SlideShare uma empresa Scribd logo
Inf. 870 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 6
INFORMATIVO ESTRATÉGICO
INFORMATIVO STF 870
INFORMATIVO STF 870
destaques pelos Professores
Estratégia
Sumário
1 – Legislação Penal Especial........................................................................... 1
2 - Direito Processual Penal............................................................................. 2
3 - Direito Constitucional ................................................................................ 3
4 - Direito Tributário...................................................................................... 5
1 – Legislação Penal Especial
COLABORAÇÃO PREMIADA: PREVENÇÃO E CONEXÃO. Quanto à prevenção da relatoria, o Supremo
Tribunal Federal (STF) negou provimento ao agravo regimental.
Pet 7074 QO/DF, rel. Min. Edson Fachin, julgamento em 21, 22, 28 e 29.6.2017.
Pet 7074/DF, rel. Min. Edson Fachin, julgamento em 21, 22, 28 e 29.6.2017.
COMENTÁRIOS PELO PROF. PAULO GUIMARÃES
A) APRESENTAÇÃO RESUMIDA DO CASO
A controvérsia diz respeito ao papel do relator no acordo de colaboração premiada
firmado nos termos da Lei n. 12.850/2013, conhecida como Lei de Combate ao Crime
Organizado. O agravante questionou a distribuição da petição de homologação do
acordo ao relator designado para homologar outros acordos celebrados no âmbito da
famosa Operação Lava Jato.
B) CONTEÚDO TEÓRICO PERTINENTE
Para entender plenamente a controvérsia, precisamos aprender acerca do papel do
magistrado (neste caso, o relator) no acordo de colaboração premiada. É importante
salientarque as negociações são extrajudiciais, ocorrendo diretamente entre o acusado
e o Ministério Público. Cabe ao magistrado apenas homologar o acordo firmado,
restringindo-se seu juízo à regularidade, legalidade e voluntariedade da avença.
Quanto à prevenção, o colegiado considerou que, diante da existência de relação
objetiva, subjetiva ou probatória entre o conteúdo de depoimento prestado pelo
colaborador e o objeto de investigação, cabe à autoridade judicial responsável pela
supervisão do procedimento investigatório homologar o acordo de colaboração
celebrado e adotar, subsequentemente, as providências acerca de cada fato relatado.
Tal conclusão resguarda o jurisdicionado dos efeitos da litispendência e da coisa
julgada.
Inf. 870 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 2 de 6
INFORMATIVO ESTRATÉGICO
INFORMATIVO STF 870
O liame mencionado pelo colegiado, no caso concreto, nada mais é do que a própria
Operação Lava Jato, que ao longo dos anos tomou grandes proporções, mas refere-se
a esquemas de pagamento de propina envolvendo empresas titulares de contratos com
a Administração Pública e agentes públicos.
C) QUESTÃO DE PROVA
Diante do exposto, o examinador poderia elaborar a seguinte questão de prova.
No instituto da colaboração premiada previsto na Lei n. 12.850/2013, cabe ao
magistrado responsável pela homologação do acordo formular juízo de valor
acerca da oportunidade e do valor das informações trazidas pelo colaborador no
deslinde dos fatos investigados.
Hoje aprendemos que o papel do magistrado na homologação do acordo é muito mais
limitado, devendo restringir-se à análise da regularidade, legalidade e voluntariedade
da avença. Assertiva errada.
2 - Direito Processual Penal
PRISÃO PREVENTIVA E DESTRUIÇÃO DE PROVAS. A Primeira Turma, por maioria, deu parcial
provimento a agravos regimentais em que se discutiu a revogação de prisão preventiva de acusados do
cometimento dos delitos de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, constituição e participação em
organização criminosa e obstrução à investigação de organização criminosa.
AC 4327 AgR/DF-segundo, rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Luiz Fux, julgamento em 20.6.2017.
AC 4327 AgR/DF-quarto, rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Luiz Fux, julgamento em 20.6.2017.
AC 4327 AgR/DF-sexto, rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Luiz Fux, julgamento em 20.6.2017.
COMENTÁRIOS PELO PROF. RENAN ARAÚJO
A) APRESENTAÇÃO RESUMIDA DO CASO
Trata-se de caso no qual se discutia a presença, ou não, dos requisitos necessários
para a decretação da prisão preventiva.
B) CONTEÚDO TEÓRICO PERTINENTE
A prisão preventiva é o que se pode chamar de prisão cautelar por excelência, pois
é aquela que é determinada pelo Juiz no bojo do Processo Criminal ou da
Investigação Policial, de forma a garantir que seja evitado algum prejuízo.
Mas, quais os pressupostos para a decretação da preventiva? Os pressupostos
para a decretação da preventiva são dois1:
 Prova da materialidade do delito (existência do crime)
 Indícios suficientes de autoria
Estes pressupostos formam o que se chama de fumus comissi delicti.
Contudo, não basta o fumus comissi delicti para que a preventiva seja decretada. É
necessário, ainda, o periculum libertatis2. A prisão preventiva será decretada em
1
TÁVORA, Nestor. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Op. Cit. p. 850
2
TÁVORA, Nestor. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Op. Cit. p. 849
Inf. 870 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 3 de 6
