MÓDULO I 
 Introdução ao Biodigestor 
 Caracterização dos Resíduos
A pesquisa sobre 
fontes alternativas de 
energias tem se 
intensificado em todo 
planeta, visando 
diminuir a poluição 
a...
Os dejetos de animais 
têm se tornado um 
norte para as 
pesquisas no intuito de 
proteger o meio 
ambiente da poluição e ...
1. INTRODUÇÃO AO BIODIGESTOR 
 Conceitos 
Estrutura destinada a conter a 
biomassa e seu produto: o 
BIOGÁS. 
BIODIGESTOR...
HÁ DOIS TIPOS DE SISTEMAS: 
• Contínuo 
• Descontínuo
Contínuo 
• Mais difundido; 
• Se adapta à maioria das biomassas; 
• Cargas diárias ou periódicas; 
• Descarrega o biofert...
Descontínuo 
• Específico para biomassas de decomposição 
lenta; 
• Recebe a carga total, retendo-a até terminar o 
proces...
O sistema mais 
difundido é o sistema 
contínuo, cujos 
modelos mais 
conhecidos são o 
chinês e o indiano, que 
são muito...
 Princípios de Funcionamento 
BIODIGESTÃO AERÓBIA 
O processo envolve a oxidação direta de matéria 
orgânica e de matéria...
Nos estágios iniciais, os micro-organismos se 
reproduzem a uma taxa de crescimento 
populacional logarítmica. 
Progride a...
BIODIGESTÃO ANAERÓBIA 
Biogás e 
Biofertilizante 
Matéria 
Orgânica 
Bactérias anaeróbias 
estritas e facultativas 
decomp...
• Promove a geração do biogás; 
• Permite a reciclagem do efluente; 
• Alternativa para o tratamento de resíduos; 
• Permi...
Modelo Indiano
Modelo Chinês
Modelo Canadense 
• Modelo tipo horizontal; 
• Caixa de carga em alvenaria e com a largura maior 
que a profundidade; 
Gra...
• Embora apresente a vantagem de ser de fácil 
construção, possui menor durabilidade.
A localização do biodigestor é de grande 
importância, uma vez que irá afetar o sucesso 
ou a falha da operação do sistema...
2. CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS 
Natureza e Bioquímica da Composição da Biomassa 
Fermentação 
metanogênica 
Resíduos orgâ...
Processo Microbiológico 
Requer não apenas fontes de carbono e 
nitrogênio, mas também devem estar 
presentes um certo equ...
Esterco animal 
A degradação dependerá 
principalmente do tipo de animal e 
do alimento que tenham recebido.
• As fontes de carbono mais utilizadas pelos micro-organismos 
são os carboidratos e compostos 
orgânicos, especialmente h...
MÓDULO II 
Histórico da Produção de Biogás 
Fundamentos Bioquímicos Para 
Produção de Biogás
3. HISTÓRICO DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS 
• Há relatos que o biogás já era conhecido há muito 
tempo, pois a producã̧o do m...
• Em 1939 foi criado na cidade de Kampur, na Índia, 
o Institute Gobár Gás: criação da primeira usina 
de gás de esterco. ...
• Crise energética em 1973: a implantação de 
biodigestores passou a ser interessante para países 
ricos e de terceiro mun...
• NOS DIAS ATUAIS… 
• O governo chineŝ considerou viável aperfeico̧ar as 
técnicas rudimentares de cultivo do solo, com...
NO BRASIL… 
Estudos envolvendo o uso de biodigestores têm sido 
utilizados em duas principais vertentes: 
• Tratamento de ...
4. FUNDAMENTOS BIOQUÍMICOS PARA 
PRODUÇÃO DE BIOGÁS 
Hidrólise 
• As enzimas produzidas pelas bactérias 
transformam polí...
Acidogênese 
• Na acidogênese, esses monômeros são 
transformados em ácidos graxos voláteis (AGV), 
como ácido butírico e...
Acetogênese 
• Na acetogênese, esses ácidos graxos voláteis 
são transformados em ácido acético, gás 
carbônico e hidrogê...
Metanogênese 
O Ácido acético é transformado em metano e gás 
carbônico pelas bactérias metanogênicas 
acetoclásticas e o...
 Micro-organismos envolvidos em cada 
etapa de digestão anaeróbia 
• Os micro-organismos envolvidos no processo 
variará ...
Bactérias envolvidas na hidrólise 
• Bacteroides 
• Lactobacillus 
• Propionibacterium 
• Sphingomonas 
• Sporobacterium 
...
