SlideShare uma empresa Scribd logo
IDEIAS
SOBRE
PRODUTOS
Fundamentos de design de produto.
Richard Morris.
BASEADO NO LIVRO
Conteúdo e design
Francisco Gómez Castro
Tradução
Kammi Corinaldesi Aros
NA
S
DESIGN
NUCLEO DE
ABORDAJE SISTEMICO
SUN JAR POR TOBIAS WONG
PARA SUCK UK.
Transtorno afetivo sazonal é um tipo de depressão que pode ser
desenvolvida por uma falta de horário de verão. A terapia de luz
no inverno, ou light terapia, pode ser un tratamento eficaz para a
SAD. Não como um terapia propriamente, a Sun Jar produz a
sensação de calor psicologicamente. Sun Jar capta a luz solar
por um tanque de armazenamento de energia solar e uma
bateria, e a luz de LED también fornece uma fonte de luz prática
durante a noite
Paola Antonelli - Diseño Curador, Museo de Arte Moderno (Nueva York)
Chris Bangle - El ex director de diseño, BMW Group (Munich)
Andrew Blauvelt - Diseño Curador, Walker Art Center
Erwan Bouroullec - Diseñador (Paris)
Ronan Bouroullec - Diseñador (Paris)
Anthony Dunne - Diseñador (Londres)
Agnete Enga - Diseñador Industrial Senior de Smart Design
Dan Formosa - Design & Research, Smart Design (Nueva York)
Naoto Fukasawa - Diseñador (Tokio)
Jonathan Ive - Superior de Diseño Industrial VP, Apple (Cupertino)
Hella Jongerius - Diseñador (Rotterdam)
Marc Newson - Diseñador (Paris)
Fiona Raby - Diseñador (Londres)
Dieter Rams - El ex director de diseño, Braun Kronberg (Alemania)
Karim Rashid - Diseñador (Nueva York)
Alice Rawsthorn - Editor de Diseño, International Herald Tribune
Ámbar Shonts - Modelo
Davin Stowell - CEO y Fundador, Smart Design
Jane Fulton Suri - IDEO
Rob Walker - New York Times Magazine
Richard Morris.
IDEIAS SOBRE PRODUTOS
Objetified
http://vimeo.com/90707938
Richard Morris.
IDEIAS SOBRE PRODUTOS
A.
Introdução
“A cada ano são
solicitadas aproximadamente duas
milhões de patentes, muitas das
quais são geradas por empresas que
reconhecem que os produtos novos
são a chave para a sua sobrevivência
econômica. Este é apenas um
exemplo da nova e criativa revolução
industrial. Estas solicitações, no
entanto, são a ponta de um iceberg
de ideias globais.”
DESIGN DE
PRODUTO
E DESENHO
INDUSTRIAL
Os termos “design de
produto” e “desenho industrial” têm
evoluído ao longo do tempo. Por
conseguinte, significam coisas diferentes
(e as vezes contraditórias) para cada
pessoa. Em termos gerais, o design de
produto se interessa pela geração
e desenvolvimento eficaz de
ideias através de um processo
que resulta em novos produtos,
enquanto que o desenho industrial
se interessa pelos aspectos
desse processo que trazem aos
bens produzidos industrialmente
uma estética e usabilidade
geralmente associadas com o
desenho artístico.
www.gestalten.tv
Richard Morris.
IDEIAS SOBRE PRODUTOS
A.
Introdução
REFERÊNCIAS
“A cada ano são
solicitadas aproximadamente duas
milhões de patentes, muitas das
quais são geradas por empresas que
reconhecem que os produtos novos
são a chave para a sua sobrevivência
econômica. Este é apenas um
exemplo da nova e criativa revolução
industrial. Estas solicitações, no
entanto, são a ponta de um iceberg
de ideias globais.”
metodologia
www.gestalten.tv
“Christian Boucharenc presents a
ground-up methodology for teaching
and learning design fundamentals …
This new design pedagogy brings
structured learning to students, awash in
imagery and possibilities of digital tools,
by encouraging expression and
exploration with a carefully crafted and
clearly communicated learning
process”.
Toshiyuki Kita
A design blog for the Division of Industrial
Design at the National University of Singapore
blog.nus.edu.sg/nusid/programme
Division of Industrial Design,
National University of Singapore
www.designincubationcentre.com
A.
Introdução
Nas criações de design industrial de Raymon Loewy, figuram a logo da Shell, o ônibus de Greyhound e a locomotiva S1, assim como
alguns dos carros e geladeiras mais recentes. É considerado que estes produtos têm influenciado na cultura americana.
A.
Introdução
A crença de Dieter Rams de que “menos e mais” também têm influenciado fortemente na cultura e design europeu.
Bom design é inovador
Bom design faz um produto ser útil
Bom design é estético
Bom design nos ajuda a entender um produto
Bom design é discreto
Bom design é honesto
Bom design é durável
Bom design se preocupa com os mínimos detalhes
Bom design se preocupa com o meio ambiente
Bom design é menos design
A Apple é atualmente um marco no que diz respeito
ao bom design, definindo as tendências das novas
tecnologias. Um design elegante e simples, pensado
ao pormenor, onde apenas o essencial tem lugar à
vista. Dieter Rams, o designer que influenciou
definitivamente o percurso da Apple (Jonathan Ive ).
O "BOM DESIGN"
QUE INFLUENCIOU
A APPLE
O "BOM DESIGN"
QUE INFLUENCIOU A APPLE
https://www.youtube.com/watch?v=RWoprlPMBnA
3
FORAM ANALISADAS
DUAS MANEIRAS
DIFERENTES DE GERAR
IDEIAS PARA
PRODUTOS,
2
Forma pessoal de considerar os produtos
mediante uma série de ideias que giram em
torno da individualidade, independên-
cia de pensamento, reflexão e
empatia.
Considera as necessidades das
pessoas explorando o mercado, e
precisa ser analítico, técnico e estar
aberto à negociação; é um processo
transparente.
Ambos os métodos apresentam críticas. Os
designers livres pensadores, referindo-se a
Necesidades das pessoas (A.3), insistem em
seguir suas próprias versões, que podem ser
negativas ou cheias de preconceitos e criam
produtos pessoais ao autor.
Necesidades das pessoas (A.3), é um enfoque
regido unicamente pelo mercado e pode ter
pessoas que, movidas por hábitos tendencio-
sos e modas, possam gerar produtos
inadequados, apáticos e desinteressantes. Por
isso, a realização de novas ideias para
produtos devem ser uma mistura de ambos
enfoques, designers com capacidade de criar
novos produtos com a sua imaginação e que
além disso detectem as necessidades dos
produtos no mercado.
( semelhante a “caixa preta” ). (semelhante a “caixa branca” )
Imaginação. Necessidades
das pessoas.
Richard Morris.
IDEIAS SOBRE PRODUTOS
O designer é capaz de gerar novas ideias uma e outra vez para vários projetos
diferentes. Nesta seção se explicam alguns dos métodos que os designers
profissionais utilizam para originar sistematicamente boas ideias sobre produtos
fazendo uso da sua imaginação.
Temos que:
1 Manter uma posição crítica
2 Olhar com a mente aberta
3 Aceitar que tudo o que se sabe pode
estar errado
4 Aceitar que tudo o que se sabe e o
que se faz também pode
estar errado
5 Estar disposto a questionar tudo, ser
capaz de ter um ponto de vista diferente
e de expressar uma opinião alternativa.
A.2
Imaginação
A.2.1
Ter um ponto
de vista
diferente
Copiar o trabalho de outro
designer, não sair da zona de conforto, e
incluso pensar do mesmo modo derivará
em produtos similares. Resignificar o
porque das coisas sempre terem sido
feitas assim, ou se é a melhor maneira de
fazer.
shop.gestalten.com/outsiders.html
A.2 .2
Viver novas
experiências
Levar una vida monótona e rotineira, com os
mesmos hábitos e costumes limita nossa
capacidade de aprender, comparar e contrastar
ideias.Os padrões de pensamento estabeleci-
dos podem criar um processo mental rígido que
limita a capacidade criativa. Os grandes
designers sempre estão preparados para
afrontar novos desafios, trabalhar com novas
pessoas e experimentar coisas diferentes.
A.2 .3
Explorar e brincar
A exploração pode ser instrutiva: descobrir e trabalhar com materiais, formas, padrões,
desmontar objetos para saber como funcionam ou construir maquetes e protótipos são
opções válidas.A brincadeira tem um papel importante na exploração. É instrutivo
experimentar, explorar, imitar ou fazer algo pensando de forma puramente abstrata. O
caráter lúdico da atividade reduz o stress e ajuda a pensar melhor.
A.2 .4
Subversão
Os problemas de design devem ser encarados sabendo que não existe uma única
resposta possível. Tentando explorar a maior quantidade de ideias possíveis.
Bathroom Bubble (Urban/Nature) Trend Report: Pop up my Bathroom
Explorar e brincar
ENTREVISTA HUMBERTO CAMPANA
https://www.youtube.com/watch?v=gnylCxYQF1M
A.2 .5
Adaptação
A melhor solução não precisa ser
radical e nova, os aprimoramentos
podem ser pequenos e sutis. Pode
ser a redefinição de dimensões,
alterando as características ou
redefinindo os atributos.
Considerar o trabalho de outros
designers e entender os objetivos
de seus trabalhos, o porque
propõem uma determinada solução,
conhecer seus referentes e
influências, compreender sua
trajetória e evolução.
Assim como buscar informação
especializada em exposições,
revistas de design, redes,
associações, coletivos e fóruns.
Isso permitirá obter uma informação
inteligível e eficaz.
Jasper Morrison
Ronan And Erwan Bouroullec
Nendo
Marc Newson
Marcel Wanders
A.G. Fronzoni
Adam Goodrum
Alessandro Mendini
Andreas Brandolini
Antonio Facco
Bakery Studio
Benjamin Hubert
Carlo Colombo
Carlo Contin
Christophe Pillet
Claudio Silvestrin
Daphna Laurens
Doshi Levien
Dror
E.Barber & J.Osgerby
Erwan Bouroullec
Fabio Novembre
Federico Angi
From Us With Love
Francois Azambourg
Giulio Capellini
Glimpt Studio
Ilaria Marelli
Ineke Hans
Inga Sempè
Jakob Wagner
Jasper Morrison
Jean-marie Massaud
Guilio Cappellini´s
advice to young designer:
“Don´t design too many
things.Design two or three
good things,you need a lot of
patience.It takes a lot time
