SlideShare uma empresa Scribd logo
ROCHAS METAMORFICAS

      São rochas que sofreram modificações no estado sólido, como resposta às mudanças
das condições físicas e/ou químicas da crosta terrestre, provocadas pela pressão e
temperatura em profundidade.
      Essas mudanças podem ser mineralógicas, texturais ou ambas, e são acompanhadas
pelo desenvolvimento de novos minerais, pelo desaparecimento de minerais pré-existentes, ou
pelo recristalização destes últimos.
      Durante o metamorfismo, a composição da rocha pode permanecer constante ou não.
No primeiro caso, o metamorfismo é dito isoquímico, no segundo, aloquímico ou
metassomático

AGENTES DE METAMORFISMO
        Os principais agentes responsáveis pelos processos metamóficos são a temperatura,
pressão e fluidos químicos que atuam sobre as rochas no interior da crosta terrestre.
- Temperatura: no domínio metamórfico, ela varia de 200 a 700°C e aumenta com a
profundidade e com a proximidade de um corpi ígneo intrusivo. O aumento de temperatura
também pode resultar do atrito entre blocos de rocha em zonas de falha.
- Pressão: a pressão que atua sobre as rochas na crosta terrestre pode ser de dois tipos:
a) Pressão litostática ou de carga: resulta deo peso das camadas de rochas sobrejacentes.
Seu valor é estimado em 2,7kg/cm2 cada 100m. Esta pressão aumenta com a profundidade
provocando reduçÃo de volume da rocha e tornando a estrutura maciça.
b) pressão dirigida: é a pressão tangencial à superfície da crosta terrestre que atua durante os
dobramentos, falhamentos e outros fenômenos tectônicos caracterizados por movimentos
laterais.
        A pressão tem um papél importante no metamorfismo, facilitando a circulação dos
fluidos químicos que aceleram as reações metamórficas, além de ser responsável pelo
aparecimento, na rocha, de estrutura orientadas (xistosidade, bandamento, etc.).
- Fluidos químicos: podem contribuir ativamente nos processos metamórficos, ou servir para
facilitar as reações químicas, agindo como solventes e/ou catalizadores. A água é o principal
desses fluidos, seguido do CO2.
        Assim. esses fluidos podem atuar de diferentes maneirasm seja aumentando a
velocidade das reações entre os minerais, seja introduzindo elementos químicos que
determinarão a cristalização de novos minerais. Esta introdução e substituição de elementos é
conhecida pelo nome de metassomatismo.
        A combinação da temperatura, pressão e fluídos químicos pode produzir, portanto,
efeitos tão grandes que a rocha metamórfica originada perde totalmente suas características
originais.

TIPOS DE METAMORFISMO
       De acordo com a ação dos agentes de metamorfismo e o ambiente geológico, tem-se os
seguintes tipos de metamorfismo (Figura 1):
1. Metamorfismo de contato ou térmico: é produzido pela intrusão de um corpo ígneo,
formando uma auréola de metamorfismo nas rochas encaixantes, por ação da temperatura e
fluídos químicos. É, portanto, de caráter local e restrito às cercanias do corpo ígneo. A
extensão da auréola varia de centímetro a algumas centenas de metro, dependedo da
temperatura do magma intrusivo, do seu volume e da natureza da rocha encaixante (Figura ).
       As rochas resultantes do metamorfismo de contato têm, geralmente, granulação fina,
estrutura maciça e são denominadas genericamente de hornfelses.
2. Metamorfismo regional: desenvolve-se em extensas áreas relacionadas com os cinturões
orogênicos (grandes cadeias de montanhas). Dos agentes de metamorfismo, além da
temperatura e pressão litostático, atua um terceiro fator que é a pressão dirigida. As rochas
resultantes mostram, geralmente, estrutura orientada (xistosidade) que reflete a ação da
pressão dirigida (Figura ).
       É o mais importante dos processos metamórficos pela sua área de abrangência.
Exemplos de metamorfismo regional, pode-se citar as seguintes rochas: xistos, gnaisses,
anfibolitos, etc.




