SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Fundamentos da MFC




                     Verônica Cisneiros
Pérolas sobre a MFC!
 “Quem sabe UTI sabe trabalhar em posto”
 “É o clinico geral antigo que ia na casa das
   pessoas”
 “É aquele que não se especializou em nada”
 “É uma nova especialidade no Brasil”
 “Qualquer um pode ser médico de posto
   porque só atende doença simples e comum”
 “Ninguém pode saber tudo”
 “Invenção brasileira”
APS X MFC

 APS = atenção primária à saúde

                     “Lugar”
 MFC = Medicina de Família e Comunidade

              “Especialidade”
 PSF = Programa Saúde da Família

        “Estratégia de estado”
Definição de APS:


“Atenção de primeiro contato. Continua,
global e coordenada que se proporciona
à população sem distinção de gênero, ou
enfermidade, ou sistema orgânico”
                     (Bárbara Starfield)
Princípios da APS

   Primeiro nível do sistema: complexo mas
    com baixa densidade tecnológica (não se usa
    mais baixa complexidade)
   Problemas frequentes (não simples)
   Problemas não diferenciados/ incertos
Ecology of Health System:

                           2001:
                  2001




Prevalência mensal de problemas de saúde na comunidade e os papéis de várias fontes de atendimento de saúde (Green etal, 2001). N Engl J
Med, Vol. 344, No. 26 · June 28, 2001 · www.nejm.org
Ecology of Health System:

                     1961:
           1961




Monthly Prevalence Estimates of Illness in the Community and the Roles of Physicians, Hospitals, and University
Medical Centers in the Provision of Medical Care. Data are for persons 16 years of age and older. Reprinted from the
1961 report by White et al.1
MFC no Brasil
 Brasil:
    1976-1981: Medicina Comunitária, Medicina Social,
       Medicina Integral - primeiras experiências
      1978: Seminário da Abem: Médico de Família ou
       Clinico Geral
      1981: CNRM aceita a Medicina Geral e Comunitária
      1986: CFM aceita a Medicina Geral e Comunitária
      1994: PSF
      2001: SBMGC muda o nome para Medicina de
       Família e Comunidade (MFC) – unificação das
       especialidades pela AMB e CFM
      2003: AMB aceita a especialidade MFC
Surgimento da Medicina no Mundo
  Século XVIII:
     Os médicos eram pequeno grupo de elite
     Não faziam cirurgias. Os cirurgiões eram artesãos.
     Na grã-bretanha boticários e cirurgiões cresceram em
       importância.

  Início do Século XIX (1815)
     ApothecariesAct reconheceu o direito dos boticários
      darem aconselhamento médico.
     LCA (LicenciateoftheSociety os Apothecaries)
     MRCS (Membersof Royal College os Surgeons
                           Surge a moderna profissão médica.
Era do Clínico Geral x Era da
                            Especialização
 A Era do Clínico Geral:
    Seculo XIX
    1892 surge a pediatria
    1889: Marco do desenvolvimento da Educação Médica
      pela fundação John Hopkins

 A Era da Especialização (focal)
    1910: Relatório de Flexner
    1930: Flexner usou o Jonh Hopkins e escolas médicas
     alemãs como modelos.
    Ciências de laboratório e tecnologia da medicina
    Diminui o número de clínicos gerais.
Surgimento da MFC no Mundo
           (Canadá, Reino Unido, Holanda, Austrália dentre outros)


 Problemas da especialização:
   Fragmentação da profissão médica
   Deterioração da relação entre pessoa e médico
   Aumento de processos por erro médico
   Baixa resolutividade no âmbito populacional

 Novas necessidades
   De um novo tipo de médico generalista
   Não mais definido pela falta de treinamento e
    qualificação, mas com um conjunto de habilidades
   1966, Millis (EUA): TheGraduateEducationofPhysicians
   1996, willard: Meeting theChallengeofFamilyPratice
O Que é o Médico de Família e
                                   Comunidade?
 Não é especialista em partes do corpo (cardiologia,
    nefrologista)
 Nem em grupo de doenças (infectologista, hematologista)

 Nem em determinadas técnicas (radiologia, análises clínicas)

 Nem é especialista em faixas etárias (pediatria, geriatria)

O MFC é especialista em pessoas! No seu contexto familiar,
   social, cultural e ambiental! Na comunidade onde vivem! O
   médico de família é, então, um médico especializado nos
   cuidados de saúde das pessoas, que pertencem a uma
   família e vivem numa determinada comunidade.

