SlideShare uma empresa Scribd logo
1




Arquivos Distritais
Formação Avançada em Arquivo
2



                                               Sumário
• Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo
• Arquivo Distrital de Bragança
• Arquivo Distrital de Évora
• Arquivo Distrital da Guarda
• Arquivo Distrital de Viana do Castelo
• Quadro Comparativo do sítio web
• Perguntas
• Considerações Finais
• Bibliografia
3




     Biblioteca Pública e Arquivo Regional de
      Angra do Heroísmo – Percurso Histórico


A Biblioteca Pública e o Arquivo Regional de Angra do
Heroísmo constituem um único organismo, Biblioteca e
Arquivo, o qual é legalmente designado como organismo
periférico da Direção Regional da Cultura, estão instalados
no Palácio Bettencourt, sito na rua da Rosa, 49, em Angra
do   Heroísmo,     formando     um     único   organismo.
4



Biblioteca Pública e Arquivo Regional de
              Angra do Heroísmo - Mapa
5


    Biblioteca Pública e Arquivo Regional de
    Angra do Heroísmo – Missão e Objetivos

A Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do
Heroísmo norteia-se pelos princípios enunciados no
Manifesto da UNESCO sobre as Bibliotecas Públicas e
neste mesmo quadro disponibilizam à população um
conjunto de serviços (presenciais e on-line) que favorecem
a leitura, o estudo, a investigação, o conhecimento e uma
vida intelectual e cultural ativa.
6


 Biblioteca Pública e Arquivo Regional de
            Angra do Heroísmo - Serviços



O   Arquivo    Regional    de   Angra    do   Heroísmo,
disponibiliza ao público um serviço de pesquisas
http://digitarq.adbgc.dgarq.gov.pt,     podendo       ser
solicitadas via correio eletrónico, CTT ou por telefone.
7



Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra
                                  do Heroísmo
 Profissionais
 O número de profissionais a exercer funções no Arquivo Regional de
 Angra do Heroísmo são 5:
 • 2 Técnicos Superiores
 • 3 Assistentes Técnicos

 Contacto
 Marcolino Candeias – telefone: 295401000

 Endereço
 Biblioteca Pública & Arquivo Regional de Angra do Heroísmo
 Palácio Bettencourt, rua da Rosa, 49
 9700-171 Angra do Heroísmo (Portugal)
8



    Biblioteca Pública e Arquivo Regional de
                Angra do Heroísmo - Acervo

• Documentos provenientes das mais diversas repartições
  e serviços da administração civil e militar das ilhas que
  constituem o grupo central.
• Documentos de origem religiosa e outros de origem
  privada institucional, como os das misericórdias, de
  associações, etc.
• Documentação de natureza familiar
• Documentos produzidos pelas instituições político-
  administrativas e militares de todas as nove ilhas do
  arquipélago
9



      Biblioteca Pública e Arquivo Regional de
Angra do Heroísmo – Classificação Arquivística

 A classificação constitui-se em uma primeira etapa
 descritiva, orienta o arquivamento e permite o acesso aos
 documentos contidos nos arquivos, além de lançar as
 bases   seguras   para   a   avaliação.   Os   instrumentos
 resultantes da atividade de classificação são o Código de
 Classificação Documental e o Plano de Classificação
 Documental.
10


    Biblioteca Pública e Arquivo Regional de
       Angra do Heroísmo – Instrumentos de
                                      Acesso

Na Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do
Heroísmo os instrumentos de acesso são: guia de fundos,
inventários, catálogos, índices.
11


                 Arquivo Distrital de Bragança –
                             Percurso Histórico


O regime republicano legislou no sentido de criar Arquivos
Distritais para custodiar sobretudo a documentação
eclesiástica, confiscada após a Revolução de 1910. Foi na
sequência dessa legislação que, em 29 de Novembro de
1916,    Bernardino Machado     decretou a    criação   da
Biblioteca Pública de Bragança, com um Arquivo Distrital
anexo.
12



                Arquivo Distrital de Bragança –
                            Percurso Histórico


Destinavam-se ambos a incorporar os importantes núcleos
de espécies manuscritas e impressas existentes na região,
na sequência da vasta legislação cultural dos primeiros
anos da República, cujo ideário engrandecia a missão das
bibliotecas de que dependia o futuro e dava um papel de
importância decisiva aos Arquivos dos quais dependia o
passado.
13



Arquivo Distrital de Bragança – Mapa
14



                  Arquivo Distrital de Bragança –
                                           Missão


O Arquivo Distrital de Bragança tem como missão preservar
e valorizar, no âmbito do distrito, o património arquivístico
de interesse histórico e cultural, bem como assegurar a
defesa   do   interesse    público    garantindo   acesso    à
documentação     à   sua    guarda,    promovendo    o      seu
conhecimento e a sua divulgação cultural e educativa.
15


                        Arquivo Distrital de Bragança –
                                              Objetivos
• Contribuir para a consolidação da rede de arquivos cooperantes, prestando
  apoio técnico às instituições do distrito.

• Contribuir para a preservação do património arquivístico, assegurando a
  incorporação dos fundos documentais, definidos na legislação em vigor.

• Ampliar a disponibilidade e a acessibilidade à informação de arquivo,
  realizando instrumentos de pesquisa da documentação à sua guarda.

• Incrementar a qualidade e produtividade do serviço, aumentando a
  capacidade de resposta a pedidos de serviço.

• Promover a diversificação de públicos, realizando atividades culturais e
  educativas.
16


                     Arquivo Distrital de Bragança –
                                            Serviços
• Acesso à documentação custodiada
• Emissão de certidões
• Reprodução de documentos
• Informação sobre os arquivos custodiados
• Informação sobre documentação do distrito existente noutros
arquivos
• Consultoria na área da Arquivística
• Empréstimo de documentos para exposições
• Programação e acompanhamento de visitas de estudo
• Orientação de estágios profissionais
• Averbamentos (desde que comunicados pela entidade competente)
• Incorporação dos arquivos definidos pela lei
• Aquisição de outros arquivos, públicos ou privados, de interesse para
o distrito
17



                        Arquivo Distrital de Bragança

Profissionais
O total de profissionais a exercer funções no arquivo são 9: 2
administrativos, 2 técnicos superiores e 5 assistentes operacionais.

Contacto
Alda Berenguel (273 300 277)

Endereço
Arquivo Distrital de Bragança
Rua Miguel Torga
5300-037 BRAGANÇA
18



                 Arquivo Distrital de Bragança –
                                         Acervo

• Fundos: Fundos Públicos; Fundos Judiciais; Fundos
 Notariais;    Fundos       Paroquiais;    Governo     Civil;
 Administração    Local;    Finanças;     Fundos   Privados;
 Diocesanos;   Monásticos;      Confrarias;   Misericórdias;
 Pessoais; Famílias.
• Coleções: Livro Antigo; Pergaminhos; Hemeroteca;
 Legislação; Iconografia.
19



                 Arquivo Distrital de Bragança –
                      Classificação Arquivística



No Arquivo Distrital de Bragança existem vários planos de
classificação, depende de cada fundo. Neste caso podem
ser funcional ou orgânico-funcional.
20



                   Arquivo Distrital de Bragança –
                          Instrumentos de Acesso


No Arquivo Distrital de Bragança, os instrumentos de acesso
são: presencial ou on-line, inventários, guia de fundos, índices e
DIGITARQ.
21



                        Arquivo Distrital de Évora –
                                Percurso Histórico

O Arquivo Distrital de Évora é um dos mais antigos do país.
Surgiu da necessidade de agrupar documentação da Diocese e
do Distrito de Évora relevante para a história da região
guardada na Biblioteca Pública de Évora ao título provisório.
Esta ligação entre a Biblioteca Pública e o Arquivo Distrital de
Évora fez com que todo o tipo de fundo histórico e cultural ali
depositado fomentasse num avultado acervo que contribui de
forma relevante para o património de Évora desde o século XVI.
22



