SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Shipping
Momento de Interessantes
Tendências e Incertezas
Miguel Marques
Lisboa
Setembro 2017
PwC
September 2017
1 Visão geral do Shipping
2 Questões Ambientais
3 A digitalização será um fator
diferenciador
4 Sublinhados
Agenda
Nota: Esta apresentação contém
diversa informação previsional que
por definição é incerta.
2
PwC Portugal
PwC
September 2017
Visão geral do Shipping
3
PwC
September 2017
Desenvolvimento da Economia Global
4
PwC Portugal
PwC
September 2017
Espera-se que o PIB global cresça no futuro, mas…
5
PwC Portugal
33.655
33.418
34.556
38.827
43.707
47.326
51.256
57.859
63.422
60.048
65.643
72.769
74.092
76.075
78.042
73.599
75.213
79.536
83.811
88.539
93.599
98.632
4,8%
2,5%
5,4%
4,8%
5,7%
(0,1%)
5,4%
3,5% 3,1%
3,8%
in%
inMrd.USD
BIP global BIP Änderungsrate
Fonte: FMI
PIB Global Taxa de Crescimento do PIB
emmilharesdemilhõesdeUSD
PwC
September 2017
1.215
1.344
1.478
1.671
1.966
2.309
2.774
3.572
4.605
5.122
6.066
7.522
8.570
9.635
10.558
11.182
11.392
12.362
13.576
14.918
16.458
18.033
8,4%
10,0%
14,2%
9,2%
10,6%
7,8%
5,8%
in%
inMrd.USD
BIP China BIP Änderungsrate
… dependerá do desenvolvimento da economia chinesa, que se
espera que desacelere no futuro
6
PwC Portugal
Fonte: Published by IMF
Taxa de crescimento do PIB chinêsPIB chinês
emmilharesdemilhõesdeUSD
PwC
September 2017
0
2,000
4,000
6,000
8,000
10,000
12,000
1980 1985 1990 1995 2000 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015
Petróleo e gás
Principais produtos a granel
Outra carga seca exceto os principais produtos a granel
Contentores
emmilhõesdetoneladas
Com exceção da descida em 2009, o comércio marítimo tem vindo a
aumentar, mesmo durante a crise
7
PwC Portugal
Source: UNCTAD - Review of Maritime Transport 2016
PwC
September 2017
Contentores
8
PwC Portugal
PwC
September 2017
Até 2009, houve um aumento sucessivo na frota mundial - desde
2010, a taxa de expansão diminuiu extremamente
9
PwC Portugal
Source: ALPHALINER, Monthly Monitor, April 2017
2606
2732
2897
3033
3180
3353
3611
3955
4328
4684 4746
4899 4959 4966 5018 5054
5177 5118 5121 5157
1749
1823
1931
2031
2109
2195
2299
2435
2533
2649
2759
2937
3109
3291
3447
3638
3856
3961
4080
4243
500
1000
1500
2000
2500
3000
3500
4000
4500
5000
5500
0
1000
2000
3000
4000
5000
6000
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 F2018 F2019 F
Nº de Navios Celulares Tamanho médio dos navios
PwC
September 2017
Os custos de frete foram bastante voláteis e várias empresas
perderam montantes consideráveis de dinheiro devido a isso
10
PwC Portugal
Source: Clarksons Research Services Limited, 2017
Em número, a frota atual consiste numa quantidade significativa
de Panamax – navios que verão a sua importância ser reduzida
PwC
September 2017
Transporte a granel
14
PwC Portugal
PwC
September 2017
O transporte a granel aumentou significativamente, devido à
abertura da China a este mercado…
15
PwC Portugal
Source: Maritime Safety Information (MSI), 2017
… mas é esperado que estabilize no futuro
Depois de evoluções extremas (positivos e negativos), as taxas de
frete deverão recuperar, mas a um nível reduzido…
… devido à elevada sobre-capacidade no mercado a granel
PwC
September 2017
Petroleiros
20
PwC Portugal
PwC
September 2017
Mesmo com a evolução das energias renováveis, a produção de
petróleo deverá manter o crescimento no futuro
21
PwC Portugal
Source: Maritime Safety Information (MSI), 2017
A frota mundial de petroleiros é dominada por navios muito
grandes que terão tendência de crescimento
As alterações climáticas permitirão à Rússia estabelecer a rota
norte da Rússia, exportando Gás Natural da “Yamal Peninsula”.
PwC
September 2017
Navios de cruzeiro
25
PwC Portugal
PwC
September 2017
O negócios dos navios de cruzeiros deverá crescer nos próximos
anos, especialmente na Europa e na Ásia.
26
PwC Portugal
• O crescimento do negócio dos cruzeiros será
significativo e parece ser resistente aos acidentes
• Os navios a construir integrarão as frotas Americana
e Europeia. As companhias americanas procuram
construir grandes navios, a maioria deles com
casinos a bordo.
• As linhas europeias deverão concentrar-se em
cruzeiros mais pequenos, no segmentos de 4 ou
mais estrelas, gerando o interesse da classe media
europeia.
• Os navios estão a tornar-se mais complexos. Os estaleiros europeus deverão liderar o mercado
mundial de cruzeiros
• O maior desafio será a redução e emissões poluentes no ar e no mar. Poderão vir a ser
construídos navios movidos a Gás Natural.
• É crucial criar infraestruturas para navios movidos a energias alternativas.
• O segmento de cruzeiros de exploração surge como uma recente atividade (ex. Cruzeiros
no Ártico)
PwC
September 2017
Questões Ambientais
27
PwC
September 2017
Gestão de Água de Lastro & Regulação de
Enxofre
28
PwC Portugal
PwC
September 2017
A implementação da Gestão de Águas de Lastro irão causar custos
significativos, por isso a sua implementação tem sido adiada…
29
PwC Portugal
• A Convenção de Gestão da Água de Lastro da OMI pode entrar em vigor em setembro de
2017. Ratificada no Panamá em 19 de outubro de 2016, por 53 estados, representando
53,3% da frota mundial.
• Com a entrada em vigor desta convenção, todos os navios terão de instalar um sistema de
gestão de água de lastro (BWMS) no momento da primeira renovação do Certificado
Internacional de Prevenção da Poluição por Óleo (IOPP) após o 8 de setembro de 2017.
• Tal como alguns estados membros (p.ex. Noruega), os EUA já implementaram um regime
unilateral de água de lastro, que se baseia na resolução da OMI, mas define padrões mais
rigorosos. A regulamentação é aplicada pela Guarda Costeira dos EUA (USCG) e pela
Agência de Proteção Ambiental (EPA).
• A partir de 2016, todos os navios que operam nas águas dos EUA têm que adaptar um
BWMS na próxima doca seca programada. Atualmente, existem três BWMS disponíveis
que atendem aos requisitos da USCG / EPA. Uma vez que a primeira BWMS foi certificada
pela USCG apenas Em dezembro de 2016, as exceções ao regulamento foram concedidas
pela USCG.
Status
OMI
Status
EUA
Métodos
• Custos do BWMS: $0,2m – $2,0m.
• OPEX superior devido a custos operacionais da BWMS e / ou substâncias ativas.
• Penalidades em caso de violação,
• Custos indiretos: redução dos custos e de volume de frete
Custos
• Possíveis sistemas de conformidade: mecânica, física, química
• Combinações: mecânico-físicas, Sistemas mecânico-químicas
• Outras: Navios sem sistemas de água de lastro, sistemas fechados
PwC
September 2017
30
PwC Portugal
Why
PwC?
Desde o início de 2015, as regulações da OMI limitam para 0.1% as
emissões de Enxofre em áreas de emissões controladas– Limite de
emissão global de 0.5% até 2020.
(S)ECAs – (SOx) Emission Control Areas
Existing SECAs
Pot. future SECAs
Emissão de Enxofre nas ECAs deve
ter no máximo 0.1%
(S)ECAs – (SOx) Emission Control Areas
0.0
1.0
2.0
3.0
4.0
5.0
2000 2005 2010 2015 2020 2025
Sulphurcontent(in%)
ECA
Global
Global 2025
Background regulatório
• As emissões de enxofre são reguladas pela Organização Marítima
Internacional (OMI) e seguem os limites definidos no Anexo VI da
