SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Solange A. Santana
Biblioteca EEFE-USP
São Paulo
2016
Indicadores de Produção
em Pesquisa
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
TÓPICOS
Indicadores de Produção em Pesquisa
Qualis Periódicos
Fator de Impacto
Altmetrias
Índice H
Considerações
Indicadores de Produção em Pesquisa
De acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento
Econômico (OCDE), indicadores são “uma série de dados definidos
para responder perguntas sobre um fenômeno ou sistema dado”.
São variáveis cuja função é descrever e mensurar certas
características de um fenômeno ou sistema, utilizando-se dados
quantitativos ou qualitativos, verificados por meio da análise do
próprio fenômeno ou sistema.
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
Inseridos no sistema de C&T, segundo a OCDE (1998), os
indicadores são
“uma série de dados definidos para responder perguntas
sobre o sistema de C&T, sua estrutura interna, sua relação
com a economia, o meio ambiente e a sociedade e a medida
em que satisfaz as metas daqueles que o administram,
trabalham nele ou estão afetados de alguma outra maneira
por seus efeitos” (ORGANIZAÇÃO..., p. 80).
O uso de indicadores na área de C&T resulta da busca por
uma medição objetiva das diferentes dimensões da ciência.
Eles devem proporcionar a possibilidade de medição das
ações que envolvem a geração, difusão, transmissão e
aplicação de conhecimentos científicos e tecnológicos, que
são relacionadas diretamente com o desenvolvimento
científico e tecnológico.
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
Ohayon (1990), apresenta uma classificação de indicadores.
Neste modelo, são definidos indicadores de:
- Recursos (inputs)
- Dinâmica interna (processos)
- Resultados diretos (outputs diretos)
- Produção (científica e técnica)
- Utilização de resultados e de efeitos
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
A determinação de indicadores de produção é uma tarefa
complexa, já que muitos produtos em C&T possuem aspectos
intangíveis, o que torna sua quantificação muito difícil.
No universo científico, o principal produto é o conhecimento,
gerado, transmitido e modificado, com agregação de novas ideias.
-> Indicadores bibliométricos e de patentes
Exemplos: índices de publicações, frequência de citações, impacto
científico
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
-> Sistemas de avaliação da produção em pesquisa, formulados
a partir da seleção de um conjunto de indicadores apropriados, a
fim de fornecer respostas que justifiquem não somente os
recursos financeiros empregados, mas também as escolhas feitas,
como as áreas científicas de maior potencial ou regiões mais
carentes de desenvolvimento científico e tecnológico.
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
TÓPICOS
Indicadores de Produção em Pesquisa
Qualis Periódicos
Fator de Impacto
Altmetrias
Índice H
Considerações
O Qualis-Periódicos é um sistema usado para classificar a produção científica
dos programas de pós-graduação no que se refere aos artigos publicados
em periódicos científicos.
Tal processo foi concebido para atender as necessidades específicas do
sistema de avaliação e é baseado nas informações fornecidas por meio do
aplicativo Coleta de Dados. Como resultado, disponibiliza uma lista com a
classificação dos veículos utilizados pelos programas de pós-graduação
para a divulgação da sua produção.
A classificação é realizada pelos comitês de consultores de cada área de
avaliação seguindo critérios previamente definidos pela área e aprovados
pelo Conselho Técnico-Científico da Educação Superior (CTC-ES).
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
Os periódicos são classificados em oito estratos: A1, A2, B1, B2, B3, B4, B5 e
C, sendo A1 a classificação mais elevada, enquanto C indica peso zero.
Em geral é utilizado o fator de impacto da base Journal Citation Reports
(JCR), da Thomson Reuters.
Para cada área a classificação são adotados critérios específicos e a cada três
anos o método de classificação pode ser alterado.
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
ÁREA 21 - EDUCAÇÃO FÍSICA, FISIOTERAPIA, FONOAUDIOLOGIA E TERAPIA OCUPACIONAL
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
ÁREA 21 - EDUCAÇÃO FÍSICA, FISIOTERAPIA, FONOAUDIOLOGIA E TERAPIA OCUPACIONAL
TÓPICOS
Indicadores de Produção em Pesquisa
Qualis Periódicos
Fator de Impacto
Altmetrias
Índice H
Considerações
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
Em 1955, Eugene Garfield publicou um artigo na revista Science, onde
discutiu pela primeira vez a ideia de um Fator de Impacto com base em
citações.
Em 1964, ele e seus parceiros publicaram o Science Citation Index (SCI).
No mesmo período, Irving H. Sherman e Garfield criaram o Journal Impact
Factor (JIF), com a intenção de usá-lo para selecionar revistas para o SCI.
Hoje, as ferramentas correspondem ao Journal Citation Reports (JCR) e
Web of Science (WoS), da Thomson Reuters.
Atualmente, o JCR abrange cerca de 10 mil periódicos em ciência e
tecnologia e cerca de 3 mil periódicos em ciências sociais.
Para o cálculo do Fator de Impacto de um periódico, leva-se em
consideração o número de citações recebidas pelos artigos publicados no
periódico nos dois (ou cinco) anos anteriores à avaliação, dividido pelo
número de artigos publicados no período.
TÓPICOS
Indicadores de Produção em Pesquisa
Qualis | Qualis Periódicos
Fator de Impacto
Altmetrias
Indicadores de Produção em Pesquisa no contexto da EF
Índice H
Considerações finais
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
Criado em 2005 por George Hirsch, o índice h visa quantificar a
produtividade e o impacto de cientistas baseando-se nos seus artigos mais
citados.
O índice h corresponde ao número de artigos com citações maiores ou
iguais a esse número.
Uma das principais críticas ao índice diz respeito à ênfase demasiada a um
indicador de desempenho, sem levar em conta outros aspectos da produção
