SlideShare uma empresa Scribd logo
Presidência da República
               Secretaria Especial de Portos

                         CPLP
                    Leixões, Portugal




Planos de Expansão dos Portos do Rio de Janeiro




                  Jorge Luiz de Mello
              jorge.mello@portosrio.gov.br
Crescimento da Movimentação de Contêineres
                             Hoje 70% da carga geral é transportada em contêineres
            2,000                                                                                                                          80.0


            1,800            Carga Geral
                                                                                                                                           70.0
                             Carga Contêineirizada
            1,600
                             Movimentação de Contêineres                                                                                   60.0
            1,400




                                                                                                                                                  Percentual
Milhões t




                                                                                                                                           50.0
            1,200


            1,000                                                                                                                          40.0


             800
                                                                                                                                           30.0

             600
                                                                                                                                           20.0
             400

                                                                                                                                           10.0
             200


               0                                                                                                                           0.0
                    1980   1982   1984   1986   1988   1990   1992   1994   1996   1998   2000   2001   2002   2003   2004   2005   2006
                     Fonte: WTO, Drewry Shipping Consultants
A Conteineirização remodelou a economia global
          Chegada tardía para o Brasil e maioria da América Latina




                                                                                                   Privatização dos Portos Brasileiros
                                                                  Leis de Modernização Portuária
                                      Nova Constituição Federal




Fonte: WTO, IMF, Drewry Shipping Consultants, Baltic Maritime Advisers
Comércio Exterior e Portos Brasileiros

                                                                             Movimentação de contêineres dispara com o arrendamento dos terminais de uso público




                                      5



                                                                Terminais de Uso Público
                                                           Início dos arrendamentos dos
Milhões de Contêineres Movimentados




                                      4


                                      3


                                      2


                                      1


                                      ‐



                                          Fonte: ABRATEC
Dinâmica do Comércio Global
                                        Tendência crescente de conteinerização



          Hoje 70% de toda carga geral é movimentada em contêineres




      Fonte: UNCTAD, Lloyd’s Maritime Information Service/Fairplay, Drewry Shipping Consultants
Comércio Exterior e Portos Brasileiros
                Dobra o fluxo do comércio exterior brasileiro




     Fonte: WTO, BACEN
Dinâmica do Comércio Global
                     (R)evolução mundial dos navios porta-contêineres




                      1a Geração (Pré 1960 - 1970)
    1.700 TEU           Ideal X
                      2a Geração (1970 - 1980)
   2.305 TEU             Full Cellular
                      3a Geração (1985)
   3.220 TEU            Panamax
                      4a Geração (1986 - 2000)

   4.848 TEU           Post-Panamax

                      5a Geração (2000 - 2005)
                      Super Post-Panamax
   8.600 TEU
                      6a Geração (2006 - ?)
                      Super-size Maersk
  14.000 TEU
Dinâmica do Comércio Global
                        (R)evolução mundial dos navios porta-contêineres




    11 portêineres operando simultaneamente imprimem produtividade recorde




        N/M Emma Maersk comporta pilhas com 22 fileiras de contêineres
Dinâmica do Comércio Global
         (R)evolução mundial dos navios porta‐contêineres


               Economias de escala impõem aumento dos navios




          N/M Emma Maersk da A.P. Moller‐Maersk, foi batizado em agosto de 2006
              Capacidade Nominal 14.000 TEU. Tonelagem Bruta 170.974 TPB
               Comprimento 397 m, Boca 56 m, Calado 15,5 m, Tripulação 13
             Custo de Construção US$ 145 M. Velocidade de Cruzeiro 50 km/h
Comércio Exterior e Portos Brasileiros
          Crescimento do comércio atrai navios Super‐post‐panamax


        Navio de 6.290 TEU Hamburg‐Süd N/M Monte Rosa em Santos




             Comprimento 301 m, Boca 40 m, Calado 12,5 m e Velocidade 45 km/h
Comércio Exterior e Portos Brasileiros
                                           Comércio exterior brasileiro flui no sentido Norte-Sul



   C:AndréOperaçãoMultiNApreimgmundiM03.jpg




 Fonte: Drewry Shipping Consultants


             Apenas 9% de transshipment nos 11 portos da Costa Leste da América do Sul
Comércio Exterior e Portos Brasileiros

                        Navios Super-post-panamax demandam Hub-ports (portos concentradores)




     17 navios porta‐contêineres suprem o transporte marítimo ao longo da costa brasileira
Breve Histórico Legislativo
                                                 Marcos da Modernização dos Portos