hard work- around 12 hours
each day. And if you belive in
an idea, defend it. If you base
your designs solelyon the
market, then what you´ll
create will be the same as
everyones´s”
Leonardo Talarico
Lloyd Schwan
Lorenzo Damiani
Marc Newson
Marcel Wanders
Marre Moerel
Marten Claesson,
Eero Koivisto and Ola Rune
Martin Solem
Martin Vallin
Matteo Zorzenoni
Max Lipsey
Michaela Catalano and Ilaria Marell
Mist-o
Nendo
Ola Rune
Patric Norguet
Piero Lissoni
Pietro silva
Raphael Navot
Raw-Edges
Rodolfo Dorini
Ronan and Erwan Bouroullec
Ronan Bouroullec
Rosario Mannio e Micro Facchin
Satyendra Pakhalé
Shigeru Ban
Shiro Kuramata
Studio Capellini
Studio Zanini
Sylvain Willenz
Thomas Ericksson
Todd Bracher
Tom Dixon
Tomoko Mizu
Werner Aisslinger
Adaptação
ENTREVISTA GiULIO CAPPELLINI
https://www.youtube.com/watch?v=xvMP4SqECCU
A.1 .8
Tecnologia
Em termos gerais, engloba o conhecimento e a aplicação de ferramentas,
habilidades e ciências que utilizamos para dar forma ao mundo. É comum a
associação com a informática ou a tecnologia de ponta da indústria aeroespa-
cial. Também pode incluir noções de sistemas e métodos em uma realidade
qualquer, coisa que provoca uma mudança.Os novos materiais e novas
tecnologias nos permite gerar ideias para novos produtos.
A.1 .6
Lições da
Natureza
Natureza Fractal, Geometria e
Números.
A.1 .7
Trabalhar com materiais
No início do processo, a experimentação de materiais traz muitas
possibilidades à explorar, como por exemplo, conhecer novos materiais,
verificar o desenvolvimento de nanotecnologia, de compostos e
biocompostos, géis, espumas e seus tratamentos.
CHRIS
BANGLE
Director of Design BMW Group
Tecnologia
BMW GINA LIGHT VISIONARY MODEL
http://vimeo.com/89559101
Fazer as coisas de forma diferente pode nos levar a reflexionar. Realizar atividades
cotidianas do dia a dia de modo distinto, se assemelha ao processo de pensar diferente e
de experimentar direcionado para produtos e objetos concretos. As percepções obtidas
destas atividades podem desencadear novas apreciações e novas linhas de pensamento.
Una das técnicas mais efetivas é a de estabelecer conexões entre áreas previamente
desconexas.Uma criança não teria dúvidas em associar um carro com uma máquina de
lavar. Raymond Loewy considerado por muitos o patriarca do design industrial,riou uma
grande parte da nova tecnologia funcional e a aplicou em produtos. A tentativa de Dieter
Rams em vincular a atemporalidade resulta em produtos de marca impecáveis e
minimalistas. Ou aquelas características comuns presentes em coleções de designers
que criam um estilo ou género como as ideias teóricas e práticas do movimento Arts and
Crafts, a estética modernista, ou a gerada por companhias como Sony ou o estilo de
coletivos como o Droog.
DESIGN YOUR LIFE
Ellen Lupton
A.2.9
Reflexão
A.2 .10
Novas formas e conexões
Reflexão
ELLEN LUPTON
http://vimeo.com/42175536
A.1 .12
Técnicas criativas.
Criar novas conexões entre conceitos é um
potente motor de criatividade. Existem muitas
metodologias e técnicas criativas, tem-se que
organizar bem para obter bons resultados.
Algumas das técnicas criativas que podem ser
úteis: brainstorming, os seis chapéus
pensantes, o método da bola de neve, a
análise morfológica, os mapas mentais e o
Brain Writing 635.
“Venho tentando desenvolver meu próprio foco em design e minha própria
ideia sobre o que é design ou, melhor ainda, o que ele poderia ser. Meu
principal interesse é fazer coisas novas e diferentes utilizando conhecimentos
que vou recopilando com afinco, em particular sobre a tecnologia e a nossa
relação com ela.”
Mathias Bengtsoon, Bengtsson Design Ltd
www.hectorserrano.com
A.1 .11
Aproveitar
oportunidades.
Gerar ideias é uma coisa, ser capaz de
reconhecer uma nova ideia é bem
diferente, e tirar vantagem dela também
é algo distinto. Serendepia é o termo que
descreve o feito de descobrir algo
quando se está pesquisando outra coisa
que não tem relação com o pesquisado.
Os designers devem a coragem de
arriscar novas ideias, mesmo que,
apesar dos resultados claramente
benéficos, exista um grande risco de
fracassar.
www.hectorserrano.com
A.2.1
design centrado
no usuário
É uma forma de descobrir um foco de design
baseado no mercado, em cujo núcleo está o
desejo de compreender quais são as principais
necessidades atuais ou emergentes das
pessoas, com o objetivo de definir e criar novos
ou melhores produtos.
Esta questão é fundamental para as empresas
pois podem utilizar a informação de mercado
como una estratégia corporativa e gerir e
organizar seus recursos segundo a informação.
Entendendo os momentos mais adequados
para o lançamento de novos produtos com
critérios que satisfação melhor as necessidades
dos consumidores.
A gestão de design é um campo em evolução
que engloba o trabalho em equipe, gestão da
informação, comunicação, branding e as
mudanças sociais.
A.2
NECESIDADES
DAS PESSOAS
design centrado no usuário
http://vimeo.com/67385230
A.2.2
APRENDER
COM AS
TENDÊNCIAS
DE MERCADO.
A.2.3
COLETA
DE
DADOS.
A.2.4 ETNOGRAFÍA.
Baseada em princípios da antropologia (estudo da humanidade) utiliza a pesquisa de
campo para entender os diferentes povos e culturas.No design de produtos se traduz em
desenvolver seu conhecimento sobre produtos mediante a empatia e a sua própria
experiência.Filmar experiências, “videoetnografia” , enriquece a compreensão do
comportamento.La etnografia, por si só, oferece resultados que podem ser influenciados
pelos nossos preconceitos e limitações perceptivas.
A.2.5 OBSERVAÇÃO
Significa interpretar e entender o comportamento e decisões dos consumidores através
da sua interação com diferentes cenários, produtos ou protótipos.Pode realizar-se in situ
ou mediante uma prova específica proposta.Por trás das atividades obvias podem haver
significados mais profundos de comportamento ou de processo cognitivo humano.
A.2.6 PSICOLOGIA E SOCIOLOGIA.
A psicologia trata do estudo analítico e científico dos processos e comportamentos
mentais relacionados com a percepção, cognição, emoções, a personalidade, o
comportamento e as relações interpessoais. Compreender os papeis que desempenham
estas funções pode ajudar aos designers a pensar em melhores produtos.
A sociologia explica as necessidades humanas no contexto de uma sociedade, mediante
interpretações sociais e culturais. Os produtos são considerados “instrumentos” com
significado e relevância para o mundo que os rodeia além da sua função.
O significado de um produto, a semântica, pode proporcionar uma melhor compressão
das necessidades e requisitos subjacentes a estes.
Começar a entender o mercado é
estudar os produtos existentes para
ver como os outros designers estão
interpretando os requisitos de
mercado.A quais tipos de pessoas
se dirigem os produtos?, Quais são
as tendências de design?, Quais as
diferenças entre os tipos, custos,
materiais, formas e processos de
fabricação?,Quais fazem sucesso e
porque?
Documentos:
- Revistas de marketing.
- Artigos de guias comerciais.
- Exploração de tendências
históricas de um produto ou
produtos relacionados.
- Exploração de considerações e
ELECTROLUX ADWARD
https://www.youtube.com/watch?v=nvPg3pDCE2k
A.2.7 CROWDSOURCING(“colaboração massiva”).
Internet e as novas tecnologias Web 2.0 tem aberto novas oportunidades de explorar
una maior quantidade de opiniões rapidamente e com baixo custo.
As técnicas mais utilizadas são o mailing, consulta de sites, fóruns e blogs, redes sociais,
e jogos de Second Life.
A.2.8 TARGET (O público objetivado).
Decidir para quem o produto se dirige e construir o perfil do consumidor, tipo de mercado
escolhido, incluindo não apenas dados demográficos(idade, sexo...) Mas também
características de conduta típicas. Considerando que um bom produto, as vezes, deve
deixar de lado as definições standard e encontrar novas formas de considerar o
mercado.
A.2.9 DESIGN INCLUSIVO
Não é apenas aquele que inclui pessoas com deficiências, se trata da filosofia de levar
em consideração as necessidades do maior número de pessoas possível, com princípios
como igualdade, simplicidade, flexibilidade, uso intuitivo e compreensível, o fácil manejo,
assim como tamanhos e pesos adequados.
A.2.6
COOL HUNTING
(“caça de tendências”).
As tendências entre os grupos mais
jovens podem converter-se na corrente
dominante do futuro. Com a crescente
fragmentação de grupos sociais e
subculturas, cada vez é mais difícil avaliar
com técnicas tradicionais de pesquisa
como questionários.
Coolhunting é um termo que descreve a
combinação de abordagens antropológi-
cas, como viver em subgrupos e
observá-los desde um ponto de vista
sociológico e psicológico. Os pesquisado-
res devem estar do lado de fora com uma
ampla rede de contatos e ter a capacida-
de de aprofundar em sua forma de vida.
Interessar-se por seus símbolos, como
absorvem a informação, métodos de
comunicação usados, roupa e atitudes ,
para interpretar o futuro da moda.
MICROSOFT OFFICE VISION
https://www.youtube.com/watch?v=a6cNdh
Conteúdo e design
Francisco Gómez Castro
Tradução
Kammi Corinaldesi Aros
NA
S
DESIGN
NUCLEO DE
ABORDAJE SISTEMICO
MUITO OBRIGADO
IDEIAS
SOBRE
PRODUTOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Zimya | Design Thinking | aula 1
Zimya | Design Thinking | aula 1Zimya | Design Thinking | aula 1
Zimya | Design Thinking | aula 1
Carolina Poll
 