científica, que poderia induzir universidades e agências de fomento a tomar
decisões simplistas ou equivocadas.
Os limites do índice H. Pesquisa Fapesp, p.35-39, 2013.
Disponível em: <http://revistapesquisa.fapesp.br/wp-content/uploads/2013/05/035-039_IndiceH_207.pdf>. Acesso em 14 nov. 2016
TÓPICOS
Indicadores de Produção em Pesquisa
Qualis Periódicos
Fator de Impacto
Altmetrias
Índice H
Considerações
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
As altmetrias ou métricas alternativas podem ser definidas
como o estudo e uso de medidas de impacto acadêmico com
base na atividade de ferramentas e ambientes online.
Visam medir as diferentes formas e padrões de significado e uso
dos produtos científicos, olhando não apenas para a publicação
em veículos tradicionais, mas também o processo mais amplo
de disseminação em ambientes emergentes (Spinak, 2014).
SPINAK, E. O que podem nos fornecer as “métricas alternativas” ou altmetrias. SciELO em Perspectiva. Disponível em:
<http://blog.scielo.org/blog/2014/08/07/o-que-podem-nos-fornecer-as-metricas-alternativas-ou-altmetrias/>. Acesso em: 14 nov. 2016
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
Hoje, os principais provedores de serviços altmétricos são:
-> Altmetrics.com (Macmillan Publishers): o mais importante provedor
com mais de 4.000 clientes e que também usa SciELO para sua coleção
de periódicos brasileiros.
-> Impactstory.org (Sloan Foundation).
-> PlumAnalytics.com (recentemente adquirida pela Ebsco).
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
Exemplo: Altmetrics - SciELO
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
Adie (2014) aponta que o desafio desta nova ferramenta é que
os dados altmétricos são muito transitórios e difíceis de
recompilar e, atualmente, não se tem interpretações claras.
-> Ausência de um marco teórico.
ADIE, E. Taking the alternative mainstream. EPI, v. 23, n. 4, p. 349-351, 2014. Disponível em:
http://elprofesionaldelainformacion.metapress.com/app/home/contribution.asp?referrer=parent&backto=issue,1,12;journal,1,96;homemai
npublications,1,1>. Acesso em 14 nov. 2016
As altmetrias apresentam desafios a equacionar, entre eles:
-> recompilação de dados: cobertura, diferentes idiomas, ambiguidades.
-> epistemologia: qual base teórica poderia ser estabelecida para interpretar
os dados obtidos por algoritmos de máquinas para tomada de indicadores
consistentes e confiáveis.
-> Se analisarmos a história do desenvolvimento da bibliometria e
cienciometria clássica, observa-se que as discussões teóricas para chegar a
uma base de consenso de ferramentas e interpretações levaram mais de
vinte anos. Ainda assim, um dos indicadores mais utilizados, o Fator de
Impacto segue, todavia, levantando suspeitas e resistências.
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
TÓPICOS
Indicadores de Produção em Pesquisa
Qualis Periódicos
Fator de Impacto
Altmetrias
Índice H
Considerações
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
Parâmetro Vantagens Desvantagens
Número total de artigos Mede a produtividade Não mede a importância ou impacto dos
artigos/ Publicações fatiadas.
Número total de citações Mede o impacto total do
pesquisador
Insuflado por pequeno número de artigos de
grande visibilidade / Autocitações / Citações
cruzadas.
Citações por artigo Permite a comparação de
cientistas
Privilegia a baixa produtividade e penaliza a
alta produtividade
Quadro 1 - Vantagens e desvantagens de outros indicadores de produção
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
Periódico <-> Artigo
Métricas tradicionais <-> Altmetrias
CENÁRIO
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
CONSIDERAÇÕES
-> Os indicadores apresentam limitações. A combinação de alguns desses, associada
à avaliação por pares, é certamente a melhor forma de avaliação objetiva.
-> Os indicadores de produção em pesquisa têm sido utilizados em grande escala
para avaliação da produtividade e qualidade de pesquisadores e periódicos.
-> Quando empregados como recurso para análise do estágio da produção científica,
podem auxiliar a mapear o panorama geral da pesquisa em um determinado país e
também identificar o nível de desenvolvimento científico em determinadas regiões,
fornecendo uma estimativa aproximada do avanço da pesquisa de modo geral, ou de
uma determinada área de conhecimento.
-> No Brasil, o grande peso que a produção científica tem na avaliação dos
programas “stricto-sensu” também se expande para outras esferas, como as demais
atividades de pesquisa e ensino realizadas pelos docentes no cenário universitário.
-> Necessidade de analisar as limitações dos indicadores de produção e suas
implicações para a avaliação do desenvolvimento da pesquisa nacional.
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
REFERÊNCIAS
ADIE, E. Taking the alternative mainstream. EPI, v. 23, n. 4, p. 349-351, 2014. Disponível
em: <http://elprofesionaldelainformacion.metapress.com/app/home>. Acesso em: 14 nov.
2016
ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Manual de
Oslo: la medición de las actividades científicas y técnicas. Caracas: Nueva Sociedad, 1998.
OHAYON, P. Quadro metodológico para implementação de um sistema de indicadores da
avaliação na FAPERJ. Simpósio Nacional de Pesquisa em Administração. 20 a 30 de outubro
de 1991. Anais... Rio de Janeiro, 1991. p. E 81.
SPINAK, E. O que podem nos fornecer as “métricas alternativas” ou altmetrias. SciELO em
Perspectiva. Disponível em: <http://blog.scielo.org/blog/2014/08/07/o-que-podem-nos-
fornecer-as-metricas-alternativas-ou-altmetrias/>. Acesso em: 14 nov. 2016
MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999.
Muito obrigada!
Solange A. Santana
Biblioteca da EEFE-USP
solangeusp@gmail.com
São Paulo
2016
I Simpósio de Pesquisa
Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Armazenamento, Indexação e Recuperação de Informação
Armazenamento, Indexação e Recuperação de InformaçãoArmazenamento, Indexação e Recuperação de Informação
Armazenamento, Indexação e Recuperação de InformaçãoMário Monteiro
 