Bactérias envolvidas na acidogênese: 
Paenibacillus 
Ruminococcus 
Presentes em todas as fases, 
Archaeas 
mas são dominan...
Bactérias envolvidas na acetogênese: 
• Estas bactérias só podem sobreviver em simbiose 
com o gênero que consome hidrogên...
Bactérias envolvidas em metanogênese: 
As bactérias metanogênicas aparecem na segunda 
fase da fermentação, porém, a quant...
Fatores que Afetam a Produção de 
Biogás 
• Temperatura 
• Tempo de Retenção Hidráulica 
• Teor de Sólidos 
• Concentraçã...
Temperatura 
• A temperatura de operação do digestor, é 
considerado um dos principais parâmetros, devido 
à grande influ...
• As variações bruscas de temperatura no digestor 
pode desencadear a desestabilização do processo. 
• Existem três interv...
 Tempo de Retenção Hidráulica (TRH) 
• É o tempo necessário para a mistura ser 
digerida no digestor. 
• Ocorre quando a ...
• O tempo de retenção é determinado, num processo 
contínuo, pela relação entre volume do biodigestor 
e o volume diário d...
 Teor de Sólido Total 
• Material residual que fica em uma cápsula após 
secagem até peso constante em estufa em 
tempera...
 Concentração de Nutrientes 
• São necessários macro e micronutrientes do 
processo anaeróbio para a síntese de nova de 
...
 Concentrações de Sólidos Voláteis (SV) 
• É a porção de sólidos totais que é liberada de uma 
amostra, volatilizando-se ...
Substâncias Tóxicas 
Uso de desinfetantes, 
antibióticos e bactericidas 
Podem “contaminar” o esterco, 
afetando as bacté...
Características do Biogás 
• O metano é altamente combustível e inflamável, 
produzindo chama azul-clara e queimando em...
• A qualidade do biogás depende da quantidade de 
metano na mistura, ou seja, quanto maior for a 
quantidade de metano, me...
 Capacidade de Geração de Biogás em 
Função de Diferentes Resíduos 
• A geração de biogás depende da característica do 
r...
MÓDULO III 
Viabilidade Econômica dos 
Biodigestores
5. VIABILIDADE ECONÔMICA SEGUNDO 
COLDEBELLA, 2006. 
Propriedade 1: 
• 130 bovinos em regime de confinamento; 
• Biodiges...
Propriedade 2: 
• 1.000 matrizes; 
• Os dejetos são conduzidos a um biodigestor com 
10,5 x 55 x 4,5m de largura, comprim...
Produção de biogás a partir de resíduos pecuários 
SV – sólidos voláteis; 1 – chorume diluído com águas de lavagem; 2 – ch...
O sistema de cultivo e a quantidade de 
animais determinam a capacidade de 
produção de biogás. 
127,4 m3/biogás/dia 
• Pr...
1 m3 de biogás equivale a 6,5 kWh 
Eficiência (%) = (energia produzida kWh/m3 / 6,5 kWh/m3) * 100 
• A energia produzida k...
O gasômetro é conectado ao motor-gerador 
ou motor-bomba, que permanece 
em funcionamento até que o biogás seja 
totalment...
 Conjunto Motor-gerador 
Motor originalmente a gasolina/diesel 
adaptado para o biogás 
acoplado 
Gerador de energia elét...
Motor-gerador
 O Conjunto Motor-bomba 
Motor originalmente a gasolina/diesel, 
convertido para o biogás 
acoplado 
Bomba d’água acionad...
Motor-bomba
• O tempo de retorno do investimento está em 
função do tempo de operação do 
equipamento, quanto menor for o tempo de 
op...
Propriedade 1 
• Implantação do biodigestor: R$ 50.000,00 
• Motor-gerador: R$ 20.000,00 
• Produção de 44 kWh de energia ...
 Custo da eletricidade (MWh) para a propriedade 1 
(bovinocultura), de acordo com o tempo de 
amortização e o tempo de op...
 Custo da eletricidade (MWh) para a propriedade 2 
(suinocultura), de acordo com o tempo de 
amortização e tempo de opera...
• O tempo de retorno deste investimento está 
relacionado com o valor pago pelo produtor por kWh 
à concessionária de ener...
 Tempo de retorno do investimento para a 
propriedade 1.
 Tempo de retorno do investimento para a 
propriedade 2.
Somando-se a produção de 
energia elétrica à economia 
gerada pelo uso do biogás com o 
sistema de bombeamento para 
irrig...