Arquivo Distrital de Évora –
                      Mapa
23



                               Arquivo Distrital de Évora –
                                       Missão e Objetivos
• Proceder   ao   levantamento       e    diagnóstico   do   estado    físico   da
  documentação de que é depositário e assegurar a implementação das
  políticas de preservação e conservação definidas pela DGARQ;
• Proceder ao tratamento arquivístico da documentação à sua guarda e
  elaborar os respetivos instrumentos de descrição e pesquisa, de acordo
  com as orientações da DGARQ;
• Promover o acesso aos fundos documentais de que é depositário,
  implementando     sistemas    de       descrição,   pesquisa   e    acesso    aos
  documentos de acordo com as orientações da DGARQ;
• Assegurar a prestação de serviços de consulta, de reprodução, de
  certificação e de pesquisa sobre a documentação de que é depositário;
24



                            Arquivo Distrital de Évora –
                                    Missão e Objetivos
• Efetuar averbamentos sobre documentação incorporada, quando
  solicitada pelas entidades competentes;
• Garantir o cumprimento da legislação sobre comunicabilidade e sobre
  proteção de dados no acesso à documentação de que é depositário;
• Promover o conhecimento e a fruição do património arquivístico de que
  é depositário, bem como do existente na respetiva área geográfica de
  intervenção, autonomamente ou em colaboração com outras entidades;
• Prestar serviços de consultoria e apoio técnico e apoiar os serviços
  centrais da DGARQ na gestão de programas e na promoção de
  iniciativas e projetos, na respetiva área geográfica de intervenção.
25



                       Arquivo Distrital de Évora –
                                           Serviços

Este serviço, constituído por aproximadamente 2000 títulos de
várias áreas permite o acesso ao património arquivístico a
qualquer cidadão desde que este possui identificação, mediante
o preenchimento de uma requisição. Pode não entanto
acontecer que certos documentos sigam algumas restrições de
consulta pela sua antiguidade ou degradação e como tal não
pode ser manipulado.
26




                              Arquivo Distrital de Évora
Profissionais
O número de funcionários a exercer funções no Arquivo distrital de
Évora são 11.


Contacto
Pedro Pereira (266 006 600)


Endereço
Arquivo Distrital de Évora
Largo dos Colegiais, 3
7000-803 ÉVORA
27



                     Arquivo Distrital de Évora –
                                          Acervo


O Arquivo Distrital de Évora tem em sua posse mais de 170
fundos, oriundos de entidades públicas e privadas do
distrito de Évora. A documentação mais antiga é do séc.
XIV e a mais recente do XXI, num total superior a 3200
metros lineares, sistematizada no Guia de Fundos
ADEVR_Versão_02.
28



                            Arquivo Distrital de Évora –
                             Classificação Arquivística
Classificação é um conjunto de operações intelectuais e físicas que visa
representar os documentos de arquivo de acordo com as estruturas,
atividades e funções do organismo produtor. Através dela é possível
visualizar a ligação dos documentos com as respetivas atividades e
funções que lhe deram origem. Por isso a classificação é lógica. A
classificação constitui-se em uma primeira etapa descritiva, orienta o
arquivamento e permite o acesso aos documentos contidos nos arquivos,
além de lançar as bases seguras para a avaliação. Os instrumentos
resultantes da atividade de classificação são o Código de Classificação
Documental e o Plano de Classificação Documental.
29



                    Arquivo Distrital de Évora –
                       Instrumentos de Acesso


• DigitArq: http://digitarq.adevr.dgarq.gov.pt/
• Inventários,
• Guia de fundos: http://adevr.dgarq.gov.pt/fundos-e-
      coleccoes/
30



                        Arquivo Distrital da Guarda –
                                  Percurso Histórico

A 1 de Outubro de 1982, a Direção Geral do Património do Estado,
cede ao Instituto Português do Património Cultural, o edifício do
antigo Convento de São Francisco da Guarda, que recentemente tinha
deixado de ser quartel e sede do Regimento de Infantaria n.º 12.
Após obras de adaptação numa pequena parte do edifício, o Arquivo
Distrital da Guarda, começaria a funcionar em Setembro de 1984.
A incorporação de documentação proveniente de diversos organismos
públicos e privados de todo o Distrito, cedo quase esgotou a pequena
capacidade de depósito de então.
31



Arquivo Distrital da Guarda –
                        Mapa
32



                     Arquivo Distrital da Guarda –
                                            Missão

O Arquivo Distrital da Guarda, conforme estipulado pelo
Decreto-Lei n.º 93/2007 de 29 de Março, é um arquivo de
âmbito regional, dependente da Direcção-Geral de Arquivos
(DGARQ), serviço da administração direta do Estado, que é
tutelado pela Secretaria de Estado da Cultura (Orgânica do XIX
Governo Constitucional - Decreto-Lei nº 86-A/2011 de 12 de
Julho).
33



                       Arquivo Distrital da Guarda –
                                            Serviços


• Incorporações
• Consultoria & Apoio Técnico
• Certidões & Reprodução de Documentos
• Visitas ao Arquivo
• Leitura
• Cedência de Espaços
34




                      Arquivo Distrital da Guarda

Profissionais
Atualmente o ADG tem a exercer funções 7 profissionais, dos
quais um Dirigente Chefe de Divisão, um Técnico Superior, um
Assistente Técnico e quatro Assistentes Operacionais.

Contacto
mail@adgrd.dgarq.gov.pt.

Endereço
Largo General Humberto Delgado, 6300-694 Guarda
35




                    Arquivo Distrital da Guarda –
Públicos de origem:
                                          Acervo
• Administração Central Desconcentrada do Estado
• Administração Regional e Local
• Judiciais
• Associações
• Notariais
• Paroquiais
• Registo Civil

Privados de origem:
• Diocesanos
• Famílias
• Empresas

Coleções:
• Memórias Paroquiais
36




                 Arquivo Distrital da Guarda –
                    Classificação Arquivística


No ADG existem planos de classificação funcionais,
orgânicos, e orgânico-funcionais.
37



                  Arquivo Distrital da Guarda –
                       Instrumentos de Acesso


No ADG os instrumentos de acesso são constituídos por
catálogos, inventários e repositórios de acesso em
ambiente web.
38


       Arquivo Distrital de Viana do Castelo –
                            Percurso Histórico


Foi criado, em 1965, pelo Decreto 46 350, de 22 de Maio,
mas, por falta de apoio das estruturas locais, só vinte anos
mais tarde, viria a entrar em funções.
Com efeito, apenas a 18 de Maio de 1983, pôde ser
assegurada a sua instalação pela Direcção-Geral do
Património do Estado que cedeu, para essa finalidade, o
edifício da antiga Casa da Vedoria ao Instituto Português
do Património Cultural, que tutelava, na época, a Rede dos
Arquivos Distritais.
39




Arquivo Distrital de Viana do Castelo –
                                 Mapa
40




          Arquivo Distrital de Viana do Castelo –
                              Missão e Objetivos
• Melhorar a qualidade dos serviços prestados aos utilizadores;
• Otimizar a difusão da informação;
• Contribuir para a divulgação e consolidação de políticas de
  preservação digital;
• Assegurar o apoio à rede dos arquivos da região do Alto Minho;
• Aumentar a acessibilidade aos conteúdos dos documentos de arquivo
  na web;
• Divulgar informação relativa à Implantação da República no distrito
  de Viana do Castelo;
• Aumentar a qualidade dos serviços prestados;
• Garantir a melhoria da capacidade de resposta do serviço aos pedidos
  de certidões que não envolvam pesquisa
41



      Arquivo Distrital de Viana do Castelo –
                                     Serviços


• Acesso à documentação custodiada;
• Emissão de certidões;
• Reprodução de documentos;
• Informação sobre os arquivos custodiados;
• Informação sobre documentação do distrito existente
  noutros arquivos;
• Consultoria na área da Arquivística;
• Empréstimo de documentos para exposições;
42



      Arquivo Distrital de Viana do Castelo –
                                     Serviços