Normas de-monografia-biblioteconomia
Normas de-monografia-biblioteconomiaNormas de-monografia-biblioteconomia
Normas de-monografia-biblioteconomiaAyrton Junior
 
Aplicativo para dispositivos móveis Relato de experiência da Biblioteca da EE...
Aplicativo para dispositivos móveis Relato de experiência da Biblioteca da EE...Aplicativo para dispositivos móveis Relato de experiência da Biblioteca da EE...
Aplicativo para dispositivos móveis Relato de experiência da Biblioteca da EE...Solange Santana
 
Bibliotecas eletrônicas, digitais e virtuais
Bibliotecas eletrônicas, digitais e virtuaisBibliotecas eletrônicas, digitais e virtuais
Bibliotecas eletrônicas, digitais e virtuaisRita De Cássia Figueredo
 
Biblos Organiza A Biblioteca Sesmarias
Biblos Organiza A Biblioteca SesmariasBiblos Organiza A Biblioteca Sesmarias
Biblos Organiza A Biblioteca SesmariasGonçalo Silva
 
Como Fazer (+) Em AplicaçõEs Ria Escrevendo ( )
Como Fazer (+) Em AplicaçõEs Ria Escrevendo ( )Como Fazer (+) Em AplicaçõEs Ria Escrevendo ( )
Como Fazer (+) Em AplicaçõEs Ria Escrevendo ( )Felipe Nascimento
 
Como fazer mais em aplicações RIA escrevendo menos
Como fazer mais em aplicações RIA escrevendo menosComo fazer mais em aplicações RIA escrevendo menos
Como fazer mais em aplicações RIA escrevendo menosJaydson Gomes
 
Dia Internacional das Bibliotecas Escolares
Dia Internacional das Bibliotecas EscolaresDia Internacional das Bibliotecas Escolares
Dia Internacional das Bibliotecas EscolaresEmília Fernandes
 
Introdução à Biblioteconomia para Bibliotecas Escolares
Introdução à Biblioteconomia para Bibliotecas EscolaresIntrodução à Biblioteconomia para Bibliotecas Escolares
Introdução à Biblioteconomia para Bibliotecas EscolaresCarlos Pinheiro
 
Arquivos Distritais-FAA-3ºano
Arquivos Distritais-FAA-3ºanoArquivos Distritais-FAA-3ºano
Arquivos Distritais-FAA-3ºanoCTDI Grupo5
 
Tutorial seib serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiun
Tutorial seib   serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiunTutorial seib   serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiun
Tutorial seib serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiunBiblioteca Central
 
Bibliotecas escolares e universitárias
Bibliotecas escolares e universitáriasBibliotecas escolares e universitárias
Bibliotecas escolares e universitáriasdaianadelima
 
Biblivremanualdeoperao
BiblivremanualdeoperaoBiblivremanualdeoperao
Biblivremanualdeoperaokarin
 
Transformar as bibliotecas públicas portuguesas
Transformar as bibliotecas públicas portuguesasTransformar as bibliotecas públicas portuguesas
Transformar as bibliotecas públicas portuguesasBibliotecAtiva
 

Destaque (19)

Armazenamento, Indexação e Recuperação de Informação
Armazenamento, Indexação e Recuperação de InformaçãoArmazenamento, Indexação e Recuperação de Informação
Armazenamento, Indexação e Recuperação de Informação
 
Normas de-monografia-biblioteconomia
Normas de-monografia-biblioteconomiaNormas de-monografia-biblioteconomia
Normas de-monografia-biblioteconomia
 
Aplicativo para dispositivos móveis Relato de experiência da Biblioteca da EE...
Aplicativo para dispositivos móveis Relato de experiência da Biblioteca da EE...Aplicativo para dispositivos móveis Relato de experiência da Biblioteca da EE...
Aplicativo para dispositivos móveis Relato de experiência da Biblioteca da EE...
 
