SlideShare uma empresa Scribd logo
O Segundo Reinado (1840-89)
Liberais: profissionais liberais urbanos, latifundiarios ligados a produção para
o mercado interno (áreas mais novas)
 Conservadores: grandes comerciantes, latifundiarios ligados ao mercado externo,
Três fases
2 Correntes políticas
Poder Legislativo
subordinado ao Executivo
Imperador – peça central
nas decisões
Parlamentarismo às avessas
Lei de Terras (1850)
 Terras sem registro = devolutas (pertencentes ao Estado)
 Regularização mediante compra de registro
Consequências:
 Pequenos proprietários perdem suas terras
 Concentração de terras nas mãos de grandes latifundiários
 Imigrantes e escravos libertos sem acesso a terra
 Mão-de-obra barata e numerosa para grandes latifundiários
Política Externa
Conflitos platinos:
 Causa básica: controle da navegação na
Bacia do Prata.
 Causas secundárias:
 Disputas territoriais e enfraquecimento de
rivais.
 Acesso a províncias do interior, especialmente
Mato Grosso.
 Situação no URUGUAI: 2 partidos rivais:
 Blancos – estancieiros, interior pró-
Argentina, líder - ORIBE;
 Colorados – comerciantes, Montevidéu,
pró-Brasil líder - RIVERA.
 Situação na ARGENTINA: Buenos Aires X Interior
 Buenos Aires: Rosas (apoiado pelos Blancos do Uruguai). Interior (Corrientes e
Entre-Ríos) : Urquiza (apoiado pelos Colorados do Uruguai e pelo Brasil).]
 1850: Guerra contra Oribe e Rosas: Brasil invade Uruguai e ARG e depõe seus
governantes. Assumem Rivera (Colorado) no Uruguai e Urquiza na Argentina.
 1864: Guerra contra Aguirre (Uruguai – Blanco): Brasil invade o Uruguai,
Aguirre e coloca em seu lugar o colorado Venâncio Flores.
 Equilíbrio no Prata é rompido. Aguirre tinha acordo com o líder paraguaio
Solano López.
A Questão Cristie (1863–1865)
 Rompimento de relações diplomáticas entre Brasil e Inglaterra.
 Causas: Roubo de carga de navio inglês naufragado no Rio Grande do Sul (Inglaterra
exige indenização);
 Prisão de marinheiros ingleses no Rio de Janeiro (Inglaterra exige desculpas).
 W. D. Christie (embaixador inglês no Brasil) aprisiona 5 navios brasileiros no porto
do Rio de Janeiro a título de indenização.
 Brasil paga indenização mas exige desculpas da ING por invadir porto do RJ.
 Arbítrio internacional de Leopoldo I (Bélgica) favorável ao Brasil;
 Brasil rompe relações diplomáticas com a Inglaterra.
 Inglaterra desculpa-se oficialmente em 1865.
Guerra da Tríplice Aliança
Maior conflito armado da América Latina:
 Antecedentes: Paraguai sem dívida externa, sem escravidão,
analfabetismo e miséria, com indústrias, estradas de ferro,
universidades, telégrafo, exército desenvolvido, governado
ditatorialmente por Solano López
Causas:
 Paraguai sem saída para o mar;
 Rompimento de relações diplomáticas com o Brasil (represália a invasão do Uruguai e deposição de Aguirre);
 Apresamento do navio MarquesdeOlinda pelo Paraguai;
 Invasão do Paraguai ao MT e Argentina (1865);
 Triplice Aliança - Brasil, Uruguai, Argentina X Paraguai;
 Inglaterra: retaguarda (empréstimo e vendas de armas).
Consequências:
 Paraguai: 600 mil mortos (99% dos
homens), dívidas, perdas territoriais
 Brasil: Endividamento,
fortalecimento politico do exército,
crise do escravismo e Império
 Inglaterra: Afirmação de interesses
econômicos na região
A economia cafeeira;
 Principal produto
 Mercado externo (EUA/EUROPA)/Alto valor
 Solo (“terra roxa”) e clima favoráveis.
 Região Sudeste.
 Desenvolvimento dos transportes (estradas de ferro, portos).
 Desenvolvimento de comunicações (telégrafo, telefone).
 Desenvolvimento de atividades urbanas paralelas (comércio, bancos, indústrias)