                                                    Figura 1. Representação esquemática
                                                    dos diferentes tipos de metamorfismo:
                                                    a)    Metamorfismo      regional   ou
                                                    dinamotermal; b) Metamorfismo de
                                                    contato ou termal e c) metamorfismo
                                                    dinâmico ou cataclástico.




3. Metamorfismo dinâmico ou cataclástico: é também de caráter local e ocorre em faixas
adjacentes a zonas de folha, pelo efeito da pressão dirigida. O atrito dos blocos provoca a
fragmentação das rochas e, por vezes, orientação dos minerais pela deformação
(estiramento). Rochas resultantes deste processo são denominadas brechas de fricção,
milonitos, etc.

TEXTURA

       Nas rochas metamórficas a textura desenvolve-se em função do crescimento ou
deformação de cristais (Figura 2). Os tipos de texturas são: Granoblástica: quando a rocha
apresnta grãos minerais aproximadamente equidimensionais, sem orientação preferencial;
Lepidoblática: quando a rocha apresenta abundância de minerais foliáceos (micas, cloritas)
numa orientação planar, paralela ou subparalela; Nematoblastica: quando a rocha apresentar
orintação de minerias prismáticos, como piroxênios e amfibólios e Porfiroblástica: quando a
rocha apresentar cristais maiores (porfiroblastos) imersos numa matriz de grãos mais finos,
que poderá ser granoblástica, lepidoblástica ou granolepidoblástica.

ESTRUTURA


- Xistosa: quando a rocha apresenta minerais foliáceos arranjados paralelamente,
responsáveis por uma fissilidade planar nas mesmas. Ex. mica-xistos.
- Cataclástica: quando a rocha apresenta disposição orientada dos minerais, proviniente da
deformação mecância de atuação direcional. Ex. Cataclasito.
- Bandada: quando a rocha apresentar alternância de leitos claros , ricos em quartzo e/ou
feldspatos, e leitos escuros, ricos em minerais ferromagnesianos (biotita e/ou hornblenda). Ex.
Gnaisses.
- Fragmentária: quando apresentar fragmentos de rochas angulosos, produzidos por
metamorfismo dinâmico.
- Maciça: quando a rocha exibir aspecto maciço e ausência de elementos lineares (minerais
prismáticos) ou planares (minerais foliácios).




`Figura 2. Textura das rochas metamórficas




CLASSIFICAÇÃO

- Ardósia: rocha de granulação fina, homogênea, de cor geralmente esverdeada, cinza ou
preta. A cor esverdeada é indicativa da presença de Fe ++, enquanto a cinza e a preta
relacionam-se com a presença de certo conteúdo de carbono orgânico ou hidrocarbonetos.
Microscopicamente, observa-se que as ardósias são constituídas principalemente de grãos de
quartzo, lamelas de clorita e sericita, óxidos e sulfetos de ferro, grânulos de feldspatos e
películas de carbono ou de hidrocarbonetos. A textura é lepidoblástica e a estrutura é xistosa.
Resulta de metamorfismo de baixo grau de rochas sedimentares argilosas (folhelhos).

- Filito: rocha de granulação fina e média, rica em sericita, clorita e quartzo. As primeiras lhe
conferem um aspecto lustroso nos planos de xistosidade. É produto de metamorfismo, de grau
um pouco mais elevado que o das ardósias, sobre sedimentos argilosos, daí o fato de alguns
minerais já poderem ser identificados macroscopicamente. Sua textura é lepidoblástica e
estrutura xistosa.
- Xisto: rocha metamórfica onde a xistosidade é notável. Micas, cloritas e talco são os
minerais foliáceos dominantes. O quartzo é comum e anfibólios podem estar presentes.
Feldspatos, óxidos e sulfetos de ferro também podem ocorrer, Porfiroblastos são comuns. É
produto de metamorfismo regional de grau médio (superir aso dos filitos). Sua granulação é
média, textura lepidoblástica e estrutura xistosa.

