Curso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de Projetos

126 visualizações

Publicada em

Curso de Design Thinking atualmente ensinado na FIAP (Faculdade de Informática e Administração Paulista, São Paulo, Brasil) para o MBA em Gestão de Projetos com práticas do PMI. Co-Autores: Julien Condamines (Co-Creation Lab)) & Armando Oliveira (ModeloPM)

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
126
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de Projetos

  1. 1. GESTÃO DE PROJETOS COM PRÁTICAS DO PMI®
  2. 2. DESIGN THINKING Julien Condamines - j.condamines@gmail.com Armando Oliveira - oliveiraarm@gmail.com 2016
  3. 3. Armando Oliveira, MSc, MBA, PMP® ▪ Graduado em Tecnologia da Informação (Mackenzie). ▪ MBA em Gestão de Tecnologia da Informação (FEA - USP). ▪ Pós-graduado em Sociologia, Antropologia e Psicologia (FESP). ▪ Mestre em Projetos de Interação Humano-Computador (FATEC - CEETEPS). ▪ Certificado Project Management Professional – PMP®. ▪ Sócio-Diretor da Modelo PM – Consultoria e Treinamento em Gestão de Projetos. ▪ Mais de 20 anos de experiência em projetos. ▪ Professor de diversos MBA´s de Gerenciamento de Projetos e de Pessoas. ▪ Premiado pela FGV em 2015: Melhor professor do MBA de Gestão de Projetos no país ▪ Experiência Executiva: Diretor na G&P/GPTI por sete anos, responsável pelas diretorias de Projetos Corporativos (PMO), Qualidade, Metodologia e Processos (metodologias e certificações), Recursos Humanos (mais de 6.000 profissionais) e Responsabilidade Social. ▪ Empresas: Monsanto, American Express, Lloyds Bank, Atos Origin, CA – Computer Associates, Ford, Peugeot, Itaú, Santander, Unibanco, SEBRAE, SENAC, Siemens,
  4. 4. Julien Condamines mentor
  5. 5. Suas expectativas sobre o curso?
  6. 6. DESIGN THINKING Julien Condamines j.condamines@gmail.com 2016 REGRA #6 A vida é muito importante para ser levada a serio
  7. 7. DESIGN THINKING Julien Condamines j.condamines@gmail.com 2016 REGRA #6 A vida é muito importante para ser levada a serio AULA DE BICICLETA
  8. 8. SHUT UP!
  9. 9. O tempo é uma bomba!
  10. 10. Wake up call! MASTER BLASTER JOKENPO Qual a boa de hoje?
  11. 11. Julien Condamines j.condamines@gmail.com 2016 INTRO AO DESIGN THINKING
  12. 12. Não é o que você não sabe que pode causar-lhe problemas, é o que você tem certeza, mas está errado. Mark Twain
  13. 13. Que é isso?
  14. 14. Para que as coisas se revelem para nós, precisamos estar dispostos a abandonar nossos pontos de vista sobre elas. Thich Nhat Hanh Roof Clock
  15. 15. Não podemos esperar resolver problemas usando o mesmo racíocinio que usamos quando os criamos. Albert Einstein
  16. 16. DESIGN THINKING
  17. 17. O que significa Design-Thinking
  18. 18. De maneira parecida a um músculo, suas habilidades criativas crescem e e se fortalecem com a prática. Tom Kelley
  19. 19. Se focamos sempre no usuário, todo o resto seguirá... 13/03/2016
  20. 20. O Processo Criativo Busca do Problema Busca da Solução Criar Opções Criar Opções Selecionar Opções Selecionar Opções Compreender Observar Definir uma Perspectiva Gerar Ideias Criar Protótipos Testar
  21. 21. Se eu tivesse perguntado às pessoas o que elas queriam, teriam me pedido cavalos mais rápidos. Henry Ford
  22. 22. Princípios Fundamentais
  23. 23. Eu não falhei 700 vezes, encontrei 700 maneiras que não funcionam. Thomas Edison
  24. 24. Exemplo de aplicação - Sala de emergência
  25. 25. Exemplo de aplicação - MRI para Crianças
  26. 26. Exemplo de aplicação - Sistema Educacional “acessibilidade, escalabilidade, excelência”
  27. 27. A criatividade inerente ao Design Thinking é ampla.
