Geo 5 minerais - sua identificação

2.663 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.663
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
52
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
187
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geo 5 minerais - sua identificação

  1. 1. Processos e materias geológicos importantes em ambientes terrestres
  2. 2. A importância dos recursos minerais 2 na evolução da tecnologia Radioterapia Cobaltite CD / videojogos Tantalite + Columbite = coltan
  3. 3. 3 Nuno Correia 09/10
  4. 4. Conceito de Mineral 4  Mineral é uma substância sólida, homogénea, cristalina, de composição química bem definida, ou variável dentro de certos limites, formada por processos naturais e inorgânicos, sem a intervenção do Homem. Nuno Correia 08-09
  5. 5. Inorgânico 5  excluem-se substâncias orgânicas. Nuno Correia 08-09
  6. 6. Composição química definida 6  Existem, certos minerais, devido à semelhança de características de algumas partículas, átomos ou iões, elas podem intersubstituir-se em proporções variáveis. Ca2(Mg,Fe)5Si8O22(OH)2 Actinolite Nuno Correia 08-09
  7. 7. Sólido e cristalino 7  O gelo, forma cristalina da água, no estado sólido, é inorgânico, pelo que, quando natural, é um mineral. Nuno Correia 08-09
  8. 8. Natural 8  A pérola não é uma mineral, já que se trata de um produto segregado por um animal, sendo, portanto, orgânico. Nuno Correia 08-09
  9. 9. Propriedades de identificação Cor Ópticas Risca Físicas Brilho Dureza Mecânicas Clivagem Fractura Densidade 9 Nuno Correia 08-09
  10. 10. Cor 10  Na sua maioria, os minerais apresentam-se coloridos. Nuno Correia 08-09
  11. 11. 11 Nuno Correia 08-09
  12. 12. Idiocromáticos 12  do grego ídios "próprio" + khrõma "cor“). Azutite Nuno Correia 08-09
  13. 13. Idiocromáticos 13 Azurite e Malaquite – Carbonatos de cobre Nuno Correia 09/10
  14. 14. Alocromáticos 14  Do grego állos “outro” + khrõma “cor”).  não apresentam cor constante. Nuno Correia 08-09
  15. 15. Risca ou traço 15  A cor do mineral quando reduzido a pó. Nuno Correia 08-09
  16. 16. 16  Esta propriedade é importante na identificação de minerais, porque mesmo que a cor do mineral varie, a risca, normalmente, mantém-se constante, podendo, em certo casos, ser diferente da própria cor do mineral. Nuno Correia 09/10
  17. 17. Traço 17  É a cor do pó do mineral. Pode ser obtido riscando uma placa porosa de porcelana ou, se o mineral é mais duro do que a porcelana, usando um almofariz . Nuno Correia 08-09
  18. 18. 18 Nuno Correia 08-09
  19. 19. Brilho 19  É o modo como os minerais reflectem a luz natural. Nuno Correia 08-09
  20. 20. 20  Na observação desta propriedade, apenas se consideram superfícies inalteradas e, se possível, obtidas por fractura recente. Nuno Correia 09/10
  21. 21. Brilho Metálico 21  Os minerais podem ter brilho metálico. Nuno Correia 09/10
  22. 22. Brilho não metálico ou vulgar. 22 Nuno Correia 09/10
  23. 23. 23 Nuno Correia 08-09
  24. 24. Brilho Submetálico 24  Em certos casos, como na volframite, por exemplo, o brilho é do tipo metálico, mas sensivelmente mais fraco, designando-se então por brilho submetálico. Minas da Panasqueira - Fundão Nuno Correia 08-09
  25. 25. 25  Os minerais de brilho metálico, com excepção dos metais nativos, têm risca escura ou mesmo negra. Pirite Nuno Correia 08-09
  26. 26. Clivagem 26  Propriedade de alguns minerais que tendem a partir-se segundo determinadas superfícies. Nuno Correia 08-09
  27. 27. Exemplos 27 Nuno Correia 09/10