- Gnaisse: rocha de granulação média a agrossa, textura granolepidoblástica e estrutura
bandada, sendo esta a característica mais marcante.
      Representa produto de metamorfismo regional de grau médio a alto, formando-se,
portanto, em maiores profundidades na crosta.
      As bandas claras geralmente são constituídas de quartzo e feldspatos e as escuras, de
minerais ferromagnesianos (biotita, hornblenda).

- Granulito: apresenta granulação média a grosseira, textura granoblástica e estrutura
geralmente maciça. Sào comuns, na sua mineralogia, as associações: quartzo-feldspatos e
feldspatos-piroxênio-granda, que revelem alto grau de metamorfismo.
      É produto de metamorfismo de rochas quartzo-feldspatos, tanto ígneas como
sedimentares e metamórficas.

- Quartzito: apresnta textura granolepidoblástica e estrutura xistosa. Deriva do metamorfismo
de quartzo-arenitos. constitui-se de quartzo e dos mais variados tipos de mica (inclusive
serecita) que lhe conferem diferentes colorações.

- Migmatito: rocha de textura porfiroblástica ou granolepidoblástica. Nos tipos
porfiroblástiocos a estrutura é maciça e os porfiroblástos são de feldspatos alcalino e a matriz
é geralmente de composição granodiarítica (mais raramente granítica). Nos tipos
granolepidoblásticos, a estrutura é bandada, sendo os leitos claros de composição
predominantemente quartzo-feldspática ou essencialemnte feldspática, e os leitos escuros
ricos em silicatos ferromagnesianos.
       Essas rochas são produtos de metamorfismo ou anatéxicos (fusão parcial) em zonas
profundas da crosta continental. Associam-se, geralmente, com gnaisses e batólitos
granodioríticos.

- Anfibolito: rocha dormada pelo metamorfismo regional sobre rochas ígneas básicas,
originando a formação de grande quantidade de hornblenda. Além dela podem aparecer:
plagioclásio, clorita, epídoto. Sua textura é geralmente granoblástica e a estrutura maiciça.

- Serpentinito: rocha constituída predominantemente por minerais do grupo das serpentinas
(crisotilo e antigorita). Resulta do metamorfismo de baixo grau sobre rochas ultrabásicas. A
textura é fibrolepidoblástica e a estrutura em veios devido à abundância, na rocha, do crisotilo
e antigorita.

- Esteatito: também chamada pedra sabão. rocha magnesiana constituída principalemnte de
talco, acompanhada de tremolita, clorita, serpentinita, etc. Origina-se pela ação do
metamorfixmo de baixo grau e metassomatismo de rochas ultrabásicas. Sua textura é
lepidoblástica e a estrutura geralmente maciça.

- Mármore: rocha rica eme carbonatos derivados do metamorfismo regional ou de contato de
calcários de dolomitos. De um modo geral, apresenta textura granoblástica e estrutura maciça.
       Quando no metamorfismo de contato, a rocha sofre a intrudução de novos elementos
pelos fluídos químicos (Si, Al, Fe, Ca, Na, etc.), ela torna-se calco-silicatada de vários silicatos
e minerais de outras classes (óxidos, sulfetos, etc.).
- Hornfels: rocha de granulação fina a média, textura granoblástica podendo, as vezes, conter
porfiroblastos. Apresenta cores escuras e se deriva de sediemntos pelíticoss ou qurtzo-
feldspáticos que sofreram metamorfismo de contato.

- Cataclasito: caracteriza-se pela textura cristaloclástica e estrutura cataclástica, geradas por
metamorfismo denâmico, devido aos fortes efeitos da pressão dirigida, em zonas de falhas.