INFORMATIVO ESTRATÉGICO
INFORMATIVO STF 870
que situações? Quais são as situações em que se entende existir o periculum
libertatis? As situações que autorizam a decretação da prisão preventiva estão
elencadas no art. 312 do CPP, nas quais há receio concreto de que a liberdade do
indivíduo possa prejudicar o processo, a aplicação da lei penal, etc., trazendo algum
prejuízo (periculum in libertatis). Nos termos do art. 312 do CPP:
Art. 312. A prisão preventiva poderá ser decretada como garantia da ordem pública, da ordem
econômica, por conveniência da instrução criminal, ou para assegurar a aplicação da lei
penal, quando houver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria. (Redação dada
pela Lei nº 12.403, de 2011).
No caso em tela, discutia-se se havia necessidade de decretação da prisão preventiva
com vistas à conveniência da instrução criminal, vez que havia suspeitas de que os
investigados estariam destruindo provas.
A Turma decidiu que havia periculum libertatis,ou seja, reconheceu que a atuação livre
dos investigados poderia prejudicar futuramente a instrução, mas determinou a
substituição da prisão preventiva dos agentes por prisão domiciliar, bem como
“determinou que se proibisse o contato dos investigados entre si, que se exigisse a
entrega dos seus passaportes e se monitorassem eletronicamente todos eles ”, na
forma do art. 319 do CPP.
C) QUESTÃO DE PROVA
Mesmo nos casos em que se reconheça a existência de risco à instrução criminal em
decorrência da liberdade dos investigados, é lícito ao juiz substituir a prisão preventiva
por medidas cautelares diversas da prisão, se entender necessário e suficiente.
GABARITO: CORRETA
3 - Direito Constitucional
INTERPRETAÇÃO DO ART. 62, § 6º, DA CF E LIMITAÇÃO DO SOBRESTAMENTO. O Supremo
Tribunal Federal, em conclusão de julgamento e por maioria, denegou a ordem em mandado de
segurança impetrado por parlamentares contra decisão do presidente da Câmara dos Deputados em
questão de ordem.
MS 27931/DF, rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 29.6.2017.
COMENTÁRIOS PELO PROF. RICARDO VALE
A) APRESENTAÇÃO RESUMIDA DO CASO / CONTEÚDO TEÓRICO PERTINENTE
No regime constitucional das medidas provisórias, quando estas não forem apreciadas
em até 45 dias da sua publicação, entrarão em regime de urgência. Como
consequência, ficarão sobrestadas, até que se ultime a sua votação, as demais
deliberações legislativas da Casa em que estiver tramitando a medida provisória. É o
que se extrai do art. 62, § 6º:
Art. 62 (...)
§ 6º Se a medida provisória não for apreciada em até quarenta e cinco dias
contados de sua publicação, entrará em regime de urgência, subsequentemente,
em cada uma das Casas do Congresso Nacional, ficando sobrestadas, até que se
ultime a votação, todas as demais deliberações legislativas da Casa em que
estiver tramitando.
Inf. 870 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 4 de 6
INFORMATIVO ESTRATÉGICO
INFORMATIVO STF 870
Michel Temer, quando atuava na condição de Presidente da Câmara dos Deputados,
resolveu questão de ordem acerca do sobrestamento da pauta provocado pela
demora na apreciação de medidas provisórias. A interpretação de Temer buscou
flexibilizar o trancamento da pauta da Casa Legislativa.
Para ele, a correta maneira de se interpretar esse dispositivo seria a de que o regime
de urgência das medidas provisórias não implicaria no sobrestamento de todas as
deliberações legislativas, mas apenas daquelas que envolvessem a apreciação de
projetos de lei ordinária. Essa interpretação tem uma explicação política e uma
explicação jurídica:
a) Do ponto de vista político, caso o sobrestamento de pauta afetasse todas as
deliberações legislativas, as Casas Legislativas se limitariam, na prática, a
apreciar medidas provisórias, ficando paralisada a análise de todos os outros atos
legislativos.
b) Do ponto de vista jurídico, as medidas provisórias somente podem versar
sobre matérias que a CF/88 reserva para leis ordinárias. Assim, a expressão
“todas as demais deliberações legislativas” deve serentendida como sendo “todas
as demais deliberações legislativas ordinárias”.
Dessa maneira, poderiam ser apreciadas pela Casa Legislativa propostas de emenda
constitucional, projetos de lei complementar, resoluções e decretos legislativos, ainda
que houvesse o trancamento de pauta pela demora na apreciação de medida
provisória.
Ao apreciar o MS 27.931/DF, o STF referendou o entendimento dado ao art. 62, § 6º,
CF/88, pelo então Presidente da Câmara dos Deputados. Para a Corte, o
sobrestamento da pauta somente se aplica para matérias passíveis de
regramento por medida provisória.
B) QUESTÃO DE PROVA
“Segundo o STF, o sobrestamento de pauta, em virtude do regime de urgência aplicado
a medida provisória, abrange todas as deliberações legislativas”.
ERRADA. O STF considera que o sobrestamento de pauta somente se aplica a matérias
passíveis de regramento por medida provisória.
MEIO AMBIENTE E POLUIÇÃO: COMPETÊNCIA MUNICIPAL. O Município tem competência para
legislar sobre meio ambiente e controle da poluição, quando se tratar de interesse local.