1988 ‐ Constituição Federal do Brasil
    Exploração dos portos diretamente pela União, ou por delegação (autorização, concessão ou permissão) – Art. 21
    Competência privativa da União para legislar sobre portos – Art. 22
    Obrigatoriedade de licitação para serviços públicos – Art. 175
1993 ‐ Modernização dos Portos – Lei 8.630
    Institucionalização dos PDZs (Plano de Desenvolvimento e Zoneamento Portuário) – Art. 30
    Criação das Autoridades Portuárias e dos CAPs (Conselho de Autoridade Portuária ) – Art. 30
    Arrendamento via licitação dos terminais portuários dos portos públicos – Art. 4º
    Criação dos OGMOs (Órgão de Gestão da Mão‐de‐Obra) – Art. 18
2001 ‐ Criação da ANTAq ‐ Agência Nacional de Transportes Aquaviários – Lei 10.233
    Regulação e fiscalização do sistema portuário – Art. 1º
2004 ‐ REPORTO – Lei 11.033
    Regime Tributário para Incentivo à Modernização e à Ampliação da Estrutura Portuária – Art. 13
2007 ‐ Criação da SEP ‐ Secretaria Especial dos Portos – Lei 11.518
    Definição de políticas, diretrizes e investimentos públicos para sistema portuário – Art. 1º
2007 ‐ PAC ‐ Programa de Aceleração do Crescimento 2007 – 2011
    Investimentos em infra‐estrutura: transportes, energia, saneamento, habitação e recursos hídricos
    Medidas econômicas: estímulo ao crédito e financiamento, melhoria do ambiente de investimento, desoneração e
     administração tributária, medidas fiscais de longo prazo e consistência fiscal
2008 ‐ Congresso Nacional Aprecia Prorrogação do REPORTO – MP 412 de 2007
Breve Histórico Legislativo
                                                      Panorama Regulatório



    Referenciais                     Terminal de Uso Público                               Terminal de Uso Privativo


    Implantação         Obrigatoriedade de licitação pública                 Autorização pelo Poder Público

                                                                             Indeterminado, para atividade econômica original
                        Até 50 anos (incluindo prorrogação)
       Prazo                                                                 Possibilidade de interrupção da atividade nos
                        Obrigação de prestar o serviço de forma contínua
                                                                              termos legais

       Ativos           Reversão de bens ao final do contrato                Sem reversão de bens

                                                                             Serviço privado
                        Serviço público                                      Atividade econômica do proprietário, de uso
Prestação de Serviços   Obrigação de universalidade no atendimento           exclusivo (carga própria) ou misto (carga própria e
                        Acompanhamento de preços                             de terceiros)
                                                                             Possibilidade de selecionar usuários e suas cargas

    Mão de Obra         Contratação via OGMO                                 Livre contratação


                        Res. 55/2002 – Norma de arrendamento de áreas        Res. 517/2005 – Norma para construção e
                        e instalações portuárias                             exploração de terminal privativo
 Regulação ANTAq
                        Consolida e uniformiza as condições para             Exigência de viabilização do terminal em função
                        contratos de arrendamento                            de carga própria
Comércio Exterior e Portos Brasileiros
 Terminais de uso público arrendados alavancam crescimento do comércio exterior

                                           Total de Cargas Movimentadas




                                     Movimentação de Cargas 1999 ‐ 2006
                                                         Milhões de Toneladas        %
                       Carga Movimentada
                                                         1999          2006     (2006 / 1999)
              Portos Públicos                            132            253          92
              Terminais Privativos                       304            440          45
              Total                                      436            693          59

             Fonte: ANTAq e Ministério dos Transportes
Comércio Exterior e Portos Brasileiros
    Explode movimentação de carga geral (conteinerizada) nos portos públicos

                                           Movimentação de Carga Geral




                                     Movimentação de Cargas 1999 ‐ 2006
                                                        Milhões de Toneladas        %
                       Carga Movimentada
                                                        1999          2006     (2006 / 1999)
              Portos Públicos                            35            82          136
              Terminais Privativos                       13            19           48
              Total                                      48            102         112

             Fonte: ANTAq e Ministério dos Transportes
Comércio Exterior e Portos Brasileiros
            Terminais Privativos dominam granéis sólidos
                                          Movimentação de Granéis Sólidos




                                     Movimentação de Cargas 1999 ‐ 2006
                                                         Milhões de Toneladas        %
                       Carga Movimentada
                                                         1999          2006     (2006 / 1999)
              Portos Públicos                             66            130          97
              Terminais Privativos                       176            285          62
              Total                                      243            416          71

             Fonte: ANTAq e Ministério dos Transportes
Comércio Exterior e Portos Brasileiros
            Terminais Privativos dominam granéis líqüidos
                           Movimentação de Granéis Líqüidos




                                     Movimentação de Cargas 1999 ‐ 2006
                                                     Milhões de Toneladas        %
                       Carga Movimentada
                                                     1999          2006     (2006 / 1999)
              Portos Públicos                         31            41           33
              Terminais Privativos                   114            135          18
              Total                                  145            176          21