- Brecha de fricção: rocha constituída de fragemntsos angulosos unidos por um cimento
micro ou criptocristalino (geralmente calcedônea). Origina-se da ação de metamorfismo
dinâmico em zonas de falha.
      Sua textura é de argamassa e a estrutura é fragmentária.

              RESUMO DA CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS METAMÓRFICAS

ROCHA ORIGINAL               BAIXO GRAU           MÉDIO GRAU           ALTO GRAU
Quartzo-arenito                                     Quartzito
Arcósio                                                                  Gnaisse
Grauvaque                                            Xisto           Gnaisse, granulito
Lutito (folhelho)            Ardósia, Filito         Xisto               Gnaisse
Calcário                                           Mármore
Dolomito                                        Mármore dolomito
Basalto                      Meta-basalto
                                                    Anfibolito           Anfibolito
Gabro                         Meta-gabro
Riólito                       Meta-riólito
                                                                          Gnaisse
Granito                      Meta-granito
Dunito                       Serpentinito
Piroxenito                    Esteatito

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3 a formaçãorochassedimentares
3 a  formaçãorochassedimentares3 a  formaçãorochassedimentares
3 a formaçãorochassedimentares
margaridabt
 
Propriedades minerais
Propriedades mineraisPropriedades minerais
Propriedades minerais
PublicaTUDO
 
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraRochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Ana Castro
 
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupçõesMagma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
MINEDU
 
O ciclo das rochas
O ciclo das rochasO ciclo das rochas
O ciclo das rochas
Catir
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochas
marciotecsoma
 
Deformação das rochas
Deformação das rochasDeformação das rochas
Deformação das rochas
Isabel Lopes
 
Datação Das Rochas
 Datação Das Rochas Datação Das Rochas
Datação Das Rochas
tmar
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
Catir
 
Processos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismoProcessos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismo
Marcio Santos
 
Rochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficasRochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficas
Arminda Malho
 
Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
Tânia Reis
 
Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticas
Tânia Reis
 
Rochas Sedimentares
Rochas SedimentaresRochas Sedimentares
Rochas Sedimentares
anabela
 
6 dobras e falhas
6   dobras e falhas6   dobras e falhas
6 dobras e falhas
margaridabt
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
Gabriela Bruno
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
Catir
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
professoraIsabel
 
Identificando as rochas aula 1
Identificando as rochas   aula 1Identificando as rochas   aula 1
Identificando as rochas aula 1
Marcus Corradini
 
Geologia estrutural Falhas
Geologia estrutural   FalhasGeologia estrutural   Falhas
Geologia estrutural Falhas
marciotecsoma
 

Mais procurados (20)

3 a formaçãorochassedimentares
3 a  formaçãorochassedimentares3 a  formaçãorochassedimentares
3 a formaçãorochassedimentares
 
Propriedades minerais
Propriedades mineraisPropriedades minerais
Propriedades minerais
 
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da TerraRochas - arquivos que relatam a história da Terra
Rochas - arquivos que relatam a história da Terra
 
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupçõesMagma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
 
O ciclo das rochas
O ciclo das rochasO ciclo das rochas
O ciclo das rochas
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochas
 
Deformação das rochas
Deformação das rochasDeformação das rochas
Deformação das rochas
 
Datação Das Rochas
 Datação Das Rochas Datação Das Rochas
Datação Das Rochas
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
 
Processos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismoProcessos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismo
 
Rochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficasRochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficas
 
Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
 
Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticas
 
Rochas Sedimentares
Rochas SedimentaresRochas Sedimentares
Rochas Sedimentares
 
6 dobras e falhas
6   dobras e falhas6   dobras e falhas
6 dobras e falhas
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
 
Identificando as rochas aula 1
Identificando as rochas   aula 1Identificando as rochas   aula 1
Identificando as rochas aula 1
 
Geologia estrutural Falhas
Geologia estrutural   FalhasGeologia estrutural   Falhas
Geologia estrutural Falhas
 