RE 194704/MG, rel. orig. Min. Carlos Velloso, red. p/ o ac. Min. Edson Fachin, julgamento em 29.6.2017.
COMENTÁRIOS PELO PROF. RICARDO VALE
A) APRESENTAÇÃO RESUMIDA DO CASO
Lei municipal, de Belo Horizonte, estipula a aplicação de multa para veículos
automotores que emitem fumaça acima de padrões considerados aceitáveis. O Tribunal
de Justiça considerou a lei constitucional. Contra essa decisão, foi interposto Recurso
Extraordinário perante o STF.
Inf. 870 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 5 de 6
INFORMATIVO ESTRATÉGICO
INFORMATIVO STF 870
B) CONTEÚDO TEÓRICO PERTINENTE
Segundo o art. 23, VI, CF/88, é competência comum de todos os entes federativos
“proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas”.
Embora se trate de uma competência de índole administrativa, os Municípios também
têm competência legislativa para o tratamento do tema, desde que se trate de interesse
local.
C) QUESTÃO DE PROVA
“Os Municípios têm competência para legislar sobre controle da poluição, desde que se
trate de interesse local”.
CERTA. Segundo o STF, os Municípios podem legislar sobre meio ambiente e controle
de poluição, quando se tratar de interesse local.
4 - Direito Tributário
BASE DE CÁLCULO DE TAXA DE FISCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO E NÚMERO DE
EMPREGADOS. As taxas municipais de fiscalização e funcionamento não podem ter como base de
cálculo o número de empregados ou ramo de atividade exercida pelo contribuinte.
ARE 990914/SP, rel. Min. Dias Toffoli, julgamento em 20.6.2017.
COMENTÁRIOS PELO PROF. FÁBIO DUTRA
A) APRESENTAÇÃO RESUMIDA DO CASO
A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal negou provimento a agravo em que se
discutiu a legitimidade da Taxa de Fiscalização de Estabelecimentos (TFE), instituída
pela Lei 13.477/2002 do Município de São Paulo.
A referida norma previu a cobrança de taxas com valores fixos, diversificando-os
conforme a atividade desenvolvida pelo estabelecimento. Tal norma revogou a Lei
9.670/1983, que tinha por parâmetro mensurador do valor da taxa o número de
empregados do estabelecimento.
B) CONTEÚDO TEÓRICO PERTINENTE
O entendimento da Segunda Turma do STF foi o não ser possível o conhecimento da
matéria relativa à Lei 13.647/2003, que teria introduzido critérios secundários para
diferenciar o tamanho de estabelecimentos dedicados a uma mesma atividade. Afinal,
não há qualquer relação com o custo do poder de polícia exercido pelo Município.
Vale ressaltar que, no julgamento do RE 614.246-AgR/SP, a Primeira Turma do STF
também se manifestou no sentido da inconstitucionalidade da Taxa de Licença de
Localização e de Funcionamento pelos municípios quando utilizado como base de
cálculo o número de empregados.
C) QUESTÃO DE PROVA
Inf. 870 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 6 de 6
INFORMATIVO ESTRATÉGICO
INFORMATIVO STF 870
INÉDITA/2017 – Segundo entendimento pacífico do STF, é constitucional a Taxa de
Fiscalização de Estabelecimentos que tenha como base de cálculo o número de
empregados ou ramo de atividade exercida pelo contribuinte.
Comentário: Como vimos, o entendimento do STF é de que tal taxa é inconstitucional,
visto não haver relação com o custo do poder de polícia exercido pelo Município.
Questão errada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Informativo STF 872 - Informativo Estratégico
Informativo STF 872 - Informativo EstratégicoInformativo STF 872 - Informativo Estratégico
Informativo STF 872 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo 865 - Informativo Estratégico
Informativo 865 - Informativo EstratégicoInformativo 865 - Informativo Estratégico
Informativo 865 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 880 - Informativo Estratégico
Informativo STF 880 - Informativo EstratégicoInformativo STF 880 - Informativo Estratégico
Informativo STF 880 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 610 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 610 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 610 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 610 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 842
Informativo STF 842Informativo STF 842
Informativo STF 842
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 603 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 882 - Informativo Estratégico
Informativo STF 882 - Informativo EstratégicoInformativo STF 882 - Informativo Estratégico
Informativo STF 882 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 866 - Informativo Estratégico
Informativo STF 866 - Informativo EstratégicoInformativo STF 866 - Informativo Estratégico
Informativo STF 866 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 864
Informativo STF 864Informativo STF 864
Informativo STF 871 - Informativo Estratégico
Informativo STF 871 - Informativo EstratégicoInformativo STF 871 - Informativo Estratégico
Informativo STF 871 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 851
Informativo STF 851Informativo STF 851
Informativo STF Comentado - nº 838
Informativo STF Comentado - nº 838Informativo STF Comentado - nº 838
Informativo STF Comentado - nº 838
Ricardo Torques
 