• Programação e acompanhamento de visitas de estudo;
• Orientação de estágios profissionais;
• Averbamentos (desde que comunicados pela entidade
  competente);
• Incorporação dos arquivos definidos pela lei;
• Aquisição de outros arquivos, públicos ou provados, de
  interesse para o distrito.
43




          Arquivo Distrital de Viana do Castelo
Profissionais
O número de profissionais a exercer funções no Arquivo
Distrital de Viana do Castelo são 5.
1 Chefe de Divisão
1 Técnico Superior
3 Assistentes Técnicos

Contacto
Maria Clotilde Amaral (25880062)

Endereço
Arquivo Distrital de Viana do Castelo
Rua Manuel Espregueira, 140
4900-318 VIANA DO CASTELO
44




         Arquivo Distrital de Viana do Castelo -
                                         Acervo
•   Paroquiais
•   Notariais
•   Judiciais
•   Juntas de freguesia
•   Polícia de Segurança Pública
•   Misericórdia
•   Outras Irmandades
•   Junta Geral do Distrito de Viana do Castelo
•   Junta Central das Casas do Povo
•   Serviços hidráulicos
•   Arquivos Pessoais e de Família
45




         Arquivo Distrital de Viana do Castelo -
                                         Acervo
•   Junta Central das Casas do Povo
•   Serviços hidráulicos
•   Arquivos Pessoais e de Família
•   Administração do Concelho
•   Núcleo de Saneamento Básico
•   Escolas e outros Estabelecimentos de ensino
•   Conservatórias do Registo Civil
•   Alfândega de Viana do Castelo
•   Mapas cartográficos
•   Governo Civil de Viana do Castelo
46




       Arquivo Distrital de Viana do Castelo –
                    Classificação Arquivística


No Arquivo Distrital de Viana do Castelo, existe plano de
classificação, neste caso trata-se de uma classificação
funcional.
47



      Arquivo Distrital de Viana do Castelo –
                     Instrumentos de Acesso


No arquivo Distrital de Viana do Castelo os instrumentos
de acesso são: guia de fundos, inventários, catálogos,
índices.
48



                                                Perguntas
1. Quais as principais funções da DGARQ ?

Exerce simultaneamente funções de arquivo histórico, tutela direta
sobre arquivo na medida em que integra o arquivo nacional e quase
a totalidade dos arquivos distritais, funções de superintendência
técnica e normativa sobre todo o setor de arquivos do pais,
coordenação da rede nacional de arquivos, bem como funções de
execução da política arquivística nacional definida pelo governo da
República, a quem pode aconselhar na matéria.
49




                                               Perguntas

2. O que são Arquivos distritais?

De acordo com a Lei Geral dos Arquivos Distritais, estes
incorporam obrigatoriamente os documentos produzidos pelas
Conservatórias do Registo civil, pelos Cartórios Notariais e pelos
Tribunais na área do distrito em que se inserem.
50




                                                  Perguntas
3. O que é a Mediação?

Mediação em termos genéricos é o processo de intervenção de um
elemento intermediário numa relação, a relação deixa, então, de ser
direta e passa a ser mediada por esse elemento. O processo de
mediação, por meio de instrumentos e signos, é fundamental para o
desenvolvimento das funções psicológicas superiores, distinguindo o
homem dos outros animais. A mediação é um processo essencial para
tornar possíveis as atividades psicológicas voluntárias, intencionais,
controladas pelo próprio indivíduo.
51




                                                Perguntas
4. Que tipo de acervo constitui um Arquivo Distrital?

A   documentação       que   os    Arquivos   Distritais   devem?
Obrigatoriamente      incorporar   consiste   em:   arquivos   das
conservatórias do registo civil com mais de cem anos,
fundamentalmente os registos paroquial e civil, arquivos dos
cartórios notariais com mais trinta anos, arquivos dos tribunais
com mais de trinta anos, arquivos dos tribunais com mais de
trinta cinco anos apos os processos serem dados como findos,
arquivos dos organismos da administração central extintos e
serviços cessantes.
52




                                        Perguntas
5. De entre as páginas web dos arquivos que estudamos
   nomeadamente os arquivos distritais de Évora, Açores,
   Guarda, Viana do Castelo e Beja, qual é a que permite
   melhor acessibilidade?



E a página web de Guarda porque apresenta a informação
de uma forma completa e organizada.
53



                          Considerações Finais


Com a elaboração deste trabalho foi-nos permitida a
visualização da complexidade da obtenção de informação
relativa a um Distrito, por outro lado é percetível a
imensidão de informação que pode ser explorada nos dias
de hoje
54



                                                                      Bibliografia
•   AÇORES, Biblioteca Pública & Arquivo Regional de Angra do Heroísmo. [em linha]. [Consult. 30
    Out. 2012]. Disponível em WWW : <URL : http://www.bparah.azores.gov.pt/html/index.html>.

•   BRAGANÇA, Arquivo Distrital. [em linha]. [Consult. 30 Out.2012]. Disponível em WWW : <URL
    : http://adbgc.dgarq.gov.pt/>.

•   ÉVORA, Arquivo Distrital de. [em linha]. [Consult. 30 Out. 2012]. Disponível em WWW : <URL :
    http://adevr.dgarq.gov.pt/>.

•   GUARDA, Arquivo Distrital – Documentos de destaque. [em linha]. [Consult. 3 Nov. 2012].
    Disponível em WWW : <URL : http://www.adguarda.pt/>.


•   MARTINS, Onilza Borges; MOSER, Alvino - Conceito de mediação em Vygotsky, Leontiev e
    Wertsch. [em linha]. [s.l]: [s.n], 2012, p. 9-10. [Consult. a 30 de Nov de 2012]. Disponível em
    WWW:
    <URL.http://www.grupouninter.com.br/intersaberes/index.php/revista/article/download/245/1
    54>


•   RIBEIRO, Fernanda- O acesso à informação nos arquivos. [em linha].[Consult. 28 out. 2012].
    Disponível em WWW: <URL: http://ler.letras.up.pt/site/default.aspx?qry=id06id131&sum=si>

•   VIANA DO CASTELO, Arquivo Distrital. [em linha]. [Consult. 30 Out. 2012]. Disponível em
    WWW : <URL : http://advct.dgarq.gov.pt/>.
55



                                              Informações

   Curso: Licenciatura em Ciências e Tecnologias da Documentação e
    Informação
   Unidade Curricular: Formação Avançada em Arquivo
   Ano Letivo: 2012/2013

Contactos:
o Andrea Sofia da Silva Moreira Campos (9100005)
  andreacampos@eu.ipp.pt
o Diana Andreia Winstanley Oliveira (9100011)
  diana.winstanley.oliveira@eu.ipp.pt
o Suzanna Lopes Fernandes Guedes (9100306)
  suzannaguedes@eu.ipp.pt
o Zita Cristina Martins Manso (9100307)
  zmanso@eu.ipp.pt

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Biblivre
 Biblivre Biblivre
Biblivremanualdeoperao
BiblivremanualdeoperaoBiblivremanualdeoperao
Biblivremanualdeoperao
karin
 
Relatório de avaliação da Biblioteca ESSPS - Domínio D
Relatório de avaliação da Biblioteca  ESSPS - Domínio DRelatório de avaliação da Biblioteca  ESSPS - Domínio D
Relatório de avaliação da Biblioteca ESSPS - Domínio D
Lurdes Meneses
 
Biblioteca básico
Biblioteca básicoBiblioteca básico
Biblioteca básico
Silvia Cazenave
 
Transformar as bibliotecas públicas portuguesas
Transformar as bibliotecas públicas portuguesasTransformar as bibliotecas públicas portuguesas
Transformar as bibliotecas públicas portuguesas
BibliotecAtiva
 
Tutorial seib serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiun
Tutorial seib   serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiunTutorial seib   serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiun
Tutorial seib serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiun
Biblioteca Central
 
Treinamento graduação
Treinamento graduaçãoTreinamento graduação
Aplicações web 2
Aplicações web 2Aplicações web 2
Aplicações web 2
Jorge Sousa
 