 Cogeração de Energia Elétrica 
• É a produção combinada de calor e eletricidade; 
• Para o motor-gerador, a eficiência d...
CCaassoo ddee SSuucceessssoo
MÓDULO IV 
Análises do Processo 
Biofertilizante
6. ANÁLISES DO PROCESSO 
Teor de Sólido Total 
Material 
orgânico 
Água 
Sólidos totais 
Secagem até 
peso constante 
A m...
Teor de Sólidos Não Voláteis 
• É o resíduo inorgânico que permanece após a queima 
da matéria orgânica; 
• Obtidos por c...
Teor de Sólidos Voláteis 
Sólidos 
Totais 
Sólidos 
Voláteis - = 
Sólidos 
Totais 
Fixos 
• A dosagem é realizada para ca...
Sólidos Sedimentáveis 
• Representam os sólidos presentes na amostra que 
podem ser removidos por decantação. 
• Teste vo...
Análises Físico-químicas 
• pH 
• Alcalinidade 
• Acidez 
• Temperatura 
• DBO 
• DQO 
• Amônia 
• Amônio 
• Nitrito 
• N...
pH 
• Processo anaeróbio é adversamente afetado por 
pequenas mudanças nos níveis de pH; 
• Organismos metanogênicos são ...
 Alcalinidade e Acidez 
Método Titulométrico 
 Temperatura do 
Biogás 
Medição de temperatura deve 
ser realizada diaria...
 DBO e DQO 
Demanda Bioquímica 
de Oxigênio 
Oxigênio consumido (mg L-1) 
após oxidação biológica. 
Demanda Química 
de O...
 Análise de Nutrientes 
• Análises laboratoriais de amônia, amônio, nitrito, 
nitrato, cálcio, fósforo, magnésio e potáss...
Análises Microbiológicas 
• Avaliação quantitativa da recuperação bacteriana após cultura 
seletiva das amostras do aflue...
EMB
BE com Azida
Com a análise quantitativa, verificou-se 
a diminuição das populações 
bacterianas no decorrer da digestão 
anaeróbia. Est...
 Análise de Biogás 
• Composição média do biogás ao longo do tempo; 
Análise em cromatografia gasosa do biogás produzido ...
7. BIOFERTILIZANTES 
 Conceito 
Matéria orgânica rica em 
elementos minerais. 
Possui grande capacidade de recuperar os s...
Composição Básica do Biofertilizante 
Macro e Micronutrientes 
Nitrogênio Enxofre Molibdênio 
Fósforo Sódio Boro 
Potássi...
Ação do Biofertilizante no Solo 
Corretor de acidez (pH = 7,5) 
Dificulta a multiplicacão de ̧ fungos não benéficos. 
...
• Dá firmeza ao solo, de modo que resistam 
à ação desagregadora da água; 
• Deixa a terra com estrutura mais porosa, perm...
8. VANTAGENS E DESVANTAGENS 
 Vantagens da tecnologia da biodigestão: 
• Requer menos espaço que aterros sanitários e 
co...
• Reduz significativamente a quantidade emitida de 
metano na atmosfera; 
• Constitui uma fonte de renda para propriedades...
Produtividade 
• Aumento de forragem 
• Redução de custos 
energéticos 
Meio 
Ambiente 
Saúde 
• Preservação da 
vegetação...
 Desvantagens da tecnologia da biodigestão: 
• Variabilidade da produção de biogás em função do 
clima. 
• A quantidade d...
Obrigado! 
marcelo.otenio@embrapa.br 
(32) 3311-7400
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014

2.087 visualizações

Publicada em

Curso Biodigestor - produção de energia elétrica a partir da biodigestão de dejetos bovinos

Publicada em: Meio ambiente
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.087
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
271
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso biodigestor OTENIO, M.H. 16 09 2014

  1. 1. MÓDULO I  Introdução ao Biodigestor  Caracterização dos Resíduos
  2. 2. A pesquisa sobre fontes alternativas de energias tem se intensificado em todo planeta, visando diminuir a poluição ambiental.
  3. 3. Os dejetos de animais têm se tornado um norte para as pesquisas no intuito de proteger o meio ambiente da poluição e melhorar a qualidade de vida com os benefícios obtidos do tratamento dos dejetos.
  4. 4. 1. INTRODUÇÃO AO BIODIGESTOR  Conceitos Estrutura destinada a conter a biomassa e seu produto: o BIOGÁS. BIODIGESTOR O biodigestor não produz o biogás, mas proporciona condições adequadas para que as bactérias metanogênicas atuem sobre a biomassa para produção desse combustível.