Bibliotecas eletrônicas, digitais e virtuais
Bibliotecas eletrônicas, digitais e virtuaisBibliotecas eletrônicas, digitais e virtuais
Bibliotecas eletrônicas, digitais e virtuais
 
Biblos Organiza A Biblioteca Sesmarias
Biblos Organiza A Biblioteca SesmariasBiblos Organiza A Biblioteca Sesmarias
Biblos Organiza A Biblioteca Sesmarias
 
Como Fazer (+) Em AplicaçõEs Ria Escrevendo ( )
Como Fazer (+) Em AplicaçõEs Ria Escrevendo ( )Como Fazer (+) Em AplicaçõEs Ria Escrevendo ( )
Como Fazer (+) Em AplicaçõEs Ria Escrevendo ( )
 
Como fazer mais em aplicações RIA escrevendo menos
Como fazer mais em aplicações RIA escrevendo menosComo fazer mais em aplicações RIA escrevendo menos
Como fazer mais em aplicações RIA escrevendo menos
 
Bibliotecas 2010-11
Bibliotecas   2010-11Bibliotecas   2010-11
Bibliotecas 2010-11
 
Dia Internacional das Bibliotecas Escolares
Dia Internacional das Bibliotecas EscolaresDia Internacional das Bibliotecas Escolares
Dia Internacional das Bibliotecas Escolares
 
Introdução a jQuery
Introdução a jQueryIntrodução a jQuery
Introdução a jQuery
 
Introdução à Biblioteconomia para Bibliotecas Escolares
Introdução à Biblioteconomia para Bibliotecas EscolaresIntrodução à Biblioteconomia para Bibliotecas Escolares
Introdução à Biblioteconomia para Bibliotecas Escolares
 
Arquivos Distritais-FAA-3ºano
Arquivos Distritais-FAA-3ºanoArquivos Distritais-FAA-3ºano
Arquivos Distritais-FAA-3ºano
 
Tutorial seib serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiun
Tutorial seib   serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiunTutorial seib   serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiun
Tutorial seib serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiun
 
Bibliotecas escolares e universitárias
Bibliotecas escolares e universitáriasBibliotecas escolares e universitárias
Bibliotecas escolares e universitárias
 
Open biblio
Open biblioOpen biblio
Open biblio
 
Biblivremanualdeoperao
BiblivremanualdeoperaoBiblivremanualdeoperao
Biblivremanualdeoperao
 
Biblioteca básico
Biblioteca básicoBiblioteca básico
Biblioteca básico
 
Transformar as bibliotecas públicas portuguesas
Transformar as bibliotecas públicas portuguesasTransformar as bibliotecas públicas portuguesas
Transformar as bibliotecas públicas portuguesas
 
Joomla simples funcional
Joomla simples funcionalJoomla simples funcional
Joomla simples funcional
 

Semelhante a Indicadores de produção em pesquisa

Melhores práticas na gestão do desempenho financeiro de startups - resumo
Melhores práticas na gestão do desempenho financeiro de startups - resumoMelhores práticas na gestão do desempenho financeiro de startups - resumo
Melhores práticas na gestão do desempenho financeiro de startups - resumoBruno Rabelo
 
Construção de um Sistema de Indicadores para a medição do desempenho de uma ...
 Construção de um Sistema de Indicadores para a medição do desempenho de uma ... Construção de um Sistema de Indicadores para a medição do desempenho de uma ...
Construção de um Sistema de Indicadores para a medição do desempenho de uma ...Universidade Federal da Paraíba - UFPB
 
Pesquisa de Métodos para estudos organizacionais.
Pesquisa de Métodos para estudos organizacionais.Pesquisa de Métodos para estudos organizacionais.
Pesquisa de Métodos para estudos organizacionais.Robinson Luis
 
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação Roberto C. S. Pacheco
 
Palestra 05_Metricas alternativas
Palestra 05_Metricas alternativasPalestra 05_Metricas alternativas
Palestra 05_Metricas alternativasUNICAMP - PPEC
 
Indicadores de produção e impacto da produção científica
Indicadores de produção e impacto da produção científicaIndicadores de produção e impacto da produção científica
Indicadores de produção e impacto da produção científicaLeticia Strehl
 
Métricas alternativas e marketing científico digital
Métricas alternativas e marketing científico digitalMétricas alternativas e marketing científico digital
Métricas alternativas e marketing científico digitalPortal de Periódicos UFSC
 
Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...
Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...
Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...Solange Santana
 
Solange Santana - Disseminação da Informação Científica nas Redes Sociais
Solange Santana - Disseminação da Informação Científica nas Redes SociaisSolange Santana - Disseminação da Informação Científica nas Redes Sociais
Solange Santana - Disseminação da Informação Científica nas Redes SociaisSIBiUSP
 
Mapa de Evidências: conceito e metodologia
Mapa de Evidências: conceito e metodologiaMapa de Evidências: conceito e metodologia
Mapa de Evidências: conceito e metodologiahttp://bvsalud.org/
 
show_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdf
show_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdfshow_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdf
show_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdffelixmeloeu
 
Atualização e aquisição de conhecimento
Atualização e aquisição de conhecimentoAtualização e aquisição de conhecimento
Atualização e aquisição de conhecimentoJoao P. Dubas
 
Apresentação projeto de pesquisa gustavo carvalho - grupo gci
Apresentação projeto de pesquisa   gustavo carvalho - grupo gciApresentação projeto de pesquisa   gustavo carvalho - grupo gci
Apresentação projeto de pesquisa gustavo carvalho - grupo gciAriane Maria
 
Avaliação de Desempenho Logístico e Balanced Scorecard
Avaliação de Desempenho Logístico e Balanced ScorecardAvaliação de Desempenho Logístico e Balanced Scorecard
Avaliação de Desempenho Logístico e Balanced ScorecardAndré Camarão Ramos
 
