SlideShare uma empresa Scribd logo
HACCP ao nível da produção primária: mel

A relação entre as abelhas e o Homem existe desde os tempos mais remotos e um
dos resultados dessa relação tem sido utilizado, desde então, como um produto
medicinal e alimentar. De facto, data de 2100-2000 a.C. a primeira referência escrita
acerca do mel, referindo o seu uso como uma droga ou uma pomada. A par do uso
medicinal, o mel constituiu, ao longo do tempo, e em muitas culturas, um alimento de
importância para o Homem uma vez que ele representava uma fonte importante de
carboidratos, sendo mesmo o único adoçante disponível, até à produção industrial do
açúcar começar a substituí-lo, após 1800.
Segundo o Decreto-Lei n.º 214/2003, de 18 de setembro, o mel é uma “substância
açucarada natural produzida pelas abelhas da espécie Apis mellifera a partir do néctar
de plantas (mel de néctar) ou das secreções provenientes de partes vivas das plantas
ou de excreções de insetos sugadores de plantas que ficam sobre as partes vivas das
plantas (mel de melada), que as abelhas recolhem, transforam por combinação com
substâncias específicas próprias, depositam, desidratam armazenam e deixam
amadurecer nos favos da colmeia”. Consoante o seu modo de produção e/ou
apresentação, o mel pode ser classificado em: i) mel com favos, ii) mel com pedaços de
favos, iii) mel escorrido, iv) mel centrifugado, v) mel prensado, vi) mel filtrado e vii) mel
para uso industrial.
O mel é um produto seguro, do ponto de vista microbiológico, dadas as suas
características intrínsecas (baixo pH e baixa atividade da água) e pode ser descrito, de
forma grosseira, como uma solução supersaturada de açúcares dado que os seus
compostos maioritários são carboidratos (65-75%), nomeadamente frutose e glucose,
e água (18-20%). A par destes compostos, o mel também apresenta minerais
essenciais para o organismo (cálcio, ferro, fósforo, magnésio e potássio) e polifenóis
responsáveis pela sua atividade antioxidante. Desta forma, é possível afirmar que, do
ponto de vista nutricional, o mel é dos alimentos mais ricos.
No que concerne ao HACCP, e para uma correta implementação deste sistema, ao
nível da produção de mel é necessário ter em conta que este é considerado produto
de origem animal e, portanto, além do Regulamento (CE) n.º 852/2004, relativo à
higiene dos géneros alimentícios, deve ser tido em conta o Regulamento (CE) n.º
853/2004, que estabelece regras específicas de higiene aplicáveis aos géneros
alimentícios de origem animal.
Relativamente ao processo produtivo associado ao mel Neves, que se encontra
representado na Figura 1, deve ser tido em conta que este decorre em dois espaços
físicos distintos: i) no campo, onde estão instalados os apiários, e ii) na melaria, onde o
mel é retirado dos quadros, centrifugado, filtrado e decantado.

Figura 1. Fluxograma relativo ao processo de produção do mel, no qual os rectângulos: i) a verde representam as atividades
desenvolvidas no campo, e ii) a cor-de-laranja representam as atividades desenvolvidas na melaria. A seta a castanho indica o
transporte das alças do campo para a melaria.
Ao nível do mel Neves, e após fazer a análise dos perigos associados a cada etapa da
produção, foi possível identificar dois PCC’s que se prendem com: i) o uso de
alimentação artificial nas colmeias e ii) a manutenção do estado das colmeias. Estes
PCC’s referem-se à possibilidade de um crescimento excessivo de fungos que, não
sendo severos para a alimentação humana, propiciam a degradação do produto, do
ponto de vista sensorial, uma vez que ocorrem fermentações indesejáveis.
Em suma, apesar do mel ser um produto seguro, o apicultor deve adotar práticas
adequadas à realização da sua atividade por forma a evitar a perda de qualidade e
inviabilidade do produto, tendo sempre presentes as boas práticas de higiene bem
como os requisitos da legislação em vigor.