                McWhiney IR. Freeman T. Manual de Medicina de Família e Comunidade. Artmed. 2010
Medicina de Família e Comunidade:
           MFC ≠ (Clínico + GO + Pediatra + Sanitarista)




 “Family Medicine Programme (Australia): The RACGP's Family Medicine
 Programme, set up in 1974, recognised that general practice was more than an
 amalgam of bits of internal medicine, paediatrics, obstetrics and surgery, and
 that it required a rigorous vocational training to fit the undifferentiated medical
 graduate for independent practice. “
A MFC e a APS

A medicina de família e comunidade – MFC – é uma
   especialidade médica com foco privilegiado na APS e,
   por isso, é considerada especialidade estratégica na
   conformação dos sistemas de saúde. Cabe à MFC,
   partindo de um primeiro contato,cuidar de forma
   longitudinal, integral e coordenada, da saúde de uma
   pessoa, considerando seu contexto familiar e
   comunitário. Portanto, a medicina de família e
   comunidade é um componente primordial da atenção
   primária à saúde , cabendo a ela a coordenação da
   atenção prestada em outros níveis.
Competências da Especialidade


         Solução de problemas não diferenciados;

         Competências preventivas;

         Competências terapêuticas;

         Competências de gestão de recursos



Mc.Whinney,I.R. “An Introduction to Family Medicine” Oxford University Press,United
Kingdon,2009
Medicina de Família e Comunidade:
ferramentas
   Abordagem Centrada na Pessoa
   Genograma
   Ecomapa
   Georreferenciamento
   Identificação de risco e vulnerabilidade
   Genograma
   Formação de grupos de educação popular
   Ações educativas e de rastreamento
   Vínculo
   Clínica ampliada
   Cogestão
   Equipes de referência e apoio matricial
   Acolhimento
   Projeto terapêutico singular
Princípios da Medicina de Família e
                       Comunidade
 MFC são comprometidos com a pessoa, e não
   com um conjunto de conhecimentos, grupo de
   doenças ou técnica especial;
 MFC procuram entender o contexto da
   experiência com a doença;
 O MFC vê cada contato com as pessoas como
   uma oportunidade de prevenção de doenças
   ou promoção da saúde;
 O MFC vê as pessoas que atende, não apenas
   como pessoa isoladamente, mas como uma
   “população de risco.”
     McWhiney IR. Freeman T. Manual de Medicina de Família e Comunidade. Artmed. 2010
Princípios da Medicina de Família e
                       Comunidade
 O MFC considera-se parte de uma rede
   comunitária de agências de apoio e de atenção
   à saúde;
 O MFC visita as pessoas em suas casas;
 O MFC dá importância aos aspectos subjetivos
   da medicina. Sendo inclusive autorreflexiva;
 O MFC é um gerenciador de recursos. Sendo
   capazes de controlar hospitalizações, pedidos
   de exames, prescrição de tratamentos, ealém
   de fazer encaminhamentos a especialistas.
   Enfim, administra os recursos de forma a
   beneficiar as pessoas e comunidade como um
   todo.
 “O MFC do Rei da Espanha sabe
                 menos cardiologia do que um
                 cardiologista, mas é o que mais sabe
                 sobre o Rei!” (citação dos MFC
                 espanhóis)

               “ O MFC deve proteger os pacientes
                 dos especialistas inadequados e os
                 especialistas dos pacientes
                 inadequados” (J. Fry)
Frases
Sobre a MFC
               “Não importa saber apenas que
                 doença a pessoa tem, mas que
                 pessoa tem essa doença” (Osler)
A SBMFC éfiliadaàsprincipaissociedades e organizações
            da especialidade em nívelmundial:
 (a) ConfederaçãoIbero-Americana de Medicina Familiar
(CIMF); (b) Organização Mundial dos MédicosGerais, de
  Família e Comunidade (WONCA); (c) AssociaçãoSaúde
     em Português (sede em Portugal) ; (d) “Action in
     International Medicine”, com sedenaInglaterra.