             Fonte: ANTAq e Ministério dos Transportes
Ports do Rio de Janeiro
Contribuição para o Comércio Marítimo do Brasil
Contribuição para o Comércio Marítimo do Brasil




Containers (TEU)                             2002        2003       2004       2005        2006          2007 jan a jun / 2008
Rio de Janeiro                             263.085     321.349    344.441    326.174     335.145       387.809           198.118
Itaguaí                                     19.809      27.765    133.476    187.402     259.891       229.742           303.116
TOTAL                                     282.894     349.114    477.917    513.576     595.036       617.551           501.234



General Cargo Movement (t)         2001       2002       2003       2004       2005       2006           2007 jan a jun/2008
Rio de Janeiro                 5.750.281  6.400.312  7.089.621  7.499.049  8.231.642  8.512.395      8.942.721         4.288.527
Angra dos Reis                   145.502    308.871    197.707    156.792    375.040    164.315        163.271           111.201
Niterói                          144.765    174.067    138.829     67.722        722      3.778         42.817            15.242
Itaguaí                       16.475.612 15.887.987 19.936.849 25.327.859 28.824.862 29.694.079     38.872.446        22.446.727
TOTAL                        22.516.160 22.771.237 27.363.006 33.051.422 37.432.266 38.374.567     48.021.255        26.861.697
Portos do Rio de Janeiro
Porto de Itaguaí
Localização do Porto de Itaguaí
Distribuição dos Terminais no Porto de Itaguaí

Terminais de usuário comuns, alugados ou a ser disponibilizados pela autoridade portuária



    Área de Suporte Logístico




         Área de Suporte
         Intermodal e de
           Caminhões




                                                                     Terminal de Granéis
                                                                          Sólidos

    Terminal de Contêineres                                           Terminal de Granéis
                                                                           Líquidos
     Terminal de Alumínio
Futuro Terminal de
   Contêineres     Terminal de                                       Terminal de Minério de
                     Carvão                                                  Ferro
Planos de Desenvolvimento do Porto de Itaguaí
 Além destes terminais apresentados pela Autoridade Portuária, os seguintes projetos são de grande repercussão
 na atividade portuária de Itaguaí:

I.    Construção do Ferroanel de São Paulo              II. Construção do Arco Rodoviário do Rio de Janeiro
Planta de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto de Itaguaí
Porto do Rio de Janeiro
Localização do Porto do Rio de Janeiro
Localizado na Costa Oeste da Baía de Guanabara, na cidade do Rio de Janeiro.
Distribuição do Porto do Rio de Janeiro
Diversos terminais de usuários comuns atualmente são alugados e operados por operadores de terminais privados. Algumas áreas ainda
permanecem sob a gerência direta da autoridade portuária. Os canais de acesso estão sendo aprofundados com os recursos do PAC - o
programa de aceleração do crescimento, ao longo dos 6.740 m do caís contínuo.
Expansao do Porto do Rio de Janeiro
     A expansão do porto de Rio de Janeiro prevê a expansão dos dois terminais existentes e a implantação de um
     NOVO TERMINAL DE CONTÊINERES.
Port of Rio de Janeiro - Hoje
Port of Rio de Janeiro - Hoje
Presidência da República
                   Secretaria Especial de Portos

Portos do Rio de Janeiro Planos de Expansão
 O começo de uma nova era para os Portos do Rio de Janeiro



                           Obrigado




                      Jorge Luiz de Mello
                 jorge.mello@portosrio.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação corporativa julho 2009
Apresentação corporativa   julho 2009Apresentação corporativa   julho 2009
Apresentação corporativa julho 2009
mmxriweb
 
Apresentação corporativa setembro 2009
Apresentação corporativa   setembro 2009Apresentação corporativa   setembro 2009
Apresentação corporativa setembro 2009
mmxriweb
 
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICOREDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
Rui Rodrigues
 
A rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesaA rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesa
Miguel Jesus
 
Modo de Transporte Ferroviário 11º ano
Modo de Transporte Ferroviário 11º anoModo de Transporte Ferroviário 11º ano
Modo de Transporte Ferroviário 11º ano
Daniela Azevedo
 
Navegação de Cabotagem no Brasil
Navegação de Cabotagem no Brasil Navegação de Cabotagem no Brasil
Navegação de Cabotagem no Brasil
aplop
 
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
713773
 
Realidade da Cabotagem no Brasil
Realidade da Cabotagem no Brasil Realidade da Cabotagem no Brasil
Realidade da Cabotagem no Brasil
aplop
 

Mais procurados (8)

Apresentação corporativa julho 2009
Apresentação corporativa   julho 2009Apresentação corporativa   julho 2009
Apresentação corporativa julho 2009
 
Apresentação corporativa setembro 2009
Apresentação corporativa   setembro 2009Apresentação corporativa   setembro 2009
Apresentação corporativa setembro 2009
 
