EVANGELHO DE LUCAS
Quando se apresentavam palavras tuas, as devorava:
Tuas palavras eram para mim contentamento
E alegria ...
É a passagem do judaísmo, época persa para a época helenista. Foi a primeira grande
invasão do Ocidente no Oriente com Ale...
cristianismo, através de Paulo ou ate antes de Paulo, e se tornou o termo técnico para indicar o
evento Cristo com todas s...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Evangelho de Lucas (1) - Semana Bíblica 2013

361 visualizações

Publicada em

Apostila nº 1 sobre o Evangelho de Lucas - Prof Wanderson

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Evangelho de Lucas (1) - Semana Bíblica 2013

  1. 1. EVANGELHO DE LUCAS Quando se apresentavam palavras tuas, as devorava: Tuas palavras eram para mim contentamento E alegria de meu coração. Pois teu Nome era invocado sobre mim, IAHWEH, Deus dos exércitos. Jr 15,16. HERMENÊUTICA1 DO N.T A. Crítica das formas Existe uma crítica das formas que leva o estudioso a não ler tudo como se tudo fosse a mesma coisa. Uma coisa é parábola, outra coisa é: alegoria, disciplina eclesial, discurso missionário, escatologia, milagre, apofitéguima ou ditos do Senhor, narração histórica. É Distinguir para em cada momento para saber diante de que se está. B. Crítica das fontes O Evangelho de Marcos está em Mateus 85% e em Lucas 65%. Além disso, existem muitos versículos na questão sinótica mais de 200 em Mateus e Lucas se equiparam, mas que não existem em Marcos. Por exemplo, as três tentações de Jesus são narradas por Mateus e Lucas em ordem invertida, segunda e terceira, e que não se encontram na fonte Marcos. Onde os dois a buscaram? É certo que um não leu o Evangelho do outro. Uma fonte que costumou se chamar fonte Q. Então, quais são as fontes dos Evangelhos sinóticos? A crítica das fontes se dedica a este estudo: Marcos e fonte Q, de maneira muito genérica. Além disso, Mateus e Lucas têm material próprio; além do material de Marcos, eles deviam ter tido uma fonte própria, fonte L (para Lucas) e fonte M (para Mateus). Esta crítica das fontes trata de investigar até que ponto as fontes influenciaram em um determinado evangelista, no nosso caso, sobretudo, Lucas e Mateus. Dessas duas críticas (outras: crítica histórica, crítica da redação, crítica canônica. Crítica contextual, crítica social), como a mais importante seria a crítica das formas, ou seja, catalogar um material Evangélico e não imaginar que tudo seja a mesma coisa. Uma coisa é gênero de milagre, outra coisa é gênero parabólico, narração histórica. Se soubermos fazer uma distinção desses gêneros já temos uma visão diferente, mais crítico. Atenção às críticas das formas: aquele texto proposto onde se encaixa melhor? Sabendo e se lembrando que não se faz ainda uma crítica histórica: se existiu ou não. 1. O MUNDO POLÍTICO DOS TEMPOS DO N.T. Antes do século I da era cristã 1. De 323 à 175 a.C. 1 HERMENÊUTICA é a arte de interpretar um texto (antigo/clássico), buscando aproximar-se o mais possível da intencionalidade so autor (sentido literal) a fim de que seja possível uma atualização.
  2. 2. É a passagem do judaísmo, época persa para a época helenista. Foi a primeira grande invasão do Ocidente no Oriente com Alexandre Magno; ele propriamente iniciou sua carreira 10 anos (333 a.C) antes quando derrotou o último rei persa, terminou para os judeus repatriados do antigo exílio o período persa. 2. De 175 à 63 a.C. Antíoco Epífanes IV subindo ao trono tomou a peito a helenização de todo o seu território: a Síria e a Palestina. O que significava na época helenizar? (Helenismo é uma mistura híbrida de cultura grega com culturas orientais locais, produzida pelas conquistas de Alexandre o Grande); destruir velhas cidades e reconstruí-las nos moldes da polis da Grécia: construir grandes avenidas, cardos com um ginásio onde se praticava a cultura do corpo, a ginástica e onde os gregos estavam totalmente nus; os gregos e os romanos nunca tiveram escrúpulos de ficaram nus uns com os outros (mas para os judeus isso era uma abominação); introduzir nas cidades os jogos Olímpicos (de 4 em 4 anos) como acontecia na Grécia; passar a falar o grego comum e não por último aceitar também o panteon religioso da Grécia com seus em primeiro lugar e depois os desuses subalternos. Antíoco tomou a peito e levou a sério a helenização do seu reino e todos aceitaram tranquilamente porque o progresso e a modernidade naquela época pareciam naquela direção, os ventos sopravam desse lado. Os únicos refratários a isso foram os judeus. 