      APEMFC
      Associação Pernambucana de Medicina de Família e
      Comunidade
                                        Filiada à SBMFC
La Costa del Mar de La Incertidumbre
El buen medico general/de familia navega alegre y confiado por el Mar de la incertidumbre, y cuando cree que
son necesarias las dotes diagnosticas y terapeuticas de los especilistas, se dirige al Puerto adecuado, para
desembarcar al paciente em la Tierra de los Síntomas. Hay un Puerto adecuado, por cada especialidad (Puerto
de Oftalmologia, Puerto de Pediatria, etc.), donde esperan hábiles cíclopes con una lente por ojo único.
El cíclope es muy competente em su campo y examina detenidamente al paciente en busca de un diagnostico al
que aplicar sus conocimientos. Si el médico general se equivoca de Puerto, el paciente corre peligro,[...], manda
el paciente de Puerto en Puerto, en lugar de derivarlo a su mécico general.[...]
También es muy peligroso, y requiere hacerlo com experiencia y ciencia, desembarcar pasajeros em el Puerto e
Urgencias, particularmente ajetreado, donde se considera todo diagnóstico como posible e importante, y
encuentra lugar todo incoveniente de la intervención médica.*…+
Los cíclopes están obsesionados por pasar a los pacientes de la tierra de los Síntomas al Reino de los
Diagnósticos, y allí al Imperio de los trtamientos, y por evitar el Mar de la Incertidumbre que los separa.en todo
ello, el paciente pude mejorar, pero cuando se compara con la actividad de os médicos generales, éstos resulten
los mismos casos com menos actividades diagnósticas y menos diagnósticos.(Aventurasydesventuras de los
navegantessolitarios en el Mar de la IncertidumbreJ.GérvasyM.PérezFernández )




                                                                                              Obrigada!
                                                                                     Verônica G. F. Cisneiros
                                      APEMFC – Associação Pernambucana de Medicina de Família e Comunidade
                                             GEMFC – Grupo de Estudos em Medicina de Família e Comunidade
                                                                             Veronica.cisneiros@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cuidados farmacêuticos em neonatologia
Cuidados farmacêuticos em neonatologiaCuidados farmacêuticos em neonatologia
Cuidados farmacêuticos em neonatologiasbrassica
 
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUSO farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUSCentro Universitário Ages
 
Palestra - Profissão Farmacêutica
Palestra - Profissão FarmacêuticaPalestra - Profissão Farmacêutica
Palestra - Profissão FarmacêuticaThalles Peixoto
 
Erros de medicação
Erros de medicaçãoErros de medicação
Erros de medicaçãoenfanhanguera
 
Teoria da adaptação (Callista Roy)
Teoria da adaptação (Callista Roy)Teoria da adaptação (Callista Roy)
Teoria da adaptação (Callista Roy)Luana Santos
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherKarina Pereira
 
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...Leonardo Savassi
 
Apostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagemApostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagemAretusa Delfino
 
Medicações e diluições em neonatologia
Medicações e diluições em neonatologiaMedicações e diluições em neonatologia
Medicações e diluições em neonatologiaLetícia Spina Tapia
 
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legalAssistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legalMarcelo Polacow Bisson
 
AULA Atenção Domiciliar UFOP 2014 - 02 - Disciplina Medicina de Família e Com...
AULA Atenção Domiciliar UFOP 2014 - 02 - Disciplina Medicina de Família e Com...AULA Atenção Domiciliar UFOP 2014 - 02 - Disciplina Medicina de Família e Com...
AULA Atenção Domiciliar UFOP 2014 - 02 - Disciplina Medicina de Família e Com...Leonardo Savassi
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherFernanda Marinho
 
Eventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).ppt
Eventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).pptEventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).ppt
Eventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).pptMarthaAraujo8
 