  5. 5. HÁ DOIS TIPOS DE SISTEMAS: • Contínuo • Descontínuo
  6. 6. Contínuo • Mais difundido; • Se adapta à maioria das biomassas; • Cargas diárias ou periódicas; • Descarrega o biofertilizante de forma contínua.
  7. 7. Descontínuo • Específico para biomassas de decomposição lenta; • Recebe a carga total, retendo-a até terminar o processo de biodigestão; • Ao término do processo, o biodigestor é totalmente esvaziado. • Para novo processo, o biodigestor deve ser recarregado.
  8. 8. O sistema mais difundido é o sistema contínuo, cujos modelos mais conhecidos são o chinês e o indiano, que são muito utilizados no Brasil. (Coldebella, 2006)
  9. 9.  Princípios de Funcionamento BIODIGESTÃO AERÓBIA O processo envolve a oxidação direta de matéria orgânica e de matéria celular biodegradável.  É realizada por diferentes grupos de micro-organismos.
  10. 10. Nos estágios iniciais, os micro-organismos se reproduzem a uma taxa de crescimento populacional logarítmica. Progride a oxidação da matéria orgânica e a taxa de crescimento começa a diminuir. Fontes de carbono orgânico disponível se tornam limitantes, reduzindo a taxa de consumo de oxigênio.
  11. 11. BIODIGESTÃO ANAERÓBIA Biogás e Biofertilizante Matéria Orgânica Bactérias anaeróbias estritas e facultativas decomposição complexa Pode-se converter uma grande quantidade de resíduos, em subprodutos úteis. Mais de 90% da energia disponível por oxidação direta se transforma em metano.
  12. 12. • Promove a geração do biogás; • Permite a reciclagem do efluente; • Alternativa para o tratamento de resíduos; • Permite a redução do potencial poluidor e dos riscos sanitários dos dejetos.
  13. 13. Modelo Indiano
  14. 14. Modelo Chinês
  15. 15. Modelo Canadense • Modelo tipo horizontal; • Caixa de carga em alvenaria e com a largura maior que a profundidade; Grande producã̧o de biogás Área maior de exposicã̧o ao sol • Amplamente difundido: é hoje a tecnologia mais utilizada; • O biogás pode ser enviado para um gasômetro separado.
  16. 16. • Embora apresente a vantagem de ser de fácil construção, possui menor durabilidade.
  17. 17. A localização do biodigestor é de grande importância, uma vez que irá afetar o sucesso ou a falha da operação do sistema. • Deve estar pelo menos de 30 a 50 metros de qualquer fonte de água para evitar a possibilidade de contaminação; • Deve estar localizado preferencialmente em área protegida de ventos frios e onde a temperatura permanece relativamente estável, tentando receber o máximo de energia solar.
  18. 18. 2. CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS Natureza e Bioquímica da Composição da Biomassa Fermentação metanogênica Resíduos orgânicos de origem vegetal, animal, agroindustrial e doméstico. • As características bioquímicas devem permitir o desenvolvimento e a atividade microbiana anaeróbica.
  19. 19. Processo Microbiológico Requer não apenas fontes de carbono e nitrogênio, mas também devem estar presentes um certo equilíbrio de minerais. Substâncias com alto teor de lignina Não são diretamente utilizáveis; devem ser submetidos a tratamentos prévios.
  20. 20. Esterco animal A degradação dependerá principalmente do tipo de animal e do alimento que tenham recebido.
  21. 21. • As fontes de carbono mais utilizadas pelos micro-organismos são os carboidratos e compostos orgânicos, especialmente hexoses, que são degradadas por uma única via. CARBONO: Fonte de energia para as bactérias; NITROGÊNIO: Componente essencial para a formação de novas células bacterianas.
  22. 22. MÓDULO II Histórico da Produção de Biogás Fundamentos Bioquímicos Para Produção de Biogás
  23. 23. 3. HISTÓRICO DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS • Há relatos que o biogás já era conhecido há muito tempo, pois a producã̧o do mesmo a partir de resíduos organ̂icos é um processo extremamente antigo; • Comprovacõ̧es históricas mostram que a primeira instalaca̧õ de biodigestores surgiu na segunda metade do século XIX; • Alessandro Volta: pesquisador italiano descobre o gás metano, resultado da decomposicã̧o de restos vegetais em ambientes confinados;
  24. 24. • Em 1939 foi criado na cidade de Kampur, na Índia, o Institute Gobár Gás: criação da primeira usina de gás de esterco. • Esse trabalho pioneiro permitiu a construcã̧o de quase meio milhão de biodigestores na Índia. • A utilizacã̧o do biogás na Índia, como fonte de energia, motivou a China a adotar tal tecnologia a partir de 1958. • Em 1972, a China já possuía aproximadamente 7,2 milhões de biodigestores em atividade.