Como o Tutor Deve Gerenciar a Biblioteca do e-ProInfo
Como o Tutor Deve Gerenciar a Biblioteca do e-ProInfoComo o Tutor Deve Gerenciar a Biblioteca do e-ProInfo
Como o Tutor Deve Gerenciar a Biblioteca do e-ProInfo
richard_romancini
 
Biblioteca e desenvolvimento
Biblioteca e desenvolvimentoBiblioteca e desenvolvimento
Biblioteca e desenvolvimento
Vanda Ferreira
 
Bibliotecas escolares e universitárias
Bibliotecas escolares e universitáriasBibliotecas escolares e universitárias
Bibliotecas escolares e universitárias
daianadelima
 
Open biblio
Open biblioOpen biblio
Open biblio
openbiblio
 
Biblioteca
BibliotecaBiblioteca
Biblioteca
Gonçalo Silva
 
Palestra de Abertura - Prof. Emir Suaiden
Palestra de Abertura - Prof. Emir SuaidenPalestra de Abertura - Prof. Emir Suaiden
Palestra de Abertura - Prof. Emir Suaiden
semanadobibliotecario
 
Aula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacao
Aula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacaoAula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacao
Aula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacao
Leticia Strehl
 
Automação de Bibliotecas: Gnuteca
Automação de Bibliotecas: GnutecaAutomação de Bibliotecas: Gnuteca
Automação de Bibliotecas: Gnuteca
Claudiane Weber
 
Atividade de Educação de Usuários do SiBi UFPR
Atividade de Educação de Usuários do SiBi UFPRAtividade de Educação de Usuários do SiBi UFPR
Atividade de Educação de Usuários do SiBi UFPR
Paula Carina De Araújo
 
OCLC WorldShare SNBU 2012
OCLC WorldShare SNBU 2012OCLC WorldShare SNBU 2012
OCLC WorldShare SNBU 2012
OCLC LAC
 
Tutorial ser 2011
Tutorial ser 2011Tutorial ser 2011
DOI - Digital Object Identifier: o que muda com acordo ABEC - CrossRef
DOI - Digital Object Identifier: o que muda com acordo ABEC - CrossRefDOI - Digital Object Identifier: o que muda com acordo ABEC - CrossRef
DOI - Digital Object Identifier: o que muda com acordo ABEC - CrossRef
Claudiane Weber
 

Destaque (20)

Biblivre
 Biblivre Biblivre
Biblivre
 
Biblivremanualdeoperao
BiblivremanualdeoperaoBiblivremanualdeoperao
Biblivremanualdeoperao
 
Relatório de avaliação da Biblioteca ESSPS - Domínio D
Relatório de avaliação da Biblioteca  ESSPS - Domínio DRelatório de avaliação da Biblioteca  ESSPS - Domínio D
Relatório de avaliação da Biblioteca ESSPS - Domínio D
 
Biblioteca básico
Biblioteca básicoBiblioteca básico
Biblioteca básico
 
Transformar as bibliotecas públicas portuguesas
Transformar as bibliotecas públicas portuguesasTransformar as bibliotecas públicas portuguesas
Transformar as bibliotecas públicas portuguesas
 
Tutorial seib serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiun
Tutorial seib   serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiunTutorial seib   serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiun
Tutorial seib serviço de empréstimo entre bibliotecas do sibiun
 
Treinamento graduação
Treinamento graduaçãoTreinamento graduação
Treinamento graduação
 
Aplicações web 2
Aplicações web 2Aplicações web 2
Aplicações web 2
 
Como o Tutor Deve Gerenciar a Biblioteca do e-ProInfo
Como o Tutor Deve Gerenciar a Biblioteca do e-ProInfoComo o Tutor Deve Gerenciar a Biblioteca do e-ProInfo
Como o Tutor Deve Gerenciar a Biblioteca do e-ProInfo
 
Biblioteca e desenvolvimento
Biblioteca e desenvolvimentoBiblioteca e desenvolvimento
Biblioteca e desenvolvimento
 
Bibliotecas escolares e universitárias
Bibliotecas escolares e universitáriasBibliotecas escolares e universitárias
Bibliotecas escolares e universitárias
 
Open biblio
Open biblioOpen biblio
Open biblio
 
Biblioteca
BibliotecaBiblioteca
Biblioteca
 
Palestra de Abertura - Prof. Emir Suaiden
Palestra de Abertura - Prof. Emir SuaidenPalestra de Abertura - Prof. Emir Suaiden
Palestra de Abertura - Prof. Emir Suaiden
 
Aula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacao
Aula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacaoAula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacao
Aula 3 - Modelo multifacetado de uso da informacao
 
Automação de Bibliotecas: Gnuteca
Automação de Bibliotecas: GnutecaAutomação de Bibliotecas: Gnuteca
Automação de Bibliotecas: Gnuteca
 
Atividade de Educação de Usuários do SiBi UFPR
Atividade de Educação de Usuários do SiBi UFPRAtividade de Educação de Usuários do SiBi UFPR
Atividade de Educação de Usuários do SiBi UFPR
 
OCLC WorldShare SNBU 2012
OCLC WorldShare SNBU 2012OCLC WorldShare SNBU 2012
OCLC WorldShare SNBU 2012
 
Tutorial ser 2011
Tutorial ser 2011Tutorial ser 2011
Tutorial ser 2011
 
DOI - Digital Object Identifier: o que muda com acordo ABEC - CrossRef
DOI - Digital Object Identifier: o que muda com acordo ABEC - CrossRefDOI - Digital Object Identifier: o que muda com acordo ABEC - CrossRef
DOI - Digital Object Identifier: o que muda com acordo ABEC - CrossRef
 

Semelhante a Arquivos Distritais-FAA-3ºano

O papel do arquivo distrital de évora na democratização do acesso ao patrimón...
O papel do arquivo distrital de évora na democratização do acesso ao patrimón...O papel do arquivo distrital de évora na democratização do acesso ao patrimón...
O papel do arquivo distrital de évora na democratização do acesso ao patrimón...
Jorge Janeiro
 
Bibliotecas Nacionais Brasileiras
Bibliotecas Nacionais BrasileirasBibliotecas Nacionais Brasileiras
Bibliotecas Nacionais Brasileiras
Margarida Ferreira
 
Apresentação Ana Lúcia Cerávolo
Apresentação Ana Lúcia CerávoloApresentação Ana Lúcia Cerávolo
Apresentação Ana Lúcia Cerávolo
bcoufscar
 
Quintas do Douro: História, Património e Desenvolvimento
Quintas do Douro: História, Património e DesenvolvimentoQuintas do Douro: História, Património e Desenvolvimento
Quintas do Douro: História, Património e Desenvolvimento
Pedro Abreu Peixoto
 
Metodologia de tratamento de arquivos de família no Arquivo Municipal de Vila...
Metodologia de tratamento de arquivos de família no Arquivo Municipal de Vila...Metodologia de tratamento de arquivos de família no Arquivo Municipal de Vila...
Metodologia de tratamento de arquivos de família no Arquivo Municipal de Vila...
Pedro Abreu Peixoto
 
Biblioteca nacional alunos
Biblioteca nacional   alunosBiblioteca nacional   alunos
Biblioteca nacional alunos
Biblio 2010
 
Biblioteca nacional paraguai peru-suriname
Biblioteca nacional paraguai peru-surinameBiblioteca nacional paraguai peru-suriname
Biblioteca nacional paraguai peru-suriname
Ana Faracini
 
Rede Bibliodata
Rede BibliodataRede Bibliodata
Rede Bibliodata
Klicia Mendonca
 
A política arquivística nacional e os arquivos da assistência social
A política arquivística nacional e os arquivos da assistência socialA política arquivística nacional e os arquivos da assistência social
A política arquivística nacional e os arquivos da assistência social
Jorge Janeiro
 