MARPOL (Regulamento 14 da OMI).
• A emissão de enxofre é limitada a 0.1% dentro das ECAs (que,
atualmente estão nos Mares do Norte e Báltico, Costas Este e
Oeste dos EUA) desde 2015.
• Está previsto um limite global de emissão de enxofre de 0,5% até
2020, que pode ser estendido até 2025.
• A media atual de emissão de SOx é de aproximadamente 2,4% .
• A tecnologia das embarcações e a conformidade com os limites da
MARPOL SOx são responsabilidade dos Estados de bandeira; os
controles são conduzidos pelos controles nacionais do Estado do
porto (PSCs).
• Exemplos de multas por violação: $45-182k (Califórnia).
Relevância para proprietário
• Desde 1 de janeiro de 2015 que os navios ativos nas ECA devem
satisfazer o limite de 0,1%; será necessária uma redução das
emissões para todos os navios quando o limite global for
estabelecido.
• A frota encomendada recentemente segue apenas parcialmente
estes novos padrões através da inclusão de novas tecnologias.
• A frota atual possui, portanto, 2 opções:
1) Mudança de combustível para mais caro, bunker sem enxofre
2) Reposição do depurador para o uso contínuo do bunker atual
PwC
September 2017
31
PwC Portugal
Várias opções viáveis para cumprir os regulamentos da OMI -
trade-off entre os custos de conversão e os custos operacionais
• A implementação de um depurador no navio permite o uso
contínuo de HFO barato e de alto teor de enxofre
• Escolha entre sistemas de lavagem em loop aberto, loop
fechado, loop híbrido e de lavagem a seco
• Reposição de custos de aprox. $ 1,3-3,5m, excluindo custos de
treinamento e espaço
• Custos de conversão: altos
• Custos operacionais: baixos
• Custos suportados principalmente pelo proprietário
Alteração do combustível Renovação do equipamento
• Novos motores que utilizem gás natural liquefeito (GNL) ou
alternem entre GNL e HFO reduzem a emissão de óxidos de
enxofre
• Custos de mudança muito altos para o novo motor e tanque de
GNL
• Viabilidade comprovada, mas falta de infraestruturas
portuárias; esperado para a próxima geração de navios
• Custos de conversão: muito altos
• Custos operacionais: baixos
• Custos suportados principalmente pelo proprietário
• Desenvolvimento potencial de novo HFO com 0,1% de enxofre
• Encontra-se em testes, mas ainda não está preparado para o
mercado
• O preço esperado seria entre o preço atual do HFO e do MFO,
provavelmente próximo do preço do MGO
• Custos de conversão: baixos
• Custos operacionais: altos
• Custos maioritariamente suportados pelo fretador
• A utilização de combustível marinho com baixo teor de enxofre
(MGO) cumpre com os novos limites de emissão de enxofre
• Troca direta do combustível padrão mais barato (Combustível
Pesado (HFO)) para o MGO apenas nas áreas de emissões
controlada (ECAs)
• Desvantagem: aumenta os custos operacionais em $300-400 por
tonelada de combustível; o desenvolvimento de preços a longo
prazo não está claro
• Custos de conversão: baixos
• Custos operacionais: altos
• Custos maioritariamente suportados pelo fretador
Desenvolvimento de combustível pesado (HFO)
com 0,1% de enxofre
Instalação do motor de GNL ou de motor de
duplo combustível4
3
Mudar para o bunker de baixo teor de enxofre
(MGO)
Renovação do depurador21
Source: IMO, Hansa-Forum
PwC
September 2017
A digitalização será um fator
diferenciador
32
PwC Portugal • Discussion materials
PwC
September 2017
33
PwC Portugal
Digitalização = Facebook, Robótica ou Amazon?
xxx
xxx
xxx
…
xxx
…
…
xxx
xxx
xxx
Digitalização é outra designação
para comunicação?
PwC
September 2017
34
PwC Portugal
A digitalização influencia a produção, a mobilidade e a logística
PwC
September 2017
36
PwC Portugal
Efeitos potenciais da digitalização
Empresas inovadoras irão
gerar mais interesse dos
investidores?
25
O fluxo de bens irá
mudar?
Os processos irão mudar,
tornando-se mais
digitalizados?
Os fornecedores de soluções
de logística irão alargar os
seus portefólios e poderão
entrar na indústria marítima
ou irão forçar as empresas de
navios a fornecer informação?
Novos participantes irão
entrar no mercado? Intermediários serão menos
importantes? Segurança de
dados/cibersegurança
irá tornar-se muito
importante?
PwC
September 2017
Sublinhados
37
PwC
September 2017
38
PwC Portugal
Sublinhados
• No primeiro semestre de 2017, o shipping continua em instabilidade,
influenciado por condições de negociação fracas e voláteis que não
apresentam sinais de desaparecimento a curto prazo. Apesar de terem
tido um aumento a curto prazo das taxas de contratação a meio do 2º
trimestre, no final da 1ª metade de 2017, as taxas permaneceram
baixas. Os navios de tamanho médio perderão cada vez mais
importância para o comércio mundial. O mercado tende a ser
dominado por navios muito grandes e pequenos.
• Financiadores e Investidores tradicionais do shipping tenderão a
reduzir exposição ao shipping abrindo oportunidades a novos
investidores e financiadores. As empresas tendem a ser obrigadas a
melhorar o seu modelo de negócio para se tornarem interessantes
para os investidores.
• Não obstante, o mercado e os seus participantes estão em movimento
tentando consolidar concorrentes e formar novas alianças. No final,
existe a possibilidade de, no futuro, o transporte marítimo de
contentores ser dominado por quatro a cinco participantes maiores.
O negócio em massa pode ser afetado, por exemplo, pela impressão
3D ( que exige matéria prima - granel). Como isso pode afetar o
negócio em massa a uma escala maior, está em discussão.
PwC
September 2017
38
PwC Portugal
Sublinhados
• Todas as classes de ativos serão influenciadas pela digitalização. Isso
permitirá que novos participantes ingressem / (tenham influencia)
no shipping e que os participantes já estabelecidos redefinam o seu
papel num processo logístico digitalizado ou perderão importância
caso não sejam capazes de efetuar mudanças.
• A segurança dos dados será crucial (“Cibersecurity”) - já têm
acontecido ataques a empresas o shipping (Nova Pirataria)
• O negócio de cruzeiros é o único negócio de transporte com
aumentos significativos. É um negócio de hospitalidade na água, com
mais ou menos entretenimento, a enfrentar desafios de como
resolver problemas ambientais. Devido a uma boa perspetiva no
mercado europeu e um enorme potencial na Ásia, o negócio de
cruzeiros deverá crescer significativamente no futuro.
PwC
Obrigado!
Esta comunicação é de natureza geral e meramente informativa, não se destinando a qualquer entidade ou situação particular, e não substitui aconselhamento profissional adequado ao caso
concreto. A PwC não se responsabilizará por qualquer dano ou prejuízo emergente de decisão tomada com base na informação aqui descrita.
© PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda. 2017.
Todos os direitos reservados. Neste documento, “PwC” refere-se a PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda, pertencente à network de
entidades que são membros da PricewaterhouseCoopers International Limited, cada uma das quais é uma entidade legal autónoma e independente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logísticaA estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
aplop
 
