SlideShare uma empresa Scribd logo
Federação Espírita Brasileira
Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita
Programa Fundamental – Tomo I
Reencarnação
Possibilitar entendimento da
reencarnação sob a ótica da
Doutrina Espírita.
Objetivo Geral:
Módulo VI:
Roteiro 1 – Fundamentos e finalidade da
reencarnação;
Módulo VI: Reencarnação
Roteiro 2 – Provas da reencarnação;
Roteiro 3 – Retorno à vida corporal: o
planejamento reencarnatório;
Roteiro 4 – Retorno à vida corporal: união da
alma ao corpo;
Roteiro 5 – Retorno à vida corporal: a
infância;
Roteiro 6 – O esquecimento do passado:
justificativas da sua necessidade.
Módulo VI: Reencarnação
Objetivo específico:
 Explicar como é realizado o
planejamento reencarnatório.
Módulo VI - Roteiro 3
Retorno à vida corporal:
o planejamento reencarnatório
Planejamento
• Processo de raciocínio, elaboração e
organização de atividades para atingir um
determinado objetivo
• O planejamento envolve a criação e a
manutenção de um plano
• Um aspecto importante do planejamento
(embora geralmente deixado de lado) é a
previsão de cenários desejados e
acontecimentos possíveis, elaborando-se
(re)ações para garantir que os cenários
desejados efetivamente aconteçam
Planejamento
Planejar Fazer Checar Agir
Antes de mais nada, definir um OBJETIVO.
Depois, se necessário, dividir em etapas menores.
Para cada etapa, seguir os passos:
Listar ações
para atingir
o objetivo
Executar
ações
planejadas
Verificar se
estamos nos
aproximando
do objetivo
Corrigir caso
estejamos
fora do curso
planejado
Planejamento
Exemplos de objetivos que exigem
planejamento:
• Viagem para a praia
• Viagem para o polo sul
• Construção de uma casa
• Construção de um prédio
• Mandar um homem à lua e retorná-lo em
segurança
• Uma nova encarnação
Base
Doutrinária
No estado errante, e antes de começar
nova existência corporal, o Espírito tem
consciência e previsão das coisas que
lhe vão acontecer durante a vida?
KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Perg. 258.
“Ele próprio escolhe o gênero de
provas que deseja sofrer e nisso
consiste o seu livre-arbítrio”
Se o Espírito pode escolher o gênero de
provas que deve sofrer, seguir-se-á que todas
as tribulações que experimentamos na vida
foram previstas e escolhidas por nós?
KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Perg. 259.
“Todas não é bem o termo, porque não
escolhestes nem previstes tudo o que vos
sucede no mundo, até as menores coisas.
Escolhestes apenas o gênero das provações; os
detalhes são consequência da posição e, muitas
vezes, das vossas próprias ações. [...]”
Como pode o Espírito que, em sua origem, é
simples, ignorante e sem experiência com
conhecimento de causa e ser responsável por
essa escolha?
KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Perg. 262.
“Deus lhe supre a inexperiência, traçando-lhe o
caminho que deve seguir, como fazes com uma
criança, desde o berço. Contudo, pouco a pouco,
à medida que seu livre-arbítrio se desenvolve,
Ele o deixa livre para escolher e só então é que
muitas vezes o Espírito se extravia, tomando o
mau caminho, por não ouvir os conselhos dos
bons Espíritos. [...]”
O que guia o Espírito na escolha das
provas que queira sofrer?
KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Perg. 264.
“Ele escolhe as [provas] que lhe possam
servir de expiação [reparação], segundo
a natureza de suas faltas, e o faça
progredir [aprendizagem, evolução] mais
depressa. [...]”
O planejamento reencarnatório é o mesmo
para todos os Espíritos?
XAVIER, Francisco Cândido e VIEIRA, Waldo. Evolução em dois mundos. Pelo Espírito
André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Primeira Parte: Cap. 19. p. 174.
 Não. “Entre ambas as classes [Espíritos
superiores e inferiores], [...] contamos com
milhões de Espíritos medianos na evolução,
portadores de créditos apreciáveis e dívidas
numerosas, cuja reencarnação exige cautela
de preparo e esmero de previsão.”
Pontos centrais do estudo
 Na reencarnação, existe uma planificação
fundamentada na lógica e na moralidade;
 O planejamento pode ser elaborado pelo
próprio Espírito, desde que ele tenha
condições morais e intelectuais para tanto;
 No caso de Espíritos menos adiantados, seu
planejamento pode ficar na responsabilidade
de outros Espíritos mais esclarecidos.
Em cinco grupos
Tarefas dos Grupos
1. Proceder, individualmente, a leitura silenciosa
dos “Subsídios” e do caso: A história de Stella,
no “Anexo 2”;
2. Cada grupo deverá responder duas das dez
questões listadas no Anexo 2.
Grupo 1 - Questões 1 e 2
Grupo 2 - Questões 3 e 4
Grupo 3 - Questões 5 e 6
Grupo 4 - Questões 7 e 8
Grupo 5 - Questões 9 e 10
Resultados do
estudo em grupo
1. Onde, na história, encontramos
evidências de um planejamento
reencarnatório?
Pergunta 1
Grupo 1
b) O homem doente, em completo estado de
retardamento mental e nascido em uma
família rica;
a) A condição de Stella como enfermeira e em
dificuldades financeiras;
c) O reencontro de ambos, na presente
encarnação, buscando o perdão mútuo para
se reajustarem perante a lei de Deus.
Respostas para pergunta 1
2. Que idéias o texto oferece
para justificar as evidências
indicadas na resposta anterior?
Pergunta 2
Grupo 1
a) As dificuldades que moveram Stella na busca
da sobrevivência da filha, apesar da timidez;
b) O aconselhamento de amigos na escolha da
profissão por Stella;
c) O encaminhamento de Stella ao trabalho;
Respostas para pergunta 2
d) A dificuldade de Stella na execução da tarefa
e a busca pela ajuda esclarecedora;
e) A persistência de Stella para cumprir
adequadamente a missão;
f) A necessidade de cuidados especiais pelo
homem, em completo retardamento mental.
3. Que texto da história indica
que, efetivamente, não há
improvisação nos procedimentos
que antecedem as experiências
reencarnatórias?
Pergunta 3
Grupo 2
a) Os esclarecimentos do médium
Edgar Cayce, ao revelar para Stella
sua missão, seus motivos e o final
esperado nessa reencarnação;
Resposta para pergunta 3
4. Seria correto afirmar que todos os
personagens citados na história
conceberam, por livre iniciativa, o
próprio planejamento reencarnatório?
Por quê?
Pergunta 4
Grupo 2
Respostas para pergunta 4
Em relação ao doente, na hipótese dele possuir
bons sentimentos, pois houvera sido um rico
filantropo, podemos considerar que ele tenha se