Informativo STF 861 - Informativo Estratégico
Informativo STF 861 - Informativo EstratégicoInformativo STF 861 - Informativo Estratégico
Informativo STF 861 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 879 - Informativo Estratégico
Informativo STF 879 - Informativo EstratégicoInformativo STF 879 - Informativo Estratégico
Informativo STF 879 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 609 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 609 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 609 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 609 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 874 - Informativo Estratégico
Informativo STF 874 - Informativo EstratégicoInformativo STF 874 - Informativo Estratégico
Informativo STF 874 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 859 - Informativo Estratégico
Informativo STF 859 - Informativo EstratégicoInformativo STF 859 - Informativo Estratégico
Informativo STF 859 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 873 - Informativo Estratégico
Informativo STF 873 - Informativo EstratégicoInformativo STF 873 - Informativo Estratégico
Informativo STF 873 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 598 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 598 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 598 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 598 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 878 - Informativo Estratégico
Informativo STF 878 - Informativo EstratégicoInformativo STF 878 - Informativo Estratégico
Informativo STF 878 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 

Mais procurados (20)

Informativo STF 872 - Informativo Estratégico
Informativo STF 872 - Informativo EstratégicoInformativo STF 872 - Informativo Estratégico
Informativo STF 872 - Informativo Estratégico
 
Informativo 865 - Informativo Estratégico
Informativo 865 - Informativo EstratégicoInformativo 865 - Informativo Estratégico
Informativo 865 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 880 - Informativo Estratégico
Informativo STF 880 - Informativo EstratégicoInformativo STF 880 - Informativo Estratégico
Informativo STF 880 - Informativo Estratégico
 
Informativo STJ 610 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 610 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 610 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 610 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 842
Informativo STF 842Informativo STF 842
Informativo STF 842
 
Informativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 603 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 603 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 603 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 882 - Informativo Estratégico
Informativo STF 882 - Informativo EstratégicoInformativo STF 882 - Informativo Estratégico
Informativo STF 882 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 866 - Informativo Estratégico
Informativo STF 866 - Informativo EstratégicoInformativo STF 866 - Informativo Estratégico
Informativo STF 866 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 864
Informativo STF 864Informativo STF 864
Informativo STF 864
 
Informativo STF 871 - Informativo Estratégico
Informativo STF 871 - Informativo EstratégicoInformativo STF 871 - Informativo Estratégico
Informativo STF 871 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 851
Informativo STF 851Informativo STF 851
Informativo STF 851
 
Informativo STF Comentado - nº 838
Informativo STF Comentado - nº 838Informativo STF Comentado - nº 838
Informativo STF Comentado - nº 838
 
Informativo STF 861 - Informativo Estratégico
Informativo STF 861 - Informativo EstratégicoInformativo STF 861 - Informativo Estratégico
Informativo STF 861 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 879 - Informativo Estratégico
Informativo STF 879 - Informativo EstratégicoInformativo STF 879 - Informativo Estratégico
Informativo STF 879 - Informativo Estratégico
 
Informativo STJ 609 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 609 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 609 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 609 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 874 - Informativo Estratégico
Informativo STF 874 - Informativo EstratégicoInformativo STF 874 - Informativo Estratégico
Informativo STF 874 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 859 - Informativo Estratégico
Informativo STF 859 - Informativo EstratégicoInformativo STF 859 - Informativo Estratégico
Informativo STF 859 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 873 - Informativo Estratégico
Informativo STF 873 - Informativo EstratégicoInformativo STF 873 - Informativo Estratégico
Informativo STF 873 - Informativo Estratégico
 
Informativo STJ 598 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 598 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 598 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 598 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 878 - Informativo Estratégico
Informativo STF 878 - Informativo EstratégicoInformativo STF 878 - Informativo Estratégico
Informativo STF 878 - Informativo Estratégico
 

Semelhante a Informativo STF 870 - Informativo Estratégico

Informativo STF 853 - Informativo Estratégico
Informativo STF 853 - Informativo EstratégicoInformativo STF 853 - Informativo Estratégico
Informativo STF 853 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 881 - Informativo Estratégico
Informativo STF 881 - Informativo EstratégicoInformativo STF 881 - Informativo Estratégico
Informativo STF 881 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 607 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 607 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 607 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 607 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Atualizacao n12---jurisprudencia-sistematizada-3ed
Atualizacao n12---jurisprudencia-sistematizada-3edAtualizacao n12---jurisprudencia-sistematizada-3ed
Atualizacao n12---jurisprudencia-sistematizada-3ed
Confidential
 
PCdoB pede liminar para contra prisão em 2ª instância, o que pode beneficiar ...
PCdoB pede liminar para contra prisão em 2ª instância, o que pode beneficiar ...PCdoB pede liminar para contra prisão em 2ª instância, o que pode beneficiar ...
PCdoB pede liminar para contra prisão em 2ª instância, o que pode beneficiar ...
Portal NE10
 
Atividade sancionatória ou disciplinar da Administração Pública
Atividade sancionatória ou disciplinar da Administração PúblicaAtividade sancionatória ou disciplinar da Administração Pública
Atividade sancionatória ou disciplinar da Administração Pública
allaymer
 
Informativo Estratégico - STF 834
Informativo Estratégico - STF 834Informativo Estratégico - STF 834
Informativo Estratégico - STF 834
Estratégia Concursos
 
Processo Penal Sumario
Processo Penal SumarioProcesso Penal Sumario
Processo Penal Sumario
Marcelo Gomes Freire
 
Parecer cpp senado - dez 2010
Parecer cpp  senado - dez 2010Parecer cpp  senado - dez 2010
Parecer cpp senado - dez 2010
Bruno Amorelli
 
Habeas corpus de Eduardo Cunha: 0805144-47.2017.4.05.0000
Habeas corpus de Eduardo Cunha: 0805144-47.2017.4.05.0000Habeas corpus de Eduardo Cunha: 0805144-47.2017.4.05.0000
Habeas corpus de Eduardo Cunha: 0805144-47.2017.4.05.0000
Portal NE10
 
STJ negou liminar a Bruno Pereira para volta ao comando de São Lourenço
STJ negou liminar a Bruno Pereira para volta ao comando de São LourençoSTJ negou liminar a Bruno Pereira para volta ao comando de São Lourenço
STJ negou liminar a Bruno Pereira para volta ao comando de São Lourenço
Jamildo Melo
 