Porto de Sines - Porta Atlântica da Europa
Porto de Sines - Porta Atlântica da EuropaPorto de Sines - Porta Atlântica da Europa
Porto de Sines - Porta Atlântica da Europa
aplop
 
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
Portos de Portugal
 
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
Cláudio Carneiro
 
I Encontro de Portos da CPLP – Apresentação do Porto de Sines
I Encontro de Portos da CPLP – Apresentação do Porto de SinesI Encontro de Portos da CPLP – Apresentação do Porto de Sines
I Encontro de Portos da CPLP – Apresentação do Porto de Sines
aplop
 
III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)
III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)
III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)
Portos de Portugal
 
Porto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégicaPorto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégica
Cláudio Carneiro
 

Mais procurados (20)

A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logísticaA estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
A estratégia do Porto de Maputo e a integração global logística
 
Cleber Lucas, presidente da ABAC
Cleber Lucas, presidente da ABACCleber Lucas, presidente da ABAC
Cleber Lucas, presidente da ABAC
 
Porto de Sines - Porta Atlântica da Europa
Porto de Sines - Porta Atlântica da EuropaPorto de Sines - Porta Atlântica da Europa
Porto de Sines - Porta Atlântica da Europa
 
Portos 2021
Portos 2021Portos 2021
Portos 2021
 
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
ESTRATÉGIA PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE PORTUÁRIA - Horizonte 2016-2026
 
Novo Porto do Dande - Domingos Fortes
Novo Porto do Dande - Domingos Fortes Novo Porto do Dande - Domingos Fortes
Novo Porto do Dande - Domingos Fortes
 