Organização e funcionamento do SUS
Organização e funcionamento do SUSOrganização e funcionamento do SUS
Organização e funcionamento do SUSJaime Freitas
 

Mais procurados (20)

Cuidados farmacêuticos em neonatologia
Cuidados farmacêuticos em neonatologiaCuidados farmacêuticos em neonatologia
Cuidados farmacêuticos em neonatologia
 
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUSO farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
 
Palestra - Profissão Farmacêutica
Palestra - Profissão FarmacêuticaPalestra - Profissão Farmacêutica
Palestra - Profissão Farmacêutica
 
Medicamento um direito essencial
Medicamento um direito essencialMedicamento um direito essencial
Medicamento um direito essencial
 
Erros de medicação
Erros de medicaçãoErros de medicação
Erros de medicação
 
Teoria da adaptação (Callista Roy)
Teoria da adaptação (Callista Roy)Teoria da adaptação (Callista Roy)
Teoria da adaptação (Callista Roy)
 
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da MulherPolítica Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
Política Nacional de Atenção Integral á Saúde da Mulher
 
O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (MACC) NA APS
O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (MACC) NA APSO MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (MACC) NA APS
O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS (MACC) NA APS
 
Novo financiamento da APS
Novo financiamento da APSNovo financiamento da APS
Novo financiamento da APS
 
Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)
 
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
IAPS 3 UFMG Educação em saúde mudança de comportamento e habilidade de comuni...
 
Apostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagemApostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagem
 
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
 
Medicações e diluições em neonatologia
Medicações e diluições em neonatologiaMedicações e diluições em neonatologia
Medicações e diluições em neonatologia
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legalAssistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
Assistência e Atenção Farmacêutica - Histórico, Conceitos e embasamento legal
 
AULA Atenção Domiciliar UFOP 2014 - 02 - Disciplina Medicina de Família e Com...
AULA Atenção Domiciliar UFOP 2014 - 02 - Disciplina Medicina de Família e Com...AULA Atenção Domiciliar UFOP 2014 - 02 - Disciplina Medicina de Família e Com...
AULA Atenção Domiciliar UFOP 2014 - 02 - Disciplina Medicina de Família e Com...
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
 
Eventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).ppt
Eventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).pptEventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).ppt
Eventos Adversos a Medicamentos_parte II com animação 02 (1).ppt
 
Organização e funcionamento do SUS
Organização e funcionamento do SUSOrganização e funcionamento do SUS
Organização e funcionamento do SUS
 

Destaque

Apresentação jose mauro l opes principios
Apresentação jose mauro l opes principiosApresentação jose mauro l opes principios
Apresentação jose mauro l opes principiosCarla Couto
 
2012 principios da APS UFOP
2012 principios da APS UFOP2012 principios da APS UFOP
2012 principios da APS UFOPLeonardo Savassi
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaRuth Milhomem
 
MFC em situações especiais: : Medicina Rural
MFC em situações especiais: : Medicina RuralMFC em situações especiais: : Medicina Rural
MFC em situações especiais: : Medicina RuralLeonardo Savassi
 
Curriculo baseado em competencias(1)
Curriculo baseado em competencias(1)Curriculo baseado em competencias(1)
Curriculo baseado em competencias(1)Inaiara Bragante
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeFelipe Assan Remondi
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Luis Dantas
 
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de SaúdeProcesso Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúdeferaps
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaGhiordanno Bruno
 

Destaque (14)

Apresentação jose mauro l opes principios
Apresentação jose mauro l opes principiosApresentação jose mauro l opes principios
Apresentação jose mauro l opes principios
 
2012 principios da APS UFOP
2012 principios da APS UFOP2012 principios da APS UFOP
2012 principios da APS UFOP
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
MFC em situações especiais: : Medicina Rural
MFC em situações especiais: : Medicina RuralMFC em situações especiais: : Medicina Rural
MFC em situações especiais: : Medicina Rural
 
Curriculo baseado em competencias(1)
Curriculo baseado em competencias(1)Curriculo baseado em competencias(1)
Curriculo baseado em competencias(1)
 
principios de APS
principios de APSprincipios de APS
principios de APS
 
Rede de atenção
Rede de atençãoRede de atenção
Rede de atenção
 
Atenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúdeAtenção básica e redes de atenção à saúde
Atenção básica e redes de atenção à saúde
 
