SlideShare uma empresa Scribd logo
História do Brasil 7
Período Regencial
(1831-1840)
Cursinho Popular Unioeste
Fernanda Caroline Stang
Consolidação do Proc. De Independência
 1831 – D. Pedro abdica em favor de seu filho mais velho (5 anos).
 A abdicação de D. Pedro encerrou o processo de independência.
 José Bonifácio foi tutor do garoto.
E D. Pedro?
 Foi para Portugal lutar pelo trono de sua filha.
Como foram os primeiros anos após a
abdicação?
 Constituição – Regência Trina
 Indicada pela Assembleia
 Duraria até a maioridade
 Sem assembleia – regência trina provisória
 Regentes:
 Francisco de Lima e Silva (militar)
 Joaquim Carneiro de Campos (conservador)
 Nicolau de Campos Vergueiro (liberal)
Regência Trina Provisória
 Tentaram manter a ordem;
 Reconduziram o ministério dos brasileiros ao poder;
 Anistiaram presos políticos;
 Exoneraram oficiais portugueses;
 Suspenderam a aplicação do Poder Moderador.
Regência Trina Permanente
1831-1835
 Francisco de Lima e Silva
 João Bráulio Muniz
 José da Costa Carvalho
 Padré Diogo Feijó
 Assumiu o Ministério da Justiça
 Comandava as forças policiais
 Criação da Guarda Nacional
Contexto Político
 Elites
 Partido Moderado
 Chimango
 Direita liberal – liberalismo de fachada
 Sociedade Defensora da Liberdade e Independência Nacional
 Camada Média Urbana
 Exaltados, farroupilhas, jurujubas
 Ideias republicanas, federalistas (maior autonomia às províncias) e radicais.
 “esquerda”
 Sociedade Federal
 Restauradores/ Caramurus
 Portugueses que lutavam pelo retorno de D. Pedro I ao poder.
 Direita conservadora
 Sociedade Militar
Avanço Liberal (1831-1836)
 Primeira Fase do Período Regencial (1831-1835)
 Medidas de caráter descentralizador
 Setores agrários queriam resgatar o poder antes concentrado nas mãos do
imperador.
 Criação da Guarda Municipal
 Código de Processo Criminal
 Ato Adicional
Avanço Liberal
 Código de Processo Criminal
 Enormes poderes ao juiz de paz, escolhido pelos proprietários locais.
 Ato Adicional
 Criação das assembleias legislativas provinciais
 Abolição do principal órgão de auxílio do Imperador, chamado de Conselho de
Estado
 Criação do Município Neutro
 Eleição para regente seria eletiva e temporária
 Redução de 3 para 1 o número de regentes.
O Período Repressivo (1831-1832)
 Ministro da Justiça, padre Diogo Feijó
 Violenta pressão aos liberais exaltados
 Extinguiu a Guarda Municipal, criando em seu lugar a Guarda Nacional,
diretamente subordinada ao Ministério da Justiça
 Militares foram marginalizados
1832 – Feijó tenta dar um golpe de Estado
Fim da Primeira fase da Regência Permanente
O Período Reformista (1833-1835)
 Código de Processo Criminal
 Descentralização do sistema judiciário
 Autonomia dos municípios
 Ato Adicional – 1834
 Reformas na Constituição de 1824
Ato Adicional - 1834
 Descentralização do poder, concedendo maior autonomia política,
administrativa e financeira às províncias;
 Criação, em cada província, de uma Assembleia Legislativa Provincial formada
por deputados eleitos;
 Abolição do Conselho de Estado, mantendo-se, porém, o Poder Moderador;
 Transferência da capital da província do Rio de Janeiro para Niterói
 Transformação da cidade do Rio de Janeiro em Município Neutro, uma espécie
de Distrito Federal;
 Redução da autonomia dos municípios;
 Transformação da Regência Trina em Regência Uma, eleita pelos eleitores de
província
O Regresso Conservador