  25. 25. • Crise energética em 1973: a implantação de biodigestores passou a ser interessante para países ricos e de terceiro mundo. • Guerra fria: Devido a questões militares, surgiu interesse pelo uso de biodigestores. A China temeu que um ataque nuclear impedisse toda e qualquer atividade econom̂ica; • Foram desenvolvidos na época dois modelos diferentes de biodigestor: o modelo chineŝ e o modelo indiano.
  26. 26. • NOS DIAS ATUAIS… • O governo chineŝ considerou viável aperfeico̧ar as técnicas rudimentares de cultivo do solo, com os biodigestores ocupando papel de destaque; • No caso da Índia, a fome e a falta de combustíveis fósseis é que motivaram o desenvolvimento da tecnologia dos biodigestores. • Logo, os chineses priorizam o biofertilizante para producã̧o dos alimentos necessários a sua naca̧õ populosa e indianos focam no biogás para cobrir o imenso déficit de energia.
  27. 27. NO BRASIL… Estudos envolvendo o uso de biodigestores têm sido utilizados em duas principais vertentes: • Tratamento de efluentes; • Uso energético do biogás. Existe uma terceira vertente importante relacionada ao uso do efluente para melhorar a fertilidade de solo e, com isso, aumentar a sustentabilidade do sistema produtivo.
  28. 28. 4. FUNDAMENTOS BIOQUÍMICOS PARA PRODUÇÃO DE BIOGÁS Hidrólise • As enzimas produzidas pelas bactérias transformam polímeros, como amido e proteínas, em monômeros, como açúcares e aminoácidos.
  29. 29. Acidogênese • Na acidogênese, esses monômeros são transformados em ácidos graxos voláteis (AGV), como ácido butírico e ácido propiônico. Material orgânico simples Ácidos orgânicos simples
  30. 30. Acetogênese • Na acetogênese, esses ácidos graxos voláteis são transformados em ácido acético, gás carbônico e hidrogênio gasoso. Ácidos graxos voláteis CO2 H2 Ácido acético
  31. 31. Metanogênese O Ácido acético é transformado em metano e gás carbônico pelas bactérias metanogênicas acetoclásticas e o gás carbônico e o hidrogênio são combinados, formando metano, pelas bactérias metanogênicas hidrogenotróficas. Acetato CO2 H2 METANO
  32. 32.  Micro-organismos envolvidos em cada etapa de digestão anaeróbia • Os micro-organismos envolvidos no processo variará dependendo dos materiais a serem degradados. • Álcoois, ácidos graxos, e os anéis aromáticos podem ser degradados pela respiração anaeróbica. E. coli
  33. 33. Bactérias envolvidas na hidrólise • Bacteroides • Lactobacillus • Propionibacterium • Sphingomonas • Sporobacterium • Megasphaera • Bifidobacterium Lactobacillus sp Gêneros:
  34. 34. Bactérias envolvidas na acidogênese: Paenibacillus Ruminococcus Presentes em todas as fases, Archaeas mas são dominantes na acidogênica.
  35. 35. Bactérias envolvidas na acetogênese: • Estas bactérias só podem sobreviver em simbiose com o gênero que consome hidrogênio; • As bactérias acetogênicas redutoras de sulfato são capazes de degradar o lactato e o etanol, mas não são capazes de degradar os ácidos graxos e compostos aromáticos.
  36. 36. Bactérias envolvidas em metanogênese: As bactérias metanogênicas aparecem na segunda fase da fermentação, porém, a quantidade aumenta fase metanogênica. Principais espécies: • Methanosarcina • Methanobacterium • Methanospirillum hungatii
  37. 37. Fatores que Afetam a Produção de Biogás • Temperatura • Tempo de Retenção Hidráulica • Teor de Sólidos • Concentração de nutrientes • Concentrações de sólidos voláteis • Substâncias tóxicas • pH
  38. 38. Temperatura • A temperatura de operação do digestor, é considerado um dos principais parâmetros, devido à grande influência deste fator na taxa de digestão anaeróbia. • A velocidade da reação depende da velocidade de crescimento dos micro-organismos envolvidos, que por sua vez dependem da temperatura. Aumento da temperatura Velocidade de crescimento de micro-organismos é acelerada Aumento da produção de biogás
  39. 39. • As variações bruscas de temperatura no digestor pode desencadear a desestabilização do processo. • Existem três intervalos de temperatura em que se pode trabalhar com micro-organismos anaeróbicos: Psicrófilos (abaixo de 25 oC) Mesófilos (25 a 45 oC) Termófilos (entre 45 e 65 oC)
  40. 40.  Tempo de Retenção Hidráulica (TRH) • É o tempo necessário para a mistura ser digerida no digestor. • Ocorre quando a produção de gás é máxima, definindo o ponto de melhor qualidade do biogás no processo de biodigestão anaeróbia.