  28. 28. APPLICAÇÕES Estratégia de negócios Soluções de mudança de cultura, Campanhas de marketing, Comunicação, Design de: Produtos Ferramentas e serviços Arquitetura Experiências humanas, Negócios Sustentáveis Vida
  29. 29. SUPER PODERES DO DESIGN THINKER Transformar empresas e indústrias, Criar produtos e serviços inovadores, Trazer significado de volta para as marcas, Reinventar o modo dos governos de servir o cidadão, Enfrentar os desafios mais complexos da nossa sociedade, Ser o combustível dos maiores movimentos sociais.
  30. 30. A QUE SE OPÕE AO DESIGN THINKING?
  31. 31. TEAM UP!
  32. 32. Formação de Times - Crie seu perfil Experiência Competências Hobbies Interesses
  33. 33. GERAR NOVAS IDEIAS
  34. 34. Colaboração inter-disciplina Escolha 3 dos seus pontos mais fortes, usando pelo menos uma competência profissional e um hobby… Em dupla, descreve para seu/sua colega os pontos que você escolheu e escute o dele/dela. Pensem juntos: quais desses conhecimentos vocês poderiam misturar para criar um novo negócio* Sem filtro, quanto mais absurdo melhor. A mistura de background diferentes gera novas conexões. Para resolver problemas, grupos multi-displinários são os melhores. Busca a diversidade!
  35. 35. Pitch it Before you know it
  36. 36. Problemas: Pobreza Fome Crise econômica Crise politica Acesso a aguá Segurança Mobilidade Urbana Saúde Educação Corrupção ... Idea Jackpot Funções: Acessar Agregar Analisar Publicar Fazer a curadoria Capturar Categorizar Colaborar Comunicar Comparar Descobrir Encontrar Seguir Inspirar Ensinar Divulgar Gerar Transparência Medir Monitorar Motivar Organizar Personalizar Planejar Recomendar Avaliar Pesquisar Compartilhar Entender Vizualizar Funcionalidades: Inteligência de Negocio (BI) Cloud Computing Comunidades Crowd-sourcing Exploração de dados Gestão de inventório (excess inventory / yield management) Filtragem Gamificação Geo-localização Local Marketplace Mobile Rede Real-Time Self-Paced Streaming Sincronização Marcação (Tagging) Rastreamento (Tracking) Videos
  37. 37. Pensa em outras maneiras de criar novas conexões e divide com a turma
  38. 38. Entender o contexto do desafio Na busca do problema...
  39. 39. Entender o contexto Para entender todos os aspeitos do desafio, você tem que apagar seus preconceitos e esquecer a sua própria realidade
  40. 40. Entender o contexto Volta a ser criança. Nesse novo contexto, tudo é possível. Tudomesmo!
  41. 41. Entender o contexto Disseca o problema: - Qual o significado de cada palavra-chave - Quem é o público alvo? - Quem mais está envolvido? - Porque isso é um problema? - Quais são os diferentes aspeitos do problema? Mais que o que? Qual a base de referência? O que é o amor? Quem fornece atualmente? Como entrega? Para quem? O que é um favor? De graça? Em troca de outra coisa? É propina? Cabe mais? Parafazer o que? Menos de outra coisa?Amizade? Violência?Comida? Sexo? Pode prejudicar outros que vão ter menos?
  42. 42. Entender o contexto Seja pronto a mudar sua perspectiva para descobrir aspeitos inesperados do problema.
  43. 43. Entender o contexto Antes de perguntar qualquer coisa, observa...