Vale do Paraíba (RJ – SP): 1ª zona de cultivo. Início no final do séculoXVIII.
 Latifúndio escravista tradicional, sem inovações técnicas. Principalmente até aproximadame
1860-70.
Oeste paulista: 2ª zona de cultivo. Início aproximadamente a partir de 1850.
 Tecnologicamente mais avançado. Introdução do trabalho de imigrantes paralelamente
escravismo. “Terra Roxa”.
Açúcar: decadência
 Concorrência externa.
 Açúcar de beterraba (Europa).
 Queda no preço.
Outros produtos:
 Algodão(Maranhão): importante entre 1861 e 1865 (18%)
 Guerra de Secessão (EUA)
 Borracha (Amazonas e Pará): importante a partir de 1880 (8%)
 II Revolução Industrial – automóveis.
 Couros e peles (6 – 8%)
 Fumo (2 – 3%)
Imigração
 Superação da crise do escravismo
 Mito do embranquecimento
 Necessidade de mão-de-obra
 Crise economica e social em países europeus
 Oposição inglesa (Bill Aberdeen – 1845)
 Lei Eusébio de Queirós (1850):
 Fim do tráfico de escravos
 Tráfico interprovincial
 Aumento do valor de escravos
• Movimeto abolicionista: intelectuais, camadas
médias urbanas, setores do exército
 Prolongamento da escravidão:
 Lei do Ventre Livre (1871)
 Lei do Sexagenário (1885)
 Radicalização do movimento abolicionista
 Lei Áurea (1888):
 Fim da escravidão sem idenização
 Marginalização dos negros
 Crise política no império
Crise do escravismo
Crise geral do
Império (a partir de 1870)
Questão religiosa
 Igreja atrelada ao Estado (Constituição de 1824)
 Padroado e Beneplácito
 1864 – Bulla Syllabus (Papa Pio IX): maçons expulsos
dos quadros da igreja
 D. Pedro proíbe tal determinação no Brasil:
 Bispos de Olinda e Belém descuprem e são presos
 Igreja deixa de prestar apoio ao Imperador
 Exército desprestigiado pelo governo:
baixos salários, pouca aparelhagem e
investimentos.
 Exército fortalecido como corporação
após Guerra do Paraguai
 Punições do governo a oficiais que
manifestavam-se publicamente
 Penetração de idéias abolicionistas e
republicanas positivistas nos quadros do
exército associam o Império ao atraso
institucional e tecnológico do país.
Questão Militar
–
Abolição da Escravidão (1888) retira do governo
imperial sua última base de sustentação:
aristocracia tradicional.
 Império é atacado por todos os setores, sendo
associado ao atraso e decadência.
Questão Abolicionista
LEI ÁUREA
Questão Republicana
 1870: Manifesto Republicano (Rio de Janeiro) – dissidência radical do Partido
Liberal.
 1873: Fundação do PRP (Partido Republicano Paulista), vinculado a importantes
cafeicultores do Estado.
 Descompasso entre poderio econômico dos cafeicultores do Oeste Paulista e sua
pequena participação política.
 Abolicionismo em contradição com o escravismo defendido por velhas elites
aristocráticas cariocas.
 Ideia do Federalismo – maior autonomia estadual
 Apoio de classes médias urbanas, também pouco representadas pelo governo
imperial
1888 – D. Pedro II tenta implementar reformas políticas inspiradas no
republicanismo através de Visconde de Ouro Preto:
 Autonomia provincial, liberdade de culto e ensino, senado temporário, facilidades de
crédito...
 Reformas negadas pelo parlamento que é dissolvido pelo imperador.
 Republicanos espalham boatos de supostas prisões de líderes militares.
Marechal Deodoro da Fonseca lidera rebelião que depõe D. Pedro II.
Proclamação da
República
II REINADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segundo reinado completo
Segundo reinado   completoSegundo reinado   completo
Segundo reinado completo
Pérysson Nogueira
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Alexandre Protásio
 