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICOREDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES - RTE-T (CEF) - CORREDOR DO ATLÂNTICO
 
A rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesaA rede ferroviária portuguesa
A rede ferroviária portuguesa
 
Modo de Transporte Ferroviário 11º ano
Modo de Transporte Ferroviário 11º anoModo de Transporte Ferroviário 11º ano
Modo de Transporte Ferroviário 11º ano
 
Navegação de Cabotagem no Brasil
Navegação de Cabotagem no Brasil Navegação de Cabotagem no Brasil
Navegação de Cabotagem no Brasil
 
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º AnoAs redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
As redes de transporte no território português - Geografia 11º Ano
 
Realidade da Cabotagem no Brasil
Realidade da Cabotagem no Brasil Realidade da Cabotagem no Brasil
Realidade da Cabotagem no Brasil
 

Semelhante a I Encontro de Portos da CPLP - Apresentação da Companhia Docas do Rio de Janeiro

Porto 24 Horas
Porto 24 HorasPorto 24 Horas
Porto de Vitória: Uma porta aberta para o mundo e para a cidade
Porto de Vitória: Uma porta aberta para o mundo e para a cidadePorto de Vitória: Uma porta aberta para o mundo e para a cidade
Porto de Vitória: Uma porta aberta para o mundo e para a cidade
LCA promo
 
Porto de Sines - Porta Atlântica da Europa
Porto de Sines - Porta Atlântica da EuropaPorto de Sines - Porta Atlântica da Europa
Porto de Sines - Porta Atlântica da Europa
aplop
 
Organização e Estrutura Portuária.ppt
Organização e Estrutura Portuária.pptOrganização e Estrutura Portuária.ppt
Organização e Estrutura Portuária.ppt
LeonardoAzevedo732389
 
III Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – Brasil
III Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – BrasilIII Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – Brasil
III Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – Brasil
Portos de Portugal
 
Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...
Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...
Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...
transpoamazonia
 
Porto de Sines, Porta Atlântica da Europa
Porto de Sines, Porta Atlântica da EuropaPorto de Sines, Porta Atlântica da Europa
Porto de Sines, Porta Atlântica da Europa
APS - Administração dos Portos de Sines e do Algarve, S.A.
 
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
aplop
 
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Feliciana Monteiro
 
Ponência: Logística e Território no Brasil – os complexos portuários do Norte...
Ponência: Logística e Território no Brasil – os complexos portuários do Norte...Ponência: Logística e Território no Brasil – os complexos portuários do Norte...
Ponência: Logística e Território no Brasil – os complexos portuários do Norte...
Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira
 
Bndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário p
Bndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário pBndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário p
Bndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário p
Isis Perdigão
 
6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...
6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...
6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
“O Desenvolvimento da Navegação de Cabotagem no Brasil” - Wagner de Sousa Mor...
“O Desenvolvimento da Navegação de Cabotagem no Brasil” - Wagner de Sousa Mor...“O Desenvolvimento da Navegação de Cabotagem no Brasil” - Wagner de Sousa Mor...
“O Desenvolvimento da Navegação de Cabotagem no Brasil” - Wagner de Sousa Mor...
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
APS - Administração dos Portos de Sines e do Algarve, S.A.
 
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
Cláudio Carneiro
 
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESESINVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
aplop
 
Nota Técnica - Programa de Investimento em Logística: Portos
Nota Técnica - Programa de Investimento em Logística: PortosNota Técnica - Programa de Investimento em Logística: Portos
Nota Técnica - Programa de Investimento em Logística: Portos
TRAMPO Comunicação e Eventos Soares
 
Apresentação criação vetria mineração
Apresentação   criação vetria mineraçãoApresentação   criação vetria mineração
Apresentação criação vetria mineração
TriunfoRi
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Felipe Alves
 
I Encontro de Portos da CPLP - Apresentação do Porto de Luanda
I Encontro de Portos da CPLP - Apresentação do Porto de LuandaI Encontro de Portos da CPLP - Apresentação do Porto de Luanda
I Encontro de Portos da CPLP - Apresentação do Porto de Luanda
aplop
 

Semelhante a I Encontro de Portos da CPLP - Apresentação da Companhia Docas do Rio de Janeiro (20)

Porto 24 Horas
Porto 24 HorasPorto 24 Horas
Porto 24 Horas
 
Porto de Vitória: Uma porta aberta para o mundo e para a cidade
Porto de Vitória: Uma porta aberta para o mundo e para a cidadePorto de Vitória: Uma porta aberta para o mundo e para a cidade
Porto de Vitória: Uma porta aberta para o mundo e para a cidade
 
Porto de Sines - Porta Atlântica da Europa
Porto de Sines - Porta Atlântica da EuropaPorto de Sines - Porta Atlântica da Europa
Porto de Sines - Porta Atlântica da Europa
 
Organização e Estrutura Portuária.ppt
Organização e Estrutura Portuária.pptOrganização e Estrutura Portuária.ppt
Organização e Estrutura Portuária.ppt
 
III Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – Brasil
III Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – BrasilIII Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – Brasil
III Encontro de Portos da CPLP – Adalmir José de Sousa – Brasil
 
Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...
Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...
Paulo Fernado Fleury - Oportunidades e Desafios para o Transporte Multimodal ...
 