arrependido dos graves desvios morais e pedido
para vir na situação de um dementado para
resgatar os seus erros e conseguir o perdão de
uma de suas vítimas, bem como, ficar
incapacitado de cometer os mesmos erros.
Em relação à Stella, não resta dúvida que a
reencarnação foi planejada.
5. Tendo como referência as informações
que os Espíritos transmitiram a
Cayce, que hipóteses poderiam ser
concebidas para justificar o estado de
debilidade mental do enfermo?
Pergunta 5
Grupo 3
Poderia ser de uma reencarnação
compulsória, ou seja, sem a participação do
espírito, que não compreendeu e nem se
arrependeu dos atos cometidos, e que
certamente voltaria a cometê-los, por isso
veio sem capacidade de monitorar suas
próprias decisões, em condições sub-
humanas, para causar a mesma repulsa que
havia despertado nas suas vítimas em
encarnação pretérita.
Resposta para pergunta 5
6. Por que o afeto de Stella, em
especial, teve o poder de
melhorar as condições espirituais
do doente?
Pergunta 6
Grupo 3
Considerando que se tratava de uma
reencarnação planejada e que o móvel
da questão era a reaproximação dos
dois, tão logo ela apareceu, tratando
o doente com afeto e carinho, as
condições foram criadas para o
refazimento do enfermo e a reparação
do mal feito entre ambos.
Resposta para pergunta 6
7. Por que outras pessoas, inclusive
os familiares do enfermo, não
conseguiram obter os resultados
alcançados por Stella?
Pergunta 7
Grupo 4
Possivelmente, a necessidade mútua de
perdão e de reparação do mal cometido
era o verdadeiro motivo do refazimento
do enfermo. Talvez, não houvesse, entre
os parentes, um compromisso tão forte
com o doente como o de Stella, que
cumpriu com amor a sua tarefa para
sublimar o mal que antes unira os dois.
Resposta para pergunta 7
8. Um ponto – que não escapa à história –
diz respeito ao enfermo: ter renascido
em uma família rica, a qual poderia
assegurar-lhe conforto e recursos
materiais. Que explicação espírita
poderíamos dar para tal fato,
considerando a exposição que foi
realizada pelo monitor no início da aula?
Pergunta 8
Grupo 4
Como a prova da riqueza na reencarnação
passada foi mal aproveitada anteriormente,
então, nesta reencarnação, ele teve a
mesma prova, porém sem poder aproveitá-
la, uma vez que estava incapacitado
mentalmente para gerir a fortuna. No
entanto, agora a riqueza poderia ser usada
para atrair Stella, por meio do ofício de
enfermeira.
Resposta para pergunta 8
9. Será que o médium Edgar Cayce
estaria, de alguma forma, vinculado
à problemática evidenciada na
história? Justifique a resposta.
Pergunta 9
Grupo 5
Nada é por acaso. Possivelmente, o
médium foi contatado por Stella por ser
a pessoa que poderia lhe ajudar e que
no passado pode ter tido vinculações
com ambos e veio nessa reencarnação
com o propósito de ajudá-los nessa
tarefa de reajustamento.
Resposta para pergunta 9
10. E os pais do enfermo? Teriam eles
alguma ligação com Stella? Por que
tiveram que passar pela provação de
receber aquele Espírito, em especial,
como filho?.
Pergunta 10
Grupo 5
A responsabilidade dos pais do enfermo
pode ser fruto de prova ou de expiação.
A provação deles poderia ser, por
exemplo, a de propiciar condições para o
resgate das encarnações passados de
ambos, Stella e o filho doente. Quanto
à sua ligação com Stella, pode ter sido
advinda de relacionamento anterior, mas
num grau menor do que aquele que
tiveram com o enfermo.
Resposta para pergunta 9
Fund1Mod06Rot3
 Não há improvisações nos procedimentos que
antecedem as experiências reencarnatórias;
 Existe, na verdade, uma planificação
fundamentada na lógica e na moralidade;
 A escolha das provas merece cuidados
especiais por parte dos Espíritos
planejadores;
 O planejamento pode ser feito pelo próprio
Espírito ou por outros mais adiantados,
dependendo das condições do reencarnante;
Destaques ...
FEB. Estudo sistematizado da doutrina espírita. Org. Cecília Rocha. Rio de Janeiro: FEB, 2007. v.1,
Módulo VI, Roteiro 3, p.200-211.
 O planejamento reencarnatório prevê, em geral,
apenas os principais acontecimentos que poderão
ocorrer no mundo físico;
 Independentemente de quem fez o planejamento,
não há garantias de que ele será cumprido, total
ou parcialmente;
 O planejamento reencarnatório está ligado às
consequências do uso do livre-arbítrio e do nível
de evolução moral e intelectual do reencarnante;
 Enfim, os planejamentos reencarnatórios são
muito diversificados, pois diversas sãos as
necessidades humanas.
Destaques (cont.)...
FEB. Estudo sistematizado da doutrina espírita. Org. Cecília Rocha. Rio de Janeiro: FEB, 2007. v.1,
Módulo VI, Roteiro 3, p.200-211.
Testando
nosso
aprendizado!
Em relação ao planejamento reencarnatório, à luz da
Doutrina Espírita, como nós podemos avaliar as
seguintes alternativas? (Módulo VI, Roteiro 3):
a)
O planejamento reencarnatório é
sempre feito pelo próprio espírito.
b)
O planejamento reencarnatório detalha
todos os acontecimentos que poderão
ocorrer no mundo físico.
c)
Os processos de reencarnação não são
subordinados à evolução do espírito
reencarnante.
F
F
F
Ainda em relação ao planejamento reencarnatório, à
luz da Doutrina Espírita, como nós podemos avaliar
as seguintes alternativas? (Módulo VI, Roteiro 3):
a)
A memória integral das experiências
reencarnatórias encontra-se bloqueada, a fim
de que o espírito possa melhor aproveitar os
benefícios objetivados pela reencarnação.
b)
Dando ao espírito o livre arbítrio, Deus deixa a
ele a inteira responsabilidade de suas escolhas,
isto é, seus atos e as conseqüências que estes
tiverem.
c)
Os planejamentos reencarnatórios são muito
diversificados, porque são diversas as
necessidades humanas.
d)
Os espíritos nunca são impedidos de participar
do próprio planejamento reencarnatório, em
respeito ao seu livre-arbítrio.
V
V
F
V
[...] a existência humana não é um ato
acidental [...], a justiça exerce seu
ministério, todos os dias, obedecendo ao
alto desígnio que manda ministrar os
dons da vida “a cada um por suas obras”
XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo Espírito André Luiz.
ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003, p.193.
Mensagem final...
Fund1Mod06Rot3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O fluido vital
O fluido vitalO fluido vital
O fluido vital
Wanderson Luz
 
Evangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e Paz
Evangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e PazEvangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e Paz
Evangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e Paz
Ricardo Azevedo
 
Obsessao _Divida agravada
Obsessao _Divida agravada Obsessao _Divida agravada
Obsessao _Divida agravada
Claudio Macedo
 
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Izabel Cristina Fonseca
 
A reencarnacao de segismundo
A reencarnacao de segismundoA reencarnacao de segismundo
A reencarnacao de segismundo
Marta Gomes
 
Evangeliza - Juventude e a Mediunidade
Evangeliza - Juventude e a MediunidadeEvangeliza - Juventude e a Mediunidade
Evangeliza - Juventude e a Mediunidade
Antonino Silva
 
Nos domínios da mediunidade aula17
Nos domínios da mediunidade aula17Nos domínios da mediunidade aula17
Nos domínios da mediunidade aula17
Leonardo Pereira
 
Muitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
Muitos os Chamados, Poucos os EscolhidosMuitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
Muitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
Almir Silva
 
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESEConvidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Fernanda Florian
 
Palestra ESE 21 Falsos cristos e profetas
Palestra ESE 21 Falsos cristos e profetasPalestra ESE 21 Falsos cristos e profetas
Palestra ESE 21 Falsos cristos e profetas
Tiburcio Santos
 
Olhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BA
Olhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BAOlhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BA
Olhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BA
Danilo Galvão
 
A cura espirita
A cura espiritaA cura espirita
A cura espirita
Stanley Domeniquini
 
O passe
O passe  O passe
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
Jorge Luiz dos Santos
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
Leonardo Pereira
 
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios OcultosEvangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
Antonino Silva
 
Obsessão , prevenção, tratamento e cura (Leonardo Pereira).
Obsessão , prevenção, tratamento e cura (Leonardo Pereira). Obsessão , prevenção, tratamento e cura (Leonardo Pereira).
Obsessão , prevenção, tratamento e cura (Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o EspiritismoRoteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Movimento da Fraternidade
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
Jorge Luiz dos Santos
 
Atendimento fraterno
Atendimento fraternoAtendimento fraterno
Atendimento fraterno
Jorge Elarrat
 

Mais procurados (20)

O fluido vital
O fluido vitalO fluido vital
O fluido vital
 
Evangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e Paz
Evangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e PazEvangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e Paz
Evangelho no Lar - Educação, Compreensão, Proteção e Paz
 
Obsessao _Divida agravada
Obsessao _Divida agravada Obsessao _Divida agravada
Obsessao _Divida agravada
 
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
Conhece se a árvore pelos frutos gec 03-09-2011
 
A reencarnacao de segismundo
A reencarnacao de segismundoA reencarnacao de segismundo
A reencarnacao de segismundo
 
Evangeliza - Juventude e a Mediunidade
Evangeliza - Juventude e a MediunidadeEvangeliza - Juventude e a Mediunidade
Evangeliza - Juventude e a Mediunidade
 