Reforma do CPP - breves comentários
Reforma do CPP - breves comentáriosReforma do CPP - breves comentários
Reforma do CPP - breves comentários
Antonio Pereira
 
10.05.08 processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]
10.05.08   processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]10.05.08   processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]
10.05.08 processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]
david tanamura
 
Processo Penal Ordinario
Processo Penal OrdinarioProcesso Penal Ordinario
Processo Penal Ordinario
Marcelo Gomes Freire
 
A SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇA
A SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇAA SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇA
A SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇA
Fabiano Desidério
 
Informativo STF 875 - Informativo Estratégico
Informativo STF 875 - Informativo EstratégicoInformativo STF 875 - Informativo Estratégico
Informativo STF 875 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 840 Comentado
Informativo STF 840 ComentadoInformativo STF 840 Comentado
Informativo STF 840 Comentado
Ricardo Torques
 
Liminar Toffoli
Liminar ToffoliLiminar Toffoli
Liminar Toffoli
R7dados
 
Decisão de Toffoli contra Marco Aurélio, no STF, sobre soltura de Lula
Decisão de Toffoli contra Marco Aurélio, no STF, sobre soltura de LulaDecisão de Toffoli contra Marco Aurélio, no STF, sobre soltura de Lula
Decisão de Toffoli contra Marco Aurélio, no STF, sobre soltura de Lula
Jamildo Melo
 
Novo código de processo penal
Novo código de processo penalNovo código de processo penal
Novo código de processo penal
WebJurídico
 

Semelhante a Informativo STF 870 - Informativo Estratégico (20)

Informativo STF 853 - Informativo Estratégico
Informativo STF 853 - Informativo EstratégicoInformativo STF 853 - Informativo Estratégico
Informativo STF 853 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 881 - Informativo Estratégico
Informativo STF 881 - Informativo EstratégicoInformativo STF 881 - Informativo Estratégico
Informativo STF 881 - Informativo Estratégico
 
Informativo STJ 607 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 607 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 607 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 607 - Informativo Estratégico
 
Atualizacao n12---jurisprudencia-sistematizada-3ed
Atualizacao n12---jurisprudencia-sistematizada-3edAtualizacao n12---jurisprudencia-sistematizada-3ed
Atualizacao n12---jurisprudencia-sistematizada-3ed
 
PCdoB pede liminar para contra prisão em 2ª instância, o que pode beneficiar ...
PCdoB pede liminar para contra prisão em 2ª instância, o que pode beneficiar ...PCdoB pede liminar para contra prisão em 2ª instância, o que pode beneficiar ...
PCdoB pede liminar para contra prisão em 2ª instância, o que pode beneficiar ...
 
Atividade sancionatória ou disciplinar da Administração Pública
Atividade sancionatória ou disciplinar da Administração PúblicaAtividade sancionatória ou disciplinar da Administração Pública
Atividade sancionatória ou disciplinar da Administração Pública
 
Informativo Estratégico - STF 834
Informativo Estratégico - STF 834Informativo Estratégico - STF 834
Informativo Estratégico - STF 834
 
Processo Penal Sumario
Processo Penal SumarioProcesso Penal Sumario
Processo Penal Sumario
 
Parecer cpp senado - dez 2010
Parecer cpp  senado - dez 2010Parecer cpp  senado - dez 2010
Parecer cpp senado - dez 2010
 
Habeas corpus de Eduardo Cunha: 0805144-47.2017.4.05.0000
Habeas corpus de Eduardo Cunha: 0805144-47.2017.4.05.0000Habeas corpus de Eduardo Cunha: 0805144-47.2017.4.05.0000
Habeas corpus de Eduardo Cunha: 0805144-47.2017.4.05.0000
 
STJ negou liminar a Bruno Pereira para volta ao comando de São Lourenço
STJ negou liminar a Bruno Pereira para volta ao comando de São LourençoSTJ negou liminar a Bruno Pereira para volta ao comando de São Lourenço
STJ negou liminar a Bruno Pereira para volta ao comando de São Lourenço
 
Reforma do CPP - breves comentários
Reforma do CPP - breves comentáriosReforma do CPP - breves comentários
Reforma do CPP - breves comentários
 
10.05.08 processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]
10.05.08   processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]10.05.08   processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]
10.05.08 processo penal - extensivo oab sabado - centro[1]
 
Processo Penal Ordinario
Processo Penal OrdinarioProcesso Penal Ordinario
Processo Penal Ordinario
 
A SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇA
A SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇAA SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇA
A SÚMULA IMPEDITIVA DE RECURSOS E A GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇA
 
Informativo STF 875 - Informativo Estratégico
Informativo STF 875 - Informativo EstratégicoInformativo STF 875 - Informativo Estratégico
Informativo STF 875 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 840 Comentado
Informativo STF 840 ComentadoInformativo STF 840 Comentado
Informativo STF 840 Comentado
 
Liminar Toffoli
Liminar ToffoliLiminar Toffoli
Liminar Toffoli
 
Decisão de Toffoli contra Marco Aurélio, no STF, sobre soltura de Lula
Decisão de Toffoli contra Marco Aurélio, no STF, sobre soltura de LulaDecisão de Toffoli contra Marco Aurélio, no STF, sobre soltura de Lula
Decisão de Toffoli contra Marco Aurélio, no STF, sobre soltura de Lula
 
Novo código de processo penal
Novo código de processo penalNovo código de processo penal
Novo código de processo penal
 