 1834 – Partido Restaurador desaparece – morte de D. Pedro I.
 1835 – Ano da eleição do regente uno.
 Formaram-se dois novos partidos:
 Partido Regressista (conservador)
 Antigos moderados e restauradores
 Governo forte e centralizado
 Defendiam a revisão do Ato adicional
O Regresso Conservador
 Partido Progressista (liberal)
 Liderança de Feijó
 Sobreviventes do Partido Exaltado e alguns antigos moderados
 Aceitavam uma monarquia constitucional
 Queriam manter o Ato Adicional
A Regência de Feijó (1835-1837)
 Péssimo político e administrador
 Sem apoio parlamentar
 Não conseguiu derrotar as duas rebeliões que então ocorriam: a Farroupilha,
no RS e a Cabanagem, no Pará.
 Partido Regressista vence as eleições legislativas de 1836.
 Bernardo de Vasconcelos paralisa os trabalhos parlamentares, impedindo
assim a ação administrativa do governo.
 1837 – Feijó renuncia.
 O líder regressista Araújo Lima é nomeado ministro do império.
A Regência de Araújo Lima (1837-1840)
 Reformularam o Ato Adicional e o Código Criminal
 Lei de Interpretação do Ato Adicional
 Transferiram ao governo central o controle de todo o sistema jurídico e policial
 Reduziram drasticamente a autoridade dos juízes de paz (eleitos pelos
eleitores de paróquia), cujos poderes transferiram-se aos chefes de polícia
provincial, aos delegados de polícia e aos juízes municipais, nomeados pelo
governo central.
 A Oligarquia – Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais
 Café
O Golpe da Maioridade (1840)
 D. Pedro II – sobe ao trono com 14 anos
 Artimanha política dos progressistas – Movimento maiorista
 Regressistas não podiam se opor...
 A subida do imperador ao trono consolidaria a Monarquia
 Não seria inteligente se opor contra os desejos de um príncipe
 Liberais – Já eram amiguinhos do imperador
 1840 – Fim da regência e início do Segundo Reinado
Principais rebeliões
regenciais
Cabanagem (1835 – 1840)
 Pará
 + Popular
 Indicação de um conservador para o governo da Província
 Teve vários líderes
 A repressão foi violenta e a pacificação custou a vida de quase 30 mil pessoas.
Sabinada (1837 – 1838)
 Liderada pelo médico Sabino da Rocha Vieira.
 Bahia.
 Pretendia proclamar uma República que vigoraria até a maioridade do
Imperador.
 Ocuparam Salvador.
 Movimento rapidamente sufocado.
Balaiada (1838 – 1841)
 Maranhão.
 Luta entre a facção liberal-radical, denominada de bem-te-vis, e os grupos
conservadores e elitistas, chamados de cabanos.
 Caráter popular e sertanejo.
 O movimento só foi contido pelas tropas do governo (sob a liderança de Luís
Alves de Lima e Silva, o futuro Duque de Caxias) no início do Segundo
Reinado.
Farroupilha (1835 – 1845) – A mais longa
guerra civil da história do Brasil
 Sul do Brasil
 A mais longa de todas as revoltas regenciais
 Inconformismo das elites rio-grandenses com a centralização político-
administrativa no RJ
 Incompatibilidade entre a economia nacional, voltada para o mercado
externo, e a economia do RS, baseada na criação de gado e na produção de
charque, voltada para o mercado interno.
 Teve as lideranças de Bento Golçalves, Davi Canabarro e Giuseppe Garibaldi..
 Os rebeldes proclamaram as repúblicas de Piratini e Juliana.
 1842 – Luís Alves de Lima e Silva foi indicado para pacificar o conflito.
 Final: acordo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Instituição da república
Instituição da repúblicaInstituição da república
Instituição da república
Leonardo Silva Costa
 