Repositório Filatélico Brasileiro (REFIBRA) - Philatelic Brazilian Repository
Repositório Filatélico Brasileiro (REFIBRA) - Philatelic Brazilian RepositoryRepositório Filatélico Brasileiro (REFIBRA) - Philatelic Brazilian Repository
Repositório Filatélico Brasileiro (REFIBRA) - Philatelic Brazilian Repository
Diego Salcedo
 
Arquivo do Porto
Arquivo do PortoArquivo do Porto
Arquivo do Porto
Filipa Martins
 
Tp2 FAA-grupo1
Tp2 FAA-grupo1Tp2 FAA-grupo1
Tp2 FAA-grupo1
Cristiana
 
Tp2 faa-grupo1
Tp2 faa-grupo1Tp2 faa-grupo1
Tp2 faa-grupo1
TanniaDuarte
 
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
Juliana Gulka
 
Rede concelhia de bibliotecas de São Brás de Alportel
Rede concelhia de bibliotecas de São Brás de AlportelRede concelhia de bibliotecas de São Brás de Alportel
Rede concelhia de bibliotecas de São Brás de Alportel
RBE Algarve
 
Patrimônio: Conhecer para... Preservar?
Patrimônio: Conhecer para... Preservar? Patrimônio: Conhecer para... Preservar?
Patrimônio: Conhecer para... Preservar?
Roberto Martins
 
3. carlos sangreman
3. carlos sangreman3. carlos sangreman
3. carlos sangreman
PatriciaVF
 
Sistema Embrapa de Bibliotecas
Sistema Embrapa de BibliotecasSistema Embrapa de Bibliotecas
Sistema Embrapa de Bibliotecas
Alanna Gianin
 
Requerimento 13 meta 12
Requerimento 13   meta 12Requerimento 13   meta 12
Requerimento 13 meta 12
RAPPER PIRATA
 
Câmera municipal de coimbra: Departamento Cultural
Câmera municipal de coimbra: Departamento CulturalCâmera municipal de coimbra: Departamento Cultural
Câmera municipal de coimbra: Departamento Cultural
Eduardo Albuquerque
 

Semelhante a Arquivos Distritais-FAA-3ºano (20)

O papel do arquivo distrital de évora na democratização do acesso ao patrimón...
O papel do arquivo distrital de évora na democratização do acesso ao patrimón...O papel do arquivo distrital de évora na democratização do acesso ao patrimón...
O papel do arquivo distrital de évora na democratização do acesso ao patrimón...
 
Bibliotecas Nacionais Brasileiras
Bibliotecas Nacionais BrasileirasBibliotecas Nacionais Brasileiras
Bibliotecas Nacionais Brasileiras
 
Apresentação Ana Lúcia Cerávolo
Apresentação Ana Lúcia CerávoloApresentação Ana Lúcia Cerávolo
Apresentação Ana Lúcia Cerávolo
 
Quintas do Douro: História, Património e Desenvolvimento
Quintas do Douro: História, Património e DesenvolvimentoQuintas do Douro: História, Património e Desenvolvimento
Quintas do Douro: História, Património e Desenvolvimento
 
Metodologia de tratamento de arquivos de família no Arquivo Municipal de Vila...
Metodologia de tratamento de arquivos de família no Arquivo Municipal de Vila...Metodologia de tratamento de arquivos de família no Arquivo Municipal de Vila...
Metodologia de tratamento de arquivos de família no Arquivo Municipal de Vila...
 
Biblioteca nacional alunos
Biblioteca nacional   alunosBiblioteca nacional   alunos
Biblioteca nacional alunos
 
Biblioteca nacional paraguai peru-suriname
Biblioteca nacional paraguai peru-surinameBiblioteca nacional paraguai peru-suriname
Biblioteca nacional paraguai peru-suriname
 
Rede Bibliodata
Rede BibliodataRede Bibliodata
Rede Bibliodata
 
A política arquivística nacional e os arquivos da assistência social
A política arquivística nacional e os arquivos da assistência socialA política arquivística nacional e os arquivos da assistência social
A política arquivística nacional e os arquivos da assistência social
 
Repositório Filatélico Brasileiro (REFIBRA) - Philatelic Brazilian Repository
Repositório Filatélico Brasileiro (REFIBRA) - Philatelic Brazilian RepositoryRepositório Filatélico Brasileiro (REFIBRA) - Philatelic Brazilian Repository
Repositório Filatélico Brasileiro (REFIBRA) - Philatelic Brazilian Repository
 
Arquivo do Porto
Arquivo do PortoArquivo do Porto
Arquivo do Porto
 
Tp2 FAA-grupo1
Tp2 FAA-grupo1Tp2 FAA-grupo1
Tp2 FAA-grupo1
 
Tp2 faa-grupo1
Tp2 faa-grupo1Tp2 faa-grupo1
Tp2 faa-grupo1
 
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
PROCEDIMENTOS DE INCORPORAÇÃO, CATALOGAÇÃO E REGISTRO NOS MUSEUS DE FLORIANÓP...
 
Rede concelhia de bibliotecas de São Brás de Alportel
Rede concelhia de bibliotecas de São Brás de AlportelRede concelhia de bibliotecas de São Brás de Alportel
Rede concelhia de bibliotecas de São Brás de Alportel
 
Patrimônio: Conhecer para... Preservar?
Patrimônio: Conhecer para... Preservar? Patrimônio: Conhecer para... Preservar?
Patrimônio: Conhecer para... Preservar?
 
3. carlos sangreman
3. carlos sangreman3. carlos sangreman
3. carlos sangreman
 
Sistema Embrapa de Bibliotecas
Sistema Embrapa de BibliotecasSistema Embrapa de Bibliotecas
Sistema Embrapa de Bibliotecas
 
Requerimento 13 meta 12
Requerimento 13   meta 12Requerimento 13   meta 12
Requerimento 13 meta 12
 
Câmera municipal de coimbra: Departamento Cultural
Câmera municipal de coimbra: Departamento CulturalCâmera municipal de coimbra: Departamento Cultural
Câmera municipal de coimbra: Departamento Cultural
 

Mais de CTDI Grupo5

Gestão de conteúdos em aplicações baseadas na web- AI - 3ºAno
Gestão de conteúdos em aplicações baseadas na web- AI - 3ºAnoGestão de conteúdos em aplicações baseadas na web- AI - 3ºAno
Gestão de conteúdos em aplicações baseadas na web- AI - 3ºAno
CTDI Grupo5
 
Plataformas de Gestão de Conteúdos-AI-3ºano
Plataformas de Gestão de Conteúdos-AI-3ºanoPlataformas de Gestão de Conteúdos-AI-3ºano
Plataformas de Gestão de Conteúdos-AI-3ºano
CTDI Grupo5
 
Ferramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºano
Ferramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºanoFerramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºano
Ferramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºano
CTDI Grupo5
 
Principio do Envolvimento das Pessoas-GQ-3ºano
Principio do Envolvimento das Pessoas-GQ-3ºanoPrincipio do Envolvimento das Pessoas-GQ-3ºano
Principio do Envolvimento das Pessoas-GQ-3ºano
CTDI Grupo5
 
Cloud Computing-IS-2ºano
Cloud Computing-IS-2ºanoCloud Computing-IS-2ºano
Cloud Computing-IS-2ºano
CTDI Grupo5
 
Sistemas Computacionais-SC-2ºano
Sistemas Computacionais-SC-2ºanoSistemas Computacionais-SC-2ºano
Sistemas Computacionais-SC-2ºano
CTDI Grupo5
 
Indexação-AI2-2ºano
Indexação-AI2-2ºanoIndexação-AI2-2ºano
Indexação-AI2-2ºano
CTDI Grupo5
 
Planos de Classificação-RIA-1ºano
Planos de Classificação-RIA-1ºanoPlanos de Classificação-RIA-1ºano
Planos de Classificação-RIA-1ºano
CTDI Grupo5
 
Analise Documental-AI1-1ºano
Analise Documental-AI1-1ºanoAnalise Documental-AI1-1ºano
Analise Documental-AI1-1ºano
CTDI Grupo5
 
