SlideShare uma empresa Scribd logo
História Das Regências a Proclamação da República

1. O período Regencial
• Abdicação de D. Pedro I (1831).
• Fragmentação das forças políticas responsáveis
pela saída do imperador.
─ Liberais exaltados e farroupilhas - defendiam a
transformação das instituições.
─ Jurujubas – Defendiam a luta armada para se
chegar a transformação.
─ Caramurus – defendiam o retorno do imperador D.
Pedro I ao trono.
─ Chimangos – defensores da liberdade e da
independência nacional.
História Das Regências a Proclamação da República
Evolução político-partidária durante o Império
História Das Regências a Proclamação da República
• Regência Trina Provisória (abr/jul 1831)
• Regência Trina Permanente (1831-1834)
─ Diogo Antônio Feijó – Ministério da Justiça.
─ Criação da Guarda Nacional – agosto 1831 – figura
do coronel.
História Das Regências a Proclamação da República

• O Código do Processo Criminal de 1832 e o Ato
Adicional de 1834.
─ O Código do Processo Criminal reforçava e ampliava
as atribuições judiciais e policiais dos juízes de paz =
fortalecimento do poder local.
─ Ato Adicional = reformas da constituição de 1824.
 Criação das Assembleias Legislativas Provinciais.
 Governo de um regente na menoridade do Imperador.
 Supressão do Conselho de Estado.
 Manutenção do poder moderador.
 Vitaliciedade do senado.
História Das Regências a Proclamação da República

2. As revoltas regenciais

• As elites proprietárias tentam manter o controle do
país.
• Centralização do poder + desigualdades = eclosão
de revoltas populares.
• Revolução Farroupilha (RS 1835-1845)
─ Mais longa revolta da História do Brasil.
─ Liderança da elite gaúcha.
─ Interesses econômicos e políticos.
─ Defesa do federalismo e da autonomia provincial.
─ Fundação da República Rio-grandense (RS) e da
República Juliana (SC).
História Das Regências a Proclamação da República

Revolução Farroupilha
História Das Regências a Proclamação da República

─ Após dez anos de resistência, os farrapos foram
dominados – 1845.
─ Conseguiram um acordo de paz favorável.
Anistia dos revoltosos.
 Incorporação dos oficiais farroupilhas ao exército
brasileiro.
 Diminuição dos impostos.
 Devolução das terras confiscadas durante a
guerra.
 Fortalecimento da Assembleia Local.
História Das Regências a Proclamação da República

• Cabanagem (PA 1835-1840)
─ Luta entre as facções políticas locais – isolamento
e pobreza da população = levantes.
─ 1832 – revolta liderada pelo Padre Batista
Campos – insatisfação da população com as
autoridades nomeadas pelo poder central.
─ Dezembro de 1833 – Bernardo Lobo de Souza
(Presidente enviado pelo Governo Central) –
iniciou uma política extremamente repressora.
─ Perseguiu, prendeu e deportou todos os suspeitos
e líderes da revolta de 1832 – causou a
indignação geral da província.
Das Regências a proclamação da República
História Das Regências a Proclamação da República

─ 1835 – Os cabanos ocuparam Belém.
 Prenderam e executaram o presidente da
província
 Félix Antônio Malcher assumiu a presidência do
Pará e os cabanos passaram a exercer o governo
local.
─ As dissidências entre os líderes.
Malcher e as elites não concordavam com o
caráter violente do movimento da facção popular do
movimento – declararam fiéis ao imperador – passaram
a reprimir os manifestantes mais radicais
História Das Regências a Proclamação da República
História Das Regências a Proclamação da República
─ A fúria dos cabanos – Malcher foi deposto, executado
e substituído por Francisco Vinagre (que acabou
também negociando com as autoridades centrais).
─ Foi empreendida uma ação repressora sob o comando
do almirante Inglês Taylor = derrota dos cabanos.
─ Logo após se recuperarem da derrota os cabanos
atacaram Belém e retomaram o poder – Eduardo
Angelim foi escolhido para chefiar o governo.
10 meses no poder – movimento desgastado
(dissidências internas + repressão regencial).
─ De 1836 a 1839 lutaram, mais acabaram por perecer
frente as tropas governamentais.
História Das Regências a Proclamação da República

• Balaiada – Maranhão – Dezembro de 1838.
─ Liderada pelos liberais maranhenses – bem-te-vis
– contrários aos abusos da oligarquia local, ao
governo conservador exercido por Vicente
Camargo e a Lei dos Prefeitos.
─ Os rebeldes chegaram a tomar a Vila de Caxias.
 As tropas do governo (Duque de Caxias)
sufocaram o movimento após dois anos de lutas.
─ Líderes principais:
 O ex-escravo Cosme Bento;
 Manuel dos Anjos Ferreira (Balaio).
História Das Regências a Proclamação da República

─ O governo deu anistia a todos que combatessem
o Negro Cosme = divisão dos revoltosos.
 Fim da revolta (1841).
 Negro Cosme condenado à morte na forca (1842).
História Das Regências a Proclamação da República