O 2º reinado 1840 - 1889
O 2º reinado   1840 - 1889O 2º reinado   1840 - 1889
O 2º reinado 1840 - 1889
Nelia Salles Nantes
 
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obraSegundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Lú Carvalho
 
Brasil império II reinado (1840-1889)
Brasil império II reinado (1840-1889)Brasil império II reinado (1840-1889)
Brasil império II reinado (1840-1889)
Privada
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
José Augusto Fiorin
 
2º Reinado no Brasil
2º Reinado no Brasil2º Reinado no Brasil
2º Reinado no Brasil
ElvisJohnR
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
Rodrigo HistóriaGeografia
 
Brasil: Do II Reinado à República Velha.
Brasil: Do II Reinado à República Velha.Brasil: Do II Reinado à República Velha.
Brasil: Do II Reinado à República Velha.
Sofia Augusta Knoll da Rosa
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Murilo Resende
 
Apresentação segundo reinado 2011
Apresentação segundo reinado 2011Apresentação segundo reinado 2011
Apresentação segundo reinado 2011
ProfessoresColeguium
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
Hallan de Oliveira
 
Aula 2 ano g
Aula 2 ano gAula 2 ano g
Aula 2 ano g
Andre strutz
 
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinadoBrasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
Carlos Zaranza
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Sebastião Herodes
 
Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)
Marilia Pimentel
 
O café no Segundo Reinado e a Proclamação da República
O café no Segundo Reinado e a Proclamação da RepúblicaO café no Segundo Reinado e a Proclamação da República
O café no Segundo Reinado e a Proclamação da República
Alinnie Moreira
 
2º médio segundo reinado aulas 14 e 15
2º médio segundo reinado aulas 14 e 152º médio segundo reinado aulas 14 e 15
2º médio segundo reinado aulas 14 e 15
Lú Carvalho
 
Segundo reinado (1840 – 1889)
Segundo reinado (1840 – 1889)Segundo reinado (1840 – 1889)
Segundo reinado (1840 – 1889)
Vagner Roberto
 

Mais procurados (20)

Segundo reinado completo
Segundo reinado   completoSegundo reinado   completo
Segundo reinado completo
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
O 2º reinado 1840 - 1889
O 2º reinado   1840 - 1889O 2º reinado   1840 - 1889
O 2º reinado 1840 - 1889
 
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obraSegundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
Segundo Reinado: modernização conservadora e o problema da mão-de-obra
 
Brasil império II reinado (1840-1889)
Brasil império II reinado (1840-1889)Brasil império II reinado (1840-1889)
Brasil império II reinado (1840-1889)
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
 
2º Reinado no Brasil
2º Reinado no Brasil2º Reinado no Brasil
2º Reinado no Brasil
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 
Brasil: Do II Reinado à República Velha.
Brasil: Do II Reinado à República Velha.Brasil: Do II Reinado à República Velha.
Brasil: Do II Reinado à República Velha.
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Apresentação segundo reinado 2011
Apresentação segundo reinado 2011Apresentação segundo reinado 2011
Apresentação segundo reinado 2011
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 
Aula 2 ano g
Aula 2 ano gAula 2 ano g
Aula 2 ano g
 
Brasil segundo reinado
Brasil segundo reinadoBrasil segundo reinado
Brasil segundo reinado
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)
 
O café no Segundo Reinado e a Proclamação da República
O café no Segundo Reinado e a Proclamação da RepúblicaO café no Segundo Reinado e a Proclamação da República
O café no Segundo Reinado e a Proclamação da República
 
2º médio segundo reinado aulas 14 e 15
2º médio segundo reinado aulas 14 e 152º médio segundo reinado aulas 14 e 15
2º médio segundo reinado aulas 14 e 15
 
Segundo reinado (1840 – 1889)
Segundo reinado (1840 – 1889)Segundo reinado (1840 – 1889)
Segundo reinado (1840 – 1889)
 