Ideas de productos - Fundamentos de design de produto. Richard Morris.
Ideas de productos - Fundamentos de design de produto. Richard Morris.Ideas de productos - Fundamentos de design de produto. Richard Morris.
Ideas de productos - Fundamentos de design de produto. Richard Morris.
Núcleo de Abordagem Sistêmica do Design
 
Oficinas de design centrado no ser humano
Oficinas de design centrado no ser humanoOficinas de design centrado no ser humano
Oficinas de design centrado no ser humano
Niva Silva
 
200112 design thinking ESPM - terra-forum
200112 design thinking  ESPM - terra-forum200112 design thinking  ESPM - terra-forum
200112 design thinking ESPM - terra-forum
Jose Claudio Terra
 
Inovação pelo Design - Introdução ao Design Thinking
Inovação pelo Design - Introdução ao Design ThinkingInovação pelo Design - Introdução ao Design Thinking
Inovação pelo Design - Introdução ao Design Thinking
Joana Cerejo
 
Design Thinking Process
Design Thinking ProcessDesign Thinking Process
Design Thinking Process
Ologia
 
DESIGN THINKING LAB - Caruaru
DESIGN THINKING LAB - CaruaruDESIGN THINKING LAB - Caruaru
DESIGN THINKING LAB - Caruaru
André Diniz de Moraes
 
Aula 06: Metodologia projeto 21
Aula 06: Metodologia projeto 21Aula 06: Metodologia projeto 21
Aula 06: Metodologia projeto 21
Francisco Gómez Castro
 
Design Thinking - Metodologia para Inovação
Design Thinking - Metodologia para InovaçãoDesign Thinking - Metodologia para Inovação
Design Thinking - Metodologia para Inovação
Paulo Oliveira
 