Referências
Alvarez-Suarez, J. M., Tulipani, S., Romandini, S., Bertoli, E., and Battino, M. (2010).
Contribution of honey in nutrition and human health: a review, Mediterranean Journal
of Nutrition and Metabolism, 3:15-23
Decreto-Lei n.º 214/2003 de 18 de setembro. Diário da República n.º 216/2003 – I
Série A. Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas. Lisboa
Regulamento (CE) n.º 852/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de abril
de 2004, relativo à higiene dos géneros alimentícios. 2004, Parlamento Europeu e do
Conselho: Jornal Oficial da União Europeia
Regulamento (CE) n.º 853/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de abril
de 2004, que estabelece regras específicas de higiene aplicáveis aos géneros
alimentícios de origem animal. 2004, Parlamento Europeu e do Conselho: Jornal Oficial
da União Europeia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exposição Profissional a Material Biológico
Exposição Profissional a Material BiológicoExposição Profissional a Material Biológico
Exposição Profissional a Material Biológico
Marcos Matheus
 
Mapa de riscos
Mapa de riscos   Mapa de riscos
Mapa de riscos
Ythia Karla
 
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDASSINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
Maycon Silva
 
Relatório bio de micro
Relatório bio de microRelatório bio de micro
Relatório bio de micro
Suellen Bezerra
 
Aula 5 epi
Aula 5   epiAula 5   epi
Aula 5 epi
Daniel Moura
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
Sheilla Sandes
 
Principios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologiaPrincipios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologia
Luciano Marques
 
Nr 32 – segurança e saúde no trabalho
Nr 32 – segurança e saúde no trabalhoNr 32 – segurança e saúde no trabalho
Nr 32 – segurança e saúde no trabalho
Maria Auxiliadora Nascimento Ferreira
 
Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009
Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009
Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009
Letícia Spina Tapia
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxoICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
Ricardo Portela
 
Proposta de modelo de ltcat
Proposta de modelo de ltcatProposta de modelo de ltcat
Proposta de modelo de ltcat
FIRE SUL PROTECTION
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
Isabela Lays
 
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e DrágeasTecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Guilherme Becker
 
Treinamento de Agrotoxicos Adjuvantes e Produtos Afins.ppsx
Treinamento de Agrotoxicos Adjuvantes e Produtos Afins.ppsxTreinamento de Agrotoxicos Adjuvantes e Produtos Afins.ppsx
Treinamento de Agrotoxicos Adjuvantes e Produtos Afins.ppsx
Alexandre Pacheco
 
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
Apresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceepsApresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceeps
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
Jose Maciel Dos Anjos
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
pauloalambert
 
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMSPrevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Proqualis
 
Emergencias endoscopicas
Emergencias endoscopicasEmergencias endoscopicas
Emergencias endoscopicas
Élio Cunha Castro Filho
 
Seguranca hospitalar ANVISA
Seguranca hospitalar ANVISASeguranca hospitalar ANVISA
Seguranca hospitalar ANVISA
João Antônio Granzotti
 
Apostila cipa geral
Apostila cipa geralApostila cipa geral
Apostila cipa geral
Cristina Monteiro
 

Mais procurados (20)

Exposição Profissional a Material Biológico
Exposição Profissional a Material BiológicoExposição Profissional a Material Biológico
Exposição Profissional a Material Biológico
 
Mapa de riscos
Mapa de riscos   Mapa de riscos
Mapa de riscos
 
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDASSINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
SINDROMES CORONARIANAS AGUDAS
 
Relatório bio de micro
Relatório bio de microRelatório bio de micro
Relatório bio de micro
 
Aula 5 epi
Aula 5   epiAula 5   epi
Aula 5 epi
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Principios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologiaPrincipios basico de microbiologia
Principios basico de microbiologia
 