Abordagem Centrada na Pessoa
Abordagem Centrada na PessoaAbordagem Centrada na Pessoa
Abordagem Centrada na Pessoa
 
Que es la medicina familiar
Que es la medicina familiarQue es la medicina familiar
Que es la medicina familiar
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de SaúdeProcesso Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 

Semelhante a Fundamentos da APS e da MFC

Profissionais da área de saúde e as entidades de atendimento médico hospitala...
Profissionais da área de saúde e as entidades de atendimento médico hospitala...Profissionais da área de saúde e as entidades de atendimento médico hospitala...
Profissionais da área de saúde e as entidades de atendimento médico hospitala...Sérgio Henrique da Silva Pereira
 
372566807-Aula-1-Fundamentos-Pptx-1.pdft
372566807-Aula-1-Fundamentos-Pptx-1.pdft372566807-Aula-1-Fundamentos-Pptx-1.pdft
372566807-Aula-1-Fundamentos-Pptx-1.pdftmillyaneecavalcantee
 
9 -politicas_publicas_de_saude_e_a_dessoma_-_regina_dias
9  -politicas_publicas_de_saude_e_a_dessoma_-_regina_dias9  -politicas_publicas_de_saude_e_a_dessoma_-_regina_dias
9 -politicas_publicas_de_saude_e_a_dessoma_-_regina_diasFernanda Silva
 
Cuidados paliativos...uma missão
Cuidados paliativos...uma missãoCuidados paliativos...uma missão
Cuidados paliativos...uma missãoeccifafe
 
AULA- o que é saude coletiva.pdf
AULA- o que é saude coletiva.pdfAULA- o que é saude coletiva.pdf
AULA- o que é saude coletiva.pdfJOSILENEOLIVEIRA24
 
LATEC - UFF. A COMUNICAÇÃO MÉDICO-PACIENTE NO TRATAMENTO ONCOLÓGICO.
LATEC - UFF. A COMUNICAÇÃO MÉDICO-PACIENTE NO TRATAMENTO ONCOLÓGICO.LATEC - UFF. A COMUNICAÇÃO MÉDICO-PACIENTE NO TRATAMENTO ONCOLÓGICO.
LATEC - UFF. A COMUNICAÇÃO MÉDICO-PACIENTE NO TRATAMENTO ONCOLÓGICO.LATEC - UFF
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS NO TERRITÓRIO LCL 20 27.04.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS NO TERRITÓRIO LCL 20 27.04.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS NO TERRITÓRIO LCL 20 27.04.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS NO TERRITÓRIO LCL 20 27.04.pptxProf. Lobo
 
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdfAndreRavienni
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologiaAndressawm
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologiaAndressawm
 
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptxINTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptxBeatrizWilmann
 
Legislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptxLegislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptxGizeleSantos10
 
Genética na atenção primária à saúde
Genética na atenção primária à saúdeGenética na atenção primária à saúde
Genética na atenção primária à saúdeHector Wanderley
 

Semelhante a Fundamentos da APS e da MFC (20)

European definition in portuguese 2002
European definition in portuguese 2002European definition in portuguese 2002
European definition in portuguese 2002
 
Revista cremerj
Revista cremerjRevista cremerj
Revista cremerj
 
Profissionais da área de saúde e as entidades de atendimento médico hospitala...
Profissionais da área de saúde e as entidades de atendimento médico hospitala...Profissionais da área de saúde e as entidades de atendimento médico hospitala...
Profissionais da área de saúde e as entidades de atendimento médico hospitala...
 