Palestra sobre Design Thinking e desafios em projetos sociais
Palestra sobre Design Thinking e desafios em projetos sociaisPalestra sobre Design Thinking e desafios em projetos sociais
Palestra sobre Design Thinking e desafios em projetos sociais
Grand Designs Inovação
 
4 aplicações do design thinking
4 aplicações do design thinking4 aplicações do design thinking
4 aplicações do design thinking
Denise Eler
 
Livro Design Thinking, Inovação em Negócios
Livro Design Thinking, Inovação em NegóciosLivro Design Thinking, Inovação em Negócios
Livro Design Thinking, Inovação em Negócios
Beto Lima Branding
 
Curso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de Projetos
Curso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de ProjetosCurso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de Projetos
Curso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de Projetos
Julien Condamines
 
Como o Design Thinking acelera o desenvolvimento das Startups
Como o Design Thinking acelera o desenvolvimento das StartupsComo o Design Thinking acelera o desenvolvimento das Startups
Como o Design Thinking acelera o desenvolvimento das Startups
Escola Design de Negócios
 
Introdução ao Design Thinking
Introdução ao Design Thinking   Introdução ao Design Thinking
Introdução ao Design Thinking
Priscila Machado
 
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
Francisco Gómez Castro
 
O Designer Valorizado
O Designer ValorizadoO Designer Valorizado
O Designer Valorizado
Marcio Duarte
 
Projeto 21. Aula 02 : Introdução Metodologia HCD (IDEO).
Projeto 21. Aula 02 : Introdução Metodologia HCD (IDEO).Projeto 21. Aula 02 : Introdução Metodologia HCD (IDEO).
Projeto 21. Aula 02 : Introdução Metodologia HCD (IDEO).
Francisco Gómez Castro
 
Ologia | Design Thinking
Ologia | Design ThinkingOlogia | Design Thinking
Ologia | Design Thinking
Ologia
 

Mais procurados (19)

Zimya | Design Thinking | aula 1
Zimya | Design Thinking | aula 1Zimya | Design Thinking | aula 1
Zimya | Design Thinking | aula 1
 
Ideas de productos - Fundamentos de design de produto. Richard Morris.
Ideas de productos - Fundamentos de design de produto. Richard Morris.Ideas de productos - Fundamentos de design de produto. Richard Morris.
Ideas de productos - Fundamentos de design de produto. Richard Morris.
 
Oficinas de design centrado no ser humano
Oficinas de design centrado no ser humanoOficinas de design centrado no ser humano
Oficinas de design centrado no ser humano
 
200112 design thinking ESPM - terra-forum
200112 design thinking  ESPM - terra-forum200112 design thinking  ESPM - terra-forum
200112 design thinking ESPM - terra-forum
 
Inovação pelo Design - Introdução ao Design Thinking
Inovação pelo Design - Introdução ao Design ThinkingInovação pelo Design - Introdução ao Design Thinking
Inovação pelo Design - Introdução ao Design Thinking
 
Design Thinking Process
Design Thinking ProcessDesign Thinking Process
Design Thinking Process
 
DESIGN THINKING LAB - Caruaru
DESIGN THINKING LAB - CaruaruDESIGN THINKING LAB - Caruaru
DESIGN THINKING LAB - Caruaru
 
Aula 06: Metodologia projeto 21
Aula 06: Metodologia projeto 21Aula 06: Metodologia projeto 21
Aula 06: Metodologia projeto 21
 
Design Thinking - Metodologia para Inovação
Design Thinking - Metodologia para InovaçãoDesign Thinking - Metodologia para Inovação
Design Thinking - Metodologia para Inovação
 
Palestra sobre Design Thinking e desafios em projetos sociais
Palestra sobre Design Thinking e desafios em projetos sociaisPalestra sobre Design Thinking e desafios em projetos sociais
Palestra sobre Design Thinking e desafios em projetos sociais
 
4 aplicações do design thinking
4 aplicações do design thinking4 aplicações do design thinking
4 aplicações do design thinking
 
Livro Design Thinking, Inovação em Negócios
Livro Design Thinking, Inovação em NegóciosLivro Design Thinking, Inovação em Negócios
Livro Design Thinking, Inovação em Negócios
 
Curso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de Projetos
Curso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de ProjetosCurso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de Projetos
Curso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de Projetos
 
Como o Design Thinking acelera o desenvolvimento das Startups
Como o Design Thinking acelera o desenvolvimento das StartupsComo o Design Thinking acelera o desenvolvimento das Startups
Como o Design Thinking acelera o desenvolvimento das Startups
 
Introdução ao Design Thinking
Introdução ao Design Thinking   Introdução ao Design Thinking
Introdução ao Design Thinking
 
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
Projeto 21. Aula 01: 1. Design, A Palavra; 2. O Conceito; 3. A Historia; 4. D...
 
O Designer Valorizado
O Designer ValorizadoO Designer Valorizado
O Designer Valorizado
 
Projeto 21. Aula 02 : Introdução Metodologia HCD (IDEO).
Projeto 21. Aula 02 : Introdução Metodologia HCD (IDEO).Projeto 21. Aula 02 : Introdução Metodologia HCD (IDEO).
Projeto 21. Aula 02 : Introdução Metodologia HCD (IDEO).
 
Ologia | Design Thinking
Ologia | Design ThinkingOlogia | Design Thinking
Ologia | Design Thinking
 

Semelhante a Ideas sobre produtos projeto8 _11_07_2014_cce_nas design_gomez castro

Design Thinking - a inovação criativa e colaborativa.pdf
Design Thinking - a inovação criativa e colaborativa.pdfDesign Thinking - a inovação criativa e colaborativa.pdf
Design Thinking - a inovação criativa e colaborativa.pdf
Valter6
 
Desig thinking e confiança criativa
Desig thinking e confiança criativaDesig thinking e confiança criativa
Desig thinking e confiança criativa
Colaborativismo
 
Design Thinking e Inovação Sustentável
Design Thinking e Inovação SustentávelDesign Thinking e Inovação Sustentável
Design Thinking e Inovação Sustentável
Denise Eler
 
Design Durable
Design DurableDesign Durable
Design Durable
Denise Eler
 
DESIGN THINKING - DESIGN DURABLE, un nouveau paradigme pour les métiers de l...
DESIGN THINKING - DESIGN DURABLE,  un nouveau paradigme pour les métiers de l...DESIGN THINKING - DESIGN DURABLE,  un nouveau paradigme pour les métiers de l...
DESIGN THINKING - DESIGN DURABLE, un nouveau paradigme pour les métiers de l...
Denise Eler
 
Inovação 100 limites
Inovação 100 limitesInovação 100 limites
Inovação 100 limites
Agatha Garibe
 
Aula Business Design
Aula Business DesignAula Business Design
Aula Business Design
Arco | Hub de Inovação
 
Gestão em Design - Valor - 03
Gestão em Design - Valor - 03Gestão em Design - Valor - 03
Gestão em Design - Valor - 03
Prof.Valdir Soares
 
Aula inovação tecnológica
Aula inovação tecnológicaAula inovação tecnológica
Aula inovação tecnológica
Chemo
 
Artigo designthinking
Artigo designthinkingArtigo designthinking
Artigo designthinking
Gustavo de Boer
 
Design thinking: uma nova abordagem para inovação
Design thinking: uma nova abordagem para inovaçãoDesign thinking: uma nova abordagem para inovação
Design thinking: uma nova abordagem para inovação
Luiz Bonini
 