Destaque

brasil imperio
brasil imperiobrasil imperio
brasil imperio
marlete andrade
 
Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01
marlete andrade
 
Republica Velha
Republica Velha Republica Velha
Republica Velha
marlete andrade
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Portal do Vestibulando
 
O Segundo Reinado (1840 1889)
O Segundo Reinado (1840 1889)O Segundo Reinado (1840 1889)
O Segundo Reinado (1840 1889)
Alex Ferreira dos Santos
 
Era vargas até o período da Redemocratização -1964
Era vargas até o período da Redemocratização -1964Era vargas até o período da Redemocratização -1964
Era vargas até o período da Redemocratização -1964
marlete andrade
 
Primeiro reinado (1822 1831)
Primeiro reinado (1822 1831)Primeiro reinado (1822 1831)
Primeiro reinado (1822 1831)
PROFºWILTONREIS
 
Cana-de- açúcar e escravidão Brasil colônia
Cana-de- açúcar  e escravidão  Brasil colôniaCana-de- açúcar  e escravidão  Brasil colônia
Cana-de- açúcar e escravidão Brasil colônia
marlete andrade
 
Período Imperial - História do Brasil
Período Imperial - História do BrasilPeríodo Imperial - História do Brasil
Período Imperial - História do Brasil
Diana Figueiredo
 
Primeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencialPrimeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencial
Tatiana Rezende
 
Brasil imperial
Brasil imperialBrasil imperial
Brasil imperial
Vivihistoria
 
Brasil Império: Primeiro Reinado (1822-1831)
Brasil Império:   Primeiro Reinado (1822-1831)Brasil Império:   Primeiro Reinado (1822-1831)
Brasil Império: Primeiro Reinado (1822-1831)
Edenilson Morais
 
Segundo reinado slide
Segundo reinado slideSegundo reinado slide
Segundo reinado slide
professordehistoria
 
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
profrogerio1
 
RCRA training
RCRA trainingRCRA training
RCRA training
hazcomtraining
 
Contabilidad
ContabilidadContabilidad
Contabilidad
alvaro sierra
 
Three easy ways to lose weight
Three easy ways to lose weightThree easy ways to lose weight
Three easy ways to lose weight
Naim Khalid
 
Premier Oil Investor Presentation 2017-February
Premier Oil Investor Presentation 2017-FebruaryPremier Oil Investor Presentation 2017-February
Premier Oil Investor Presentation 2017-February
OILWIRE
 

Destaque (18)

brasil imperio
brasil imperiobrasil imperio
brasil imperio
 
Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01Renascimento 120628154736-phpapp01
Renascimento 120628154736-phpapp01
 
Republica Velha
Republica Velha Republica Velha
Republica Velha
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
O Segundo Reinado (1840 1889)
O Segundo Reinado (1840 1889)O Segundo Reinado (1840 1889)
O Segundo Reinado (1840 1889)
 
Era vargas até o período da Redemocratização -1964
Era vargas até o período da Redemocratização -1964Era vargas até o período da Redemocratização -1964
Era vargas até o período da Redemocratização -1964
 
Primeiro reinado (1822 1831)
Primeiro reinado (1822 1831)Primeiro reinado (1822 1831)
Primeiro reinado (1822 1831)
 
Cana-de- açúcar e escravidão Brasil colônia
Cana-de- açúcar  e escravidão  Brasil colôniaCana-de- açúcar  e escravidão  Brasil colônia
Cana-de- açúcar e escravidão Brasil colônia
 
Período Imperial - História do Brasil
Período Imperial - História do BrasilPeríodo Imperial - História do Brasil
Período Imperial - História do Brasil
 
Primeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencialPrimeiro reinado e período regencial
Primeiro reinado e período regencial
 
Brasil imperial
Brasil imperialBrasil imperial
Brasil imperial
 
Brasil Império: Primeiro Reinado (1822-1831)
Brasil Império:   Primeiro Reinado (1822-1831)Brasil Império:   Primeiro Reinado (1822-1831)
Brasil Império: Primeiro Reinado (1822-1831)
 