Criterios tratamentos infecções uti
Criterios tratamentos infecções utiCriterios tratamentos infecções uti
Criterios tratamentos infecções uti
 
372566807-Aula-1-Fundamentos-Pptx-1.pdft
372566807-Aula-1-Fundamentos-Pptx-1.pdft372566807-Aula-1-Fundamentos-Pptx-1.pdft
372566807-Aula-1-Fundamentos-Pptx-1.pdft
 
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
SUS e Políticas de Saúde - Medicina de Família e Comunidade e Saúde Coletiva
 
9 -politicas_publicas_de_saude_e_a_dessoma_-_regina_dias
9  -politicas_publicas_de_saude_e_a_dessoma_-_regina_dias9  -politicas_publicas_de_saude_e_a_dessoma_-_regina_dias
9 -politicas_publicas_de_saude_e_a_dessoma_-_regina_dias
 
Introdução seminário Terapias Complementares em Oncologia
Introdução seminário Terapias Complementares em OncologiaIntrodução seminário Terapias Complementares em Oncologia
Introdução seminário Terapias Complementares em Oncologia
 
Cuidados paliativos...uma missão
Cuidados paliativos...uma missãoCuidados paliativos...uma missão
Cuidados paliativos...uma missão
 
AULA- o que é saude coletiva.pdf
AULA- o que é saude coletiva.pdfAULA- o que é saude coletiva.pdf
AULA- o que é saude coletiva.pdf
 
LATEC - UFF. A COMUNICAÇÃO MÉDICO-PACIENTE NO TRATAMENTO ONCOLÓGICO.
LATEC - UFF. A COMUNICAÇÃO MÉDICO-PACIENTE NO TRATAMENTO ONCOLÓGICO.LATEC - UFF. A COMUNICAÇÃO MÉDICO-PACIENTE NO TRATAMENTO ONCOLÓGICO.
LATEC - UFF. A COMUNICAÇÃO MÉDICO-PACIENTE NO TRATAMENTO ONCOLÓGICO.
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS NO TERRITÓRIO LCL 20 27.04.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS NO TERRITÓRIO LCL 20 27.04.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS NO TERRITÓRIO LCL 20 27.04.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS NO TERRITÓRIO LCL 20 27.04.pptx
 
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptxINTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
INTRODUÇÃO À ENFERMAGEM.pptx
 
Legislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptxLegislação Profissional (Aula 01).pptx
Legislação Profissional (Aula 01).pptx
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
 
Pesquisa em APS
Pesquisa em APSPesquisa em APS
Pesquisa em APS
 
Genética na atenção primária à saúde
Genética na atenção primária à saúdeGenética na atenção primária à saúde
Genética na atenção primária à saúde
 

Último

Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 

Último (9)

Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 

Fundamentos da APS e da MFC

  • 1. Fundamentos da MFC Verônica Cisneiros
  • 2. Pérolas sobre a MFC!  “Quem sabe UTI sabe trabalhar em posto”  “É o clinico geral antigo que ia na casa das pessoas”  “É aquele que não se especializou em nada”  “É uma nova especialidade no Brasil”  “Qualquer um pode ser médico de posto porque só atende doença simples e comum”  “Ninguém pode saber tudo”  “Invenção brasileira”
  • 3. APS X MFC  APS = atenção primária à saúde “Lugar”  MFC = Medicina de Família e Comunidade “Especialidade”  PSF = Programa Saúde da Família “Estratégia de estado”
  • 4. Definição de APS: “Atenção de primeiro contato. Continua, global e coordenada que se proporciona à população sem distinção de gênero, ou enfermidade, ou sistema orgânico” (Bárbara Starfield)
  • 5. Princípios da APS  Primeiro nível do sistema: complexo mas com baixa densidade tecnológica (não se usa mais baixa complexidade)  Problemas frequentes (não simples)  Problemas não diferenciados/ incertos
  • 6. Ecology of Health System:  2001: 2001 Prevalência mensal de problemas de saúde na comunidade e os papéis de várias fontes de atendimento de saúde (Green etal, 2001). N Engl J Med, Vol. 344, No. 26 · June 28, 2001 · www.nejm.org
  • 7. Ecology of Health System:  1961: 1961 Monthly Prevalence Estimates of Illness in the Community and the Roles of Physicians, Hospitals, and University Medical Centers in the Provision of Medical Care. Data are for persons 16 years of age and older. Reprinted from the 1961 report by White et al.1
  • 8. MFC no Brasil  Brasil:  1976-1981: Medicina Comunitária, Medicina Social, Medicina Integral - primeiras experiências  1978: Seminário da Abem: Médico de Família ou Clinico Geral  1981: CNRM aceita a Medicina Geral e Comunitária  1986: CFM aceita a Medicina Geral e Comunitária  1994: PSF  2001: SBMGC muda o nome para Medicina de Família e Comunidade (MFC) – unificação das especialidades pela AMB e CFM  2003: AMB aceita a especialidade MFC
  • 9. Surgimento da Medicina no Mundo  Século XVIII:  Os médicos eram pequeno grupo de elite  Não faziam cirurgias. Os cirurgiões eram artesãos.  Na grã-bretanha boticários e cirurgiões cresceram em importância.  Início do Século XIX (1815)  ApothecariesAct reconheceu o direito dos boticários darem aconselhamento médico.  LCA (LicenciateoftheSociety os Apothecaries)  MRCS (Membersof Royal College os Surgeons Surge a moderna profissão médica.
  • 10. Era do Clínico Geral x Era da Especialização  A Era do Clínico Geral:  Seculo XIX  1892 surge a pediatria  1889: Marco do desenvolvimento da Educação Médica pela fundação John Hopkins  A Era da Especialização (focal)  1910: Relatório de Flexner  1930: Flexner usou o Jonh Hopkins e escolas médicas alemãs como modelos.  Ciências de laboratório e tecnologia da medicina  Diminui o número de clínicos gerais.
  • 11. Surgimento da MFC no Mundo (Canadá, Reino Unido, Holanda, Austrália dentre outros)  Problemas da especialização:  Fragmentação da profissão médica  Deterioração da relação entre pessoa e médico  Aumento de processos por erro médico  Baixa resolutividade no âmbito populacional  Novas necessidades  De um novo tipo de médico generalista  Não mais definido pela falta de treinamento e qualificação, mas com um conjunto de habilidades  1966, Millis (EUA): TheGraduateEducationofPhysicians  1996, willard: Meeting theChallengeofFamilyPratice
  • 12. O Que é o Médico de Família e Comunidade?  Não é especialista em partes do corpo (cardiologia, nefrologista)  Nem em grupo de doenças (infectologista, hematologista)  Nem em determinadas técnicas (radiologia, análises clínicas)  Nem é especialista em faixas etárias (pediatria, geriatria) O MFC é especialista em pessoas! No seu contexto familiar, social, cultural e ambiental! Na comunidade onde vivem! O médico de família é, então, um médico especializado nos cuidados de saúde das pessoas, que pertencem a uma família e vivem numa determinada comunidade. McWhiney IR. Freeman T. Manual de Medicina de Família e Comunidade. Artmed. 2010
  • 13. Medicina de Família e Comunidade: MFC ≠ (Clínico + GO + Pediatra + Sanitarista) “Family Medicine Programme (Australia): The RACGP's Family Medicine Programme, set up in 1974, recognised that general practice was more than an amalgam of bits of internal medicine, paediatrics, obstetrics and surgery, and that it required a rigorous vocational training to fit the undifferentiated medical graduate for independent practice. “