Nos domínios da mediunidade aula17
Nos domínios da mediunidade aula17Nos domínios da mediunidade aula17
Nos domínios da mediunidade aula17
 
Muitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
Muitos os Chamados, Poucos os EscolhidosMuitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
Muitos os Chamados, Poucos os Escolhidos
 
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESEConvidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
Convidar os pobres e estropiados - Cap. XIII - ESE
 
Palestra ESE 21 Falsos cristos e profetas
Palestra ESE 21 Falsos cristos e profetasPalestra ESE 21 Falsos cristos e profetas
Palestra ESE 21 Falsos cristos e profetas
 
Olhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BA
Olhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BAOlhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BA
Olhai as aves do céu - Palestrante Professor Danilo Galvão - SAJ/BA
 
A cura espirita
A cura espiritaA cura espirita
A cura espirita
 
O passe
O passe  O passe
O passe
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
 
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios OcultosEvangeliza - Infortúnios Ocultos
Evangeliza - Infortúnios Ocultos
 
Obsessão , prevenção, tratamento e cura (Leonardo Pereira).
Obsessão , prevenção, tratamento e cura (Leonardo Pereira). Obsessão , prevenção, tratamento e cura (Leonardo Pereira).
Obsessão , prevenção, tratamento e cura (Leonardo Pereira).
 
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o EspiritismoRoteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
Roteiro para Estudo do Evangelho Segundo o Espiritismo
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
 
Atendimento fraterno
Atendimento fraternoAtendimento fraterno
Atendimento fraterno
 

Destaque

Processo reencarnatório
Processo reencarnatórioProcesso reencarnatório
Processo reencarnatório
Fórum Espírita
 
Missionários da luz cap 13 reencarnação
Missionários da luz cap 13 reencarnaçãoMissionários da luz cap 13 reencarnação
Missionários da luz cap 13 reencarnação
Lar Irmã Zarabatana
 
Aula planejamento Reencarnatório
Aula planejamento ReencarnatórioAula planejamento Reencarnatório
Aula planejamento Reencarnatório
Mocidade Bezzerra de Menezes
 
Missionários da Luz
Missionários da LuzMissionários da Luz
Missionários da Luz
Gevluz de Luz
 
7 aula reencarnação
7   aula reencarnação7   aula reencarnação
7 aula reencarnação
Sergio Lima Dias Junior
 
GEEAD_2011_11_23
GEEAD_2011_11_23GEEAD_2011_11_23
GEEAD_2011_11_23
Geead Abu Dhabi
 
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporalFund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Guto Ovsky
 
Retorno à Vida Corporal
Retorno à Vida CorporalRetorno à Vida Corporal
Retorno à Vida Corporal
contatodoutrina2013
 
Provas da Reencarnação
Provas da ReencarnaçãoProvas da Reencarnação
Provas da Reencarnação
igmateus
 
Fund1Mod06Rot4
Fund1Mod06Rot4Fund1Mod06Rot4
Fund1Mod06Rot4
Guto Ovsky
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
Marcos Accioly
 
Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1
Guto Ovsky
 
Reencarnação
Reencarnação Reencarnação
Reencarnação
Alfredo Lopes
 
Fase2 aula 09 slides
Fase2 aula 09 slidesFase2 aula 09 slides
Fase2 aula 09 slides
Iara Paiva
 
Diferentes categorias de mundos - n.24
Diferentes categorias de mundos - n.24Diferentes categorias de mundos - n.24
Diferentes categorias de mundos - n.24
Graça Maciel
 
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Guto Ovsky
 
A reencarnação visão geral
A reencarnação visão geralA reencarnação visão geral
A reencarnação visão geral
Anderson Dias
 
A realeza de jesus
A realeza de jesusA realeza de jesus
A realeza de jesus
Edemilson G Souza
 
Transição planetária
Transição planetáriaTransição planetária
Transição planetária
Marcos Accioly
 
Transição planetaria apresentação
Transição planetaria apresentaçãoTransição planetaria apresentação
Transição planetaria apresentação
carlos freire
 

Destaque (20)

Processo reencarnatório
Processo reencarnatórioProcesso reencarnatório
Processo reencarnatório
 
Missionários da luz cap 13 reencarnação
Missionários da luz cap 13 reencarnaçãoMissionários da luz cap 13 reencarnação
Missionários da luz cap 13 reencarnação
 
Aula planejamento Reencarnatório
Aula planejamento ReencarnatórioAula planejamento Reencarnatório
Aula planejamento Reencarnatório
 
Missionários da Luz
Missionários da LuzMissionários da Luz
Missionários da Luz
 
7 aula reencarnação
7   aula reencarnação7   aula reencarnação
7 aula reencarnação
 
GEEAD_2011_11_23
GEEAD_2011_11_23GEEAD_2011_11_23
GEEAD_2011_11_23
 
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporalFund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
 
Retorno à Vida Corporal
Retorno à Vida CorporalRetorno à Vida Corporal
Retorno à Vida Corporal
 
Provas da Reencarnação
Provas da ReencarnaçãoProvas da Reencarnação
Provas da Reencarnação
 
Fund1Mod06Rot4
Fund1Mod06Rot4Fund1Mod06Rot4
Fund1Mod06Rot4
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1
 
Reencarnação
Reencarnação Reencarnação
Reencarnação
 
Fase2 aula 09 slides
Fase2 aula 09 slidesFase2 aula 09 slides
Fase2 aula 09 slides
 