Design Thinking - Níveis de Evolução
Design Thinking  -  Níveis de Evolução Design Thinking  -  Níveis de Evolução
Design Thinking - Níveis de Evolução
Antonio Mendes Ribeiro
 
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]
Alessandro Almeida
 
Open ideo OutPost - SP
Open ideo OutPost - SPOpen ideo OutPost - SP
Open ideo OutPost - SP
Natalia Lion
 
Design thinkingl
Design thinkinglDesign thinkingl
Design thinkingl
Nuno Tasso de Figueiredo
 
Design Industrial - Produto
Design Industrial - ProdutoDesign Industrial - Produto
Design Industrial - Produto
Valdir Soares
 
Processo criativo
Processo criativoProcesso criativo
Processo criativo
Marcio Duarte
 
Diagramação matéria de revista
Diagramação matéria de revistaDiagramação matéria de revista
Diagramação matéria de revista
Leo Cardoso
 
Gestão em Design - Conceitos - 01
Gestão em Design - Conceitos - 01Gestão em Design - Conceitos - 01
Gestão em Design - Conceitos - 01
Prof.Valdir Soares
 
Pensamento projetual no desenvolvimento de software
Pensamento projetual no desenvolvimento de softwarePensamento projetual no desenvolvimento de software
Pensamento projetual no desenvolvimento de software
UTFPR
 

Semelhante a Ideas sobre produtos projeto8 _11_07_2014_cce_nas design_gomez castro (20)

Design Thinking - a inovação criativa e colaborativa.pdf
Design Thinking - a inovação criativa e colaborativa.pdfDesign Thinking - a inovação criativa e colaborativa.pdf
Design Thinking - a inovação criativa e colaborativa.pdf
 
Desig thinking e confiança criativa
Desig thinking e confiança criativaDesig thinking e confiança criativa
Desig thinking e confiança criativa
 
Design Thinking e Inovação Sustentável
Design Thinking e Inovação SustentávelDesign Thinking e Inovação Sustentável
Design Thinking e Inovação Sustentável
 
Design Durable
Design DurableDesign Durable
Design Durable
 
DESIGN THINKING - DESIGN DURABLE, un nouveau paradigme pour les métiers de l...
DESIGN THINKING - DESIGN DURABLE,  un nouveau paradigme pour les métiers de l...DESIGN THINKING - DESIGN DURABLE,  un nouveau paradigme pour les métiers de l...
DESIGN THINKING - DESIGN DURABLE, un nouveau paradigme pour les métiers de l...
 
Inovação 100 limites
Inovação 100 limitesInovação 100 limites
Inovação 100 limites
 
Aula Business Design
Aula Business DesignAula Business Design
Aula Business Design
 
Gestão em Design - Valor - 03
Gestão em Design - Valor - 03Gestão em Design - Valor - 03
Gestão em Design - Valor - 03
 
Aula inovação tecnológica
Aula inovação tecnológicaAula inovação tecnológica
Aula inovação tecnológica
 
Artigo designthinking
Artigo designthinkingArtigo designthinking
Artigo designthinking
 
Design thinking: uma nova abordagem para inovação
Design thinking: uma nova abordagem para inovaçãoDesign thinking: uma nova abordagem para inovação
Design thinking: uma nova abordagem para inovação
 
Design Thinking - Níveis de Evolução
Design Thinking  -  Níveis de Evolução Design Thinking  -  Níveis de Evolução
Design Thinking - Níveis de Evolução
 
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]
Design Thinking: Do Conceito ao Mundo Real [3ª edição]
 
Open ideo OutPost - SP
Open ideo OutPost - SPOpen ideo OutPost - SP
Open ideo OutPost - SP
 
Design thinkingl
Design thinkinglDesign thinkingl
Design thinkingl
 
Design Industrial - Produto
Design Industrial - ProdutoDesign Industrial - Produto
Design Industrial - Produto
 
Processo criativo
Processo criativoProcesso criativo
Processo criativo
 
Diagramação matéria de revista
Diagramação matéria de revistaDiagramação matéria de revista
Diagramação matéria de revista
 
Gestão em Design - Conceitos - 01
Gestão em Design - Conceitos - 01Gestão em Design - Conceitos - 01
Gestão em Design - Conceitos - 01
 
Pensamento projetual no desenvolvimento de software
Pensamento projetual no desenvolvimento de softwarePensamento projetual no desenvolvimento de software
Pensamento projetual no desenvolvimento de software
 

Mais de Francisco Gómez Castro

Ecorat mouse: Documento técnico.
Ecorat mouse: Documento técnico.Ecorat mouse: Documento técnico.
Ecorat mouse: Documento técnico.
Francisco Gómez Castro
 
Ecorat mouse
Ecorat mouseEcorat mouse
Aula 7: Briefing
Aula 7:  BriefingAula 7:  Briefing
Aula 7: Briefing
Francisco Gómez Castro
 
Projeto 21. Aula 00. Apresentação da disciplina.
Projeto 21. Aula 00. Apresentação da disciplina.Projeto 21. Aula 00. Apresentação da disciplina.
Projeto 21. Aula 00. Apresentação da disciplina.
Francisco Gómez Castro
 
O que você acha da gastronomia em Florianópolis?, #DesignFoodProject. "WORKSH...
O que você acha da gastronomia em Florianópolis?, #DesignFoodProject. "WORKSH...O que você acha da gastronomia em Florianópolis?, #DesignFoodProject. "WORKSH...
O que você acha da gastronomia em Florianópolis?, #DesignFoodProject. "WORKSH...
Francisco Gómez Castro
 
"Economia criativa + matriz 4d". Francisco Gómez Castro. Design Thinking. 2015.1
"Economia criativa + matriz 4d". Francisco Gómez Castro. Design Thinking. 2015.1"Economia criativa + matriz 4d". Francisco Gómez Castro. Design Thinking. 2015.1
"Economia criativa + matriz 4d". Francisco Gómez Castro. Design Thinking. 2015.1
Francisco Gómez Castro
 
"O conceito de affordance, segundo Gibson."- Bruna Reginato, Giancarlo Rizzi,...
"O conceito de affordance, segundo Gibson."- Bruna Reginato, Giancarlo Rizzi,..."O conceito de affordance, segundo Gibson."- Bruna Reginato, Giancarlo Rizzi,...
"O conceito de affordance, segundo Gibson."- Bruna Reginato, Giancarlo Rizzi,...
Francisco Gómez Castro
 
Emérita Augusta (Mérida, Espanha)
Emérita Augusta (Mérida, Espanha)Emérita Augusta (Mérida, Espanha)
Emérita Augusta (Mérida, Espanha)
Francisco Gómez Castro
 
Web analitics gomez_castro_versão_web
Web analitics gomez_castro_versão_webWeb analitics gomez_castro_versão_web
Web analitics gomez_castro_versão_web
Francisco Gómez Castro
 
O fisicalismo de Otto Neurath.
O fisicalismo de Otto Neurath.   O fisicalismo de Otto Neurath.
O fisicalismo de Otto Neurath.
Francisco Gómez Castro
 
A incorporaçao do ocio como fator de inovaçao no valor da identidade de marca.
A incorporaçao do ocio como fator de inovaçao no valor da identidade de marca.A incorporaçao do ocio como fator de inovaçao no valor da identidade de marca.
A incorporaçao do ocio como fator de inovaçao no valor da identidade de marca.
Francisco Gómez Castro
 
Como aplicar tendências no design de produto no habitat
Como aplicar tendências no design de produto no habitat Como aplicar tendências no design de produto no habitat
Como aplicar tendências no design de produto no habitat
Francisco Gómez Castro
 
Metodo projectual Bruno Munari
Metodo projectual Bruno MunariMetodo projectual Bruno Munari
Metodo projectual Bruno Munari
Francisco Gómez Castro
 

Mais de Francisco Gómez Castro (13)

Ecorat mouse: Documento técnico.
Ecorat mouse: Documento técnico.Ecorat mouse: Documento técnico.
Ecorat mouse: Documento técnico.
 