• Sabinada (BA 1837-1838).
─ Os revoltosos, liberais exaltados desejavam tornar
a província independente até que o Imperador
atingisse a maioridade.
─ Revolta de caráter urbano – profissionais liberais –
funcionários públicos – pequenos comerciantes –
artesãos – militares (baixo soldo e promoções dos
indivíduos de famílias privilegiadas).
─ Foi prevista a instalação de uma Assembleia e a
libertação dos escravos nascidos no Brasil que
aderissem à revolta.
História Das Regências a Proclamação da República
História Das Regências a Proclamação da República
─ Líderes em destaque
 Francisco Sabino (médico) – responsável pela
proclamação da República Baiense – novembro de
1837.
 Inocêncio da Rocha Galvão – Advogado exilado nos
EUA – foi nomeado Presidente.
 O Bacharel João Carneiro da Silva Rego – Vice.
 Francisco Sabino – Secretaria do Governo.
─ Radicalização do movimento = caráter social.
 Ricos brancos + mestiços X pobres negros +
Mestiços.
 Enfrentamento evitado pelo ataque das tropas do
Governo Central.
História Das Regências a Proclamação da República

• Sabinada (BA 1837-1838).
─ Os revoltosos, liberais exaltados desejavam tornar
a província independente até que o Imperador
atingisse a maioridade.
─ Revolta de caráter urbano – profissionais liberais –
funcionários públicos – pequenos comerciantes –
artesãos – militares (baixo soldo e promoções dos
indivíduos de famílias privilegiadas).
─ Foi prevista a instalação de uma Assembleia e a
libertação dos escravos nascidos no Brasil que
aderissem à revolta.
História Das Regências a Proclamação da República

• A Revolta dos Malês - Bahia – 1835.
─ Situação social extremamente tensa.
 Negros = metade da população – 80% negros de
ganho (alfaiates, carpinteiros, vendedores
ambulantes).
 Grande parte de cultura islâmica – Malê = negro
que sabia ler e escrever em árabe.
 Péssimas condições de vida = revolta.
─ Objetivo: libertar os negros e massacrar os
brancos e mulatos (considerados traidores).
─ A rebelião marcada para o dia 25 de janeiro foi
denunciada.
História Das Regências a Proclamação da República

 As tropas foram mobilizadas
e os principais líderes foram
presos – derrotados devido
o aparato bélico superior
(governo).
 Vários presos e torturados
até a morte – outros
julgados (18 condenados a
morte, 32 a penas que iam
de dois anos de prisão até
as Galés perpétuas e 11
sentenciados a açoite).
História Das Regências a Proclamação da República

3. O avanço liberal
• O Regresso
─ 1835 – eleição de Diogo Feijó
(apoiado pelos Liberais
Moderados) – Regente Uno.
 Defendia um poder mais forte do
executivo.
 Regência turbulenta – agravada
pelo seu autoritarismo.
 Renúncia em setembro de 1837
(pressões adversárias)
História Das Regências a Proclamação da República

4. O Regresso Conservador
• 1838 – cargo de regente
ocupado por Araújo Lima –
ligado a Bernardo Pereira de
Vasconcelos (início de uma
reação conservadora –
conhecida como Regresso).
História Das Regências a Proclamação da República

• Os regressistas temiam a desorganização e a
anarquia – resultado do excesso de liberdade –
Ato adicional de 1834.
─ Defendiam a volta da centralização.
─ Reforma do Código do Processo Criminal e Lei
de Interpretação do Ato Adicional de 1840.
 Implantação de medidas centralizadoras.
 Atribuições das Assembleias Legislativas
Provinciais restringidas.
 Câmara dos Deputados e o Senado voltaram =
únicos órgãos com poder de votar leis para o país,
as províncias e os municípios.
História Das Regências a Proclamação da República

 Restauração do Conselho de Estado.
 Competências dos Juízes de Paz foram retiradas.
 Caráter eletivo do sistema judicial foi substituído
pela escolha do poder central.
• Golpe da maioridade (1840)
─ Antecipação da maioridade de D. Pedro de
Alcântara
─ Golpe dos Progressistas X Regressistas.
 Os progressistas achavam que poderiam
influenciar D. Pedro se o levassem ao trono.
História Das Regências a Proclamação da República
História Das Regências a Proclamação da República

5. O Segundo Reinado
• 23/07/1840 – com quase 15 anos – D. Pedro entra
no poder.
• Liberais voltam ao governo – por pouco tempo.
• 1841 – cai o ministério composto pelos Liberais e
forma-se outro Conservador.
• Inconformados os Liberais pegam em armas –
Movimentos Liberais de 1842 – (SP e MG).
─ Acabaram derrotados pelo Duque de Caxias.
História Das Regências a Proclamação da República

• Período de grande centralização política (Poder
Moderador) e administrativa.
─ Justiça centralizada (Ministro da Justiça).
 Nomeava e demitia, direta ou indiretamente, desde
o Ministro do Supremo Tribunal de Justiça até um
simples guarda de prisão.
 Responsável pela nomeação de todos os
comandantes e oficiais da Guarda Nacional, dos
bispos, párocos e delegados de polícia.
História Das Regências a Proclamação da República