  44. 44. Entender o contexto Slide interview process
  45. 45. Entender o contexto Pergunte "por que", "por que", "por que"... Nunca use "geralmente" nas perguntas. Procure por inconsistências. Incentive histórias. Preste atenção aos sinais não-verbais. Não sugira respostas para as perguntas. Não tenha medo do silêncio. Faça perguntas de forma neutra. Faça perguntas abertas Capture tudo o que você vê e ouve. Não esquece o tema Não-usuário também vale a pena falar
  46. 46. Como coletar insights? USA O MAPA DE EMPATIA PARA COLETAR SEUS INSIGHTS
  47. 47. Agora #vaiprarua Sua missão até a próxima semana: - Ler pesquisas e artigos sobre o assunto - Observar pessoas expostas ao problema no contexto real (ex. Saúde: senta numa sala de espera por 2hrs, Mobilidade urbana: toma um café num terraço e anota o que está acontecendo na rua…) - Conduz 3 á 5 entrevistas com usuários e não usuários (ex. segurança do ciclista: 2 ciclistas, 1 pedestre, 1 taxista, um chofer de ónibus) - Traz os resultados para a próxima aula
  48. 48. Aula #2
  49. 49. Bate-Papo Conta sua jornada no contexto do problema para seu grupo
  50. 50. Juntem seus insights
  51. 51. Juntem seus insights FAZ UM MAPA DE EMPATIA ÚNICO PARA O GRUPO
  52. 52. Juntem seus insights O que você aprendeu? Quais foram as surpresas? O que você confirmou? O que foi contraditório? Quais são os pontos comuns entre os usuários? Quais são as revelações que tiveram mais valor?
  53. 53. Necessidades: O que o ser humano precisa emocionalmente ou fisicamente para viver. Descritas por verbos (atividades e desejos com os quais o usuário precisa de ajuda). Identificadas dentro das características do usuário, ou a partir de contradições, por exemplo entre o que ele disse e o que ele faz. Quais as necessidades dos usuários expostos ao problema? Cuidado: Necessidade NÃO É a solução do problema. É o problema.
  54. 54. Definir uma perspectiva
  55. 55. A lenda da caneta da NASA...
  56. 56. Como gerar uma perspectiva? PERSPECTIVA = PERSONA + INSIGHT + NECESSIDADE
  57. 57. Escreve a história do seu usuário ……………… é ……………… …………………………………… que precisa ……………………… porque …………………………… …………………………………… nome descrição do persona necessidade = verbo de ação Insight, revelação que você descubriu Examplo: Joãozinho, uma criança de 10 anos com cancer, paciente do hospital público de São Paulo. Necessidade: precisa ficar com uma roupa quente quando está transferido para a sala de quimioterapia porque pega frio na sala de espera esterilizada / precisa da presença dos seus familiares quando espera porque está com medo por conta da solidão e dos barulhos estranhos e estressa ele, e isso é ruim para o tratamento e pelo seu moral
  58. 58. Reformula seu problema QUESTÃO CRIATIVA = COMO PODERIAMOS… [PROBLEMA A SER RESOLVIDO] Tenta variás opções, escolhe a mais relevante Examplo: Problema inicial - Como reduzir a mortalidade das crianças com Cancer nos hospitais públicos de São Paulo > Como poderiamos reduzir as chances de pegar frio durante o tratamento ? Como poderiamos reduzir o estresse gerado durante o tratamento?
  59. 59. A criatividade inerente ao Design Thinking é ampla. GERAÇÃO DE IDEIAS
  60. 60. Frases proibidas durante um brainstorm Nunca vai funcionar É criativo demais para nosso público A faculdade não vai deixar Que besteira! Você está louco Não temos grana Nada ver Você não sabe se é possível
  61. 61. Auto-Restrições proibidas Eu sei que não resolveria Não gosto muito da ideia Vocês vão achar ousado Talvez não tenha nada a ver Eu sei que é impossível Não sei se pode funcionar Seria muito caro
  62. 62. Think big: Grandes ideias geram muitas outras ideias Fale em headlines: Não compatilhe todos os detalhes da sua ideia. Seja visual: Desenhe em vezde escrever, criaum mapa em vezde uma lista Capture: Escreva TODAS as ideias Complemente: Cria conexões entre ideias pensando sempre "Sim, e..." Não julgue: abraçe todas as ideias, deixe as criticas para mais tarde. Quanto mais Melhor: foco na quantidade! Aguarde sua vez:todo mundo podefalar, mas um depois do outro Go wild: Não tem limite!
  63. 63. Agora vai: 10mn para gerar 50 ideias!
  64. 64. Aula #3
  65. 65. REGRAS DO BRAINSTORMING?