Aula 7 pesquisa de evidências
Aula 7   pesquisa de evidênciasAula 7   pesquisa de evidências
Aula 7 pesquisa de evidênciasRicardo Alexandre
 
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdfManual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdfsaulo montenegro
 
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdfManual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdfsaulo montenegro
 
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdfManual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdfsaulo montenegro
 
Manual niosh estrategia_amostragem
Manual niosh estrategia_amostragemManual niosh estrategia_amostragem
Manual niosh estrategia_amostragemDjeison Hilleshein
 

Semelhante a Indicadores de produção em pesquisa (20)

Melhores práticas na gestão do desempenho financeiro de startups - resumo
Melhores práticas na gestão do desempenho financeiro de startups - resumoMelhores práticas na gestão do desempenho financeiro de startups - resumo
Melhores práticas na gestão do desempenho financeiro de startups - resumo
 
Construção de um Sistema de Indicadores para a medição do desempenho de uma ...
 Construção de um Sistema de Indicadores para a medição do desempenho de uma ... Construção de um Sistema de Indicadores para a medição do desempenho de uma ...
Construção de um Sistema de Indicadores para a medição do desempenho de uma ...
 
Pesquisa de Métodos para estudos organizacionais.
Pesquisa de Métodos para estudos organizacionais.Pesquisa de Métodos para estudos organizacionais.
Pesquisa de Métodos para estudos organizacionais.
 
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
Mapeando e construindo indicadores para avaliar a pós-graduação
 
Palestra 05_Metricas alternativas
Palestra 05_Metricas alternativasPalestra 05_Metricas alternativas
Palestra 05_Metricas alternativas
 
AULA 2.pdf
AULA 2.pdfAULA 2.pdf
AULA 2.pdf
 
Indicadores de produção e impacto da produção científica
Indicadores de produção e impacto da produção científicaIndicadores de produção e impacto da produção científica
Indicadores de produção e impacto da produção científica
 
Métricas alternativas e marketing científico digital
Métricas alternativas e marketing científico digitalMétricas alternativas e marketing científico digital
Métricas alternativas e marketing científico digital
 
Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...
Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...
Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...
 
Solange Santana - Disseminação da Informação Científica nas Redes Sociais
Solange Santana - Disseminação da Informação Científica nas Redes SociaisSolange Santana - Disseminação da Informação Científica nas Redes Sociais
Solange Santana - Disseminação da Informação Científica nas Redes Sociais
 
Mapa de Evidências: conceito e metodologia
Mapa de Evidências: conceito e metodologiaMapa de Evidências: conceito e metodologia
Mapa de Evidências: conceito e metodologia
 
show_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdf
show_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdfshow_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdf
show_do_coordenadoravaliao1-pptpower.pdf
 
Atualização e aquisição de conhecimento
Atualização e aquisição de conhecimentoAtualização e aquisição de conhecimento
Atualização e aquisição de conhecimento
 
Apresentação projeto de pesquisa gustavo carvalho - grupo gci
Apresentação projeto de pesquisa   gustavo carvalho - grupo gciApresentação projeto de pesquisa   gustavo carvalho - grupo gci
Apresentação projeto de pesquisa gustavo carvalho - grupo gci
 
Avaliação de Desempenho Logístico e Balanced Scorecard
Avaliação de Desempenho Logístico e Balanced ScorecardAvaliação de Desempenho Logístico e Balanced Scorecard
Avaliação de Desempenho Logístico e Balanced Scorecard
 
Aula 7 pesquisa de evidências
Aula 7   pesquisa de evidênciasAula 7   pesquisa de evidências
Aula 7 pesquisa de evidências
 
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdfManual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
 
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdfManual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
 
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdfManual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
Manual_NIOSH_Estrategia_Amostragem.pdf
 
Manual niosh estrategia_amostragem
Manual niosh estrategia_amostragemManual niosh estrategia_amostragem
Manual niosh estrategia_amostragem
 

Mais de Solange Santana

Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"
Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"
Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"Solange Santana
 
Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"
Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"
Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"Solange Santana
 
Política de uso de redes sociais e periódicos científicos: a experiência da R...
Política de uso de redes sociais e periódicos científicos: a experiência da R...Política de uso de redes sociais e periódicos científicos: a experiência da R...
Política de uso de redes sociais e periódicos científicos: a experiência da R...Solange Santana
 
Pesquisa sobre Jogos Olímpicos e Paralímpicos: análise da produção científica...
Pesquisa sobre Jogos Olímpicos e Paralímpicos: análise da produção científica...Pesquisa sobre Jogos Olímpicos e Paralímpicos: análise da produção científica...
Pesquisa sobre Jogos Olímpicos e Paralímpicos: análise da produção científica...Solange Santana
 
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competências
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competênciasO bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competências
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competênciasSolange Santana
 
Recursos informacionais - Biblioteca EEFE-USP
Recursos informacionais - Biblioteca EEFE-USPRecursos informacionais - Biblioteca EEFE-USP
Recursos informacionais - Biblioteca EEFE-USPSolange Santana
 
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competênc...
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competênc...O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competênc...
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competênc...Solange Santana
 
Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...
Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...
Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...Solange Santana
 
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competências
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competênciasO bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competências
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competênciasSolange Santana
 