Implementação de um sistema de gestão-AMS -1ºano
Implementação de um sistema de gestão-AMS -1ºanoImplementação de um sistema de gestão-AMS -1ºano
Implementação de um sistema de gestão-AMS -1ºano
CTDI Grupo5
 
Comunicação Interativa-IMD-1ºano
Comunicação Interativa-IMD-1ºanoComunicação Interativa-IMD-1ºano
Comunicação Interativa-IMD-1ºano
CTDI Grupo5
 

Mais de CTDI Grupo5 (11)

Gestão de conteúdos em aplicações baseadas na web- AI - 3ºAno
Gestão de conteúdos em aplicações baseadas na web- AI - 3ºAnoGestão de conteúdos em aplicações baseadas na web- AI - 3ºAno
Gestão de conteúdos em aplicações baseadas na web- AI - 3ºAno
 
Plataformas de Gestão de Conteúdos-AI-3ºano
Plataformas de Gestão de Conteúdos-AI-3ºanoPlataformas de Gestão de Conteúdos-AI-3ºano
Plataformas de Gestão de Conteúdos-AI-3ºano
 
Ferramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºano
Ferramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºanoFerramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºano
Ferramentas da Gestão da Qualidade-GQ-3ºano
 
Principio do Envolvimento das Pessoas-GQ-3ºano
Principio do Envolvimento das Pessoas-GQ-3ºanoPrincipio do Envolvimento das Pessoas-GQ-3ºano
Principio do Envolvimento das Pessoas-GQ-3ºano
 
Cloud Computing-IS-2ºano
Cloud Computing-IS-2ºanoCloud Computing-IS-2ºano
Cloud Computing-IS-2ºano
 
Sistemas Computacionais-SC-2ºano
Sistemas Computacionais-SC-2ºanoSistemas Computacionais-SC-2ºano
Sistemas Computacionais-SC-2ºano
 
Indexação-AI2-2ºano
Indexação-AI2-2ºanoIndexação-AI2-2ºano
Indexação-AI2-2ºano
 
Planos de Classificação-RIA-1ºano
Planos de Classificação-RIA-1ºanoPlanos de Classificação-RIA-1ºano
Planos de Classificação-RIA-1ºano
 
Analise Documental-AI1-1ºano
Analise Documental-AI1-1ºanoAnalise Documental-AI1-1ºano
Analise Documental-AI1-1ºano
 
Implementação de um sistema de gestão-AMS -1ºano
Implementação de um sistema de gestão-AMS -1ºanoImplementação de um sistema de gestão-AMS -1ºano
Implementação de um sistema de gestão-AMS -1ºano
 
Comunicação Interativa-IMD-1ºano
Comunicação Interativa-IMD-1ºanoComunicação Interativa-IMD-1ºano
Comunicação Interativa-IMD-1ºano
 

Último

(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
dataprovider
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
eltinhorg
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 

Último (20)

(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
 
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdfEXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
EXERCÍCIOS ARTRÓPODES E EQUINODERMAS.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 