• Essa centralização passou a ser duramente
criticada – atribuía-se a Monarquia a culpa de todos
os problemas do país.
• Governo Parlamentar falseado pelo Poder
Moderador (parlamentarismo às avessas).
 Na ING – as eleições precediam a escolha do
Ministério.
 No BRA Imperial – as eleições serviam para
garantir a maioria do Legislativo do partido do
Primeiro Ministro – indicado pelo Imperador.
História Das Regências a Proclamação da República

Parlamentarismo às avessas
História Das Regências a Proclamação da República

• Revolta Praieira (Pernambuco 1848).
─ Decadência econômica + queda na produção de
açúcar e cultivo do algodão = tensões sociais.
─ Monopólio da terra, do comércio e da política.
─ Influência das ideias liberais e socialistas vindas da
Europa.
 Jornal de oposição: O Diário Novo (Praieiros).
 Reivindicação de mudanças políticas e sociais.
História Das Regências a Proclamação da República

• No seu “manifesto ao mundo” – os praieiros
defendiam.
─ Voto livre e universal.
─ Liberdade de imprensa.
─ Garantia de trabalho.
─ Controle do comércio por brasileiros.
─ A independência dos poderes.
─ A extinção do Poder Moderador.
• Os revoltosos foram derrotados pelas tropas
imperiais – condenados a prisão perpétua –
sentença cumprida em Fernando de Noronha – até
a anistia em 1852.
História Das Regências a Proclamação da República

5.1. Guerra do Paraguai

• Revisionismo histórico sobre as causas da guerra.
─ Conflitos regionais, hegemonia na América do Sul.
• Formação da Tríplice Aliança (BRA + ARG + URU).
• Consequências do conflito:
─ Vitória da Tríplice Aliança.
─ Destruição do PAR e de sua economia.
─ Endividamento do BRA em relação a ING.
─ Republicanismo e abolicionismo.
História Das Regências a Proclamação da República

5.2. A crise da Monarquia
• 1870 – críticas à monarquia – Manifesto
Republicano.
• Enfrentamentos com a igreja, com os militares e a
abolição da escravidão.
• Unitarismo.
• Guerra do Paraguai – perdas humanas e materiais.
─ Agravamento da dívida externa.
─ Cisão do Partido Liberal.
 1868 – criação da Ala Liberal Radical = oposição a
monarquia – defesa da República.
História Das Regências a Proclamação da República

5.2.2. A questão Religiosa
• Conflitos ligados ao regime do padroado.
─ Imperador podia vetar as bulas papais no BRA.
• Bula Syllabus (1864 – papa Pio IX) – proibia os
padres de ligarem as lojas maçônicas – D. Pedro II
resolveu não acatar.
─ Os bispos de Olinda e Belém mandaram fechar as
irmandades que tinham ligação com a Maçonaria.
─ Foram condenados a quatro anos de trabalho
forçados.
─ A imprensa republicana acusou o Império de ser
intransigente e conservador.
História Das Regências a Proclamação da República

A questão Religiosa
História Das Regências a Proclamação da República

5.2.1. A questão militar
• 1870 – Ideal Positivista – Ordem e Progresso –
autoritarismo e o ideal militar de salvação nacional.
• O descontentamento militar foi explorado pelos
republicanos = militares abraçaram a causa
republicana
História Das Regências a Proclamação da República

5.2.3. A questão abolicionista
• Assinatura da Lei Áurea (1888): perda da última e
mais poderosa base de sustentação do Império –
os proprietários de escravos.
História Das Regências a Proclamação da República

6. A proclamação da República
• Tarefa dos republicanos = substituir um governo e
construir uma nação.
• Posições diferentes:
─ Proprietários rurais - modelo americano.
 Evitava a participação popular.
 Federalismo.
 Sistema Bicameral.
História Das Regências a Proclamação da República

─ Jacobinos (pequenos proprietários, profissionais
liberais, jornalistas, professores e estudantes).
liberdade, a igualdade e a participação popular.
 Não tinham um projeto definido.
─ Positivistas – os vencedores.
Condenavam a Monarquia em nome do progresso.
 Defendiam um executivo forte e intervencionista.
 Exerciam forte atração sobre os militares e
republicanos do Rio Grande do Sul.
História Das Regências a Proclamação da República

Proclamação da República
História Das Regências a Proclamação da República
─ O povo assistiu "bestializado” à proclamação da
República, em 15/11/1889, acreditando estar vendo uma
parada militar (Aristides Lobo).
A República surgiu de cima para baixo.
─ Instalação de um Governo Provisório (Deodoro da
Fonseca).
Dissolução das Assembleias Provinciais, das Câmaras
Municipais e da Câmara dos Deputados.
 Fim da vitaliciedade do Senado e do Conselho de
Estado.
 Extinção do padroado e adoção da liberdade de culto.
 Interventores de Estado foram nomeados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Brasil regencia e 2º império 2012
Brasil regencia e 2º império 2012Brasil regencia e 2º império 2012
Brasil regencia e 2º império 2012
Janaina Flavia Santos Azevedo
 
Esquema de aula período regencial
Esquema de aula   período regencialEsquema de aula   período regencial
Esquema de aula período regencial
Alcidon Cunha
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831 1840)Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831 1840)
Edenilson Morais
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Fabiana Tonsis
 