Aula república velha (1889-1930) - resumo - história pensante
Aula   república velha (1889-1930) - resumo - história pensanteAula   república velha (1889-1930) - resumo - história pensante
Aula república velha (1889-1930) - resumo - história pensante
História Pensante
 
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
Lela Leite
 
República da espada
República da espadaRepública da espada
República da espada
dmflores21
 
República da espada (aula)blogger
República da espada (aula)bloggerRepública da espada (aula)blogger
República da espada (aula)blogger
Norberto Correa
 
A República da Espada
A República da EspadaA República da Espada
A República da Espada
Gilmar Rodrigues
 
A República da Espada
A República da EspadaA República da Espada
A República da Espada
dayanbotelho2
 
Proclamação da República
Proclamação da RepúblicaProclamação da República
Proclamação da República
Rosani Becker
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil república
dmflores21
 
A Implantação da Primeira Republica
A Implantação da Primeira RepublicaA Implantação da Primeira Republica
A Implantação da Primeira Republica
bichacrocodila
 
Brasil Republica Primeiros Anos[1]
Brasil Republica Primeiros Anos[1]Brasil Republica Primeiros Anos[1]
Brasil Republica Primeiros Anos[1]
monica10
 
3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
Daniel Alves Bronstrup
 
Transição do Império para República Brasileira
Transição do Império para República BrasileiraTransição do Império para República Brasileira
Transição do Império para República Brasileira
alinemaiahistoria
 
O Advento Da RepúBlica No Brasil
O Advento Da RepúBlica No BrasilO Advento Da RepúBlica No Brasil
O Advento Da RepúBlica No Brasil
Marcelo Oliveira
 
República da espada (1889 1894)
República da espada (1889 1894)República da espada (1889 1894)
República da espada (1889 1894)
Vitor Hugo Almeida
 
Perãodo regencial -_ok[1]
Perãodo regencial -_ok[1]Perãodo regencial -_ok[1]
Perãodo regencial -_ok[1]
Evanilde Chuva
 
História do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era VargasHistória do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era Vargas
fernandacarolinestang
 
Hb hg 3
Hb hg 3Hb hg 3
O início da república no brasil
O início da república no brasilO início da república no brasil
O início da república no brasil
historiando
 

Mais procurados (20)

Instituição da república
Instituição da repúblicaInstituição da república
Instituição da república
 
Aula república velha (1889-1930) - resumo - história pensante
Aula   república velha (1889-1930) - resumo - história pensanteAula   república velha (1889-1930) - resumo - história pensante
Aula república velha (1889-1930) - resumo - história pensante
 
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
3° Ano Aula 16 A 19 Brasil RepúBlica RepúBlica Velha
 
República da espada
República da espadaRepública da espada
República da espada
 
República da espada (aula)blogger
República da espada (aula)bloggerRepública da espada (aula)blogger
República da espada (aula)blogger
 
A República da Espada
A República da EspadaA República da Espada
A República da Espada
 
A República da Espada
A República da EspadaA República da Espada
A República da Espada
 
Proclamação da República
Proclamação da RepúblicaProclamação da República
Proclamação da República
 
Brasil Monárquico
Brasil MonárquicoBrasil Monárquico
Brasil Monárquico
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil república
 
A Implantação da Primeira Republica
A Implantação da Primeira RepublicaA Implantação da Primeira Republica
A Implantação da Primeira Republica
 
Brasil Republica Primeiros Anos[1]
Brasil Republica Primeiros Anos[1]Brasil Republica Primeiros Anos[1]
Brasil Republica Primeiros Anos[1]
 
3° ano República da Espada
3° ano   República da Espada3° ano   República da Espada
3° ano República da Espada
 
Transição do Império para República Brasileira
Transição do Império para República BrasileiraTransição do Império para República Brasileira
Transição do Império para República Brasileira
 
O Advento Da RepúBlica No Brasil
O Advento Da RepúBlica No BrasilO Advento Da RepúBlica No Brasil
O Advento Da RepúBlica No Brasil
 
República da espada (1889 1894)
República da espada (1889 1894)República da espada (1889 1894)
República da espada (1889 1894)
 
Perãodo regencial -_ok[1]
Perãodo regencial -_ok[1]Perãodo regencial -_ok[1]
Perãodo regencial -_ok[1]
 
História do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era VargasHistória do brasil 12 - Era Vargas
História do brasil 12 - Era Vargas
 
Hb hg 3
Hb hg 3Hb hg 3
Hb hg 3
 
O início da república no brasil
O início da república no brasilO início da república no brasil
O início da república no brasil
 

Destaque

Resume
ResumeResume
Resume
Paul Hsiao
 
Investissement Immobilier Patrick Beland
Investissement Immobilier Patrick BelandInvestissement Immobilier Patrick Beland
Investissement Immobilier Patrick Beland
Patrick Béland
 
Piping
PipingPiping
Resume_updated
Resume_updatedResume_updated
Resume_updated
Imtiyaz Hussain
 