Segundo reinado slide
Segundo reinado slideSegundo reinado slide
Segundo reinado slide
 
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
Brasil Império (Primeiro Reinado / Regências / Segundo Reinado)
 
RCRA training
RCRA trainingRCRA training
RCRA training
 
Contabilidad
ContabilidadContabilidad
Contabilidad
 
Three easy ways to lose weight
Three easy ways to lose weightThree easy ways to lose weight
Three easy ways to lose weight
 
Premier Oil Investor Presentation 2017-February
Premier Oil Investor Presentation 2017-FebruaryPremier Oil Investor Presentation 2017-February
Premier Oil Investor Presentation 2017-February
 

Semelhante a II REINADO

2º Reinado.pptx
2º Reinado.pptx2º Reinado.pptx
2º Reinado.pptx
NicolasBDias
 
Ii reinado
Ii reinadoIi reinado
Ii reinado
cim.mocajuba
 
Ii reinado legal.filé
Ii reinado   legal.filéIi reinado   legal.filé
Ii reinado legal.filé
mundica broda
 
Brasil Imperio II
Brasil Imperio IIBrasil Imperio II
Brasil Imperio II
dmflores21
 
Brasil império resumo
Brasil império resumo Brasil império resumo
Brasil império resumo
Edenilson Morais
 
Segundo reinado slide
Segundo reinado slideSegundo reinado slide
Segundo reinado slide
Isabel Aguiar
 
Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo
CarlosNazar1
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
Sidney setubal
 
Segundo Reinado Módulo
Segundo Reinado  Módulo Segundo Reinado  Módulo
Segundo Reinado Módulo
CarlosNazar1
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
ISJ
 
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
linharespedro305
 
segundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.pptsegundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.ppt
dawdsoncangussu
 
A Partir Da Regencia Site
A Partir Da Regencia   SiteA Partir Da Regencia   Site
A Partir Da Regencia Site
Carlos Glufke
 
A Partir Da Regencia
A Partir Da RegenciaA Partir Da Regencia
A Partir Da Regencia
guest923616
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - ImpérioEstudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
missaodiplomatica
 
2º Reinado
2º Reinado2º Reinado
2º Reinado
jose brandaos
 
Brasil Império
Brasil ImpérioBrasil Império
Brasil Império
Munis Pedro
 
Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]
Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]
Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]
Rafael Noronha
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
Juliana_hst
 
História do brasil 8
História do brasil 8História do brasil 8
História do brasil 8
fernandacarolinestang
 

Semelhante a II REINADO (20)

2º Reinado.pptx
2º Reinado.pptx2º Reinado.pptx
2º Reinado.pptx
 
Ii reinado
Ii reinadoIi reinado
Ii reinado
 
Ii reinado legal.filé
Ii reinado   legal.filéIi reinado   legal.filé
Ii reinado legal.filé
 
Brasil Imperio II
Brasil Imperio IIBrasil Imperio II
Brasil Imperio II
 
Brasil império resumo
Brasil império resumo Brasil império resumo
Brasil império resumo
 
Segundo reinado slide
Segundo reinado slideSegundo reinado slide
Segundo reinado slide
 
Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo Segundo Reinado- Colégio Módulo
Segundo Reinado- Colégio Módulo
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 
Segundo Reinado Módulo
Segundo Reinado  Módulo Segundo Reinado  Módulo
Segundo Reinado Módulo
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
4-Segundo Reinado (1840-1889)brasil históraq.pdf
 
segundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.pptsegundo Reinado - ok.ppt
segundo Reinado - ok.ppt
 
A Partir Da Regencia Site
A Partir Da Regencia   SiteA Partir Da Regencia   Site
A Partir Da Regencia Site
 
A Partir Da Regencia
A Partir Da RegenciaA Partir Da Regencia
A Partir Da Regencia
 
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - ImpérioEstudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império
 
2º Reinado
2º Reinado2º Reinado
2º Reinado
 
Brasil Império
Brasil ImpérioBrasil Império
Brasil Império
 
Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]
Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]
Basicão – Brasil Império - 3ano – rafa= ]
 