Navegação de Cabotagem no Brasil
Navegação de Cabotagem no Brasil Navegação de Cabotagem no Brasil
Navegação de Cabotagem no Brasil
 
Realidade da Cabotagem no Brasil
Realidade da Cabotagem no Brasil Realidade da Cabotagem no Brasil
Realidade da Cabotagem no Brasil
 
III Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de Sines
III Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de SinesIII Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de Sines
III Encontro de Portos da CPLP – Lídia Sequeira – Porto de Sines
 
“O Desenvolvimento da Navegação de Cabotagem no Brasil” - Wagner de Sousa Mor...
“O Desenvolvimento da Navegação de Cabotagem no Brasil” - Wagner de Sousa Mor...“O Desenvolvimento da Navegação de Cabotagem no Brasil” - Wagner de Sousa Mor...
“O Desenvolvimento da Navegação de Cabotagem no Brasil” - Wagner de Sousa Mor...
 
"Gestão Portuária: Oportunidades e Desafios da Profissão no Brasil e no Mundo"
"Gestão Portuária:Oportunidades e Desafios da Profissão no Brasil e no Mundo""Gestão Portuária:Oportunidades e Desafios da Profissão no Brasil e no Mundo"
"Gestão Portuária: Oportunidades e Desafios da Profissão no Brasil e no Mundo"
 
Chineses fazem renascer o sonho de Sines
Chineses fazem renascer o sonho de SinesChineses fazem renascer o sonho de Sines
Chineses fazem renascer o sonho de Sines
 
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
A Análise de Sines como Ativo Geoestratégico Nacional
 
I Encontro de Portos da CPLP – Apresentação do Porto de Sines
I Encontro de Portos da CPLP – Apresentação do Porto de SinesI Encontro de Portos da CPLP – Apresentação do Porto de Sines
I Encontro de Portos da CPLP – Apresentação do Porto de Sines
 
III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)
III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)
III Encontro de Portos da CPLP – Rosário Mualeia – CFM (Moçambique)
 
Cabotagem - Entraves e propostas de soluções
Cabotagem - Entraves e propostas de soluçõesCabotagem - Entraves e propostas de soluções
Cabotagem - Entraves e propostas de soluções
 
Porto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégicaPorto de Sines Porta estratégica
Porto de Sines Porta estratégica
 
Projectos de desenvolvimento e expansão dos Portos e Caminhos de Ferro de Moç...
Projectos de desenvolvimento e expansão dos Portos e Caminhos de Ferro de Moç...Projectos de desenvolvimento e expansão dos Portos e Caminhos de Ferro de Moç...
Projectos de desenvolvimento e expansão dos Portos e Caminhos de Ferro de Moç...
 
Projecto de expansão do Porto de Nacala
Projecto de expansão do Porto de NacalaProjecto de expansão do Porto de Nacala
Projecto de expansão do Porto de Nacala
 
Indicadores e Tendências da Economia do Mar nos Países de Língua Portuguesa
Indicadores e Tendências da Economia do Mar nos Países de Língua PortuguesaIndicadores e Tendências da Economia do Mar nos Países de Língua Portuguesa
Indicadores e Tendências da Economia do Mar nos Países de Língua Portuguesa
 

Semelhante a SHIPPING – Momentos de Interessantes Tendências e Incertezas

Clube Militar Marco Regulatório V
Clube  Militar    Marco  Regulatório    VClube  Militar    Marco  Regulatório    V
Clube Militar Marco Regulatório V
FatoseDados
 
Intermodal 2017 - Tendências do Transporte de Contêineres após fusões e aquis...
Intermodal 2017 - Tendências do Transporte de Contêineres após fusões e aquis...Intermodal 2017 - Tendências do Transporte de Contêineres após fusões e aquis...
Intermodal 2017 - Tendências do Transporte de Contêineres após fusões e aquis...
Leandro Carelli Barreto
 
Desenvolvimento Sustentável: Quanto Vale o Selo "Made In Brazil"?
Desenvolvimento Sustentável: Quanto Vale o Selo "Made In Brazil"?Desenvolvimento Sustentável: Quanto Vale o Selo "Made In Brazil"?
Desenvolvimento Sustentável: Quanto Vale o Selo "Made In Brazil"?
Laercio Bruno Filho
 
Gb2013 marcelo schultz_petrobras
Gb2013 marcelo schultz_petrobrasGb2013 marcelo schultz_petrobras
Gb2013 marcelo schultz_petrobras
Galvabrasil
 
Vida Marinha e Desenvolvimento: o que aprendemos com as manchas de óleo nas p...
Vida Marinha e Desenvolvimento: o que aprendemos com as manchas de óleo nas p...Vida Marinha e Desenvolvimento: o que aprendemos com as manchas de óleo nas p...
Vida Marinha e Desenvolvimento: o que aprendemos com as manchas de óleo nas p...
Fundação Fernando Henrique Cardoso
 

Semelhante a SHIPPING – Momentos de Interessantes Tendências e Incertezas (20)

Apresentação eqao[1] 0
Apresentação eqao[1] 0Apresentação eqao[1] 0
Apresentação eqao[1] 0
 
Edição 41 - Petrobras em Ações - Março 2014
 Edição 41 - Petrobras em Ações - Março 2014 Edição 41 - Petrobras em Ações - Março 2014
Edição 41 - Petrobras em Ações - Março 2014
 
Apresentação Suape 2015
Apresentação Suape 2015Apresentação Suape 2015
Apresentação Suape 2015
 
A Economia e a Geopolítica do Mar - Miguel Marques
A Economia e a Geopolítica do Mar - Miguel MarquesA Economia e a Geopolítica do Mar - Miguel Marques
A Economia e a Geopolítica do Mar - Miguel Marques
 
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 0817h00 decio oddone pao de acucar 22 08
17h00 decio oddone pao de acucar 22 08
 
Clube Militar Marco Regulatório V
Clube  Militar    Marco  Regulatório    VClube  Militar    Marco  Regulatório    V
Clube Militar Marco Regulatório V
 
Intermodal 2017 - Tendências do Transporte de Contêineres após fusões e aquis...
Intermodal 2017 - Tendências do Transporte de Contêineres após fusões e aquis...Intermodal 2017 - Tendências do Transporte de Contêineres após fusões e aquis...
Intermodal 2017 - Tendências do Transporte de Contêineres após fusões e aquis...
 
