou menor velocidade com que o solo se forma
depende do tipo de material.
 O solo desenvolve-se concomitantemente à alteração
da rocha e o processo da formação do saprolito
confunde-se com a formação do solo.
 Os materiais de origem mais comuns podem ser
classificados em 4 tipos:
 Derivados de rochas claras;
 Derivados de rochas ígneas escuras;
 Derivados de sedimentos consolidados;
 Sedimentos incosolidados.
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Material de origem
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Relevo
 Promove no solo diferenças facilmente perceptíveis
pela variação da cor em pequenas distâncias..
 Resultam de desigualdades de distribuição no terreno
da água da chuva, da luz, do calor do sol e da erosão.
 Parte da chuva, em um terreno relativamente pequeno,
pode escoar para as partes mais baixas e côncavas, logo,
acabam por receber mais água que as partes mais altas.
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Relevo
 O encharcamento contínuo dos poros do solo afeta nos
processos de intemperismo químico.
 Locais de difícil drenagem
 Excesso de água e escassez de ar
 A evolução ficará sujeita a condições especiais de
solubilização dos óxidos de ferro e do acúmulo de MO.
 Cor escura na superfície e acinzentado no fundo, com
pequenas manchas de cor ferrugem.
 Maior erosão  atrapalha o desenvolvimento do perfil.
 Locais de rápida infiltração
 Favorece o intemperismo químico  maior oxidação e
promove cores avermelhadas.
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Relevo
 Regiões de clima árido ou semi-árido
 As partes mais baixas do relevo ficam sujeitas ao acúmulo
de sais.
 Estes sais podem ser carregados pelas enxurradas.
 Quando esta solução evapora, deixa os sais precipitados.
 Regiões de relevo montanhoso
 As rampas muito íngremes favorecem a erosão.
 Vel. formação do solo < vel. remoção do solo
 Nenhum solo permanece, ficando a rocha exposta.
 Vel. formação do solo > vel. remoção do solo
 Solos rasos
 Vel. formação do solo >> vel. remoção do solo
 Solos profundos (área plana ou menos íngreme).
Introdução
Fatores de formação dos solos
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Tempo
 Estágio inicial de formação  a superfície de um afloramento
rochoso, no qual musgos e líquens começam a se
desenvolver sobre uma camada de rocha decomposta.
 O tempo influencia diretamente a espessura do solo.
 Maior exposição ao intemperismo.
 Início da formação  solos rasos, delgados e sem
horizontes bem definidos  pouco desenvolvidos ou
jovens.
 Com o passar do tempo  os horizontes vão se
espessando e diferenciando-se, e o solum pode atingir
alguns metros.
 Estado de equilíbrio  solos espessos e, normalmente
com horizontes bem definidos  bem desenvolvidos,
normais ou maduros.
Introdução
Fatores de formação dos solos
Introdução
Fatores de formação dos solos
 Tempo
 Depois que a rocha é exposta na superfície (tempo zero), o solo começa a se
desenvolver e, se não houver erosão, atinge em determinado tempo o
estágio de maturidade.
Poluição do Solo Urbano
Considerações gerais
 É proveniente dos resíduos gerados pelas atividades
econômicas que são típicas das cidades, como a
indústria, o comércio, os serviços e os domicílios.
 Os resíduos sólidos são os mais impactantes pois as
quantidades geradas são grandes e as características
de imobilidade impõem grande dificuldade de
transporte ao meio.
 Outras formas de poluição do solo urbano:
 Precipitação de chuva ácida.
 Esgoto doméstico e efluentes líquidos industriais
que quando lançados diretamente sobre o terreno
superficial, agride o olfato e a visão, assim como
são vetores de doenças.
Resíduos Sólidos Urbanos
Introdução
 Lixo  São os restos
das atividades humanas,
considerados pelos
geradores como inúteis,
indesejáveis ou
descartáveis.
 Estes materiais
demoram muito tempo
para se degradarem 
desequilíbrio na
reciclagem da matéria.
Resíduos Sólidos Urbanos
Introdução
 O aumento dos problemas associados a resíduos sólidos é
ocasionado, em geral, pelos seguintes fatores :
 Processo de urbanização: a migração do campo para as
cidades ocasiona a concentração populacional em centros
urbanos, contribuindo para o agravamento dos problemas
com resíduos devido ao aumento da produção de resíduos e
a falta de locais adequados para sua disposição.
 Aumento populacional e o consequente aumento da
produção de resíduos;
 Industrialização: os processos industriais geram produtos
em velocidade cada vez maior, contribuindo para o aumento
da produção de resíduos, seja durante o processo de
fabricação, seja pelo estímulo ao consumo;
 Periculosidade dos novos resíduos;
 Estilo da produção em massa e do descartável.
Resíduos Sólidos Urbanos
Introdução
 Resíduos  (NBR 10.004) Resíduos nos estados
sólido e semi-sólido, que resultam de atividades da
comunidade de origem: industrial, doméstica,
hospitalar, comercial, agrícola, de serviço e de
varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos
provenientes de sistemas de tratamento de água,
aqueles gerados em equipamentos e instalações de
controle de poluição, bem como determinados
líquidos cujas particularidades torne inviável o seu
lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de
água, ou exigem, para isso, soluções técnicas e
economicamente inviáveis em face a melhor
tecnologia disponível.
 O lixo, em função da sua procedência variada,
apresenta constituintes básicos diversos, e o volume
de sua produção varia de acordo com sua
procedência, com o nível econômico da população e
com a própria natureza das atividades econômicas da
área onde é gerado.
 A composição média do lixo domiciliar no Brasil é de:
 65% de Matéria Orgânica
 25% de Papel
 4% de Metal
 3% de Vidro
 3% de Plástico
Resíduos Sólidos Urbanos
Introdução
Resíduos Sólidos Urbanos
Classificação
 Quanto à sua origem:
 Domiciliar: restos de alimentos, jornais, garrafas,
embalagens em gerais, etc. (Prefeituras);
 Comercial: grande quantidade de papel, plásticos, etc.
(Prefeituras);
 Público: resíduos de varrição de ruas, limpeza de
praias, limpeza de galerias, etc. (Prefeituras);
 Serviços de Saúde e Hospitalar: agulhas, seringas,
algodões, luvas descartáveis, etc. (Gerador);
 Aeroportos, portos, Terminais rodoviários e
ferroviários: materiais de higiene, asseio pessoal,
restos de alimentos, etc. (Gerador);
Resíduos Sólidos Urbanos
Classificação
 Quanto à sua origem:
 Industrial: cinzas, lodos, óleos, fibras, madeiras
borrachas, etc. Gerador);
 Entulhos: resíduos provenientes da construção civil
(Gerador);
 Agrícola: embalagens de fertilizantes, rações, restos de
colheitas, etc. (Gerador).
Resíduos Sólidos Urbanos
Classificação
 Quanto à natureza física
 seco
 molhado;
 Quanto à composição química
 matéria orgânica  restos de alimentos, de animais
mortos, de podas de árvores e matos, entre outros;
 matéria inorgânica  vidro, plástico, papel, metal,
entulho, entre outros.
 Quanto ao riscos potenciais ao meio ambiente 
Considerando os aspectos práticos e de natureza técnica
ligados principalmente às possibilidades de tratamento e
disposição dos resíduos em condições satisfatórias do
ponto de vista ecológico, sanitário e econômico, a NBR
10.004 apresenta três classes:
Resíduos Sólidos Urbanos
Classificação
CLASSIFICAÇÃO QUANTO À PERICULOSIDADE (NBR 10.004)
Resíduos Classe I
(Perigosos)
Apresentam risco à saúde pública ou ao
ambiente, caracterizando-se por terem
uma ou mais das seguintes propriedades:
inflamabilidade, corrosividade, reatividade,
toxicidade e patogenicidade.
Resíduos Classe II
(Não-inertes)
Podem ter propriedades como
combustibilidade, biodegradabilidade ou
solubilidade, porém não se enquadram
como resíduo I ou III.
Resíduos Classe III
(Inertes)
Não têm nenhum dos seus constituintes
solubilizados em concentrações superiores
aos padrões de potabilidade de águas.
Resíduos Sólidos Urbanos
Disposição e tratamento
 Lixões
 Forma inadequada  lançamento e amontoamento de
lixo em terreno baldio.
 Problemas estéticos e de saúde pública.
 Problemas sociais  catação de lixo.
 Problemas ambientais  poluição hídrica (chorume) e
atmosférica (geração de metano e outros gases
combustíveis).
 Não há controle quanto aos tipos de resíduos
depositados e quanto ao local de disposição.
 Resíduos domiciliares e comerciais de baixa
periculosidade são depositados juntamente com os
industriais e hospitalares, de alto poder poluidor.
Resíduos Sólidos Urbanos
Disposição e tratamento
 Aterro Sanitário
 O lixo é lançado sobre o terreno e recoberto com
solo do local, de forma a isolá-lo do ambiente,
formando câmaras.
 O volume é reduzido por compactação.
 Nas câmaras há uma degradação anaeróbia, com
liberação de gás e de uma substância líquida
escura, constituída pelos resíduos orgânicos
apenas parcialmente biodegradados (chorume).
 Os gases acumulados no superior da câmara
devem ser drenados para queima ou
beneficiamento e utilização.
 O chorume acumula-se no fundo e deve ser
separado por um revestimento impermeável.
 Aterro Sanitário
 Uma vez esgotados em sua capacidade de receber
lixo, podem ser úteis como elementos
paisagísticos como áreas verdes e parques.
 Desvantagens:
 Grandes extensões de terreno;
 Deve ser instalado em locais em que o entorno
não seja prejudicado por inconvenientes
ambientais e paisagísticos (mau cheiro, tráfego de
caminhões, mau aspecto, aves, etc.).
Resíduos Sólidos Urbanos
Disposição e tratamento
 Compostagem
 A “reciclagem na natureza”.
 Composto é o produto da decomposição de
matéria orgânica, em condições aeróbicas e de
maneira controlada, de modo a obter-se um
material estabilizado, não mais sujeito às reações
de putrefação;
Resíduos Sólidos Urbanos
Disposição e tratamento
 Compostagem
 Para realização da compostagem deve-se separar
os materiais orgânicos dos outros tipos de
resíduos.
 Vantagens:
 Enriquece a terra em alimento para as plantas 
adubo natural.
 Reduz a quantidade de lixo.
 Melhora a aeração do solo
 Evita as queimadas que poluem o ar e incomodam
a vizinhança.
 Menor exigência de área para instalação.
Resíduos Sólidos Urbanos
Disposição e tratamento
 Compostagem
Resíduos Sólidos Urbanos
Disposição e tratamento
Resíduos Sólidos Urbanos
Disposição e tratamento
 Compostagem
 Incineração
 É feita em usinas de incineração, nas quais o lixo é