Diferentes categorias de mundos - n.24
Diferentes categorias de mundos - n.24Diferentes categorias de mundos - n.24
Diferentes categorias de mundos - n.24
 
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
 
A reencarnação visão geral
A reencarnação visão geralA reencarnação visão geral
A reencarnação visão geral
 
A realeza de jesus
A realeza de jesusA realeza de jesus
A realeza de jesus
 
Transição planetária
Transição planetáriaTransição planetária
Transição planetária
 
Transição planetaria apresentação
Transição planetaria apresentaçãoTransição planetaria apresentação
Transição planetaria apresentação
 

Semelhante a Fund1Mod06Rot3

Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 
Adolescente, mas de passagem
Adolescente, mas de passagemAdolescente, mas de passagem
Adolescente, mas de passagem
siaromjo
 
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
ESDE Modulo VI Roteiro 1 Reencarnação
ESDE Modulo VI Roteiro 1 ReencarnaçãoESDE Modulo VI Roteiro 1 Reencarnação
ESDE Modulo VI Roteiro 1 Reencarnação
Carlos Alberto
 
Estudos do evangelho 13
Estudos do evangelho 13Estudos do evangelho 13
Estudos do evangelho 13
Leonardo Pereira
 
Capitulo VI - Vida espirita
Capitulo VI - Vida espiritaCapitulo VI - Vida espirita
Capitulo VI - Vida espirita
Marta Gomes
 
Livro dos Espíritos Q.382 ESE cap. 28 item 59
Livro dos Espíritos Q.382 ESE cap. 28 item 59Livro dos Espíritos Q.382 ESE cap. 28 item 59
Livro dos Espíritos Q.382 ESE cap. 28 item 59
Patricia Farias
 
Retorno à Vida Corporal - a infância.pptx
Retorno à Vida Corporal - a infância.pptxRetorno à Vida Corporal - a infância.pptx
Retorno à Vida Corporal - a infância.pptx
Rosimeire Alves
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Bruno Cechinel Filho
 
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Patricia Farias
 
2.4.4 Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos
2.4.4   Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos2.4.4   Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos
2.4.4 Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos
Marta Gomes
 
Anexo infancia3
Anexo infancia3Anexo infancia3
Anexo infancia3
Ana Cristina Freitas
 
Fraternidade e Evolução.pptx
Fraternidade e Evolução.pptxFraternidade e Evolução.pptx
Fraternidade e Evolução.pptx
VictorTolentino8
 
Nossos filhos
Nossos filhosNossos filhos
Nossos filhos
Eduardo Manoel Araujo
 
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Jean Dias
 
Resenha de estudos espiritas 06
Resenha de estudos espiritas 06Resenha de estudos espiritas 06
Resenha de estudos espiritas 06
MRS
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 38 - Conta Particular
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 38 - Conta ParticularSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 38 - Conta Particular
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 38 - Conta Particular
Ricardo Azevedo
 
Idiotismo, Loucura
Idiotismo, LoucuraIdiotismo, Loucura
Idiotismo, Loucura
Sergio Menezes
 
Capitulo IV Pluralidade das existencias
Capitulo IV   Pluralidade das existenciasCapitulo IV   Pluralidade das existencias
Capitulo IV Pluralidade das existencias
Marta Gomes
 
2.8.6 - Segunda Vista
2.8.6 - Segunda Vista 2.8.6 - Segunda Vista
2.8.6 - Segunda Vista
Marta Gomes
 

Semelhante a Fund1Mod06Rot3 (20)

Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
 
Adolescente, mas de passagem
Adolescente, mas de passagemAdolescente, mas de passagem
Adolescente, mas de passagem
 
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
 
ESDE Modulo VI Roteiro 1 Reencarnação
ESDE Modulo VI Roteiro 1 ReencarnaçãoESDE Modulo VI Roteiro 1 Reencarnação
ESDE Modulo VI Roteiro 1 Reencarnação
 
Estudos do evangelho 13
Estudos do evangelho 13Estudos do evangelho 13
Estudos do evangelho 13
 
Capitulo VI - Vida espirita
Capitulo VI - Vida espiritaCapitulo VI - Vida espirita
Capitulo VI - Vida espirita
 
Livro dos Espíritos Q.382 ESE cap. 28 item 59
Livro dos Espíritos Q.382 ESE cap. 28 item 59Livro dos Espíritos Q.382 ESE cap. 28 item 59
Livro dos Espíritos Q.382 ESE cap. 28 item 59
 
Retorno à Vida Corporal - a infância.pptx
Retorno à Vida Corporal - a infância.pptxRetorno à Vida Corporal - a infância.pptx
Retorno à Vida Corporal - a infância.pptx
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
Os Mensageiros - A vida no Mundo espiritual Cap 06
 
2.4.4 Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos
2.4.4   Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos2.4.4   Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos
2.4.4 Destino das criancas depois da morte - sexo nos espiritos
 
Anexo infancia3
Anexo infancia3Anexo infancia3
Anexo infancia3
 
Fraternidade e Evolução.pptx
Fraternidade e Evolução.pptxFraternidade e Evolução.pptx
Fraternidade e Evolução.pptx
 
Nossos filhos
Nossos filhosNossos filhos
Nossos filhos
 
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
 
Resenha de estudos espiritas 06
Resenha de estudos espiritas 06Resenha de estudos espiritas 06
Resenha de estudos espiritas 06
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 38 - Conta Particular
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 38 - Conta ParticularSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 38 - Conta Particular
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 38 - Conta Particular
 