Nr 32 – segurança e saúde no trabalho
Nr 32 – segurança e saúde no trabalhoNr 32 – segurança e saúde no trabalho
Nr 32 – segurança e saúde no trabalho
 
Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009
Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009
Atualização do Coren sobre o uso de antissépticos na pele - 2009
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxoICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
 
Proposta de modelo de ltcat
Proposta de modelo de ltcatProposta de modelo de ltcat
Proposta de modelo de ltcat
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e DrágeasTecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
Tecnologia de Comprimidos Revestidos e Drágeas
 
Treinamento de Agrotoxicos Adjuvantes e Produtos Afins.ppsx
Treinamento de Agrotoxicos Adjuvantes e Produtos Afins.ppsxTreinamento de Agrotoxicos Adjuvantes e Produtos Afins.ppsx
Treinamento de Agrotoxicos Adjuvantes e Produtos Afins.ppsx
 
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
Apresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceepsApresentação aula sobre  nr32 em biossegurança  ceeps
Apresentação aula sobre nr32 em biossegurança ceeps
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMSPrevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
Prevenção e controle de infecções- Tópico 9_Guia curricular da OMS
 
Emergencias endoscopicas
Emergencias endoscopicasEmergencias endoscopicas
Emergencias endoscopicas
 
Seguranca hospitalar ANVISA
Seguranca hospitalar ANVISASeguranca hospitalar ANVISA
Seguranca hospitalar ANVISA
 
Apostila cipa geral
Apostila cipa geralApostila cipa geral
Apostila cipa geral
 

Semelhante a Haccp ao nível da produção primária mel

Avaliação físico química, sensorial e microbiológica de iogurte de açaí (eute...
Avaliação físico química, sensorial e microbiológica de iogurte de açaí (eute...Avaliação físico química, sensorial e microbiológica de iogurte de açaí (eute...
Avaliação físico química, sensorial e microbiológica de iogurte de açaí (eute...
Weysser Felipe
 
Aditivos
AditivosAditivos
01 manual sq apicultura - completo - 28-03-2008-final
01   manual sq apicultura - completo - 28-03-2008-final01   manual sq apicultura - completo - 28-03-2008-final
01 manual sq apicultura - completo - 28-03-2008-final
Federal University of Rio Grande do Norte
 
Artigo - Leite de Cabra
Artigo - Leite de CabraArtigo - Leite de Cabra
Artigo - Leite de Cabra
George Lucas
 
Poluição Ambiental - Tema Poluição Agricola
Poluição  Ambiental - Tema Poluição AgricolaPoluição  Ambiental - Tema Poluição Agricola
Poluição Ambiental - Tema Poluição Agricola
Lukas Lima
 
Cartilha carbono-web
Cartilha carbono-webCartilha carbono-web
Cartilha carbono-web
Fábio Santos
 
9fcfd507c487a685fb
9fcfd507c487a685fb9fcfd507c487a685fb
9fcfd507c487a685fb
sebas1128
 
Microbiologia dos alimentos
Microbiologia dos alimentosMicrobiologia dos alimentos
Microbiologia dos alimentos
Franciele Marcela
 
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptxAula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
UERGS
 
Artigo bioterra v17_n2_10
Artigo bioterra v17_n2_10Artigo bioterra v17_n2_10
Artigo bioterra v17_n2_10
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo abmba v2_n2_2014_01
Artigo abmba v2_n2_2014_01Artigo abmba v2_n2_2014_01
Artigo abmba v2_n2_2014_01
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Artigo soja i
Artigo soja iArtigo soja i
Artigo soja i
Arison Oliveira
 
Obtenção de Leveduras Enriquecidas com Selênio a partir de Resíduos Vegetais
Obtenção de Leveduras Enriquecidas com Selênio a partir de Resíduos VegetaisObtenção de Leveduras Enriquecidas com Selênio a partir de Resíduos Vegetais
Obtenção de Leveduras Enriquecidas com Selênio a partir de Resíduos Vegetais
USP
 