reduzido a cinzas e gases decorrentes de sua
combustão.
 As cinzas obtidas, em volume bastante reduzido e
mineralizadas, podem ser dispostas sem
inconvenientes.
 Com devido controle de poluição os gases gerados
também poderão ser emitidos ao ambiente.
 A presença de materiais que possuam cloro podem
provocar a formação de furanos e dioxinas,
altamente tóxicos e cancerígenos.
Resíduos Sólidos Urbanos
Disposição e tratamento
 Incineração
 Vantagens:
 Redução volumétrica;
 Não geração de efluentes líquidos;
 Destruição de substâncias dependente de sua estabilidade
térmica e não da periculosidade dos resíduos;
 Possibilidade de recuperação energética.
 Desvantagens:
 Elevado custo inicial;
 Mão-de-obra especializada;
 Problemas operacionais e de manutenção;
 Controle de emissões: polêmica nacional quanto à
dioxinas e furanos.
Resíduos Sólidos Urbanos
Disposição e tratamento
Resíduos Sólidos Urbanos
Disposição e tratamento
 Incineração
 Reduzir
 Evitar a produção de resíduos, com a revisão de seus
hábitos de consumo.
 Ex: preferir os produtos que tenham refil.
 Reutilizar
 Reaproveitar o material em outra função.
 Ex: usar os potes de vidro com tampa para guardar
miudezas (botões, pregos, etc.).
 Reciclar
 Transformar materiais já usados, por meio de processo
artesanal ou industrial, em novos produtos.
 Ex: transformar embalagens PET em tecido de
moletom.
Resíduos Sólidos Urbanos
3 R’s
Resíduos Sólidos Urbanos
Coleta seletiva
 O processo de reciclagem é composto de várias
fases, porém sua realização depende de uma ação
fundamental: a separação prévia dos materiais.
 Coleta seletiva  separação e recolhimento, desde a
origem, dos materiais potencialmente recicláveis.
 É importante lembrar que a separação dos materiais
de nada adianta se eles não forem coletados
separadamente e encaminhados para a reciclagem.
 Vantagens da coleta seletiva:
 Diminui a exploração de recursos naturais;
 Reduz o consumo de energia;
 Diminui a poluição do solo, da água e do ar;
 Prolonga a vida útil dos aterros sanitários;
 Possibilita a reciclagem de materiais que iriam para o lixo;
 Diminui os custos da produção, com o aproveitamento de
recicláveis pelas indústrias;
 Diminui o desperdício;
 Diminui os gastos com a limpeza urbana;
 Cria oportunidade de fortalecer organizações
comunitárias;
 Gera emprego e renda pela comercialização dos
recicláveis;
Resíduos Sólidos Urbanos
Coleta seletiva
 Cada resíduo deve ser acondicionado em um
recipiente específico.
 Azul – Papel e papelão;
 Verde - Vidro;
 Amarelo - Metal (alumínio e metais ferrosos);
 Vermelho – plástico (PET, plástico rígido, etc.);
 Marrom – Orgânico (restos de alimentos ou podas
de árvores que podem ser transformados em
adubo);
 Cinza – Rejeito (material sujo e/ou que não serve
para a reciclagem).
PAPEL VIDRO METAL PLÁSTICO ORGÂNICO REJEITO
Resíduos Sólidos Urbanos
Coleta seletiva
Resíduos Sólidos Urbanos
Coleta seletiva
 Plástico (vermelho)
Resíduos Sólidos Urbanos
Coleta seletiva
 Metal (amarelo)
Resíduos Sólidos Urbanos
Coleta seletiva
 Papel (azul)
Resíduos Sólidos Urbanos
Coleta seletiva
 Vidro (verde)
Resíduos Sólidos Urbanos
Coleta seletiva
Poluição do Solo
Usos do solo
 São funções do solo :
 sustentação da vida e do "habitat" para pessoas, animais,
plantas e outros organismos;
 manutenção do ciclo da água e dos nutrientes;
 proteção da água subterrânea;
 manutenção do patrimônio histórico, natural e cultural;
 elemento de fixação e nutrição da vida vegetal;
 fundação para edificações, aterros, estradas, sistemas de
disposição de resíduos, etc;
 elemento a ser extraído e utilizado na área de construção em
geral e na manufatura de objetos diversos;
 armazenamento de combustíveis fósseis;
 armazenamento de água para fins diversos com destaque para o
uso da água como manancial de abastecimento público.
 produção de alimentos.
Poluição do Solo
Usos do solo
Poluição do Solo
Danos
 Construção civil
 urbanização e ocupação do solo;
 Exploração extrativa
 remoção de grandes quantidades de materiais (mineração) e
alteração da topografia;
 atividade madeireira.
 Atividade agropecuária
 aplicação de nutrientes e defensivos agrícolas no solo;
 remoção sazonal da cobertura vegetal;
 inadequação de certas plantas ao tipo de solo ou uso
excessivo de monoculturas;
 pastoreio excessivo;
 queimadas.
Contaminação do solo e provavelmente da água subterrânea por
fossas sépticas
Poluição do Solo
Danos
Contaminação do solo e provavelmente da água subterrânea
pela atividade industrial
Poluição do Solo
Danos
Poluição do Solo
Danos
Contaminação do solo e provavelmente da água subterrânea pela
disposição de resíduos sólidos e por vazamentos na rede de esgoto
Poluição do Solo
Danos
Contaminação do solo e provavelmente da água subterrânea em área
agrícola, provocada pela aplicação de fertilizantes e agrotóxicos.
Compactação do solo e expansão de área para a pecuária.
Poluição do Solo
Danos
Degradação do solo devido a incêndios ou queimadas
Poluição do Solo
Danos
Fontes de poluição do solo e sua migração.
Poluição do Solo
Danos
 A ênfase dada nos cuidados quanto à poluição do solo está
principalmente associada ao contato da água com o solo
superficial e subsuperficial e à preservação da qualidade das
águas.
 A qualidade do solo pode ser alterada levando em consideração
os seguintes aspectos:
 Vegetação;
 Topografia / relevo;
 Permeabilidade.
 O monitoramento do solo, sob aspectos superficial e
subsuperficial, é efetuado por:
 Inspeção visual;
 Aerofotointerpretação e/ou levantamentos topográficos;
 Amostragem e análises químicas para acompanhamento da
qualidade e fertilidade do solo;
 Monitoramento do lençol freático (a montante e a jusante do
empreendimento).
Poluição do Solo
Qualidade do solo
Poluição do Solo
Erosão
 Fontes de poluição de origem natural,
 associadas a catástrofes como: terremotos,
vendavais e indundações;
 Características de solos, fatores ambientais que
podem levar a erosão;
 Erosão  Causada pela ação das águas e do vento e
conseqüente remoção das partículas do solo.
 alterações de relevo;
 riscos às obras civis;
 remoção da camada superficial e fértil do solo;
 assoreamento dos rios  inundações e alterações
dos cursos d’água.
 Associada a fatores como clima, tipo de solo e
declividade do terreno.
A remoção da cobertura vegetal pode causar erosão…
Poluição do Solo
Erosão
Que algumas vezes se transformam em voçorocas.
Poluição do Solo
Erosão
A remoção da cobertura vegetal pode causar deslizamentos.
Poluição do Solo
Erosão
 Práticas recomendadas:
 manutenção da cobertura vegetal;
 utilização de árvores como quebra-ventos;
 cobertura do solo com serragem;
 técnicas de caráter mecânico como aração;
 plantio e construção em curvas de nível;
 execução de canaletas para desvio de águas
pluviais;
 execução de muros de arrimo.
Poluição do Solo
Erosão
Exemplo de sistema de drenagem
Poluição do Solo
Erosão
 Antes: basicamente restos de vegetais decompostos
e dos excrementos de animais.
 Biodegradação e incorporação às cadeias
alimentares dos ecossistemas associados ao solo
eram imediatas e não havia criação de
desequilíbrios ou maiores danos.
 Produção do adubo artificial
 Riscos de acumulação ambiental até concentrações
tóxicas, tanto de nutrientes essenciais como de
impurezas do processo de fabricação.
Poluição do Solo Rural
Fertilizantes
 Controle biológico
 espécies nocivas são mantidas em níveis
aceitáveis pela introdução de um predador natural
ou microorganismo que lhe cause doença;
 manejo integrado de pragas.
 Mudanças no padrão de plantio (rotação de culturas,
plantio em faixas, etc.)
 Uso de plantas geneticamente modificadas;
 Uso cuidadoso e seletivo de defensivos para manter o
nível de produção agrícola e a saúde humana.
Poluição do Solo Rural
Alternativas agrícolas
 Se não é possível abolir o uso:
 imitar o uso ao estritamente indispensável, cortando os
desperdícios geradores de resíduos poluidores;
 restringir ao emprego dos defensivos ambientalmente mais
seguros;
 empregar técnicas de aplicação que reduzem os custos
derivados de sua acumulação e propagação pela cadeia
alimentar.
 Classificação em grupos, dependendo do tipo de praga que
combatem  inseticidas, fungicidas, herbicidas, rodenticidas,
etc.
 Efeito residual; biomagnificação ou magnificação biológica;
 Estudos mostram que os defensivos presentes no solo
transferem-se, parcialmente, para o tecido celular da planta,
com relações de concentrações que dependem, entre outros
fatores, da concentração existente no solo e do tipo de planta.
Poluição do Solo Rural
Defensivos agrícolas
 A salinização dos solos é mais freqüente em regiões
tropicais de clima quente e seco, com elevadas taxas
de evapotranspiração e baixos índices pluviométricos.
 O aumento de sais solúveis em um solo, eleva o seu
potencial osmótico, as plantas têm dificuldade de
absorção água e nutrientes provocando a redução do
seu crescimento, sendo também perceptível injúrias
foliares.
 Pode ser agravada pela irrigação.
Poluição do Solo Rural
Salinização
Poluição do Solo Rural
Salinização
 É um processo que ocorre em todo o mundo,
resultado do crescimento das atividades produtivas e
econômicas e principalmente pelo aumento da
densidade demográfica em escala mundial.
 Causadores:
• Produção agrícola e pastoril;
• Mineração;
• Crescimento urbano;
• Extrativismo.
 Consequências:
• Degradação do solo
• Perdas de biodiversidade
• Incidência de processo de desertificação
• Erosões, mudanças climáticas e hidrografia.
Poluição do Solo Rural
Desmatamento
 O que se pode fazer?
 Ao comprar produtos florestais como madeira e papel, exija
o selo Conselho de Manejo Florestal para ter a garantia que
eles provém de florestas manejadas de acordo com os
critérios rigorosos e não predatórios.O selo verde atesta o
uso de técnicas de corte que respeitam os ciclos de
regeneração da mata.
 Reduzir o consumo de carne em geral também ajuda no
combate ao desmatamento (ajuda a evitar abertura de novas
áreas de pastagens). Isso porque muito da produção de soja
é utilizada como ração para animais, como aves e porcos.
 Evite consumir produtos feitos com couro animal. Busque
alternativas como o couro vegetal (ecológico) feito a partir
da extração do látex.
 Reduza o consumo de papel. Prefira papel reciclado.
Poluição do Solo Rural
Desmatamento