Período Regencial
Período Regencial Período Regencial
Período Regencial
Edenilson Morais
 
Brasil Período Regencial
Brasil Período RegencialBrasil Período Regencial
Brasil Período Regencial
dmflores21
 
O período regencial
O período regencialO período regencial
O período regencial
Nelia Salles Nantes
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831 1840)Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831 1840)
Edenilson Morais
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Felipe Silva
 
Período Regencial
Período RegencialPeríodo Regencial
Período Regencial
Guilherme Drumond
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Elizabeth
 
Período regencial no Brasil
Período regencial no BrasilPeríodo regencial no Brasil
Período regencial no Brasil
Edenilson Morais
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Lucas Cardoso
 
Período Regencial
Período RegencialPeríodo Regencial
Período Regencial
Portal do Vestibulando
 
Brasil Império - Período Regencial (1831-1840)
Brasil Império  - Período Regencial (1831-1840)Brasil Império  - Período Regencial (1831-1840)
Brasil Império - Período Regencial (1831-1840)
Isaquel Silva
 
Periodo regencia ll.ppt aula 2⺠ano
Periodo regencia ll.ppt aula 2⺠anoPeriodo regencia ll.ppt aula 2⺠ano
Periodo regencia ll.ppt aula 2⺠ano
Isadora Alves
 
Aula regencias
Aula regenciasAula regencias
Aula regencias
mundica broda
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Rodrigo HistóriaGeografia
 
O governo de d. pedro i
O governo de d. pedro iO governo de d. pedro i
O governo de d. pedro i
Nana Tru
 

Mais procurados (19)

Brasil regencia e 2º império 2012
Brasil regencia e 2º império 2012Brasil regencia e 2º império 2012
Brasil regencia e 2º império 2012
 
Esquema de aula período regencial
Esquema de aula   período regencialEsquema de aula   período regencial
Esquema de aula período regencial
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831 1840)Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831 1840)
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Período Regencial
Período Regencial Período Regencial
Período Regencial
 
Brasil Período Regencial
Brasil Período RegencialBrasil Período Regencial
Brasil Período Regencial
 
O período regencial
O período regencialO período regencial
O período regencial
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831 1840)Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831 1840)
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Período Regencial
Período RegencialPeríodo Regencial
Período Regencial
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Período regencial no Brasil
Período regencial no BrasilPeríodo regencial no Brasil
Período regencial no Brasil
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Período Regencial
Período RegencialPeríodo Regencial
Período Regencial
 
Brasil Império - Período Regencial (1831-1840)
Brasil Império  - Período Regencial (1831-1840)Brasil Império  - Período Regencial (1831-1840)
Brasil Império - Período Regencial (1831-1840)
 
Periodo regencia ll.ppt aula 2⺠ano
Periodo regencia ll.ppt aula 2⺠anoPeriodo regencia ll.ppt aula 2⺠ano
Periodo regencia ll.ppt aula 2⺠ano
 
Aula regencias
Aula regenciasAula regencias
Aula regencias
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
O governo de d. pedro i
O governo de d. pedro iO governo de d. pedro i
O governo de d. pedro i
 

Semelhante a Das Regências a proclamação da República

Brasil Império Período Regencial.ppt
Brasil Império Período Regencial.pptBrasil Império Período Regencial.ppt
Brasil Império Período Regencial.ppt
Alex Fonte
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018
Zeze Silva
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
3° ano período regencial
3° ano   período regencial3° ano   período regencial
3° ano período regencial
Daniel Alves Bronstrup
 
Aula Invertida
Aula InvertidaAula Invertida
Aula Invertida
User User
 
Periodoregencial aula de breno
Periodoregencial    aula de breno Periodoregencial    aula de breno
Periodoregencial aula de breno
Janete Garcia de Freitas
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Bruno E Geyse Ornelas
 
1. os caminhos da política imperial brasileira da regência a proclamação da...
1. os caminhos da política imperial brasileira   da regência a proclamação da...1. os caminhos da política imperial brasileira   da regência a proclamação da...
1. os caminhos da política imperial brasileira da regência a proclamação da...
dayvidprofessor
 
Aula Invertida 2
Aula Invertida 2Aula Invertida 2
Aula Invertida 2
Fulano Silva
 
História do brasil 7
História do brasil 7História do brasil 7
História do brasil 7
fernandacarolinestang
 
011509 periodo regencial_modificado
011509 periodo regencial_modificado011509 periodo regencial_modificado
011509 periodo regencial_modificado
alexroro15
 
3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial
Daniel Alves Bronstrup
 
História geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialHistória geral - Período regêncial
História geral - Período regêncial
Matheus Alves
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Marlon Novaes
 
Seminário História - Regência.pdf
Seminário História - Regência.pdfSeminário História - Regência.pdf
Seminário História - Regência.pdf
Eduardo194822
 
oasegundoareinado.pdf
oasegundoareinado.pdfoasegundoareinado.pdf
oasegundoareinado.pdf
ketlenIsabelle
 
1º reinado e período regencial
1º reinado e período regencial1º reinado e período regencial
1º reinado e período regencial
Auxiliadora
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas
Daniel Alves Bronstrup
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
Isabel Aguiar
 