  41. 41. • O tempo de retenção é determinado, num processo contínuo, pela relação entre volume do biodigestor e o volume diário de carga introduzida. • Usualmente, o TRH dura de 30 a 45 dias. • Em algumas situações é possível a existência do biogás logo na primeira semana.
  42. 42.  Teor de Sólido Total • Material residual que fica em uma cápsula após secagem até peso constante em estufa em temperatura elevada (105oC); • Falta de água: pode provocar entupimento na tubulação; • Excesso de água: pode atrapalhar o processo da hidrólise, pois é exigida uma elevada carga de biomassa para que a mesma se processe adequadamente.
  43. 43.  Concentração de Nutrientes • São necessários macro e micronutrientes do processo anaeróbio para a síntese de nova de biomassa; • Deve existir uma relação carbono/nitrogênio mantida entre 20:1 e 30:1. EXCESSO DE NITROGÊNIO: pode levar a redução da produção de biogás, podendo ter como produto final compostos nitrogenados como a amônia ( NH3).
  44. 44.  Concentrações de Sólidos Voláteis (SV) • É a porção de sólidos totais que é liberada de uma amostra, volatilizando-se quando aquecida até peso constante a 600oC. • Os SV contêm componentes orgânicos, que, teoricamente, deveriam ser convertidos em metano.
  45. 45. Substâncias Tóxicas Uso de desinfetantes, antibióticos e bactericidas Podem “contaminar” o esterco, afetando as bactérias envolvidas no processo.
  46. 46. Características do Biogás • O metano é altamente combustível e inflamável, produzindo chama azul-clara e queimando em CO2 e H2O. • Possui alto poder calorífero. Composição do biogás: Fonte: LA FARGE (1979), APPUD COLDEBELLA (2006)
  47. 47. • A qualidade do biogás depende da quantidade de metano na mistura, ou seja, quanto maior for a quantidade de metano, melhor será o biogás em termos energéticos. • O Biogás com um teor de metano entre 50 e 80%, terá um poder calorífico entre 4,95 e 7,92 kWh/m . • A produção inicial do biodigestor contém muito dióxido de carbono (CO2), sendo totalmente inviável sua imediata utilização.
  48. 48.  Capacidade de Geração de Biogás em Função de Diferentes Resíduos • A geração de biogás depende da característica do resíduo, que é o substrato para o crescimento dos micro-organismos. • A dieta dos animais e sistema digestório, interferem na distinção dos resíduos quanto à potencialidade de produção de biogás.
  49. 49. MÓDULO III Viabilidade Econômica dos Biodigestores
  50. 50. 5. VIABILIDADE ECONÔMICA SEGUNDO COLDEBELLA, 2006. Propriedade 1: • 130 bovinos em regime de confinamento; • Biodigestor com 7 x 40 x 3 m de largura, comprimento e profundidade, respectivamente; • O sistema aproveita toda água de lavagem da sala de ordenha e do barracão de confinamento; • O biofertilizante é utilizado para fertirrigacã̧o; • O biogaś é utilizado para producã̧o de energia elétrica, por meio de um conjunto motor-gerador instalado na propriedade.
  51. 51. Propriedade 2: • 1.000 matrizes; • Os dejetos são conduzidos a um biodigestor com 10,5 x 55 x 4,5m de largura, comprimento e profundidade, respectivamente; • Biofertilizante é utilizado para fertirrigação; • Para a produção de energia elétrica, é usado o biogás.