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoGeagra UFG
 
Aula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiarAula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiarCris Godoy
 
Agricultura orgânica
Agricultura orgânicaAgricultura orgânica
Agricultura orgânicaLilianlbl
 
Producao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutasProducao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutasgustavo_ruffeil
 
Conceitos de agroecologia e transicao agroecologica jose antonio costabeber
Conceitos de agroecologia e transicao agroecologica   jose antonio costabeberConceitos de agroecologia e transicao agroecologica   jose antonio costabeber
Conceitos de agroecologia e transicao agroecologica jose antonio costabeberAnny Kelly Vasconcelos
 
Manejo de pragas - agricultura organica
Manejo de pragas - agricultura organicaManejo de pragas - agricultura organica
Manejo de pragas - agricultura organicapipesmythe
 
Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )Murphy Cooper
 
Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - A cultura do açaizeiro irr...
Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - A cultura do açaizeiro irr...Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - A cultura do açaizeiro irr...
Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - A cultura do açaizeiro irr...cbsaf
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.AM Placas Ltda. Placas
 

Mais procurados (20)

Uso agricola solos brasileiros
Uso agricola solos brasileirosUso agricola solos brasileiros
Uso agricola solos brasileiros
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
Palestra manejo ecológico do solo
Palestra manejo ecológico do soloPalestra manejo ecológico do solo
Palestra manejo ecológico do solo
 
Aula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiarAula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiar
 
Agricultura orgânica
Agricultura orgânicaAgricultura orgânica
Agricultura orgânica
 
Teoria da Trofobiose
Teoria da Trofobiose Teoria da Trofobiose
Teoria da Trofobiose
 
Pronaf
PronafPronaf
Pronaf
 
Producao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutasProducao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutas
 
Solo - manejo do solo
Solo -  manejo do soloSolo -  manejo do solo
Solo - manejo do solo
 
Conceitos de agroecologia e transicao agroecologica jose antonio costabeber
Conceitos de agroecologia e transicao agroecologica   jose antonio costabeberConceitos de agroecologia e transicao agroecologica   jose antonio costabeber
Conceitos de agroecologia e transicao agroecologica jose antonio costabeber
 
Aula 03 ecologia do solo
Aula 03   ecologia do soloAula 03   ecologia do solo
Aula 03 ecologia do solo
 
Manejo de pragas - agricultura organica
Manejo de pragas - agricultura organicaManejo de pragas - agricultura organica
Manejo de pragas - agricultura organica
 
Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )
 
Manejo de Irrigação
Manejo de IrrigaçãoManejo de Irrigação
Manejo de Irrigação
 
Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - A cultura do açaizeiro irr...
Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - A cultura do açaizeiro irr...Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - A cultura do açaizeiro irr...
Dia 2 - Expansão do Açaí e seu potencial em SAFs - A cultura do açaizeiro irr...
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
 
Manejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solosManejo e conservação dos solos
Manejo e conservação dos solos
 
Hortaliça orgânica
Hortaliça orgânicaHortaliça orgânica
Hortaliça orgânica
 
Agrofloresta
AgroflorestaAgrofloresta
Agrofloresta
 
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.Preparação do solo,  uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
Preparação do solo, uso de corretivos e tecnologias de aplicação.
 