3. De 63 à 4 a.C. Em 63 e diante do judaísmo esmigalhado por lutas civis, o general Pompeu entrou em Jerusalém e dominou a cidade e passa a Palestina a ser província romana. Inicialmente foi bom porque os romanos puseram fim as lutas fratricidas de judeus entre si que não se entendiam e se devoravam uns aos outros. Chegou mesmo a penetrar no Sancta Sanctorum de Jerusalém. Era cristã De 04 à 30 d.C. > período de Jesus De 30 à 70 d.C. > período apostólico De 70 à 140 d.C. > período sub-apostólico ou pós-apostólico (Evangelho) De 70-140 foi a época em que a maior parte do Evangelho foi escrita. Aí está um resumo da história: desde Alexandre, O Grande até os imperadores romanos dos tempos e um pouco depois de Jesus. É bom situar o Novo Testamento no contexto desta história. Provavelmente todo N.T. foi escrito por judeus cristãos, exceto Lucas, que era um prosélito. Nenhum deles foi escritos fora da Palestina.  O pano de fundo do Evangelho é tudo isso o que foi comentado. 2. EVANGELHOS EM GERAL 1. O vocábulo “evangelho” Foi traduzida do hebraico para o grego, como sendo aquele que anuncia a paz a boa nova, como são belos os passos do mensageiro que traz um evangelho, assim fala a tradução dos setenta. Para Paulo evangelho significa o complexo o conjunto o todo e definitiva da revelação de Deus a humanidade centrada em Jesus Cristo, e assim foi que esta palavra entrou para o
  3. 3. cristianismo, através de Paulo ou ate antes de Paulo, e se tornou o termo técnico para indicar o evento Cristo com todas suas implicações. 2. Três estádios na formação dos Evangelhos a) 1º estádio: o ministério público de Jesus O primeiro é os anos 20, Jesus histórico um galileu que anunciou o reino de Deus na galileia e na judeia, que teve seu seguidores e admiradores e aqueles que não gostou também, e morreu numa cruz, e seus seguidores mais íntimos depois afirmaram que tinha ressuscitado. b) 2º estádio: a pregação apostólica de Jesus (de 30 a 70 d.C.) O segundo estádio é o da pregação apostólica, uma vez refeitos do susto e da frustação da paixão puseram-se a pregar, e se supõe que esta primeira pregação foi de língua aramaica, dentro da própria palestina. a) 3º estádio: os Evangelhos escritos (de 70 a 100 d.C.) Em 70 o problema esta que marcos não fala da destruição de Jerusalém, e se tivesse havida já por que não falou? E são afirmações eu poderiam colada a varias pregações de Jesus a respeito da destruição do templo. Marcos escreveu e o que fez, de certa maneira ele pinçou, os episódios mais marcantes em vista da catequese, e não havia nada em ralação com a catequese como temos hoje, compôs um texto que de certa maneira corre e corre tão bem que o leitor pode ser conduzido ao engano pensar que é uma sequencia cronológica quanto não é, simplesmente é uma parábola justaposta a outra através de estruturas literárias, e o que pareceu mais importante aos seus leitores. Pinçando e organizando material como organizou ele seguia uma visão cristológica, e começou com o batismo de João terminando com a morte e ressurreição. 3. O problema sinótico e a solução mais seguida chamada solução das duas fontes A teoria mais seguida é das duas fontes, Agora qual é a solução mais proposta para o problema sinótica, é a uma fonte hipotética, chamada Q que vem do alemão chamada quelli, que quer dizer fonte, uma fonte hipotética, porque não chegou a fonte a Q, ate nós. Não se esqueça que cada evangelista tem um material que cada um traz, somente eles, temos que postular uma terceira fonte, Mateana e Lucana, que somente eles conheceram. Fonte própria de cada um. Com isto a grande maioria tenta resolver o problema sinótico. Nenhum dos quatro evangelhos apresentam um retrato completo de Jesus, mas juntos sim refletem um retrato completo de Jesus. Mc Qüelle (fonte Q) Mt Lc Mt Lc

×