Apres Camara270509
Apres Camara270509Apres Camara270509
Apres Camara270509
 
Documentos externos
Documentos externosDocumentos externos
Documentos externos
 
Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia Naval
Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia NavalRui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia Naval
Rui Carlos Botter, ex-presidente do Instituto Panamericano de Engenharia Naval
 
Experiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDL
Experiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDLExperiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDL
Experiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDL
 
Revista APS N.º 57 – Novembro 2012
Revista APS N.º 57 – Novembro 2012Revista APS N.º 57 – Novembro 2012
Revista APS N.º 57 – Novembro 2012
 
Apresentação SPEtro 17-10-2017
Apresentação SPEtro 17-10-2017Apresentação SPEtro 17-10-2017
Apresentação SPEtro 17-10-2017
 
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral “Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
“Contributos para Gestão Integrada - Porto de Lisboa” – Natércia Cabral
 
Revista APS N.º 74 - Abril 2018
Revista APS N.º 74 - Abril 2018Revista APS N.º 74 - Abril 2018
Revista APS N.º 74 - Abril 2018
 
Desenvolvimento Sustentável: Quanto Vale o Selo "Made In Brazil"?
Desenvolvimento Sustentável: Quanto Vale o Selo "Made In Brazil"?Desenvolvimento Sustentável: Quanto Vale o Selo "Made In Brazil"?
Desenvolvimento Sustentável: Quanto Vale o Selo "Made In Brazil"?
 
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré sal
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré salApresentação no Instituto Ethos sobre o pré sal
Apresentação no Instituto Ethos sobre o pré sal
 
Marco Regulatório do Pré-sal -
Marco Regulatório do Pré-sal -Marco Regulatório do Pré-sal -
Marco Regulatório do Pré-sal -
 
Gb2013 marcelo schultz_petrobras
Gb2013 marcelo schultz_petrobrasGb2013 marcelo schultz_petrobras
Gb2013 marcelo schultz_petrobras
 
Vida Marinha e Desenvolvimento: o que aprendemos com as manchas de óleo nas p...
Vida Marinha e Desenvolvimento: o que aprendemos com as manchas de óleo nas p...Vida Marinha e Desenvolvimento: o que aprendemos com as manchas de óleo nas p...
Vida Marinha e Desenvolvimento: o que aprendemos com as manchas de óleo nas p...
 

Mais de aplop

Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]
Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]
Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]
aplop
 
Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]
Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]
Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]
aplop
 
O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]
O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]
O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]
aplop
 
Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]
Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]
Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]
aplop
 
Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...
Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...
Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...
aplop
 
Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...
Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...
Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...
aplop
 
Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...
Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...
Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...
aplop
 
Direito portuário nos países membros da APLOP
Direito portuário nos países membros da APLOPDireito portuário nos países membros da APLOP
Direito portuário nos países membros da APLOP
aplop
 
Os Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique
Os Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de MoçambiqueOs Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique
Os Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique
aplop
 
O Sector Portuário em Marrocos – Governança e Estratégia
O Sector Portuário em Marrocos – Governança e EstratégiaO Sector Portuário em Marrocos – Governança e Estratégia
O Sector Portuário em Marrocos – Governança e Estratégia
aplop
 
O Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do Brasil
O Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do BrasilO Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do Brasil
O Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do Brasil
aplop
 
Novo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo Verde
Novo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo VerdeNovo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo Verde
Novo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo Verde
aplop
 
Portugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófono
Portugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófonoPortugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófono
Portugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófono
aplop
 
Exportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLP
Exportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLPExportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLP
Exportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLP
aplop
 
O Sistema Portuário em Marrocos
O Sistema Portuário em MarrocosO Sistema Portuário em Marrocos
O Sistema Portuário em Marrocos
aplop
 
O desenvolvimento do Porto de Tibar
O desenvolvimento do Porto de TibarO desenvolvimento do Porto de Tibar
O desenvolvimento do Porto de Tibar
aplop
 

Mais de aplop (20)

Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]
Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]
Direito Portuário e Marítimo – Trabalho Portuário [Guilherme Dray]
 
Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]
Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]
Direito das Concessões e Licenças Portuárias – O Caso dos TUP [Murillo Barbosa]
 
O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]
O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]
O Direito das Concessões e Licenças Portuárias em Angola [Neusa Nascimento]
 
Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]
Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]
Concessões de Licenças Portuárias [Amadeu Rocha]
 
Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...
Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...
Portos Brasileiros – Impactos e riscos da mudança do clima nos portos público...
 
Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...
Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...
Portos Timorenses - O desenvolvimento do Projecto de PPP do Porto da Baía de ...
 
Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...
Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...
Portos Brasileiros – Porto do Suape - Estratégia de Crescimento do Porto do S...
 