Semelhante a Rochas metamorficas

Rochasmetamorficas
RochasmetamorficasRochasmetamorficas
Rochasmetamorficas
Pelo Siro
 
Rochas Metamorficas. GG.pptx
Rochas Metamorficas. GG.pptxRochas Metamorficas. GG.pptx
Rochas Metamorficas. GG.pptx
JernimoLoureno1
 
Rochas metamórficas e ciclo r.
Rochas metamórficas e ciclo r.Rochas metamórficas e ciclo r.
Rochas metamórficas e ciclo r.
7f14_15
 
Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
Cidinhoveronese
 
Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
Lara Rolão
 
Rochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficasRochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficas
Cidalia Aguiar
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
Fabrício Almeida
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
Fabrício Almeida
 
Metamorfismo
MetamorfismoMetamorfismo
Metamorfismo
Eléusio Daniel Leu
 
Biol11 aula10 22maio
Biol11 aula10 22maioBiol11 aula10 22maio
Biol11 aula10 22maio
anabela explicaexplica
 
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
UFRJ
 
Guião apresentação
Guião   apresentaçãoGuião   apresentação
Guião apresentação
antoniopedropinheiro
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
Cidinhoveronese
 
O principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochasO principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochas
Cidinhoveronese
 
Rochas metamórficas.pptx
Rochas metamórficas.pptxRochas metamórficas.pptx
Rochas metamórficas.pptx
FilipeRaivelAESA
 
Minerais e rochas
Minerais e rochasMinerais e rochas
Minerais e rochas
karolpoa
 
Rochasmetamorficas
RochasmetamorficasRochasmetamorficas
Rochasmetamorficas
Dário Alves
 
Metamorfismo
MetamorfismoMetamorfismo
Metamorfismo
Arminda Malho
 
Dinâmica externa da terra
Dinâmica externa da terraDinâmica externa da terra
Dinâmica externa da terra
Sara Viana
 
Aula metamorfismo
Aula metamorfismoAula metamorfismo
Aula metamorfismo
Carolina Corrêa
 

Semelhante a Rochas metamorficas (20)

Rochasmetamorficas
RochasmetamorficasRochasmetamorficas
Rochasmetamorficas
 
Rochas Metamorficas. GG.pptx
Rochas Metamorficas. GG.pptxRochas Metamorficas. GG.pptx
Rochas Metamorficas. GG.pptx
 
Rochas metamórficas e ciclo r.
Rochas metamórficas e ciclo r.Rochas metamórficas e ciclo r.
Rochas metamórficas e ciclo r.
 
Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
 
Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
 
Rochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficasRochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficas
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Metamorfismo
MetamorfismoMetamorfismo
Metamorfismo
 
Biol11 aula10 22maio
Biol11 aula10 22maioBiol11 aula10 22maio
Biol11 aula10 22maio
 
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
 
Guião apresentação
Guião   apresentaçãoGuião   apresentação
Guião apresentação
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
O principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochasO principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochas
 
Rochas metamórficas.pptx
Rochas metamórficas.pptxRochas metamórficas.pptx
Rochas metamórficas.pptx
 
Minerais e rochas
Minerais e rochasMinerais e rochas
Minerais e rochas
 
Rochasmetamorficas
RochasmetamorficasRochasmetamorficas
Rochasmetamorficas
 
Metamorfismo
MetamorfismoMetamorfismo
Metamorfismo
 
Dinâmica externa da terra
Dinâmica externa da terraDinâmica externa da terra
Dinâmica externa da terra
 