  66. 66. Think big: Grandes ideias geram muitas outras ideias Fale em headlines: Não compatilhe todos os detalhes da sua ideia. Seja visual: Desenhe em vezde escrever, criaum mapa em vezde uma lista Capture: Escreva TODAS as ideias Complemente: Cria conexões entre ideias pensando sempre "Sim, e..." Não julgue: abraçe todas as ideias, deixe as criticas para mais tarde. Quanto mais Melhor: foco na quantidade! Aguarde sua vez:todo mundo podefalar, mas um depois do outro Go wild: Não tem limite! LEMBRETE
  67. 67. Técnicas alternativas de brainstorming O QUE FARIA MINHA MÃE? Pensa com a cabeça de outra pessoa. Uma criança, um patrocinador, um patiente, o governo ou um cidadão de outro país (mais ou menos desenvolvido), alguém que não conhece o tema, Leornardo da Vinci, um cantor famoso, un encanador... Slip de Crawford: Faz o brainstorm em silêncio para deixar todo mundo se expressar Cada um escreve suas ideias num post-it em silêncio e cola no painel. O facilitador lê todas as ideias a voz alta depois. Permite que todo mundo possa se expressar em grupo grande ou heterogeneos
  68. 68. Técnicas alternativas de brainstorming Backcasting: Imagina o futuro e volta pro presente Como será essa situação em... - 50 anos? - 20 anos? - 5 anos? - 1 ano? - Qual a solução atual? ANALOGIAS: A que outro contexto familiar te faz pensar esse desafio e como pode se aplicar aqui? Esporte, Natureza, Lazer, Familia, Jogo, Marca, Empresa onde você já trabalhou...
  69. 69. Organizar as ideias Agrupas as ideias por complementaridade, para formar soluções: - temas comuns - similaridades - complementaridade - afinidade - conexões Não criar clusters! Ex. todas as apps juntas, todas que usam mídia. Favorece a diversidade de inspirações
  70. 70. A única ideia que vale é uma ideia na rua Desejável (usuário) Viável (tecnologia) Realista (Finanças) INOVAÇÃO
  71. 71. Matriz de posicionamento As melhores ideias estão aqui Viabilidade de implementação (dentro do contexto) Impacto(emrelaçãoaoproblemainicial)
  72. 72. Os Seis chapeus de Bono Como usar chapéus malucos para tomar boas decisões?
  73. 73. Os Chapéus de Bono
  74. 74. Chapéus
  75. 75. Dinâmica: identifique seus parceiros
  76. 76. Vote para a melhor ideia Se ainda não tiver um consenso, faz cada um votar em silêncio para a ideia que considera melhor Se nenhuma se destaca, debate até achar um consenso
  77. 77. Com todo esse cuidado, agora, você deveria ter uma EXCELENTE ideia na manga!
  78. 78. Aula #4
  79. 79. Prototipagem
  80. 80. Desafio do Marshmallow Quem chegará mais alto? 18 minutos 20 fios de spaghetti 1 metro de fita crepe 1 metro de barbante 1 marshmallow
  81. 81. Desafio do Marshmallow
  82. 82. O que você aprendeu com esse f*&#$ de marshmallow?
  83. 83. Métodos de Design Contextual Rápido Protótipo: Ajuda a definir e ilustrar premissas. Busca garantir que atenderemos os requisitos definidos. Podem ser de: – Baixa Fidelidade – Alta Fidelidade – Exemplos: papel, story-board, modelos, maquetes, PPT, vídeos, uma parte da solução final com funções reduzidas
  84. 84. Fonte: www.usability.gov/how-to-and-tools/methods/prototyping.html Evolução do processo de prototipação
  85. 85. Fonte: www.baddesigns.com Protótipos? Para que?
  86. 86. Protótipos? Para que? OU Fonte: www.baddesigns.com
  87. 87. Seu primeiro protótipo Rápido Rústico Barato 5 minutos para criar o protótipo da sua ideia, com o material disponível na sala Sem usar computador nem celular 2 minutos para apresentar pro grupo vizinho e coletar feedbacks em silêncio.
  88. 88. Feedback… em silêncio? Na hora de apresentar para seu usuário-test, você não pode responder. Nada. Silêncio total. Ajuda a ouvir melhor, e a entender que a percepção deles não é negociável. Errou, aprendeu, mudou.