Direito portuário nos países membros da APLOP
Direito portuário nos países membros da APLOPDireito portuário nos países membros da APLOP
Direito portuário nos países membros da APLOP
 
Os Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique
Os Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de MoçambiqueOs Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique
Os Novos Desafios para os Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique
 
O Sector Portuário em Marrocos – Governança e Estratégia
O Sector Portuário em Marrocos – Governança e EstratégiaO Sector Portuário em Marrocos – Governança e Estratégia
O Sector Portuário em Marrocos – Governança e Estratégia
 
O Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do Brasil
O Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do BrasilO Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do Brasil
O Porto de Itaqui – O porto da região centro-norte do Brasil
 
Novo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo Verde
Novo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo VerdeNovo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo Verde
Novo Terminal de Cruzeiros do Mindelo – Cabo Verde
 
Portugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófono
Portugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófonoPortugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófono
Portugal: Novos desafios na formação marítima e portuária no espaço lusófono
 
Exportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLP
Exportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLPExportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLP
Exportações do Brasil e oportunidades para os portos da CPLP
 
O Sistema Portuário em Marrocos
O Sistema Portuário em MarrocosO Sistema Portuário em Marrocos
O Sistema Portuário em Marrocos
 
O desenvolvimento do Porto de Tibar
O desenvolvimento do Porto de TibarO desenvolvimento do Porto de Tibar
O desenvolvimento do Porto de Tibar
 
O Direito Portuário nos Países de Língua Portuguesa
O Direito Portuário nos Países de Língua PortuguesaO Direito Portuário nos Países de Língua Portuguesa
O Direito Portuário nos Países de Língua Portuguesa
 
Intervenção de Adalmir José de Souza, Director da ABEPH
Intervenção de Adalmir José de Souza, Director da ABEPH Intervenção de Adalmir José de Souza, Director da ABEPH
Intervenção de Adalmir José de Souza, Director da ABEPH
 
Certificação da Marca APLOP - Retrospectiva
Certificação da Marca APLOP - RetrospectivaCertificação da Marca APLOP - Retrospectiva
Certificação da Marca APLOP - Retrospectiva
 
Certificação da Marca APLOP - A experiência-piloto do Porto de Lisboa
Certificação da Marca APLOP - A experiência-piloto do Porto de LisboaCertificação da Marca APLOP - A experiência-piloto do Porto de Lisboa
Certificação da Marca APLOP - A experiência-piloto do Porto de Lisboa
 