Aula metamorfismo
Aula metamorfismoAula metamorfismo
Aula metamorfismo
 

Rochas metamorficas

  • 1. ROCHAS METAMORFICAS São rochas que sofreram modificações no estado sólido, como resposta às mudanças das condições físicas e/ou químicas da crosta terrestre, provocadas pela pressão e temperatura em profundidade. Essas mudanças podem ser mineralógicas, texturais ou ambas, e são acompanhadas pelo desenvolvimento de novos minerais, pelo desaparecimento de minerais pré-existentes, ou pelo recristalização destes últimos. Durante o metamorfismo, a composição da rocha pode permanecer constante ou não. No primeiro caso, o metamorfismo é dito isoquímico, no segundo, aloquímico ou metassomático AGENTES DE METAMORFISMO Os principais agentes responsáveis pelos processos metamóficos são a temperatura, pressão e fluidos químicos que atuam sobre as rochas no interior da crosta terrestre. - Temperatura: no domínio metamórfico, ela varia de 200 a 700°C e aumenta com a profundidade e com a proximidade de um corpi ígneo intrusivo. O aumento de temperatura também pode resultar do atrito entre blocos de rocha em zonas de falha. - Pressão: a pressão que atua sobre as rochas na crosta terrestre pode ser de dois tipos: a) Pressão litostática ou de carga: resulta deo peso das camadas de rochas sobrejacentes. Seu valor é estimado em 2,7kg/cm2 cada 100m. Esta pressão aumenta com a profundidade provocando reduçÃo de volume da rocha e tornando a estrutura maciça. b) pressão dirigida: é a pressão tangencial à superfície da crosta terrestre que atua durante os dobramentos, falhamentos e outros fenômenos tectônicos caracterizados por movimentos laterais. A pressão tem um papél importante no metamorfismo, facilitando a circulação dos fluidos químicos que aceleram as reações metamórficas, além de ser responsável pelo aparecimento, na rocha, de estrutura orientadas (xistosidade, bandamento, etc.). - Fluidos químicos: podem contribuir ativamente nos processos metamórficos, ou servir para facilitar as reações químicas, agindo como solventes e/ou catalizadores. A água é o principal desses fluidos, seguido do CO2. Assim. esses fluidos podem atuar de diferentes maneirasm seja aumentando a velocidade das reações entre os minerais, seja introduzindo elementos químicos que determinarão a cristalização de novos minerais. Esta introdução e substituição de elementos é conhecida pelo nome de metassomatismo. A combinação da temperatura, pressão e fluídos químicos pode produzir, portanto, efeitos tão grandes que a rocha metamórfica originada perde totalmente suas características originais. TIPOS DE METAMORFISMO De acordo com a ação dos agentes de metamorfismo e o ambiente geológico, tem-se os seguintes tipos de metamorfismo (Figura 1): 1. Metamorfismo de contato ou térmico: é produzido pela intrusão de um corpo ígneo, formando uma auréola de metamorfismo nas rochas encaixantes, por ação da temperatura e fluídos químicos. É, portanto, de caráter local e restrito às cercanias do corpo ígneo. A extensão da auréola varia de centímetro a algumas centenas de metro, dependedo da temperatura do magma intrusivo, do seu volume e da natureza da rocha encaixante (Figura ). As rochas resultantes do metamorfismo de contato têm, geralmente, granulação fina, estrutura maciça e são denominadas genericamente de hornfelses. 2. Metamorfismo regional: desenvolve-se em extensas áreas relacionadas com os cinturões orogênicos (grandes cadeias de montanhas). Dos agentes de metamorfismo, além da temperatura e pressão litostático, atua um terceiro fator que é a pressão dirigida. As rochas