Segundo reinado
Segundo reinadoSegundo reinado
Segundo reinado
 
História do brasil 8
História do brasil 8História do brasil 8
História do brasil 8
 

Último

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 

Último (20)

Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 

II REINADO

  • 1. O Segundo Reinado (1840-89)
  • 2. Liberais: profissionais liberais urbanos, latifundiarios ligados a produção para o mercado interno (áreas mais novas)  Conservadores: grandes comerciantes, latifundiarios ligados ao mercado externo, Três fases 2 Correntes políticas
  • 3. Poder Legislativo subordinado ao Executivo Imperador – peça central nas decisões Parlamentarismo às avessas
  • 4. Lei de Terras (1850)  Terras sem registro = devolutas (pertencentes ao Estado)  Regularização mediante compra de registro Consequências:  Pequenos proprietários perdem suas terras  Concentração de terras nas mãos de grandes latifundiários  Imigrantes e escravos libertos sem acesso a terra  Mão-de-obra barata e numerosa para grandes latifundiários
  • 5. Política Externa Conflitos platinos:  Causa básica: controle da navegação na Bacia do Prata.  Causas secundárias:  Disputas territoriais e enfraquecimento de rivais.  Acesso a províncias do interior, especialmente Mato Grosso.  Situação no URUGUAI: 2 partidos rivais:  Blancos – estancieiros, interior pró- Argentina, líder - ORIBE;  Colorados – comerciantes, Montevidéu, pró-Brasil líder - RIVERA.
  • 6.  Situação na ARGENTINA: Buenos Aires X Interior  Buenos Aires: Rosas (apoiado pelos Blancos do Uruguai). Interior (Corrientes e Entre-Ríos) : Urquiza (apoiado pelos Colorados do Uruguai e pelo Brasil).]  1850: Guerra contra Oribe e Rosas: Brasil invade Uruguai e ARG e depõe seus governantes. Assumem Rivera (Colorado) no Uruguai e Urquiza na Argentina.  1864: Guerra contra Aguirre (Uruguai – Blanco): Brasil invade o Uruguai, Aguirre e coloca em seu lugar o colorado Venâncio Flores.  Equilíbrio no Prata é rompido. Aguirre tinha acordo com o líder paraguaio Solano López.
  • 7. A Questão Cristie (1863–1865)  Rompimento de relações diplomáticas entre Brasil e Inglaterra.  Causas: Roubo de carga de navio inglês naufragado no Rio Grande do Sul (Inglaterra exige indenização);  Prisão de marinheiros ingleses no Rio de Janeiro (Inglaterra exige desculpas).  W. D. Christie (embaixador inglês no Brasil) aprisiona 5 navios brasileiros no porto do Rio de Janeiro a título de indenização.  Brasil paga indenização mas exige desculpas da ING por invadir porto do RJ.  Arbítrio internacional de Leopoldo I (Bélgica) favorável ao Brasil;  Brasil rompe relações diplomáticas com a Inglaterra.  Inglaterra desculpa-se oficialmente em 1865.
  • 8. Guerra da Tríplice Aliança Maior conflito armado da América Latina:  Antecedentes: Paraguai sem dívida externa, sem escravidão, analfabetismo e miséria, com indústrias, estradas de ferro, universidades, telégrafo, exército desenvolvido, governado ditatorialmente por Solano López Causas:  Paraguai sem saída para o mar;  Rompimento de relações diplomáticas com o Brasil (represália a invasão do Uruguai e deposição de Aguirre);  Apresamento do navio MarquesdeOlinda pelo Paraguai;  Invasão do Paraguai ao MT e Argentina (1865);  Triplice Aliança - Brasil, Uruguai, Argentina X Paraguai;  Inglaterra: retaguarda (empréstimo e vendas de armas).
  • 9.
  • 10. Consequências:  Paraguai: 600 mil mortos (99% dos homens), dívidas, perdas territoriais  Brasil: Endividamento, fortalecimento politico do exército, crise do escravismo e Império  Inglaterra: Afirmação de interesses econômicos na região