Mais de Ricardo Torques

Lei Maria da Penha - Revisão
Lei Maria da Penha - RevisãoLei Maria da Penha - Revisão
Lei Maria da Penha - Revisão
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 612 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 612 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 612 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 612 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 877 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 877 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 877 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 877 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STF 876 - Informativo Estratégico
Informativo STF 876 - Informativo EstratégicoInformativo STF 876 - Informativo Estratégico
Informativo STF 876 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 608 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 608 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 608 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 608 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
PLANO DE ESTUDOS OAB
PLANO DE ESTUDOS OABPLANO DE ESTUDOS OAB
PLANO DE ESTUDOS OAB
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 606 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 606 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 606 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 606 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Plano de Estudos TRE-RJ
Plano de Estudos TRE-RJPlano de Estudos TRE-RJ
Plano de Estudos TRE-RJ
Ricardo Torques
 
Lista de Questões Direito Eleitoral - CONSULPLAN
Lista de Questões Direito Eleitoral - CONSULPLANLista de Questões Direito Eleitoral - CONSULPLAN
Lista de Questões Direito Eleitoral - CONSULPLAN
Ricardo Torques
 
Informativo STF 869 - Informativo Estratégico
Informativo STF 869 -  Informativo EstratégicoInformativo STF 869 -  Informativo Estratégico
Informativo STF 869 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 
Informativo STJ 604 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 604 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 604 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 604 - Informativo Estratégico
Ricardo Torques
 

Mais de Ricardo Torques (11)

Lei Maria da Penha - Revisão
Lei Maria da Penha - RevisãoLei Maria da Penha - Revisão
Lei Maria da Penha - Revisão
 
Informativo STJ 612 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 612 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 612 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 612 - Informativo Estratégico
 
Informativo STJ 877 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 877 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 877 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 877 - Informativo Estratégico
 
Informativo STF 876 - Informativo Estratégico
Informativo STF 876 - Informativo EstratégicoInformativo STF 876 - Informativo Estratégico
Informativo STF 876 - Informativo Estratégico
 
Informativo STJ 608 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 608 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 608 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 608 - Informativo Estratégico
 
PLANO DE ESTUDOS OAB
PLANO DE ESTUDOS OABPLANO DE ESTUDOS OAB
PLANO DE ESTUDOS OAB
 
Informativo STJ 606 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 606 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 606 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 606 - Informativo Estratégico
 
Plano de Estudos TRE-RJ
Plano de Estudos TRE-RJPlano de Estudos TRE-RJ
Plano de Estudos TRE-RJ
 
Lista de Questões Direito Eleitoral - CONSULPLAN
Lista de Questões Direito Eleitoral - CONSULPLANLista de Questões Direito Eleitoral - CONSULPLAN
Lista de Questões Direito Eleitoral - CONSULPLAN
 
Informativo STF 869 - Informativo Estratégico
Informativo STF 869 -  Informativo EstratégicoInformativo STF 869 -  Informativo Estratégico
Informativo STF 869 - Informativo Estratégico
 
Informativo STJ 604 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 604 - Informativo EstratégicoInformativo STJ 604 - Informativo Estratégico
Informativo STJ 604 - Informativo Estratégico
 