  • 2. resultantes mostram, geralmente, estrutura orientada (xistosidade) que reflete a ação da pressão dirigida (Figura ). É o mais importante dos processos metamórficos pela sua área de abrangência. Exemplos de metamorfismo regional, pode-se citar as seguintes rochas: xistos, gnaisses, anfibolitos, etc. Figura 1. Representação esquemática dos diferentes tipos de metamorfismo: a) Metamorfismo regional ou dinamotermal; b) Metamorfismo de contato ou termal e c) metamorfismo dinâmico ou cataclástico. 3. Metamorfismo dinâmico ou cataclástico: é também de caráter local e ocorre em faixas adjacentes a zonas de folha, pelo efeito da pressão dirigida. O atrito dos blocos provoca a fragmentação das rochas e, por vezes, orientação dos minerais pela deformação (estiramento). Rochas resultantes deste processo são denominadas brechas de fricção, milonitos, etc. TEXTURA Nas rochas metamórficas a textura desenvolve-se em função do crescimento ou deformação de cristais (Figura 2). Os tipos de texturas são: Granoblástica: quando a rocha apresnta grãos minerais aproximadamente equidimensionais, sem orientação preferencial; Lepidoblática: quando a rocha apresenta abundância de minerais foliáceos (micas, cloritas) numa orientação planar, paralela ou subparalela; Nematoblastica: quando a rocha apresentar orintação de minerias prismáticos, como piroxênios e amfibólios e Porfiroblástica: quando a rocha apresentar cristais maiores (porfiroblastos) imersos numa matriz de grãos mais finos, que poderá ser granoblástica, lepidoblástica ou granolepidoblástica. ESTRUTURA - Xistosa: quando a rocha apresenta minerais foliáceos arranjados paralelamente, responsáveis por uma fissilidade planar nas mesmas. Ex. mica-xistos. - Cataclástica: quando a rocha apresenta disposição orientada dos minerais, proviniente da deformação mecância de atuação direcional. Ex. Cataclasito. - Bandada: quando a rocha apresentar alternância de leitos claros , ricos em quartzo e/ou feldspatos, e leitos escuros, ricos em minerais ferromagnesianos (biotita e/ou hornblenda). Ex. Gnaisses.
  • 3. - Fragmentária: quando apresentar fragmentos de rochas angulosos, produzidos por metamorfismo dinâmico. - Maciça: quando a rocha exibir aspecto maciço e ausência de elementos lineares (minerais prismáticos) ou planares (minerais foliácios). `Figura 2. Textura das rochas metamórficas CLASSIFICAÇÃO - Ardósia: rocha de granulação fina, homogênea, de cor geralmente esverdeada, cinza ou preta. A cor esverdeada é indicativa da presença de Fe ++, enquanto a cinza e a preta relacionam-se com a presença de certo conteúdo de carbono orgânico ou hidrocarbonetos. Microscopicamente, observa-se que as ardósias são constituídas principalemente de grãos de quartzo, lamelas de clorita e sericita, óxidos e sulfetos de ferro, grânulos de feldspatos e películas de carbono ou de hidrocarbonetos. A textura é lepidoblástica e a estrutura é xistosa. Resulta de metamorfismo de baixo grau de rochas sedimentares argilosas (folhelhos). - Filito: rocha de granulação fina e média, rica em sericita, clorita e quartzo. As primeiras lhe conferem um aspecto lustroso nos planos de xistosidade. É produto de metamorfismo, de grau um pouco mais elevado que o das ardósias, sobre sedimentos argilosos, daí o fato de alguns minerais já poderem ser identificados macroscopicamente. Sua textura é lepidoblástica e estrutura xistosa.
  • 4. - Xisto: rocha metamórfica onde a xistosidade é notável. Micas, cloritas e talco são os minerais foliáceos dominantes. O quartzo é comum e anfibólios podem estar presentes. Feldspatos, óxidos e sulfetos de ferro também podem ocorrer, Porfiroblastos são comuns. É produto de metamorfismo regional de grau médio (superir aso dos filitos). Sua granulação é média, textura lepidoblástica e estrutura xistosa. - Gnaisse: rocha de granulação média a agrossa, textura granolepidoblástica e estrutura bandada, sendo esta a característica mais marcante. Representa produto de metamorfismo regional de grau médio a alto, formando-se, portanto, em