كيف تقرأ الأيقونه او الصوره القبطيه؟
كيف تقرأ الأيقونه او الصوره القبطيه؟كيف تقرأ الأيقونه او الصوره القبطيه؟
كيف تقرأ الأيقونه او الصوره القبطيه؟
MosaadRamadan AbdAlhk
 
Recorrido por digital 2015
Recorrido por digital 2015Recorrido por digital 2015
Recorrido por digital 2015
coloradita123
 
Centralizing Your Automated Payments
Centralizing Your Automated PaymentsCentralizing Your Automated Payments
Centralizing Your Automated Payments
Ryan Quintal
 
Shade structures
Shade structuresShade structures
Shade structures
Alison Lohman
 
Persidangan raja raja melayu
Persidangan raja raja melayuPersidangan raja raja melayu
Persidangan raja raja melayu
pikaapull
 
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
isameucci
 
I ntroduction
I ntroductionI ntroduction
I ntroduction
Cedharvey Marcos
 
Web design lecture 3
Web design  lecture 3Web design  lecture 3
Web design lecture 3
Chantsaldulam Ganbadrakh
 
3. Віршики веселики
3. Віршики веселики3. Віршики веселики
3. Віршики веселики
Сергій Ільчишин
 

Destaque (13)

Resume
ResumeResume
Resume
 
Investissement Immobilier Patrick Beland
Investissement Immobilier Patrick BelandInvestissement Immobilier Patrick Beland
Investissement Immobilier Patrick Beland
 
Piping
PipingPiping
Piping
 
Resume_updated
Resume_updatedResume_updated
Resume_updated
 
كيف تقرأ الأيقونه او الصوره القبطيه؟
كيف تقرأ الأيقونه او الصوره القبطيه؟كيف تقرأ الأيقونه او الصوره القبطيه؟
كيف تقرأ الأيقونه او الصوره القبطيه؟
 
Recorrido por digital 2015
Recorrido por digital 2015Recorrido por digital 2015
Recorrido por digital 2015
 
Centralizing Your Automated Payments
Centralizing Your Automated PaymentsCentralizing Your Automated Payments
Centralizing Your Automated Payments
 
Shade structures
Shade structuresShade structures
Shade structures
 
Persidangan raja raja melayu
Persidangan raja raja melayuPersidangan raja raja melayu
Persidangan raja raja melayu
 
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
Brasil Colônia - Séc. XVIII (Ciclo do Ouro)
 
I ntroduction
I ntroductionI ntroduction
I ntroduction
 
Web design lecture 3
Web design  lecture 3Web design  lecture 3
Web design lecture 3
 
3. Віршики веселики
3. Віршики веселики3. Віршики веселики
3. Віршики веселики
 

Semelhante a História do brasil 7

Brasil Império Período Regencial.ppt
Brasil Império Período Regencial.pptBrasil Império Período Regencial.ppt
Brasil Império Período Regencial.ppt
Alex Fonte
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Lucas Cardoso
 
011509 periodo regencial_modificado
011509 periodo regencial_modificado011509 periodo regencial_modificado
011509 periodo regencial_modificado
alexroro15
 
Perodo Regencial(1831 1840) Histria12345
Perodo Regencial(1831 1840) Histria12345Perodo Regencial(1831 1840) Histria12345
Perodo Regencial(1831 1840) Histria12345
Marco Andrade
 
PeríOdo RegêNcial
PeríOdo RegêNcialPeríOdo RegêNcial
PeríOdo RegêNcial
YANBGA
 
Brasil Império: Período Regencial
Brasil Império: Período RegencialBrasil Império: Período Regencial
Brasil Império: Período Regencial
Hilton Rosas
 
Perãodo regencial -_ok[1]
Perãodo regencial -_ok[1]Perãodo regencial -_ok[1]
Perãodo regencial -_ok[1]
Evanilde Chuva
 
Das Regências a proclamação da República
Das Regências a proclamação da RepúblicaDas Regências a proclamação da República
Das Regências a proclamação da República
Edenilson Morais
 
História geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialHistória geral - Período regêncial
História geral - Período regêncial
Matheus Alves
 
Período Regencial
Período RegencialPeríodo Regencial
Período Regencial
eiprofessor
 
A Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VIA Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VI
guest923616
 
A Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VIA Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VI
guest923616
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Bruno E Geyse Ornelas
 