Último

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 

Informativo STF 870 - Informativo Estratégico

  • 1. Inf. 870 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 6 INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 870 INFORMATIVO STF 870 destaques pelos Professores Estratégia Sumário 1 – Legislação Penal Especial........................................................................... 1 2 - Direito Processual Penal............................................................................. 2 3 - Direito Constitucional ................................................................................ 3 4 - Direito Tributário...................................................................................... 5 1 – Legislação Penal Especial COLABORAÇÃO PREMIADA: PREVENÇÃO E CONEXÃO. Quanto à prevenção da relatoria, o Supremo Tribunal Federal (STF) negou provimento ao agravo regimental. Pet 7074 QO/DF, rel. Min. Edson Fachin, julgamento em 21, 22, 28 e 29.6.2017. Pet 7074/DF, rel. Min. Edson Fachin, julgamento em 21, 22, 28 e 29.6.2017. COMENTÁRIOS PELO PROF. PAULO GUIMARÃES A) APRESENTAÇÃO RESUMIDA DO CASO A controvérsia diz respeito ao papel do relator no acordo de colaboração premiada firmado nos termos da Lei n. 12.850/2013, conhecida como Lei de Combate ao Crime Organizado. O agravante questionou a distribuição da petição de homologação do acordo ao relator designado para homologar outros acordos celebrados no âmbito da famosa Operação Lava Jato. B) CONTEÚDO TEÓRICO PERTINENTE Para entender plenamente a controvérsia, precisamos aprender acerca do papel do magistrado (neste caso, o relator) no acordo de colaboração premiada. É importante salientarque as negociações são extrajudiciais, ocorrendo diretamente entre o acusado e o Ministério Público. Cabe ao magistrado apenas homologar o acordo firmado, restringindo-se seu juízo à regularidade, legalidade e voluntariedade da avença. Quanto à prevenção, o colegiado considerou que, diante da existência de relação objetiva, subjetiva ou probatória entre o conteúdo de depoimento prestado pelo colaborador e o objeto de investigação, cabe à autoridade judicial responsável pela supervisão do procedimento investigatório homologar o acordo de colaboração celebrado e adotar, subsequentemente, as providências acerca de cada fato relatado. Tal conclusão resguarda o jurisdicionado dos efeitos da litispendência e da coisa julgada.
  • 2. Inf. 870 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 2 de 6 INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 870 O liame mencionado pelo colegiado, no caso concreto, nada mais é do que a própria Operação Lava Jato, que ao longo dos anos tomou grandes proporções, mas refere-se a esquemas de pagamento de propina envolvendo empresas titulares de contratos com a Administração Pública e agentes públicos. C) QUESTÃO DE PROVA Diante do exposto, o examinador poderia elaborar a seguinte questão de prova. No instituto da colaboração premiada previsto na Lei n. 12.850/2013, cabe ao magistrado responsável pela homologação do acordo formular juízo de valor acerca da oportunidade e do valor das informações trazidas pelo colaborador no deslinde dos fatos investigados. Hoje aprendemos que o papel do magistrado na homologação do acordo é muito mais limitado, devendo restringir-se à análise da regularidade, legalidade e voluntariedade da avença. Assertiva errada. 2 - Direito Processual Penal PRISÃO PREVENTIVA E DESTRUIÇÃO DE PROVAS. A Primeira Turma, por maioria, deu parcial provimento a agravos regimentais em que se discutiu a revogação de prisão preventiva de acusados do cometimento dos delitos de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, constituição e participação em organização criminosa e obstrução à investigação de organização criminosa. AC 4327 AgR/DF-segundo, rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Luiz Fux, julgamento em 20.6.2017. AC 4327 AgR/DF-quarto, rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Luiz Fux, julgamento em 20.6.2017. AC 4327 AgR/DF-sexto, rel. Min. Marco Aurélio, red. p/ o ac. Min. Luiz Fux, julgamento em 20.6.2017. COMENTÁRIOS PELO PROF. RENAN ARAÚJO A) APRESENTAÇÃO RESUMIDA DO CASO Trata-se de caso no qual se discutia a presença, ou não, dos requisitos necessários para a decretação da prisão preventiva. B) CONTEÚDO TEÓRICO PERTINENTE A prisão preventiva é o que se pode chamar de prisão cautelar por excelência, pois é aquela que é determinada pelo Juiz no bojo do Processo Criminal ou da Investigação Policial, de forma a garantir que seja evitado algum prejuízo. Mas, quais os pressupostos para a decretação da preventiva? Os pressupostos para a decretação da preventiva são dois1:  Prova da materialidade do delito (existência do crime)  Indícios suficientes de autoria Estes pressupostos formam o que se chama de fumus comissi delicti. Contudo, não basta o fumus comissi delicti para que a preventiva seja decretada. É necessário, ainda, o periculum libertatis2. A prisão preventiva será decretada em 1 TÁVORA, Nestor. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Op. Cit. p. 850 2 TÁVORA, Nestor. ALENCAR, Rosmar Rodrigues. Op. Cit. p. 849
  • 3. Inf. 870 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 3 de 6 INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 870 que situações? Quais são as situações em que se entende existir o periculum libertatis? As situações que autorizam a decretação da prisão preventiva estão elencadas no art. 312 do CPP, nas quais há receio concreto de que a liberdade do indivíduo possa prejudicar o processo, a aplicação da lei penal, etc., trazendo algum prejuízo (periculum in libertatis). Nos termos do art. 312 do CPP: Art. 312. A prisão preventiva poderá ser decretada como garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal, ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria. (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011). No caso em tela, discutia-se se havia necessidade de decretação da prisão preventiva com vistas à conveniência da instrução criminal, vez que havia suspeitas de que os investigados estariam destruindo provas. A Turma decidiu que havia periculum libertatis,ou seja, reconheceu que a atuação livre dos investigados poderia prejudicar futuramente a instrução, mas determinou a substituição da prisão preventiva dos agentes por prisão domiciliar, bem como “determinou que se proibisse o contato dos investigados entre si, que se exigisse a entrega dos seus passaportes e se monitorassem eletronicamente todos eles ”, na forma do art. 319 do CPP. C) QUESTÃO DE PROVA Mesmo nos casos em que se reconheça a existência de risco à instrução criminal em decorrência da liberdade dos investigados, é lícito ao juiz substituir a prisão preventiva por medidas cautelares