Ecorat mouse
Ecorat mouseEcorat mouse
Ecorat mouse
 
Aula 7: Briefing
Aula 7:  BriefingAula 7:  Briefing
Aula 7: Briefing
 
Projeto 21. Aula 00. Apresentação da disciplina.
Projeto 21. Aula 00. Apresentação da disciplina.Projeto 21. Aula 00. Apresentação da disciplina.
Projeto 21. Aula 00. Apresentação da disciplina.
 
O que você acha da gastronomia em Florianópolis?, #DesignFoodProject. "WORKSH...
O que você acha da gastronomia em Florianópolis?, #DesignFoodProject. "WORKSH...O que você acha da gastronomia em Florianópolis?, #DesignFoodProject. "WORKSH...
O que você acha da gastronomia em Florianópolis?, #DesignFoodProject. "WORKSH...
 
"Economia criativa + matriz 4d". Francisco Gómez Castro. Design Thinking. 2015.1
"Economia criativa + matriz 4d". Francisco Gómez Castro. Design Thinking. 2015.1"Economia criativa + matriz 4d". Francisco Gómez Castro. Design Thinking. 2015.1
"Economia criativa + matriz 4d". Francisco Gómez Castro. Design Thinking. 2015.1
 
"O conceito de affordance, segundo Gibson."- Bruna Reginato, Giancarlo Rizzi,...
"O conceito de affordance, segundo Gibson."- Bruna Reginato, Giancarlo Rizzi,..."O conceito de affordance, segundo Gibson."- Bruna Reginato, Giancarlo Rizzi,...
"O conceito de affordance, segundo Gibson."- Bruna Reginato, Giancarlo Rizzi,...
 
Emérita Augusta (Mérida, Espanha)
Emérita Augusta (Mérida, Espanha)Emérita Augusta (Mérida, Espanha)
Emérita Augusta (Mérida, Espanha)
 
Web analitics gomez_castro_versão_web
Web analitics gomez_castro_versão_webWeb analitics gomez_castro_versão_web
Web analitics gomez_castro_versão_web
 
O fisicalismo de Otto Neurath.
O fisicalismo de Otto Neurath.   O fisicalismo de Otto Neurath.
O fisicalismo de Otto Neurath.
 
A incorporaçao do ocio como fator de inovaçao no valor da identidade de marca.
A incorporaçao do ocio como fator de inovaçao no valor da identidade de marca.A incorporaçao do ocio como fator de inovaçao no valor da identidade de marca.
A incorporaçao do ocio como fator de inovaçao no valor da identidade de marca.
 
Como aplicar tendências no design de produto no habitat
Como aplicar tendências no design de produto no habitat Como aplicar tendências no design de produto no habitat
Como aplicar tendências no design de produto no habitat
 
Metodo projectual Bruno Munari
Metodo projectual Bruno MunariMetodo projectual Bruno Munari
Metodo projectual Bruno Munari
 