Semelhante a Das Regências a proclamação da República (20)

Brasil Império Período Regencial.ppt
Brasil Império Período Regencial.pptBrasil Império Período Regencial.ppt
Brasil Império Período Regencial.ppt
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018
 
2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
 
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
Brasil: Período Regencial (1831 - 1840)
 
3° ano período regencial
3° ano   período regencial3° ano   período regencial
3° ano período regencial
 
Aula Invertida
Aula InvertidaAula Invertida
Aula Invertida
 
Periodoregencial aula de breno
Periodoregencial    aula de breno Periodoregencial    aula de breno
Periodoregencial aula de breno
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
1. os caminhos da política imperial brasileira da regência a proclamação da...
1. os caminhos da política imperial brasileira   da regência a proclamação da...1. os caminhos da política imperial brasileira   da regência a proclamação da...
1. os caminhos da política imperial brasileira da regência a proclamação da...
 
Aula Invertida 2
Aula Invertida 2Aula Invertida 2
Aula Invertida 2
 
História do brasil 7
História do brasil 7História do brasil 7
História do brasil 7
 
011509 periodo regencial_modificado
011509 periodo regencial_modificado011509 periodo regencial_modificado
011509 periodo regencial_modificado
 
3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial3º ano Período Regencial
3º ano Período Regencial
 
História geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialHistória geral - Período regêncial
História geral - Período regêncial
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Seminário História - Regência.pdf
Seminário História - Regência.pdfSeminário História - Regência.pdf
Seminário História - Regência.pdf
 
oasegundoareinado.pdf
oasegundoareinado.pdfoasegundoareinado.pdf
oasegundoareinado.pdf
 
1º reinado e período regencial
1º reinado e período regencial1º reinado e período regencial
1º reinado e período regencial
 
2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas2º ano - Período Regencial e Revoltas
2º ano - Período Regencial e Revoltas
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
 

Mais de Edenilson Morais

Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do MaranhãoSimulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
Edenilson Morais
 
Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem
Edenilson Morais
 
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
Edenilson Morais
 
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade culturalHistória do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
Edenilson Morais
 
História de mato grosso período colonial
História de mato grosso   período colonialHistória de mato grosso   período colonial
História de mato grosso período colonial
Edenilson Morais
 
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Edenilson Morais
 
Sociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel FoucaltSociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel Foucalt
Edenilson Morais
 
A nova historia cultural
A nova historia culturalA nova historia cultural
A nova historia cultural
Edenilson Morais
 
Guerraspunicas
GuerraspunicasGuerraspunicas
Guerraspunicas
Edenilson Morais
 
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Edenilson Morais
 
As origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendtAs origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendt
Edenilson Morais
 
Durkheim suicidio
Durkheim suicidioDurkheim suicidio
Durkheim suicidio
Edenilson Morais
 
A crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernosA crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernos
Edenilson Morais
 
Sociologia globalização
Sociologia globalizaçãoSociologia globalização
Sociologia globalização
Edenilson Morais
 
A visão da afro
A visão da afroA visão da afro
A visão da afro
Edenilson Morais
 
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociaisSociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Edenilson Morais
 
Cartazes da 1ª guerra
Cartazes da 1ª guerraCartazes da 1ª guerra
Cartazes da 1ª guerra
Edenilson Morais
 
Sociologia resumo
Sociologia resumoSociologia resumo
Sociologia resumo
Edenilson Morais
 
Artigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidadeArtigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidade
Edenilson Morais
 
Weber e o capitalismo
Weber e o capitalismoWeber e o capitalismo
Weber e o capitalismo
Edenilson Morais
 

Mais de Edenilson Morais (20)

Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do MaranhãoSimulado História do Brasil e do História do Maranhão
Simulado História do Brasil e do História do Maranhão
 
Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem Soluções para otimização de resultados no enem
Soluções para otimização de resultados no enem
 
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
HISTÓRIA DE MATO GROSSO PERÍODO IMPERIAL (DETRAN-MT 2015)
 
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade culturalHistória do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
História do brasil enem cultura, patrimônio e diversidade cultural
 
História de mato grosso período colonial
História de mato grosso   período colonialHistória de mato grosso   período colonial
História de mato grosso período colonial
 
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
Período colonial de Mato Grosso (Atividades)
 
Sociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel FoucaltSociologia - Michel Foucalt
Sociologia - Michel Foucalt
 
A nova historia cultural
A nova historia culturalA nova historia cultural
A nova historia cultural
 
Guerraspunicas
GuerraspunicasGuerraspunicas
Guerraspunicas
 
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014Aulão de história regional - UNEMAT 2014
Aulão de história regional - UNEMAT 2014
 
As origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendtAs origens do totalitarismo de hannah arendt
As origens do totalitarismo de hannah arendt
 
Durkheim suicidio
Durkheim suicidioDurkheim suicidio
Durkheim suicidio
 
A crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernosA crise feudal e a ascensão dos estados modernos
A crise feudal e a ascensão dos estados modernos
 
Sociologia globalização
Sociologia globalizaçãoSociologia globalização
Sociologia globalização
 