Destaque

Ciências do Ambiente - Cap 2 - Meio aquático: Características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 2 - Meio aquático: Características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 2 - Meio aquático: Características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 2 - Meio aquático: Características e poluiçãoelonvila
 
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E EcossistemasC:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemasguest5b12783
 
Atividade microbiana no solo
Atividade microbiana no soloAtividade microbiana no solo
Atividade microbiana no soloLázaro Andrade
 
Eu e o meio ambiente claudia
Eu e o meio ambiente claudiaEu e o meio ambiente claudia
Eu e o meio ambiente claudiaQueila Stein
 
Apresentação -curso_biossegurança_og_ms_ch ristiane_microrganismos2
Apresentação  -curso_biossegurança_og_ms_ch ristiane_microrganismos2Apresentação  -curso_biossegurança_og_ms_ch ristiane_microrganismos2
Apresentação -curso_biossegurança_og_ms_ch ristiane_microrganismos2Sofia Iba
 
Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015
Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015
Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015Clovis Gurski
 
Poluicao agua solo
Poluicao agua soloPoluicao agua solo
Poluicao agua soloPelo Siro
 
Ficha de trabalho de ciências naturais de 5º ano
Ficha de trabalho de ciências naturais de 5º anoFicha de trabalho de ciências naturais de 5º ano
Ficha de trabalho de ciências naturais de 5º anoRita Valente
 
Indicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividadeIndicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividadeMarcelo Venturi
 
Aula 1 ciência ambiental
Aula 1 ciência ambientalAula 1 ciência ambiental
Aula 1 ciência ambientalMarcelo Gomes
 
Locomoção dos animais
Locomoção dos animaisLocomoção dos animais
Locomoção dos animaisJoaquim André
 
Impactos da construção civil
Impactos da construção civilImpactos da construção civil
Impactos da construção civilMahcell
 
Fontes de Poluição Atmosférica
Fontes de Poluição AtmosféricaFontes de Poluição Atmosférica
Fontes de Poluição AtmosféricaRianne Balbino
 
Ciências do Ambiente - Cap 3 - Meio atmosférico: Características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 3 - Meio atmosférico: Características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 3 - Meio atmosférico: Características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 3 - Meio atmosférico: Características e poluiçãoelonvila
 
Ciências do Ambiente - Cap 1.2 - Ecologia
Ciências do Ambiente - Cap 1.2 - EcologiaCiências do Ambiente - Cap 1.2 - Ecologia
Ciências do Ambiente - Cap 1.2 - Ecologiaelonvila
 

Destaque (20)

Ciências do Ambiente - Cap 2 - Meio aquático: Características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 2 - Meio aquático: Características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 2 - Meio aquático: Características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 2 - Meio aquático: Características e poluição
 
solo
solosolo
solo
 
Indicadores
IndicadoresIndicadores
Indicadores
 
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E EcossistemasC:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
 
Atividade microbiana no solo
Atividade microbiana no soloAtividade microbiana no solo
Atividade microbiana no solo
 
Eu e o meio ambiente claudia
Eu e o meio ambiente claudiaEu e o meio ambiente claudia
Eu e o meio ambiente claudia
 
Apresentação -curso_biossegurança_og_ms_ch ristiane_microrganismos2
Apresentação  -curso_biossegurança_og_ms_ch ristiane_microrganismos2Apresentação  -curso_biossegurança_og_ms_ch ristiane_microrganismos2
Apresentação -curso_biossegurança_og_ms_ch ristiane_microrganismos2
 
Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015
Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015
Introduçao a Ciência do Ambiente - Engenharia Civil 2015
 
Poluicao agua solo
Poluicao agua soloPoluicao agua solo
Poluicao agua solo
 
Ficha de trabalho de ciências naturais de 5º ano
Ficha de trabalho de ciências naturais de 5º anoFicha de trabalho de ciências naturais de 5º ano
Ficha de trabalho de ciências naturais de 5º ano
 
Indicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividadeIndicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividade
 
Aula 1 ciência ambiental
Aula 1 ciência ambientalAula 1 ciência ambiental
Aula 1 ciência ambiental
 
Como votar nos projetos
Como votar nos projetosComo votar nos projetos
Como votar nos projetos
 
Locomoção dos animais
Locomoção dos animaisLocomoção dos animais
Locomoção dos animais
 
Impactos da construção civil
Impactos da construção civilImpactos da construção civil
Impactos da construção civil
 
Fontes de Poluição Atmosférica
Fontes de Poluição AtmosféricaFontes de Poluição Atmosférica
Fontes de Poluição Atmosférica
 
Ciências do Ambiente - Cap 3 - Meio atmosférico: Características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 3 - Meio atmosférico: Características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 3 - Meio atmosférico: Características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 3 - Meio atmosférico: Características e poluição
 
Nematoides bioindicadores da qualidade do solo
Nematoides bioindicadores da qualidade do soloNematoides bioindicadores da qualidade do solo
Nematoides bioindicadores da qualidade do solo
 
53215409 ficha-locomocao[1]
53215409 ficha-locomocao[1]53215409 ficha-locomocao[1]
53215409 ficha-locomocao[1]
 
Ciências do Ambiente - Cap 1.2 - Ecologia
Ciências do Ambiente - Cap 1.2 - EcologiaCiências do Ambiente - Cap 1.2 - Ecologia
Ciências do Ambiente - Cap 1.2 - Ecologia
 

Semelhante a Características e poluição do meio terrestre

Intemperismo e formação dos solos
Intemperismo e formação dos solosIntemperismo e formação dos solos
Intemperismo e formação dos solosGiovanna Martins
 
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1aAula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1aCezar Manzini
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solodaianeagricola
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoRodrigo Pavesi
 
A floresta e o solo (1)
A floresta e o solo (1)A floresta e o solo (1)
A floresta e o solo (1)Aulas Abel
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Introdução a ciência do solo
Introdução a ciência do soloIntrodução a ciência do solo
Introdução a ciência do soloRafael Oliveira
 
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTESUNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTESRodrigo Andrade Brígido
 
Formação do relevo, erosão e intemperismo
Formação do relevo, erosão e intemperismoFormação do relevo, erosão e intemperismo
Formação do relevo, erosão e intemperismoIone Rocha
 
Sedimentos e Matéria Orgânica
Sedimentos e Matéria OrgânicaSedimentos e Matéria Orgânica
Sedimentos e Matéria Orgânicaocestuarios
 
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptSolo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptGilson Nachtigall
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).pptGilson Nachtigall
 

Semelhante a Características e poluição do meio terrestre (20)

Intemperismo e formação dos solos
Intemperismo e formação dos solosIntemperismo e formação dos solos
Intemperismo e formação dos solos
 
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1aAula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
 
Intemperismo apresentação
Intemperismo apresentaçãoIntemperismo apresentação
Intemperismo apresentação
 
Intemperismo químico
Intemperismo químicoIntemperismo químico
Intemperismo químico
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
 
Formação dos solos.docx
Formação dos solos.docxFormação dos solos.docx
Formação dos solos.docx
 
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
 
Química Ambiental
Química AmbientalQuímica Ambiental
Química Ambiental
 
A floresta e o solo (1)
A floresta e o solo (1)A floresta e o solo (1)
A floresta e o solo (1)
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Introdução a ciência do solo
Introdução a ciência do soloIntrodução a ciência do solo
Introdução a ciência do solo
 
Química Ambiental
Química AmbientalQuímica Ambiental
Química Ambiental
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTESUNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
 
Formação do relevo, erosão e intemperismo
Formação do relevo, erosão e intemperismoFormação do relevo, erosão e intemperismo
Formação do relevo, erosão e intemperismo
 
Sedimentos e Matéria Orgânica
Sedimentos e Matéria OrgânicaSedimentos e Matéria Orgânica
Sedimentos e Matéria Orgânica
 
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptSolo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
 