Idiotismo, Loucura
Idiotismo, LoucuraIdiotismo, Loucura
Idiotismo, Loucura
 
Capitulo IV Pluralidade das existencias
Capitulo IV   Pluralidade das existenciasCapitulo IV   Pluralidade das existencias
Capitulo IV Pluralidade das existencias
 
2.8.6 - Segunda Vista
2.8.6 - Segunda Vista 2.8.6 - Segunda Vista
2.8.6 - Segunda Vista
 

Mais de Guto Ovsky

Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2
Guto Ovsky
 
Fund1Mod01Rot1-[2012]guto
Fund1Mod01Rot1-[2012]gutoFund1Mod01Rot1-[2012]guto
Fund1Mod01Rot1-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldoFund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Guto Ovsky
 
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebioFund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Guto Ovsky
 
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebioFund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Guto Ovsky
 
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebioFund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Guto Ovsky
 
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilsonFund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Guto Ovsky
 
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioFund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Guto Ovsky
 
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Guto Ovsky
 
Fund1Mod02Rot1-[2012]guto
Fund1Mod02Rot1-[2012]gutoFund1Mod02Rot1-[2012]guto
Fund1Mod02Rot1-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]gutoFund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod01Rot4-[2007]thais
Fund1Mod01Rot4-[2007]thaisFund1Mod01Rot4-[2007]thais
Fund1Mod01Rot4-[2007]thais
Guto Ovsky
 
Fund1Mod01Rot2-[2013]guto
Fund1Mod01Rot2-[2013]gutoFund1Mod01Rot2-[2013]guto
Fund1Mod01Rot2-[2013]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebioFund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Guto Ovsky
 
Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebio
Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebioFund1Mod01Rot1-[2008]euzebio
Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebio
Guto Ovsky
 
Fund1Mod01Rot3-[2008]euzebio
Fund1Mod01Rot3-[2008]euzebioFund1Mod01Rot3-[2008]euzebio
Fund1Mod01Rot3-[2008]euzebio
Guto Ovsky
 

Mais de Guto Ovsky (18)

Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
 
Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2
 
Fund1Mod01Rot1-[2012]guto
Fund1Mod01Rot1-[2012]gutoFund1Mod01Rot1-[2012]guto
Fund1Mod01Rot1-[2012]guto
 
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldoFund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
 
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebioFund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
 
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebioFund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
 
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebioFund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
 
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
 
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilsonFund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilson
 
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioFund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
 
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
 
Fund1Mod02Rot1-[2012]guto
Fund1Mod02Rot1-[2012]gutoFund1Mod02Rot1-[2012]guto
Fund1Mod02Rot1-[2012]guto
 
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]gutoFund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
 
Fund1Mod01Rot4-[2007]thais
Fund1Mod01Rot4-[2007]thaisFund1Mod01Rot4-[2007]thais
Fund1Mod01Rot4-[2007]thais
 
Fund1Mod01Rot2-[2013]guto
Fund1Mod01Rot2-[2013]gutoFund1Mod01Rot2-[2013]guto
Fund1Mod01Rot2-[2013]guto
 
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebioFund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
 
Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebio
Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebioFund1Mod01Rot1-[2008]euzebio
Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebio
 
Fund1Mod01Rot3-[2008]euzebio
Fund1Mod01Rot3-[2008]euzebioFund1Mod01Rot3-[2008]euzebio
Fund1Mod01Rot3-[2008]euzebio
 