Tutorial PubMed - Capacitação em pesquisa em bases de dados
Tutorial PubMed - Capacitação em pesquisa em bases de dadosTutorial PubMed - Capacitação em pesquisa em bases de dados
Tutorial PubMed - Capacitação em pesquisa em bases de dadosSolange Santana
 
Capacitação em Bases de dados - Introdução e Roteiro (Parte 1)
Capacitação em Bases de dados - Introdução e Roteiro (Parte 1)Capacitação em Bases de dados - Introdução e Roteiro (Parte 1)
Capacitação em Bases de dados - Introdução e Roteiro (Parte 1)Solange Santana
 
Disseminação da informação científica em meio às redes sociais: o caso da Rev...
Disseminação da informação científica em meio às redes sociais: o caso da Rev...Disseminação da informação científica em meio às redes sociais: o caso da Rev...
Disseminação da informação científica em meio às redes sociais: o caso da Rev...Solange Santana
 
Banner "Panorama dos periódicos científicos brasileiros de Educação Física vi...
Banner "Panorama dos periódicos científicos brasileiros de Educação Física vi...Banner "Panorama dos periódicos científicos brasileiros de Educação Física vi...
Banner "Panorama dos periódicos científicos brasileiros de Educação Física vi...Solange Santana
 
Mendeley: Apresentação para usuários
Mendeley: Apresentação para usuáriosMendeley: Apresentação para usuários
Mendeley: Apresentação para usuáriosSolange Santana
 
Flyer da Palestra Mendeley
Flyer da Palestra MendeleyFlyer da Palestra Mendeley
Flyer da Palestra MendeleySolange Santana
 

Mais de Solange Santana (17)

Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"
Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"
Seminário "Informação na perspectiva da Ciência da Informação"
 
Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"
Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"
Seminário "Ciência da Informação: objeto, problemas"
 
Política de uso de redes sociais e periódicos científicos: a experiência da R...
Política de uso de redes sociais e periódicos científicos: a experiência da R...Política de uso de redes sociais e periódicos científicos: a experiência da R...
Política de uso de redes sociais e periódicos científicos: a experiência da R...
 
Pesquisa sobre Jogos Olímpicos e Paralímpicos: análise da produção científica...
Pesquisa sobre Jogos Olímpicos e Paralímpicos: análise da produção científica...Pesquisa sobre Jogos Olímpicos e Paralímpicos: análise da produção científica...
Pesquisa sobre Jogos Olímpicos e Paralímpicos: análise da produção científica...
 
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competências
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competênciasO bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competências
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competências
 
Recursos informacionais - Biblioteca EEFE-USP
Recursos informacionais - Biblioteca EEFE-USPRecursos informacionais - Biblioteca EEFE-USP
Recursos informacionais - Biblioteca EEFE-USP
 
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competênc...
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competênc...O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competênc...
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competênc...
 
Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...
Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...
Disseminação da informação científica nas redes sociais: experiências e desaf...
 
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competências
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competênciasO bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competências
O bibliotecário e a editoração de periódicos científicos: fazeres e competências
 
Tutorial PubMed - Capacitação em pesquisa em bases de dados
Tutorial PubMed - Capacitação em pesquisa em bases de dadosTutorial PubMed - Capacitação em pesquisa em bases de dados
Tutorial PubMed - Capacitação em pesquisa em bases de dados
 
Capacitação em Bases de dados - Introdução e Roteiro (Parte 1)
Capacitação em Bases de dados - Introdução e Roteiro (Parte 1)Capacitação em Bases de dados - Introdução e Roteiro (Parte 1)
Capacitação em Bases de dados - Introdução e Roteiro (Parte 1)
 
Redação Científica
Redação CientíficaRedação Científica
Redação Científica
 
Disseminação da informação científica em meio às redes sociais: o caso da Rev...
Disseminação da informação científica em meio às redes sociais: o caso da Rev...Disseminação da informação científica em meio às redes sociais: o caso da Rev...
Disseminação da informação científica em meio às redes sociais: o caso da Rev...
 
Banner "Panorama dos periódicos científicos brasileiros de Educação Física vi...
Banner "Panorama dos periódicos científicos brasileiros de Educação Física vi...Banner "Panorama dos periódicos científicos brasileiros de Educação Física vi...
Banner "Panorama dos periódicos científicos brasileiros de Educação Física vi...
 
Mendeley: Apresentação para usuários
Mendeley: Apresentação para usuáriosMendeley: Apresentação para usuários
Mendeley: Apresentação para usuários
 
Flyer da Palestra Mendeley
Flyer da Palestra MendeleyFlyer da Palestra Mendeley
Flyer da Palestra Mendeley
 