SHIPPING – Momentos de Interessantes Tendências e Incertezas

  • 1. Shipping Momento de Interessantes Tendências e Incertezas Miguel Marques Lisboa Setembro 2017
  • 2. PwC September 2017 1 Visão geral do Shipping 2 Questões Ambientais 3 A digitalização será um fator diferenciador 4 Sublinhados Agenda Nota: Esta apresentação contém diversa informação previsional que por definição é incerta. 2 PwC Portugal
  • 4. PwC September 2017 Desenvolvimento da Economia Global 4 PwC Portugal
  • 5. PwC September 2017 Espera-se que o PIB global cresça no futuro, mas… 5 PwC Portugal 33.655 33.418 34.556 38.827 43.707 47.326 51.256 57.859 63.422 60.048 65.643 72.769 74.092 76.075 78.042 73.599 75.213 79.536 83.811 88.539 93.599 98.632 4,8% 2,5% 5,4% 4,8% 5,7% (0,1%) 5,4% 3,5% 3,1% 3,8% in% inMrd.USD BIP global BIP Änderungsrate Fonte: FMI PIB Global Taxa de Crescimento do PIB emmilharesdemilhõesdeUSD
  • 6. PwC September 2017 1.215 1.344 1.478 1.671 1.966 2.309 2.774 3.572 4.605 5.122 6.066 7.522 8.570 9.635 10.558 11.182 11.392 12.362 13.576 14.918 16.458 18.033 8,4% 10,0% 14,2% 9,2% 10,6% 7,8% 5,8% in% inMrd.USD BIP China BIP Änderungsrate … dependerá do desenvolvimento da economia chinesa, que se espera que desacelere no futuro 6 PwC Portugal Fonte: Published by IMF Taxa de crescimento do PIB chinêsPIB chinês emmilharesdemilhõesdeUSD
  • 7. PwC September 2017 0 2,000 4,000 6,000 8,000 10,000 12,000 1980 1985 1990 1995 2000 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Petróleo e gás Principais produtos a granel Outra carga seca exceto os principais produtos a granel Contentores emmilhõesdetoneladas Com exceção da descida em 2009, o comércio marítimo tem vindo a aumentar, mesmo durante a crise 7 PwC Portugal Source: UNCTAD - Review of Maritime Transport 2016
  • 9. PwC September 2017 Até 2009, houve um aumento sucessivo na frota mundial - desde 2010, a taxa de expansão diminuiu extremamente 9 PwC Portugal Source: ALPHALINER, Monthly Monitor, April 2017 2606 2732 2897 3033 3180 3353 3611 3955 4328 4684 4746 4899 4959 4966 5018 5054 5177 5118 5121 5157 1749 1823 1931 2031 2109 2195 2299 2435 2533 2649 2759 2937 3109 3291 3447 3638 3856 3961 4080 4243 500 1000 1500 2000 2500 3000 3500 4000 4500 5000 5500 0 1000 2000 3000 4000 5000 6000 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 F2018 F2019 F Nº de Navios Celulares Tamanho médio dos navios
  • 10. PwC September 2017 Os custos de frete foram bastante voláteis e várias empresas perderam montantes consideráveis de dinheiro devido a isso 10 PwC Portugal Source: Clarksons Research Services Limited, 2017 Em número, a frota atual consiste numa quantidade significativa de Panamax – navios que verão a sua importância ser reduzida
  • 11. PwC September 2017 Transporte a granel 14 PwC Portugal
  • 12. PwC September 2017 O transporte a granel aumentou significativamente, devido à abertura da China a este mercado… 15 PwC Portugal Source: Maritime Safety Information (MSI), 2017 … mas é esperado que estabilize no futuro Depois de evoluções extremas (positivos e negativos), as taxas de frete deverão recuperar, mas a um nível reduzido… … devido à elevada sobre-capacidade no mercado a granel
  • 14. PwC September 2017 Mesmo com a evolução das energias renováveis, a produção de petróleo deverá manter o crescimento no futuro 21 PwC Portugal Source: Maritime Safety Information (MSI), 2017 A frota mundial de petroleiros é dominada por navios muito grandes que terão tendência de crescimento As alterações climáticas permitirão à Rússia estabelecer a rota norte da Rússia, exportando Gás Natural da “Yamal Peninsula”.
  • 15. PwC September 2017 Navios de cruzeiro 25 PwC Portugal
  • 16. PwC September 2017 O negócios dos navios de cruzeiros deverá crescer nos próximos anos, especialmente na Europa e na Ásia. 26 PwC Portugal • O crescimento do negócio dos cruzeiros será significativo e parece ser resistente aos acidentes • Os navios a construir integrarão as frotas Americana e Europeia. As companhias americanas procuram construir grandes navios, a maioria deles com casinos a bordo. • As linhas europeias deverão concentrar-se em cruzeiros mais pequenos, no segmentos de 4 ou mais estrelas, gerando o interesse da classe media europeia. • Os navios estão a tornar-se mais complexos. Os estaleiros europeus deverão liderar o mercado mundial de cruzeiros • O maior desafio será a redução e emissões poluentes no ar e no mar. Poderão vir a ser construídos navios movidos a Gás Natural. • É crucial criar infraestruturas para navios movidos a energias alternativas. • O segmento de cruzeiros de exploração surge como uma recente atividade (ex. Cruzeiros no Ártico)
  • 18. PwC September 2017 Gestão de Água de Lastro & Regulação de Enxofre 28 PwC Portugal
  • 19. PwC September 2017 A implementação da Gestão de Águas de Lastro irão causar custos significativos, por isso a sua implementação tem sido adiada… 29 PwC Portugal • A Convenção de Gestão da Água de Lastro da OMI pode entrar em vigor em setembro de 2017. Ratificada no Panamá em 19 de outubro de 2016, por 53 estados, representando 53,3% da frota mundial. • Com a entrada em vigor desta convenção, todos os navios terão de instalar um sistema de gestão de água de lastro (BWMS) no momento da primeira renovação do Certificado Internacional de Prevenção da Poluição por Óleo (IOPP) após o 8 de setembro de 2017. • Tal como alguns estados membros (p.ex. Noruega), os EUA já implementaram um regime unilateral de água de lastro, que se baseia na resolução da OMI, mas define padrões mais rigorosos. A regulamentação é aplicada pela Guarda Costeira dos EUA (USCG) e pela Agência de Proteção Ambiental (EPA). • A partir de 2016, todos os navios que operam nas águas dos EUA têm que adaptar um BWMS na próxima doca seca programada. Atualmente, existem três BWMS disponíveis que atendem aos requisitos da USCG / EPA. Uma vez que a primeira BWMS foi certificada pela USCG apenas Em dezembro de 2016, as exceções ao regulamento foram concedidas pela USCG. Status OMI Status EUA Métodos • Custos do BWMS: $0,2m – $2,0m. • OPEX superior devido a custos operacionais da BWMS e / ou substâncias ativas. • Penalidades em caso de violação, • Custos indiretos: redução dos custos e de volume de frete Custos • Possíveis sistemas de conformidade: mecânica, física, química • Combinações: mecânico-físicas, Sistemas mecânico-químicas • Outras: Navios sem sistemas de água de lastro, sistemas fechados