Alimentos biológicos
Alimentos biológicosAlimentos biológicos
Alimentos biológicos
vitaminocas
 
Alimentos Biológicos
Alimentos BiológicosAlimentos Biológicos
Alimentos Biológicos
vitaminocas
 
Manual de seguranca_apis
Manual de seguranca_apisManual de seguranca_apis
Manual de seguranca_apis
IPA
 
Aspectos e Impactos Laticinio
Aspectos e Impactos LaticinioAspectos e Impactos Laticinio
Aspectos e Impactos Laticinio
Tħiago Ivo Pereira
 
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaaI.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
Judite Silva
 
fermentação em estado solido
fermentação em estado solidofermentação em estado solido
fermentação em estado solido
Angellica Pulga
 
Ct 102
Ct 102Ct 102

Semelhante a Haccp ao nível da produção primária mel (20)

Avaliação físico química, sensorial e microbiológica de iogurte de açaí (eute...
Avaliação físico química, sensorial e microbiológica de iogurte de açaí (eute...Avaliação físico química, sensorial e microbiológica de iogurte de açaí (eute...
Avaliação físico química, sensorial e microbiológica de iogurte de açaí (eute...
 
Aditivos
AditivosAditivos
Aditivos
 
01 manual sq apicultura - completo - 28-03-2008-final
01   manual sq apicultura - completo - 28-03-2008-final01   manual sq apicultura - completo - 28-03-2008-final
01 manual sq apicultura - completo - 28-03-2008-final
 
Artigo - Leite de Cabra
Artigo - Leite de CabraArtigo - Leite de Cabra
Artigo - Leite de Cabra
 
Poluição Ambiental - Tema Poluição Agricola
Poluição  Ambiental - Tema Poluição AgricolaPoluição  Ambiental - Tema Poluição Agricola
Poluição Ambiental - Tema Poluição Agricola
 
Cartilha carbono-web
Cartilha carbono-webCartilha carbono-web
Cartilha carbono-web
 
9fcfd507c487a685fb
9fcfd507c487a685fb9fcfd507c487a685fb
9fcfd507c487a685fb
 
Microbiologia dos alimentos
Microbiologia dos alimentosMicrobiologia dos alimentos
Microbiologia dos alimentos
 
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptxAula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
Aula 1 - Biodiversidade e os Recursos Genéticos [Salvo automaticamente].pptx
 
Artigo bioterra v17_n2_10
Artigo bioterra v17_n2_10Artigo bioterra v17_n2_10
Artigo bioterra v17_n2_10
 
Artigo abmba v2_n2_2014_01
Artigo abmba v2_n2_2014_01Artigo abmba v2_n2_2014_01
Artigo abmba v2_n2_2014_01
 
Artigo soja i
Artigo soja iArtigo soja i
Artigo soja i
 
Obtenção de Leveduras Enriquecidas com Selênio a partir de Resíduos Vegetais
Obtenção de Leveduras Enriquecidas com Selênio a partir de Resíduos VegetaisObtenção de Leveduras Enriquecidas com Selênio a partir de Resíduos Vegetais
Obtenção de Leveduras Enriquecidas com Selênio a partir de Resíduos Vegetais
 
Alimentos biológicos
Alimentos biológicosAlimentos biológicos
Alimentos biológicos
 
Alimentos Biológicos
Alimentos BiológicosAlimentos Biológicos
Alimentos Biológicos
 
Manual de seguranca_apis
Manual de seguranca_apisManual de seguranca_apis
Manual de seguranca_apis
 
Aspectos e Impactos Laticinio
Aspectos e Impactos LaticinioAspectos e Impactos Laticinio
Aspectos e Impactos Laticinio
 
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaaI.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
I.4 Agricultura Biologica.pptxclllappaaa
 
fermentação em estado solido
fermentação em estado solidofermentação em estado solido
fermentação em estado solido
 