diversas da prisão, se entender necessário e suficiente. GABARITO: CORRETA 3 - Direito Constitucional INTERPRETAÇÃO DO ART. 62, § 6º, DA CF E LIMITAÇÃO DO SOBRESTAMENTO. O Supremo Tribunal Federal, em conclusão de julgamento e por maioria, denegou a ordem em mandado de segurança impetrado por parlamentares contra decisão do presidente da Câmara dos Deputados em questão de ordem. MS 27931/DF, rel. Min. Celso de Mello, julgamento em 29.6.2017. COMENTÁRIOS PELO PROF. RICARDO VALE A) APRESENTAÇÃO RESUMIDA DO CASO / CONTEÚDO TEÓRICO PERTINENTE No regime constitucional das medidas provisórias, quando estas não forem apreciadas em até 45 dias da sua publicação, entrarão em regime de urgência. Como consequência, ficarão sobrestadas, até que se ultime a sua votação, as demais deliberações legislativas da Casa em que estiver tramitando a medida provisória. É o que se extrai do art. 62, § 6º: Art. 62 (...) § 6º Se a medida provisória não for apreciada em até quarenta e cinco dias contados de sua publicação, entrará em regime de urgência, subsequentemente, em cada uma das Casas do Congresso Nacional, ficando sobrestadas, até que se ultime a votação, todas as demais deliberações legislativas da Casa em que estiver tramitando.
  • 4. Inf. 870 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 4 de 6 INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 870 Michel Temer, quando atuava na condição de Presidente da Câmara dos Deputados, resolveu questão de ordem acerca do sobrestamento da pauta provocado pela demora na apreciação de medidas provisórias. A interpretação de Temer buscou flexibilizar o trancamento da pauta da Casa Legislativa. Para ele, a correta maneira de se interpretar esse dispositivo seria a de que o regime de urgência das medidas provisórias não implicaria no sobrestamento de todas as deliberações legislativas, mas apenas daquelas que envolvessem a apreciação de projetos de lei ordinária. Essa interpretação tem uma explicação política e uma explicação jurídica: a) Do ponto de vista político, caso o sobrestamento de pauta afetasse todas as deliberações legislativas, as Casas Legislativas se limitariam, na prática, a apreciar medidas provisórias, ficando paralisada a análise de todos os outros atos legislativos. b) Do ponto de vista jurídico, as medidas provisórias somente podem versar sobre matérias que a CF/88 reserva para leis ordinárias. Assim, a expressão “todas as demais deliberações legislativas” deve serentendida como sendo “todas as demais deliberações legislativas ordinárias”. Dessa maneira, poderiam ser apreciadas pela Casa Legislativa propostas de emenda constitucional, projetos de lei complementar, resoluções e decretos legislativos, ainda que houvesse o trancamento de pauta pela demora na apreciação de medida provisória. Ao apreciar o MS 27.931/DF, o STF referendou o entendimento dado ao art. 62, § 6º, CF/88, pelo então Presidente da Câmara dos Deputados. Para a Corte, o sobrestamento da pauta somente se aplica para matérias passíveis de regramento por medida provisória. B) QUESTÃO DE PROVA “Segundo o STF, o sobrestamento de pauta, em virtude do regime de urgência aplicado a medida provisória, abrange todas as deliberações legislativas”. ERRADA. O STF considera que o sobrestamento de pauta somente se aplica a matérias passíveis de regramento por medida provisória. MEIO AMBIENTE E POLUIÇÃO: COMPETÊNCIA MUNICIPAL. O Município tem competência para legislar sobre meio ambiente e controle da poluição, quando se tratar de interesse local. RE 194704/MG, rel. orig. Min. Carlos Velloso, red. p/ o ac. Min. Edson Fachin, julgamento em 29.6.2017. COMENTÁRIOS PELO PROF. RICARDO VALE A) APRESENTAÇÃO RESUMIDA DO CASO Lei municipal, de Belo Horizonte, estipula a aplicação de multa para veículos automotores que emitem fumaça acima de padrões considerados aceitáveis. O Tribunal de Justiça considerou a lei constitucional. Contra essa decisão, foi interposto Recurso Extraordinário perante o STF.
  • 5. Inf. 870 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 5 de 6 INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 870 B) CONTEÚDO TEÓRICO PERTINENTE Segundo o art. 23, VI, CF/88, é competência comum de todos os entes federativos “proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas”. Embora se trate de uma competência de índole administrativa, os Municípios também têm competência legislativa para o tratamento do tema, desde que se trate de interesse local. C) QUESTÃO DE PROVA “Os Municípios têm competência para legislar sobre controle da poluição, desde que se trate de interesse local”. CERTA. Segundo o STF, os Municípios podem legislar sobre meio ambiente e controle de poluição, quando se tratar de interesse local. 4 - Direito Tributário BASE DE CÁLCULO DE TAXA DE FISCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO E NÚMERO DE EMPREGADOS. As taxas municipais de fiscalização e funcionamento não podem ter como base de cálculo o número de empregados ou ramo de atividade exercida pelo contribuinte. ARE 990914/SP, rel. Min. Dias Toffoli, julgamento em 20.6.2017. COMENTÁRIOS PELO PROF. FÁBIO DUTRA A) APRESENTAÇÃO RESUMIDA DO CASO A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal negou provimento a agravo em que se discutiu a legitimidade da Taxa de Fiscalização de Estabelecimentos (TFE), instituída pela Lei 13.477/2002 do Município de São Paulo. A referida norma previu a cobrança de taxas com valores fixos, diversificando-os conforme a atividade desenvolvida pelo estabelecimento. Tal norma revogou a Lei 9.670/1983, que tinha por parâmetro mensurador do valor da taxa o número de empregados do estabelecimento. B) CONTEÚDO TEÓRICO PERTINENTE O entendimento da Segunda Turma do STF foi o não ser possível o conhecimento da matéria relativa à Lei 13.647/2003, que teria introduzido critérios secundários para diferenciar o tamanho de estabelecimentos dedicados a uma mesma atividade. Afinal, não há qualquer relação com o custo do poder de polícia exercido pelo Município. Vale ressaltar que, no julgamento do RE 614.246-AgR/SP, a Primeira Turma do STF também se manifestou no sentido da inconstitucionalidade da Taxa de Licença de Localização e de Funcionamento pelos municípios quando utilizado como base de cálculo o número de empregados. C) QUESTÃO DE PROVA
  • 6. Inf. 870 - STF www.estrategiaconcursos.com.br Página 6 de 6 INFORMATIVO ESTRATÉGICO INFORMATIVO STF 870 INÉDITA/2017 – Segundo entendimento pacífico do STF, é constitucional a Taxa de Fiscalização de Estabelecimentos que tenha como base de cálculo o número de empregados ou ramo de atividade exercida pelo contribuinte. Comentário: Como vimos, o entendimento do STF é de que tal taxa é inconstitucional, visto não haver relação com o custo do poder de polícia exercido pelo Município. Questão errada.