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
 

Mais de elonvila

Gerenciamento Pessoal de Tempo
Gerenciamento Pessoal de TempoGerenciamento Pessoal de Tempo
Gerenciamento Pessoal de Tempoelonvila
 
Palestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologia
Palestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologiaPalestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologia
Palestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologiaelonvila
 
I Maratona Crea Jr-MA_ Palestra: P+L com fator de competitividade empresarial
I Maratona Crea Jr-MA_ Palestra: P+L com fator de competitividade empresarialI Maratona Crea Jr-MA_ Palestra: P+L com fator de competitividade empresarial
I Maratona Crea Jr-MA_ Palestra: P+L com fator de competitividade empresarialelonvila
 
Palestra: A Produção mais Limpa como fator de competitividade empresarial
Palestra: A Produção mais Limpa como fator de competitividade empresarialPalestra: A Produção mais Limpa como fator de competitividade empresarial
Palestra: A Produção mais Limpa como fator de competitividade empresarialelonvila
 
Gestão de Projetos - 2. Processos de Iniciação
Gestão de Projetos - 2. Processos de IniciaçãoGestão de Projetos - 2. Processos de Iniciação
Gestão de Projetos - 2. Processos de Iniciaçãoelonvila
 
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de ProjetosElaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetoselonvila
 
Palestra_ III SEMACED_ Gestão de projetos e MS Project
Palestra_ III SEMACED_ Gestão de projetos e MS ProjectPalestra_ III SEMACED_ Gestão de projetos e MS Project
Palestra_ III SEMACED_ Gestão de projetos e MS Projectelonvila
 
Introdução à Engenharia de Produção - Visão Geral
Introdução à Engenharia de Produção - Visão GeralIntrodução à Engenharia de Produção - Visão Geral
Introdução à Engenharia de Produção - Visão Geralelonvila
 
Ciências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicos
Ciências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicosCiências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicos
Ciências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicoselonvila
 

Mais de elonvila (9)

Gerenciamento Pessoal de Tempo
Gerenciamento Pessoal de TempoGerenciamento Pessoal de Tempo
Gerenciamento Pessoal de Tempo
 
Palestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologia
Palestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologiaPalestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologia
Palestra: Planejamento e controle de projetos pelo uso de tecnologia
 
I Maratona Crea Jr-MA_ Palestra: P+L com fator de competitividade empresarial
I Maratona Crea Jr-MA_ Palestra: P+L com fator de competitividade empresarialI Maratona Crea Jr-MA_ Palestra: P+L com fator de competitividade empresarial
I Maratona Crea Jr-MA_ Palestra: P+L com fator de competitividade empresarial
 
Palestra: A Produção mais Limpa como fator de competitividade empresarial
Palestra: A Produção mais Limpa como fator de competitividade empresarialPalestra: A Produção mais Limpa como fator de competitividade empresarial
Palestra: A Produção mais Limpa como fator de competitividade empresarial
 
Gestão de Projetos - 2. Processos de Iniciação
Gestão de Projetos - 2. Processos de IniciaçãoGestão de Projetos - 2. Processos de Iniciação
Gestão de Projetos - 2. Processos de Iniciação
 
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de ProjetosElaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
Elaboração e Gestão de Projetos - 1. Fundamentos de Gestão de Projetos
 
Palestra_ III SEMACED_ Gestão de projetos e MS Project
Palestra_ III SEMACED_ Gestão de projetos e MS ProjectPalestra_ III SEMACED_ Gestão de projetos e MS Project
Palestra_ III SEMACED_ Gestão de projetos e MS Project
 
Introdução à Engenharia de Produção - Visão Geral
Introdução à Engenharia de Produção - Visão GeralIntrodução à Engenharia de Produção - Visão Geral
Introdução à Engenharia de Produção - Visão Geral
 
Ciências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicos
Ciências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicosCiências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicos
Ciências do Ambiente - Cap 1.1 - Conceitos básicos
 

Último

AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 

Último (6)

AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 

Características e poluição do meio terrestre

  • 1. Universidade Estadual do Maranhão Engenharia de Produção Ciências do Ambiente Meio Terrestre Características e Poluição Me. Elon Vieira Lima
  • 2.  Solo é uma coleção de corpos naturais dinâmicos, que contém a matéria viva, e é resultante da ação do clima e da biosfera sobre a rocha, cuja transformação em solo se realiza durante certo tempo e é influenciada pelo tipo de relevo.  O limite superior do solo é a biosfera e a atmosfera com as quais se entrelaça.  Lateralmente, ele pode passar para corpos d’água, rocha desnuda, gelo ou areias de praias costeiras ou de dunas movediças.  O limite inferior é mais difícil de ser estabelecido porque ele passa progressivamente à rocha dura ou material inconsolidado, onde quase sempre as raízes das plantas nativas perenes estão ausentes. Introdução Conceitos de solo
  • 3.  A pedosfera funciona como as fundações ou alicerces da vida em ecossistemas terrestres.  Os solos fornecem tanto a água como nutrientes para as plantas, assim como servem de sustentação.  Funciona como mediador dos fluxos de água entre a hidrosfera, litosfera, biosfera e atmosfera.  O solo, junto com o substrato rochoso, influencia na qualidade da água.  Influenciam na qualidade do ar e servem para a decomposição de resíduos sólidos.  As plantas retiram do solo 15 elementos essenciais:  Macronutrientes  absorvidos em grande quantidade: N, P, K, Ca, Mg e S.  Micronutrientes  absorvidos em pequena quantidade: B, Cl, Cu, Fe, Mn, Mo, Ni, Co e Zn. Introdução Funções ecológicas
  • 4.  A maior parte dos nutrientes existentes no solo origina-se dos minerais que constituem as rochas (litosfera).  As rochas naturalmente não são capazes de suportar e sustentar plantas superiores.  Endurecidas ou consolidadas  impedem a penetração das raízes.  Não armazenam água.  Para que as raízes possam crescer a natureza dá início e continuidade aos importantes processos do intemperismo. Introdução Funções ecológicas
  • 5.  Intemperismo  Fenômeno responsável pela formação do material semiconsolidado que dará início à formação do solo.  Quando a rocha é exposta à atmosfera sofrendo ação direta do calor do sol, da umidade das chuvas, e do crescimento de organismos.  Intemperismo físico ou desintegração  alteração do tamanho e formato dos materiais.  Intemperismo químico ou decomposição  modificação química.  A rocha depois de alterada recebe o nome de regolito ou manto de intemperização, onde em sua superfície se dá a formação do solo. Introdução Processos de formação do solo
  • 7.  Intemperismo físico  Variação de pressão:  A maior parte das rochas se origina em profundidades e sob condições de temperatura e pressão elevadas.  A diminuição da pressão faz com que surjam fendas.  Variação de temperatura:  Oscilações de temperatura do dia para a noite e do inverno para o verão provoca dilatação nas épocas de calor e contração nas épocas de frio.  Por ter mais de um mineral, a dilatação desigual provoca rachaduras.  Estas falhas abrem espaço para o intemperismo químico. Introdução Processos de formação do solo
  • 9.  Intemperismo físico  A fragmentação aumenta a superfície exposta ao ar e à água, facilitando o intemperismo químico. Introdução Processos de formação do solo
  • 10.  Intemperismo químico  Provocada principalmente pela água e CO2 dissolvido.  Quanto mais úmido e quente o clima, mais intensa será a decomposição.  Os minerais primários (argilominerais), após reação com a água, decompõem-se em minerais secundários. Introdução Processos de formação do solo
  • 11.  Intemperismo químico  As reações químicas provocam transformações que desmantelam o arranjo original dos cristais  desprendem alguns dos elementos químicos que estavam retidos em sua estrutura inicial. Introdução Processos de formação do solo
  • 12.  Intemperismo químico  As reações mais importantes são:  Hidrólise;  Oxidação;  Redução;  Solubilização.  Os principais elementos liberados nesse processo são os metais básicos (bases): Na, K, Mg e Ca.  Depois de destacados do interior dos minerais primários, são fracamente retidos na superfície de colóides (materiais secundários e húmus).  Estão em condições de serem cedidos às raízes das plantas. Introdução Processos de formação do solo
  • 14.  Intemperismo químico  Ao redor dos colóides, alguns nutrientes são adsorvidos com intensidade um pouco maior do que outros.  O Ca, Mg e K são têm mais afinidade por esses colóides que o Na.  O Na é mais facilmente removido pelas águas que infiltram e percolam no solo. Introdução Processos de formação do solo
  • 15.  A existência de diferentes tipos de solos é controlada por cinco principais fatores: Introdução Fatores de formação dos solos
  • 16.  Fatores ativos  Clima;  Organismos.  Fatores passivos ou de resistência  Tempo;  Relevo;  Material de origem.  Em geral, qualquer solo é resultante da ação combinada de todos esses cinco fatores de formação. Solo = f (clima, organismos, mat. origem, relevo e tempo) Introdução Fatores de formação dos solos
  • 18.  Clima  A temperatura e a umidade regulam o tipo e a intensidade de intemperismo das rochas, o crescimento dos organismos e, consequentemente, a distinção dos horizontes pedogenéticos.  Clima quente e úmido  Decomposição mais rápida e intensa das rochas.  Materiais muito intemperizados  solos espessos e com abundância de minerais secundários e pobres em cátions básicos.  Clima árido e/ou muito frio  Solos pouco espessos  menos argila e mais minerais primários (pouco afetados pelo intemperismo químico).  Menores quantidades de matéria orgânica e maior quantidade de cátions básicos trocáveis. Introdução Fatores de formação dos solos
  • 19.  Clima  A maior parte dos solos das regiões áridas e semi-áridas é neutro ou alcalino, enquanto a maioria dos das regiões úmidas são ácidos.  Clima quente e úmido  a infiltração que arrasta para os corpos d’água muitos nutrientes da solução do solo.  Hidrogênio e alumínio neutralizam as cargas elétricas trocáveis.  A distribuição da vegetação no globo está bastante relacionada com as diferentes zonas climáticas.  Quente e úmido  florestas  grande quantidade de resíduos orgânicos de rápida decomposição;  Longa estação seca  árvores menores, com folhas que secam e durante certos períodos.  Desertos  vegetação escassa e que acumulam água. Introdução Fatores de formação dos solos
  • 20.  Clima Introdução Fatores de formação dos solos
  • 21.  Clima Introdução Fatores de formação dos solos
  • 22.  Organismos  Compreendem:  Microorganismos (ou microflora ou microfauna);  Vegetais superiores (macroflora);  Animais (macrofauna);  Homem.  Microorganismos  Algas, fungos e bactérias.  Início da decomposição dos restos dos vegetais e animais, ajudando na formação do húmus (principalmente próximo à superfície).  Sozinhos ou em simbiose, retiram N2 do ar e transformando-os em minerais simples (NH3 e NO3 -)  fixação do nitrogênio. Introdução Fatores de formação dos solos
  • 23.  Organismos  Vegetais  As raízes penetram e retiram nutrientes de regiões profundas.  As folhas, ao se decomporem, restituem os elementos retirados das camadas mais profundas  ciclagem de nutrientes. Introdução Fatores de formação dos solos
  • 24.  Organismos  Vegetais  A presença da vegetação evita a erosão, tanto em condições naturais (erosão geológica) ou provocada pelo homem (erosão antrópica).  Quanto menor a cobertura vegetal, maior a erosão. Introdução Fatores de formação dos solos
  • 25.  Organismos  Animais  Os animais que se abrigam no solo estão constantemente triturando os restos dos vegetais, cavando galerias e misturando materiais de diversos horizontes.  Suas carcaças e resíduos, da mesma forma que a matéria vegetal, contribuem para a formação do húmus e dos agregados.  Modificações antrópicas do solo Introdução Fatores de formação dos solos
  • 26.  Material de origem  Fator de resistência.  A maior ou menor velocidade com que o solo se forma depende do tipo de material.  O solo desenvolve-se concomitantemente à alteração da rocha e o processo da formação do saprolito confunde-se com a formação do solo.  Os materiais de origem mais comuns podem ser classificados em 4 tipos:  Derivados de rochas claras;  Derivados de rochas ígneas escuras;  Derivados de sedimentos consolidados;  Sedimentos incosolidados. Introdução Fatores de formação dos solos
  • 27.  Material de origem Introdução Fatores de formação dos solos
  • 28.  Relevo  Promove no solo diferenças facilmente perceptíveis pela variação da cor em pequenas distâncias..  Resultam de desigualdades de distribuição no terreno da água da chuva, da luz, do calor do sol e da erosão.  Parte da chuva, em um terreno relativamente pequeno, pode escoar para as partes mais baixas e côncavas, logo, acabam por receber mais água que as partes mais altas. Introdução Fatores de formação dos solos
  • 29.  Relevo  O encharcamento contínuo dos poros do solo afeta nos processos de intemperismo químico.  Locais de difícil drenagem  Excesso de água e escassez de ar  A evolução ficará sujeita a condições especiais de solubilização dos óxidos de ferro e do acúmulo de MO.  Cor escura na superfície e acinzentado no fundo, com pequenas manchas de cor ferrugem.  Maior erosão  atrapalha o desenvolvimento do perfil.  Locais de rápida infiltração  Favorece o intemperismo químico  maior oxidação e promove cores avermelhadas. Introdução Fatores de formação dos solos