Ct 102
Ct 102Ct 102
Ct 102
 

Mais de queijocommaca

Queijo com maça, rocha d. para os amantes da cozinha
Queijo com maça, rocha d. para os amantes da cozinhaQueijo com maça, rocha d. para os amantes da cozinha
Queijo com maça, rocha d. para os amantes da cozinha
queijocommaca
 
Queijo com maçã rocha d. bate, bate coração
Queijo com maçã rocha d. bate, bate coraçãoQueijo com maçã rocha d. bate, bate coração
Queijo com maçã rocha d. bate, bate coração
queijocommaca
 
As cãibras e a alimentação
As cãibras e a alimentaçãoAs cãibras e a alimentação
As cãibras e a alimentação
queijocommaca
 
Queijo com maça, rocha d. alimentação do diabetico pdf
Queijo com maça, rocha d. alimentação do diabetico pdfQueijo com maça, rocha d. alimentação do diabetico pdf
Queijo com maça, rocha d. alimentação do diabetico pdf
queijocommaca
 
Comer bem fora de casa será um desafio
Comer bem fora de casa será um desafioComer bem fora de casa será um desafio
Comer bem fora de casa será um desafio
queijocommaca
 
Rotulos alimentares
Rotulos alimentaresRotulos alimentares
Rotulos alimentares
queijocommaca
 
Porque saber comer é saber viver!
Porque saber comer é saber viver!Porque saber comer é saber viver!
Porque saber comer é saber viver!
queijocommaca
 
Post 9 janeiro
Post 9 janeiroPost 9 janeiro
Post 9 janeiro
queijocommaca
 

Mais de queijocommaca (8)

Queijo com maça, rocha d. para os amantes da cozinha
Queijo com maça, rocha d. para os amantes da cozinhaQueijo com maça, rocha d. para os amantes da cozinha
Queijo com maça, rocha d. para os amantes da cozinha
 
Queijo com maçã rocha d. bate, bate coração
Queijo com maçã rocha d. bate, bate coraçãoQueijo com maçã rocha d. bate, bate coração
Queijo com maçã rocha d. bate, bate coração
 
As cãibras e a alimentação
As cãibras e a alimentaçãoAs cãibras e a alimentação
As cãibras e a alimentação
 
Queijo com maça, rocha d. alimentação do diabetico pdf
Queijo com maça, rocha d. alimentação do diabetico pdfQueijo com maça, rocha d. alimentação do diabetico pdf
Queijo com maça, rocha d. alimentação do diabetico pdf
 
Comer bem fora de casa será um desafio
Comer bem fora de casa será um desafioComer bem fora de casa será um desafio
Comer bem fora de casa será um desafio
 
Rotulos alimentares
Rotulos alimentaresRotulos alimentares
Rotulos alimentares
 
Porque saber comer é saber viver!
Porque saber comer é saber viver!Porque saber comer é saber viver!
Porque saber comer é saber viver!
 
Post 9 janeiro
Post 9 janeiroPost 9 janeiro
Post 9 janeiro
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 