Fund1Mod06Rot3

  • 1. Federação Espírita Brasileira Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita Programa Fundamental – Tomo I Reencarnação Possibilitar entendimento da reencarnação sob a ótica da Doutrina Espírita. Objetivo Geral: Módulo VI:
  • 2. Roteiro 1 – Fundamentos e finalidade da reencarnação; Módulo VI: Reencarnação Roteiro 2 – Provas da reencarnação; Roteiro 3 – Retorno à vida corporal: o planejamento reencarnatório;
  • 3. Roteiro 4 – Retorno à vida corporal: união da alma ao corpo; Roteiro 5 – Retorno à vida corporal: a infância; Roteiro 6 – O esquecimento do passado: justificativas da sua necessidade. Módulo VI: Reencarnação
  • 4. Objetivo específico:  Explicar como é realizado o planejamento reencarnatório. Módulo VI - Roteiro 3 Retorno à vida corporal: o planejamento reencarnatório
  • 5. Planejamento • Processo de raciocínio, elaboração e organização de atividades para atingir um determinado objetivo • O planejamento envolve a criação e a manutenção de um plano • Um aspecto importante do planejamento (embora geralmente deixado de lado) é a previsão de cenários desejados e acontecimentos possíveis, elaborando-se (re)ações para garantir que os cenários desejados efetivamente aconteçam
  • 6. Planejamento Planejar Fazer Checar Agir Antes de mais nada, definir um OBJETIVO. Depois, se necessário, dividir em etapas menores. Para cada etapa, seguir os passos: Listar ações para atingir o objetivo Executar ações planejadas Verificar se estamos nos aproximando do objetivo Corrigir caso estejamos fora do curso planejado
  • 7. Planejamento Exemplos de objetivos que exigem planejamento: • Viagem para a praia • Viagem para o polo sul • Construção de uma casa • Construção de um prédio • Mandar um homem à lua e retorná-lo em segurança • Uma nova encarnação
  • 9. No estado errante, e antes de começar nova existência corporal, o Espírito tem consciência e previsão das coisas que lhe vão acontecer durante a vida? KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Perg. 258. “Ele próprio escolhe o gênero de provas que deseja sofrer e nisso consiste o seu livre-arbítrio”
  • 10. Se o Espírito pode escolher o gênero de provas que deve sofrer, seguir-se-á que todas as tribulações que experimentamos na vida foram previstas e escolhidas por nós? KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Perg. 259. “Todas não é bem o termo, porque não escolhestes nem previstes tudo o que vos sucede no mundo, até as menores coisas. Escolhestes apenas o gênero das provações; os detalhes são consequência da posição e, muitas vezes, das vossas próprias ações. [...]”
  • 11. Como pode o Espírito que, em sua origem, é simples, ignorante e sem experiência com conhecimento de causa e ser responsável por essa escolha? KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Perg. 262. “Deus lhe supre a inexperiência, traçando-lhe o caminho que deve seguir, como fazes com uma criança, desde o berço. Contudo, pouco a pouco, à medida que seu livre-arbítrio se desenvolve, Ele o deixa livre para escolher e só então é que muitas vezes o Espírito se extravia, tomando o mau caminho, por não ouvir os conselhos dos bons Espíritos. [...]”
  • 12. O que guia o Espírito na escolha das provas que queira sofrer? KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Perg. 264. “Ele escolhe as [provas] que lhe possam servir de expiação [reparação], segundo a natureza de suas faltas, e o faça progredir [aprendizagem, evolução] mais depressa. [...]”
  • 13. O planejamento reencarnatório é o mesmo para todos os Espíritos? XAVIER, Francisco Cândido e VIEIRA, Waldo. Evolução em dois mundos. Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003. Primeira Parte: Cap. 19. p. 174.  Não. “Entre ambas as classes [Espíritos superiores e inferiores], [...] contamos com milhões de Espíritos medianos na evolução, portadores de créditos apreciáveis e dívidas numerosas, cuja reencarnação exige cautela de preparo e esmero de previsão.”
  • 14. Pontos centrais do estudo  Na reencarnação, existe uma planificação fundamentada na lógica e na moralidade;  O planejamento pode ser elaborado pelo próprio Espírito, desde que ele tenha condições morais e intelectuais para tanto;  No caso de Espíritos menos adiantados, seu planejamento pode ficar na responsabilidade de outros Espíritos mais esclarecidos.
  • 16. Tarefas dos Grupos 1. Proceder, individualmente, a leitura silenciosa dos “Subsídios” e do caso: A história de Stella, no “Anexo 2”; 2. Cada grupo deverá responder duas das dez questões listadas no Anexo 2. Grupo 1 - Questões 1 e 2 Grupo 2 - Questões 3 e 4 Grupo 3 - Questões 5 e 6 Grupo 4 - Questões 7 e 8 Grupo 5 - Questões 9 e 10
  • 18. 1. Onde, na história, encontramos evidências de um planejamento reencarnatório? Pergunta 1 Grupo 1
  • 19. b) O homem doente, em completo estado de retardamento mental e nascido em uma família rica; a) A condição de Stella como enfermeira e em dificuldades financeiras; c) O reencontro de ambos, na presente encarnação, buscando o perdão mútuo para se reajustarem perante a lei de Deus. Respostas para pergunta 1
  • 20. 2. Que idéias o texto oferece para justificar as evidências indicadas na resposta anterior? Pergunta 2 Grupo 1
  • 21. a) As dificuldades que moveram Stella na busca da sobrevivência da filha, apesar da timidez; b) O aconselhamento de amigos na escolha da profissão por Stella; c) O encaminhamento de Stella ao trabalho; Respostas para pergunta 2 d) A dificuldade de Stella na execução da tarefa e a busca pela ajuda esclarecedora; e) A persistência de Stella para cumprir adequadamente a missão; f) A necessidade de cuidados especiais pelo homem, em completo retardamento mental.
  • 22. 3. Que texto da história indica que, efetivamente, não há improvisação nos procedimentos que antecedem as experiências reencarnatórias? Pergunta 3 Grupo 2
  • 23. a) Os esclarecimentos do médium Edgar Cayce, ao revelar para Stella sua missão, seus motivos e o final esperado nessa reencarnação; Resposta para pergunta 3
  • 24. 4. Seria correto afirmar que todos os personagens citados na história conceberam, por livre iniciativa, o próprio planejamento reencarnatório? Por quê? Pergunta 4 Grupo 2