A visão da afro
A visão da afroA visão da afro
A visão da afro
 
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociaisSociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
 
Cartazes da 1ª guerra
Cartazes da 1ª guerraCartazes da 1ª guerra
Cartazes da 1ª guerra
 
Sociologia resumo
Sociologia resumoSociologia resumo
Sociologia resumo
 
Artigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidadeArtigos de história da sexualidade
Artigos de história da sexualidade
 
Weber e o capitalismo
Weber e o capitalismoWeber e o capitalismo
Weber e o capitalismo
 

Último

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

Das Regências a proclamação da República

  • 1. História Das Regências a Proclamação da República 1. O período Regencial • Abdicação de D. Pedro I (1831). • Fragmentação das forças políticas responsáveis pela saída do imperador. ─ Liberais exaltados e farroupilhas - defendiam a transformação das instituições. ─ Jurujubas – Defendiam a luta armada para se chegar a transformação. ─ Caramurus – defendiam o retorno do imperador D. Pedro I ao trono. ─ Chimangos – defensores da liberdade e da independência nacional.
  • 2. História Das Regências a Proclamação da República Evolução político-partidária durante o Império
  • 3. História Das Regências a Proclamação da República • Regência Trina Provisória (abr/jul 1831) • Regência Trina Permanente (1831-1834) ─ Diogo Antônio Feijó – Ministério da Justiça. ─ Criação da Guarda Nacional – agosto 1831 – figura do coronel.
  • 4. História Das Regências a Proclamação da República • O Código do Processo Criminal de 1832 e o Ato Adicional de 1834. ─ O Código do Processo Criminal reforçava e ampliava as atribuições judiciais e policiais dos juízes de paz = fortalecimento do poder local. ─ Ato Adicional = reformas da constituição de 1824.  Criação das Assembleias Legislativas Provinciais.  Governo de um regente na menoridade do Imperador.  Supressão do Conselho de Estado.  Manutenção do poder moderador.  Vitaliciedade do senado.
  • 5. História Das Regências a Proclamação da República 2. As revoltas regenciais • As elites proprietárias tentam manter o controle do país. • Centralização do poder + desigualdades = eclosão de revoltas populares. • Revolução Farroupilha (RS 1835-1845) ─ Mais longa revolta da História do Brasil. ─ Liderança da elite gaúcha. ─ Interesses econômicos e políticos. ─ Defesa do federalismo e da autonomia provincial. ─ Fundação da República Rio-grandense (RS) e da República Juliana (SC).
  • 6. História Das Regências a Proclamação da República Revolução Farroupilha
  • 7. História Das Regências a Proclamação da República ─ Após dez anos de resistência, os farrapos foram dominados – 1845. ─ Conseguiram um acordo de paz favorável. Anistia dos revoltosos.  Incorporação dos oficiais farroupilhas ao exército brasileiro.  Diminuição dos impostos.  Devolução das terras confiscadas durante a guerra.  Fortalecimento da Assembleia Local.
  • 8. História Das Regências a Proclamação da República • Cabanagem (PA 1835-1840) ─ Luta entre as facções políticas locais – isolamento e pobreza da população = levantes. ─ 1832 – revolta liderada pelo Padre Batista Campos – insatisfação da população com as autoridades nomeadas pelo poder central. ─ Dezembro de 1833 – Bernardo Lobo de Souza (Presidente enviado pelo Governo Central) – iniciou uma política extremamente repressora. ─ Perseguiu, prendeu e deportou todos os suspeitos e líderes da revolta de 1832 – causou a indignação geral da província.
  • 10. História Das Regências a Proclamação da República ─ 1835 – Os cabanos ocuparam Belém.  Prenderam e executaram o presidente da província  Félix Antônio Malcher assumiu a presidência do Pará e os cabanos passaram a exercer o governo local. ─ As dissidências entre os líderes. Malcher e as elites não concordavam com o caráter violente do movimento da facção popular do movimento – declararam fiéis ao imperador – passaram a reprimir os manifestantes mais radicais
  • 11. História Das Regências a Proclamação da República
  • 12. História Das Regências a Proclamação da República ─ A fúria dos cabanos – Malcher foi deposto, executado e substituído por Francisco Vinagre (que acabou também negociando com as autoridades centrais). ─ Foi empreendida uma ação repressora sob o comando do almirante Inglês Taylor = derrota dos cabanos. ─ Logo após se recuperarem da derrota os cabanos atacaram Belém e retomaram o poder – Eduardo Angelim foi escolhido para chefiar o governo. 10 meses no poder – movimento desgastado (dissidências internas + repressão regencial). ─ De 1836 a 1839 lutaram, mais acabaram por perecer frente as tropas governamentais.
  • 13. História Das Regências a Proclamação da República • Balaiada – Maranhão – Dezembro de 1838. ─ Liderada pelos liberais maranhenses – bem-te-vis – contrários aos abusos da oligarquia local, ao governo conservador exercido por Vicente Camargo e a Lei dos Prefeitos. ─ Os rebeldes chegaram a tomar a Vila de Caxias.  As tropas do governo (Duque de Caxias) sufocaram o movimento após dois anos de lutas. ─ Líderes principais:  O ex-escravo Cosme Bento;  Manuel dos Anjos Ferreira (Balaio).