Haccp ao nível da produção primária mel

  • 1. HACCP ao nível da produção primária: mel A relação entre as abelhas e o Homem existe desde os tempos mais remotos e um dos resultados dessa relação tem sido utilizado, desde então, como um produto medicinal e alimentar. De facto, data de 2100-2000 a.C. a primeira referência escrita acerca do mel, referindo o seu uso como uma droga ou uma pomada. A par do uso medicinal, o mel constituiu, ao longo do tempo, e em muitas culturas, um alimento de importância para o Homem uma vez que ele representava uma fonte importante de carboidratos, sendo mesmo o único adoçante disponível, até à produção industrial do açúcar começar a substituí-lo, após 1800. Segundo o Decreto-Lei n.º 214/2003, de 18 de setembro, o mel é uma “substância açucarada natural produzida pelas abelhas da espécie Apis mellifera a partir do néctar de plantas (mel de néctar) ou das secreções provenientes de partes vivas das plantas ou de excreções de insetos sugadores de plantas que ficam sobre as partes vivas das plantas (mel de melada), que as abelhas recolhem, transforam por combinação com substâncias específicas próprias, depositam, desidratam armazenam e deixam amadurecer nos favos da colmeia”. Consoante o seu modo de produção e/ou apresentação, o mel pode ser classificado em: i) mel com favos, ii) mel com pedaços de favos, iii) mel escorrido, iv) mel centrifugado, v) mel prensado, vi) mel filtrado e vii) mel para uso industrial. O mel é um produto seguro, do ponto de vista microbiológico, dadas as suas características intrínsecas (baixo pH e baixa atividade da água) e pode ser descrito, de forma grosseira, como uma solução supersaturada de açúcares dado que os seus compostos maioritários são carboidratos (65-75%), nomeadamente frutose e glucose, e água (18-20%). A par destes compostos, o mel também apresenta minerais essenciais para o organismo (cálcio, ferro, fósforo, magnésio e potássio) e polifenóis responsáveis pela sua atividade antioxidante. Desta forma, é possível afirmar que, do ponto de vista nutricional, o mel é dos alimentos mais ricos. No que concerne ao HACCP, e para uma correta implementação deste sistema, ao nível da produção de mel é necessário ter em conta que este é considerado produto de origem animal e, portanto, além do Regulamento (CE) n.º 852/2004, relativo à
  • 2. higiene dos géneros alimentícios, deve ser tido em conta o Regulamento (CE) n.º 853/2004, que estabelece regras específicas de higiene aplicáveis aos géneros alimentícios de origem animal. Relativamente ao processo produtivo associado ao mel Neves, que se encontra representado na Figura 1, deve ser tido em conta que este decorre em dois espaços físicos distintos: i) no campo, onde estão instalados os apiários, e ii) na melaria, onde o mel é retirado dos quadros, centrifugado, filtrado e decantado. Figura 1. Fluxograma relativo ao processo de produção do mel, no qual os rectângulos: i) a verde representam as atividades desenvolvidas no campo, e ii) a cor-de-laranja representam as atividades desenvolvidas na melaria. A seta a castanho indica o transporte das alças do campo para a melaria.
  • 3. Ao nível do mel Neves, e após fazer a análise dos perigos associados a cada etapa da produção, foi possível identificar dois PCC’s que se prendem com: i) o uso de alimentação artificial nas colmeias e ii) a manutenção do estado das colmeias. Estes PCC’s referem-se à possibilidade de um crescimento excessivo de fungos que, não sendo severos para a alimentação humana, propiciam a degradação do produto, do ponto de vista sensorial, uma vez que ocorrem fermentações indesejáveis. Em suma, apesar do mel ser um produto seguro, o apicultor deve adotar práticas adequadas à realização da sua atividade por forma a evitar a perda de qualidade e inviabilidade do produto, tendo sempre presentes as boas práticas de higiene bem como os requisitos da legislação em vigor. Referências Alvarez-Suarez, J. M., Tulipani, S., Romandini, S., Bertoli, E., and Battino, M. (2010). Contribution of honey in nutrition and human health: a review, Mediterranean Journal of Nutrition and Metabolism, 3:15-23 Decreto-Lei n.º 214/2003 de 18 de setembro. Diário da República n.º 216/2003 – I Série A. Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas. Lisboa Regulamento (CE) n.º 852/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de abril de 2004, relativo à higiene dos géneros alimentícios. 2004, Parlamento Europeu e do Conselho: Jornal Oficial da União Europeia Regulamento (CE) n.º 853/2004 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de abril de 2004, que estabelece regras específicas de higiene aplicáveis aos géneros alimentícios de origem animal. 2004, Parlamento Europeu e do Conselho: Jornal Oficial da União Europeia