  • 30.  Relevo  Regiões de clima árido ou semi-árido  As partes mais baixas do relevo ficam sujeitas ao acúmulo de sais.  Estes sais podem ser carregados pelas enxurradas.  Quando esta solução evapora, deixa os sais precipitados.  Regiões de relevo montanhoso  As rampas muito íngremes favorecem a erosão.  Vel. formação do solo < vel. remoção do solo  Nenhum solo permanece, ficando a rocha exposta.  Vel. formação do solo > vel. remoção do solo  Solos rasos  Vel. formação do solo >> vel. remoção do solo  Solos profundos (área plana ou menos íngreme). Introdução Fatores de formação dos solos
  • 32.
  • 33.  Tempo  Estágio inicial de formação  a superfície de um afloramento rochoso, no qual musgos e líquens começam a se desenvolver sobre uma camada de rocha decomposta.  O tempo influencia diretamente a espessura do solo.  Maior exposição ao intemperismo.  Início da formação  solos rasos, delgados e sem horizontes bem definidos  pouco desenvolvidos ou jovens.  Com o passar do tempo  os horizontes vão se espessando e diferenciando-se, e o solum pode atingir alguns metros.  Estado de equilíbrio  solos espessos e, normalmente com horizontes bem definidos  bem desenvolvidos, normais ou maduros. Introdução Fatores de formação dos solos
  • 34. Introdução Fatores de formação dos solos  Tempo  Depois que a rocha é exposta na superfície (tempo zero), o solo começa a se desenvolver e, se não houver erosão, atinge em determinado tempo o estágio de maturidade.
  • 35. Poluição do Solo Urbano Considerações gerais  É proveniente dos resíduos gerados pelas atividades econômicas que são típicas das cidades, como a indústria, o comércio, os serviços e os domicílios.  Os resíduos sólidos são os mais impactantes pois as quantidades geradas são grandes e as características de imobilidade impõem grande dificuldade de transporte ao meio.  Outras formas de poluição do solo urbano:  Precipitação de chuva ácida.  Esgoto doméstico e efluentes líquidos industriais que quando lançados diretamente sobre o terreno superficial, agride o olfato e a visão, assim como são vetores de doenças.
  • 36. Resíduos Sólidos Urbanos Introdução  Lixo  São os restos das atividades humanas, considerados pelos geradores como inúteis, indesejáveis ou descartáveis.  Estes materiais demoram muito tempo para se degradarem  desequilíbrio na reciclagem da matéria.
  • 37.
  • 38. Resíduos Sólidos Urbanos Introdução  O aumento dos problemas associados a resíduos sólidos é ocasionado, em geral, pelos seguintes fatores :  Processo de urbanização: a migração do campo para as cidades ocasiona a concentração populacional em centros urbanos, contribuindo para o agravamento dos problemas com resíduos devido ao aumento da produção de resíduos e a falta de locais adequados para sua disposição.  Aumento populacional e o consequente aumento da produção de resíduos;  Industrialização: os processos industriais geram produtos em velocidade cada vez maior, contribuindo para o aumento da produção de resíduos, seja durante o processo de fabricação, seja pelo estímulo ao consumo;  Periculosidade dos novos resíduos;  Estilo da produção em massa e do descartável.
  • 39. Resíduos Sólidos Urbanos Introdução  Resíduos  (NBR 10.004) Resíduos nos estados sólido e semi-sólido, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviço e de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades torne inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água, ou exigem, para isso, soluções técnicas e economicamente inviáveis em face a melhor tecnologia disponível.
  • 40.  O lixo, em função da sua procedência variada, apresenta constituintes básicos diversos, e o volume de sua produção varia de acordo com sua procedência, com o nível econômico da população e com a própria natureza das atividades econômicas da área onde é gerado.  A composição média do lixo domiciliar no Brasil é de:  65% de Matéria Orgânica  25% de Papel  4% de Metal  3% de Vidro  3% de Plástico Resíduos Sólidos Urbanos Introdução
  • 41. Resíduos Sólidos Urbanos Classificação  Quanto à sua origem:  Domiciliar: restos de alimentos, jornais, garrafas, embalagens em gerais, etc. (Prefeituras);  Comercial: grande quantidade de papel, plásticos, etc. (Prefeituras);  Público: resíduos de varrição de ruas, limpeza de praias, limpeza de galerias, etc. (Prefeituras);  Serviços de Saúde e Hospitalar: agulhas, seringas, algodões, luvas descartáveis, etc. (Gerador);  Aeroportos, portos, Terminais rodoviários e ferroviários: materiais de higiene, asseio pessoal, restos de alimentos, etc. (Gerador);
  • 42. Resíduos Sólidos Urbanos Classificação  Quanto à sua origem:  Industrial: cinzas, lodos, óleos, fibras, madeiras borrachas, etc. Gerador);  Entulhos: resíduos provenientes da construção civil (Gerador);  Agrícola: embalagens de fertilizantes, rações, restos de colheitas, etc. (Gerador).
  • 43. Resíduos Sólidos Urbanos Classificação  Quanto à natureza física  seco  molhado;  Quanto à composição química  matéria orgânica  restos de alimentos, de animais mortos, de podas de árvores e matos, entre outros;  matéria inorgânica  vidro, plástico, papel, metal, entulho, entre outros.  Quanto ao riscos potenciais ao meio ambiente  Considerando os aspectos práticos e de natureza técnica ligados principalmente às possibilidades de tratamento e disposição dos resíduos em condições satisfatórias do ponto de vista ecológico, sanitário e econômico, a NBR 10.004 apresenta três classes:
  • 44. Resíduos Sólidos Urbanos Classificação CLASSIFICAÇÃO QUANTO À PERICULOSIDADE (NBR 10.004) Resíduos Classe I (Perigosos) Apresentam risco à saúde pública ou ao ambiente, caracterizando-se por terem uma ou mais das seguintes propriedades: inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade e patogenicidade. Resíduos Classe II (Não-inertes) Podem ter propriedades como combustibilidade, biodegradabilidade ou solubilidade, porém não se enquadram como resíduo I ou III. Resíduos Classe III (Inertes) Não têm nenhum dos seus constituintes solubilizados em concentrações superiores aos padrões de potabilidade de águas.
  • 45. Resíduos Sólidos Urbanos Disposição e tratamento  Lixões  Forma inadequada  lançamento e amontoamento de lixo em terreno baldio.  Problemas estéticos e de saúde pública.  Problemas sociais  catação de lixo.  Problemas ambientais  poluição hídrica (chorume) e atmosférica (geração de metano e outros gases combustíveis).  Não há controle quanto aos tipos de resíduos depositados e quanto ao local de disposição.  Resíduos domiciliares e comerciais de baixa periculosidade são depositados juntamente com os industriais e hospitalares, de alto poder poluidor.
  • 46.
  • 47.
  • 48. Resíduos Sólidos Urbanos Disposição e tratamento  Aterro Sanitário  O lixo é lançado sobre o terreno e recoberto com solo do local, de forma a isolá-lo do ambiente, formando câmaras.  O volume é reduzido por compactação.  Nas câmaras há uma degradação anaeróbia, com liberação de gás e de uma substância líquida escura, constituída pelos resíduos orgânicos apenas parcialmente biodegradados (chorume).  Os gases acumulados no superior da câmara devem ser drenados para queima ou beneficiamento e utilização.  O chorume acumula-se no fundo e deve ser separado por um revestimento impermeável.
  • 49.  Aterro Sanitário  Uma vez esgotados em sua capacidade de receber lixo, podem ser úteis como elementos paisagísticos como áreas verdes e parques.  Desvantagens:  Grandes extensões de terreno;  Deve ser instalado em locais em que o entorno não seja prejudicado por inconvenientes ambientais e paisagísticos (mau cheiro, tráfego de caminhões, mau aspecto, aves, etc.). Resíduos Sólidos Urbanos Disposição e tratamento
  • 50.
  • 51.  Compostagem  A “reciclagem na natureza”.  Composto é o produto da decomposição de matéria orgânica, em condições aeróbicas e de maneira controlada, de modo a obter-se um material estabilizado, não mais sujeito às reações de putrefação; Resíduos Sólidos Urbanos Disposição e tratamento
  • 52.  Compostagem  Para realização da compostagem deve-se separar os materiais orgânicos dos outros tipos de resíduos.  Vantagens:  Enriquece a terra em alimento para as plantas  adubo natural.  Reduz a quantidade de lixo.  Melhora a aeração do solo  Evita as queimadas que poluem o ar e incomodam a vizinhança.  Menor exigência de área para instalação. Resíduos Sólidos Urbanos Disposição e tratamento
  • 53.  Compostagem Resíduos Sólidos Urbanos Disposição e tratamento
  • 54. Resíduos Sólidos Urbanos Disposição e tratamento  Compostagem
  • 55.  Incineração  É feita em usinas de incineração, nas quais o lixo é reduzido a cinzas e gases decorrentes de sua combustão.  As cinzas obtidas, em volume bastante reduzido e mineralizadas, podem ser dispostas sem inconvenientes.  Com devido controle de poluição os gases gerados também poderão ser emitidos ao ambiente.  A presença de materiais que possuam cloro podem provocar a formação de furanos e dioxinas, altamente tóxicos e cancerígenos. Resíduos Sólidos Urbanos Disposição e tratamento
  • 56.  Incineração  Vantagens:  Redução volumétrica;  Não geração de efluentes líquidos;  Destruição de substâncias dependente de sua estabilidade térmica e não da periculosidade dos resíduos;  Possibilidade de recuperação energética.  Desvantagens:  Elevado custo inicial;  Mão-de-obra especializada;  Problemas operacionais e de manutenção;  Controle de emissões: polêmica nacional quanto à dioxinas e furanos. Resíduos Sólidos Urbanos Disposição e tratamento
  • 57. Resíduos Sólidos Urbanos Disposição e tratamento  Incineração