  89. 89. Protótipos de baixa fidelidade Cards Fonte: www.usability.gov/how-to-and-tools/methods/prototyping.html
  90. 90. Sketching / Storyboarding Fonte: www.id-book.com
  91. 91. Cards Fonte: www.id-book.com
  92. 92. Timeline
  93. 93. Aumentando a fidelidade do protótipo Fonte: www.id-book.com
  94. 94. Seu segundo protótipo Parece como… Se sente como… Funciona como… mas ainda não é nem perto da solução final. 45 minutos para criar um protótipo mais avançado da sua ideia, com o material disponível na sala Pode usar computador, celular ou qualquer outra tecnologia disponível
  95. 95. Faça o pitch da sua solução (opcional, mas recomendado) Nenhuma empresa, nunca, morreu de competição. Porem milhares falham cada dia em entregar uma solução relevante. Não perca uma oportunidade de receber feedbacks. Apresentação coletiva próxima semana
  96. 96. Agora #vaiprarua Sua missão até a próxima semana: - Apresenta sua solução para pelo menos 5 usuários reais, expostos ao problema que você está tentando solucionar. Após apresentar a ideia, recebe o feedback em silêncio - Faz perguntas para aprofundar o que não foi entendido, ficou confuso, não funciona. Pergunta por que, por que, por que, por que, por que… - Não tenta convencer eles que sua solução é boa. Isso não vai trazer insights relevantes. - Traz os insights para a próxima aula, e qualquer material que você precisa para melhorar seu protótipo.
  97. 97. Aula #5
  98. 98. Papo de protótipos Conta sua experiência de coleta de feedbacks para seu grupo
  99. 99. Último protótipo
  100. 100. Último protótipo Baseado em todos os feedback recebidos, melhore seu protótipo ou crie um novo, o mais próximo possível do resultado final.
  101. 101. Canvas de Valor, Canvas de Negócio e Pitch Coletivo
  102. 102. Alexander Osterwalder
  103. 103. Canvas de Modelo de Negócios
  104. 104. Canvas da Proposta de Valor
  105. 105. Canvas da Proposta de Valor
  106. 106. Canvas da Proposta de Valor
  107. 107. Canvas da Proposta de Valor
  108. 108. Canvas da Proposta de Valor
  109. 109. Canvas da Proposta de Valor
  110. 110. Canvas da Proposta de Valor
  111. 111. O que os clientes buscam? O que precisam? O que não me atende? O que me atrapalha? O que não me deixa dormir? O que seria um diferencial? Como realizar meu sonho? O que me deixaria mais feliz? Diferencial Superação da expectativa Benefício em relação ao status Solução proposta Como eu atendo Como eu ajudo Como resolvo a causa Que erros e problemas eu tenho? Quais minhas alternativas Exemplo: Canvas da Proposta de Valor
  112. 112. Prepara seu pitch usando o canvas de proposta de valor
  113. 113. Elevator Pitch 2 minutes para apresentar 5 minutos de feedback 3 minutes de conversa
  114. 114. Canvas do Modelo de Negócios
  115. 115. Derivando do primeiro Canvas
  116. 116. Canvas do Modelo de Negócios
  117. 117. Canvas do Modelo de Negócios
  118. 118. Canvas do Modelo de Negócios
  119. 119. Canvas do Modelo de Negócios
  120. 120. Canvas do Modelo de Negócios
  121. 121. Canvas do Modelo de Negócios
  122. 122. Canvas do Modelo de Negócios
  123. 123. Canvas do Modelo de Negócios
  124. 124. Canvas do Modelo de Negócios
  125. 125. Massa? Segmento? Diversificado? Nicho? Qual a nossa solução? Que dores aliviamos? Que benefício trazemos? Que pacote(s) oferecemos? De que forma(s) nos relacionamos com nossos clientes? Como nos descobrirão? Se informar?Comprar? Receber? Pós-venda? De que forma(s) ganharemos? Como se dará a precificação? Quem serão e o que proverão nossos parceiros? Quais as principais tarefas na empresa? Quais os recursos envolvidos nas tarefas? RH, materiais, equipamentos e outros? Que custos fixos teremos? Que custos variáveis teremos? Exemplo: Canvas do Modelo de Negócios
  126. 126. Reflexões sobre o curso Atingiu as expectativas? O que eu gostei? O que gostaria de aprofundar? O que vou fazer diferente?

×