maiores profundidades na crosta. As bandas claras geralmente são constituídas de quartzo e feldspatos e as escuras, de minerais ferromagnesianos (biotita, hornblenda). - Granulito: apresenta granulação média a grosseira, textura granoblástica e estrutura geralmente maciça. Sào comuns, na sua mineralogia, as associações: quartzo-feldspatos e feldspatos-piroxênio-granda, que revelem alto grau de metamorfismo. É produto de metamorfismo de rochas quartzo-feldspatos, tanto ígneas como sedimentares e metamórficas. - Quartzito: apresnta textura granolepidoblástica e estrutura xistosa. Deriva do metamorfismo de quartzo-arenitos. constitui-se de quartzo e dos mais variados tipos de mica (inclusive serecita) que lhe conferem diferentes colorações. - Migmatito: rocha de textura porfiroblástica ou granolepidoblástica. Nos tipos porfiroblástiocos a estrutura é maciça e os porfiroblástos são de feldspatos alcalino e a matriz é geralmente de composição granodiarítica (mais raramente granítica). Nos tipos granolepidoblásticos, a estrutura é bandada, sendo os leitos claros de composição predominantemente quartzo-feldspática ou essencialemnte feldspática, e os leitos escuros ricos em silicatos ferromagnesianos. Essas rochas são produtos de metamorfismo ou anatéxicos (fusão parcial) em zonas profundas da crosta continental. Associam-se, geralmente, com gnaisses e batólitos granodioríticos. - Anfibolito: rocha dormada pelo metamorfismo regional sobre rochas ígneas básicas, originando a formação de grande quantidade de hornblenda. Além dela podem aparecer: plagioclásio, clorita, epídoto. Sua textura é geralmente granoblástica e a estrutura maiciça. - Serpentinito: rocha constituída predominantemente por minerais do grupo das serpentinas (crisotilo e antigorita). Resulta do metamorfismo de baixo grau sobre rochas ultrabásicas. A textura é fibrolepidoblástica e a estrutura em veios devido à abundância, na rocha, do crisotilo e antigorita. - Esteatito: também chamada pedra sabão. rocha magnesiana constituída principalemnte de talco, acompanhada de tremolita, clorita, serpentinita, etc. Origina-se pela ação do metamorfixmo de baixo grau e metassomatismo de rochas ultrabásicas. Sua textura é lepidoblástica e a estrutura geralmente maciça. - Mármore: rocha rica eme carbonatos derivados do metamorfismo regional ou de contato de calcários de dolomitos. De um modo geral, apresenta textura granoblástica e estrutura maciça. Quando no metamorfismo de contato, a rocha sofre a intrudução de novos elementos pelos fluídos químicos (Si, Al, Fe, Ca, Na, etc.), ela torna-se calco-silicatada de vários silicatos e minerais de outras classes (óxidos, sulfetos, etc.).
  • 5. - Hornfels: rocha de granulação fina a média, textura granoblástica podendo, as vezes, conter porfiroblastos. Apresenta cores escuras e se deriva de sediemntos pelíticoss ou qurtzo- feldspáticos que sofreram metamorfismo de contato. - Cataclasito: caracteriza-se pela textura cristaloclástica e estrutura cataclástica, geradas por metamorfismo denâmico, devido aos fortes efeitos da pressão dirigida, em zonas de falhas. - Brecha de fricção: rocha constituída de fragemntsos angulosos unidos por um cimento micro ou criptocristalino (geralmente calcedônea). Origina-se da ação de metamorfismo dinâmico em zonas de falha. Sua textura é de argamassa e a estrutura é fragmentária. RESUMO DA CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS METAMÓRFICAS ROCHA ORIGINAL BAIXO GRAU MÉDIO GRAU ALTO GRAU Quartzo-arenito Quartzito Arcósio Gnaisse Grauvaque Xisto Gnaisse, granulito Lutito (folhelho) Ardósia, Filito Xisto Gnaisse Calcário Mármore Dolomito Mármore dolomito Basalto Meta-basalto Anfibolito Anfibolito Gabro Meta-gabro Riólito Meta-riólito Gnaisse Granito Meta-granito Dunito Serpentinito Piroxenito Esteatito