Porto de Sines, Porta Atlântica da Europa
Porto de Sines, Porta Atlântica da EuropaPorto de Sines, Porta Atlântica da Europa
Porto de Sines, Porta Atlântica da Europa
 
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
“INTEGRAÇÃO DOS PORTOS DE TRANSHIPMENT NA AMÉRICA, ÁFRICA, EUROPA e ÁSIA” - A...
 
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
Novo Terminal de Contentores em Portugal, uma escolha difícil (parte 1)
 
Ponência: Logística e Território no Brasil – os complexos portuários do Norte...
Ponência: Logística e Território no Brasil – os complexos portuários do Norte...Ponência: Logística e Território no Brasil – os complexos portuários do Norte...
Ponência: Logística e Território no Brasil – os complexos portuários do Norte...
 
Bndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário p
Bndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário pBndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário p
Bndes dimensionamento do potencial de investimento para o setor portuário p
 
6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...
6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...
6º ENCONTRO DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES – FIESP HIDROVIA E O USO MÚLTIPLO DAS ...
 
“O Desenvolvimento da Navegação de Cabotagem no Brasil” - Wagner de Sousa Mor...
“O Desenvolvimento da Navegação de Cabotagem no Brasil” - Wagner de Sousa Mor...“O Desenvolvimento da Navegação de Cabotagem no Brasil” - Wagner de Sousa Mor...
“O Desenvolvimento da Navegação de Cabotagem no Brasil” - Wagner de Sousa Mor...
 
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
A análise de Sines como ativo geoestratégico nacional: um cluster suportado n...
 
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
 
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESESINVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
INVESTIMENTO NOS PORTOS PORTUGUESES
 
Nota Técnica - Programa de Investimento em Logística: Portos
Nota Técnica - Programa de Investimento em Logística: PortosNota Técnica - Programa de Investimento em Logística: Portos
Nota Técnica - Programa de Investimento em Logística: Portos
 
Apresentação criação vetria mineração
Apresentação   criação vetria mineraçãoApresentação   criação vetria mineração
Apresentação criação vetria mineração
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
I Encontro de Portos da CPLP - Apresentação do Porto de Luanda
I Encontro de Portos da CPLP - Apresentação do Porto de LuandaI Encontro de Portos da CPLP - Apresentação do Porto de Luanda
I Encontro de Portos da CPLP - Apresentação do Porto de Luanda
 

Mais de aplop

Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]
Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]
Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]
aplop
 
Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]
Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]
Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]
aplop
 
O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]
O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]
O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]
aplop
 
Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]
Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]
Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]
aplop
 
Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...
Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...
Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...
aplop
 
Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...
Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...
Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...
aplop
 
Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...
Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...
Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...
aplop
 
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logísticaA estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
aplop
 
Janela Única Logística dos portos portugueses
Janela Única Logística dos portos portuguesesJanela Única Logística dos portos portugueses
Janela Única Logística dos portos portugueses
aplop
 
Direito portuário nos países membros da APLOP
Direito portuário nos países membros da APLOPDireito portuário nos países membros da APLOP
Direito portuário nos países membros da APLOP
aplop
 
Os Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique
Os Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de MoçambiqueOs Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique
Os Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique
aplop
 
O Sector Portuário em Marrocos – Governança e Estratégia
O Sector Portuário em Marrocos – Governança e EstratégiaO Sector Portuário em Marrocos – Governança e Estratégia
O Sector Portuário em Marrocos – Governança e Estratégia
aplop
 
O Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do Brasil
O Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do BrasilO Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do Brasil
O Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do Brasil
aplop
 
Novo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo Verde
Novo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo VerdeNovo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo Verde
Novo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo Verde
aplop
 
Portugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófono
Portugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófonoPortugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófono
Portugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófono
aplop
 
SHIPPING – Momentos de Interessantes Tendências e Incertezas
SHIPPING – Momentos de Interessantes Tendências e IncertezasSHIPPING – Momentos de Interessantes Tendências e Incertezas
SHIPPING – Momentos de Interessantes Tendências e Incertezas
aplop
 
A JUL - Janela Única Logística
A JUL - Janela Única LogísticaA JUL - Janela Única Logística
A JUL - Janela Única Logística
aplop
 
Exportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLP
Exportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLPExportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLP
Exportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLP
aplop
 
O Sistema Portuário em Marrocos
O Sistema Portuário em MarrocosO Sistema Portuário em Marrocos
O Sistema Portuário em Marrocos
aplop
 
O desenvolvimento do Porto de Tibar
O desenvolvimento do Porto de TibarO desenvolvimento do Porto de Tibar
O desenvolvimento do Porto de Tibar
aplop
 

Mais de aplop (20)

Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]
Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]
Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]
 
Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]
Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]
Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]
 
O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]
O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]
O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]
 
Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]
Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]
Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]
 
Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...
Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...
Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...
 
Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...
Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...
Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...
 
Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...
Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...
Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...
 
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logísticaA estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
 
Janela Única Logística dos portos portugueses
Janela Única Logística dos portos portuguesesJanela Única Logística dos portos portugueses
Janela Única Logística dos portos portugueses
 
Direito portuário nos países membros da APLOP
Direito portuário nos países membros da APLOPDireito portuário nos países membros da APLOP
Direito portuário nos países membros da APLOP
 
Os Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique
Os Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de MoçambiqueOs Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique
Os Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique
 
O Sector Portuário em Marrocos – Governança e Estratégia
O Sector Portuário em Marrocos – Governança e EstratégiaO Sector Portuário em Marrocos – Governança e Estratégia
O Sector Portuário em Marrocos – Governança e Estratégia
 
O Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do Brasil
O Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do BrasilO Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do Brasil
O Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do Brasil
 
Novo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo Verde
Novo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo VerdeNovo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo Verde
Novo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo Verde
 
Portugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófono
Portugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófonoPortugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófono
Portugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófono
 
SHIPPING – Momentos de Interessantes Tendências e Incertezas
SHIPPING – Momentos de Interessantes Tendências e IncertezasSHIPPING – Momentos de Interessantes Tendências e Incertezas
SHIPPING – Momentos de Interessantes Tendências e Incertezas
 
A JUL - Janela Única Logística
A JUL - Janela Única LogísticaA JUL - Janela Única Logística
A JUL - Janela Única Logística
 
Exportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLP
Exportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLPExportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLP
Exportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLP
 
O Sistema Portuário em Marrocos
O Sistema Portuário em MarrocosO Sistema Portuário em Marrocos
O Sistema Portuário em Marrocos
 
O desenvolvimento do Porto de Tibar
O desenvolvimento do Porto de TibarO desenvolvimento do Porto de Tibar
O desenvolvimento do Porto de Tibar
 