  28. 28. Grafite 28  Os lápis são feitos de grafite — um mineral cuja clivagem é tão fácil que minúsculas lâminas vão aderindo ao papel, permitindo, assim, a escrita. Nuno Correia 09/10
  29. 29. Ortóclase 29  A ortóclase deve o seu nome à clivagem característica que se faz segundo duas direcções ortogonais (perpendiculares). Nuno Correia 09/10
  30. 30. 30 Nuno Correia 08-09
  31. 31. Fractura 31  O quartzo não apresenta clivagem e, quando percutido, desagrega-se em fragmentos com superfícies mais ou menos irregulares, sem direcção privilegiada. Obsidiana – Vidro vulcânico Nuno Correia 08-09
  32. 32. Dureza 32  Em Mineralogia, a dureza consiste na resistência que o mineral oferece à abrasão, ou seja, a ser riscado (sulcado) por outro mineral ou por determinados objectos. Nuno Correia 08-09
  33. 33. 33  É condicionada pela estrutura e pelo tipo de ligações entre as partículas e, por isso, pode variar com a direcção considerada. Nuno Correia 09/10
  34. 34. Densidade 34  é uma propriedade particularmente relacionada com a composição química, como se reconhece pela elevada densidade dos minerais com elementos metálicos. A balança de Joly possui um sistema de pratos suspensos numa mola da aço, em forma de hélice, que se deforma proporcionalmente ao peso dos corpos que neles se colocam. Determinação da densidade de um mineral A densidade é uma relação entre o peso de um corpo e o seu volume: D= P/V Nuno Correia 09/10
  35. 35. Um dos pratos, o superior, situa-se acima do nível da água enquanto o inferior fica sempre mergulhado na água de um copo de vidro colocado na plataforma do aparelho. 35 Nuno Correia 09/10
  36. 36. D = L2 - L1 / L2 - L3 ou seja D= P/V http://memoriarecenteeantiga.blogspot.com/2008/06/balana-de-joly.html 36 Nuno Correia 09/10
  37. 37. Reacção com os ácidos 37  Há minerais que, devido à sua composição química, reagem com os ácidos. Por exemplo, a calcite é facilmente identificável devido a esta propriedade. Nuno Correia 08-09
  38. 38. Análises com equipamentos 38 sofisticados X-ray Diffraction X-ray Fluorescence Nuno Correia 09/10
  39. 39. Estrutura cristalina dos minerais 39  possuem estrutura cristalina, distinguindo-se dos outros sólidos cujas partículas elementares se encontram dispersas de forma irregular e desordenada - estrutura amorfa ou vítrea. Nuno Correia 09/10
  40. 40. Sistemas de Cristalização 40 Nuno Correia 09/10
  41. 41. A estrutura cristalina depedende 41  da natureza das partículas que se irão agrupar (composição química do mineral) e das condições do meio líquido onde o mineral vai cristalizar. Nuno Correia 09/10
  42. 42. 42  A agitação do meio, o tempo, o espaço disponível e a temperatura condicionam o crescimento e o tamanho final dos cristais. Nuno Correia 09/10
  43. 43. 43  As condições de cristalização podem conduzir à formação de cristais de faces planas ou à formação de cristais sem forma geométrica definida e de faces irregulares. Nuno Correia 09/10 Brasil
  44. 44. Silicatos 44  motivo cristalino mais vulgar nas rochas é o tetraedro de silício. (SiO4)4+ Nuno Correia 09/10
  45. 45. Polimorfismo 45  Certos minerais, apesar de possuírem a mesma composição química, originam malhas elementares e estruturas cristalinas muito diferentes Nuno Correia 09/10
  46. 46. Calcite e Aragonite 46  CaCO3, que ao cristalizar sob condições diferentes pode originar a calcite ou a aragonite, dois minerais polimorfos. Nuno Correia 09/10
  47. 47. 47  A natureza das partículas elementares, as ligações entre elas e a forma tridimensional da rede cristalina conferem a cada mineral determinadas propriedades que permitem fazer a sua identificação. Nuno Correia 09/10
  48. 48. 48 Nuno Correia 09/10

×