Período Regencial
Período RegencialPeríodo Regencial
Período Regencial
Guilherme Drumond
 
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Império brasileiro
Império brasileiroImpério brasileiro
Império brasileiro
Simone Cunha
 
Crise no primeiro reinado e período regencial
Crise no primeiro reinado e período regencialCrise no primeiro reinado e período regencial
Crise no primeiro reinado e período regencial
Marcos Mamute
 
imperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.pptimperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.ppt
KrishPatel433809
 
Os caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileiraOs caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileira
Washington Souza
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Marlon Novaes
 

Semelhante a História do brasil 7 (20)

Brasil Império Período Regencial.ppt
Brasil Império Período Regencial.pptBrasil Império Período Regencial.ppt
Brasil Império Período Regencial.ppt
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
011509 periodo regencial_modificado
011509 periodo regencial_modificado011509 periodo regencial_modificado
011509 periodo regencial_modificado
 
Perodo Regencial(1831 1840) Histria12345
Perodo Regencial(1831 1840) Histria12345Perodo Regencial(1831 1840) Histria12345
Perodo Regencial(1831 1840) Histria12345
 
PeríOdo RegêNcial
PeríOdo RegêNcialPeríOdo RegêNcial
PeríOdo RegêNcial
 
Brasil Império: Período Regencial
Brasil Império: Período RegencialBrasil Império: Período Regencial
Brasil Império: Período Regencial
 
Perãodo regencial -_ok[1]
Perãodo regencial -_ok[1]Perãodo regencial -_ok[1]
Perãodo regencial -_ok[1]
 
Das Regências a proclamação da República
Das Regências a proclamação da RepúblicaDas Regências a proclamação da República
Das Regências a proclamação da República
 
História geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialHistória geral - Período regêncial
História geral - Período regêncial
 
Período Regencial
Período RegencialPeríodo Regencial
Período Regencial
 
A Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VIA Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VI
 
A Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VIA Partir De D. Joao VI
A Partir De D. Joao VI
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Período Regencial
Período RegencialPeríodo Regencial
Período Regencial
 
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
 
Império brasileiro
Império brasileiroImpério brasileiro
Império brasileiro
 
Crise no primeiro reinado e período regencial
Crise no primeiro reinado e período regencialCrise no primeiro reinado e período regencial
Crise no primeiro reinado e período regencial
 
imperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.pptimperio-brasileiro-1822-1889.ppt
imperio-brasileiro-1822-1889.ppt
 
Os caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileiraOs caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileira
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 

Mais de fernandacarolinestang

Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017
fernandacarolinestang
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
fernandacarolinestang
 
Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)
fernandacarolinestang
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
fernandacarolinestang
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
fernandacarolinestang
 
As revoluções inglesas
As revoluções inglesasAs revoluções inglesas
As revoluções inglesas
fernandacarolinestang
 
O reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismoO reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismo
fernandacarolinestang
 
A baixa idade média
A baixa idade médiaA baixa idade média
A baixa idade média
fernandacarolinestang
 
Os modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionaisOs modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionais
fernandacarolinestang
 
Civilização Romana - Império
Civilização Romana - ImpérioCivilização Romana - Império
Civilização Romana - Império
fernandacarolinestang
 
Roma Antiga Editado
Roma Antiga EditadoRoma Antiga Editado
Roma Antiga Editado
fernandacarolinestang
 
Civilização grega II
Civilização grega IICivilização grega II
Civilização grega II
fernandacarolinestang
 
A civilização grega i
A civilização grega iA civilização grega i
A civilização grega i
fernandacarolinestang
 
As civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo orienteAs civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo oriente
fernandacarolinestang
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
fernandacarolinestang
 
Introdução ao estudo da história e Pré-História
Introdução ao estudo da história e Pré-HistóriaIntrodução ao estudo da história e Pré-História
Introdução ao estudo da história e Pré-História
fernandacarolinestang
 
História do brasil 10
História do brasil 10História do brasil 10
História do brasil 10
fernandacarolinestang
 

Mais de fernandacarolinestang (17)

Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017Revisão Enem 2017
Revisão Enem 2017
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)Revolução francesa (1789 1799)
Revolução francesa (1789 1799)
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
As revoluções inglesas
As revoluções inglesasAs revoluções inglesas
As revoluções inglesas
 
O reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismoO reino dos francos e a formação do feudalismo
O reino dos francos e a formação do feudalismo
 
A baixa idade média
A baixa idade médiaA baixa idade média
A baixa idade média
 
Os modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionaisOs modernos estados nacionais
Os modernos estados nacionais
 
Civilização Romana - Império
Civilização Romana - ImpérioCivilização Romana - Império
Civilização Romana - Império
 
Roma Antiga Editado
Roma Antiga EditadoRoma Antiga Editado
Roma Antiga Editado
 
Civilização grega II
Civilização grega IICivilização grega II
Civilização grega II
 
A civilização grega i
A civilização grega iA civilização grega i
A civilização grega i
 
As civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo orienteAs civilizações do antigo oriente
As civilizações do antigo oriente
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Introdução ao estudo da história e Pré-História
Introdução ao estudo da história e Pré-HistóriaIntrodução ao estudo da história e Pré-História
Introdução ao estudo da história e Pré-História
 
História do brasil 10
História do brasil 10História do brasil 10
História do brasil 10
 

Último

Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 

História do brasil 7

  • 1. História do Brasil 7 Período Regencial (1831-1840) Cursinho Popular Unioeste Fernanda Caroline Stang
  • 2. Consolidação do Proc. De Independência  1831 – D. Pedro abdica em favor de seu filho mais velho (5 anos).  A abdicação de D. Pedro encerrou o processo de independência.  José Bonifácio foi tutor do garoto. E D. Pedro?  Foi para Portugal lutar pelo trono de sua filha.
  • 3. Como foram os primeiros anos após a abdicação?  Constituição – Regência Trina  Indicada pela Assembleia  Duraria até a maioridade  Sem assembleia – regência trina provisória  Regentes:  Francisco de Lima e Silva (militar)  Joaquim Carneiro de Campos (conservador)  Nicolau de Campos Vergueiro (liberal)
  • 4. Regência Trina Provisória  Tentaram manter a ordem;  Reconduziram o ministério dos brasileiros ao poder;  Anistiaram presos políticos;  Exoneraram oficiais portugueses;  Suspenderam a aplicação do Poder Moderador.
  • 5. Regência Trina Permanente 1831-1835  Francisco de Lima e Silva  João Bráulio Muniz  José da Costa Carvalho  Padré Diogo Feijó  Assumiu o Ministério da Justiça  Comandava as forças policiais  Criação da Guarda Nacional
  • 6. Contexto Político  Elites  Partido Moderado  Chimango  Direita liberal – liberalismo de fachada  Sociedade Defensora da Liberdade e Independência Nacional  Camada Média Urbana  Exaltados, farroupilhas, jurujubas  Ideias republicanas, federalistas (maior autonomia às províncias) e radicais.  “esquerda”  Sociedade Federal  Restauradores/ Caramurus  Portugueses que lutavam pelo retorno de D. Pedro I ao poder.  Direita conservadora  Sociedade Militar
  • 7. Avanço Liberal (1831-1836)  Primeira Fase do Período Regencial (1831-1835)  Medidas de caráter descentralizador  Setores agrários queriam resgatar o poder antes concentrado nas mãos do imperador.  Criação da Guarda Municipal  Código de Processo Criminal  Ato Adicional
  • 8. Avanço Liberal  Código de Processo Criminal  Enormes poderes ao juiz de paz, escolhido pelos proprietários locais.  Ato Adicional  Criação das assembleias legislativas provinciais  Abolição do principal órgão de auxílio do Imperador, chamado de Conselho de Estado  Criação do Município Neutro  Eleição para regente seria eletiva e temporária  Redução de 3 para 1 o número de regentes.
  • 9. O Período Repressivo (1831-1832)  Ministro da Justiça, padre Diogo Feijó  Violenta pressão aos liberais exaltados  Extinguiu a Guarda Municipal, criando em seu lugar a Guarda Nacional, diretamente subordinada ao Ministério da Justiça  Militares foram marginalizados 1832 – Feijó tenta dar um golpe de Estado Fim da Primeira fase da Regência Permanente
  • 10. O Período Reformista (1833-1835)  Código de Processo Criminal  Descentralização do sistema judiciário  Autonomia dos municípios  Ato Adicional – 1834  Reformas na Constituição de 1824