  52. 52. Produção de biogás a partir de resíduos pecuários SV – sólidos voláteis; 1 – chorume diluído com águas de lavagem; 2 – chorume não diluído e sem material constituinte das camas dos animais, diluições podem variar entre 1:0,5 e 1:7, palha para cama entre 1 a 3 kg/animal/dia. (Fonte: Coldebella, 2006)
  53. 53. O sistema de cultivo e a quantidade de animais determinam a capacidade de produção de biogás. 127,4 m3/biogás/dia • Propriedade 1: 130 Vacas 0,980 m3/animal/dia de biogás • Propriedade 2: 933 m3/biogás/dia 1000 Porcas 0,933 m3/animal/dia de biogás
  54. 54. 1 m3 de biogás equivale a 6,5 kWh Eficiência (%) = (energia produzida kWh/m3 / 6,5 kWh/m3) * 100 • A energia produzida kWh/m3 é obtida convertendo-se a potência gerada em HP para kWh. Com essa conversão calcula-se a produção de energia em kWh/m3. 1HP equivale a 0,746 kW
  55. 55. O gasômetro é conectado ao motor-gerador ou motor-bomba, que permanece em funcionamento até que o biogás seja totalmente consumido. A implantação do biodigestor equivale a, aproximadamente, R$ 200,00/suíno e do conjunto motor-gerador cerca de R$ A implantação do biodigestor equivale a, aproximadamente, R$ 200,00/suíno e do conjunto motor-gerador cerca de R$ 440,00/kW. 440,00/kW.
  56. 56.  Conjunto Motor-gerador Motor originalmente a gasolina/diesel adaptado para o biogás acoplado Gerador de energia elétrica Equipado com um quadro de comando para monitorar o seu funcionamento.
  57. 57. Motor-gerador
  58. 58.  O Conjunto Motor-bomba Motor originalmente a gasolina/diesel, convertido para o biogás acoplado Bomba d’água acionada por um motor elétrico Utilizado para o bombeamento dos efluentes líquidos (biofertilizante)
  59. 59. Motor-bomba
  60. 60. • O tempo de retorno do investimento está em função do tempo de operação do equipamento, quanto menor for o tempo de operação, maior será o custo da energia elétrica. Propriedade 1 2,5h/dia Propriedade 2 10h/dia
  61. 61. Propriedade 1 • Implantação do biodigestor: R$ 50.000,00 • Motor-gerador: R$ 20.000,00 • Produção de 44 kWh de energia elétrica Propriedade 2 • Implantação do biodigestor: R$ 100.000,00 • Motor-gerador: R$ 20.000,00 • Produção de 36kWh de energia elétrica
  62. 62.  Custo da eletricidade (MWh) para a propriedade 1 (bovinocultura), de acordo com o tempo de amortização e o tempo de operação do gerador:
  63. 63.  Custo da eletricidade (MWh) para a propriedade 2 (suinocultura), de acordo com o tempo de amortização e tempo de operação do gerador:
  64. 64. • O tempo de retorno deste investimento está relacionado com o valor pago pelo produtor por kWh à concessionária de energia elétrica. • Quanto maior for o tempo diário de operacã̧o do sistema, menor será o tempo de retorno do investimento. • Para propriedades rurais o custo cobrado gira em torno de R$ 300,00/MWh.
  65. 65.  Tempo de retorno do investimento para a propriedade 1.
  66. 66.  Tempo de retorno do investimento para a propriedade 2.
  67. 67. Somando-se a produção de energia elétrica à economia gerada pelo uso do biogás com o sistema de bombeamento para irrigação, reduz o tempo de retorno do investimento.
  68. 68.  Cogeração de Energia Elétrica • É a produção combinada de calor e eletricidade; • Para o motor-gerador, a eficiência de conversão em energia elétrica é relativamente reduzida; • A eficiência varia entre 25% e 38%, em relação à energia inicial presente no biogás; • Geralmente, os motores a diesel apresentam rendimentos de 3 a 5 pontos percentuais a mais que os motores operados a gás.
  69. 69. CCaassoo ddee SSuucceessssoo
  70. 70. MÓDULO IV Análises do Processo Biofertilizante
  71. 71. 6. ANÁLISES DO PROCESSO Teor de Sólido Total Material orgânico Água Sólidos totais Secagem até peso constante A mobilidade das bactérias metanogênicas no substrato é limitada à medida que aumenta o teor de sólidos e, portanto, podem afetar a eficiência e produção de gás.
  72. 72. Teor de Sólidos Não Voláteis • É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica; • Obtidos por calcinação.
  73. 73. Teor de Sólidos Voláteis Sólidos Totais Sólidos Voláteis - = Sólidos Totais Fixos • A dosagem é realizada para caracterização da matéria biodegradável utilizando-se uma mufla. • Quanto maior a quantidade de matéria biodegradável, maior é o potencial de produção do biogás.