Endnote Web
Endnote WebEndnote Web
Endnote Web
 

Indicadores de produção em pesquisa

  • 1. Solange A. Santana Biblioteca EEFE-USP São Paulo 2016 Indicadores de Produção em Pesquisa I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
  • 2. TÓPICOS Indicadores de Produção em Pesquisa Qualis Periódicos Fator de Impacto Altmetrias Índice H Considerações
  • 4. De acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), indicadores são “uma série de dados definidos para responder perguntas sobre um fenômeno ou sistema dado”. São variáveis cuja função é descrever e mensurar certas características de um fenômeno ou sistema, utilizando-se dados quantitativos ou qualitativos, verificados por meio da análise do próprio fenômeno ou sistema. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
  • 5. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo Inseridos no sistema de C&T, segundo a OCDE (1998), os indicadores são “uma série de dados definidos para responder perguntas sobre o sistema de C&T, sua estrutura interna, sua relação com a economia, o meio ambiente e a sociedade e a medida em que satisfaz as metas daqueles que o administram, trabalham nele ou estão afetados de alguma outra maneira por seus efeitos” (ORGANIZAÇÃO..., p. 80).
  • 6. O uso de indicadores na área de C&T resulta da busca por uma medição objetiva das diferentes dimensões da ciência. Eles devem proporcionar a possibilidade de medição das ações que envolvem a geração, difusão, transmissão e aplicação de conhecimentos científicos e tecnológicos, que são relacionadas diretamente com o desenvolvimento científico e tecnológico. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
  • 7. Ohayon (1990), apresenta uma classificação de indicadores. Neste modelo, são definidos indicadores de: - Recursos (inputs) - Dinâmica interna (processos) - Resultados diretos (outputs diretos) - Produção (científica e técnica) - Utilização de resultados e de efeitos I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
  • 8. A determinação de indicadores de produção é uma tarefa complexa, já que muitos produtos em C&T possuem aspectos intangíveis, o que torna sua quantificação muito difícil. No universo científico, o principal produto é o conhecimento, gerado, transmitido e modificado, com agregação de novas ideias. -> Indicadores bibliométricos e de patentes Exemplos: índices de publicações, frequência de citações, impacto científico I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
  • 9. -> Sistemas de avaliação da produção em pesquisa, formulados a partir da seleção de um conjunto de indicadores apropriados, a fim de fornecer respostas que justifiquem não somente os recursos financeiros empregados, mas também as escolhas feitas, como as áreas científicas de maior potencial ou regiões mais carentes de desenvolvimento científico e tecnológico. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
  • 10. TÓPICOS Indicadores de Produção em Pesquisa Qualis Periódicos Fator de Impacto Altmetrias Índice H Considerações
  • 11. O Qualis-Periódicos é um sistema usado para classificar a produção científica dos programas de pós-graduação no que se refere aos artigos publicados em periódicos científicos. Tal processo foi concebido para atender as necessidades específicas do sistema de avaliação e é baseado nas informações fornecidas por meio do aplicativo Coleta de Dados. Como resultado, disponibiliza uma lista com a classificação dos veículos utilizados pelos programas de pós-graduação para a divulgação da sua produção. A classificação é realizada pelos comitês de consultores de cada área de avaliação seguindo critérios previamente definidos pela área e aprovados pelo Conselho Técnico-Científico da Educação Superior (CTC-ES). I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
  • 12. Os periódicos são classificados em oito estratos: A1, A2, B1, B2, B3, B4, B5 e C, sendo A1 a classificação mais elevada, enquanto C indica peso zero. Em geral é utilizado o fator de impacto da base Journal Citation Reports (JCR), da Thomson Reuters. Para cada área a classificação são adotados critérios específicos e a cada três anos o método de classificação pode ser alterado. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
  • 13. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo ÁREA 21 - EDUCAÇÃO FÍSICA, FISIOTERAPIA, FONOAUDIOLOGIA E TERAPIA OCUPACIONAL
  • 14. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo ÁREA 21 - EDUCAÇÃO FÍSICA, FISIOTERAPIA, FONOAUDIOLOGIA E TERAPIA OCUPACIONAL
  • 15. TÓPICOS Indicadores de Produção em Pesquisa Qualis Periódicos Fator de Impacto Altmetrias Índice H Considerações
  • 16. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo Em 1955, Eugene Garfield publicou um artigo na revista Science, onde discutiu pela primeira vez a ideia de um Fator de Impacto com base em citações. Em 1964, ele e seus parceiros publicaram o Science Citation Index (SCI). No mesmo período, Irving H. Sherman e Garfield criaram o Journal Impact Factor (JIF), com a intenção de usá-lo para selecionar revistas para o SCI. Hoje, as ferramentas correspondem ao Journal Citation Reports (JCR) e Web of Science (WoS), da Thomson Reuters. Atualmente, o JCR abrange cerca de 10 mil periódicos em ciência e tecnologia e cerca de 3 mil periódicos em ciências sociais. Para o cálculo do Fator de Impacto de um periódico, leva-se em consideração o número de citações recebidas pelos artigos publicados no periódico nos dois (ou cinco) anos anteriores à avaliação, dividido pelo número de artigos publicados no período.
  • 17. TÓPICOS Indicadores de Produção em Pesquisa Qualis | Qualis Periódicos Fator de Impacto Altmetrias Indicadores de Produção em Pesquisa no contexto da EF Índice H Considerações finais