  • 58.  Reduzir  Evitar a produção de resíduos, com a revisão de seus hábitos de consumo.  Ex: preferir os produtos que tenham refil.  Reutilizar  Reaproveitar o material em outra função.  Ex: usar os potes de vidro com tampa para guardar miudezas (botões, pregos, etc.).  Reciclar  Transformar materiais já usados, por meio de processo artesanal ou industrial, em novos produtos.  Ex: transformar embalagens PET em tecido de moletom. Resíduos Sólidos Urbanos 3 R’s
  • 59. Resíduos Sólidos Urbanos Coleta seletiva  O processo de reciclagem é composto de várias fases, porém sua realização depende de uma ação fundamental: a separação prévia dos materiais.  Coleta seletiva  separação e recolhimento, desde a origem, dos materiais potencialmente recicláveis.  É importante lembrar que a separação dos materiais de nada adianta se eles não forem coletados separadamente e encaminhados para a reciclagem.
  • 60.  Vantagens da coleta seletiva:  Diminui a exploração de recursos naturais;  Reduz o consumo de energia;  Diminui a poluição do solo, da água e do ar;  Prolonga a vida útil dos aterros sanitários;  Possibilita a reciclagem de materiais que iriam para o lixo;  Diminui os custos da produção, com o aproveitamento de recicláveis pelas indústrias;  Diminui o desperdício;  Diminui os gastos com a limpeza urbana;  Cria oportunidade de fortalecer organizações comunitárias;  Gera emprego e renda pela comercialização dos recicláveis; Resíduos Sólidos Urbanos Coleta seletiva
  • 61.  Cada resíduo deve ser acondicionado em um recipiente específico.  Azul – Papel e papelão;  Verde - Vidro;  Amarelo - Metal (alumínio e metais ferrosos);  Vermelho – plástico (PET, plástico rígido, etc.);  Marrom – Orgânico (restos de alimentos ou podas de árvores que podem ser transformados em adubo);  Cinza – Rejeito (material sujo e/ou que não serve para a reciclagem). PAPEL VIDRO METAL PLÁSTICO ORGÂNICO REJEITO Resíduos Sólidos Urbanos Coleta seletiva
  • 63.  Plástico (vermelho) Resíduos Sólidos Urbanos Coleta seletiva
  • 64.  Metal (amarelo) Resíduos Sólidos Urbanos Coleta seletiva
  • 65.  Papel (azul) Resíduos Sólidos Urbanos Coleta seletiva
  • 66.  Vidro (verde) Resíduos Sólidos Urbanos Coleta seletiva
  • 67. Poluição do Solo Usos do solo  São funções do solo :  sustentação da vida e do "habitat" para pessoas, animais, plantas e outros organismos;  manutenção do ciclo da água e dos nutrientes;  proteção da água subterrânea;  manutenção do patrimônio histórico, natural e cultural;  elemento de fixação e nutrição da vida vegetal;  fundação para edificações, aterros, estradas, sistemas de disposição de resíduos, etc;  elemento a ser extraído e utilizado na área de construção em geral e na manufatura de objetos diversos;  armazenamento de combustíveis fósseis;  armazenamento de água para fins diversos com destaque para o uso da água como manancial de abastecimento público.  produção de alimentos.
  • 69. Poluição do Solo Danos  Construção civil  urbanização e ocupação do solo;  Exploração extrativa  remoção de grandes quantidades de materiais (mineração) e alteração da topografia;  atividade madeireira.  Atividade agropecuária  aplicação de nutrientes e defensivos agrícolas no solo;  remoção sazonal da cobertura vegetal;  inadequação de certas plantas ao tipo de solo ou uso excessivo de monoculturas;  pastoreio excessivo;  queimadas.
  • 70. Contaminação do solo e provavelmente da água subterrânea por fossas sépticas Poluição do Solo Danos
  • 71. Contaminação do solo e provavelmente da água subterrânea pela atividade industrial Poluição do Solo Danos
  • 72. Poluição do Solo Danos Contaminação do solo e provavelmente da água subterrânea pela disposição de resíduos sólidos e por vazamentos na rede de esgoto
  • 73. Poluição do Solo Danos Contaminação do solo e provavelmente da água subterrânea em área agrícola, provocada pela aplicação de fertilizantes e agrotóxicos.
  • 74. Compactação do solo e expansão de área para a pecuária. Poluição do Solo Danos
  • 75. Degradação do solo devido a incêndios ou queimadas Poluição do Solo Danos
  • 76. Fontes de poluição do solo e sua migração. Poluição do Solo Danos
  • 77.  A ênfase dada nos cuidados quanto à poluição do solo está principalmente associada ao contato da água com o solo superficial e subsuperficial e à preservação da qualidade das águas.  A qualidade do solo pode ser alterada levando em consideração os seguintes aspectos:  Vegetação;  Topografia / relevo;  Permeabilidade.  O monitoramento do solo, sob aspectos superficial e subsuperficial, é efetuado por:  Inspeção visual;  Aerofotointerpretação e/ou levantamentos topográficos;  Amostragem e análises químicas para acompanhamento da qualidade e fertilidade do solo;  Monitoramento do lençol freático (a montante e a jusante do empreendimento). Poluição do Solo Qualidade do solo
  • 78. Poluição do Solo Erosão  Fontes de poluição de origem natural,  associadas a catástrofes como: terremotos, vendavais e indundações;  Características de solos, fatores ambientais que podem levar a erosão;  Erosão  Causada pela ação das águas e do vento e conseqüente remoção das partículas do solo.  alterações de relevo;  riscos às obras civis;  remoção da camada superficial e fértil do solo;  assoreamento dos rios  inundações e alterações dos cursos d’água.  Associada a fatores como clima, tipo de solo e declividade do terreno.
  • 79. A remoção da cobertura vegetal pode causar erosão… Poluição do Solo Erosão
  • 80. Que algumas vezes se transformam em voçorocas. Poluição do Solo Erosão
  • 81. A remoção da cobertura vegetal pode causar deslizamentos. Poluição do Solo Erosão
  • 82.  Práticas recomendadas:  manutenção da cobertura vegetal;  utilização de árvores como quebra-ventos;  cobertura do solo com serragem;  técnicas de caráter mecânico como aração;  plantio e construção em curvas de nível;  execução de canaletas para desvio de águas pluviais;  execução de muros de arrimo. Poluição do Solo Erosão
  • 83. Exemplo de sistema de drenagem Poluição do Solo Erosão
  • 84.  Antes: basicamente restos de vegetais decompostos e dos excrementos de animais.  Biodegradação e incorporação às cadeias alimentares dos ecossistemas associados ao solo eram imediatas e não havia criação de desequilíbrios ou maiores danos.  Produção do adubo artificial  Riscos de acumulação ambiental até concentrações tóxicas, tanto de nutrientes essenciais como de impurezas do processo de fabricação. Poluição do Solo Rural Fertilizantes
  • 85.  Controle biológico  espécies nocivas são mantidas em níveis aceitáveis pela introdução de um predador natural ou microorganismo que lhe cause doença;  manejo integrado de pragas.  Mudanças no padrão de plantio (rotação de culturas, plantio em faixas, etc.)  Uso de plantas geneticamente modificadas;  Uso cuidadoso e seletivo de defensivos para manter o nível de produção agrícola e a saúde humana. Poluição do Solo Rural Alternativas agrícolas
  • 86.  Se não é possível abolir o uso:  imitar o uso ao estritamente indispensável, cortando os desperdícios geradores de resíduos poluidores;  restringir ao emprego dos defensivos ambientalmente mais seguros;  empregar técnicas de aplicação que reduzem os custos derivados de sua acumulação e propagação pela cadeia alimentar.  Classificação em grupos, dependendo do tipo de praga que combatem  inseticidas, fungicidas, herbicidas, rodenticidas, etc.  Efeito residual; biomagnificação ou magnificação biológica;  Estudos mostram que os defensivos presentes no solo transferem-se, parcialmente, para o tecido celular da planta, com relações de concentrações que dependem, entre outros fatores, da concentração existente no solo e do tipo de planta. Poluição do Solo Rural Defensivos agrícolas
  • 87.  A salinização dos solos é mais freqüente em regiões tropicais de clima quente e seco, com elevadas taxas de evapotranspiração e baixos índices pluviométricos.  O aumento de sais solúveis em um solo, eleva o seu potencial osmótico, as plantas têm dificuldade de absorção água e nutrientes provocando a redução do seu crescimento, sendo também perceptível injúrias foliares.  Pode ser agravada pela irrigação. Poluição do Solo Rural Salinização
  • 88. Poluição do Solo Rural Salinização
  • 89.  É um processo que ocorre em todo o mundo, resultado do crescimento das atividades produtivas e econômicas e principalmente pelo aumento da densidade demográfica em escala mundial.  Causadores: • Produção agrícola e pastoril; • Mineração; • Crescimento urbano; • Extrativismo.  Consequências: • Degradação do solo • Perdas de biodiversidade • Incidência de processo de desertificação • Erosões, mudanças climáticas e hidrografia. Poluição do Solo Rural Desmatamento
  • 90.  O que se pode fazer?  Ao comprar produtos florestais como madeira e papel, exija o selo Conselho de Manejo Florestal para ter a garantia que eles provém de florestas manejadas de acordo com os critérios rigorosos e não predatórios.O selo verde atesta o uso de técnicas de corte que respeitam os ciclos de regeneração da mata.  Reduzir o consumo de carne em geral também ajuda no combate ao desmatamento (ajuda a evitar abertura de novas áreas de pastagens). Isso porque muito da produção de soja é utilizada como ração para animais, como aves e porcos.  Evite consumir produtos feitos com couro animal. Busque alternativas como o couro vegetal (ecológico) feito a partir da extração do látex.  Reduza o consumo de papel. Prefira papel reciclado. Poluição do Solo Rural Desmatamento