  • 14. A MFC e a APS A medicina de família e comunidade – MFC – é uma especialidade médica com foco privilegiado na APS e, por isso, é considerada especialidade estratégica na conformação dos sistemas de saúde. Cabe à MFC, partindo de um primeiro contato,cuidar de forma longitudinal, integral e coordenada, da saúde de uma pessoa, considerando seu contexto familiar e comunitário. Portanto, a medicina de família e comunidade é um componente primordial da atenção primária à saúde , cabendo a ela a coordenação da atenção prestada em outros níveis.
  • 15. Competências da Especialidade  Solução de problemas não diferenciados;  Competências preventivas;  Competências terapêuticas;  Competências de gestão de recursos Mc.Whinney,I.R. “An Introduction to Family Medicine” Oxford University Press,United Kingdon,2009
  • 16. Medicina de Família e Comunidade: ferramentas  Abordagem Centrada na Pessoa  Genograma  Ecomapa  Georreferenciamento  Identificação de risco e vulnerabilidade  Genograma  Formação de grupos de educação popular  Ações educativas e de rastreamento  Vínculo  Clínica ampliada  Cogestão  Equipes de referência e apoio matricial  Acolhimento  Projeto terapêutico singular
  • 17. Princípios da Medicina de Família e Comunidade  MFC são comprometidos com a pessoa, e não com um conjunto de conhecimentos, grupo de doenças ou técnica especial;  MFC procuram entender o contexto da experiência com a doença;  O MFC vê cada contato com as pessoas como uma oportunidade de prevenção de doenças ou promoção da saúde;  O MFC vê as pessoas que atende, não apenas como pessoa isoladamente, mas como uma “população de risco.” McWhiney IR. Freeman T. Manual de Medicina de Família e Comunidade. Artmed. 2010
  • 18. Princípios da Medicina de Família e Comunidade  O MFC considera-se parte de uma rede comunitária de agências de apoio e de atenção à saúde;  O MFC visita as pessoas em suas casas;  O MFC dá importância aos aspectos subjetivos da medicina. Sendo inclusive autorreflexiva;  O MFC é um gerenciador de recursos. Sendo capazes de controlar hospitalizações, pedidos de exames, prescrição de tratamentos, ealém de fazer encaminhamentos a especialistas. Enfim, administra os recursos de forma a beneficiar as pessoas e comunidade como um todo.
  • 19.  “O MFC do Rei da Espanha sabe menos cardiologia do que um cardiologista, mas é o que mais sabe sobre o Rei!” (citação dos MFC espanhóis)  “ O MFC deve proteger os pacientes dos especialistas inadequados e os especialistas dos pacientes inadequados” (J. Fry) Frases Sobre a MFC  “Não importa saber apenas que doença a pessoa tem, mas que pessoa tem essa doença” (Osler)
  • 20. A SBMFC éfiliadaàsprincipaissociedades e organizações da especialidade em nívelmundial: (a) ConfederaçãoIbero-Americana de Medicina Familiar (CIMF); (b) Organização Mundial dos MédicosGerais, de Família e Comunidade (WONCA); (c) AssociaçãoSaúde em Português (sede em Portugal) ; (d) “Action in International Medicine”, com sedenaInglaterra. APEMFC Associação Pernambucana de Medicina de Família e Comunidade Filiada à SBMFC
  • 21. La Costa del Mar de La Incertidumbre El buen medico general/de familia navega alegre y confiado por el Mar de la incertidumbre, y cuando cree que son necesarias las dotes diagnosticas y terapeuticas de los especilistas, se dirige al Puerto adecuado, para desembarcar al paciente em la Tierra de los Síntomas. Hay un Puerto adecuado, por cada especialidad (Puerto de Oftalmologia, Puerto de Pediatria, etc.), donde esperan hábiles cíclopes con una lente por ojo único. El cíclope es muy competente em su campo y examina detenidamente al paciente en busca de un diagnostico al que aplicar sus conocimientos. Si el médico general se equivoca de Puerto, el paciente corre peligro,[...], manda el paciente de Puerto en Puerto, en lugar de derivarlo a su mécico general.[...] También es muy peligroso, y requiere hacerlo com experiencia y ciencia, desembarcar pasajeros em el Puerto e Urgencias, particularmente ajetreado, donde se considera todo diagnóstico como posible e importante, y encuentra lugar todo incoveniente de la intervención médica.*…+ Los cíclopes están obsesionados por pasar a los pacientes de la tierra de los Síntomas al Reino de los Diagnósticos, y allí al Imperio de los trtamientos, y por evitar el Mar de la Incertidumbre que los separa.en todo ello, el paciente pude mejorar, pero cuando se compara con la actividad de os médicos generales, éstos resulten los mismos casos com menos actividades diagnósticas y menos diagnósticos.(Aventurasydesventuras de los navegantessolitarios en el Mar de la IncertidumbreJ.GérvasyM.PérezFernández ) Obrigada! Verônica G. F. Cisneiros APEMFC – Associação Pernambucana de Medicina de Família e Comunidade GEMFC – Grupo de Estudos em Medicina de Família e Comunidade Veronica.cisneiros@gmail.com