  74. 74. Sólidos Sedimentáveis • Representam os sólidos presentes na amostra que podem ser removidos por decantação. • Teste volumétrico.
  75. 75. Análises Físico-químicas • pH • Alcalinidade • Acidez • Temperatura • DBO • DQO • Amônia • Amônio • Nitrito • Nitrato • Cálcio • Fósforo • Magnésio • Potássio
  76. 76. pH • Processo anaeróbio é adversamente afetado por pequenas mudanças nos níveis de pH; • Organismos metanogênicos são mais susceptíveis. Ideal entre 5,5 e 6,5 Bactérias acidogênicas Bactérias metanogênicas Ideal entre 7,8 e 8,2
  77. 77.  Alcalinidade e Acidez Método Titulométrico  Temperatura do Biogás Medição de temperatura deve ser realizada diariamente com auxílio de um termômetro diretamente do gasômetro.
  78. 78.  DBO e DQO Demanda Bioquímica de Oxigênio Oxigênio consumido (mg L-1) após oxidação biológica. Demanda Química de Oxigênio Oxigênio consumido (mg L-1) após oxidação química.
  79. 79.  Análise de Nutrientes • Análises laboratoriais de amônia, amônio, nitrito, nitrato, cálcio, fósforo, magnésio e potássio. Fotômetro de Bancada Multiparâmetro
  80. 80. Análises Microbiológicas • Avaliação quantitativa da recuperação bacteriana após cultura seletiva das amostras do afluente (carga inicial) e efluentes do biodigestor.
  81. 81. EMB
  82. 82. BE com Azida
  83. 83. Com a análise quantitativa, verificou-se a diminuição das populações bacterianas no decorrer da digestão anaeróbia. Este resultado indica a eliminação das bactérias patogênicas dos resíduos, o que permite a redução do potencial poluidor e dos riscos sanitários dos dejetos.
  84. 84.  Análise de Biogás • Composição média do biogás ao longo do tempo; Análise em cromatografia gasosa do biogás produzido a partir de dejetos bovinos.
  85. 85. 7. BIOFERTILIZANTES  Conceito Matéria orgânica rica em elementos minerais. Possui grande capacidade de recuperar os solos degradados!
  86. 86. Composição Básica do Biofertilizante Macro e Micronutrientes Nitrogênio Enxofre Molibdênio Fósforo Sódio Boro Potássio Ferro Cobre Cálcio Cloro Zinco Magnésio Sílica Manganês A composição varia de acordo com a matéria-prima a ser fermentada.
  87. 87. Ação do Biofertilizante no Solo Corretor de acidez (pH = 7,5) Dificulta a multiplicacão de ̧ fungos não benéficos. • Mantém os sais minerais em formas aproveitáveis pelas plantas, evitando que esses sais sejam levados pelas águas; • Melhora a estrutura e a textura, deixando-o mais fácil de ser trabalhado e facilitando a penetracã̧o das raízes.
  88. 88. • Dá firmeza ao solo, de modo que resistam à ação desagregadora da água; • Deixa a terra com estrutura mais porosa, permitindo maior penetração do ar; • Favorece a multiplicação das bactérias, fixando o nitrogênio atmosférico; • Aumenta a produtividade e reduz o perigo de infestações nas lavouras.
  89. 89. 8. VANTAGENS E DESVANTAGENS  Vantagens da tecnologia da biodigestão: • Requer menos espaço que aterros sanitários e compostagem; • Diminui o volume de resíduo a ser descartado; • Reduz o problema de saneamento ambiental com o aproveitamente de dejetos animais e vegetais; • Produção de biofertilizante.
  90. 90. • Reduz significativamente a quantidade emitida de metano na atmosfera; • Constitui uma fonte de renda para propriedades rurais; • Geração de créditos de carbono.
  91. 91. Produtividade • Aumento de forragem • Redução de custos energéticos Meio Ambiente Saúde • Preservação da vegetação local • Melhoria da qualidade do solo • Melhoria da qualidade do ar no ambiente doméstico • Melhoria das condições sanitárias Fonte: adaptado de Instituto WINROCK, (2008)
  92. 92.  Desvantagens da tecnologia da biodigestão: • Variabilidade da produção de biogás em função do clima. • A quantidade de energia gerada pelo biogás não é constante; • Formação de gás sulfídrico, aumentando custos de manutenção devido à corrosão. • Custo de investimento inicial e de manutenção; • Período de retorno do investimento varia com a tecnologia disponível.
  93. 93. Obrigado! marcelo.otenio@embrapa.br (32) 3311-7400

×