Arquivos Distritais-FAA-3ºano

  • 2. 2 Sumário • Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo • Arquivo Distrital de Bragança • Arquivo Distrital de Évora • Arquivo Distrital da Guarda • Arquivo Distrital de Viana do Castelo • Quadro Comparativo do sítio web • Perguntas • Considerações Finais • Bibliografia
  • 3. 3 Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo – Percurso Histórico A Biblioteca Pública e o Arquivo Regional de Angra do Heroísmo constituem um único organismo, Biblioteca e Arquivo, o qual é legalmente designado como organismo periférico da Direção Regional da Cultura, estão instalados no Palácio Bettencourt, sito na rua da Rosa, 49, em Angra do Heroísmo, formando um único organismo.
  • 4. 4 Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo - Mapa
  • 5. 5 Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo – Missão e Objetivos A Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo norteia-se pelos princípios enunciados no Manifesto da UNESCO sobre as Bibliotecas Públicas e neste mesmo quadro disponibilizam à população um conjunto de serviços (presenciais e on-line) que favorecem a leitura, o estudo, a investigação, o conhecimento e uma vida intelectual e cultural ativa.
  • 6. 6 Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo - Serviços O Arquivo Regional de Angra do Heroísmo, disponibiliza ao público um serviço de pesquisas http://digitarq.adbgc.dgarq.gov.pt, podendo ser solicitadas via correio eletrónico, CTT ou por telefone.
  • 7. 7 Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo Profissionais O número de profissionais a exercer funções no Arquivo Regional de Angra do Heroísmo são 5: • 2 Técnicos Superiores • 3 Assistentes Técnicos Contacto Marcolino Candeias – telefone: 295401000 Endereço Biblioteca Pública & Arquivo Regional de Angra do Heroísmo Palácio Bettencourt, rua da Rosa, 49 9700-171 Angra do Heroísmo (Portugal)
  • 8. 8 Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo - Acervo • Documentos provenientes das mais diversas repartições e serviços da administração civil e militar das ilhas que constituem o grupo central. • Documentos de origem religiosa e outros de origem privada institucional, como os das misericórdias, de associações, etc. • Documentação de natureza familiar • Documentos produzidos pelas instituições político- administrativas e militares de todas as nove ilhas do arquipélago
  • 9. 9 Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo – Classificação Arquivística A classificação constitui-se em uma primeira etapa descritiva, orienta o arquivamento e permite o acesso aos documentos contidos nos arquivos, além de lançar as bases seguras para a avaliação. Os instrumentos resultantes da atividade de classificação são o Código de Classificação Documental e o Plano de Classificação Documental.
  • 10. 10 Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo – Instrumentos de Acesso Na Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo os instrumentos de acesso são: guia de fundos, inventários, catálogos, índices.
  • 11. 11 Arquivo Distrital de Bragança – Percurso Histórico O regime republicano legislou no sentido de criar Arquivos Distritais para custodiar sobretudo a documentação eclesiástica, confiscada após a Revolução de 1910. Foi na sequência dessa legislação que, em 29 de Novembro de 1916, Bernardino Machado decretou a criação da Biblioteca Pública de Bragança, com um Arquivo Distrital anexo.
  • 12. 12 Arquivo Distrital de Bragança – Percurso Histórico Destinavam-se ambos a incorporar os importantes núcleos de espécies manuscritas e impressas existentes na região, na sequência da vasta legislação cultural dos primeiros anos da República, cujo ideário engrandecia a missão das bibliotecas de que dependia o futuro e dava um papel de importância decisiva aos Arquivos dos quais dependia o passado.
  • 13. 13 Arquivo Distrital de Bragança – Mapa
  • 14. 14 Arquivo Distrital de Bragança – Missão O Arquivo Distrital de Bragança tem como missão preservar e valorizar, no âmbito do distrito, o património arquivístico de interesse histórico e cultural, bem como assegurar a defesa do interesse público garantindo acesso à documentação à sua guarda, promovendo o seu conhecimento e a sua divulgação cultural e educativa.
  • 15. 15 Arquivo Distrital de Bragança – Objetivos • Contribuir para a consolidação da rede de arquivos cooperantes, prestando apoio técnico às instituições do distrito. • Contribuir para a preservação do património arquivístico, assegurando a incorporação dos fundos documentais, definidos na legislação em vigor. • Ampliar a disponibilidade e a acessibilidade à informação de arquivo, realizando instrumentos de pesquisa da documentação à sua guarda. • Incrementar a qualidade e produtividade do serviço, aumentando a capacidade de resposta a pedidos de serviço. • Promover a diversificação de públicos, realizando atividades culturais e educativas.
  • 16. 16 Arquivo Distrital de Bragança – Serviços • Acesso à documentação custodiada • Emissão de certidões • Reprodução de documentos • Informação sobre os arquivos custodiados • Informação sobre documentação do distrito existente noutros arquivos • Consultoria na área da Arquivística • Empréstimo de documentos para exposições • Programação e acompanhamento de visitas de estudo • Orientação de estágios profissionais • Averbamentos (desde que comunicados pela entidade competente) • Incorporação dos arquivos definidos pela lei • Aquisição de outros arquivos, públicos ou privados, de interesse para o distrito
  • 17. 17 Arquivo Distrital de Bragança Profissionais O total de profissionais a exercer funções no arquivo são 9: 2 administrativos, 2 técnicos superiores e 5 assistentes operacionais. Contacto Alda Berenguel (273 300 277) Endereço Arquivo Distrital de Bragança Rua Miguel Torga 5300-037 BRAGANÇA
  • 18. 18 Arquivo Distrital de Bragança – Acervo • Fundos: Fundos Públicos; Fundos Judiciais; Fundos Notariais; Fundos Paroquiais; Governo Civil; Administração Local; Finanças; Fundos Privados; Diocesanos; Monásticos; Confrarias; Misericórdias; Pessoais; Famílias. • Coleções: Livro Antigo; Pergaminhos; Hemeroteca; Legislação; Iconografia.
  • 19. 19 Arquivo Distrital de Bragança – Classificação Arquivística No Arquivo Distrital de Bragança existem vários planos de classificação, depende de cada fundo. Neste caso podem ser funcional ou orgânico-funcional.
  • 20. 20 Arquivo Distrital de Bragança – Instrumentos de Acesso No Arquivo Distrital de Bragança, os instrumentos de acesso são: presencial ou on-line, inventários, guia de fundos, índices e DIGITARQ.
  • 21. 21 Arquivo Distrital de Évora – Percurso Histórico O Arquivo Distrital de Évora é um dos mais antigos do país. Surgiu da necessidade de agrupar documentação da Diocese e do Distrito de Évora relevante para a história da região guardada na Biblioteca Pública de Évora ao título provisório. Esta ligação entre a Biblioteca Pública e o Arquivo Distrital de Évora fez com que todo o tipo de fundo histórico e cultural ali depositado fomentasse num avultado acervo que contribui de forma relevante para o património de Évora desde o século XVI.
  • 22. 22 Arquivo Distrital de Évora – Mapa
  • 23. 23 Arquivo Distrital de Évora – Missão e Objetivos • Proceder ao levantamento e diagnóstico do estado físico da documentação de que é depositário e assegurar a implementação das políticas de preservação e conservação definidas pela DGARQ; • Proceder ao tratamento arquivístico da documentação à sua guarda e elaborar os respetivos instrumentos de descrição e pesquisa, de acordo com as orientações da DGARQ; • Promover o acesso aos fundos documentais de que é depositário, implementando sistemas de descrição, pesquisa e acesso aos documentos de acordo com as orientações da DGARQ; • Assegurar a prestação de serviços de consulta, de reprodução, de certificação e de pesquisa sobre a documentação de que é depositário;
  • 24. 24 Arquivo Distrital de Évora – Missão e Objetivos • Efetuar averbamentos sobre documentação incorporada, quando solicitada pelas entidades competentes; • Garantir o cumprimento da legislação sobre comunicabilidade e sobre proteção de dados no acesso à documentação de que é depositário; • Promover o conhecimento e a fruição do património arquivístico de que é depositário, bem como do existente na respetiva área geográfica de intervenção, autonomamente ou em colaboração com outras entidades; • Prestar serviços de consultoria e apoio técnico e apoiar os serviços centrais da DGARQ na gestão de programas e na promoção de iniciativas e projetos, na respetiva área geográfica de intervenção.
  • 25. 25 Arquivo Distrital de Évora – Serviços Este serviço, constituído por aproximadamente 2000 títulos de várias áreas permite o acesso ao património arquivístico a qualquer cidadão desde que este possui identificação, mediante o preenchimento de uma requisição. Pode não entanto acontecer que certos documentos sigam algumas restrições de consulta pela sua antiguidade ou degradação e como tal não pode ser manipulado.
  • 26. 26 Arquivo Distrital de Évora Profissionais O número de funcionários a exercer funções no Arquivo distrital de Évora são 11. Contacto Pedro Pereira (266 006 600) Endereço Arquivo Distrital de Évora Largo dos Colegiais, 3 7000-803 ÉVORA
  • 27. 27 Arquivo Distrital de Évora – Acervo O Arquivo Distrital de Évora tem em sua posse mais de 170 fundos, oriundos de entidades públicas e privadas do distrito de Évora. A documentação mais antiga é do séc. XIV e a mais recente do XXI, num total superior a 3200 metros lineares, sistematizada no Guia de Fundos ADEVR_Versão_02.
  • 28. 28 Arquivo Distrital de Évora – Classificação Arquivística Classificação é um conjunto de operações intelectuais e físicas que visa representar os documentos de arquivo de acordo com as estruturas, atividades e funções do organismo produtor. Através dela é possível visualizar a ligação dos documentos com as respetivas atividades e funções que lhe deram origem. Por isso a classificação é lógica. A classificação constitui-se em uma primeira etapa descritiva, orienta o arquivamento e permite o acesso aos documentos contidos nos arquivos, além de lançar as bases seguras para a avaliação. Os instrumentos resultantes da atividade de classificação são o Código de Classificação Documental e o Plano de Classificação Documental.