I Encontro de Portos da CPLP - Apresentação da Companhia Docas do Rio de Janeiro

  • 1. Presidência da República Secretaria Especial de Portos CPLP Leixões, Portugal Planos de Expansão dos Portos do Rio de Janeiro Jorge Luiz de Mello jorge.mello@portosrio.gov.br
  • 2. Crescimento da Movimentação de Contêineres Hoje 70% da carga geral é transportada em contêineres 2,000 80.0 1,800 Carga Geral 70.0 Carga Contêineirizada 1,600 Movimentação de Contêineres 60.0 1,400 Percentual Milhões t 50.0 1,200 1,000 40.0 800 30.0 600 20.0 400 10.0 200 0 0.0 1980 1982 1984 1986 1988 1990 1992 1994 1996 1998 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 Fonte: WTO, Drewry Shipping Consultants
  • 3. A Conteineirização remodelou a economia global Chegada tardía para o Brasil e maioria da América Latina Privatização dos Portos Brasileiros Leis de Modernização Portuária Nova Constituição Federal Fonte: WTO, IMF, Drewry Shipping Consultants, Baltic Maritime Advisers
  • 4. Comércio Exterior e Portos Brasileiros Movimentação de contêineres dispara com o arrendamento dos terminais de uso público 5 Terminais de Uso Público Início dos arrendamentos dos Milhões de Contêineres Movimentados 4 3 2 1 ‐ Fonte: ABRATEC
  • 5. Dinâmica do Comércio Global Tendência crescente de conteinerização Hoje 70% de toda carga geral é movimentada em contêineres Fonte: UNCTAD, Lloyd’s Maritime Information Service/Fairplay, Drewry Shipping Consultants
  • 6. Comércio Exterior e Portos Brasileiros Dobra o fluxo do comércio exterior brasileiro Fonte: WTO, BACEN
  • 7. Dinâmica do Comércio Global (R)evolução mundial dos navios porta-contêineres 1a Geração (Pré 1960 - 1970) 1.700 TEU Ideal X 2a Geração (1970 - 1980) 2.305 TEU Full Cellular 3a Geração (1985) 3.220 TEU Panamax 4a Geração (1986 - 2000) 4.848 TEU Post-Panamax 5a Geração (2000 - 2005) Super Post-Panamax 8.600 TEU 6a Geração (2006 - ?) Super-size Maersk 14.000 TEU
  • 8. Dinâmica do Comércio Global (R)evolução mundial dos navios porta-contêineres 11 portêineres operando simultaneamente imprimem produtividade recorde N/M Emma Maersk comporta pilhas com 22 fileiras de contêineres
  • 9. Dinâmica do Comércio Global (R)evolução mundial dos navios porta‐contêineres Economias de escala impõem aumento dos navios N/M Emma Maersk da A.P. Moller‐Maersk, foi batizado em agosto de 2006 Capacidade Nominal 14.000 TEU. Tonelagem Bruta 170.974 TPB Comprimento 397 m, Boca 56 m, Calado 15,5 m, Tripulação 13 Custo de Construção US$ 145 M. Velocidade de Cruzeiro 50 km/h
  • 10. Comércio Exterior e Portos Brasileiros Crescimento do comércio atrai navios Super‐post‐panamax Navio de 6.290 TEU Hamburg‐Süd N/M Monte Rosa em Santos Comprimento 301 m, Boca 40 m, Calado 12,5 m e Velocidade 45 km/h
  • 11. Comércio Exterior e Portos Brasileiros Comércio exterior brasileiro flui no sentido Norte-Sul C:AndréOperaçãoMultiNApreimgmundiM03.jpg Fonte: Drewry Shipping Consultants Apenas 9% de transshipment nos 11 portos da Costa Leste da América do Sul
  • 12. Comércio Exterior e Portos Brasileiros Navios Super-post-panamax demandam Hub-ports (portos concentradores) 17 navios porta‐contêineres suprem o transporte marítimo ao longo da costa brasileira
  • 13. Breve Histórico Legislativo Marcos da Modernização dos Portos 1988 ‐ Constituição Federal do Brasil Exploração dos portos diretamente pela União, ou por delegação (autorização, concessão ou permissão) – Art. 21 Competência privativa da União para legislar sobre portos – Art. 22 Obrigatoriedade de licitação para serviços públicos – Art. 175 1993 ‐ Modernização dos Portos – Lei 8.630 Institucionalização dos PDZs (Plano de Desenvolvimento e Zoneamento Portuário) – Art. 30 Criação das Autoridades Portuárias e dos CAPs (Conselho de Autoridade Portuária ) – Art. 30 Arrendamento via licitação dos terminais portuários dos portos públicos – Art. 4º Criação dos OGMOs (Órgão de Gestão da Mão‐de‐Obra) – Art. 18 2001 ‐ Criação da ANTAq ‐ Agência Nacional de Transportes Aquaviários – Lei 10.233 Regulação e fiscalização do sistema portuário – Art. 1º 2004 ‐ REPORTO – Lei 11.033 Regime Tributário para Incentivo à Modernização e à Ampliação da Estrutura Portuária – Art. 13 2007 ‐ Criação da SEP ‐ Secretaria Especial dos Portos – Lei 11.518 Definição de políticas, diretrizes e investimentos públicos para sistema portuário – Art. 1º 2007 ‐ PAC ‐ Programa de Aceleração do Crescimento 2007 – 2011 Investimentos em infra‐estrutura: transportes, energia, saneamento, habitação e recursos hídricos Medidas econômicas: estímulo ao crédito e financiamento, melhoria do ambiente de investimento, desoneração e administração tributária, medidas fiscais de longo prazo e consistência fiscal 2008 ‐ Congresso Nacional Aprecia Prorrogação do REPORTO – MP 412 de 2007