  • 25. Respostas para pergunta 4 Em relação ao doente, na hipótese dele possuir bons sentimentos, pois houvera sido um rico filantropo, podemos considerar que ele tenha se arrependido dos graves desvios morais e pedido para vir na situação de um dementado para resgatar os seus erros e conseguir o perdão de uma de suas vítimas, bem como, ficar incapacitado de cometer os mesmos erros. Em relação à Stella, não resta dúvida que a reencarnação foi planejada.
  • 26. 5. Tendo como referência as informações que os Espíritos transmitiram a Cayce, que hipóteses poderiam ser concebidas para justificar o estado de debilidade mental do enfermo? Pergunta 5 Grupo 3
  • 27. Poderia ser de uma reencarnação compulsória, ou seja, sem a participação do espírito, que não compreendeu e nem se arrependeu dos atos cometidos, e que certamente voltaria a cometê-los, por isso veio sem capacidade de monitorar suas próprias decisões, em condições sub- humanas, para causar a mesma repulsa que havia despertado nas suas vítimas em encarnação pretérita. Resposta para pergunta 5
  • 28. 6. Por que o afeto de Stella, em especial, teve o poder de melhorar as condições espirituais do doente? Pergunta 6 Grupo 3
  • 29. Considerando que se tratava de uma reencarnação planejada e que o móvel da questão era a reaproximação dos dois, tão logo ela apareceu, tratando o doente com afeto e carinho, as condições foram criadas para o refazimento do enfermo e a reparação do mal feito entre ambos. Resposta para pergunta 6
  • 30. 7. Por que outras pessoas, inclusive os familiares do enfermo, não conseguiram obter os resultados alcançados por Stella? Pergunta 7 Grupo 4
  • 31. Possivelmente, a necessidade mútua de perdão e de reparação do mal cometido era o verdadeiro motivo do refazimento do enfermo. Talvez, não houvesse, entre os parentes, um compromisso tão forte com o doente como o de Stella, que cumpriu com amor a sua tarefa para sublimar o mal que antes unira os dois. Resposta para pergunta 7
  • 32. 8. Um ponto – que não escapa à história – diz respeito ao enfermo: ter renascido em uma família rica, a qual poderia assegurar-lhe conforto e recursos materiais. Que explicação espírita poderíamos dar para tal fato, considerando a exposição que foi realizada pelo monitor no início da aula? Pergunta 8 Grupo 4
  • 33. Como a prova da riqueza na reencarnação passada foi mal aproveitada anteriormente, então, nesta reencarnação, ele teve a mesma prova, porém sem poder aproveitá- la, uma vez que estava incapacitado mentalmente para gerir a fortuna. No entanto, agora a riqueza poderia ser usada para atrair Stella, por meio do ofício de enfermeira. Resposta para pergunta 8
  • 34. 9. Será que o médium Edgar Cayce estaria, de alguma forma, vinculado à problemática evidenciada na história? Justifique a resposta. Pergunta 9 Grupo 5
  • 35. Nada é por acaso. Possivelmente, o médium foi contatado por Stella por ser a pessoa que poderia lhe ajudar e que no passado pode ter tido vinculações com ambos e veio nessa reencarnação com o propósito de ajudá-los nessa tarefa de reajustamento. Resposta para pergunta 9
  • 36. 10. E os pais do enfermo? Teriam eles alguma ligação com Stella? Por que tiveram que passar pela provação de receber aquele Espírito, em especial, como filho?. Pergunta 10 Grupo 5
  • 37. A responsabilidade dos pais do enfermo pode ser fruto de prova ou de expiação. A provação deles poderia ser, por exemplo, a de propiciar condições para o resgate das encarnações passados de ambos, Stella e o filho doente. Quanto à sua ligação com Stella, pode ter sido advinda de relacionamento anterior, mas num grau menor do que aquele que tiveram com o enfermo. Resposta para pergunta 9
  • 39.  Não há improvisações nos procedimentos que antecedem as experiências reencarnatórias;  Existe, na verdade, uma planificação fundamentada na lógica e na moralidade;  A escolha das provas merece cuidados especiais por parte dos Espíritos planejadores;  O planejamento pode ser feito pelo próprio Espírito ou por outros mais adiantados, dependendo das condições do reencarnante; Destaques ... FEB. Estudo sistematizado da doutrina espírita. Org. Cecília Rocha. Rio de Janeiro: FEB, 2007. v.1, Módulo VI, Roteiro 3, p.200-211.
  • 40.  O planejamento reencarnatório prevê, em geral, apenas os principais acontecimentos que poderão ocorrer no mundo físico;  Independentemente de quem fez o planejamento, não há garantias de que ele será cumprido, total ou parcialmente;  O planejamento reencarnatório está ligado às consequências do uso do livre-arbítrio e do nível de evolução moral e intelectual do reencarnante;  Enfim, os planejamentos reencarnatórios são muito diversificados, pois diversas sãos as necessidades humanas. Destaques (cont.)... FEB. Estudo sistematizado da doutrina espírita. Org. Cecília Rocha. Rio de Janeiro: FEB, 2007. v.1, Módulo VI, Roteiro 3, p.200-211.
  • 42. Em relação ao planejamento reencarnatório, à luz da Doutrina Espírita, como nós podemos avaliar as seguintes alternativas? (Módulo VI, Roteiro 3): a) O planejamento reencarnatório é sempre feito pelo próprio espírito. b) O planejamento reencarnatório detalha todos os acontecimentos que poderão ocorrer no mundo físico. c) Os processos de reencarnação não são subordinados à evolução do espírito reencarnante. F F F
  • 43. Ainda em relação ao planejamento reencarnatório, à luz da Doutrina Espírita, como nós podemos avaliar as seguintes alternativas? (Módulo VI, Roteiro 3): a) A memória integral das experiências reencarnatórias encontra-se bloqueada, a fim de que o espírito possa melhor aproveitar os benefícios objetivados pela reencarnação. b) Dando ao espírito o livre arbítrio, Deus deixa a ele a inteira responsabilidade de suas escolhas, isto é, seus atos e as conseqüências que estes tiverem. c) Os planejamentos reencarnatórios são muito diversificados, porque são diversas as necessidades humanas. d) Os espíritos nunca são impedidos de participar do próprio planejamento reencarnatório, em respeito ao seu livre-arbítrio. V V F V
  • 44. [...] a existência humana não é um ato acidental [...], a justiça exerce seu ministério, todos os dias, obedecendo ao alto desígnio que manda ministrar os dons da vida “a cada um por suas obras” XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo Espírito André Luiz. ed. esp. Rio de Janeiro: FEB, 2003, p.193. Mensagem final...