Ideas sobre produtos projeto8 _11_07_2014_cce_nas design_gomez castro

  • 1. IDEIAS SOBRE PRODUTOS Fundamentos de design de produto. Richard Morris. BASEADO NO LIVRO Conteúdo e design Francisco Gómez Castro Tradução Kammi Corinaldesi Aros NA S DESIGN NUCLEO DE ABORDAJE SISTEMICO SUN JAR POR TOBIAS WONG PARA SUCK UK. Transtorno afetivo sazonal é um tipo de depressão que pode ser desenvolvida por uma falta de horário de verão. A terapia de luz no inverno, ou light terapia, pode ser un tratamento eficaz para a SAD. Não como um terapia propriamente, a Sun Jar produz a sensação de calor psicologicamente. Sun Jar capta a luz solar por um tanque de armazenamento de energia solar e uma bateria, e a luz de LED también fornece uma fonte de luz prática durante a noite
  • 2. Paola Antonelli - Diseño Curador, Museo de Arte Moderno (Nueva York) Chris Bangle - El ex director de diseño, BMW Group (Munich) Andrew Blauvelt - Diseño Curador, Walker Art Center Erwan Bouroullec - Diseñador (Paris) Ronan Bouroullec - Diseñador (Paris) Anthony Dunne - Diseñador (Londres) Agnete Enga - Diseñador Industrial Senior de Smart Design Dan Formosa - Design & Research, Smart Design (Nueva York) Naoto Fukasawa - Diseñador (Tokio) Jonathan Ive - Superior de Diseño Industrial VP, Apple (Cupertino) Hella Jongerius - Diseñador (Rotterdam) Marc Newson - Diseñador (Paris) Fiona Raby - Diseñador (Londres) Dieter Rams - El ex director de diseño, Braun Kronberg (Alemania) Karim Rashid - Diseñador (Nueva York) Alice Rawsthorn - Editor de Diseño, International Herald Tribune Ámbar Shonts - Modelo Davin Stowell - CEO y Fundador, Smart Design Jane Fulton Suri - IDEO Rob Walker - New York Times Magazine Richard Morris. IDEIAS SOBRE PRODUTOS
  • 4. Richard Morris. IDEIAS SOBRE PRODUTOS A. Introdução “A cada ano são solicitadas aproximadamente duas milhões de patentes, muitas das quais são geradas por empresas que reconhecem que os produtos novos são a chave para a sua sobrevivência econômica. Este é apenas um exemplo da nova e criativa revolução industrial. Estas solicitações, no entanto, são a ponta de um iceberg de ideias globais.” DESIGN DE PRODUTO E DESENHO INDUSTRIAL Os termos “design de produto” e “desenho industrial” têm evoluído ao longo do tempo. Por conseguinte, significam coisas diferentes (e as vezes contraditórias) para cada pessoa. Em termos gerais, o design de produto se interessa pela geração e desenvolvimento eficaz de ideias através de um processo que resulta em novos produtos, enquanto que o desenho industrial se interessa pelos aspectos desse processo que trazem aos bens produzidos industrialmente uma estética e usabilidade geralmente associadas com o desenho artístico. www.gestalten.tv
  • 5. Richard Morris. IDEIAS SOBRE PRODUTOS A. Introdução REFERÊNCIAS “A cada ano são solicitadas aproximadamente duas milhões de patentes, muitas das quais são geradas por empresas que reconhecem que os produtos novos são a chave para a sua sobrevivência econômica. Este é apenas um exemplo da nova e criativa revolução industrial. Estas solicitações, no entanto, são a ponta de um iceberg de ideias globais.” metodologia www.gestalten.tv “Christian Boucharenc presents a ground-up methodology for teaching and learning design fundamentals … This new design pedagogy brings structured learning to students, awash in imagery and possibilities of digital tools, by encouraging expression and exploration with a carefully crafted and clearly communicated learning process”. Toshiyuki Kita A design blog for the Division of Industrial Design at the National University of Singapore blog.nus.edu.sg/nusid/programme Division of Industrial Design, National University of Singapore www.designincubationcentre.com
  • 6. A. Introdução Nas criações de design industrial de Raymon Loewy, figuram a logo da Shell, o ônibus de Greyhound e a locomotiva S1, assim como alguns dos carros e geladeiras mais recentes. É considerado que estes produtos têm influenciado na cultura americana.
  • 7. A. Introdução A crença de Dieter Rams de que “menos e mais” também têm influenciado fortemente na cultura e design europeu. Bom design é inovador Bom design faz um produto ser útil Bom design é estético Bom design nos ajuda a entender um produto Bom design é discreto Bom design é honesto Bom design é durável Bom design se preocupa com os mínimos detalhes Bom design se preocupa com o meio ambiente Bom design é menos design
  • 8. A Apple é atualmente um marco no que diz respeito ao bom design, definindo as tendências das novas tecnologias. Um design elegante e simples, pensado ao pormenor, onde apenas o essencial tem lugar à vista. Dieter Rams, o designer que influenciou definitivamente o percurso da Apple (Jonathan Ive ). O "BOM DESIGN" QUE INFLUENCIOU A APPLE
  • 9. O "BOM DESIGN" QUE INFLUENCIOU A APPLE https://www.youtube.com/watch?v=RWoprlPMBnA
  • 10. 3 FORAM ANALISADAS DUAS MANEIRAS DIFERENTES DE GERAR IDEIAS PARA PRODUTOS, 2 Forma pessoal de considerar os produtos mediante uma série de ideias que giram em torno da individualidade, independên- cia de pensamento, reflexão e empatia. Considera as necessidades das pessoas explorando o mercado, e precisa ser analítico, técnico e estar aberto à negociação; é um processo transparente. Ambos os métodos apresentam críticas. Os designers livres pensadores, referindo-se a Necesidades das pessoas (A.3), insistem em seguir suas próprias versões, que podem ser negativas ou cheias de preconceitos e criam produtos pessoais ao autor. Necesidades das pessoas (A.3), é um enfoque regido unicamente pelo mercado e pode ter pessoas que, movidas por hábitos tendencio- sos e modas, possam gerar produtos inadequados, apáticos e desinteressantes. Por isso, a realização de novas ideias para produtos devem ser uma mistura de ambos enfoques, designers com capacidade de criar novos produtos com a sua imaginação e que além disso detectem as necessidades dos produtos no mercado. ( semelhante a “caixa preta” ). (semelhante a “caixa branca” ) Imaginação. Necessidades das pessoas. Richard Morris. IDEIAS SOBRE PRODUTOS
  • 11. O designer é capaz de gerar novas ideias uma e outra vez para vários projetos diferentes. Nesta seção se explicam alguns dos métodos que os designers profissionais utilizam para originar sistematicamente boas ideias sobre produtos fazendo uso da sua imaginação. Temos que: 1 Manter uma posição crítica 2 Olhar com a mente aberta 3 Aceitar que tudo o que se sabe pode estar errado 4 Aceitar que tudo o que se sabe e o que se faz também pode estar errado 5 Estar disposto a questionar tudo, ser capaz de ter um ponto de vista diferente e de expressar uma opinião alternativa. A.2 Imaginação A.2.1 Ter um ponto de vista diferente Copiar o trabalho de outro designer, não sair da zona de conforto, e incluso pensar do mesmo modo derivará em produtos similares. Resignificar o porque das coisas sempre terem sido feitas assim, ou se é a melhor maneira de fazer. shop.gestalten.com/outsiders.html
  • 12. A.2 .2 Viver novas experiências Levar una vida monótona e rotineira, com os mesmos hábitos e costumes limita nossa capacidade de aprender, comparar e contrastar ideias.Os padrões de pensamento estabeleci- dos podem criar um processo mental rígido que limita a capacidade criativa. Os grandes designers sempre estão preparados para afrontar novos desafios, trabalhar com novas pessoas e experimentar coisas diferentes. A.2 .3 Explorar e brincar A exploração pode ser instrutiva: descobrir e trabalhar com materiais, formas, padrões, desmontar objetos para saber como funcionam ou construir maquetes e protótipos são opções válidas.A brincadeira tem um papel importante na exploração. É instrutivo experimentar, explorar, imitar ou fazer algo pensando de forma puramente abstrata. O caráter lúdico da atividade reduz o stress e ajuda a pensar melhor. A.2 .4 Subversão Os problemas de design devem ser encarados sabendo que não existe uma única resposta possível. Tentando explorar a maior quantidade de ideias possíveis. Bathroom Bubble (Urban/Nature) Trend Report: Pop up my Bathroom
  • 13. Explorar e brincar ENTREVISTA HUMBERTO CAMPANA https://www.youtube.com/watch?v=gnylCxYQF1M
  • 14. A.2 .5 Adaptação A melhor solução não precisa ser radical e nova, os aprimoramentos podem ser pequenos e sutis. Pode ser a redefinição de dimensões, alterando as características ou redefinindo os atributos. Considerar o trabalho de outros designers e entender os objetivos de seus trabalhos, o porque propõem uma determinada solução, conhecer seus referentes e influências, compreender sua trajetória e evolução. Assim como buscar informação especializada em exposições, revistas de design, redes, associações, coletivos e fóruns. Isso permitirá obter uma informação inteligível e eficaz. Jasper Morrison Ronan And Erwan Bouroullec Nendo Marc Newson Marcel Wanders A.G. Fronzoni Adam Goodrum Alessandro Mendini Andreas Brandolini Antonio Facco Bakery Studio Benjamin Hubert Carlo Colombo Carlo Contin Christophe Pillet Claudio Silvestrin Daphna Laurens Doshi Levien Dror E.Barber & J.Osgerby Erwan Bouroullec Fabio Novembre Federico Angi From Us With Love Francois Azambourg Giulio Capellini Glimpt Studio Ilaria Marelli Ineke Hans Inga Sempè Jakob Wagner Jasper Morrison Jean-marie Massaud Guilio Cappellini´s advice to young designer: “Don´t design too many things.Design two or three good things,you need a lot of patience.It takes a lot time hard work- around 12 hours each day. And if you belive in an idea, defend it. If you base your designs solelyon the market, then what you´ll create will be the same as everyones´s”