  • 14. Breve Histórico Legislativo Panorama Regulatório Referenciais Terminal de Uso Público Terminal de Uso Privativo Implantação Obrigatoriedade de licitação pública Autorização pelo Poder Público Indeterminado, para atividade econômica original Até 50 anos (incluindo prorrogação) Prazo Possibilidade de interrupção da atividade nos Obrigação de prestar o serviço de forma contínua termos legais Ativos Reversão de bens ao final do contrato Sem reversão de bens Serviço privado Serviço público Atividade econômica do proprietário, de uso Prestação de Serviços Obrigação de universalidade no atendimento exclusivo (carga própria) ou misto (carga própria e Acompanhamento de preços de terceiros) Possibilidade de selecionar usuários e suas cargas Mão de Obra Contratação via OGMO Livre contratação Res. 55/2002 – Norma de arrendamento de áreas Res. 517/2005 – Norma para construção e e instalações portuárias exploração de terminal privativo Regulação ANTAq Consolida e uniformiza as condições para Exigência de viabilização do terminal em função contratos de arrendamento de carga própria
  • 15. Comércio Exterior e Portos Brasileiros Terminais de uso público arrendados alavancam crescimento do comércio exterior Total de Cargas Movimentadas Movimentação de Cargas 1999 ‐ 2006 Milhões de Toneladas % Carga Movimentada 1999 2006 (2006 / 1999) Portos Públicos 132 253 92 Terminais Privativos 304 440 45 Total 436 693 59 Fonte: ANTAq e Ministério dos Transportes
  • 16. Comércio Exterior e Portos Brasileiros Explode movimentação de carga geral (conteinerizada) nos portos públicos Movimentação de Carga Geral Movimentação de Cargas 1999 ‐ 2006 Milhões de Toneladas % Carga Movimentada 1999 2006 (2006 / 1999) Portos Públicos 35 82 136 Terminais Privativos 13 19 48 Total 48 102 112 Fonte: ANTAq e Ministério dos Transportes
  • 17. Comércio Exterior e Portos Brasileiros Terminais Privativos dominam granéis sólidos Movimentação de Granéis Sólidos Movimentação de Cargas 1999 ‐ 2006 Milhões de Toneladas % Carga Movimentada 1999 2006 (2006 / 1999) Portos Públicos 66 130 97 Terminais Privativos 176 285 62 Total 243 416 71 Fonte: ANTAq e Ministério dos Transportes
  • 18. Comércio Exterior e Portos Brasileiros Terminais Privativos dominam granéis líqüidos Movimentação de Granéis Líqüidos Movimentação de Cargas 1999 ‐ 2006 Milhões de Toneladas % Carga Movimentada 1999 2006 (2006 / 1999) Portos Públicos 31 41 33 Terminais Privativos 114 135 18 Total 145 176 21 Fonte: ANTAq e Ministério dos Transportes
  • 19. Ports do Rio de Janeiro Contribuição para o Comércio Marítimo do Brasil
  • 20. Contribuição para o Comércio Marítimo do Brasil Containers (TEU) 2002 2003 2004 2005 2006 2007 jan a jun / 2008 Rio de Janeiro 263.085 321.349 344.441 326.174 335.145 387.809 198.118 Itaguaí 19.809 27.765 133.476 187.402 259.891 229.742 303.116 TOTAL 282.894 349.114 477.917 513.576 595.036 617.551 501.234 General Cargo Movement (t) 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 jan a jun/2008 Rio de Janeiro 5.750.281 6.400.312 7.089.621 7.499.049 8.231.642 8.512.395 8.942.721 4.288.527 Angra dos Reis 145.502 308.871 197.707 156.792 375.040 164.315 163.271 111.201 Niterói 144.765 174.067 138.829 67.722 722 3.778 42.817 15.242 Itaguaí 16.475.612 15.887.987 19.936.849 25.327.859 28.824.862 29.694.079 38.872.446 22.446.727 TOTAL 22.516.160 22.771.237 27.363.006 33.051.422 37.432.266 38.374.567 48.021.255 26.861.697
  • 21. Portos do Rio de Janeiro
  • 23. Localização do Porto de Itaguaí
  • 24. Distribuição dos Terminais no Porto de Itaguaí Terminais de usuário comuns, alugados ou a ser disponibilizados pela autoridade portuária Área de Suporte Logístico Área de Suporte Intermodal e de Caminhões Terminal de Granéis Sólidos Terminal de Contêineres Terminal de Granéis Líquidos Terminal de Alumínio Futuro Terminal de Contêineres Terminal de Terminal de Minério de Carvão Ferro
  • 25. Planos de Desenvolvimento do Porto de Itaguaí Além destes terminais apresentados pela Autoridade Portuária, os seguintes projetos são de grande repercussão na atividade portuária de Itaguaí: I. Construção do Ferroanel de São Paulo II. Construção do Arco Rodoviário do Rio de Janeiro
  • 26. Planta de Desenvolvimento e Zoneamento do Porto de Itaguaí
  • 27. Porto do Rio de Janeiro
  • 28. Localização do Porto do Rio de Janeiro Localizado na Costa Oeste da Baía de Guanabara, na cidade do Rio de Janeiro.
  • 29. Distribuição do Porto do Rio de Janeiro Diversos terminais de usuários comuns atualmente são alugados e operados por operadores de terminais privados. Algumas áreas ainda permanecem sob a gerência direta da autoridade portuária. Os canais de acesso estão sendo aprofundados com os recursos do PAC - o programa de aceleração do crescimento, ao longo dos 6.740 m do caís contínuo.
  • 30. Expansao do Porto do Rio de Janeiro A expansão do porto de Rio de Janeiro prevê a expansão dos dois terminais existentes e a implantação de um NOVO TERMINAL DE CONTÊINERES.
  • 31. Port of Rio de Janeiro - Hoje
  • 32. Port of Rio de Janeiro - Hoje
  • 33. Presidência da República Secretaria Especial de Portos Portos do Rio de Janeiro Planos de Expansão O começo de uma nova era para os Portos do Rio de Janeiro Obrigado Jorge Luiz de Mello jorge.mello@portosrio.gov.br