  • 29. 29 Arquivo Distrital de Évora – Instrumentos de Acesso • DigitArq: http://digitarq.adevr.dgarq.gov.pt/ • Inventários, • Guia de fundos: http://adevr.dgarq.gov.pt/fundos-e- coleccoes/
  • 30. 30 Arquivo Distrital da Guarda – Percurso Histórico A 1 de Outubro de 1982, a Direção Geral do Património do Estado, cede ao Instituto Português do Património Cultural, o edifício do antigo Convento de São Francisco da Guarda, que recentemente tinha deixado de ser quartel e sede do Regimento de Infantaria n.º 12. Após obras de adaptação numa pequena parte do edifício, o Arquivo Distrital da Guarda, começaria a funcionar em Setembro de 1984. A incorporação de documentação proveniente de diversos organismos públicos e privados de todo o Distrito, cedo quase esgotou a pequena capacidade de depósito de então.
  • 31. 31 Arquivo Distrital da Guarda – Mapa
  • 32. 32 Arquivo Distrital da Guarda – Missão O Arquivo Distrital da Guarda, conforme estipulado pelo Decreto-Lei n.º 93/2007 de 29 de Março, é um arquivo de âmbito regional, dependente da Direcção-Geral de Arquivos (DGARQ), serviço da administração direta do Estado, que é tutelado pela Secretaria de Estado da Cultura (Orgânica do XIX Governo Constitucional - Decreto-Lei nº 86-A/2011 de 12 de Julho).
  • 33. 33 Arquivo Distrital da Guarda – Serviços • Incorporações • Consultoria & Apoio Técnico • Certidões & Reprodução de Documentos • Visitas ao Arquivo • Leitura • Cedência de Espaços
  • 34. 34 Arquivo Distrital da Guarda Profissionais Atualmente o ADG tem a exercer funções 7 profissionais, dos quais um Dirigente Chefe de Divisão, um Técnico Superior, um Assistente Técnico e quatro Assistentes Operacionais. Contacto mail@adgrd.dgarq.gov.pt. Endereço Largo General Humberto Delgado, 6300-694 Guarda
  • 35. 35 Arquivo Distrital da Guarda – Públicos de origem: Acervo • Administração Central Desconcentrada do Estado • Administração Regional e Local • Judiciais • Associações • Notariais • Paroquiais • Registo Civil Privados de origem: • Diocesanos • Famílias • Empresas Coleções: • Memórias Paroquiais
  • 36. 36 Arquivo Distrital da Guarda – Classificação Arquivística No ADG existem planos de classificação funcionais, orgânicos, e orgânico-funcionais.
  • 37. 37 Arquivo Distrital da Guarda – Instrumentos de Acesso No ADG os instrumentos de acesso são constituídos por catálogos, inventários e repositórios de acesso em ambiente web.
  • 38. 38 Arquivo Distrital de Viana do Castelo – Percurso Histórico Foi criado, em 1965, pelo Decreto 46 350, de 22 de Maio, mas, por falta de apoio das estruturas locais, só vinte anos mais tarde, viria a entrar em funções. Com efeito, apenas a 18 de Maio de 1983, pôde ser assegurada a sua instalação pela Direcção-Geral do Património do Estado que cedeu, para essa finalidade, o edifício da antiga Casa da Vedoria ao Instituto Português do Património Cultural, que tutelava, na época, a Rede dos Arquivos Distritais.
  • 39. 39 Arquivo Distrital de Viana do Castelo – Mapa
  • 40. 40 Arquivo Distrital de Viana do Castelo – Missão e Objetivos • Melhorar a qualidade dos serviços prestados aos utilizadores; • Otimizar a difusão da informação; • Contribuir para a divulgação e consolidação de políticas de preservação digital; • Assegurar o apoio à rede dos arquivos da região do Alto Minho; • Aumentar a acessibilidade aos conteúdos dos documentos de arquivo na web; • Divulgar informação relativa à Implantação da República no distrito de Viana do Castelo; • Aumentar a qualidade dos serviços prestados; • Garantir a melhoria da capacidade de resposta do serviço aos pedidos de certidões que não envolvam pesquisa
  • 41. 41 Arquivo Distrital de Viana do Castelo – Serviços • Acesso à documentação custodiada; • Emissão de certidões; • Reprodução de documentos; • Informação sobre os arquivos custodiados; • Informação sobre documentação do distrito existente noutros arquivos; • Consultoria na área da Arquivística; • Empréstimo de documentos para exposições;
  • 42. 42 Arquivo Distrital de Viana do Castelo – Serviços • Programação e acompanhamento de visitas de estudo; • Orientação de estágios profissionais; • Averbamentos (desde que comunicados pela entidade competente); • Incorporação dos arquivos definidos pela lei; • Aquisição de outros arquivos, públicos ou provados, de interesse para o distrito.
  • 43. 43 Arquivo Distrital de Viana do Castelo Profissionais O número de profissionais a exercer funções no Arquivo Distrital de Viana do Castelo são 5. 1 Chefe de Divisão 1 Técnico Superior 3 Assistentes Técnicos Contacto Maria Clotilde Amaral (25880062) Endereço Arquivo Distrital de Viana do Castelo Rua Manuel Espregueira, 140 4900-318 VIANA DO CASTELO
  • 44. 44 Arquivo Distrital de Viana do Castelo - Acervo • Paroquiais • Notariais • Judiciais • Juntas de freguesia • Polícia de Segurança Pública • Misericórdia • Outras Irmandades • Junta Geral do Distrito de Viana do Castelo • Junta Central das Casas do Povo • Serviços hidráulicos • Arquivos Pessoais e de Família
  • 45. 45 Arquivo Distrital de Viana do Castelo - Acervo • Junta Central das Casas do Povo • Serviços hidráulicos • Arquivos Pessoais e de Família • Administração do Concelho • Núcleo de Saneamento Básico • Escolas e outros Estabelecimentos de ensino • Conservatórias do Registo Civil • Alfândega de Viana do Castelo • Mapas cartográficos • Governo Civil de Viana do Castelo
  • 46. 46 Arquivo Distrital de Viana do Castelo – Classificação Arquivística No Arquivo Distrital de Viana do Castelo, existe plano de classificação, neste caso trata-se de uma classificação funcional.
  • 47. 47 Arquivo Distrital de Viana do Castelo – Instrumentos de Acesso No arquivo Distrital de Viana do Castelo os instrumentos de acesso são: guia de fundos, inventários, catálogos, índices.
  • 48. 48 Perguntas 1. Quais as principais funções da DGARQ ? Exerce simultaneamente funções de arquivo histórico, tutela direta sobre arquivo na medida em que integra o arquivo nacional e quase a totalidade dos arquivos distritais, funções de superintendência técnica e normativa sobre todo o setor de arquivos do pais, coordenação da rede nacional de arquivos, bem como funções de execução da política arquivística nacional definida pelo governo da República, a quem pode aconselhar na matéria.
  • 49. 49 Perguntas 2. O que são Arquivos distritais? De acordo com a Lei Geral dos Arquivos Distritais, estes incorporam obrigatoriamente os documentos produzidos pelas Conservatórias do Registo civil, pelos Cartórios Notariais e pelos Tribunais na área do distrito em que se inserem.
  • 50. 50 Perguntas 3. O que é a Mediação? Mediação em termos genéricos é o processo de intervenção de um elemento intermediário numa relação, a relação deixa, então, de ser direta e passa a ser mediada por esse elemento. O processo de mediação, por meio de instrumentos e signos, é fundamental para o desenvolvimento das funções psicológicas superiores, distinguindo o homem dos outros animais. A mediação é um processo essencial para tornar possíveis as atividades psicológicas voluntárias, intencionais, controladas pelo próprio indivíduo.
  • 51. 51 Perguntas 4. Que tipo de acervo constitui um Arquivo Distrital? A documentação que os Arquivos Distritais devem? Obrigatoriamente incorporar consiste em: arquivos das conservatórias do registo civil com mais de cem anos, fundamentalmente os registos paroquial e civil, arquivos dos cartórios notariais com mais trinta anos, arquivos dos tribunais com mais de trinta anos, arquivos dos tribunais com mais de trinta cinco anos apos os processos serem dados como findos, arquivos dos organismos da administração central extintos e serviços cessantes.
  • 52. 52 Perguntas 5. De entre as páginas web dos arquivos que estudamos nomeadamente os arquivos distritais de Évora, Açores, Guarda, Viana do Castelo e Beja, qual é a que permite melhor acessibilidade? E a página web de Guarda porque apresenta a informação de uma forma completa e organizada.
  • 53. 53 Considerações Finais Com a elaboração deste trabalho foi-nos permitida a visualização da complexidade da obtenção de informação relativa a um Distrito, por outro lado é percetível a imensidão de informação que pode ser explorada nos dias de hoje
  • 54. 54 Bibliografia • AÇORES, Biblioteca Pública & Arquivo Regional de Angra do Heroísmo. [em linha]. [Consult. 30 Out. 2012]. Disponível em WWW : <URL : http://www.bparah.azores.gov.pt/html/index.html>. • BRAGANÇA, Arquivo Distrital. [em linha]. [Consult. 30 Out.2012]. Disponível em WWW : <URL : http://adbgc.dgarq.gov.pt/>. • ÉVORA, Arquivo Distrital de. [em linha]. [Consult. 30 Out. 2012]. Disponível em WWW : <URL : http://adevr.dgarq.gov.pt/>. • GUARDA, Arquivo Distrital – Documentos de destaque. [em linha]. [Consult. 3 Nov. 2012]. Disponível em WWW : <URL : http://www.adguarda.pt/>. • MARTINS, Onilza Borges; MOSER, Alvino - Conceito de mediação em Vygotsky, Leontiev e Wertsch. [em linha]. [s.l]: [s.n], 2012, p. 9-10. [Consult. a 30 de Nov de 2012]. Disponível em WWW: <URL.http://www.grupouninter.com.br/intersaberes/index.php/revista/article/download/245/1 54> • RIBEIRO, Fernanda- O acesso à informação nos arquivos. [em linha].[Consult. 28 out. 2012]. Disponível em WWW: <URL: http://ler.letras.up.pt/site/default.aspx?qry=id06id131&sum=si> • VIANA DO CASTELO, Arquivo Distrital. [em linha]. [Consult. 30 Out. 2012]. Disponível em WWW : <URL : http://advct.dgarq.gov.pt/>.
  • 55. 55 Informações  Curso: Licenciatura em Ciências e Tecnologias da Documentação e Informação  Unidade Curricular: Formação Avançada em Arquivo  Ano Letivo: 2012/2013 Contactos: o Andrea Sofia da Silva Moreira Campos (9100005) andreacampos@eu.ipp.pt o Diana Andreia Winstanley Oliveira (9100011) diana.winstanley.oliveira@eu.ipp.pt o Suzanna Lopes Fernandes Guedes (9100306) suzannaguedes@eu.ipp.pt o Zita Cristina Martins Manso (9100307) zmanso@eu.ipp.pt