  • 14. História Das Regências a Proclamação da República ─ O governo deu anistia a todos que combatessem o Negro Cosme = divisão dos revoltosos.  Fim da revolta (1841).  Negro Cosme condenado à morte na forca (1842).
  • 15. História Das Regências a Proclamação da República • Sabinada (BA 1837-1838). ─ Os revoltosos, liberais exaltados desejavam tornar a província independente até que o Imperador atingisse a maioridade. ─ Revolta de caráter urbano – profissionais liberais – funcionários públicos – pequenos comerciantes – artesãos – militares (baixo soldo e promoções dos indivíduos de famílias privilegiadas). ─ Foi prevista a instalação de uma Assembleia e a libertação dos escravos nascidos no Brasil que aderissem à revolta.
  • 16. História Das Regências a Proclamação da República
  • 17. História Das Regências a Proclamação da República ─ Líderes em destaque  Francisco Sabino (médico) – responsável pela proclamação da República Baiense – novembro de 1837.  Inocêncio da Rocha Galvão – Advogado exilado nos EUA – foi nomeado Presidente.  O Bacharel João Carneiro da Silva Rego – Vice.  Francisco Sabino – Secretaria do Governo. ─ Radicalização do movimento = caráter social.  Ricos brancos + mestiços X pobres negros + Mestiços.  Enfrentamento evitado pelo ataque das tropas do Governo Central.
  • 18. História Das Regências a Proclamação da República • Sabinada (BA 1837-1838). ─ Os revoltosos, liberais exaltados desejavam tornar a província independente até que o Imperador atingisse a maioridade. ─ Revolta de caráter urbano – profissionais liberais – funcionários públicos – pequenos comerciantes – artesãos – militares (baixo soldo e promoções dos indivíduos de famílias privilegiadas). ─ Foi prevista a instalação de uma Assembleia e a libertação dos escravos nascidos no Brasil que aderissem à revolta.
  • 19. História Das Regências a Proclamação da República • A Revolta dos Malês - Bahia – 1835. ─ Situação social extremamente tensa.  Negros = metade da população – 80% negros de ganho (alfaiates, carpinteiros, vendedores ambulantes).  Grande parte de cultura islâmica – Malê = negro que sabia ler e escrever em árabe.  Péssimas condições de vida = revolta. ─ Objetivo: libertar os negros e massacrar os brancos e mulatos (considerados traidores). ─ A rebelião marcada para o dia 25 de janeiro foi denunciada.
  • 20. História Das Regências a Proclamação da República  As tropas foram mobilizadas e os principais líderes foram presos – derrotados devido o aparato bélico superior (governo).  Vários presos e torturados até a morte – outros julgados (18 condenados a morte, 32 a penas que iam de dois anos de prisão até as Galés perpétuas e 11 sentenciados a açoite).
  • 21. História Das Regências a Proclamação da República 3. O avanço liberal • O Regresso ─ 1835 – eleição de Diogo Feijó (apoiado pelos Liberais Moderados) – Regente Uno.  Defendia um poder mais forte do executivo.  Regência turbulenta – agravada pelo seu autoritarismo.  Renúncia em setembro de 1837 (pressões adversárias)
  • 22. História Das Regências a Proclamação da República 4. O Regresso Conservador • 1838 – cargo de regente ocupado por Araújo Lima – ligado a Bernardo Pereira de Vasconcelos (início de uma reação conservadora – conhecida como Regresso).
  • 23. História Das Regências a Proclamação da República • Os regressistas temiam a desorganização e a anarquia – resultado do excesso de liberdade – Ato adicional de 1834. ─ Defendiam a volta da centralização. ─ Reforma do Código do Processo Criminal e Lei de Interpretação do Ato Adicional de 1840.  Implantação de medidas centralizadoras.  Atribuições das Assembleias Legislativas Provinciais restringidas.  Câmara dos Deputados e o Senado voltaram = únicos órgãos com poder de votar leis para o país, as províncias e os municípios.
  • 24. História Das Regências a Proclamação da República  Restauração do Conselho de Estado.  Competências dos Juízes de Paz foram retiradas.  Caráter eletivo do sistema judicial foi substituído pela escolha do poder central. • Golpe da maioridade (1840) ─ Antecipação da maioridade de D. Pedro de Alcântara ─ Golpe dos Progressistas X Regressistas.  Os progressistas achavam que poderiam influenciar D. Pedro se o levassem ao trono.
  • 25. História Das Regências a Proclamação da República
  • 26. História Das Regências a Proclamação da República 5. O Segundo Reinado • 23/07/1840 – com quase 15 anos – D. Pedro entra no poder. • Liberais voltam ao governo – por pouco tempo. • 1841 – cai o ministério composto pelos Liberais e forma-se outro Conservador. • Inconformados os Liberais pegam em armas – Movimentos Liberais de 1842 – (SP e MG). ─ Acabaram derrotados pelo Duque de Caxias.