  • 15. Leonardo Talarico Lloyd Schwan Lorenzo Damiani Marc Newson Marcel Wanders Marre Moerel Marten Claesson, Eero Koivisto and Ola Rune Martin Solem Martin Vallin Matteo Zorzenoni Max Lipsey Michaela Catalano and Ilaria Marell Mist-o Nendo Ola Rune Patric Norguet Piero Lissoni Pietro silva Raphael Navot Raw-Edges Rodolfo Dorini Ronan and Erwan Bouroullec Ronan Bouroullec Rosario Mannio e Micro Facchin Satyendra Pakhalé Shigeru Ban Shiro Kuramata Studio Capellini Studio Zanini Sylvain Willenz Thomas Ericksson Todd Bracher Tom Dixon Tomoko Mizu Werner Aisslinger
  • 17. A.1 .8 Tecnologia Em termos gerais, engloba o conhecimento e a aplicação de ferramentas, habilidades e ciências que utilizamos para dar forma ao mundo. É comum a associação com a informática ou a tecnologia de ponta da indústria aeroespa- cial. Também pode incluir noções de sistemas e métodos em uma realidade qualquer, coisa que provoca uma mudança.Os novos materiais e novas tecnologias nos permite gerar ideias para novos produtos. A.1 .6 Lições da Natureza Natureza Fractal, Geometria e Números. A.1 .7 Trabalhar com materiais No início do processo, a experimentação de materiais traz muitas possibilidades à explorar, como por exemplo, conhecer novos materiais, verificar o desenvolvimento de nanotecnologia, de compostos e biocompostos, géis, espumas e seus tratamentos. CHRIS BANGLE Director of Design BMW Group
  • 18. Tecnologia BMW GINA LIGHT VISIONARY MODEL http://vimeo.com/89559101
  • 19.
  • 20. Fazer as coisas de forma diferente pode nos levar a reflexionar. Realizar atividades cotidianas do dia a dia de modo distinto, se assemelha ao processo de pensar diferente e de experimentar direcionado para produtos e objetos concretos. As percepções obtidas destas atividades podem desencadear novas apreciações e novas linhas de pensamento. Una das técnicas mais efetivas é a de estabelecer conexões entre áreas previamente desconexas.Uma criança não teria dúvidas em associar um carro com uma máquina de lavar. Raymond Loewy considerado por muitos o patriarca do design industrial,riou uma grande parte da nova tecnologia funcional e a aplicou em produtos. A tentativa de Dieter Rams em vincular a atemporalidade resulta em produtos de marca impecáveis e minimalistas. Ou aquelas características comuns presentes em coleções de designers que criam um estilo ou género como as ideias teóricas e práticas do movimento Arts and Crafts, a estética modernista, ou a gerada por companhias como Sony ou o estilo de coletivos como o Droog. DESIGN YOUR LIFE Ellen Lupton A.2.9 Reflexão A.2 .10 Novas formas e conexões
  • 22. A.1 .12 Técnicas criativas. Criar novas conexões entre conceitos é um potente motor de criatividade. Existem muitas metodologias e técnicas criativas, tem-se que organizar bem para obter bons resultados. Algumas das técnicas criativas que podem ser úteis: brainstorming, os seis chapéus pensantes, o método da bola de neve, a análise morfológica, os mapas mentais e o Brain Writing 635. “Venho tentando desenvolver meu próprio foco em design e minha própria ideia sobre o que é design ou, melhor ainda, o que ele poderia ser. Meu principal interesse é fazer coisas novas e diferentes utilizando conhecimentos que vou recopilando com afinco, em particular sobre a tecnologia e a nossa relação com ela.” Mathias Bengtsoon, Bengtsson Design Ltd www.hectorserrano.com
  • 23. A.1 .11 Aproveitar oportunidades. Gerar ideias é uma coisa, ser capaz de reconhecer uma nova ideia é bem diferente, e tirar vantagem dela também é algo distinto. Serendepia é o termo que descreve o feito de descobrir algo quando se está pesquisando outra coisa que não tem relação com o pesquisado. Os designers devem a coragem de arriscar novas ideias, mesmo que, apesar dos resultados claramente benéficos, exista um grande risco de fracassar. www.hectorserrano.com
  • 24. A.2.1 design centrado no usuário É uma forma de descobrir um foco de design baseado no mercado, em cujo núcleo está o desejo de compreender quais são as principais necessidades atuais ou emergentes das pessoas, com o objetivo de definir e criar novos ou melhores produtos. Esta questão é fundamental para as empresas pois podem utilizar a informação de mercado como una estratégia corporativa e gerir e organizar seus recursos segundo a informação. Entendendo os momentos mais adequados para o lançamento de novos produtos com critérios que satisfação melhor as necessidades dos consumidores. A gestão de design é um campo em evolução que engloba o trabalho em equipe, gestão da informação, comunicação, branding e as mudanças sociais. A.2 NECESIDADES DAS PESSOAS
  • 25. design centrado no usuário http://vimeo.com/67385230
  • 26. A.2.2 APRENDER COM AS TENDÊNCIAS DE MERCADO. A.2.3 COLETA DE DADOS. A.2.4 ETNOGRAFÍA. Baseada em princípios da antropologia (estudo da humanidade) utiliza a pesquisa de campo para entender os diferentes povos e culturas.No design de produtos se traduz em desenvolver seu conhecimento sobre produtos mediante a empatia e a sua própria experiência.Filmar experiências, “videoetnografia” , enriquece a compreensão do comportamento.La etnografia, por si só, oferece resultados que podem ser influenciados pelos nossos preconceitos e limitações perceptivas. A.2.5 OBSERVAÇÃO Significa interpretar e entender o comportamento e decisões dos consumidores através da sua interação com diferentes cenários, produtos ou protótipos.Pode realizar-se in situ ou mediante uma prova específica proposta.Por trás das atividades obvias podem haver significados mais profundos de comportamento ou de processo cognitivo humano. A.2.6 PSICOLOGIA E SOCIOLOGIA. A psicologia trata do estudo analítico e científico dos processos e comportamentos mentais relacionados com a percepção, cognição, emoções, a personalidade, o comportamento e as relações interpessoais. Compreender os papeis que desempenham estas funções pode ajudar aos designers a pensar em melhores produtos. A sociologia explica as necessidades humanas no contexto de uma sociedade, mediante interpretações sociais e culturais. Os produtos são considerados “instrumentos” com significado e relevância para o mundo que os rodeia além da sua função. O significado de um produto, a semântica, pode proporcionar uma melhor compressão das necessidades e requisitos subjacentes a estes. Começar a entender o mercado é estudar os produtos existentes para ver como os outros designers estão interpretando os requisitos de mercado.A quais tipos de pessoas se dirigem os produtos?, Quais são as tendências de design?, Quais as diferenças entre os tipos, custos, materiais, formas e processos de fabricação?,Quais fazem sucesso e porque? Documentos: - Revistas de marketing. - Artigos de guias comerciais. - Exploração de tendências históricas de um produto ou produtos relacionados. - Exploração de considerações e
  • 28. A.2.7 CROWDSOURCING(“colaboração massiva”). Internet e as novas tecnologias Web 2.0 tem aberto novas oportunidades de explorar una maior quantidade de opiniões rapidamente e com baixo custo. As técnicas mais utilizadas são o mailing, consulta de sites, fóruns e blogs, redes sociais, e jogos de Second Life. A.2.8 TARGET (O público objetivado). Decidir para quem o produto se dirige e construir o perfil do consumidor, tipo de mercado escolhido, incluindo não apenas dados demográficos(idade, sexo...) Mas também características de conduta típicas. Considerando que um bom produto, as vezes, deve deixar de lado as definições standard e encontrar novas formas de considerar o mercado. A.2.9 DESIGN INCLUSIVO Não é apenas aquele que inclui pessoas com deficiências, se trata da filosofia de levar em consideração as necessidades do maior número de pessoas possível, com princípios como igualdade, simplicidade, flexibilidade, uso intuitivo e compreensível, o fácil manejo, assim como tamanhos e pesos adequados. A.2.6 COOL HUNTING (“caça de tendências”). As tendências entre os grupos mais jovens podem converter-se na corrente dominante do futuro. Com a crescente fragmentação de grupos sociais e subculturas, cada vez é mais difícil avaliar com técnicas tradicionais de pesquisa como questionários. Coolhunting é um termo que descreve a combinação de abordagens antropológi- cas, como viver em subgrupos e observá-los desde um ponto de vista sociológico e psicológico. Os pesquisado- res devem estar do lado de fora com uma ampla rede de contatos e ter a capacida- de de aprofundar em sua forma de vida. Interessar-se por seus símbolos, como absorvem a informação, métodos de comunicação usados, roupa e atitudes , para interpretar o futuro da moda.
  • 30. Conteúdo e design Francisco Gómez Castro Tradução Kammi Corinaldesi Aros NA S DESIGN NUCLEO DE ABORDAJE SISTEMICO MUITO OBRIGADO IDEIAS SOBRE PRODUTOS