  • 11. A economia cafeeira;  Principal produto  Mercado externo (EUA/EUROPA)/Alto valor  Solo (“terra roxa”) e clima favoráveis.  Região Sudeste.  Desenvolvimento dos transportes (estradas de ferro, portos).  Desenvolvimento de comunicações (telégrafo, telefone).  Desenvolvimento de atividades urbanas paralelas (comércio, bancos, indústrias) Vale do Paraíba (RJ – SP): 1ª zona de cultivo. Início no final do séculoXVIII.  Latifúndio escravista tradicional, sem inovações técnicas. Principalmente até aproximadame 1860-70. Oeste paulista: 2ª zona de cultivo. Início aproximadamente a partir de 1850.  Tecnologicamente mais avançado. Introdução do trabalho de imigrantes paralelamente escravismo. “Terra Roxa”.
  • 12. Açúcar: decadência  Concorrência externa.  Açúcar de beterraba (Europa).  Queda no preço. Outros produtos:  Algodão(Maranhão): importante entre 1861 e 1865 (18%)  Guerra de Secessão (EUA)  Borracha (Amazonas e Pará): importante a partir de 1880 (8%)  II Revolução Industrial – automóveis.  Couros e peles (6 – 8%)  Fumo (2 – 3%)
  • 13. Imigração  Superação da crise do escravismo  Mito do embranquecimento  Necessidade de mão-de-obra  Crise economica e social em países europeus
  • 14.  Oposição inglesa (Bill Aberdeen – 1845)  Lei Eusébio de Queirós (1850):  Fim do tráfico de escravos  Tráfico interprovincial  Aumento do valor de escravos • Movimeto abolicionista: intelectuais, camadas médias urbanas, setores do exército  Prolongamento da escravidão:  Lei do Ventre Livre (1871)  Lei do Sexagenário (1885)  Radicalização do movimento abolicionista  Lei Áurea (1888):  Fim da escravidão sem idenização  Marginalização dos negros  Crise política no império Crise do escravismo
  • 15. Crise geral do Império (a partir de 1870) Questão religiosa  Igreja atrelada ao Estado (Constituição de 1824)  Padroado e Beneplácito  1864 – Bulla Syllabus (Papa Pio IX): maçons expulsos dos quadros da igreja  D. Pedro proíbe tal determinação no Brasil:  Bispos de Olinda e Belém descuprem e são presos  Igreja deixa de prestar apoio ao Imperador
  • 16.  Exército desprestigiado pelo governo: baixos salários, pouca aparelhagem e investimentos.  Exército fortalecido como corporação após Guerra do Paraguai  Punições do governo a oficiais que manifestavam-se publicamente  Penetração de idéias abolicionistas e republicanas positivistas nos quadros do exército associam o Império ao atraso institucional e tecnológico do país. Questão Militar
  • 17. – Abolição da Escravidão (1888) retira do governo imperial sua última base de sustentação: aristocracia tradicional.  Império é atacado por todos os setores, sendo associado ao atraso e decadência. Questão Abolicionista
  • 19. Questão Republicana  1870: Manifesto Republicano (Rio de Janeiro) – dissidência radical do Partido Liberal.  1873: Fundação do PRP (Partido Republicano Paulista), vinculado a importantes cafeicultores do Estado.  Descompasso entre poderio econômico dos cafeicultores do Oeste Paulista e sua pequena participação política.  Abolicionismo em contradição com o escravismo defendido por velhas elites aristocráticas cariocas.  Ideia do Federalismo – maior autonomia estadual  Apoio de classes médias urbanas, também pouco representadas pelo governo imperial
  • 20.
  • 21. 1888 – D. Pedro II tenta implementar reformas políticas inspiradas no republicanismo através de Visconde de Ouro Preto:  Autonomia provincial, liberdade de culto e ensino, senado temporário, facilidades de crédito...  Reformas negadas pelo parlamento que é dissolvido pelo imperador.  Republicanos espalham boatos de supostas prisões de líderes militares. Marechal Deodoro da Fonseca lidera rebelião que depõe D. Pedro II. Proclamação da República