  • 27. História Das Regências a Proclamação da República • Período de grande centralização política (Poder Moderador) e administrativa. ─ Justiça centralizada (Ministro da Justiça).  Nomeava e demitia, direta ou indiretamente, desde o Ministro do Supremo Tribunal de Justiça até um simples guarda de prisão.  Responsável pela nomeação de todos os comandantes e oficiais da Guarda Nacional, dos bispos, párocos e delegados de polícia.
  • 28. História Das Regências a Proclamação da República • Essa centralização passou a ser duramente criticada – atribuía-se a Monarquia a culpa de todos os problemas do país. • Governo Parlamentar falseado pelo Poder Moderador (parlamentarismo às avessas).  Na ING – as eleições precediam a escolha do Ministério.  No BRA Imperial – as eleições serviam para garantir a maioria do Legislativo do partido do Primeiro Ministro – indicado pelo Imperador.
  • 29. História Das Regências a Proclamação da República Parlamentarismo às avessas
  • 30. História Das Regências a Proclamação da República • Revolta Praieira (Pernambuco 1848). ─ Decadência econômica + queda na produção de açúcar e cultivo do algodão = tensões sociais. ─ Monopólio da terra, do comércio e da política. ─ Influência das ideias liberais e socialistas vindas da Europa.  Jornal de oposição: O Diário Novo (Praieiros).  Reivindicação de mudanças políticas e sociais.
  • 31. História Das Regências a Proclamação da República • No seu “manifesto ao mundo” – os praieiros defendiam. ─ Voto livre e universal. ─ Liberdade de imprensa. ─ Garantia de trabalho. ─ Controle do comércio por brasileiros. ─ A independência dos poderes. ─ A extinção do Poder Moderador. • Os revoltosos foram derrotados pelas tropas imperiais – condenados a prisão perpétua – sentença cumprida em Fernando de Noronha – até a anistia em 1852.
  • 32. História Das Regências a Proclamação da República 5.1. Guerra do Paraguai • Revisionismo histórico sobre as causas da guerra. ─ Conflitos regionais, hegemonia na América do Sul. • Formação da Tríplice Aliança (BRA + ARG + URU). • Consequências do conflito: ─ Vitória da Tríplice Aliança. ─ Destruição do PAR e de sua economia. ─ Endividamento do BRA em relação a ING. ─ Republicanismo e abolicionismo.
  • 33. História Das Regências a Proclamação da República 5.2. A crise da Monarquia • 1870 – críticas à monarquia – Manifesto Republicano. • Enfrentamentos com a igreja, com os militares e a abolição da escravidão. • Unitarismo. • Guerra do Paraguai – perdas humanas e materiais. ─ Agravamento da dívida externa. ─ Cisão do Partido Liberal.  1868 – criação da Ala Liberal Radical = oposição a monarquia – defesa da República.
  • 34. História Das Regências a Proclamação da República 5.2.2. A questão Religiosa • Conflitos ligados ao regime do padroado. ─ Imperador podia vetar as bulas papais no BRA. • Bula Syllabus (1864 – papa Pio IX) – proibia os padres de ligarem as lojas maçônicas – D. Pedro II resolveu não acatar. ─ Os bispos de Olinda e Belém mandaram fechar as irmandades que tinham ligação com a Maçonaria. ─ Foram condenados a quatro anos de trabalho forçados. ─ A imprensa republicana acusou o Império de ser intransigente e conservador.
  • 35. História Das Regências a Proclamação da República A questão Religiosa
  • 36. História Das Regências a Proclamação da República 5.2.1. A questão militar • 1870 – Ideal Positivista – Ordem e Progresso – autoritarismo e o ideal militar de salvação nacional. • O descontentamento militar foi explorado pelos republicanos = militares abraçaram a causa republicana
  • 37. História Das Regências a Proclamação da República 5.2.3. A questão abolicionista • Assinatura da Lei Áurea (1888): perda da última e mais poderosa base de sustentação do Império – os proprietários de escravos.
  • 38. História Das Regências a Proclamação da República 6. A proclamação da República • Tarefa dos republicanos = substituir um governo e construir uma nação. • Posições diferentes: ─ Proprietários rurais - modelo americano.  Evitava a participação popular.  Federalismo.  Sistema Bicameral.
  • 39. História Das Regências a Proclamação da República ─ Jacobinos (pequenos proprietários, profissionais liberais, jornalistas, professores e estudantes). liberdade, a igualdade e a participação popular.  Não tinham um projeto definido. ─ Positivistas – os vencedores. Condenavam a Monarquia em nome do progresso.  Defendiam um executivo forte e intervencionista.  Exerciam forte atração sobre os militares e republicanos do Rio Grande do Sul.
  • 40. História Das Regências a Proclamação da República Proclamação da República
  • 41. História Das Regências a Proclamação da República ─ O povo assistiu "bestializado” à proclamação da República, em 15/11/1889, acreditando estar vendo uma parada militar (Aristides Lobo). A República surgiu de cima para baixo. ─ Instalação de um Governo Provisório (Deodoro da Fonseca). Dissolução das Assembleias Provinciais, das Câmaras Municipais e da Câmara dos Deputados.  Fim da vitaliciedade do Senado e do Conselho de Estado.  Extinção do padroado e adoção da liberdade de culto.  Interventores de Estado foram nomeados.