  • 11. Ato Adicional - 1834  Descentralização do poder, concedendo maior autonomia política, administrativa e financeira às províncias;  Criação, em cada província, de uma Assembleia Legislativa Provincial formada por deputados eleitos;  Abolição do Conselho de Estado, mantendo-se, porém, o Poder Moderador;  Transferência da capital da província do Rio de Janeiro para Niterói  Transformação da cidade do Rio de Janeiro em Município Neutro, uma espécie de Distrito Federal;  Redução da autonomia dos municípios;  Transformação da Regência Trina em Regência Uma, eleita pelos eleitores de província
  • 12. O Regresso Conservador  1834 – Partido Restaurador desaparece – morte de D. Pedro I.  1835 – Ano da eleição do regente uno.  Formaram-se dois novos partidos:  Partido Regressista (conservador)  Antigos moderados e restauradores  Governo forte e centralizado  Defendiam a revisão do Ato adicional
  • 13. O Regresso Conservador  Partido Progressista (liberal)  Liderança de Feijó  Sobreviventes do Partido Exaltado e alguns antigos moderados  Aceitavam uma monarquia constitucional  Queriam manter o Ato Adicional
  • 14. A Regência de Feijó (1835-1837)  Péssimo político e administrador  Sem apoio parlamentar  Não conseguiu derrotar as duas rebeliões que então ocorriam: a Farroupilha, no RS e a Cabanagem, no Pará.  Partido Regressista vence as eleições legislativas de 1836.  Bernardo de Vasconcelos paralisa os trabalhos parlamentares, impedindo assim a ação administrativa do governo.  1837 – Feijó renuncia.  O líder regressista Araújo Lima é nomeado ministro do império.
  • 15. A Regência de Araújo Lima (1837-1840)  Reformularam o Ato Adicional e o Código Criminal  Lei de Interpretação do Ato Adicional  Transferiram ao governo central o controle de todo o sistema jurídico e policial  Reduziram drasticamente a autoridade dos juízes de paz (eleitos pelos eleitores de paróquia), cujos poderes transferiram-se aos chefes de polícia provincial, aos delegados de polícia e aos juízes municipais, nomeados pelo governo central.  A Oligarquia – Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais  Café
  • 16. O Golpe da Maioridade (1840)  D. Pedro II – sobe ao trono com 14 anos  Artimanha política dos progressistas – Movimento maiorista  Regressistas não podiam se opor...  A subida do imperador ao trono consolidaria a Monarquia  Não seria inteligente se opor contra os desejos de um príncipe  Liberais – Já eram amiguinhos do imperador  1840 – Fim da regência e início do Segundo Reinado
  • 18. Cabanagem (1835 – 1840)  Pará  + Popular  Indicação de um conservador para o governo da Província  Teve vários líderes  A repressão foi violenta e a pacificação custou a vida de quase 30 mil pessoas.
  • 19. Sabinada (1837 – 1838)  Liderada pelo médico Sabino da Rocha Vieira.  Bahia.  Pretendia proclamar uma República que vigoraria até a maioridade do Imperador.  Ocuparam Salvador.  Movimento rapidamente sufocado.
  • 20. Balaiada (1838 – 1841)  Maranhão.  Luta entre a facção liberal-radical, denominada de bem-te-vis, e os grupos conservadores e elitistas, chamados de cabanos.  Caráter popular e sertanejo.  O movimento só foi contido pelas tropas do governo (sob a liderança de Luís Alves de Lima e Silva, o futuro Duque de Caxias) no início do Segundo Reinado.
  • 21. Farroupilha (1835 – 1845) – A mais longa guerra civil da história do Brasil  Sul do Brasil  A mais longa de todas as revoltas regenciais  Inconformismo das elites rio-grandenses com a centralização político- administrativa no RJ  Incompatibilidade entre a economia nacional, voltada para o mercado externo, e a economia do RS, baseada na criação de gado e na produção de charque, voltada para o mercado interno.  Teve as lideranças de Bento Golçalves, Davi Canabarro e Giuseppe Garibaldi..  Os rebeldes proclamaram as repúblicas de Piratini e Juliana.  1842 – Luís Alves de Lima e Silva foi indicado para pacificar o conflito.  Final: acordo.