  • 20. PwC September 2017 30 PwC Portugal Why PwC? Desde o início de 2015, as regulações da OMI limitam para 0.1% as emissões de Enxofre em áreas de emissões controladas– Limite de emissão global de 0.5% até 2020. (S)ECAs – (SOx) Emission Control Areas Existing SECAs Pot. future SECAs Emissão de Enxofre nas ECAs deve ter no máximo 0.1% (S)ECAs – (SOx) Emission Control Areas 0.0 1.0 2.0 3.0 4.0 5.0 2000 2005 2010 2015 2020 2025 Sulphurcontent(in%) ECA Global Global 2025 Background regulatório • As emissões de enxofre são reguladas pela Organização Marítima Internacional (OMI) e seguem os limites definidos no Anexo VI da MARPOL (Regulamento 14 da OMI). • A emissão de enxofre é limitada a 0.1% dentro das ECAs (que, atualmente estão nos Mares do Norte e Báltico, Costas Este e Oeste dos EUA) desde 2015. • Está previsto um limite global de emissão de enxofre de 0,5% até 2020, que pode ser estendido até 2025. • A media atual de emissão de SOx é de aproximadamente 2,4% . • A tecnologia das embarcações e a conformidade com os limites da MARPOL SOx são responsabilidade dos Estados de bandeira; os controles são conduzidos pelos controles nacionais do Estado do porto (PSCs). • Exemplos de multas por violação: $45-182k (Califórnia). Relevância para proprietário • Desde 1 de janeiro de 2015 que os navios ativos nas ECA devem satisfazer o limite de 0,1%; será necessária uma redução das emissões para todos os navios quando o limite global for estabelecido. • A frota encomendada recentemente segue apenas parcialmente estes novos padrões através da inclusão de novas tecnologias. • A frota atual possui, portanto, 2 opções: 1) Mudança de combustível para mais caro, bunker sem enxofre 2) Reposição do depurador para o uso contínuo do bunker atual
  • 21. PwC September 2017 31 PwC Portugal Várias opções viáveis para cumprir os regulamentos da OMI - trade-off entre os custos de conversão e os custos operacionais • A implementação de um depurador no navio permite o uso contínuo de HFO barato e de alto teor de enxofre • Escolha entre sistemas de lavagem em loop aberto, loop fechado, loop híbrido e de lavagem a seco • Reposição de custos de aprox. $ 1,3-3,5m, excluindo custos de treinamento e espaço • Custos de conversão: altos • Custos operacionais: baixos • Custos suportados principalmente pelo proprietário Alteração do combustível Renovação do equipamento • Novos motores que utilizem gás natural liquefeito (GNL) ou alternem entre GNL e HFO reduzem a emissão de óxidos de enxofre • Custos de mudança muito altos para o novo motor e tanque de GNL • Viabilidade comprovada, mas falta de infraestruturas portuárias; esperado para a próxima geração de navios • Custos de conversão: muito altos • Custos operacionais: baixos • Custos suportados principalmente pelo proprietário • Desenvolvimento potencial de novo HFO com 0,1% de enxofre • Encontra-se em testes, mas ainda não está preparado para o mercado • O preço esperado seria entre o preço atual do HFO e do MFO, provavelmente próximo do preço do MGO • Custos de conversão: baixos • Custos operacionais: altos • Custos maioritariamente suportados pelo fretador • A utilização de combustível marinho com baixo teor de enxofre (MGO) cumpre com os novos limites de emissão de enxofre • Troca direta do combustível padrão mais barato (Combustível Pesado (HFO)) para o MGO apenas nas áreas de emissões controlada (ECAs) • Desvantagem: aumenta os custos operacionais em $300-400 por tonelada de combustível; o desenvolvimento de preços a longo prazo não está claro • Custos de conversão: baixos • Custos operacionais: altos • Custos maioritariamente suportados pelo fretador Desenvolvimento de combustível pesado (HFO) com 0,1% de enxofre Instalação do motor de GNL ou de motor de duplo combustível4 3 Mudar para o bunker de baixo teor de enxofre (MGO) Renovação do depurador21 Source: IMO, Hansa-Forum
  • 22. PwC September 2017 A digitalização será um fator diferenciador 32 PwC Portugal • Discussion materials
  • 23. PwC September 2017 33 PwC Portugal Digitalização = Facebook, Robótica ou Amazon? xxx xxx xxx … xxx … … xxx xxx xxx Digitalização é outra designação para comunicação?
  • 24. PwC September 2017 34 PwC Portugal A digitalização influencia a produção, a mobilidade e a logística
  • 25. PwC September 2017 36 PwC Portugal Efeitos potenciais da digitalização Empresas inovadoras irão gerar mais interesse dos investidores? 25 O fluxo de bens irá mudar? Os processos irão mudar, tornando-se mais digitalizados? Os fornecedores de soluções de logística irão alargar os seus portefólios e poderão entrar na indústria marítima ou irão forçar as empresas de navios a fornecer informação? Novos participantes irão entrar no mercado? Intermediários serão menos importantes? Segurança de dados/cibersegurança irá tornar-se muito importante?
  • 27. PwC September 2017 38 PwC Portugal Sublinhados • No primeiro semestre de 2017, o shipping continua em instabilidade, influenciado por condições de negociação fracas e voláteis que não apresentam sinais de desaparecimento a curto prazo. Apesar de terem tido um aumento a curto prazo das taxas de contratação a meio do 2º trimestre, no final da 1ª metade de 2017, as taxas permaneceram baixas. Os navios de tamanho médio perderão cada vez mais importância para o comércio mundial. O mercado tende a ser dominado por navios muito grandes e pequenos. • Financiadores e Investidores tradicionais do shipping tenderão a reduzir exposição ao shipping abrindo oportunidades a novos investidores e financiadores. As empresas tendem a ser obrigadas a melhorar o seu modelo de negócio para se tornarem interessantes para os investidores. • Não obstante, o mercado e os seus participantes estão em movimento tentando consolidar concorrentes e formar novas alianças. No final, existe a possibilidade de, no futuro, o transporte marítimo de contentores ser dominado por quatro a cinco participantes maiores. O negócio em massa pode ser afetado, por exemplo, pela impressão 3D ( que exige matéria prima - granel). Como isso pode afetar o negócio em massa a uma escala maior, está em discussão.
  • 28. PwC September 2017 38 PwC Portugal Sublinhados • Todas as classes de ativos serão influenciadas pela digitalização. Isso permitirá que novos participantes ingressem / (tenham influencia) no shipping e que os participantes já estabelecidos redefinam o seu papel num processo logístico digitalizado ou perderão importância caso não sejam capazes de efetuar mudanças. • A segurança dos dados será crucial (“Cibersecurity”) - já têm acontecido ataques a empresas o shipping (Nova Pirataria) • O negócio de cruzeiros é o único negócio de transporte com aumentos significativos. É um negócio de hospitalidade na água, com mais ou menos entretenimento, a enfrentar desafios de como resolver problemas ambientais. Devido a uma boa perspetiva no mercado europeu e um enorme potencial na Ásia, o negócio de cruzeiros deverá crescer significativamente no futuro.
  • 29. PwC Obrigado! Esta comunicação é de natureza geral e meramente informativa, não se destinando a qualquer entidade ou situação particular, e não substitui aconselhamento profissional adequado ao caso concreto. A PwC não se responsabilizará por qualquer dano ou prejuízo emergente de decisão tomada com base na informação aqui descrita. © PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda. 2017. Todos os direitos reservados. Neste documento, “PwC” refere-se a PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda, pertencente à network de entidades que são membros da PricewaterhouseCoopers International Limited, cada uma das quais é uma entidade legal autónoma e independente.

Notas do Editor

  1. 3
  2. 17
  3. 22
  4. 26