  • 18. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo Criado em 2005 por George Hirsch, o índice h visa quantificar a produtividade e o impacto de cientistas baseando-se nos seus artigos mais citados. O índice h corresponde ao número de artigos com citações maiores ou iguais a esse número. Uma das principais críticas ao índice diz respeito à ênfase demasiada a um indicador de desempenho, sem levar em conta outros aspectos da produção científica, que poderia induzir universidades e agências de fomento a tomar decisões simplistas ou equivocadas. Os limites do índice H. Pesquisa Fapesp, p.35-39, 2013. Disponível em: <http://revistapesquisa.fapesp.br/wp-content/uploads/2013/05/035-039_IndiceH_207.pdf>. Acesso em 14 nov. 2016
  • 19. TÓPICOS Indicadores de Produção em Pesquisa Qualis Periódicos Fator de Impacto Altmetrias Índice H Considerações
  • 20. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo As altmetrias ou métricas alternativas podem ser definidas como o estudo e uso de medidas de impacto acadêmico com base na atividade de ferramentas e ambientes online. Visam medir as diferentes formas e padrões de significado e uso dos produtos científicos, olhando não apenas para a publicação em veículos tradicionais, mas também o processo mais amplo de disseminação em ambientes emergentes (Spinak, 2014). SPINAK, E. O que podem nos fornecer as “métricas alternativas” ou altmetrias. SciELO em Perspectiva. Disponível em: <http://blog.scielo.org/blog/2014/08/07/o-que-podem-nos-fornecer-as-metricas-alternativas-ou-altmetrias/>. Acesso em: 14 nov. 2016
  • 21. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo Hoje, os principais provedores de serviços altmétricos são: -> Altmetrics.com (Macmillan Publishers): o mais importante provedor com mais de 4.000 clientes e que também usa SciELO para sua coleção de periódicos brasileiros. -> Impactstory.org (Sloan Foundation). -> PlumAnalytics.com (recentemente adquirida pela Ebsco).
  • 22. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo Exemplo: Altmetrics - SciELO
  • 23. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo Adie (2014) aponta que o desafio desta nova ferramenta é que os dados altmétricos são muito transitórios e difíceis de recompilar e, atualmente, não se tem interpretações claras. -> Ausência de um marco teórico. ADIE, E. Taking the alternative mainstream. EPI, v. 23, n. 4, p. 349-351, 2014. Disponível em: http://elprofesionaldelainformacion.metapress.com/app/home/contribution.asp?referrer=parent&backto=issue,1,12;journal,1,96;homemai npublications,1,1>. Acesso em 14 nov. 2016
  • 24. As altmetrias apresentam desafios a equacionar, entre eles: -> recompilação de dados: cobertura, diferentes idiomas, ambiguidades. -> epistemologia: qual base teórica poderia ser estabelecida para interpretar os dados obtidos por algoritmos de máquinas para tomada de indicadores consistentes e confiáveis. -> Se analisarmos a história do desenvolvimento da bibliometria e cienciometria clássica, observa-se que as discussões teóricas para chegar a uma base de consenso de ferramentas e interpretações levaram mais de vinte anos. Ainda assim, um dos indicadores mais utilizados, o Fator de Impacto segue, todavia, levantando suspeitas e resistências. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo
  • 25. TÓPICOS Indicadores de Produção em Pesquisa Qualis Periódicos Fator de Impacto Altmetrias Índice H Considerações
  • 26. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo Parâmetro Vantagens Desvantagens Número total de artigos Mede a produtividade Não mede a importância ou impacto dos artigos/ Publicações fatiadas. Número total de citações Mede o impacto total do pesquisador Insuflado por pequeno número de artigos de grande visibilidade / Autocitações / Citações cruzadas. Citações por artigo Permite a comparação de cientistas Privilegia a baixa produtividade e penaliza a alta produtividade Quadro 1 - Vantagens e desvantagens de outros indicadores de produção
  • 27. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo Periódico <-> Artigo Métricas tradicionais <-> Altmetrias CENÁRIO
  • 28. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo CONSIDERAÇÕES -> Os indicadores apresentam limitações. A combinação de alguns desses, associada à avaliação por pares, é certamente a melhor forma de avaliação objetiva. -> Os indicadores de produção em pesquisa têm sido utilizados em grande escala para avaliação da produtividade e qualidade de pesquisadores e periódicos. -> Quando empregados como recurso para análise do estágio da produção científica, podem auxiliar a mapear o panorama geral da pesquisa em um determinado país e também identificar o nível de desenvolvimento científico em determinadas regiões, fornecendo uma estimativa aproximada do avanço da pesquisa de modo geral, ou de uma determinada área de conhecimento. -> No Brasil, o grande peso que a produção científica tem na avaliação dos programas “stricto-sensu” também se expande para outras esferas, como as demais atividades de pesquisa e ensino realizadas pelos docentes no cenário universitário. -> Necessidade de analisar as limitações dos indicadores de produção e suas implicações para a avaliação do desenvolvimento da pesquisa nacional.
  • 29. I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo REFERÊNCIAS ADIE, E. Taking the alternative mainstream. EPI, v. 23, n. 4, p. 349-351, 2014. Disponível em: <http://elprofesionaldelainformacion.metapress.com/app/home>. Acesso em: 14 nov. 2016 ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Manual de Oslo: la medición de las actividades científicas y técnicas. Caracas: Nueva Sociedad, 1998. OHAYON, P. Quadro metodológico para implementação de um sistema de indicadores da avaliação na FAPERJ. Simpósio Nacional de Pesquisa em Administração. 20 a 30 de outubro de 1991. Anais... Rio de Janeiro, 1991. p. E 81. SPINAK, E. O que podem nos fornecer as “métricas alternativas” ou altmetrias. SciELO em Perspectiva. Disponível em: <http://blog.scielo.org/blog/2014/08/07/o-que-podem-nos- fornecer-as-metricas-alternativas-ou-altmetrias/>. Acesso em: 14 nov. 2016 MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999.
  • 30. Muito obrigada! Solange A. Santana Biblioteca da EEFE-USP solangeusp@gmail.com São Paulo 2016 I Simpósio de Pesquisa Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo